Multiplication Myths and Truths

by Joel Comiskey, check out the small group videos

The topic of small group multiplication is both exciting and full of controversy. Some churches resist small group ministry because of what they have heard about multiplication—like all groups must multiply after six months or close. In my book Myths and Truths of Cell-based Ministry, I talk a lot about the myths and truths of multiplication. So what are some of those myths? Here are a few:

All cells must multiply in six months or be closed. This was a common myth in the early days of the cell church movement. My good friend Raymond Ebbett was both a missionary in Bogota, Colombia, and Spain. The small groups in Bogota often multiplied in six months but those in Spain took many years. The difference? The soil. The soil in Bogota was ready to produce the crop but the soil in Spain was hard and dry with little immediate potential. Raymond understood that the preparation of the soil was a critical component in small group multiplication.

Multiplication of a small group means that people are being saved, maturing as disciples, and taking the church-wide equipping to become future leaders. If no one is coming to Christ, very few will be equipped, and new leaders will not be formed. The opposite is true in countries experiencing a revival. We need to have discernment, patience and avoid dogmatism that says all groups must multiply in six months. The reality is that multiplication time frames vary depending on the state of the soil.

There is only one way to multiply a cell. In the early days of the cell church movement, the most common way to multiply a group was mother-daughter multiplication. When a group grew to a certain number, half of the group—along with a new leadership team–would leave to start the daughter group.  The problem with this type of multiplication was that when a group reached a certain number, like fifteen, many of the people would stop coming because they did not want to “divide.”

However, another great way to multiply a group is cell planting. As soon as a team takes the church-wide equipping and graduates, that team can leave the mother cell and start a new one, regardless of the size of the mother group.

One effective way to practice cell planting is for the group leader to take one or two members and plant a new group. The leader should leave the most mature behind when starting the new group.

One leader should lead more than one group. I find this error is common in churches that are trying hard to reach their goals. To reach the determined year-end multiplication goal, some leaders lead more than one group. The problem with this is that the biblical goal is not more groups but more leaders, or disciples. The small group strategy is all about raising up an army of disciples who make disciples, not new groups. It is best to have one leader or team of leaders per group and not to multiply until leaders have been developed who are ready to lead the new group.

Evangelism is the same as multiplication. I hear this a lot when talking about multiplication. Sometimes people equate evangelism with multiplication, yet multiplication is much more than evangelism. To multiply a group, a leader must do a lot of things well: evangelism, small group dynamics, conflict resolution, community, and total participation of members. Evangelism is simply one aspect of group life. Therefore, when a leader has multiplied the group, this person should be honored because it means they have done a lot of things well.

The more we can understand the myths and pitfalls of multiplication, the more successful we will be at avoiding those dangers. Yes, multiplication is important, but small group ministry involves more than multiplication.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Mitos e verdades da multiplicação

Por Joel Comiskey, confira os vídeos de Comiskey

O tópico da multiplicação de pequenos grupos é emocionante e cheio de controvérsias. Algumas igrejas resistem ao ministério de pequenos grupos por causa do que ouviram sobre a multiplicação – como todos os grupos devem se multiplicar depois de seis meses ou menos. Em meu livro Myths and Truths of Cell-Based Ministry [Mitos e Verdades do Ministério baseado em Células], falo muito sobre os mitos e verdades da multiplicação. Então, quais são alguns desses mitos? Aqui estão alguns:

Todas as células devem se multiplicar em seis meses ou serão fechadas. Este era um mito comum nos primeiros dias do movimento da igreja em células. Meu bom amigo Raymond Ebbett foi missionário em Bogotá, Colômbia e Espanha. Os pequenos grupos em Bogotá frequentemente se multiplicavam em seis meses, mas os da Espanha demoravam muitos anos. A diferença? O solo. O solo em Bogotá estava pronto para produzir a safra, mas o solo na Espanha era duro e seco com pouco potencial imediato. Raymond entendeu que o preparo do solo era um componente crítico na multiplicação de pequenos grupos.

A multiplicação de um pequeno grupo significa que as pessoas estão sendo salvas, amadurecendo como discípulos e recebendo o treinamento em todas áreas da igreja para se tornarem futuros líderes. Se ninguém está vindo a Cristo, pouquíssimos serão treinados e novos líderes não serão formados. O oposto é verdadeiro em países que estão passando por um avivamento. Precisamos ter discernimento, paciência e evitar o dogmatismo que diz que todos os grupos devem se multiplicar em seis meses. A realidade é que os prazos de multiplicação variam dependendo do estado do solo.

Só existe uma maneira de multiplicar uma célula. Nos primeiros dias do movimento da igreja em células, a forma mais comum de multiplicar um grupo era a multiplicação mãe-filha. Quando um grupo cresceu para um determinado número, metade do grupo – junto com uma nova equipe de liderança – iria embora para começar o grupo-filhas. O problema com este tipo de multiplicação era que quando um grupo atingia um certo número, como quinze, muitas das pessoas paravam de vir porque não queriam “dividir”.

No entanto, outra ótima maneira de multiplicar um grupo é o plantio de células. Assim que uma equipe passa pelo treinamento das áreas da igreja e se forma, essa equipe pode deixar a célula-mãe e começar uma nova, independentemente do tamanho do grupo-mãe.

Uma maneira eficaz de praticar o plantio de células é o líder do grupo pegar um ou dois membros e plantar um novo grupo. O líder deve deixar o mais maduro para trás ao iniciar o novo grupo.

Um líder deve liderar mais de um grupo. Acho que esse erro é comum em igrejas que estão se esforçando para alcançar seus objetivos. Para atingir a meta de multiplicação de final de ano determinada, alguns líderes lideram mais de um grupo. O problema com isso é que o objetivo bíblico não é mais grupos, mas mais líderes ou discípulos. A estratégia de pequenos grupos envolve levantar um exército de discípulos que fazem discípulos, não novos grupos. É melhor ter um líder ou equipe de líderes por grupo e não se multiplicar até que tenham sido desenvolvidos líderes que estejam prontos para liderar o novo grupo.

Evangelismo é o mesmo que multiplicação. Eu ouço muito isso quando falo sobre multiplicação. Às vezes, as pessoas equiparam evangelismo com multiplicação, mas multiplicação é muito mais do que evangelismo. Para multiplicar um grupo, um líder deve fazer muitas coisas bem: evangelismo, dinâmicas de pequenos grupos, resolução de conflitos, comunidade e participação total dos membros. Evangelismo é simplesmente um aspecto da vida em grupo. Portanto, quando um líder multiplicou o grupo, essa pessoa deve ser homenageada porque significa que fez muitas coisas bem.

Quanto mais pudermos entender os mitos e armadilhas da multiplicação, mais bem-sucedidos teremos em evitar esses perigos. Sim, a multiplicação é importante, mas o ministério de pequenos grupos envolve mais do que multiplicação.

Spanish blog:

Multiplicación: Mitos y Verdades

Por Joel Comiskey, confira esses vídeos práticos.

Las células nacen para multiplicarse—no para morir.  El tema de la multiplicación es emocionante pero a la vez, está lleno de controversias. Muchos resistan el ministerio de células debido a un énfasis excesivo en la multiplicación.

Escribí un libro llamado Mitos y verdades del ministerio basado en células. En ese libro, tengo varios mitos y verdades sobre la multiplicación celular. Entonces, ¿cuáles son esos mitos? Acá son algunos:

Todas las células  deben multiplicarse en seis meses o cerrarse.

Este era un mito común en los primeros días del movimiento de la iglesia celular. Mi buen amigo Raymond Ebbet fue misionero en Bogotá, Colombia y luego en España. El notó que células en Bogotá podían multiplicarse en seis meses, pero en España tomó años. ¿La diferencia? El suelo. El suelo de Bogotá estaba listo para producir la cosecha, pero el suelo de España era duro y seco con poca cosecha. Raymond notó que debemos aprender la condición del suelo cuando hablamos de la multiplicación.

La multiplicación de una célula significa que la gente está recibiendo a Cristo como su Salvador, madurando en la célula, y tomando la capacitación celular para convertirse en futuros líderes. Si nadie viene a Cristo, muy pocos estarán equipados y no se formarán nuevos líderes.

En algunos países, muchos reciben a Cristo, pasan por la capacitación, y se preparan para llegar a ser líderes de células. Necesitamos tener discernimiento, paciencia y evitar el dogmatismo que dice que todas las células deben multiplicarse en seis meses.

Solo hay una forma de multiplicar una célula.

En los primeros días del movimiento celular, la forma más común de multiplicar una célula era la multiplicación madre-hija. Cuando una célula crecía hasta cierto punto, la mitad del grupo, junto con un equipo de liderazgo, se salieran para comenzar una nueva célula. El problema con este tipo de multiplicación era que cuando un grupo llegaba a cierto número, como quince, muchas de las personas dejaban de asistir por no querer “dividirse”.

Otra excelente manera de multiplicar un grupo es plantar nuevas células.  Tan pronto como un equipo toma la capacitación y se gradúa, ese equipo puede dejar la célula madre y comenzar una nueva célula, sin importar el tamaño del grupo madre.

Una de las formas más efectivas de multiplicar es que el líder del grupo tome uno o dos y plante una nueva célula. El líder que inició el grupo debe dejar atrás a los mejores y más maduros mientras que toma uno o dos para comenzar un nuevo grupo.

Si bien la multiplicación madre-hija sigue siendo una excelente forma de multiplicar grupos, no es la única manera para hacerlo.

Un líder debe liderar más de un grupo.

Este mito es  común en las iglesias grandes que tiene altas metas para cumplir. Para alcanzar las metas de fin de año, piden a los líderes que lideren más de un grupo. El problema con esto es que el objetivo no son más grupos, sino más líderes o discípulos. La estrategia de la iglesia celular se trata de levantar un ejército de discípulos que hagan discípulos, no grupos nuevos. Es mejor pensar en términos de un líder por grupo y no multiplicar hasta que se haya desarrollado otro líder.

El evangelismo es lo mismo que la multiplicación.

Escucho mucho esto cuando hablo de multiplicación. La gente iguala el evangelismo con la multiplicación. Sin embargo, la multiplicación es mucho más que evangelización. Para multiplicar un grupo, un líder tiene que hacer bien muchas cosas: evangelización, dinámica de grupos pequeños, resolución de conflictos, comunidad y participación total de los miembros. El evangelismo es simplemente un aspecto de la vida celular. Por lo tanto, cuando un líder haya multiplicado el grupo, esta persona debe ser honrada. Significa que haya hecho muchas cosas bien.

Cuanto más comprendamos los mitos y las trampas de la multiplicación, más éxito tendremos en evitar esos peligros comunes. Sí, la multiplicación es importante, pero el enfoque debe ser en preparar a más discípulos que hacen otros discípulos.

Leave a Reply

Your email address will not be published.