Building a Team of People who Hear and See

By Scott Boren, The Center for Community and Mission  (www.mscottboren.org), Twitter@mscottboren

Entering a team around Jesus’ kingdom way cannot be forced on people. Many may agree with the vision, but that does not mean that they actually “see” it. However, it’s hard to know the difference between those who say they see God’s kingdom reality and those who really see it. Let’s consider four basic ways of seeing.

First are those people that only want religious meetings. They scoff at the idea of sharing regular meals together, praying and fasting together, and holding each other accountable. They had rather have a broad range of surface-level friends instead of having a primary group with whom they are share life.

In the second group, you find people who might be attracted to the way of Jesus but the realities of busyness, work schedules, family life, and other commitments make it unrealistic to jump into life together.  The idea is compelling. They know that they want it, but their life habits preclude them from doing it well. Such people usually have to take their busy lives to the cross and see what they are willing to invest their lives in. Trying to add the way of Jesus on top of their busyness is a recipe for mediocrity. Often these people are some of the most committed in the church, but they must first go to the cross and avoid the temptation of doing one more thing. Those who catch the vision for this quickly and are willing to make changes—that is go to the cross—are ready to go to the next level.

A third group would include those who might desire the way of Jesus, but they need to develop the ability to see what God is doing. They only see it at a distance. They need to learn from those who have been down the road with Jesus ahead of them. Or they need to walk together with the team and learn together as they go.

A fourth group includes those who are ready and able to enter into and experiment with being a team based around the presence of Jesus and his countercultural way of being in the world. They have a sense of urgency for more.

Leading a team in Jesus’ kingdom way is not just about gathering a team and possessing good leadership skills. It involves facilitating a path for others to see what Jesus is up to in the midst of the team. After all, he is the real leader. Maybe we should actually lead as if this were true.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Construindo uma equipe de pessoas que ouvem e vêem

Scott Boren, The Center for Community and Mission  (www.mscottboren.org), Twitter@mscottboren

Não se pode obrigar alguém a participar de uma equipe que esteja centrada na maneira que Jesus ensinou sobre o seu Reino. Muitos até concordam com a visão, mas isso não significa necessariamente que eles efetivamente “ver” o que isso significa. Entretanto é bem difícil entender a diferença entre aqueles que dizem que conseguem enxergar a realidade do Reino de Deus e aqueles que de fato conseguem “ver”. Consideremos aqui quatro formas de “ver”.

Em primeiro lugar, há pessoas que querem apenas os encontros religiosos. Eles torcem o nariz para a ideia de compartilhar uma refeição, orar ou jejuar juntos, e comprometer-se mutuamente em seu viver. Eles preferem ter um número maior de amigos superficiais do que contar com um grupo com quem efetivamente compartilhem suas vidas.

No segundo grupo encontraremos pessoas que até são atraídas pelo estilo de Jesus, mas suas realidades de negócios, agendas profissionais, vida familiar e outros compromissos tornam o salto para a vida em comunhão algo irrealista. A ideia atrai. Eles sabem que querem viver assim, mas os hábitos formados os impedem de ter sucesso. Essas pessoas normalmente precisam levar suas vidas ocupadas até a cruz e decidir se de fato estão decididas a investir suas vidas assim. Tentar adicionar o estilo de Jesus como mais uma camada em cima dos seus afazeres é uma receita pronta para a mediocridade. Frequentemente estas pessoas fazem parte do grupo mais comprometido da igreja, mas primeiro precisam ir até a cruz e vencer a tentação de fazer mais uma coisa. Aqueles que conseguem perceber isso rapidamente e estiverem dispostos a mudar (ir até a cruz) podem então prosseguir para o próximo nível. 

O terceiro grupo incluiria aquelas pessoas que talvez desejem o estilo de Jesus, mas eles ainda precisam desenvolver a habilidade de ver o que Deus está fazendo. Eles só conseguem ver bem de longe. Eles precisam aprender com aqueles que já estão caminhando com Jesus há mais tempo. Ou ainda podem caminhar com a equipe e aprender em grupo à medida que caminham.

Um quarto grupo inclui aqueles que estão prontos e são capazes de experimentar a vida em uma equipe que busca a presença de Jesus e seu jeito controverso de lidar com o mundo. Eles têm um senso de urgência para mais do que já são. 

Liderar uma equipe no Reino de Jesus e seu estilo, não é apenas juntar pessoas e contar com habilidades de lideranças. Isso envolve preparar o caminho para que outras pessoas consigam ver o que Jesus está fazendo em meio à equipe. Afinal de contas, Ele é o líder verdadeiro. Talvez nós devamos liderar partindo desta verdade.

Spanish blog:

Construya un equipo de personas que oyen y ven 

Por Scott Boren, Centro para la Comunidad y la Misión (www.mscottboren.org), Twitter @ mscottboren 

Entrar en un equipo que está formado alrededor del reino de Jesús no puede ser forzado a las personas. Muchos pueden estar de acuerdo con la visión, pero eso no significa que realmente la “vean”. Sin embargo, es difícil saber la diferencia entre quienes dicen que ven la realidad del reino de Dios y quienes realmente lo ven. Consideremos cuatro formas básicas de ver. 

Primero están aquellas personas que solo quieren reuniones religiosas. Se burlan de la idea de compartir comidas regulares juntos, orar y ayunar juntos, y responsabilizarse mutuamente. Prefieren tener una amplia gama de amigos superficiales en lugar de tener un grupo principal con el que compartir la vida. 

En el segundo grupo, encontrarás personas que podrían sentirse atraídas por el camino de Jesús, pero la realidad del ajetreo diario, los horarios de trabajo, la vida familiar y otros compromisos hacen que sea poco realista saltar a la vida juntos. La idea es convincente y saben que lo quieren, pero sus hábitos de vida les impiden hacerlo bien. Estas personas generalmente tienen que llevar sus ocupadas vidas a la cruz y ver en qué están dispuestas a invertir sus vidas. Tratar de agregar el camino de Jesús a sus ocupaciones es una receta para la mediocridad. A menudo, estas personas son algunas de las más comprometidas en la iglesia, pero primero deben ir a la cruz y evitar la tentación de hacer siempre una cosa más. Aquellos que captan la visión de esto rápidamente y están dispuestos a hacer cambios, es decir, ir a la cruz, están listos para pasar al siguiente nivel. 

Un tercer grupo incluiría a aquellos que podrían desear el camino de Jesús, pero necesitan desarrollar la capacidad de ver lo que Dios está haciendo. Lo ven, pero a la distancia. Necesitan aprender de aquellos que han recorrido el camino con Jesús delante de ellos. O necesitan caminar junto con el equipo y aprender juntos a medida que avanzan. 

Un cuarto grupo incluye a aquellos que están listos y capaces de entrar y experimentar como un equipo basado en la presencia de Jesús y su forma contracultural de estar en el mundo. Tienen un sentido de urgencia por más. 

Liderar un equipo a la manera del reino de Jesús no se trata solo de reunir un equipo y poseer buenas habilidades de liderazgo. Implica facilitar un camino para que otros vean lo que está haciendo Jesús en medio del equipo. Después de todo, él es el verdadero líder. Tal vez deberíamos liderar como si esto fuera cierto. 

Ears to Hear, Eyes to See

By Scott Boren, The Center for Community and Mission  (www.mscottboren.org), Twitter@mscottboren

When you are building a team around God’s work in the world, we need to work with those who have ears to hear and eyes to see what God is up to in the world. If you don’t then you will be building a team around multiple agendas, and the team will not be pursuing God’s kingdom way.

For those who personally encountered Jesus 2000 years ago, when Jesus announced that he was bringing and demonstrating God’s kingdom, it would have stood out like a red stripe on a white wall. The way that Jesus revealed the kingdom was not something that anyone would have expected. They wanted a king like King David. They wanted a great temple, like that of Solomon. They wanted the Law, like the one instituted by Moses. No one—this cannot be reiterated enough—no one could have predicted that God’s way would look like self-sacrificial love hanging on a cross. The king that they expected was not supposed to die. 

The Israelites of the first century expected a normal king—their word for this was “Messiah” which is christos in the Greek New Testament—but that’s not what they got. And most did not see what was going on. John put it this way, “The true light that gives light to everyone was coming into the world. He was in the world, and though the world was made through him, the world did not recognize him. He came to that which was his own, but his own did not receive him” (John 1:9-11). They did not have ears to hear Jesus and his way.

Ears work on two levels. The first is obvious, as healthy ears have the ability to receive sound waves and process them. This is hearing on a physical level. However, ears hear on another level that is much harder to quantify. A “trained ear” hears things that most people cannot. An orchestra instructor can hear things that an untrained ear will miss. A mother hears a tone in her child voice that reveals distress. A man hears the laugh of his wife and his heart leaps.

This is what Jesus meant when he said, “He who has ears to hear, let him hear” (Mark 4:9).  There were some who heard Jesus’ words and saw Jesus’ life and they were able to see the way. Their ears had been prepared to hear what he was up to. But most had ears that were conditioned to hear on that which was normal. They were trapped by average.

This is true of those with whom we lead. Are you working with those who have ears to hear and eyes to see?”

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Ouvidos para ouvir, olhos para ver

Scott Boren, The Center for Community and Mission  (www.mscottboren.org), Twitter@mscottboren

Quando você está formando uma equipe para cumprir o trabalho de Deus no mundo, é preciso buscar trabalhar com aqueles que têm ouvidos para ouvir e olhos para ver o que Deus está fazendo. Caso contrário, você estará formando uma equipe com múltiplas agendas e esta equipe não estará atuando da maneira do Reino de Deus.

Para aquelas pessoas que se encontraram pessoalmente com Jesus há 2000 anos, quando Ele anunciou que estava trazendo e demonstrando o Reino de Deus, a sensação deve ter sido a de chegar a uma grande parede branca com uma enorme faixa vermelha no meio. A maneira como Jesus demonstrou o Reino era algo que ninguém esperava. Eles queriam um Rei como o Rei Davi. Eles queriam um grande templo, como o Templo de Salomão. Eles queriam a Lei, como a Lei instituída por Moisés. Ninguém, ninguém mesmo, poderia esperar que a maneira de Deus seria através de um amor que se ofereceria em sacrifício em uma cruz. O Rei que aquelas pessoas esperavam não morreria em uma cruz.

Os israelitas do primeiro século esperavam um Rei normal – a palavra que eles utilizavam era “Messias” que é traduzida por “Cristo” no Grego utilizado no Novo Testamento, mas não foi isso que eles receberam. E a maior parte deles não conseguiu ver o que estava acontecendo. João descreveu assim: “a verdadeira luz, que, vinda ao mundo, ilumina a todo homem. O Verbo estava no mundo, o mundo foi feito por intermédio dele, mas o mundo não o conheceu. Veio para o que era seu, e os seus não o receberam.” João 1:9-11. Eles não tinham ouvidos para ouvir Jesus e a sua maneira de viver.

Os ouvidos funcionam em dois níveis. O primeiro é óbvio, considerando que ouvidos saudáveis têm a capacidade de receber ondas de som e processá-las. Isto é ouvir, do ponto de vista físico. Entretanto, os ouvidos funcionam em outro nível que é muito mais difícil de quantificar. Um ouvido “treinado” ouve coisas que a maioria das pessoas não consegue ouvir. Um instrutor de uma orquestra consegue ouvir coisas que um ouvido não treinado certamente não consegue. Uma mãe consegue perceber um tom na voz de sua criança que denota sofrimento. Um homem ouve a som do riso de sua esposa e seu coração dispara.

É isso que Jesus quis dizer quando ele declarou: “Quem tem ouvidos para ouvir, ouça.” Marcos 4:9. Algumas pessoas ouviam às palavras de Jesus e viam seu viver, e enxergavam o caminho. Seus ouvidos estavam prontos para ouvir o que Ele estava fazendo. Mas a maioria das pessoas tinham ouvidos que estavam condicionados a ouvir o que julgavam normal. Eles foram enganados pela normalidade da média.

Isso também é verdade para aquelas pessoas que lideramos. Você está trabalhando com aqueles que tem “ouvidos para ouvir e olhos para ver?

Spanish blog: 

Oídos para oír, ojos para ver 

Por Scott Boren, Centro para la Comunidad y la Misión (www.mscottboren.org), Twitter @ mscottboren 

Cuando estás formando un equipo en torno a la obra de Dios en el mundo, debemos trabajar con aquellos que tienen oídos para oír y ojos para ver lo que Dios está haciendo en el mundo. Si no lo haces así, estarás formando un equipo en torno a varias agendas y el equipo no seguirá el camino del reino de Dios. 

Aquellos que se encontraron personalmente con Jesús hace 2000 años, cuando Jesús anunció que estaba trayendo y mostrando el reino de Dios; eso se habría destacado como una franja roja en una pared blanca. La forma en que Jesús reveló el reino no era algo que nadie hubiera esperado. Querían un rey como el rey David, querían un gran templo, como el de Salomón, querían la Ley, como la instituida por Moisés. Nadie, esto no se puede reiterar lo suficiente, nadie podría haber predicho que el camino de Dios se vería como un amor abnegado colgado de una cruz. Se suponía que el rey que esperaban no iba a morir. 

Los israelitas del primer siglo esperaban a un rey normal; su palabra para referirse a ese rey era “Mesías”, que es “cristo” en el Nuevo Testamento griego, pero eso no es lo que obtuvieron. Y la mayoría no vio lo que estaba pasando. Juan lo expresó de esta manera: “La luz verdadera que ilumina a todos venía al mundo. Él estaba en el mundo, y aunque el mundo fue hecho a través de él, el mundo no lo reconoció. A lo suyo vino, pero los suyos no le recibieron” (Juan 1: 9-11). No tenían oídos para escuchar a Jesús y su camino. 

Las orejas funcionan en dos niveles. La primera es obvia, ya que los oídos sanos tienen la capacidad de recibir ondas sonoras y procesarlas. Esto es escuchar a nivel físico. Sin embargo, los oídos escuchan a otro nivel que es mucho más difícil de cuantificar. Un “oído entrenado” escucha cosas que la mayoría de la gente no puede. Un instructor de orquesta puede escuchar cosas que un oído inexperto se perderá. Una madre escucha un tono en la voz de su hijo que revela angustia. Un hombre escucha la risa de su esposa y su corazón da un salto. 

Esto es lo que Jesús quiso decir cuando dijo: “El que tenga oídos para oír, oiga” (Marcos 4: 9). Hubo algunos que escucharon las palabras de Jesús y vieron la vida de Jesús y pudieron ver el camino. Sus oídos estaban preparados para escuchar lo que estaba diciendo. Pero la mayoría tenía oídos que estaban condicionados para escuchar lo que era normal. Estaban atrapados en su realidad. 

Esto es ocurre con aquellos con quienes lideramos. ¿Trabajas con quienes tienen oídos para oír y ojos para ver? ” 

Transparent Brokenness

By Scott Boren, The Center for Community and Mission  (www.mscottboren.org), Twitter@mscottboren

Jacob was smart. He was good with money. He set goals, and he worked to accomplish those goals. He was not afraid of hard work. He wanted his brother’s birthright, so he traded for it. He longed for his father’s blessing, so he deceived his father for it. Then he saw a woman. He worked for fourteen years to earn

her hand. After this he found a way to get rich.

Then, as we read the story in Genesis, Jacob headed back home with his wives and children. But his home was not a place of open arms. The last time he’d seen his brother Esau, he’d had to run for his life because he had stolen Esau’s birthright. Now, as he entered his homeland, his brother was coming to meet him. To appease Esau, Jacob sent him a gift of 220 goats, 220 sheep, thirty camels, fifty cows and thirty donkeys. He was trying to buy Esau’s love.

In Genesis 32:11, Jacob prays to God, “Save me, I pray, from the hand of my brother Esau, for I am afraid he will come and attack me, and also the mothers with their children.” But God did much more than that. On the night before the meeting with Esau, Jacob was alone, and the Bible says “a man wrestled with him till daybreak” (Genesis 32:24). As they wrestled, God touched Jacob’s hip and wrenched it. But before Jacob would let him go, he demanded a blessing. God changed Jacob’s name. Instead of being called Jacob, “the deceiver,” he would be forever called Israel, or “Godstruggler” (literally, “one who wrestles with God”). In fear, Jacob asked God to protect him and bless him. But the blessing did not come as expected.

God did not bless Jacob with strength to meet his brother. He did not give him more money to handle the problem. Nor did he make him smarter. Rather, he made him weaker. God blessed Jacob with brokenness. He brought him to the end of himself and gave him a permanent limp to remind him of his new name and his master.

After this blessing of brokenness, the walls came down between Jacob and his brother. Jacob came in humility and Esau came in forgiveness. God’s blessing coincides with brokenness. Often we think we should lead out of strength. “As a leader, I should be smarter than everyone else,” we tell ourselves. “I should be stronger and more successful.” But God does not want to make us stronger.

He wants to make us to live into our weakness and embrace who we are in it. This is the place of blessing! Larry Crabb writes, “Brokenness is a condition, one that is always there, inside, beneath the surface, carefully hidden for as long as we can keep a facade in place. We live in brokenness. We just don’t always see it, either in ourselves or in others.”

Give me broken leaders over those who lead out of bravado and strength any day. Broken leaders know their limitations. They do not live a lie by trying to be perfect. Only a broken heart can love. Only a person who has come to the end of self can be real.

—Adapted from Leading Small Groups in the Way of Jesus, pages 107-109

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Quebrantamento Transparente

Por Scott Boren, O Centro da Comunidade e Missão (www.mscottboren.org), Twitter @mscottboren

Jacó era esperto. Ele era bom com dinheiro. Ele estabeleceu metas e trabalhou para atingir esses objetivos. Ele não temia o trabalho duro. Ele queria o direito de primogenitura de seu irmão, então ele fez uma troca por isso. Ele ansiava pela bênção de seu pai, então ele enganou seu pai por isso. Então ele viu uma mulher. E trabalhou por catorze anos para ganhar a mão dela. Depois disso, ele encontrou uma maneira de ficar rico.

Então, quando lemos a história em Gênesis, Jacó voltou para casa com suas esposas e filhos. Mas sua casa não era um lugar de braços abertos. A última vez que ele viu seu irmão Esaú, ele teve que correr por sua vida porque ele havia roubado seu direito de nascimento. Agora, quando ele entrou em sua terra natal, seu irmão estava vindo para encontrá-lo. Para aplacar Esaú, Jacó enviou-lhe um presente de 220 cabras, 220 ovelhas, trinta camelos, cinquenta vacas e trinta jumentos. Ele estava tentando comprar o amor de Esaú.

Em Gênesis 32:11, Jacó ora a Deus: “Livra-me, rogo-te, das mãos de meu irmão Esaú, porque tenho medo que ele venha nos atacar, tanto a mim como às mães e às crianças”. Mas Deus fez muito  mais que isso. Na noite anterior à reunião com Esaú, Jacó estava sozinho, e a Bíblia diz “um homem lutou com ele até o amanhecer” (Gênesis 32:24). Enquanto lutavam, Deus tocou o quadril de Jacó e o deslocou. Mas antes de Jacó deixá-lo ir, ele exigiu uma bênção. Deus mudou seu nome. Em vez de ser chamado de Jacó, “o enganador”, ele seria para sempre chamado de Israel, ou “Godstruggler” (literalmente, “aquele que luta com Deus”).  Com medo, Jacó pediu a Deus para protegê-lo e abençoá-lo. Mas a bênção não veio como esperado.

Deus não abençoou Jacó com força para encontrar seu irmão. Ele não lhe deu mais dinheiro para lidar com o problema. Nem o fez mais esperto. Em vez disso, ele o fez mais fraco. Deus abençoou Jacó com quebrantamento. Ele o levou até o fim de si mesmo e lhe deixou manco permanentemente para lembrá-lo de seu novo nome e de seu mestre.

Depois dessa bênção de quebrantamento, os muros desabaram entre Jacó e seu irmão. Jacó veio em humildade e Esaú veio em perdão. A bênção de Deus coincide com o quebrantamento. Muitas vezes pensamos que devemos liderar através da força. “Como líder, eu deveria ser mais esperto do que as outras pessoas”, dizemos a nós mesmos. “Eu deveria ser mais forte e mais bem sucedido”. Mas Deus não quer nos tornar mais fortes.

Ele quer nos fazer viver em nossa fraqueza e abraçar quem somos nela. Este é o lugar da bênção! Larry Crabb escreve: “O quebrantamento é uma condição que está sempre lá, dentro, abaixo da superfície, cuidadosamente escondido enquanto pudermos manter uma fachada no lugar. Nós vivemos em quebrantamento. Nós nem sempre vemos isso, seja em nós mesmos ou nos outros”.

Dê-me líderes quebrantados em vez dos que que lideram com prepotência e força. Líderes quebrantados conhecem suas limitações. Eles não vivem uma mentira tentando ser perfeitos. Apenas um coração partido pode amar. Somente uma pessoa que chegou ao fim de si mesma pode ser real.

—Adaptado do livro Leading Small Groups in the Way of Jesus(“Liderando Pequenos Grupos no Caminho de Jesus”, em tradução livre, páginas 107-109).

Spanish blog:

Quebranto transparente

Por Scott Boren, El Centro para la Comunidad y la Misión (www.mscottboren.org), Twitter @ mscottboren

Jacob era inteligente. Él era bueno con el dinero. Estableció metas y trabajó para lograr esas metas; no le tenía miedo al trabajo duro. Quería el derecho de nacimiento de su hermano, así que lo cambió. Él anhelaba la bendición de su padre, por lo que engañó a su padre por ello. Luego vio a una mujer, trabajó durante catorce años para ganar su mano. Después de esto encontró una manera de hacerse rico.

Luego, mientras leíamos la historia en Génesis, Jacob regresó a casa con sus esposas e hijos. Pero su casa no era un lugar de brazos abiertos. La última vez que había visto a su hermano Esaú, había tenido que correr por su vida porque le había robado el derecho de nacimiento de Esaú. Ahora, al entrar en su tierra natal, su hermano venía a su encuentro. Para apaciguar a Esaú, Jacob le envió un regalo de 220 cabras, 220 ovejas, treinta camellos, cincuenta vacas y treinta burros. Estaba tratando de comprar el amor de Esaú.

En Génesis 32:11, Jacob ora a Dios: “Sálvame, te lo ruego, de la mano de mi hermano Esaú, porque me temo que vendrá y me atacará, y también a las madres con sus hijos”. Pero Dios hizo mucho más que eso. La noche antes de la reunión con Esaú, Jacob estaba solo, y la Biblia dice que “un hombre luchó con él hasta el amanecer” (Génesis 32:24). Mientras luchaban, Dios tocó la cadera de Jacob y la arrancó. Pero antes de que Jacob lo dejara ir, exigió una bendición. Dios cambió el nombre de Jacob. En lugar de llamarse Jacob, “el engañador”, se llamaría para siempre Israel o ” el luchador de Dios” (literalmente, “el que lucha con Dios”). Con miedo, Jacob le pidió a Dios que lo protegiera y lo bendijera. Pero la bendición no vino como se esperaba.

Dios no bendijo a Jacob con fuerza para encontrarse con su hermano. Él no le dio más dinero para manejar el problema. Tampoco lo hizo más inteligente. Más bien, lo hizo más débil. Dios bendijo a Jacob con quebrantamiento. Lo llevó hasta el final de sí mismo y le dio una cojera permanente para recordarle su nuevo nombre y su maestro.

Después de esta bendición de quebrantamiento, los muros cayeron entre Jacob y su hermano. Jacob vino en humildad y Esaú vino en perdón. La bendición de Dios coincide con el quebrantamiento. Muchas veces pensamos que deberíamos salirnos de la fuerza. “Como líder, debería ser más inteligente que todos los demás”, nos decimos a nosotros mismos. “Debería ser más fuerte y más exitoso”. Pero Dios no quiere hacernos más fuertes.

Él quiere hacernos vivir en nuestra debilidad y abrazar quiénes somos en ella. ¡Este es el lugar de bendición! Larry Crabb escribe: “El quebrantamiento es una condición, una que siempre está ahí, dentro, debajo de la superficie, cuidadosamente oculta durante el tiempo que podamos mantener una fachada en su lugar. Vivimos en el quebrantamiento. Simplemente no siempre lo vemos, ya sea en nosotros mismos o en otros “.

Dame líderes rotos sobre aquellos que lideran con valentía y fuerza cualquier día. Los líderes rotos conocen sus limitaciones. No viven una mentira tratando de ser perfectos. Sólo un corazón roto puede amar. Solo una persona que ha llegado al final del yo puede ser real.

—Adaptado de Liderar pequeños grupos en el camino de Jesús, páginas 107-109

Transparency as a Leader

By Scott Boren, The Center for Community and Mission  (www.mscottboren.org), Twitter@mscottboren

Life happens when we are making other plans, and often life does not come in the form that we prefer. I had to learn this the hard way as a leader. Struggles occurred that impeded the great success I had hoped for. I found myself taking three steps forward and two steps back. I found myself walking through the valley of the shadow of death. Following Jesus in this life involves ups and downs. On the path of following Jesus and therefore on the path of leading others, there will be mountains and valleys. It’s just the way it goes.

Some of the valleys and failures are due to our choices. But they aren’t always rooted in sin or moral failure. They also come as a result of living in a world that falls short of God’s kingdom. Sometimes life just kicks us in the stomach. Maybe you lose a job and have to file for bankruptcy. Or your son tells you that his girlfriend is pregnant. Or your spouse gets sick. And there go your plans for how you thought your leadership would work. Questions arise. Pain sets in. You might even find yourself in a place of darkness and depression.

Of course, struggles also come from poor choices. None of us is perfect and until the day Jesus returns, leaders will need to deal with that fact. Sometimes our choices are huge, catastrophic and immoral, like sexual indiscretion. Other times we make choices that reveal character flaws, like blasting someone with anger.

Whatever the case, life and leadership involve personal struggle. And too often Christian leaders feel expectations that they should not struggle. We love to train our leaders to create safe places in their groups for people to share their struggles. But we must also create safe places where leaders can struggle without fear of judgment or condemnation. Since we never outgrow the struggles of life, we must ask if our leaders have places where they experience this kind of safety.

This goes far beyond creating a place where leaders can talk together or telling leaders they can be transparent. This is about church culture. If a church is shaped by a culture of performance, then sharing about personal struggles will be very difficult for people. There will be a focus on external expectations and rule following.

But if the culture of the church is one where messy life together is an expectation, where everyone is given the space to struggle together, then leaders are going to be much more likely to open up.

We are all wounded. And we will all be wounded further. The greatest leaders of the church have recognized this reality and allowed God to work through their wounds to touch others. God works through wounded healers. He does not work around the wounds. He does not work in spite of the wounds. He redeems the wounds for the sake of the world. It’s backward logic from the way we commonly see it, but nonetheless it’s God’s mysterious way of working. God redeemed the world through the wounds of Jesus, and it still works that way today.

—Adapted from Leading Small Groups in the Way of Jesus, pages 115-117

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Transparência como Líder

Por Scott Boren, O Centro da Comunidade e Missão (www.mscottboren.org), Twitter @mscottboren

A vida acontece quando estamos fazendo outros planos e, muitas vezes, a vida não vem na forma que preferimos. Eu tive que aprender isso da maneira mais difícil como líder. Ocorreram lutas que impediram o grande sucesso que eu esperava. Eu me vi dando três passos para frente e dois passos para trás. Me vi andando pelo vale da sombra da morte. Seguir a Jesus nesta vida envolve altos e baixos. No caminho de seguir a Jesus e de liderar as pessoas, haverá montanhas e vales. É assim que acontece.

Alguns dos vales e falhas são devidos às nossas escolhas. Mas eles nem sempre estão enraizados no pecado ou no fracasso moral. Eles também vêm como resultado de viver em um mundo que fica aquém do reino de Deus. Às vezes é como se a vida nos chutasse no estômago. Talvez você perca um emprego e tenha que declarar falência; ou o seu filho te diga que a namorada dele está grávida; ou o seu cônjuge fica doente. E lá vão os seus planos de como você acha que sua liderança funcionaria. Perguntas surgem.  A dor se instala. Você pode até encontrar-se em um lugar de escuridão e depressão.

É claro que as lutas também vêm de más escolhas. Nenhum de nós é perfeito e até o dia em que Jesus voltar, os líderes precisarão lidar com esse fato. Às vezes, nossas escolhas são enormes, catastróficas e imorais, como a indiscrição sexual. Outras vezes fazemos escolhas que revelam falhas de caráter, como atacar alguém com raiva.

Seja qual for o caso, a vida e a liderança envolvem luta pessoal. E muitas vezes os líderes cristãos têm expectativas de que eles não devem lutar. Nós adoramos treinar nossos líderes para eles criarem lugares seguros em seus grupos para as pessoas compartilharem suas lutas. Mas também precisamos criar lugares seguros onde os líderes possam se abrir sobre suas lutas sem medo de julgamento ou condenação. Já que sempre vamos ter lutas na vida, devemos perguntar se nossos líderes têm lugares onde eles experimentam esse tipo de segurança.

Isso vai muito além de criar um lugar onde os líderes possam conversar juntos ou de lhes dizer que eles podem ser transparentes. Isso se trata da cultura da igreja. Se uma igreja é moldada por uma cultura de desempenho, então compartilhar sobre as lutas pessoais será muito difícil para as pessoas. Haverá um foco nas expectativas externas e na obediência às regras.

Mas se a cultura da igreja é aquela em que a vida confusa é esperada, onde todos recebem espaço para lutar juntos, então os líderes terão muito mais chances de se abrir.

Estamos todos feridos. E todos nós seremos mais feridos. Os maiores líderes da igreja reconheceram essa realidade e permitiram que Deus trabalhasse através de suas feridas para tocar os outros. Deus trabalha através de curadores feridos. Ele não trabalha em torno das feridas. Ele não trabalha apesar das feridas. Ele redime as feridas por amor ao mundo. É uma lógica inversa da maneira como comumente a vemos, mas, mesmo assim, é a maneira misteriosa de trabalhar de Deus. Deus redimiu o mundo através das feridas de Jesus e isso ainda funciona hoje.

—Adaptado do livro Leading Small Groups in the Way of Jesus, páginas 115-117

Spanish blog:

La transparencia como líder

Por Scott Boren, El Centro para la Comunidad y la Misión (www.mscottboren.org), Twitter @ mscottboren

La vida sucede cuando estamos haciendo otros planes, y a menudo la vida no viene en la forma que preferimos. Tuve que aprender esto de la manera difícil como líder. Se produjeron luchas que impidieron el gran éxito que había esperado. Me encontré dando tres pasos adelante y dos pasos atrás. Me encontré caminando por el valle de la sombra de muerte. Seguir a Jesús en esta vida involucra altibajos, en el camino de seguir a Jesús y, por lo tanto, en el camino de guiar a otros, habrá montañas y valles. Es sólo la forma en que va.

Algunos de los valles y fracasos se deben a nuestras elecciones. Pero no siempre están enraizados en el pecado o el fracaso moral. También vienen como resultado de vivir en un mundo que no está a la altura del reino de Dios. A veces la vida simplemente nos da una patada en el estómago. Tal vez pierdes un trabajo y tienes que declararse en quiebra. O tu hijo te dice que su novia esta embarazada. O tu cónyuge se enferma. Y ahí van tus planes sobre cómo pensabas que funcionaría tu liderazgo, surgen preguntas, el dolor comienza. Es posible que incluso te encuentres en un lugar de oscuridad y depresión.

Por supuesto, las luchas también vienen de malas decisiones. Ninguno de nosotros es perfecto y hasta el día en que Jesús regrese, los líderes necesitarán lidiar con ese hecho. A veces nuestras elecciones son enormes, catastróficas e inmorales, como la indiscreción sexual. Otras veces tomamos decisiones que revelan fallas en el carácter, como arruinar a alguien con ira.

Cualquiera que sea el caso, la vida y el liderazgo implican lucha personal. Y con demasiada frecuencia los líderes cristianos sienten expectativas de que no deberían luchar. Nos encanta capacitar a nuestros líderes para crear lugares seguros en sus células para que las personas compartan sus luchas. Pero también debemos crear lugares seguros donde los líderes puedan luchar sin temor al juicio o condena. Como nunca superamos las luchas de la vida, debemos preguntar si nuestros líderes tienen lugares donde experimentan este tipo de seguridad.

Esto va mucho más allá de crear un lugar donde los líderes puedan hablar juntos o decirles a los líderes que pueden ser transparentes. Esto es sobre la cultura de la iglesia. Si una iglesia está formada por una cultura de desempeño, entonces compartir las luchas personales será muy difícil para las personas. Habrá un enfoque en las expectativas externas y la regla siguiente.

Pero si la cultura de la iglesia es una en la que la vida desordenada es una expectativa, donde a todos se les da el espacio para luchar juntos, entonces los líderes serán mucho más propensos a abrirse.

Todos estamos heridos. Y todos seremos heridos aún más. Los líderes más grandes de la iglesia han reconocido esta realidad y han permitido a Dios trabajar a través de sus heridas para tocar a otros. Dios obra a través de sanadores heridos. Él no trabajar alrededor de las heridas, no trabaja a pesar de las heridas. El redime las heridas por el bien del mundo. Es una lógica atrasada de la forma en que comúnmente lo vemos, pero no obstante, es la forma misteriosa de trabajar de Dios. Dios redimió al mundo a través de las heridas de Jesús, y todavía funciona así hoy.

—Adaptado de Liderar pequeños grupos en el camino de Jesús, páginas 115-117

3 Keys to Great Listening

By Scott Boren, The Center for Community and Mission  (www.mscottboren.org), Twitter@mscottboren

  1. Show Interest in People’s Interests

Years ago, I read the book How to Win Friends and Influence People. One thing stood out to me. Dale Carnegie writes about how he can make almost anyone feel connected by simply asking them questions about their interests. He lists six ways to connect with people in order to create an environment that fosters listening:

  • Become genuinely interested in other people.
  • Smile.
  • Remember that a person’s name is to that person the sweetest and most important sound in any language.
  • Be a good listener. Encourage others to talk about themselves.
  • Talk in terms of the other person’s interests.
  • Make the other person feel important—and do it sincerely.

Everyone likes to talk about themselves, and if you take the initiative and ask questions about the other person’s interests, people will be more willing to share. This may seem insignificant or a small act of kindness, but think about it: When was the last time someone showed genuine interest in you and what you like to talk about? How did it make you feel? What did you think about the person after the conversation?

Whether it’s sports, a favorite television show, a new restaurant that opened, or just what happened at work, sharing personal interests is an important part of good listening.

This is the reason icebreakers are so important to a small group meeting. Few people are ready to share what they think, much less how they feel, about spiritual issues unless they first feel that someone has listened to them about something less intense. And besides that, whoever said that laughter, telling stories, and sharing interests is not spiritual? In our world, where many people don’t have time to interact about such things, conversations like this can be quite spiritual.

  1. Seek to Understand

A second-century Roman philosopher once said, “Nature gave us two ears and one tongue so we could listen twice as much as we speak.” While this is true, unfortunately most of us are thinking more about what we are planning to say next instead of focusing on what the other person is actually saying. We are letting the other person talk, while waiting for an opportunity to insert our perspective.

In his book Seven Habits of Highly Effective People, Steven Covey puts it this way: “Seek first to understand and then to be understood.” If this principle is core to relationships in the business world, it is even more crucial to our communication with one another in community. But too often every group member comes to any gathering full of his or her need to be heard, not to listen. In greeting one another, we need to slow down and actually choose to engage the other person and focus on him or her. Imagine if an entire group practiced this rhythm week after week; how would it increase the value these people have for the group?

This kind of listening must be intentional and active. Researchers on communication recognize four characteristics of good listeners. They:

  • Desire to be other-directed, rather than to project one’s own feelings and ideas onto the other.
  • Desire to be nondefensive, rather than to protect the self. When the self is being protected, it is difficult to focus on the other person.
  • Desire to imagine the roles, perspectives, or experiences of the other, rather than assuming they are the same as one’s own.
  • Desire to listen as a receiver, not as a critic, and desire to understand the other person rather than to achieve either agreement from or change in that person.
  1. Play Together

Groups that know how to laugh together know how to cry together. Groups that carve out time for sharing food, playing a board game, or just sitting around telling stories will be groups that have the ability to connect on deeper levels. Show me the group that is serious all of the time, and I will show you a group that will eventually wear people out.

Some might respond to this dogmatic statement with a claim that the group is just serious in nature. But if that is the case, I propose that this group is the one that needs to laugh the most. They need to do something that will help them loosen up and take things a little less seriously. The world is ominous enough; the last thing we need in the church are groups that are adding to that heaviness.

The fruit of the Spirit is joy. When we relate to one another in and through Christ, the Spirit will bring joy to these relationships. The pressure lifts and we can simply relate and see where the relationship goes.

Adapted from Missional Small Groups, pages 109-113

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

3 Chaves para uma Boa Escuta 

Por Scott Boren, The Center for Community and Mission  (mscottboren.org), Twitter @mscottboren

  1. Mostre interesse nos interesses das pessoas

Anos atrás, li o livro How to Win Friends and Influence People (“Como Ganhar Amigos e Influenciar Pessoas”, em tradução livre). Uma coisa se destacou para mim. Dale Carnegie escreve sobre como ele pode fazer com que quase todos se sintam conectados simplesmente fazendo perguntas sobre seus interesses. Ele lista seis maneiras de se conectar com as pessoas, a fim de criar um ambiente que estimule a escuta:

  • Torne-se genuinamente interessado nas outras pessoas.
  • Sorria.
  • Lembre-se de que o nome de uma pessoa é para essa pessoa o som mais doce e importante em qualquer idioma.
  • Seja um bom ouvinte. Incentive os outros a falarem sobre si mesmos.
  • Fale sobre os interesses da outra pessoa.
  • Faça a outra pessoa se sentir importante – e faça isso com sinceridade.

Todo mundo gosta de falar sobre si mesmo, e se você tomar a iniciativa e fizer perguntas sobre os interesses da outra pessoa, as pessoas estarão mais dispostas a compartilhar. Isso pode parecer insignificante ou um pequeno ato de bondade, mas pense nisso: Quando foi a última vez que alguém demonstrou interesse genuíno em você e sobre o que você gosta de falar? Como você se sentiu? O que você achou da pessoa depois da conversa?

Quer seja sobre esportes, um programa de televisão favorito, um novo restaurante que abriu, ou apenas o que aconteceu no trabalho, partilhar interesses pessoais é uma parte importante da boa escuta.

Esta é a razão pela qual os quebra-gelos são tão importantes para uma reunião de pequeno grupo. Poucas pessoas estão prontas para compartilhar o que pensam, muito menos como se sentem sobre questões espirituais, a menos que primeiro sintam que alguém as ouviu sobre algo menos intenso. E, além disso, quem disse que rir, contar histórias e compartilhar interesses não é espiritual? Em nosso mundo, onde muitas pessoas não têm tempo para interagir sobre essas coisas, conversas como essa podem ser bastante espirituais.

  1. Procure entender

Um filósofo romano do século II disse uma vez: “A natureza nos deu dois ouvidos e uma língua para que pudéssemos ouvir o dobro do que falamos”. Embora isso seja verdade, infelizmente a maioria de nós está pensando mais sobre o que planejamos dizer em seguida em vez de se concentrar no que a outra pessoa está realmente dizendo. Deixamos a outra pessoa falar enquanto esperamos por uma oportunidade para inserir nossa perspectiva.

Em seu livro Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes, Steven Covey coloca da seguinte maneira: “Procure primeiro entender e depois ser entendido”. Se esse princípio é fundamental para os relacionamentos no mundo dos negócios, é ainda mais crucial para nossa comunicação com uns aos outros na comunidade. Mas muitas vezes os membros do grupo chegam a um encontro cheios de sua necessidade de ser ouvido, não de ouvir. Ao nos cumprimentarmos, precisamos desacelerar e realmente escolher envolver a outra pessoa e focar nela. Imagine se um grupo inteiro praticasse esse ritmo semana após semana; como aumentaria o valor que essas pessoas têm para o grupo?

Esse tipo de escuta deve ser intencional e ativa. Pesquisadores em comunicação reconhecem quatro características de bons ouvintes. Eles:

  • Desejam ser direcionados para o outro, ao invés de projetar seus próprios sentimentos e idéias no outro.
  • Desejam não ficar na defensiva, em vez de se defender. Quando o eu está sendo guardado, é difícil se concentrar na outra pessoa.
  • Desejam imaginar os papéis, perspectivas ou experiências do outro, em vez de assumir que são os mesmos que os seus.
  • Desejam ouvir como um receptor, não como um crítico, e desejam entender a outra pessoa em vez de obter um acordo ou uma mudança nessa pessoa.
  1. Brinquem Juntos

Grupos que sabem rir juntos sabem chorar juntos. Grupos que reservam tempo para compartilhar comida, jogar um jogo de tabuleiro ou simplesmente ficar sentado contando histórias serão grupos que têm a capacidade de se conectar em níveis mais profundos. Mostre-me o grupo que é sério o tempo todo e vou mostrar um grupo que acabará por desgastar as pessoas.

Alguns podem responder a essa declaração dogmática alegando que o grupo é apenas sério por natureza. Mas se for esse o caso, proponho que esse grupo seja o que mais precisa rir. Eles precisam fazer algo que os ajude a relaxar e levar as coisas um pouco menos a sério. O mundo é chato o bastante; a última coisa que precisamos na igreja são grupos aumentando esse peso.

O fruto do Espírito é alegria. Quando nos relacionamos uns com os outros em Cristo e através dEle, o Espírito trará alegria a esses relacionamentos. A pressão sai e podemos simplesmente nos relacionar e ver aonde vai o relacionamento.

Adaptado de Missional Small Groups (“Grupos Pequenos Missionais”, em tradução livre), páginas 109-113.

Spanish blog:

3 claves para escuchar

Por Scott Boren, El Centro para la Comunidad y la Misión ( www.scottboren.blogspot.com), Twitter @ mscottboren

  1. Mostrar interés en los intereses de las personas.

Hace años, leí el libro Cómo ganar amigos e influir en las personas. Hubo algo se destacó para mí. Dale Carnegie escribe sobre cómo puedes hacer que casi cualquier persona se sienta conectada simplemente haciéndoles preguntas sobre sus intereses. Enumera seis formas de conectarse con las personas para crear un entorno que fomente la escucha:

  • Estar realmente interesado en otras personas.
  • Sonríe
  • Recuerda que el nombre de una persona es, para esa persona el sonido más dulce e importante en cualquier idioma.
  • Sé un buen oyente. Anima a otros a hablar sobre ellos mismos.
  • Habla en términos de los intereses de la otra persona.
  • Haz que la otra persona se sienta importante y hazlo con sinceridad.

A todos les gusta hablar de sí mismos, y si tomas la iniciativa y haces preguntas sobre los intereses de la otra persona, la gente estará más dispuesta a compartir. Esto puede parecer insignificante o un pequeño acto de amabilidad, pero piénsalo: ¿cuándo fue la última vez que alguien mostró un interés genuino en ti y de qué quiere hablar? ¿Cómo te hizo sentir? ¿Qué pensaste de la persona después de la conversación?

Ya sea que se trate de deportes, un programa de televisión favorito, un nuevo restaurante que se haya abierto o simplemente lo que sucedió en el trabajo, compartir intereses personales es una parte importante de una buena escucha.

Esta es la razón por la que los rompehielos son tan importantes para una reunión celular. Pocas personas están listas para compartir lo que piensan, y mucho menos cómo se sienten, sobre los problemas espirituales, a menos que primero sientan que alguien les ha escuchado sobre algo menos intenso. Y además de eso, ¿quién dijo que, contar historias y compartir intereses no es espiritual? En nuestro mundo, donde muchas personas no tienen tiempo para interactuar sobre estas cosas, conversaciones como esta pueden ser bastante espirituales.

  1. Busca entender

Un filósofo romano del siglo segundo dijo una vez: “La naturaleza nos dio dos oídos y una lengua para que pudiéramos escuchar el doble de lo que hablamos”. Si bien esto es cierto, desafortunadamente, la mayoría de nosotros pensamos más en lo que planeamos decir a continuación, en lugar de centrarse en lo que la otra persona está diciendo. Estamos dejando que la otra persona hable, mientras esperamos una oportunidad, para insertar nuestra perspectiva.

En su libro Siete hábitos de personas altamente efectivas, Steven Covey lo expresa de esta manera: “Busca primero entender y luego ser entendido”. Si este principio es fundamental para las relaciones en el mundo de los negocios, es aún más crucial para nuestra comunicación con unos a otros en comunidad. Pero con demasiada frecuencia, cada miembro de la célula acude a una reunión lleno de su necesidad de ser escuchado, no de escuchar. Al saludarnos unos a otros, debemos reducir la velocidad y, en realidad, elegir comprometer a la otra persona y centrarnos en ella. Imagina si un grupo entero practicara este ritmo semana tras semana; ¿Cómo aumentaría el valor que estas personas tienen para la célula?

Este tipo de escucha debe ser intencional y activa. Los investigadores en comunicación reconocen cuatro características de los buenos oyentes. Estos son:

  • Deseo ser dirigido hacia el otro, en lugar de proyectar los propios sentimientos e ideas sobre el otro.
  • El deseo de no ser defensivo, en lugar de protegerse a sí mismo. Cuando el yo está siendo protegido, es difícil concentrarse en la otra persona.
  • Deseo imaginar los roles, perspectivas o experiencias del otro, en lugar de asumir que son los mismos que los de uno.
  • Deseo escuchar como receptor, no como crítico, y desear entender a la otra persona en lugar de lograr un acuerdo o cambio en esa persona.
  1. Jugar juntos

Las células que saben reír juntos saben llorar juntos. Los grupos que se toman el tiempo para compartir comida, jugar un juego de mesa o simplemente sentarse a contar historias serán grupos que tienen la capacidad de conectarse en niveles más profundos. Muéstrame una célula que es seria todo el tiempo, y te mostraré una célula que eventualmente agotará a la gente.

Algunos pueden responder a esta declaración dogmática con una afirmación de que una célula es de naturaleza seria. Pero si ese es el caso, propongo que esta célula es la que necesita reírse más. Necesitan hacer algo que les ayude a relajarse y tomarse las cosas un poco menos en serio. El mundo es suficientemente ominoso; lo último que necesitamos en la iglesia son células que se agreguen a esa pesadez.

El fruto del Espíritu es alegría. Cuando nos relacionamos unos con otros a través de Cristo, el Espíritu traerá gozo a estas relaciones. La presión se levanta y simplemente podremos relacionarnos y ver a dónde va la relación.

Adaptado de Missional Small Groups (Grupos pequeños misionales), páginas 109-113.