Accountability: Helping or Hurting?

By Andrew Kirk, Director of Generation 2 generation, Website – www.G2gMandate.org, Social Media – @G2gMandate

Sadly, the lack of real accountability is common even with pastors, and this trickles down through the church. The lone ranger leader, lacking accountability and checks and balances, can have disastrous consequences for himself, his family, and the church.

So many have tragically had bad experiences with unhealthy accountability and decided to give up on it completely, which is also not healthy. So I want us to look briefly at what accountability could look like.

What is accountability?

  • It is freely given, not forcefully taken.
  • It is clearly defined, not subjective and general.
  • It is consistent.
  • It is relational.
  • It is challenging.
  • It is encouraging.

Accountability is a broad topic that is relevant to family, church, and personal relationships.

Many people recount horror stories about their experiences with accountability, the people who held them accountable, and the resulting control and manipulation they felt trapped by. As a result, they have walked away from the concept altogether.

Even though people have been hurt by controlling, manipulative accountability, positive accountability is essential to help:

  • To bring support
  • Navigate the challenges
  • Be a sounding board
  • Allow an outside “eye” to see things that can be overlooked when immersed in a situation.

We said to our ministry accountability team, “If we don’t do as you suggest and fall into a pit, will you help get us out?” This question, we felt, provided a base of our going forward where we would not feel judged if we disregarded their advice. They are there for our ministry accountability–not to dictate or control everything  but to support us. In fact, they are our cheerleaders who also challenge us when needed.

What might you want from an accountability partner? Here are few principles:

  • Commitment
  • Wisdom
  • Long-term relationship
  • Experience
  • Willingness to confront and encourage
  • Asking hard and insightful questions.
  • Trustworthiness

Here are some areas that the leader must be willing to do:

  • Be vulnerable, open, and honest
  • Commitment to the relationship
  • Prioritizing accountability

When Pastors build this concept into the fabric of their ministry, others who look to the Pastor for accountability (and see him modeling what this relationship can look like) will be encouraged to embrace this and multiply it through others

Accountability is not threatening. Rather, it brings safety for all involved.

Korean blog (click here)

Portuguese Blog:

Prestação de contas: Ajuda ou atrapalha?

Andrew Kirk, Diretor do “Generation 2 Generation” Website – www.G2gMandate.org, Mídias Sociais – @G2gMandate

(Nota do Tradutor: A palavra “accountability” é normalmente um jargão das áreas onde é utilizada e sua tradução para o português é objeto de opiniões controversas. Em tradução direta, a palavra “accountability” pode ser traduzida como prestação de contas, mas também há quem defenda os seguintes termos: controle, fiscalização, responsabilização, compromisso, proatividade e transparência. Neste trabalho, utilizaremos a expressão “prestação de contas”.)

Infelizmente, a falta de prestação de contas é algo muito comum também entre pastores, e isso se replica por toda a igreja. A liderança do tipo “lobo solitário”, que não presta contas, não tem limites de atuação bem definidos e não responde a outras pessoas, é algo que pode trazer consequências desastrosas para o próprio líder, para sua família e para a igreja como um todo.

Alguns líderes tiveram experiências verdadeiramente trágicas com a prestação de contas feita de uma maneira equivocada, e acabaram decidindo abandoná-la, o que também não está correto. Portando, eu gostaria que estudássemos um pouco sobre o que seria a real prestação de contas, ou responsabilização.

O que é então a prestação de contas? Quais são suas características?

  • É feita de forma voluntária e não tomada à força.
  • É claramente definida, não subjetiva e tampouco genérica.
  • É consistente.
  • É relacional.
  • É desafiadora.
  • É encorajadora.

A prestação de contas é um tema amplo, que é relevante para a família, a igreja e para os relacionamentos pessoais.

Muitas pessoas têm verdadeiras histórias de horror em suas experiências de prestação de contas, relacionadas às pessoas para quem prestaram contas e resultados de controle e manipulação que as fizeram sentir-se presas. Como resultado de tudo isso, tais pessoas se afastaram deste conceito de uma forma geral.

Apesar da realidade de que as pessoas podem ter sido feridas por uma prestação de contas controladora e manipuladora, quando feita de forma positiva, a prestação de contas é essencial para:

  • Promover suporte
  • Vencer desafios
  • Permitir que as dificuldades sejam percebidas
  • Trazer uma visão de fora da questão, permitindo o entendimento de coisas e situações que passam despercebidas às pessoas que estão intimamente envolvidas com uma determinada situação.


Certa vez, disse à equipe que é responsável pelo meu processo de prestação de contas: “Se eu não fizer como vocês estão sugerindo e acabar caindo em um buraco, vocês ainda assim me ajudarão a sair?” Minha pergunta tinha como objetivo me dar certeza de que eu poderia prosseguir sem me sentir julgado por não ter aceito seu conselho. Aquelas pessoas estão na equipe para que eu tenha a quem prestar contas, não para ditar meus passos e controlar tudo o que eu faço, mas para me apoiar. Na prática, eles torcem por mim e me desafiam sempre que eu preciso.

O que você gostaria de observar nas pessoas a quem você prestasse contas? Seguem alguns princípios:

  • Compromisso
  • Sabedoria
  • Relacionamento de longo prazo
  • Experiência
  • Disposição para confronter e encorajar
  • Coragem para fazer perguntas difíceis e importantes
  • Lealdade

O líder que se propõe a participar em um processo de prestação de contas deve estar disposto a:

  • Permanecer vulnerável, aberto e honesto
  • Comprometer-se a um relacionamento
  • Priorizar a prestação de contas


Quando os pastores inserem este conceito no tecido que compõe seus ministérios, outras pessoas que buscam sua ajuda na prestação de contas poderão observar seu modelo e o tipo de relacionamento que eles mesmo poderão formar. Estas pessoas serão encorajadas a abraçar esta ideia e multiplicá-la através de outras pessoas.

A prestação de contas não é uma ameaça. Ao invés disso, ela traz segurança a todos os envolvidos neste processo.

Spanish blog:

Rendición de cuentas: ¿ayudar o lastimar?

Por Andrew Kirk, director de Generación 2, sitio web: www.G2gMandate.org, redes sociales: @G2gMandate

Lamentablemente, la falta de responsabilidad real es común incluso entre los pastores, y esto se filtra a través de la iglesia. El líder que es un llanero solitario, que carece de responsabilidad y controles y equilibrios, puede tener consecuencias desastrosas para él, su familia y la iglesia.

Muchos han tenido trágicamente malas experiencias con la responsabilidad poco saludable y decidieron renunciar a ella por completo, lo que tampoco es saludable. Así que quiero que analicemos brevemente cómo podría ser la rendición de cuentas.

¿Qué es la rendición de cuentas?

  • Se da libremente, no se toma a la fuerza.
  • Es claramente definida, no subjetiva y general.
  • Es consistente
  • Es relacional
  • Es un reto
  • Es un ánimo

La rendición de cuentas es un tema amplio que es relevante para la familia, la iglesia y las relaciones personales.

Muchas personas cuentan historias de terror sobre sus experiencias con la rendición de cuentas, por las personas a las que daban cuentas, el
el control y la manipulación resultantes en los que se sintieron atrapados. Como resultado, se han alejado del concepto por completo.

Aunque las personas han sido lastimadas por la rendición de cuentas controladora y manipuladora, la rendición de cuentas positiva es esencial para ayudar a:

  • Traer apoyo
  • Navegar los desafíos
  • Ser una caja de resonancia
  • Permite que un “ojo” externo vea cosas que pueden pasarse por alto cuando se está inmerso en una situación.

Le dijimos a nuestro equipo de rendición de cuentas en el ministerio: “Si no hacemos lo que sugieren y caemos en un pozo, ¿nos ayudarán a salir?” Sentimos que esta pregunta proporcionaba una base para seguir adelante en la que no nos sentiríamos juzgados si desatendíamos sus consejos. Están allí para la responsabilidad de nuestro ministerio, no para dictar o controlar todo, sino para apoyarnos. De hecho, son nuestras porristas que también nos desafían cuando es necesario.

¿Qué podría desear de un socio responsable? Aquí hay algunos principios:

  • Compromiso
  • Sabiduría
  • Relación a largo plazo
  • Experiencia
  • Voluntad de confrontar y alentar
  • Hacer preguntas difíciles y perspicaces.
  • Integridad

Aquí hay algunas áreas que el líder debe estar dispuesto a hacer:

  • Sea vulnerable, abierto y honesto
  • Compromiso con la relación
  • Priorizar la rendición de cuentas


Cuando los pastores construyan este concepto en la estructura de su ministerio, otros que busquen responsabilidad en el pastor (y lo vean modelando cómo puede ser esta relación) se animarán a abrazar esto y multiplicarlo a través de otros.

La rendición de cuentas no es amenazante. Más bien, trae seguridad para todos los involucrados.

Leave a Reply

Your email address will not be published.