Let’s Be Normal

daphne

by Daphne Kirk, www.gnation2gnation.com

Reaching the “unchurched” must be the focus for those who follow the One who came to seek and save the lost. Cell is community, where all are welcome unconditionally, and can connect easily with cell members and with their God

Sometimes we lose our sense of “being normal” when we are in any church setting. Our language changes, the way we relax, have fun, and we can become so detached from the world around us. Those who have no experience of church, kingdom language and “customs” can feel alienated from the people who care about them.

I was in the home of some very dear Muslim friends just last week. It was time for their “prayer.” They casually said to another lady and me, “Just keep chatting” as they put their prayer mats in the middle of the living room, prayed silently. When finished they simply carried on talking to me. It was all so natural and easy.  This has occurred many times when I have been in their homes.  I thought how wonderful it would be if we as Christians could be as natural and accommodating about the One True Living God.

I was in a cell where there were two new unbelievers. The cell leader suggested a time of prayer.  They looked at each other in horror. I quietly said, “don’t worry we are just chatting to Jesus.” They smiled, relaxed, and then one of them asked “can I chat too?” He then proceeded to chat in normal language–quite a contrast to the cell members who had all adopted “Christianese” language and stance.

Another occasion we had a 10-year old boy come into the house who had never been in a church setting. His family was into drugs, etc.   We were praying when he came in.  He looked around the door and asked what we were doing. After explaining  that we were chatting to Jesus and listening to what He had to say to us, I said, “Ask Jesus how much he loves you.” This young lad stopped for about 2 seconds and then said “I know! He told me He loves me more than I need water.” Amazing!

The first time I went into a public bar to ask directions, I looked around the door and was horrified. I had no idea where to go or who to ask. It was alien territory to me. At that moment I thought that this is what it must feel like when an unchurched person comes into our midst, no idea of the songs, how to pray, when to stand, when to sit, and how to find the verses in the bible. Culture shock!

So remember that integration means that we make the initial bridges that bring outsiders into the community of God.

Daphne

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Sejamos normais!

Por Daphne Kirk, www.gnation2gnation.com

Alcançar os “sem-igreja” deve ser o foco daqueles que seguem o Único, que veio para buscar e salvar o perdido. A célula é uma comunidade, onde todos são bem vindos incondicionalmente, e podem conectar-se facilmente com os membros de célula e com seu Deus.

Algumas vezes nós perdemos nosso senso de “ser normal” quando estamos em qualquer cenário da igreja. Nosso linguajar, a maneira que relaxamos e nos divertimos, muda, e podemos nos tornar muito distantes do mundo ao nosso redor. Aqueles que não tem experiência de igreja, linguagem e “costumes” do reino podem não se sentir bem vindos pelas pessoas que se importam com eles.

Eu estava na casa de alguns amigos muçulmanos muito queridos semana passada. Era a hora da “oração” deles.  Eles casualmente disseram para uma outra moça e para mim, “Apenas continuem conversando”; enquanto colocavam seus tapetes de oração no meio da sala de estar , oravam silenciosamente. Quando terminaram eles simplesmente continuaram a conversar comigo. Foi tudo tão natural e fácil. Isso ocorreu muitas vezes em que eu estava em suas casas. Eu pensei no quão maravilhoso seria se nós como cristãos pudéssemos ser tão naturais e acomodativos em relação ao nosso Único e Verdadeiro Deus Vivo.

Eu estive em uma célula onde havia dois descrentes novos. O lder de célula sugeriu um tempo de oração. Eles olharam um para o outro horrorizados. Eu disse silenciosamente, “não se preocupem, nós apenas estamos conversando com Jesus”. Eles sorriram, relaxaram e então um deles perguntou, “posso conversar também?” Ele então começou a conversar em linguagem normal- um belo contraste com os membros de célula, que haviam adotado a lngua e postura “cristãnesa.”

Em uma outra ocasião havia um garoto de 10 anos que entrou na casa  e que nunca tinha estado em um ambiente da igreja. Sua famlia era viciada em drogas, etc. Nós estávamos orando quando ele entrou. Ele olhou ao redor da porta e perguntou o que estávamos fazendo; depois de explicar que estávamos conversando com Jesus e ouvindo o que Ele tinha a dizer para nós, eu disse, “Pergunte a Jesus o quanto Ele te ama”. Esse jovem rapaz parou por cerca de 2 segundos e então disse, “Eu sei! Ele disse que me ama mais do que eu preciso de água”. Surpreendente!

A primeira vez que eu fui a um bar público para pedir direções, eu olhei ao redor da porta e fiquei horrorizada. Eu não tinha ideia de aonde ir ou a quem perguntar. Era território estranho para mim. Naquele momento eu pensei que é assim que deve se sentir uma pessoa sem igreja quando entra no nosso meio; não faz ideia das músicas, de como orar, quando se levantar e quando se sentar, como encontrar qualquer coisa na Bblia etc. Um choque de cultura!

Então meu tema é… Para integrá-los nós devemos permanecer “normais” e conectados com a vida de onde eles vieram. Devemos ser aqueles que fazem a ponte que pode trazê-los mais facilmente para dentro da comunidade de Deus.

Daphne

Spanish blog:

Seamos normales

Por Daphne Kirk, www.gnation2gnation.com

Alcanzar a los “sin iglesia” debe ser el énfasis para los que siguen a Aquel que vino a buscar y a salvar a los perdidos. La Célula es de la comunidad, donde todos son bienvenidos incondicionalmente, y se puede conectar fácilmente con los miembros de la célula y con Dios.

A veces perdemos nuestro sentido de “ser normales” cuando estamos en cualquier entorno de la iglesia. Nuestro lenguaje cambia, la forma en que nos relajamos, divertimos, y podemos llegar a estar tan separados del mundo que nos rodea. Los que no han experimentado la iglesia, el lenguaje reino y “costumbres” pueden sentirse alienados de las personas que se preocupan por ellos.

Yo estaba en la casa de unos amigos musulmanes muy queridos la semana pasada. Era el momento de su “oración”. Dijeron casualmente a otra señora y a mi “sigan hablando”, mientras ellos ponan sus alfombras de oración en medio de la sala, oraron en silencio. Cuando terminaron, simplemente siguieron hablando conmigo. Todo fue tan fácil y natural. Esto ha ocurrido muchas veces cuando he estado en sus casas. Pensé en lo maravilloso que sera si nosotros como cristianos podramos ser tan naturales y complacientes acerca del único y verdadero Dios viviente.
Yo estaba en una célula donde haban 2 nuevos creyentes. El lder de la célula sugirió un tiempo de oración. Ellos se miraron con horror. En silencio dije: “no te preocupes sólo estamos conversando con Jesús” Se sonrieron, relajaron y entonces uno de ellos me preguntó “¿Puedo hablar también con él?” Luego el procedió a conversar en el lenguaje normal de – un gran contraste con los miembros de la célula que haban adoptado el lenguaje y la actitud de la “Cristiandad”.

En otra ocasión tuvimos a un niño de 10 años que entró a nuestra casa, el nunca haba estado en un entorno de la iglesia. Su familia estaba en las drogas etc., Estábamos orando cuando él entró. El miró alrededor de la puerta y le preguntó lo que estábamos haciendo, después de explicarle que estábamos hablando con Jesús y escuchando lo que el tena que decir a nosotros, le dije, “Pdele a Jesús lo mucho que te ama”. Este muchacho se detuvo durante 2 segundos y luego me dijo: ” ¡Lo sé! Me dijo que me ama más de lo que necesito agua”, ¡increble!

La primera vez que fui a un bar público a pedir direcciones, miré alrededor de la puerta y estaba horrorizada. No tena ni idea de dónde ir o a quién preguntar. Era un territorio extraño para m. En ese momento pensé, esto es lo que debe sentir una persona inconversa cuando entra en medio de nosotros, ni idea de las canciones, cómo orar, cuando ponerse en pie y cuándo sentarse, cómo encontrar cualquier cosa en la Biblia, etc. ¡Un choque en la Cultura!

As que mi tema es…. Para integrarlos debemos permanecer “normales” y conectados con la vida que vienen. Debemos ser los que hacemos el puente que puede llevarlos fácilmente a la comunidad de Dios.

Daphne

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Free Facilitator PDF download

This book on how to facilitate a small group will help your ministry

You have Successfully Subscribed!