The Call to Pray and Go

Gilbert Silva, lead pastor of House of Praise in Lorain, Ohio, www.hopchurch.org

Our church was filled with excitement this year as we embarked on our annual  21 days of prayer and fasting. Our church calendar was strategically filled with things that would lead to small groups and discipleship growth. This was the year for kingdom expansion. For the first three months, there was anticipation, and you could feel the energy. Then we started hearing about the coronavirus and in March things came to a screeching halt. Our governor in Ohio set a stay at home order and everything on our calendar was put on hold. Like so many other churches, we quickly adjusted and started online services and our small groups started meeting online. The older generation who don’t own smartphones or computers were stretched and tested during this time period.

As we began the reopening of our church services and cell group gatherings in the homes, we were faced with the challenge of what on our major church calendar should we plan for. After much reflection we concluded that the most important things on our calendar were not the events that lead to numeric growth but those that guided us to deeper spiritual growth. And the most urgent, essential item was prayer. Jesus told us to pray. After all, Jesus himself said,  “My house shall be called a house of prayer for all nations” (Matt 21:13).

So, we encouraged our cell groups to continue to meet and pray together, whether online or at a home. Our church campuses are focusing on monthly prayer as well as prayer walks on the public square. It’s so refreshing to see the people gather to pray, even with masks on and social distancing. It is encouraging to see people from our cell groups at a public square praying together and walking two by two for our cities and nation.

As we pray we are asking God to change our world by strengthening the believers so that we would preach the gospel with boldness and reach our world for Christ.

Perhaps this year we may not be doing a lot of “things” that will keep us busy as a corporate body but praying together is the business of the church. After all, if we don’t pray then who will? If we don’t go and preach, then who will? The world needs a praying church! The world needs a church that is in tune with the heartbeat of God and filled with the power of the Holy Spirit to present and display the good news!

Matthew 9:37-38 (NLT) He said to his disciples, “The harvest is great, but the workers are few. 38 So pray to the Lord who is in charge of the harvest; ask him to send more workers into his fields.”

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O Chamado a Orar e IR

Por Gilbert Silver, pastor líder da Casa de Oração em Lorain, Ohio, www.hopchurch.org

Nossa igreja encheu-se de entusiasmo esse ano enquanto nós embarcávamos em nosso 21 dias de oração e jejum anual. Nosso calendário da igreja foi estrategicamente preenchido com coisas que levariam ao crescimento dos pequenos grupos e discipulado. Esse era o ano da expansão do reino. Pelos primeiros três meses havia expectativa e você podia sentir a energia. Então começamos a ouvir sobre coronavírus e em março as coisas chegaram a uma parada brusca. Nosso governador em Ohio deu uma ordem para ficar em casa e todas as coisas no nosso calendário foram colocadas em espera. Como tantas outras igrejas, nós rapidamente ajustamos e começamos cultos online e nossos pequenos grupos começaram a reunir online. A geração mais velha que não possui smartphones ou computadores foi forçada e testada durante esse período.

Enquanto nós começávamos a reabertura de nosso culto na igreja e encontros de grupos de células nos lares, nós tivemos que encarar o desafio do que o planejamento do nosso calendário da igreja deveria incluir. Depois de muita reflexão nós concluímos que as coisas mais importantes em nosso calendário não eram os eventos que levavam ao crescimento numérico, mas aqueles que nos guiavam ao crescimento espiritual profundo. E o item mais urgente, mais essencial era oração. Jesus nos disse para orar. Além do mais, o próprio Jesus disse: “A minha casa será chamada casa de oração”. (Mt 21:13)

Então, nós encorajamos nossos grupos de células a continuar a reunir e orar juntos, fosse online ou em um lar. Nossos campi de igreja foram focados em orações mensais tanto quanto caminhadas de oração na praça pública. É tão renovador ver as pessoas se reunir para orar, mesmo com máscaras e distanciamento social. É encorajador ver as pessoas dos nossos grupos de células em uma praça pública orando juntos e andando de dois em dois pelas nossas cidades e nação.

Enquanto nós estamos orando Deus muda nosso mundo ao fortalecer os crentes para que nós preguemos o evangelho com ousadia e alcancemos nosso mundo para Cristo.

Talvez nesse ano nós não possamos fazer muitas “coisas” que nos manterá ocupados como um grupo corporativo, mas orando juntos que é o negócio da igreja. Além do mais, se nós não orarmos que irá? Se nós não pregarmos, quem irá? O mundo precisa de uma igreja que ora! O mundo precisa de uma igreja que está sintonizada com a batida do coração de Deus e cheia do poder do Espírito Santo para apresentar e demonstrar as boas novas!

Mateus 9:37-38 (BV) Ele disse aos seus discípulos, “A safra é tão grande, e os trabalhadores são tão poucos”, disse Ele aos seus discípulos. Portanto, orem Aquele que está encarregado da ceifa, e peçam a Ele que chamem mais trabalhadores para os seus campos de colheita”.

Spanish blog:

El llamado para orar e ir

Por Gilbert Silver, pastor principal de House of Praise en Lorain, Ohio, www.hopchurch.org

Nuestra iglesia se llenó de emoción este año cuando nos embarcamos en nuestros 21 días anuales de oración y ayuno. El calendario de nuestra iglesia estaba estratégicamente lleno de cosas que conducirían al crecimiento de grupos celulares y discipulado. Este fue el año para la expansión del reino. Durante los primeros tres meses hubo anticipación y se podía sentir la energía. Luego comenzamos a escuchar sobre el coronavirus y en marzo las cosas se detuvieron. Nuestro gobernador en Ohio estableció un orden de permanencia en el hogar y todo en nuestro calendario quedó en espera. Al igual que muchas otras iglesias, rápidamente nos ajustamos y comenzamos los servicios en línea y nuestros grupos celulares comenzaron a reunirse en línea. La generación anterior que no posee teléfonos inteligentes o computadoras fue apretada y probada durante este período de tiempo.

Cuando comenzamos la reapertura de los servicios de nuestra iglesia y las reuniones de grupos celulares en los hogares, nos enfrentamos al desafío de lo que deberíamos planear en nuestro calendario principal de la iglesia. Después de mucha reflexión, llegamos a la conclusión de que lo más importante en nuestro calendario no eran los eventos que conducen al crecimiento numérico, sino aquellos que nos guiaron a un crecimiento espiritual más profundo. Y el elemento más urgente y esencial era la oración. Jesús nos dijo que oremos. Después de todo, Jesús mismo dijo: “Mi casa será llamada casa de oración para todas las naciones”. (Mateo 21:13)

Entonces, alentamos a nuestros grupos celulares a continuar reuniéndose y orando juntos, ya sea en línea o en un hogar. Los locales de nuestra iglesia se centran en la oración mensual, así como en caminatas de oración en la plaza pública. Es muy refrescante ver a la gente reunirse para orar, incluso con mascarillas y distanciamiento social. Es alentador ver a personas de nuestros grupos celulares en una plaza pública orando juntas y caminando de dos en dos por nuestras ciudades y nuestra nación.

Mientras oramos, le pedimos a Dios que cambie nuestro mundo al fortalecer a los creyentes para que podamos predicar el evangelio con valentía y alcanzar nuestro mundo para Cristo.

Quizás este año no estemos haciendo muchas “cosas” que nos mantendrán ocupados como un cuerpo corporativo, pero orar juntos es asunto de la iglesia. Después de todo, si no oramos, ¿quién lo hará? Si no vamos a predicar, ¿quién lo hará? ¡El mundo necesita una iglesia de oración! ¡El mundo necesita una iglesia que esté en sintonía con el latido del corazón de Dios y llena del poder del Espíritu Santo para presentar y mostrar las buenas nuevas!

Mateo 9: 37-38 (NTV) “A sus discípulos les dijo: «La cosecha es grande, pero los obreros son pocos. 38 Así que oren al Señor que está a cargo de la cosecha; pídanle que envíe más obreros a sus campos».” 

Slipping Away to Pray

Gilbert Silva, lead pastor of House of Praise in Lorain, Ohio, www.hopchurch.org

In my second year as a lead pastor, I was diagnosed with a heart condition called Myocarditis. This condition led to arrhythmias (irregular heart rhythms). At first, I didn’t understand everything about my condition or even how the heart worked, but I knew how I felt when my heart was sick and out of rhythm. I felt fatigued, anxious and irritable. A few years later the Lord touched my heart and healed me of this severe condition. However, every now and then my heart experiences brief episodes of arrhythmia and it’s in those moments that I am reminded of how important it is for the heart to be beat in rhythm. In the same way it’s so important for our spiritual heart to beat with the rhythm of God’s heart.

Ministering to people and making disciples can be rewarding but, at the same time it can be draining and leads to spiritual fatigue. It’s in moments like these that we can lose sight of doing things with the right heart. As a result, we start to see ministry as a burden and obligation instead of a privilege and a joy. Because we are called as leaders to serve those entrusted to our care, we must guard out hearts with all diligence. The best place to do this is in the place of prayer.

One of my ministry life scriptures is found in Proverbs 4:23, “Guard your heart above all else, for it determines the course of your life.” One of the best ways to guard our hearts is to make prayer a priority. Prayer is not only a place of communion with God, it is also place of reconnecting with the heartbeat of God for the people entrusted to our care. Prayer empowers us to lead the church, a cell group and our families.

Jesus modeled this by breaking away regularly to pray. Luke writes that Jesus Himself would often slip away to the wilderness and pray (Luke 5:16). Did you notice that he would “slip away”? Sometimes we need to slip away from the demands and responsibilities that occupy our minds or from the people and things that demand our time to find a place where we can commune with God and hear His heartbeat.

As leaders, we are all wired differently when it comes to how we pray. Some like to pray walking back and forth, others like to kneel, and yet others enjoy walking out in nature while they talk to God. Our styles and forms of prayer are not as important as making sure that we slip away and commune with God to listen to His heart.

Making disciples and ministering to people requires that our hearts are beating with the heart of God. I’m referring to a heart that loves like Jesus, serves like Jesus, and ministers out of gratitude. This kind of heartbeat is found in the place of prayer. We need to learn to slip away and pray.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Retirando-se para Orar

Gilbert Silva, pastor líder da Casa de Oração em Lorain, Ohio, www.hopchurch.org

Em meu segundo ano como um pastor líder, eu fui diagnosticado com uma condição cardíaca chamada Miocardite. Essa condição levou a arritmias (batidas irregulares do coração). De início, eu não entendia tudo sobre minha condição ou mesmo como o coração funcionava, mas eu sabia como eu sentia quando meu coração estava doente e fora de ritmo. Eu sentia fadigado, ansioso e irritável. Alguns anos depois o Senhor tocou meu coração e curou-me dessa condição severa. Entretanto, de vez em quando meu coração experiencia episódios rápidos de arritmia e é nesses momentos que eu sou lembrado de quão importante é para o coração bater no ritmo. Do mesmo modo que é importante para nosso coração espiritual bater no ritmo do coração de Deus.

Ministrar ao povo e fazer discípulos pode ser recompensador, mas ao mesmo tempo isso pode ser desgastante e levar a fatiga espiritual. É em momentos como esse que nós podemos perder de vista o fazer coisas com o coração certo. Como resultado, nós começamos a ver o ministério como um fardo e uma obrigação ao invés de um privilégio e uma alegria. Porque nós somos chamados como líderes para servir aqueles confiados ao nosso cuidado, nós precisamos guardar nossos corações com toda diligência. O melhor lugar para fazer isso é no lugar de oração.

Uma das escrituras de vida do meu ministério é encontrado em Provérbios 4:23,  “Acima de tudo, guarde o seu coração, pois dele depende toda a sua vida.” Uma das melhores maneiras de guardar nossos corações é fazer da oração uma prioridade. Oração não é somente um lugar de comunhão com Deus, é também um lugar de reconectar com a batida do coração de Deus ao povo confiado ao nosso cuidado. Oração nos habilita a liderar a igreja, um grupo de célula e nossas famílias.

Jesus modelou isso ao regularmente parar para orar. Lucas escreve que Jesus frequentemente retiraria a si mesmo para os desertos e orava (Lucas 5:16). Você notou que ele se “retirava”? Às vezes nós precisamos nos retirar das demandas e responsabilidades que ocupam nossas mentes ou das pessoas e coisas que demandam nosso tempo e encontrar um lugar onde nós podemos relacionar com Deus e ouvir as batidas de Seu coração.

Como líderes, nós estamos todos conectados diferentemente quando o assunto é como nós oramos. Alguns gostam de orar andando de um lado para outro, outros gostam de ajoelhar, e outros ainda preferem andar pela natureza enquanto eles falam com Deus. Nossos estilos e formas de oração não são tão importantes tanto quanto garantir que nós nos retiramos e relacionamos com Deus e ouvimos Seu coração.

Fazer discípulos e ministrar às pessoas requer que nossos corações estejam batendo com o coração de Deus. Eu estou me referindo a um coração que ama como Jesus, serve como Jesus e ministra com gratidão. Esse tipo de batida do coração é encontrado no lugar de oração. Nós precisamos aprender a nos retirar e orar.

Spanish blog:

Escapandose para orar

Gilbert Silva, pastor principal de House of Praise en Lorain, Ohio, www.hopchurch.org

En mi segundo año como pastor principal, me diagnosticaron una afección cardíaca llamada miocarditis. Esta condición condujo a arritmias (ritmos cardíacos irregulares). Al principio, no entendía todo acerca de mi condición o incluso cómo funcionaba el corazón, pero sabía cómo me sentía cuando mi corazón estaba enfermo y fuera de ritmo. Me sentía fatigado, ansioso e irritable. Unos años más tarde, el Señor tocó mi corazón y me curó de esta severa condición. Sin embargo, de vez en cuando mi corazón experimenta breves episodios de arritmia y es en esos momentos que recuerdo lo importante que es para el corazón latir al ritmo. De la misma manera, es muy importante que nuestro corazón espiritual lata al ritmo del corazón de Dios.

Ministrar a las personas y hacer discípulos puede ser gratificante, pero al mismo tiempo puede ser agotador y provocar fatiga espiritual. Es en momentos como estos que podemos perder de vista hacer las cosas con el corazón correcto. Como resultado, comenzamos a ver el ministerio como una carga y obligación en lugar de un privilegio y una alegría. Debido a que somos llamados como líderes para servir a los encargados de nuestro cuidado, debemos proteger los corazones con toda diligencia. El mejor lugar para hacer esto es en el lugar de oración.

Una de las escrituras de mi vida ministerial se encuentra en Proverbios 4:23, “Protege tu corazón por encima de todo, porque determina el curso de tu vida”. Una de las mejores maneras de proteger nuestros corazones es hacer de la oración una prioridad. La oración no es solo un lugar de comunión con Dios, también es un lugar de reconexión con el latido de Dios para las personas confiadas a nuestro cuidado. La oración nos capacita para dirigir la iglesia, un grupo celular y nuestras familias.

Jesús modeló esto separándose regularmente del grupo para orar. Lucas escribe que Jesús mismo a menudo se escapaba al desierto y oraba (Lucas 5:16). ¿Te diste cuenta de que dice “escaparía”? A veces necesitamos escapar de las demandas y responsabilidades que ocupan nuestras mentes o de las personas y las cosas que demandan nuestro tiempo para encontrar un lugar donde podamos comunicarnos con Dios y escuchar sus latidos.

Como líderes, todos estamos conectados de manera diferente cuando se trata de cómo oramos. A algunos les gusta orar caminando de un lado a otro, a otros les gusta arrodillarse, y otros disfrutan de caminar en la naturaleza mientras hablan con Dios. Nuestros estilos y formas de oración no son tan importantes como el asegurarnos de escabullirnos y comunicarnos con Dios para escuchar su corazón.

Balance between the Why and How of Cell Groups

jeff

by Gilbert Silva

[I, Joel Comiskey, want to present Gilbert Silva, lead pastor of House of Praise- http://hopchurch.org/ Pastor Gilbert’s church has grown to over 1000 in mother church with over 80 cell groups. It’s my privilege to coach pastor Gilbert for the last several years]

I have found that it’s so easy to lose sight of the “Why” we do cell groups focusing more on the “How” we do them.

As leaders we enjoy building things and finding better ways to make systems more effective. As a result we focus more on “how” to facilitate an effective cell group, “how” to successfully follow up on people or “how” to create a better reporting system to measure “how” successful we are.

Although the “How” is important the “why” is even more important. The “Why” is the heart and motive that leads us to create systems and structures to reach and disciple the unchurched. When we are out of balance, we compel our cell group leaders to become performance oriented making what happens at the meeting more important then reaching and discipling the lost.

Cell groups are not the “why” we reach and disciple people they are the “how” we reach and disciple them.

Why have we established cell groups as a means to reach and disciple the unchurched?

  1. Because people are lost and need Christ
  2. Because people cannot save themselves and unless there is divine intervention through the preaching of the Gospel they will be eternally lost
  3. Because we “the Church” are the only messengers of the Gospel
  4. Because we have been commissioned by Christ to “Go, and make disciples”
  5. Because we have been empowered by the Holy Spirit to be “Witnesses”
  6. Because it is the model we find in the New Testament Church

As simple as this may sound it’s so easy to lose the “why” we do cell groups in the busyness of building structures, having meetings and measuring success.

We need to make that in pursuit of the “How” we do not lose sight of the “Why”.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Equilbrio entre o “Por que” e o “Como” dos Grupos de Célula

Por Gilbert Silva

[Eu, Joel Comiskey, quero apresentar Gilbert Silva, pastor principal da House of Praise (“Casa de Louvor”) – http://hopchurch.org/ A igreja do Pastor Gilbert cresceu para mais de 1000 com mais de 80 grupos celulares. Tenho o privilégio de treinar o pastor Gilbert pelos últimos anos]

Eu descobri que é muito fácil perder de vista o “Por que” nós temos grupos celulares e concentrar-se mais em “Como” nós os fazemos.

Como lderes nós gostamos de construir coisas e encontrar maneiras melhores para tornar os sistemas mais eficazes. Como resultado nós nos concentramos mais em “como” facilitar um grupo de célula eficaz, “como” seguir com sucesso pessoas ou “como” criar um sistema de notificação melhor para mensurar “como” somos bem-sucedidos.

Embora o “como” seja importante, o “por que” é ainda mais importante. O “Por que” é o coração e o motivo que nos leva a criar sistemas e estruturas para alcançar e discipular aqueles que estão fora da igreja. Quando estamos fora de equilbrio, nós obrigamos os nossos lderes de célula a se tornarem orientados para o desempenho, tornando o que acontece na reunião mais importante do que alcançar e discipular os perdidos.

Os grupos de célula não são o “por que” nós alcançamos e discipulamos as pessoas, eles são “como” nós as alcançamos e discipulamos.

Por que nós estabelecemos os grupos de células como um meio de alcançar e discipular os “sem-igreja”?

  1. Porque as pessoas estão perdidas e precisam de Cristo
  2. Porque as pessoas não podem salvar a si mesmas e, se não houver uma intervenção divina através da pregação do Evangelho, elas estarão eternamente perdidas
  3. Porque nós “a Igreja” somos os únicos mensageiros do Evangelho
  4. Porque nós fomos chamados à Comissão de Cristo para “Ir e fazer discpulos”
  5. Porque nós recebemos poder do Esprito Santo para sermos “Testemunhas”
  6. Porque esse é o modelo que nós encontramos na Igreja do Novo Testamento

Por mais simples que isso possa parecer, é muito fácil perder o “por que” fazemos os grupos celulares na correria de construir estruturas, ter reuniões e medir o sucesso.

Nós precisamos fazer isso em busca do “Como” sem perder de vista o “Por que”.

Spanish blog:

Equilibrio entre el “por qué” y el “cómo” de los Grupos Celulares

Por Gilbert Silva

[Yo, Joel Comiskey, quiero presentar a Gilbert Silva, pastor principal de House of Praise (La Casa de Alabanza) http://hopchurch.org/ La iglesia del Pastor Gilbert ha crecido a más de 1000 personas, con más de 80 grupos celulares. Es un privilegio para m haber supervisado al pastor Gilbert desde hace varios años]

Me he dado cuenta que es muy fácil perder de vista el “Por qué” trabajamos con grupos celulares  al enfocarnos en  “cómo” lo hacemos.

Como lderes nos gusta construir cosas y encontrar mejores maneras de hacer que los sistemas sean más efectivos. Como resultado, nos enfocamos más en “cómo” facilitar un grupo celular eficaz, en “cómo” darles seguimiento a las personas exitosamente o en “cómo” crear un mejor sistema de reporte para medir “cómo” estamos teniendo éxito.

Aunque el “cómo” es importante, el “por qué” es aún más importante. El “por qué” es el centro y el motivo que nos lleva a crear sistemas y estructuras para alcanzar y discipular a los no creyentes. Cuando estamos fuera de equilibrio, obligamos a nuestros lderes de células a que se conviertan en personas orientadas al desenvolvimiento  haciendo que lo que suceda en la reunión sea más importante que alcanzar y discipular a los perdidos.

Los grupos celulares no son el “por qué” discipulamos y alcanzamos a las personas, son el “cómo” los alcanzamos y discipulamos.

¿Por qué hemos creado grupos celulares como el medio para alcanzar y discipular a los no creyentes?

  1. Porque las personas se pierden y necesitan a Cristo.
  2. Porque las personas no pueden salvarse a s mismas y, a menos que haya una intervención divina a través de la predicación del Evangelio se perderán eternamente.
  3. Porque nosotros  “la Iglesia” somos los únicos mensajeros del Evangelio.
  4. Porque hemos sido comisionados por Cristo a “Ir y hacer discpulos”.
  5. Porque hemos sido empoderados por el Espritu Santo para ser “testigos”.
  6. Porque es el modelo que encontramos en la Iglesia del Nuevo Testamento.

Aunque esto suene simple, es tan fácil perder de vista el “por qué” trabajamos con grupos celulares en medio del ajetreo de construir estructuras, tener reuniones y medir el éxito.

Tenemos que hacer todo lo anterior cuando persigamos el “Cómo” mientras no perdamos de vista el “por qué”.