Covid-Cell Ministry Reset, Part 2

By Pastor Ryan Faust, www.gracechurchseattle.org

So what does a reset look like? Why was it necessary in this pandemic? What will it look like moving forward? 

I absolutely believe in the Cell-Driven Model of ministry.  But I have come to realize that not every cell needs to look exactly the same.  When I first cast this vision to my DMin Advisor, Dr. Currie at Gordon-Conwell, he said, “Why end CR, MOPs, Barnabas Groups for women, AWANA and youth group? Why not transition these ministries into cell ministries along with the intergenerational HCs?” This was in 2014.  I should have listened.  I think I didn’t out of pride (I repent).  

I was modeling our church after Soma in Tacoma and Mars Hill.  They were thriving missional cell-model ministries. But each of those churches were church plants, while Grace was a 65 year old and established church with a DNA. 

To have a narrow blanket everyone does the same study every week with the focus of being with those in their neighborhood, that assumes everyone in the group is willing to die-to-self and team together for mission.  And this can happen…with inspired leadership.  But a group needs to be brought along.  And individuals are all at different stages of maturity and spiritual growth. And when the entrepreneurial spirit is squashed, especially as Americans who believe in liberty, then HCs will limp along as people might feel coerced into doing it only one way.

These are the discussions that we (elders and staff) have been having since March.  And we concluded that we need something more like Methodism, which is cell-celebration ministry.

John Wesley had a method: societies, classes and bands.  “Societies” were like worship Celebrations.  “Classes” were neighborhood groups of 11 that focused on edification (similar to our HCs). “Bands” were specialized groups (e.g., men only, women only, or alcoholics group, or you name it).  In other words, “bands” had an entrepreneurial spirit and were for a time (the time needed to meet spiritual needs and move people to maturity).

So, we recast our vision. Elders and staff discussed these ideas from March to August and then shared with our church in September that our immediate focus would be: Sunday worship, HCs, and Life Groups (i.e., specialized groups like “bands”).  We have emphasized liberty, considering the American entrepreneurial spirit, and given people the option to develop Life Groups (like “bands” – specialized with creativity).

All this to say it is a work in progress.  I believe it is a solid plan, but last week’s up-tick in Covid cases and the new restrictions (and a lot of fear amongst people in our state and our nation) has created a situation with a lot of unknowns.  More than ever, as we enter a really dark season literally, figuratively and spiritually (from Thanksgiving to Christmas, in Seattle, there is always increased tension, depression, and aggravation — now add that you can’t see each other? Our people are zoomed out, and the elections have created division, even within the church).  The solution is not less face-time, but more.  We were created as relational people and we need fellowship.  We are in need to celebration and cells.

I assume you are feeling what I am saying.  Please pray for the state of the church across our land.  Perhaps, when all is said and done, only the Holy Spirit at work within His people can pull us out of this one.  

Maranatha, come Lord Jesus! 

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Reinicialização do Ministério em Célula na Covid, parte 2
Por Pastor Ryan Faust, www.gracechurchseattle.org.

Então, como é uma reinicialização? Por que foi necessário nesta pandemia? Como será no futuro?

Eu acredito absolutamente no modelo de ministério baseado em células. Mas percebi que nem todas as células precisam ser exatamente iguais. Quando lancei esta visão pela primeira vez ao meu conselheiro DMin, Dr. Currie em Gordon-Conwell, ele disse: “Por que encerrar CR, MOPs, Grupos Barnabé para mulheres, AWANA e grupo de jovens? Por que não fazer a transição desses ministérios para ministérios de células juntamente com os CLs intergeracionais?” Isso foi em 2014. Eu deveria ter ouvido. Acho que não fiz por orgulho (me arrependo).

Eu estava modelando nossa igreja após os modelos de Soma em Tacoma e Mars Hill. Eles estavam prosperando em ministérios modelo de célula missional. Mas cada uma dessas igrejas eram plantações de igrejas, enquanto Grace tinha 65 anos e era uma igreja com um DNA estabelecido.

Para ter um cobertor estreito, todos fazem o mesmo estudo todas as semanas com o foco de estar com as pessoas de sua vizinhança, o que pressupõe que todos no grupo estão dispostos a morrer para si mesmos e se unirem para a missão. E isso pode acontecer … com liderança inspirada. Mas um grupo precisa ser trazido. E todos os indivíduos estão em diferentes estágios de maturidade e crescimento espiritual. E quando o espírito empreendedor é esmagado, especialmente como americanos que acreditam na liberdade, os CLs vão mancar, pois as pessoas podem se sentir coagidas a fazê-lo apenas de uma maneira.

Essas são as discussões que nós (anciãos e funcionários) temos tido desde março. E concluímos que precisamos de algo mais parecido com o metodismo, que é o ministério de celebração em células.

John Wesley tinha um método: sociedades, classes e pequenos grupos. “Sociedades” eram como celebrações de adoração. “Classes” eram grupos de 11 bairros com foco na edificação (semelhante aos nossos CLs). “Pequenos Grupos” eram grupos especializados (por exemplo, somente homens, somente mulheres ou grupo de alcoólatras, ou o que você quiser). Em outras palavras, “pequenos grupos” tiveram um espírito empreendedor e foram por um tempo (o tempo necessário para atender às necessidades espirituais e levar as pessoas à maturidade).

Então, reformulamos nossa visão. Os presbíteros e a equipe discutiram essas ideias de março a agosto e depois compartilharam com nossa igreja em setembro que nosso foco imediato seria: adoração de domingo, CLs e grupos de vida (ou seja, grupos especializados como “pequenos grupos”). Nós enfatizamos a liberdade, considerando o espírito empreendedor americano, e demos às pessoas a opção de desenvolver Life Groups (como “pequenos grupos” – especializados com criatividade).

Tudo isso para dizer que é um trabalho em andamento. Acredito que seja um plano sólido, mas o aumento da semana passada nos casos da Covid e as novas restrições (e muito medo entre as pessoas em nosso estado e nosso país) criaram uma situação com muitas incógnitas. Mais do que nunca, à medida que entramos em uma temporada realmente sombria literal, figurativa e espiritualmente (do Dia de Ação de Graças ao Natal, em Seattle, há sempre um aumento da tensão, depressão e agravamento – agora acrescente que vocês não podem se ver? Nosso povo está diminuiu, e as eleições criaram divisão, mesmo dentro da igreja). A solução não é menos tempo face a face, porém mais. Fomos criados como pessoas relacionais e precisamos de comunhão. Nós precisamos de celebração e células.

Eu presumo que você esteja sentindo o que estou dizendo. Por favor, ore pelo estado da igreja em nosso país. Talvez, quando tudo estiver dito e feito, apenas o Espírito Santo em ação dentro de Seu povo pode nos tirar dessa.

Maranata, venha Senhor Jesus!

Spanish blog:

Reinicio del Ministerio Celula-Covid, Parte 2 

Por el pastor Ryan Faust, www.gracechurchseattle.org

Entonces, ¿cómo se ve un reinicio? ¿Por qué fue necesario en esta pandemia? ¿Cómo será el avance? 

Creo absolutamente en el modelo de ministerio impulsado por células. Pero me he dado cuenta de que no todas las células deben verse exactamente iguales. Cuando le transmití esta visión por primera vez a mi asesor de DMin, el Dr. Currie de Gordon-Conwell, dijo: “¿Por qué acabar con los programas de CR, MOP, Barnabas Groups for women, AWANA y el grupo de jóvenes? ¿Por qué no trasladar estos ministerios a grupos celulares junto con los CH intergeneracionales? ” Esto fue en 2014, debería haber escuchado. Creo que no lo hice por orgullo (hoy me arrepiento). 

Estaba modelando nuestra iglesia después de Soma en Tacoma y Mars Hill. Eran prósperos ministerios misionales de modelos celulares. Pero cada una de esas iglesias fueron plantaciones de iglesias, mientras que Grace tenía 65 años y una iglesia establecida con un ADN. 

Para tener una manta estrecha, todos hacen el mismo estudio todas las semanas con el enfoque de estar con los de su vecindario, eso supone que todos en el grupo están dispuestos a morir a sí mismos y unirse para la misión. Y esto puede suceder … con un liderazgo inspirado. Pero un grupo necesita ser formado y todos los individuos que se encuentran en diferentes etapas de madurez y crecimiento espiritual. Y cuando el espíritu emprendedor se aplasta, especialmente como estadounidenses que creen en la libertad, entonces los CH cojearán ya que la gente podría sentirse obligada a hacerlo de una sola manera. 

Estas son las discusiones que nosotros (los ancianos y el personal) hemos tenido desde marzo. Y llegamos a la conclusión de que necesitamos algo más parecido al metodismo, que es el ministerio de celebración celular. 

John Wesley tenía un método: sociedades, clases y bandas. Las “sociedades” eran como celebraciones de adoración. Las “clases” eran grupos vecinales de 11 que se centraban en la edificación (similar a nuestros CH). Las “bandas” eran grupos especializados (por ejemplo, solo hombres, solo mujeres o grupo de alcohólicos, o lo que sea). En otras palabras, las “bandas” tenían un espíritu emprendedor y lo eran por un tiempo (el tiempo necesario para satisfacer las necesidades espirituales y llevar a las personas a la madurez). 

Entonces, reformulamos nuestra visión. Los ancianos y el personal discutieron estas ideas de marzo a agosto y luego compartieron con nuestra iglesia en septiembre que nuestro enfoque inmediato sería: adoración dominical, CH y grupos de vida (es decir, grupos especializados como “bandas”). Hemos enfatizado la libertad, considerando el espíritu emprendedor estadounidense, y le hemos dado a la gente la opción de desarrollar Grupos de Vida (como “bandas” – especializados con creatividad). 

Todo esto se puede decir que es un trabajo en progreso. Creo que es un plan sólido, pero el repunte de la semana pasada en los casos de Covid y las nuevas restricciones (y mucho miedo entre la gente de nuestro estado y nuestra nación) ha creado una situación con muchas incógnitas. Más que nunca, a medida que entramos en una temporada realmente oscura, literal, figurada y espiritualmente (desde el Día de Acción de Gracias hasta la Navidad, en Seattle, siempre hay una mayor tensión, depresión y agravamiento; ahora agregue que no pueden verse unos a otros. alejado, y las elecciones han creado división, incluso dentro de la iglesia). La solución no es menos presencia, sino más. Fuimos creados como personas relacionales y necesitamos compañerismo. Necesitamos celebración y células. 

Supongo que estás sintiendo lo que estoy diciendo. Ora por el estado de la iglesia en nuestro país. Quizás, cuando todo esté dicho y hecho, solo el Espíritu Santo obrando dentro de Su pueblo pueda sacarnos de esta 

¡Maranatha, ven Señor Jesús! 

Leave a Reply

Your email address will not be published.