The Tribe and the Nation

By Andrew Kirk, Director of Generation 2 generation, Website – www.G2gMandate.org, Social Media – @G2gMandate

The Big Wing and Small Wing complement each other, having different dynamics, but each is necessary.

The cells, or the “small wing,” are seen as the building blocks of the church. Therefore, the health of the cells has a significant impact on the health of the church. It is here that intimacy with one another and with Jesus is best expressed.

The larger gathering, the “big wing,” is an expression of all the cells coming together. The power of these “blocks” together can be tangibly felt through corporate gathering and worship to a powerful, omnipotent God.

Growth and discipleship primarily take place through smaller groups and one-on-one situations. However, being able to experience being part of the larger Body – growing together, serving, and recognizing that we are part of something much bigger than we experience in the cell – can only fully happen in the celebration. As the pastor preaches, inspires, and encourages all the cells together, cells are propelled forward, each taking part in the bigger vision.

The celebration also helps to develop a sense of being part of the wider community. The Israelites identified with their tribes and the nation of which their tribe was a part. As a nation, they fought together with strength when directed by Moses, Joshua, or David. So, the cells coming together can stand, encourage, and support each other as their pastor leads.

The tribes cared for each other, lived in community, and prioritized the family. However, in many situations, the tribes needed to come together – especially in battle and “to stand before the Lord” – to exhort and praise Him in unity. Such is the cell (tribe) and celebration (nation).

Some of the most powerful celebrations I have experienced have been with PAZ churches in Brazil. They don’t just meet as a Celebration; they celebrate. Together they celebrate Encounters with dancing, balloons, and exuberant joy. This celebration in the big wing captures every cell present and can only encourage others to participate in future encounters. It is a BIG celebration!

On my many visits, one of the most exciting time is when pastors present the opportunity for salvation, people come forward and are ministered to. Then, while they’ve turned their backs, banners are lifted across the auditoriums saying, “Welcome to the Family!” Then, when they turn around, the place explodes with joy, music, cheers, etc.

People are then drawn into a cell group for discipleship and community. Thus, both the big and the small have a unique place in the journey.

Fragmentation leads to disintegration. Being drawn together, led together, and standing together, leads to unity and one mind in one direction. The celebration is a vehicle to ensure the cells are in unity with the other cells. The cells ensure that people are unified. Both are needed.

Korean blog: (click here)

Portuguese blog:

A Tribo e a Nação
Andrew Kirk, Diretor do “Generation 2 Generation” Website – www.G2gMandate.org, Mídias Sociais – @G2gMandate

A “Grande Asa” e a “Pequena Asa” se complementam. Mesmo tendo dinâmicas distintas, cada uma delas é necessária.

A célula, ou seja, a “Pequena Asa”, é como o tijolo que faz a construção da igreja. Por esta razão, a saúde das células tem impacto significativo na saúde da igreja como um todo. É nas células que acontece e a intimidade entre as pessoas e com Jesus se expressa.

A grande reunião, ou a “Grande Asa”, é a expressão das células que se reúnem. É possível sentir o poder dos pequenos “tijolos” unidos na grande reunião para cultuar ao Deus Onipotente e poderoso.

O crescimento e o discipulado acontecem primariamente através dos pequenos grupos e em situações do tipo um a um. Entretanto, é somente na grande celebração que podemos ter a experiência de nos sentirmos parte de um corpo maior do que a célula, crescendo e servindo em união. Através da pregação pastoral somos inspirados e encorajados, todas as células juntas e impulsionadas à frente, cada um sentindo-se parte de uma visão mais ampla.

A celebração também ajuda a desenvolver um senso de pertencimento a uma comunidade muito mais ampla. Os israelitas identificavam-se com suas tribos e com a nação à qual sua tribo pertencia. Como nação, eles lutavam juntos e fortes, liderados por Moisés, Josué ou Davi. Juntas, as células podem permanecer firmes, encorajar e apoiar umas às outras, lideradas pelo seu Pastor.

As tribos cuidavam umas das outras, viviam em comunidade e priorizavam as famílias. Entretanto, em muitas situações as tribos precisavam unir-se, especialmente nas batalhas, “firmes diante do Senhor”, exortando e louvando ao Senhor em unidade. Assim é a célula (tribo) e a celebração (nação).

Algumas das celebrações mais poderosas que já testemunhei aconteceram em Igrejas da Paz no Brasil. Eles não simplesmente se juntam em uma Celebração, eles realmente celebram. Eles celebram juntos com danças, balões e uma alegria exuberante. A celebração na Grande Asa envolve cada uma das células presentes e necessariamente traz encorajamento a outras células para fazerem o mesmo nos futuros encontros. É uma GRANDE celebração!

Já fiz muitas visitas e um dos momentos mais emocionantes acontece quando os pastores oferecem a oportunidade para as pessoas irem ao altar, aceitarem a salvação e receberem uma oração. Depois que tudo isso acontece, grandes faixas aparecem e todos na congregação dizem: “Bem-vindos à nossa Família!”. Quando eles se viram novamente de costas para o altar a igreja é uma verdadeira explosão de alegria, música e emoção.

As pessoas são atraídas para as células em busca de discipulado e comunhão. Tanto a pequena quanto a grande reunião têm seus lugares específicos nesta jornada.

A fragmentação leva à desintegração. Estar junto nas reuniões, ser liderado e permanecer unido é algo que leva à unidade em uma só direção. A celebração é um veículo que permite manter a unidade entre as células. As células permitem que haja unidade entre as pessoas. Ambas são necessárias.

Spanish blog:

La tribu y la nación

Por Andrew Kirk, Director de Generación 2, Sitio web – www.G2gMandate.org, Redes sociales – @ G2gMandate

El ala grande y El ala pequeña se complementan entre sí, teniendo diferentes dinámicas, pero cada una es necesaria.

Las células, o el “ala pequeña”, se consideran los bloques de construcción de la iglesia. Por lo tanto, la salud de las células tiene un impacto significativo en la salud de la iglesia. Es aquí donde se expresa mejor la intimidad de unos con otros y con Jesús.

La reunión más grande, el “ala grande”, es una expresión de la unión de todas las células. El poder de estos “bloques” juntos se puede sentir de manera tangible a través de la reunión y la adoración corporativa a un Dios poderoso y omnipotente.

El crecimiento y el discipulado se llevan a cabo principalmente a través de grupos más pequeños y situaciones individuales. Sin embargo, poder experimentar ser parte de un Cuerpo más grande, crecer juntos, servir y reconocer que somos parte de algo mucho más grande de lo que experimentamos en la célula, solo puede suceder plenamente en la celebración. A medida que el pastor predica, inspira y anima a todas las células juntas, las células se impulsan hacia adelante, cada una participando en la visión más amplia.

La celebración también ayuda a desarrollar el sentido de ser parte de una comunidad más amplia. Los israelitas se identificaron con sus tribus y la nación de la cual su tribu era parte. Como nación, lucharon juntos con fuerza cuando fueron dirigidos por Moisés, Josué o David. Entonces, las células que se unen pueden pararse, animarse y apoyarse unas a otras mientras su pastor dirige.

Las tribus se cuidaban unas a otras, vivían en comunidad y priorizaban a la familia. Sin embargo, en muchas situaciones, las tribus necesitaban unirse, especialmente en la batalla y “estar delante del Señor”, para exhortar y alabar en unidad. Así es la célula (tribu) y la celebración (nación).

Algunas de las celebraciones más poderosas que he experimentado han sido con iglesias PAZ en Brasil. No solo se encuentran como una celebración; Ellos celebran. Juntos celebran Encuentros con baile, globos y alegría exuberante. Esta celebración en el ala grande captura todas las células presentes y solo puede alentar a otros a participar en encuentros futuros. ¡Es una GRAN celebración!

En mis muchas visitas, uno de los momentos más emocionantes es cuando los pastores presentan la oportunidad de salvación, las personas se acercan y son ministradas. Luego, mientras dan la espalda, se levantan carteles por los auditorios que dicen: “¡Bienvenido a la familia!” Luego, cuando se dan la vuelta, el lugar estalla de alegría, música, vítores, etc.

Luego, las personas se integran en un grupo celular para el discipulado y la comunidad. Así, tanto los grandes como los pequeños tienen un lugar único en el viaje.

La fragmentación conduce a la desintegración. Ser atraídos, guiados y estar juntos, conduce a la unidad y a una mente en una dirección. La celebración es un vehículo para asegurar que las células estén en unidad con las otras células. Las células aseguran que la gente esté unificada. Ambas alas son necesarias.

Leave a Reply

Your email address will not be published.