Welcome to the Challenge!

By Andrew Kirk, Director of Generation 2 generation, www.G2Mandate.org, and host of Radical Lifestyle Podcast: www.youtube.com/RadicalLifestyle

I suspect that most of you, having followed this month’s theme of integration, have related this primarily to adults. However, a cell church must include all generations, so applying an integrated church necessitates including children and young people.

Therefore, the questions I ask are:

  • Are the emerging generation’s ministries and “activities” involved in diverting away from their cell life, or do they add to it? Does everything they are engaged with strengthen their cells, weaken them, or even cause them to disconnect from their cell life?
  • Are the adults involved in—and overseeing—children’s and youth cells? Are the adults in cells themselves, or is there a disconnect in what they model, understand and pass on to the emerging generation? “Children or youth ministry” will birth what is in their DNA, mostly from what they live out in their own church life.
  • Are children and youth engaging with their families in cell groups made a priority, or is competition trying to pull them away by “being attracted” to events organized by other ministries without considering this a priority?

The complexities of integration for the emerging generation are multifaceted. Unless those leading the way with the youth, children, and families have passed on the value of integration and they live it themselves – the result can be a disconnect between “cells” and “programs and events” for that generation.

The previous questions should highlight some issues:

  • Maybe you are flowing with great integration for the emerging generation, in which case I suspect the adults are, too.
  • If there is no integration (so adult cells are prioritized), I suspect you will have discovered a lack of integration for the emerging generation’s cells.
  • If the adult cells are experiencing integration and not the emerging generation, I suspect you have translated the word “church” as adults. An integrated Cell CHURCH will naturally mean integrated CHURCH = adults, young people, and children.

I leave you with these questions that only you can answer! Transitioning is an adventure – welcome to the challenge!

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Bem-vindo ao Desafio!
por Andrew Kirk, Diretor da Geração 2, www.G2Mandate.org, e apresentador do Radical Lifestyle Podcast: www.youtube.com/RadicalLifestyle

Suspeito que a maioria de vocês, tendo acompanhado o tema da integração deste mês, relacionou isso principalmente aos adultos. Contudo, uma igreja em células deve incluir todas as gerações, pelo que a aplicação de uma igreja integrada exige a inclusão de crianças e jovens.

Portanto, as perguntas que faço são:

  • Os ministérios e as “atividades” da geração emergente estão envolvidos em desviar da sua vida celular, ou contribuem para a vida celular? Tudo o que eles fazem fortalece suas células, enfraquece-as ou até faz com que elas se desconectem de sua vida celular?
  • Os adultos estão envolvidos – e supervisionando – células infantis e juvenis? Os próprios adultos estão em células ou há uma desconexão naquilo que eles modelam, compreendem e transmitem à geração emergente? O “ministério infantil ou juvenil” dará origem ao que está em seu DNA, principalmente a partir do que eles vivem em sua própria vida eclesial.
  • Será que o envolvimento das crianças e dos jovens com as suas famílias em células é uma prioridade, ou será que a competição tenta afastá-los, “sendo atraídas” para eventos organizados por outros ministérios sem considerar as células uma prioridade?

As complexidades da integração para a geração emergente são multifacetadas. A menos que aqueles que lideram o caminho com os jovens, as crianças e as famílias tenham transmitido o valor da integração e a vivam eles próprios – o resultado pode ser uma desconexão entre “células” e “programas e eventos” para essa geração.

As perguntas anteriores devem destacar algumas questões:

  • Talvez você esteja fluindo com grande integração para a geração emergente e, nesse caso, suspeito que os adultos também estejam.
  • Se não houver integração (portanto, as células adultas são priorizadas), suspeito que você terá descoberto uma falta de integração para as células da geração emergente.
  • Se as células adultas estão vivenciando a integração e não a geração emergente, suspeito que você tenha traduzido a palavra “igreja” como adultos. Uma IGREJA em Célula integrada significará naturalmente um IGREJA integrada = adultos, jovens e crianças.

Deixo você com essas perguntas que só você pode responder! A transição é uma aventura – bem-vindo ao desafio!

Spanish blog:

¡Bienvenidos al Desafío!
Por Andrew Kirk, Director de Generation 2 generation, www.G2Mandate.org, y presentador de Radical Lifestyle Podcast: www.youtube.com/RadicalLifestyle

Sospecho que la mayoría de ustedes, al haber seguido el tema de este mes sobre la integración, lo han relacionado principalmente con los adultos. Sin embargo, una iglesia celular debe incluir a todas las generaciones, por lo que aplicar una iglesia integrada requiere incluir a niños y jóvenes.

Por lo tanto, las preguntas que planteo son

  • ¿Los ministerios y “actividades” de la generación emergente desvían la atención de su vida celular, o la enriquecen? ¿Todo aquello en lo que están comprometidos fortalece sus células, las debilita o incluso hace que se desconecten de su vida celular?
  • ¿Participan los adultos en las células infantiles y juveniles -y las supervisan-? ¿Participan los adultos en las células, o hay una desconexión en lo que modelan, entienden y transmiten a la generación emergente? La “pastoral infantil o juvenil” dará a luz lo que está en su ADN, sobre todo a partir de lo que viven en su propia vida eclesial.
  • ¿Se da prioridad a que los niños y jóvenes participen con sus familias en grupos celulares, o la competencia intenta alejarlos “atrayéndolos” a eventos organizados por otros ministerios sin considerar esto una prioridad?

Las complejidades de la integración para la generación emergente son multifacéticas. A menos que quienes lideran el camino con los jóvenes, los niños y las familias hayan transmitido el valor de la integración y lo vivan ellos mismos, el resultado puede ser una desconexión entre las “células” y los “programas y eventos” para esa generación.

Las preguntas anteriores deberían poner de relieve algunas cuestiones:

  • Tal vez fluya una gran integración para la generación emergente, en cuyo caso sospecho que los adultos también.
  • Si no hay integración (por lo que se da prioridad a las células adultas), sospecho que habrás descubierto una falta de integración para las células de la generación emergente.
  • Si las células adultas están experimentando integración y no la generación emergente, sospecho que has traducido la palabra “iglesia” como adultos. Una IGLESIA celular integrada significará naturalmente IGLESIA integrada = adultos, jóvenes y niños.

¡Te dejo con estas preguntas que sólo tú puedes responder! La transición es una aventura: ¡bienvenido al desafío!

Three Keys to Small Group Integration

By Joel Comiskey, The Church that Multiplies

We’ve been talking this month about integration in small group-based ministry. I see three keys to making integration successful.

1.   Senior leader and team must guide the cell vision

The lead pastor and leadership team must guide the cell church vision. Other leaders can help a lot, but the vision and overall leadership belong to the lead pastor. The people will watch the lead pastor to see if small-group ministry is important because what’s important to the lead pastor is essential to the people.

Key members can influence the lead pastor to grasp the vision, yet ultimately, cell church ministry succeeds or fails depending on whether the lead pastor promotes and lives it. The bottom line is that sheep follow the shepherd. Actions speak much louder than words, and this is especially true in cell-based ministry.

I encourage senior leaders to grow in their knowledge of cell-based ministry by reading the literature, visiting cell churches, and being involved in the battle. I’m always impressed when a senior pastor actually leads a cell group or at least has “freshly” led a cell group. This fact tells those around him that the senior pastor is wrestling with the same issues. He is learning and growing in cell ministry.

2.    Clear definition of a cell

The strength of the cell church resides in the quality of the cell. Since the cell is the crown jewel of the cell church, watering down the cell to the lowest denominator must be avoided at all costs. While there is great flexibility with regard to homogeneity, lesson material, order of cells, location of the cell meeting, and degree of participation, it’s exceedingly important to maintain quality control of the following aspects:

  • Regularity (weekly cell meetings are the norm in all the worldwide cell churches, and this should be maintained)
  • Penetration (cells meet outside the church building to penetrate the world where they live, move, and breath)
  • Evangelism (evangelism should be prioritized)
  • Community (people are dying for relationships, and cell groups offer close relationships)
  • Spiritual growth (cell groups offer pastoral care and spiritual growth for those attending)
  • Making Disciples that results in multiplication (the goal of the cell should be to make disciples who make other disciples)

Labeling cell groups as everything small and a group lowers the quality of the cell and, ultimately, the quality of the entire cell church. To call everything a cell in the name of creativity is like a pastor encouraging members to do whatever they want and go wherever they want for Sunday celebration rather than come to the weekly celebration church service.

3.   Making cells the base of the church

Making cells the base of the church means not allowing other programs to dominate the church schedule. Although many cell churches have other ministries, they do ask those involved in those additional ministries to actively participate in the cells. In this way, cells remain the base of the church.

Growing the cell infrastructure is the number one priority in the cell church. Sunday attendance growth results from growing the cell infrastructure—making disciples who make disciples.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Três Chaves Para A Integração De Pequenos Grupos
Por Joel Comiskey, Plantando Igrejas que se Reproduzem

Temos falado este mês sobre integração no ministério baseado em pequenos grupos. Vejo três chaves para tornar a integração bem-sucedida.

1. O líder sênior e a equipe devem orientar a visão da célula
O pastor líder e a equipa de liderança devem guiar a visão da célula. Outros líderes podem ajudar muito, mas a visão e a liderança geral pertencem ao pastor líder. As pessoas observarão o pastor principal para ver se o ministério em pequenos grupos é importante porque o que é importante para o pastor principal é importante para as pessoas.

Os membros-chave podem influenciar o pastor principal a captar a visão, mas, em última análise, o ministério da igreja em células tem sucesso ou fracasso, dependendo de o pastor principal estar ou não promovendo-a e vivendo-a. O resultado final é que as ovelhas seguem o pastor. As ações falam muito mais alto do que as palavras, e isto é especialmente verdade no ministério baseado em células.

Encorajo os líderes seniores a crescerem no seu conhecimento do ministério baseado em células, lendo a literatura, visitando igrejas em células e envolvendo-se na batalha. Sempre fico impressionado quando um pastor sênior realmente lidera uma célula, ou pelo menos liderou uma célula “recentemente”. Este fato grita para aqueles ao seu redor que o pastor titular está lutando com os mesmos problemas. Ele está aprendendo e crescendo no ministério de células.

2. Definição clara de uma célula
A força da igreja em células reside na qualidade da célula. Como a célula é a joia da coroa da igreja em células, deve-se evitar a todo custo diluir a célula até o denominador mais baixo. Embora haja uma grande flexibilidade no que diz respeito à homogeneidade, material da lição, ordem da célula, local da reunião da célula e grau de participação, é extremamente importante manter o controle de qualidade dos seguintes aspectos:

  • Regularidade (reuniões semanais em células são a norma em todas as igrejas em células em todo o mundo e isto deve ser mantido)
  • Penetração (as células se encontram fora do prédio da igreja para penetrar no mundo onde vivem, se movem e respiram)
  • Evangelismo (evangelismo deve ser priorizado)
  • Comunhão (as pessoas estão morrendo de vontade de relacionamentos e as células oferecem relacionamentos próximos)
  • Crescimento espiritual (grupos de células oferecem cuidado pastoral e crescimento espiritual para os participantes)
  • Fazer discípulos que resultem em multiplicação (o objetivo da célula deveria ser fazer discípulos que façam outros discípulos)

Rotular as células como tudo o que é pequeno e um grupo diminui a qualidade da célula e, em última análise, a qualidade de toda a igreja em células. Chamar tudo de célula em nome da criatividade é como um pastor encorajando os membros a fazerem o que quiserem e irem aonde quiserem para a celebração dominical, em vez de comparecerem ao culto semanal de celebração.

3. Fazer das células a base da igreja
Fazer das células a base da igreja significa não permitir que outros programas dominem a programação da igreja. Embora muitas igrejas em células tenham outros ministérios, elas pedem aos envolvidos nesses ministérios adicionais que participem ativamente nas células. Desta forma, as células continuam a ser a base da igreja.

O crescimento da infra-estrutura celular é a prioridade número um na igreja celular. O crescimento da frequência aos domingos vem como resultado do crescimento da infra-estrutura celular – fazendo discípulos que fazem discípulos.

Spanish blog:

Tres claves para la integración de grupos pequeños
Por Joel Comiskey, La Iglesia que se Multiplica

Hemos estado hablando este mes sobre la integración en el ministerio basado en grupos pequeños. Veo tres claves para que la integración tenga éxito.

1.   El líder principal y el equipo deben guiar la visión de la célula

El pastor principal y el equipo de liderazgo deben guiar la visión del grupo celular. Otros líderes pueden ayudar mucho, pero la visión y el liderazgo general pertenecen al pastor líder. La gente observará al pastor líder para ver si el ministerio de grupos pequeños es importante porque lo que es importante para el pastor líder es importante para la gente.

Los miembros clave pueden influenciar al pastor líder para que capte la visión, pero en última instancia el ministerio de la iglesia celular tiene éxito o fracasa por si el pastor líder lo está promoviendo y viviendo o no. La conclusión es que las ovejas siguen al pastor. Las acciones hablan mucho más fuerte que las palabras, y esto es especialmente cierto en el ministerio basado en células.

Animo a los líderes principales a crecer en su conocimiento del ministerio celular leyendo la literatura, visitando las iglesias celulares y participando en la batalla. Siempre me impresiona cuando un pastor principal realmente dirige un grupo celular, o al menos ha dirigido “recientemente” un grupo celular. Este hecho grita a los que le rodean que el pastor principal está luchando con los mismos problemas. Está aprendiendo y creciendo en el ministerio celular.

2.    Definición clara de una célula

La fuerza de la iglesia celular reside en la calidad de la célula. Puesto que la célula es la joya de la corona de la iglesia celular, debe evitarse a toda costa diluir la célula al mínimo denominador. Aunque existe una gran flexibilidad en cuanto a la homogeneidad, el material de las lecciones, el orden de la célula, el lugar de la reunión celular y el grado de participación, es sumamente importante mantener el control de calidad de los siguientes aspectos:

  • Regularidad (las reuniones celulares semanales son la norma en todas las iglesias celulares del mundo y esto debe mantenerse)
  • Penetración (las células se reúnen fuera del edificio de la iglesia para penetrar en el mundo en el que viven, se mueven y respiran)
  • Evangelización (debe darse prioridad a la evangelización)
  • Comunidad (la gente se muere por relacionarse y las células ofrecen relaciones estrechas)
  • Crecimiento espiritual (los grupos celulares ofrecen atención pastoral y crecimiento espiritual a los asistentes)
  • Hacer discípulos que resulten en multiplicación (la meta de la célula debe ser hacer discípulos que hagan otros discípulos)

Etiquetar a los grupos celulares como todo lo que es pequeño y un grupo baja la calidad de la célula y en última instancia la calidad de toda la iglesia celular. Llamar célula a todo en nombre de la creatividad es como si un pastor animara a los miembros a hacer lo que quieran e ir a donde quieran para la celebración del domingo, en lugar de venir al servicio semanal de celebración de la iglesia.

3.   Hacer de las células la base de la iglesia

Hacer de las células la base de la iglesia significa no permitir que otros programas dominen el horario de la iglesia. Aunque muchas iglesias celulares tienen otros ministerios, piden a los que están involucrados en esos ministerios adicionales que participen activamente en las células. De esta manera, las células siguen siendo la base de la iglesia.

El crecimiento de la infraestructura celular es la prioridad número uno en la iglesia celular. El crecimiento de la asistencia dominical es el resultado del crecimiento de la infraestructura celular: hacer discípulos que hagan discípulos.

Fed Up with Churchianity: Ralph Neighbour’s Journey into the Cell Church, pt 2

By Joel Comiskey, 2000 Year of Small Groups

One significant person impacted by Neighbour was a young Baptist seminary student named Lawrence Khong from Singapore, who became involved in the Houston church. He returned to Singapore in the mid-’80s to pastor a growing church. He was unexpectedly baptized in the Holy Spirit and spoke in tongues.  Baffled by this encounter he experienced in his private time with the Lord, he shared it with his deacons. Little did he realize that this revelation to his leadership would spell the end of his ministry in a church with traditional Baptist doctrine. He then launched a new church called Faith Community Baptist Church (FCBC) in 1988.

Khong, recognizing the value of Neighbour’s guidance, invited him to help implement an integrated cell methodology in his church. Neighbour, initially dividing his time between Texas and Singapore, eventually relocated to Singapore in 1990 to become the associate pastor at FCBC. The combination of Khong’s exceptional leadership and Neighbour’s cell strategy led to significant growth in the church, from six hundred to five thousand in attendance with five hundred cell groups between 1988 and Neighbour’s return to Houston in 1997.  FCBC served as an ideal platform for Neighbour to refine his cell strategy and material, becoming an exemplary cell church with a model cell church strategy.

Neighbour and Khong were not content with the growth of their own church; they were determined to share their successful cell strategy with the world. They organized annual international conferences on the cell church, which drew hundreds and then thousands of pastors, missionaries, and leaders from all over the world. Neighbour’s book, ‘Where Do We Go from Here? A Guidebook for the Cell Group Church ‘, published in 1990, was a game-changer. It ignited the cell movement in many countries, including the United States, Canada, Australia, and South Africa, significantly accelerating the growth of the movement.

Where Do We Go from Here had a powerful impact. It combined the biblical base for cell ministry, a principle-based analysis of cell churches, and examples of many growing worldwide cell churches. Granted, it was a very idealistic book and was thought to provide little hope for churches to transition to cell ministry in North America. Yet, it stirred the imaginations of those who longed for change and started a movement in North America.

In 1991, Neighbour launched Cell Church magazine from his publishing ministry in Houston. This magazine became a unifying voice of the movement. TOUCH Outreach Ministries, the publishing and seminar ministry founded by Neighbour and based in Houston, Texas, and Lawrence Khong’s Touch Ministries International in Singapore were international heralds for the cell movement. Through his practical books and magazine, the prolific, visionary Neighbor gave wind to the movement at a time when an increasing number of pastors and church leaders were becoming disillusioned with the traditional church structure.

In 1994, the political foundations of South Africa were crumbling as apartheid was being dismantled and a new multi-racial government was being formed. Amid this upheaval, there was a new spiritual openness in the country. As political structures were radically altered, pastors and churches were also looking for new ecclesiastical patterns. At the invitation of Pastor Martin Hopkins of Newcastle, Natal, Dr. Neighbour led three introductory cell church conferences in May 1994 in Pretoria, Newcastle, and Mossel Bay.

These conferences created intense interest in the cell model. In mid-1994, about one hundred and twenty South African pastors came to Singapore to learn from Neighbour at Faith Community Baptist Church. In response to this specially planned training seminar, Neighbour was invited to go to South Africa to give in-depth teaching in cell church methodology. He developed a four-week course with one week being taught each quarter. This training, entitled “The Year of Transition,” was launched in October 1994 in South Africa and would be taught to thousands of pastors over the next two years. Churches implementing cell groups in South Africa shared their learning. They helped further disseminate cell methodology to churches in the nearby countries of Lesotho, Botswana, Malawi, and Zimbabwe, as well as countries far away, including Ukraine and the United States.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Não aguento mais o “Igrejismo”: Como fazer das células a base da Igreja – Parte 2
Joel Comiskey, 2000 Year of Small Groups

Uma pessoa muito significativa que foi impactada por Neighbour foi um jovem de Singapura, chamado Lawrence Khong, estudante em um seminário batista, que veio a se envolver no trabalho da igreja em Houston. Ele retornou à Singapura em meados dos anos 80, para pastorear uma igreja que estava crescendo. Sem que ele esperasse por isso, ele foi batizado com o Espírito Santo e passou a falar em línguas. Confuso com este encontro que ele experimentou em seu momento pessoal com o Senhor, compartilhou sobre o evento com seus diáconos. Mal sabia ele que esta revelação à sua liderança significaria o fim do seu ministério com a doutrina Batista tradicional. Ele então fundou uma nova igreja chamada Igreja Batista Comunidade da Fé (Faith Community Baptist Church – FCBC), em 1988.

Reconhecendo o valor da liderança de Neighbour, Khong o convidou para ajuda-lo a implementar uma metodologia integrada de células em sua igreja. Inicialmente Neighbor dividiu seu tempo entre Texas e Singapura, mas com o tempo acabou se mudando para Singapura em 1990 para se tornar pastor na FCBC. A combinação da liderança excepcional de Khong com a estratégia celular de Neighbour levou a um crescimento significativo daquela igreja, de 600 para 5000 pessoas, com 500 células entre o ano de 1988 e o retorno de Neighbour a Houston em 1997. A FCBC funcionou com a plataforma ideal para que Neighbour refinasse sua estratégia celular e seus materiais, tornando-se um exemplo de igreja em células e modelo de estratégia celular.

Neighbour e Khong não ficaram satisfeitos com o crescimento de sua igreja; eles estavam determinados a compartilhar sua estratégia celular bem-sucedida com o mundo. Eles organizaram conferências internacionais anuais em sua igreja, que atraía centenas e depois disso milhares de pastores, missionários e líderes de todo o mundo. O livro de Neighbour, intitulado “Where Do We Go from Here? Um manual para a igreja em células”, publicado em 1990 foi uma peça chave em todo o processo. A publicação acendeu a centelha do movimento celular em muitos países, incluindo os Estados Unidos, Canadá, Austrália e África do Sul, acelerando significativamente o crescimento do movimento.

O livro “Where Do We Go from Here?” causou um profundo impacto. Ele combinava a base bíblica para o ministério em células, uma análise das igrejas em células baseada em princípios e exemplos de muitas igrejas em células ao redor do mundo que estavam crescendo. Entretanto, era um livro muito idealista e a impressão era de que fornecia pouca esperança para que as igrejas na América do Norte fizessem a transição para o ministério em células. Ainda assim, mexeu bastante com a imaginação daquelas pessoas que ansiavam por mudanças e efetivamente iniciou um movimento na América do Norte.

Em 1991, Neighbour lançou uma revista sobre a Igreja em Célula através de sua editora em Houston. Esta revista se tornou uma voz unificadora do movimento. O ministério “TOUCH Outreach”, composto do seminário e da editora fundados por Neighbour com sede em Houston, no estado americano do Texas e o Ministério Touch liderado por Khong em Singapura tornaram-se os locutores internacionais no movimento celular. Através de seus livros objetivos e da sua revista, o prolífico e visionário Neighbour deu corda no movimento, em um momento em que um número cada vez maior de pastores e líderes estavam desiludidos com a estrutura tradicional da igreja.

Em 1994 os alicerces políticos da África do Sul estavam desabando enquanto o apartheid estava sendo desmantelado e um novo governo multirracial estava sendo formado. Em meio a tudo isso, havia uma abertura espiritual no país. Com a alteração radical das estruturas políticas, pastores e igrejas também estavam à procura de novos padrões eclesiásticos. Dr. Neighbour foi convidado pelo Pastor Martin Hopkins para liderar três conferências iniciais em maio de 1998, em Pretória, Newcastle e Mossel Bay.

Estas conferências criaram um intense interesse no modelo celular. Em meados de 1933, aproximadamente cento e vinte pastores da África do Sul vieram à Singapura para aprender com Neighbour na Igreja Batista Comunidade da Fé (Faith Community Baptist Church – FCBC). Em resposta a este seminário especial de treinamento, Neighbour foi convidado a ir à África do Sul para ministrar um treinamento aprofundado na metodologia celular. Ele desenvolveu um curso de quatro semanas em que cada uma das quatro partes era ministrada a cada três meses. Este treinamento era chamado “O Ano da Transição” e foi lançado em outubro de 1994 na África do Sul e seria ministrado a milhares de pastores ao longo dos próximos dois anos. As igrejas que estavam implementando suas células na África do Sul compartilharam seu aprendizado. Elas ajudaram a disseminar ainda mais a metodologia celular para igrejas em países vizinhos, como Lesoto, Botswana, Malawi e Zimbabwe e também a países mais distantes, como a Ucrânia e os Estados Unidos.

Spanish blog:

Cansado del Iglesianismo: La Jornada de Ralph Neighbour, part 2
Por Joel Comiskey, 2000 Años de Grupos Pequeños

Una significativa persona impactada por Neighbour fue un joven estudiante de un seminario bautista llamado Lawrence Khong de Singapur, quien se involucró en la iglesia de Houston. Regresó a Singapur a mediados de los años 80 a pastorear una iglesia en crecimiento, y fue bautizado de forma inesperada por el Espíritu Santo y habló en lenguas. Desconcertado por este encuentro que él experimentó en la intimidad de su propio tiempo con el Señor, él decidió compartir esa experiencia con sus diáconos. En ese momento, no se dio cuenta que esta revelación a sus líderes sería el fin de su ministerio en una iglesia con doctrina bautista tradicional. Luego inició una nueva iglesia llamada Faith Community Baptist Church (Iglesia Bautista de la Comunidad de Fe, o FCBC por sus siglas en inglés) en 1988.

Khong le pidió a Neighbour que le guiara a él y a su iglesia a una metodología celular integrada. Al principio Neighbour hizo esto dividiendo su tiempo entre Texas y Singapur, pero en 1990 se trasladó a Singapur para convertirse en el pastor asociado de la FCBC. La combinación de un excepcional pastor general increíblemente talentoso para hablar y en el liderazgo y la estrategia celular dirigida por Neighbour permitió a la iglesia crecer de 600 a 5000 miembros con quinientos grupos celulares entre 1988 y el regreso de Neighbour a Houston en 1997. La  FCBC fue una plataforma ideal para Neighbour porque le permitió perfeccionar su estrategia celular y su material. La FCBC se convirtió en una iglesia celular ejemplar con una estrategia de la iglesia celular modelo.

Neighbour y Khong compartieron con mucho  entusiasmo  la estrategia celular a través de las conferencias internacionales anuales sobre la iglesia celular que primero atrajo a cientos y luego a miles de pastores, misioneros y líderes de todo el mundo. El manifiesto de la iglesia celular de Neighbour, Y desde Aquí, ¿Hacia Dónde Vamos? Una Guía para la Iglesia de Grupos Celulares, publicado en 1990, avivó las llamas del movimiento celular en muchos países, incluyendo Estados Unidos, Canadá, Australia y Sudáfrica. Este libro aceleró enormemente el movimiento celular en estos países y más allá

Y desde Aquí, ¿Hacia Dónde Vamos?  Tuvo un fuerte impacto, ya que combina la base bíblica para el ministerio celular, un análisis basado en el principio de las iglesias celulares, y ejemplos de muchas iglesias celulares en crecimiento en todo el mundo. Es verdad que fue un libro muy idealista, y se piensa que brinda pocas esperanzas a las iglesias que hacen la transición al ministerio celular en Norteamérica. Sin embargo, estimuló la imaginación de aquellos que anhelaban el cambio y comenzó un movimiento en Norteamérica.

En 1991, Neighbour lanzó la revista Cell Church (Iglesia Celular) de su ministerio de publicaciones en Houston. Esta revista se convirtió en una voz unificadora del movimiento. TOUCH Outreach Ministries (Ministerio de Alcance TOQUE), el ministerio de publicaciones y seminarios fundado por Neighbour y con sede en Houston, Texas, y Touch Ministries Internacional (Ministerios Toque Internacional) de Lawrence Khong en Singapur eran heraldos internacionales para el movimiento celular. El visionario y prolífico Neighbour a través de sus libros prácticos y de la revista, dio viento al movimiento en un momento en que un número cada vez mayor de pastores y líderes de la iglesia se estaban desilusionando con la estructura tradicional de la iglesia.

En 1994, los cimientos políticos del país de Sudáfrica se desmoronaban a medida que la segregación racial estaba siendo desmantelada y se estaba formando un nuevo gobierno multirracial. En medio de esta agitación había una nueva apertura espiritual en el país. A medida que las estructuras políticas estaban siendo alteradas radicalmente, pastores e iglesias también estaban buscando nuevos patrones eclesiásticos. Por invitación del pastor Martin Hopkins de Newcastle, Natal, el Dr. Neighbour dio tres conferencias introductorias de la iglesia celular en mayo de 1994 en Pretoria, Newcastle, y en Mossel Bay.

Estas conferencias crearon un gran interés por el modelo celular y, a mediados de 1994 aproximadamente ciento veinte pastores de Sudáfrica llegaron a Singapur para aprender de Neighbour en la iglesia Faith Community Baptist Church (Iglesia Bautista de la Comunidad de Fe). En respuesta a este seminario de capacitación especialmente planeado, Neighbour fue invitado a ir a Sudáfrica para enseñar a fondo la metodología de la iglesia celular. Él desarrolló un curso de cuatro semanas en el que se enseñaba una semana por trimestre. Esta capacitación titulada “El Año de Transición” se puso en marcha en octubre de 1994 en Sudáfrica y en los próximos dos años se enseñó a miles de pastores. Iglesias que estaban implementando los  grupos celulares en Sudáfrica compartieron su aprendizaje y ayudaron a difundir aún más la metodología celular  a  iglesias de  países vecinos como Lesoto, Botsuana, Malawi, Zimbabue, así como a países lejanos, incluyendo Ucrania y los Estados Unidos.

El entrenamiento de The Year of Transition (El Año de Transición, TYOT por sus siglas en inglés) y su sucesor titulado Advanced Cell Training (Entrenamiento Celular Avanzado, ACT  por sus siglas en inglés) fueron enseñados por TOUCH (TOQUE) y sus ministerios internacionales afiliados en muchos países, incluidos los Estados Unidos, Rusia, Brasil, las Filipinas, El Salvador, Canadá y Australia . TYOT se puso en marcha en 1999 y en 2000 en Inglaterra y Alemania. La Regent University of Virginia Beach (Universidad Regent de Virginia Beach), Virginia, en 1996 se convirtió en el primer seminario que ofrece Maestría y Doctorado en Ministerio con una especialización en el ministerio celular. El núcleo de sus cursos de ministerio celular fue el plan de estudios celulares TYOT y ACT desarrollado por TOUCH (TOQUE).

Fed Up with Churchianity: Ralph Neighbour’s Journey into the Cell Church, pt 1

By Joel Comiskey, 2000 Year of Small Groups

Although Cho inspired many of the largest cell churches in the world, the individual who has pioneered cell-based ministry in the U.S. is Ralph Neighbour. In 2024, he turned ninety-five while continuing his cell church leadership. His zeal and cell passion are captured in the following quote,

. . . the cell is the church, and the church is the cell. It is the basic building block of the larger community called “local church.” There must be no competition with it—none at all. Everything in the city-wide structure must exist for the cells, be operated by the cells, and must strengthen the life of the cells. As in the human body, the life of the church is in the cells. Are people to be reached for Christ? It is done through cells. Are people to be built up in Him? It is to be done through cells (Where Do We Go From Here, 68-69)

At a time when Cho was just beginning to refine and grow his cell methodology in 1965, Ralph Neighbour was already seeking a biblical church structure. He was dissatisfied with the prevalent programmed-based churches and their focus on self-needs, while neglecting the unchurched. He expressed his frustration, ‘When I turned thirty-six, I was absolutely, completely disgusted with traditional church structures that catered to self-needs and ignored the unchurched.’

Ralph Neighbour’s journey in the church was marked by a diverse range of experiences. He was raised as a pastor’s child, worked for the Billy Graham organization during its formative years, planted twenty-three churches in southern Pennsylvania, and served as an evangelism consultant for the Texas Baptist Convention for five years. This rich and varied background undoubtedly shaped his perspective on the church and its ministry.

During these years, Neighbour had become increasingly disillusioned with churches structured for maintenance rather than mission. At forty years old, Neighbour left the comfort of his denominational job to spearhead “an experimental church” in rapidly growing west Houston. He writes,

In 1969, a non-traditional church in Houston was formed with 38 courageous pioneers. We called ourselves “The People Who Care,” and became a “Parable Church.” Without knowing what we were doing, we stumbled into patterns that were being used by other cell group churches we didn’t know existed (Where Do We Go from Here, 89)

Neighbour stumbled onto this model as a pioneer and eventually became its chief spokesman. More on Neighbour’s journey in the next blog.

Korean blog (click here)

 Portuguese blog:

Não aguento mais o “Igrejismo”: Como fazer das células a base da Igreja – Parte 1

Joel Comiskey, 2000 Year of Small Groups

O Pastor Cho foi a inspiração de muitas das maiores igrejas do mundo, mas o pioneiro do Ministério em Células nos Estados Unidos é Ralph Neighbour. Em 2024 ele completou 95 anos de idade e ainda continua sua liderança nas Igrejas em Células. Seu zelo e paixão pelas células podem ser percebidas neste trecho transcrito do livro Where Do We Go From Here:

… a célula é a igreja e a igreja é a célula. A célula é o tijolo que constrói uma comunidade conhecida como “Igreja Local”. Não pode haver qualquer tipo de competição, absolutamente nenhuma. Tudo na estrutura que existir em uma determinada cidade deve existir por causa das células, ser operado pelas células e deve servir para fortalecer a vida nas células. Assim como acontece no corpo humano, a vida da igreja está nas células. Há pessoas a alcançar para Cristo? Isso é feito através das células. Há pessoas a treinar e levar ao crescimento em Cristo? Isso deve ser feito através das células. (Tradução livre do Livro “Where Do We Go From Here, páginas 68-69)

Quando Cho estava apenas começando a refinar e dar crescimento à sua metodologia em células, em 1965, Ralph Neighbour já estava buscando uma estrutura para a igreja na Bíblia. Ele estava insatisfeito com a prevalência de igrejas baseadas em programas e o seu foco nas necessidades internas, enquanto as pessoas que não estavam na igreja eram esquecidas. Ele expressou assim a sua frustração: “Quando eu completei 36 anos, eu estava completamente desgostoso com as estruturas tradicionais das igrejas que se voltavam para as suas necessidades internas ignoravam as pessoas que não faziam parte da igreja”.

A caminhada de Ralph Neighbour na igreja foi marcada por uma diversidade de experiências. Ele cresceu como filho de um pastor, trabalhou na Organização Billy Graham em seus anos de formação, plantou vinte e três igrejas no sul do estado da Pensilvânia e trabalhou por cinco anos como consultor de evangelismo para a Convenção Batista do Texas. Este conjunto rico e variado de experiências moldou sua perspectiva da Igreja e seu ministério. 

Durante estes anos, Neighbour ficou cada vez mais desiludido com as igrejas estruturadas para sua própria manutenção do que para a missão. Aos quarenta anos, Neighbour deixou o conforto de seu emprego denominacional para liderar uma “igreja experimental” na parte oeste de Houston, que experimentava um rápido crescimento. Ele descreve a experiência desta maneira:

Em 1969, 38 pioneiros corajosos formaram uma Igreja não tradicional. Nós nos denominávamos “Gente que se importa”, e nos tornamos uma “Igreja de Parábolas”. Sem saber o que estávamos fazendo, acabamos esbarrando com padrões que já estavam sendo utilizado por outras igrejas em células que nem sabíamos que existiam. Tradução livre do Livro “Where Do We Go From Here, página 89)

Neighbour esbarrou neste modelo como um pioneiro e eventualmente tornou-se seu principal porta-voz. Continuaremos a falar sobre a caminhada de Neighbour em nosso próximo blog.

Spanish blog:

Cansado del Iglesianismo: La Jornada de Ralph Neighbour, part 1

Por Joel Comiskey, 2000 Años de Grupos Pequeños

Aunque Cho inspiró muchas de las más grandes iglesias celulares en el mundo, el individuo que ha sido el pionero en el ministerio basado en células en los EE.UU. es Ralph Neighbour. En 2014, a sus ochenta y cinco años, continúa con su liderazgo de la iglesia celular en los EE.UU. y en todo el mundo. Su entusiasmo y su pasión por las células afloran en la siguiente cita,

. . .la célula es la iglesia, y la iglesia es la célula. Es el componente básico de la comunidad más grande llamada “iglesia local”. No debe haber competencia con ella, ninguna en absoluto. Todo en la estructura, por completo, debe existir para las células, ser operado por las células, y debe fortalecer la vida de las células. Al igual que en el cuerpo humano, la vida de la iglesia se encuentra en las células. ¿Deben ser  las personas alcanzadas para Cristo? Se realiza a través de las células. ¿Deben las personas ser edificadas en Él? Es hecho a través de las células (Where Do We Go from Here (Y desde Aquí, ¿Hacia Dónde Vamos?) pp. 68-69)

A medida que Cho comenzaba a mejorar y a aumentar su metodología celular en 1965, Ralph Neighbour estaba buscando una estructura bíblica de la iglesia, en lugar de las iglesias basadas en programas que había en toda la región. Él escribió: “Cuando cumplí treinta y seis años yo estaba absolutamente, completamente disgustado con las estructuras tradicionales de la iglesia que abastecían la auto-necesidad e ignoraban a los no creyentes”. Neighbour ya había trabajado con las iglesias en una amplia diversidad de escenarios. Creció como hijo de un pastor, había trabajado para la organización de Billy Graham en su infancia, fundó veintitrés iglesias en el sur de Pennsylvania, y había actuado como consultor evangélico durante cinco años para la Texas Baptist Convention (Convención Bautista de Texas.)

Durante estos años, Neighbour se había desilusionado cada vez más y más con las iglesias estructuradas para su mantenimiento en lugar de para la misión. A los cuarenta años de edad, Neighbour dejó la comodidad de su trabajo denominacional para liderar “una iglesia experimental” en rápido crecimiento al oeste de Houston. Él escribe:

En 1969, se formó una iglesia no tradicional en Houston con 38 valientes pioneros. Nos llamábamos “La Gente que Se Interesa”, y se convirtió en una “Iglesia de Parábola”. Sin saber lo que estábamos haciendo, nos tropezamos con patrones que estaban siendo utilizados por otras iglesias de grupos celulares que no sabíamos que existían.

Neighbour se topó con este modelo como un pionero y, finalmente, se convirtió en su principal portavoz.

Aquila and Priscilla Visiting the Church Today

By Bill Beckham, Where Are We Now

Imagine Aquila and Priscilla making their way from Rome. Instead of arriving at Corinth in the 1st Century, they arrive at your church at the beginning of the 21st Century. What would they think if they visited a typical traditional church for one week?

Visiting a Traditional Church Today

It would probably be a greater shock to them than we can imagine. Granted, there would be some common ground. They would identify with the use of the Bible, although they did not have the New Testament as we know it during their lifetime. The theology would be much the same. The focus on Christ as the Redeemer would be familiar. Their ears would perk up when they heard words like grace and salvation.

However, in all likelihood, they would be totally lost in the church of today. Programs such as Sunday School and choirs would be outside their frame of reference. Professional leaders would be a strange addition to the gifted and charismatic leaders given to the church of their day.

Visiting a Cell Church Today

Now suppose Aquila and Priscilla visit a Cell Church. What will be their reaction? Though in a different culture and different times, I believe they will fit right into Cell Church life. They will understand what is happening, not because the Christians in the Cell Church are more spiritual than those in the traditional church but because they see the same New Testament design.

Even though the large gathered meeting has some of the same props as the traditional church of pews and buildings, the same celebration spirit would be present as in the New Testament. The focus of worship upward to God will touch their hearts just as when they met from time to time with the “whole” church in Rome or Corinth or Ephesus.

But it will be the small group of Christians meeting in a living room that is most familiar. From the time they walk in, they will be at home. The warm feeling of family, encountering Christ in the midst of the group, confession and prayer for healing and deliverance, the written and remembered Word being applied by Christ the Living Word, the operation of the gifts, edification and building up of the body by Christ would all be familiar.

So also will be the intense prayer for lost friends and neighbors and the reports of the dynamic work of Christ in their lives. Sharing together with the children and younger members of the families will make them feel right at home. The servant leader facilitating and not teaching will be just like they did it in the church in their home. Everyone having a psalm, a hymn, a word, a tongue, an interpretation and fellowship around the table of refreshments or a meal will be like their own experiences.

What “word” will Aquila and Priscilla have for the group in the 21st Century Cell Church? How will Christ minister through them to the group? What gifts will Christ use in their lives to edify the group?

I would love to be in a small group with Aquila and Priscilla! Maybe we will get the chance in heaven to do just that.

Korean blog (Click here)

Portuguese blog:

Áquila e Priscila Visitando a Igreja Hoje
Por Bill Beckham,  Where Are We Now

Imagine Áquila e Priscila saindo de Roma e em vez de chegarem a Corinto no século I, chegam à sua igreja no início do século XXI. O que pensariam se viessem visitar uma típica igreja tradicional durante uma semana?

Visitando uma igreja tradicional hoje

Provavelmente seria um choque maior para eles do que podemos imaginar. É verdade que haveria algum ponto em comum. Eles se identificariam com o uso da Bíblia, embora não tivessem o Novo Testamento como o conhecemos durante a suas vidas. A teologia seria praticamente a mesma. O foco em Cristo como o Redentor seria familiar. Seus ouvidos se animariam quando ouvissem palavras como graça e salvação.

Contudo, com toda a probabilidade eles estariam totalmente perdidos na igreja de hoje. Programas como a Escola Dominical e os corais estariam fora do seu quadro de referência. Os líderes profissionais seriam uma estranha adição aos líderes talentosos e carismáticos dados à igreja dos seus dias.

Visitando uma Igreja em Células Hoje

Agora suponha que Áquila e Priscila visitem uma Igreja em Células. Qual será a reação deles? Embora estejam em uma cultura e época diferentes, acredito que eles se encaixarão perfeitamente na vida da Igreja em Células. Eles entenderão o que está acontecendo, não porque os cristãos da Igreja em Células sejam mais espirituais do que os da igreja tradicional, mas porque veem o mesmo projeto do Novo Testamento.

Embora a grande reunião tenha alguns dos mesmos adereços da igreja tradicional de bancos e edifícios, o mesmo espírito de celebração estaria presente como no Novo Testamento. O foco da adoração a Deus tocará seus corações assim como quando eles se reuniam de tempos em tempos com a igreja “inteira” em Roma, Corinto ou Éfeso.

Contudo será o pequeno grupo de cristãos reunidos numa sala de estar que será mais familiar. A partir do momento em que entrarem, estarão em casa. O sentimento caloroso de família, o encontro com Cristo no meio do grupo, a confissão e oração pela cura e libertação, a Palavra escrita e lembrada sendo aplicada por Cristo a Palavra Viva, a operação dos dons, a edificação e desenvolvimento do corpo por Cristo seria tudo familiar.

O mesmo acontecerá também com a intensa oração pelos amigos e vizinhos perdidos e os relatos da obra dinâmica de Cristo nas suas vidas. Compartilhar com as crianças e os membros mais jovens das famílias fará com que se sintam em casa. O líder servo facilitando e não ensinando será exatamente como fez na igreja em sua casa. Todos que têm um salmo, um hino, uma palavra, uma língua, uma interpretação e comunhão ao redor da mesa de refrescos ou de uma refeição serão como suas próprias experiências.

Que “palavra” Áquila e Priscila terão para o grupo da Igreja em Células do Século XXI? Como Cristo ministrará através deles ao grupo? Que dons Cristo usará em suas vidas para edificar o grupo?

Eu adoraria estar em um pequeno grupo com Áquila e Priscila! Talvez tenhamos a chance no céu de fazer exatamente isso.

Spanish blog:

Aquila y Priscila visitan la Iglesia hoy
Por Bill Beckham, Dónde estamos ahora

Imagina que Aquila y Priscila vienen de Roma y, en lugar de llegar a Corinto en el siglo I, llegan a tu iglesia a principios del siglo XXI. ¿Qué pensarían si vinieran y visitaran una iglesia tradicional típica durante una semana?

Visitar una iglesia tradicional hoy

Probablemente les chocaría más de lo que podemos imaginar. Es cierto que habría algunos puntos en común. Se identificarían con el uso de la Biblia, aunque no tuvieran el Nuevo Testamento tal como lo conocemos durante su vida. La teología sería muy parecida, el enfoque en Cristo como Redentor les resultaría familiar. Sus oídos se agudizarían al oír palabras como gracia y salvación.

Sin embargo, con toda probabilidad estarían totalmente perdidos en la iglesia de hoy. Programas como la Escuela Dominical y los coros estarían fuera de su marco de referencia. Los líderes profesionales serían una extraña adición a los líderes dotados y carismáticos dados a la iglesia de sus días.

Visitar una Iglesia Celular Hoy

Ahora supongamos que Aquila y Priscila visitan una Iglesia Celular. ¿Cuál sería su reacción? Aunque en una cultura diferente y en un tiempo diferente, creo que encajarán perfectamente en la vida de la Iglesia Celular. Entenderán lo que está sucediendo, no porque los cristianos de la Iglesia Celular sean más espirituales que los de la iglesia tradicional, sino porque ven el mismo diseño del Nuevo Testamento.

Aunque la gran reunión tenga algunos de los mismos accesorios que la iglesia tradicional de bancas y edificios, el mismo espíritu de celebración estará presente como en el Nuevo Testamento. El enfoque de la adoración hacia Dios tocará sus corazones igual que cuando se reunían de vez en cuando con la iglesia “entera” en Roma o Corinto o Éfeso.

Pero será el pequeño grupo de cristianos reunidos en un salón lo que les resulte más familiar. Desde el momento en que entren, se sentirán como en casa. El cálido sentimiento de familia, el encuentro con Cristo en medio del grupo, la confesión y la oración por sanidad y liberación, la Palabra escrita y recordada siendo aplicada por Cristo la Palabra Viva, la operación de los dones, la edificación y la construcción del cuerpo por Cristo, todo será familiar.

También lo será la intensa oración por los amigos y vecinos perdidos y los informes de la obra dinámica de Cristo en sus vidas. Compartir con los niños y los miembros más jóvenes de las familias hará que se sientan como en casa. El líder siervo facilitando y no enseñando será como lo hacían en la iglesia en su casa. Todos teniendo un salmo, un himno, una palabra, una lengua, una interpretación y comunión alrededor de la mesa de refrescos o una comida será como sus propias experiencias.

¿Qué “palabra” tendrán Aquila y Priscila para el grupo de la Iglesia Celular del siglo XXI? ¿Cómo ministrará Cristo a través de ellos al grupo? ¿Qué dones usará Cristo en sus vidas para edificar al grupo?

Me encantaría estar en un grupo pequeño con Aquila y Priscila. Tal vez en el cielo tengamos la oportunidad de hacerlo.