Let face-to-face meetings come back!

By Mario Vega, www.elim.org.sv

The new coronavirus pandemic forced the churches to carry out their services through the Internet. People soon became accustomed to participating in virtual worship, prayers, and preaching. This resource served its purpose of meeting spiritual needs, but also proved to be much more comfortable for the participants. Things have gotten to the point where many are wondering whether it is still necessary to attend actual meetings, whether in homes or in church buildings.

What is at stake is not just the use of a channel for spiritual formation. Most crucially, the way we learn and remember is changing. Growth in faith is not just an intellectual exercise. We must remember that the transformation of a person there is much more than conviction. People change when their senses and emotions are involved. Spiritual experiences are built on unique places and conditions. The place, the time, the people present, the sounds, the reactions of others are an important part of the transformative experience. Remember, for example, the conversion of Saul.

In contrast, in the virtual world, everything happens on the same flat surface of the screen. That is why it is difficult for us to remember where we said or heard something. When the experience is face-to-face, the environment, with its noises and interruptions, records the learning experience more permanently. We will surely forget what we heard or saw on a screen; instead, we will preserve the memory of those things that we associate with a specific place, with certain textures, and with a specific human warmth. For this reason, we must continue to desire and plan for face-to-face cells and celebrations.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Deixe as reuniões presenciais voltarem!

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

A nova pandemia de coronavírus obrigou as igrejas a realizarem seus cultos pela Internet. As pessoas logo se acostumaram a participar de cultos virtuais, orações e pregação. Esse recurso serviu ao propósito de atender às necessidades espirituais, mas também se mostrou muito mais confortável para os participantes. As coisas chegaram a um ponto em que muitos se perguntam se ainda é necessário assistir às reuniões reais, seja em casas ou em edifícios de igrejas.

O que está em jogo não é apenas a utilização de um canal de formação espiritual. Mais crucialmente, a maneira como aprendemos e lembramos está mudando. O crescimento na fé não é apenas um exercício intelectual. Devemos lembrar que a transformação de uma pessoa ali é muito mais do que convicção. As pessoas mudam quando seus sentidos e emoções estão envolvidos. As experiências espirituais são construídas em lugares e condições únicas. O lugar, a hora, as pessoas presentes, os sons, as reações dos outros são uma parte importante da experiência transformadora. Lembre-se, por exemplo, da conversão de Saul.

Em contraste, no mundo virtual, tudo acontece na mesma superfície plana da tela. É por isso que é difícil lembrarmos onde dissemos ou ouvimos algo. Quando a experiência é presencial, o ambiente, com seus ruídos e interrupções, registra a experiência de aprendizagem de forma mais permanente. Certamente esqueceremos o que ouvimos ou vimos em uma tela; em vez disso, vamos preservar a memória daquelas coisas que associamos a um lugar específico, a certas texturas e a um calor humano específico. Por isso, devemos continuar desejando e planejando células e celebrações presenciais.

Spanish blog:

Que vuelvan las reuniones presenciales

por Mario Vega, www.celulas.org.sv

La pandemia del nuevo coronavirus obligó a las iglesias a realizar sus servicios a través de la red de Internet. Las personas pronto se acostumbraron a participar de alabanzas, oraciones y predicaciones virtuales. El recurso alcanzó su propósito de suplir las necesidades espirituales, pero, además, mostró ser mucho más cómodo para los participantes. Las cosas han llegado al punto en que muchos se preguntan si continúa siendo necesario asistir a las reuniones reales, sean en las casas o en los edificios de las iglesias.

Lo que está en juego no es solamente el uso de un canal para la formación espiritual. Lo que es más crucial es que se está cambiando la forma de aprender y recordar. El crecimiento en la fe no es solamente un ejercicio intelectual. En la transformación de una persona hay mucho más que el convencimiento. Las personas cambian cuando están implicados sus sentidos y sus emociones. Las experiencias espirituales se construyen sobre lugares y condiciones únicas. El lugar, la hora, las personas presentes, los sonidos, las reacciones de otros son parte importante de la experiencia transformadora. Recordemos, por ejemplo, la conversión de Saulo.

En cambio, en el mundo virtual, todo ocurre en la misma superficie plana de la pantalla. Por eso nos cuesta recordar adónde dijimos u oímos algo. Cuando la vivencia es presencial el entorno, con sus ruidos e interrupciones, graba de manera más permanente la experiencia de aprendizaje. De seguro olvidaremos lo que oímos o vimos en una pantalla; en cambio, conservaremos el recuerdo de aquellas cosas que relacionamos con un lugar concreto, con ciertas texturas y con un calor humano específico. Por esa razón, debemos continuar privilegiando, en la medida de lo posible, las células y celebraciones presenciales.

Leave a Reply

Your email address will not be published.