Coaching groups should press on toward the goal

By Roberto Bottrel [serving European churches, challenging them to make disciple-makers through cells that multiply (centraldna.org). Author of the book Multiplication, The challenge before every Christian, every Leader, and the Church (available@amazon.com in English, Portuguese, Spanish, Italian and German)]

Never think that we have already reached the final goal, which is nothing less than perfection. We should always press on, as Paul clearly points out:

“Not that I have already obtained all this, or have already arrived at my goal, but I press on to take hold of that for which Christ Jesus took hold of me. Brothers and sisters, I do not consider myself yet to have taken hold of it. But one thing I do: Forgetting what is behind and straining toward what is ahead, I press on toward the goal to win the prize for which God has called me heavenward in Christ Jesus.” Philippians 3:12-14 NIV

God is working on all of us. While God is using people to perfect his work on us, he is also using us to work on others. That is what the church is all about: building up on each other. And that should happen in community.

A cell leader promotes this interaction in the cell life, challenging participants (believers and non-believers alike) and coordinating efforts to make all grow in Christ. But should he be alone in this? Definitely, not. That is why the coaching structure is so important. We create teams of leaders that will challenge, inspire and build up on each other.

In our individualistic mindset, we sometimes think it is all about the coach. But he is just a coordinator promoting growth to all leaders on his team. Just like in the cell, it is about the community, not the leader. The Bible is always focusing on community and team work; not so much emphasis on one-to-one discipleship. A Coaching team is an appropriate environment where leaders can effectively build each other up.

Never allow the coaching groups to only focus on cell management aspects (numbers, reports, goals). Although essential, they cannot be the unique purpose of these groups. Other emphasis should be: keeping the vision clear; praying and fasting for each other; creating sense of community and promoting team work; sharing best practices, victories and struggles; challenging all to grow in knowledge, maturity, leadership and intimacy with God. The coach needs to understand the great potential of his group and promote the continuous development of his leaders.

Churches that do not have a strong and consistent coaching structure (with good coaches) will struggle to keep leaders in the long run. And, remember that it is not only about “keeping them”, but inspiring them to “press on toward the goal to win the prize for which God has called them heavenward in Christ Jesus.”

Korean blog: (click here)

Portuguese blog:

Os grupos de supervisão devem prosseguir para o alvo

Por Roberto Bottrel [servindo igrejas europeias, desafiando-as a serem fazedoras de discípulos através de células que multiplicam (centraldna.org). Autor do livro Multiplicação, o desafio do cristão, do líder e da Igreja (disponível na loja central.online no Brasil e em @amazon.com em Português, Inglês, Espanhol, Italiano, Francês e Alemão)]

Nunca pense que já alcançamos o alvo final, que é na prática a perfeição. Nós devemos sempre prosseguir, como Paulo claramente nos orienta:

“Não que eu o tenha já recebido ou tenha já obtido a perfeição; mas prossigo para conquistar aquilo para o que também fui conquistado por Cristo Jesus. Irmãos, quanto a mim, não julgo havê-lo alcançado; mas uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que para trás ficam e avançando para as que diante de mim estão, prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus.” Filipenses 3:12-14

Deus está trabalhando em cada um de nós. Ao mesmo tempo que Deus utiliza pessoas para aperfeiçoar sua obra em nós, Ele nos usa para agir em outras pessoas. Igreja é exatamente isso: construir uns aos outros. E isso deve acontecer em comunidade.

O líder de célula promove esta interação na vida da célula, desafiando os participantes (crentes e não crentes) e coordenando os esforços para que todos cresçam em Cristo. E será que o líder de célula deveria estar sozinho nesta tarefa? Certamente não. É por esta razão que a estrutura de supervisão é tão importante. Criamos times de líderes que atuarão desafiando, inspirando e construindo uns aos outros.

O nosso “mindset” individualista nos faz pensar que tudo depende do supervisor. Mas ele é apenas um coordenador que promove o crescimento de todos os líderes sob sua supervisão. Assim como acontece na célula, o importante é o grupo, não o líder. A Bíblia está constantemente trazendo o foco para a comunidade e para o trabalho em grupo, não dando muita ênfase no discipulado um-a-um. Um time de supervisão é um ambiente apropriado para que os líderes efetivamente ajudem na construção uns dos outros.

Nunca permita que os grupos de supervisão tenha como único foco as questões de gerenciamento das células (números, relatórios, objetivos). Apesar de essenciais, estas questões não podem ser o único propósito dos grupos de supervisão. Deve haver outras ênfases como: manter a clareza da visão; jejum e oração uns pelos outros; criação de um senso de comunidade e promoção de trabalho em grupo; compartilhar de melhores práticas, vitórias e dificuldades; desafios ao crescimento em sabedoria, maturidade, liderança e intimidade com Deus. O supervisor precisa compreender o enorme potencial de seu grupo e promover o desenvolvimento contínuo dos seus líderes. 

As igrejas que não possuem uma estrutura de supervisão forte e consistente (com bons supervisores), no longo prazo terão dificuldade em manter seus líderes. Lembre-se que também não se trata apenas de manter os líderes, mas também de inspirá-los e “prosseguir para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus”.

Spanish blog:

Los grupos de entrenamiento deben avanzar hacia la meta.

Por Roberto Bottrel [sirviendo a las iglesias europeas, desafiándolas a hacer discípulos a través de células que se multiplican (centraldna.org). Autor del libro Multiplicación, El desafío ante cada cristiano, cada Líder y la Iglesia (disponible en @ amazon.com en español, inglés, italiano, portugués, francés y alemán)]

Nunca pienses que ya hemos alcanzado la meta final, que es nada menos que la perfección. Siempre debemos seguir adelante, como Pablo claramente señala:

“No es que ya lo haya obtenido todo, o que ya haya llegado a mi meta, pero sigo adelante para aferrarme a aquello para lo cual Cristo Jesús me tomo. Hermanos y hermanas, no me considero aún para haberlo tomado. Pero una cosa hago: olvidándome de lo que queda atrás y esforzándome por alcanzar lo que está por delante, sigo adelante hacia la meta para ganar el premio por el cual Dios me ha llamado al cielo en Cristo Jesús ”.
Filipenses 3: 12-14 NVI

Dios está trabajando en todos nosotros. Mientras Dios usa a las personas para perfeccionar su trabajo en nosotros, también nos usa para trabajar en otros. De eso se trata la iglesia: construir unos sobre otros. Y eso debería suceder en comunidad.

Un líder celular promueve esta interacción en la vida celular, desafiando a los participantes (creyentes y no creyentes por igual) y coordinando esfuerzos para hacer que todos crezcan en Cristo. ¿Pero debería estar solo en esto? Definitivamente no. Por eso la estructura del entrenamiento es tan importante. Creamos equipos de líderes que se desafiarán, inspirarán y fortalecerán unos a otros.

En nuestra mentalidad individualista, a veces pensamos que todo se trata del entrenador. Pero es solo un coordinador que promueve el crecimiento de todos los líderes de su equipo. Al igual que en la célula, se trata de la comunidad, no del líder. La Biblia siempre se enfoca en la comunidad y el trabajo en equipo; no tanto énfasis en el discipulado uno a uno. Un equipo de entrenamiento es un entorno apropiado donde los líderes pueden fortalecerse mutuamente de manera efectiva.

Nunca permita que los grupos de entrenamiento se centren únicamente en aspectos de gestión celular (números, informes, metas). Aunque esenciales, no pueden ser el propósito exclusivo de estos grupos. Otro énfasis debería ser: mantener clara la visión; orando y ayunando el uno por el otro; crear sentido de comunidad y promover el trabajo en equipo; compartir mejores prácticas, victorias y luchas; desafiando a todos a crecer en conocimiento, madurez, liderazgo e intimidad con Dios. El entrenador necesita comprender el gran potencial de su grupo y promover el desarrollo continuo de sus líderes.

Las iglesias que no tienen una estructura de entrenamiento sólida y consistente (con buenos entrenadores) tendrán dificultades para mantener líderes a largo plazo. Y recuerde que no se trata solo de “guardarlos”, sino de inspirarlos a “seguir adelante hacia la meta para ganar el premio por el cual Dios los ha llamado al cielo en Cristo Jesús”.

Leave a Reply

Your email address will not be published.