Ears to Hear, Eyes to See

By Scott Boren, The Center for Community and Mission  (www.mscottboren.org), Twitter@mscottboren

When you are building a team around God’s work in the world, we need to work with those who have ears to hear and eyes to see what God is up to in the world. If you don’t then you will be building a team around multiple agendas, and the team will not be pursuing God’s kingdom way.

For those who personally encountered Jesus 2000 years ago, when Jesus announced that he was bringing and demonstrating God’s kingdom, it would have stood out like a red stripe on a white wall. The way that Jesus revealed the kingdom was not something that anyone would have expected. They wanted a king like King David. They wanted a great temple, like that of Solomon. They wanted the Law, like the one instituted by Moses. No one—this cannot be reiterated enough—no one could have predicted that God’s way would look like self-sacrificial love hanging on a cross. The king that they expected was not supposed to die. 

The Israelites of the first century expected a normal king—their word for this was “Messiah” which is christos in the Greek New Testament—but that’s not what they got. And most did not see what was going on. John put it this way, “The true light that gives light to everyone was coming into the world. He was in the world, and though the world was made through him, the world did not recognize him. He came to that which was his own, but his own did not receive him” (John 1:9-11). They did not have ears to hear Jesus and his way.

Ears work on two levels. The first is obvious, as healthy ears have the ability to receive sound waves and process them. This is hearing on a physical level. However, ears hear on another level that is much harder to quantify. A “trained ear” hears things that most people cannot. An orchestra instructor can hear things that an untrained ear will miss. A mother hears a tone in her child voice that reveals distress. A man hears the laugh of his wife and his heart leaps.

This is what Jesus meant when he said, “He who has ears to hear, let him hear” (Mark 4:9).  There were some who heard Jesus’ words and saw Jesus’ life and they were able to see the way. Their ears had been prepared to hear what he was up to. But most had ears that were conditioned to hear on that which was normal. They were trapped by average.

This is true of those with whom we lead. Are you working with those who have ears to hear and eyes to see?”

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Construindo uma equipe de pessoas que ouvem e vêem

Scott Boren, The Center for Community and Mission  (www.mscottboren.org), Twitter@mscottboren

Não se pode obrigar alguém a participar de uma equipe que esteja centrada na maneira que Jesus ensinou sobre o seu Reino. Muitos até concordam com a visão, mas isso não significa necessariamente que eles efetivamente “ver” o que isso significa. Entretanto é bem difícil entender a diferença entre aqueles que dizem que conseguem enxergar a realidade do Reino de Deus e aqueles que de fato conseguem “ver”. Consideremos aqui quatro formas de “ver”.

Em primeiro lugar, há pessoas que querem apenas os encontros religiosos. Eles torcem o nariz para a ideia de compartilhar uma refeição, orar ou jejuar juntos, e comprometer-se mutuamente em seu viver. Eles preferem ter um número maior de amigos superficiais do que contar com um grupo com quem efetivamente compartilhem suas vidas.

No segundo grupo encontraremos pessoas que até são atraídas pelo estilo de Jesus, mas suas realidades de negócios, agendas profissionais, vida familiar e outros compromissos tornam o salto para a vida em comunhão algo irrealista. A ideia atrai. Eles sabem que querem viver assim, mas os hábitos formados os impedem de ter sucesso. Essas pessoas normalmente precisam levar suas vidas ocupadas até a cruz e decidir se de fato estão decididas a investir suas vidas assim. Tentar adicionar o estilo de Jesus como mais uma camada em cima dos seus afazeres é uma receita pronta para a mediocridade. Frequentemente estas pessoas fazem parte do grupo mais comprometido da igreja, mas primeiro precisam ir até a cruz e vencer a tentação de fazer mais uma coisa. Aqueles que conseguem perceber isso rapidamente e estiverem dispostos a mudar (ir até a cruz) podem então prosseguir para o próximo nível. 

O terceiro grupo incluiria aquelas pessoas que talvez desejem o estilo de Jesus, mas eles ainda precisam desenvolver a habilidade de ver o que Deus está fazendo. Eles só conseguem ver bem de longe. Eles precisam aprender com aqueles que já estão caminhando com Jesus há mais tempo. Ou ainda podem caminhar com a equipe e aprender em grupo à medida que caminham.

Um quarto grupo inclui aqueles que estão prontos e são capazes de experimentar a vida em uma equipe que busca a presença de Jesus e seu jeito controverso de lidar com o mundo. Eles têm um senso de urgência para mais do que já são. 

Liderar uma equipe no Reino de Jesus e seu estilo, não é apenas juntar pessoas e contar com habilidades de lideranças. Isso envolve preparar o caminho para que outras pessoas consigam ver o que Jesus está fazendo em meio à equipe. Afinal de contas, Ele é o líder verdadeiro. Talvez nós devamos liderar partindo desta verdade.

Spanish blog: 

Oídos para oír, ojos para ver 

Por Scott Boren, Centro para la Comunidad y la Misión (www.mscottboren.org), Twitter @ mscottboren 

Cuando estás formando un equipo en torno a la obra de Dios en el mundo, debemos trabajar con aquellos que tienen oídos para oír y ojos para ver lo que Dios está haciendo en el mundo. Si no lo haces así, estarás formando un equipo en torno a varias agendas y el equipo no seguirá el camino del reino de Dios. 

Aquellos que se encontraron personalmente con Jesús hace 2000 años, cuando Jesús anunció que estaba trayendo y mostrando el reino de Dios; eso se habría destacado como una franja roja en una pared blanca. La forma en que Jesús reveló el reino no era algo que nadie hubiera esperado. Querían un rey como el rey David, querían un gran templo, como el de Salomón, querían la Ley, como la instituida por Moisés. Nadie, esto no se puede reiterar lo suficiente, nadie podría haber predicho que el camino de Dios se vería como un amor abnegado colgado de una cruz. Se suponía que el rey que esperaban no iba a morir. 

Los israelitas del primer siglo esperaban a un rey normal; su palabra para referirse a ese rey era “Mesías”, que es “cristo” en el Nuevo Testamento griego, pero eso no es lo que obtuvieron. Y la mayoría no vio lo que estaba pasando. Juan lo expresó de esta manera: “La luz verdadera que ilumina a todos venía al mundo. Él estaba en el mundo, y aunque el mundo fue hecho a través de él, el mundo no lo reconoció. A lo suyo vino, pero los suyos no le recibieron” (Juan 1: 9-11). No tenían oídos para escuchar a Jesús y su camino. 

Las orejas funcionan en dos niveles. La primera es obvia, ya que los oídos sanos tienen la capacidad de recibir ondas sonoras y procesarlas. Esto es escuchar a nivel físico. Sin embargo, los oídos escuchan a otro nivel que es mucho más difícil de cuantificar. Un “oído entrenado” escucha cosas que la mayoría de la gente no puede. Un instructor de orquesta puede escuchar cosas que un oído inexperto se perderá. Una madre escucha un tono en la voz de su hijo que revela angustia. Un hombre escucha la risa de su esposa y su corazón da un salto. 

Esto es lo que Jesús quiso decir cuando dijo: “El que tenga oídos para oír, oiga” (Marcos 4: 9). Hubo algunos que escucharon las palabras de Jesús y vieron la vida de Jesús y pudieron ver el camino. Sus oídos estaban preparados para escuchar lo que estaba diciendo. Pero la mayoría tenía oídos que estaban condicionados para escuchar lo que era normal. Estaban atrapados en su realidad. 

Esto es ocurre con aquellos con quienes lideramos. ¿Trabajas con quienes tienen oídos para oír y ojos para ver? ” 

Better Together

By Stephen Daigle, College and Young Adult Pastor at Celebration Church, www.celebrationchurch.org

I am a pastor at a church with multiple campuses, which means that we have many pastors on our staff. Each pastor has a specific campus or ‘area’ to oversee and manage. Just recently, one of our pastors was diagnosed with an illness that has required him to take precautions and be around people less. Because this particular pastor is passionate about his God-given calling and desirous of pastoring the people God has put Him over,  he has really struggled in this particular season of difficulties.

You would think that due to these circumstances, the church he oversees would experience a decline in attendance and momentum, but the exact opposite has happened. His first week away, there were three baptisms! Cell ministry has not missed a beat and the worship services have continued to thrive. All of the leaders that he spent time raising up are now mobilized and equipped to carry on the ministry during his time away.

This isn’t the first time in the past three years that one of our campuses has been in a situation that has required help from fellow pastors on our staff. Because our ministry operates with a ‘We’ mindset instead of a ‘Me’ mindset, we have the margin to cover any areas that need to be covered when the need arises. We say that we are one church in multiple locations. The same can be said about cell ministry. The cell church is one church in multiple homes. But have you thought about how prepared your ministry is to carry out the mission in your absence?

Let me ask you a question. What would happen if you were in a situation where you were not able to be physically present nor provide direct oversight to the ministry you are leading? Would services stop? Would cell groups stop meeting or growing? Would the ministry cease to move forward? If you haven’t thought about these questions before, I would encourage you to do so and be proactive at raising up a team that can carry on the mission in your absence.

As stated in a previous blog last week by Aaron Lemuel De La Torre, “there are no Lone Ranger Pastors.” Don’t operate alone. Focus on building up a team that can build the kingdom together and function in the face of adversity. We are better together.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Melhores juntos

Por Stephen Daigle, pastor auxiliar da Celebration Church, www.celebrationchurch.org

Sou pastor em uma igreja com vários campi, o que significa que temos muitos pastores em nossa equipe. Cada pastor tem um campus específico ou ‘área’ para supervisionar e administrar. Recentemente, um de nossos pastores foi diagnosticado com uma doença que exigia que ele tomasse precauções e ficasse menos perto das pessoas. Porque este pastor em particular é apaixonado por seu chamado dado por Deus e deseja pastorear as pessoas que Deus o colocou, ele realmente tem lutado nesta época particular de dificuldades.

Você poderia pensar que, devido a essas circunstâncias, a igreja que ele supervisiona experimentaria um declínio na frequência e no ritmo, porém aconteceu exatamente o oposto. Em sua primeira semana fora, houve três batismos! O ministério de células não perdeu o ritmo e os serviços de adoração continuaram a prosperar. Todos os líderes que ele passou um tempo levantando agora estão mobilizados e equipados para continuar o ministério durante seu tempo fora.

Esta não é a primeira vez nos últimos três anos que um de nossos campi está em uma situação que exige a ajuda de outros pastores de nossa equipe. Porque nosso ministério opera com uma mentalidade de ‘Nós’ em vez de uma mentalidade de ‘Eu’, temos a margem para cobrir todas as áreas que precisam ser cobertas quando necessário. Dizemos que somos uma igreja em vários locais. O mesmo pode ser dito sobre o ministério de células. A igreja em células é uma igreja em vários lares. Mas você já pensou em como o seu ministério está preparado para cumprir a missão na sua ausência?

Deixe-me fazer uma pergunta. O que aconteceria se você estivesse em uma situação onde não pudesse estar fisicamente presente nem fornecer supervisão direta ao ministério que está liderando? Os cultos parariam? Os grupos de células parariam de se reunir ou crescer? O ministério deixaria de seguir em frente? Se você não pensou sobre essas questões antes, eu o encorajaria a fazê-lo e ser proativo na formação de uma equipe que possa realizar a missão em sua ausência.

Conforme declarado em um blog anterior da semana passada por Aaron Lemuel De La Torre, “não há pastores cavaleiros solitários.” Não opere sozinho. Concentre-se em formar uma equipe que possa construir o reino juntos e atuar diante da adversidade. Nós somos melhores juntos.

Spanish blog:

Juntos somos Mejores

Por Stephen Daigle, pastor asociado de Celebration Church, www.celebrationchurch.org

Soy pastor en una iglesia con múltiples locaciones, lo que significa que tenemos muchos pastores en nuestro personal. Cada pastor tiene una iglesia o “área” específica para supervisar y administrar. Recientemente, a uno de nuestros pastores se le diagnosticó una enfermedad que le obligó a tomar precauciones y estar menos cerca de la gente. Debido a que este pastor en particular es un apasionado del llamado que Dios le ha dado; el desea pastorear a las personas a las que Dios le ha entregado, realmente ha luchado en esta temporada particular de dificultades.

Uno pensaría que, debido a estas circunstancias, la iglesia que él supervisa experimentaría una disminución en la asistencia y el impulso, pero ha sucedido exactamente lo contrario. ¡Su primera semana fuera, hubo tres bautismos! El ministerio celular no ha perdido el ritmo y los servicios de adoración han seguido prosperando. Todos los líderes que pasó tiempo levantando ahora están movilizados y están equipados para llevar a cabo el ministerio durante su tiempo fuera.

Esta no es la primera vez en los últimos tres años que una de nuestras locaciones ha estado en una situación que ha requerido la ayuda de otros pastores de nuestro personal. Debido a que nuestro ministerio opera con una mentalidad de “nosotros” en lugar de una mentalidad de “yo”, tenemos el margen para cubrir cualquier área que deba cubrirse cuando surja la necesidad. Decimos que somos una iglesia en múltiples lugares y lo mismo puede decirse del ministerio celular. La iglesia celular es una iglesia en múltiples hogares. Pero ¿has pensado en lo preparado que está tu ministerio para llevar a cabo la misión en tu ausencia?

Permíteme hacerte una pregunta. ¿Qué pasaría si te encontraras en una situación en la que no pudieras estar físicamente presente ni supervisar directamente el ministerio que diriges? ¿Se detendrían los servicios? ¿Dejarían de reunirse o crecer los grupos celulares? ¿Dejaría de avanzar el ministerio? Si no has pensado en estas preguntas antes, te animo a que lo hagas y seas proactivo para formar un equipo que pueda llevar a cabo la misión en tu ausencia.

Como se dijo en un blog anterior de la semana pasada de Aaron Lemuel De La Torre, “no hay Pastores que son Llaneros Solitarios”. No trabajes solo. Concéntrate en formar un equipo que pueda construir el reino juntos y funcionar frente a la adversidad. Juntos somos mejores.

God’s Work in Developing a Team

By Mario Vega, www.elim.org.sv

The cell is small enough to unite the members for evangelism and the formation of new disciples of Jesus. This common purpose gives a sense of unity and mutual vision to the members. Sometimes roles such as leader, host, secretary, treasurer, etc. are assigned within the cell. That is one way to assign each member a task so that they feel part of the effort. But, those designations can also be  artificial or, at least, arbitrary.

A better way is to assign responsibilities to the members is according to the gifts and abilities the Lord has given each member. The Scriptures state that every believer has received the grace of the Holy Spirit to play a role within the body of Christ.

That grace can be very diverse and manifest in unusual ways. Remember that in God’s work, everything is useful. God might use someone with a supernatural gift, ability for music, an artistic gift, some mechanical skill, an academic ability, command of a language, or any other gift/talent that he has given. Remember that all of these  serve the great task of attracting others to Jesus and helping people to be his imitators. The coordination of the team is carried out through the Holy Spirit, who distributes to each one according to his will, and the willingness of each person to put the talent they have received at the service of the Lord.

As each person surrenders to Jesus, the team will come together to make disciples who make disciples.

Korean blog:

Portuguese blog:

A Obra de Deus no Desenvolvimento de uma Equipe

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

A célula é pequena o suficiente para unir os membros para a evangelização e a formação de novos discípulos de Jesus. Este propósito comum dá um senso de unidade e visão mútua aos membros. Às vezes, funções como líder, anfitrião, secretário, tesoureiro, etc. são atribuídas dentro da célula. Essa é uma maneira de designar uma tarefa a cada membro para que se sintam parte do esforço. Mas, essas designações também podem ser artificiais ou, pelo menos, arbitrárias.

A melhor maneira de atribuir responsabilidades aos membros é de acordo com os dons e habilidades que o Senhor deu a cada membro. As Escrituras afirmam que todo crente recebeu a graça do Espírito Santo para desempenhar um papel no corpo de Cristo.

Essa graça pode ser muito diversa e se manifestar de maneiras incomuns. Lembre-se de que na obra de Deus tudo é útil. Deus pode usar alguém com um dom sobrenatural, habilidade para música, um dom artístico, alguma habilidade mecânica, uma habilidade acadêmica, domínio de um idioma ou qualquer outro dom/talento que ele tenha dado. Lembre-se de que tudo isso serve à grande tarefa de atrair outros a Jesus e ajudar as pessoas a serem seus imitadores. A coordenação da equipa é efetuada por meio do Espírito Santo, que distribui a cada um segundo a sua vontade e vontade de cada um colocar o talento que recebeu a serviço do Senhor.

À medida que cada pessoa se entrega a Jesus, a equipe se reunirá para fazer discípulos que fazem discípulos.

Spanish blog:

La unidad del equipo en la célula

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

La célula es una reunión pequeña que tiene como objeto sumar los esfuerzos de sus miembros para la evangelización y formación de nuevos discípulos de Jesús. Ese propósito común le da un sentido de unidad y de esfuerzo mutuo a sus miembros. Algunas veces se asigna dentro de la célula roles tales como el de líder, anfitrión, secretario, tesorero, etc. Esa es una manera de asignar a cada miembro una tarea a fin de que se sientan parte del esfuerzo. Pero, esas designaciones pueden resultar artificiales o, al menos, arbitrarias.

Una mejor manera es asignar responsabilidades de acuerdo con los dones y habilidades que el Señor ha dado a cada miembro. Las Escrituras establecen que cada creyente ha recibido la gracia del Espíritu Santo para desempeñar un rol dentro del cuerpo de Cristo. Esa gracia puede ser muy variada y manifestarse en maneras poco usuales. En la obra de Dios todo es útil. Puede ser un don sobrenatural, una habilidad para la música, un don artístico, alguna habilidad motora, una capacidad académica, el manejo de un idioma, todo sirve para la gran tarea de atraer a otros a Jesús y ayudarles a ser sus imitadores. La coordinación del equipo se realiza por medio del Espíritu Santo, que reparte a cada uno según su voluntad, y la disposición de cada persona de poner al servicio del Señor el talento que ha recibido. En la rendición de cada persona se encuentra la clave para un equipo celular efectivo.

From Leader to Disciple-maker

By Joel Comiskey, check out Joel’s latest book, Living in Victory

A young man, eager to climb into the driver’s seat of his organization, went into the old man’s office and said, “Sir, as you know, I’ve been appointed by the board to succeed you as president of the bank, and I’d be very grateful for any counsel and help that you could give to me.”

The old man said, “Son, sit down. I have two words of counsel for you. Two words.” “What are they?” asked the young executive. “Right Decisions,” said the boss. The young man thought a moment and said, “Sir, that’s very helpful, but how does one go about making those right decisions?” The old man responded, “One word: Experience.” “Thank you, sir,” said the young man. “I’m sure that will be helpful. But really sir, how does one go about gaining experience?” The old man smiled and said, “Two words: Wrong Decisions.”  

People grow through stepping out, failing, and stepping out again.

Most know that famous American inventor, Thomas Edison, invented the light bulb. What a lot of people don’t know is that he tried over 2,000 experiments before he got it to work. A young reporter asked him how it felt to fail so many times. He said, “I never failed once. I invented the light bulb. It just happened to be a 2,000-step process.

Becoming a disciple of Jesus requires learning through experience. So what does this have to do with team leadership in the cell group? It means that the more we can give people a chance to minister in the cell, the more they are going to grow.

In my own cell, we have had eight people on the leadership team (we recently multiplied into two cells). All of us rotated in doing each part of the cell: icebreaker, worship, lesson, and prayer.

Many think that only the “leader” should lead the lesson time. I’ve come to believe that the lesson should be so simple that everyone on the team should take their part leading it. At our church, Nuevo Amanecer, all the groups follow three easy questions based on the text used in the pastor’s sermon:

  1. What does the passage say?
  2. What is the passage saying to me?
  3. How can I apply this passage in my life in the following week?

Before people answer each question, we read the passage and then ask everyone to take a moment of silence. 

With this method, we’ve been able to encourage many people who never thought they could lead a small group lesson to do so with confidence and boldness. This method is simple and helps everyone to focus on transformation rather than information.

Icebreaker, worship, and prayer/ministry time are also great opportunities to get people involved.

Remember the goal is to make disciples who make disciples. When members are asked to mainly listen to the leader, they will not have the chance to exercise their muscles and become the priesthood of all believers.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

De líder a Fazedor de Discípulo

Por Joel Comiskey

Um jovem, ansioso para subir ao assento do motorista de sua organização, foi ao escritório do velho e disse: “Senhor, como você sabe, fui nomeado pelo conselho para sucedê-lo como presidente do banco, e eu ficaria muito grato por qualquer conselho e ajuda que você pudesse me dar.”

O velho disse: “Filho, sente-se. Tenho duas palavras de conselho para você. Duas palavras.” “Quais são elas?” perguntou o jovem executivo. “Decisões certas”, disse o chefe. O jovem pensou por um momento e disse: “Senhor, isso é muito útil, mas como alguém faz para tomar as decisões certas?” O velho respondeu: “Uma palavra: Experiência”. “Obrigado, senhor”, disse o jovem. “Tenho certeza de que será útil. Mas, sério, senhor, como se faz para ganhar experiência?” O velho sorriu e disse: “Duas palavras: decisões erradas”.

As pessoas crescem se lançando, fracassando e se lançando novamente.

A maioria sabe que o famoso inventor americano, Thomas Edison, inventou a lâmpada. O que muitas pessoas não sabemos é que ele tentou mais de 2.000 experimentos antes de fazer funcionar. Um jovem repórter perguntou-lhe como era falhar tantas vezes. Ele disse: “Nunca falhei nenhuma vez. Eu inventei a lâmpada. Aconteceu que era um processo de 2.000 etapas.

Para se tornar um discípulo de Jesus, é preciso aprender por meio da experiência. Então, o que isso tem a ver com liderança de equipe na célula? Isso significa que quanto mais dermos às pessoas a chance de ministrar na célula, mais elas crescerão.

Em minha própria célula, tivemos oito pessoas na equipe de liderança (recentemente nos multiplicamos em duas células). Todos nós fizemos o rodízio em realizar cada parte da célula: quebra-gelo, adoração, lição e oração.

Muitos pensam que apenas o “líder” deve liderar o tempo da aula. Acredito que a lição deve ser tão simples que todos na equipe devem participar, liderando-a. Em nossa igreja, Nuevo Amanecer, todos os grupos seguem três perguntas fáceis baseadas no texto usado no sermão do pastor:

1.       O que a passagem diz?

2.       O que a passagem está me dizendo?

3.       Como posso aplicar essa passagem em minha vida na semana seguinte?

Antes de as pessoas responderem a cada pergunta, lemos a passagem e então pedimos a todos que façam um momento de silêncio.

Com este método, temos sido capazes de encorajar muitas pessoas que nunca pensaram que poderiam liderar uma aula em um pequeno grupo a fazer isso com confiança e ousadia. Este método é simples e ajuda todos a se concentrarem na transformação ao invés da informação.

Quebra-gelo, adoração e tempo de oração/ministração também são ótimas oportunidades para envolver as pessoas.

Lembre-se de que o objetivo é fazer discípulos que fazem discípulos. Quando os membros são solicitados a ouvir principalmente o líder, eles não terão a chance de exercitar seus músculos e se tornar o sacerdócio de todos os crentes.

Spanish blog:

De líder a hacedor de discípulos 

Por Joel Comiskey 

Un joven, ansioso por ocupar el asiento del conductor de su organización, entró en la oficina del anciano y dijo: “Señor, como usted sabe, fui designado por la junta para sucederlo como presidente del banco, y yo estaría muy agradecido por cualquier consejo y ayuda que pudiera brindarme “. 

El anciano dijo: “Hijo, siéntate. Tengo dos palabras de consejo para ti. Dos palabras.” “¿Cuáles son?” preguntó el joven ejecutivo. “Decisiones correctas”, dijo el jefe. El joven pensó un momento y dijo: “Señor, eso es muy útil, pero ¿cómo se toman las decisiones correctas?” El anciano respondió: “Una palabra: experiencia”. “Gracias, señor”, dijo el joven. “Estoy seguro de que será útil. Pero realmente señor, ¿cómo se hace para adquirir experiencia? El anciano sonrió y dijo: “Dos palabras: decisiones equivocadas”. 

La gente crece intentando, fallando e intentándolo de nuevo. 

La mayoría sabe que el famoso inventor estadounidense, Thomas Edison, inventó la bombilla. Lo que mucha gente no sabe es que intentó más de 2000 experimentos antes de que funcionara. Un joven reportero le preguntó cómo se sentía fallar tantas veces. Dijo: “Nunca fallé ni una vez. Inventé la bombilla. Simplemente resultó ser un proceso de 2000 pasos. 

Convertirse en discípulo de Jesús requiere aprender a través de la experiencia. Entonces, ¿qué tiene esto que ver con el liderazgo del equipo en el grupo celular? Significa que cuanto más le podamos dar a las personas la oportunidad de ministrar en la célula, más crecerán.  

En mi propia célula, hemos tenido ocho personas en el equipo de liderazgo (recientemente nos multiplicamos en dos células). Todos rotamos para cumplir con cada privilegio de la célula: rompehielos, adoración, enseñanza y oración. 

Muchos piensan que solo el “líder” debe dirigir la enseñanza. He llegado a creer que la enseñanza debería ser tan sencilla que todos los miembros de la célula deberían participar en su liderazgo. En nuestra iglesia, Nuevo Amanecer, todas las células siguen tres preguntas, muy sencillas, basadas en el texto usado en la predicación del pastor: 

  1. ¿Qué dice el pasaje? 
  2. ¿Qué me dice el pasaje? 
  3. ¿Cómo puedo aplicar este pasaje en mi vida la semana siguiente? 

Antes de que la gente responda cada pregunta, leemos el pasaje y luego les pedimos a todos que tomen un momento de silencio. 

Con este método, hemos podido alentar a muchas personas que nunca pensaron que podrían dirigir una enseñanza celular a que lo hagan con confianza y audacia. Este método es simple y ayuda a todos a concentrarse en la transformación en lugar de en la información. 

El tiempo para romper el hielo, la adoración y la oración / ministrar también son excelentes oportunidades para involucrar a las personas. 

Recuerda que la meta es hacer discípulos que hagan discípulos. Cuando se les pide a los miembros que escuchen principalmente al líder, no tendrán la oportunidad de ejercitar sus músculos y convertirse en el sacerdocio de todos los creyentes. 

The importance of the coaching team

By Mario Vega, www.elim.org.sv

Coaches are critical in cell ministry. While pastors can visit leaders in their cells from time to time, coaches are constantly with them. They are there to encourage, challenge, train and accompany them in the work of making new disciples. In the case of the absence or illness of a leader, they assume the responsibility of caring for the cell. They are also responsible for identifying new hosts and potential leaders.

In the case of Elim Church, the coaches also have the responsibility of organizing the transportation of some people to the celebrations. They usually do this by renting buses to transport members and guests. For these reasons, it is not surprising that zone pastor candidates are selected from among coaches. They come from the natural reservoir of workers specialized in the task of multiplication and cell discipleship. Hence the importance of developing a good team of coaches. Pastor Cho expressed that “Coaches are the key to effective cell ministry.” Churches should keep this in mind.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

A importância da equipe de Supervisores

Mario Vega, www.elim.org.sv

Os Supervisores são absolutamente fundamentais para o Ministério em Células. Os Pastores até podem visitar os líderes em suas células de vez em quando, mas os supervisores estão constantemente com seus líderes de células. São os supervisores que os encorajam, desafiam, treinam e acompanham na tarefa de fazer novos discípulos. Sempre que há uma falta ou um líder adoece, eles assumem a responsabilidade do cuidado da célula. Eles também são responsáveis por identificar novos anfitriões e líderes em potencial.

Na Igreja Elim, os Supervisores também têm a responsabilidade de organizar o transporte de algumas pessoas para as celebrações. Eles normalmente fazem isso alugando ônibus para transportar membros da igreja e convidados. Exatamente por estas razões, não é nenhuma surpresa o fato de que os candidatos a Pastores de Área são selecionados a partir do grupo de Supervisores. Eles vem de um reservatório natural de servos especializados na tarefa de multiplicar e de discipular através das células. Esta é a razão da importância de se desenvolver uma boa equipe de Supervisores. O Pastor Cho certa vez declarou: “Os Supervisores são a chave para um ministério em células eficaz”. As igrejas realmente precisam pensar sobre isso.

Spanish blog:

La importancia del equipo de supervisores

Mario Vega, www.elim.org.sv

Los supervisores son clave en el trabajo celular. Mientras que los pastores pueden visitar a los líderes en sus células cada cierto tiempo, los supervisores se encuentran permanentemente con ellos. Están allí para animarlos, desafiarlos, entrenarlos y acompañarlos en su tarea de hacer nuevos discípulos. En el caso de ausencia o enfermedad de un líder, ellos asumen la responsabilidad de atender la célula. También son los responsables de identificar nuevos anfitriones y candidatos a líderes.

En el caso de la iglesia Elim, los supervisores también tienen la responsabilidad de organizar el traslado de las personas a las celebraciones. Normalmente lo hacen rentando autobuses para transportar a los miembros e invitados. Por estas razones, no es de extrañar que los candidatos a pastores de zona sean seleccionados de entre los supervisores. Ellos son la reserva natural de obreros especializados en la tarea de la multiplicación y el discipulado celular. De ahí la importancia de desarrollar un buen equipo de supervisores. El pastor Cho expresó que «la clave del trabajo celular son los supervisores». Un gran principio que se debe tener en cuenta para un trabajo efectivo.