Who do we see?

By Daphne Kirk, www.G2gMandate.org; Twitter: daphnekirk

The Celebration service can be the loneliest place; it can be overwhelming, like navigating a maze. Depending on the size of the church, it can be difficult to find people and certainly easy to walk in and walk out without being noticed.

Sadly, I have had personal experience of this type of feeling when arriving at a church. Before I am recognized as “the speaker” – I stand in a space and wait. It is quite a good exercise to see if anyone notices me. The majority of the time – no one does, and I am able to give that feedback to the Pastor.

Sometimes there are people with tee shirts that announce in some form that they are there to “keep an eye open” to visitors but, what message could that give? “It is the job of all believers to do this” rather than special greeters.

Caring could be shown through the celebration by following up new attendees via cell members who invite them to the cell meeting, or even by a personal invitation to meet up. The person greeting people at the door, rather than showing them to a seat, could show them to a cell member, let them know the person is alone, or this is the first time they have attended so that they can feel relationally connected. This connection needs to be directed to children too because they matter! And parents will not feel cared for if their children are ignored or unhappy.

I see people counting numbers and I sometimes wonder if that is all they see. Do they see the faces that are sad, lost or plain uncomfortable? Do they see who is chatting to others and those who are sitting silently alone? Do they see the children and teenagers, or pass them by? Do they see those who rush out or those that linger longer looking for… someone?

Who do we see? To be not “seen” is to be “not valued”. We need cell members who “see” in these situations and say in word and deed, “You matter.” “And we would love you to come and join our small community where you will make friend”

Let’s open our eyes so we can open our homes and open our arms! Everyone matters

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Quem vemos?

Por Daphne Kirk, www.G2gMandate.org; Twitter: daphnekirk

O culto de Celebração pode ser o lugar mais solitário; pode ser esmagador, como navegar em um labirinto. Dependendo do tamanho da igreja, pode ser difícil encontrar pessoas e certamente fácil entrar e sair sem ser notado.

Infelizmente, tive experiência pessoal desse tipo de sentimento ao chegar a uma igreja. Antes de ser reconhecida como “a palestrante” – fico em um espaço e espero. É um bom exercício para ver se alguém me nota. Na maioria das vezes – ninguém o faz, e eu sou capaz de dar esse feedback ao Pastor.

Às vezes, há pessoas com camisetas que anunciam de alguma forma que estão lá para “ficar de olho aberto” aos visitantes, mas que mensagem isso poderia dar? “É o trabalho de todos os crentes fazerem isso” em vez de recepcionistas especiais.

O cuidado pode ser demonstrado através da celebração, acompanhando os novos participantes através dos membros da célula que os convidam para a reunião da célula, ou mesmo por um convite pessoal para se encontrarem. A pessoa que cumprimenta as pessoas na porta, em vez de mostrá-las a um assento, pode mostrá-las a um membro da célula, avisá-las que a pessoa está sozinha, ou esta é a primeira vez que ela participa do culto para que possa se sentir conectada em relação. Essa conexão precisa ser direcionada para as crianças também porque elas importam! E os pais não se sentirão cuidados se seus filhos forem ignorados ou infelizes.

Vejo pessoas contando números e às vezes me pergunto se isso é tudo o que elas veem. Eles vêem os rostos que estão tristes, perdidos ou simplesmente desconfortáveis? Eles vêem quem está conversando com os outros e aqueles que estão sentados em silêncio sozinhos? Eles vêem as crianças e adolescentes, ou passam por eles? Eles vêem aqueles que saem correndo ou aqueles que demoram mais à procura de… alguém?

Quem vemos? Não ser “visto” é “não ser valorizado”. Precisamos de membros de célula que “vejam” essas situações e digam em palavras e atos: “Você é importante”. “E nós adoraríamos que você viesse e se juntasse à nossa pequena comunidade onde você fará amigos”

Vamos abrir os olhos para podermos abrir nossas casas e abrir nossos braços! Todo mundo importa

Spanish blog:

¿A quién vemos?

Por Daphne Kirk, www.G2gMandate.org; Twitter: daphnekirk

El servicio de Celebración puede ser el lugar más solitario; puede ser abrumador, como navegar por un laberinto. Dependiendo del tamaño de la iglesia, puede ser difícil encontrar personas y ciertamente es fácil entrar y salir sin ser notado.

Tristemente, he tenido experiencia personal de este tipo de sentimiento al llegar a una iglesia. Antes de que me reconozcan como “el orador”, me paro en un espacio y espero. Es un buen ejercicio para ver si alguien se fija en mí. La mayoría de las veces, nadie lo hace, y puedo darle esa información al pastor.

A veces hay gente con camisetas que anuncian de alguna forma que están ahí para “estar atentos” a los visitantes pero, ¿qué mensaje puede dar eso? “Es el trabajo de todos los creyentes hacer esto” en lugar de saludadores especiales.

La solidaridad se puede mostrar a través del servicio de celebración haciendo un seguimiento de los nuevos asistentes a través de los miembros del grupo que los invitan a la reunión del grupo, o incluso mediante una invitación personal para reunirse. La persona que saluda a los miembros en la puerta, en lugar de mostrarles un asiento, podría mostrarles a un miembro de la célula, luego hacerle saber al miembro de la célula que la persona está sola o que es la primera vez que asisten para que puedan sentirse conectados relacionalmente. ¡Esta conexión también debe dirigirse a los niños porque son importantes! Y los padres no se sentirán atendidos si sus hijos son ignorados o infelices.

Veo personas contando números y a veces me pregunto si eso es todo lo que ven. ¿Ven las caras que están tristes, perdidas o simplemente incómodas? ¿Ven quién está charlando con los demás y quién está sentado solo en silencio? ¿Ven a los niños y adolescentes, o pasan de largo? ¿Ven a los que salen corriendo o a los que se demoran más buscando… a alguien?

¿A quién vemos? No ser “visto” es ser “no valorado”. Necesitamos miembros celulares que “vean” estas situaciones y digan de palabra y obra: “Tú importas”. “Y nos encantaría que vinieras y te unieras a nuestra pequeña comunidad donde harás amigos”

¡Abramos los ojos para poder abrir nuestros hogares y abrir nuestros brazos! Todos importan.

Leave a Reply

Your email address will not be published.