Coaching is the Key


coaches_JimEgil

By Dr. Jim Egli,  Small Groups, Big Impact

I, Joel Comiskey, blogged last week about Jim Egli’s research.  In Jim’s  investigation of 3,000 small leaders, he found that coaching was the most important feature of growing small group based  churches. In this blog, let’s allow Jim to speak for himself. Here’s what he wrote in his book Small Groups, Big Impact:

If churches Coach their small group leaders, these leaders Pray more, and their groups Reach, Care, and Empower significantly more than groups that are not coached. These groups, in turn, excel in all the growth dynamics—Conversion Growth, Assimilation, and Group Multiplication!

What do we mean when we say that some churches actively Coach their leaders? Almost all growing small group systems have small group coaches who typically oversee about five small groups. Churches call this position by many different names.

What does a coach do? Our research revealed several critical factors. Coaches meet personally with their leaders to encourage them in their spiritual growth and leadership, they are aware of their leaders’ needs and are praying for them, they gather their leaders for ministry and problem-solving, and occasionally they visit their groups.

Of all the questions on the survey, one emerged as most important. That question asks small group leaders: “My coach or pastor meets with me to personally encourage me as a leader.” Leaders who respond with “often” or “very often,” have groups that are stronger in every health and growth measure!

A related survey item that correlates negatively with small group health says: “I feel as if no one keeps track of our group or me as a leader.”

The important question is not: Does a church have coaches? Most churches with a sizeable number of groups do. But very often these individuals are not actively coaching their leaders or groups. Often this is not their fault. They are not coaching because they don’t know how, were never coached themselves, and are not currently being coached in their own ministry as coaches.

A healthy coaching system requires committed coaches who are trained and actively supported in their coaching. Our research demonstrates that coaching is the most pivotal factor in the health of small group ministries.

Yet this is precisely where most churches fail. Why? First, because they don’t realize coaching’s importance. And, secondly, because they don’t know how to do it. Hopefully, now you know how important it is! Every church with more than three small groups needs a coaching system. Here are some suggestions on how to initiate effective coaching.

Korean blog: (click here)

Portuguese blog:

Coaching é a chave

Por Dr. Jim Egli, Small Groups, Big Impact

Eu, Joel Comiskey, escrevi na semana passada sobre a pesquisa de Jim Egli. Na investigação de Jim de 3.000 pequenos líderes, ele descobriu que a supervisão era a característica mais importante do crescimento de igrejas baseadas em pequenos grupos. Neste blog, vamos permitir que Jim fale por si mesmo. Aqui está o que ele escreveu em seu livro Small Groups, Big Impact

Se as igrejas supervisionam seus líderes de pequenos grupos, esses líderes oram mais e seus grupos alcançam, cuidam e capacitam significativamente mais do que os grupos que não são supervisionados. Esses grupos, por sua vez, se destacam em todas as dinâmicas de crescimento – Crescimento de Conversão, Assimilação e Multiplicação de Grupo!

O que queremos dizer quando afirmamos que algumas igrejas supervisionam ativamente seus líderes? Quase todos os sistemas de pequenos grupos em crescimento têm supervisores de pequenos grupos que normalmente supervisionam cerca de cinco pequenos grupos. As igrejas chamam essa posição por muitos nomes diferentes.

O que um supervisor faz? Nossa pesquisa revelou vários fatores críticos. Os supervisores se reúnem pessoalmente com seus líderes para encorajá-los em seu crescimento espiritual e liderança, eles estão cientes das necessidades de seus líderes e estão orando por eles, eles se reúnem com seus líderes no ministério e na solução de problemas, e ocasionalmente eles visitam seus grupos.

De todas as perguntas da pesquisa, uma emergiu como a mais importante. Essa pergunta pede aos líderes de pequenos grupos que respondam: “Meu supervisor ou pastor se reúne comigo para me encorajar pessoalmente como líder”. Os líderes que respondem com “frequentemente” ou “muito frequentemente” têm grupos que são mais fortes em todas as medidas de saúde e crescimento!

Um item de pesquisa relacionado que se correlaciona negativamente com a saúde de pequenos grupos diz: “Sinto como se ninguém acompanhasse nosso grupo ou a mim como líder”.

A questão importante não é: a igreja tem supervisores? A maioria das igrejas com um número considerável de grupos o faz. Mas muitas vezes esses indivíduos não estão supervisionando ativamente seus líderes ou grupos. Frequentemente, isso não é culpa deles. Eles não estão supervisionando porque não sabem como, nunca foram treinados e não estão sendo supervisionados em seu próprio ministério como supervisores.

Um sistema de supervisão saudável requer supervisores comprometidos que são supervisionados e ativamente apoiados em sua supervisão. Nossa pesquisa demonstra que a supervisão é o fator mais importante na saúde de ministérios de pequenos grupos.

No entanto, é precisamente aqui que a maioria das igrejas falha. Porquê? Primeiro, porque eles não percebem a importância da supervisão. E, em segundo lugar, porque eles não sabem como fazer. Felizmente, agora você sabe o quão importante é! Cada igreja com mais de três pequenos grupos precisa de um sistema de  supervisão. Aqui estão algumas sugestões sobre como iniciar um coaching eficaz.

Spanish blog:

El entrenamiento es la clave

Por el Dr. Jim Egli, Grupos pequeños, Gran impacto

Yo, Joel Comiskey, escribí en un blog la semana pasada sobre la investigación de Jim Egli. En la investigación de Jim de 3000 pequeños líderes, descubrí que el entrenamiento era la característica más importante del crecimiento de las iglesias basadas en grupos pequeños. En este blog, dejemos que Jim hable por sí mismo. Esto es lo que escribió en su libro Grupos Pequeños, Gran Impacto:

Si las iglesias entrenan a sus líderes de grupos pequeños, estos líderes oran más, y sus grupos alcanzan, cuidan y empoderan significativamente más que los grupos que no están entrenados. Estos grupos, a su vez, sobresalen en todas las dinámicas de crecimiento: ¡crecimiento de conversión, asimilación y multiplicación de grupos!

¿Qué queremos decir cuando decimos que algunas iglesias entrenan activamente a sus líderes? Casi todos los sistemas de grupos pequeños en crecimiento tienen entrenadores o de grupos pequeños que normalmente supervisan unos cinco grupos pequeños. Las iglesias llaman a esta posición con muchos nombres diferentes.

¿Qué hace un entrenador o supervisor? Nuestra investigación reveló varios factores críticos. Los entrenadores se reúnen personalmente con sus líderes para animarlos en su crecimiento espiritual y liderazgo, son conscientes de las necesidades de sus líderes y están orando por ellos, reúnen a sus líderes para el ministerio y la resolución de problemas y ocasionalmente visitan sus grupos.

De todas las preguntas de la encuesta, una resultó ser la más importante. Esa pregunta que se les a los líderes de grupos pequeños es: “Mi entrenador o pastor se reúne conmigo para animarme personalmente como líder”. Los líderes que responden con “a menudo” o “muy a menudo” tienen grupos que son más fuertes en todas las medidas de salud y crecimiento.

Un elemento de la encuesta relacionado que se correlaciona negativamente con la salud de los grupos pequeños dice: “Siento que nadie hace un seguimiento de nuestro grupo ni de mí como líder”.

La pregunta importante no es: ¿Tiene una iglesia entrenadores? La mayoría de las iglesias con un número considerable de grupos los tienen. Pero muy a menudo estas personas no están entrenando activamente a sus líderes o grupos. A menudo esto no es culpa de ellos. No están entrenando porque no saben cómo, nunca fueron entrenados  y actualmente no están siendo entrenados en su propio ministerio como entrenadores.

Un sistema de entrenamiento saludable requiere entrenadores comprometidos que estén capacitados y apoyados activamente en su entrenamiento. Nuestra investigación demuestra que el entrenamiento es el factor más fundamental en la salud de los ministerios de grupos pequeños.

Sin embargo, aquí es precisamente donde la mayoría de las iglesias fracasan. ¿Por qué? Primero, porque no se dan cuenta de la importancia del entrenamiento. Y, en segundo lugar, porque no saben cómo hacerlo. ¡Con suerte, ahora sabes lo importante que tiene! Cada iglesia con más de tres grupos pequeños necesita un sistema de entrenamiento. A continuación se ofrecen algunas sugerencias sobre cómo iniciar un entrenamiento eficaz.

The “Who” of Coaching

coaches_JimEgilBy Jim Egli, Ph.D.. Jim is a small group enthusiast and researcher. He is the curriculum coordinator for New Generations, a ministry launching disciple making movements around the world. He shares his insights and free resources on small groups on his blog at jimegli.com.

Why do some churches’ small group ministries thrive and grow, while other churches’ group ministries sputter and fail? Over the last 20 years I have surveyed thousands of group leaders in hundreds of churches to answer that question. Every single time, the most important church factor is the active coaching of leaders.

But because putting a great coaching system in place requires time, energy, and focus, lots of churches are trying short cuts. To find out if these shortcuts might work, Joel Comiskey and I recently asked 1800 group leaders more in-depth questions to see look at the “who” of coaching. Who makes the best coaches? And who needs coaching? Here’s what we found out.

First, because of the effort and investment that coaching requires some churches are dropping coaching all together. And others are replacing volunteer coaches with paid staff. Apparently the thought is that though it’s more expensive, surely it’s easy to monitor and expect more of paid coaches.

So we asked the group leaders this question to see which groups do the best: those with no coach, volunteer coaches, or paid coaches.

Here is how they answered.

The coach or supervisor that oversees our group is:

  • No one oversees our group – 16%
  • A volunteer – 57%
  • A paid staff person (full or part-time) – 17%
  • I don’t know the status of the person – 10%

You guessed it, the groups overseen by “no one” are the least healthy. Which are the healthiest? The correlations reveal that the groups overseen by volunteer coaches are the healthiest and fastest growing! Apparently, volunteer coaches do a better job than paid staff in encouraging, supporting and helping group leaders.

Who Needs Coaching?

Another important “who” question is: Which leaders need coaching? Again, because establishing a working coaching system takes effort, some churches now assign coaches only to the newest leaders, assuming veteran leaders can do fine on their own. So in this round of research we looked at who needs coaches. The research shows that all leaders do a much better job if they are coached. Whether they are new or established, group leaders have more vibrant prayer lives, more outward focused groups, more caring group relationships, and invest more in future leaders if they are coached. Also, coached leaders have groups that excel in attracting, enfolding new people, and multiplying new leaders and groups.

Do you think established leaders don’t need coaching? How do you think your favorite champion sports team would do if they fired their coach and put no one in their place? Coaching makes a world of difference for everyone, even for the best and most experienced.

It reminds me of a sign that I read in my dentist’s waiting room. “You don’t need to floss all of your teeth, only the ones you want to keep.” In the same way, you don’t need to coach all of your leaders, only the ones that you want to have vibrant, growing groups!

Yes, coaching takes work! But so does taking time with God and having a vibrant marriage and everything else important in life. The research consistently reveals that it’s the most important element in your group system and that there are no simple short cuts to putting a great coaching ministry in place.

Sorry, just telling you the facts! If you want thriving groups, keep praying, learning, and investing to see that your leaders are encouraged, supported, and helped. That is what coaching is all about!

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O “Quem” do Treinamento

Por Jim Egli, Ph.D.. jimegli.com. Jim é um entusiasta e pesquisador de pequenos grupos. Ele é o coordenador de currículo para New Generations (“Novas Gerações”), um ministério que lança movimentos de discipulado em todo o mundo.

Por que alguns ministérios de pequenos grupos de certas igrejas prosperam e crescem, enquanto outros ministérios engasgam e fracassam? Nos últimos 20 anos, tenho pesquisado milhares de líderes de grupos em centenas de igrejas para responder a essa pergunta. Toda vez, o fator mais importante da igreja é o treinamento ativo dos líderes.

Mas como implantar um ótimo sistema de treinamento requer tempo, energia e foco, muitas igrejas estão tentando atalhos. Para descobrir se esses atalhos podem funcionar, Joel Comiskey e eu recentemente fizemos a 1800 líderes de grupo perguntas mais detalhadas para olhar para o “quem” do treinamento. Quem são os melhores treinadores? E quem precisa de treinamento? Aqui está o que descobrimos.

Primeiro, por causa do esforço e investimento que o treinamento requer, algumas igrejas estão abandonando o treinamento. E outras estão substituindo treinadores voluntários por funcionários pagos. Aparentemente, o pensamento é que, embora seja mais caro, com certeza é fácil monitorar e esperar mais de treinadores pagos.

Então, perguntamos aos líderes do grupo essa questão para ver quais grupos fazem o melhor: aqueles que não têm treinadores, os que têm treinadores voluntários ou treinadores pagos.

Aqui está como eles responderam.

O treinador ou supervisor que supervisiona nosso grupo é:

  • Ninguém supervisiona o nosso grupo – 16%
  • Um voluntário – 57%
  • Um funcionário remunerado (em tempo integral ou parcial) – 17%
  • Eu não sei o status da pessoa – 10%

Você adivinhou, os grupos supervisionados por “ninguém” são os menos saudáveis. Quais são os mais saudáveis? As correlações revelam que os grupos supervisionados por treinadores voluntários são os mais saudáveis e crescem mais rapidamente! Aparentemente, os treinadores voluntários fazem um trabalho melhor do que o pessoal remunerado em incentivar, apoiar e ajudar os líderes do grupo.

Quem precisa de Treinamento?

Outra pergunta importante sobre “quem” é: Quais líderes precisam de treinamento? Novamente, como o estabelecimento de um sistema de treinamento de trabalho requer esforço, algumas igrejas agora atribuem treinadores apenas aos líderes mais novos, presumindo que os líderes veteranos podem se sair bem sozinhos. Portanto, nesta rodada de pesquisa, analisamos quem precisa de treinadores. A pesquisa mostra que todos os líderes fazem um trabalho muito melhor se forem treinados. Independentemente de serem novos ou mais antigos, os líderes de grupo têm vidas de oração mais vibrantes, grupos voltados para o evangelismo, relacionamentos de grupo mais cuidadosos e investem mais em futuros líderes se forem treinados. Além disso, os líderes treinados têm grupos que se destacam em atrair, envolver novas pessoas e multiplicar novos líderes e grupos.

Você acha que líderes estabelecidos não precisam de treinamento? Como você acha que sua equipe de esportes campeã favorita faria se eles demitissem seu treinador e não colocassem ninguém em seu lugar? O treinamento faz muita diferença para todos, mesmo para os melhores e mais experientes.

Isso me lembra de uma placa que eu li na sala de espera do meu dentista: “Você não precisa passar fio dental em todos os dentes, apenas nos que deseja manter”. Da mesma forma, você não precisa treinar todos os seus líderes, apenas aqueles que você quer que tenham grupos vibrantes e crescentes!

Sim, o treinamento demanda trabalho! Mas o mesmo acontece para ter tempo com Deus, um casamento vibrante e todas as outras coisas importantes na vida. A pesquisa revela consistentemente que esse é o elemento mais importante no seu sistema de grupos e que não existem atalhos simples para colocar em prática um grande ministério de treinamento.

Desculpe, apenas contando os fatos! Se você quer grupos prósperos, continue orando, aprendendo e investindo para ver que seus líderes são encorajados, apoiados e ajudados. É disso que se trata o treinamento!

Spanish blog:

El “Quién” del Entrenamiento

Por Jim Egli, Ph.D. jimegli.com., Jim es un entusiasta celular e investigador. Él es el coordinador de currículo para Nuevas Generaciones, un ministerio que lanza movimientos de hacer discípulos alrededor del mundo.

¿Por qué los ministerios celulares de algunas iglesias prosperan y crecen, mientras que los ministerios celulares de otras iglesias fallan y fracasan? En los últimos 20 años, he encuestado a miles de líderes celulares en cientos de iglesias para responder esa pregunta. Cada vez, el factor más importante de la iglesia es el entrenamiento activo de los líderes.

Pero debido a que poner un gran sistema de entrenamiento en funcionamiento requiere tiempo, energía y concentración, muchas iglesias están tomando atajos. Para saber si estos atajos podrían funcionar, Joel Comiskey y yo recientemente le hicimos preguntas más profundas a 1800 líderes, para conocer el “quién” del entrenamiento. ¿Quién hace los mejores entrenadores? ¿Y quién necesita entrenamiento? Esto es lo que descubrimos.

Primero, debido al esfuerzo y la inversión que requiere el entrenamiento, algunas iglesias están dejando de entrenar todas juntas. Y otros están reemplazando a los entrenadores voluntarios con personal remunerado. Al parecer, la idea es que, aunque es más caro, seguramente es fácil de controlar y se espera más entrenadores pagados.

Así que hicimos esta pregunta a los líderes celulares, para ver a cuales células les va  mejor: aquellas sin entrenador, entrenadores voluntarios o entrenadores pagados.

Así es como respondieron.

El entrenador o supervisor que supervisa nuestro grupo es:

  • Nadie supervisa a nuestra célula – 16%
  • Un voluntario: 57%
  • Un miembro del personal remunerado (tiempo completo o parcial) – 17%
  • No conozco el estado de la persona – 10%

Lo adivinaste, las células supervisadas por “nadie” son las menos saludables. ¿Cuáles son las más saludables? Las correlaciones revelan que las células supervisadas por entrenadores voluntarios son las más saludables y de más rápido crecimiento. Aparentemente, los entrenadores voluntarios hacen un mejor trabajo que el personal remunerado para alentar, apoyar y ayudar a los líderes celulares.

¿Quién necesita entrenamiento?

Otra pregunta importante de “quién” es: ¿Qué líderes necesitan entrenamiento? De nuevo, debido a que establecer un sistema de entrenamiento laboral requiere esfuerzo, algunas iglesias ahora asignan entrenadores solo a los líderes más nuevos, asumiendo que los líderes veteranos pueden hacerlo bien por sí mismos. Entonces en esta ronda de investigación vimos quién necesita entrenadores. La investigación muestra que todos los líderes hacen un mejor trabajo si son entrenados. Ya sean nuevos o establecidos, los líderes celulares tienen vidas de oración más vibrantes, grupos más centrados en el exterior, relaciones celulares más afectuosas e invierten más en futuros líderes si son entrenados. Además, los líderes entrenados tienen células que se destacan en atraer, involucrar a nuevas personas y multiplicar nuevos líderes y células.

¿Crees que los líderes establecidos no necesitan entrenamiento? ¿Cómo crees que haría tu equipo campeón favorito si despidieran a su entrenador y no pusieran a nadie en su lugar? El entrenamiento hace una gran diferencia para todos, incluso para los mejores y más experimentados.

Me recuerda una señal que leí en la sala de espera de mi dentista. “No necesita usar hilo dental en todos los dientes, solo en los que desea conservar”. Del mismo modo, no es necesario que entrenes  a todos sus líderes, solo aquellos que deseas que tengan células vibrantes y en crecimiento!

Sí, ¡el entrenamiento requiere trabajo! Pero también lo es tomarse un tiempo con Dios y tener un matrimonio vibrante y todo lo demás importante en la vida. La investigación revela consistentemente que es el elemento más importante en su sistema celular y que no hay atajos simples para poner en marcha un gran ministerio de entrenamiento.

Lo siento, ¡solo te digo los hechos! Si deseas células prósperas, sigue orando, aprendiendo e invirtiendo para asegurarte de que tus líderes sean animados, apoyados y ayudados. ¡De eso se trata el entrenamiento!

Your Leaders Need Coaching

coaches_JimEgilBy Jim Egli, Ph.D.. Jim is a small group enthusiast and researcher. He is the curriculum coordinator for New Generations, a ministry launching disciple making movements around the world. He shares his insights and free resources on small groups on his blog at jimegli.com.

For 20 years I have been researching what makes small groups grow. This has involved many rounds of data gathering and careful statistical analysis. Over and over again the results reveal this: The most important factor for the health and growth of a group ministry is coaching.

Over my forty years as a small group leader I have had different small group coaches. They all had unique styles and helped me in different ways. Let me tell you about a few of them.

The Hands-On Coaches

I led my first small group at the age of 21. My pastor asked me to lead a Wednesday morning group for people that worked second shift. I had zero small group training but they gave me a coach couple. Bob and Sara met with me and their other small group leaders every Sunday night. They prayed with us, encouraged us, and went over our small group lessons for that week with us. God did amazing things in that group and in my life.

The Insightful Coach

The next small group coach that comes to my mind is Joe. He would take me out for breakfast. One time I told him my group was struggling relationally. There was not much friendship or caring happening between members. He told me, “Relationship emerges from the core of a group. Starting doing fun things with a few of the members and it will draw others in.” He was right! That insight, and others that he shared, have stuck with me and helped me for years.

The Practical Coach

Fred and Karen were practical coaches. They loved to visit our group. When they came to our meetings, they noticed people with deep needs and offered to meet with them personally outside of group to pray with them. Wow! That was a huge help.

The Encouraging Coach

Dave was an encourager. He loved to take me out for breakfast and ask me how things were going. I knew that he was praying for me. When he would visited the group that my wife Vicki and I were leading, he would put us in the middle and say: “Your group has great leaders. Let’s begin our prayer time tonight by blessing and praying for them.” Dave made us feel encouraged and appreciated.

The Available Coach

My most recent coach was Rich. He wasn’t as proactive as previous coaches. He was available. I could call him when I had a problem and he would listen and pray for my group. Once I asked Rich to meet me for breakfast to talk over a problem. Although he didn’t proactively relate to me, he engaged with leaders leading newer groups. He met regularly with them and visited their groups. He was a wise coach, giving more time to leaders needing more help.

Developing a supportive coaching system for your group leaders takes a lot of effort and time. It involves strategy, recruiting, training, and encouraging. It is no time-consuming, and sometimes frustrating. Different coaches do things in different ways. Some take more responsibility than others. But, as a group researcher wanting to help you do you best, I want to say this: Develop a vibrant coaching system. It is the most important thing you can do for the long-term health and growth of your group ministry.

I have never had a bad small group coach. Each of them helped me and my groups. I need a coach, and so do all your leaders.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Seus Líderes Precisam de Treinamento

Por Jim Egli, Ph.D.. Jim é um entusiasta e pesquisador de pequenos grupos. Ele é o coordenador de currículo para New Generations (“Novas Gerações”), um ministério que lança movimentos de discipulado em todo o mundo. Confira o site dele aqui:  jimegli.com.

Há 20 anos venho pesquisando o que faz com que pequenos grupos cresçam. Isso envolveu muitas rodadas de coleta de dados e análise estatística cuidadosa. Os resultados revelam isso repetidamente: o fator mais importante para a saúde e o crescimento de um ministério de grupos o é o treinamento.

Nos meus quarenta anos como líder de um pequeno grupo, tive diferentes treinadores de pequenos grupos. Todos eles tinham estilos únicos e me ajudaram de diferentes maneiras. Deixe-me contar sobre alguns deles.

Os Treinadores “Mão na Massa”

Liderei meu primeiro pequeno grupo aos 21 anos. Meu pastor me pediu para liderar um grupo às quartas-feiras de manhã para pessoas que trabalhavam no período da tarde. Eu tive zero treinamento em pequenos grupos, mas eles me deram um casal de treinadores. Bob e Sara se encontravam comigo e com os outros líderes de pequenos grupos todos os domingos à noite. Eles oravam conosco, nos encorajavam e passavam para nós as “lições” para nossos pequenos grupos a cada semana. Deus fez coisas incríveis naquele grupo e na minha vida.

O Treinador Perspicaz

O próximo treinador de pequenos grupos que vem à minha mente é Joe. Ele me levava para tomar café da manhã. Uma vez eu disse a ele que meu grupo estava lutando relacionalmente. Não havia muita amizade ou carinho acontecendo entre os membros. Ele me disse: “O relacionamento surge do núcleo de um grupo. Comece a fazer coisas divertidas com alguns dos membros e isso atrairá os outro”. Ele estava certo! Esse insight e outros que ele compartilhou ficaram comigo e me ajudaram por anos.

O Treinador Prático

Fred e Karen eram treinadores práticos. Eles adoravam visitar nosso grupo. Quando eles vinham para nossas reuniões, eles percebiam pessoas com necessidades profundas e se ofereciam para encontrá-las pessoalmente fora do grupo para orar com elas. Uau! Isso era uma grande ajuda.

O Treinador Encorajador

Dave era um encorajador. Ele adorava me levar para tomar café da manhã e me perguntar como estavam as coisas. Eu sabia que ele estava orando por mim. Quando ele visitava o grupo que minha esposa Vicki e eu estávamos liderando, ele nos colocava no meio e dizia: “Seu grupo tem grandes líderes. Vamos começar nosso tempo de oração esta noite abençoando e orando por eles”. Dave nos fez sentir encorajados e apreciados.

O Treinador Disponível

Meu treinador mais recente foi Rich. Ele não era tão proativo quanto os treinadores anteriores. Ele estava disponível. Eu poderia ligar para ele quando tivesse um problema e ele iria ouvir e orar pelo meu grupo. Uma vez pedi a Rich que me encontrasse no café da manhã para conversar sobre um problema. Embora ele não se relacionasse proativamente comigo, ele se envolveu com líderes que lideravam grupos mais novos. Ele se encontrava regularmente com eles e visitava seus grupos. Ele era um treinador sábio, dando mais tempo para os líderes que precisavam mais de ajuda.

Desenvolver um sistema de treinamento de apoio para os líderes de célula exige muito tempo e esforço. Isso envolve estratégia, recrutamento, treinamento e incentivo. É um processo demorado e às vezes frustrante. Treinadores diferentes fazem as coisas de maneiras diferentes. Alguns assumem mais responsabilidade que outros. Mas, como um pesquisador de grupos que quer ajudá-lo a fazer o melhor, quero dizer o seguinte: desenvolva um sistema de treinamento vibrante. É a coisa mais importante que você pode fazer pela saúde e crescimento a longo prazo do seu ministério de grupos.

Eu nunca tive um treinador de pequenos grupos ruim. Cada um deles ajudou a mim e aos meus grupos. Eu preciso de um treinador, e todos os seus líderes também precisam

Spanish blog:

Tus líderes necesitan entrenamiento

Por Jim Egli, Ph.D .. Jim es un entusiasta celular e investigador. Él es el coordinador de currículo para Nuevas Generaciones, un ministerio que lanza movimientos de hacer discípulos alrededor del mundo. Jim Comparte sus ideas y recursos gratuitos en grupos pequeños en su blog en jimegli.com.

Durante 20 años he estado investigando qué hace crecer a los grupos celulares. Esto ha implicado muchas rondas de recopilación de datos y un cuidadoso análisis estadístico. Una y otra vez, los resultados revelan lo siguiente: El factor más importante para la salud y el crecimiento de un ministerio celular  es el entrenamiento.

Durante mis cuarenta años como líder de un grupo pequeño, tuve diferentes entrenadores de grupos pequeños. Todos tenían estilos únicos y me ayudaron de diferentes maneras. Déjame contarte sobre algunos de ellos.

Los entrenadores de campo

Dirigí mi primera célula a la edad de 21 años. Mi pastor me pidió que dirigiera un grupo de miércoles por la mañana para las personas que trabajaban en el turno vespertino. No tuve entrenamiento en grupos celulares, pero me dieron una pareja de entrenadores. Bob y Sara se reunieron conmigo y con sus otros líderes de grupos celulares, todos los domingos por la noche. Ellos oraron con nosotros, nos alentaron y revisaron nuestras lecciones para la célula para esa semana con nosotros. Dios hizo cosas increíbles en ese grupo y en mi vida.

El entrenador perspicaz

El siguiente entrenador de grupos celulares que me viene a la mente es Joe. Él me llevaba a desayunar. Una vez le dije que mi grupo estaba luchando relacionalmente. No había mucha amistad o cordialidad entre los miembros. Él me dijo: “La relación surge del núcleo de un grupo. Comienza a hacer cosas divertidas con algunos de los miembros y atraerá a otros “. ¡Tenía razón! Esa visión, y otras que él compartió, se han quedado conmigo y me han ayudado durante años.

El entrenador práctico

Fred y Karen fueron entrenadores prácticos, les encantaba visitar nuestra célula. Cuando asistieron a nuestras reuniones, notaron personas con necesidades profundas y se ofrecieron a reunirse con ellos personalmente fuera del grupo para orar con ellos. ¡Guauu! Eso fue una gran ayuda.

El entrenador animador

Dave fue un animador. Le encantaba llevarme a desayunar y preguntarme cómo iban las cosas. Sabía que estaba orando por mí. Cuando visitaba la célula que mi esposa Vicki y yo estábamos liderando, nos ponía en el medio y decía: “Su grupo tiene grandes líderes. Comencemos nuestro tiempo de oración esta noche bendiciendo y orando por ellos “. Dave nos hizo sentir animados y apreciados.

El entrenador disponible

Mi entrenador más reciente fue Rich. Él no fue tan proactivo como los entrenadores anteriores, solo estaba disponible. Podría llamarlo cuando tenia un problema y él me escuchaba y oraba por mi célula. Una vez le pedí a Rich que se reuniera conmigo para el desayuno y hablar sobre un problema. A pesar de que no se identificó de forma proactiva conmigo, se comprometió con los líderes de las células más nuevas. Se reunía regularmente con ellos y visitaba sus células. Era un entrenador sabio, dando más tiempo a los líderes que necesitaban más ayuda.

Desarrollar un sistema de entrenamiento de apoyo para los líderes de tu célula requiere mucho esfuerzo y tiempo. Implica estrategia, reclutamiento, entrenamiento y estímulo. Consume mucho tiempo y, a veces, es frustrante. Los diferentes entrenadores hacen las cosas de diferentes maneras; algunos toman más responsabilidad que otros. Pero, como investigador celular que desea ayudarte a hacer lo mejor posible, quiero decir esto: Desarrolla un sistema de entrenamiento vibrante. Es lo más importante que puedes hacer para la salud y el crecimiento a largo plazo de su ministerio celular.

Nunca tuve un mal entrenador de grupos celulares. Cada uno de ellos me ayudó a mí y a mis células. Yo necesito un entrenador, y también todos tus líderes.

Shifting the Focus of Small Groups

coaches_JimEgilBy Jim Egli, Leadership and Missions Pastor of the Vineyard Church in Urbana, Illinois. He shares his insights and free resources on small groups on his blog at jimegli.com.

I recently asked a pastor friend, “Why do you study the Bible in your small group?” He said, “Hmmm. I don’t know. Enrichment, I guess.” How would you answer that question? Perhaps you would say, “spiritual growth” or “discipleship.” But maybe your group is not really producing as much growth or discipleship as you want.

In a Discovery Group the end goals of digging into the Bible are very clear. You to to Scripture for two reasons—to immediately obey it and to be able to share its message with others. Perhaps you think that that is already the goal of your group. If that is what you are thinking, I challenge you, ask everyone in your group this week to tell you very specifically how they are going to obey this week’s passage and who they are going to share it with. Then ask each person at next week’s meeting if they did those two things. It will be a huge adjustment for your group members if you do that week after week!

But that is exactly what you do in a Discovery Group meeting, you are specific and accountable in obeying and sharing God’s Word. Here’s the simple format of a typical meeting.

You begin with prayer or a song followed by two icebreaker questions:

  • What is one thing you thankful for this week?
  • What is one challenge you are facing?

Then you ask two accountability questions:

  • How did it go obeying last week’s passage in the specific way that you felt led?
  • Did you share the story or message of the passage with anyone?

Then you read the passage out loud together a few times, perhaps from two or three different translations, discussing what stands out to people and its main point.

Then everyone retells the story or restates the message of the passage in their own words. (If you have a large group, you break down into groups of three or four to do this.)

Then each person says how they feel they are to obey it. The response that each person chooses is totally up to them.

Then each person says who they might share it with—perhaps a friend, family member, or coworker that needs the encouragement that the story or passage offers. (This is easy to do because they practiced retelling the passage to one another.) Finally, you close by praying for one another.

Jesus did not command us to make disciples by teaching them to learn everything he commanded. He said to teach them to obey everything he commanded. (Matthew 28:20) Since the heart of the Disciple-Making Movement is, in fact, making disciples who make more disciples, the focus of each Bible study is for people to immediately respond in obedience to its message and to share it with others.

Leading an obedience-centered group is straight forward and easy to do with a group of seekers or new believers, but it is actually a huge adjustments for most believers conditioned by years of studying the Bible for learning or interesting discussion. I know it was a big adjustment for me! It takes time to change habits. Remember what Paul wrote in 1 Thessalonians 5:14: “Be patient with everyone.” So give others and yourself grace as you reorient yourself for simple, real discipleship to Jesus.

Leading a small group using the Discovery Group pattern used in a DMM (Disciple-Making Movement) changes the focus of a group meeting in a subtle but profound way. I encourage you to make this change.  I think you’ll love it.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Mudando o Foco dos Pequenos Grupos

Por Jim Egli, entusiasta de pequenos grupos, pesquisador e escritor. Você pode encontrar mais de seus pensamentos e alguns recursos de grupo gratuitos em seu website jimegli.com.

Recentemente eu perguntei a um amigo pastor, “Por que você estuda a Bblia em seu pequeno grupo?” Ele disse, “Hum. Eu não sei. Enriquecimento, eu acho.” Como você responderia a essa pergunta? Talvez você diria, “crescimento espiritual” ou “discipulado”. Mas talvez seu grupo não esteja produzindo o tanto de crescimento ou discipulado que você quer.

Em um Grupo de Descoberta os objetivos finais de esquadrinhar a Bblia são muito claros. Você vai a Escritura por duas razões—para obedecer imediatamente e para ser capaz de compartilhar sua mensagem com outros. Talvez você pense que isso já é a meta do seu grupo. Se isso é o que você está pensando, eu te desafio- peça a todos do seu grupo para contar a você muito especificamente como eles vão obedecer a passagem dessa semana e como eles vão compartilhá-la. Então pergunte a cada pessoa na reunião da próxima semana se eles fizeram essas duas coisas. Será um grande ajuste para os membros do seu grupo se você fizer isso semana após semana!

Mas isso é exatamente o que você faz em uma reunião do Grupo de Descoberta, você é especfico e responsável em obedecer e compartilhar a Palavra de Deus. Aqui está o formato simples de uma reunião tpica.

Você começa com uma oração ou com uma canção seguida de duas perguntas de quebra-gelo:

  • Por que coisa você está grato nessa semana?
  • Qual é um desafio que você está enfrentando?

Então faça duas questões sobre responsabilidade:

  • Como foi obedecer a passagem da última semana da maneira especfica pela qual você foi conduzido?
  • Você compartilhou a história ou a mensagem da passagem com alguém?

Então vocês leem a passagem em bom som juntos algumas vezes, talvez de duas ou três interpretações diferentes, discutindo o que se destaca às pessoas e seu ponto principal.

Então todos recontam a história ou reafirmam a mensagem da passagem em suas próprias palavras. (Se você tiver um grupo grande, reparta-o em grupos de três ou quatro para fazerem isso.)

Então cada pessoa diz como sente que deve obedecê-la. A resposta de cada uma é totalmente escolha dela.

Então cada pessoa diz com quem elas podem compartilhar—talvez com um amigo, membro da famlia, ou colega de trabalho que precisa do encorajamento que a história ou passagem oferece. (Isso é fácil de se fazer porque eles praticaram recontar a passagem uns com os outros.) Finalmente, você encerra orando um pelo outro.

Jesus não nos ordenou a fazer discpulos ensinando-os a aprender tudo que ele ordenou. Ele disse para ensiná-los a obedecer tudo que ele ordenou. (Mateus 28:20) Já que o coração do Movimento de Fazer Discpulos é, de fato, fazer discpulos que fazem mais discpulos, o foco de cada estudo da Bblia é que as pessoas respondam imediatamente em obediência a sua mensagem e compartilhem com outros.

Liderar um grupo centrado na obediência é simples e fácil de se fazer com um grupo de pessoas que buscam ou novos crentes, mas é na verdade um grande ajuste para a maioria dos crentes condicionados por anos de estudo da Bblia para aprendizado ou para discussões interessantes. Eu sei que foi um grande ajuste para mim! Leva tempo para mudar hábitos. Lembre-se do que Paulo escreveu em 1 Tessalonicenses 5:14: “Seja paciente com todos.” Então dê a outros e a você graça conforme você se reorienta para um simples e real discipulado para Jesus.

Liderar um pequeno grupo usando o padrão do Grupo de Descoberta em um Movimento de Fazer Discpulos muda o foco de uma reunião de grupo de uma forma sutil, mas profunda. Eu te encorajo a fazer essa mudança. Eu acho que você vai amá-la.

Spanish blog:

Cambiando el enfoque de los grupos pequeños

Por Jim Egli, entusiasta, investigador y escritor de los pequeños grupos. Usted puede encontrar más de sus pensamientos y algunos recursos de grupo, gratis, en su sitio web jimegli.com.

Recientemente le pregunté a un pastor amigo, “¿Por qué estudias la Biblia en tu pequeño grupo?” Él dijo: “Hmmm. No lo sé. Enriquecimiento, supongo. “¿Cómo respondera a esa pregunta? Tal vez usted dira, “crecimiento espiritual” o “discipulado”. Pero tal vez su grupo no esté produciendo tanto crecimiento o discipulado como desee.

En un grupo de descubrimiento los objetivos finales a cavar en la Biblia son muy claros. Usted hace lo que dice la Escritura por dos razones: para obedecer inmediatamente y poder compartir su mensaje con los demás. Tal vez usted piensa que eso ya es el objetivo de su grupo. Si eso es lo que estás pensando, te desafo, pide a todos en tu grupo esta semana que te digan muy especficamente cómo van a obedecer el pasaje de esta semana y con quién van a compartirlo. Luego pregunte a cada persona en la reunión de la próxima semana si hicieron esas dos cosas. ¡Será un gran ajuste para los miembros de su grupo si lo hace semana tras semana!

Pero eso es exactamente lo que usted hace en una reunión de descubrimiento, usted es especfico y responsable al obedecer y compartir la Palabra de Dios. Aqu está el formato simple de una reunión tpica.

Comienza con la oración o una canción seguida de dos preguntas sobre el rompehielos:

  • ¿Qué es lo que agradeces esta semana?
  • ¿Cuál es el reto al que te enfrentas?

Entonces usted hace estas dos preguntas:

  • ¿Cómo obedeciste el pasaje de la semana pasada de la manera especfica en que te sentiste guiado?
  • ¿Compartiste la historia o el mensaje del pasaje con alguien?

Después leen el pasaje en voz alta juntos unas cuantas veces, quizás en dos o tres traducciones diferentes, discutiendo en lo que se destaca la gente y su punto principal.

Entonces todos cuentan la historia o reafirma el mensaje del pasaje con sus propias palabras. (Si usted tiene un grupo grande, divdalo en grupos de tres o cuatro para hacer esto.)

Entonces cada persona dice cómo ellos sienten y como deben obedecerla. La respuesta que cada persona depende totalmente de ellos.

Luego, cada persona dice con quién podra compartirlo, tal vez un amigo, un miembro de la familia o un compañero de trabajo que necesita el estmulo que ofrece la historia o el pasaje. (Esto es fácil de hacer porque practicaron el relato del pasaje el uno al otro). Finalmente, terminan orando los unos por el otros.

Jesús no nos mandó hacer discpulos enseñándoles a aprender todo lo que él mandó. Dijo que les enseñara a obedecer todo lo que mandaba. (Mateo 28:20Desde que el corazón del movimiento de hacedores de discpulos, de hecho, hace discpulos que hacen más discpulos, el enfoque de cada estudio bblico es que la gente responda de inmediato en obediencia a su mensaje y compartirlo con otros.

Liderar un grupo concentrado en la obediencia es sencillo y fácil de hacer con un grupo de buscadores o nuevos creyentes, pero en realidad es un ajuste enorme para la mayora de los creyentes por años de estudiar la Biblia para aprender o discutir de manera interesante. ¡Sé que fue un gran ajuste para m! Se necesita tiempo para cambiar los hábitos. Recuerden lo que Pablo escribió en 1 Tesalonicenses 5:14: “Sed pacientes con todos”. As que dad a los demás y a vosotros gracia a medida que os reorientáis a un simple y verdadero discipulado a Jesús.

Liderar un grupo pequeño usando el patrón del Grupo de Descubrimiento usado en un DMM (Disciple-Making Movement, el movimiento de hacedores de discpulos) cambia el enfoque de una reunión grupal de una manera sutil pero profunda. Te animo a hacer este cambio. Creo que te encantará.

A Simple but Radical Shift in the Purpose and Format of Small Groups

coaches_JimEgilBy Jim Egli, Leadership and Missions Pastor of the Vineyard Church in Urbana, Illinois. He shares his insights and free resources on small groups on his blog at jimegli.com.

Every once in a while a new discovery comes along that changes everything. Change experts call these paradigm shifts. A paradigm shift is a fundamental change that radically changes how we approach and do things.

I am currently going through a small group paradigm shift. I thought I knew a lot about groups. I have led groups for almost 40 years, written small group training for 30 years, and extensively researched groups for more than 20 years.

I thought I was an expert, but something is happening in the world of small groups that is radically changing how I think about and do them. And, as they say, “When a paradigm shifts everyone goes back to zero.”

The paradigm shift shaking the small group and church world is the “Disciple-Making Movement.” Here are some basic changes introduced by the DMM movement.

  1. Discipleship isn’t just for believers. People often—and ideally—start to follow Jesus before they fully surrender their lives to him. (If you want to dig into this more read this post: http://jimegli.com/you-dont-understand-the-first-thing-about-discipleship/)
  2. Small groups shouldn’t study the Bible to learn more, to be enriched, or to grow spiritually.  (Though these may also happen.) The primary reason to study the Bible is to immediately obey it. Jesus said, “Make disciples … teaching them to obey everything I have commanded you.
  3. God is already at work in the lives of unbelievers around you and right now some of them are extremely open to exploring spiritual things, including a relationship with Jesus. You need to connect to these people that the Holy Spirit is drawing, and they—not you—will reach a bunch of other people currently far from God.
  4. When you use a simple small group format that zeros in on people hearing and responding to the Bible themselves, without the need for a trained expert, new followers of Jesus—and even unbelieving seekers—can lead a great Bible study that helps people encounter and follow Christ. (To learn more about what how a Discovery Group, one of the small groups at the heart of the DMM movement works, check out this post: http://jimegli.com/the-next-big-thing-in-small-groups/)

When you combine the principles together you get powerful small groups that can easily multiply new groups and leaders.

Although the Discovery Group format is simple, it takes a while to get the hang of it and to start actively doing the accountability that is a part of it. Once you get it though, I am confident that you will love it and never turn back.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Uma Mudança Simples, Mas Radical no Propósito e no Formato dos Pequenos Grupos

Por Jim Egli, Pastor de Liderança e de Missões na Igreja Vineyard em Urbana, Illinois. Ele compartilha seus pensamentos e recursos gratuitos sobre os pequenos grupos em seu blog: jimegli.com.

De vez em quando surge uma nova descoberta que muda tudo. Especialistas em mudança chamam isso de mudanças de paradigma. Uma mudança de paradigma é uma mudança fundamental que transforma radicalmente como abordamos e fazemos as coisas.

Atualmente, estou passando por uma mudança de paradigma sobre os pequenos grupos. Eu pensava que sabia muito sobre os grupos. Tenho liderado grupos há quase 40 anos, escrito treinamentos para pequenos grupos por 30 anos, e pesquisado grupos extensivamente há mais de 20 anos.

Eu pensava que era um especialista, mas algo está acontecendo no mundo dos pequenos grupos que está mudando radicalmente como eu penso sobre eles e como os faço. E, como eles dizem: “Quando um paradigma muda, todo mundo volta para a estaca zero”.

A mudança de paradigma que abala o mundo da Igreja e dos pequenos grupos é o “Movimento de Fazer Discpulos” (DMM, sigla em inglês). Aqui estão algumas mudanças básicas introduzidas pelo movimento DMM.

  1. O discipulado não é apenas para os convertidos. As pessoas frequentemente (e idealmente) começam a seguir Jesus antes de entregarem suas vidas inteiramente a Ele. (Se você quiser investigar isso, leia mais este post: http://jimegli.com/you-dont-understand-the-first-thing-about-discipleship/ )
  2. Pequenos grupos não devem estudar a Bblia para aprender mais, para serem enriquecidos ou para crescerem espiritualmente (embora isso tudo também possa acontecer). A principal razão para estudar a Bblia é obedecê-la imediatamente. Jesus disse: “Fazei discpulos… ensinando-os a obedecer a tudo o que vos tenho ordenado”.
  3. Deus já está trabalhando nas vidas dos incrédulos ao seu redor e agora alguns deles estão extremamente abertos à exploração de coisas espirituais, incluindo um relacionamento com Jesus. Você precisa se conectar a essas pessoas que o Esprito Santo está aproximando, e elas – e não você – chegarão a várias outras pessoas que atualmente estão longe de Deus.
  4. Quando você usa um formato de pequeno grupo simples que se atenta às pessoas ouvindo e respondendo à própria Bblia, sem a necessidade de um especialista treinado, novos seguidores de Jesus – e até mesmo os que buscam, mas são incrédulos – pode levar um grande estudo bblico que ajuda as pessoas a encontrarem e seguirem a Cristo (para saber mais sobre como funciona um Discovery Group [Grupo de Descoberta], um dos pequenos grupos no coração do movimento DMM, confira este post: http://jimegli.com/the-next-big-thing-in-small-groups/ )

Quando você combina esses princpios, obtém pequenos grupos poderosos que podem facilmente multiplicar novos grupos e lderes.

Embora o formato do Grupo de Descoberta seja simples, leva um tempo para pegar o jeito dele e para começar a fazer ativamente a prestação de contas que é uma parte dele. Uma vez que você pega o jeito, estou confiante de que você vai adorar e nunca voltar.

Spanish blog:

Un cambio simple pero radical en el propósito y el formato de los pequeños grupos

Por Jim Egli, Pastor de Liderazgo y Misiones de la Iglesia Vineyard en Urbana, Illinois. Él comparte sus ideas y recursos gratuitos para los pequeños grupos en su blog en www.jimegli.com

De vez en cuando llega un nuevo descubrimiento que cambia todo. Los expertos en cambio llaman a estos cambios de paradigma. Un cambio de paradigma es un cambio fundamental que cambia radicalmente cómo nos acercamos y hacemos las cosas.

Actualmente estoy pasando por un cambio de paradigma de un grupo pequeño. Pensé que saba mucho sobre los grupos. He dirigido grupos durante casi 40 años, escrito en la formación de pequeños grupos durante 30 años, y ampliamente investigado grupos por más de 20 años.

Pensé que era un experto, pero algo está sucediendo en el mundo de los pequeños grupos que está cambiando radicalmente cómo pienso y lo hago. Y, como dicen, “Cuando un paradigma cambia, todo el mundo vuelve a cero”.

El cambio de paradigma que sacude al pequeño grupo y al mundo de la iglesia es el “Movimiento Discpulo-Haciendo”. Aqu están algunos cambios básicos introducidos por el movimiento DMM.

  1. El discipulado no es sólo para los creyentes. La gente a menudo, e idealmente, comienzan a seguir a Jesús antes de entregarles la vida. (Si quieres profundizar en esto más lee este post: http://jimegli.com/you-dont-understand-the-first-thing-about-discipleship/
  2. Los pequeños grupos no deben estudiar la Biblia para aprender más, o para ser enriquecidos, o para crecer espiritualmente. (Aunque estos también pueden suceder.) La principal razón para estudiar la Biblia es obedecerla inmediatamente. Jesús dijo: “Haced discpulos … enseñándoles a obedecer todo lo que os he mandado”.
  3. Dios ya está trabajando en las vidas de los incrédulos a su alrededor y en este momento algunos de ellos están extremadamente abiertos a explorar cosas espirituales, incluyendo una relación con Jesús. Tienes que conectarte con estas personas que el Espritu Santo está dibujando, y ellas -no tú- llegarán a un grupo de otras personas que actualmente están lejos de Dios.
  4. Cuando usas un formato simple en los pequeños grupos que se encaja a la gente que oye y responde a la Biblia, sin la necesidad de un experto capacitado, los nuevos seguidores de Jesús-e incluso los buscadores incrédulos- pueden dirigir un gran estudio bblico que ayuda a las personas Encontrar y seguir a Cristo. (Para saber más sobre cómo funciona un Grupo Discovery, uno de los pequeños grupos en el corazón del movimiento DMM, echa un vistazo a este post: http://jimegli.com/the-next-big-thing-in-small-groups/)/)

Cuando se combinan los principios juntos se obtienen pequeños grupos poderosos que fácilmente pueden multiplicar nuevos grupos y lderes.

Aunque el formato del Grupo Discovery es simple, tarda un tiempo en conseguir la movida de él y comenzar a hacer activamente la rendición de cuentas es parte de ella. Una vez que lo consigas, sin embargo, estoy seguro de que te va a encantar y nunca volverás atrás.