Why is coaching leaders so essential?

By Roberto Bottrel [serving European churches, challenging them to make disciple-makers through cells that multiply (centraldna.org). Author of the book Multiplication, The challenge before every Christian, every Leader, and the Church (available @amazon.com in English, Portuguese, Spanish, Italian and German)]

I have seen pastors transitioning to the cell church model, while still holding on to old paradigms. One of them is that if someone becomes leader it is because he has reached maturity in faith, so he doesn’t need much overseeing. In a Cell church that is definitely not the case. Becoming a cell leader is only one of the steps in the process of becoming a fully committed follower of Jesus. 

In our experience, some non-believers came to faith and became leaders in less than one year – which is quite scary, isn’t it? Obviously it is rare, but it showed us very clearly that leaders are not the “finished work”. In these specific cases they were very dedicated, willing to sacrifice everything, responding positively to all challenges and really open to the work of God in their lives. Nevertheless, maturity cannot be injected in concentrated doses. It is the fruit of developing intimacy with Jesus, which implies time. In other words these leaders (and all others) are in an on-going process.

We have seen over and over that becoming a leader puts one in a position of high challenges and demands, and the consequence is a faster growth in faith. One reads more of the Bible and also of other books on various subjects as needed, and gets involved in more seminars and lectures on all themes available. A leader normally spends more quiet time with God, prays and fasts more – what else can he count on? But we cannot leave them to themselves and hope for the best. 

Raising people to leadership in a cell church is like putting them in “green-houses” for growing mature Christians. I would say that the coaching groups are like green-houses in a very organised and productive farm. There he will be part of a team of other cell leaders, learning from one another and supporting each other in their challenges. Each team will be led by a coach who will supervise them in this process, and promote their growth. The leaders are in a safe environment to grow quicker and more intensely.

Without the coaching structure, when leaders are pressed by cell leadership challenges, they will have no support, no guidance nor alignment with the church. Each one will do his best, but the results will be quite random and the whole church will be at risk. A farm that abandons its green houses to mere luck, is hardly going to be a thriving one. Neither will a cell church with poor coaching. Never, never underestimate the importance of coaching in cell churches. 

Korean blog: (click here)

Portuguese blog:

Por quê a supervisão é tão importante?

Por Roberto Bottrel [servindo igrejas europeias, desafiando-as a serem fazedoras de discípulos através de células que multiplicam (centraldna.org). Autor do livro Multiplicação, o desafio do cristão, do líder e da Igreja (disponível na loja central.online no Brasil e em @amazon.com em Português, Inglês, Espanhol, Italiano, Francês e Alemão)]

Eu tenho observado pastores fazerem a transição para o modelo de igreja em células e ao mesmo tempo tentarem manter antigos paradigmas. Um deles é que se alguém se tornou líder é porque atingiu maturidade em sua fé e, portanto, não precisa de muita supervisão. Isto realmente não é verdade em uma igreja em células. Tornar-se um líder é somente um dos passos no processo de tornar-se um seguidor de Jesus absolutamente comprometido.

Em nossa experiência, algumas pessoas não-crentes se entregam a Jesus e tornam-se líderes em menos de um ano – o que é um pouco assustador, não é mesmo? Obviamente são casos raros, mas isto nos mostra claramente que os líderes não são “um projeto concluído”. Estas pessoas eram muito dedicadas, e estavam dispostas a sacrificar qualquer coisa, respondendo positivamente a todos os desafios e permanecendo abertas ao agir de Deus em suas vidas. Entretanto, a maturidade não pode simplesmente ser injetada em doses concentradas. Ela é o fruto do desenvolvimento da intimidade com Jesus, o que requer tempo. Em outras palavras, estes líderes (e todos os outros) estão em um projeto em andamento.

Já vimos diversas vezes e comprovamos que tornar-se um líder coloca a pessoa em uma posição de grandes desafios e demandas, e a consequência disso é um crescimento rápido na fé. O líder lê mais a Bíblia e também outros livros, sobre vários assuntos à medida que sente a necessidade para isso, além de envolver-se em seminários e palestras em todos os temas disponíveis. Um líder normalmente passa mais tempo a sós com Deus, ora e jejua mais, afinal de contas, é com Ele que o líder precisa contar. Mesmo assim, não podemos deixá-los sozinhos e esperar pelos melhores resultados. 

Levantar pessoas para a liderança na igreja em células é como colocá-los em “estufas”, para seu crescimento como cristãos maduros. Eu diria que os grupos de supervisão são como “estufas” em fazendas bem organizadas e produtivas. Lá as pessoas fazem parte de um time de líderes de células, aprendendo e apoiando uns aos outros em seus desafios. Cada time é liderado neste processo pelo seu supervisor, promovendo seu crescimento. Os líderes estão assim em um ambiente seguro para crescer mais rapidamente e mais intensamente.

Sem a estrutura de supervisão, os líderes não terão o apoio, a orientação ou mesmo o alinhamento com a igreja, e precisarão de tudo isso quando forem pressionados pelos desafios próprios da liderança. Sem a supervisão, cada um faz o seu melhor, mas os resultados serão os mais diversos e a igreja como um todo estará em risco. Uma fazenda que abandona suas estufas à sua própria sorte dificilmente será uma fazenda forte e impactante. Assim também acontecerá com uma igreja em células com uma fraca supervisão. Nunca, nunca subestime a importância da supervisão nas igrejas em células.

Spanish blog:

¿Por qué es tan esencial entrenar a los líderes?

Por Roberto Bottrel [sirviendo a las iglesias europeas, desafiándolas a hacer discípulos a través de células que se multiplican (centraldna.org). Autor del libro Multiplicación, El desafío ante cada cristiano, cada Líder y la Iglesia (disponible en @ amazon.com en español, inglés, italiano, portugués, francés y alemán)]

He visto pastores en transición al modelo de iglesia celular, mientras todavía se aferran a viejos paradigmas. Uno de ellos es que si alguien se convierte en líder es porque ha alcanzado la madurez en la fe, por lo que no necesita mucha supervisión. En una iglesia celular definitivamente ese no es el caso. Convertirse en un líder celular es solo uno de los pasos en el proceso de convertirse en un seguidor de Jesús totalmente comprometido.

En nuestra experiencia, algunos no creyentes llegaron a la fe y se convirtieron en líderes en menos de un año, lo cual da bastante miedo, ¿no es así? Obviamente es raro, pero nos mostró muy claramente que los líderes no son el “trabajo terminado”. En estos casos concretos se mostraron muy dedicados, dispuestos a sacrificarlo todo, respondiendo positivamente a todos los desafíos y realmente abiertos a la obra de Dios en sus vidas. Sin embargo, la madurez no se puede inyectar en dosis concentradas. Es el fruto del desarrollo de la intimidad con Jesús, lo que implica tiempo. En otras palabras, estos líderes (y todos los demás) están en un proceso continuo.

Hemos visto una y otra vez que convertirse en líder lo coloca a uno en una posición de grandes desafíos y demandas, y la consecuencia es un crecimiento más rápido en la fe. Uno lee más de la Biblia y también de otros libros sobre varios temas según sea necesario, y se involucra en más seminarios y conferencias sobre todos los temas disponibles. Un líder normalmente pasa más tiempo en silencio con Dios, ora y ayuna más, ¿con qué más puede contar? Pero no podemos dejarlos solos y esperar lo mejor.

Elevar a las personas al liderazgo en una iglesia celular es como ponerlas en “invernaderos” para cristianos maduros en crecimiento. Yo diría que los grupos de entrenamiento son como invernaderos en una finca muy organizada y productiva. Allí será parte de un equipo de otros líderes celulares, aprendiendo unos de otros y apoyándose mutuamente en sus desafíos. Cada equipo estará dirigido por un entrenador que los supervisará en este proceso y promoverá su crecimiento. Los líderes se encuentran en un entorno seguro para crecer más rápido e intensamente.

Sin la estructura de entrenamiento, cuando los líderes se ven presionados por los desafíos del liderazgo celular, no tendrán apoyo, guía ni alineación con la iglesia. Cada uno hará su mejor esfuerzo, pero los resultados serán bastante aleatorios y toda la iglesia estará en riesgo. Una finca que abandona sus invernaderos a la mera suerte, difícilmente será próspera. Tampoco lo hará una iglesia celular con un entrenamiento deficiente. Nunca, nunca subestimes la importancia del entrenamiento en las iglesias celulares.

Leave a Reply

Your email address will not be published.