The Crooked Path of Spiritual Leadership

By Scott Boren, For more on Spiritual Formation and Spiritual Leadership, visit Scott’s blog: https://thejesuscafe.wordpress.com

Following God never takes a straight path. The path of relating to God and others in love is always full of mystery. The same is true of leading others in a small group. We assume that we know how each step should advance us along a path that would lead us closer to what we think is our calling and destiny.

When people venture out on the journey of leading a group, it begins with great intentions. The group attains a clear vision. This kind of change is visible and even measurable. It’s like the top of an iceberg. We can see it when people set their intentions and minds through  commitment to the way of Jesus. We can even see it when people carry out their intentions through concrete means, that is through tangible structures and processes. We need clear vision, decisions of intent, and concrete means for carrying out the vision. But there is more.

Beneath the water line is the need to change how we relate to others. In some ways we have control over this, and but in many ways, it is a realm beyond our full control. We try to relate well. We try to invest in our neighbors and our networks. We adopt the means for dealing with conflict as outlines by all the best small group leadership resources. Sometimes it works; other times if just falls flat. But we are changed in the process because we are relating to others in a different way. The change never looks like what we expect, but we are different none the less.

But there is a deeper level to the iceberg. This is where spiritual change is so important. I have to change as a leader in order to lead others into spiritual transformation.

Here we experience what can only be described as death.  Jesus said, “Unless ….” In order to for the seeds within us to activate and grow into community and mission, we must die. This means that we must make space for people to “pick up their cross daily and follow Jesus.” (Luke 9:23).

By this I do not mean some kind of self-deprecating guilt that highlights how we are unworthy and that we are scum-filled sinners. Nor is this a reference to the need to see our guilt as a part of a conversion experience. This is about the reality that we all face in life that the resurrection life comes on the other side of the cross. Victory comes on the other side of coming to the end of ourselves. Flourishing is a gift that we realize as we work through failure. Those who embrace this reality and allow others to fail will create space for people to go to the cross and receive the resurrection.

Portuguese Blog

O tortuoso caminho da Liderança Espiritual

Scott Boren, para obter mais informações sobre Formação Espiritual e Liderança Espiritual, visite nosso blog do Scott: https://thejesuscafe.wordpress.com

Seguir a Deus nunca se dá por um caminho bem reto. O caminho do relacionamento em amor com Deus e com outras pessoas é sempre cheio de mistérios. Liderar outras pessoas em uma célula acontece da mesma maneira. A ideia inicial é de que sabemos como cada passo vai nos levar mais para perto do que entendemos ser nosso chamado e nosso destino.

Quando as pessoas se aventuram na jornada de liderar uma célula, isto sempre começa com a melhor intenção. O grupo adquire uma visão clara. Este tipo de mudança é visível e pode inclusive ser mensurada. É como a ponta de um iceberg. Podemos ver isso quando as pessoas ajustam seus propósitos, intenções e mentes através do compromisso com o caminho de Jesus. Também podemos ver isso quando as pessoas seguem seus propósitos através de ações concretas, estruturas e processos tangíveis. Precisamos de uma visão clara, propósitos bem definidos e meios concretos para prosseguir nesta visão. Mas ainda há mais.

Assim como em um iceberg há muito abaixo da linha da água, aqui temos a necessidade de mudar a maneira como nos relacionamos uns com os outros. Temos algum controle sobre isso, mas em diversos aspectos isto é uma realidade muito além do que podemos controlar. Tentamos manter bons relacionamentos. Tentamos investir em nossos vizinhos e em nossas redes de relacionamentos. Adotamos os modelos para lidar com os conflitos utilizando as melhores fontes e recursos. Às vezes isso dá certo; outras vezes simplesmente não funciona. Mas nós mesmos somos transformados ao longo deste processo, pois estamos nos relacionando com outras pessoas, de muitas maneiras diferentes. A mudança nunca acontece exatamente como esperávamos, mas somos efetivamente transformados.

Há ainda um nível mais profundo no iceberg. Aqui também. É onde a mudança espiritual é mais importante. Eu preciso me transformar como líder para poder liderar outras pessoas em sua transformação espiritual.

É neste ponto que experimentamos o que só pode ser definido como morte. Jesus disse: “Em verdade, em verdade vos digo: se o grão de trigo, caindo na terra, não morrer, fica ele só; mas, se morrer, produz muito fruto” João 12:24. Para que a semente que está em nós seja ativada e cresça em comunhão e missão, precisamos morrer. Isso significa que precisamos criar condições para que cada uma das pessoas “… tome a sua cruz siga a Jesus” (Lucas 9:23)

Eu não me refiro aqui a algum tipo de culpa e autodepreciação que apenas traz à tona o quanto somos indignos e pecadores cheios da escória do pecado. Tampouco isso é uma referência à necessidade de perceber nossa culpa como parte integrante da experiência da conversão. Eu falo da realidade que encaramos diariamente, que nos mostra que a vida ressurreta acontece do outro lado da cruz. A vitória está no outro lado, quando chegamos ao final do que nós mesmos somos. O florescer é um presente que recebemos à medida que trabalhamos em meio às nossas próprias falhas. Todos que abraçam esta realidade e permitem que outras pessoas também falhem, criam espaço e condições para que as pessoas se acheguem à cruz e recebam a ressurreição.

Spanish blog:

El camino torcido del liderazgo espiritual

Por Scott Boren, Para más información sobre la formación espiritual y el liderazgo espiritual, visite el blog de Scott: https://thejesuscafe.wordpress.com

Seguir a Dios nunca es un camino recto. El camino de relacionarse con Dios y con los demás en el amor está siempre lleno de misterio. Lo mismo ocurre al liderar a otros en un grupo pequeño. Suponemos que sabemos cómo debe avanzar cada paso en un camino que nos acerque a lo que creemos que es nuestra vocación y destino.

Cuando la gente se aventura en el viaje de liderar un grupo, comienza con grandes intenciones. El grupo alcanza una visión clara. Este tipo de cambio es visible e incluso medible. Es como la cima de un iceberg. Podemos verlo cuando las personas fijan sus intenciones y mentes a través del compromiso con el camino de Jesús. Incluso podemos verlo cuando las personas llevan a cabo sus intenciones a través de medios concretos, es decir, mediante estructuras y procesos tangibles. Necesitamos una visión clara, decisiones de intención y medios concretos para llevar a cabo la visión. Pero hay más.

A pesar de todo existe la necesidad de cambiar nuestra forma de relacionarnos con los demás. En cierto modo, tenemos control sobre esto, pero en muchos aspectos, es un ámbito que escapa a nuestro pleno control. Intentamos relacionarnos bien, intentamos invertir en nuestros vecinos y en nuestras comunidades. Adoptamos los medios para lidiar con el conflicto, tal y como lo esbozan todos los mejores recursos de liderazgo de grupos pequeños, a veces funciona, otras veces no. Pero cambiamos en el proceso porque nos relacionamos con los demás de una manera diferente. El cambio nunca se parece a lo que esperamos, pero sin embargo somos diferentes.

Pero hay un nivel más profundo en el iceberg. Aquí es donde el cambio espiritual es tan importante. Tengo que cambiar como líder para llevar a otros a la transformación espiritual.

Aquí experimentamos lo que sólo puede describirse como muerte.  Jesús dijo: “A menos que ….” Para que las semillas dentro de nosotros se activen y crezcan en comunidad y misión, debemos morir. Esto significa que debemos dejar espacio para que la gente “niéguese a sí mismo, tome su cruz cada día, y sígame.”. (Lucas 9:23).

Con esto no me refiero a una especie de autodesprecio de la culpa que pone de manifiesto que somos indignos y que somos pecadores llenos de escoria. Tampoco es una referencia a la necesidad de ver nuestra culpa como parte de una experiencia de conversión. Se trata de la realidad a la que todos nos enfrentamos en la vida; de que la vida de resurrección llega al otro lado de la cruz. La victoria llega al otro lado, cuando llegamos al final de nosotros mismos. El florecimiento es un don del que nos damos cuenta, mientras trabajamos en el fracaso. Los que abrazan esta realidad y permiten que otros fracasen, crearán un espacio para que la gente vaya a la cruz y reciba la resurrección.

Leave a Reply

Your email address will not be published.