The Goal of Maturity

By Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

When I was in college, I played drums in a Christian band. The group had recorded an album, and my goal was to point people to Jesus through music.

Then one night after the concert I thought, “It’s great to tell people about Jesus, but what happens after they go home? How are they going to grow spiritually?”

Some people are called to be traveling evangelists, but at that moment I knew that my calling was to the local church. I knew that was where on-going discipleship happened – or it least it should.

Paul was an outstanding evangelist, yet his goal was not mere conversion, he wanted to see people grow spiritually mature.   

[Christ] is the one we proclaim, admonishing and teaching everyone with all wisdom, so that we may present everyone fully mature in Christ.  (Colossians 1:28)

And the Church is designed by God to bring people to spiritual maturity:

So Christ himself gave the apostles, the prophets, the evangelists, the pastors and teachers, 12 to equip his people for works of service, so that the body of Christ may be built up 13 until we all reach unity in the faith and in the knowledge of the Son of God and become mature, attaining to the whole measure of the fullness of Christ. (Ephesians 4:11-13)

A cell-based church consists of more than just holistic small groups; it includes elements like an Equipping Track and perhaps an Encounter Retreat to help believers grow mature in Christ. Our goals, like numbers of groups and leaders, all serve the purpose of helping more people become more like Jesus. Let us never be satisfied with anything less.

“To this end I strenuously contend with all the energy Christ so powerfully works in me.” (Colossians 1:29)

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O Objetivo da Maturidade

Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Eu era baterista na Universidade. A banda chegou a gravar um disco e meu objetivo era levar pessoas a Cristo pela música.

Uma certa noite, depois de uma apresentação eu pensei: “É maravilhoso falar de Jesus para as pessoas, mas e depois que elas vão pra casa, o que acontece? Como estas pessoas vão conseguir crescer em sua vida espiritual?”

Algumas pessoas são chamadas para serem evangelistas itinerantes, mas naquele momento eu percebi que meu chamado era para a igreja local. Eu sabia que é na igreja local que acontece o discipulado, ou pelo menos é onde ele deveria acontecer.

Paulo foi um evangelista extraordinário, e ainda assim seu objetivo não era apenas a conversão das pessoas, ele queria vê-las crescer em maturidade espiritual.

“o qual (Cristo) nós anunciamos, advertindo a todo homem e ensinando a todo homem em toda a sabedoria, a fim de que apresentemos todo homem perfeito em Cristo” (Colossenses 1:28)

A Igreja foi planejada por Deus para levar as pessoas à maturidade espiritual:

11 E ele mesmo concedeu uns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas e outros para pastores e mestres, 12 com vistas ao aperfeiçoamento dos santos para o desempenho do seu serviço, para a edificação do corpo de Cristo, 13 Até que todos cheguemos à unidade da fé e do pleno conhecimento do Filho de Deus, à perfeita varonilidade, à medida da estatura da plenitude de Cristo” (Efésios 4:11-13)

Uma igreja em células é mais do que um conjuntos de pequenos grupos integrados; fazem parte do conceito um Trilho de Treinamento e talvez também um Retiro de Encontro com Deus, para ajudar os crentes a crescer em Cristo. Os nossos objetivos de número de grupos e líderes servem ao propósito de ajudar cada vez mais pessoas a serem mais como Jesus. Não devemos almejar nada menos do que isso.

“…para isso é que eu também me afadigo, esforçando-me o mais possível, segundo a sua eficácia que opera eficientemente em mim” (Colossenses 1:29)

Spanish blog:

El objetivo de la madurez

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Cuando estaba en la universidad, tocaba la batería en una banda cristiana. El grupo había grabado un álbum y mi objetivo era llevar a la gente a Jesús a través de la música.

Luego, una noche, después del concierto, pensé: “Es genial contarle a la gente acerca de Jesús, pero ¿qué sucede después de que se van a casa? ¿Cómo van a crecer espiritualmente?”.

Algunas personas son llamadas a ser evangelistas itinerantes, pero en ese momento supe que mi llamado era a la iglesia local. Sabía que ahí era donde ocurría el discipulado continuo, o al menos debería.

Pablo fue un evangelista destacado, pero su meta no era la mera conversión, él quería ver a las personas madurar espiritualmente.

[Cristo] es el que proclamamos, amonestando y enseñando a todos con toda sabiduría, para que podamos presentar a todos plenamente maduros en Cristo. (Colosenses 1:28)

Y la Iglesia está diseñada por Dios para llevar a las personas a la madurez espiritual:

Así Cristo mismo dio a los apóstoles, a los profetas, a los evangelistas, a los pastores y maestros, 12 para preparar a su pueblo para las obras del servicio, a fin de que el cuerpo de Cristo sea edificado 13 hasta que todos lleguemos a la unidad en la fe y en la conocimiento del Hijo de Dios y maduréis, alcanzando toda la medida de la plenitud de Cristo. (Efesios 4:11-13)

Una iglesia basada en células consta de más que pequeños grupos holísticos; incluye elementos como una pista de equipamiento y tal vez un retiro de encuentro para ayudar a los creyentes a madurar en Cristo. Nuestras metas, como el número de grupos y líderes, tienen el propósito de ayudar a más personas a ser más como Jesús. Nunca estemos satisfechos con nada menos.

“Con este fin lucho enérgicamente con toda la energía que Cristo tan poderosamente obra en mí”. (Colosenses 1:29)

Span of Care

By Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Most churches in the United States are small; the median size is 65. That means half of the churches have less than 65 people, half have more.

Perhaps one of the reasons for this is that there is a limit to the number of people of that a pastor can care for personally. If people are not cared for, they will drift away from the fellowship. Sitting shoulder-to-shoulder in the celebration service will not retain people forever. We need face-to-face connection with others in order to feel part of the church family. But one pastor can only care for a limited number of people.

Cell groups solve the “span of care” problem. If someone is in a group, they will have a few people who will know what is happening in their lives, pray for them personally, and listen. The group leader can see that each member is cared for, but doesn’t have an overwhelming number to shepherd. The coach cares for a few group leaders while the staff cares for the coaches. When the number of groups grows, a new coach is equipped and no one person is overwhelmed. In this way, the span of care is kept small while the level of care is high That allows the church to grow, and the people to be loved and cared for while they grow in the image of Jesus. 

How is the span of care in your church? In your ministry? If you are at the maximum number of people you can care for, pray that God will show you someone to equip as a new leader and release even more love and care than ever. 

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Extensão do Cuidado

Por Steve Cordle,  www.crossroadsumc.org

A maioria das igrejas nos Estados Unidos é pequena; o tamanho médio é de 65. Isso significa que metade das igrejas tem menos de 65 pessoas, metade tem mais.

Talvez uma das razões para isso seja que há um limite para o número de pessoas que um pastor pode cuidar pessoalmente. Se as pessoas não forem cuidadas, elas se afastarão da comunhão. Sentar-se lado a lado no culto de celebração não reterá as pessoas para sempre. Precisamos de conexão face a face com os outros para nos sentirmos parte da família da igreja. Mas um pastor só pode cuidar de um número limitado de pessoas.

Os grupos de células resolvem o problema da “extensão do cuidado”. Se alguém estiver em um grupo, eles terão algumas pessoas que saberão o que está acontecendo em suas vidas, orarão por eles pessoalmente e ouvirão. O líder do grupo pode ver que cada membro é cuidado, mas não tem um número esmagador para pastorear. O supervisor cuida de alguns líderes de grupo, enquanto a equipe cuida dos supervisores. Quando o número de grupos cresce, um novo supervisor é equipado e ninguém fica sobrecarregado. Desta forma, a extensão do cuidado é mantida pequena enquanto o nível de cuidado é alto, o que permite que a igreja cresça e as pessoas sejam amadas e cuidadas enquanto crescem à imagem de Jesus.

Como é a extensão do cuidado em sua igreja? Em seu ministério? Se você está no número máximo de pessoas que pode cuidar, ore para que Deus lhe mostre alguém para equipar como um novo líder e liberar ainda mais amor e cuidado do que nunca.

Spanish blog:

Amplitud de la atención

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

La mayoría de las iglesias en los Estados Unidos son pequeñas; el tamaño medio es 65. Eso significa que la mitad de las iglesias tienen menos de 65 personas, la mitad tiene más.

Quizás una de las razones de esto es que hay un límite en el número de personas a las que un pastor puede cuidar personalmente. Si no se cuida a las personas, se alejarán de la confraternidad. Sentarse hombro con hombro en el servicio de celebración no retendrá a las personas para siempre. Necesitamos una conexión cara a cara con los demás para sentirnos parte de la familia de la iglesia. Pero un pastor solo puede cuidar de un número limitado de personas.

Los grupos celulares resuelven el problema de la “amplitud de la atención”. Si alguien está en un grupo, tendrá algunas personas que sabrán lo que está sucediendo en sus vidas, orarán por ellos personalmente y escucharán. El líder del grupo puede ver que cada miembro sea atendido, pero no tiene un número abrumador para pastorear. El supervisor se preocupa por algunos líderes de grupo mientras que el personal se preocupa por los supervisores. Cuando crece el número de grupos, se equipa un nuevo supervisor y nadie se siente abrumado. De esta manera, el lapso de atención se mantiene pequeño mientras que el nivel de atención es alto.  Eso permite que la iglesia crezca y que las personas sean amadas y cuidadas mientras crecen a la imagen de Jesús.

¿Cómo es el tiempo de atención en su iglesia? ¿En su ministerio? Si está en el número máximo de personas que puede cuidar, ore para que Dios le muestre a alguien para equiparlo como un nuevo líder y liberar aún más amor y cuidado que nunca.

Small Enough to Care

By Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

The Apostle Paul wrote to the Thessalonians “We ought always to thank God for you, brothers and sisters, and rightly so, because your faith is growing more and more, and the love all of you have for one another is increasing.”

Paul was reassured that the Thessalonians were spiritually healthy because their love for each other was growing, as was their faith. Jesus said loving our neighbors was just behind the love for God as the most important command.

Cell ministry allows love to grow because it brings people into true community with one another. The small size of the group allows people to hear one another’s stories in a way that can’t happen in a larger celebration service. It allows us to fulfill the command to bear one another’s burdens, because we get to know what they are.  We can “rejoice with those who rejoice; mourn with those who mourn.” (Romans 12:15).

It is still possible for a small group to miss this blessing, though. If the members will not open up about what is really happening in their lives they will have surface relationships. If they do not open up about their burdens, no one can help them carry them. If they do not let others know that they are mourning, no one will be able to come alongside them.  

Group leaders can help their members experience true community by being open and honest about their own successes and failures, and their ups and downs. Be authentic and you will find that people are attracted, not repelled.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Pequeno o Suficiente Para Cuidar

Por Steve Cordle,  www.crossroadsumc.org

O apóstolo Paulo escreveu aos tessalonicenses: “Devemos sempre dar graças a Deus por vocês, irmãos e irmãs, e com razão, porque sua fé está crescendo cada vez mais, e o amor que vocês têm uns pelos outros está aumentando”.

Paulo foi assegurado de que os tessalonicenses eram espiritualmente saudáveis porque seu amor um pelo outro estava crescendo, assim como sua fé. Jesus disse que amar o próximo estava logo atrás do amor a Deus como o mandamento mais importante.

O ministério em célula permite que o amor cresça, porque traz as pessoas para uma verdadeira comunidade umas com as outras. O pequeno tamanho do grupo permite que as pessoas ouçam as histórias umas das outras de uma maneira que não pode acontecer em um culto de celebração maior. Permite-nos cumprir a ordem de carregar os fardos uns dos outros, porque passamos a saber quais são. Podemos “regozijar-nos com os que se alegram; chorai com os que choram”. (Romanos 12:15)

No entanto, ainda é possível que um pequeno grupo perca essa bênção. Se os membros não se abrirem sobre o que realmente está acontecendo em suas vidas, eles terão relacionamentos superficiais. Se eles não se abrirem sobre seus fardos, ninguém poderá ajudá-los a carregá-los. Se eles não deixarem os outros saberem que estão de luto, ninguém poderá se aproximar.

Os líderes de grupo podem ajudar seus membros a vivenciar a verdadeira comunidade sendo abertos e honestos sobre seus próprios sucessos e fracassos, seus altos e baixos. Seja autêntico e você descobrirá que as pessoas são atraídas, não repelidas.

Spanish blog:

Suficientemente pequeño para poder cuidarlo

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

El Apóstol Pablo escribió a los Tesalonicenses: “Siempre debemos dar gracias a Dios por ustedes, hermanos y hermanas, y con razón, porque su fe crece más y más, y el amor que todos ustedes se tienen crece cada vez más”.

A Pablo se le aseguró que los tesalonicenses estaban espiritualmente sanos porque su amor mutuo estaba creciendo, al igual que su fe. Jesús dijo que amar a nuestro prójimo estaba justo detrás del amor a Dios como el mandamiento más importante.

El ministerio celular permite que el amor  crezca, porque lleva a las personas a una verdadera comunidad entre sí. El pequeño tamaño del grupo permite que las personas escuchen las historias de los demás de una manera que no puede suceder en un servicio de celebración más grande. Nos permite cumplir el mandato de llevar las cargas los unos de los otros, porque conocemos cuáles son. Podemos “gozarnos con los que se gozan; llorar con los que lloran.” (Romanos 12:15)

Sin embargo, todavía es posible que un grupo pequeño se pierda esta bendición. Si los miembros no se abren sobre lo que realmente está sucediendo en sus vidas, tendrán relaciones superficiales. Si no se abren acerca de sus cargas, nadie podrá ayudarlos a llevarlas. Si no les hacen saber a los demás que están de luto, nadie podrá acompañarlos.

Los líderes de grupo pueden ayudar a sus miembros a experimentar una verdadera comunidad siendo abiertos y honestos acerca de sus propios éxitos y fracasos, sus altibajos. Sea auténtico y encontrará que la gente se siente atraída, no repelida.

The Right Stuff

By Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Before planting our church, I wrestled for a year and a half with the question, “Do I have what it takes to be a church planter?” I didn’t know how to tell.

Today I would point to the three traits Stadia church planting network looks for:

  1. Strong sense of call from God


A call can come in many different forms. For me it was an ever-increasing drive to plant and an ever-sharpening vision of what the church would look like. Someone else might have a different call experience.

The call is vital because planting is difficult. It is spiritual warfare, and sometimes the only thing that keeps you going is the knowledge that God has called you to do it.

  1. Personal Readiness


Starting a church is a little like becoming a parent: no one is ever fully ready.

However, there are some key marks to look for:

– Spiritual maturity such as: exhibiting fruit of the Spirit, also a strong two-way

– A healthy marriage and family.

– Mental health: free from life-controlling depression, anxiety,

  1. Gifts/skill


Most basic, before you consider starting a church, start and multiply a cell group.

That is because doing so involves evangelism and discipleship, and developing another leader to do the same thing. Starting a church is simply doing that on a larger scale.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

A Coisa Certa

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Antes de plantar nossa igreja, lutei por um ano e meio com a pergunta: “Eu tenho o que é preciso para ser um plantador de igrejas?” eu não sabia dizer.

Hoje eu gostaria de apontar para as três características que a rede de plantação de igrejas Stadia procura:

  1. Forte senso de chamado de Deus


Uma chamada pode vir de muitas formas diferentes. Para mim, foi um impulso cada vez maior para plantar e uma visão cada vez mais nítida de como a igreja seria. Outra pessoa pode ter uma experiência de chamada diferente.

A chamada é vital porque plantar é difícil. É uma guerra espiritual e, às vezes, a única coisa que o mantém em movimento é o conhecimento de que Deus o chamou para fazer isso.

  1. Prontidão Pessoal


Começar uma igreja é um pouco como se tornar um pai: ninguém está totalmente pronto.

No entanto, existem algumas marcas importantes a serem observadas:

– Maturidade espiritual, como: exibir fruto do Espírito, também uma forte mão dupla

– Um casamento e uma família saudáveis.

– Saúde mental: livre de depressão que controla a vida, ansiedade,

  1. Dons/habilidade


Mais básico, antes de considerar começar uma igreja, comece e multiplique uma célula.

Isso porque fazer isso envolve evangelismo e discipulado, e desenvolver outro líder para fazer a mesma coisa. Começar uma igreja é simplesmente fazer isso em uma escala maior.

Spanish blog:

Lo correcto 

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Antes de plantar nuestra iglesia, luché durante un año y medio con la pregunta: “¿Tengo lo que se necesita para ser un plantador de iglesias?” no sabia como decirlo

Hoy señalaría los tres rasgos que busca la red de plantación de iglesias de Stadia:

  1. Fuerte sentido del llamado de Dios


Una llamada puede venir en muchas formas diferentes. Para mí fue un impulso cada vez mayor para plantar y una visión cada vez más nítida de cómo sería la iglesia. Alguien más podría tener una experiencia de llamada diferente.


La llamada es vital porque la siembra es difícil. Es una guerra espiritual y, a veces, lo único que te mantiene en marcha es el conocimiento de que Dios te ha llamado a hacerlo.

  1. Preparación personal


Comenzar una iglesia es un poco como convertirse en padre: nadie está completamente preparado.


Sin embargo, hay algunas marcas clave que debe buscar:

– Madurez espiritual como: exhibir el fruto del Espíritu, también una fuerte doble vía

– Un matrimonio y una familia saludables.

– Salud mental: libre de depresión que controla la vida, y ansiedad. 

  1. Dones/habilidades


Lo más básico, antes de considerar comenzar una iglesia, comience y multiplique un grupo celular.

Eso es porque hacerlo implica evangelismo y discipulado, y desarrollar otro líder para hacer lo mismo. Comenzar una iglesia es simplemente hacer eso a mayor escala.

Why plant?

By Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

When I set out to plant our church 30 years ago, I was asked, “Why plant new churches? Don’t we already have enough? Let’s strengthen the churches we have.”

It’s a fair question, and I answer it differently today than I did then.

The truth is, Jesus never commanded us to plant churches; he commanded us to make disciples. (Matthew 28:19-20) When we fulfill the mission to make disciples, the unavoidable result will be a church.

We see this in Acts 16, when Paul and Silas led Lydia to faith in Jesus at Philippi. She and members of her household were baptized. Then the Philippian jailer was saved, along with his household. Together they formed the first church on the European continent, and Paul’s letter to that church became the book of Philippians in our Bible. That church was born because Paul and Silas made disciples.

It has been said that when we make disciples we always get a church, but the reverse is not always true; when we start a church we don’t always get disciples. That’s because sometimes we plant worship services instead of churches; that is, instead of planting a network of disciples in relationship with each other we create an event that we hope will result in disciples in relationship with each other.

Starting with a cell group that multiplies is a great way to assure that the new work we begin will make disciples.

Korean blog (click here) 

Portuguese blog:

Por que plantar?

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Quando comecei a plantar nossa igreja há 30 anos, me perguntaram: “Por que plantar novas igrejas? Já não temos o suficiente? Vamos fortalecer as igrejas que temos”.

É uma pergunta justa, e eu respondo de forma diferente hoje do que eu fiz na época.

A verdade é que Jesus nunca nos mandou plantar igrejas; ele nos mandou fazer discípulos. (Mateus 28:19-20) Quando cumprirmos a missão de fazer discípulos, o resultado inevitável será uma igreja.

Vemos isso em Atos 16, quando Paulo e Silas levaram Lídia à fé em Jesus em Filipos. Ela e os membros de sua família foram batizados. Então o carcereiro filipense foi salvo, junto com sua família. Juntos, eles formaram a primeira igreja no continente europeu, e a carta de Paulo a essa igreja tornou-se o livro de Filipenses em nossa Bíblia. Essa igreja nasceu porque Paulo e Silas fizeram discípulos.

Já foi dito que quando fazemos discípulos sempre temos uma igreja, mas o inverso nem sempre é verdade; quando começamos uma igreja, nem sempre conseguimos discípulos. Isso porque às vezes plantamos cultos em vez de igrejas; isto é, em vez de plantar uma rede de discípulos em relacionamento uns com os outros, criamos um evento que esperamos que resulte em discípulos em relacionamento uns com os outros.

Começar com uma célula que se multiplica é uma ótima maneira de assegurar que o novo trabalho que iniciamos fará discípulos.

Spanish blog:

¿Por qué plantar?

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Cuando me propuse plantar nuestra iglesia hace 30 años, me preguntaron: “¿Por qué plantar nuevas iglesias? ¿No tenemos ya suficientes? Fortalezcamos las iglesias que tenemos”.  

Es una pregunta justa, y la respondo hoy de manera diferente a la de entonces.

La verdad es que Jesús nunca nos ordenó plantar iglesias; nos ordenó hacer discípulos. (Mateo 28:19-20) Cuando cumplimos la misión de hacer discípulos, el resultado inevitable será una iglesia.

Lo vemos en Hechos 16, cuando Pablo y Silas llevaron a Lidia a la fe en Jesús en Filipos. Ella y los miembros de su casa fueron bautizados. Luego el carcelero de Filipos fue salvado, junto con su familia. Juntos formaron la primera iglesia en el continente europeo, y la carta de Pablo a esa iglesia se convirtió en el libro de Filipenses en nuestra Biblia. Esa iglesia nació porque Pablo y Silas hicieron discípulos.

Se ha dicho que cuando hacemos discípulos siempre conseguimos una iglesia, pero lo contrario no siempre es cierto; cuando fundamos una iglesia no siempre conseguimos discípulos. Esto se debe a que a veces plantamos servicios de adoración en lugar de iglesias; es decir, en lugar de plantar una red de discípulos en relación con los demás, creamos un evento que esperamos que resulte en discípulos en relación con los demás.

Comenzar con un grupo celular que se multiplica es una gran manera de asegurar que la nueva obra que comenzamos hará discípulos.