The High Cost of Doing It All Yourself; Part 1: The People Price

jim

by Dr. Jim Wall, Executive Director, Acts 2 Network, www.acts2network.org

The first six years in the planting of Western Branch Community Church were among the most dynamic and exhilarating years of my ministry life. The seventh year was the hardest.

God blessed dramatically in those early years. Hundreds of unchurched, unsaved people came and found Christ. 70% of our growth came from conversion growth. Unfortunately, my approach to caring for all those baby Christians was deeply flawed. You see, I came from the world where the Senior Pastor took care of the flock personally. If there was a need, it was supposed to be met by me. If there was question, it had to answered by me. If there was meeting, it couldn’t start until I arrived. If someone was in the hospital, the angels didn’t start singing the “Hallelujah Chorus” until I got there.

It all came crashing down on the day I promised a church member I’d go to the hospital to pray with her before her scheduled minor surgery. Before I got there that day, I received a call that another church member was going into emergency heart surgery—at a different hospital. As soon as I worked out a way to get to them both, the phone rang again. It was yet another church member who’s 20 year old daughter had died by her own hand during the night! What do I do now? I did what I thought I was supposed to do. I ran as hard as I could for the next several days trying to minister to them all. In the process, I failed them all. I didn’t just fail those families. I had been so busy trying to provide pastoral care to everyone, when Sunday morning came, I wasn’t adequately prepared to preach a life giving message. We won’t even talk about the level at which I was failing my marriage or my children. We won’t even address the deep level of burnout I was reaching personally. The seventh year was a hard year.

The solution came in form of our cell system; distributing the pastoral care blessing to capable, called cell leaders. But the solution couldn’t be applied until I died to self and stopped hording the blessings of ministry for myself!

The “people price” of trying to do it all yourself is incredibly high. I beg you not to pay it, nor ask those around you to pay it too. That’s not the only cost. In Part 2 of this article we’ll see the cost in terms of the harvest.

Jim

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O Preço Alto de Fazer Tudo Sozinho; Parte 1: O Preço das Pessoas

Dr. Jim Wall, Diretor Executivo, Acts 2 Network, www.acts2network.org

Os primeiros seis anos na implantação da Western Branch Community Church (““Filial Ocidental da Igreja da Comunidade”, tradução livre) estavam entre os anos mais dinâmicos e emocionantes da minha vida ministerial. O sétimo ano foi o mais difcil.

Deus nos abençoou drasticamente naqueles primeiros anos. Centenas de pessoas sem igreja e pessoas não salvas vieram e encontraram a Cristo. 70% do nosso crescimento veio através de conversões. Infelizmente, a minha abordagem para cuidar de todos os cristãos bebês foi profundamente falha. Veja bem, eu vim da realidade onde o pastor principal cuidava do rebanho pessoalmente. Se havia uma necessidade, ela tinha que ser atendida por mim. Se existia uma pergunta, ela tinha que ser respondida por mim. Se tinha uma reunião, ela não poderia começar antes de eu chegar. Se alguém estava no hospital, os anjos não começavam a cantar o louvor Aleluia até que eu chegasse lá.

Tudo desabou no dia em que eu prometi a uma mulher membro da igreja que eu iria para o hospital orar com ela antes do horário agendado para sua pequena cirurgia. Antes de eu chegar lá naquele dia, eu recebi uma ligação dizendo que outro membro da igreja estava indo para uma cirurgia cardaca de emergência em um hospital diferente. Assim que eu pensei numa maneira de ir para ambos, o telefone tocou novamente. Era mais um membro da igreja, cuja filha de 20 anos de idade tinha morrido por sua própria mão durante a noite! O que eu faria naquela hora? Eu fiz o que eu pensei que eu devia fazer. Eu corri o máximo que pude nos vários dias seguintes tentando ministrar a todos eles. No processo, eu falhei com todos eles. Eu não falhei apenas com aquelas famlias. Eu estava tão ocupado tentando prestar atendimento pastoral a todos que, quando chegou domingo de manhã, eu não estava suficientemente preparado para pregar uma mensagem de vida. Não vamos nem falar sobre o nvel em que eu estava falhando com meu casamento ou com meus filhos. Não vamos nem mencionar o profundo nvel de esgotamento que eu estava atingindo pessoalmente. O sétimo ano foi um ano difcil. 

A solução veio na forma do nosso sistema celular; distribuir a bênção pastoral para pessoas capazes, chamadas de lderes de células. Contudo, a solução não poderia ser aplicada até eu morrer para mim mesmo e parar de acumular as bênçãos do ministério para mim!

O "preço das pessoas" por tentar fazer tudo sozinho é incrivelmente alto. Eu imploro para que você não o pague, nem peça para as pessoas ao seu redor pagá-lo também. Esse não é o único preço. Na parte 2 deste artigo, vamos ver o preço em termos de colheita.

Jim

Spanish blog:

El alto costo de hacerlo todo usted mismo; Parte 1: El Precio de la gente

Por el Dr. Jim Wall, Director Ejecutivo, de la Red de Hechos 2, www.acts2network.org

Los primeros seis años de la plantación de la Iglesia Comunitaria Western Branch fueron algunos de los años más dinámicos y emocionantes de mi vida ministerial. El séptimo año fue el más difcil.

Dios bendijo dramáticamente en aquellos primeros años. Cientos de personas no salvas, sin iglesia llegaron y encontraron a Cristo. El setenta por ciento de nuestro crecimiento provino del crecimiento de la conversión. Por desgracia, mi acercamiento al cuidado de todos esos bebés cristianos era profundamente defectuoso. Ya ves, yo vengo del mundo donde el Pastor Principal cuidaba del rebaño personalmente. Si era necesario, se supone que deberan reunirse conmigo. Si haba una pregunta, tendra que ser respondida por m. Si haba una reunión, no se poda empezar hasta que yo llegara. Si alguien estaba en el hospital, los ángeles no empezaban a cantar el "Coro Aleluya" hasta que yo llegase.

Todo se vino abajo el da que le promet a un miembro de la iglesia que ira al hospital a orar por ella antes de que fuera intervenida por una ciruga menor. Antes de llegar all ese da, recib una llamada de que otro miembro de la iglesia estaba en la sala de emergencias para una ciruga en el corazón en un hospital diferente. Tan pronto como encontré la forma de llegar a los dos, el teléfono volvió a sonar. Fue otro miembro de la iglesia en donde su hija de 20 años de edad, haba muerto por su propia mano durante la noche. ¿Qué hago ahora? Hice lo que pensé que tena que hacer. Corr tan fuerte como pude para los próximos das tratando de atender a todos ellos. En el proceso, les falle a todos ellos. No solo le falle a esas familias. Solamente haba estado tan ocupado tratando de brindar atención pastoral a todos, que cuando llegó la mañana del domingo, no estaba preparado adecuadamente para predicar un mensaje de vida. No vamos a hablar sobre el nivel en el que estaba fallando mi matrimonio y a mis hijos. A parte el profundo nivel de desgaste fsico que haba alcanzado personalmente. El séptimo año fue un año duro.

La solución llegó en forma con nuestro sistema celular; distribuyendo la bendición pastoral capacitada, llamando lderes celulares. Pero la solución no podra aplicarse hasta que muriera el yo y deje de acaparar las bendiciones del ministerio para m.

El "precio de la gente" de tratar de hacerlo todo usted mismo es increblemente alto. Yo ruego que no lo pagues, ni pidas a los que te rodean que lo paguen también. Ese no es el único costo. En la Parte 2 de este artculo vamos a ver el costo en términos de la cosecha.

Jim

It Starts with the Culture, part 2

jim

by Dr. Jim Wall, Executive Director, Acts 2 Network, www.acts2network.org

Yesterday we discussed a cultural norm that said, “Cell membership is church membership. Church membership is cell membership.” We described a culture in which weekend celebrations are not gatherings of the church as much as they are public gatherings that the church attends, hosts and staffs. Members come to those weekend celebrations with a mind-set that they are going to the mission field every Sunday. During the week, we worked to create an environment that unchurched people would want to check out. On Sunday we’d do our best to show them Christ and introduce them to His family.

Here are some practical ways we lived that culture out during the 24 years I led Western Branch Community Church:

1. No Holy Huddles Allowed. Members were taught they should not be congregating among congregants before and after celebration services. They should be working the atrium and hallways like a politician at election time! We broke up holy huddles; i.e. clusters of church members focused on one another instead of looking around for someone who is hoping to be welcomed. We knew that very few people would return to a church—no matter how good the music and preaching was—if no one in the congregation made the effort to help them feel accepted.

2. Cell Leaders as Sponsors. Following the first two visits by a newcomer, the pastors and staff of our church would follow up after the Sunday service. They wrote personal notes, sent emails and even made phone calls offering to pray for family needs. Following the third visit, the newcomer was assigned a sponsoring cell leader. The cell leader started making contact right away to offer prayer, service the family in some practical way, and invite to the cell gathering. The cell group was told about their new “sponsoree” and encouraged to look for them on Sunday, making it a point to invite them to the cell gathering.

3. Serving Teams Organized by Cells. While there were some areas of service open to anyone, most areas of service during celebration services were staffed by cell members. Each cell group was assigned a Sunday to serve on a rotating basis. We called them “Serving Hearts” and we were able to document that 80% of our members served in some capacity at least once each month.

4. Service Evangelism Through Cells. Each cell group was asked (and even funded) to do at least one act of service evangelism per quarter. They not only went out into the community to meet needs, they invited their sponsorees to participate. We found that people unfamiliar with cell groups were sometimes reluctant to join a group, but when they went out and served with them, bonds formed and invitations to the next cell gathering took on new meaning.

These are just a few of ways we worked to create a culture of celebration/cell. The result was a church family of thousands, with a 60% conversion growth rate and all of the members in a cell. To God be the glory!

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Começa com a Cultura, parte 2

por Dr. Jim Wall, Diretor Executivo, Acts 2 Network, www.acts2network.org

Ontem, discutimos uma norma cultural que diz: "Ser membro da célula é ser membro da igreja. Ser membro da igreja é ser membro da célula”. Nós descrevemos uma cultura na qual as celebrações de fim de semana não são encontros da igreja, mas sim reuniões públicas que a igreja frequenta, é anfitriã e provê uma equipe. Os membros vêm a essas celebrações de fim de semana com uma mentalidade de que eles estão indo para o campo missionário todos os domingos. Durante a semana, nós trabalhamos para criar um ambiente que pessoas sem igreja gostariam de conhecer. No domingo nós faramos o nosso melhor para mostrar-lhes Cristo e apresentá-los à Sua famlia.

Aqui estão algumas maneiras práticas em que nós vivemos essa cultura durante os 24 anos em que eu liderei a Western Branch Community Church (“Filial Ocidental da Igreja da Comunidade” – tradução livre):

1. Nenhuma Aglomeração Santa é Permitida. Os membros foram ensinados que eles não deviam congregar entre os fiéis antes e depois dos cultos de celebração. Eles deviam trabalhar no átrio e nos corredores como um poltico em época de eleição! Nós terminamos as aglomerações santas; ou seja, grupos de membros da igreja focados uns nos outros em vez de procurar ao redor por alguém que esteja esperando para ser recepcionado. Nós sabamos que pouqussimas pessoas gostariam de voltar a uma igreja—não importa se a música e a pregação foram boas—se ninguém na congregação fez o esforço para ajudá-las a se sentirem aceitas.

2. Lderes de Célula como Responsáveis. Após as duas primeiras visitas de um recém-chegado, os pastores e equipe de nossa igreja dariam seguimento após o culto de domingo. Eles escreviam bilhetes pessoais, enviavam e-mails e faziam até mesmo ligações telefônicas se oferecendo para orar por necessidades da famlia. Após a terceira visita, o recém-chegado era atribudo a um lder de célula responsável. O lder da célula começava a fazer contato imediatamente para oferecer oração, servir a famlia de alguma maneira prática e convidar para a reunião da célula. A célula ficava sabendo sobre a nova pessoa sob seus cuidados e os membros eram incentivados a procurar por eles no domingo, criando uma oportunidade de convidá-los para a reunião da célula.

3. Equipes de Servir Organizadas por Células. Embora houvesse algumas áreas de serviço abertas para qualquer pessoa, a maioria das áreas de serviço durante os cultos de celebração eram realizadas por membros das células. Cada célula era responsável por servir em um domingo de uma forma rotativa. Nós os chamamos de "Corações Servos" e nós conseguimos documentar que 80% de nossos membros serviam em alguma função pelo menos uma vez por mês.

4. Serviço de Evangelismo através das Células. Pedimos para cada célula (e até mesmo financiamos) fazer pelo menos um ato de evangelismo por trimestre. Eles não só saam para a comunidade para atender às necessidades, mas também convidavam aquelas pessoas sob seus cuidados para participarem. Nós descobrimos que as pessoas não familiarizadas com as células às vezes ficavam relutantes em participar de um grupo, mas quando elas saam e serviam com eles, vnculos eram formados e convites para o próximo encontro da célula assumiram um novo significado.

Estas são apenas algumas das maneiras que nós trabalhamos para criar uma cultura de culto de celebração/célula. O resultado foi uma famlia da igreja de milhares de pessoas, com uma taxa de crescimento de 60% de conversões e todos os membros em uma célula. A Deus seja a glória!

Spanish blog:

Se empieza con la cultura, parte 2
Por el Dr. Jim Wall, Director Ejecutivo de la Red hechos 2, www.acts2network.org

Ayer hablamos de una norma cultural que dice, “La membresa celular es la membresa de la iglesia. La membresa de la Iglesia es la membresa celular". Hemos descrito una cultura en la que las celebraciones del fin de semana no son reuniones de la iglesia sino más como reuniones públicas que la iglesia asiste, anfitriones y personal. Los miembros llegan a esas celebraciones de fin de semana con una mentalidad de que van al campo misionero cada domingo. Durante la semana, trabajamos para crear un ambiente en que las personas que no tienen iglesia quieran revisar. El domingo hacemos lo mejor para mostrarles a Cristo y darles a conocer su familia.

Aqu hay algunas maneras prácticas donde vivimos esa cultura por durante los 24 años que llevó dirigiendo en la Iglesia de la Comunidad Western Branch:

1. No permitimos santos. Les enseñamos a los miembros que no deben de estar congregando entre los feligreses antes y después de los servicios de celebración. Ellos deberan estar trabajando en el atrio y los pasillos como un poltico en época de elecciones. Rompimos las rutinas santas; es decir, los grupos de miembros de la iglesia se concentran en uno al otro, en lugar de mirar a alguien a su alrededor que está esperando ser recibido. Sabamos que muy pocas personas volveran a la iglesia, no importa que tan buena fue la alabanza o la predicación – si nadie en la congregación hizo el esfuerzo para ayudarles a sentirse aceptados.

2. Los lderes celulares como patrocinadores. Después de las dos primeras visitas de un recién llegado, los pastores y el personal de nuestra iglesia seguiran en el siguiente servicio dominical. Ellos escribieron notas personales, envan correos electrónicos e incluso hacer llamadas telefónicas ofreciendo orar por las necesidades familiares. Después de la tercera visita, el recién llegado se le asigna un lder celular. El lder celular comienza a hacer contacto de inmediato y ofrece oración, servicio a la familia de alguna manera práctica, e los invita a la reunión celular. El grupo celular es informado de los nuevos "patrocinados" y se les anima en buscarlos el domingo, por lo que es un punto para invitarlos a la reunión celular.

3. Sirviendo equipos organizado por células. Mientras hubieron algunas áreas del servicio abierto a cualquier persona, la mayora de las áreas de servicio durante los servicios de celebración fueron atendidos por miembros de la célula. Cada grupo celular es asignado un domingo para servir en forma rotativa. Nosotros les llamamos " Sirviendo Corazones" y hemos sido capaces de documentar que el 80% de nuestros miembros sirve en cierta capacidad al menos una vez al mes.

4. Servicio de Evangelización a través de las células. Se le pidió a cada grupo celular, que se hiciera al menos un servicio de evangelización por trimestre. Ellos no sólo salieron a la comunidad para satisfacer las necesidades, ellos invitaron a las personas que están siendo patrocinadas a participar. Encontramos que las personas no familiarizadas con los grupos celulares veces son reacios a unirse a un grupo, pero cuando salieron y sirvieron con ellos, formaron enlaces y las invitaciones a la siguiente reunión celular tuvo un nuevo significado.

Estos son sólo algunas de las maneras que funcionaron al crear una cultura en la celebración/célula. El resultado fue una familia de la iglesia de miles, con una tasa de crecimiento de conversión del 60% y todos los miembros de la célula. ¡A Dios sea la gloria

It Starts with the Culture

jim

by Dr. Jim Wall, Executive Director, Acts 2 Network, www.acts2network.org

I am frequently asked, “What percentage of your church’s members are in a cell group?” My response produces disbelief every time; 100%. “100% of your members are in a cell!?” They ask, “How do you do that?” The answer is simple, “That’s how you join our church.” Cell membership is church membership. Church membership is cell membership.

That’s not to say everyone who attends our weekend services is a member. They aren’t. But when they are ready to step up to church membership they learn very quickly, “The way you join the church is you join one of the cell groups.”

That may seem hardline to some of you. But at the end of day, if we sincerely believe that the church is the eklesia; i.e. the called out ones. And if we sincerely believe authentic Christian relationship can only happen in clusters of a few close knit people. Then celebration services are not the church, they are public gathering that includes the church, the unchurched, the saved, the unsaved, the curious and committed. I’m pretty sure that’s what Jesus had in his public gatherings; i.e. a few close friends, a few dozen committed followers and thousands to came to hear Him teach.

I actually learned this while talking with an unsaved, unchurched banker one day. I had lunch meeting with him about financing for a construction project we were planning. When he asked me to describe our church I drew the celebration/cell model on a napkin. He looked at the drawing for a moment and said, “I’m not particularly interested in how many you have attending here (as he pointed to the celebration services). I want to know how many you have here (as he pointed to our cells groups). Even that unsaved banker, with very little church background understood, the strength of our church was in the people who committed to be in our cells.

From that point on, our celebrations became a gathering place for the masses. Every weekend we included a salvation appeal and a call to become a part of the family by joining a cell group. Everything else we did, we did through the cells.

Our culture became one of every member is in a cell. Tomorrow we’ll explore that that looks like in practical terms.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Começa com a Cultura

por Dr. Jim Wall, Diretor Executivo, Acts 2 Network, www.acts2network.org

Me perguntam frequentemente, “Qual a porcentagem de membros da sua igreja que estão em uma célula?” Minha resposta produz descrença todas as vezes; 100%. “100% de seus membros estão em uma célula?!” Eles perguntam: “Como você faz isso?” A resposta é simples: “É assim que você se junta à nossa igreja”. Ser membro da célula é ser membro da igreja. Ser membro da igreja é ser membro da célula.

Isso não quer dizer que todos os que frequentam nossos cultos aos finais de semana são membros. Eles não são. Mas quando eles estão prontos para se tornarem membros da igreja eles aprendem muito rapidamente: “A maneira para você se juntar à igreja é participar de um dos grupos celulares.”

Isso pode parecer radical para alguns de vocês. Mas no final do dia, se nós sinceramente acreditamos que a igreja é a ekklesia, isto é, os chamados para fora; e se acreditamos sinceramente que relacionamentos cristãos autênticos só podem acontecer em grupos de poucas pessoas que são bem unidas; então os cultos de celebração não são a igreja, eles são reuniões públicas que incluem a igreja, os sem-igreja, os salvos, os não-salvos, os curiosos e os comprometidos. Tenho certeza de que isso é o que Jesus tinha em suas reuniões públicas; ou seja, alguns amigos próximos, uma dúzia de seguidores comprometidos e milhares que vinham para ouvi-Lo ensinar.

Na verdade, eu aprendi isso um dia enquanto falava com um banqueiro não salvo e sem igreja. Eu tive um almoço de reunião com ele sobre um financiamento para um projeto de construção que estávamos planejando. Quando ele me pediu para descrever a nossa igreja eu desenhei o modelo de célula/culto de celebração em um guardanapo. Ele olhou para o desenho por um momento e disse: “Eu não estou interessado particularmente em quantas pessoas você tem participando aqui (ele apontou para os cultos de celebração). Eu quero saber quantas você tem aqui (e apontou para os nossos grupos celulares)”. Mesmo o banqueiro não salvo, com muito pouca experiência com igreja, entendeu que a força da nossa igreja estava nas pessoas que se comprometeram a estar em nossas células.

Daquele ponto em diante, as nossas celebrações se tornaram um lugar de reunião para as massas. Todo fim de semana nós inclumos um apelo de salvação e um chamado para fazer parte da famlia ao se juntar a uma célula. Todo o resto que fizemos, nós fizemos através das células.

Nossa cultura se tornou um em cada membro estar em uma célula. Amanhã vamos explorar como é isso em termos práticos.

Spanish blog:

Se empieza con la Cultura

Por el Dr. Jim Wall, Director Ejecutivo de la Red hechos 2, www.acts2network.org

Con frecuencia me preguntan: “¿Qué porcentaje de los miembros de su iglesia están en un grupo celular?” Mi respuesta produce incredulidad; 100%. “¿100% de tus miembros asisten a un grupo celular?” Ellos me preguntan: “¿Cómo haces eso?” La respuesta es simple, “As es como te unes a nuestra iglesia”. La membresa celular es la membresa de la iglesia. La membresa de la Iglesia es la membresa celular.

Eso no quiere decir que todos los que asisten a nuestros servicios el fin de semana son nuestros miembros. No son. Pero cuando están dispuestos a ser miembros de la iglesia aprenden muy rápidamente, “La forma en que se unen a la iglesia es uniéndose a uno de los grupos celulares”.

Eso puede parecer una lnea dura para algunos de ustedes. Pero al final del da, si creemos sinceramente que la iglesia es el eklesia; es decir, los escogidos. Y si sinceramente creemos que la auténtica relación cristiana sólo puede ocurrir en grupos de unas pocas personas muy unidas. Entonces el servicio de celebración no es la iglesia, son una reunión pública que incluye la iglesia, los inconversos, los salvados, los perdidos, los curiosos y los comprometidos. Estoy bastante seguro de que es lo que Jesús tena en sus reuniones públicas; es decir, unos pocos amigos ntimos, unas cuantas docenas de seguidores comprometidos y miles vinieron a escuchar su enseñanza.

De hecho, me di cuenta de esto mientras un da hablaba con un banquero inconverso y sin iglesia. Tuve una reunión de almuerzo con él acerca de la financiación de un proyecto de construcción que estábamos planeando. Él me pidió que le describiera nuestra iglesia, dibuje la celebración/modelo celular en una servilleta. Miró el dibujo por un momento y me dijo: “Yo no estoy particularmente interesado en cuántos asisten aqu (mientras señalaba los servicios de la celebración). Quiero saber cuántos hay aqu (mientras señalaba a nuestros grupos celulares). Incluso que el banquero inconverso, con muy poco fondo de la iglesia entendió, la fuerza de nuestra iglesia estaba en el pueblo que se comprometieron a estar en nuestras células.

A partir de ese momento, la celebración se convirtió en un lugar de reunión para todos. Cada fin de semana incluyó una apelación de salvación y una llamada a convertirse en una parte de la familia uniéndose a un grupo celular. Todo lo demás lo hicimos, lo hicimos por medio de las células.

Nuestra cultura se convirtió en que uno de cada miembro está en un grupo celular. Mañana vamos a explorar en que se parece en términos prácticos.

Ministry is a Marathon not a Sprint, part two

jim

by Dr. Jim Wall, Executive Director, Acts 2 Network, www.acts2network.org

It was the seventh year in the life of Western Branch Community Church in Chesapeake, VA, USA. In that short time the church had grown to over 1,000 souls. Sixty percent of that growth had come from people finding Jesus for the first time. Those are exciting numbers but they are not the full story. You see, it was in the seventh year that our church hit its growth ceiling—both spiritually and numerically—and I reached the brink of burnout.

That was a deeply painful season, but it led us to slow down and ask questions like, “What are we really doing here?” “Why are we really doing it?” “How are we doing it?” “Is what we are doing, getting us to where we believe God has called us to go?”

In time, we acknowledged that goal-setting and strategic planning year after year had helped us to grow a fairly large church. We also acknowledged that we were called to do more than count chairs, cars and cash! After all, Jesus didn’t call us to grow a large church. He said that was His job (Matthew 16:18 “I will build my church”). He had called us to “make disciples of everyone, everywhere…” (Matthew 28:19). We came to understand that we needed to transition to a cell-based approach to ministry; to create personal space for people to find the guidance and support they needed to grow beyond a superficial faith all the way to living as fully devoted followers of Jesus.

Would you like to guess the first mistake we made? We wanted it all now! We set a goal to have everyone in the church in cell group within a year. You can guess how that turned out. Thank God for wise men like Joel Comiskey who warned us that the transformation of our church would take passion, but it would also take patience. It would take an understanding that ministry is a marathon not a sprint!

The good news is, we did finally learn. We formed a prototype cell group that I led weekly for 18 months. During that time seven of those group members became our first cell group leaders. Over time seven cells birthed into fourteen cells. Fourteen became twenty. Year after year, one heart at a time, one cell at a time, the foundation of our church became its cell groups, nearly 120 cells now with hundreds of people growing toward maturity in them.

We still set attendance goals every year. Our weekend services are still very high energy. What changed is the understanding is that real fruit takes time to ripen. Ministry is a marathon, not a sprint!
What experiences have you had with being impatient for the harvest to come? How did that work out for you? My prayer is you will learn from our experience rather than having to go down the road of hardship and frustration we did to come to understand, “Ministry is a marathon not a sprint!”

Jim

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O Ministério é uma Maratona, não uma Corrida de Velocidade; parte dois
 por Dr. Jim Wall, Diretor Executivo, Acts 2 Network, www.acts2network.org 

Era o sétimo ano na vida da Western Branch Community Church (“Filial Ocidental da Igreja da Comunidade”) em Chesapeake, VA, EUA. Nesse curto espaço de tempo a igreja tinha crescido para mais de 1.000 almas. Sessenta por cento desse crescimento veio de pessoas encontrando a Jesus pela primeira vez. Esses números são interessantes, mas eles não são a história completa. Veja só, foi no sétimo ano que a nossa igreja atingiu seu crescimento máximo—tanto espiritual quanto numérico—e eu cheguei à beira do esgotamento.

Essa foi uma época profundamente dolorosa, mas eu nos levei a desacelerarmos e fazermos perguntas como: "O que estamos realmente fazendo aqui?" "Por que realmente nós estamos fazendo isso?", "Como estamos fazendo isso?" “O que nós estamos fazendo está nos ajudando a chegar onde acreditamos que Deus nos chamou para ir?"

Com o tempo, nós reconhecemos que o estabelecimento de metas e o planejamento estratégico ano após ano nos ajudou a crescer para uma igreja razoavelmente grande. Também reconhecemos que fomos chamados a fazer mais do que contar cadeiras, carros e dinheiro! Afinal, Jesus não nos chamou para desenvolver uma grande igreja. Ele disse que esse era Seu trabalho (Mateus 16:18 "Eu edificarei a minha igreja"). Ele nos chamou para "fazer discpulos de todos, em todos os lugares…" (Mateus 28:19). Viemos entender que nós precisávamos transicionar para uma estratégia de ministério baseada em células; criar espaço pessoal para as pessoas encontrarem a orientação e apoio que precisavam para crescer além de uma fé superficial, em direção a viverem como seguidores de Jesus totalmente dedicados.

Você gostaria de adivinhar o primeiro erro que cometemos? Queramos tudo imediatamente! Nós estabelecemos uma meta de ter todos os membros da igreja participando de grupos de células dentro de um ano. Você pode adivinhar como isso acabou. Graças a Deus por homens sábios como Joel Comiskey, que nos avisou que a transformação da nossa igreja levaria paixão, mas também levaria paciência. Seria preciso um entendimento de que o ministério é uma maratona e não uma corrida de velocidade!

A boa notcia é que nós finalmente aprendemos. Formamos um protótipo de grupo celular que liderei semanalmente por 18 meses. Durante esse tempo, sete desses membros do grupo se tornaram nossos primeiros lderes de células. Ao longo do tempo, sete células se multiplicaram para quatorze células. Quatorze tornaram-se vinte. Ano após ano, um coração de cada vez, uma célula de cada vez, o fundamento da nossa igreja tornou-se seus grupos de células, cerca de 120 células agora com centenas de pessoas crescendo em direção à maturidade dentro delas.

Nós ainda estabelecemos metas de comparecimento a cada ano. Nossos cultos de fim de semana ainda são cheios de energia. O que mudou é o entendimento de que frutas reais levam tempo para amadurecer. O ministério é uma maratona, não uma corrida de velocidade!
Quais experiências você teve em ser impaciente pela safra vindoura? Como foi essa experiência para você? Minha oração é que você aprenda com a nossa experiência, em vez de ter que caminhar pela estrada de sofrimento e frustração que nós caminhamos para compreendermos que "O Ministério é uma maratona e não uma corrida de velocidade!"

Jim

Spanish blog:

El ministerio es un maratón, no una carrera, Segunda parte
Por el Dr. Jim Wall, Director Ejecutivo, de la Red Hechos 2, www.acts2network.org

Fue el séptimo año en la vida de la Iglesia de la comunidad occidental en Chesapeake, Virginia, Estados Unidos. En ese corto tiempo, la iglesia haba crecido a más de 1.000 almas. El sesenta por ciento de ese crecimiento haba venido de gente que recibieron a Jesús por primera vez. Esos son números interesantes pero no son toda la historia. Ya veras, fue en el séptimo año que nuestra iglesia toco el techo tanto en el crecimiento espiritual, como en el numérico, y yo haba estado al borde del agotamiento.

Esa fue una temporada profundamente dolorosa, pero nos llevó a reducir la velocidad y hacernos preguntas como: "¿Qué estamos haciendo aqu?" "¿Por qué lo estamos haciendo?" "¿Cómo lo estamos haciendo?" "¿Es lo que estamos haciendo, lo que no llevara a donde creemos que Dios nos ha llamado a ir?"

Con el tiempo, reconocimos que el establecer metas y la planificación estratégica año tras año nos haba ayudado a crecer bastante en la iglesia. También reconocimos que estábamos llamados a hacer algo más que solo contar sillas, autos y dinero en efectivo. Después de todo, Jesús no nos llama a crecer una iglesia grande. Él dijo que era su trabajo (Mateo 16:18 "edificaré mi iglesia"). Él nos haba llamado a "hacer discpulos, en todas partes…" (Mateo 28:19). Llegamos a entender que necesitábamos hacer la transición a un enfoque basado en células para el ministerio; para crear un espacio personal para que las personas encontrarán su orientación y el apoyo que necesitan para crecer más allá de una fe superficial hasta el final y vivir como seguidores totalmente devotos de Jesús.

¿Quieres adivinar el primer error que hicimos? Queramos todo de una vez. Nos pusimos la meta de tener a todos en la iglesia en un grupo celular dentro de un año. Puedes adivinar cómo terminó eso. Gracias a Dios por hombres sabios como Joel Comiskey que nos advirtió que la transformación de nuestra iglesia tomara pasión, pero también tomara paciencia. Hara falta el entender que el ministerio es un maratón, no una carrera.

La buena noticia es que finalmente aprendimos. Formamos un grupo celular prototipo que dirig semanalmente durante 18 meses. Durante ese tiempo, siete de esos miembros del grupo se convirtieron en los primeros lderes celulares. Con el tiempo de las siete células nacieron catorce células. El catorce se convirtió veinte. Año tras año, un corazón a la vez, una célula a la vez, el fundamento de nuestra iglesia se convirtió en grupos celulares, ahora tenemos casi 120 células con cientos de personas creciendo hacia la madurez en ellos.

Todava fijamos metas de asistencia cada año. Nuestros servicios de fin de semana todava tienen muy alta energa. Lo que cambió es el entendimiento que la fruta real toma tiempo para madurar. El ministerio es un maratón, no una carrera. ¿Qué experiencias has tenido con ser impaciente en la cosecha venidera? ¿Cómo funciono eso contigo? Mi oración es que tu aprendas de nuestra experiencia en lugar de tener que ir por el camino difcil y la frustración que tuvimos para llegar a entender, "El ministerio es un maratón, no una carrera"

Jim

Setting Goals That Lead to a Changed Heart

jim

by Jim Wall, www.acts2network.org

The goal setting process has always created genuine conflict for me.

Don’t misunderstand me, I am a goal setter. Some might even say I set audacious, even unreachable goals. I have no doubt that has a lot to do with the cell growth and church planting success I’ve had the privilege to see over the many years I’ve been leading cell-based ministries. So where’s the conflict? Here it is, “How do you set a goal that leads to a changed heart?”

Sure we want more cells. We pray for more apprentices, interns, group worship leaders, administrators and, of course, more group leaders. But at the end of the day it is irrelevant how many cell groups we have if life-change is not happening in our cell groups! God is not in the success business (at least not as the world counts success). God is in the gold refining business!

So somewhere in setting goals for a percentage of growth in each category each year. We have to set goals that measure bringing one heart to relationship with Jesus. We must set a goal designed to help one person challenge their current level of faith and go to the next level. Somewhere in the mix we desperately need to set goals that lead to one more person understanding that the true journey to success isn’t about personal success at all! It is about becoming more like Christ who was, and is, a servant-leader!

The only way that happens is if we set goals and we create supporting structures based on life-giving relationships. I learned that lesson when I first came to Christ, 44 years ago. A man named James Hester invited me to his “cottage prayer meeting” (a Southern USA expression that means cell group). He introduced me to a group of men who met in a workshop on Friday nights. More importantly, he took an interest in me. He prayed for and with me. He challenged me. He encouraged me. He introduced me to leaders who spoke into my life. James was my first coach. He has long gone on to his eternal reward. I will always be grateful for his investment in my life.

By all means set goals. Set numerical goals—every number has a name and every name has an eternity! In the process, set goals for life-change. Make sure you build a supporting structure that includes coaches who are focused on ensuring that life-change is happening!

Comments?

Jim

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Como Você Estabelece Metas Que Conduzem a um Coração Mudado?

por Jim Wall, www.acts2network.org

O processo de estabelecer metas sempre criou um conflito genuno para mim.

Não me entenda mal, eu sou um estabelecedor de metas. Alguns podem até dizer que eu defino metas audaciosas, até mesmo inalcançáveis. Eu não tenho dúvida alguma de que isso tem muito a ver com o crescimento celular e o sucesso na plantação de igrejas que eu tive o privilégio de ver ao longo dos muitos anos em que tenho liderado ministérios baseados em células. Então, onde está o conflito? Aqui está: “Como você define uma meta que leva a um coração mudado?”

Claro que queremos mais células. Oramos por mais aprendizes, estagiários, lderes de grupo de louvor, administradores e, claro, mais lderes de grupo. Mas no final do dia é irrelevante quantas células nós temos se a mudança de vida não está acontecendo em nossos grupos celulares! Deus não está no negócio do sucesso (pelo menos não como o mudo conta o sucesso). Deus está no negócio de refino de ouro!

Então, em algum lugar no estabelecimento de metas para uma percentagem de crescimento em cada categoria de cada ano. Temos que definir metas que meçam sempre que trazemos um coração para um relacionamento com Jesus. Temos que definir uma meta projetada para ajudar uma pessoa a desafiar seu nvel atual de fé e ir para o próximo nvel. Em algum lugar nesse “mix” nós precisamos desesperadamente definir metas que levam mais uma pessoa a entender que o verdadeiro caminho para o sucesso não tem nada a ver com sucesso pessoal! Trata-se de tornar-se mais como Cristo, que era e é um servo-lder!

A única maneira disso acontecer é se nós estabelecermos metas e criarmos estruturas de suporte com base em relacionamentos que dão vida. Aprendi essa lição quando vim pela primeira vez a Cristo, há 44 anos. Um homem chamado James Hester me convidou para sua “reunião de oração em casa” (uma expressão sulista dos EUA que significa grupo celular). Ele me apresentou a um grupo de homens que se reuniam em uma oficina nas noites de sexta-feira. O mais importante, ele se interessou por mim. Ele orou por mim e comigo. Ele me desafiou. Ele me incentivou. Ele me apresentou a lderes que falaram na minha vida. James foi o meu primeiro treinador. Há muito tempo ele se foi para a sua recompensa eterna. Sempre serei grato por seu investimento em minha vida.

Por todos os meios, definir metas. Estabeleça metas numéricas—cada número tem um nome e cada nome tem uma eternidade! No processo, estabeleça metas para a mudança de vidas. Certifique-se de construir uma estrutura de apoio que inclui treinadores que estão focados em garantir que a mudança de vida esteja acontecendo!

Comentários?

Jim

Spanish blog:

Cómo establecer objetivos que conduzcan a un cambio de corazón?

Por Jim Wall, www.acts2network.org

El proceso de ajuste de metas siempre ha creado un gran conflicto para m.

No me malinterpreten, me gusta establecer metas. Algunos incluso podran decir que soy audaz, incluso que pongo metas inalcanzables. No tengo ninguna duda de que tiene mucho que ver con el éxito del crecimiento celular y la plantación de iglesias que he tenido el privilegio de ver a través de los muchos años en el cual he estado al frente de los ministerios basados en células. ¿Y dónde está el conflicto? Aqu está, “¿Cómo establecer objetivos que conduzcan a un cambio de corazón?”

Claro que queremos más células. Oramos por más aprendices, pasantes, lderes de adoración de grupo, administradores y, por supuesto, más lderes de grupo. Pero al final del da es irrelevante el número de grupos de células que tenemos, si cambio de vida no está sucediendo en nuestros grupos celulares. Dios no está en el negocio del éxito (al menos no como el mundo cuenta el éxito). Dios está en el negocio de refinación de oro.

As que en algún lugar en la fijación de metas para un porcentaje de crecimiento en cada categora de cada año. Tenemos que establecer metas que se miden trayendo un corazón a una relación con Jesús. Hay que establecer un objetivo diseñado para ayudar a una persona impugnar su nivel actual de fe e ir al siguiente nivel. En algún lugar de la mezcla necesitamos desesperadamente establecer metas que lleven a una persona a entender el verdadero camino hacia el éxito no es sobre el éxito personal en absoluto. Se trata de ser más como era Cristo, como es, como un siervo-lder.

La única manera de hacer esto posible es si fijamos metas y creamos estructuras de soporte basado en relaciones que dan vida. Aprend esa lección cuando llegué por primera vez a Cristo, hace 44 años. Un hombre llamado James Hester me invitó a su “reunión de oración en casa” (una expresión Sureña en Estados Unidos que significa grupo celular). Me presentó a un grupo de hombres que se reunieron en un taller todos los viernes por la noche. Más importante aún, se interesó en m. Oró por y conmigo. Él me retó. Él me animó. Me presentó a los lderes que hablaron en mi vida. James fue mi primer entrenador. Él ya se fue a recibir su premio eterno. Siempre estaré agradecido por su inversión en mi vida.

Por todos los medios establece metas. Establezca metas numéricas-cada número tiene un nombre y cada nombre tiene una eternidad. En el proceso, establece metas para un cambio de vida. Asegúrate de que usted construya una estructura de soporte que incluye entrenadores que se concentran en asegurar que el cambio de vida que está sucediendo.

¿Comentarios?

Jim