Everyone a Disciple-maker, including me

By Nick Garrett, missionary with Divergent Global Network

I have led small groups in some shape or form for over 30 years. Some were good, some not. For a while, I thought I was an okay leader until I realized that my wife was much better at it than me. She led and I just tried to keep out of the way and not mess things up! For a period, my wife led a ladies’ group, obviously without me, and God moved in an amazing way. I felt very discouraged, rationalized my incompetence, and decided that small group leadership was not my destiny. I wasn’t cut out for it. Not my gifting. Leave it to the wife.

When I moved to Canberra God messed up my theology, methodology, and my understanding of self. At Divergent Church, everyone does small groups (Life Communities). There are no consumer-driven ministries to distract people. Everyone is trained to be disciple-makers who can also run holistic disciple-making small groups. No one is excluded from the potential leadership pool.

Training includes subjects like the cost of following Jesus, how to make disciples, sharing your faith, fivefold ministry, sin and repentance, fasting, how to do bible study, and spiritual gifts. It is serious and challenging. When your time comes to be a leader you have experienced discipling type relationships and been equipped experientially and theologically.

Here’s a story. Rose came to Canberra for university. She joined the church community and started being discipled and doing the training. She started leading a Life Group with another student. Another student, Kylie came to Canberra a little later and joined Rose’s Life Group. She also did the training.

Rose and Kylie developed their capacity to live and lead in a community with their peers. They did university outreach (hard crowd), assisted with Sunday gatherings, and started to help with training events. Eventually, Kylie joined Rose in leading the Life Group. They learned how to love people and disciple them into Jesus followers. I got to hear Rose share on missions at a Sunday gathering and liked what I heard.

Fast forward a couple of years later. Rose graduated, then joined a disciple-making team in a restricted access nation. Kylie finished university a year later and also joined. She arrived in that country a couple of weeks before the pandemic struck. Did either come back to Australia? No. They’re still there building relationships with the locals, holding English conversation classes, and running Alpha groups.

They live in a community with the rest of the team, regularly inviting people to break bread with them and share God’s word. They support their teammates, take up the spiritual load in prayer, and fast for the local people. They are very effective in reaching young people their age (everyone loves Australians).

After seeing Rose and Kylie’s example I had no excuses. My wife and I are working to make disciples here where I live, starting with a Life Group. Hopefully, we are now a dual threat!

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Todos são fazedores de discípulos, inclusive eu

Nick Garrett, missionário na organização Divergent Global Network

Eu tenho liderado pequenos grupos de diversos modelos nos últimos 30 anos. Alguns foram bons, outros não. Durante algum tempo eu fui um líder razoável, até que percebi que minha esposa fazia isso muito melhor do que eu. Ela realmente liderava, enquanto eu apenas tentava não atrapalhar e deixava as coisas seguirem seu rumo. Certa vez minha esposa liderou um grupo de mulheres, obviamente sem mim, e Deus se moveu naquele grupo de uma forma realmente impressionante. Eu me senti desencorajado, racionalizei minha incompetência e decidi que liderar pequenos grupos não era o que Deus tinha para mim. Eu simplesmente não tinha jeito para isso. Não era o meu dom. Minha esposa conseguia e ela devia fazer.

Quando eu me mudei para Canberra, Deus chacoalhou minha teologia, minha metodologia e o meu entendimento de mim mesmo. Na Divergent Church, todos trabalham em pequenos grupos (Comunidades de Vida). Não há ministérios voltados para atividades para distrair as pessoas. Todos são treinados para serem fazedores de discípulos que possam por sua vez cuidar de pequenos grupos que façam discípulos. Ninguém é excluído do conjunto de líderes em potencial.

O treinamento inclui assuntos como o custo de seguir a Jesus, como fazer discípulos, compartilhando sua fé, ministério de cinco passos, pecado e arrependimento, jejum, como estudar a Bíblia e dons espirituais. É um treinamento sério e desafiador. Quando chega sua vez de liderar, você já experimentou relacionamentos de discipulado e se sente equipado pela experiência e teologicamente.

Vou contar uma história. Rose veio morar em Canberra para estudar em uma Universidade. Ela passou a se congregar na Igreja e começou a ser discipulada e a fazer o treinamento. Ela começou a liderar um Grupo de Vida junto com outra estudante. Outra estudante chamada Kylie chegou em Canberra um pouco mais tarde e se juntou ao Grupo de Vida liderado por Rose. Kylie também fez o treinamento.

Rose e Kylie desenvolveram suas habilidades para viver e liderar em comunhão com seus companheiros. Elas alcançaram pessoas na universidade (e isso não é fácil), trabalharam nos Cultos de domingo e passaram a trabalhar também nos eventos de treinamento. Com o tempo, Kylie também passou a liderar em conjunto com a Rose seu Grupo de Vida. Elas aprenderam a amar as pessoas e a discipular cada uma delas, tornando-as verdadeiras discípulas de Jesus. Eu ouvi o testemunho da Rose sobre o trabalho missionário em um culto de Domingo e gostei muito.

Alguns anos mais tarde, Rose se formou na universidade e se juntou a um time de discipuladores em um país de acesso restrito. Kylie se formou um ano depois e também se juntou àquele time. Ela chegou naquele país algumas semanas antes da pandemia começar. Você acha que alguma delas voltou para a Austrália? Não. Elas ainda estão lá, construindo relacionamentos com as pessoas daquele país, ministrando aulas de inglês e liderando Grupos Alfa.

Elas moram em uma comunidade, junto com o time de discipuladores e com frequência convidam pessoas para refeições e para compartilhar a Palavra de Deus. O time se apoia mutuamente, dividem a carga espiritual em oração e jejuam pelas pessoas daquele local. Elas tem muito sucesso alcançando pessoas das suas idades (todos lá amam os australianos).

Depois de observar o exemplo da Rose e da Kylie, eu não tinha mais desculpas. Minha esposa e eu estamos trabalhando para fazer discípulos onde moramos, começando por um Grupo de Vida. Espero que desta vez possamos ser ambos armas certeiras!

Spansh blog:

Todos puede ser un hacedor de discípulos, incluyéndome a mí

Por Nick Garrett, misionero de Divergent Global Network

He dirigido grupos pequeños de alguna forma durante más de 30 años. Algunos eran buenos, otros no. Por un tiempo pensé que era un buen líder hasta que me di cuenta de que mi esposa era mucho mejor que yo en eso. ¡Ella lideró y yo solo traté de mantenerme fuera del camino y no estropear las cosas! Durante un tiempo, mi esposa dirigió un grupo de mujeres, obviamente sin mí, y Dios se movió de una manera asombrosa. Me sentí muy desanimado, racionalicé mi incompetencia y decidí que el liderazgo de grupos pequeños no era mi destino. No estaba hecho para eso, no era mi don. Deje todo en manos de mi esposa.

Cuando me mudé a Canberra, Dios arruinó mi teología, metodología y mi comprensión de mí mismo. En Divergent Church todo el mundo hace grupos pequeños (Comunidades de Vida). No hay ministerios impulsados ​​por los consumidores para distraer a la gente. Todos están entrenados para ser hacedores de discípulos que también pueden dirigir grupos pequeños holísticos de formación de discípulos. Nadie está excluido del grupo de líderes potenciales.

La capacitación incluye temas como el costo de seguir a Jesús, cómo hacer discípulos, compartir su fe, ministerio quíntuple, pecado y arrepentimiento, ayuno, cómo hacer estudios bíblicos y dones espirituales. Es serio y desafiante. Cuando llega el momento de convertirse en líder, has experimentado relaciones de tipo discipulado y ha sido equipado experiencial y teológicamente.

Aquí tienes una historia. Rose vino a Canberra para la universidad. Se unió a la comunidad de la iglesia y comenzó a ser discipulada y a capacitarse. Comenzó a liderar un grupo de vida con otro estudiante. Otra estudiante, Kylie, vino a Canberra un poco más tarde y se unió a Rose’s Life Group. Ella también hizo el entrenamiento.

Rose y Kylie desarrollaron su capacidad para vivir y liderar en comunidad con sus compañeros. Hicieron alcance universitario (multitud dura), ayudaron con las reuniones dominicales y comenzaron a ayudar con eventos de capacitación. Finalmente, Kylie se unió a Rose para liderar Life Group. Aprendieron a amar a las personas y a convertirlas en seguidores de Jesús. Escuché a Rose compartir sobre las misiones en una reunión dominical y me gustó lo que escuché.

En un par de años después. Rose se graduó y luego se unió a un equipo de formación de discípulos en una nación de acceso restringido. Kylie terminó la universidad un año después y también se unió. Llegó a ese país un par de semanas antes de la pandemia. ¿Alguna de los dos volvió a Australia? No. Todavía están allí construyendo relaciones con los lugareños, dando clases de conversación en inglés y dirigiendo grupos Alpha.

Viven en comunidad con el resto del equipo, invitando regularmente a las personas a compartir el pan con ellos y compartir la palabra de Dios. Apoyan a sus compañeros de equipo, asumen la carga espiritual en oración y ayunan por la gente local. Son muy eficaces para llegar a los jóvenes de su edad (todo el mundo ama a los australianos).

Después de ver el ejemplo de Rose y Kylie, no tuve excusas. Mi esposa y yo estamos trabajando para hacer discípulos aquí donde vivimos, comenzando con un Grupo de Vida. ¡Ojalá ahora seamos una amenaza doble! 

Leave a Reply

Your email address will not be published.