Good and Bad Motivations of the Coach

By Mario Vega, www.elim.org.sv

In cell churches, the role of the coach (supervisor) is not always defined very clearly, like the role of a cell leader. Because of this, coaches receive different “signals” depending on the lead pastor, denomination, or particular church. Often, the lead pastor or staff is constantly thinking about how to keep God’s work going and moving ahead. In other words, results are expected of the leaders and thus the coach needs to make those results happen. Yet, when too much pressure is put on “results,” the coach is pushed to become a business leader rather than a pastor. Then the leaders feel pressured or even mistreated, which produces resistance.

Because of this, the main attribute of a coach must be to love his leaders. Loving them implies taking care of them, listening to them, guiding them, comforting them, and encouraging them. It is a task that requires a calling to serve. Each leader is full of imperfections (like all of us), and the role of the coach is to bring out the best in them, so that they can achieve all that God has for them. This requires dedication and patience. The results will not be immediate, but there will results, and much greater results than when the coach tries to produce fruit through pressure tactics.

The coach must also be able to get the best out of each person, challenging them to reach new heights, breaking out of their comfort zone, and encouraging them to do new things for Jesus. In this way, pastoral care is balanced with the role of motivation.  In this way the work can continue to be sustained for long periods of time.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

As boas e as más motivações do treinador

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

Nas igrejas em células, o papel do treinador (supervisor) nem sempre é definido com muita clareza, como o papel de um líder de célula. Por causa disso, os treinadores receberam “sinais” diferentes, dependendo do pastor principal, denominação ou igreja em particular. Freqüentemente, o pastor ou a equipe principal está constantemente pensando em como manter o trabalho de Deus e seguir em frente. Em outras palavras, os resultados são esperados dos líderes e, portanto, o treinador precisa fazer com que esses resultados aconteçam. No entanto, quando é colocada muita pressão sobre os “resultados”, o treinador é pressionado a se tornar um capataz. Então os líderes se sentem pressionados ou até maltratados, o que produz resistência.

Por isso, o principal atributo de um treinador deve ser amar seus líderes. Amá-los implica cuidar deles, ouvi-los, guiá-los, confortá-los e incentivá-los. É uma tarefa que requer um chamado para servir. Cada líder está cheio de imperfeições (como todos nós), e o papel do treinador é trazer o melhor deles, para que eles possam alcançar tudo o que Deus tem para eles. Isso requer dedicação e paciência. Os resultados não serão imediatos, mas haverá resultados e que serão muito maiores do que quando o treinador tenta produzir frutos por meio de táticas de pressão.

O treinador também deve ser capaz de tirar o melhor proveito de cada pessoa, desafiando-a a alcançar novas alturas, rompendo sua zona de conforto e incentivando-a a fazer coisas novas para Jesus. Dessa maneira, o cuidado pastoral é equilibrado com o papel da motivação. Dessa forma, o trabalho pode continuar sendo mantido por longos períodos de tempo.

Spanish blog:

Características de los supervisores

por Mario Vega, www.celulas.org.sv

En las iglesias celulares ocurre con frecuencia que el papel del supervisor no está tan definido como el del líder. Esa condición produce que cada persona entienda de manera diferente la tarea que les corresponde. Eso sucede, probablemente, porque quien delega en los supervisores solamente tiene en mente la continuidad del trabajo. Es decir, se espera de ellos resultados. Cuando se ejerce mucha presión en el tema de los resultados, el supervisor es empujado a convertirse en un capataz. Entonces los líderes se sienten presionados o hasta maltratados, obteniendo el efecto inverso.

Por ese motivo, la principal cualidad de un supervisor debe ser la de amar a sus líderes. Amarles implica cuidar de ellos, escucharles, orientarles, consolarles, animarles. Es una tarea que requiere auténtica vocación de servicio. Las personas no siempre son como uno quisiera, pero se les puede ayudar para lograr lo mejor de ellas. Eso requiere dedicación y paciencia. Los resultados no serán inmediatos, pero los habrá, y de una manera más permanente que aquellos que se producen por la presión.

El supervisor también debe ser capaz de obtener lo mejor de cada persona, desafiándoles a alcanzar nuevas alturas, a salir de su zona de confort y al animarles a hacer cosas nuevas. De esta manera, se equilibra el cuidado pastoral con la función de motivador. De esa manera el trabajo puede seguir siendo sostenido por largos períodos.

Sumate a la Obra Misionera a Pueblos No Alcanzados

1 thought on “Good and Bad Motivations of the Coach

  • Muchas gracias
    Hoy doy continuidad al trabajo de capacitación celular pero de manera virtual.
    Agradezco el material: Características de los supervisores.
    Es mi propósito desarrollar en gran medida la principal cualidad de un supervisor, amar a los líderes. Bendiciones

Leave a Reply to Maria Elena Cancel reply

Your email address will not be published.