We have tried it in the past and it didn’t work!

By Roberto Bottrel [serving European churches, challenging them to make disciple-makers through cells that multiply (centraldna.org). Author of the book Multiplication, The challenge before every Christian, every Leader, and the Church (available@amazon.com in English, Portuguese, Spanish and German)]

Some years ago, my wife and I were guest speakers at an annual denomination pastoral gathering. After giving a seminar on the principles of the vision of compassion and multiplication through cells, we were answering questions from the public. One of the leaders of that denomination told us about their previous experience with cells more than a decade before. Then he said: “All of this you are teaching is common ground for us. No debate about it. We lived this vision in the past and we experienced the results. What I want to know is why did it die out?” While I was searching for some explanation to give him, just for fun I told my wife, Simone, that it was a good question for her to answer. Well, she took the microphone, gave some steps in the direction of the leader and said: “I am the one that has a question for you: if you agree with the principles, if you were experiencing the results, how did you let it die?” There was an awkward silence in the room. Nobody knew what to say. And the question is still ringing in my ears. 

How many churches have tried to transition to the cells only to find frustration? I have talked to countless pastors that simply give up. Then I remember the tough question: “How did you let it die?” Obviously, I do not always have the courage to verbalize it, but it always comes to my mind. So many promises of God were aborted, some killed at birth and many that actually grew were left to die by starvation. 

I am thankful to God, that our senior pastor (central.online) was not bluffing when he started the transition. Neither was he just following the world trend of cell church in the turn of the Century. He was pursuing a clear vision God had given him and he was determined to succeed. In a very wise and patient manner he pressed on day by day, month by month.  Many years later we had become a full cell church, multiplying salvation, baptisms, leaders and cells. Twenty years later we are still growing, still multiplying, still pursuing God’s calling for our church. Starting from 400 members, today there are more than 13.000 in cells. How many other churches could be living the same, if their leaders had not given up?

Maybe, as we were forced to stop our crazy rhythm these days, it could be a great time to evaluate our current situation and assess the opportunities God gave us throughout the years that we might have missed. Maybe it is time to confess our lack of faith. Or was it fear? Love of tradition or comfort? Did we get distracted? Did something else seduce us, taking us off track? What happened? Maybe it is time to return to the place where we got lost, confess and repent, receive his forgiveness and start anew. 

Now is the time of new beginnings. 

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Nós já tentamos isso, mas não funcionou!

Por Roberto Bottrel [servindo igrejas europeias, desafiando-as a fazerem discípulos através de células que multiplicam (centraldna.org). Autor do livro Multiplicação, o desafio do cristão, do líder e da Igreja (disponível na loja central.online em Português e @amazon.com em Inglês, Espanhol e Alemão]

Alguns anos atrás, minha esposa e eu participamos como palestrantes em um encontro de pastores  de uma determinada denominação religiosa. Depois de ministrarmos um seminário sobre os princípios da visão de compaixão e multiplicação através das células, estávamos respondendo a perguntas formuladas pelos participantes. Um dos líderes daquela denominação nos contou sobre sua experiência anterior com células, mais de uma década antes daquele encontro. Depois ele declarou: “Tudo isso que vocês estão ensinando é do conhecimento de todos nós aqui. Não há nenhum debate sobre isso. Vivemos esta visão no passado e experimentamos os resultados. O que eu gostaria de saber é a razão de termos morrido nesta visão. Enquanto eu procurava por uma resposta, tentando quebrar a tensão do momento, eu disse à minha esposa que aquela era uma boa pergunta para ela responder. Bem, ela tomou o microfone das minhas mãos, caminhou em direção àquele líder e disse: “Sou eu quem tem uma pergunta para você. Se você concorda com os princípios, se você experimentou os resultados, por que você deixou a visão morrer?” Um silêncio muito desconfortável encheu aquele lugar. Ninguém sabia o que dizer. E aquela pergunta ainda está soando em meus ouvidos até hoje.

Quantas igrejas tentaram fazer a transição e encontraram apenas frustração? Eu já falei com inúmeros pastores que simplesmente desistiram. É aí que eu lembro daquela pergunta: “Por que você deixou a visão morrer?” É claro que nem sempre eu tenho coragem de verbalizar a pergunta, mas ela sempre vem à minha mente. Muitas promessas de Deus simplesmente foram abortadas, algumas morreram ao nascer e muitas outras chegaram a crescer e foram abandonadas para morrer por inanição.

Eu agradeço a Deus porque o nosso Pastor Presidente (central.online) não estava blefando quando ele iniciou a transição. Ele também não estava simplesmente seguindo o modismo da igreja em células da virada do século. Ele estava perseguindo uma visão muito clara que Deus havia concedido, e ele estava determinado a ser bem sucedido. Ele insistiu de uma maneira muito sábia e paciente, dia a dia, mês a mês. Muitos anos mais tarde, nós tínhamos nos tornado uma igreja completamente celular, multiplicando a salvação, batismos, líderes e células. Vinte anos depois, nós ainda estamos crescendo, ainda estamos nos multiplicando, ainda perseguimos o chamado que Deus entregou para nossa igreja. Começamos com 400 membros e hoje há mais de 13.000 nas células. Ah, quantas outras igrejas poderiam estar vivendo o mesmo que nós, se seus líderes não tivessem desistido?

Já que nestes últimos dias fomos forçados a parar nosso ritmo alucinante, é possível que seja um momento perfeito para observar nossa situação atual e avaliar as oportunidades que Deus nos entregou através dos anos e possivelmente perdemos. Talvez seja o momento de confessar nossa falta de fé. Ou terá sido medo? Amor à tradição ou conforto? Terá sido simples distração? Será que algo diferente nos seduziu e nos tirou do caminho? O que terá acontecido? Talvez este seja o momento de retornar para o local onde nos perdemos, confessar e nos arrependermos, recebendo perdão e começando novamente.

Agora é o tempo dos novos recomeços.

Spanish blog:

¡Lo hemos intentado en el pasado y no funcionó!

Por Roberto Bottrel [sirviendo a las iglesias europeas, desafiando a hacer discípulos a través de células que se multiplican (centraldna.org). Autor del libro Multiplicación, El desafío ante cada cristiano, Cada Líder y la Iglesia (disponible en @ amazon.com en inglés, portugués, español y alemán)]

Hace algunos años, mi esposa y yo éramos oradores invitados en una reunión anual de pastores de denominación. Después de dar un seminario sobre los principios de la visión de la compasión y la multiplicación a través de las células, estábamos respondiendo las preguntas del público. Uno de los líderes de esa denominación nos contó sobre su experiencia previa con las células más de una década antes. Luego dijo: “Todo esto que estás enseñando es un terreno común para nosotros. No hay debate al respecto. Vivimos esta visión en el pasado y experimentamos los resultados. Lo que quiero saber es por qué se extinguió. Mientras buscaba alguna explicación para darle, solo por diversión le dije a mi esposa, Simone, que era una buena pregunta para ella. Bueno, ella tomó el micrófono, dio algunos pasos en la dirección del líder y dijo: “Yo soy la que tiene una pregunta para usted: si está de acuerdo con los principios, si estaba experimentando los resultados, ¿cómo lo dejó morir?” Hubo un silencio incómodo en la habitación. Nadie sabía que decir. Y la pregunta sigue sonando en mis oídos.

¿Cuántas iglesias han tratado de hacer la transición a las células solo para encontrar frustración? He hablado con innumerables pastores que simplemente se rinden. Entonces recuerdo la pregunta difícil: “¿Cómo lo dejaste morir?” Obviamente, no siempre tengo el coraje de verbalizarlo, pero siempre me viene a la mente. Se abortaron tantas promesas de Dios, algunas murieron al nacer y muchas de las que realmente crecieron fueron dejadas morir de hambre.

Estoy agradecido con Dios, que nuestro pastor principal (central.online) no estaba mintiendo cuando comenzó la transición. Tampoco estaba siguiendo la tendencia mundial de la iglesia celular en el cambio de siglo. Estaba persiguiendo una visión clara que Dios le había dado y estaba decidido a tener éxito. De una manera muy sabia y paciente, presionó día a día, mes a mes. Muchos años después nos habíamos convertido en una iglesia celular completa, multiplicando la salvación, los bautismos, los líderes y las células. Veinte años después, seguimos creciendo, multiplicándonos, persiguiendo el llamado de Dios para nuestra iglesia. Partiendo con 400 miembros, hoy hay más de 13,000 en células. ¿Cuántas otras iglesias podrían vivir lo mismo si sus líderes no se hubieran rendido?

Tal vez, como nos vimos obligados a detener nuestro ritmo loco en estos días, podría ser un buen momento para evaluar nuestra situación actual y evaluar las oportunidades que Dios nos dio a lo largo de los años que podríamos haber perdido. Quizás es hora de confesar nuestra falta de fe ¿O nuestro miedo? ¿Amor por la tradición o la comodidad? ¿Nos distrajimos? ¿Algo más nos sedujo y nos desvió? ¿Que pasó? Tal vez sea hora de regresar al lugar donde nos perdimos, confesar y arrepentirnos, recibir su perdón y comenzar de nuevo.

Ahora es el momento de nuevos comienzos.

Sumate a la Obra Misionera a Pueblos No Alcanzados

1 thought on “We have tried it in the past and it didn’t work!

  • Louvo a Deus pelas vossas vidas. Vosso incentivo, apoio e instruções, nós fortalece e encoraja a prosseguir. Deus vos abençõe! 👏🏻👏🏻

Leave a Reply

Your email address will not be published.