Cell Networking

by Keith Bates, www.new-life.org.au; www.facebook.com/groups/cellchurches

I pastor a non-denominational church in a small town that is a long way from a large city. Of the nine congregations in my town, ours is the only one consciously using the cell church model. It has been many years since I was able to attend a cell church conference.

There are many reasons why it would be easy to just remain isolated and try to do my own thing. But to avoid falling into the wrong habits, I need to keep checking that I am on the right track by interacting with other people.

Modern technology makes it easier to connect even when we are separated geographically. It’s not quite the same as meeting face to face, but it does help me when I read what other people around the world are doing in their cell ministries.

I love this blog at joelcomiskeygroup.com, and I regularly read the posts by Joel Comiskey and his team. The web-site at smallgroupchurches.com is also treasure trove of resources for group leaders.

On facebook I administer a cell churches group (https://www.facebook.com/groups/cellchurches/) which was started to help cell church leaders share with one another and encourage one another. With over 300 members from around the world it has a wealth of knowledge and experience. While it has been a little slow lately, this group does have great discussions from time to time.

I love reading books by people like Joel Comiskey, Ralph Neighbour, Scott Boren and others. They help to remind me of the goal of our groups (to make disciples who love God, love people and make disciples) They also throw up ideas that I have not thought of before.

Sometimes just meeting with our own cell leaders or visiting different cell groups gives me insight into the various ways that other leaders run with the overall vision of cell ministry. A few weeks ago we dedicated our cell leaders meeting to prayer. I was blown away by the enthusiasm and bold praying of this group of ten people and encouraged in my own prayer life.

Of these different sources of encouragement and connection, what works best for you?

Keith

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Rede celular

Por Keith Bates, www.new-life.org.au; Www.facebook.com/groups/cellchurches

Eu, pastor uma igreja não-denominacional em uma pequena cidade que está longe de uma grande cidade. Das nove congregações da minha cidade, a nossa é a única que usa conscientemente o modelo da igreja celular. Faz muitos anos que consegui participar de uma conferência da igreja celular.

Há muitas razões pelas quais seria fácil permanecer isolado e tentar fazer o meu próprio bem. Mas para evitar cair nos hábitos errados, eu preciso continuar checando que estou no caminho certo ao interagir com outras pessoas.

A tecnologia moderna facilita a conexão mesmo quando estamos separados geograficamente. Não é o mesmo que enfrentar cara a cara, mas isso me ajuda quando leio o que outras pessoas ao redor do mundo estão fazendo em seus ministérios celulares.

Eu adoro este blog no joelcomiskeygroup.com, e leio regularmente as postagens de Joel Comiskey e sua equipe. O site da smallgroupchurches.com também é tesouro de recursos para lderes de grupo.

No Facebook, eu administro um grupo de igrejas celulares (https://www.face book.com/groups/cellchurches/) que foi iniciado para ajudar os lderes das igrejas celulares a compartilhar uns com os outros e encorajar uns aos outros. Com mais de 300 membros de todo o mundo tem uma riqueza de conhecimento e experiência. Embora tenha sido um pouco lento ultimamente, este grupo tem grandes discussões de vez em quando.

Adoro ler livros de pessoas como Joel Comiskey, Ralph Neighbor, Scott Boren e outros. Eles ajudam a me lembrar o objetivo de nossos grupos (fazer discpulos que amam a Deus, amar as pessoas e fazer discpulos). Eles também lançam idéias que eu não pensei antes.

Às vezes, apenas nos encontrar com nossos lderes de células ou visitar diferentes grupos de células me dá uma visão das várias maneiras que outros lderes lidam com a visão geral do ministério celular. Há algumas semanas, dedicamos a nossa reunião de lderes celulares à oração. Fiquei impressionado com o entusiasmo e oração audaz deste grupo de dez pessoas e incentivado na minha própria vida de oração.

Destas diferentes fontes de encorajamento e conexão, o que funciona melhor para você?

Keith

Spanish blog:

Redes Celulares

Por Keith Bates, Por Keith Bates, www.newlife.org.au; www.facebook.com/groups/cellchurches

Pastoreo una iglesia no denominacional en un pequeño pueblo que está muy alejado de la ciudad más grande. De las nueve congregaciones en el pueblo, la nuestra es la única que usa de manera consciente el modelo celular. Ya han pasado muchos años desde que pude atender una conferencia de la iglesia celular.

Hay muchas razones por las cuales seria fácil mantenerme aislado y tener mis propias reglas. Pero para evitar caer en malos hábitos, necesito estar revisando que estoy en el camino correcto por medio de la interacción con otros.

La tecnologa moderna nos hace más fácil el conectarnos con otros aunque estemos separados geográficamente. No es lo mismo que reunirse cara a cara, pero me ayuda, cuando leo lo que otros hacen en el ministerio celular alrededor del mundo.

Me encanta este blog, en joelcomiskeygroup.com, con regularidad leo los boletines de Joel Comsikey y su equipo. El sitio web smallgroupchurches.com también es un cofre de tesoros de fuentes para los lderes celulares.

En Facebook administró un grupo de iglesias celulares (https://www.facebook.com/groups/cellchurches/) que fue creado para ayudar a los lderes de la iglesia celular, para que estos puedan compartir y animarse unos con otros. Con casi 300 miembros de todo el mundo, el grupo tiene gran riqueza en conocimiento y experiencia. Aunque últimamente no ha estado muy activo, en ocasiones en este grupo se tienen grandes debates.

Me encanta leer libros de Joel Comiskey, Ralph Neighbour, Scott Boren y algunos otros. Me ayudan a recordar la meta de nuestra célula (hacer discpulos que amén a Dios, a las personas y que hagan discpulos). Al mismo tiempo ellos me dan ideas que yo no haba pensado antes.

En ocasiones, solo reuniéndome con nuestros propios lderes celulares o visitando diferentes células, me dan una idea de las diversas maneras en que otros lderes llevan la visión general del ministerio celular. Hace unas semanas, dedicamos nuestra reunión de lderes celulares a la oración. Me quede sorprendido con el entusiasmo y la oración audaz de este grupo de diez personas y me alentó en mi propia vida de oración.

De estas diferentes fuentes de estmulo y conexión, ¿Cual funciona mejor para ti?

Keith

The Heart of a Cell Leader

keith

by Keith Bates, www.new-life.org.au; www.facebook.com/groups/cellchurches

One of the biggest fears that some pastors have is in entrusting the care of “their” people to others. Some pastors cannot even contemplate a cell ministry because it puts too much power in the hands of cell leaders. Some years ago I discovered both the power of toxic leaders and the power of genuine community.

We had a leader who seemed zealous for the Lord. He was a great musician and worship leader, and he really loved God. When he asked to lead a cell group I had no hesitation in encouraging him and authorizing him to do this. For a time things went well. Then I started to hear just little snippets of information that by themselves were not an issue, but together made me become anxious. His leading style became confronting rather than encouraging. People stopped attending his group.

One Sunday night during the church service, as the worship music was playing, the phrase “Absalom spirit” dropped into my head. I had no idea what this meant, not even who Absalom was. So I did some research over subsequent days and discovered that Absalom was a son of David who tried to snatch the throne from his father by drawing popular support to himself and against David (2 Samuel 15). It turned out that this cell leader was trying to use his cell group to turn people away from me in order to start his own house church. People recognzed that what he was doing was wrong, and it all came to nothing.

One time on a mission trip in Sri Lanka, I was asked to address a group of cell leaders, and I shared this story. I wasn’t very far into the story when they were all smiling because they recognized their own experience being described. I guess this is a common occurrence.

This could have been a disaster for us, except that the Lord has planted in our people a very strong sense of belonging to one another. They knew that someone trying to separate them out from the church family could not be trusted.

Every pastor needs to make sure that he or she has the heart of their people, especially of the cell leaders. People might seem like great leaders “outwardly,” but it is their heart that determines their direction. I can be sure that if I have strong loving relationships with my cell leaders, then they can be trusted with their part of the flock.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O Coração de um Lder de Célula

por Keith Bates, www.new-life.org.au; www.facebook.com/groups/cellchurches

Um dos maiores medos que alguns pastores têm é de confiar o cuidado de “seu” povo a outros. Alguns pastores não podem sequer pensar em um ministério de células porque o ministério coloca muito poder nas mãos dos lderes de célula. Há alguns anos eu descobri tanto o poder de lderes tóxicos como o poder da comunidade genuna.

Nós tnhamos um lder que parecia ser zeloso pelo Senhor. Ele era um grande músico e lder de adoração, e ele realmente amava a Deus. Quando ele pediu para liderar um grupo celular eu não hesitei em encorajá-lo e autorizá-lo a fazer isso. Por um tempo as coisas correram bem. E a eu comecei a ouvir apenas pequenos fragmentos de informação que por si só não foram um problema, mas juntos me deixaram ansioso. Seu estilo de liderança tornou-se confrontador ao invés de incentivador. As pessoas pararam de frequentar seu grupo.

Em uma noite de domingo durante o culto na igreja, enquanto a música de adoração estava tocando, a frase “esprito de Absalão” surgiu na minha cabeça. Eu não tinha ideia do que isso significava, nem mesmo quem era Absalão. Então eu fiz uma pesquisa ao longo dos dias subsequentes e descobri que Absalão era um filho de Davi que tentou roubar o trono de seu pai, chamando o apoio popular para si mesmo e contra Davi (2 Samuel 15). Descobriu-se que este lder de célula estava tentando usar seu grupo celular para afastar as pessoas de mim, a fim de começar a sua própria igreja doméstica. As pessoas reconheceram que o que ele estava fazendo era errado, e tudo deu em nada.

Uma vez, em uma viagem de missão no Sri Lanka, me pediram para falar a um grupo de lderes de célula, e eu compartilhei esta história. Eu não estava muito longe na história quando eles ficaram todos sorrindo porque reconheceram sua própria experiência sendo descrita. Eu acho que esta é uma ocorrência comum.

Isso poderia ter sido um desastre para nós, exceto que o Senhor plantou em nosso povo um sentimento muito forte de pertencer uns aos outros. Eles sabiam que alguém que estava tentando separá-los da famlia da igreja não podia ser confiável.

Todo pastor(a) precisa ter certeza de que ele ou ela tem o coração de seu povo, especialmente dos lderes de células. As pessoas podem parecer grandes lderes “externamente”, mas é o seu coração que determina sua direção. Posso ter certeza de que se eu tiver relacionamentos amorosos fortes com meus lderes de célula, então eles podem ser confiáveis com sua parte do rebanho.

Spanish blog:

El corazón de un lder de célula

por Keith Bates, www.new-life.org.au; www.facebook.com/groups/cellchurches

Uno de los mayores temores que algunos pastores tienen es el confiar el cuidado de “su” pueblo a otros. Algunos pastores no pueden ni siquiera contemplar un ministerio celular porque éste pone demasiado poder en manos de los lderes de células. Hace algunos años descubr tanto el poder de los lderes tóxicos como el de una comunidad genuina.

Tuvimos un lder que pareca celoso por el Señor. Él era un gran músico y lder de alabanza, y él realmente amaba a Dios. Cuando él solicitó dirigir un grupo celular no dudé en animarlo y autorizarlo para hacerlo. Durante un tiempo, las cosas iban bien. Luego empecé a escuchar sólo pequeños fragmentos de información que por s mismos no eran un problema, pero en conjunto me hicieron poner ansioso. Su estilo de liderazgo se convirtió confrontativo en lugar de alentador. Las personas dejaron de asistir a su grupo.

Un domingo por la noche durante el servicio de la iglesia, mientras sonaba la música de adoración, la frase “espritu de Absalón” me vino a la mente. No tena idea de su significado, ni siquiera saba quién era Absalón. As que hice un poco de investigación en los das siguientes y descubr que Absalón era un hijo de David que intentó arrebatar el trono de su padre atrayendo el apoyo popular para s mismo y en contra de David (2 Samuel 15). Resultó que este lder de célula estaba tratando de usar su grupo celular para volver a las personas en mi contra, con el fin de fundar su propia iglesia en la casa. Las personas reconocieron que lo que estaba haciendo estaba mal, y todo se acabó.

Una vez en un viaje misionero en Sri Lanka, me solicitaron hablar a un grupo de lderes de células, y compart esta historia. No haba avanzado mucho con la historia cuando todos estaban sonriendo porque reconocieron su propia experiencia con la descripción. Supongo que esto es algo que ocurre a menudo.

Esto podra haber sido un desastre para nosotros, pero el Señor ha sembrado en nuestro pueblo un fuerte sentido de pertenencia entre s. Ellos saban que alguien que estaba tratando de separarlos de la familia de la iglesia no poda ser confiable.

Cada pastor tiene que asegurarse de que él o ella tiene el corazón de su pueblo, especialmente de los lderes de células. Las personas pueden parecer grandes lderes “por fuera”, pero es su corazón el que determinará su dirección. Puedo estar seguro que si tengo fuertes relaciones de amor con mis lderes de células, entonces les puedo confiar su parte del rebaño.

 

It’s About Hearts; Not Structures

keith

by Keith Bates, www.new-life.org.au; www.facebook.com/groups/cellchurches

When we were led by the Lord to start our church in 1996, I knew that it was to be “a new thing,” although I was not sure what the new thing was to be. I did know that we were to be a cell church, but I didn’t really know what that meant.

When I first read Ralph Neighbour’s book “Where Do We Go From Here?” along with books by Joel Comiskey, David Cho and other cell church experts, I was excited about the promise of real growth in the church as people got saved in cell groups. Reading of groups doubling every 12 months excited my vision of reaching our town and growing real disciples.

It has taken most of the last 18 years to understand that just calling ourselves a cell church and insisting that people join cell groups does not mean that the cell church values are there in all of our people. I still hear people occasionally talk about going to Bible Study. And I still get criticism for sometimes saying that if people can only go to one event a week, make sure they go to cell group rather than the Sunday celebration service.

However, at last I feel people truly understand that we are a church of cell groups not a church with small groups as an added extra. Better still, we are at a point where we are about to multiply our first cell, and maybe another one shortly after. So it took 18 years instead of 18 months, but we are getting there! It has been a slow process, but the values have gone deep into our people’s hearts, and are now starting to bear fruit.

Changing the structure of the church achieves nothing. Changing the hearts of the people changes everything.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

É Sobre Corações; Não Estruturas

por Keith Bates, www.new-life.org.au; www.facebook.com/groups/cellchurches

Quando nós fomos direcionados pelo Senhor para começar nossa igreja em 1996, eu sabia que era para ser “uma coisa nova”, apesar de eu não ter certeza do que essa coisa nova seria. Eu sabia que nós seramos uma igreja em células, mas eu não sabia o que isso realmente significava.

Quando eu li pela primeira vez o livro de Ralph Neighbour “Para Onde Vamos A Partir Daqui?” (Tradução livre) juntamente com livros de Joel Comiskey, David Cho e outros especialistas em igrejas em células, eu fiquei animado com a promessa de crescimento verdadeiro da igreja à medida que as pessoas fossem salvas nos grupos celulares. Ler sobre grupos se multiplicando a cada 12 meses animou a minha visão de alcançar nossa cidade e desenvolver discpulos verdadeiros.

Levamos a maior parte dos últimos 18 anos para entendermos que simplesmente chamar a nós mesmos de uma igreja em células e insistir para que as pessoas se juntem em grupos celulares não significa que os valores da igreja em células existam em todo o nosso povo. Eu ainda ouço ocasionalmente pessoas falando sobre ir ao Estudo Bblico. E eu ainda recebo crticas por às vezes dizer que, se as pessoas só podem ir a um evento por semana, que elas possam ir com certeza à célula em vez de ir ao culto de celebração do domingo.

No entanto, eu finalmente sinto que as pessoas entendem verdadeiramente que nós somos uma igreja de grupos celulares, e não uma igreja com pequenos grupos como algo extra. Melhor ainda, nós estamos em um ponto em que estamos prestes a multiplicar nossa primeira célula, e talvez mais uma logo depois. Então levou 18 anos em vez de 18 meses, mas estamos chegando lá! Tem sido um processo lento, mas os valores entraram profundamente nos corações do nosso povo, e agora estão começando a dar frutos.

Mudar a estrutura da igreja não nos faz alcançar nada. Mudar os corações do povo muda tudo.

Keith

Spanish blog:

Es sobre los corazones; No Estructuras
 
por Keith Bates, www.new-life.org.au; www.facebook.com/groups/cellchurches
 
Cuando fuimos conducidos por el Señor para comenzar nuestra iglesia en 1996, saba que iba a ser “una cosa nueva”, aunque no estaba seguro qué sera esa cosa nueva. Yo s saba que bamos a ser una iglesia celular, pero realmente no saba lo que eso significaba.
 
La primera vez que le el libro de Ralph Neighbour “Where Do We Go From Here?”  “Y desde aqu ¿hacia dónde vamos?”, junto con los libros de Joel Comiskey, David Cho y otros expertos de la iglesia celular, estaba entusiasmado con la promesa de un crecimiento real en la iglesia mientras las personas eran salvas en grupos celulares. Al leer sobre grupos que se duplicaban cada 12 meses, mi visión de alcanzar a nuestra ciudad y desarrollar verdaderos discpulos se entusiasmaba.

Me ha tomado la mayor parte de los últimos 18 años para entender que sólo llamarnos a nosotros mismos una iglesia celular e insistir en que las personas se unan en grupos celulares, no significa que los valores de la iglesia celular estén all en toda nuestra gente. Todava escucho a las personas, de vez en cuando, hablar de ir al estudio bblico. Y sigo obteniendo crticas por decir, algunas veces, que si las personas sólo pueden ir a un evento en la semana, que se aseguren de ir al grupo celular en vez del servicio de celebración dominical.
No obstante, por fin siento que la gente realmente entiende que somos una iglesia de grupos celulares no una iglesia con grupos pequeños como un extra añadido. Mejor aún, nos encontramos en un punto en el que estamos por multiplicar nuestra primera célula, y tal vez una más un poco después. As que nos tomó 18 años en lugar de 18 meses, ¡pero ya estamos llegando! Ha sido un proceso lento, pero los valores se han ido profundizando en los corazones de nuestro pueblo, y ahora están empezando a dar sus frutos.
 
El cambio de la estructura de la iglesia no logra nada. El cambio en los corazones de la gente lo cambia todo.
 
Keith

Refreshment for Summer Cells and Leaders

keith

by Keith Bates, www.new-life.org.au; www.facebook.com/groups/cellchurches

One argument for cells taking a break over summer is that it gives leaders a chance to rest and rejuvenate. The trouble is that leaders can become jaded, or even burnt out in winter or at any time of the year.

As a leader I have a responsibility for my relationship with the Lord 365 days of the year. Physical rest and health are part of the recipe for this as well as the spiritual disciplines that keep me grounded in Him.

There might be times when family pressures or spiritual warfare need me to seek support. Moses had Aaron and Ur to hold up his arms when a battle depended on this (Exodus 17). I need to have the humility to seek help when life leaves me weak and battered.

The beauty of the cell church system is that no cell group or cell church is dependent on one person. If the leader is feeling worn down there are plenty of ways to share the load. Apprentices can take more responsibility for leading meetings or caring for the pastoral needs of members. The whole group can pray for and with the struggling leader. The pastor or cell coach can come and bring some outside wisdom and assistance.

If all the members of a group are feeling worn down, take the summer season to focus on resting in the Lord. Some cell meetings can be a chance to put more energy into worship and less into the word. A longer period of listening to “soaking worship” music allows people to listen to the Holy Spirit and be rested in His presence. These times can also provide a chance for the vision of the group to be renewed.

A properly functioning cell group should be a source of refreshment for all the members including the leader. If the cell leader or apprentices need a break from cell ministry then the cell is not being the body that it is designed to be.

The Lord says “Come to me, all you who are weary and burdened, and I will give you rest. Take my yoke upon you and learn from me, for I am gentle and humble in heart, and you will find rest for your souls. For my yoke is easy and my burden is light.” Matthew 11:28-30.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Refrigério para Células de Verão e Lderes
por Keith Bates, www.new-life.org.au; www.facebook.com/groups/cellchurches

Um argumento para as células darem uma pausa durante o verão é que isso dá aos lderes uma chance para descansar e rejuvenescer. O problema é que os lderes podem ficar exaustos ou até mesmo desgastados no inverno ou em qualquer perodo do ano.
Como um lder eu tenho uma responsabilidade por meu relacionamento com o Senhor 365 dias do ano. Descanso fsico e saúde fazem parte da receita para isso assim como as disciplinas espirituais que me mantém fundamentado nele.
Pode haver momentos em que as pressões familiares ou a guerra espiritual vão fazer com que eu precise buscar apoio. Moisés tinha Arão e Hur para segurar seus braços quando uma batalha dependia disso (Êxodo 17). Eu preciso ter a humildade para buscar ajuda quando a vida me deixa fraco e desgastado.
A beleza do sistema de igreja em células é que nenhum grupo celular ou igreja em células é dependente de uma pessoa. Se o lder está se sentindo desgastado existem muitas formas de compartilhar a carga. Os aprendizes podem receber mais responsabilidade para liderar os encontros ou cuidar das necessidades pastorais dos membros. Todo o grupo pode orar por e com o lder que está lutando. O pastor ou o treinador da célula podem vir e trazer sabedoria vinda de fora e assistência.
Se todos os membros de um grupo estão se sentindo desgastados, use a temporada do verão para focar em descansar no Senhor. Algumas reuniões de célula podem ser uma chance para colocar mais energia na adoração e menos na palavra. Um perodo maior de ouvir a músicas de imersão na adoração permite que as pessoas ouçam ao Esprito Santo e descansem em Sua presença. Esses perodos também podem proporcionar uma chance para que a visão do grupo seja renovada.
Um funcionamento adequado do grupo celular deve ser uma fonte de renovo para todos os membros, incluindo o lder. Se o lder de célula ou os aprendizes precisam de uma pausa do ministério celular, então a célula não está sendo o corpo que foi feita para ser.
O Senhor diz “Vinde a mim todos os que estais cansados de carregar suas pesadas cargas, e Eu vos darei descanso. Tomai vosso lugar em minha canga e aprendei de mim, porque sou amável e humilde de coração, e assim achareis descanso para as vossas almas. Pois meu jugo é bom e minha carga é leve”. Mateus 11:28-30
Keith

Spanish blog:

Un refrigerio para las células y los lderes en el verano

Por Keith Bates, www.new-life.org.au; www.facebook.com/groups/cellchurches

Un argumento para que las células tomen un descanso durante el verano es que se da a los lderes la oportunidad de descansar y rejuvenecerse. El problema es que los lderes se pueden cansar, o incluso agotar en el invierno o en cualquier momento del año.

Como lder, tengo la responsabilidad de mi relación con el Señor los 365 das del año. Descanso fsico y salud son parte de la receta para esto, as como disciplinas espirituales que me mantienen cimentadas en él.

Puede haber momentos en los que las presiones familiares o la guerra espiritual me necesitan para buscar apoyo. Moisés tuvo Aarón y Ur para sostener sus brazos cuando una batalla dependa de esto (Éxodo 17). Necesito la humildad para pedir ayuda cuando la vida me deja débil y maltratado.

La belleza del sistema celular es que ningún grupo celular o iglesia celular depende de una sola persona. Si el lder se siente desgastado hay muchas maneras de compartir la carga. Los aprendices pueden tomar más responsabilidad de dirigir las reuniones o el cuidado de las necesidades pastorales de los miembros. Todo el grupo puede orar por el lder y con el lder en lucha. El pastor o el  entrenador de la célula pueden venir y traer un poco de sabidura y ayuda exterior.

Si todos los miembros del grupo se sienten desgastados, tome la temporada de verano para concentrarse en descansar en el Señor. Algunas reuniones celulares pueden ser una oportunidad para poner más energa en el culto y menos en la palabra. Un perodo de escuchar música “culto de alabanzas” el cual permite que la gente escuche al Espritu Santo y se pose en su presencia. Estos tiempos también pueden proporcionar una oportunidad para que la visión del grupo pueda ser renovada.

Un grupo celular que funciona de manera adecuada debe ser una fuente de refrigerio para todos los miembros, incluyendo al lder. Si el lder celular o los aprendices necesitan un descanso del ministerio celular entonces la célula no es el cuerpo el cual está diseñado a ser.

El Señor dice: “Venid a m todos los que estáis trabajados y cargados, y yo os haré descansar. Llevad mi yugo sobre vosotros y aprended de m, que soy manso y humilde de corazón, y hallaréis descanso para vuestras almas. Porque mi yugo es suave y ligera mi carga” Mateo 11: 28-30

Keith

Focus on Who You Have

keith

by Keith Bates, www.new-life.org.au; www.facebook.com/groups/cellchurches

As a pastor of a small church, it is easy for me to see on a Sunday morning who is present and who is away. It only takes a few families to disappear to make a big hole in the congregation. Sometimes I will say, “The Smiths are in Sydney, the Jones family have gone to the coast… but you are here!”

It is easy to focus on absentees and lose sight of who we do have.

When the Lord called Moses to lead the people of Israel out of slavery, Moses was afraid and unable to believe that he was up to the job. The Lord said to him, “What is that in your hand?” (Exodus 4:2). It is not that the Lord had not seen a staff before. He was trying to help Moses to see that with faith in God and the authority symbolized by his staff, Moses could take on the strongest power of men in the world.

Summer can be a time of smaller, more intimate gatherings than the rest of the year. You can focus in on prayer or more personal sharing with just five people instead of twelve. You can try a different kind of outreach event- perhaps a small dinner party with just three or four couples. Those who are present might be enough to tackle that service project without overwhelming the recipient with too many people.

If the leader is going on holidays for a few weeks, that’s a perfect opportunity for the apprentice to step up to run the whole cell meeting for that time. You may need to plan this well in advance, perhaps preparing the cell agendas for the weeks you will be away. Pray with him/her and reassure them that they can do this.

Summer cells provide new opportunities if we focus on what we have, on the possibilities for the few. With the Holy Spirit, summers can be as productive as any time of the year.

The Lord is asking you, “What is that you have in your hand?”

Keith

Korean blog (click here)

Spanish:

Concéntrate en quien está presente

Por Keith Bates, www.new-life.org.au; www.facebook.com/groups/cellchurches

Como pastor de una iglesia pequeña, es muy fácil para m saber el domingo por la mañana quien está presente y quien está de viaje. Sólo toma que no estén presentes un par de familias para hacer un gran vaco en la congregación. A veces digo, “Los Smiths están en Sydney, la familia Jones se han ido a la playa… pero ustedes están aqu”

Es fácil concentrarse en los ausentes y perder de vista los que tenemos presentes.

Cuando el Señor llamó a Moisés para dirigir a su pueblo Israel fuera de la esclavitud, Moisés tuvo miedo, y no poda creer que él poda hacer esta tarea. El Señor le dijo: “¿Qué tienes en tu mano?” (Éxodo 4:2). No es que el Señor no haba visto un bastón antes. Él estaba tratando de ayudar a Moisés a ver con la fe en Dios y la autoridad simbolizada por su bastón, Moisés asumió el poder más fuerte en los hombres en el mundo.

El verano puede ser una temporada de reuniones más pequeñas, más ntimas que el resto del año. Usted puede concentrarse mejor en la oración o en compartir más personalmente con sólo cinco personas en vez de doce. Usted puede tratar algo diferente tal vez una pequeña cena con sólo tres o cuatro parejas. Los que están presentes pueden ser suficiente para hacer frente a este proyecto de servicio tener demasiada gente.

Si el lder se va de vacaciones por un par de semanas, esta es la oportunidad perfecta para que el aprendiz dirija toda la reunión celular por ese tiempo. Puede ser que tenga que planearse esto con anticipación, tal vez la preparación de las agendas de la célula por las semanas que estará fuera el lder. Ore con él/ella y asegúrese que ellos pueden hacerlo.

Las células de verano ofrecen nuevas oportunidades si nos concentramos en lo que están presentes, en las posibilidades de los pocos. Con el Espritu Santo, el verano puede ser tan productivo como cualquier otra época del año.

El Señor te está preguntando, “¿Qué tienes en tu ano?”

Keith

Portuguese blog:

Concentre-se em Quem Você Tem

por Keith Bates, www.new-life.org.au; www.facebook.com/groups/cellchurches

Como pastor de uma igreja pequena, para mim é fácil ver numa manhã de domingo quem está presente e quem está ausente. Só é preciso algumas famlias desaparecerem para ficar um grande buraco na congregação. Algumas vezes vou dizer, “Os Smiths estão em Sydney, a famlia Jones foi à costa… Mas você está aqui!”

É fácil se concentrar nas ausências e perder de vista quem nós temos.

Quando o Senhor chamou Moisés para liderar o povo de Israel para fora da escravidão, Moisés estava com medo e era incapaz de acreditar que ele era capaz do serviço. O Senhor disse-lhe, “Que é isso que tens na mão?” (Êxodo 4:2). Não é que o Senhor não tinha visto um cajado antes. Ele estava tentando ajudar Moisés a ver que com fé em Deus e a autoridade simbolizada por seu cajado, Moisés poderia assumir o poder mais forte dos homens do mundo.

O verão pode ser um tempo de reuniões menores e mais ntimas que o resto do ano. Você pode focar na oração ou no compartilhar mais pessoal com apenas cinco pessoas em vez de doze. Você pode tentar um tipo diferente de evento evangelstico- talvez uma pequena festa/jantar com apenas três ou quatro casais. Aqueles que estão presentes podem ser suficientes para lidar com esse projeto sem sobrecarregar as pessoas-alvo com muitas pessoas.

Se o lder está saindo de férias por algumas semanas, é uma oportunidade perfeita para o aprendiz avançar e liderar toda a reunião de célula dessa vez. Você pode precisar planejar bem isso antecipadamente, talvez preparando as agendas da célula para as semanas que você estará ausente. Ore com ele/ela e assegure-lhes que eles são capazes de fazer isso.

As células de verão proporcionam novas oportunidades se focarmos no que nós temos, nas possibilidades para os poucos. Com o Esprito Santo, o verão pode ser tão produtivo quanto qualquer perodo do ano.

O Senhor está te perguntando, “O que você tem em suas mãos?”

Keith