Come Over for Some Strawberries

By Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Yesterday we were invited to go over to a friend’s home for a mid afternoon lunch. When we arrived, we were treated to fresh strawberries that we picked off of their vines. This couple has a beautiful garden in their back yard complete with numerous vegetables and a waterfall with a pond. The fresh strawberries were delicious.

Soon, another couple showed up and they too enjoyed the fresh strawberries. Later we sat down for barbecued chicken and carne asada (marinated beef strips made into tacos). Neither of these couples is regularly attending any church or home groups. There was a lot of discussion at the table about the Bible, ministry in the community and concerns about the teachings of Christ. For me, it was another reminder of the value of relationships and how we minister to people through our sphere of influence (our Oikos).

In Romans 16:3-15 Paul greets several Christians meeting in house churches. The word used to describe these “churches” is the Greek word “Oikos.” Jesus went to eat at Zacchaeus’ house and said that salvation had come to the Oikos. Interestingly, it was a house that was full of tax collectors and sinners. Peter is sent to minister to the Gentile household of Cornelius and the early church is described as ministering “Day after day, in the temple courts and from house to house, they never stopped teaching and proclaiming the good news that Jesus is the Messiah” (Acts 5:42).

Most people who read this blog understand the significance of ministering to the people in your Oikos. In the days of the early church, people had extended family, servants and neighbors coming together for meals and fellowship. Today, these people are those who are in your sphere of influence. Think of the conversations that take place in your home when you sit down for a meal together or just gather for dessert and some fun.

Do a study of all the words that come out of this root word for house or home. We have a responsibility to edify and build one another up; the word comes from oikos. Leaders are supposed to manage God’s household. Wise people “build” their house on a rock. Even our word economy comes from this root word and the word for stewardship.

Today an Oikos is the people who are part of our world our sphere of influence, the people we see and interact with for at least one hour a week. They may be family members, school friends, co-workers, fellow church members, neighbors, or store clerks we see regularly.

Inviting people to come to something is never a substitute for building relationships. New Testament evangelism is always more about going into their world than bringing them into ours.

Most unbelievers became Christians because someone just knew, related to, prayed for, loved, modeled, and shared with them.

Let God do the work of conviction. You have fun being a friend. Friends share what is important to them with their friends. Friends invite friends into their homes.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Venha Comer Alguns Morangos

Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Ontem fomos convidados a ir à casa de um amigo para um almoço no meio da tarde. Quando chegamos, fomos tratados com morangos frescos que colhemos do pé. Este casal tem um belo jardim em seu quintal completo com inúmeros vegetais e uma cachoeira com um lago. Os morangos frescos estavam deliciosos.

Logo outro casal apareceu e eles também gostaram dos morangos frescos. Depois nós sentamos para comer galinha e carne assada (tiras de carne de boi marinada feita em tacos). Nenhum desses casais frequenta regularmente uma igreja ou grupos domésticos. Houve muita discussão na mesa sobre a Bíblia, ministério na comunidade e preocupações sobre os ensinamentos de Cristo. Para mim, foi outro lembrete do valor dos relacionamentos e como ministramos às pessoas através de nossa esfera de influência (nossa Oikos).

Em Romanos 16:3-15, Paulo saúda vários cristãos reunidos em igrejas domésticas. A palavra usada para descrever essas “igrejas” é a palavra grega “Oikos”. Jesus foi comer na casa de Zaqueu e disse que a salvação havia chegado ao Oikos. Curiosamente, era uma casa cheia de coletores de impostos e pecadores. Pedro é enviado para ministrar à família gentia de Cornélio e a Igreja Primitiva é descrita como ministrando “Dia após dia, nos pátios do templo e de casa em casa, não deixavam de ensinar e proclamar as boas novas de que Jesus é o Messias” (Atos 5:42).

A maioria das pessoas que leem este blog entendem o significado de ministrar às pessoas em seus Oikos. Nos dias da Igreja Primitiva, as pessoas tinham parentes, servos e vizinhos reunidos para refeições e comunhão. Hoje, essas pessoas são aquelas que estão em sua esfera de influência. Pense nas conversas que acontecem em sua casa quando vocês se sentam para uma refeição ou apenas se reúnem para a sobremesa e um pouco de diversão.

Faça um estudo de todas as palavras que saem dessa palavra raiz para “casa” ou “lar”. Temos a responsabilidade de edificar e construir uns aos outros; essa palavra vem de oikos. Os líderes devem administrar a casa de Deus. Pessoas sábias “constroem” sua casa em uma rocha. Até mesmo a palavra “economia” vem dessa palavra raiz e da palavra “mordomia”.

Hoje, um Oikos é o povo que faz parte do nosso mundo, nossa esfera de influência, as pessoas que vemos e com quem interagimos por pelo menos uma hora por semana. Elas podem ser membros da família, amigos da escola, colegas de trabalho, membros da igreja, vizinhos ou funcionários que vemos regularmente.

Convidar as pessoas para algo nunca é um substituto para construir relacionamentos. O evangelismo do Novo Testamento é sempre mais relacionado a entrar em seu mundo do que trazê-las para o nosso.

Muitos incrédulos se tornaram cristãos porque alguém lhes conhecia, se relacionava, orava, amava, dava exemplo e compartilhava com eles.

Deixe Deus fazer o trabalho da convicção. Cabe a você se divertir sendo um amigo. Os amigos compartilham o que é importante para eles com seus amigos. Amigos convidam amigos para suas casas.

Spanish blog:

Ven por unas fresas

Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Ayer nos invitaron a ir a la casa de un amigo para almorzar a media tarde. Cuando llegamos, nos trataron con fresas frescas que arrancamos de sus viñas. Esta pareja tiene un hermoso jardín en su patio trasero completo con numerosos vegetales y una cascada con un estanque. Las fresas frescas estaban deliciosas.

Pronto, otra pareja apareció y ellos también disfrutaron de las frescas fresas . Más tarde nos sentamos para el pollo asado y la carne asada (tiras de ternera marinadas, servidas en tacos). Ninguna de estas parejas asiste regularmente a ninguna iglesia o célula familiar. Hubo mucha discusión en la mesa sobre la Biblia, el ministerio en la comunidad y las preocupaciones sobre las enseñanzas de Cristo. Para mí, fue otro recordatorio del valor de las relaciones y de cómo ministramos a las personas a través de nuestra esfera de influencia (nuestro Oikos).

En Romanos 16: 3-15, Pablo saluda a varios cristianos que se reúnen en iglesias en casas. La palabra usada para describir estas “iglesias” es la palabra griega “Oikos”. Jesús fue a comer a la casa de Zaqueo y dijo que la salvación había llegado a los Oikos. Curiosamente, era una casa llena de recaudadores de impuestos y pecadores. Pedro es enviado a ministrar a la casa gentil de Cornelio y la iglesia primitiva se describe como ministrando “Día tras día, en los patios del templo y de casa en casa, nunca dejaron de enseñar y proclamar las buenas nuevas de que Jesús es el Mesías” ( Hechos 5:42).

La mayoría de las personas que leen este blog entienden el significado de ministrar a las personas en tu Oikos. En los días de la iglesia primitiva, las personas tenían familiares, sirvientes y vecinos que se reunían para comer y tener compañerismo. Hoy, estas personas son las que están en tu esfera de influencia. Piensa en las conversaciones que tienen lugar en tu hogar cuando se sientan a comer juntos o simplemente se reúnen para el postre y algo divertido.

Haz un estudio de todas las palabras que salen de esta raíz para casa u hogar. Tenemos la responsabilidad de edificarnos y construirnos mutuamente; la palabra viene de oikos. Se supone que los líderes manejan la casa de Dios. Los sabios “construyen” su casa sobre una roca. Incluso nuestra economía de la palabra proviene de esta palabra raíz y de la palabra para la mayordomía.

Hoy en día, un Oikos es la gente que forma parte de nuestro mundo, nuestra esfera de influencia, la gente que vemos y con la que interactuamos durante al menos una hora a la semana. Pueden ser miembros de la familia, amigos de la escuela, compañeros de trabajo, miembros de la iglesia, vecinos o empleados de tiendas que vemos regularmente.

Invitar a las personas a venir a algo nunca es un sustituto para construir relaciones. El evangelismo del Nuevo Testamento siempre tiene más que ver con entrar en su mundo que con traerlos a nuestro mundo.

La mayoría de los incrédulos se hicieron cristianos porque alguien simplemente los conocía, se relacionaba, oraba, amaba, modelaba y compartía con ellos.

Deja que Dios haga el trabajo de la convicción. Te diviertes siendo amigo. Los amigos comparten lo que es importante para ellos con sus amigos. Los amigos invitan a los amigos a sus hogares.

Loved at Home

By Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Why is it that our family of origin has such a strong influence on us even years after we have moved away from home? Could it be that our closest relationships in our home shape us? Don’t we want the people that know us best to love us most? In fact, don’t we want the people to love us most who know us best? Frankly, isn’t this also true of the Body of Christ? I believe a loving home is the best place for people to begin connecting with the Family of God.

In the “Cell driven church” ministry is driven by relationships. When we started to shift our ministry, we focused on the desire to become “a relational church that is sold out to Jesus.” This means that we want our ministry built on relationships. We want our relationships to grow out of our relationship with Jesus Christ.

Hebrews 10:24-25 NIV – “24 And let us consider how we may spur one another on toward love and good deeds, 25 not giving up meeting together, as some are in the habit of doing, but encouraging one another–and all the more as you see the Day approaching.”

Since are most important relationships are centered in our homes with the people we love, it is no wonder that home cells have the potential to encourage one another to significant spiritual growth. In the home cell, we have a place of love where we can use our gifts to serve one another, encourage one another, pray for one another, spur one another on to love and good deeds and most of all, love one another.

In the comfort of my home, I feel safe and accepted as I am. I feel loved and I willingly give love to my family. This makes hospitality so important. As I invite people into my home I am inviting them to share in the love and acceptance felt in our home. I am inviting people into the safety of my home where they can share themselves and be loved by others in our cell. When a home is filled with the love of Christ, it becomes a place where people can experience that love and even come into their own relationship with Christ.

When I think of the many “one another” phrases in Scripture, I think they find their greatest application in our homes. Home cells are just good because they are not in the formal setting of a church facility. They are meaningful because of the love that is evident in each home. As I invite people into my home, I am welcoming them into my life and inviting to experience the love of my household. Frankly, this invitation to “church” is the best invitation. I think it is even more important than inviting them to a church service. What do you think?

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Amado em Casa: Um Lar Amoroso é o melhor lugar para as pessoas começarem a se conectar com a Família de Deus.

Por Bill Mellinger

Por que nossa família de origem tem uma influência tão forte sobre nós mesmo anos depois de termos saído de casa? Será que nossos relacionamentos mais próximos em nossa casa nos moldam? Queremos que as pessoas que nos conhecem melhor nos amem mais, certo?  Na verdade, não queremos que nos amem mais as pessoas que nos conhecem melhor? Francamente, isso não é verdade também em relação ao Corpo de Cristo?

Na igreja guiada por células, o ministério é impulsionado pelos relacionamentos. Quando começamos a mudar nosso ministério, nos concentramos no desejo de nos tornar “uma igreja relacional que é entregue a Jesus”. Isso significa que queremos que nosso ministério seja construído sobre relacionamentos.  Queremos que nossos relacionamentos cresçam a partir de nosso relacionamento com Jesus Cristo.

Hebreus 10:24-25 NVI – “E consideremos uns aos outros para nos incentivarmos ao amor e às boas obras. Não deixemos de reunir-nos como igreja, segundo o costume de alguns, mas procuremos encorajar-nos uns aos outros, ainda mais quando vocês veem que se aproxima o Dia.”

Como as relações mais importantes estão centradas em nossos lares com as pessoas que amamos, não é de admirar que as células domésticas tenham o potencial de encorajar umas às outras a um crescimento espiritual significativo. Na célula de casa, temos um lugar de amor onde podemos usar nossos dons para servir uns aos outros, encorajar um ao outro, orar uns pelos outros, estimular um ao outro para o amor e boas ações e, acima de tudo, amar uns aos outros.

No conforto da minha casa, sinto-me seguro e aceito como sou. Eu me sinto amado e de bom grado dou amor à minha família. Isso torna a hospitalidade muito importante. Ao convidar as pessoas para a minha casa, estou convidando-as a compartilhar o amor e a aceitação que sinto em nosso lar. Estou convidando as pessoas para a segurança da minha casa, onde elas podem compartilhar e ser amadas por outras pessoas em nossa célula. Quando uma casa é preenchida com o amor de Cristo, ela se torna um lugar onde as pessoas podem experimentar esse amor e até entrar em seu próprio relacionamento com Cristo.

Quando penso nas muitas frases “uns aos outros” das Escrituras, acho que elas encontram sua maior aplicação em nossos lares. Células domésticas são boas porque não estão no ambiente formal de uma igreja. Elas são significativos por causa do amor que é evidente em cada lar. Ao convidar as pessoas para a minha casa, recebo-as em minha vida e convido a experimentar o amor que existe nela. Honestamente, este convite para a “igreja” é o melhor convite. E eu acho que é ainda mais importante do que convidá-las para um culto na igreja.  O que você acha?

Spanish blog:

Amado en casa: Un hogar amoroso es el mejor lugar para que las personas comiencen a conectarse con la Familia de Dios.

Bill mellinger

¿Por qué es que nuestra familia de origen tiene una influencia tan fuerte en nosotros incluso años después de que nos mudamos de casa? ¿Podría ser que nuestras relaciones más cercanas en nuestro hogar nos moldean? ¿No queremos que las personas que nos conocen mejor nos amen más? De hecho, ¿no queremos que las personas que más nos aman nos conozcan mejor? Francamente, ¿no es esto también verdad del Cuerpo de Cristo?

En el ministerio de la “Iglesia impulsada por la células” es impulsado por las relaciones. Cuando comenzamos a cambiar nuestro ministerio, nos enfocamos en el deseo de convertirnos en “una iglesia relacional que se vende a Jesús”. Esto significa que queremos que nuestro ministerio se base en las relaciones. Queremos que nuestras relaciones crezcan a partir de nuestra relación con Jesucristo.

Hebreos 10: 24-25 NVI – “24 Preocupémonos los unos por los otros, a fin de estimularnos al amor y a las buenas obras. 25 No dejemos de congregarnos, como acostumbran hacerlo algunos, sino animémonos unos a otros, y con mayor razón ahora que vemos que aquel día se acerca”.

Dado que las relaciones más importantes se centran en nuestros hogares con las personas que amamos, no es de extrañar que las células en el hogar tengan el potencial de animarse unas a otras a un crecimiento espiritual significativo. En la célula del hogar, tenemos un lugar de amor donde podemos usar nuestros dones para servirnos unos a otros, alentarnos unos a otros, orar unos por otros, estimularnos mutuamente para amar y hacer buenas obras y, sobre todo, amarnos unos a otros.

En la comodidad de mi hogar, me siento seguro y aceptado como soy. Me siento amado y doy amor de buena gana a mi familia. Esto hace que la hospitalidad sea tan importante. Al invitar a personas a mi hogar, los invito a compartir el amor y la aceptación que sentimos en nuestro hogar. Invito a las personas a la seguridad de mi hogar donde pueden compartirse y ser amados por otros en nuestra célula. Cuando un hogar está lleno del amor de Cristo, se convierte en un lugar donde las personas pueden experimentar ese amor e incluso llegar a su propia relación con Cristo.

Cuando pienso en las muchas frases “unos a otros” en las Escrituras, creo que encuentran su mayor aplicación en nuestros hogares. Las células del hogar son buenas porque no están en el entorno formal de una iglesia. Son significativas por el amor que es evidente en cada hogar. Al invitar a las personas a mi hogar, les doy la bienvenida a mi vida y las invito a experimentar el amor de mi hogar. Francamente, esta invitación a la “iglesia” es la mejor invitación. Creo que es incluso más importante que invitarlos a un servicio al edificio de la iglesia. ¿Qué piensas?

How Important Is Transparency?

By Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

When I was younger, I heard more than one pastor say that you cannot have friends in the church. Is this true? If it is, doesn’t it go against what Jesus modeled? Jesus developed such open friendships that he wept at the grave of his friend Lazarus just moments before he raised him from the dead. Bystanders remarked. “See how he loved him!” (John 11:36)

When Jesus was faced with his greatest challenge, he asked his disciples to support him in prayer. Even though he found them sleeping, he still pleaded with them to watch and pray with him. He did not hide his anguish. These are the men that he humbled himself by getting down and washing their feet. Then he called them friends (John 15:14-17) with his instruction to “love one another.” How could Jesus serve them, seek their prayer support, and even cry in front of them without being transparent?

Have you ever been discouraged in ministry? Has your heart been heavy because of a personal struggle or even because you were grieving? Wasn’t Jesus discouraged and sad when he looked at Jerusalem and talked about wanting to hold her under his wings (Matthew 27:37 or Luke 13:34)?

Pastor Rick Warren from Saddleback Church has experienced a terrible loss with the suicide of his son. I appreciate how he and his wife have openly shared their pain and their battle with mental illness. Rick and Kaye have allowed people to see their struggle and their heartache. It has not made him less of a pastor. In fact, it has opened them up to redeeming the loss of their son and turning it into a ministry to help others.

There have been times in life group meeting when I have openly shared my discouragement or struggles in ministry. One night, my wife Debbie and I both cried as we grieved the pain of someone leaving the church. We did not make it a session to attack the person who left; we spoke of our hurt whenever someone leaves the church. Recently, some of our close friends in the church have moved out of our state. The loss is great. With tears we said goodbye and our group knew that we loved them.

On another level, I have openly shared about some times when our marriage was in trouble. Doesn’t humility require honesty and transparency? I am not perfect. Everyone around me knows I am not perfect, so why should I maintain a false image that I am? Is it risky to share yourself openly? Of course it is! It is risky for everyone but we will not be able to support one another without being honest and transparent. Friends share openly. Leaders should do the same. If we don’t, aren’t we wearing the mask of hypocrisy?

Find a few people that you can trust and do life with them. Transparency in life is very important! Be honest about your humanity. It may lead someone closer to Christ.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Quão importante é a transparência?

Por Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Quando eu era mais jovem, ouvi mais de um pastor dizer que você não pode ter amigos na igreja. Isso é verdade? Se for, não vai contra o que Jesus modelou?  Jesus desenvolveu amizades tão abertas que ele chorou no túmulo de seu amigo Lázaro momentos antes de ressuscitá-lo dos mortos. Os espectadores comentaram: “Veja como ele o amava!” (João 11:36).

Quando Jesus foi confrontado com o seu maior desafio, ele pediu aos seus discípulos para apoiá-lo em oração.  Mesmo que ele os encontrasse dormindo, ele ainda clamava para eles vigiarem e orarem com ele. Ele não escondeu sua angústia. Aqueles eram os homens com os quais ele se humilhou ao descer e lavar os pés. Então ele os chamou de amigos (João 15:14-17) com sua instrução de “amar uns aos outros”. Como Jesus poderia servi-los, buscar seu apoio de oração e até mesmo chorar diante deles sem ser transparente?

Você já foi desencorajado no ministério? Seu coração ficou pesado por causa de uma luta pessoal ou até mesmo porque você estava de luto? Jesus não estava desanimado e triste quando olhou para Jerusalém e falou sobre querer abraçá-la (Mateus 27:37 ou Lucas 13:34)?

O pastor Rick Warren, da Saddleback Church, sofreu uma perda terrível com o suicídio de seu filho. Eu aprecio como ele e sua esposa compartilharam abertamente sua dor e sua batalha contra a doença mental. Rick e Kaye permitiram que as pessoas vissem sua luta e sua mágoa. Isso não o tornou menos pastor. Na verdade, isso os abriu para redimir a perda de seu filho e transformá-la em um ministério para ajudar os outros.

Houve momentos em reuniões de células quando compartilhei abertamente o meu desânimo ou lutas no ministério. Certa noite, minha esposa Debbie e eu choramos quando nos entristecemos com a dor de alguém saindo da igreja. Nós não fizemos uma sessão para atacar a pessoa que saiu; nós falamos de nossas mágoas sempre que alguém deixa a igreja. Recentemente, alguns de nossos amigos mais próximos na igreja se mudaram para outro estado. A perda é grande. Com lágrimas nos despedimos e nosso grupo sabia que nós os amamos.

Em outro nível, já compartilhei abertamente algumas vezes quando nosso casamento estava em apuros. A humildade não exige honestidade e transparência? Eu não sou perfeito. Todos ao meu redor sabem que eu não sou perfeito, então por que devo manter uma imagem falsa de que sou? É arriscado compartilhar-se abertamente? Claro que é! É arriscado para todos, mas não seremos capazes de apoiar uns aos outros sem ser honestos e transparentes.  Amigos compartilham abertamente. Líderes devem fazer o mesmo. Se não, não estamos usando a máscara da hipocrisia?

Encontre algumas pessoas em quem você pode confiar e “faça vida” com elas.  Ter transparência na vida é muito importante! Seja honesto sobre sua humanidade. Isso pode levar alguém para mais perto de Cristo.

Spanish blog:

¿Qué tan importante es la transparencia?

Por Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Cuando era más joven, escuché a más de un pastor decir que no puedes tener amigos en la iglesia. ¿Es esto cierto? Si lo es, ¿no va en contra de lo que Jesús enseñó? Jesús desarrolló amistades tan abiertas que lloró en la tumba de su amigo Lázaro momentos antes de resucitarlo de entre los muertos. Los transeúntes comentaron. “¡Mira cómo lo amaba!” (Juan 11:36)

Cuando Jesús enfrentó su mayor desafío, le pidió a sus discípulos que lo apoyaran en la oración. A pesar de que los encontró durmiendo, aún les suplicó que vigilaran y oraran con él. No ocultó su angustia. Estos son los hombres que él mismo se humilló al bajar y lavarles los pies. Luego los llamó amigos (Juan 15: 14-17) con su instrucción de “amarse unos a otros”. ¿Cómo podría Jesús servirles, buscar su apoyo en oración e incluso llorar frente a ellos sin ser transparente?

¿Alguna vez te has desanimado en el ministerio? ¿Tu corazón ha estado cargado debido a una lucha personal o incluso porque estabas sufriendo? ¿No estaba Jesús desanimado y triste cuando miró a Jerusalén y habló de querer sostenerla bajo sus alas (Mateo 27:37 o Lucas 13:34)?

El pastor Rick Warren de la Iglesia de Saddleback ha sufrido una terrible pérdida con el suicidio de su hijo. Aprecio cómo él y su esposa han compartido abiertamente su dolor y su batalla con la enfermedad mental. Rick y Kaye han permitido que las personas vean su lucha y su dolor de corazón. No le ha hecho menos pastor. De hecho, los ha abierto para redimir la pérdida de su hijo y convertirlo en un ministerio para ayudar a otros.

Ha habido momentos en la reunión del grupo de l en los que he compartido abiertamente mi desaliento o mis dificultades en el ministerio. Una noche, mi esposa Debbie y yo lloramos mientras lamentábamos el dolor de alguien que se había ido de la iglesia. No hicimos una sesión para atacar a la persona que se fue; hablamos de nuestro dolor cada vez que alguien abandona la iglesia. Recientemente, algunos de nuestros amigos cercanos en la iglesia se han mudado de nuestro estado. La pérdida es grande. Con lágrimas nos despedimos y nuestro grupo supo que los amábamos.

En otro nivel, he compartido abiertamente algunas veces cuando nuestro matrimonio estaba en problemas. ¿La humildad no requiere honestidad y transparencia? No soy perfecto. Todos a mi alrededor saben que no soy perfecto, entonces, ¿por qué debería mantener una imagen falsa de lo que soy? ¿Es arriesgado compartir abiertamente? ¡Por supuesto que es! Es arriesgado para todos, pero no podremos apoyarnos unos a otros sin ser honestos y transparentes. Los amigos comparten abiertamente. Los líderes deberían hacer lo mismo. Si no lo hacemos, ¿no estamos usando la máscara de hipocresía?

Encuentra algunas personas en las que puedas confiar y haz vida con ellos. ¡La transparencia en la vida es muy importante! Se honesto acerca de tu humanidad, puede llevar a alguien más cerca de Cristo.

Can A Pastor Be Married/ Can A Pastor Participate in a Group?

By Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Is it okay for pastors to be married? I ask this question to cause us to think about another related question. Is it okay for a pastor to be involved in a cell or life group?

In Ephesians 5:21 Paul says that a husband and wife should, “Submit to one another out of reverence for Christ.” Doesn’t this mean that they should show one another mutual love and respect? Paul’s message is clearly not about headship, or lordship, it is about relationship. A husband and wife near to listen to one another; share openly with one another; encourage one another; pray for one another; be transparent and vulnerable with one another.

When you closely at the instructions in Ephesians 5 for husbands and wives, you see that the wife is called to respect her husband and the husband is called to love his wife. Both instructions get at the core of what men and women need. Men need respect and women need unconditional love. Yes men need love and women need respect but their deepest need is unique to each sex.

Nevertheless, Paul starts the whole discussion with submission to one another. Husbands and wives need to submit/respect one another. This should also be the case with pastors and leaders of groups.

Leaders and group members should submit to one another. Paul makes the parallel himself at the end of the chapter in Ephesians 5:32 “This is a profound mystery–but I am talking about Christ and the church.”

Some pastors/leaders try to facilitate a group without actually participating in the group. Sadly, some pastors don’t even participate in groups because they believe that they cannot be friends with people in their church. This does not match what Jesus said when he told the disciples that they were his friends. Read John 15 again and think about what he wanted from the disciples as he headed to Gethsemane and the Cross.

We need to submit to one another. That means we need to listen to one another; share openly with one another; encourage one another; pray for one another; be transparent and vulnerable with one another. If we can have a relationship with our spouse, shouldn’t we also be able to share with our group, with people in our church?

God has called us to relationship with Him and His Body. The best relationships are built on mutual respect and love. Pastor/Leader share yourself, participate fully, don’t just ask others to share but encourage your group to minister to one another and that includes you.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Esta é uma tradução do google. Quando a tradução normal chegar, ela será postada no site da JCG.

Um pastor pode ser casado / um pastor pode participar de um grupo?

Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Está tudo bem para os pastores se casarem? Eu faço esta pergunta para nos levar a pensar em outra questão relacionada. Está tudo bem para um pastor estar envolvido em uma célula ou grupo de vida?

Em Efésios 5:21, Paulo diz que o marido e a esposa devem: “Se submetam uns aos outros por reverência a Cristo”. Isso não significa que eles devem mostrar um ao outro amor e respeito mútuos? A mensagem de Paulo claramente não é sobre liderança, ou senhoria, é sobre relacionamento. Um marido e mulher próximos para ouvir um ao outro; compartilhar abertamente um com o outro; encorajar um ao outro; orar um pelo outro; ser transparente e vulnerável um com o outro.

Quando você segue de perto as instruções de Efésios 5 para maridos e esposas, você vê que a esposa é chamada a respeitar o marido e o marido é chamado para amar a esposa. Ambas as instruções chegam ao cerne do que homens e mulheres precisam. Os homens precisam de respeito e as mulheres precisam de amor incondicional. Sim, os homens precisam de amor e as mulheres precisam de respeito, mas a sua necessidade mais profunda é única em cada sexo.

No entanto, Paul começa toda a discussão com submissão um ao outro. Maridos e esposas precisam se submeter / respeitar um ao outro. Este também deve ser o caso dos pastores e líderes de grupos.

Líderes e membros do grupo devem se submeter uns aos outros. Paul faz a si mesmo paralelo no final do capítulo em Efésios 5:32 “Este é um mistério profundo – mas eu estou falando de Cristo e da igreja.”

Alguns pastores / líderes tentam facilitar um grupo sem realmente participar do grupo. Infelizmente, alguns pastores nem participam de grupos porque acreditam que não podem ser amigos das pessoas em sua igreja. Isto não corresponde ao que Jesus disse que quando ele disse aos discípulos que eles eram seus amigos. Leia João 15 novamente e pense no que ele queria dos discípulos enquanto se dirigia ao Getsêmani e à Cruz.

Precisamos nos submeter um ao outro. Isso significa que precisamos ouvir um ao outro; compartilhar abertamente um com o outro; encorajar um ao outro; orar um pelo outro; ser transparente e vulnerável um com o outro. Se pudermos ter um relacionamento com nosso cônjuge, não deve também ser capaz de compartilhar com o nosso grupo, com pessoas em nossa igreja?

Deus nos chamou para o relacionamento com Ele e Seu Corpo. As melhores relações são construídas sobre respeito mútuo e amor. Pastor / Líder compartilhar-se, participar plenamente, não basta pedir a outros para compartilhar, mas incentivar o seu grupo para ministrar um ao outro e isso inclui você.

Spanish blog:

Puede un pastor casarse?/ puede un pastor participar en un grupo?

By Bill Mellinger

¿Está bien que los pastores estén casados? Hago esta pregunta para hacernos pensar en otra pregunta relacionada. ¿Está bien que un pastor esté involucrado en una célula o grupo de vida?

En Efesios 5:21, Pablo dice que el esposo y la esposa deben: “someterse unos a otros en el temor de Cristo”. ¿No significa esto que deben mostrarse mutuamente amor y respeto?. El mensaje de Pablo claramente no tiene que ver con el liderazgo, o el señorío, sino con las relaciones. Un marido y una mujer cerca para escucharse el uno al otro; compartir abiertamente unos con otros; animarse unos con otros, orar unos por otros; ser transparentes y vulnerables entre sí.

Cuando usted sigue de cerca las instrucciones en Efesios 5 para esposos y esposas, ve que la esposa está llamada a respetar a su marido, y el marido está llamado a amar a su esposa. Ambas instrucciones llegan al núcleo de lo que necesitan los hombres y las mujeres. Los hombres necesitan respeto y las mujeres necesitan amor incondicional. Sí, los hombres necesitan amor y las mujeres necesitan respeto, pero su necesidad más profunda es exclusiva de cada sexo.

Sin embargo, Pablo comienza toda la discusión con sumisión mutua. Los esposos y las esposas deben someterse / respetarse mutuamente. Este también debería ser el caso de los pastores y líderes de grupos.

Los líderes y los miembros del grupo deben someterse entre sí. Pablo hace el paralelismo al final del capítulo en Efesios 5:32: “Grande es este misterio, pero lo digo respecto de Cristo y de la iglesia”.

Algunos pastores / líderes intentan facilitar un grupo sin participar realmente en el grupo. Lamentablemente, algunos pastores ni siquiera participan en grupos porque creen que no pueden ser amigos de las personas en su iglesia. Esto no coincide con lo que dijo Jesús cuando les dijo a los discípulos que ellos eran sus amigos. Lea Juan 15 de nuevo y piense en lo que quería de los discípulos mientras se dirigía a Getsemaní y a la Cruz.

Tenemos que someternos unos a otros. Eso significa que necesitamos escucharnos unos a otros; compartir abiertamente unos con otros; animarse unos con otros, orar unos por otros; Ser transparentes y vulnerables entre sí. Si podemos tener una relación con nuestro cónyuge, ¿no podríamos también compartir con nuestro grupo, con las personas de nuestra iglesia?

Dios nos ha llamado a relacionarnos con él y su cuerpo. Las mejores relaciones se basan en el respeto mutuo y el amor.
Pastor / líder, comparta usted mismo, participe plenamente, no solo pida a otros que compartan, sino anime a su grupo a que se ministren entre sí y eso lo incluye a usted.

Have We Failed?

By Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

As I look back over the past eleven years of cell ministry, I have seen a lot of change in our church. I thought that we would regularly be starting new groups with new believers. Frankly, at times it has troubled me that we have not had more outreach from our groups. Maybe I bought into the myth that having cell groups would automatically translate into significant conversion growth.

Our first prototype was amazing. We trained new leaders who all had a commitment to lead a cell into spiritual growth. From that first prototype, we launched three cells. Soon our youth ministry developed two cells separated for guys and gals. I began leading a cell in our home that was focused on new people and unchurched. We are off to a great start. However, we did not keep multiplying like I had hoped.

We grew leaders. New people went through training. Others moved on to other towns. Some ladies started a cell for ladies and then one began for men. Only one or two of those leaders from the prototype are still in our community. That means that almost none of the members of the original group are still in our ministry. Leaders have come and gone. Hosts of people have participated in our cells but the church celebration is nearly the same size it was when we began.

Have we failed in cell ministry? I guess we have if we were supposed to start multiplying cells again and again and again. By now we should have 50 to 100 cells should we? But wait a minute there is more to the story.

One cell began a ministry to people in poverty that has grown into an ongoing service to our community. Every week, clients come to the Mountain Help office to experience God’s love, to seek assistance and counsel. We strive to show respect and assist people in a way that helps them to grow closer to Christ. This is a tremendous ministry!

None of our groups have the same people involved in them that were there ten years ago. However, numerous people have grown closer to Christ, prayed for and loved their neighbors, and experienced significant spiritual growth. When you look closely, you will see that we have been discipling people who have moved onto ministry in other communities.

Inspired by the Holy Spirit, our church now owns a coffee shop that is taking community to a new level. We are committed to sharing the love of Jesus Christ to our community through our Coffee House. “Community Happens Here” is the huge sign on the patio wall and it actually does happen here.

We have grown in many ways. We have made disciples. We don’t have a lot more groups, but a lot more people have a deeper relationship with Christ. Jesus did say to “Go and make disciples.” I wonder have we failed? I don’t think so.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Nós falhamos?

Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Quando olho para os últimos onze anos de ministério celular, tenho visto muita mudança em nossa igreja. Eu pensei que nós estaríamos começando regularmente novos grupos com novos convertidos. Francamente, às vezes me incomodou o fato de não termos mais evangelismo em nossos grupos. Talvez eu tenha acreditado no mito de que ter células se traduziria automaticamente em um crescimento significativo de conversões.

Nosso primeiro protótipo foi incrível. Treinamos novos líderes que tinham o compromisso de liderar uma célula ao crescimento espiritual. A partir desse primeiro protótipo, lançamos três células. Logo nosso ministério de jovens desenvolveu duas células separadas para homens e mulheres. Comecei a liderar uma célula em nossa casa que estava focada em novas pessoas que não tinham igreja. Estávamos começando bem. No entanto, nós não continuamos a multiplicar como eu esperava.

Nós desenvolvemos líderes. Novas pessoas passaram por treinamento. Outros se mudaram para outras cidades. Algumas senhoras começaram uma célula para senhoras e depois foi criada uma para homens. Apenas um ou dois desses líderes do momento de protótipo ainda estão em nossa comunidade. Isso significa que quase nenhum dos membros do grupo original ainda está em nosso ministério. Líderes vieram e foram embora. Inúmeras pessoas participaram de nossas células, mas o culto de celebração na igreja é quase do mesmo tamanho que quando começamos.

Nós falhamos no ministério celular? Eu acho que esse seria o caso se tivéssemos a obrigação de multiplicar as células vez após vez. Até o momento deveríamos ter de 50 a 100 células, certo? Mas espere um minuto, há mais nessa história.

Uma célula começou um ministério para pessoas em situação de pobreza que se tornou um serviço contínuo para a nossa comunidade. Toda semana, os clientes vêm ao escritório da Mountain Help para experimentar o amor de Deus, para buscar assistência e aconselhamento. Nós nos esforçamos para mostrar respeito e ajudar as pessoas de uma forma que as ajude a se aproximarem de Cristo. Este é um tremendo ministério!

Nenhum dos nossos grupos tem as mesmas pessoas envolvidas neles que estavam lá há dez anos. No entanto, muitas pessoas se aproximaram de Cristo, oraram e amaram seus vizinhos e experimentaram um crescimento espiritual significativo. Quando você olhar de perto, verá que temos discipulado pessoas que se mudaram para a vida ativa no ministério em outras comunidades.

Inspirada pelo Espírito Santo, nossa igreja agora possui uma cafeteria que está levando a comunidade a um novo nível. Estamos comprometidos em compartilhar o amor de Jesus Cristo à nossa comunidade através do nosso Coffee House. “Comunidade acontece aqui” é o dizer na placa enorme na parede do pátio e isso realmente acontece aqui.

Nós crescemos de muitas maneiras. Nós fizemos discípulos. Nós não temos muito mais grupos, mas muito mais pessoas têm um relacionamento mais profundo com Cristo. Jesus disse: “Vá e faça discípulos”. Eu me pergunto, será que falhamos? Acho que não.

Spanish blog:

¿Hemos fallado?

Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Al recordar los últimos once años de ministerio celular, he visto muchos cambios en nuestra iglesia. Pensé que regularmente comenzaríamos con nuevas células con nuevos creyentes. Francamente, a veces me preocupa que no hayamos tenido más contactos con nuestros grupos. Tal vez compré el mito de que tener grupos celulares se traduciría automáticamente en un crecimiento de conversiones significativo.

  Nuestro primer prototipo fue increíble. Capacitamos a nuevos líderes que tenían el compromiso de dirigir una célula hacia el crecimiento espiritual. A partir de ese primer prototipo, lanzamos tres células. Pronto nuestro ministerio juvenil desarrolló dos células separadas para hombres y chicas. Comencé a dirigir una célula en nuestra casa que estaba enfocada en personas nuevas y sin iglesia. Hemos tenido un gran comienzo. Sin embargo, no seguimos multiplicando como yo esperaba.

  Crecimos en líderes, nuevas personas pasaron por el entrenamiento. Otros se mudaron a otras ciudades. Algunas hermanas abrieron una célula para mujeres y luego una para hombres. Solo uno o dos de esos líderes que iniciaron con prototipo todavía están en nuestra comunidad. Eso significa que casi ninguno de los miembros del grupo original está en nuestro ministerio. Los líderes han ido y venido. Anfitriones han participado en nuestras células, pero la celebración de la iglesia es casi del mismo tamaño que cuando comenzamos.

  ¿Hemos fallado en el ministerio celular? Supongo que si, tuviéramos que comenzar a multiplicar las células una y otra y otra vez. Por ahora deberíamos tener de 50 a 100 células, ¿verdad? Pero espera un minuto hay más en la historia.

  Una célula inició un ministerio para personas en situación de pobreza que se ha convertido en un servicio continuo para nuestra comunidad. Cada semana, los clientes acuden a la oficina de Ayuda en la Montaña para experimentar el amor de Dios, para buscar ayuda y consejo. Nos esforzamos por mostrar respeto y ayudar a las personas de una manera que les ayude a crecer más cerca de Cristo. ¡Este es un tremendo ministerio!

  Ninguno de nuestros grupos tiene las mismas personas involucradas que estuvieron allí hace diez años. Sin embargo, muchas personas se han acercado más a Cristo, han orado y amado a sus vecinos y han experimentado un crecimiento espiritual significativo. Cuando mires de cerca, verás que hemos estado discipulando a personas que se han mudado al ministerio en otras comunidades.

  Inspirados por el Espíritu Santo, nuestra iglesia ahora posee una cafetería que está llevando a la comunidad a un nuevo nivel. Estamos comprometidos a compartir el amor de Jesucristo con nuestra comunidad a través de nuestra Cafetería. “La comunidad sucede aquí” es el enorme letrero en la pared del patio y realmente sucede aquí.

  Hemos crecido de muchas maneras. Hemos hecho discípulos. No tenemos muchos más células, pero muchas más personas tienen una relación más profunda con Cristo. Jesús dijo “Ve y haz discípulos”. Me pregunto si hemos fallado. No lo creo.