Caring Like Jesus

By Daphne Kirk, www.G2gMandate.org; Twitter: daphnekirk

It is comparatively easy to set up systems to care for people, create check lists and allocate responsibilities. In no way am I denigrating systems. When they work well, they are the safety net for ensuring thing are accomplished in timely and effective ways.

However, which comes first – the system or the heart? What is the core of caring in the cell, that will bring authenticity and life to those systems? Surely it is to have the heart of Jesus, where every person really matters, where we will “sit at the well in the scorching heat” (John 4) or notice someone who is sitting at a distance “up a tree” (Luke 19) unnoticed. No system would have ensured Jesus cared for these individuals – it was His heart of compassion and love, a heart that knew the value of every soul that He came into contact with or could come into contact with.

His heart ensured no one passed Him by and took advantage of every small moment. He knew people by name, knew how to ask questions that showed He cared. No one was too small – the children mattered.

So, when considering “caring in the cell” surely the first place to start is with our hearts, by studying how Jesus cared for people and go from there.

One of the biggest downfalls I have found is presuming we know what people would like or need, without knowing their love language or asking them. Caring can turn into a burden for that person. Let me give you an example from my own life. After returning from 6 weeks ministry over 3 continents one of the first “caring” things was, “Glad you are home there is a great meeting at church would you like to come?” My inward thoughts were, “Really? No! I have just spent 6 weeks in church meetings. Please ask me what I would like because the answer would be – a coffee date, something fun!” At other times people say, “We would have invited you, but we knew you were busy” … so I missed out. Presumption can show a lack of insight and care. So, ask – don’t presume!

Systems can create channels for general care, they will not ensure there is a heartbeat, people are noticed or that they have the care they need.

So … it is back to – on our knees. “Jesus, please turn my heart of stone into one that beats like yours. Please open my eyes to see beyond my horizon and notice people as you do. Please help me understand and have wisdom as you … and please be my hands and feet to hug like you, laugh as you do and weep when you do. Here I am … use me!”

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Cuidando Como Jesus

Por Daphne Kirk, www.G2gMandate.org; Twitter: daphnekirk

É relativamente fácil configurar sistemas para cuidar de pessoas, criar listas de verificação e alocar responsabilidades. De forma alguma estou denegrindo os sistemas. Quando funcionam bem, são a rede de proteção para garantir que as coisas sejam realizadas de maneira oportuna e eficaz.

No entanto, o que vem primeiro – o sistema ou o coração? Qual é o núcleo do cuidado na célula, que trará autenticidade e vida a esses sistemas? Certamente é ter o coração de Jesus, onde cada pessoa realmente importa, onde vamos “sentar junto ao poço no calor escaldante” (João 4) ou notar alguém que está sentado à distância “em cima de uma árvore” (Lucas 19) despercebido. Nenhum sistema teria assegurado que Jesus cuidasse desses indivíduos – era Seu coração de compaixão e amor, um coração que conhecia o valor de cada alma com quem Ele entrou em contato ou poderia vir a entrar em contato.

Seu coração garantiu que ninguém passasse por Ele e aproveitou cada pequeno momento. Ele conhecia as pessoas pelo nome, sabia fazer perguntas que mostravam que Ele se importava. Ninguém era pequeno demais – as crianças importavam.

Então, ao considerar “cuidar na célula” certamente o primeiro lugar para começar é com nossos corações, estudando como Jesus cuidou das pessoas e a partir daí.

Uma das maiores quedas que encontrei é presumir que sabemos o que as pessoas gostariam ou precisam, sem conhecer sua linguagem de amor ou perguntar a elas. Cuidar pode se transformar em um fardo para essa pessoa. Deixe-me dar um exemplo da minha própria vida. Depois de retornar de 6 semanas de ministério em 3 continentes, uma das primeiras coisas de “cuidado” foi: “Que bom que você está em casa, há uma grande reunião na igreja que você gostaria de vir?” Meus pensamentos internos eram: “Sério? Não! Acabei de passar 6 semanas nas reuniões da igreja. Por favor, pergunte-me o que eu gostaria, porque a resposta seria – um encontro para um café, algo divertido!” Outras vezes, as pessoas dizem: “Nós teríamos convidado você, mas sabíamos que você estava ocupada…” então eu perdi. A presunção pode mostrar uma falta de discernimento e cuidado. Então, pergunte – não presuma!

Os sistemas podem criar canais para cuidados gerais, eles não garantem que haja um batimento cardíaco, que as pessoas sejam notadas ou que tenham os cuidados de que precisam.

Então… voltamos a estar – de joelhos. “Jesus, por favor, transforme meu coração de pedra em um que bata como o seu. Por favor, abra meus olhos para ver além do meu horizonte e observe as pessoas como você faz. Por favor, ajude-me a entender e ter sabedoria como você… e por favor, seja minhas mãos e pés para abraçar como você, rir como você faz e chorar quando você fizer isso. Eis-me aqui… use-me!

Spanish blog:

Cuidando como Jesús

Por Daphne Kirk, www.G2gMandate.org; Twitter: daphnekirk

Es comparativamente fácil configurar sistemas para cuidar a las personas, crear listas de verificación y asignar responsabilidades. De ninguna manera estoy denigrando los sistemas. Cuando funcionan bien, son la red de seguridad para garantizar que las cosas se lleven a cabo de manera oportuna y eficaz.

Sin embargo, ¿qué viene primero, el sistema o el corazón? ¿Cuál es el núcleo del cuidado en la célula, que dará autenticidad y vida a esos sistemas? Seguramente es tener el corazón de Jesús, donde cada persona realmente importa, donde nos “sentaremos junto al pozo en el calor abrasador” (Juan 4) o notaremos a alguien que está sentado a la distancia “en lo alto de un árbol” (Lucas 19) desapercibido. Ningún sistema habría asegurado que Jesús se preocupara por estas personas: era su corazón de compasión y amor, un corazón que conocía el valor de cada alma con la que entró en contacto o con la que podía entrar en contacto.

Su corazón se aseguraba de que nadie lo pasara por alto y aprovechaba cada pequeño momento. Conocía a las personas por su nombre, sabía cómo hacer preguntas que demostraban que le importaba. Nadie era demasiado pequeño: los niños importaban.

Entonces, al considerar “cuidar en la célula”, seguramente el primer lugar para comenzar es con nuestros corazones, estudiando cómo Jesús cuidó de las personas y seguir desde allí.

Una de las mayores caídas que he encontrado es suponer que sabemos lo que le gustaría o necesitaría a la gente, sin saber su lenguaje de amor o preguntárselo. Cuidar puede convertirse en una carga para esa persona. Déjame darte un ejemplo de mi propia vida. Después de regresar de un ministerio de 6 semanas en 3 continentes, una de las primeras cosas de “cuidado” fue: “Me alegro de que estés en casa, hay una gran reunión en la iglesia. ¿Te gustaría venir?” Mis pensamientos internos eran: “¿En serio? ¡No! Acabo de pasar 6 semanas en reuniones de la iglesia. Pregúntame qué me gustaría porque la respuesta sería: ¡una cita para tomar un café, algo divertido! En otras ocasiones, la gente dice: “Te hubiéramos invitado, pero sabíamos que estabas ocupado”… así que me perdí. La presunción puede mostrar una falta de perspicacia y cuidado. Entonces, pregunte, ¡no suponga!

Los sistemas pueden crear canales para la atención general, pero no garantizarán que haya un latido, que las personas se noten o que tengan la atención que necesitan.

Así que… es necesario volver a estar de rodillas. “Jesús, por favor, convierte mi corazón de piedra en uno que palpite como el tuyo. Por favor, abre mis ojos para ver más allá de mi horizonte y notar a las personas como lo haces tú. Por favor, ayúdame a comprender y tener sabiduría como tú… y sé mis manos y mis pies para abrazar como tú, reír como lo haces y llorar cuando lo haces. Aquí estoy… ¡úsame!

Leave a Reply

Your email address will not be published.