Cell Ministry in the 21st Century

By Keith Bates, founding pastor of New Life Church in Narrabri, Australia, www.new-life.org.au

Not long after we moved to Narrabri, a town of 7000 people in the wheat belt of Eastern Australia, the Lord started talking to us about a “new thing” that He wanted to do with us in this place. We weren’t sure what this new thing was, but in 1996, we stepped out in faith and left our denomination to start New Life Christian Fellowship.

About that time, I read Ralph Neighbour’s book, “Where Do We Go From Here?” which documents in great detail the decline of the evangelical churches in the USA since the glory days of the 1950’s. That trend has only increased into the current century, as leaders have recognized that a whole generation has left the church.

This decline has also been felt in Australia, perhaps more so. Since I became a Christian in 1976, churches generally have lost their influence in the community, and many people are suspicious, even hostile, towards any expression of Christian faith.

Ralph goes on to describe the cell church paradigm for churches that was far more effective than the Program-Based Design. While PBD churches add never-ending programs to meet the expressed needs of special groups in the church, the cell church disciples everybody in small groups designed to grow disciples and reach out to the local neighborhood.

In the traditional style of church, Bible Studies were optional extras for the committed members, but in the cell church, the cell was the primary expression of the church. Later on, Ralph would coin the phrase “Christ’s Basic Bodies” to describe the primacy of cell groups.

This description of the cell church hit me as a revelation of what Jesus intended the church to be. I was so excited to be planting a church at the same time that I was seeing what we needed to do.

Over the last 24 years, I have devoted my time and energy as a Pastor to encouraging my cell leaders and equipping them for their task. Of course, we gather on Sunday morning for worship and preaching of the word, but my thoughts are always about growing our cell groups. At times it has been exhilarating, at other times disappointing.  Regardless of my feeling at the time, we know this is the path God has set for us.

When we started out, I believed that we would eventually grow to be a church of 1000 people. When I prayed into that, I would envisage a large auditorium filled with a huge crowd of people. Now I see 100 cell groups spread across the town and the surrounding farmlands, shining the light of Christ into the darkness.

Following a television promotion some years ago, our town was crowned “The Sportiest Town in Australia,” but by God’s grace, I hope that one day it will be “The Godliest Town in Australia” as our cell groups take seriously the commission to make disciples.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Ministério em Células no século 21

Por Keith Bates, pastor fundador da Igreja New Life em Narrabri, Austrália,  www.new-life.org.au

Pouco depois de nós nos mudarmos para Narrabri, uma cidade de 7.000 habitantes no cinturão do trigo do leste da Austrália, o Senhor começou a falar conosco sobre uma “coisa nova” que Ele queria fazer conosco neste lugar. Nós não tínhamos certeza do que era essa coisa nova, mas em 1996, agimos com fé e deixamos nossa denominação para começar a New Life Christian Fellowship.

Mais ou menos nessa época, eu li o livro de Ralph Neighbour, “Where Do We Go From Here?” [E Agora, Para Onde Vamos? (tradução livre)] que documenta em grande detalhe o declínio das igrejas evangélicas nos EUA desde os dias de glória da década de 1950. Essa tendência só aumentou no século atual, à medida que os líderes reconheceram que uma geração inteira deixou a igreja.

Esse declínio também foi sentido na Austrália, talvez mais ainda. Desde que eu me tornei cristão em 1976, as igrejas geralmente perderam sua influência na comunidade, e muitas pessoas estão desconfiadas, até hostis, em relação a qualquer expressão de fé cristã.

Ralph segue descrevendo o paradigma da igreja em células para igrejas que era muito mais eficaz do que o Projeto Baseado em Programas. Enquanto as igrejas PBP adicionam programas intermináveis para atender às necessidades expressas de grupos especiais na igreja, a igreja em células discipula a todos em pequenos grupos projetados para desenvolver discípulos e alcançar a vizinhança local.

No estilo tradicional de igreja, os Estudos Bíblicos eram extras opcionais para os membros comprometidos, mas na igreja em células, a célula era a expressão primária da igreja. Mais tarde, Ralph cunharia a frase “Corpos Básicos de Cristo” para descrever a primazia dos grupos de células.

Essa descrição da igreja em células me atingiu como uma revelação do que Jesus pretendia que a igreja fosse. Eu estava tão animado para plantar uma igreja ao mesmo tempo que estava vendo o que precisávamos fazer.

Nos últimos 24 anos, eu tenho dedicado meu tempo e energia como pastor para encorajar meus líderes de célula e equipá-los para suas tarefas. Claro que nós nos reunimos no domingo de manhã para adoração e pregação da palavra, porém meus pensamentos são sempre sobre o crescimento de nossas células. Às vezes é estimulante, outras vezes decepcionante. Independentemente do meu sentimento na época, nós sabemos que este é o caminho que Deus estabeleceu para nós.

Quando nós começamos, eu acreditava que eventualmente cresceríamos e seríamos uma igreja de 1000 pessoas. Quando eu orei para isso, imaginei um grande auditório cheio de uma multidão enorme de pessoas. Agora eu vejo 100 grupos de células espalhados pela cidade e as terras agrícolas ao redor, brilhando a luz de Cristo na escuridão.

Após uma promoção na televisão alguns anos atrás, nossa cidade foi coroada “A cidade mais esportiva da Austrália”, mas pela graça de Deus, eu espero que um dia seja “A cidade mais sagrada da Austrália”, pois nossos grupos de células levam a sério a comissão de fazer discípulos .

Spanish blog:

El Ministerio celular en el siglo XXI

 

Por Keith Bates, pastor fundador de New Life Church en Narrabri, Australia, www.new-life.org.au

 

No mucho después de mudarnos a Narrabri, una ciudad de 7000 habitantes en el cinturón de trigo del este de Australia, el Señor comenzó a hablarnos sobre una “cosa nueva” que quería hacer con nosotros en este lugar. No estábamos seguros de qué era esta novedad, pero en 1996, dimos un paso de fe y dejamos nuestra denominación para comenzar la Fraternidad Cristiana Nueva Vida.

 

Por esa época, leí el libro de Ralph Neighbour, “¿A dónde vamos desde aquí?” que documenta en gran detalle el declive de las iglesias evangélicas en los Estados Unidos desde los días de gloria de la década de 1950. Esa tendencia solo ha aumentado en el siglo actual, ya que los líderes han reconocido que toda una generación ha dejado la iglesia.

 

Este descenso también se ha sentido en Australia, quizás más. Desde que me convertí en cristiano en 1976, las iglesias en general han perdido su influencia en la comunidad y muchas personas sospechan, incluso son hostiles, hacia cualquier expresión de fe cristiana.

 

Ralph continúa describiendo el paradigma de la iglesia celular para iglesias que fue mucho más efectivo que el Diseño Basado en Programas. Mientras que las iglesias agregan programas interminables para satisfacer las necesidades expresadas de grupos especiales en la iglesia, la iglesia celular discipula a todos en grupos pequeños diseñados para hacer crecer discípulos y llegar al vecindario local.

 

En el estilo tradicional de la iglesia, los estudios bíblicos eran extras opcionales para los miembros comprometidos, pero en la iglesia celular, la célula era la expresión principal de la iglesia. Más tarde, Ralph acuñaría la frase “Los cuerpos básicos de Cristo” para describir la primacía de los grupos celulares.

 

Esta descripción de la iglesia celular me golpeó como una revelación de lo que Jesús pretendía que fuera la iglesia. Estaba tan emocionado de estar plantando una iglesia al mismo tiempo que estaba viendo lo que teníamos que hacer.

 

Durante los últimos 24 años, he dedicado mi tiempo y energía como pastor a animar a mis líderes celulares y equiparlos para su tarea. Por supuesto que nos reunimos los domingos por la mañana para adorar y predicar la palabra, pero siempre pienso en hacer crecer nuestros grupos celulares. A veces ha sido estimulante, otras veces decepcionante. Independientemente de mis sentimientos en ese momento, sabemos que este es el camino que Dios ha establecido para nosotros.

 

Cuando comenzamos, creí que eventualmente llegaríamos a ser una iglesia de 1000 personas. Cuando oré por eso, imaginaba un gran auditorio lleno de una gran multitud de personas. Ahora veo 100 grupos celulares esparcidos por la ciudad y las tierras agrícolas circundantes, iluminando la luz de Cristo en la oscuridad.

 

Después de una promoción televisiva hace algunos años, nuestra ciudad fue coronada como “La ciudad más deportiva de Australia”, pero por la gracia de Dios espero que algún día sea “La ciudad más Santa de Australia”, ya que nuestros grupos celulares se toman en serio la comisión de hacer discípulos.

Leave a Reply

Your email address will not be published.