Three Keys to Multiplying Cells During CoVid: Prayer, Love, & Passion

By Rob Campbell, Founding Pastor, www.cypresscreekchurch.com

The multiplication of a cell can be quite a challenge.  I would like to offer three quick thoughts that can easily be overlooked as we seek to make disciples that result in multiplication. 

Here are three necessary ingredients for a healthy cell multiplication to occur.  While not ideal given CoVid, these characteristics can all be accomplished via Zoom, email, text, a phone call, social media, and more. 

First, pray for your cell members to grow in Christ and for the Holy Spirit to place in their hearts a desire to lead a cell.  To be specific, wouldn’t it be great to know that God was the catalyst behind your cell multiplying?  You, therefore, can relieve yourself of arm-twisting, spiritualizing, and/or manipulating others.  Let God be God and allow Him to birth your future cell multiplication.  Pray consistently with great anticipation of what God is going to do.

Next, love your cell members.  Think of how Jesus loved his disciples.  Have you ever considered that Jesus loved his disciples into the ministry?  In other words, it was through the love of Christ that his disciples were invited to carry the gospel message to the world.  Love was the motivation of Christ.  It can be our motivation as well.  Love your cell members in such a way that they trust God’s leading meshed with your desire for them to one day lead a cell. 

Finally, “Passion will find a way.”  JCG team member Steve Cordle said that to me many years ago as we were discussing cell multiplication.  Here’s what that phrase means to me.  When an individual is passionate about God and the vision of the church, then cell multiplication will happen.  Steve has learned over the years that a passionate cell leader will find a way for cell multiplication to take place.  He/she can prioritize his/her life call, being ever mindful of potential distractions and detours.

Needless to say, when people ask me: “How do you multiply the cells in your church?”  I respond, “Through prayer, love, and passion.”  By the way, I’ve tried to multiply cells in many other ways and made some silly mistakes and serious miscalculations.

One final thought:  Don’t minimize the importance of multiplication—even during this current worldwide pandemic.  It’s vital. 

Comments?

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

3 chaves para a multiplicação de células durante a CoVid: Oração, amor e paixão

Rob Campbell, Pastor Fundador, www.cypresscreekchurch.com

A multiplicação de uma célula pode ser realmente um desafio. Eu gostaria de oferecer 3 chaves ou dicas que podem passar desapercebidas no processo de fazer discípulos e da consequente multiplicação.

Estas são as 3 chaves indispensáveis para que a multiplicação aconteça. Mesmo sabendo que o momento não é o ideal, por conta das limitações impostas pela CoVid, tudo isso pode ser feito através de reuniões via Zoom, email, mensagens de texto, ligações telefônicas, mídia social e outras estratégias.

Em primeiro lugar, ore pelos membros da célula e peça crescimento em Cristo. Peça que o Espírito Santo coloque em seus corações o desejo de liderar uma célula. Sendo bem específico, não seria maravilhoso saber que Deus é o grande catalisador por trás da multiplicação da sua célula? Dessa forma, você se liberta do processo de “forçar a barra”, espiritualizar todas as situações e de manipular pessoas. Deixe que Deus seja Deus e permita que Ele mesmo traga à luz a futura multiplicação da célula que você lidera. Ore constantemente ansiando por ver o agir de Deus.

Em segundo lugar, ame os membros da célula. Pense em como Jesus amava seus discípulos. Você já parou para pensar que com seu amor, Jesus os impulsionava ao ministério? Em outras palavras, era através do amor de Cristo que seus discípulos eram convidados a levar a mensagem do evangelho ao mundo. O amor era a motivação de Cristo. O amor também pode ser a sua motivação. Ame os membros da sua célula de tal forma que eles sintam que Deus os está levando a liderar e seu desejo nesse sentido também vem de Deus.

Finalmente, “a paixão vai achar seu próprio caminho”. Steve Cordle, membro do time JCG, me disse isso muitos anos atrás, enquanto conversávamos sobre a multiplicação de células. Vou explicar o que esta frase significa para mim. Quando uma pessoa está apaixonada por Deus e pela visão da igreja, a multiplicação certamente acontecerá. Steve aprendeu com o tempo que um líder de célula apaixonado vai encontrar uma maneira de multiplicar sua célula. Ele ou ela vai priorizar o chamado em sua própria vida, tomando cuidado para não cair em distrações e atalhos perigosos.  

É óbvio que quando alguém me pergunta: “Como você faz para multiplicar as células na sua Igreja?”, minha resposta é: com oração, amor e paixão. À propósito, também já tentei multiplicar células de diversas outras maneiras, e errei de algumas maneiras bobas e outras mais graves.

Quero deixar uma última dica: Não minimize a importância da multiplicação – mesmo em meio a esta pandemia. É vital.

Dúvidas?

Spanish blog:

Tres claves para multiplicar células durante el CoVid: oración, amor y pasión

Por Rob Campbell, pastor fundador, www.cypresscreekchurch.com

La multiplicación de una célula puede ser todo un desafío. Me gustaría ofrecer tres pensamientos rápidos que pueden pasarse por alto fácilmente mientras buscamos hacer discípulos que resulten en la multiplicación.

Aquí hay tres ingredientes necesarios para que ocurra una multiplicación celular saludable. Si bien no es ideal dado el CoVid, estas características se pueden lograr a través de Zoom, correo electrónico, mensaje de texto, una llamada telefónica, redes sociales y más.

Primero, ore para que los miembros de su célula crezcan en Cristo y para que el Espíritu Santo ponga en sus corazones el deseo de dirigir una célula. Para ser específico, ¿no sería genial saber que Dios fue el catalizador detrás de la multiplicación de tu célula? Usted, por lo tanto, puede liberarse de torcer el brazo, espiritualizar y / o manipular a los demás. Deje que Dios sea Dios y permítale dar a luz su futura multiplicación celular. Ore constantemente con gran anticipación de lo que Dios va a hacer.

A continuación, ame a los miembros de su célula. Piense en cómo Jesús amaba a sus discípulos. ¿Alguna vez ha considerado que Jesús amó a sus discípulos en el ministerio? En otras palabras, fue a través del amor de Cristo que sus discípulos fueron invitados a llevar el mensaje del evangelio al mundo. El amor fue la motivación de Cristo. También puede ser nuestra motivación. Ame a los miembros de su célula de tal manera que confíen en la dirección de Dios combinada con su deseo de que algún día dirijan una célula.

Finalmente, “La pasión encontrará un camino”. Steve Cordle, miembro del equipo de JCG, me dijo eso hace muchos años cuando discutíamos sobre la multiplicación celular. Esto es lo que significa esa frase para mí. Cuando un individuo se apasiona por Dios y la visión de la iglesia, entonces sucederá la multiplicación celular. Steve ha aprendido a lo largo de los años que un líder celular apasionado encontrará la manera de que se produzca la multiplicación celular. Él / ella puede priorizar su llamada de vida, siendo siempre consciente de las posibles distracciones y desvíos.

No hace falta decir que cuando la gente me pregunta: “¿Cómo multiplicas las células en tu iglesia?” Respondo: “A través de la oración, el amor y la pasión”. Por cierto, he intentado multiplicar las células de muchas otras formas y cometí algunos errores tontos y errores de cálculo graves.

Un pensamiento final: no minimice la importancia de la multiplicación, incluso durante la actual pandemia mundial. Es vital.

Comentarios

Begin Here (Español Abajo)

By Rob Campbell, Founding Pastor, www.cypresscreekchurch.com

John Wesley once said, “God will do nothing on earth except in answer to believing prayer.”  Think of Christ’s powerful modeling of prayer while here on earth.  Let me paint a picture for you. 

You see Christ hugging the blood-stained rock nestled among the gnarly roots of the olive trees in the Garden of Gethsemane.  His prayer shawl is covering his head and his dark hair splashes onto his shoulders.  He is praying.  You are listening to his prayers.  As you inch toward Christ, you hear your name!  The Lord of Lords, the King of Kings, the Creator, the Lamb of God is praying for you.  You are humbled, shocked, and filled with awe and gratitude.  Christ is praying for you! 

Now, that would be an incredible experience, would it not?  You bet.  Suffice to say, He is praying for you!  He is your chief intercessor and great advocate even now. 

One poignant message of Christ’s prayer for you in the garden is this:  It is impossible to lose your footing while on your knees.  Jesus is our example.  His ministry can be described as moving from one house of prayer to the next and in between he worked miracles. 

When Cypress Creek Church was formed in 1993, I desired to find someone who was passionate about prayer.  Cecilia Belvin came to my mind.  I asked her to be our Pastor of Prayer.  She was our “first hire!”  I watched God use her in an incredible way over the years.  She developed a discreet, confidential, and powerful team of prayer warriors.  A few years ago, she passed the leadership of the Prayer Ministry Team to another woman who served with Cecilia for 13 years. 

Prayer covers the church family.  Prayer flows freely through the cells.  Prayer is the beginning point in launching cells and every endeavor. 

If you want to experience life transformation in Celebration and cells, then begin with prayer and intercession.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Comece aqui

Por Rob Campbell, Pastor Fundador, www.cypresscreekchurch.com

John Wesley disse uma vez: “Deus não fará nada na terra, exceto em resposta à oração de fé”. Pense no poderoso modelo de oração de Cristo enquanto está aqui na terra. Deixe-me pintar um quadro para você.

Você vê Cristo abraçando a rocha manchada de sangue aninhada entre as raízes nodosas das oliveiras no Jardim do Getsêmani. Seu xale de oração cobre sua cabeça e seu cabelo escuro respinga em seus ombros. Ele está orando. Você está ouvindo suas orações. Conforme você se aproxima de Cristo, você ouve seu nome! O Senhor dos Senhores, o Rei dos Reis, o Criador, o Cordeiro de Deus está orando por você. Você está humilde, chocado e cheio de admiração e gratidão. Cristo está orando por você!

Agora, isso seria uma experiência incrível, não seria? Pode apostar. Basta dizer que Ele está orando por você! Ele é o seu principal intercessor e grande advogado agora mesmo.

Uma mensagem pungente da oração de Cristo por você no jardim é esta: É impossível perder o equilíbrio enquanto está de joelhos. Jesus é nosso exemplo. Seu ministério pode ser descrito como uma mudança de uma casa de oração para a outra e, entre um e outro, ele operava milagres.

Quando a Igreja Cypress Creek foi formada em 1993, eu desejava encontrar alguém que fosse apaixonado por oração. Cecilia Belvin veio à minha mente. Pedi a ela para ser nossa Pastora de Oração. Ela foi nossa “primeira contratação!” Eu vi Deus usá-la de uma forma incrível ao longo dos anos. Ela desenvolveu uma equipe discreta, confidencial e poderosa de guerreiros de oração. Há alguns anos, ela passou a liderança da Equipe do Ministério de Oração para outra mulher que serviu com Cecília por 13 anos.

A oração cobre a família da igreja. A oração flui livremente pelas células. A oração é o ponto de partida para lançar células e todos os esforços.

Se você deseja experimentar a transformação da vida na Celebração e nas células, comece com oração e intercessão.

Spanish blog:

Comienza aqui

Por Rob Campbell, pastor fundador, www.cypresscreekchurch.com

John Wesley dijo una vez: “Dios no hará nada en la tierra excepto en respuesta a una oración de fe”. Piense en el poderoso modelo de oración de Cristo mientras estuvo aquí en la tierra. Déjame pintar un retrato para ti.

Ves a Cristo abrazando la roca manchada de sangre que se encuentra entre las raíces retorcidas de los olivos en el Huerto de Getsemaní. Su manto de oración le cubre la cabeza y su cabello oscuro le cae sobre los hombros. El esta orando, está escuchando sus oraciones. A medida que avanza hacia Cristo, escuchas tu nombre. El Señor de Señores, el Rey de Reyes, el Creador, el Cordero de Dios está orando por ti. Te sientes humilde, conmocionado y lleno de asombro y gratitud. ¡Cristo está orando por ti!

Ahora, esa sería una experiencia increíble, ¿no? Claro que si. Basta decir que él está orando por ti. Él es tu principal intercesor y gran defensor incluso ahora.

Un mensaje conmovedor de la oración de Cristo por ti en el jardín es este: Es imposible perder el equilibrio estando de rodillas. Jesús es nuestro ejemplo. Su ministerio se puede describir como pasar de una casa de oración a la siguiente y en el medio obraba milagros.

Cuando se formó la Iglesia Cypress Creek en 1993, deseaba encontrar a alguien a quien le apasionara la oración. Cecilia Belvin vino a mi mente. Le pedí que fuera nuestra pastora de oración. ¡Ella fue nuestra “primera contratación!” Vi a Dios usarla de una manera increíble a lo largo de los años. Desarrolló un equipo de guerreros de oración discreto, confidencial y poderoso. Hace unos años, pasó el liderazgo del Equipo del Ministerio de Oración a otra mujer que sirvió con Cecilia durante 13 años.

La oración cubre a la familia de la iglesia. La oración fluye libremente por las células. La oración es el punto de partida para lanzar células y todo esfuerzo.

Si deseas experimentar la transformación de la vida en Celebración y células, comienza con oración e intercesión. 

A Simple Future? (Español Abajo)

By Rob Campbell, Founding Pastor, www.cypresscreekchurch.com

Al Ries writes in his book, Focal Point, that there are four things you can do to improve the quality of your life and work.

1. You can do more of certain things. You can do more of the things that are of greater value to you and bring you greater rewards and satisfaction.

2. You can do less of certain things. You can deliberately decide to reduce activities or behaviors that are not as helpful as other activities.

3. You can start to do things you are not doing at all today. You can make new choices, learn new skills, begin new projects and activities, or change the entire focus of your work or personal life.

4. You can stop doing certain things altogether. You can stand back and evaluate your life with new eyes. You can then decide to discontinue activities and behaviors that are no longer consistent with what you want and where you want to go.

Dave Browning in his book, Deliberate Simplicity (a great read, by the way!), comments on the four options above. He writes, “While the traditional church tends to choose doors 1 and 3, the Deliberately Simple church looks at what is behind doors 2 and 4. By doing less of certain things, and stopping other things altogether, energy and resources can be reinvested in the few things really worth doing.”

Pastor Wade Hodges once stated, “If becoming a part of a church places people in an environment that encourages them to live more frenetic lives than they were living before, then we are going about doing church the wrong way.”

Browning writes, “What is the simplest thing that could possibly work?” He suggests that we “jettison other elements even if they have traditionally been associated with progress.”

One more thought from Browning: “One of the questions that take the church back to basics is, how would we do church if we didn’t have electricity? Your answer will undoubtedly push you back to the essence of the church and away from the artificiality of modernity.”

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Um futuro simples?

por Rob Campbell, pastor fundador, www.cypresscreekchurch.com

Al Ries escreve em seu livro, Focal Point [Ponto Focal, tradução livre], que existem quatro coisas que você pode fazer para melhorar a qualidade de sua vida e de seu trabalho.

1. Você pode fazer mais coisas certas. Você pode fazer mais coisas que são de maior valor para você e lhe trazer maiores recompensas e satisfação.
2. Você pode fazer menos em certas coisas. Você pode decidir deliberadamente reduzir atividades ou comportamentos que não sejam tão úteis quanto outras atividades.
3. Você pode começar a fazer coisas que não está fazendo hoje. Você pode fazer novas escolhas, aprender novas habilidades, começar novos projetos e atividades ou mudar todo o foco de seu trabalho ou vida pessoal.
4. Você pode parar de fazer certas coisas completamente. Você pode recuar e avaliar sua vida com novos olhos. Você pode então decidir descontinuar atividades e comportamentos que não são mais consistentes com o que você deseja e para onde deseja ir.

Dave Browning em seu livro, Simplicidade Deliberada [tradução livre] (aliás, uma ótima leitura!), Comenta sobre as quatro opções acima. Ele escreve: “Enquanto a igreja tradicional tende a escolher as portas 1 e 3, a igreja Deliberadamente Simples olha para o que está atrás das portas 2 e 4. Fazendo menos em certas coisas, e parando completamente outras coisas, energia e recursos podem ser reinvestidos nas poucas coisas que realmente valem a pena fazer.”


O pastor Wade Hodges afirmou certa vez: “Se tornar-se parte de uma igreja coloca as pessoas em um ambiente que as incentiva a viver vidas mais frenéticas do que antes, então estamos tratando de fazer a igreja da maneira errada”.

Browning escreve: “Qual é a coisa mais simples que poderia funcionar?” Ele sugere que “descartemos outros elementos, mesmo que eles tenham sido tradicionalmente associados ao progresso”.

Mais um pensamento de Browning: “Uma das questões que leva a igreja de volta ao básico é, como faríamos a igreja se não tivéssemos eletricidade? Sua resposta, sem dúvida, o empurrará de volta à essência da igreja e para longe da artificialidade da modernidade. ”

Spanish blog:

¿Un futuro simple?

por Rob Campbell, pastor fundador, www.cypresscreekchurch.com

Al Ries escribe en su libro, Focal Point (punto focal), que hay cuatro cosas que puedes hacer para mejorar la calidad de tu vida y trabajo.

1. Puedes hacer más de ciertas cosas. Puede hacer más de las cosas que son de mayor valor para ti y eso te traerá mayores recompensas y satisfacción.

2. Puedes hacer menos de ciertas cosas. Puedes decidir deliberadamente reducir las actividades o comportamientos que no son tan útiles como otras actividades.

3. Puedes empezar a hacer cosas que no estás haciendo hoy. Puedes tomar nuevas decisiones, aprender nuevas habilidades, comenzar nuevos proyectos y actividades, o cambiar todo el enfoque de tu trabajo o vida personal.

4. Puedes dejar de hacer ciertas cosas por completo. Puede retroceder y evaluar tu vida con nuevos ojos. Luego, puedes decidir interrumpir las actividades y los comportamientos que ya no son consistentes con lo que desea y adónde quieres ir.

Dave Browning en su libro Deliberate Simplicity (¡una gran lectura, por cierto!), Comenta las cuatro opciones anteriores. Él escribe: “Mientras que la iglesia tradicional tiende a elegir las puertas 1 y 3, la iglesia Deliberadamente Simple mira lo que está detrás de las puertas 2 y 4. Al hacer menos de ciertas cosas y detener otras cosas por completo, la energía y los recursos se pueden reinvertir en las pocas cosas que realmente vale la pena hacer “.

El pastor Wade Hodges dijo una vez: “Si convertirse en parte de una iglesia coloca a las personas en un entorno que las anima a vivir vidas más frenéticas de las que vivían antes, entonces vamos a hacer la iglesia de la manera incorrecta”.

Browning escribe: “¿Qué es lo más simple que podría funcionar?” Sugiere que “descartemos otros elementos incluso si tradicionalmente se han asociado con el progreso”.

Un pensamiento más de Browning: “Una de las preguntas que lleva a la iglesia de regreso a lo básico es, ¿cómo haríamos la iglesia si no tuviéramos electricidad? Sin duda, tu respuesta te llevará de regreso a la esencia de la iglesia y lejos de la artificialidad de la modernidad “. 

John Wesley: Right Beliefs, Right Action, and Right Heart

By Rob Campbell, Founding Pastor, www.cypresscreekchurch.com

In the mid-eighteenth century, John Wesley organized five interlocking groups for those who desired to walk with Jesus.  They were: 

1.  Society—an assembly of all interested persons,

2.  Class Meeting—a small group of ten to twelve members trying to follow Christ in their day-to-day behavior,

3.  Band—an even smaller group of people desiring to deepen their spirituality,

4.  Select Society—an elite corps of those training to be leaders, and

5.  Penitent Band—a group for those trying to overcome all their sinful habits and go on to perfection (Malony, 2010). 

In Wesley’s view, sanctification is best experienced in the context of community.  Wesley stated, “Never encourage the devil by snatching souls from him that you cannot nurture” (Collins & Tyson, 2001, p. 213).  Wesley believed that participation in the various groups (specifically, the band) led to a sanctified life.  He believed that sanctification was growth in love, and it involved one’s entire life. 

Dr. Gregory Clapper, Professor of Religion and Philosophy at the University of Indianapolis, describes Wesley’s beliefs concerning sanctification through three components: right beliefs (orthodoxy), right action (orthopraxis), and right heart (orthokardia).  Orthopraxis is a life-long process of growing in holiness, pious actions, and acts of love.  Orthopraxis, however, will never come to fruition without an accurate understanding of who God is and what He has done through the sacrificial death of his Son, Jesus Christ.  Wesley believed that one could have right actions and right beliefs but still lack heart change.  If conversion and spiritual formation were to take place, then the orthokardia must take place to produce disciples of Jesus Christ.  He would oppose the preaching of the gospel of grace that failed to emphasize bonding and living faithfully in community (Collins & Tyson, 2001).

Now, I have a question for you to ponder.  Do you see any similarities between Wesley’s groups and the church where you serve?

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

John Wesley: Crenças Corretas, Ação Correta e Coração Correto

Por Rob Campbell, Pastor Fundador, www.cypresscreekchurch.com

Em meados do século dezoito, John Wesley organizou cinco grupos interligados para aqueles que desejavam andar com Jesus. Eles eram:

  1. Sociedade – uma assembleia de todas as pessoas interessadas
  2. Reunião de classe – um pequeno grupo de dez a doze membros tentando seguir a Cristo em seu comportamento diário,
  3. Banda – um grupo ainda menor de pessoas que desejam aprofundar sua espiritualidade,
  4. Sociedade Selecionada – um corpo de elite daqueles treinando para ser líderes, e
  5. Banda Penitente – um grupo para aqueles que tentam superar todos os seus hábitos pecaminosos e seguir em frente até a perfeição (Malony, 2010).

Na visão de Wesley, a santificação é mais bem experimentada no contexto da comunidade. Wesley declarou: “Nunca encoraje o diabo ao arrebatar almas dele que você não pode nutrir” (Collins & Tyson, 2001, p. 213). Wesley acreditava que a participação em vários grupos (especificamente, a banda) levava a uma vida santificada. Ele acreditava que a santificação era crescimento no amor e envolvia a vida inteira.

O Dr. Gregory Clapper, Professor de Religião e Filosofia na Universidade de Indianápolis, descreve as crenças de Wesley a respeito da santificação por meio de três componentes: crenças corretas (ortodoxia), ação correta (ortopraxia) e coração correto (ortocardia). Ortopráxis é um processo vitalício de crescimento em santidade, ações piedosas e atos de amor. A ortopráxis, entretanto, nunca se concretizará sem uma compreensão exata de quem é Deus e do que Ele fez por meio da morte sacrificial de seu Filho, Jesus Cristo. Wesley acreditava que alguém poderia ter ações corretas e crenças corretas, mas ainda não haveria mudança no coração. Se a conversão e a formação espiritual fossem ocorrer, então a ortocardia deve ocorrer para produzir discípulos de Jesus Cristo. Ele se oporia à pregação do evangelho da graça que falhava em enfatizar a união e a vida fiel em comunidade (Collins & Tyson, 2001).

Agora, tenho uma pergunta para você refletir. Você vê alguma semelhança nos grupos de Wesley e na igreja onde você serve?

Spanish blog:

John Wesley: Creencias correctas, acción correcta y corazón recto

Por Rob Campbell, pastor fundador, www.cypresscreekchurch.com

A mediados del siglo XVIII, John Wesley organizó cinco grupos entrelazados para aquellos que deseaban caminar con Jesús. Ellos eran:

1. Sociedad: una asamblea de todas las personas interesadas,

2. Reunión de la clase: un pequeño grupo de diez a doce miembros que tratan de seguir a Cristo en su comportamiento diario.

3. Banda: un grupo aún más pequeño de personas que desean profundizar en su espiritualidad,

4. Seleccionar Sociedad: un cuerpo de élite de aquellos que se capacitan para ser líderes, y

5. Banda Penitente: un grupo para aquellos que intentan superar todos sus hábitos pecaminosos y avanzar hacia la perfección (Malony, 2010).

En opinión de Wesley, la santificación se experimenta mejor en el contexto de la comunidad. Wesley dijo: “Nunca alientes al diablo arrebatándole almas que no puedas nutrir” (Collins & Tyson, 2001, p. 213). Wesley creía que la participación en los diversos grupos (específicamente, la banda) conducía a una vida santificada. Creía que la santificación era un crecimiento en el amor e involucraba toda la vida.

El Dr. Gregory Clapper, profesor de religión y filosofía en la Universidad de Indianápolis, describe las creencias de Wesley con respecto a la santificación a través de tres componentes: creencias correctas (ortodoxia), acción correcta (ortopraxis) y corazón recto (ortocardia). La ortopraxis es un proceso de por vida de crecimiento en santidad, acciones piadosas y actos de amor. La ortopraxis, sin embargo, nunca llegará a buen término sin una comprensión precisa de quién es Dios y lo que ha hecho a través de la muerte en sacrificio de su Hijo, Jesucristo. Wesley creía que uno podía tener acciones correctas y creencias correctas, pero aún carecía de un cambio de corazón. Si la conversión y la formación espiritual iban a tener lugar, entonces la ortocardia debía tener lugar para producir discípulos de Jesucristo. Se opondría a la predicación del evangelio de la gracia que no enfatizaba la unión y la vida fiel en comunidad (Collins y Tyson, 2001).

Ahora, tengo una pregunta para que reflexiones. ¿Ves alguna similitud entre los grupos de Wesley y la iglesia en la que sirves?

Acts 5:42 and Post-Christian Culture

By Rob Campbell, Founding Pastor, www.cypresscreekchurch.com

Ryan Bolger wrote Gospel After Christendom: New Voices, New Cultures, New Expressions.  This book reveals emerging and missional church practices in the following locales: Latin America, New Zealand, Australia, Europe, and North America.  The title aptly describes this work by editor Bolger.  The authors take the reader on a worldwide tour revealing how the church is ministering in post-Christian cultures.  Many stories encourage providing hope for the future.  Other reports are disheartening despite arduous work, prayer, extensive cultural exegesis, and implementation of ministries.

In many areas of the world cited in this book, there exists one common method of communicating the gospel via community.  This method harkens back to the birth of the church following Jesus’s resurrection and ascension.   Acts 5:42 reads, “And every day, in the Temple and in their homes, they continued to teach and preach this message: ‘The Messiah you are looking for is Jesus’” (New Living Translation).  “Homes” may also be translated “house to house.”  For the most part, gathering in temples around the world is not operative with a post-Christian culture.  However, individuals gathering in a home for a meal and a discussion regarding Jesus Christ is common around the globe.

Bolger writes, “In their homes, they form small communities where, through Scripture reading, discussions, meals, and perhaps some wine, they learn how to follow Jesus better…As a small group, they discern where God might be leading them.  Leaning on the artistic inspiration of the community, they create a more public worship service, inspiring for them but also for their neighbors” (p. 360).  Bolger believes that “small groups are sites of hospitality…Discipleship occurs around the table…Often there is not a teacher, and discernment of Scripture is communal.  It is an active learning environment” (p. 355).

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Atos 5:42 e Cultura Pós-Cristã

Por Rob Campbell, Pastor Fundador,  www.cypresscreekchurch.com  

Ryan Bolger escreveu Gospel After Christendom: New Voices, New Cultures, New Expressions [Evangelho Depois da Cristandade: Novas Vozes, Novas Culturas, Novas Expressões]. Este livro revela práticas emergentes e missionárias nas seguintes localidades: América Latina, Nova Zelândia, Austrália, Europa e América do Norte. O título descreve apropriadamente este trabalho do editor Bolger. Os autores levam o leitor a um tour mundial revelando como a igreja está ministrando nas culturas pós-cristãs. Muitas histórias encorajam o fornecimento de esperança para o futuro. Outros relatórios são desanimadores, apesar do árduo trabalho, oração, extensa exegese cultural e implementação de ministérios.

Em muitas áreas do mundo citadas neste livro, existe um método comum de comunicar o evangelho por meio da comunidade. Este método remonta ao nascimento da igreja após a ressurreição e ascensão de Jesus. Atos 5:42 diz: “E todos os dias, no Templo e em suas casas, eles continuavam a ensinar e pregar esta mensagem: ‘O Messias que procuras é Jesus’” (Nova Tradução Viva). “Casas” também pode ser traduzido como “casa em casa”. Na maioria das vezes, reunir-se em templos ao redor do mundo não funciona com uma cultura Pós-Cristã. No entanto, pessoas que se reúnem em uma casa para uma refeição e uma conversa sobre Jesus Cristo são comuns em todo o mundo.

Bolger escreve: “Em suas casas, eles formam pequenas comunidades onde, por meio da leitura das Escrituras, conversas, refeições e talvez um pouco de vinho, aprendem a seguir melhor a Jesus … Como um pequeno grupo, eles discernem para onde Deus os está conduzindo. Apoiados na inspiração artística da comunidade, eles criam um culto de adoração mais público, inspirador para eles, mas também para seus vizinhos ”(p. 360). Bolger acredita que “pequenos grupos são locais de hospitalidade … O discipulado ocorre ao redor da mesa … Frequentemente, não há um professor, e o discernimento das Escrituras é comunitário. É um ambiente de aprendizagem ativo ”(p. 355).

Spanish blog:

Hechos 5:42 y la cultura postcristiana

Por Rob Campbell, pastor fundador, www.cypresscreekchurch.com

Ryan Bolger escribió “Evangelio después de la cristiandad: nuevas voces, nuevas culturas, nuevas expresiones”. Este libro revela las prácticas eclesiásticas emergentes y misionales en los siguientes lugares: América Latina, Nueva Zelanda, Australia, Europa y América del Norte. El título describe acertadamente este trabajo del editor Bolger. Los autores llevan al lector a un recorrido mundial que revela cómo la iglesia está ministrando en las culturas postcristianas. Muchas historias animan a brindar esperanza para el futuro. Otros informes son desalentadores a pesar del arduo trabajo, la oración, la exégesis cultural extensa y la implementación de ministerios.

En muchas áreas del mundo citadas en este libro, existe un método común de comunicar el evangelio a través de la comunidad. Este método se remonta al nacimiento de la iglesia después de la resurrección y ascensión de Jesús. Hechos 5:42 dice: “Y todos los días, en el templo y en sus hogares, continuaron enseñando y predicando este mensaje: ‘El Mesías que buscas es Jesús’” (Nueva Traducción Viviente). “Hogares” también se puede traducir como “casa por casa”. En su mayor parte, reunirse en templos de todo el mundo no funciona con una cultura postcristiana. Sin embargo, las personas que se reúnen en un hogar para comer y conversar sobre Jesucristo es algo común en todo el mundo.

Bolger escribe: “En sus hogares, forman pequeñas comunidades donde, a través de la lectura de las Escrituras, discusiones, comidas y tal vez un poco de vino, aprenden a seguir mejor a Jesús … Como un grupo pequeño, disciernen adónde Dios podría estar guiándolos. Apoyándose en la inspiración artística de la comunidad, crean un culto más público, inspirador para ellos pero también para sus vecinos ”(p. 360). Bolger cree que “los grupos pequeños son lugares de hospitalidad… El discipulado ocurre alrededor de la mesa… A menudo no hay un maestro, y el discernimiento de las Escrituras es comunitario. Es un entorno de aprendizaje activo ”(p. 355).