Key Vision Principles

By Stephen Daigle, College and Young Adult Pastor at Celebration Church, www.celebrationchurch.org

This year makes 15 years in ministry for me. For the majority of those years, I participated in ministries that experienced growth.

But this wasn’t always the case. I had to learn important lessons that helped me break through. One day I was speaking with a trusted pastor and asked the question ‘What are some things that you see in me that need to change?’  His reply was offensive yet truthful. ‘You are horrible at casting vision. You won’t be able to go beyond where you are now until you have vision and learn how to cast vision.’ I was offended at first, but then I began to think. He was right. I didn’t have vision. Nor did I know what to do with vision even if I had it.

I began to pray specifically for the Lord to give me vision for the ministry that He was calling me to lead. Quickly, the Lord began to let me see what He saw. Not just for my personal life and the ministry, but in the people that He had surrounded me with. I began to read (Visioneering by Andy Stanley) and study the book of Nehemiah. Then I really began to see. I started to have a burden and see what ‘could be’. Excitement filled my spirit for what God wanted to do in me, through me and through the ministry.

I no longer became satisfied with ‘just getting by’ or doing what has always been done. As I began to share this God given vision with our leaders, they started to get excited. The ministry started to grow. God started to send high capacity leaders to help make the vision a reality and not just a dream. Dreamers dream about things being different. Visionaries envision themselves making the difference. Dreamers think about how nice it would be for something to be done. Visionaries look for an opportunity to do something.

Here would be my encouragement:

  • Pray for vision (regularly) – you have not because you ask not (James 4:2)
  • Set goals (personal and ministry) based off of the vision God gave you  – (Proverbs 21:5, Psalm 20:4)
  • Vision Leaks! Share the vision with your leadership team (regularly) where there is no vision, the people perish (Proverbs 29:18)
  • Stay encouraged! – But David strengthened himself in the Lord his God. (1 Samuel 30:6)

 I would like to add one more extremely important thing: the greater the vision, the greater the adversity. If the vision is from God, it will be much bigger than you. Don’t be scared away! Be encouraged when adversity comes and keep going!

Pray: God, we I look to you. Give me vision to see things like you do!

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Princípios-chave da Visão

Por Stephen Daigle, Pastor Universitário e de Jovens na Celebration Church, www.celebrationchurch.org

Este ano faz 15 anos que estou no ministério. Durante a maior parte desses anos, participei de ministérios que tiveram crescimento.

Mas esse nem sempre foi o caso. Eu tive que aprender lições importantes que me ajudaram a superar. Um dia eu estava conversando com um pastor de confiança e fiz a pergunta “Quais são algumas das coisas que você vê em mim que precisam mudar?” Sua resposta foi ofensiva, mas verdadeira. “Você é horrível ao lançar a visão. Você não será capaz de ir além de onde está agora até ter visão e aprender a lançar a visão “. No início, fiquei ofendido, mas comecei a pensar. Ele estava certo. Eu não tinha visão. Nem sabia o que fazer com a visão, mesmo a que tivesse.

Comecei a orar especificamente para o Senhor me dar uma visão para o ministério ao qual Ele estava me chamando para liderar. Rapidamente, o Senhor começou a me deixar ver o que Ele via. Não apenas para minha vida pessoal e para o ministério, mas para as pessoas que Ele havia me cercado. Comecei a ler (Visioneering de Andy Stanley) e a estudar o livro de Neemias. Então eu realmente comecei a ver. Passei a ter um fardo e ver como tudo “poderia ser”. A emoção encheu meu espírito pelo que Deus queria fazer em mim, através de mim e através do ministério.

Eu não fiquei mais satisfeito em só “seguir em frente” ou fazer o que sempre foi feito. Quando comecei a compartilhar essa visão dada por Deus com nossos líderes, eles começaram a ficar animados. O ministério começou a crescer. Deus começou a enviar líderes de alta capacidade para ajudar a tornar a visão uma realidade e não apenas um sonho. Os sonhadores sonham com as coisas sendo diferentes. Os visionários imaginam-se fazendo a diferença.

Os sonhadores pensam em como seria bom que algo fosse feito. Os visionários procuram uma oportunidade para fazer alguma coisa.

Aqui está meu encorajamento:

* Ore por visão (regularmente) – você não tem porque não pede (Tiago 4:2);

* Estabeleça metas (pessoais e ministério) baseadas na visão que Deus lhe deu – (Provérbios 21:5, Salmo 20:4);

* Espalhe a visão! Compartilhe a visão com sua equipe de liderança (regularmente) – onde não há visão, o povo perece (Provérbios 29:18);

* Fique encorajado! – Mas Davi se fortaleceu no Senhor seu Deus (1 Samuel 30:6).

Eu gostaria de acrescentar mais uma coisa extremamente importante: quanto maior a visão, maior a adversidade. Se a visão é de Deus, ela será muito maior que você. Não se assuste! Seja encorajado quando a adversidade vier e continue!

Ore: Deus, nós olhamos para você. Me dê visão para ver coisas como você faz!

Spanish blog:

Principios Claves para Visión

Por Stephen Daigle, pastor de la universidad y adultos jóvenes en Celebration Church, www.celebrationchurch.org

Este año habrán pasado 15 años en el ministerio para mi. Durante la mayoría de esos años, participé en ministerios que experimentaron crecimiento.

Pero este no fue siempre el caso. Tuve que aprender lecciones importantes que me ayudaron a abrirme paso. Un día, estaba hablando con un pastor de confianza y le pregunté: “¿Qué cosas ven en mí que deben cambiar?”. Su respuesta fue ofensiva pero veraz. “Eres horrible en el lanzamiento de la visión. No podrás ir más allá de donde estás ahora hasta que tengas visión y aprendas a ver la visión. Al principio me ofendí, pero luego comencé a pensar, Él estaba en lo correcto. No tenia vision, Tampoco sabía qué hacer con la visión, incluso si la tuviera.

Comencé a orar específicamente para que el Señor me diera una visión del ministerio que Él me estaba llamando a dirigir. Rápidamente, el Señor comenzó a dejarme ver lo que Él ve. No solo por mi vida personal y el ministerio, sino también por las personas con las que Él me había rodeado. Comencé a leer (Visioneering de Andy Stanley) y estudiar el libro de Nehemias. Entonces realmente empecé a ver. Comencé a tener una carga y pude ver lo “podría ser”. La emoción llenó mi espíritu por lo que Dios quería hacer en mí, a través de mí y a través del ministerio.

Ya no me conformé con “simplemente arreglármelas” o haciendo lo que siempre se ha hecho. Cuando comencé a compartir esta visión dada por Dios con nuestros líderes, ellos comenzaron a emocionarse y el ministerio comenzó a crecer. Dios comenzó a enviar líderes de alta capacidad para ayudar a que la visión sea una realidad y no solo un sueño. Los soñadores sueñan con que las cosas sean diferentes. Los visionarios se imaginan a sí mismos haciendo la diferencia, los soñadores piensan en lo bonito que sería que se hiciera algo, los visionarios buscan una oportunidad para hacer algo.

Aquí esta mi aliento:

Ora por la visión (con regularidad), no tienes lo que deseas porque no pides (Santiago 4: 2)

Establece metas (personales y ministeriales) basadas en la visión que Dios te dio – (Proverbios 21: 5, Salmo 20: 4)

Fugas de visión! Comparte la visión con tu equipo de liderazgo (regularmente): donde no hay visión, la gente perece (Proverbios 29:18)

¡Mantente animado! – Pero David se fortaleció en el Señor su Dios. (1 Samuel 30: 6)

Me gustaría agregar una cosa extremadamente importante: cuanto mayor es la visión, mayor es la adversidad. Si la visión es de Dios, será mucho más grande que tú. ¡No te asustes! ¡Anímate cuando venga la adversidad y sigue adelante!

Ora: Dios, nuestro te busco. ¡Dame visión para ver cosas como tú!

Wanted: Church Planters

By Stephen Daigle, College and Young Adult Pastor at Celebration Church, www.celebrationchurch.org

After college, I made the decision to take time traveling, visiting and living with missionaries, to figure out what it was that God wanted me to do with my life. It was during that time that I felt a strong burden for the country of India. I spent time over the following years living with a family in northeast India and assisting in small church plants in remote Hindi villages.

Living with a local family helped me to understand the value of house churches. There was never a ‘big churches are bad’ mentality, but more of a ‘if we are going to change the village, we must start with one family at a time’. Much of our time was spent walking from village to village and holding ‘service’ with 1-2 families (that would allow us the opportunity) consistently in their home. It was a rich time of ministry that I will never forget and a time that has personally molded me for the work the God has called me to now.

Fast forward eight years. Just two months ago I took a team from our church (in America) to aid in the work in North East India. We invited the pastors of the churches in the villages that we had planted over the course of the last 8 years to join with us during this time and provide pastoral training for them. One by one they shared with our team their testimony of how God had gotten their attention (from the ‘service’ that was being held in their family member/friends home) and how they had ultimately surrendered their lives to his calling. Most of them faced persecution and were kicked out of their families, but remained committed to the work.  Today they are overseeing more than 6 churches in different villages. Each is reaching the families in those villages and spreading the Gospel.

God has used my time in India to show me the need for (and value of) church planting using the biblical model of cell ministry. Scripture shows us that the local church was established in houses:

  • Church in Prisca and Aquila’s house [1 Corinthians 16:19]
  • Church in Lydia’s house [Acts 16:40]
  • Church in Nympha’s house [Colossians 4:15]
  • Church in Philemon’s house [Philemon 1:2]

Cell ministry is and should be a pipeline for church planters. Leading a cell is one of the greatest callings one can have! I have conversations frequently that include statements like ‘If I don’t go to Seminary (or Bible College), then I can’t really do much in the ministry.’  What a false mindset and precedent that has been set in church culture! Pastors, we ARE raising church planters via cell ministry!!! As leaders, we should be encouraging our leaders and also casting vision for them as the church planters that they already are! Pray that we would see the church planters in front of us and that God would help us to see the bigger vision (The World).

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Procurado: Plantadores de Igrejas

Por Stephen Daigle, Pastor Universitário e de Jovens na Celebration Church, www.celebrationchurch.org

Depois da faculdade, tomei a decisão de tirar um tempo para viajar, visitar e viver com missionários, para descobrir o que Deus queria que eu fizesse com a minha vida. Foi nessa época que senti um forte chamado para a Índia. Passei algum tempo nos anos seguintes vivendo com uma família no nordeste da Índia e ajudando em pequenas igrejas em vilarejos hindi distantes.

Viver com uma família local me ajudou a entender o valor das igrejas domésticas. Nunca houve uma mentalidade de “grandes igrejas são ruins”, mas mais um entendimento que “se quisermos mudar a aldeia, devemos começar com uma família de cada vez”. Muito do nosso tempo foi gasto andando de aldeia em aldeia e fazendo “cultos” com 1-2 famílias (que nos permitiama oportunidade) de forma consistente em suas casas. Foi um tempo rico de ministério que jamais esquecerei e um tempo que me moldou pessoalmente para o trabalho para o qual Deus me chamou agora.

Oito anos depois… Apenas dois meses atrás eu levei uma equipe da nossa igreja (nos EUA) para ajudar no trabalho no nordeste da Índia. Convidamos os pastores das igrejas nas aldeias que plantamos ao longo dos últimos 8 anos a unirem-se a nós durante este tempo e a fornecerem treinamento pastoral para eles. Um por um, eles compartilharam com nossa equipe o testemunho de como Deus havia recebido sua atenção (do “culto” que estava sendo realizado nas casas de seus familiares e amigos) e como eles finalmente entregaram suas vidas ao seu chamado. A maioria enfrentou perseguição e foi expulsa de suas famílias, mas permaneceu comprometida com o trabalho. Hoje eles estão supervisionando mais de 6 igrejas em diferentes aldeias. Cada um está alcançando as famílias nessas aldeias e espalhando o Evangelho.

Deus usou meu tempo na Índia para me mostrar a necessidade (e valor) de plantar igrejas usando o modelo bíblico de ministério celular. As escrituras nos mostram que a igreja local foi estabelecida em casas:

  • Igreja na casa de Áquila e Priscila [1 Coríntios 16:19]
  • Igreja na casa de Lídia [Atos 16:40]
  • Igreja na casa de Ninfa [Colossenses 4:15]
  • Igreja na casa de Filemom [Filemom 1:2]

O ministério celular é e deve ser um canal para plantadores de igrejas. Liderar uma célula é um dos maiores chamados que se pode ter! Eu tenho conversas frequentes que incluem declarações como “Se eu não for ao Seminário (ou Faculdade Bíblica), então eu realmente não posso fazer muita coisa no ministério”. Que falsa mentalidade e precedente foi estabelecido na cultura da igreja! Pastores, estamos levantando plantadores de igrejas através do ministério celular!!! Como líderes, devemos encorajar nossos líderes e também lançar a visão para eles como os plantadores de igrejas que eles já são! Ore para que possamos ver os plantadores de igrejas à nossa frente e que Deus nos ajude a ver a visão maior (O Mundo).

Spanish blog:

Se busca: plantadores de iglesias

Por Stephen Daigle, pastor de la universidad y adultos jóvenes en Celebration Church, www.celebrationchurch.org

Después de la universidad, tomé la decisión de tomarme un tiempo viajando, visitando y viviendo con misioneros, para averiguar qué era lo que Dios quería que hiciera con mi vida. Fue durante ese tiempo que sentí una fuerte carga para el país de la India. Durante los años siguientes, pasé un tiempo viviendo con una familia en el noreste de la India y ayudando en pequeñas iglesias en pueblos remotos de Hindi.

Vivir con una familia local me ayudó a comprender el valor de las iglesias en casas. Nunca hubo una mentalidad de “las iglesias grandes son malas”, sino más bien de una “si vamos a cambiar la aldea, debemos comenzar con una familia a la vez”. Gran parte de nuestro tiempo lo pasamos caminando de un pueblo a otro y manteniendo el “servicio” con 1-2 familias (lo que nos daría la oportunidad) de manera constante en su hogar. Fue un tiempo rico de ministerio que nunca olvidaré y un tiempo que personalmente me ha moldeado para la obra a la que Dios me ha llamado ahora.

Avance rápido, ocho años. Hace solo dos meses tomé un equipo de nuestra iglesia (en Estados Unidos) para ayudar en el trabajo en el noreste de la India. Invitamos a los pastores de las iglesias en las aldeas que habíamos plantado durante los últimos 8 años para unirnos a nosotros durante este tiempo y brindarles capacitación pastoral. Uno por uno compartieron con nuestro equipo su testimonio de cómo Dios había captado su atención (del “servicio” que se estaba llevando a cabo en el hogar de sus familiares / amigos) y cómo finalmente habían rendido sus vidas a su llamamiento. La mayoría de ellos se enfrentaron a la persecución y fueron expulsados ​​de sus familias, pero seguían comprometidos con el trabajo. Hoy están supervisando más de 6 iglesias en diferentes aldeas. Cada uno está llegando a las familias en esas aldeas y difundiendo el Evangelio.

Dios ha usado mi tiempo en la India para mostrarme la necesidad (y el valor de) la plantación de iglesias utilizando el modelo bíblico del ministerio celular. Las Escrituras nos muestran que la iglesia local se estableció en casas:

  • Iglesia en la casa de Priscila y Aquila [1 Corintios 16:19]
  • Iglesia en la casa de Lidia [Hechos 16:40]
  • Iglesia en la casa de Ninfas [Colosenses 4:15]
  • Iglesia en la casa de Filemón [Filemón 1: 2]

El ministerio celular es y debe ser un conducto para los plantadores de iglesias. ¡Dirigir una célula es uno de los mejores llamamientos que uno puede tener! Con frecuencia, tengo conversaciones que incluyen afirmaciones como “Si no voy al Seminario (o al Colegio Bíblico), entonces realmente no puedo hacer mucho en el ministerio”. ¡Qué falsa mentalidad y precedente se ha establecido en la cultura de la iglesia! Pastores, ¡ESTAMOS criando plantadores de iglesias a través del ministerio celular! ¡Como líderes, debemos alentar a nuestros líderes y también ofrecerles una visión de ellos como plantadores de iglesias que ya son! Oremos para que veamos a los plantadores de iglesias frente a nosotros y que Dios nos ayude a ver la visión más grande (El mundo).

Trust The Process

By Stephen Daigle, College and Young Adult Pastor at Celebration Church, www.celebrationchurch.org

Working with young adults, I constantly get asked ‘when did you know that you were supposed to be (or called to be) a pastor?’ That’s a loaded question if you ask me. Reason being is because I consider that ‘knowing my calling’ is more of a process than a moment.  It’s the process that challenges, molds and shapes the individual into what God will use to lead His people. The journey to becoming a great cell pastor will contain the following…

Small Beginnings (Zechariah 4:10). Too many are looking for the microphone and not the broom. If you’re too big to serve, clean, etc.. then you are too small for the microphone. Jesus set the standard for servant leadership (Matthew 20:28). Don’t overlook or discount what God wants to teach you behind the stage. The lessons that God taught my wife and I in our first cell has translated to exponential growth 5 years later.

Consistency (Luke 16:10). Like most new things that we commit to, The ‘honeymoon phase’ is new and exciting! But what happens when that season passes really shows what’s inside. Will you stay the course when you are the only one doing so? Only those who are consistent (and faithful) will be rewarded.

Passion (Psalm 69:9). Passion is contagious. Maintaining that passion during times of conflict, uncertainty and trials is crucial in leading well. What do you do to fan your gift and passion into flame? (2 Timothy 1:6). Time in the Word, Worship and remembering what God has done in my life helps to keep the Passion going for me.

Vision (Proverbs 29:18). Do you own the vision or does the vision own you? If you own the vision, you can also disown it. But if the vision owns you, it’s impossible to loose sight of ‘the goal’. Without vision from the Lord, you will be swayed by the newest trends or latest ‘this is how to do it’ methods. Ask the Lord for vision. Don’t stop asking the Lord for vision!

During my journey to ‘know my calling’ I’ve encountered, fought with and was challenged by these things. Some took more time than others as God molded me (and is continuing to mold me). I challenge you to embrace the start, no matter how small it may be! Stay the course and be faithful with whatever it is you are called to do. Fan your passion for the Lord into flames daily! Pray for vision. If you ask, God will give. Becoming a great cell church pastor takes time. Trust the Process.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Confie no Processo

Por Stephen Daigle, Pastor de Jovens e Universitários na Celebration Church, www.celebrationchurch.org

Trabalhando com jovens adultos, sempre me perguntam “quando você sabia que deveria ser (ou chamado para ser) um pastor?” Essa é uma pergunta carregada, se você me perguntar. O motivo é porque considero que “conhecer meu chamado” é mais um processo do que um momento. É o processo que desafia e molda o indivíduo naquilo que Deus usará para liderar Seu povo. A jornada para se tornar um grande pastor envolverá o seguinte …

Pequenos Começos (Zacarias 4:10). Muitos estão procurando pelo microfone e não pela vassoura. Se você é grande demais para servir, limpar, etc., você é pequeno demais para o microfone. Jesus estabeleceu o padrão para a liderança que serve (Mateus 20:28). Não ignore nem desconsidere o que Deus quer ensinar a você por trás do palco. As lições que Deus ensinou a mim e a minha esposa em nossa primeira célula se traduziram em crescimento exponencial cinco anos depois.

Consistência (Lucas 16:10). Como a maioria das coisas novas com as quais nos comprometemos, a “fase da lua de mel” é nova e excitante! Mas o que acontece depois que a temporada passa mostra o que realmente está dentro. Você permanecerá no curso quando for o único trabalhando? Somente aqueles que são consistentes (e fiéis) serão recompensados.

Paixão (Salmo 69:9). A paixão é contagiosa. Manter essa paixão em tempos de conflito, incerteza e provações é crucial para liderar bem. O que você faz para deixar seu dom e paixão em chamas? (2 Timóteo 1:6). Tempo na Palavra, adoração e lembrar-me do que Deus fez em minha vida ajuda a manter a paixão em mim.

Visão (Provérbios 29:18). Você possui a visão ou a visão possui você? Se você possui a visão, você também pode negar isso. Mas se a visão possui você, é impossível perder a visão do “objetivo”. Sem a visão do Senhor, você será influenciado pelas mais novas tendências ou pelos métodos mais recentes de “faça desse jeito”. Peça ao Senhor por visão. Não pare de pedir ao Senhor por visão!

Durante minha jornada para “conhecer minha vocação”, encontrei, lutei e fui desafiado por essas coisas. Algumas coisas demoraram mais do que outras, pois Deus me moldou (e continua a me moldar). Eu desafio você a abraçar o começo, não importa quão pequeno seja! Continue o curso e seja fiel com o que quer que você seja chamado a fazer. Abane sua paixão pelo Senhor para aumentar as chamas diariamente! Ore por visão. Se você pedir, Deus dará. Tornar-se um grande pastor da igreja celular leva tempo. Confie no processo.

Spanish blog:

Confía en el proceso

Por Stephen Daigle, pastor de universidad y adultos jóvenes en Celebration Church, www.celebrationchurch.org

Trabajando con adultos jóvenes, constantemente me preguntan “¿cuándo supiste que debías ser (o ser llamado a ser un pastor)? Esa es una pregunta cargada si me preguntas. La razón de ser es porque considero que “conocer mi vocación” es más un proceso que un momento. Es el proceso que desafía, moldea y da forma al individuo en lo que Dios usará para guiar a su pueblo. El viaje para convertirse en un gran pastor celular contendrá lo siguiente …

Pequeños comienzos (Zacarías 4:10). Demasiados están buscando el micrófono y no la escoba. Si eres demasiado grande para servir, limpiar, etc., entonces eres demasiado pequeño para el micrófono. Jesús estableció el estándar para el liderazgo de servicio (Mateo 20:28). No pase por alto ni descuide lo que Dios quiere enseñarle detrás del escenario. Las lecciones que Dios enseñó a mi esposa y a mí en nuestra primera célula se tradujeron en un crecimiento exponencial 5 años después.

Consistencia (Lucas 16:10). Como la mayoría de las cosas nuevas con las que nos comprometemos, ¡la ‘fase de luna de miel’ es nueva y emocionante! Pero lo que sucede cuando pasa esa temporada realmente muestra lo que hay dentro. ¿Seguirás el curso cuando seas el único que lo haga? Solo aquellos que son consistentes (y fieles) serán recompensados.

Pasión (Salmo 69: 9). La pasión es contagiosa. Mantener esa pasión en tiempos de conflicto, incertidumbre y pruebas es crucial para liderar bien. ¿Qué haces para avivar tu don y tu pasión en llamas? (2 Timoteo 1: 6). Tiempo en la Palabra, adorar y recordar lo que Dios ha hecho en mi vida ayuda a que la Pasión siga adelante por mí.

Visión (Proverbios 29:18). ¿Eres dueño de la visión o te pertenece la visión? Si eres dueño de la visión, también puedes rechazarla. Pero si la visión te pertenece, es imposible perder de vista “la meta”. Sin la visión del Señor, te verás influenciado por las nuevas tendencias o los últimos métodos de “esto es cómo hacerlo”. Pídele visión al Señor. ¡No dejes de pedirle al Señor una visión!

Durante mi viaje para “conocer mi vocación”, me encontré, luché y fui desafiado por estas cosas. Algunas tomaron más tiempo que otros, ya que Dios me moldeó (y continúa moldeandome). Te desafío a abrazar el comienzo, ¡no importa cuán pequeño seas! Mantén el rumbo y sé fiel a lo que sea que estés llamado a hacer. ¡Aviva tu pasión por el Señor en llamas diariamente! Ora por la visión. Si lo pides, Dios te lo dará. Convertirse en un gran pastor de la iglesia celular toma tiempo. Confía en el proceso.

Get In The Game

By Stephen Daigle. Stephen serves as the College and Young Adult Pastor at Celebration Church in New Orleans, Louisiana. With a heart and passion for cell ministry and using the biblical cell model, Stephen and his wife Laura have led the way in building a thriving college and young adult ministry that continues to grow and impact the city of New Orleans, surrounding college and university campuses and the Gulf South.

Growing up I played a number of sports like basketball, baseball and soccer. Even though I had many different coaches, there was one that stands out from the rest (let’s call him Thiago). I was used to coaches calling plays from the sidelines or even telling us what drills to run during practice (from the sidelines).Thiago was from Brazil and took a much different approach to coaching than those I was used to. Instead of strategizing from the sideline while trying to communicate to us on the field on what to do, he actually came on the field at every practice and ran the drills with us. He got in line like the rest of the team, ran laps with the team and whatever he asked the team to do, he also was doing. I had never had a coach like that before and I remember thinking ‘I wish this guy was my coach for every season’. That particular year our team won the championship.

The most effective coaches aren’t the ones who call the plays from the sidelines (meetings, via text, via email, etc..), but those who actually get in the game and lead by example.

Sometimes as leaders, it’s easy to fall into the mindset trap of ‘been there done that’ and think that our ministry experience has in some way given us an out of ‘getting into the game’ with the team we have been given to lead. Telling stories and giving examples is one thing, but being a living example is completely different. I recently asked a group of leaders ‘What comes to mind when I say the word ‘discipleship’?’ I listened as one by one answers were given that were far from the example Jesus left of true discipleship. At that moment I realized that I had (slowly over time) slipped to the sidelines while leaving the team on the field. I had slipped into ‘calling the shots’ instead of leading by example.

Jesus set the standard for coaching. He led by example so that those he was leading would easily be able to follow. He made sure that his ‘team’ was ‘with him’ on the field  (Mark 3:13). The apostle Paul followed that example when He told the team he was leading to ‘imitate me as I imitate Christ’ (1 Corinthians 11:1).

Step away from the sidelines (and from behind the computer screens) and Get In The Game.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Entre no Jogo

Por Stephen Daugle. Stephen serve como Pastor de Universitários e Jovens Adultos na Celebration Church em Nova Orleans, Louisiana. Com um coração e paixão pelo ministério em células e usando o modelo de célula bíblico, Stephen e sua esposa Laura lideraram o caminho na construção de um próspero ministério universitário que continua a crescer e impactar a cidade de Nova Orleans, cercando faculdades e universidades e o sul do Golfo.

Conforme eu crescia, eu joguei vários esportes como basquete, beisebol e futebol. Embora eu tivesse muitos treinadores diferentes, havia um que se destacava do resto (vamos chamá-lo de Thiago). Eu estava acostumado com treinadores pedindo jogadas do lado de fora do campo ou até mesmo nos dizendo quais exercícios deveríamos fazer durante os treinos (do lado de fora). Thiago era do Brasil e adotou uma abordagem muito diferente para treinar do que aqueles com quem eu estava acostumado. Em vez de traçar estratégias a partir da linha lateral, enquanto tentávamos nos comunicar em campo sobre o que fazer, ele realmente entrava em campo em todos os treinos e fazia os exercícios com a gente. Ele entrava na fila como o resto da equipe, corria voltas com a equipe e tudo o que ele nos pedia para fazer, ele também fazia. Eu nunca tive um treinador como esse antes e me lembro de pensar ‘eu gostaria que esse cara fosse meu treinador por todas as temporadas’. Naquele ano em particular, nossa equipe venceu o campeonato.

Os treinadores mais eficazes não são aqueles que pedem as jogadas do lado de fora (reuniões, via texto, via e-mail, etc.), mas aqueles que realmente entram no jogo e lideram pelo exemplo.

Às vezes, como líderes, é fácil cair na armadilha da mentalidade de “já ter feito isso” e pensar que nossa experiência com o ministério nos deu alguma forma de “entrar no jogo” com a equipe que nos foi dada para liderar. Contar histórias e dar exemplos é uma coisa, mas ser um exemplo vivo é completamente diferente. Recentemente, perguntei a um grupo de líderes: “O que me vem à mente quando digo a palavra ‘discipulado’? Eu escutei uma a uma as respostas que foram dadas longe do exemplo que Jesus deixou do verdadeiro discipulado. Naquele momento eu percebi que eu tinha (lentamente ao longo do tempo) escorregado para o lado enquanto deixava a equipe no campo. Eu tinha escorregado para ‘dar as cartas’ em vez de liderar pelo exemplo.

Jesus estabeleceu o padrão para o treinamento. Ele liderou pelo exemplo para que aqueles que ele liderasse pudessem facilmente segui-Lo. Ele se certificou de que seu ‘time’ estivesse ‘com ele’ no campo (Marcos 3:13). O apóstolo Paulo seguiu esse exemplo quando disse à equipe que ele estava liderando a “imitar-me como eu imito a Cristo” (1 Coríntios 11:1).

Afaste-se das laterais (e de trás das telas do computador) e entre no jogo.

Spanish blog:

Entra en el juego

Por Stephen Daigle. Stephen se desempeña como pastor de la universidad y de adultos jóvenes en Celebration Church en Nueva Orleans, Louisiana. Con un corazón y una pasión por el ministerio celular y utilizando el modelo celular bíblico, Stephen y su esposa Laura han liderado el camino en la construcción de un próspero ministerio universitario y para adultos jóvenes que continúa creciendo e impactando en la ciudad de Nueva Orleans, alrededor de los campus universitarios y el golfo sur.

Al crecer jugué una serie de deportes como baloncesto, béisbol y fútbol. A pesar de que tenía muchos entrenadores diferentes, hubo uno que se destaca del resto (llamémoslo Thiago). Estaba acostumbrado a que los entrenadores llamaran jugadas desde el costado o incluso que nos dijeran qué ejercicios realizar durante la práctica (desde el costado). Santiago era de Brasil y adoptó un enfoque de entrenamiento muy diferente al que estaba acostumbrado. En lugar de establecer una estrategia desde la línea de banda mientras trataba de comunicarse con nosotros en el campo sobre qué hacer, él llegó al campo en cada práctica y realizó los simulacros con nosotros. Se alineó como el resto del equipo, corrió vueltas con el equipo y lo que le pidió al equipo que hiciera, también lo hacía. Nunca había tenido un entrenador así y recuerdo que pensé: ‘Desearía que este tipo fuera mi entrenador en todas las temporadas’. Ese año en particular nuestro equipo ganó el campeonato.

Los entrenadores más efectivos no son los que llaman a las jugadas desde la banca (reuniones, mensajes de texto, correo electrónico, etc.), sino aquellos que realmente entran en el juego y predican con el ejemplo.

A veces, como líderes, es fácil caer en la trampa mental de “haber hecho eso” y pensar que nuestra experiencia en el ministerio de alguna manera nos ha dado una forma de “entrar en el juego” con el equipo que se nos ha dado para liderar. Contar historias y dar ejemplos es una cosa, pero ser un ejemplo vivo es completamente diferente. Hace poco le pregunté a un grupo de líderes “¿Qué me viene a la mente cuando digo la palabra” discipulado “? Escuché mientras se daban respuestas una a una que estaban lejos del ejemplo que Jesús dejó del verdadero discipulado. En ese momento me di cuenta de que me había deslizado (lentamente con el tiempo) al margen mientras dejaba al equipo en el campo. Me había deslizado en ‘dirigir’ en lugar de liderar con el ejemplo.

Jesús estableció el estándar para el entrenamiento. Dirigió con el ejemplo para que aquellos a quienes lideraba pudieran seguir fácilmente. Se aseguró de que su ‘equipo’ estuviera ‘con él’ en el campo (Marcos 3:13). El apóstol Pablo siguió ese ejemplo cuando le dijo al equipo que iba a “imitarme como yo imito a Cristo” (1 Corintios 11: 1).

Aléjese de las líneas laterales (y de detrás de las pantallas de computadora) y Entré al Juego.