God likes to “Stretch” our faith

By Joel Comiskey, check out: Living in Victory

The Coronavirus crisis has stretched me emotionally and in my faith. I’ve found myself praying, “God, I need you to provide financially. Help me to avoid worry.” If you are like me, you’re being stretched during this time of unprecedented trial. The good news is that God is always stretching and testing us so that might be more like Jesus.

God is more interested in a purified faith than our being comfortable. And to strengthen our faith, he stretches us. Peter says, “though now for a little while you may have had to suffer grief in all kinds of trials. These have come so that the proven genuineness of your faith—of greater worth than gold, which perishes even though refined by fire—may result in praise, glory and honor when Jesus Christ is revealed” (1 Peter 1:6-7).

So what does this have to do with coaching? One key role of the coach is to be an instrument in God’s hand to stretch the leader. Great coaches go beyond maintenance to transformation. In other words, effective coaches want the leaders under their care to be transformed into the image of Christ, and this means helping them stretch out to take the next step.

Stretching the leader toward transformation is both personal and ministerial. If a leader tells me, for example, that they are not taking a day off, I ask the leader if I can bring the topic up again in the future. I’ll go back to this value again and again because it’s a biblical principle that the leader needs to practice for long-term effectiveness. The same applies to having a daily quiet time or spending time with spouse/family. My role as coach, in other words, is to be God’s instrument to help the leader become more like Jesus in the personal realm. And helping the leader become more like Jesus can be painful when the leader prefers stagnation over transformation. 

This is also true in ministry. God wants leaders to stretch their muscles and believe him for new disciples. After all, Jesus told us to “make disciples of all peoples” (Matthew 28:18-20). The role of the coach is to help the leader identify and prepare new disciples. If you’re coaching a leader, ask him or her about group multiplication, whether they have identified a new leader, and who is currently being equipped. Effective coaches keep the leader moving forward, rather than stagnating in the status quo.  Healthy, balanced goals for new disciples greatly helps in this process. 

I like to use the word “coach” because we have so many visible examples in the Sports world. Coaches are always moving their players forward and trying to win the game. The difference is that the Christian game is eternal, and the consequences are far more important than mere sports. Christian coaches, therefore, need to wisely and consistently challenge the leaders to take the next step and to stretch their muscles. 

How are you doing in this area?

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Deus gosta de “alongar” nossa fé

Por Joel Comiskey

A crise do Coronavírus me alongou emocionalmente e em minha fé. Eu me vi orando: “Deus, eu preciso que você nos forneça a provisão financeira. Ajude-me a evitar preocupações”. Se você é como eu, está sendo esticado durante esse período de provas sem precedentes. A boa notícia é que Deus está sempre nos esticando e testando para que possamos parecer mais com Jesus.

Deus está mais interessado em uma fé purificada do que em estarmos confortáveis. E para fortalecer nossa fé, ele nos estica. Pedro diz: “Assim acontece para que fique comprovado que a fé que vocês têm, muito mais valiosa do que o ouro que perece, mesmo que refinado pelo fogo, é genuína e resultará em louvor, glória e honra, quando Jesus Cristo for revelado” 1 Pedro 1:7.

Então, o que isso tem a ver com treinamento? Um papel fundamental do treinador é ser um instrumento na mão de Deus para esticar o líder. Grandes treinadores vão além da manutenção e transformação. Em outras palavras, treinadores eficazes desejam que os líderes sob seus cuidados sejam transformados à imagem de Cristo, e isso significa ajudá-los a se esforçarem para dar o próximo passo.

Esticar o líder em direção à transformação é algo pessoal e ministerial. Se um líder me disser, por exemplo, que não tirará um dia de folga, pergunto ao líder se posso abordar esse assunto novamente no futuro. Voltarei a esse valor repetidas vezes, porque é um princípio bíblico que o líder precisa praticar para conseguir ter eficácia a longo prazo. O mesmo se aplica a ter um descanso diário ou passar um tempo com o cônjuge/família. Meu papel como treinador, em outras palavras, é ser um instrumento nas mãos de Deus para ajudar o líder a se tornar mais parecido com Jesus no campo pessoal. E ajudar o líder a se parecer mais com Jesus pode ser doloroso quando os líderes preferem a estagnação em vez da transformação.

Isso também é verdade no ministério. Deus quer que os líderes alongem seus músculos e acreditem nEle para ter novos discípulos. Afinal, Jesus nos disse para “façam discípulos de todas as nações” (Mateus 28:18-20). O papel do treinador é ajudar o líder a identificar e preparar novos discípulos. Se você estiver treinando um(a) líder, pergunte-lhe sobre multiplicação do grupo, se ele(a) identificou um novo líder e quem está sendo equipado no momento. Treinadores eficazes mantêm o líder avançando, em vez de deixá-los estagnados. Metas saudáveis ​​e equilibradas para novos discípulos ajudam muito nesse processo.

Eu gosto de usar a palavra “treinador” porque temos muitos exemplos visíveis no mundo do esporte. Os treinadores estão sempre fazendo seus jogadores avançar e tentando ganhar o jogo. A diferença é que o jogo cristão é eterno, e as consequências são muito mais importantes do que meros esportes. Os treinadores cristãos, portanto, precisam desafiar de maneira sábia e consistente os líderes a dar o próximo passo e a alongar/esticar seus músculos.

 Como você está nessa área?

Spanish blog:

A Dios le gusta “estirar” nuestra fe

Por Joel Comiskey

La crisis del coronavirus me ha afectado emocionalmente y en mi fe. Me encontré orando, “Dios, necesito que me proporciones financieramente. Ayúdame a evitar las preocupaciones.” Si eres como yo, estás siendo estirado durante este tiempo de prueba sin precedentes. La buena noticia es que Dios siempre nos está estirando y probando para que te parezcas más a Jesús.

Dios está más interesado en una fe purificada que en que estemos cómodos. Y para fortalecer nuestra fe, él nos estira. Pedro dice: “para que sometida a prueba vuestra fe, mucho más preciosa que el oro, el cual aunque perecedero se prueba con fuego, sea hallada en alabanza, gloria y honra cuando sea manifestado Jesucristo”(1 Pedro 1: 7-7).

Entonces, ¿qué tiene esto que ver con el supervisar? Una función clave del supervisor es ser un instrumento en la mano de Dios para estirar al líder. Los grandes supervisores van más allá del mantenimiento a la transformación. En otras palabras, los supervisores efectivos quieren que los líderes bajo su cuidado se transformen a la imagen de Cristo, y esto significa ayudarlos a estirarse para dar el siguiente paso.

Estirar al líder hacia la transformación es tanto personal como ministerial. Si un líder me dice, por ejemplo, que no se tomará un día libre, le pregunto si puedo volver a hablar del tema en el futuro. Volveré a este valor una y otra vez porque es un principio bíblico que el líder necesita practicar para una efectividad a largo plazo. Lo mismo se aplica a tener un tiempo de silencio diario o pasar tiempo con su cónyuge / familia. Mi papel como supervisor, en otras palabras, es ser un instrumento en las manos de Dios para ayudar al líder a ser más como Jesús en el ámbito personal. Y ayudar al líder a ser más como Jesús puede ser doloroso cuando los líderes prefieren el estancamiento a la transformación.

Esto también ocurre en el ministerio. Dios quiere que los líderes estiren sus músculos y le crean para nuevos discípulos. Después de todo, Jesús nos dijo que “hagamos discípulos a todos los pueblos” (Mateo 28: 18-20). El papel del supervisor es ayudar al líder a identificar y preparar nuevos discípulos. Si estás entrenando a un líder, pregúntale acerca de la multiplicación grupal, si ha identificado un nuevo líder y quién está siendo equipado actualmente. Los supervisores efectivos mantienen al líder avanzando, en lugar de estancarse en el status quo. Las metas saludables y equilibradas para los nuevos discípulos son de gran ayuda en este proceso.

Me gusta usar la palabra “supervisor” porque tenemos muchos ejemplos visibles en el mundo del deporte. Los entrenadores siempre hacen avanzar a sus jugadores e intentan ganar el juego. La diferencia es que el juego cristiano es eterno, y las consecuencias son mucho más importantes que el mero deporte. Los supervisores cristianos, por lo tanto, necesitan desafiar sabia y consistentemente a los líderes para que den el siguiente paso y estiren sus músculos.

¿Cómo te va en esta área?

Sumate a la Obra Misionera a Pueblos No Alcanzados

Leave a Reply

Your email address will not be published.