God is not limited by space, time, technology, or COVID-19

By Dr. Les Brickman, www.strategiccell.com.

In the 70’s I experimented with house churches. In the early 80’s I moved to Kinship Groups. In the late 80’s I transitioned to cells, and have been planting cells ever since. For decades I watched as cell pastors such as Ben Wong and Dion Robert prepared their churches for possible persecution. Systems were set up so cells could flourish in an underground environment. The cell would flourish, even if the corporate body was unable to function. The cell would be indestructible. When in Russia in the late 90’s, when the “Law of Religious Freedom” was passed and curtailed the work of evangelical and charismatic churches, it stipulated gatherings of 10 or less were not considered a church! Cells flourished. Through all of this, never once did I, nor anyone I spoke with, ever consider the possibility that cells would not be able to meet. COVID-19 changed all that.

Kenya is pretty much locked down. There is a national 7:00 pm to 5:00 am curfew, rigidly enforced. Schools, courts, government offices are closed. Travel between major cities is forbidden, and police checkpoints ensure that.

How do our cells meet in such a situation? Like others, we have begun using technology. We Zoom our cells. Sharing works well as we each can see the others. But, what about worship? External music input into a computer speaker, well, you know about how well that works! We are utilizing mp3 music. Zoom settings allow for music to be streamed internally. The worship music comes out clearly on the other end. We just have to mute our voices due to some delay because of bandwidth. But what about ministry? Can the Christ in me touch you, and the Christ in you touch me, when we are not physically present together? How can Christ be “in our midst” if “our midst” is spread across the city?

Ministry in the cell need not stop because we cannot be in the same physical location. Healing is not limited by spatial coordinates. The Centurian’s servant was healed at a distance. Faith was the key – not spatial proximity. The man lowered through the roof was healed as Jesus saw the faith of his friends. The 10 lepers were healed “as they went”, not because Jesus touched them. Jesus never laid hands on the paralytic, or the man with a withered arm. “Take up your bed and walk.” “Stretch forth your arm.” Obedience to the Word of the Lord was key. Are words of knowledge limited by spatial proximity? Words of wisdom? Prophecy? Gifts of healings? Any of the manifestations of the Holy Spirit? No!

Can the cell still encounter the Living Presence of Christ through worship, even using Zoom?

Can the cell still encounter the Edifying Power of Christ, though separated by distance?

Can the cell still experience the Ministering Purpose of Christ week by week?

The answers are a resounding YES!

Be encouraged, God is not limited by space, or time, or technology, or COVID-19!

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Deus não é limitado por espaço, tempo, tecnologia ou COVID-19

Pelo Dr. Les Brickman, www.strategiccell.com.

Nos anos 70, experimentei igrejas domésticas. No início dos anos 80, mudei para Grupos de Parentesco. No final dos anos 80, mudei para células e planto células desde então. Por décadas, observei pastores de células como Ben Wong e Dion Robert preparando suas igrejas para possíveis perseguições. Sistemas foram criados para que as células pudessem florescer em um ambiente subterrâneo. A célula floresceria, mesmo que o órgão corporativo não pudesse funcionar. A célula seria indestrutível. Quando na Rússia, no final dos anos 90, quando a “Lei da Liberdade Religiosa” foi aprovada e restringiu o trabalho de igrejas evangélicas e carismáticas, estipulou que reuniões de 10 ou menos pessoas não eram consideradas uma igreja! Células floresceram. Por tudo isso, nunca, nem alguém com quem falei, considere a possibilidade de as células não conseguirem se encontrar. COVID-19 mudou tudo isso.

O Quênia está praticamente fechado. Há um toque de recolher nacional das 19:00 às 05:00, rigorosamente aplicado. Escolas, tribunais, escritórios do governo estão fechados. É proibido viajar entre as principais cidades, e os postos de controle da polícia garantem isso.

Como nossas células se encontram em tal situação? Como outros, começamos a usar a tecnologia. Ampliamos nossas células. Compartilhar funciona bem, pois cada um de nós pode ver os outros. Mas e o culto? Entrada de música externa no alto-falante do computador, bem, você sabe como isso funciona! Estamos utilizando música mp3. As configurações de zoom permitem que a música seja transmitida internamente. A música de adoração sai claramente do outro lado. Nós apenas temos que silenciar nossas vozes devido a algum atraso por causa da largura de banda. Mas e o ministério? O Cristo em mim pode tocar você, e o Cristo em você tocar em mim, quando não estamos fisicamente presentes juntos? Como Cristo pode estar “no meio de nós” se “nosso meio” está espalhado pela cidade?

O ministério na célula não precisa parar porque não podemos estar no mesmo local físico. A cura não é limitada por coordenadas espaciais. O servo do centuriano foi curado à distância. A fé era a chave – não a proximidade espacial. O homem abaixado pelo teto foi curado quando Jesus viu a fé de seus amigos. Os 10 leprosos foram curados “como foram”, não porque Jesus os tocou. Jesus nunca pôs as mãos no paralítico, ou no homem com o braço murcho. “Pegue sua cama e caminhe.” “Estique seu braço.” A obediência à Palavra do Senhor era fundamental. As palavras de conhecimento são limitadas pela proximidade espacial? Palavras de sabedoria? Profecia? Presentes de curas? Alguma das manifestações do Espírito Santo? Não!

A célula ainda pode encontrar a Presença Viva de Cristo através da adoração, mesmo usando o Zoom?

A célula ainda pode encontrar o poder edificante de Cristo, embora separado pela distância?

A célula ainda pode experimentar o Propósito Ministerial de Cristo semana a semana?

As respostas são um retumbante SIM!

Seja encorajado, Deus não é limitado por espaço, tempo ou tecnologia, ou COVID-19!

Spanish blog:

Dios no está limitado por el espacio, el tiempo, la tecnología o el COVID-19

Por el Dr. Les Brickman, www.strategiccell.com.

En los años 70 experimenté con iglesias en casas. A principios de los 80 me mudé a los Grupos familiares. A finales de los 80, hice la transición a las células y desde entonces he estado plantando células. Durante décadas vi como pastores celulares como Ben Wong y Dion Robert preparaban sus iglesias para una posible persecución. Se instalaron sistemas para que las células pudieran florecer en un ambiente subterráneo. La célula prosperaría, incluso si el organismo corporativo no pudiera funcionar. La célula sería indestructible. Cuando en Rusia a fines de los años 90, cuando se aprobó la “Ley de Libertad Religiosa” y restringió el trabajo de las iglesias evangélicas y carismáticas, ¡estipuló que reuniones de 10 o menos no se consideraban una iglesia! Las células florecieron. A pesar de todo esto, ni una sola vez, ni nadie con quien hablé, consideró la posibilidad de que las células no pudieran reunirse. COVID-19 cambió todo eso.

Kenia está prácticamente encerrada. Hay un toque de queda nacional de 7:00 p.m. a 5:00 a.m., estrictamente aplicado. Las escuelas, los tribunales, las oficinas gubernamentales están cerradas. Está prohibido viajar entre las principales ciudades, y los puntos de control policial se aseguran de ello.

¿Cómo se encuentran nuestras células en tal situación? Como otros, hemos comenzado a usar tecnología. Hacemos nuestras células por medio de Zoom. El compartir funciona bien, ya que cada uno puede ver a los demás. Pero, ¿qué pasa con la adoración? Entrada de música externa en un altavoz de la computadora, bueno, ya sabes lo bien que funciona. Estamos utilizando música mp3. La configuración del zoom permite que la música se transmita internamente. La música de adoración sale claramente del otro lado. Solo tenemos que silenciar nuestras voces debido a algún retraso debido al ancho de banda. ¿Pero qué hay del ministerio? ¿Puede el Cristo en mí tocarte, y el Cristo en ti me toca, cuando no estamos físicamente presentes juntos? ¿Cómo puede Cristo estar “en medio de nosotros” si “nuestro medio” se extiende por toda la ciudad?

El ministerio celular no necesita detenerse porque no podemos estar en la misma ubicación física. La sanidad no está limitada por coordenadas espaciales; el sirviente del centuriano fue sanado a distancia. La fe era la clave, no la proximidad espacial. El hombre bajado por el techo fue sanado cuando Jesús vio la fe de sus amigos. Los 10 leprosos fueron sanados “a medida que avanzaban”, no porque Jesús los tocara. Jesús nunca puso las manos sobre el paralítico, o el hombre con un brazo marchito. “Toma tu cama y camina”. “Extiende tu brazo”. La obediencia a la Palabra del Señor fue la clave. ¿Las palabras de conocimiento están limitadas por la proximidad espacial? ¿Palabras de sabiduría? ¿Profecía? ¿Dones de sanidades? ¿Alguna de las manifestaciones del Espíritu Santo? ¡No!

¿Puede la célula encontrar la Presencia Viviente de Cristo a través de la adoración, incluso usando Zoom?

¿Puede la célula aún encontrarse con el Poder Edificante de Cristo, aunque separada por la distancia?

¿Puede la célula experimentar el propósito ministrante de Cristo semana a semana?

¡Las respuestas son un rotundo SÍ!

¡Anímate, Dios no está limitado por el espacio, el tiempo, la tecnología o el COVID-19!

Sumate a la Obra Misionera a Pueblos No Alcanzados

Cell as a Dynamic Encounter – Mark 4:26-28

By Dr. Les Brickman, www.strategiccell.com.

I have never forgotten Bill Beckham’s insistence that cell should always be a 3-fold encounter with Christ. In cell we are to encounter Christ’s Living Presence, Edifying Power, and Ministering Purpose. Cell is a dynamic encounter. In reality, cells are too often anything but dynamic. At best we encounter only one another. How can we help them to become dynamic encounters with Christ?

In the parable noted above, we have the farmer, the seed, and God. For life to spring forth, both the farmer and God have responsibilities. The farmer casts seed upon the ground. He has a part to play. The seed sprouts up and grows. How, the farmer does not know. Only God brings life and growth. He has a part to play. It grows “all by itself” – automatically. To the Hebraic mind nothing happens automatically. God stands behind the process. The farmer prepares the soil and casts the seed. God causes the seed to sprout and grow. Each does their part. Nothing the farmer does guarantees the harvest. But, if he does not do his part, he can be assured there will be no harvest.

Cell is like this. We want to encounter Christ. We have a part to play. He has a part to play. Even if we do our part, there is no guarantee God will show up. He is, after all, sovereign. His kingdom does not operate like a coke machine in which we deposit a dollar and out pops a coke, every time.

Our role is to prepare the cell soil. Having connected with each other during a welcome, we seek to connect with Him during our worship. We understand that as we meet, to each one is being given the manifestation of the Spirit for the common good. So, we create an atmosphere and opportunity for the Holy Spirit to speak and manifest Himself to each one through His manifestational giftings. We understand worship is dialogical, so we expect and allow Him to speak. We encounter His Living Presence.

As we share the state of our souls relative to the word preached Sunday, we move into personal application, not study or intellectual discussion. Needs surface. Having connected with Him through worship, we now allow Him to move through us in ministry to one another. We are His vessels. We become His eyes to see, His mouth to speak, and His hands to touch and heal. The Christ in me touches you; the Christ in you touches me. We encounter Christ’s Edifying Power as He moves supernaturally, doing only what He can do.

If what we have experienced is genuine, we must export it. As we look outward, we take His reality into the lives of those lost loved ones and friends we are praying for, and we encounter His Ministering Purpose.

As we do what only we can, and allow God to do what only He can, our cell becomes a supernatural encounter with Christ.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

A Célula Como um Encontro dinâmico – Marcos 4:26-28

Por Dr. Les Brickman

Nunca esqueci a insistência de Bill Beckham de que a célula deve sempre ser um encontro tríplice com Cristo. Na célula, devemos encontrar a presença viva de Cristo, Seu poder edificante e o propósito de ministrar. A célula é um encontro dinâmico. Contudo, na realidade, as células muitas vezes são tudo menos dinâmicas. Na melhor das hipóteses, encontramos apenas uns aos outros. Como podemos ajudá-las a se tornarem encontros dinâmicos com Cristo?

Na parábola mencionada acima, temos o semeador, a semente e Deus. Para a vida surgir, tanto o semeador quanto Deus têm responsabilidades. O semeador lança sementes no chão. Ele tem um papel a desempenhar. A semente brota e cresce. Como isso acontece, o semeador não sabe. Somente Deus traz vida e crescimento. Ele tem um papel a desempenhar. Ela cresce “sozinha” – automaticamente. Para a mente hebraica, nada acontece automaticamente. Deus está por trás do processo. O agricultor prepara o solo e lança as sementes. Deus faz com que a semente brote e cresça. Cada um faz sua parte. Nada que o semeador faz garante a colheita. Mas, se ele não fizer sua parte, pode ter certeza de que não haverá colheita.

A célula é assim. Queremos encontrar Cristo. Nós temos um papel a desempenhar. Ele tem um papel a desempenhar. Mesmo se fizermos nossa parte, não há garantia de que Deus aparecerá. Ele é, afinal, soberano. Seu Reino não funciona como uma máquina de refrigerantes na qual depositamos alguns reais e sempre saímos com uma lata na mão.

Nosso papel é preparar o solo celular. Após termos nos conectado durante o momento de boas-vindas, procuramos nos conectar com Ele durante nossa adoração. Entendemos que, ao nos encontrarmos, cada um está recebendo a manifestação do Espírito para o bem comum. Assim, criamos uma atmosfera e uma oportunidade para o Espírito Santo falar e se manifestar a cada um através de Suas dádivas manifestacionais. Nós entendemos que a adoração é dialógica, por isso esperamos e permitimos que Ele fale. Encontramos Sua Presença Viva.

Ao compartilharmos o estado de nossa alma em relação à palavra pregada no domingo, passamos à aplicação pessoal, não ao estudo ou à discussão intelectual. As necessidades vêm à tona. Tendo nos conectado com Ele através da adoração, agora permitimos que Ele se mova através de nós no ministério de uns para os outros. Nós somos os Seus vasos. Tornamo-nos Seus olhos para ver, Sua boca para falar e Suas mãos para tocar e curar. Cristo em mim te toca; Cristo em você me toca. Encontramos o poder edificante de Cristo quando Ele se move sobrenaturalmente, fazendo apenas o que Ele pode fazer.


Se o que experimentamos é genuíno, devemos levar isso para fora. Quando olhamos para o exterior, levamos Sua realidade para a vida daqueles que amamos e amigos perdidos pelos quais oramos, e encontramos o Seu Propósito Ministerial.

Ao fazermos o que somente nós podemos, e permitir que Deus faça o que só Ele pode, nossa célula se torna um encontro sobrenatural com Cristo.

Spanish blog:

La célula como un encuentro dinámico – Marcos 4: 26-28

Por el Dr. Les Brickman

Nunca he olvidado la insistencia de Bill Beckham de que la célula siempre debe ser un encuentro triple con Cristo. En la célula debemos encontrar la Presencia Viva de Cristo, el Poder Edificante y el Propósito de Ministrar. La célula es un encuentro dinámico. En realidad, las células a menudo son cualquier cosa menos dinámicas, en el mejor de los casos nos encontramos solo el uno al otro. ¿Cómo podemos ayudarlos a convertirse en encuentros dinámicos con Cristo?

En la parábola mencionada anteriormente, tenemos al agricultor, la semilla y Dios. Para que la vida brote, tanto el granjero como Dios tienen responsabilidades. El granjero arroja semillas al suelo, Él tiene un papel que desempeñar. La semilla brota y crece, cómo, el granjero no lo sabe. Solo Dios trae vida y crecimiento, Él tiene un papel que desempeñar; está crece “por sí misma”, automáticamente. Para la mente hebraica, nada sucede automáticamente, Dios está detrás del proceso. El agricultor prepara el suelo y arroja la semilla; Dios hace que la semilla brote y crezca. Cada uno hace su parte. Nada de lo que hace el agricultor garantiza la cosecha. Pero, si no hace su parte, puede estar seguro de que no habrá cosecha.

La célula es así. Queremos encontrarnos con Cristo, tenemos un papel que desempeñar, Él tiene un papel que desempeñar. Incluso si hacemos nuestra parte, no hay garantía de que Dios se presente. Él es, después de todo, soberano; Su reino no funciona como una máquina de coca cola, en la que depositamos un dólar y siempre sale una coca. 

Nuestro papel es preparar el suelo celular. Habiéndonos conectado unos con otros durante una bienvenida, buscamos conectarnos con Él durante nuestra adoración. Entendemos que a medida que nos encontramos, a cada uno se le está dando la manifestación del Espíritu para un bien común. Entonces, creamos una atmósfera y una oportunidad para que el Espíritu Santo hable y se manifieste a cada uno a través de Sus dones. Entendemos que la adoración es dialógica, por lo que esperamos y permitimos que hable. Nos encontramos con su presencia viva.

A medida que compartimos el estado de nuestras almas en relación con la palabra predicada el domingo, pasamos a la aplicación personal, no al estudio o la discusión intelectual. La necesidad sale a la superficie. Habiendo conectado con Él a través de la adoración, ahora le permitimos moverse a través de nosotros en el ministerio mutuo; somos sus vasos. Nos convertimos en sus ojos para ver, su boca para hablar y sus manos para tocar y sanar. El Cristo en mí te toca; El Cristo en ti me toca. Nos encontramos con el poder edificante de Cristo cuando se mueve sobrenaturalmente, haciendo solo lo que puede hacer.

Si lo que hemos experimentado es genuino, debemos exportarlo. A medida que miramos hacia afuera, tomamos Su realidad en la vida de aquellos seres queridos y amigos perdidos por los que oramos, y nos encontramos con Su Propósito de Ministrar.

Mientras hacemos lo que solamente podemos hacer y permitimos que Dios haga lo que solo Él puede hacer, nuestra célula se convierte en un encuentro sobrenatural con Cristo.

The Cell as Family

By Les Brickman, Dr. Les Brickman has been a Professional Coach Trainer for 15 years. Having been part of the Cell Movement for nearly 30 years, he has served the last ten years in Kenya as a Cell Church Trainer. His training manual, Coaching Your Cell Apprentice to Greatness, is available at www.strategiccell.com.

“For this reason, I bow my knees before the Father, from whom every family in heaven and on earth derives its name…” Ephesians 3:14

The most frequently used metaphor for the church in the NT is the “Family of God”. Family flows from the very nature of God as Father. In the cell community we learn about family responsibilities and how to function as a healthy member of the family. The cell is a family.

The greatest core value of any family is relationship. Through cell life we are challenged to develop authentic relationships with one another. Authenticity has to do with making our inner life accessible to others in relationship, rather than hiding and being self-protective. It means coming out from behind ourselves and into relationship fully, being 100% present with all that we are. We have to “own” the relationships. Through authenticity we foster depth, honesty, and integrity in our relationships, making room for transformational relationships in cell. Being the family of God in cell challenges us to develop a community of authentic relationships.

If we say we are to live in relationship as family, what are we proposing we give to one another? We live authentically, that’s the “how”. But, what about the “what”? As the family of God, the core value of Relationship demands we also manifest a corresponding value proposition. What do I promise to give to you because we are in authentic relationship as family? I would suggest that value proposition is “Care”. Relationship is meaningless without care. Family is meaningless without care. Authenticity is not enough, if we do not care.

How will we demonstrate “care” to those in our cell? We covenant to be sensitive to them and their needs; to try to see, hear and feel where they are, and draw them out of the pit of discouragement or withdrawal. We avoid giving simplistic answers to difficult situations they find themselves in. We make available to them our time, energy, insight, and possessions. “Here I am if you need me”. We make these available in a priority covenant over others with whom we are not in covenant. Time is one of our most valuable commodities, if not the most valuable, with which we say, “I care”.

So, we spend time with each other. Cell members which meet only on a given night each week have not formed a cell, and certainly not a family. We must interact throughout the week, and not merely through SMS and social media. Family interacts face-to-face, person-to-person. Family living demands time – time to grow together, time to share heart-to-heart, time to bear each other’s burdens. Time says “You are valuable to me!”

Where we live as the family of God, with authentic relationships and care, in that environment security and intimacy grow and flourish. Where these things are absent, fear and sterility abound. What is growing in your cell? Is your cell really the church living as the family of God?

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

A Célula Como Família

Por Les Brickman. O Dr. Les Brickman é treinador profissional há 15 anos. Tendo participado do Movimento Celular há quase 30 anos, ele serviu nos últimos dez anos no Quênia como Instrutor de Igrejas em Células. Seu manual de treinamento Coaching Your Cell Apprentice to Greatness (“Treinando Seu Aprendiz Celular para a Grandeza”, em tradução livre), está disponível em www.strategiccell.com.

“Por essa razão, ajoelho-me diante do Pai, do qual recebe o nome toda a família nos céus e na terra…” Efésios 3:14

A metáfora usada com maior frequência para a igreja no NT é a “Família de Deus”. A família flui da própria natureza de Deus como Pai. Na comunidade celular, aprendemos sobre as responsabilidades familiares e a como funcionar como um membro saudável da família. A célula é uma família.

O maior valor central de qualquer família é o relacionamento. Através da vida celular, somos desafiados a desenvolver relacionamentos autênticos uns com os outros. Autenticidade tem a ver com tornar nossa vida interior acessível a outras pessoas em relacionamentos, em vez de nos esconder e proteger a nós mesmos. Significa sair do esconderijo em nosso interior e nos relacionar plenamente, estar 100% presente com tudo o que somos. Temos que “possuir” os relacionamentos. Através da autenticidade, promovemos profundidade, honestidade e integridade em nossos relacionamentos, abrindo espaço para relacionamentos transformacionais nas células. Ser a família de Deus na célula nos desafia a desenvolver uma comunidade de relacionamentos autênticos.

Se dizemos que devemos viver em relacionamento como família, o que estamos propondo que damos um ao outro? Vivemos autenticamente, esse é o “como”. Mas, e o “o quê”? Como família de Deus, o valor central do Relacionamento exige que também manifestemos uma proposta de valor correspondente. O que prometo dar a você já que mantemos um relacionamento autêntico como família? Eu sugiro que a proposta para o valor é “Cuidado“. O relacionamento não tem sentido sem cuidado. Família não tem sentido sem cuidado. A autenticidade não é suficiente se não nos importamos.

Como vamos demonstrar “cuidado” para as pessoas de nossa célula? Nos comprometemos a ser sensíveis a eles e suas necessidades; tentar ver, ouvir e sentir onde eles estão e tirá-los da cova do desânimo ou da desistência. Evitamos dar respostas simplistas às situações difíceis em que se encontram. Colocamos à disposição nosso tempo, energia, discernimento e posses. “Estou aqui se você precisar de mim”. Criamos uma aliança prioritária sobre outras pessoas com as quais não estamos em aliança. O tempo é uma das nossas mercadorias mais valiosas, se não a mais valiosa, com a qual dizemos “eu me importo”.

E então passamos um tempo uns com os outros. Os membros da célula que se reúnem apenas em uma determinada noite a cada semana não formaram uma célula e, certamente, não uma família. Devemos interagir ao longo da semana, e não apenas através de mensagens por celular e mídias sociais. A família interage pessoalmente, pessoa a pessoa. A vida em família exige tempo – tempo para crescer juntos, tempo para compartilhar de coração para coração, para suportar os encargos uns dos outros. Dedicar tempo diz: “Você é valioso para mim!”

Onde vivemos como a família de Deus, com relacionamentos e cuidados autênticos, nesse ambiente a segurança e a intimidade crescem e florescem. Onde essas coisas estão ausentes, o medo e a esterilidade são abundantes. O que está crescendo na sua célula? A sua célula é realmente a igreja vivendo como a família de Deus?

Spanish blog:

La célula como familia

Por Les Brickman, el Dr. Les Brickman ha sido entrenador profesional durante 15 años. Habiendo sido parte del Movimiento Celular durante casi 30 años, ha servido los últimos diez años en Kenia como Entrenador de la Iglesia Celular. Su manual de capacitación, Coaching Your Cell Apprentice to Greatness, está disponible en www.strategiccell.com.

“Por esta razón, doblo mis rodillas ante el Padre, de quien toda familia en el cielo y en la tierra deriva su nombre …” Efesios 3:14

La metáfora más utilizada para la iglesia en el NT es la “Familia de Dios”. La familia fluye de la naturaleza misma de Dios como Padre. En la comunidad celular aprendemos sobre las responsabilidades familiares y cómo funcionar como un miembro saludable de la familia. La célula es una familia.

El mayor valor central de cualquier familia es la relación. A través de la vida celular, tenemos el desafío de desarrollar relaciones auténticas entre nosotros. La autenticidad tiene que ver con hacer que nuestra vida interior sea accesible para los demás en relación, en lugar de esconderse y ser autoprotectores. Significa salir por detrás de nosotros mismos y relacionarnos plenamente, estar 100% presentes con todo lo que somos. Tenemos que “poseer” las relaciones. A través de la autenticidad fomentamos la profundidad, la honestidad y la integridad en nuestras relaciones, haciendo espacio para las relaciones de transformación en la célula. Ser la familia de Dios en la célula nos reta a desarrollar una comunidad de relaciones auténticas.

Si decimos que debemos vivir en relación como familia, ¿qué estamos proponiendo que nos demos el uno al otro? Vivir auténticamente, ese es el “cómo”. Pero, ¿qué pasa con el “qué”? Como familia de Dios, el valor central de la relación exige que también manifiestemos una propuesta de valor correspondiente. ¿Qué prometo darte porque estamos en una relación auténtica como familia? Sugeriría que la propuesta de valor es “Cuidado”. La relación no tiene sentido sin cuidado. La familia no tiene sentido sin cuidado. La autenticidad no es suficiente, si no nos importa.

¿Cómo demostraremos “cuidado” a los que están en nuestra célula? Nos comprometemos a ser sensibles a ellos y sus necesidades; para tratar de ver, escuchar y sentir dónde están, y sacarlos del abismo de desánimo o abstinencia. Evitamos dar respuestas simplistas a situaciones difíciles en las que se encuentran. Ponemos a su disposición nuestro tiempo, energía, conocimiento y posesiones, “Aquí estoy si me necesitas”. Ponemos estos a disposición en un pacto de prioridad sobre otros con quienes no estamos en pacto. El tiempo es uno de nuestros productos más valiosos, si no el más valioso, con el que decimos “me importa”.

Entonces, pasamos tiempo juntos. Los miembros de la célula que se reúnen solo en una noche determinada cada semana no han formado una célula, y ciertamente no una familia. Debemos interactuar durante toda la semana, y no solo a través de mensajes de texto y redes sociales. La familia interactúa cara a cara, persona a persona. La vida familiar exige tiempo: tiempo para crecer juntos, tiempo para compartir de corazón a corazón, tiempo para soportar las cargas de los demás. El tiempo dice “¡Eres valioso para mí!”

Donde vivimos como la familia de Dios, con relaciones y cuidados auténticos, en ese entorno, la seguridad y la intimidad crecen y florecen. Donde estas cosas están ausentes, abundan el miedo y la esterilidad. ¿Qué está creciendo en tu célula? ¿Tu célula es realmente la iglesia que vive como la familia de Dios?

Coach Your Cell Apprentice to Greatness!

By Les Brickman, Dr. Les Brickman has been a Professional Coach Trainer for 15 years. Having been part of the Cell Movement for nearly 30 years, he has served the last ten years in Kenya as a Cell Church Trainer. His training manual, Coaching Your Cell Apprentice to Greatness, is available at www.strategiccell.com.

Allow me to suggest a radical approach to Cell Apprentice training.

Learning most effectively occurs when all three domains of learning are being impacted: cognitive, psychomotor, and affective. The vast majority of cell training available on the market today is cognitively based. That is, those being trained are to read a book, read an article, listen to an audio CD, attend a series of classes, or in some way have their knowledge base increased through cognitive learning. Rarely is there a systematic approach to impact them effectively.

What distinguishes a Cell Leader from, say, a cell member? I would suggest three things. First, the Cell Leader knows something the cell member does not. Second, the Cell Leader is able to do something the cell member cannot. Third, the Cell Leader lives differently and at a higher level than the cell member. In other words, the Cell Leader has a knowledge set (cognitive), a skill set (psychomotor), and a heart set (affective) that the cell member does not possess. If we are to transform regular cell members into Cell Leaders, we must define those three sets and create a system to develop these sets within cell members.

Let me suggest that effective training is skill based, not knowledge based, touching all three domains of learning. The context in which skill based training takes place is critical. Cognitive training requires a teacher. Skill based training requires a Coach. The context in which a Cell Apprentice is most likely to thrive and excel is a coaching context, the Cell Leader serving as the Apprentice’s coach during training.

As a coach, the Cell Leader will challenge their Apprentice to press further than where they might otherwise go on their own. Each new skill exercise will cause the Apprentice to reach higher and expand their abilities. The Cell Leader/Coach will employ active listening to assist their Apprentice in gaining new insights as they reflect on weekly life experiences. The Cell Leader/Coach will replace correction, correction, correction with encouragement, encouragement, encouragement. The Cell Leader/Coach will hold their Apprentice to both specific and leadership accountability, building on their Apprentice’s inner motivation, rather than employing external manipulation. As a Cell Leader/Coach, they will catalyze an authentic relationship with their Apprentice. They will build relational capital through genuine care.

The Cell Leader as coach will constantly be providing perspective for their Apprentice, assisting their Apprentice in thinking clearly and realistically. Coupled with timely, specific feedback, this enables the Apprentice to make wiser decisions, as they assume active responsibility for their growth. A Cell Leader/Coach will experience extraordinary conversations with their Apprentice as they provide an environment characterized by asking, rather than telling. In such an environment, where there is faith in the Apprentice and belief in what God has placed within them, the Apprentice will feel free to grow and develop.

Skill based training, impacting 3 domains of learning within a Coaching context, leads to transformed leadership. Coach your Cell Apprentice to Greatness!

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Treine Seu Aprendiz Celular Para a Grandeza!

Por Les Brickman. O Dr. Les Brickman é um Treinador Profissional há 15 anos. Faz parte do Movimento Celular há quase 30 anos e serviu os últimos dez anos no Quênia como um treinador de igreja em células. Seu manual de treinamento, Coaching Your Cell Apprentice to Greatness (“Treinando Seu Aprendiz Celular Para a Grandeza”, em tradução livre) está disponível em www.strategiccell.com.

Permitam-me sugerir uma abordagem radical ao treinamento do Aprendiz Celular.

O aprendizado mais eficaz ocorre quando todos os três domínios da aprendizagem estão sendo impactados: cognitivo, psicomotor e afetivo. A grande maioria do treinamento de células disponível no mercado hoje é baseada cognitivamente. Ou seja, aqueles que estão sendo treinados devem ler um livro, ler um artigo, ouvir um CD, assistir a uma série de aulas ou, de alguma forma, aumentar sua base de conhecimento através do aprendizado cognitivo. Raramente existe uma abordagem sistemática para impactá-los efetivamente.

O que distingue um Líder de Célula de, digamos, um membro da célula? Eu sugeriria três coisas. Primeiro, o líder da célula sabe algo que o membro da célula não sabe. Em segundo lugar, o líder da célula é capaz de fazer algo que o membro da célula não pode fazer. Terceiro, o Líder de Célula vive de maneira diferente e em um nível mais alto que o membro da célula. Em outras palavras, o Líder de Célula possui um conjunto de conhecimentos (cognitivo), um conjunto de habilidades (psicomotor) e um conjunto em seu coração (afetivo) que o membro da célula não possui. Se quisermos transformar os membros comuns da célula em líderes, devemos definir esses três conjuntos e criar um sistema para desenvolver esses conjuntos dentro dos membros da célula.

Deixe-me sugerir que o treinamento eficaz é baseado em habilidades, não em conhecimento, tocando todos os três domínios de aprendizagem. O contexto em que ocorre o treinamento baseado em habilidades é crítico. O treinamento cognitivo requer um professor. O treinamento baseado em habilidades requer um treinador. O contexto no qual um Aprendiz Celular tem maior probabilidade de prosperar e se destacar é um contexto de treinamento: o Líder da Célula servindo como o treinador do Aprendiz durante o treinamento.

Como treinador, o Líder de Célula desafiará seu Aprendiz a ir além de onde eles poderiam ir por conta própria. Cada novo exercício de habilidade fará com que o Aprendiz alcance mais e aumente suas habilidades. O Líder/Treinador de Célula empregará a escuta ativa para ajudar seu Aprendiz a obter novas percepções enquanto refletem sobre experiências de vida semanais. O Líder/Treinador substituirá correção, correção e correção por encorajamento, encorajamento e encorajamento. O Líder/Treinador de Célula manterá seu Aprendiz em responsabilidade específica e de liderança, com base na motivação interna de seu Aprendiz, em vez de empregar manipulação externa. Como um Líder/Treinador, ele catalisará um relacionamento autêntico com seu Aprendiz. Eles vão construir capital relacional através do cuidado genuíno.

O Líder de Célula como treinador estará constantemente fornecendo uma perspectiva para seu Aprendiz, ajudando-o a pensar com clareza e realismo. Juntamente com feedback oportuno e específico, isso permite que o Aprendiz tome decisões mais sábias, pois ele passa a assumir a responsabilidade ativa por seu crescimento. Um Líder/Treinador de Célula experimentará conversas extraordinárias com seu Aprendiz, pois fornecem um ambiente caracterizado por perguntas, em vez de apenas falar. Em tal ambiente, onde há fé no Aprendiz e crença no que Deus colocou dentro deles, o Aprendiz se sentirá livre para crescer e se desenvolver.

O treinamento baseado em habilidades, impactando 3 domínios de aprendizagem dentro de um contexto de Treinamento, leva a uma liderança transformada. Treine seu aprendiz de célula para a grandeza!

Spanish blog:

¡Entrena a tu discípulo celular para la grandeza!

Por Les Brickman, el Dr. Les Brickman ha sido entrenador profesional de entrenadores durante 15 años. Después de haber sido parte del Movimiento Celular durante casi 30 años, ha servido en los últimos diez años en Kenia como Cell Church Trainer (Entrenador de Iglesia Celular) Su manual de capacitación, Coaching Your Cell Apprentice to Greatness Entrenando a tu discípulo para la grandeza, está disponible en www.strategiccell.com.

Permítanme sugerir un enfoque radical para el entrenamiento de discípulos celulares.

El aprendizaje más efectivo ocurre cuando los tres dominios del aprendizaje se ven afectados: cognitivo, psicomotor y afectivo. La gran mayoría del entrenamiento celular disponible en el mercado hoy en día tiene una base cognitiva. Es decir, los que están siendo entrenados deben leer un libro, leer un artículo, escuchar un CD de audio, asistir a una serie de clases o, de alguna manera, aumentar su base de conocimiento a través del aprendizaje cognitivo. Rara vez hay un enfoque sistemático para impactarlos de manera efectiva.

¿Qué distingue a un líder celular de, por ejemplo, un miembro de la célula? Sugeriría tres cosas. Primero, el líder celular sabe algo que el miembro de la célula no sabe. En segundo lugar, el líder celular puede hacer algo que el miembro de la célula no puede hacer. En tercer lugar, el líder celular vive de manera diferente y en un nivel más alto que el miembro de la célula. En otras palabras, el Líder de célula tiene un conjunto de conocimientos (cognitivo), un conjunto de habilidades (psicomotor) y un conjunto de corazones (afectivo) que el miembro de la célula no posee. Si vamos a transformar miembros celulares regulares en líderes celulares, debemos definir esos tres conjuntos y crear un sistema para desarrollar estos conjuntos dentro de los miembros de la célula.

Permítanme sugerir que el entrenamiento efectivo se basa en las habilidades, no en el conocimiento, tocando los tres dominios del aprendizaje. El contexto en el que tiene lugar la capacitación basada en habilidades es fundamental; el entrenamiento cognitivo requiere un maestro; el entrenamiento basado en habilidades requiere un entrenador. El contexto en el que un discípulo celular tiene más posibilidades de prosperar y sobresalir es en un contexto de entrenamiento, el líder de célula sirve como el entrenador del discípulo durante el entrenamiento.

Como entrenador, líder celular desafiará a su discípulo a ir  más allá de donde podrían ir por su cuenta. Cada nuevo ejercicio de habilidad hará que el discípulo alcance más alto y amplíe sus habilidades. El líder celular / Entrenador empleará la escucha activa para ayudar a su discípulo a obtener nuevos conocimientos a medida que reflexionan sobre las experiencias de vida en la semana; el líder celular / Entrenador reemplazará la corrección, corrección, corrección con ánimo, ánimo y animo; el líder celular / Entrenador mantendrá a su discípulo tanto en la responsabilidad específica como en la responsabilidad del liderazgo, aprovechando la motivación interna de este, en lugar de emplear la manipulación externa. Como Líder celular / Entrenador, catalizarán una relación auténtica con el discípulo. Construirán capital relacional a través de un cuidado genuino.

El líder celular como entrenador proporcionará constantemente perspectivas para su discípulo, ayudándolo a pensar clara y realistamente. Junto con los comentarios oportunos y específicos, esto permitirá al discípulo tomar decisiones más acertadas, ya que asumen la responsabilidad activa de su crecimiento. Un Líder / Entrenador de celular experimentará conversaciones extraordinarias con su discípulo, ya que proporcionan un entorno caracterizado por preguntar, en lugar de contar. En tal ambiente, donde hay fe en el discípulo y creencia en lo que Dios ha colocado dentro de él, este se sentirá libre para crecer y desarrollarse.

El entrenamiento basado en habilidades, que impacta 3 dominios de aprendizaje dentro de un contexto de capación, conduce a un liderazgo transformado. ¡Entrena a tu discípulo celular para la grandeza!

What is a Powerful Coach like?

By Les Brickman, Dr. Les Brickman has been a Professional Coach Trainer for 15 years. Having been part of the Cell Movement for nearly 30 years, he has served the last ten years in Kenya as a Cell Church Trainer. His training manual, Coaching Your Cell Apprentice to Greatness, is available at www.strategiccell.com.

Mentoring is imparting what you have to another. Teaching is transmitting information. Counseling is bringing someone dysfunctional to functionality.

In cell life, Coaching is helping cell members who are functional to move forward and achieve a dream or goal. Coaching involves CHALLENGE – helping that cell member to go beyond where they might have ventured on their own – LISTENING – helping them talk through potential courses of action to clarify their thinking – ENCOURAGEMENT – affirmation that re-energizes and actively helps them reach their goals ACCOUNTABILITY – building on the cell member’s internal motivation to help maintain momentum toward their goals – RELATIONSHIP – an authentic life giving relationship that builds relational capital, catalyzes authenticity, and demonstrates care, and – PERSPECTIVE – providing a sounding board, feedback, a fresh viewpoint, helping cell members align their thinking with reality to produce effective solutions.

Our top 4 human needs are: 1) Oxygen (try not breathing for 5 minutes and see what happens) 3) Water (we can only go without for a few days) and 4) Food. Ah, but wait! I skipped #2. What is our 2nd greatest need? Simple – Giving our Opinion! See how long you can go through a day without telling someone what you think! For most of us, just minutes at a time, unless we are asleep! We are excellent Tellers. We are trained to tell. We are not trained to ask powerful questions – the mark of an excellent Coach. Coaching uses powerful questions to draw out what God has already put in.

Next time you lead cell, or have coffee with your intern, or visit a member, instead of telling your opinion, try asking powerful questions. Study the questions Jesus asked. You will be amazed!

“Who do men say that I am?” An OPEN question allowing the hearers to take it wherever they desired. It opened the door for discussion. Many answers were given. There was no right or wrong answer. An OPEN question gathers information. What OPEN questions might you ask? Tell me a little more about ______. How was your accountability meeting? What was most significant to you in this experience?

“Who do you say that I am?” Peter, its time for you to take personal ownership! OWNERSHIP questions focus on taking responsibility and being proactive. Let’s say your wife never changes, what do you need to do to bring harmony in the home? How can you take the principle we have been discussing and apply it tomorrow at work?

“Which is easier, to say, ‘Your sins are forgiven,’ or to say, ‘Rise, and walk’?” A challenging REVEALING question pushes the listeners to expand their thinking, and re-examine their assumptions. What does your response to this say about who you are? What is God’s heart in this situation? What internal thoughts hinder you from taking action?

Coaching will transform the very nature of your relationships. Asking powerful questions will take your conversations to a whole new level. Start becoming a coaching leader! Listen, then ask powerful questions!

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Como é um Treinador Poderoso?

Por Les Brickman. O Dr. Les Brickman é um Treinador Profissional há 15 anos. Faz parte do Movimento Celular há quase 30 anos e serviu os últimos dez anos no Quênia como um treinador de igreja em células. Seu manual de treinamento, Coaching Your Cell Apprentice to Greatness (“Treinando Seu Aprendiz Celular Para a Grandeza”, em tradução livre) está disponível em www.strategiccell.com.

A mentoria é transmitir o que você tem para outra pessoa. Ensinar é transmitir informação. Aconselhar é trazer alguém disfuncional à funcionalidade.

Na vida celular, o treinamento está ajudando os membros da célula que são funcionais a seguir em frente e alcançar um sonho ou meta. O treinamento envolve DESAFIO – ajudar o membro da célula a ir além de onde ele poderia ir sozinho; ESCUTAR – ajudando-os a falar sobre possíveis cursos de ação para esclarecer seu pensamento; ENCORAJAR – afirmação que reenergiza e ajuda ativamente a alcançar seus objetivos; PRESTAÇÃO DE CONTAS – construir a motivação interna do membro da célula para ajudá-lo a manter o ímpeto em direção aos seus objetivos; RELACIONAMENTO – uma autêntica relação de vida que constrói capital relacional, catalisa autenticidade e demonstra cuidado; e PERSPECTIVA – fornecer uma caixa de ressonância, feedback, um novo ponto de vista, ajudando os membros da célula a alinhar seu pensamento com a realidade para produzir soluções eficazes.

Nossas 4 principais necessidades humanas são: 1. Oxigênio (tente não respirar por 5 minutos e veja o que acontece), 3. Água (só podemos ficar sem por alguns dias) e 4. Comida. Ah, mas espere! Eu pulei o número 2. Qual é a nossa segunda maior necessidade? Simples: dar nossa opinião! Veja quanto tempo você pode passar em um dia sem dizer a alguém o que pensa! Para a maioria de nós, apenas alguns minutos, a menos que estejamos dormindo! Somos excelentes “Falantes”. Somos treinados para falar. Nós não somos treinados para fazer perguntas poderosas – a marca de um excelente treinador. O treinamento usa perguntas poderosas para extrair o que Deus já colocou na pessoa.

Da próxima vez que você liderar uma célula, tomar um café com seu estagiário ou visitar um membro, em vez de contar sua opinião, tente fazer perguntas poderosas. Estude as perguntas que Jesus fez. Você ficará surpreso!

“Quem os homens dizem que eu sou?” Uma pergunta ABERTA permitindo que os ouvintes a levassem para onde quisessem. Isso abriu a porta para uma discussão. Muitas respostas foram dadas. Não houve resposta certa ou errada. Uma questão ABERTA reúne informações. Quais perguntas abertas você poderia fazer? “Me conte um pouco mais sobre ______”. “Como foi sua reunião de prestação de contas?”. “O que foi mais significativo para você nessa experiência?”.

“Quem você diz que eu sou?”. Pedro, é hora de você ter propriedade! As perguntas de PROPRIEDADE se concentram em assumir responsabilidade e ser proativo. Digamos que sua esposa nunca mude, o que você precisa fazer para trazer harmonia ao lar? Como você pode seguir o princípio que estamos discutindo e aplicá-lo amanhã no trabalho?

“O que é mais fácil dizer: ‘Seus pecados estão perdoados’ ou ‘Levante-se e ande’?”. Uma pergunta desafiadora de REVELAÇÃO faz com que os ouvintes expandam seu pensamento e reexaminem suas suposições. O que sua resposta a isso diz sobre quem você é? Qual é o coração de Deus nesta situação? Que pensamentos internos o impedem de agir?

O treinamento vai transformar a própria natureza de seus relacionamentos. Fazer perguntas poderosas levará suas conversas a um nível totalmente novo. Comece a se tornar um líder que treina! Escute e depois faça perguntas poderosas!

Spanish blog:

¿Cómo es un Entrenador Poderoso?

Por Les Brickman, el Dr. Les Brickman ha sido entrenador profesional de entrenadores durante 15 años. Después de haber sido parte del Movimiento Celular durante casi 30 años, ha servido en los últimos diez años en Kenia como Cell Church Trainer (Entrenador de Iglesia Celular) Su manual de capacitación, Coaching Your Cell Apprentice to Greatness Entrenando a tu discípulo para la grandeza, está disponible en www.strategiccell.com.

La tutoría es impartir lo que tienes a otro; enseñar es transmitir información. La consejería está llevando a alguien disfuncional a la funcionalidad.

En la vida celular, el entrenamiento está ayudando a los miembros de la célula que son funcionales a avanzar y lograr un sueño o un objetivo. El entrenamiento implica DESAFIO – ayudar a ese miembro de la célula a ir más allá de lo que podría haber aventurado por sí mismo – ESCUCHAR – ayudándo a hablar sobre posibles cursos de acción para aclarar su pensamiento – FOMENTAR – afirmación que revitaliza y activamente los ayuda a alcanzar sus metas. RENDIR CUENTAS – construyendo sobre la motivación interna del miembro de la célula para ayudar a mantener el impulso hacia sus metas – RELACIÓN – una relación de vida auténtica que construye capital relacional, cataliza autenticidad, y demuestra cuidado, y – PERSPECTIVA – proporcionando una caja de resonancia, retroalimentación, un nuevo punto de vista, ayudar a los miembros de la célula a alinear su pensamiento con la realidad para producir soluciones efectivas.

Nuestras 4 principales necesidades humanas son: 1) Oxígeno (intenta no respirar durante 5 minutos y mira qué sucede) 3) Agua (solo podemos pasar unos días) y 4) Comida. Ah, pero espera! Me salté el # 2. ¿Cuál es nuestra segunda necesidad más grande? Simple – ¡Dar nuestra opinión! ¡mira cuánto tiempo puedes pasar un día sin decirle a nadie lo que piensas! Para la mayoría de nosotros, solo minutos a la vez, ¡a menos que estemos dormidos! Somos excelentes para dar opiniones. Estamos entrenados para contar, pero no estamos entrenados para hacer preguntas poderosas; y esa es la marca de un Entrenador excelente. El entrenamiento usa preguntas poderosas para extraer lo que Dios ya ha puesto.

La próxima vez que dirijas la célula, o tomes un café con tu pasante, o visites a un miembro, en lugar de decir tu opinión, intenta hacer preguntas poderosas. Estudia las preguntas que hizo Jesús. ¡Terminarás asombrado!

“¿Quién dicen los hombres que soy yo?” Una pregunta ABIERTA que permite a los oyentes llevarla a donde quieran, abre a puerta para la discusión, muchas respuestas son dadas, no hay una respuesta correcta o incorrecta. Una pregunta ABIERTA recopila información. ¿Qué preguntas ABIERTAS podrías hacer? Cuéntame un poco más sobre ______. ¿Cómo estuvo tu reunión de rendición de cuentas? ¿Qué fue lo más significativo para ti en esta experiencia?

“¿Quién dices que soy yo?” Peter, ¡es hora de que tomes posesión personal! Las preguntas con PROPIEDAD se centran en asumir la responsabilidad y ser proactivo. Digamos que tu esposa nunca cambia, ¿qué necesita hacer para traer armonía al hogar? ¿Cómo se puede tomar el principio que hemos estado discutiendo y aplicarlo mañana en el trabajo?

“¿Qué es más fácil, decir: ‘Tus pecados están perdonados’ o decir: ‘Levántate y camina’?” Una pregunta REVELADORA desafiante empuja a los oyentes a expandir su pensamiento y reexaminar sus suposiciones. ¿Qué dice tu respuesta a esto sobre quién eres? ¿Como se muestra el corazón de Dios en esta situación? ¿Qué pensamientos internos te impiden entrar en acción?

El entrenamiento transformará la naturaleza misma de tus relaciones. Hacer preguntas poderosas llevará tus conversaciones a un nivel completamente nuevo. ¡Comienza a ser un líder de entrenamiento! Escucha, ¡y luego haz preguntas poderosas!