Extended Family Gatherings

By Joel Comiskey, the new book Empowered to Lead coming soon.

Discipleship takes place in cell groups as each person is able to share deep needs and experience the family of God in an intimate way. Separating from those close relationships when multiplication happens can be a painful process that is often resisted by the group members for fear of losing relationships with others in the group. In fact, the word division is often associated with cell multiplication. Many feel that multiplication disrupts relationships, and they want to avoid it at all costs.

Although painful, multiplication does not mean separation, especially when the cell groups are regularly meeting together in the larger gathering. The larger gathering provides a way for the family of God to once again connect on a larger level.

Close friends that were at one time in the same cell group can see each other, relive old times, and receive renewed refreshment before or after the service. They might even sit by each other during the worship service.

I view the family in the larger gathering as a time for the extended family of God to gather, refresh one another and grow closer to Jesus in the process.

Many traditional churches are what I call single cell churches because they want to do everything together. If there is a birthday, they all have to celebrate it together. If there is an activity, all have to be present. Such churches will never grow beyond the closed circle of friendships, and the single cell mentality leads to stagnation and exclusivity.

In the cell church, however, the intimate friendships are developed in the cell. The larger gathering promotes the renewal of a diversity of extended family relationships. Kirk is a good friend of mine. We were in the same cell group years ago. When he started leading his own group, I was still able to enjoy his company during the celebration gatherings. We would often encourage each other before and after the worship service. We ask about each other’s family, share prayer requests, and generally encourage each other in the Christian life.

The two-winged bird flies much better than a bird with only one-wing. The two wings of a cell church provide a healthy atmosphere where the cells can continue to expand and multiply without losing intimate connections between the members.

Korean blog (click here)

Portuguese blog: 

Reuniões de Família Estendida

Por Joel Comiskey, Living in Victory

O discipulado ocorre em grupos de células, pois cada pessoa é capaz de compartilhar necessidades profundas e experimentar a família de Deus de uma forma íntima. Separar-se desses relacionamentos íntimos quando ocorre a multiplicação pode ser um processo doloroso que muitas vezes é resistido pelos membros do grupo por medo de perder relacionamentos com outras pessoas do grupo. Na verdade, a palavra divisão costuma estar associada à multiplicação de células. Muitos acham que a multiplicação atrapalha os relacionamentos e querem evitá-la a todo custo.

Embora dolorosa, a multiplicação não significa separação, especialmente quando os grupos de células se reúnem regularmente na reunião maior. A reunião maior fornece uma maneira para a família de Deus se conectar novamente em um nível mais amplo.

Amigos próximos que já estiveram no mesmo grupo de célula podem ver uns aos outros, reviver os velhos tempos e receber um refrigério renovado antes ou depois do culto. Eles podem até sentar-se um ao lado do outro durante o culto de adoração.

Eu vejo a família na reunião maior como um momento para a família alargada de Deus se reunir, refrescar uns aos outros e crescer mais perto de Jesus no processo.

Muitas igrejas tradicionais são o que chamo de igrejas unicelulares porque querem fazer tudo juntas. Se há aniversário, todos têm que festejar juntos. Se houver atividade, todos devem estar presentes. Essas igrejas nunca irão crescer além do círculo fechado de amizades, e a mentalidade de uma única célula leva à estagnação e exclusividade.

Na igreja em células, entretanto, as amizades íntimas são desenvolvidas na célula. A reunião maior promove a renovação de uma diversidade de relacionamentos familiares extensos. Kirk é um bom amigo meu. Estávamos no mesmo grupo de células anos atrás. Quando ele começou a liderar seu próprio grupo, eu ainda conseguia desfrutar de sua companhia durante as reuniões de celebração. Frequentemente encorajamos uns aos outros antes e depois do culto de adoração. Perguntamos sobre a família uns dos outros, compartilhamos pedidos de oração e geralmente encorajamos uns aos outros na vida cristã.

O pássaro de duas asas voa muito melhor do que um pássaro com apenas uma asa. As duas asas de uma igreja em células fornecem uma atmosfera saudável onde as células podem continuar a se expandir e se multiplicar sem perder conexões íntimas entre os membros.

Spanish blog:

Reuniones de la Familia Extensiva

El discipulado se lleva a cabo en grupos celulares, ya que cada persona es capaz de compartir profundas necesidades y experimentar la familia de Dios de una manera íntima. La separación de estas relaciones cercanas cuando ocurre la multiplicación puede ser un proceso doloroso que a menudo es resistido por los miembros del grupo por temor a que se pierdan esas relaciones que se han cultivado en el grupo. De hecho, la palabra división se asocia a menudo con la multiplicación celular. Muchos sienten que la multiplicación perturba las relaciones, y por lo tanto la quieren evitar a toda costa.

Aunque sea dolorosa, la multiplicación no significa separación, especialmente cuando los grupos celulares se reúnen regularmente en la reunión más grande. La reunión más grande proporciona una manera para que la familia de Dios se conecte de nuevo a un nivel más amplio.

Los amigos cercanos que estuvieron en algún momento en el mismo grupo celular pueden verse, revivir los viejos tiempos, y recibir una unción renovada y fresca antes o después del servicio. Incluso podrían sentarse juntos durante el servicio de adoración.

Veo a la familia en la reunión más grande como el tiempo de reunión de la familia extensiva de Dios, para ministrarse los unos a los otros y en el proceso acercarse más a Jesús.

Muchas iglesias tradicionales son lo que yo llamo las iglesias celulares únicas, porque todo lo quieren hacer juntos. Si hay un cumpleaños, todos tienen que celebrarlo juntos. Si hay una actividad, todos tienen que estar presentes. Estas iglesias no crecen más allá del círculo cerrado de amistades, y la mentalidad de célula única conduce al estancamiento y la exclusividad.

Sin embargo, en la iglesia celular las amistades íntimas se desarrollan en la célula. La reunión más grande fomenta la renovación de una diversidad de relaciones familiares extensivas. Kirk es un buen amigo mío. Estábamos en el mismo grupo celular hace años. Cuando empezó su propio grupo, podíamos vernos y disfrutar compañerismo en la celebración cada domingo. Kirk y yo nos animamos el uno al otro antes y después el culto de celebración el domingo. Nos preguntamos acerca de la familia de cada uno, compartimos peticiones de oración, y en general nos animamos en la vida cristiana.

El pájaro de dos alas vuela mucho mejor que un pájaro de una sola ala. Las dos alas de una iglesia celular proporcionan una atmósfera saludable donde las células pueden continuar multiplicando sin perder las conexiones íntimas entre los miembros.

Is it Biblical for Cells to Meet in a Larger Gathering?

By Joel Comiskey, the new book Empowered to Lead coming soon.

Do we need celebration services? Why not just plant independent house churches? Isn’t every person a minister? Yes, it is true that everyone is a minister, but that doesn’t mean everyone is the pastor of a local church.

The connection between cell and celebration (larger gathering) is biblical. Scripture teaches a clear relationship between the New Testament house churches. The house churches that Paul planted, in other words, were part of a larger unit. Gehring writes, “Many NT scholars believe that both forms—small house churches and the whole church as a unit at that location—existed side by side in early Christianity.” (House Church and Mission, p. 25).

Paul’s own leadership was crucial in linking house churches together. We see Paul and Silas in Acts 16:4 traveling from town to town, delivering the decisions reached by the apostles and elders in Jerusalem. Most of the time, those house churches networked together with other house churches but only met occasionally for larger group gatherings.

However, in at least two cases, the Jerusalem church and the Corinthian church, the cells connected in a larger gathering on a consistent, ongoing basis. In Jerusalem, the early church met in houses to participate in the Lord’s supper and fellowship, but then those same house churches gathered together in the temple to hear the apostles teaching. Acts 2:46-47 says, “Every day they continued to meet together in the temple courts. They broke bread in their homes and ate together with glad and sincere hearts, praising God and enjoying the favor of all the people. And the Lord added to their number daily those who were being saved.” We see here both the house church meetings as well as those house churches coming together to hear the apostles teaching.

The second example is in Corinth. Paul says, “So if the whole church comes together and everyone speaks in tongues, and some who do not understand or some unbelievers come in, will they not say that you are out of your mind?” (1 Corinthians 14:23). Paul speaking about the whole church coming together implies that at other times the Christians in Corinth met separately in smaller house churches.

Whether meeting together in a larger gathering regularly or occasionally, the house churches in the New Testament were connected, and this connection has important implications for discipleship. Disciples were developed in both the house church and the gathered assembly of believers.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

É Bíblico que as Células se Reúnam em uma Reunião Maior?

Por Joel Comiskey, novo livro Empowered to Lead em breve.

Precisamos de serviços de celebração? Por que não simplesmente plantar igrejas nas casas independentes? Nem toda pessoa é um ministro? Sim, é verdade que todos são ministros, mas isso não significa que todos são pastores de uma igreja local.

A conexão entre a célula e a celebração (reunião maior) é bíblica. A Escritura ensina uma relação clara entre as igrejas nos lares do Novo Testamento. Em outras palavras, as igrejas caseiras que Paulo plantou faziam parte de uma unidade maior. Gehring escreve: “Muitos estudiosos do NT acreditam que ambas as formas – pequenas igrejas nas casas e a igreja inteira como uma unidade naquele local – existiam lado a lado no início do Cristianismo.” (House Church and Mission, [Igreja no Lar e a Missão – tradução livre] p. 25).

A própria liderança de Paulo foi crucial para unir as igrejas nos lares. Vemos Paulo e Silas em Atos 16:4 viajando de cidade em cidade, entregando as decisões tomadas pelos apóstolos e anciãos em Jerusalém. Na maioria das vezes, essas igrejas nos lares se conectavam com outras igrejas nos lares, mas apenas se reuniam ocasionalmente para reuniões de grupos maiores.

No entanto, em pelo menos dois casos, a igreja de Jerusalém e a igreja de Corinto, as células se conectaram em uma reunião maior de forma consistente e contínua. Em Jerusalém, a igreja primitiva se reunia em casas para participar da ceia e comunhão do Senhor, mas então essas mesmas igrejas nas casas e reuniam no templo para ouvir os apóstolos ensinando. Atos 2:46-47 diz: “Todos os dias eles continuavam a se reunir nos pátios do templo. Eles partiam o pão em suas casas e comiam juntos com o coração alegre e sincero, louvando a Deus e gozando da graça de todo o povo. E o Senhor aumentava diariamente o número daqueles que estavam sendo salvos”. Vemos aqui tanto as reuniões da igreja nos lares quanto as igrejas nos lares se reunindo para ouvir os ensinamentos dos apóstolos.

O segundo exemplo está em Corinto. Paulo diz: “Então, se toda a igreja se reunir e todos falarem em línguas, e alguns que não entendem ou alguns incrédulos entrarem, eles não dirão que vocês estão loucos?” (1 Coríntios 14:23). Paulo falando sobre toda a igreja se reunindo implica que em outras ocasiões os cristãos em Corinto se reuniam separadamente em igrejas menores nos lares.

Quer se reúnam em uma reunião maior regularmente ou ocasionalmente, as igrejas nas casas no Novo Testamento estavam conectadas, e essa conexão tem implicações importantes para o discipulado. Os discípulos foram desenvolvidos tanto na igreja nos lares quanto na assembleia reunida de crentes.

Spanish blog:

¿Es bíblico que las células se reúnan en una reunión más grande?

Por Joel Comiskey, el nuevo libro Empoderado para Liderar próximamente.

¿Necesitamos servicios de celebración? ¿Por qué no plantar iglesias en casas independientes? ¿No es todo el mundo un ministro? Sí, es cierto que todos son ministros, pero eso no significa que todos sean pastores de una iglesia local.

La conexión entre célula y celebración (reunión más grande) es bíblica. Las Escrituras enseñan una relación clara entre las iglesias en las casas del Nuevo Testamento. Las iglesias en las casas que Pablo plantó, en otras palabras, eran parte de una unidad más grande. Gehring escribe: “Muchos eruditos del Nuevo Testamento creen que ambas formas, las iglesias en casas pequeñas y la iglesia entera como una unidad en ese lugar, existían una al lado de la otra en el cristianismo primitivo”. (Casa Iglesia y Misión, p. 25).

El propio liderazgo de Pablo fue crucial para unir las iglesias en las casas. Vemos a Pablo y Silas en Hechos 16: 4 viajando de pueblo en pueblo, comunicando las decisiones tomadas por los apóstoles y ancianos en Jerusalén. La mayoría de las veces, esas iglesias en las casas se conectaban en red con otras iglesias en las casas, pero solo se reunían ocasionalmente para reuniones de grupos más grandes.

Sin embargo, en al menos dos casos, la iglesia de Jerusalén y la iglesia de Corinto, las células se conectaron en una reunión más grande de manera constante y continua. En Jerusalén, la iglesia primitiva se reunía en casas para participar en la cena del Señor y la comunión, pero luego esas mismas iglesias en las casas se reunían en el templo para escuchar la enseñanza de los apóstoles. Hechos 2: 46-47 dice: “Todos los días continuaban reuniéndose en los patios del templo. Partían el pan en sus casas y comían juntos con el corazón alegre y sincero, alabando a Dios y gozando del favor de todo el pueblo. Y el Señor añadía a su número cada día los que habían de ser salvos”. Vemos aquí tanto las reuniones de las iglesias en las casas como las reuniones grandes que se unen para escuchar la enseñanza de los apóstoles.

El segundo ejemplo está en Corinto. Pablo dice: “Entonces, si toda la iglesia se reúne y todos hablan en lenguas, y entran algunos que no entienden o algunos incrédulos, ¿no dirán que estás loco?” (1 Corintios 14:23). Pablo hablando de la unión de toda la iglesia implica que en otras ocasiones los cristianos de Corinto se reunían por separado en iglesias en casas más pequeñas.

Ya sea que se reúnan en una reunión más grande con regularidad u ocasionalmente, las iglesias en casas en el Nuevo Testamento estaban conectadas, y esta conexión tiene importantes implicaciones para el discipulado. Los discípulos se desarrollaron tanto en la iglesia en casa como en la asamblea reunida de creyentes. 

Beyond the Cell: Making Disciples in the Celebration Service

By Joel Comiskey, Living in Victory

Sometimes I catch myself thinking, “Am I writing too much about making disciples in the cell?” Truly, the cell is the crown jewel of the cell church. But there is another side of the coin: the celebration service.

Cell and celebration are the two wings of the cell church and both are essential in the discipleship process.

Pastors need to know that their preaching role when the cells are gathered is critical in the disciple-making process. Pastors spend a lot of time on their messages. During the worship service, they can fine-tune the leaders and members through the preaching of God’s inerrant Word. When small groups base their lesson questions on the sermon, the pastor knows God’s Word will have an even greater impact.

Dynamic worship is an important part of making disciples. When the entire church family comes together to worship Jesus, individual cells catch a glimpse of Christ’s greater purpose for the church. 

Discipleship also involves vision casting and motivating the troops to move forward. During the celebration services, pastors and leaders can encourage leaders to press ahead and not be discouraged. The pastor reminds the leaders to fulfill God’s heartbeat to reach people for Jesus.

The celebration also helps small group multiplication. Former group members can enjoy each other’s company during the celebration service—much like an extended family coming together for special occasions. This is all part of the discipleship process.

Bill Beckham coined the term, the two-winged church, to describe the emphasis of both the small and large groups in the cell church. Both wings help the bird fly. Beckham uses the following parable to describe the cell church:

A church with two wings was once created; it could fly high into the presence of God. One day the serpent, who had no wings, challenged the church to fly with one wing only, that is the large gathering wing. With much effort the church managed to fly, and the serpent strongly applauded it. With this experience, the church became convinced that it could fly very well with only one wing. God, the creator of the church, was very sad. The church with only one wing could barely rise above the ground, and it just flew in circles without being able to move from its point of origin. The church settled down and started to gain weight and became lazy, beaming with a purely earthly life. Finally, the creator formed a new church with its two wings. Once again God had a church that could fly into His presence and sing His joyful praises.

A church with two wings is better equipped to make disciples who make disciples than a church that only emphasizes one wing. Both are important in the process of discipleship.

For the month of July, let’s look at how the celebration service helps in the process of making disciples who make disciples. Experienced pastors and leaders will write twenty blogs on this topic. If you’d like to receive these blogs in your email inbox, press here. We’ll cover:

  • July 04-10: Biblical base for gathered cells. The New Testament talks about unified leadership under the apostles and other called leaders. We can also see various places when all the cells came together (Acts 2:42-46; 5:42; 20:20).
  • July 11-17: How the celebration of gathered cells helps in the process of making disciples. We will talk about the importance of preaching, casting the vision, etc. Pastors should be encouraged that their hard work of preaching really does pay off in making disciples. Connecting preaching with cell lessons is another benefit.   
  • July 18-24: Multiplication and the celebration service. It’s easier for cells to multiply when mother and daughter cell members can fellowship with each other on Sunday. In other words, relationships can be maintained. And let’s not forget the power of outreach. The celebration service is a powerful tool to reach people for Jesus.
  •  July 25 to July 31:  We will talk about ways to encourage cells in the gathered services: announcements, testimonies, cell tables, maps, and so forth.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Por Joel Comiskey, videos gratuitos de ensino sobre como liderar pequenos grupos

Às vezes me pego pensando: “Estou escrevendo muito sobre como fazer discípulos na célula?” Na verdade, a célula é a jóia da coroa da igreja em células. Mas existe o outro lado da moeda: o culto de celebração (as células reunidas).

Célula e celebração são as duas asas da igreja em células e ambas são essenciais no processo de discipulado.

Os pastores precisam saber que seu papel de pregar é fundamental no processo de fazer discípulos. Os pastores gastam muito tempo em suas mensagens. Durante o culto de adoração, eles podem ajustar os líderes e membros por meio da pregação da Palavra inerrante de Deus. Quando pequenos grupos baseiam as perguntas da lição no sermão, o pastor sabe que a Palavra de Deus terá um impacto ainda maior.

A adoração dinâmica é parte integrante de fazer discípulos. Quando toda a família da igreja se reúne para adorar Jesus, as células individuais vislumbram o propósito maior de Cristo para a igreja.

O discipulado também envolve lançar a visão e motivar as tropas a seguir em frente. Durante os cultos de celebração, os pastores e líderes podem encorajar os líderes a seguir em frente e a não desanimar. O pastor lembra os líderes de cumprir a missão na batida do coração de Deus para alcançar a comunidade para Cristo.

A celebração também ajuda na multiplicação de pequenos grupos. Os antigos membros do grupo (depois da multiplicação) podem desfrutar da companhia uns dos outros durante o culto de celebração – como uma família estendida se reunindo para ocasiões especiais.

Bill Beckham cunhou o termo igreja de duas asas para descrever a ênfase de grupos pequenos e grandes na igreja em células. Ambas as asas ajudam o pássaro a voar. Beckham costuma usar a seguinte parábola para descrever a igreja em células:

Uma igreja com duas asas foi criada; ele poderia voar alto na presença de Deus. Um dia, a serpente, que não tinha asas, desafiou a igreja a voar com apenas uma asa, ou seja, a grande asa coletora. Com muito esforço, a igreja conseguiu voar, e a serpente aplaudiu fortemente. Com essa experiência, a igreja se convenceu de que poderia voar muito bem com apenas uma asa. Deus, o criador da igreja, estava muito triste. A igreja com apenas uma asa mal conseguia se erguer acima do solo e apenas voava em círculos sem poder se mover de seu ponto de origem. A igreja se acalmou e começou a ganhar peso e tornou-se preguiçosa, irradiando uma vida puramente terrena. Finalmente, o criador formou uma nova igreja com suas duas asas. Mais uma vez, Deus tinha uma igreja que podia voar até Sua presença e cantar Seus louvores alegres

Uma igreja com duas alas está mais bem equipada para fazer discípulos que fazem discípulos do que uma igreja que enfatiza um ou outro exclusivamente. Ambos são importantes no processo de discipulado.

Para julho, vamos ver como o culto de celebração ajuda a fazer discípulos que fazem discípulos. Pastores e líderes experientes escreverão vinte blogs sobre este tópico. Se você deseja receber esses blogs em sua caixa de entrada de e-mail, clique aqui. Vamos cobrir:

  • 04 a 10 de julho: Base bíblica para células reunidas. O Novo Testamento fala sobre liderança unificada sob os apóstolos e outros líderes chamados. Também podemos ver vários lugares quando todas as células se reuniram (Atos 2:42-46; 5:42; 20:20).
  • 11 a 17 de julho: Como a celebração das células reunidas ajuda no processo de fazer discípulos. Vamos falar sobre a importância da pregação, lançar a visão, etc. Os pastores devem ser encorajados que seu trabalho árduo de pregação vale a pena fazer discípulos. Conectar a pregação com as lições em células é outro benefício.
  • 18-24 julho: multiplicação e culto de celebração. É mais fácil para as células se multiplicarem quando as pessoas em ambos os grupos podem se ver no domingo. Em outras palavras, os relacionamentos são mantidos. E não vamos esquecer o poder da divulgação, alcançando a colheita por meio da celebração!
  • 25 de julho a 31 de julho: Vamos também falar sobre maneiras de encorajar células nos cultos reunidos: anúncios, testemunhos, tabelas de células, mapas, etc. o que você achou útil para encorajar células durante o tempo de multiplicação?

Spanish blog:

Más allá de la célula: hacer discípulos en el servicio de celebración

Por Joel Comiskey

A veces me sorprendo pensando: “¿Estoy escribiendo demasiado sobre hacer discípulos en la célula?” En verdad, la célula es la joya de la corona de la iglesia celular. Pero hay otra cara de la moneda: el servicio de celebración (las células reunidas).

La célula y la celebración son las dos alas de la iglesia celular, y ambas son esenciales en el proceso de discipulado.

Los pastores deben saber que su función de predicar es fundamental en el proceso de formación de discípulos. Los pastores dedican mucho tiempo a sus mensajes. Durante el servicio de adoración, pueden afinar a los líderes y miembros a través de la predicación de la Palabra infalible de Dios. Cuando los grupos pequeños basan las preguntas de la predicación, el pastor sabe que la Palabra de Dios tendrá un impacto aún mayor.

La adoración dinámica es una parte integral de hacer discípulos. Cuando toda la familia de la iglesia se reúne para adorar a Jesús, las células individuales vislumbran el mayor propósito de Cristo para la iglesia.

El discipulado también implica proyectar la visión y motivar a las tropas a seguir adelante. Durante los servicios de celebración, los pastores y líderes pueden animar a los líderes a seguir adelante y no desanimarse. El pastor les recuerda a los líderes que deben cumplir el latido del corazón de Dios para llegar a la comunidad para Cristo.

La celebración también ayuda a la multiplicación de grupos pequeños. Los antiguos miembros del grupo pueden disfrutar de la compañía de los demás durante el servicio de celebración, al igual que una familia extendida que se reúne para ocasiones especiales.

Bill Beckham acuñó el término iglesia de dos alas para describir el énfasis de los grupos grandes y pequeños en la iglesia celular. Ambas alas ayudan al pájaro a volar. Beckham a menudo usa la siguiente parábola para describir la iglesia celular:

Una vez se creó una iglesia con dos alas; podría volar alto hacia la presencia de Dios. Un día, la serpiente, que no tenía alas, desafió a la iglesia a volar con una sola ala, es decir, la gran ala de reunión. Con mucho esfuerzo, la iglesia logró volar y la serpiente la aplaudió con fuerza. Con esta experiencia, la iglesia se convenció de que podía volar muy bien con una sola ala. Dios, el creador de la iglesia, estaba muy triste. La iglesia con un solo ala apenas podía elevarse por encima del suelo, y simplemente volaba en círculos sin poder moverse desde su punto de origen. La iglesia se asentó y comenzó a ganar peso y se volvió perezosa, radiante con una vida puramente terrenal. Finalmente, el creador formó una nueva iglesia con sus dos alas. Una vez más, Dios tenía una iglesia que podía volar a Su presencia y cantar sus alegres alabanzas.

Una iglesia con dos alas está mejor equipada para hacer discípulos que hacen discípulos que una iglesia que enfatiza una u otra exclusivamente. Ambos son importantes en el proceso del discipulado.

En este mes de Junio, veamos cómo el servicio de celebración ayuda a hacer discípulos que hacen discípulos. Pastores y líderes experimentados escribirán veinte blogs sobre este tema. Si desea recibir estos blogs en su correo electrónico, presione aquí. Cubriremos:

  • 04-10 de julio: Base bíblica para células reunidas. El Nuevo Testamento habla del liderazgo unificado bajo los apóstoles y otros líderes llamados. También podemos ver varios lugares cuando todas las células se juntaron (Hechos 2: 42-46; 5:42; 20:20).
  • 11-17 de julio: Cómo la celebración de las células reunidas ayuda en el proceso de hacer discípulos. Hablemos de la importancia de predicar, proyectar la visión, etc. Se debe alentar a los pastores de que su arduo trabajo de predicación vale la pena hacer discípulos. Conectar la predicación con las lecciones celulares es otro beneficio.
  • 18-24 de julio: multiplicación y servicio de celebración. Es más fácil que las células se multipliquen cuando las personas de ambos grupos pueden verse el domingo. En otras palabras, se mantienen las relaciones. ¡Y no olvidemos el poder del alcance, alcanzando la cosecha a través de la celebración!
  • 25 de julio al 31 de julio: hablemos también sobre formas de fomentar las células en los servicios reunidos: anuncios, testimonios, tablas de células, mapas, etc. ¿Qué le ha resultado útil para animar a las células durante el tiempo de multiplicación?

Envisioning New Groups

By Joel Comiskey, Living in Victory

Should each leader set a goal for a new cell group? In my earlier days of cell research and ministry, I would have said, “Yes, all cells need to set multiplication goals.” It didn’t matter if the cell had any idea whether it could multiply, but I felt it was best for the cell to set a goal for multiplication. Part of the reason was my original research that showed that cell groups that actually had goals for multiplication multiplied faster than those who did not have one.

But does this fact mean that the cell leader from the first day of the cell should say, “We’re going to multiply on such and such a date.” Talking about multiplication before the cell has formed a sense of community can do more harm than good. First, it can hinder community. The people immediately feel they will be saying good-bye very soon and won’t take the time to establish close relationships. Some might not even commit to the group for fear of a quick departure. Second, it places fear in some people that they will be “leaders” before they have had a natural chance to develop in the cell and work through the discipleship equipping component of the discipleship process.

I think it’s much better for the leadership team to work behind the scenes. As leaders grow through participating, they will grasp the purpose of stepping out and being part of a discipleship team. We also know that discipleship equipping is a crucial component in the discipleship process, so it’s best for the team leader to invite all members to take the discipleship equipping—rather than immediately telling them they will be part of a future multiplication team! In other words, they’ll understand team leadership better when they are going through the discipleship equipping and have had more time to participate in the cell.

I asked one cell church pastor how he had become so successful in cell multiplication. He said to me, “My people are born again in the cell and learn to speak the language of cell multiplication. Like a baby learning a new language, they understand that they are called to be disciples and form new cell groups. They know their purpose is to reach out and infiltrate new neighborhoods for Jesus.” When a church reaches the point of seeing new spiritual births in the cell group and then maturing these new people through the natural process of cell discipleship, the cell becomes a powerful tool in the hand of God to reach out to a hurt and dying world.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Contemplando Novos Grupos

Por Joel Comiskey, Living in Victory

Cada líder deve definir uma meta para um novo grupo de células? Em meus primeiros dias de pesquisa e ministério de células, eu teria dito: “Sim, todas as células precisam estabelecer metas de multiplicação”. Não importava se a célula tinha alguma ideia se poderia se multiplicar, mas achei melhor para a célula definir uma meta de multiplicação. Parte do motivo foi minha pesquisa original que mostrou que grupos de células que realmente tinham metas de multiplicação se multiplicaram mais rápido do que aqueles que não tinham.

Mas isso significa que o líder da célula desde o primeiro dia da célula deve dizer: “Vamos nos multiplicar em tal e tal data.” Falar sobre multiplicação antes que a célula tenha formado um senso de comunidade pode fazer mais mal do que bem. Primeiro, pode atrapalhar a comunidade. As pessoas sentem imediatamente que irão se despedir muito em breve e não terão tempo para estabelecer relacionamentos próximos. Alguns podem nem mesmo se comprometer com o grupo por medo de uma partida rápida. Em segundo lugar, faz com que algumas pessoas tenham medo de serem “líderes” antes de terem uma chance natural de se desenvolver na célula e trabalhar por meio do componente de treinamento de discipulado no processo de discipulado.

Acho que é muito melhor para a equipe de liderança trabalhar nos bastidores. À medida que os líderes crescem por meio da participação, eles compreenderão o propósito de sair e fazer parte de uma equipe de discipulado. Também sabemos que a preparação de discipulado é um componente crucial no processo de discipulado, então é melhor para o líder da equipe convidar todos os membros para fazer a preparação de discipulado – ao invés de dizer-lhes imediatamente que farão parte de uma futura equipe de multiplicação! Em outras palavras, eles entenderão melhor a liderança de equipe quando estiverem passando pela preparação do discipulado e tiverem mais tempo para participar da célula.

Eu perguntei a um pastor de igreja em células como ele se tornou tão bem-sucedido na multiplicação de células. Ele me disse: “Meu povo nasce de novo na célula e aprende a falar a linguagem da multiplicação celular. Como um bebê aprendendo uma nova língua, eles entendem que são chamados para serem discípulos e formarem novos grupos de células. Eles sabem que seu propósito é alcançar e se infiltrar em novos bairros para Jesus.” Quando uma igreja chega ao ponto de ver novos nascimentos espirituais no grupo de células e então amadurecer essas novas pessoas através do processo natural de discipulado de células, a célula se torna uma ferramenta poderosa nas mãos de Deus para alcançar um mundo ferido e agonizante.

Spanish blog:

Vislumbrando Nuevos Grupos

por Joel Comiskey, Viviendo en Victoria

¿Debería cada líder fijar una meta para un nuevo grupo celular? En mis primeros días de investigación celular y de ministerio, yo habría dicho: “Sí, todas las células necesitan establecer metas de multiplicación”.  No importaba si la célula tenía alguna idea de si podría multiplicarse, pero me parecía que era mejor para la célula establecer una meta para la multiplicación. Parte de la razón era mi primera investigación  que mostraba que los grupos celulares que en realidad tenían metas para la multiplicación se multiplicaban más rápido que aquellos que no tenían una meta.

Pero, ¿significa esto que el líder de la célula desde el primer día de la célula debe decir “Vamos a multiplicarnos en tal y tal fecha”? Hablar de multiplicación antes que la célula haya formado un sentido de comunidad puede hacer más daño que bien. En primer lugar, puede obstaculizar la formación de la comunidad. Las personas inmediatamente pensarán que estarán diciendo adiós muy pronto y no se tomarán el tiempo para establecer relaciones cercanas. Algunos ni siquiera podrían comprometerse con el grupo por temor a una rápida partida. En segundo lugar, pone temor en algunas personas pensar que van a ser “líderes” antes de que hayan tenido una oportunidad natural para desarrollarse en la célula y trabajar a través del componente de equipamiento del discipulado que forma parte del proceso de discipulado.

Creo que es mucho mejor para el equipo de liderazgo trabajar detrás de cámaras. Mientras los líderes crecen a través de la participación, ellos captarán el propósito de salir y ser parte de un equipo de discipulado. También sabemos que el equipamiento de discipulado es un componente crucial en el proceso de discipulado, por lo que es mejor para el líder del equipo invitar a todos los miembros a tomar el equipamiento  del discipulado — ¡y no decirles inmediatamente que serán parte de un futuro equipo de multiplicación! En otras palabras, ellos van a entender mejor el liderazgo de equipo cuando estén atravesando por el equipamiento del discipulado y hayan tenido más tiempo para participar en la célula.

Le pregunté a un pastor de una iglesia celular cómo había llegado a ser tan exitoso con la multiplicación celular. Él me dijo: “Mi gente nace de nuevo en la célula y aprende a hablar el lenguaje de la multiplicación celular. Al igual que un bebé aprendiendo un nuevo idioma, ellos entienden que están llamados a ser discípulos y a formar nuevos grupos celulares. Ellos saben que su objetivo es alcanzar e infiltrarse en los nuevos vecindarios para Jesús”. Cuando una iglesia alcanza el punto de ver los nuevos nacimientos espirituales en el grupo celular y luego madurar a estas nuevas personas a través del proceso natural de discipulado celular, la célula se convierte en una poderosa herramienta en la mano de Dios para alcanzar a un mundo herido y moribundo.

Multiplication Myths and Truths

by Joel Comiskey, check out the small group videos

The topic of small group multiplication is both exciting and full of controversy. Some churches resist small group ministry because of what they have heard about multiplication—like all groups must multiply after six months or close. In my book Myths and Truths of Cell-based Ministry, I talk a lot about the myths and truths of multiplication. So what are some of those myths? Here are a few:

All cells must multiply in six months or be closed. This was a common myth in the early days of the cell church movement. My good friend Raymond Ebbett was both a missionary in Bogota, Colombia, and Spain. The small groups in Bogota often multiplied in six months but those in Spain took many years. The difference? The soil. The soil in Bogota was ready to produce the crop but the soil in Spain was hard and dry with little immediate potential. Raymond understood that the preparation of the soil was a critical component in small group multiplication.

Multiplication of a small group means that people are being saved, maturing as disciples, and taking the church-wide equipping to become future leaders. If no one is coming to Christ, very few will be equipped, and new leaders will not be formed. The opposite is true in countries experiencing a revival. We need to have discernment, patience and avoid dogmatism that says all groups must multiply in six months. The reality is that multiplication time frames vary depending on the state of the soil.

There is only one way to multiply a cell. In the early days of the cell church movement, the most common way to multiply a group was mother-daughter multiplication. When a group grew to a certain number, half of the group—along with a new leadership team–would leave to start the daughter group.  The problem with this type of multiplication was that when a group reached a certain number, like fifteen, many of the people would stop coming because they did not want to “divide.”

However, another great way to multiply a group is cell planting. As soon as a team takes the church-wide equipping and graduates, that team can leave the mother cell and start a new one, regardless of the size of the mother group.

One effective way to practice cell planting is for the group leader to take one or two members and plant a new group. The leader should leave the most mature behind when starting the new group.

One leader should lead more than one group. I find this error is common in churches that are trying hard to reach their goals. To reach the determined year-end multiplication goal, some leaders lead more than one group. The problem with this is that the biblical goal is not more groups but more leaders, or disciples. The small group strategy is all about raising up an army of disciples who make disciples, not new groups. It is best to have one leader or team of leaders per group and not to multiply until leaders have been developed who are ready to lead the new group.

Evangelism is the same as multiplication. I hear this a lot when talking about multiplication. Sometimes people equate evangelism with multiplication, yet multiplication is much more than evangelism. To multiply a group, a leader must do a lot of things well: evangelism, small group dynamics, conflict resolution, community, and total participation of members. Evangelism is simply one aspect of group life. Therefore, when a leader has multiplied the group, this person should be honored because it means they have done a lot of things well.

The more we can understand the myths and pitfalls of multiplication, the more successful we will be at avoiding those dangers. Yes, multiplication is important, but small group ministry involves more than multiplication.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Mitos e verdades da multiplicação

Por Joel Comiskey, confira os vídeos de Comiskey

O tópico da multiplicação de pequenos grupos é emocionante e cheio de controvérsias. Algumas igrejas resistem ao ministério de pequenos grupos por causa do que ouviram sobre a multiplicação – como todos os grupos devem se multiplicar depois de seis meses ou menos. Em meu livro Myths and Truths of Cell-Based Ministry [Mitos e Verdades do Ministério baseado em Células], falo muito sobre os mitos e verdades da multiplicação. Então, quais são alguns desses mitos? Aqui estão alguns:

Todas as células devem se multiplicar em seis meses ou serão fechadas. Este era um mito comum nos primeiros dias do movimento da igreja em células. Meu bom amigo Raymond Ebbett foi missionário em Bogotá, Colômbia e Espanha. Os pequenos grupos em Bogotá frequentemente se multiplicavam em seis meses, mas os da Espanha demoravam muitos anos. A diferença? O solo. O solo em Bogotá estava pronto para produzir a safra, mas o solo na Espanha era duro e seco com pouco potencial imediato. Raymond entendeu que o preparo do solo era um componente crítico na multiplicação de pequenos grupos.

A multiplicação de um pequeno grupo significa que as pessoas estão sendo salvas, amadurecendo como discípulos e recebendo o treinamento em todas áreas da igreja para se tornarem futuros líderes. Se ninguém está vindo a Cristo, pouquíssimos serão treinados e novos líderes não serão formados. O oposto é verdadeiro em países que estão passando por um avivamento. Precisamos ter discernimento, paciência e evitar o dogmatismo que diz que todos os grupos devem se multiplicar em seis meses. A realidade é que os prazos de multiplicação variam dependendo do estado do solo.

Só existe uma maneira de multiplicar uma célula. Nos primeiros dias do movimento da igreja em células, a forma mais comum de multiplicar um grupo era a multiplicação mãe-filha. Quando um grupo cresceu para um determinado número, metade do grupo – junto com uma nova equipe de liderança – iria embora para começar o grupo-filhas. O problema com este tipo de multiplicação era que quando um grupo atingia um certo número, como quinze, muitas das pessoas paravam de vir porque não queriam “dividir”.

No entanto, outra ótima maneira de multiplicar um grupo é o plantio de células. Assim que uma equipe passa pelo treinamento das áreas da igreja e se forma, essa equipe pode deixar a célula-mãe e começar uma nova, independentemente do tamanho do grupo-mãe.

Uma maneira eficaz de praticar o plantio de células é o líder do grupo pegar um ou dois membros e plantar um novo grupo. O líder deve deixar o mais maduro para trás ao iniciar o novo grupo.

Um líder deve liderar mais de um grupo. Acho que esse erro é comum em igrejas que estão se esforçando para alcançar seus objetivos. Para atingir a meta de multiplicação de final de ano determinada, alguns líderes lideram mais de um grupo. O problema com isso é que o objetivo bíblico não é mais grupos, mas mais líderes ou discípulos. A estratégia de pequenos grupos envolve levantar um exército de discípulos que fazem discípulos, não novos grupos. É melhor ter um líder ou equipe de líderes por grupo e não se multiplicar até que tenham sido desenvolvidos líderes que estejam prontos para liderar o novo grupo.

Evangelismo é o mesmo que multiplicação. Eu ouço muito isso quando falo sobre multiplicação. Às vezes, as pessoas equiparam evangelismo com multiplicação, mas multiplicação é muito mais do que evangelismo. Para multiplicar um grupo, um líder deve fazer muitas coisas bem: evangelismo, dinâmicas de pequenos grupos, resolução de conflitos, comunidade e participação total dos membros. Evangelismo é simplesmente um aspecto da vida em grupo. Portanto, quando um líder multiplicou o grupo, essa pessoa deve ser homenageada porque significa que fez muitas coisas bem.

Quanto mais pudermos entender os mitos e armadilhas da multiplicação, mais bem-sucedidos teremos em evitar esses perigos. Sim, a multiplicação é importante, mas o ministério de pequenos grupos envolve mais do que multiplicação.

Spanish blog:

Multiplicación: Mitos y Verdades

Por Joel Comiskey, confira esses vídeos práticos.

Las células nacen para multiplicarse—no para morir.  El tema de la multiplicación es emocionante pero a la vez, está lleno de controversias. Muchos resistan el ministerio de células debido a un énfasis excesivo en la multiplicación.

Escribí un libro llamado Mitos y verdades del ministerio basado en células. En ese libro, tengo varios mitos y verdades sobre la multiplicación celular. Entonces, ¿cuáles son esos mitos? Acá son algunos:

Todas las células  deben multiplicarse en seis meses o cerrarse.

Este era un mito común en los primeros días del movimiento de la iglesia celular. Mi buen amigo Raymond Ebbet fue misionero en Bogotá, Colombia y luego en España. El notó que células en Bogotá podían multiplicarse en seis meses, pero en España tomó años. ¿La diferencia? El suelo. El suelo de Bogotá estaba listo para producir la cosecha, pero el suelo de España era duro y seco con poca cosecha. Raymond notó que debemos aprender la condición del suelo cuando hablamos de la multiplicación.

La multiplicación de una célula significa que la gente está recibiendo a Cristo como su Salvador, madurando en la célula, y tomando la capacitación celular para convertirse en futuros líderes. Si nadie viene a Cristo, muy pocos estarán equipados y no se formarán nuevos líderes.

En algunos países, muchos reciben a Cristo, pasan por la capacitación, y se preparan para llegar a ser líderes de células. Necesitamos tener discernimiento, paciencia y evitar el dogmatismo que dice que todas las células deben multiplicarse en seis meses.

Solo hay una forma de multiplicar una célula.

En los primeros días del movimiento celular, la forma más común de multiplicar una célula era la multiplicación madre-hija. Cuando una célula crecía hasta cierto punto, la mitad del grupo, junto con un equipo de liderazgo, se salieran para comenzar una nueva célula. El problema con este tipo de multiplicación era que cuando un grupo llegaba a cierto número, como quince, muchas de las personas dejaban de asistir por no querer “dividirse”.

Otra excelente manera de multiplicar un grupo es plantar nuevas células.  Tan pronto como un equipo toma la capacitación y se gradúa, ese equipo puede dejar la célula madre y comenzar una nueva célula, sin importar el tamaño del grupo madre.

Una de las formas más efectivas de multiplicar es que el líder del grupo tome uno o dos y plante una nueva célula. El líder que inició el grupo debe dejar atrás a los mejores y más maduros mientras que toma uno o dos para comenzar un nuevo grupo.

Si bien la multiplicación madre-hija sigue siendo una excelente forma de multiplicar grupos, no es la única manera para hacerlo.

Un líder debe liderar más de un grupo.

Este mito es  común en las iglesias grandes que tiene altas metas para cumplir. Para alcanzar las metas de fin de año, piden a los líderes que lideren más de un grupo. El problema con esto es que el objetivo no son más grupos, sino más líderes o discípulos. La estrategia de la iglesia celular se trata de levantar un ejército de discípulos que hagan discípulos, no grupos nuevos. Es mejor pensar en términos de un líder por grupo y no multiplicar hasta que se haya desarrollado otro líder.

El evangelismo es lo mismo que la multiplicación.

Escucho mucho esto cuando hablo de multiplicación. La gente iguala el evangelismo con la multiplicación. Sin embargo, la multiplicación es mucho más que evangelización. Para multiplicar un grupo, un líder tiene que hacer bien muchas cosas: evangelización, dinámica de grupos pequeños, resolución de conflictos, comunidad y participación total de los miembros. El evangelismo es simplemente un aspecto de la vida celular. Por lo tanto, cuando un líder haya multiplicado el grupo, esta persona debe ser honrada. Significa que haya hecho muchas cosas bien.

Cuanto más comprendamos los mitos y las trampas de la multiplicación, más éxito tendremos en evitar esos peligros comunes. Sí, la multiplicación es importante, pero el enfoque debe ser en preparar a más discípulos que hacen otros discípulos.