Hosts without Fear of the Pandemic

By Mario Vega, www.elim.org.sv

The novel coronavirus pandemic and the lockdown measures have created fear in many people. It is true that distancing is an essential preventive measure, but we must not allow distancing to deepen to the point that we do not want to relate to other people. If we allow fear to rule, people might not want to open their homes as cell hosts for the fear of the virus entering their homes. The fear of contagion can become a paranoia that leads to seeing each person as a carrier of the virus. This type of fear drives people apart, rather than bringing us together.

We must remember that the believer is called to be close to others since their vocation is to serve others during times of need.  Yes, we must take all preventive measures. The reality, however, is that the possibility of contacting the virus will always exist. Christian love always involves risks and this time is no exception.

Let’s follow the model of Jesus. He offered himself voluntarily to others and served others freely. We also must voluntarily serve people despite the risk. People today have concerns about the future, their jobs, and their health. It is time to welcome and encourage them with the gospel. Jesus did not separate from lepers, sinners, and the demon-possessed. We should follow his example. We must be willing to continue to present the gospel and comfort those in our homes, trusting that the sovereign God will take care of us.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Anfitriões sem medo da pandemia

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

O drama pandemia coronavírus e as medidas de lockdown tem criado medo em muitas pessoas. É verdade que distanciamento é uma medida preventiva essencial, mas nós não podemos permitir que o distanciamento se aprofunde ao ponto de nós não querermos mais relacionar com outros. Se nós permitirmos que o medo governe, as pessoas podem não querer abrir seus lares como anfitriões de células por medo do vírus entrar em seus lares. O medo do contágio pode se tornar uma paranoia que leva a ver cada pessoa como um hospedeiro do vírus. Esse tipo de medo separa as pessoas, ao invés de aproximá-las.

Nós temos que lembrar que um crente é chamado para estar perto dos outros já que sua vocação é servir aos outros durante tempos de necessidade. Sim, nós temos que tomar todas as medidas preventivas. A realidade, entretanto, é que a possibilidade de contato com o vírus sempre existirá. Amor cristão sempre envolve riscos e esse tempo não é exceção.

Vamos seguir o modelo de Jesus. Ele ofereceu a si mesmo voluntariamente aos outros e serviu-os liberalmente. Nós também temos que voluntariamente servir as pessoas a despeito do risco. As pessoas hoje se preocupam sobre o futuro, seus empregos e saúde. É hora de receber e encorajá-los com o Evangelho. Jesus não se separou de leprosos, pecadores e endemoninhados. Nós devemos seguir seu exemplo. Nós temos que estar dispostos a continuar a apresentar o evangelho e confortar aqueles em nossos lares, confiantes que o Deus soberano cuidará de nós.

Spanish blog:

Anfitriones sin temor a la pandemia

por Mario Vega, www.elim.org.sv

La pandemia del nuevo coronavirus y las medidas de confinamiento han producido temor en muchas personas. Es verdad que el distanciamiento es una medida de prevención esencial, pero no debemos permitir que el distanciamiento se profundice al punto de que no queramos relacionarnos del todo con otras personas. Es posible que, cuando ya se permita, haya personas que no quieran ofrecer sus hogares como anfitriones de célula por temor a que el virus entre a sus casas. El temor al contagio se puede convertir en una paranoia que lleve a ver a cada persona como portadora del virus y a alejarnos de todos.

Pero el cristiano es llamado a ser cercano a los demás ya que su vocación es la de servir en la necesidad. Debemos tomar todas las medidas de prevención, pero aún así la posibilidad de un contagio existe. El amor cristiano siempre implica riesgos y esta vez no es la excepción. De la manera como Jesús se ofreció voluntariamente en amor, nosotros debemos seguir su ejemplo y servir a los demás de manera voluntaria a pesar del riesgo. Las personas tienen hoy preocupaciones sobre el futuro, el trabajo y la salud. Es el momento para recibirles y animarles con el evangelio. Jesús no se inmunizó contra los leprosos, los pecadores y los endemoniados, nosotros tampoco debemos evadir a las personas. Por el contrario, debemos estar dispuestos a seguir presentando el evangelio y el consuelo en las casas, confiando en que el Dios soberano tendrá cuidado de nosotros.

Sumate a la Obra Misionera a Pueblos No Alcanzados

Leave a Reply

Your email address will not be published.