Conflict Brings Community

Michelle Geoffrey, cell pastor at www.celebrationchurch.org

If someone would have told me that on my first official cell group board game night real conflict would arise, I would not have believed them… but, it did.  We were laughing and having fun and the game of pictionary got heated between two members of the group. It sounds silly, but it really did happen! Being a new leader, I did not handle it as well as I should have, and it escalated to the point of calling our section leader (or cell coach).  During the conflict, both parties wanted to never return to the group. The section leader helped speak truth into the situation and both parties returned with a greater love for each other and greater commitment to the group. We survived the storm!

Conflict and community sound like opposite sides, although they work together.  Think of the people closest to you, such as parents, spouse, best friend, and children.  Those relationships have weathered storms. Hopefully, when you came through the storm, you were closer and more assured in the relationship.  This works the same in cell groups.

All cell groups will weather storms.  Not all storms are a conflict between two people (sometimes it is).  Storms could be someone in the group having cancer or moving away. Some conflicts may be with a divorce or job loss that impacts the group.  The impact could be the rallying cry that brings the group members closer together.

Here are a few things that I do when going through storms or conflict in a group:

  • Don’t be surprised – conflict brings people to a place of community
  • Ask for help – if you are not sure what to do, reach out to your section leader/coach or pastor
  • Love – Remind the group that you are family and that you will stick together even through the hard stuff
  • Reach out – sometimes conflict occurs between members, because the group has become ingrown.  Plan a serve project that will remind everyone what cell group is about
  • PRAY!  PRAY!  PRAY! – ask the Lord how He wants to use this situation for the group’s good and His glory

Find helpful resources that can help you learn, such as, How To Lead a Great Cell Group Meeting by Joel Comiskey.  Great cell groups will go through the seasons and when you face these hard times, lean into Jesus.  He has experience with this! Whatever you do… DON’T QUIT!! You have been called and conflict is part of the equipping and growing process.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O conflito gera comunidade

Por Michelle Geoffrey, pastor de células em www.celebrationchurch.org

Se alguém me dissesse que na minha primeira noite oficial de jogos na célula, surgiriam conflitos reais, eu não teria acreditado neles… mas sim. Estávamos rindo e nos divertindo, e o jogo Imagem e Ação esquentou entre dois membros do grupo. Parece bobo, mas isso tornou-se sério. Sendo um novo líder, eu não lidei com isso da maneira que deveria e essa situação escalou a ponto de chamar nosso líder de setor (ou treinador celular). Durante o conflito, ambas as partes queriam sair e nunca mais retornar ao grupo. O líder de setor ajudou a falar a verdade sobre a situação e ambas as partes retornaram com um amor maior um pelo outro e um maior compromisso com o grupo. Nós sobrevivemos à tempestade!

Conflito e comunidade soam como coisas opostas, embora trabalhem juntos. Pense nas pessoas mais próximas a você, como pais, cônjuge, melhor amigo, filhos. Esses relacionamentos já sofreram tempestades. Felizmente, depois de passar pela tempestade, ficaram mais próximos e mais seguros no relacionamento. Isso funciona da mesma maneira nas células.

Todas as células enfrentarão tempestades. Nem todas as tempestades são um conflito entre duas pessoas (às vezes é). Tempestades podem ser alguém do grupo com câncer ou se afastando. Alguns conflitos podem ocorrer com um divórcio ou perda de emprego que afeta o grupo. Mas o impacto pode ser como um grito de guerra que aproxima os membros do grupo.

Aqui estão algumas coisas que eu faço ao passar por tempestades ou conflitos em um grupo:

  • Não se surpreenda: o conflito leva as pessoas a um local de comunidade;
  • Peça ajuda – se você não tiver certeza do que fazer, entre em contato com o líder/treinador ou pastor do setor;
  • Ame – Lembre ao grupo que vocês são uma família e que permanecerão unidos mesmo durante tempos difíceis;
  • Alcance – às vezes acontece um conflito entre os membros porque o grupo ficou focado em si mesmo. Planeje um projeto de evangelismo que lembrará a todos do que se trata a célula;
  • ORE! ORE! ORE!  – pergunte ao Senhor como Ele quer usar essa situação para o bem e para a glória do grupo.

Encontre recursos úteis que podem ajudá-lo a aprender, como Como liderar uma grande reunião de célula (em tradução livre) de Joel Comiskey. Grandes células passarão pelas estações do ano e, quando enfrentar esses momentos difíceis, incline-se para Jesus. Ele tem experiência com isso! Faça o que fizer… NÃO DESISTA!! Você foi chamado e o conflito faz parte do processo de equipar e crescer.

Spanish blog:

El conflicto trae comunidad

Por Michelle Geoffrey, pastora celular en www.celebrationchurch.org

Si alguien me hubiera dicho que en mi primera noche oficial de juegos de mesa del grupo celular surgiría un verdadero conflicto, no lo habría creído … pero, lo hizo. Nos reíamos y nos divertíamos y el juego de pictionary se calentó entre dos miembros del grupo. Suena tonto, sin embargo, se volvió serio. Siendo una nueva líder, no lo manejé tan bien como debería, y se intensificó hasta el punto de llamar a nuestro líder de sección (o supervisor de célula). Durante el conflicto, ambas partes querían nunca volver al grupo. El líder de la sector ayudó a decir la verdad sobre la situación y ambas partes regresaron con un mayor amor mutuo y un mayor compromiso con la célula. Sobrevivimos a la tormenta!

El conflicto y la comunidad suenan como lados opuestos, aunque trabajan juntos. Piense en las personas más cercanas a usted, como padres, cónyuge, mejor amigo, hijos. Esas relaciones han resistido tormentas. Con suerte, cuando atravesó la tormenta, estaba más cerca y más seguro en la relación. Esto funciona igual en los grupos celulares.

Todos los grupos celulares enfrentarán tormentas. No todas las tormentas son un conflicto entre dos personas (a veces lo es). Las tormentas pueden ser alguien en el grupo que tiene cáncer o se aleja. Algunos conflictos pueden ser con un divorcio o pérdida de trabajo que afecta al grupo. El impacto podría ser el grito de guerra que acerca a los miembros del grupo.

Aquí hay algunas cosas que hago cuando paso por tormentas o conflictos en un grupo:

▪️No se sorprenda: el conflicto lleva a las personas a un lugar comunitario. 

▪️Pida ayuda: si no está seguro de qué hacer, comuníquese con el líder / supervisor o pastor de su zona. 

▪️Amor: recuerde al grupo que son una familia y que se mantendrán unidos incluso a través de las cosas difíciles

▪️Alcance: a veces se produce un conflicto entre los miembros, porque el grupo se ha encarnado. Planifique un proyecto de servicio que les recuerde a todos de qué se trata el grupo celular

▪️¡ORAR! ¡ORAR! ¡ORAR! – pregunte al Señor cómo quiere usar esta situación para el bien del grupo y su gloria. 

Encuentre recursos útiles que pueden ayudarlo a aprender, por ejemplo, Cómo liderar una gran reunión de grupo celular de Joel Comiskey. Los grandes grupos celulares atravesarán por todas las estaciones y cuando enfrente estos tiempos difíciles, inclínese hacia Jesús. Él tiene experiencia con esto! Haga lo que haga … ¡NO SE RINDA! Ha sido llamado y el conflicto es parte del proceso de equipamiento y crecimiento.

Sumate a la Obra Misionera a Pueblos No Alcanzados

The Cell on Mission

Michelle Geoffrey, cell pastor at www.celebrationchurch.org

There is a precious cell group of senior adult ladies that meet on Friday mornings in New Orleans, Louisiana. They pray, support and encourage each other like cell groups should do, but something was missing.  The leader, Elizabeth, reached out to a missionary, Mark, that attends church with her when he is in town. She invited him to come to the group and share with the ladies what he is doing around the world.  Mark told about how he is spreading the Gospel and ministering to those in need in Guatemala, Cuba, Gambia and more. Elizabeth and her group were inspired by what he reported and decided to “adopt” Mark as their group’s missionary.

They can be part of what Mark is doing by praying for him at the cell meeting, collecting money to support him and encouraging him through regular cards and emails.  This amazing group of ladies have decided that they want to continue to be a part of what God is doing in other nations, even if they can not be there physically What they did can be replicated in every cell group.

Here are a few suggestions:

  • Invite a visiting missionary to your cell meeting and ask them to share.  Also, ask how the group can encourage them.
  • Write note cards to the missionaries that your church supports. (This is a great way to involve the children.)
  • Pray for missionaries that you know at each meeting.
  • Ask the group to put a care package together of the missionaries favorite things to send to them for their birthday or holiday.
  • Support a missionary financially by sending money. (Even small amounts are a blessing.)
  • Email or message the missionary to let them know

I truly believe that when Elizabeth and the group get to Heaven that they are going to see people that they have never personally met, but that heard about Christ through the support and love that they showed to Mark.  Regardless of what type of cell group you lead, your group can make a difference and help spread the love of Christ.  

As leaders and leaders of leaders, we need to help inspire and challenge those we shepherd to rise up and care for those that are making disciples in all nations.  Any cell group can do this!  We can all be part of missions!  Everyone can accomplish the Great Commission!

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Esta é uma tradução do Google. O blog normal será publicado no site da JCG quando for recebido.

A célula em missão
 
Michelle Geoffrey, pastor de células em www.celebrationchurch.org
 
Há um precioso grupo de células de mulheres adultas que se encontram nas sextas-feiras de manhã em Nova Orleans, Louisiana. Eles oram, apóiam e encorajam um ao outro como grupos de células deveriam fazer, mas algo estava faltando. A líder, Elizabeth, estendeu a mão para um missionário, Mark, que frequenta a igreja com ela quando ele está na cidade. Ela o convidou para vir ao grupo e compartilhar com as mulheres o que ele está fazendo ao redor do mundo. Marcos contou como está divulgando o Evangelho e ministrando aos necessitados na Guatemala, Cuba, Gâmbia e muito mais. Elizabeth e seu grupo foram inspirados pelo que ele relatou e decidiram “adotar” Mark como missionário de seu grupo.
 
Eles podem fazer parte do que Mark está fazendo orando por ele na reunião da célula, coletando dinheiro para apoiá-lo e incentivando-o através de cartões e e-mails regulares. Esse incrível grupo de mulheres decidiu que querem continuar fazendo parte do que Deus está fazendo em outras nações, mesmo que não possam estar lá fisicamente. O que eles fizeram pode ser replicado em todos os grupos de células.
 
Aqui estão algumas sugestões:
 
• Convide um missionário visitante para sua reunião de célula e peça que compartilhem. Além disso, pergunte como o grupo pode incentivá-los.
• Escreva cartões de nota aos missionários que sua igreja apóia. (Essa é uma ótima maneira de envolver as crianças.)
• Ore pelos missionários que você conhece em cada reunião.
• Peça ao grupo que junte um pacote de cuidados com as coisas favoritas dos missionários para lhes enviar no aniversário ou no feriado.
• Apoiar um missionário financeiramente enviando dinheiro. (Mesmo pequenas quantidades são uma bênção.)
• Enviar por e-mail ou mensagem ao missionário para que eles saibam

Spanish blog:

La célula en misión

Michelle Geoffrey, pastor celular en www.celebrationchurch.org

Hay un grupo celular precioso de mujeres adultas mayores que se reúnen los viernes por la mañana en Nueva Orleans, Louisiana. Oran, se apoyan y animan unas a otras como deberían hacer los grupos celulares, pero faltaba algo. La líder, Elizabeth, contactó a un misionero, Mark, que asiste a la iglesia con ella cuando está en la ciudad. Ella lo invitó a venir al grupo y compartir con las damas lo que está haciendo en todo el mundo. Mark contó cómo está difundiendo el Evangelio y ministrando a los necesitados en Guatemala, Cuba, Gambia y más. Elizabeth y su grupo se inspiraron en lo que informó y decidieron “adoptar” a Mark como el misionero de su grupo.

Pueden ser parte de lo que Mark está haciendo al orar por él en la reunión celular, recolectando dinero para apoyarlo y alentándolo a través de tarjetas y correos electrónicos regularmente. Este increíble grupo de mujeres ha decidido que quieren seguir siendo parte de lo que Dios está haciendo en otras naciones, incluso si no pueden estar allí físicamente. Lo que hicieron puede replicarse en cada grupo celular.

Aqui hay algunas sugerencias:

• Invita a un misionero visitante a tu reunión celular y pídele que comparta. Además, pregunta cómo el grupo puede animarlos. 

• Escribe tarjetas a los misioneros que tu iglesia apoya. (Esta es una excelente manera de involucrar a los niños).

• Ora por los misioneros que conoce en cada reunión.

• Pídele al grupo que prepare un paquete de cuidado de las cosas favoritas de los misioneros para enviarles para su cumpleaños o en un día festivo.

• Apoya financieramente a un misionero enviando dinero. (Incluso pequeñas cantidades son una bendición).

• Envía un correo electrónico o un mensaje al misionero para informarles. 

Sumate a la Obra Misionera a Pueblos No Alcanzados

A Great Gift

Michelle Geoffrey, cell pastor at www.celebrationchurch.org

I remember when my cell leader told me that he would like me to lead a cell group.  I was a newly surrendered Christian that was trying to figure out what God had created me to be.  I was enjoying my new Christian community, but I didn’t know where I fit into the group. Everyone seemed to know what God had created them to do, except me.  I remember when my leader said, “I see you as a leader.” I had been leading in other areas of my life, but to use my gifts in church was a whole new world that I was thrilled to be able to use.  I was blown away that God would allow me, this ragged, sinful 20-something, to lead in His kingdom. 

I love what I Peter 4:10 says, “Each of you should use whatever gift you have received to serve others, as faithful stewards of God’s grace in its various forms.”  God has given us each something so wonderful and unique to each of us. Our gifts fit our personality and our experiences. Our gifts make others smile. Our gifts are there waiting to show off the glory of the Lord!

So often, we see people going through their lives as Christians and non-believers without understanding how God created them.  As church leaders and ministers, we have the opportunity and obligation to connect with others and help them discover how unique God created them. 

I believe that cell groups are a launching pad for the Kingdom of God.  If I had stayed out in the world and not become part of a cell group, I would not have the occasion to put those skills into practice.  If my cell leader would not have allowed me to step out into leadership, I might still be following those going down the wrong path. When we are working in our gifts, it spurs our heart to draw closer to God and not lose heart.  Sure, there will be tough times, but when we see it as a greater purpose then it makes it worth it.

As leaders, it is up to us to not only lead, but to challenge others to use their gifts, talents and abilities for God’s glory.  Who do you need to help find their great gift from God?

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Um Grande Dom

Por Michelle Geoffrey, pastora de células em www.celebrationchurch.org

Lembro-me de quando meu líder de célula me disse que gostaria que eu liderasse uma célula. Eu era uma cristã recém convertida que estava tentando descobrir o que Deus havia me criado para ser. Eu estava gostando da minha nova comunidade cristã, mas não sabia onde me encaixava no grupo. Todos pareciam saber o que Deus tinha para a vida deles, exceto eu. Lembro-me de quando meu líder disse: “Vejo você como uma líder”. Eu liderava em outras áreas da minha vida, mas usar meus dons na igreja era um mundo totalmente novo que me deixou animada em usá-los. Fiquei impressionada que Deus permitiria que eu, uma pecadora imperfeita de 20 e poucos anos, liderar em Seu reino.

Adoro o que diz em 1Pedro 4:10: “Cada um exerça o dom que recebeu para servir os outros, administrando fielmente a graça de Deus em suas múltiplas formas”. Deus deu algo tão maravilhoso e único para cada um de nós. nos. Nossos dons se encaixam em nossa personalidade e em nossas experiências. Nossos dons fazem os outros sorrirem. Nossos dons estão esperando para mostrar a glória do Senhor!

Com frequência, vemos pessoas vivendo suas vidas como cristãs e não convertidos sem entender como Deus as criou. Como líderes e ministros da igreja, temos a oportunidade e a obrigação de nos conectar com os outros e ajudá-los a descobrir que Deus os criou de maneira única.

Eu acredito que as células são uma plataforma de lançamento para o Reino de Deus. Se eu tivesse ficado no mundo e não me tornasse parte de uma célula, não teria a oportunidade de colocar essas habilidades em prática. Se meu líder de célula não me permitisse assumir a liderança, eu ainda estaria seguindo aqueles que estavam no caminho errado. Quando estamos trabalhando em nossos dons, isso estimula nosso coração a se aproximar de Deus e a não desanimar. Claro, haverá tempos difíceis, mas quando os vemos como um objetivo maior, vale a pena.

Como líderes, cabe a nós não apenas liderar, mas desafiar os outros a usarem seus dons, talentos e habilidades para a glória de Deus. A quem você precisa ajudar a encontrar seu grande dom de Deus?

Spanish blog:

Un gran regalo

Por Michelle Geoffrey, pastora celular en www.celebrationchurch.org

Recuerdo cuando mi líder celular me dijo que le gustaría que yo liderara un grupo celular. Era una cristiana recién convertida que estaba tratando de descubrir lo que Dios me había creado para ser. Estaba disfrutando de mi nueva comunidad cristiana, pero no sabía dónde encajaba en el grupo. Todos parecían saber para qué los había creado Dios, excepto yo. Recuerdo cuando mi líder dijo: “Te veo como un líder”. Había estado liderando en otras áreas de mi vida, pero usar mis dones en la iglesia era algo completamente nuevo que estaba encantada de poder hacer. Me sorprendió que Dios le permitiera, a esta harapienta pecadora de 20 y algo de años, liderar en Su reino.

Me encanta lo que dice Pedro 4:10: “Cada uno de ustedes debe usar cualquier don que hayan recibido para servir a los demás, como fieles administradores de la gracia de Dios en sus diversas formas”. Dios nos ha dado a cada uno algo tan maravilloso y único. Nuestros dones se ajustan a nuestra personalidad y nuestras experiencias. Nuestros dones hacen sonreír a los demás. ¡Nuestros dones están allí esperando para mostrar la gloria del Señor!

Muy a menudo, vemos personas que pasan por sus vidas como cristianos y no creyentes sin entender cómo Dios los creó. Como líderes y ministros de la iglesia, tenemos la oportunidad y la obligación de conectarnos con otros y ayudarlos a descubrir cuán único Dios los creó.

Creo que los grupos celulares son una plataforma de lanzamiento para el Reino de Dios. Si me hubiera quedado fuera del mundo y no me hubiera convertido en parte de un grupo celular, no habría tenido la oportunidad de poner en práctica esas habilidades. Si mi líder celular no me hubiera permitido ascender al liderazgo, aún podría estar siguiendo a los que van por el camino equivocado. Cuando estamos trabajando en nuestros dones, estimula nuestro corazón a acercarnos a Dios y no desanimarnos. Claro, habrá momentos difíciles, pero cuando lo vemos como un propósito mayor, entonces hace que valga la pena.

Como líderes, depende de nosotros no solo liderar, sino desafiar a otros a usar sus dones, talentos y habilidades para la gloria de Dios. ¿A quién necesitas  ayudar a encontrar su gran don de Dios?

Down to the Core

Michelle Geoffrey, cell pastor at www.celebrationchurch.org

To me the most important and disregarded part of an apple is the core.  We love the crisp skin and sweet, juicy inside, but when we get to the core, it is tossed in the trash.  Think about it… without the core, there would be no more apples. The core contains the seeds to plant and grow more trees that produce more apples.  

Cell groups are the same way.  We spend time each week meeting together and read God’s Word, fellowship, and pray together.  We often miss the importance of the core. Those who show up regularly, those that host, those that create a safe space for the children, and those that plan great worship experiences.  Without these core members, groups would not be the same and when we focus on building them up, they often become grow new members and plant new groups. We have to be the type of leaders that are investing in our core.

I believe that to be a truly great leader, one must grow those around us to the extent that if we are not there, it can go unnoticed.  This is an “easier said than done” concept. Think about it… when you go on vacation or have an ill child at home, will the cell meeting go off without a hitch?  If you are stuck late at work will the children have ministry? Are the Bible verses and questions going to be asked? Will someone reach out to the people that are not there to see how they can be prayed for?  

Here are a few tips to nurture the gifts in others to create a strong core:

  • Look around the group and ask yourself these questions:
    • Who attends group each week?  
    • Who asks questions in the meeting? 
    • Who participates in shared ministry? 
  • Spend time with the members building them up
  • Find out what gifts and strengths they have and  encourage them to use them at the group meetings.
  • Give small assignments in the cell and see who completes them

Once you have two or three members that you want to invest in, then ask them to meet you outside of the regular meeting.  You might be thinking that you don’t have extra time to spend with them. Even if your schedule is full, try for 30 minutes before or after the cell meet at church before the service.  If we do this then we are focusing on the core and making disciples. Then the ministry will go on and grow from the core.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Até o Núcleo

Por Michelle Geoffrey, pastora de células na www.celebrationchurch.org

Para mim, a parte mais importante e desconsiderada de uma maçã é o núcleo. Nós amamos sua pele nítida e doce, suculenta por dentro, mas quando chegamos ao núcleo, ele é jogado no lixo. Pense nisso… sem o núcleo, não haveria mais maçãs. O núcleo contém as sementes para plantar e cultivar mais árvores que produzem mais maçãs.

As células são da mesma maneira. Nós passamos tempo a cada semana nos reunindo e lendo a Palavra de Deus, em comunhão e orando juntos. Muitas vezes perdemos a importância do núcleo. As pessoas que comparecem regularmente, que hospedam, que criam um espaço seguro para as crianças e aqueles que planejam grandes experiências de adoração. Sem esses membros principais, os grupos não seriam os mesmos e quando nos concentramos em desenvolvê-los, eles muitas vezes trazem novos membros e plantam novos grupos. Temos que ser o tipo de líderes que investe em nosso núcleo.

Acredito que, para realmente ser um grande líder, é preciso cultivar as pessoas que nos rodeiam ao ponto de se não estivermos lá, isso passar despercebido. Este é um conceito “mais fácil de dizer do que fazer”. Pense nisso… quando você sair de férias ou tiver uma criança doente em casa, a reunião da célula vai acontecer sem problemas? Se você estiver atrasado no trabalho, as crianças terão ministério? Os versículos da Bíblia e as perguntas serão feitas? Alguém se aproximará das pessoas que não estão lá para ver como elas podem receber oração?

Aqui estão algumas dicas para cultivar os dons das pessoas para criar um núcleo forte:

Olhe ao redor do grupo e faça a si mesmo estas perguntas:

Quem participa do grupo a cada semana?

Quem faz perguntas na reunião?

Quem participa no ministério compartilhado?

Passe tempo com os membros construindo-os

Descubra quais dons e pontos fortes eles têm e incentive-os a usá-los nas reuniões do grupo.

Dê pequenas atribuições na célula e veja quem as realiza de fato.

Quando você tiver dois ou três membros nos quais deseja investir, peça para encontrá-los fora da reunião regular. Você pode estar pensando que você não tem tempo extra para gastar com eles. Mesmo que sua agenda esteja cheia, tente por 30 minutos antes ou depois da reunião da célula ou do culto. Se fizermos isso, estaremos nos concentrando no núcleo e fazendo discípulos. Então o ministério continuará e crescerá do núcleo.

Spanish blog:

Hasta el núcleo

Por Michelle Geoffrey, pastora celular en www.celebrationchurch.org

Para mí, la parte más importante y olvidada de una manzana es el núcleo. Nos encanta la piel crujiente y dulce, jugosa por dentro, pero cuando llegamos al núcleo, se tira a la basura. Piénselo … sin el núcleo, no habría más manzanas. El núcleo contiene las semillas para plantar y cultivar más árboles que producen más manzanas.

Los grupos celulares son de la misma manera. Pasamos tiempo cada semana reuniéndonos juntos y leemos la Palabra de Dios, practicamos el compañerismo y oramos juntos. A menudo extrañamos la importancia del núcleo. Los que se presentan regularmente, los que acogen, los que crean un espacio seguro para los niños y los que planean grandes experiencias de adoración. Sin estos miembros principales, los grupos no serían lo mismo y cuando nos enfocamos en construirlos, a menudo se convierten en miembros nuevos y se plantan nuevos grupos. Tenemos que ser el tipo de líderes que están invirtiendo en nuestro núcleo.

Creo que para ser un gran líder, uno debe hacer crecer a quienes nos rodean en la medida en que si no estamos allí, pueden pasar desapercibidos. Este es un concepto “más fácil decirlo que hacerlo”. Piénsalo… cuando salga de vacaciones o tengas un hijo enfermo en casa, ¿se desarrollará la reunión celular sin problemas? Si estás atrapado tarde en el trabajo, ¿serán los niños ministrados? ¿Se leerán los versículos y se harán preguntas de la Biblia? ¿Alguien se acercará a las personas que no están allí para ver cómo se puede orar ellas?

Aquí hay algunos consejos para nutrir los dones en otros para crear un núcleo fuerte:

Mire alrededor del grupo y haz estas preguntas:

¿Quién asiste al grupo cada semana?

¿Quién hace preguntas en la reunión?

¿Quién participa en el ministerio compartido?

Pasas tiempo con los miembros construyéndolos ?

Descubre qué dones y fortalezas tienen y aliéntalos a usarlos en las reuniones grupales.

Dé pequeñas tareas en la célula y observa quién las completa.

Una vez que tengas dos o tres miembros en los que quieras invertir, pídeles que se reúnan contigo fuera de la reunión ordinaria. Tal vez pienses que no tienes tiempo extra para pasar con ellos. Incluso si tu horario está lleno, intenta 30 minutos antes o después de que la célula se reúna en la iglesia antes del servicio. Si hacemos esto, entonces nos estamos enfocando en el núcleo y haciendo discípulos. Entonces el ministerio continuará y crecerá desde el núcleo.

We Are Family

Michelle Geoffrey, cell pastor at www.celebrationchurch.org

A few years ago, a young lady joined my Cell Group that was just getting out of a really bad relationship.  Let’s call her Jane. Jane was kicked out of the home where she was staying with only the clothes on her back and a few random items.  Because she had a job, she was able to rent an apartment, but her apartment was completely empty My group was always good about moving to different host homes each month and sharing the ministry of hospitality.  Jane wanted to be a host home, but shared her concerns with me about inviting the group to her empty apartment. I assured her that we would be fine sitting on the floor and that no one would criticize her.

So we met at Jane’s apartment – albeit empty.  Everyone was so gracious and glad to see how she had come out of a bad situation and was happily living on her own. As we met each week, our group brought different items to help her furnish her apartment. By the time the month was over, Jane had a full apartment; bed, sofa, television, dining set and fully stocked kitchen.  Not only was Jane blessed by the outpouring of our love and support, but our members grew closer together as the Lord used us to display his faithful provision. Because Jane opened up her empty apartment to host our group, she soon realized the fullness of the blessing God had planned for her.  

Whenever a leader tells me that their group will not rotate homes because of various excuses, I share Jane’s remarkable story.  God moved in a way that no one would have expected as each of us were able to see our faith greatly increased. Changing host homes on a regular basis is more than just giving the host home a break from the responsibilities of preparing their home each week. By changing host homes on a rotating basis, we get to see where other members of our group live, meet their families and even their neighbors, who don’t know Christ yet. That’s where life change occurs and where you get to really know someone. Being in a Cell Group is about being part of a family and sharing life together. Just like my own personal family, we visit each other’s homes and take turns hosting family celebrations and gatherings. That’s just what families do…no different that your cell family.

As leaders, we have to help people stop seeing the challenges that come with hosting the group, but instead find the opportunities that will help our groups grow.  Here are some common remarks:

  • “My house is too small.”
  • “I don’t have enough parking.”
  • “My husband doesn’t know Jesus.”
  • “I live far away.”
  • “My apartment is not nice enough.”
  • “My pets might be a bother.”

There are solutions to each of these situations. We simply have to help our group discover how to resolve them. Take some time today to ask the Lord to help you overcome the challenges of moving host homes that your group is now facing. Like the story of my friend, Jane, the Lord already has a solution planned.  As leaders, we need to stop accepting the status quo and share the vision of what being part of a cell group is all about. After all, that’s what families do.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Nós Somos Família

Por Michelle Geoffrey, pastora de células na www.celebrationchurch.org

Há alguns anos, uma jovem que estava saindo de um relacionamento muito ruim se juntou à minha célula. Vamos chamá-la de Jane. Jane foi expulsa da casa onde estava hospedada, apenas com as roupas nas costas e alguns itens aleatórios. Como ela tinha um emprego, ela conseguiu alugar um apartamento, mas seu apartamento estava completamente vazio. Meu grupo sempre foi bom em mudar-se para diferentes residências por mês e dividir o ministério da hospitalidade. Jane queria ser uma casa de acolhimento, mas compartilhou suas preocupações comigo sobre convidar o grupo para seu apartamento vazio. Eu assegurei a ela que ficaríamos bem sentados no chão e que ninguém iria criticá-la.

Então nos encontramos no apartamento de Jane – embora estivesse vazio. Todo mundo foi tão gracioso e felizes por ver como ela tinha saído de uma situação ruim e estava feliz vivendo sozinha. À medida que fomos nos conhecendo a cada semana, o nosso grupo trouxe itens diferentes para ajudá-la a preencher seu apartamento. Quando o mês acabou, Jane tinha um apartamento completo: cama, sofá, televisão, conjunto de jantar e cozinha totalmente equipada. Não só Jane foi abençoada pelo derramamento de nosso amor e apoio, mas nossos membros se aproximaram mais quando o Senhor nos usou para mostrar sua fiel provisão. Como Jane abriu seu apartamento vazio para receber nosso grupo, logo ela percebeu a plenitude da bênção que Deus planejara para ela.

Sempre que um líder me diz que seu grupo não vai rodiziar nas casas por causa de várias desculpas, eu compartilho a história notável de Jane. Deus se moveu de uma maneira que ninguém poderia esperar, pois cada um de nós foi capaz de ver nossa fé ser grandemente aumentada. Mudar as casas de acolhimento regularmente é mais do que apenas dar à casa wue é anfitriã uma pausa nas responsabilidades de preparar a sua casa todas as semanas. Ao mudar as casas de acolhimento de forma rotativa, podemos ver onde outros membros do nosso grupo vivem, conhecer as suas famílias e até os seus vizinhos que ainda não conhecem a Cristo. É aí que a mudança de vida ocorre e onde você realmente conhece alguém.  Estar em uma célula é sobre fazer parte de uma família e compartilhar a vida juntos. Assim como minha própria família pessoal, nós visitamos as casas uns dos outros e nos revezamos organizando celebrações e encontros familiares. Isso é o que as famílias fazem… não é diferente da sua família de células.

Como líderes, temos que ajudar as pessoas a pararem de ver os desafios que surgem ao hospedar o grupo, mas, em vez disso, encontrar as oportunidades que ajudarão nossos grupos a crescer.  Aqui estão algumas observações comuns:

  • “Minha casa é muito pequena.”
  • “Eu não tenho espaço de estacionamento suficiente.”
  • “Meu marido não conhece Jesus”.
  • “Eu moro longe.”
  • “Meu apartamento não é bom o bastante.”
  • “Meus animais de estimação podem ser um incômodo.”

Existem soluções para cada uma dessas situações. Nós simplesmente temos que ajudar nosso grupo a descobrir como resolvê-las. Reserve um tempo hoje para pedir ao Senhor que o ajude a superar os desafios de mudança de residência que seu grupo enfrenta agora. Como a história da minha amiga Jane, o Senhor já tem uma solução planejada. Como líderes, precisamos parar de aceitar o padrão atual e compartilhar a visão de como fazer parte de uma célula. Afinal, é isso que as famílias fazem.

Spanish blog:

Somos familia

Por Michelle Geoffrey, pastora celular en www.celebrationchurch.org

Hace unos años, una joven se unió a mi grupo celular, ella estaba saliendo de una relación realmente mala. Llamémosla Jane. Jane fue expulsada de la casa donde se encontraba con solo la ropa en su espalda y algunos artículos que tomó al azar. Debido a que tenía un trabajo, pudo alquilar un apartamento, pero este lugar estaba completamente vacío. Mi grupo siempre fue bueno al mudarse a diferentes hogares anfitriones cada mes y compartir el ministerio de hospitalidad. Jane quería ser una anfitriona, pero compartió sus preocupaciones conmigo acerca de invitar al grupo a su apartamento vacío. Le aseguré que estaríamos bien sentados en el suelo y que nadie la criticaría.

Así que nos encontramos en el apartamento de Jane, aunque vacío. Todos fueron tan amables y contentos de ver cómo ella había salido de una mala situación y estaba felizmente viviendo sola. Como nos reunimos cada semana, nuestro grupo trajo diferentes artículos para ayudarla a amueblar su apartamento. Cuando el mes terminó, Jane tenía un departamento completo; Cama, sofá, televisión, juego de comedor y cocina completamente equipada. Jane no solo fue bendecida por el derramamiento de nuestro amor y apoyo, sino que nuestros miembros se acercaron más a medida que el Señor nos usaba para mostrar su provisión fiel. Como Jane abrió su departamento vacío para albergar a nuestro grupo, pronto se dio cuenta de la plenitud de la bendición que Dios había planeado para ella.

Cada vez que un líder me dice que su grupo no cambiará de hogar debido a varias excusas, comparto la extraordinaria historia de Jane. Dios se movió de una manera que nadie hubiera esperado, ya que cada uno de nosotros pudimos ver que nuestra fe aumentaba enormemente. Cambiar las casas anfitrionas de manera regular es más que solo darle a la casa anfitriona un descanso de las responsabilidades de preparar su casa cada semana. Al cambiar las casas de acogida de forma rotativa, podemos ver dónde viven otros miembros de nuestro grupo, conocer a sus familias e incluso a sus vecinos, que aún no conocen a Cristo. Ahí es donde ocurre el cambio de vida y donde realmente conoces a alguien. Estar en un grupo celular se trata de ser parte de una familia y compartir la vida juntos. Al igual que mi propia familia, visitamos las casas de los demás y nos turnamos para realizar celebraciones familiares y reuniones. Eso es justo lo que hacen las familias … no es diferente a tu familia celular.

Como líderes, debemos ayudar a las personas a dejar de ver los desafíos que conlleva hospedar al grupo, pero en su lugar encontrar las oportunidades que ayudarán a nuestros grupos a crecer. Aquí hay algunos comentarios comunes:

  • “Mi casa es demasiado pequeña”.
  • “No tengo suficiente estacionamiento”.
  • “Mi esposo no conoce a Jesús”.
  • “Vivo muy lejos.”
  • “Mi apartamento no es lo suficientemente agradable”.
  • “Mis mascotas pueden ser una molestia”.

Hay soluciones para cada una de estas situaciones. Simplemente tenemos que ayudar a nuestro grupo a descubrir cómo resolverlos. Tómate un tiempo hoy para pedirle al Señor que te ayude a superar los desafíos de mudar las casas anfitrionas donde tu grupo se reúne ahora. Al igual que la historia de mi amiga, Jane, el Señor ya tiene una solución planificada. Como líderes, debemos dejar de aceptar el status quo y compartir la visión de lo que se trata ser parte de un grupo celular. Después de todo, eso es lo que hacen las familias.