Pausing and Reflecting on Team Leadership

By Robert Lay, Cell Church Ministry Brazil, www.celulas.com.br

Covid-19 has caused all of us to pause and reflect on where we are in life and ministry. It’s a time to go back to Scripture and re-discover those Scriptural principles that God is showing us to follow. As I shared in my last blog, the traditional seminary trains pastors to do the work of the ministry all by themselves. Scripture, however, tells us to develop others to do the work of the ministry.

Jesus was not a lone-ranger. He had a subgroup of three in his team of disciples. Jesus extended himself through  Peter, James, and John.

I live in Brazil. At the Brazilian Volkswagen truck factory, the whole assembly line is done by groups or teams. There are marks on the floor to position each team. There is a reward at the end of the day if the team completed its task right and on schedule. Another advantage, they say, in working in teams is that new workers learn to do their job when they are inserted in a team that already is doing the job. The newcomers, in other words, are taught by the experienced workers.

Another characteristic of learning in a team is the concept of “On the job training.” In earlier times professionals were trained in classrooms and after that they went into their practicum. The technical training schools where institutions apart from the factories or businesses. Today these technical training schools are in the factories themselves and not in separate institutions. This optimizes the training that is tailored to the company’s specific needs.

The core leadership team is essential in the cell. Besides taking the heavy load from the leader, the team helps train new leaders. Jesus knew of all these advantages and used them successfully. Remember that Jesus started a movement, not an institution. This should be enough for us to follow in Christ’s footsteps today. If we want to win this world for Jesus, the Church has to become a movement again.

God is using Covid-19 to give his church a time to reflect on Scriptural principles. One of those areas is working on a team. As Joel Comiskey has pointed out repeatedly in his blogs, leadership in the New Testament is always in the plural. As we press pause during Covid-19, let’s have a renewed commitment for team ministry. When ministry comes back to “normal,” my prayer is that the new norm will be team ministry, which takes the burdens off one person and shares it among a team.

Help us God!

Robert M. Lay

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Pausa e Reflexão Sobre Liderança de Equipe

Por Robert Lay, www.celulas.com.br

A Covid-19 fez com que todos nós parássemos e refletíssemos sobre onde estamos na vida e no ministério. É hora de voltar às Escrituras e redescobrir os princípios bíblicos que Deus está nos mostrando para seguir. Como compartilhei em meu último blog, o seminário tradicional treina pastores para fazer o trabalho do ministério por conta própria. A Escritura, entretanto, nos diz para desenvolver outros para fazer o trabalho do ministério.

Jesus não era um cavaleiro solitário. Ele tinha um subgrupo de três em sua equipe de discípulos. Jesus se estendeu por meio de Pedro, Tiago e João.

Eu moro no Brasil. Na fábrica brasileira de caminhões Volkswagen, toda a linha de montagem é feita por grupos ou equipes. Existem marcas no chão para posicionar cada equipe. Há uma recompensa no final do dia se a equipe concluir sua tarefa corretamente e dentro do cronograma. Outra vantagem, dizem eles, de trabalhar em equipe é que os novos trabalhadores aprendem a fazer seu trabalho quando são inseridos em uma equipe que já está fazendo o trabalho. Os recém-chegados, em outras palavras, são ensinados por trabalhadores experientes.

Outra característica da aprendizagem em equipe é o conceito de “treinamento no trabalho”. Antigamente, os profissionais eram treinados em salas de aula e depois iam para o estágio. As escolas de formação técnica são instituições distintas das fábricas ou empresas. Hoje, essas escolas de treinamento técnico estão nas próprias fábricas e não em instituições separadas. Isso otimiza o treinamento adaptado às necessidades específicas da empresa.

A equipe de liderança central é essencial na célula. Além de tirar o peso do líder, a equipe ajuda a formar novos líderes. Jesus conhecia todas essas vantagens e as usou com sucesso. Lembre-se de que Jesus iniciou um movimento, não uma instituição. Isso deve ser o suficiente para seguirmos os passos de Cristo hoje. Se quisermos ganhar este mundo para Jesus, a Igreja deve se tornar um movimento novamente.

Deus está usando Covid-19 para dar à sua igreja um tempo para refletir sobre os princípios bíblicos. Uma dessas áreas é o trabalho em equipe. Como Joel Comiskey apontou repetidamente em seus blogs, a liderança no Novo Testamento está sempre no plural. Ao pressionarmos a pausa durante o Covid-19, vamos renovar o compromisso com o ministério da equipe. Quando o ministério volta ao “normal”, minha oração é que a nova norma seja o ministério em equipe, que tira o fardo de uma pessoa e o compartilha entre um time.

Ajude-nos Deus!

Robert M. Lay

Spanish blog:

Hacer una pausa y reflexionar sobre el liderazgo del equipo

Por Robert Lay, www.celulas.com.br

El covid-19 ha hecho que todos nos detengamos y reflexionemos sobre dónde estamos en la vida y el ministerio. Es el momento de volver a las Escrituras y redescubrir esos principios bíblicos que Dios nos muestra que sigamos. Como compartí en mi último blog, el seminario tradicional capacita a los pastores para que hagan el trabajo del ministerio por sí mismos. Sin embargo, las Escrituras nos dicen que desarrollemos a otros para que hagan el trabajo del ministerio.

Jesús no era un llanero solitario. Tenía un subgrupo de tres en su equipo de discípulos. Jesús se extendió a través de Pedro, Santiago y Juan.

Vivo en Brasil. En la fábrica brasileña de camiones Volkswagen, toda la línea de montaje se realiza por grupos o equipos. Hay marcas en el suelo para posicionar a cada equipo. Hay una recompensa al final del día si el equipo completó su tarea correctamente y a tiempo. Otra ventaja, dicen, de trabajar en equipo es que los nuevos trabajadores aprenden a hacer su trabajo cuando se insertan en un equipo que ya está haciendo el trabajo. En otras palabras, a los recién llegados les enseñan los trabajadores experimentados.

Otra característica del aprendizaje en equipo es el concepto de “Formación en el trabajo”. En épocas anteriores, los profesionales se formaban en las aulas y luego ingresaban en sus prácticas. Las escuelas de formación técnica donde se encuentran instituciones además de las fábricas o empresas. Hoy estas escuelas de formación técnica están en las propias fábricas y no en instituciones separadas. Esto optimiza la formación que se adapta a las necesidades específicas de la empresa.

El equipo de liderazgo central es esencial en la célula. Además de tomar la pesada carga del líder, el equipo ayuda a capacitar a nuevos líderes. Jesús conocía todas estas ventajas y las utilizó con éxito. Recuerde que Jesús inició un movimiento, no una institución. Esto debería ser suficiente para que sigamos los pasos de Cristo hoy. Si queremos ganar este mundo para Jesús, la Iglesia tiene que volver a ser un movimiento.

Dios está usando el covid-19 para darle a su iglesia un tiempo para reflexionar sobre los principios bíblicos. Una de esas áreas es trabajar en equipo. Como Joel Comiskey ha señalado repetidamente en sus blogs, el liderazgo en el Nuevo Testamento siempre está representado en plural. Mientras nos tomamos una pausa durante la ola de covid-19, tengamos un compromiso renovado para el ministerio en equipo. Cuando el ministerio regrese a la “normalidad”, mi oración es que la nueva norma sea el ministerio en equipo, que le quite las cargas a una persona y la comparta entre un equipo.

¡Ayúdanos Dios!

Robert M. Lay

Preparing People through Church Ministry

By Robert Lay, Cell Church Ministry Brazil, www.celulas.com.br

It is obvious that  Ephesians 4,11 and 12 tell Pastors to prepare the saints for the work of ministry. Why, then, so few pastors do it?

A key reason is seminary training. Most seminaries teach that the pastor is the one who does the ministry. For example, in my seminary training I was taught to do all the ministry in all areas myself: preaching, counseling, teaching, praying, administrating, conducting meetings, sessions, etc. I spent four years in seminary learning theology, philosophy, and psychology.

I was trained to be totally equipped to be a good minister. However, I did not have one class on how to train others, not even in my practicum year. I was taught that while pastoring, if somebody showed talent for ministry, I was supposed to send him to the seminary to be prepared. After all, that is what seminaries are for, or at least that’s what we were taught.

We had no clue of training people in the church through the equipping track or relational discipleship. The only preparation was to train Sunday school teachers. Sunday school classes gave people Bible knowledge, but never prepared them for ministry. Teaching informs but discipleship and equipping for ministry transforms.

In the first fifteen years of my pastoral ministry, I tried to be the best in doing everything in the church. If somebody developed a certain gift, I was eager to control this person’s gift because I didn’t want anyone to challenge my pastoral position. What a stupidity!

Only after I met Dr. Ralph Neighbour and his cell church trainings in the early eighties did I realize how far I was from Biblical ecclesiology, and how deeply I was rooted in ecclesiastic tradition. Since I am a hard-headed German by nature, it took me a while to change my values in the area of equipping and developing others for the ministry. I had to go to the cross and die to my pride and controlling ego. Today my greatest joy is to help my members go beyond my own capacity and become more effective than myself.  I share my story in all my trainings in cell ministry around the world.

Our biggest task as pastors today is to develop people and deploy them as fast as possible. We need to multiply ourselves and our ministry. Where is the place for seminary ministry? I believe that before sending a person to seminary, that person should go through the church equipping track and all the ministry trainings the Church offers. The person should first lead a cell, coach other leaders, and even become a network pastor. Afterward, he or she should become part of the staff and then go part-time to a well-chosen seminary, often through online training.

I strongly discourage church to send their people to faraway seminaries.  In most cases, they will not come back or if they do come back, they will bring another vision and values that won’t fit with the church. Pr Dion Robert of Ivory Coast says: “Vision plus vision causes division”

We have to follow Jesus’ model. He spent fifty percent of his time with the twelve, and the other fifty with the people in general. After three years he left the movement we now call “church” in the hands of his disciples. Are we prepared for such an experience?

Help us God!

Robert M. Lay, Cell Church Ministry Brazil

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Preparando as Pessoas através do Ministério da Igreja

Por Robert Lay, www.celulas.com.br

É óbvio que Efésios 4:11 e 12 diz aos Pastores para preparar os santos para o trabalho do ministério. Por que, então, apenas alguns poucos fazem isso?

A razão principal é treinamento de seminário. As maiorias dos seminários ensinam que o pastor é aquele que faz o ministério. Por exemplo, em meu treinamento de seminário eu fui ensinado a fazer tudo do ministério em todas as áreas por mim mesmo; pregação, aconselhamento, ensino, oração, administração, condução de reuniões, treinamentos, etc. Eu gastei quatro anos no seminário aprendendo teologia, filosofia e psicologia.

Eu fui treinado para ser totalmente equipado para ser um bom ministro. Entretanto, eu não tive nenhuma aula sobre como treinar os outros, nem mesmo em meu ano de prático. Eu fui ensinado que enquanto pastoreando, se alguém demonstrasse talento para o ministério, eu deveria enviá-lo para o seminário para ser preparado. Afinal de contas, é para isso que existem seminários, ou ao menos foi isso que nos foi ensinado.

Nós não tínhamos ideia alguma de treinamento das pessoas na igreja através de um trilho de treinamento ou do discipulado relacional. A única preparação para treinar era treinar professores para a escola bíblica dominical. Aulas da escola bíblica dominical deram as pessoas conhecimento bíblico, mas nunca os preparou para o ministério. Ensinar informa, porém discipulado e treinamento para o ministério transformam.

Nos primeiros quinze anos do meu ministério pastoral, eu tentei ser o melhor em fazer tudo na igreja. Se alguém desenvolvesse um certo dom, eu me dedicava em controlar o dom dessa pessoa porque eu não queria que ninguém desafiasse minha posição pastoral. Que estúpido!

Somente depois que eu conheci o Dr. Ralph Neighbour e seus treinamentos para igreja em célula no início da década de oitenta que percebi o quão distante eu estava da eclesiologia bíblica e quão profundo eram minhas raízes na tradição eclesiástica. Como eu sou um alemão de cabeça dura por natureza, levou-me um tempo para mudar meus valores na área de equipar e desenvolver outros para o ministério eu tinha que ir para a cruz e morrer para o meu ego orgulhoso e controlador. Hoje minha maior alegria é ajudar meus membros a ir além de minha própria capacidade e tornarem-se mais efetivos do que eu mesmo. Eu compartilho da minha história em todos os meu treinamentos em ministério em células ao redor do mundo

Nossa maior tarefa como pastores hoje é desenvolver as pessoas e enviá-las o mais rápido possível. Nós precisamos multiplicar a nós mesmos e nossos ministérios. Onde fica então o ministério do seminário? Eu acredito que antes de enviar uma pessoa para o seminário, essa pessoa deveria passar pelo trilho de treinamento da igreja e todos os treinamentos do ministério que a igreja oferece. A pessoa deveria primeiramente liderar uma célula, supervisionar outros líderes e até se tornar um pastor de rede. Depois disso, ele ou ela deveria se tornar parte da equipe e então ir de tempo parcial para um seminário muito bem escolhido, frequentemente através de treinamento online.

Eu fortemente desencorajo a igreja a enviar seu pessoal para seminários distantes. Em alguns casos eles não voltarão e se eles voltarem, eles trarão outra visão e valores que não se encaixa à igreja. Pr. Dion Robert da Costa do Marfim diz: “Visão mais visão causa divisão”.

Nós temos que seguir o modelo de Jesus. Ele gastou cinquenta por cento do seu tempo com os doze e ele gastou os outros cinquenta com as pessoas em geral. Depois de três anos ele deixou o movimento que nós chamamos de “igreja” nas mãos de seus discípulos. Nós estamos prontos para tal experiência?

Deus nos ajude!

Robert M. Lay, Ministério Igreja em Célula Brasil

Spanish bog:

Preparando a las personas mediante el ministerio de la iglesia

Por Robert Lay, www.celulas.com.br

Es obvio que Efesios 4,11 y 12 les dicen a los pastores que preparen a los santos para la obra del ministerio. Entonces, ¿por qué tan pocos pastores lo hacen?

Una razón clave es la formación en los escuelas de teología. La mayoría enseñan que el pastor es quien hace el ministerio. Por ejemplo, en mi formación en el seminario me enseñaron a hacer todo el ministerio en todas las áreas: predicar, aconsejar, enseñar, orar, administrar, dirigir reuniones, sesiones, etc. Pasé cuatro años en ese seminario aprendiendo teología, filosofía y psicología.

Fui entrenado para estar totalmente equipado para ser un buen ministro. Sin embargo, no tuve una clase sobre cómo entrenar a otros, ni siquiera en mi año de práctica. Me enseñaron que mientras pastoreaba, si alguien mostraba talento para el ministerio, se suponía que debía enviarlo al seminario para que estuviera preparado. Después de todo, para eso están los seminarios, o al menos para eso nos enseñaron.

No teníamos ni idea de cómo capacitar a las personas en la iglesia a través de la ruta de equipamiento o el discipulado relacional. La única preparación fue capacitar a los maestros de la escuela dominical. Las clases de la escuela dominical dieron a las personas conocimiento bíblico, pero nunca las prepararon para el ministerio. La enseñanza informa, pero el discipulado y el equipamiento para el ministerio transforma.

En los primeros quince años de mi ministerio pastoral, traté de ser el mejor en hacer todo en la iglesia. Si alguien desarrollaba cierto don, estaba ansioso por controlar el don de esta persona porque no quería que nadie desafiara mi posición pastoral. ¡Qué estupidez!

Solo después de conocer al Dr. Ralph Neighbour y sus capacitaciones en la iglesia celular a principios de los ochenta, me di cuenta de lo lejos que estaba de la eclesiología bíblica y de lo profundamente arraigado que estaba en la tradición eclesiástica. Como soy un alemán terco por naturaleza, me tomó un tiempo cambiar mis valores en el área de equipar y desarrollar a otros para el ministerio. Tuve que ir a la cruz y morir a mi orgullo y ego controlador. Hoy, mi mayor alegría es ayudar a mis miembros a ir más allá de mi propia capacidad y ser más efectivos que yo. Comparto mi historia en todas mis capacitaciones en el ministerio celular en todo el mundo.

Nuestra mayor tarea como pastores hoy es desarrollar a las personas y desplegarlas lo más rápido posible. Necesitamos multiplicarnos a nosotros mismos y a nuestro ministerio. ¿Dónde está el lugar para el ministerio de seminario? Creo que antes de enviar a una persona al seminario, esa persona debe pasar por la vía de equipamiento de la iglesia y todas las capacitaciones ministeriales que ofrece la Iglesia. La persona primero debe liderar una célula, supervisar a otros líderes e incluso convertirse en un pastor de zona. Posteriormente, él o ella deberían formar parte del personal y luego tomar un parcial en un seminario bien elegido, a menudo mediante capacitación en línea.

Firmemente no aconsejo que la iglesia envíe a su gente a seminarios lejanos. En la mayoría de los casos, no volverán o, si vuelven, traerán otra visión y valores que no encajarán con la iglesia. Pr Dion Robert de Costa de Marfil dice: “Visión más visión causa división”

Tenemos que seguir el modelo de Jesús. Pasó el cincuenta por ciento de su tiempo con los doce y el otro cincuenta con la gente en general. Después de tres años dejó el movimiento que ahora llamamos “iglesia” en manos de sus discípulos. ¿Estamos preparados para tal experiencia?

¡Ayúdanos Dios!

Robert M. Lay, Ministerio de la Iglesia Celular Brasil

Our Gospel is Contagious

By Robert Lay, Cell Church Ministry Brazil, www.celulas.com.br

In this time of pandemic, everybody is scared of something so small that it cannot be seen. Yet, it’s dangerous enough to kill. This Covid-19 virus is very lethal and crippling. It always looks for a body to infect and destroy. Another characteristic is that it is always ready to pass its venom on to other bodies, thus making it extremely contagious.

The best way to avoid being infected is maintaining distance from other people. Distancing or quarantine is the recommended way to overcome the disease, according to the World Health Organization. In other words, isolation is the key to avoiding passing on this deadly plague.

On a spiritual level, we have a gospel that must be shared. We dare not isolate the gospel from those who need it most. God has provided a cure or remedy to a far greater disease: sin.  On the cross, Jesus liberated us from the  “virus” of sin through his own blood which is shed on the cross. Only Jesus Christ can forgive and cleanse us from the deadly virus called sin. Because of His shed blood, there is hope for the human race. The vaccine for this deadly virus called sin is available through Jesus Christ.

But how can we give this cure to others? Jesus showed us the way. It is through personal contact with people. Jesus spread the message with  12, 70, then 120. These in turn touched 3.000 and 5.000 and so on.

How did they do it so effectively? Since the beginning they met in houses and in the Temple courts. Close contact with one another infected them for the good. The Gospel is highly contagious, but it must get in contact with sin-sick souls.

Cells are the means to bring the cure through to humanity. But we who have the good virus have to be in contact with sinners in order to contaminate them with the Gospel. The sad fact is that the longer we are saved the fewer unsaved friends we have. Our Sunday services and cells have the tendency, with time, to become closed Love Boats. Actually it is the New Believer that has the most contact with sinners.

The only Commission we received from Jesus is to make disciples. This should stir us to get close to people so they might be infected with the gospel message and to continue the process until men and women are saved with the gospel. As people receive forgiveness of sin, become disciples of Jesus, and then learn to obey the values of the Kingdom, a lost world will be reached for Jesus.

According to Bill Beckham, the cell is a mean, lean fighting machine, capable of infiltrating the enemy lines and rescuing those without hope. Let’s be renewed to allow our cells to penetrate behind enemy lines and liberate lost souls with the gospel of Jesus Christ.

Help us God!

Robert M. Lay

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Nosso Evangelho é Contagioso

Por Robert Lay, Ministério Igreja em Célula Brasil, www.celulas.com.br

Nesse tempo de pandemia, todo mundo está assustado com uma coisa tão pequena que não se pode ver. Ainda assim, é perigoso o suficiente para matar. Esse vírus Covid-19 é muito letal e paralisador. Ele sempre procura um corpo para infectar e destruir. Outra característica é que ele sempre está pronto para passar seu veneno para outros corpos, assim tornando-se extremamente contagioso.

O melhor jeito de evitar ser infectado é mantendo distância de outras pessoas. Distanciamento ou quarentena é meio recomendado para vencer a doença, de acordo com a Organização Mundial de Saúde. Em outras palavras, isolamento é a chave para evitar passar adiante essa praga mortal.

No nível espiritual, nós temos o evangelho que precisa ser compartilhado. Nós nos desafiamos a não isolar o evangelho daqueles que mais precisam dele. Deus tem providenciado a cura ou o remédio para uma doença ainda maior: o pecado. Na cruz Jesus libertou-nos do “vírus” do pecado e através do seu próprio sangue cujo qual é vertido na cruz. Somente Jesus Cristo pode nos perdoar e limpar do vírus mortal chamado pecado. Por causa de seu sangue vertido, há esperança para a raça humana. A vacina para esse vírus mortal chamado pecado está disponível através de Jesus Cristo.

Mas como nós podemos dar essa cura aos outros? Jesus nos mostrou o caminho. É através do contato pessoa com pessoas. Jesus compartilhou a mensagem com 12, depois 70, depois 120. Esses, em troca, tocaram 3.000 e 5000 e assim por diante.

Como eles fizeram isso tão eficientemente? Desde o começo eles se reuniam em casas e no pátio do Templo. Contatos próximos uns dos outros os infectaram  para o bem. O Evangelho é altamente contagioso, porém ele precisa entrar em contato com almas doentes no pecado.

As células são os meios para trazer cura para a humanidade. Porém nós que temos o vírus bom temos que estar em contato com pecadores para que os contaminemos com o Evangelho. O fato entristecedor é que quanto mais nós somos salvos, menos amigos não salvos nós temos; Nossos cultos de domingo e células tem a tendência, com o tempo, de se tornar um Barco do Amor. Na verdade é o Novo Crente que tem mais contato com pecadores.

A única Comissão que nós recebemos de Jesus é fazer discípulos. Esse deveria ser o que nos move para mais perto das pessoas, para que elas sejam infectadas com a mensagem do evangelho e continue o processo até que homens e mulheres sejam salvos com o evangelho. Enquanto as pessoas recebem o perdão dos pecados, se tornam discípulos de Jesus e então aprendem a obedecer aos valores do Reino, um mundo perdido será alcançado para Jesus. 

De acordo com Bill Beckham, a célula é o meio, a máquina de luta, capaz de infiltrar as linhas do inimigo e resgatar aqueles que estão sem esperança. Vamos ser renovados e permitir que nossas células penetrem por trás das linhas inimigas e libertem as almas perdidas com o evangelho de Jesus Cristo.

Ajude-nos Deus! 

Robert M. Lay

Spanish blog:

Nuestro evangelio es contagioso

Por Robert Lay, Ministerio de la Iglesia Celular de Brasil, www.celulas.com.br

En esta época de pandemia, todo el mundo tiene miedo de algo tan pequeño que no se puede ver. Sin embargo, es lo suficientemente peligroso como para matar. Este virus, Covid-19 es muy letal y nos paraliza. Siempre busca un cuerpo para infectar y destruir. Otra característica es que siempre está listo para transmitir su veneno a otros cuerpos, lo que lo hace extremadamente contagioso.

La mejor forma de evitar la infección es manteniendo la distancia de otras personas. El distanciamiento o la cuarentena es la forma recomendada para superar la enfermedad, según la Organización Mundial de la Salud. En otras palabras, el aislamiento es la clave para evitar transmitir esta plaga mortal.

A nivel espiritual, tenemos un evangelio que debemos compartir. No nos atrevamos a aislar el evangelio de quienes más lo necesitan. Dios ha provisto una cura o remedio para una enfermedad mucho mayor: el pecado. En la cruz, Jesús nos liberó del “virus” del pecado a través de su propia sangre que fue derramada. Solo Jesucristo puede perdonarnos y limpiarnos del virus mortal llamado pecado. Debido a su sangre derramada, hay esperanza para la raza humana. La vacuna para este virus mortal llamado pecado está disponible a través de Jesucristo.

Pero, ¿cómo podemos dar esta cura a otros? Jesús nos mostró el camino. Es a través del contacto personal con las personas. Jesús difundió el mensaje con 12, luego 70, luego 120. Estos a su vez tocaron 3.000 y 5.000 y así sucesivamente.

¿Cómo lo hicieron con tanta eficacia? Desde el principio se reunieron en casas y en los patios del templo. El contacto cercano entre ellos los infectó para siempre. El Evangelio es muy contagioso, pero debes ponerse en contacto con las almas enfermas de pecado.

Las células son el medio para llevar la cura a la humanidad. Pero los que tenemos el virus bueno tenemos que estar en contacto con los pecadores para “contaminarlos” con el Evangelio. La triste realidad es que cuanto más tiempo llevamos salvamos, menos amigos no salvos tenemos. Nuestros servicios y células dominicales tienen la tendencia, con el tiempo, a convertirse en barcos cerrados. En realidad, es el nuevo creyente el que tiene más contacto con los pecadores.

La única comisión que recibimos de Jesús es hacer discípulos. Esto debería impulsarnos a acercarnos a las personas para que puedan infectarse con el mensaje del evangelio y continuar el proceso hasta que los hombres y mujeres sean salvos con el evangelio. A medida que las personas reciban el perdón de los pecados, se conviertan en discípulos de Jesús y luego aprendan a obedecer los valores del Reino, Jesús alcanzará un mundo perdido.

Según Bill Beckham, la célula es una máquina de combate terrible y audaz, capaz de infiltrarse en las líneas enemigas y rescatar a los que no tienen esperanzas. Seamos renovados para permitir que nuestras células penetren detrás de las líneas enemigas y liberen a las almas perdidas con el evangelio de Jesucristo.

¡Ayúdanos Dios!

Robert M. Lay

The Power of Prayer

By Robert Lay, Cell Church Ministry Brazil, www.celulas.com.br

Imagine an electric car sitting in front of a loading station with no cable to attach the source of power to the batteries. As a result, the batteries remain empty. Why is the cable so important? Because it is the solution to bring the energy from the power source to the car’s batteries. The cable is the channel through which the energy flows.

Prayer is the cable that brings the power of God to our batteries so we are fit and ready to function at full capacity. God is always ready with full power, and he wants to give us his strength. With God, there will never be a shortage of power.

Pastor Eddy Leo mentions in his book: “Touching Heaven, Changing Lives,” three phases or levels of prayer.

Phase one is reactional intimacy. In this phase, there is no continuous intimacy with God. It is more occasional guided by reactions to circumstances in life. Sometimes it is suffering that stir to seek God with phrases like, “My God, help me.” But there is no continuous, intentional communication with the source of power, therefore the batteries mainly remain empty with only occasional power surges.

Phase two is active intimacy. Here we communicate actively with God. In this phase, we intentionally set aside a time of fellowship with God. Here we have a planned time and place to get intimate with our father. Dr. Ralph Neighbour calls it: “The listening room.” If you keep this active intimacy you will be ready for the next phase.

Phase three is automatic intimacy. Here intimacy with God happens almost unconsciously. We learned to develop the habit of communicating with the Father in every and all circumstances. It is praying without ceasing. Paul experienced this phase when he wrote in Gal. 2,20 “I died with Christ on the cross. So it is no longer I that live, but Christ lives in me.”

Our cell members should be taught to practice automatic intimacy with God. If this is the case, we will have vibrant and growing cells.

Help Us, God!

Robert M. Lay,  Cell Church Ministry Brazil

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O Poder da Oração

Por Robert Lay, Ministério Igreja em Células Brasil, www.celulas.com.br

Imagine um carro elétrico parado em frente a uma estação de abastecimento sem os cabos conectados do carregador às baterias. Como resultado as baterias continuariam descarregadas.

Por que o cabo é tão importante? Porque é a solução para trazer a energia da fonte para a bateria do carro. O cabo é o canal cujo qual a energia flui.

Oração é cabo que leva o poder de Deus para nossa bateria carregando-as para que nós estejamos prontos e preparados para funcionar em capacidade total. A fonte de poder, Deus, está sempre pronta com poder total. Ele quer nos dar sua força. Nunca haverá falta de energia. O cabo também sempre garante que haverá transmissão fiel de energia. Por outro lado poderá haver o problema de baterias descarregadas ou um cabo não conectado.

Pastor Eddy Leo menciona em seu livro: “Tocando o Céu, Mudando Vidas,” [tradução livre] três fases ou níveis de oração.

Fase um é a intimidade reacional. Nessa fase não existe intimidade contínua com Deus. É mais ocasional guiada por reações às circunstâncias da vida. Às vezes é o sofrimento que move a buscar a Deus com frases tipo, “Meu Deus, ajuda-me.” Mas não existe comunicação contínua e intencional com a fonte de poder, portanto as baterias basicamente mantêm-se descarregadas com somente descargas de energias ocasionais.

Fase dois é intimidade ativa. Aqui nós comunicamos ativamente com Deus. Nessa fase nós intencionalmente colocamos um tempo dedicado para a comunhão de Deus. Aqui nós temos um tempo e lugar planejados para ter intimidade com nosso pai. Dr. Ralph Neighbour chama-a: “a sala do ouvir.” Se você mantiver essa intimidade ativa você estará pronto para a próxima fase.

Fase três é intimidade automática.  Aqui a intimidade com Deus acontece quase que inconscientemente. Nós aprendemos a desenvolver o hábito da comunicação com o Pai em cada e em toda circunstância. É orar sem cessar. Paulo experienciou essa fase quando escreveu em Gl 2.20 “Fui crucificado com Cristo. Assim, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim.”

Nossos membros da célula deveriam ser ensinados a prática da intimidade automática com Deus. Se esse for o caso, nós teremos células vibrantes e crescentes.

Ajude-nos Deus!

Robert M. Lay

Ministério Igreja em Células Brasil

Spanish blog:

El poder de la oración

Por Robert Lay, Ministerio de la Iglesia Celular Brasil, www.celulas.com.br

Imagina un automóvil eléctrico parqueado frente a una estación de carga sin cable para conectar la fuente de energía a las baterías. Como resultado, las baterías permanecen vacías. ¿Por qué es tan importante el cable? Porque es la solución para llevar la energía de la fuente de a las baterías del automóvil. El cable es el canal a través del cual fluye la energía.

La oración es el cable que lleva el poder de Dios a nuestras baterías, cargándolas para que estemos en forma y listos para funcionar a plena capacidad. La fuente de poder, Dios, siempre está lista con todo el poder. Quiere darnos su fuerza y nunca habrá escasez de poder. El cable también garantiza siempre la transmisión fiel de energía. Por otro lado, podría haber el problema de baterías agotadas o un cable que no está conectado.

El pastor Eddy Leo menciona en su libro: “Tocando el cielo, cambiando vidas”, tres fases o niveles de oración.

La primera fase es la intimidad reaccionaria. En esta fase no hay intimidad continua con Dios. Es más ocasional guiado por reacciones a las circunstancias de la vida. A veces es doloroso buscar a Dios con frases como “Dios mío, ayúdame”. Pero no existe una comunicación continua e intencional con la fuente de energía, por lo tanto, las baterías permanecen principalmente vacías con algunas sobrecargas ocasionales.

La fase dos es la intimidad activa. Aquí nos comunicamos activamente con Dios. En esta fase, apartamos intencionalmente un tiempo de comunión con Dios. Aquí tenemos un tiempo y un lugar planeados para intimar con nuestro padre. El Dr. Ralph Neighbour lo llama: “La sala de escucha”. Si mantienes esta intimidad activa, estarás listo para la siguiente fase.

La tercera fase es la intimidad automática. Aquí la intimidad con Dios ocurre casi inconscientemente. Aprendimos a desarrollar el hábito de comunicación con el Padre en todas y cada una de las circunstancias. Es la oración sin cesar. Pablo experimentó esta fase cuando escribió en Gal. 2,20 “Morí con Cristo en la cruz. Entonces ya no soy yo quien vive, sino que Cristo vive en mí ”.

A los miembros de nuestras células se les debe enseñar a practicar la intimidad automática con Dios. Si este es el caso, tendremos células vibrantes y en crecimiento.

Ayúdanos Dios!

Robert M. Lay

Ministerio de la Iglesia Celular Brasil

The Church in Times of Trouble

By Robert Lay, Cell Church Ministry Brazil, www.celulas.com.br

Throughout history, since Jesus founded his church, there have been  hardships such as persecutions, diseases, pestilences, and so forth. Christ’s church has never given up or been conquered.

The disciples, on one occasion, went through a storm on the sea, and Jesus was at the stern in the boat, sleeping on a cushion (Mark 4:38-41. The disciples were terrified and woke Jesus up asking Him, “Teacher, don’t you care if we drown?” After He rebuked the wind and stilled the waves, he said to his disciples, “Why are you so afraid? Do you still have no faith?” They were terrified and asked each other, “Who is this? Even the wind and the waves obey him!”

In these days of fear of Coronavirus we should not be disturbed and afraid. Jesus is in our boat! Sometimes it feels like He is asleep and doesn’t care. We might intellectually believe that Jesus is in control of every situation, but sometimes fear takes over. The Master wanted his disciples to exercise their faith, so he allowed a storm to come up to see how they would respond. As it turned out they were slow learners, like many of us today.

The Master’s teaching methods are similar today. Only as we exercise our spiritual muscles does our faith grow strong. Let us not be afraid of difficult times. They are good for us and help us increase our faith.

Hardships also bring us back to consider and analyze our priorities. Jesus gave the movement called Church only one order or command, “Make disciples of all nations”. He did not tell us make attractive and fancy programs to lure people into a building to “Worship” God, etc. In this times of coronavirus the Church is underground. No fancy meetings, just indoor family gatherings.

Social media is helping Christ’s church to maintain contact with fellow believers. Also in this time of distress, many new doors are opening to the gospel. People are much more willing to listen when the church offers a clear alternative to fear and panic. Jesus is the one who continues to rebuke the wind and calms the waves. This is the time to win people and make them disciples of Jesus Christ.

Let’s get back to simplicity. Jesus was simple. We have the gift of complication. Let’s use the different channels of social media to offer peace and hope to our unsaved friends. Let’s get back to what really matters. Make Disciples!

Help us God!

Robert

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

A Igreja em tempos difíceis

Por Robert Lay, Cell Church Ministry Brazil, www.celulas.com.br

Ao longo da história, desde que Jesus fundou sua Igreja, houve dificuldades como perseguições, doenças, epidemias e assim por diante. A igreja de Cristo nunca desistiu ou foi derrotada.

Os discípulos, em uma ocasião, passaram por uma tempestade no mar, e Jesus estava na popa do barco, dormindo sobre um travesseiro (Marcos 4: 38-41). Os discípulos ficaram aterrorizados e acordaram Jesus perguntando a Ele: “’Mestre, não te importas que morramos?’ Ele se levantou, repreendeu o vento e disse ao mar: ‘Aquiete-se! Acalme-se!’ O vento se aquietou, e fez-se completa bonança. Então perguntou aos seus discípulos: ‘Por que vocês estão com tanto medo? Ainda não têm fé?’ Eles estavam apavorados e perguntavam uns aos outros: ‘Quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?'”.

Nestes dias de medo do coronavírus, não devemos ficar perturbados nem com medo. Jesus está no nosso barco! Às vezes parece que ele está dormindo e não se importa. Podemos acreditar com nossa mente que Jesus está no controle de todas as situações, mas às vezes o medo toma conta. O Mestre queria que seus discípulos exercessem sua fé, então ele permitiu que uma tempestade se levantasse para ver como eles reagiriam. Como você pôde ver, eles aprendiam devagar, como muitos de nós hoje.

Os métodos de ensino do Mestre são semelhantes hoje. Somente quando exercitamos nossos músculos espirituais nossa fé se fortalece. Não tenhamos medo de tempos difíceis. Eles são bons para nós e nos ajudam a aumentar nossa fé.

As dificuldades também nos trazem de volta a considerar e analisar nossas prioridades.  Jesus deu ao movimento chamado Igreja apenas uma ordem/comando: “Façam discípulos de todas as nações”. Ele não nos disse para criar programas atraentes e sofisticados para atrair as pessoas a um prédio para “adorar” a Deus, etc. Nesse período de coronavírus, a Igreja está no “subsolo”. Não há reuniões sofisticadas, apenas reuniões familiares internas.

As mídias sociais estão ajudando a igreja de Cristo a manter contato com os irmãos. Também neste momento de angústia, muitas portas novas estão se abrindo para o evangelho. As pessoas estão muito mais dispostas a ouvir quando a Igreja oferece uma alternativa clara ao medo e ao pânico. Jesus é quem continua a repreender o vento e acalmar as ondas. Este é o momento de conquistar as pessoas e torná-las discípulas de Jesus Cristo.

Vamos voltar à simplicidade. Jesus era simples. Temos o dom da complicação. Vamos usar os diferentes canais das mídias sociais para oferecer paz e esperança aos nossos amigos não salvos. Vamos voltar ao que realmente importa. Faça discípulos!

Ajude-nos, Deus!

Robert

Spanish blog:

La iglesia en tiempos de problemas

Por Robert Lay, Ministerio de la Iglesia Celular Brasil, www.celulas.com.br

A lo largo de la historia, desde que Jesús fundó su iglesia, han habido dificultades como persecuciones, enfermedades, pestilencias, etc. La iglesia de Cristo nunca se ha rendido o ha sido conquistada.

Los discípulos, en una ocasión, atravesaron una tormenta en el mar, y Jesús estaba en la popa en el bote, durmiendo en un cojín (Marcos 4: 38-41. Los discípulos estaban aterrorizados y despertaron a Jesús preguntándole: “Maestro , ¿no te importa si nos ahogamos? “Después de que reprendió al viento y calmó las olas, les dijo a sus discípulos:” ¿Por qué tienen tanto miedo? ¿Todavía no tienen fe? “Ellos se aterrorizaron y se preguntaron unos a otros: “¿Quién es este? ¡Incluso el viento y las olas lo obedecen!”

En estos días de miedo al coronavirus no debemos ser molestados y asustados. ¡Jesús está en nuestro bote! A veces parece que está dormido y no le importa. Podríamos creer intelectualmente que Jesús tiene el control de cada situación, pero a veces el miedo se toma el control. El Maestro quería que sus discípulos ejercitaran su fe, por lo que permitió que se desatara una tormenta para ver cómo responderían. Al final resultó que eran estudiantes lentos, como muchos de nosotros hoy.

Los métodos de enseñanza del Maestro son similares hoy. Solo cuando ejercitamos nuestros músculos espirituales nuestra fe se fortalece. No tengamos miedo a los tiempos difíciles. Son buenos para nosotros y nos ayudan a aumentar nuestra fe.

Las dificultades también nos hacen volver a considerar y analizar nuestras prioridades. Jesús le dio al movimiento llamado Iglesia una sola orden o mandamiento: “Hacer discípulos a todas las naciones”. No nos dijo que hiciéramos programas atractivos y elegantes para atraer a la gente a un edificio para “adorar” a Dios, etc. En estos tiempos de coronavirus, la Iglesia está bajo tierra. No hay reuniones elegantes, solo reuniones familiares en interiores.

Las redes sociales están ayudando a la iglesia de Cristo a mantener contacto con otros creyentes. También en este momento de angustia, se están abriendo muchas puertas nuevas al evangelio. La gente está mucho más dispuesta a escuchar cuando la iglesia ofrece una alternativa clara al miedo y al pánico. Jesús es el que continúa reprendiendo al viento y calma las olas. Este es el momento de ganar personas y hacerles discípulos de Jesucristo.

Volvamos a la simplicidad. Jesús fue simple. Nosotros tenemos el don de la complicación. Usemos los diferentes canales de las redes sociales para ofrecer paz y esperanza a nuestros amigos no salvos. Volvamos a lo que realmente importa. ¡Hacer discípulos!

Ayúdanos Dios!

Robert

Sumate a la Obra Misionera a Pueblos No Alcanzados