Make Followers of Jesus

By Pastor Ryan Faust

In my last blog, I mentioned that Jesus used words in the Great Commission to point His disciples to the ways He had worked to disciple them.  In particular the word used for “make disciples” (manthano), points us back to a few other words used in the Gospels and Acts, which convey the idea of “…attachment to someone in discipleship.” (New International Dictionary of New Testament Theology, Vol. 1, p. 486). This is the historical backdrop of the Gospels, the culture within which Jesus and His disciples were raised and this gives us a better understanding of what Jesus meant in His command to make disciples.

A synonym of manthano is akoloutheo, which was used by a rabbi to call a disciple “to follow” in a master-pupil relationship. The word was not used metaphorically and had a “semi-literal sense of ‘going behind’” (NIDNTT, Vol. 1, p. 482).  It is also synonymous with “come after me” (opiso mou) and is the simplest call to discipleship in Matthew 4:19 and Mark 1:17.21 and describes people who who wandered “…about with him.” (NIDNTT, p. 488).  Disciples were expected to give up their old life and take up their new calling, which was not worth it to some (e.g., the rich young man, cf. Mark 10:21-22). But Jesus didn’t run after those who rejected His call only to compromise.  He took His disciples and went on to new listeners receptive to His ministry and message.  

Jesus was not the head of a synagogue, and we have no record of His training, hence Jesus’ authority was questioned (Matthew 21:23).  But His method and message roused the attention of thousands, and because the earliest disciples followed suit (Acts 2:42-47), millions and millions have come to know Christ including you and me.  And we can do the same with His help as a small band (or small group) seeking to emulate what He began.

GODSPEED

Ryan

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Faça Seguidores de Jesus

Pastor Ryan Faust

No meu último blog, mencionei que Jesus usou palavras na Grande Comissão para apontar Seus discípulos para as maneiras com as quais Ele havia trabalhado para discipulá-los. Em particular, a palavra usada para “fazer discípulos” (manthano), nos remete a algumas outras palavras usadas nos Evangelhos e Atos, que transmitem a ideia de “… apego a alguém em discipulado”. (New International Dictionary of New Testament Theology, Vol. 1, p. 486). Este é o pano de fundo histórico dos Evangelhos, a cultura na qual Jesus e Seus discípulos foram criados e isso nos dá uma melhor compreensão do que Jesus quis dizer em Seu mandamento de fazer discípulos.


Um sinônimo de manthano é akoloutheo, que foi usado por um rabino para chamar um discípulo a “seguir” em um relacionamento entre mestre e aluno. A palavra não foi usada metaforicamente e tinha um “senso semi-literal de ir atrás” (NIDNTT, vol. 1, p. 482). Também é sinônimo de “venha atrás de mim” (opiso mou) e é o chamado mais simples ao discipulado em Mateus 4:19 e Marcos 1: 17:21 e descreve as pessoas que caminhavam “… com ele” (NIDNTT, p. 488). Era esperado que os discípulos abandonassem sua antiga vida e assumissem seu novo chamado, o que não valia a pena para alguns (por exemplo, o jovem rico de Marcos 10:21-22). Mas Jesus não correu atrás daqueles que rejeitaram Seu chamado apenas para se comprometer. Ele levou Seus discípulos e foi a novos ouvintes receptivos ao Seu ministério e mensagem.

Jesus não era o chefe de uma sinagoga e não temos o registro de Seu treinamento; portanto, a autoridade de Jesus foi questionada (Mateus 21:23). Mas Seu método e mensagem foram o foco da atenção de milhares e, como os primeiros discípulos seguiram o exemplo (Atos 2:42-47), milhões e milhões de pessoas passaram a conhecer a Cristo, incluindo você e eu. E podemos fazer o mesmo com Sua ajuda em um pequeno grupo (ou célula) procurando reproduzir o que Ele começou.

Fiquem com Deus!

Ryan

Spanish blog:

Hacer seguidores de Jesús

Por el pastor Ryan Faust

En mi último blog, mencioné que Jesús usó palabras en la Gran Comisión para señalar a sus discípulos las formas en que había trabajado para discipularlos. En particular, la palabra usada para “hacer discípulos” (manthano), nos remite a algunas otras palabras usadas en los Evangelios y en Hechos, que transmiten la idea de “… apego a alguien en el discipulado”. (Nuevo Diccionario Internacional de New Testament Theology, Vol. 1, p. 486). Este es el trasfondo histórico de los Evangelios, la cultura dentro de la cual Jesús y sus discípulos fueron criados y esto nos da una mejor comprensión de lo que Jesús quiso decir en su mandato de hacer discípulos.

Un sinónimo de manthano es akoloutheo, que fue utilizado por un rabino para llamar a un discípulo “a seguirle” en una relación maestro-alumno. La palabra no se usó metafóricamente y tenía un “sentido semi-literal de” ir detrás “” (NIDNTT, Vol. 1, p. 482). También es sinónimo de “ven tras de mí” (opiso mou) y es el llamado más simple al discipulado en Mateo 4:19 y Marcos 1: 17.21 y describe a las personas que deambulaban “… con él” (NIDNTT, p 488). Se esperaba que los discípulos abandonaran su antigua vida y retomaran su nuevo llamado, lo que no valía la pena para algunos (por ejemplo, el joven rico, cf. Marcos 10: 21-22). Pero Jesús no corrió tras aquellos que rechazaron Su llamado. Tomó a sus discípulos y llegó a nuevos oyentes receptivos a su ministerio y mensaje.

Jesús no era el líder de una sinagoga, y no tenemos constancia de su entrenamiento, por lo tanto, la autoridad de Jesús fue cuestionada (Mateo 21:23). Pero su método y mensaje despertaron la atención de miles, y debido a que los primeros discípulos hicieron lo mismo (Hechos 2: 42-47), millones y millones han llegado a conocer a Cristo, incluidos tu y yo. Y podemos hacer lo mismo con su ayuda, como una pequeña banda (o grupo pequeño) que busca emular lo que Él inició.

BUENA SUERTE

Ryan

As You Go

By Pastor Ryan Faust

Wayne Grudem said the Great Commission is, “The final commands of Jesus to the disciples…” (Systematic Theology, p. 1243).  After the events of the Passion Week, Jesus appeared to many of His disciples as evidence He was raised from the dead.  He also appeared to give His final instructions concerning evangelism and discipleship.  An example of this is Matthew 28:18-20 (I encourage you to look it up).  

This is the climax and conclusion of Matthew, Jesus is passing the torch to his disciples and He uses certain words to indicate He intended for them to use the same method He has used to disciple them.  Specifically, the word “go” should actually be translated “going” or “as you go” make disciples.  The command is not “go” but rather “make disciples.”  And so the emphasis is similar to Deuteronomy 6:6-7, as you walk along the road or sit at home or rise up, go, or as your are doing these things (as you are going), as you go about your daily lives make disciples.  

In my next blog I will explain how Jesus did this, but for now think of it this way: you don’t need to go overseas to make disciples.  Potential disciples are at your work place, in your schools, at the laundromat, on your sports teams, at the clubs you belong to, on committees or councils your serve, they are your neighbors, they are at your church, and they are in your home.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Enquanto Você Vai

Pastor Ryan Faust

Wayne Grudem disse que a Grande Comissão é: “Os mandamentos finais de Jesus aos discípulos…” ( Systematic Theology/ “Teologia Sistemática”, p. 1243). Após os eventos da Semana da Paixão, Jesus apareceu a muitos de seus discípulos como evidência de que ele havia ressuscitado dos mortos. Ele também apareceu para dar Suas instruções finais sobre evangelismo e discipulado. Um exemplo disso é Mateus 28:18-20 (encorajo você a dar uma olhada).

Este é o clímax e a conclusão do evangelho de Mateus, Jesus está passando a tocha para seus discípulos e Ele usa certas palavras para indicar que pretendia que eles usassem o mesmo método que ele usou para discipulá-los. Especificamente, a palavra “ir” deve ser traduzida como “indo” ou “enquanto você vai” fazer discípulos. O comando não é “ir”, mas sim “fazer discípulos”. E, portanto, a ênfase é semelhante a Deuteronômio 6:6-7: enquanto você caminha pela estrada, ou se senta em casa ou se levanta, vá! Ou enquanto faz essas coisas (enquanto você está indo), ao longo de sua vida diária, faça discípulos.

No meu próximo blog, explicarei como Jesus fez isso, mas, por enquanto, pense assim: você não precisa atravessar o oceano para fazer discípulos. Os discípulos em potencial estão no seu local de trabalho, nas suas escolas, nos seus colegas de esporte, nos clubes aos quais você pertence, nos comitês ou conselhos em que você serve. Eles são seus vizinhos, estão na sua igreja e estão na sua casa.

Spanish blog:

A medida que avanzas

Por el pastor Ryan Faust

Wayne Grudem dijo que la Gran Comisión es: “Los mandamientos finales de Jesús a los discípulos …” (Teología sistemática, p. 1243). Después de los eventos de la Semana de la Pasión, Jesús se apareció a muchos de sus discípulos como evidencia de que resucitó de entre los muertos. También pareció dar sus instrucciones finales sobre evangelismo y discipulado. Un ejemplo de esto es Mateo 28: 18-20 (te animo a que lo busques).

Este es el punto culminante y la conclusión de Mateo, Jesús está pasando la antorcha a sus discípulos y usa ciertas palabras para indicar que pretendía que usaran el mismo método que usó para discipularlos. Específicamente, la palabra “ir” en realidad debería traducirse “yendo” o “a medida que avanzas” haz discípulos. La orden no es “ir”, sino “hacer discípulos”. Por lo tanto, el énfasis es similar a Deuteronomio 6: 6-7, mientras transitas por el camino te sientas en casa o te levantas, te vas o mientras haces esto. cosas (a medida que avanzas), a medida que avanza en tu vida diaria, haz discípulos.

En mi próximo blog explicaré cómo Jesús hizo esto, pero por ahora piensa de esta manera: no necesitas ir al extranjero para hacer discípulos. Los posibles discípulos están en tu lugar de trabajo, en tus escuelas, en la lavandería, en tus equipos deportivos, en los clubes a los que perteneces, en los comités o consejos a los que sirves, son tus vecinos, están en tu iglesia y están en tu hogar.

Cell-Driven Ministry: Leadership Development is Key, part 2

By Pastor Ryan Faust, Ryan and his wife Katy live in Seattle with their 4 children.  They shepherd Grace Church Seattle, a church that has been around for 60 plus years.  Pastor Ryan began the transition of this church in 2013.  This transition is chronicled in his book Recontextualizing Church: From Attractional Events and Program-Driven to Missional Community and Cell-Driven (available on Amazon).

The idea of a cell-driven church is for a pastor and leaders to equip the saints to do the ministry (Eph.4:11-17).  This works best within a cell-driven church.  And development of cell leaders (beginning with the pastors and elders) is absolutely essential to the success of a cell-driven church.  And leadership development is slow (at least at the beginning), but can yield tremendous fruit.

There are five essential elements to leader development.  The first is prayer with your leaders.  The second is preaching the vision of cell ministry from the pulpit.  The third is equipping through teaching about cell ministry in a classroom setting.  The fourth is modeling and mentoring in how to do cell ministry.  This takes place in the context of everyday life and by leading a cell group with an apprentice (learner, disciple, mentee).  This requires a regular and ongoing discipleship relationship to shepherd the soul of the future cell leader and by allowing the person to risk, to fail, to learn, and by celebrating with this individual the success of their efforts to shepherd people through the cell structure.  The fifth and final element that is essential in leader development is coaching, which (like modeling and mentoring) involves ongoing shepherding of leaders of cells.

The above takes time.  At the beginning, expect to take on 8-12 people who have influence as elders, pastors, and leaders in your church.  Meet with them weekly for 12-18 months modeling cell ministry.  Meanwhile pray with this group, preach and teach about cell ministry from the pulpit and small group interactions, and meet with individuals from the group to answer their questions and shepherd their souls.  Give early adopters from the group a chance to lead and plant the idea that they can lead their own group within the next year.  Help them learn what they do well and how they could improve.  You should be able to discern who could lead their own group within the first six months and then take the next 6-12 months to prepare them to launch their own group.  If done well, this group of 8-12 people should multiple to 3 or four groups after the first year to 18 months.  As you continue to coach these leaders, they should be able to multiple in a similar way within the next year or two.  After five years of this kind of leader development, you should have been able to develop two or three co-coaches and upwards of 15 groups.  The future multiplication of these groups depends on the quality of coaching and the modeling / mentoring of apprentices by their leaders.  And if done well the church will create an apologetic of community, which will impact and influence the onlooking culture in a way that makes Christianity plausible.

We live in a skeptical culture and as Steve Timmis and Tim Chester said, “Modern Christianity has developed a rational apologetic… But the problem is not an intellectual problem. The problem is hearts that refuse to live under God’s reign.  We reject God.  It is a relational problem.  And if it is a relational problem, it requires a relational apologetic.  What will commend the gospel are lives lived in obedience to the gospel and a community life that reflects God’s triune community of love… And they see that it is good to know God as they see the love of the Christian community.  As Francis Schaeffer said, ‘Our relationship with each other is the criterion the world uses to judge whether our message is truthful. Christian community is the ultimate apologetic.’” (Total Church, pp. 175-176).

aders in your church.  Meet with them weekly for 12-18 months modeling cell ministry.  Meanwhile pray with this group, preach and teach about cell ministry from the pulpit and small group interactions, and meet with individuals from the group to answer their questions and shepherd their souls.  Give early adopters from the group a chance to lead and plant the idea that they can lead their own group within the next year.  Help them learn what they do well and how they could improve.  You should be able to discern who could lead their own group within the first six months and then take the next 6-12 months to prepare them to launch their own group.  If done well, this group of 8-12 people should multiple to 3 or four groups after the first year to 18 months.  As you continue to coach these leaders, they should be able to multiple in a similar way within the next year or two.  After five years of this kind of leader development, you should have been able to develop two or three co-coaches and upwards of 15 groups.  The future multiplication of these groups depends on the quality of coaching and the modeling / mentoring of apprentices by their leaders.  And if done well the church will create an apologetic of community, which will impact and influence the onlooking culture in a way that makes Christianity plausible.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Ministério Guiado pelas células: o desenvolvimento da liderança é fundamental, parte 2

Por pastor Ryan Faust. Ryan e sua esposa Katy moram em Seattle com seus 4 filhos. Eles pastoreiam a Grace Church Seattle, uma igreja que existe há mais de 60 anos. O Pastor Ryan iniciou a transição desta igreja em 2013. Esta transição é narrada em seu livro Recontextualizing Church: From Attractional Events and Program-Driven to Missional Community and Cell-Driven (“Recontextualizando a Igreja: De Eventos Atrativos e Guiadas por Programas a Comunidades Missionárias e Guiadas por Células”, em tradução livre) disponível na Amazon.

A ideia de uma igreja dirigida por células é para que o pastor e líderes equipem os santos para o ministério (Efésios 4:11-17). Isso funciona melhor dentro de uma igreja movida a células. O desenvolvimento de líderes de células (começando pelos pastores e anciãos) é absolutamente essencial para o sucesso de uma igreja movida a células. E o desenvolvimento da liderança é lento (pelo menos no começo), mas pode render frutos tremendos.

Existem cinco elementos essenciais para o desenvolvimento de líderes. O primeiro é a oração com seus líderes. O segundo é pregar e compartilhar a visão do ministério celular de púlpito. O terceiro é equipar através do ensino sobre o ministério celular em um ambiente de sala de aula. O quarto ponto é a modelagem e orientação em como fazer o ministério celular. Isso ocorre no contexto da vida cotidiana e ao liderar uma célula com um aprendiz (líder em treinamento, discípulo, aprendiz). Isso requer um relacionamento de discipulado regular e contínuo para guiar a alma do futuro líder de célula e permitir que a pessoa arrisque, falhe, aprenda e celebrar com essa pessoa o sucesso de seus esforços para pastorear os membros através da estrutura celular. O quinto e último elemento essencial no desenvolvimento de líderes é o coaching (treinamento), que envolve o pastoreio contínuo de líderes de células.

Essas coisas citadas acima levam tempo. No início, espere levar de 8 a 12 pessoas que tenham influência como anciãos, pastores e líderes em sua igreja. Reúna-se com eles semanalmente por 12 a 18 meses, modelando o ministério das células. Enquanto isso, ore com esse grupo, pregue e ensine sobre o ministério de célula a partir do púlpito e das interações de pequenos grupos, e reúna-se com as pessoas do grupo para responder às suas perguntas e pastorear suas almas. Dê aos primeiros adeptos do grupo a chance de liderar e plantar a ideia de que eles podem liderar seu próprio grupo no próximo ano. Ajude-os a aprender o que fazem bem e como podem melhorar. Você deve ser capaz de discernir quem pode liderar um grupo nos primeiros seis meses e, em seguida, levar os próximos 6 a 12 meses para prepará-los para abrir seu próprio grupo. Se isso for bem feito, esse grupo de 8-12 pessoas deve se multiplicar para 3 ou 4 grupos após o primeiro ano a 18 meses. À medida que você continua a orientar esses líderes, eles devem ser capazes de se multiplicar de maneira semelhante nos próximos dois anos. Após cinco anos desse tipo de desenvolvimento de líderes, você deve ter sido capaz de desenvolver dois ou três co-treinadores e mais de 15 grupos. A multiplicação futura desses grupos depende da qualidade do treinamento e da modelagem/mentoria dos aprendizes pelos seus líderes. E, se esse processo for bem feito, a igreja criará uma apologética de comunidade que terá impacto e influenciará a cultura em perspectiva de um modo que torne o Cristianismo plausível.

Vivemos em uma cultura cética e, como Steve Timmis e Tim Chester disseram, “o cristianismo moderno desenvolveu uma apologética racional… Mas o problema não é um problema intelectual. O problema são corações que se recusam a viver sob o reinado de Deus. Nós rejeitamos a Deus. É um problema relacional. E se é um problema relacional, requer uma apologética relacional. O que vai reforçar o evangelho são vidas vividas em obediência ao evangelho e uma vida comunitária que reflete a comunidade trina de amor de Deus… E eles vêem que é bom conhecer a Deus ao ver o amor da comunidade cristã. Como disse Francis Schaeffer: ‘Nosso relacionamento um com o outro é o critério que o mundo usa para julgar se nossa mensagem é verdadeira. A comunidade cristã é a apologética final’” (Total Church, páginas 175-176).

Spanish blog:

Ministerio impulsado por células: el desarrollo del liderazgo es clave, parte 2

Por el pastor Ryan Faust, Ryan y su esposa Katy viven en Seattle con sus 4 hijos. Ellos pastorean Grace Church Seattle, una iglesia que ha existido por más de 60 años. El Pastor Ryan comenzó la transición de esta iglesia en 2013. Esta transición se relata en su libro Recontextualizing Church: From Attractional Events and Program-Driven to Missional Community and Cell-Diven (disponible desde el programa de eventos atraídos por el programa a la comunidad misional y impulsado por la célula (disponible en Amazon).

La idea de una iglesia impulsada por células es que un pastor y líderes equipen a los santos para que hagan el ministerio (Ef.4: 11-17). Esto funciona mejor dentro de una iglesia impulsada por células. Y el desarrollo de líderes celulares (comenzando con los pastores y ancianos) es absolutamente esencial para el éxito de una iglesia impulsada por células. Y el desarrollo del liderazgo es lento (al menos al principio), pero puede dar tremendos frutos.

Hay cinco elementos esenciales para el desarrollo del líder. La primera es la oración con tus líderes. El segundo es predicar la visión del ministerio celular desde el púlpito. El tercero es equipar a través de la enseñanza sobre el ministerio celular en un aula. El cuarto es modelar y guiar en cómo hacer el ministerio celular. Esto se lleva a cabo en el contexto de la vida cotidiana y liderando un grupo celular con un aprendiz (aprendiz, discípulo). Esto requiere una relación de discipulado regular y continua para pastorear el alma del futuro líder celular y al permitir que la persona se arriesgue, fracase, aprenda y celebre con este individuo el éxito de sus esfuerzos para pastorear a las personas a través de la estructura celular. El quinto y último elemento que es esencial en el desarrollo del líder es el coaching, que (como el modelado y la mentoría) implica el pastoreo continuo de los líderes de las células.

Lo anterior lleva tiempo. Al principio, espere enfrentarse a 8-12 personas que tengan influencia como ancianos, pastores y líderes en su iglesia. Reunete con ellos semanalmente durante 12-18 meses modelando el ministerio celular. Mientras tanto, ora con este grupo, predica y enseña sobre el ministerio celular desde el púlpito acerca de las interacciones en grupos pequeños, y reunete con personas del grupo para responder sus preguntas y pastorear sus almas. Ofrece a los primeros adoptantes del grupo la oportunidad de liderar y plantar la idea de que pueden liderar su propio grupo el próximo año. Ayúdales a aprender qué hacen bien y cómo podrían mejorar. Debería poder discernir quién podría liderar su propio grupo dentro de los primeros seis meses y luego tomar los próximos 6-12 meses para prepararlos para lanzar su propio grupo. Si se hace bien, este grupo de 8 a 12 personas debe ser múltiple a 3 o cuatro grupos después del primer año a los 18 meses. A medida que continúes entrenando a estos líderes, deberían poder multiplicarse de manera similar en el próximo año o dos. Después de cinco años de este tipo de desarrollo de líderes, debería haber podido desarrollar dos o tres co-entrenadores y más de 15 grupos. La futura multiplicación de estos grupos depende de la calidad del entrenamiento y del modelado / tutoría de los aprendices por parte de sus líderes. Y si se hace bien, la iglesia creará una apologética de la comunidad, que impactará e influirá en la cultura que mira de una manera que hace que el cristianismo sea plausible.

Vivimos en una cultura escéptica y, como Steve Timmis y Tim Chester dijeron, “el cristianismo moderno ha desarrollado una apologética racional … Pero el problema no es un problema intelectual. El problema son los corazones que se niegan a vivir bajo el reino de Dios. Nosotros rechazamos a Dios. Es un problema relacional. Y si es un problema relacional, se requiere una apologética relacional. Lo que encomendará el evangelio son las vidas que se viven en obediencia al evangelio y una vida comunitaria que refleja la comunidad de amor trinitaria de Dios … Y ven que es bueno conocer a Dios al ver el amor de la comunidad cristiana. Como dijo Francis Schaeffer, “Nuestra relación entre nosotros es el criterio que el mundo usa para juzgar si nuestro mensaje es verdadero. La comunidad cristiana es la máxima apologética “(Total Church, pp. 175-176).

The Cell Driven Church, part 1

By Pastor Ryan Faust, Ryan and his wife Katy live in Seattle with their 4 children.  They shepherd Grace Church Seattle, a church that has been around for 60 plus years.  Pastor Ryan began the transition of this church in 2013.  This transition is chronicled in his book Recontextualizing Church: From Attractional Events and Program-Driven to Missional Community and Cell-Driven (available on Amazon).

Concerning the question if it is possible for a church to have a hybrid of cells and programs, the answer is in the definition “cell-driven” vs “program-driven.”  A program-driven church can have cells as one of their many programs, but then cell ministry is not the shepherding focus of that church.  A cell-driven ministry, on the other hand, emphasizes cell groups as the primary ministry outside the Sunday worship celebration and all leaders are to be involved in cell groups with the goal of growing the church through leader development in order to equip the saints to do the work of the ministry as we see in Ephesians 4 (emphasis in Part-B tomorrow).

Many experts agree that multiple ministry program options in a church create organizational competition, which zaps people’s energy and can doom attempts to transition to the cell model.  For example, Lawrence Khong states, “You cannot successfully overlay a cell structure on top of an existing structure that includes the usual Sunday school classes, youth and adult fellowships, men’s and women’s ministries, and so on. To make a transition, some churches may need to run two structures for a while, but if you do not dismantle something soon, the drain on your leadership team will doom your efforts to failure.” (Khong, The Apostolic Cell Church, p. 190).  The problem in such an environment is alignment.  When a leadership team is working out of multiple playbooks, the different players on the team don’t know the game plan and how the plays fit the overall big picture.  Individual players might do well, but with a smorgasbord of options for ministry, literal families can be fractured as they drift apart while trying to do good in the name of the Lord.

But cell-driven ministry brings families together on mission with a common goal and with a strategy, which brings people in local neighborhoods together.  Thus, in this environment, spiritual gifts can be exercised in everyday ways through everyday relationships that are mutually beneficial.  And thus a group of people becomes a family of serving missionaries, which saturate a neighborhood in the name of Jesus.

This is the vision of the tradition.  But at what point should a pastor and leadership team bring about a full transition? In my experience, 5-7 years (give or take depending on the congregation’s response).  And the key to this transition is to get key leaders on board from the beginning and train them in cell-ministry, it’s importance, and why this is necessary to reach our culture in the 21st century.  More on this tomorrow.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Este é um blog Português. Assim que a tradução normal for recebida, ela será postada no site da JCG.

The Cell Driven Church, parte 1

Pelo pastor Ryan Faust, Ryan e sua esposa Katy moram em Seattle com seus 4 filhos. Eles pastoreiam a Grace Church Seattle, uma igreja que existe há mais de 60 anos. O Pastor Ryan iniciou a transição desta igreja em 2013. Esta transição é narrada em seu livro Recontextualizing Church: From Attractionalations and Program-Driven to Missional Community and Cell-Driven (disponível na Amazon).

Quanto à questão de se é possível para uma igreja ter um híbrido de células e programas, a resposta está na definição “orientada por células” versus “orientada a programas”. Uma igreja guiada por programas pode ter células como uma de suas muitas programas, mas o ministério celular não é o foco de pastoreamento daquela igreja. Um ministério movido a células, por outro lado, enfatiza grupos celulares como o principal ministério fora da celebração do culto dominical e todos os líderes devem estar envolvidos em grupos de células com o objetivo de cultivar a igreja através do desenvolvimento de líderes para equipar os santos. faça o trabalho do ministério como vemos em Efésios 4 (ênfase na Parte B de amanhã).

Muitos especialistas concordam que várias opções de programas de ministério em uma igreja criam competição organizacional, o que elimina a energia das pessoas e pode condenar as tentativas de transição para o modelo celular. Por exemplo, Lawrence Khong afirma: “Você não pode sobrepor com sucesso uma estrutura de célula sobre uma estrutura existente que inclua as classes usuais da escola dominical, bolsas de estudo para jovens e adultos, ministérios de homens e mulheres e assim por diante. Para fazer uma transição, algumas igrejas podem precisar executar duas estruturas por um tempo, mas se você não desmantelar algo em breve, a perda de sua equipe de liderança fará com que seus esforços fracassem. ”(Khong, The Apostolic Cell Church, p. 190). O problema em tal ambiente é o alinhamento. Quando uma equipe de liderança está trabalhando em vários playbooks, os diferentes jogadores da equipe não conhecem o plano de jogo e como os jogos se encaixam no cenário geral geral. Os jogadores individuais podem fazer bem, mas com uma miscelânea de opções para o ministério, as famílias literais podem ser fraturadas à medida que se afastam enquanto tentam fazer o bem em nome do Senhor.

Mas o ministério movido a células une as famílias em missão com um objetivo comum e com uma estratégia, que une as pessoas nas vizinhanças locais. Assim, nesse ambiente, os dons espirituais podem ser exercidos de maneiras cotidianas por meio de relacionamentos cotidianos que são mutuamente benéficos. E assim um grupo de pessoas se torna uma família de missionários que saturam uma vizinhança em nome de Jesus.

Essa é a visão da tradição. Mas em que ponto um pastor e uma equipe de liderança devem realizar uma transição completa? Na minha experiência, 5-7 anos (mais ou menos dependendo da resposta da congregação). E a chave para essa transição é ter líderes-chave a bordo desde o início e treiná-los no ministério das células, é importante e por que isso é necessário para alcançar nossa cultura no século XXI. Mais sobre isso amanhã.

Spanish blog:

La iglesia impulsada por células, parte 1

Por el pastor Ryan Faust, Ryan y su esposa Katy viven en Seattle con sus 4 hijos. Ellos pastorean Grace Church Seattle, una iglesia que ha existido por más de 60 años. El Pastor Ryan comenzó la transición de esta iglesia en 2013. Esta transición se relata en su libro Recontextualizing Church: From Attractional Events and Program-Driven to Missional Community and Cell-Diven (disponible desde el programa de eventos atraídos por el programa a la comunidad misional y impulsado por la célula (disponible en Amazon).

Con respecto a la pregunta de si es posible que una iglesia tenga un híbrido de células y programas, la respuesta está en la definición de “impulsado por células” frente a “impulsado por programas”. Una iglesia impulsada por programas puede tener las células como uno de sus muchos programas, pero entonces el ministerio celular no es el enfoque de pastoreo de esa iglesia. Un ministerio impulsado por células, por otro lado, enfatiza los grupos celulares como el ministerio principal fuera de la celebración de la adoración del domingo y todos los líderes deben participar en grupos celulares, con el objetivo de hacer crecer a la iglesia a través del desarrollo de líderes para equipar a los santos y así hagan el trabajo del ministerio como vemos en Efesios 4 (énfasis en la Parte B mañana).

Muchos expertos están de acuerdo en que las múltiples opciones de programas ministeriales en una iglesia crean una competencia organizativa, que destruye la energía de las personas y puede condenar los intentos de transición al modelo celular. Por ejemplo, Lawrence Khong afirma: “No se puede superponer con éxito una estructura celular sobre una estructura existente que incluya las clases habituales de escuela dominical, becas para jóvenes y adultos, ministerios para hombres y mujeres, etc. Para hacer una transición, es posible que algunas iglesias necesiten ejecutar dos estructuras por un tiempo, pero si no desmantela algo pronto, el drenaje de su equipo de liderazgo condenará sus esfuerzos al fracaso “. (Khong, The Apostolic Cell Church, pág. 190). El problema en tal entorno es la alineación. Cuando un equipo de liderazgo está trabajando con varios libros de jugadas, los diferentes jugadores del equipo no conocen el plan de juego y cómo las jugadas se ajustan al panorama general. Los jugadores individuales pueden hacerlo bien, pero con una amplia variedad de opciones para el ministerio, las familias literales pueden fracturarse a medida que se alejan mientras tratan de hacer el bien en el nombre del Señor.

Pero el ministerio impulsado por células reúne a las familias en una misión con un objetivo común y con una estrategia que une a las personas de los vecindarios locales. Por lo tanto, en este entorno, los dones espirituales se pueden ejercer de manera cotidiana a través de relaciones cotidianas que son mutuamente beneficiosas. Y así, un grupo de personas se convierte en una familia de misioneros en servicio, que saturan un vecindario en el nombre de Jesús.

Esta es la visión de la tradición. Pero, ¿en qué momento debe un pastor y un equipo de liderazgo lograr una transición completa? En mi experiencia, 5-7 años (más o menos dependiendo de la respuesta de la congregación). Y la clave de esta transición es contar con líderes clave a bordo desde el principio y capacitarlos en el ministerio celular, su importancia y la razón por la que esto es necesario para alcanzar nuestra cultura en el siglo XXI. Más sobre esto mañana.

Following the Spirit in Cell Ministry, Part-2

By Ryan Faust, for eight years now, Ryan Faust has been pastoring Grace Church Seattle through a transition from the attractional events and program-driven model to a missional and cell-driven model.  He is married to his lovely wife Katy; they have four children.  Pastor Ryan is the author of Recontextualizing Church, a thesis project for his Gordon-Conwell doctoral dissertation.”

The day I preached 1 Corinthians 12:1-11 our church was inspired to learn to be Spirit-filled and live life out of the strength God supplies instead of out of our own. Really, this is the difference between religion and the Gospel.

Often Christians accept the Gospel (the grace of God as a free gift by faith) and feel the weight of the world lifted off their shoulders as they are forgiven (Ephesians 2:8-9). In this moment we are born again and the Spirit testifies internally as we are made a new creation in Christ (2 Corinthians 5:17). In this moment we feel full, but as time passes the feeling fades; and then when we sin we experience the grieving of the Spirit (Ephesians 4:30). We may not understand what is happening, all we know is we feel distant from God and we begin to doubt our faith and make pledges to solve the problem by trying harder. But all we have done in this moment is forget the Gospel to move on to religion. This is not what Christ intended.

One reason God gives you the Spirit when you accept Jesus as Lord and Savior is to cause you to be born again. You can’t cause yourself to be born again; God does the active work through the Spirit. All you do is passively receive the gift the Lord supplies by faith. Your active role in salvation is confession and faith (Romans 10:9-10). The Spirit’s role is to change you from within. The second reason God gives the Spirit is to continually sanctify you, hence the need to continually tap into the bubbling spring from the Spirit, which God supplied at your conversion (1 Corinthians 12:13; John 4:7-26). Do you realize because of your salvation the Spirit is in you and you never need be spiritually thirsty again? All you need is to ask to be Spirit-filled. But if you do not ask, you will do Christianity in your strength, which is Pharisaic religion.

A few weeks ago I preached the above, and then came home to bickering children. I was poured out after preaching and in my strength I was ready to yell at my youngest. Instead, I went into the closet and practiced what I had just preached; I prayed to be filled with the Spirit to display the fruits of the Spirit to engage my youngest. The Lord worked powerfully that day.

The next day at our cell meeting we walked through Repent, Learn, Ask, Practice (see yesterday’s blog). We included the children, and each person listened intently as we talked through the lesson. When we repented, I led the way. Surprisingly each of my children (starting with the youngest) repented and prayed to be Spirit-filled in how they interact as family members and with friends. It was amazing as we saw the fruit of the Spirit on full display.

May you be filled with the Spirit, may you walk by the power God supplies, in Jesus’ name. Amen.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Seguindo o Espírito no Ministério de Células, Parte 2

Por Ryan Faust. “Há cerca de oito anos, Ryan Faust tem pastoreado a Grace Church Seattle (Igreja da Graça de Seattle, em tradução livre) através de uma transição dos eventos apelativos e do modelo orientado por programas para um modelo missionário e dirigido por células. Ele é casado com sua encantadora esposa Katy; eles têm quatro filhos. O Pastor Ryan é o autor do Recontextualizing Church (Recontextualizando a Igreja, em tradução livre), um projeto de tese para sua dissertação de doutorado Gordon-Conwell”.

No dia em que eu preguei 1 Coríntios 12:1-11, nossa igreja foi inspirada a aprender a ser cheia do Espírito e viver a vida a partir da força que Deus fornece, em vez da nossa própria. Realmente, essa é a diferença entre a religião e o Evangelho.

Frequentemente, os cristãos aceitam o Evangelho (a graça de Deus como um dom gratuito pela fé) e sentem o peso do mundo tirado de seus ombros conforme eles são perdoados (Efésios 2: 8-9). Neste momento, nascemos de novo e o Espírito testifica internamente enquanto nos tornamos uma nova criação em Cristo (2 Coríntios 5:17). Neste momento nos sentimos cheios, mas com o passar do tempo, o sentimento se apaga; e então, quando pecamos, experimentamos o sofrimento do Espírito (Efésios 4:30). Podemos não entender o que está acontecendo; tudo o que sabemos é que nos sentimos distantes de Deus e começamos a duvidar da nossa fé e a fazer promessas para resolver o problema, tentando mais. Mas tudo o que fizemos neste momento foi esquecer o Evangelho para se mover para a religião. Isso não é o que Cristo pretendia.

Uma razão pela qual Deus lhe dá o Espírito quando você aceita Jesus como Senhor e Salvador é fazer você nascer de novo. Você não pode se fazer nascer de novo; Deus faz o trabalho ativo através do Espírito. Tudo o que você faz é receber passivamente o presente que o Senhor fornece pela fé. Seu papel ativo na salvação é a confissão e a fé (Romanos 10: 9-10). O papel do Espírito é mudar você de dentro. A segunda razão pela qual Deus dá o Espírito é a de te santificar continuamente, por isso a necessidade de entrar de maneira contínua na temporada de expectativa do Espírito, que Deus forneceu em sua conversão (1 Coríntios 12:13, João 4: 7-26). Você percebe que, por causa da sua salvação, o Espírito está em você e você nunca precisa estar sedento espiritualmente novamente? Tudo o que você precisa é pedir para ser cheio do Espírito. Mas se você não pedir, você fará o cristianismo em sua força, que é a religião farisaica.

Algumas semanas atrás eu preguei o descrito acima e depois fui para minha casa, com crianças briguentas. Eu estava derramado após a pregação e, na minha força, eu estava pronto para gritar com o meu filho mais novo. Em vez disso, entrei no closet e pratiquei o que tinha acabado de pregar; orei para ser cheio do Espírito para poder mostrar os frutos do Espírito e assim envolver o meu filho mais novo. O Senhor trabalhou poderosamente naquele dia.

No dia seguinte, na nossa reunião celular, nós caminhamos ao longo do “Arrependa-se, Aprenda, Peça e Pratique” (veja o blog de ontem). Nós incluímos as crianças, e cada pessoa ouviu atentamente enquanto conversávamos através da lição. Quando nos arrependíamos, eu que guiei o caminho. Surpreendentemente, cada um dos meus filhos (começando com o mais novo) se arrependeu e orou para ser cheio do Espírito em como eles interagem como membros da família e com amigos. Foi surpreendente conforme vimos o fruto do Espírito em exibição completa.

Que você seja cheio do Espírito e que você ande pelo poder que Deus fornece, em nome de Jesus. Amém.

Spanish blog:

Siguiendo al Espíritu en el Ministerio Celular Parte-2

Por Ryan Faust, desde hace ocho años, Ryan Faust ha pastoreado Grace Church Seattle a través de una transición de eventos de atracción y el modelo impulsado por programas, a un modelo misional e impulsado por células. Está casado con su encantadora esposa Katy; tienen cuatro hijos. El pastor Ryan es el autor de Recontextualizing Church, un proyecto de tesis para su disertación doctoral de Gordon-Conwell”.

El día que prediqué en 1 Corintios 12: 1-11 nuestra iglesia fue inspirada para aprender a estar llenos del Espíritu y llevar una vida con la fuerza que Dios provee, en vez de la nuestra. En realidad, esta es la diferencia entre la religión y el Evangelio.

Muchas veces los cristianos aceptan el Evangelio (la gracia de Dios como un obsequio por fe) y sienten que el peso del mundo es levantado de sus hombros al ser son perdonados (Efesios 2: 8-9). En este momento nacemos de nuevo y el Espíritu testifica internamente que somos hechos una nueva creación en Cristo (2 Corintios 5:17). En este momento nos sentimos llenos, pero a medida que pasa el tiempo, la sensación se desvanece; y luego, cuando pecamos, experimentamos el dolor del Espíritu (Efesios 4:30). Es posible que no entendamos lo que está sucediendo, todo lo que sabemos es que nos sentimos distantes de Dios y comenzamos a dudar de nuestra fe y nos comprometemos a resolver el problema esforzándonos más. Pero todo lo que hemos hecho hasta este momento es olvidar el Evangelio para pasar a la religión; esto no es lo que Cristo pretendió.

Una razón por la cual Dios te da el Espíritu cuando aceptas a Jesús como Señor y Salvador es para que nazcas de nuevo. No puedes hacerte nacer de nuevo; Dios hace el trabajo activo a través del Espíritu. Todo lo que hacen es recibir pasivamente el regalo que el Señor provee por fe. Tú papel activo en la salvación es la confesión y la fe (Romanos 10: 9-10); el rol del Espíritu es cambiarte desde dentro. La segunda razón por la que Dios te da al Espíritu es para santificarte continuamente, de ahí la necesidad de aprovechar continuamente la fuente burbujeante del Espíritu, que Dios suministró en tu conversión (1 Corintios 12:13; Juan 4: 7-26). ¿Te das cuenta que a causa de tu salvación, el Espíritu está en ti y nunca más necesitas estar espiritualmente sediento? Todo lo que necesitas es pedir ser lleno del Espíritu. Pero si no preguntas, harás cristianismo en tu fortaleza, que es religión farisaica.

Hace unas semanas, prediqué lo anterior y luego volví a casa con niños que discutían. Estaba agotado después de la predicación y en mi fuerza estaba listo para gritarle a mi hijo menor. En lugar de eso, entré al armario y practiqué lo que acababa de predicar; ore para ser lleno del Espíritu, para mostrar los frutos del Espíritu para involucrar al más pequeño. El Señor trabajó poderosamente ese día.

Al día siguiente, en la reunión de nuestra célula, trabajamos con: Arrepentirse, Aprender, Preguntar, Practicar (ver el blog de ayer). Incluimos a los niños, y cada persona escuchó atentamente mientras hablábamos de la lección. Cuando nos arrepentimos, yo guio el camino. Sorprendentemente, cada uno de mis hijos (comenzando por el más joven) se arrepintió y oró para que Espíritu se presentara en la manera que interactúan como miembros de la familia y con sus amigos. Fue increíble, ya que vimos el fruto del Espíritu en gran escala.

Que seas lleno del Espíritu, que puedas caminar por el poder que Dios te da, en el nombre de Jesús. Amen.