Transparency as a Leader

By Scott Boren, The Center for Community and Mission  (www.mscottboren.org), Twitter@mscottboren

Life happens when we are making other plans, and often life does not come in the form that we prefer. I had to learn this the hard way as a leader. Struggles occurred that impeded the great success I had hoped for. I found myself taking three steps forward and two steps back. I found myself walking through the valley of the shadow of death. Following Jesus in this life involves ups and downs. On the path of following Jesus and therefore on the path of leading others, there will be mountains and valleys. It’s just the way it goes.

Some of the valleys and failures are due to our choices. But they aren’t always rooted in sin or moral failure. They also come as a result of living in a world that falls short of God’s kingdom. Sometimes life just kicks us in the stomach. Maybe you lose a job and have to file for bankruptcy. Or your son tells you that his girlfriend is pregnant. Or your spouse gets sick. And there go your plans for how you thought your leadership would work. Questions arise. Pain sets in. You might even find yourself in a place of darkness and depression.

Of course, struggles also come from poor choices. None of us is perfect and until the day Jesus returns, leaders will need to deal with that fact. Sometimes our choices are huge, catastrophic and immoral, like sexual indiscretion. Other times we make choices that reveal character flaws, like blasting someone with anger.

Whatever the case, life and leadership involve personal struggle. And too often Christian leaders feel expectations that they should not struggle. We love to train our leaders to create safe places in their groups for people to share their struggles. But we must also create safe places where leaders can struggle without fear of judgment or condemnation. Since we never outgrow the struggles of life, we must ask if our leaders have places where they experience this kind of safety.

This goes far beyond creating a place where leaders can talk together or telling leaders they can be transparent. This is about church culture. If a church is shaped by a culture of performance, then sharing about personal struggles will be very difficult for people. There will be a focus on external expectations and rule following.

But if the culture of the church is one where messy life together is an expectation, where everyone is given the space to struggle together, then leaders are going to be much more likely to open up.

We are all wounded. And we will all be wounded further. The greatest leaders of the church have recognized this reality and allowed God to work through their wounds to touch others. God works through wounded healers. He does not work around the wounds. He does not work in spite of the wounds. He redeems the wounds for the sake of the world. It’s backward logic from the way we commonly see it, but nonetheless it’s God’s mysterious way of working. God redeemed the world through the wounds of Jesus, and it still works that way today.

—Adapted from Leading Small Groups in the Way of Jesus, pages 115-117

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Transparência como Líder

Por Scott Boren, O Centro da Comunidade e Missão (www.mscottboren.org), Twitter @mscottboren

A vida acontece quando estamos fazendo outros planos e, muitas vezes, a vida não vem na forma que preferimos. Eu tive que aprender isso da maneira mais difícil como líder. Ocorreram lutas que impediram o grande sucesso que eu esperava. Eu me vi dando três passos para frente e dois passos para trás. Me vi andando pelo vale da sombra da morte. Seguir a Jesus nesta vida envolve altos e baixos. No caminho de seguir a Jesus e de liderar as pessoas, haverá montanhas e vales. É assim que acontece.

Alguns dos vales e falhas são devidos às nossas escolhas. Mas eles nem sempre estão enraizados no pecado ou no fracasso moral. Eles também vêm como resultado de viver em um mundo que fica aquém do reino de Deus. Às vezes é como se a vida nos chutasse no estômago. Talvez você perca um emprego e tenha que declarar falência; ou o seu filho te diga que a namorada dele está grávida; ou o seu cônjuge fica doente. E lá vão os seus planos de como você acha que sua liderança funcionaria. Perguntas surgem.  A dor se instala. Você pode até encontrar-se em um lugar de escuridão e depressão.

É claro que as lutas também vêm de más escolhas. Nenhum de nós é perfeito e até o dia em que Jesus voltar, os líderes precisarão lidar com esse fato. Às vezes, nossas escolhas são enormes, catastróficas e imorais, como a indiscrição sexual. Outras vezes fazemos escolhas que revelam falhas de caráter, como atacar alguém com raiva.

Seja qual for o caso, a vida e a liderança envolvem luta pessoal. E muitas vezes os líderes cristãos têm expectativas de que eles não devem lutar. Nós adoramos treinar nossos líderes para eles criarem lugares seguros em seus grupos para as pessoas compartilharem suas lutas. Mas também precisamos criar lugares seguros onde os líderes possam se abrir sobre suas lutas sem medo de julgamento ou condenação. Já que sempre vamos ter lutas na vida, devemos perguntar se nossos líderes têm lugares onde eles experimentam esse tipo de segurança.

Isso vai muito além de criar um lugar onde os líderes possam conversar juntos ou de lhes dizer que eles podem ser transparentes. Isso se trata da cultura da igreja. Se uma igreja é moldada por uma cultura de desempenho, então compartilhar sobre as lutas pessoais será muito difícil para as pessoas. Haverá um foco nas expectativas externas e na obediência às regras.

Mas se a cultura da igreja é aquela em que a vida confusa é esperada, onde todos recebem espaço para lutar juntos, então os líderes terão muito mais chances de se abrir.

Estamos todos feridos. E todos nós seremos mais feridos. Os maiores líderes da igreja reconheceram essa realidade e permitiram que Deus trabalhasse através de suas feridas para tocar os outros. Deus trabalha através de curadores feridos. Ele não trabalha em torno das feridas. Ele não trabalha apesar das feridas. Ele redime as feridas por amor ao mundo. É uma lógica inversa da maneira como comumente a vemos, mas, mesmo assim, é a maneira misteriosa de trabalhar de Deus. Deus redimiu o mundo através das feridas de Jesus e isso ainda funciona hoje.

—Adaptado do livro Leading Small Groups in the Way of Jesus, páginas 115-117

Spanish blog:

La transparencia como líder

Por Scott Boren, El Centro para la Comunidad y la Misión (www.mscottboren.org), Twitter @ mscottboren

La vida sucede cuando estamos haciendo otros planes, y a menudo la vida no viene en la forma que preferimos. Tuve que aprender esto de la manera difícil como líder. Se produjeron luchas que impidieron el gran éxito que había esperado. Me encontré dando tres pasos adelante y dos pasos atrás. Me encontré caminando por el valle de la sombra de muerte. Seguir a Jesús en esta vida involucra altibajos, en el camino de seguir a Jesús y, por lo tanto, en el camino de guiar a otros, habrá montañas y valles. Es sólo la forma en que va.

Algunos de los valles y fracasos se deben a nuestras elecciones. Pero no siempre están enraizados en el pecado o el fracaso moral. También vienen como resultado de vivir en un mundo que no está a la altura del reino de Dios. A veces la vida simplemente nos da una patada en el estómago. Tal vez pierdes un trabajo y tienes que declararse en quiebra. O tu hijo te dice que su novia esta embarazada. O tu cónyuge se enferma. Y ahí van tus planes sobre cómo pensabas que funcionaría tu liderazgo, surgen preguntas, el dolor comienza. Es posible que incluso te encuentres en un lugar de oscuridad y depresión.

Por supuesto, las luchas también vienen de malas decisiones. Ninguno de nosotros es perfecto y hasta el día en que Jesús regrese, los líderes necesitarán lidiar con ese hecho. A veces nuestras elecciones son enormes, catastróficas e inmorales, como la indiscreción sexual. Otras veces tomamos decisiones que revelan fallas en el carácter, como arruinar a alguien con ira.

Cualquiera que sea el caso, la vida y el liderazgo implican lucha personal. Y con demasiada frecuencia los líderes cristianos sienten expectativas de que no deberían luchar. Nos encanta capacitar a nuestros líderes para crear lugares seguros en sus células para que las personas compartan sus luchas. Pero también debemos crear lugares seguros donde los líderes puedan luchar sin temor al juicio o condena. Como nunca superamos las luchas de la vida, debemos preguntar si nuestros líderes tienen lugares donde experimentan este tipo de seguridad.

Esto va mucho más allá de crear un lugar donde los líderes puedan hablar juntos o decirles a los líderes que pueden ser transparentes. Esto es sobre la cultura de la iglesia. Si una iglesia está formada por una cultura de desempeño, entonces compartir las luchas personales será muy difícil para las personas. Habrá un enfoque en las expectativas externas y la regla siguiente.

Pero si la cultura de la iglesia es una en la que la vida desordenada es una expectativa, donde a todos se les da el espacio para luchar juntos, entonces los líderes serán mucho más propensos a abrirse.

Todos estamos heridos. Y todos seremos heridos aún más. Los líderes más grandes de la iglesia han reconocido esta realidad y han permitido a Dios trabajar a través de sus heridas para tocar a otros. Dios obra a través de sanadores heridos. Él no trabajar alrededor de las heridas, no trabaja a pesar de las heridas. El redime las heridas por el bien del mundo. Es una lógica atrasada de la forma en que comúnmente lo vemos, pero no obstante, es la forma misteriosa de trabajar de Dios. Dios redimió al mundo a través de las heridas de Jesús, y todavía funciona así hoy.

—Adaptado de Liderar pequeños grupos en el camino de Jesús, páginas 115-117

Leave a Reply

Your email address will not be published.