Cells and The New Testament

By Keith Bates, founding pastor of New Life Church in Narrabri, Australia, www.new-life.org.au

I love the fact that Cell Church is not a recent invention, but has always been at the heart of the way God’s people have discipled one another.

The Great Commission that Christ gave the church was to “Go and make disciples of all nations” (Matthew 28:19). Evangelism is an important part of the process, but it is only the start, in the same way that childbirth is just the start of parenting. Maturity is the goal in both cases.

Just as Jesus ministered to both “the crowds” and the Twelve, the church has often recognized that effective ministry has to operate as both celebration and cell.

In the New Testament, we are given many commands that end in “one another.” These are the practical daily keys to growing in maturity as followers of Christ.

The most well-known of these commands is Jesus’ command: “A new command I give you: Love one another. As I have loved you, so you must love one another.” (John 13:34).  Love is a personal thing. You cannot love a thousand people in a large group. It is possible to love one another in a much smaller group where there is space to get to know one another and to share deeply.

In Romans 12:16, Paul tells us to “Live in harmony with one another.” I live in a town of 7000 people. We don’t need instruction to live in harmony with one another. As long as we show consideration for one another, remember to drive on the correct side of the road and don’t make too much noise at night, everyone is happy. When you need instruction to live in harmony with one another, that suggests that people are close up and personal and need to make adjustments to their words and actions. We call that love in action.

Paul tells the church at Colossae (and us also), “Let the message of Christ dwell among you richly as you teach and admonish one another with all wisdom through psalms, hymns, and songs from the Spirit, singing to God with gratitude in your hearts. (Colossians 3:16). There is a measure of openness here that cannot be seen in a big group. Admonishing is counseling or exhorting someone to a course of action. That is very uncomfortable in a medium or large-sized group. But it is what groups of 6 to 12 people do very well.

As you search through the Scriptures and find so many “one another” commands, you realize just how intimate and caring relationships in the church are meant to be.

We are called to live together in an open community where deep and loving relationships develop, but which encourages new members to feel included.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Células e o Novo Testamento

Por Keith Bates, pastor fundador da Igreja New Life em Narrabri, Austrália,  www.new-life.org.au

Eu amo o fato de que a Igreja em células não é uma invenção recente, mas sempre esteve no centro da forma como o povo de Deus se discipulou.

A Grande Comissão que Cristo deu à igreja foi “Ide e fazei discípulos de todas as nações” (Mateus 28:19). O Evangelismo é uma parte importante do processo, mas é apenas o começo, da mesma forma que o nascimento de uma criança é apenas o início da paternidade. A maturidade é o objetivo em ambos os casos.

Assim como Jesus ministrou às “multidões” e aos Doze, a igreja frequentemente reconheceu que o ministério eficaz deve operar tanto como celebração quanto como célula.

No Novo Testamento, recebemos muitos comandos que terminam em “um ao outro”. Estas são as chaves práticas diárias para crescer em maturidade como seguidores de Cristo.

O mais conhecido desses mandamentos é o mandamento de Jesus: “Um novo mandamento eu lhes dou: amem uns aos outros. Assim como eu amei vocês, vocês devem amar uns aos outros. ” (João 13:34). O amor é uma coisa pessoal. Você não pode amar mil pessoas em um grande grupo. É possível amar uns aos outros em um grupo muito menor, onde há espaço para nos conhecermos e compartilharmos profundamente.

Em Romanos 12:16, Paulo nos diz para “viver em harmonia uns com os outros”. Eu moro em uma cidade de 7.000 pessoas. Nós não precisamos de instruções para viver em harmonia uns com os outros. Contanto que nós mostremos consideração um pelo outro, lembrar-se de dirigir no lado correto da estrada e não fazer muito barulho à noite, todos ficarão felizes. Quando você precisa de instruções para viver em harmonia uns com os outros, isso sugere que as pessoas são próximas e pessoais e precisam fazer ajustes em suas palavras e ações. Chamamos isso de amor em ação.

Paulo diz à igreja em Colossos (e a nós também): “Que a mensagem de Cristo habite entre vocês ricamente enquanto ensinam e admoestam uns aos outros com toda a sabedoria por meio de salmos, hinos e canções do Espírito, cantando a Deus com gratidão em corações. (Colossenses 3:16). Há uma certa abertura aqui que não pode ser vista em um grande grupo. Admoestar é aconselhar ou exortar alguém a um determinado curso de ação. Isso é muito desconfortável em um grupo de médio ou grande porte. Mas é o que grupos de 6 a 12 pessoas fazem muito bem.

Ao pesquisar as Escrituras e encontrar tantos mandamentos “uns para os outros”, você percebe como os relacionamentos íntimos e atenciosos na igreja devem ser.

Nós somos chamados a viver juntos em uma comunidade aberta, onde relacionamentos profundos e amorosos se desenvolvem, mas que encoraja os novos membros a se sentirem incluídos.

Spanish blog:

Células y el Nuevo Testamento

Por Keith Bates, pastor fundador de New Life Church en Narrabri, Australia, www.new-life.org.au

Me encanta el hecho de que La Iglesia Celular no es una invención reciente, sino que siempre ha estado en el centro de la forma en que el pueblo de Dios se ha discipulado entre sí.

La Gran Comisión que Cristo le dio a la iglesia fue “Id y haced discípulos a todas las naciones” (Mateo 28:19). El evangelismo es una parte importante del proceso, pero es solo el comienzo, de la misma manera que el nacimiento de un hijo es solo el comienzo de la paternidad. La madurez es el objetivo en ambos casos.

Así como Jesús ministró tanto a “las multitudes” como a los Doce, la iglesia a menudo ha reconocido que el ministerio eficaz tiene que operar tanto como celebración y célula.

En el Nuevo Testamento se nos dan muchos mandamientos que terminan en “unos a otros”. Estas son las claves prácticas diarias para crecer en la madurez como seguidores de Cristo.

El más conocido de estos mandatos es el mandamiento de Jesús: “Un mandamiento nuevo os doy: Amaos los unos a los otros. Como yo los he amado, deben amarse unos a otros “. (Juan 13:34). El amor es algo personal. No se puede amar a mil personas en un grupo grande. Es posible amarse unos a otros en un grupo mucho más pequeño donde hay espacio para conocerse y compartir profundamente.

En Romanos 12:16, Pablo nos dice que “vivamos en armonía unos con otros”. Vivo en una ciudad de 7000 habitantes. No necesitamos instrucción para vivir en armonía unos con otros. Siempre que demostremos consideración por los demás, recuerde conducir por el lado correcto de la carretera y no hacer demasiado ruido por la noche, así todos están felices. Cuando se necesita instrucción para vivir en armonía unos con otros, eso sugiere que las personas son cercanas y personales y necesitan hacer ajustes a sus palabras y acciones. A eso lo llamamos amor en acción.

Pablo le dice a la iglesia de Colosas (y también a nosotros): “Que el mensaje de Cristo more en abundancia entre ustedes mientras se enseñan y se exhortan unos a otros con toda sabiduría mediante salmos, himnos y cánticos del Espíritu, cantando a Dios con gratitud en su corazones. (Colosenses 3:16). Aquí hay una medida de apertura que no se puede ver en un grupo grande. Amonestar es aconsejar o exhortar a alguien a seguir un curso de acción. Eso es muy incómodo en un grupo de tamaño mediano o grande. Pero es lo que hacen muy bien grupos de 6 a 12 personas.

A medida que busca en las Escrituras y encuentra tantos mandamientos “unos a otros”, se da cuenta de cuán íntimas y afectuosas deben ser las relaciones en la iglesia.

Estamos llamados a vivir juntos en una comunidad abierta donde se desarrollan relaciones profundas y amorosas, pero que anima a los nuevos miembros a sentirse incluidos.

Leave a Reply

Your email address will not be published.