The Coach’s Love

By Mario Vega, www.elim.org.sv

The role of a cell coach is quite similar to that of a pastor. Coaches, like pastors, take care of people and then help them to  perform their best. To achieve that, the fundamental basis is love. Listening, caring, developing, training, and challenging are tasks that only can be performed successfully if they are done from a heart of  love. A psychologist can listen to his client with interest without loving them. Why? Because he is a professional. On the other hand, when a coach listens to a leader or a cell member, he does not do so in a professional-to-client relationship, but from brother to brother. This is a different bonding than in a professional relationship.

Love is the element that makes coaches successful. And this is a love that must go beyond the average of what other people practice. It is a love inspired by the example of Jesus, for whom people were the center and meaning of his life. There is no activity that Jesus performed that, directly or indirectly, was not the product of his love for others.

Loving people with their virtues and defects, with their limitations and potential, with their good and their bad, stimulates those people to give their best. The person who is loved knows it. Leaders know if their supervisor loves them or not. When they feel loved, they develop their best qualities and turn out to be successful leaders. Because by then, they will have learned to love the cell members and the cycle of love will have been completed and reproduced.

Korean blog (Click here)

Portuguese blog:

O Amor do treinador

 Por Mario Vega, www.elim.org.sv

 O papel de um treinador de células é bastante semelhante ao de um pastor. Treinadores, como pastores, cuidam das pessoas e, em seguida, os ajudam a dar o melhor de si. Para conseguir isso, a base fundamental é o amor. Ouvir, cuidar, desenvolver, treinar e desafiar são tarefas que só podem ser realizadas com sucesso se forem realizadas com amor. Um psicólogo pode ouvir seu cliente com interesse sem amá-lo. Por quê? Porque ele é um profissional. Por outro lado, quando um treinador ouve um líder ou um membro da célula, ele não o faz em um relacionamento profissional para cliente, mas de irmão para irmão. Esse vínculo é diferente do relacionamento profissional.

 O amor é o elemento que faz a diferença entre treinamento bem-sucedido e rotina. Assim, o atributo fundamental do treinador é o amor pelas pessoas. E esse é um amor que deve ir além da média do que as outras pessoas praticam. É um amor inspirado no exemplo de Jesus, que tinha pessoas como o significado de sua vida. Jesus não realizou nenhuma atividade que, direta ou indiretamente, não fosse o produto de seu amor pelos outros.

 Amar as pessoas com suas virtudes e defeitos, com suas limitações e potencial, com o bem e o mal, estimula essas pessoas a dar o melhor de si. A pessoa que é amada sabe disso. Os líderes sabem se o supervisor os ama ou não. Quando se sentem amados, desenvolvem suas melhores qualidades e se tornam líderes de sucesso. Porque então eles terão aprendido a amar os membros da célula e o ciclo do amor estará completo e reproduzido.

Spanish blog:

El Amor del Supervisor

por Mario Vega, www.elim.org.sv

El rol de un supervisor de células es bastante parecido al de un pastor, se trata de cuidar de las personas y asesorarles para que rindan lo mejor de ellas. Para lograr eso, la base fundamental es la del amor. El escuchar, cuidar, desarrollar, capacitar y desafiar son tareas que solo pueden realizarse exitosamente si se hacen por amor. Un psicólogo puede escuchar a su cliente con interés, pero puede hacerlo profesionalmente, sin amarle. En cambio, cuando un supervisor escucha a un líder o a un miembro de célula, no lo hace en una relación de profesional a cliente, sino que de hermano a hermano. Existe un vínculo de amor diferente al escuchar profesional.

El amor es el elemento que establece la diferencia entre una supervisión exitosa y otra de rutina. De manera que la cualidad fundamental del supervisor es el amor hacia las personas. Un amor que debe superar a la media del que practican otras personas. Es un amor inspirado en el ejemplo de Jesús, para quien las personas fueron el centro y el sentido de su vida. No hay ninguna actividad que Jesús haya realizado que, de manera directa o indirecta, no fuera el producto de su amor por los demás.

El amar a las personas con sus virtudes y defectos, con sus limitaciones y potencialidades, con sus buenas y sus malas abre una dimensión que les permite dar lo mejor de ellas. La persona que es amada lo sabe. Los líderes saben si su supervisor les ama o no. Cuando se sienten amados, desarrollan sus mejores cualidades y resultan ser exitosos como líderes. Porque para entonces, habrán aprendido a amar a los miembros de la célula y el ciclo del amor se habrá completado y reproducido.

Leave a Reply

Your email address will not be published.