Authentic Coaching (Abaixo em português)

By Andrew Kirk, Director of Generation 2 generation, Website – www.G2gMandate.org, Social Media – @G2gMandate

A foundational principle for a coach is that they need to understand the people they will be coaching. I’m referring to their personality, learning styles, and some of the journey that bought them to where they are in this moment. This means a relational approach including watching, observing, listening and understanding the person they will coach.  Effective coaching will include identifying areas of strength and weakness, relating on a personal level, and take the leader to the next step.  Coaching is not a formula but a  developed relationship.

It is vital for the coach to know how to challenge but not destroy confidence, or make the person feel inadequate. The leader needs to know that the coach is for them, wanting to see them fly in all that God has planned for their lives and cell groups. Just as a coach in sport challenges and stretches the team to be the very best, the cell group coach challenges the leader to grow and give  100% to God’s work.

Another important aspect is confidentiality. Keeping the coaching confidential is essential for coaching relationships. A trustworthy coach will gain the confidence of the leader and open the door to intimate sharing. When the leader knows that the coach won’t walk away when deep intimate sharing takes, he or she will be willing to continue to freely share transparently. In fact, I believe that the best coaches are the biggest cheerleaders!

It is easy to become completely focused on those who are being coached, but just as important, the coach needs to understand their own weaknesses and to not be afraid to own them, and to work on developing these areas of their lives. Along with this is the humility of a good coach who is not afraid to point to others who might be stronger in areas where they are  weaker.

In this whole process the authenticity and security of the coach can be maintained if he is being coached himself. Not only will he be modelling the personal importance of coaching to those he coaches but he can also be seen to walk in humility and not as someone who “knows it all.”

Modeling coaching to others allows the coach to say like Paul “Be imitators of me as I am of Christ.” (1 Corinthians 11:1) This will encourage a positive view of the vital role of coaching so that others can continue the process of coaching other, which in turns leads to healthy cell group multiplication.

Korean blog: (click here)

Portuguese blog:

Supervisão Autêntico

Por Andrew Kirk, Diretor da Generation 2 generation, website – www.G2gMandate.org, Social Media – @G2gMandate

Um princípio fundamental para um supervisor é que ele precisa entender as pessoas que estará supervisionando. Estou me referindo à sua personalidade, estilos de aprendizagem e um pouco da jornada que os trouxe até onde estão neste momento. Isso significa uma abordagem relacional, incluindo perceber, observar, ouvir e compreender a pessoa que eles irão supervisionar. A supervisão eficaz incluirá a identificação de áreas de força e fraqueza, relacionando-se em um nível pessoal e levando o líder ao próximo passo. A supervisão não é uma fórmula, mas um relacionamento desenvolvido.

É vital para o supervisor saber como desafiar, porém não destruir a confiança, ou fazer a pessoa se sentir inadequada. O líder precisa saber que o supervisor é a favor deles, querendo vê-los voar em tudo o que Deus planejou para suas vidas e grupos de células. Assim como um treinador no esporte desafia e explora a equipe para ser a melhor, o supervisor do grupo de células desafia o líder a crescer e dar 100% ao trabalho de Deus.

Outro aspecto importante é a confidencialidade. Manter a supervisão confidencial é essencial para relacionamentos de supervisão. Um supervisor confiável ganhará a confiança do líder e abrirá as portas para um compartilhamento íntimo. Quando o líder sabe que o supervisor não vai desistir quando for necessário um profundo compartilhamento íntimo, ele ou ela estará disposto a continuar a compartilhar livremente de forma transparente. Na verdade, eu acredito que os melhores supervisores são os maiores líderes de torcida!

É fácil ficar completamente focado naqueles que estão sendo supervisionados, contudo tão importante quanto, o supervisor precisa entender suas próprias fraquezas e não ter medo de reconhecê-las, e trabalhar no desenvolvimento dessas áreas de suas vidas. Junto com isso está a humildade de um bom supervisor que não tem medo de apontar para outros que podem ser mais fortes em áreas onde eles são mais fracos.

Em todo este processo, a autenticidade e a segurança do supervisor podem ser mantidas se ele próprio estiver a ser supervisionado. Ele não apenas representará a importância pessoal da supervisão para aqueles que ele supervisiona, mas também pode ser visto como uma pessoa que caminha com humildade e não como alguém que “sabe tudo”.

Modelar a supervisão para outros permite que o supervisor diga como Paulo: “Sejam meus imitadores como eu sou de Cristo”. (1 Coríntios 11:1) Isso incentivará uma visão positiva do papel vital da supervisão, para que outros possam continuar o processo de supervisão, o que, por sua vez, leva a uma multiplicação saudável do grupo de células.

Spanish blog:

Entrenamiento auténtico

Por Andrew Kirk, Director de Generación 2, Sitio web – www.G2gMandate.org, Redes sociales – @ G2gMandate

Un principio fundamental para un entrenador es que necesita comprender a las personas a las que entrenará. Me refiero a su personalidad, estilos de aprendizaje y parte del viaje que los llevó a donde se encuentran en este momento. Esto significa un enfoque relacional que incluye mirar, observar, escuchar y comprender a la persona a la que entrenarán. El entrenamiento efectivo incluirá identificar áreas de fortaleza y debilidad, relacionarse a nivel personal y llevar al líder al siguiente paso. El entrenamiento no es una fórmula sino una relación desarrollada.

Es vital que el entrenador sepa desafiar pero no destruir la confianza o hacer que la persona se sienta inadecuada. El líder necesita saber que el entrenador está para ellos, queriendo verlos volar en todo lo que Dios ha planeado para sus vidas y grupos celulares. Así como un entrenador en el deporte desafía y estira al equipo para que sea el mejor, el entrenador de grupo celular desafía al líder a crecer y entregar el 100% a la obra de Dios.

Otro aspecto importante es la confidencialidad. Mantener la confidencialidad es esencial para las relaciones de entrenamiento. Un entrenador de confianza se ganará la confianza del líder y abrirá la puerta al intercambio íntimo. Cuando el líder sabe que el entrenador no se alejará cuando se requiera un intercambio íntimo profundo, estará dispuesto a continuar compartiendo libremente de manera transparente. De hecho, creo que los mejores entrenadores son los  animadores más grandes.

Es fácil enfocarse completamente en aquellos que están siendo entrenados, pero es igualmente importante que el entrenador comprenda sus propias debilidades y no tener miedo de poseerlas, y trabajar en el desarrollo de estas áreas de sus vidas. Junto con esto está la humildad de un buen entrenador que no tiene miedo de señalar a otros que podrían ser más fuertes en áreas donde son más débiles.

En todo este proceso se puede mantener la autenticidad y seguridad del entrenador si él mismo está siendo entrenado. No solo estará modelando la importancia personal del entrenamiento para aquellos a quienes entrena, sino que también se le puede ver caminar con humildad y no como alguien que “lo sabe todo”.

Modelar el entrenamiento a otros le permite al entrenador decir como Pablo: “Sed imitadores de mí como yo soy de Cristo”. (1 Corintios 11: 1) Esto fomentará una visión positiva del papel vital del entrenamiento para que otros puedan continuar el proceso de entrenar a otros, lo que a su vez conduce a una multiplicación saludable del grupo celular.

Leave a Reply

Your email address will not be published.