Living Bible

By Joel Comiskey, check out Joel’s latest book, Living in Victory

I remember talking with a missionary who criticized the cell church because of its lack of doctrinal emphasis. He felt that cell church neglected pure doctrine because it primarily focused on the cell and not the preaching of God’s Word. After listening to him, I said, 

You don’t understand cell church ministry. Preaching God’s inerrant Word was apriority in all the cell churches I studied. The difference is that cell churches want to go beyond preaching and help people apply God’s Word. They do this by asking each cell to apply the Sunday teaching.

Scripture is clear. Paul says:

Preach the word; be prepared in season and out of season; correct, rebuke and encourage—with great patience and careful instruction. For the time will come when people will not put up with sound doctrine. Instead, to suit their own desires, they will gather around them a great number of teachers to say what their itching ears want to hear” (2 Timothy 4:2-3).

Effective cell churches go beyond the preaching on Sunday morning. They want the people to apply God’s Word in life-giving cell groups during the week. Most cell churches use the Sunday sermon as the lesson material in the cell. The goal is to apply the message.  The focus of applying the Word of God helps align the preaching of God’s Word with the New Testament truth that the job of the pastor is to prepare God’s people for works of service (Ephesians 4:11-12).

Preparing the leaders: To assure the quality of cell leadership, cell churches have a step by step process to take a person from conversion to spiritual maturity. The training track is intimately linked with cell ministry and furthers the process of cell multiplication.

Synonyms for the word “track” include path, route, channel, and road. An equipping or training track takes the new believer from point A to point B. The training is specific, and the end result produces disciples who make other disciples through new cell groups.

Cell church training tracks feature clarity and “doability.” They have a definite beginning and ending and a new person entering the church can readily understand what it takes to go from A to B.

Coaching the leaders: One of the key differences between groups that start and fizzle and those that make it over the long haul can be summed up in one word: coaching.

Most churches can successfully start groups—even hundreds of them. People will even readily offer their homes—for a few weeks.

To make it over time, however, the small-group leaders must have a high-quality support system, much like the supply line that channels food and other materials to battle-weary soldiers. The cell-driven strategy succeeds or fails on the quality of the coaching given to the cell leaders.

God’s Word is our guide. Doctrine does matter! The good news is that applied doctrine is far better than just preaching sermons. And that’s a key reason why we need life-giving cell groups.

Korean blog:

Portuguese blog:

Bíblia Viva

Por Joel Comiskey

Eu me lembro de conversar com um missionário que criticou a igreja em célula por causa da falta de ênfase doutrinária da mesma. Ele sentiu que a igreja em célula negligenciou a doutrina pura porque ela focou primariamente na célula e não da pregação da Palavra de Deus. Depois de ouvi-lo, eu disse,

Você não entende o ministério da igreja em célula. A pregação da inerrante Palavra de Deus era a prioridade em todas as igrejas em células que eu estudei. A diferença é que as igrejas em células querem ir além da pregação e ajudar as pessoas a aplicarem a Palavra de Deus. Eles fazem isso ao pedir para cada célula aplicar o ensino de domingo.

As Escrituras são claras. Paulo diz:

“Pregue a palavra, esteja preparado a tempo e fora de tempo, repreenda, corrija, exorte com toda a paciência e doutrina. Pois virá o tempo em que não suportarão a sã doutrina; pelo contrário, sentindo coceira nos ouvidos, segundo os seus próprios desejos juntarão mestres para si mesmos.” (2 Timóteo 4:2,3)

Igrejas em células efetivas vão além da pregação de domingo à noite. Elas querem que as pessoas apliquem a Palavra de Deus em grupos de células que doam vidas na semana. A maioria das igrejas em células usam o sermão de domingo como material de lição na célula. O objetivo é aplicar a mensagem. O foco de aplicar a Palavra de Deus ajuda a alinhar a pregação da Palavra de Deus com a verdade do Novo Testamento, que é o trabalho do pastor de preparar o povo de Deus para o serviço da obra (Efésios 4:11-12)

Preparação de líderes: para garantir a qualidade da liderança de célula, as igrejas em célula tem um processo de passo a passo para que uma pessoa possa fazê-lo desde a conversão até a maturidade espiritual. O trilho de treinamento está intimamente ligado com o ministério em célula e avança o processo da multiplicação de células.

Sinônimos para a palavra “trilho” incluem, caminho, rota, canal, e estrada. Um trilho de treinamento ou desenvolvimento leva o novo crente do ponto A ao ponto B. O treinamento é específico e o resultado final produz discípulos que fazem outros discípulos através de novos grupos de células.

Trilhos de treinamento de igreja em célula traz claridade e produtividade. Eles tem um começo e término definido e uma nova pessoa entrando na igreja pode prontamente entender o que precisa para ir do A para o B.

Treinamento de líderes: Uma das diferenças chave entre grupos que começam e acabam e aqueles que conseguem vencer o longo prazo pode ser resumida em uma palavra: supervisão

A maioria das igrejas podem começar grupos com muito sucesso – até mesmo centenas deles. As pessoas irão até mesmo oferecer seus lares – por poucas semanas.

Spanish blog:

Una Biblia Viva 

Por Joel Comiskey 

Recuerdo haber hablado con un misionero que criticó a la iglesia celular por su falta de énfasis doctrinal. Sintió que la iglesia celular descuidaba la doctrina pura porque se enfocaba principalmente en la célula y no en la predicación de la Palabra de Dios. Después de escucharlo, le dije: 

No entiendes el ministerio de la iglesia celular. Predicar la Palabra infalible de Dios era una prioridad en todas las iglesias celulares que estudié. La diferencia es que las iglesias celulares quieren ir más allá de la predicación y ayudar a la gente a aplicar la Palabra de Dios. Hacen esto pidiendo a cada célula que aplique la enseñanza dominical. 

La Escritura es clara. Pablo nos dice: 

“Predica la Palabra; persiste en hacerlo, sea o no sea oportuno; corrige, reprende y anima con mucha paciencia, sin dejar de enseñar. Porque llegará el tiempo en que no van a tolerar la sana doctrina, sino que, llevados de sus propios deseos, se rodearán de maestros que les digan las novelerías que quieren oír.” (2 Timoteo 4: 2-3). 

Las iglesias celulares eficaces van más allá de la predicación del domingo por la mañana. Quieren que la gente aplique la Palabra de Dios en grupos celulares vivificantes durante la semana. La mayoría de las iglesias celulares usan la predicación dominical como material de lección en la célula. El objetivo es aplicar el mensaje. El enfoque de aplicar la Palabra de Dios ayuda a alinear la predicación de la Palabra de Dios con la verdad del Nuevo Testamento de que el trabajo del pastor es preparar al pueblo de Dios para las obras de servicio (Efesios 4: 11-12). 

Preparación de los líderes: Para asegurar la calidad del liderazgo celular, las iglesias celulares tienen un proceso paso a paso para llevar a una persona de la conversión a la madurez espiritual. La vía de capacitación está íntimamente relacionada con el ministerio celular y promueve el proceso de multiplicación celular. 

Los sinónimos de la palabra “pista” incluyen camino, ruta, canal y camino. Una pista de preparación o entrenamiento lleva al nuevo creyente del punto A al punto B. El entrenamiento es específico y el resultado final produce discípulos que hacen otros discípulos a través de nuevos grupos celulares. 

Las pistas de capacitación de la iglesia celular presentan claridad y “factibilidad”. Tienen un comienzo y un final definidos y una nueva persona que ingresa a la iglesia puede comprender fácilmente lo que se necesita para pasar del punto A hacia el punto B. 

Supervisar a los líderes: Una de las diferencias clave entre los grupos que comienzan y se esfuman y los que lo logran a largo plazo se puede resumir, en una palabra: supervisión. 

La mayoría de las iglesias pueden iniciar células con éxito, incluso cientos de ellas. La gente incluso ofrecerá fácilmente sus hogares, durante algunas semanas. 

Sin embargo, para hacerlo duradero en el tiempo, los líderes de los grupos celulares deben tener un sistema de apoyo de alta calidad, muy parecido a la línea de suministro que canaliza alimentos y otros materiales a los soldados cansados ​​de la batalla. La estrategia impulsada por células tiene éxito o fracasa dependiendo de la calidad del trabajo de supervisión brindado a los líderes celulares. 

La Palabra de Dios es nuestra guía. ¡La doctrina importa! La buena noticia es que la doctrina aplicada es mucho mejor que solo escuchar predicaciones. Y esa es una razón clave por la que necesitamos grupos celulares que den vida. 

The E=mc2 of Cell Ministry

By Joel Comiskey, check out Joel’s latest book, Living in Victory

Einstein revolutionized how we understand the universe. His famous mass-energy formula “E=mc2” not only changed how people view the universe–space, time, and gravity — but his formula also transformed our daily lives, including modern electronics, nuclear power, and even our GPS navigation.

Are there similar cell formulas? How about p+t+d=ecm? Prayer + theology + development equals effective cell ministry.

In July, we spent the entire month talking about prayer, the oxygen of the cell church and how essential prayer is to all effective cell ministry. Without prayer, a cell church will not get out of the starting blocks.

In August, we talked the biblical base for cell ministry, specifically the goal of making disciples who make disciples. Theology must breed our methodology. The biblical base for cell ministry must ignite our passion, rather than results, pragmatism, or models. The Bible is our bedrock foundation and the key motivation for cell church ministry is to effectively make disciples who make disciples. 

But there’s one more element: development, the practice of releasing and deploying leaders—not bottling them up under the pastor’s ministry. This has been our theme for September.

I’ve seen pastors excel in prayer and passion (the why)) but fail in development. This failure often happens subconsciously. Even the pastor doesn’t realize how deeply he or she cherishes being needed.  The pastor feels the inward need to do all the preaching, counseling, and ministry. The pastor might want to release others but lacks the motivation to do so. 

Some pastors spend all their time and energy gathering the people on Sunday to hear them, rather than releasing them.

On the other hand, some pastors are paralyzed with fear of releasing the people. They really don’t trust the Holy Spirit to minister through others.

Many inward motivations guide church leaders.

But one is critical for effective cell ministry: development (which includes releasing and deploying others). 

Those pastors who excel in development not only release people, but they make sure those who are released are properly equipped and coached until they have success in their ministry.  This takes time and relationship building. 

Effective cell church pastors primarily see themselves as coaches. They are passionate about caring for the leaders. They spend a lot of time envisioning new leaders, measuring statistically how the cells are doing, and setting concrete goals for more disciples and cells. Their church’s success, in other words, is in making disciples who make disciples. 

Today’s Protestant churches are full of hearers on Sunday. And yes, the preaching of God’s inerrant Word is essential. But we must go beyond producing hearers of God’s word. We must develop men and women to become disciples who make disciples. 

p+t+d=ecm (prayer plus theology plus development equals effective cell ministry).

How are you doing in the area of development, pastor? What do you think of this formula for success in cell ministry? In what specific area will you ask Jesus to change you?

Perhaps you can start by asking Jesus to give you a passion to develop others. Then ask him to show you the practical steps to develop and deploy the next generation of leaders.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O E=mcdo Ministério em Célula

por Joel Comiskey

Einstein revolucionou como nós entendemos o universe. Sua famosa fórmula equivalência massa-energia “E=mc²” não somente mudou como as pessoas viam o universo – espaço, tempo e gravidade – porém sua fórmula também transformou nossa vida diária, incluindo eletrônicos modernos, força nuclear e até mesmo nossa navegação por GPS.

Existem fórmulas similares para as células? Que tal o+t+d=mce? oração + teologia + desenvolvimento igual ministério em célula efetivo

Em julho, nós gastamos o mês inteiro falando sobre oração, oxigênio da igreja em célula e quão essencial é a oração para todo ministério em célula efetivo. Sem oração, uma igreja em célula não sairá do ponto de partida.

Em agosto, nós falamos das bases bíblicas para o ministério em célula, especificamente o objetivo de fazer discípulos que fazem discípulos. A teologia deve dar luz à nossa metodologia. A base bíblica para o ministério em célula deve acender a paixão, ao invés de resultados, pragmatismos ou modelos. A Bíblia é nossa pedra fundamental e a motivação chave para o ministério da igreja em célula é para fazer efetivamente discípulos que fazem discípulos.

Mas há mais um elemento: desenvolvimento, a prática de liberar e enviar líderes – não empilhá-los debaixo do ministério do pastor. Esse tem sido nosso tema em setembro. 

Eu tenho visto pastores com êxito na oração e na paixão (o porquê), porém falham no desenvolvimento. Esse fracasso frequentemente acontece subconscientemente. Mesmo o pastor não percebe o quanto ele ou ela adora ser necessário. O pastor sente a necessidade interna de fazer toda a pregação, aconselhamento e ministério. O pastor pode até querer liberar outros, mas falta a motivação para fazer de fato.

Alguns pastores gastam todo o seu tempo e energia ajuntando as pessoas no domingo para ouvi-los, ao invés de liberá-las.

Em contrapartida, alguns pastores estão paralisados com medo de liberar as pessoas. Eles realmente não confiam no Espírito Santo para ministrar através dos outros. 

Muitas motivações para dentro guiam os líderes das igrejas 

Porém, uma é crítica para um ministério em célula efetivo: desenvolvimento (que inclui liberar e enviar outros)

Aqueles pastores que tem êxito em desenvolvimento e não apenas liberam as pessoas, mas eles têm certeza que aqueles que são liberados estão propriamente treinados e supervisionados até que eles tenham sucesso em seus ministérios. Isso leva tempo e a construção de relacionamento.

Pastores de igrejas em células efetivas primariamente veem a si mesmos como supervisores. Eles são apaixonados pelo cuidado dos líderes. Eles gastam muito tempo envisionando novos líderes, medindo estatisticamente como as células estão indo e marcando objetivos concretos para mais discípulos e células. O sucesso de suas igrejas, em outras palavras, está em fazer discípulos que fazem discípulos.

Igrejas protestantes de hoje estão cheias de ouvintes nos domingos. E sim, a pregação da inerrante Palavra de Deus é essencial. Contudo, nós temos que ir além de produzir ouvintes da Palavra de Deus. Nós temos que desenvolver homens e mulheres que se tornem discípulos que fazem discípulos.

o+t+d=mce (oração mais teologia mais desenvolvimento igual ministério em células efetivo).

Como você está indo nessa área de desenvolvimento, pastor? O que você acha dessa fórmula para o sucesso no ministério em célula? Em qual área específica você pedirá a Jesus para mudar você?

Talvez você possa começar pedindo a Jesus que dê a você a paixão para desenvolver outros. Então peça-O para mostrar a você os passos práticos para desenvolver e enviar a próxima geração de líderes.

Spanish blog:

El E = mc2 del Ministerio Celular 

por Joel Comiskey

Einstein revolucionó la forma en que entendemos el universo. Su famosa fórmula de energía de masa “E = mc2” no solo cambió la forma en que la gente ve el universo (espacio, tiempo y gravedad), sino que también transformó nuestra vida diaria, incluida la electrónica moderna, la energía nuclear e incluso nuestra navegación por satélite (GPS) 

¿Existen fórmulas similares para las células? ¿Qué tal o + t + d = mce? Oración + teología + desarrollo igual a un ministerio celular eficaz.

En julio, pasamos todo el mes hablando sobre la oración, el oxígeno de la iglesia celular y lo esencial que es la oración para todo ministerio celular efectivo. Sin oración, una iglesia celular no saldrá de los bloques de partida.

En agosto, hablamos de la base bíblica del ministerio celular, específicamente el objetivo de hacer discípulos que hagan discípulos. La teología debe engendrar nuestra metodología. La base bíblica para el ministerio celular debe encender nuestra pasión, en lugar de los resultados, pragmatismo o modelos. La Biblia es nuestro cimiento fundamental y la motivación clave para el ministerio de la iglesia celular es hacer discípulos que hagan discípulos de manera efectiva.

Pero hay un elemento más: el desarrollo, la práctica de liberar y desplegar líderes, no reprimirlos bajo el ministerio del pastor. Este ha sido nuestro tema para septiembre.

He visto a pastores sobresalir en oración y pasión (el por qué) pero fallan en el desarrollo. Este fracaso a menudo ocurre de manera subconsciente. Incluso el pastor no se da cuenta de cuán profundamente aprecia ser necesitado. El pastor siente la necesidad interior de predicar, aconsejar y ministrar. El pastor puede querer liberar a otros, pero no tiene la motivación para hacerlo.

Algunos pastores gastan todo su tiempo y energía reuniendo a la gente el domingo para escucharlos, en lugar de soltarlos.

Por otro lado, algunos pastores están paralizados por el temor de liberar a la gente. Realmente no confían en el Espíritu Santo para ministrar a través de otros.

Muchas motivaciones internas guían a los líderes de la iglesia.

Pero uno es fundamental para el ministerio celular eficaz: el desarrollo (que incluye la liberación y el despliegue de otros).

Aquellos pastores que sobresalen en el desarrollo no solo liberan a las personas, sino que se aseguran de que aquellos que son liberados estén equipados y entrenados adecuadamente hasta que tengan éxito en su ministerio. Esto requiere tiempo y construcción de relaciones.

Los pastores de iglesias celulares eficaces se ven principalmente a sí mismos como entrenadores. Les apasiona cuidar a los líderes. Pasan mucho tiempo imaginando nuevos líderes, midiendo estadísticamente cómo están funcionando las células y estableciendo metas concretas para más discípulos y células. El éxito de su iglesia, en otras palabras, está en hacer discípulos que hacen discípulos.

Las iglesias protestantes de hoy están llenas de oyentes el domingo. Y sí, la predicación de la Palabra infalible de Dios es esencial. Pero debemos ir más allá de producir oyentes de la palabra de Dios. Debemos desarrollar hombres y mujeres para que se conviertan en discípulos que hagan discípulos.

o + t + d = mce (oración más teología más desarrollo es igual a un ministerio celular efectivo).

¿Cómo te va en el área de desarrollo, pastor? ¿Qué opinas de esta fórmula para el éxito en el ministerio celular? ¿En qué área específica le pedirás a Jesús que te cambie?

Quizás puedas empezar pidiéndole a Jesús que te dé pasión por desarrollar a otros. Luego pídele que te muestre los pasos prácticos para desarrollar y desplegar la próxima generación de líderes.

Development and Deployment: Key Priorities in Disciple-making

By Joel Comiskey, check out Joel’s latest book, Living in Victory

Tradition says that the pastor must do the work of the ministry. Many pastors have been trained with this mentality. They fail to decentralize and release leaders. The ministry is all about them: their preaching, their leadership, their control. Cell church ministry, on the other hand, is organic and decentralized.

I’ve noticed that some leaders understand the why (the biblical base) for cell ministry. They are passionate about the idea. Yet, they don’t take the next step. They fail in the area of development and deployment.

Those who make it in cell ministry are developers rather than controllers. They develop and deploy others. They love the equipping track and coaching. They willingly release new leaders, build a strong leadership team, and allow others to preach. They see their main role as coach—rather than preacher. Pastors and leaders who excel in cell ministry practice releasing, risking, and trusting others to do the work of the ministry.

I’m talking about a very subtle shift. I’ve seen pastors fail in cell ministry if they don’t grow in this area of development. This month (September)let’s explore the theme of development. We’ll cover: 

  • September 06-12: Scriptural base for developing others. Ephesians 4:7-12 talks about God raising up gifted people to prepare God’s people to minister.
  • September 13-19: Breaking traditions. Many pastors hold tightly to the value that they must do the work of the ministry. Perhaps their seminar training instilled in them the vision that the pastor does the work of the ministry. We’ll talk about steps to break this cycle. Cell ministry is all about developing the lay people to do the work of the ministry.
  • September 20-26: equipping and coaching. Successful pastors who develop others place a high premium on equipping and coaching. They prepare those who will be cell leaders and team members. They then make sure each leader is thoroughly coached. In fact, successful cell church pastors see themselves primarily as the coach.
  • September 27-October 03: raising up, releasing, and risking. The pastor needs to be willing to see others step out and even fail. Jesus welcomed this type of risking when he allowed Peter to walk on the water, the feeding of the loaves, and various other missions. Ultimately, Christ placed the entire church in their hands.

Feel free to comment here:

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Desenvolvimento e Envio: Princípios Chave em Fazer Discípulos

Por Joel Comiskey

A tradição diz que um pastor deve fazer o trabalho do ministério. Muitos pastores têm sido treinados com essa mentalidade. Eles falham em descentralizar e liberar os líderes. O ministério todo é sobre eles: eles pregam, eles lideram, eles controlam. O ministério da igreja em célula, em contrapartida, é orgânica e descentralizada.

Eu tenho notado que alguns líderes entendem o porquê (a base bíblica) para o ministério em célula. Eles são apaixonados pela ideia. Ainda assim, eles não dão o próximo passo. Eles falham nessa área de desenvolvimento e envio

Aqueles que fazem isso no ministério em células são desenvolvedores ao invés de controladores. Eles desenvolvem e enviam outros. Eles amam o trilho de treinamento e supervisão. Eles liberam voluntariamente novos líderes, construir uma forte equipe de liderança e permitir que outros preguem. Eles veem seu principal papel como supervisor – mais do que um pregador. Pastores e líderes que têm êxito no ministério em célula praticam o liberar, o arriscar e o confiar em outros para fazer o trabalho do ministério.

Eu estou falando de uma mudança sutil. Eu tenho visto pastores falharem no ministério em célula quando eles não crescem nessa área de desenvolvimento. Nesse mês (setembro) vamos explorar o tema de desenvolvimento. Se você deseje receber esses blogs em sua caixa de entrada, clique aqui. Nós vamos cobrir:

  • 06-12 de Setembro: Base da Escritura para o desenvolvimento de outros. Efésios 4:7-12 fala sobre Deus levantando pessoas com dons para preparar o povo de Deus para ministrar.
  • 13-19 de Setembro: Quebrando tradições. Muitos pastores se seguram firmemente ao valor de que eles devem fazer o trabalho do ministério. Talvez seu treinamento de seminário os inculcou a visão que os pastores fazem o trabalho do ministério. Nós falaremos sobre os passos para quebrar esse ciclo. O ministério em célula é sobre o desenvolvimento de pessoas leigas para fazer o trabalho do ministério.
  •  20-26 de Setembro: Treinamento e Supervisão. Pastores de Sucesso que desenvolvem outros colocam um alto valor no treinamento e supervisão. Eles preparam outros que serão líderes de célula e membros da equipe. Eles então se asseguram que cada líder é completamente supervisionado. Na verdade, pastores de igrejas em célula de sucesso veem a si mesmos primariamente como supervisores.
  • 27 de Setembro – 03 de Outubro: Levantando, liberando e arriscando. O pastor precisa estar disposto a ver outros fazendo e até falhando. Jesus abraçou esse tipo de risco quando ele permitiu que Pedro andasse sobre as águas, a multiplicação de pães e várias outras missões. Por fim, Cristo colocou a igreja inteira nas mãos deles.

Sinta-se a vontade para comentar aqui.

Spanish blog:

Desarrollo y despliegue: prioridades clave en la formación de discípulos

Por Joel Comiskey

La tradición dice que el pastor debe hacer el trabajo del ministerio. Muchos pastores han sido entrenados con esta mentalidad y no logran descentralizar y liberar a los líderes. El ministerio se trata de ellos: su predicación, su liderazgo, su control. El ministerio de la iglesia celular, por otro lado, es orgánico y descentralizado.

He notado que algunos líderes entienden el por qué (la base bíblica) del ministerio celular. Les apasiona la idea. Sin embargo, no dan el siguiente paso, fallan en el área de desarrollo y despliegue.

Aquellos que triunfan en el ministerio celular son desarrolladores en lugar de controladores. Desarrollan y despliegan a los demás; les encanta la ruta de equipamiento y el entrenamiento. De buena gana liberan nuevos líderes, forman un equipo de liderazgo fuerte y permiten que otros prediquen. Ven su papel principal como supervisor, más que como predicador. Los pastores y líderes que sobresalen en el ministerio celular practican la liberación, el riesgo y la confianza en otros para que hagan el trabajo del ministerio.

Estoy hablando de un cambio muy sutil. He visto a pastores fracasar en el ministerio celular si no crecen en esta área de desarrollo. Este mes (septiembre) exploremos el tema del desarrollo. Si deseas recibir estos blogs en tu correo electrónico, haz clic aquí. Cubriremos:

  • 06-12 de septiembre: Base bíblica para desarrollar a otros. Efesios 4: 7-12 habla de Dios levantando personas talentosas para preparar al pueblo de Dios para ministrar.
  • 13-19 de septiembre: Rompiendo tradiciones. Muchos pastores se aferran firmemente al valor de que deben hacer el trabajo del ministerio. Quizás su entrenamiento en el seminario les inculcó la visión de que el pastor hace el trabajo del ministerio. Hablaremos sobre los pasos para romper este ciclo. El ministerio celular se trata de desarrollar a los miembros para que hagan el trabajo del ministerio.
  • 20-26 de septiembre: equipamiento y supervision. Los pastores exitosos que desarrollan a otros dan mucha importancia al equipamiento y a la supervision. Preparan a los que serán líderes celulares y miembros del equipo. Luego se aseguran de que cada líder esté bien entrenado. De hecho, los pastores exitosos de iglesias celulares se ven a sí mismos principalmente como el supervisores.
  • 27 de septiembre-03 de octubre: levantamiento, liberación y riesgo. El pastor necesita estar dispuesto a ver a otros salir e incluso fallar. Jesús dio la bienvenida a este tipo de riesgo cuando permitió que Pedro caminara sobre el agua, alimentara a la multitud con panes y varias otras misiones. Finalmente, Cristo puso a toda la iglesia en manos de Pedro. 

Siéntete libre de comentar aquí.

Every House a Church; Every Christian a Minister

By Joel Comiskey, check out Joel’s latest book, Living in Victory

One common refrain that I often hear in my Brazilian seminars is “Every house a church and every Christian a minister.” I took a photo of this phrase in a 2019 Brazil seminar at the Attitude Church in Rio de Janeiro.

I love this phrase because it’s pregnant with possibility. Every house is a potential church. But is this even possible? We know that every believer is a minister and is equipped with God-given gifts. But every home a church?

The Attitude Church, where I took this picture, has 1300 cell groups and about 13,000 people attending the cells. How many members have opened their houses or apartments? I’m not sure. Yet, it’s possible that every believer could at least open their home to an occasional cell group.

I’m passionate about the possibility of every house a church. Traditionally, people leave their home to go to church and then go back to their homes to live. I long for the day when the church is in the home, and the planting of new churches primarily involves the use of existing homes.

The cell group is fully the church. The New Testament writers used the word “ecclesia” when referring to the church in the home as well as to the gathered church on Sunday. Paul addressed the whole congregation in a particular place as ecclesia and also used the same word ecclesia to describe the individual house groups (1 Corinthians 1:1; 16:19). Wherever believers met together, they were “the church of God.”

Some today look at the Sunday celebration as the true church, but small groups as less than the real church. Others tend to prioritize house churches as opposed to the gathered church. The biblical writers saw both the cell and celebration as fully the church. Bill Beckham writes, “To be consistent with New Testament usage, ecclesia cannot be called church in one place (the large group expression) and not called church in another (the small group expression).”

Throughout church history God has used cell ministry  to draw the church back to a more  simple form of church life and mission. He’s doing the same today as we see Every house a church and every Christian a minister.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Cada Casa uma Igreja; Cada Cristão um Ministro

Por Joel Comiskey

Um coro comum que eu frequentemente ouço em meus seminários brasileiros é “Cada casa uma igreja e cada cristão um ministro.” Eu tirei uma foto dessa frase em 2019 na Conferência Atitude Brasil 2019 na Igreja Batista Atitude no Rio de Janeiro.

Eu amo essa frase porque ela está carregada com possibilidades. Cada casa é uma igreja em potencial. Porém, será que isso é possível? Nós sabemos que cada crente é um ministro e está equipado com dons dados por Deus. Mas, cada casa uma igreja?

A Igreja Batista Atitude , onde eu tirei essa foto, tem 1300 grupos de células e cerca de 13.000 pessoas participando das células. Quantos membros abriram suas casas ou apartamentos? Eu não tenho certeza. Mesmo assim, é possível que cada crente pudesse ao menos abrir sua casa para um de grupo de célula ocasional.

Eu sou apaixonado com a possibilidade de cada casa uma igreja. Tradicionalmente, as pessoas deixam seus lares para irem à igreja e depois voltam para viver em seus lares. Eu almejo pelo dia quando a igreja será no lar e o plantio de novas igrejas primariamente envolverá o uso de lares existentes.

O grupo de célula é plenamente a igreja. Os escritores do Novo Testamento usaram a palavra “ecclesia” quando referindo a igreja nos lares tanto quanto ao ajuntamento da igreja no domingo. Paulo remete a congregação inteira de um lugar em particular como ecclesia e também usou a mesma palavra ecclesia para descrever os grupos individuais nas casas (1 Coríntios 1:1; 16:19). Onde quer que os crentes se encontrassem, eles eram a “igreja de Deus.”

Alguns olham hoje para a celebração de domingo como a verdadeira igreja, mas para os pequenos grupos como menos de uma igreja real. Outros tendem a priorizar as igrejas nos lares oposto ao ajuntamento da igreja. Os escritores bíblicos viam ambas as células e a celebração como a igreja na totalidade. Bill Beckham escreve, “para ser consistente com o uso do Novo Testamento, ecclesia não pode ser chamada de igreja em um lugar (expressão do grupo grande) e não ser chamada igreja em outro (expressão de pequeno grupo).” 

Através da história da igreja Deus tem usado o ministério em célula para atrair a igreja de volta a uma forma mais simples de vida e missão da igreja. Ele está fazendo o mesmo hoje quando nós vemos Cada casa uma igreja e cada cristão um ministro.

Spanish blog

Cada casa, una iglesia; todo cristiano, un ministro

Por Joel Comiskey

Un estribillo común que escucho a menudo en mis seminarios brasileños es “Cada casa una iglesia y cada cristiano un ministro”. Tomé una foto de esta frase en un seminario de Brasil en 2019 en la Iglesia Attitude de Río de Janeiro.

Amo esta frase porque está llena de posibilidades. Cada casa es una iglesia potencial. Pero, ¿es esto siquiera posible? Sabemos que cada creyente es un ministro y está equipado con los dones dados por Dios. ¿Pero cada hogar una iglesia?

La Iglesia Attitude, donde tomé esta foto, tiene 1300 grupos celulares y alrededor de 13,000 personas que asisten a las celdas. ¿Cuántos miembros han abierto sus casas o apartamentos? No estoy seguro. Sin embargo, es posible que cada creyente pueda al menos abrir su hogar a un grupo celular ocasional.

Me apasiona la posibilidad de que cada casa sea una iglesia. Tradicionalmente, la gente deja su hogar para ir a la iglesia y luego regresa a sus hogares para vivir. Anhelo el día en que la iglesia esté en el hogar y la plantación de nuevas iglesias implique rincipalmente el uso de las casas existentes.

El grupo celular es completamente la iglesia. Los escritores del Nuevo Testamento usaron la palabra “ecclesia” cuando se referían a la iglesia en el hogar, así como a la iglesia reunida el domingo. Pablo se dirigió a toda la congregación en un lugar particular como ecclesia y también usó la misma palabra “ecclesia” para describir los grupos de casas individuales (1 Corintios 1: 1; 16:19). Donde quiera que los creyentes se reunieran, eran “la iglesia de Dios”.

Algunos hoy ven la celebración del domingo como la verdadera iglesia, y los grupos celulares como menos que la verdadera iglesia. Otros tienden a priorizar las iglesias en las casas en lugar de la iglesia reunida. Los escritores bíblicos vieron tanto la célula como la celebración como parte de la iglesia. Bill Beckham escribe: “Para ser coherente con el uso del Nuevo Testamento, ecclesia no puede llamarse iglesia en un lugar (la expresión de grupo grande) y no llamarse iglesia en otro (la expresión de grupo celular)”.

A lo largo de la historia de la iglesia, Dios ha usado el ministerio celular para llevar a la iglesia de regreso a una forma más simple de vida y misión de iglesia. Él está haciendo lo mismo hoy, ya que vemos que cada casa es una iglesia y cada cristiano un ministro.

Theology Gives Wings to Cell Ministry

By Joel Comiskey, check out Joel’s latest book, Living in Victory

When I first started studying cell ministry, I became enamored with its potential for church growth, but I didn’t prioritize the theological side of cell ministry as much as the pragmatic aspect.

My first book, Home Cell Group Explosion, focused on the rapid multiplication and evangelism of cells, and then my second book, Reap the Harvest, emphasized the growth of cell churches based on common principles. At that time, I was a missionary in Ecuador, and our cell church was seeing amazing church growth. I believed certain leaders in the cell movement were not pragmatic enough. I wanted to show the world that cell church had to work for it to have relevance.

In June 1998, I toured five major U.S. cities for Touch Publications, my book publisher. My seminar topic was cell church. Most of the pastors who attended were struggling. They simply were not experiencing the rapid church growth I highlighted in my books. Most of them talked about their long, long transition and the difficulties of cell ministry. 

I moved to North America in 2001 from Ecuador. I jumped right into the battle , coaching pastors, doing seminars, and even planted a cell church with another pastor. I intended to find the keys that would unlock a cell church explosion in the United States and the Western world.

Church growth was much slower in the West. I could “grow a church” more quickly by not emphasizing cell ministry! Some people told us they were looking for a church in which they wouldn’t be known. One Christian said to me, “I need a church where I don’t have to do much.” Very few were interested in the additional commitments of cell ministry. Some churches were “growing” by not requiring much of their members and allowing them to remain anonymous. 

Over a long period of time, I began to see cell ministry as much more than a technique of church growth. I realized that my former church growth theology was deficient. I came to understand that biblical truth is the final judge of church growth or any other philosophy of ministry.

Theology gives wings to cell ministry because it provides the basis for implementation in both receptive and non-receptive areas. Following the cell church strategy does not result in instant church growth. It takes time to change traditional thinking, develop the lay people to do the work of the ministry, and engage in relational evangelism. Some churches might even lose members in early stages of the process.

Cell church principles and practices must be built on a biblical foundation if churches are to become healthier and make more and better disciples. It’s not a quick growth strategy, but rather, a biblical one. Cell groups provide the environment to form disciples. No matter where the church is established, in areas of rapid growth or slow growth, cell ministry must depend on biblical truth rather than outward results.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Teologia Dá Asas para Ministério em Célula

Por Joel Comiskey, novo livro “Living in Victory” disponível.

Quando eu comecei a estudar ministério em célula, eu me apaixonei com seu potencial de crescimento de igreja, mas eu não priorizei o lado teológico do ministério em célula tanto quanto do aspecto pragmático.

Meu primeiro livro, Explosão do Grupo Celular no Lar, [tradução livre], focou na rápida multiplicação e evangelismo das células, e então o meu segundo livro, Ceifando a Colheita, [tradução livre], enfatizou o crescimento das igrejas em células embasadas em princípios comuns. Naquele tempo, eu era um missionário no Equador, e nossa igreja em célula estava vendo um incrível crescimento da igreja. Eu acreditava que alguns líderes no movimento celular não eram pragmáticos o suficiente. Eu queria mostrar ao mundo que igreja em célula tinha que funcionar para que ela tivesse relevância.

Em junho de 1998, eu fiz um tour pelas cinco maiores cidades dos EUA pela Touch Publications, a editora do meu livro. Meu tópico de seminário era igreja em célula. A maioria dos pastores que participaram estava em crise. Eles simplesmente não estavam experimentando o rápido crescimento que eu destacava em meus livros. A maioria deles falou sobre suas longas, longas transições e as dificuldades do ministério em célula.

Eu me mudei do Equador para a América do Norte em 2001. Eu mergulhei de cabeça na supervisão de pastores, fazendo seminários e até plantei uma igreja em célula com outro pastor. Eu pretendia encontrar as chaves que desbloqueariam uma explosão da igreja em célula nos Estados Unidos e no mundo Ocidental.

O crescimento da igreja era muito mais lento no Oeste. Eu poderia “fazer crescer uma igreja” mais rapidamente ao não enfatizar o ministério em célula! Algumas pessoas nos disseram que elas estavam buscando uma igreja em que não seriam conhecidas. Um cristão me disse “eu preciso de uma igreja onde eu não tenha que fazer muito.” Pouquíssimos estavam interessados em compromissos adicionais do ministério em célula. Algumas igrejas estavam “crescendo” por não requer muito de seus membros e permitindo-os a permanecer anônimos.

Depois de um longo período de tempo, eu comecei a ver o ministério em células como muito mais do que uma técnica de crescimento de igreja. Eu percebi que a teologia de crescimento da minha igreja anterior era deficiente. Eu cheguei ao entendimento que a verdade bíblica é o julgamento final do crescimento da igreja ou qualquer outra filosofia de ministério.

A teologia dá asas para o ministério em célula porque ela provê a base para implementação em ambas as áreas receptivas e não receptivas. Seguir a estratégia de igreja em célula não resulta em crescimento instantâneo da igreja. Leva tempo para mudar o pensamento tradicional, desenvolver as pessoas leigas para fazer o trabalho do ministério e engajar no evangelismo relacional. Algumas igrejas podem perder membros nos estágios iniciais do processo.

Os princípios e práticas da igreja em célula precisam ser construídos na fundação bíblica se as igrejas querem se tornar saudáveis e fazer mais e melhores discípulos. Não é uma estratégia de crescimento rápido, ao contrário, uma estratégia bíblica. Grupos de células providenciam o ambiente para formar discípulos. Não importa onde a igreja esta estabelecida, em áreas de crescimento rápido ou de crescimento vagaroso, o ministério em célula precisa depender da verdade bíblica ao invés de resultados externos.

Spanish blog:

La teología da alas al ministerio celular

Por Joel Comiskey, el nuevo libro “Living in Victory” (Viviendo en Victoria) ya está disponible.

Cuando comencé a estudiar el ministerio celular, me enamoré de su potencial para el crecimiento de la iglesia, pero no prioricé el lado teológico del ministerio celular tanto como el aspecto pragmático.

Mi primer libro, Explosión del grupo celular en casa (Home Cell Group Explosion), se centró en la multiplicación rápida y la evangelización de las células, y luego mi segundo libro, Recoge la Cosecha (Reap the Harvest), enfatizó el crecimiento de las iglesias celulares basadas en principios comunes. En ese momento, yo era misionero en Ecuador, y nuestra iglesia celular estaba viendo un crecimiento asombroso. Creía que ciertos líderes del movimiento celular no eran lo suficientemente pragmáticos. Quería mostrarle al mundo que la iglesia celular tenía que trabajar para que tuviera relevancia.

En junio de 1998, realicé una gira por cinco ciudades estadounidenses importantes para Touch Publications, mi editora de libros. El tema de mi seminario fue la iglesia celular. La mayoría de los pastores que asistieron estaban pasando apuros, simplemente no estaban experimentando el rápido crecimiento de la iglesia que destaqué en mis libros. La mayoría de ellos habló sobre su larga, larga transición y las dificultades del ministerio celular.

Me mudé a América del Norte en 2001 venía de Ecuador. Salté directamente a la batalla, entrenando pastores, dando seminarios e incluso planté una iglesia celular con otro pastor. Tenía la intención de encontrar las llaves que abrirían la explosión de una iglesia celular en los Estados Unidos y el mundo occidental.

El crecimiento de la iglesia fue mucho más lento en Occidente. ¡Podría “hacer crecer una iglesia” más rápidamente si no enfatizaba el ministerio celular! Algunas personas nos dijeron que estaban buscando una iglesia en la que no serían conocidos. Un cristiano me dijo: “Necesito una iglesia en la que no tenga que hacer mucho”. Muy pocos estaban interesados ​​en los compromisos adicionales del ministerio celular. Algunas iglesias estaban “creciendo” al no requerir mucho de sus miembros y permitirles permanecer en el anonimato.

Durante un largo período de tiempo, comencé a ver el ministerio celular como mucho más que una técnica de crecimiento de la iglesia. Me di cuenta de que la teología del crecimiento de mi iglesia anterior era deficiente. Llegué a comprender que la verdad bíblica es el juez final del crecimiento de la iglesia o cualquier otra filosofía del ministerio.

La teología da alas al ministerio celular porque proporciona la base para la implementación tanto en áreas receptivas como no receptivas. Seguir la estrategia de la iglesia celular no resulta en un crecimiento instantáneo de la membresía. Se necesita tiempo para cambiar el pensamiento tradicional, desarrollar a los miembros para hacer el trabajo del ministerio y participar en el evangelismo relacional. Algunas iglesias incluso pueden perder miembros en las primeras etapas del proceso.

Los principios y prácticas de la iglesia celular deben construirse sobre una base bíblica para que las iglesias sean más saludables y tengan más y mejores discípulos. No es una estrategia de crecimiento rápido, sino más bien bíblica; los grupos celulares proporcionan el entorno para formar discípulos. No importa dónde se establezca la iglesia, en áreas de crecimiento rápido o lento, el ministerio celular debe depender de la verdad bíblica en lugar de los resultados externos.