The Cell Driven Church, part 1

By Pastor Ryan Faust, Ryan and his wife Katy live in Seattle with their 4 children.  They shepherd Grace Church Seattle, a church that has been around for 60 plus years.  Pastor Ryan began the transition of this church in 2013.  This transition is chronicled in his book Recontextualizing Church: From Attractional Events and Program-Driven to Missional Community and Cell-Driven (available on Amazon).

Concerning the question if it is possible for a church to have a hybrid of cells and programs, the answer is in the definition “cell-driven” vs “program-driven.”  A program-driven church can have cells as one of their many programs, but then cell ministry is not the shepherding focus of that church.  A cell-driven ministry, on the other hand, emphasizes cell groups as the primary ministry outside the Sunday worship celebration and all leaders are to be involved in cell groups with the goal of growing the church through leader development in order to equip the saints to do the work of the ministry as we see in Ephesians 4 (emphasis in Part-B tomorrow).

Many experts agree that multiple ministry program options in a church create organizational competition, which zaps people’s energy and can doom attempts to transition to the cell model.  For example, Lawrence Khong states, “You cannot successfully overlay a cell structure on top of an existing structure that includes the usual Sunday school classes, youth and adult fellowships, men’s and women’s ministries, and so on. To make a transition, some churches may need to run two structures for a while, but if you do not dismantle something soon, the drain on your leadership team will doom your efforts to failure.” (Khong, The Apostolic Cell Church, p. 190).  The problem in such an environment is alignment.  When a leadership team is working out of multiple playbooks, the different players on the team don’t know the game plan and how the plays fit the overall big picture.  Individual players might do well, but with a smorgasbord of options for ministry, literal families can be fractured as they drift apart while trying to do good in the name of the Lord.

But cell-driven ministry brings families together on mission with a common goal and with a strategy, which brings people in local neighborhoods together.  Thus, in this environment, spiritual gifts can be exercised in everyday ways through everyday relationships that are mutually beneficial.  And thus a group of people becomes a family of serving missionaries, which saturate a neighborhood in the name of Jesus.

This is the vision of the tradition.  But at what point should a pastor and leadership team bring about a full transition? In my experience, 5-7 years (give or take depending on the congregation’s response).  And the key to this transition is to get key leaders on board from the beginning and train them in cell-ministry, it’s importance, and why this is necessary to reach our culture in the 21st century.  More on this tomorrow.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Este é um blog Português. Assim que a tradução normal for recebida, ela será postada no site da JCG.

The Cell Driven Church, parte 1

Pelo pastor Ryan Faust, Ryan e sua esposa Katy moram em Seattle com seus 4 filhos. Eles pastoreiam a Grace Church Seattle, uma igreja que existe há mais de 60 anos. O Pastor Ryan iniciou a transição desta igreja em 2013. Esta transição é narrada em seu livro Recontextualizing Church: From Attractionalations and Program-Driven to Missional Community and Cell-Driven (disponível na Amazon).

Quanto à questão de se é possível para uma igreja ter um híbrido de células e programas, a resposta está na definição “orientada por células” versus “orientada a programas”. Uma igreja guiada por programas pode ter células como uma de suas muitas programas, mas o ministério celular não é o foco de pastoreamento daquela igreja. Um ministério movido a células, por outro lado, enfatiza grupos celulares como o principal ministério fora da celebração do culto dominical e todos os líderes devem estar envolvidos em grupos de células com o objetivo de cultivar a igreja através do desenvolvimento de líderes para equipar os santos. faça o trabalho do ministério como vemos em Efésios 4 (ênfase na Parte B de amanhã).

Muitos especialistas concordam que várias opções de programas de ministério em uma igreja criam competição organizacional, o que elimina a energia das pessoas e pode condenar as tentativas de transição para o modelo celular. Por exemplo, Lawrence Khong afirma: “Você não pode sobrepor com sucesso uma estrutura de célula sobre uma estrutura existente que inclua as classes usuais da escola dominical, bolsas de estudo para jovens e adultos, ministérios de homens e mulheres e assim por diante. Para fazer uma transição, algumas igrejas podem precisar executar duas estruturas por um tempo, mas se você não desmantelar algo em breve, a perda de sua equipe de liderança fará com que seus esforços fracassem. ”(Khong, The Apostolic Cell Church, p. 190). O problema em tal ambiente é o alinhamento. Quando uma equipe de liderança está trabalhando em vários playbooks, os diferentes jogadores da equipe não conhecem o plano de jogo e como os jogos se encaixam no cenário geral geral. Os jogadores individuais podem fazer bem, mas com uma miscelânea de opções para o ministério, as famílias literais podem ser fraturadas à medida que se afastam enquanto tentam fazer o bem em nome do Senhor.

Mas o ministério movido a células une as famílias em missão com um objetivo comum e com uma estratégia, que une as pessoas nas vizinhanças locais. Assim, nesse ambiente, os dons espirituais podem ser exercidos de maneiras cotidianas por meio de relacionamentos cotidianos que são mutuamente benéficos. E assim um grupo de pessoas se torna uma família de missionários que saturam uma vizinhança em nome de Jesus.

Essa é a visão da tradição. Mas em que ponto um pastor e uma equipe de liderança devem realizar uma transição completa? Na minha experiência, 5-7 anos (mais ou menos dependendo da resposta da congregação). E a chave para essa transição é ter líderes-chave a bordo desde o início e treiná-los no ministério das células, é importante e por que isso é necessário para alcançar nossa cultura no século XXI. Mais sobre isso amanhã.

Spanish blog:

La iglesia impulsada por células, parte 1

Por el pastor Ryan Faust, Ryan y su esposa Katy viven en Seattle con sus 4 hijos. Ellos pastorean Grace Church Seattle, una iglesia que ha existido por más de 60 años. El Pastor Ryan comenzó la transición de esta iglesia en 2013. Esta transición se relata en su libro Recontextualizing Church: From Attractional Events and Program-Driven to Missional Community and Cell-Diven (disponible desde el programa de eventos atraídos por el programa a la comunidad misional y impulsado por la célula (disponible en Amazon).

Con respecto a la pregunta de si es posible que una iglesia tenga un híbrido de células y programas, la respuesta está en la definición de “impulsado por células” frente a “impulsado por programas”. Una iglesia impulsada por programas puede tener las células como uno de sus muchos programas, pero entonces el ministerio celular no es el enfoque de pastoreo de esa iglesia. Un ministerio impulsado por células, por otro lado, enfatiza los grupos celulares como el ministerio principal fuera de la celebración de la adoración del domingo y todos los líderes deben participar en grupos celulares, con el objetivo de hacer crecer a la iglesia a través del desarrollo de líderes para equipar a los santos y así hagan el trabajo del ministerio como vemos en Efesios 4 (énfasis en la Parte B mañana).

Muchos expertos están de acuerdo en que las múltiples opciones de programas ministeriales en una iglesia crean una competencia organizativa, que destruye la energía de las personas y puede condenar los intentos de transición al modelo celular. Por ejemplo, Lawrence Khong afirma: “No se puede superponer con éxito una estructura celular sobre una estructura existente que incluya las clases habituales de escuela dominical, becas para jóvenes y adultos, ministerios para hombres y mujeres, etc. Para hacer una transición, es posible que algunas iglesias necesiten ejecutar dos estructuras por un tiempo, pero si no desmantela algo pronto, el drenaje de su equipo de liderazgo condenará sus esfuerzos al fracaso “. (Khong, The Apostolic Cell Church, pág. 190). El problema en tal entorno es la alineación. Cuando un equipo de liderazgo está trabajando con varios libros de jugadas, los diferentes jugadores del equipo no conocen el plan de juego y cómo las jugadas se ajustan al panorama general. Los jugadores individuales pueden hacerlo bien, pero con una amplia variedad de opciones para el ministerio, las familias literales pueden fracturarse a medida que se alejan mientras tratan de hacer el bien en el nombre del Señor.

Pero el ministerio impulsado por células reúne a las familias en una misión con un objetivo común y con una estrategia que une a las personas de los vecindarios locales. Por lo tanto, en este entorno, los dones espirituales se pueden ejercer de manera cotidiana a través de relaciones cotidianas que son mutuamente beneficiosas. Y así, un grupo de personas se convierte en una familia de misioneros en servicio, que saturan un vecindario en el nombre de Jesús.

Esta es la visión de la tradición. Pero, ¿en qué momento debe un pastor y un equipo de liderazgo lograr una transición completa? En mi experiencia, 5-7 años (más o menos dependiendo de la respuesta de la congregación). Y la clave de esta transición es contar con líderes clave a bordo desde el principio y capacitarlos en el ministerio celular, su importancia y la razón por la que esto es necesario para alcanzar nuestra cultura en el siglo XXI. Más sobre esto mañana.

Leave a Reply

Your email address will not be published.