Blog

The Goal of Innovation

By Gerardo Campos, District pastor at Elim Church, San Salvador, El Salvador, www.elim.org.sv

In his book Myths and Truths of the Cell Church, Joel wrote about the myth that says, “Once you have a model, stick with it.” Comiskey comes back with the truth, “Innovate and change the model as the Spirit directs you to do so” (p. 4).

The pandemic has dealt a severe blow to the church and its meetings. However, as the severity of the crisis lessens, some are able to return to the homes, allowing believers to some extent to exercise their functions of evangelism, edification, and fellowship.

The new normal we face helps us to realize that models should never be “written in stone.” Rather, one of the future goals we can learn from the pandemic is to adapt the model to new conditions. We need to be willing to receive feedback from leaders as we rethink how cells can be best meet the needs of others.

Some believe that COVID-19 has made it impossible to continue with cell church ministry, but, on the contrary, the understanding of the church as an organism that has two wings (the mass meeting in the building and the small meetings in the houses) is key to adapt to the new circumstances and to continue with the mission of making disciples. I believe that the cell church will continue to discover new ground as it focuses on principles and values.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O objetivo da inovação

Gerardo Campos, Pastor Distrital na Igreja Elim, São Salvador, El Salvador, www.elim.org.sv

Em seu livro “Mitos e Verdades sobre a Igreja em Células” (tradução livre do título original “Myths and Truths of the Cell Church” ainda não lançado em Português), Joel escreve sobre um dos mitos: “Se você já tiver um modelo, fique com ele”. Comiskey traz então a verdade por trás deste mito: “inove e mude o modelo, à medida que o Espírito Santo o direcionar para isso” (página 4 do livro original em inglês).

A pandemia lançou um duro golpe na igreja e em seus encontros e reuniões. Entretanto, à medida que a severidade da crise diminui, alguns encontros puderam retornar às casas, permitindo que aos poucos os crentes possam exercer suas atividades de evangelismo, edificação e comunhão.

O novo normal nos ajuda a perceber que os modelos nunca precisam estar “gravados na pedra”. Ao invés disso, um dos objetivos para o futuro que podemos aprender com a pandemia é de adaptar o modelo às novas condições. Nós precisamos estar dispostos a receber avaliações dos líderes e repensarmos como as células podem ser instrumentos para alcanças as necessidades das pessoas.

Algumas pessoas acreditam que a COVID-19 tornou o ministério em células impossível de continuar, mas ao contrário disso, o entendimento da igreja como um organismo de duas asas (a grande celebração no templo e os pequenos grupos nos lares) é a chave para a adaptação às novas circunstâncias e para continuarmos na missão de fazemos novos discípulos. Eu creio que a igreja em células continuará a descobrir novos caminhos se continuar focada em seus princípios e valores.

Spanish blog:

La Meta de Innovación

Por Gerardo Campos, Pastor del distrito en Iglesia Elim, San Salvador, El Salvador, www.elim.org.sv

En su libro «Mitos y verdades de la iglesia celular», Joel escribió: «Una vez tengas un modelo, apégate a él». Y lo equilibra con esta otra verdad: «Innova y cambia el modelo según el Espíritu te dirija a hacerlo» (pág. 4).

La pandemia ha dado un duro golpe a la iglesia y sus reuniones. No obstante, al haber logrado cierta recuperación, las reuniones pequeñas en las casas se han ido reanudando, permitiendo en alguna medida que los creyentes ejerzan sus funciones de evangelismo, edificación y comunión.

La nueva normalidad que enfrentamos nos hace cuestionar el mito de lo inflexible que un modelo deba ser. Una de las metas que deberíamos establecer es la de adaptar el modelo a las nuevas condiciones. En esto, es importante la retroalimentación que recibimos de los líderes al replantearnos el mejor funcionamiento de las células. Hay quienes piensan que la crisis del coronavirus hace imposible continuar con la iglesia celular, pero, por el contrario, la comprensión de la iglesia como un organismo que posee dos alas (la reunión masiva en el edificio y las reuniones pequeñas en las casa) es clave para adaptarse a las nuevas circunstancias y para continuar con la misión de hacer discípulos.

Algunos creen que el nuevo coronavirus se convertirá en una endemia lo cual haría que las cosas no vuelvan a ser como antes, no obstante la iglesia celular seguirá en marcha siempre replanteándose el camino por donde sus principios o valores sigan siendo la vivencia de la iglesia.

Inspect What You Expect

By Stephen Daigle, College and Young Adult Pastor at Celebration Church, www.celebrationchurch.org

This year will make 7 years of marriage for me and my wife. When we got married we made a commitment to each other to do whatever it takes to have a healthy marriage. We’ve learned that in order to do this there are certain things that we’ve had to prioritize: consistent date nights, open communication, regular church attendance, and pouring into younger couples just to name a few. At the end of each month, we assess how we have done and make changes where needed.  Just like we do for our marriage, we have to apply the same perspective to cell ministry.

When our church was forced to stop meeting in-person last year, we had to pivot, like every church had to do. One of the bright spots was seeing a jump in attendance of cell participation. Many who were not connected to cells began to reach out and get connected. The cell ministry became the main vehicle of ministry more than ever. But how do you keep track of the health of your cells? Here are the areas that we inspect consistently:

  1. Attendance – we ask our cell leaders to record their attendance at each meeting. This is done on an online platform that sends them an email one hour after their meeting has ended. They simply check off who attended that specific meeting. This allows us to see who has been missing and who needs to be contacted in the coming days.
  1. New Attendees – Because our cell leaders keep attendance, we are able to monitor how many new attendees this group has weekly. When we have a big cell push at the weekend service, we are able to track how many new people join cell groups the following week.
  1. Multiplication Leaders – Each leader is asked to identify someone who has the potential to grow in leadership and potentially become a cell leader. We call those individuals ‘multiplication leaders’. Cell leaders are encouraged to let multiplication leaders begin to assist in leading the cell meeting and attend cell leader meetings.
  1. Leadership Training – Part of the process of becoming a cell leader is being trained. We require cell leaders to successfully complete a cell leader training.
  1. Multiplication – Healthy things grow. In cell ministry, healthy cells multiply. By tracking cell growth and multiplication we are able to see which leaders are having success and which leaders need some help.

We ask each cell leader to pray, dream and set goals for each of these five areas. How do they want to see God grow their cell? When do they want to multiply? How many people do they want to send to Leadership training in 2021? We’ve found that these five markers help us to know what’s going on and where our cells stand. Make sure to develop a strategy to inspect what you expect and do it often! If you aren’t driving it, it will drift.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Inspecione o que você espera

Stephen Daigle, Pastor de Universitários e Jovens Adultos na Celebration Church, www.celebrationchurch.org

Este ano minha esposa e eu vamos completar 7 anos de casados. Quando nos casamos nos comprometemos mutuamente a fazer o que fosse preciso para que tivéssemos um casamento sadio. Aprendemos que para cumprirmos este compromisso, teríamos que priorizar certas coisas: dias para namorarmos, comunicação franca, participação na igreja e nossa dedicação a jovens casais, por exemplo. Ao final de cada mês, nós avaliamos o que fizemos e mudamos o que precisar ser mudado. Aplicamos então, em nosso ministério em células, as mesmas coisas que fazemos em nosso próprio casamento.

No ano passado, quando a nossa igreja se viu forçada a interromper os cultos e encontros presenciais, tivemos que nos reinventar, como qualquer outra igreja. Uma das coisas positiva foi ver um salto na frequência em nossas células. Muitas pessoas que não estavam em células passaram a se integrar. O ministério em células se tornou o principal instrumento de ministração, mais do que nunca. Mas como podemos manter a saúde das células? Aqui estão as áreas que inspecionamos com regularidade:

  1. Frequência – nós pedimos aos líderes que anotem a frequência em cada reunião. Isso é feito através de uma plataforma online que envia um email uma hora depois que o encontro termina. Eles marcam quem esteve presente no encontro, de forma bem simples. Isso permite que que saibamos quem está faltando e precisa ser contatado nos próximos dias.
  1. Visitantes – como temos o registro de frequência de cada reunião, conseguimos saber quantos visitantes cada grupo recebeu na semana. Quando fazemos um grande convite durante o culto do final de semana, conseguimos saber quem passou a frequentar as células.
  1. Líderes para multiplicação – cada líder deve identificar alguém que tem potencial para crescer em sua liderança e eventualmente liderar uma célula. Denominamos estas pessoas “líderes para multiplicação”. Os líderes são encorajados a permitir que os líderes para multiplicação participem da liderança da célula e participem de encontros de líderes de célula.
  1. Treinamento de liderança – O treinamento é uma parte do processo para que alguém se torne um líder de célula. Cada líder de célula deve completar o treinamento de liderança para líderes.
  1. Multiplicação – Tudo que é saudável cresce. No ministério em células, as células saudáveis se multiplicam. Ao acompanharmos o crescimento e a multiplicação, conseguimos perceber quais líderes estão sendo bem sucedidos e quais líderes precisam de mais ajuda.

Nós pedimos que cada líder ore, sonhe e estabeleça objetivos em cada uma destas 5 áreas. Como eles querem ver Deus trazer crescimento em suas células? Quando eles querem multiplicar sua célula? Quantas pessoas eles querem enviar para o treinamento de liderança em 2021? Nós descobrimos que estes 5 pontos nos ajudam a saber o que está acontecendo nas células e como elas estão. Certifique-se você também, de desenvolver uma estratégia para inspecionar o que você espera e faça isso regularmente! Se você não estiver com o volante nas mãos, você vai derrapar.

Spanish blog:

Inspecciona lo que esperas

Por Stephen Daigle, pastor universitario y de jóvenes adultos en Celebration Church, www.celebrationchurch.org

Este año se cumplirán 7 años de matrimonio para mí y mi esposa. Cuando nos casamos, nos comprometimos mutuamente a hacer lo que sea necesario para tener un matrimonio saludable. Hemos aprendido que para hacer esto hay ciertas cosas que hemos tenido que priorizar: citas nocturnas constantes, comunicación abierta, asistencia regular a la iglesia y afluencia de parejas más jóvenes, solo por nombrar algunas. Al final de cada mes, evaluamos cómo lo hemos hecho y hacemos los cambios necesarios. Al igual que hacemos con nuestro matrimonio, tenemos que aplicar la misma perspectiva al ministerio celular.

Cuando nuestra iglesia se vio obligada a dejar de reunirse en persona el año pasado, tuvimos que girar, como todas las iglesias tenían que hacer. Uno de los puntos positivos fue ver un aumento en la participación de las células. Muchos que no estaban conectados a las células comenzaron a acercarse y conectarse. El ministerio celular se convirtió más que nunca en el vehículo principal del ministerio. Pero, ¿cómo realizas un seguimiento de la salud de tus células? Estas son las áreas que inspeccionamos constantemente:

  1. Asistencia: les pedimos a nuestros líderes celulares que registren su asistencia a cada reunión. Esto se hace en una plataforma en línea que les envía un correo electrónico una hora después de que finaliza la reunión. Simplemente marcan quién asistió a esa reunión específica. Esto nos permite ver quién ha desaparecido y con quién debe contactarse en los próximos días.
  2. Asistentes nuevos: debido a que nuestros líderes celulares mantienen la asistencia, podemos monitorear cuántos asistentes nuevos tiene este grupo semanalmente. Cuando tenemos un gran impulso de células en el servicio de fin de semana, podemos rastrear cuántas personas nuevas se unen a los grupos celulares la semana siguiente.
  3. Líderes de multiplicación: se le pide a cada líder que identifique a alguien que tenga el potencial de crecer en liderazgo y potencialmente convertirse en un líder celular. A esos individuos los llamamos “líderes de multiplicación”. Se anima a los líderes celulares a permitir que los líderes de multiplicación comiencen a ayudar a dirigir la reunión celular y a asistir a las reuniones de líderes celulares.
  4. Capacitación en liderazgo: parte del proceso de convertirse en líder celular es ser entrenado. Requerimos que los líderes celulares completen con éxito un entrenamiento de líder celular.
  5. Multiplicación: las cosas saludables crecen. En el ministerio celular, las células sanas se multiplican. Al rastrear el crecimiento y la multiplicación celular, podemos ver qué líderes están teniendo éxito y qué líderes necesitan ayuda.

Le pedimos a cada líder celular que ore, sueñe y establezca metas para cada una de estas cinco áreas. ¿Cómo quieren ver a Dios hacer crecer su célula? ¿Cuándo quieren multiplicarse? ¿Cuántas personas quieren enviar a la capacitación de liderazgo en 2021? Hemos descubierto que estos cinco marcadores nos ayudan a saber qué está pasando y dónde se encuentran nuestras células. ¡Asegúrate de desarrollar una estrategia para inspeccionar lo que esperas y hazlo con frecuencia! Si no estas conduciéndo esto, te desviarás.

Goal-setting – Asking the Right Questions

By Dr. Les Brickman, www.strategiccell.com

When making decisions about goal-setting, two things have to happen. We have to take in information. Then we have to make conclusions based on that information.

Some of us are prone to primarily gather information in a very linear fashion, looking at details, focusing on the present. We examine in detail the trees in a forest but miss the forest. Others of us tend to create a big picture from a few facts, then focus on future possibilities. We look at the expansive forest, but often miss some trees, often important trees. As a result, the questions we ask are limited. We tend to limit our questions to or emphasize those either in columns I or II below.

                   I                                                                       II
What do we know? How do we know it?            What else could this mean?
What are the real costs?                         What else can we come up with?
Will it work?                                          What other interesting ideas are there?
Can you show me how it works?                        How is it all interconnected?
Does anything really need changing?      What’s a new way to do this?

When weighing information we have gathered, some of us are prone to make decisions based on our logical, objective analysis. Others of us take a more empathetic approach, giving more weight in our decision-making to such things as people consequences and both personal and group values. As a result, the questions we ask about the information is limited by our weighting of the information. Once again, we tend to limit our questions to or emphasize those either in column III or IV below.

                        III                                                                           IV
What are the pros and cons?                              What do we like and dislike?
What are the logical consequences?      What impact will this have on people?
But what about…?                                         How can we make everyone happy?
What’s wrong with this?                                    What’s beneficial in this?
Why aren’t we following through now?           What about the hurt people?

When making a decision, we naturally tend to spend our time on one set of questions above, move to a second set, and so on. In fact, try this experiment. Without looking at these questions ahead of time, think about a decision you need to make. Take an hour to ruminate about it.  What you will discover is that you typically will spend 30 minutes ruminating over one set of questions, 15 minutes over a second set, 10 minutes, and 5 minutes over the last two sets respectively. My typical order is II, III, IV, I. My wife’s is I, IV, III, II. Powerful compliment!

Suppose, when we dialogue with God regarding our understanding of His goals for us, instead of limiting the questions we ask, we were to ask Him all these questions? Suppose we also asked ourselves these questions? Suppose we dialogued with our team members to see how God might speak to them about the answers to these questions? How would our goal-setting process change? How would our goals improve?

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Definição de metas – Fazendo as Perguntas Certas

Por Dr. Les Brickman, www.strategiccell.com

Ao tomar decisões sobre o estabelecimento de metas, duas coisas precisam acontecer. Nós temos que receber informações. Então, nós temos que tirar conclusões com base nessas informações.

Alguns de nós são propensos a coletar informações principalmente de uma forma muito linear, olhando para os detalhes, focando no presente. Examinamos em detalhes as árvores em uma floresta, mas perdemos a floresta. Outros tendem a criar um quadro geral a partir de alguns fatos e, em seguida, focar nas possibilidades futuras. Olhamos para a floresta extensa, mas muitas vezes deixamos de ver algumas árvores, geralmente árvores importantes. Como resultado, as perguntas que fazemos são limitadas. Temos a tendência de limitar nossas perguntas ou enfatizar aquelas na coluna I ou II abaixo.

I                                                                                                     II
O que nós sabemos? Como nós sabemos disso?  O que mais isso poderia significar?
Quais são os custos reais?                                                           O que mais nós podemos propor?
Será que vai dar certo?                                                 Que outras ideias interessantes existem?
Você pode me mostrar como funciona?                                       Como tudo está interligado?
Algo realmente precisa ser mudado?                             Qual é a nova maneira de fazer isso?

Ao pesar as informações que coletamos, alguns de nós temos a tendência de tomar decisões com base em nossa análise lógica e objetiva. Outros têm uma abordagem mais empática, dando mais peso em nossa tomada de decisão a coisas como consequências para as pessoas e valores pessoais e de grupo. Como resultado, as perguntas que fazemos sobre as informações são limitadas por nossa ponderação das informações. Mais uma vez, tendemos a limitar nossas perguntas ou enfatizar as da coluna III ou IV abaixo.

III                                                                                      IV
Quais são os prós e contras?                                        O que nós gostamos e não gostamos?
Quais são as consequências lógicas?                           Que impacto isso terá nas pessoas?
Mas e quanto …?                                                           Como nós podemos fazer todos felizes?
O que há de errado nisso?                                            O que é benéfico nisso?
Por que agora nós não estamos atravessando?    E quanto às pessoas que estarão feridas?

Ao tomar uma decisão, naturalmente nós tendemos a gastar nosso tempo em um conjunto de perguntas acima, passar para um segundo conjunto e assim por diante. Na verdade, tente este experimento. Sem olhar para essas questões com antecedência, pense em uma decisão que você precisa tomar. Reserve uma hora para ruminar sobre isso. O que você descobrirá é que normalmente passa 30 minutos ruminando sobre uma série de perguntas, 15 minutos sobre uma segunda série, 10 minutos e 5 minutos sobre as duas últimas séries, respectivamente. Minha típica ordem é II, III, IV, I. O de minha esposa é I, IV, III, II. Complemento poderoso!

Suponha que, quando nós dialogamos com Deus a respeito de nossa compreensão de Seus objetivos para nós, em vez de limitar as perguntas que fazemos, devêssemos fazer a Ele todas essas perguntas? Suponha que também nos façamos essas perguntas. Suponha que dialogássemos com os membros da nossa equipe para ver como Deus poderia falar com eles sobre as respostas a essas perguntas. Como nosso processo de definição de metas mudaria? Como nossos objetivos melhorariam?

Spanish blog:

Establecimiento de objetivos: hacer las preguntas correctas

Por el Dr. Les Brickman, www.strategiccell.com

Al tomar decisiones sobre el establecimiento de metas, deben suceder dos cosas. Tenemos que recibir información. Entonces tenemos que sacar conclusiones basadas en esa información.

Algunos de nosotros somos propensos a recopilar información principalmente de una manera muy lineal, mirando los detalles, centrándonos en el presente. Examinamos en detalle los árboles en un bosque, pero no vemos el bosque. Otros tendemos a crear un panorama general a partir de unos pocos hechos y luego nos enfocamos en las posibilidades futuras. Observamos el bosque expansivo, pero a menudo pasamos por alto algunos árboles, a menudo árboles importantes. Como resultado, las preguntas que hacemos son limitadas. Tendemos a limitar nuestras preguntas o enfatizar aquellas en la columna I o II a continuación.

         I                                                           II
¿Qué sabemos? Como lo sabemos?                ¿Qué más podría significar esto?
¿Cuáles son los costos reales?                    ¿Qué más se nos ocurre?
¿Funcionará?                                             ¿Qué otras ideas interesantes hay?
¿Puedes mostrarme cómo funciona?                     ¿Cómo está todo interconectado?
¿Hay algo que realmente necesite cambiar?         ¿Cuál es una nueva forma de hacer esto?

Al sopesar la información que hemos recopilado, algunos de nosotros estamos propensos a tomar decisiones basadas en nuestro análisis lógico y objetivo. Otros adoptamos un enfoque más empático, dando más peso en nuestra toma de decisiones a cosas como las consecuencias de las personas y los valores tanto personales como grupales. Como resultado, las preguntas que hacemos sobre la información están limitadas por nuestra ponderación de la información. Una vez más, tendemos a limitar nuestras preguntas o enfatizar aquellas en la columna III o IV a continuación.

                        III                                                                                            IV
¿Cuáles son los pros y los contras?                                       ¿Qué nos gusta y qué no nos gusta?
¿Cuáles son las consecuencias lógicas?                ¿Qué impacto tendrá esto en las personas?
Pero que pasa…?                                                                   ¿Cómo podemos hacer felices a todos?
¿Qué pasa con esto?                                                                       ¿Qué hay de beneficioso en esto?
¿Por qué no estamos cumpliendo todo ahora?         ¿Qué pasa con las personas heridas?

Cuando tomamos una decisión, naturalmente tendemos a dedicar nuestro tiempo a una serie de preguntas anteriores, pasar a una segunda serie, y así sucesivamente. De hecho, prueba este experimento. Sin mirar estas preguntas con anticipación, piensa en una decisión que debas tomar. Tómate una hora para reflexionar sobre ello. Lo que descubrirás es que normalmente pasarás 30 minutos yendo en círculos sobre una serie de preguntas, 15 minutos sobre una segunda serie, 10 minutos y 5 minutos sobre las dos últimas series, respectivamente. Mi orden típico es II, III, IV, I. ​​El de mi esposa es I, IV, III, II. ¡Potente complemento!

Supongamos que, cuando dialogamos con Dios con respecto a nuestra comprensión de Sus metas para nosotros, en lugar de limitar las preguntas que hacemos, le hiciéramos todas estas preguntas. Supongamos que también nos hiciéramos estas preguntas. Supongamos que dialogamos con los miembros de nuestro equipo para ver cómo Dios podría hablarles sobre las respuestas a estas preguntas. ¿Cómo cambiaría nuestro proceso de establecimiento de metas? ¿Cómo mejorarían nuestras metas?

Peering into 2022 – Goal-setting and Bounded Reality

By Dr. Les Brickman, www.strategiccell.com

As we peer into 2022 (Yes – I did say 2022. It is not an error), what kind of goals would God have us establish for 2021 in order for us to reach where He desires us to be entering 2022? Think with me about the men of Issachar. To make wise plans and set wise goals, like them, we, too, must understand the times and the seasons in which we live. But how?

Immediately, we are faced with a major roadblock. It is known as “Bounded Rationality”. Bounded rationality simply means that people make quite reasonable decisions based on the information they have. Our problem, however, is that we don’t have perfect information. How many saw Covid-19 coming? How many saw lockdowns coming? How many envisioned the world’s economy tanking? Information coming to us is incomplete, delayed, so our responses are also delayed. We react. We under-react or over-react.

Decision-makers (goal-setters) can’t respond to information they don’t have, can’t respond accurately to information that is inaccurate, and can’t respond in a timely manner to information that is late.

Within the bounds of what a leader in one part of a cell system can see and know, their behavior is reasonable. Removing one leader and putting in another is not likely to make a difference. Blaming individuals rarely creates a more desirable outcome. But, how often we blame others for not achieving our goals.

Change comes from stepping outside the limited information that can be seen from any single place in our system and getting an overview. From this wider perspective, information flows, goals can be restructured, and bounded rational actions will add up to the results that everyone wants.

So, how do we step out to gain a larger perspective and overview? As I read the Scriptures, I am amazed at the multitude of questions asked of God!

  • Gen. 18:23 Then Abraham drew near and said, “Will you indeed sweep away the righteous with the wicked?”  (Direct)
  • 2 Sam. 7:18 Then King David went in and sat before the LORD and said, “Who am I, O Lord GOD, and what is my house, that you have brought me thus far? (Open)
  • Hab. 1:1-3; 4-11 (Ownership)
  • Ex 4:1 “What if they will not believe me, or listen to what I say? For they may say, ‘The Lord has not appeared to you’”. (Revealing)

Goals are our direction-setters, the definers of discrepancies that demand action, the indicators of compliance, failure, or success. If our goal is defined badly, if it doesn’t measure what it’s supposed to measure, it can’t possibly produce a desirable effect.

When setting goals, even if we are asking God questions, we too often ask the wrong questions. By not asking the right questions, we continually set the wrong goals. We set goals around what is easily measured, rather than around what is important.

Tomorrow – How to ask the right questions, make the right decisions, to set the right goals.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Esquadrinhando 2022 – Definição de metas e realidade limitada

Por Dr. Les Brickman, www.strategiccell.com

Enquanto nós examinamos 2022 (Sim – eu disse 2022. Não é um erro), que tipo de metas Deus deseja que estabeleçamos para 2021 a fim de alcançarmos onde Ele deseja que nós entremos em 2022? Pense comigo sobre os homens de Issacar. Para fazer planos e metas sábios como eles, nós também devemos entender os tempos e as estações em que vivemos. Mas como?

Imediatamente, nós nos deparamos com um grande obstáculo. É conhecido como “Racionalidade Limitada”. Racionalidade limitada significa simplesmente que as pessoas tomam decisões bastante razoáveis com base nas informações de que dispõem. Nosso problema, no entanto, é que não temos informações perfeitas. Quantos viram o Covid-19 chegando? Quantos vimos bloqueios chegando? Quantos imaginaram a economia mundial afundando? As informações que chegam até nós são incompletas, atrasadas, então nossas respostas também demoram. Nós reagimos. Nós reagimos de forma insuficiente ou exagerada.

Os tomadores de decisão (definidores de metas) não podem responder às informações que não possuem, não podem responder com precisão às informações que são imprecisas e não podem responder em tempo hábil a informações que estão atrasadas.

Dentro dos limites que um líder de uma parte do sistema celular pode ver e saber, seu comportamento é razoável. Remover um líder e colocar outro provavelmente não fará diferença. Culpar os indivíduos raramente cria um resultado mais desejável. Mas, quantas vezes nós culpamos os outros por não alcançarmos nossos objetivos.

A mudança vem saindo das informações limitadas que podem ser vistas em qualquer lugar do nosso sistema e obtendo uma visão geral. A partir dessa perspectiva mais ampla, fluxos de informações, objetivos podem ser reestruturados e ações racionais limitadas irão somar aos resultados que todos desejam.

Então, como saímos para obter uma perspectiva mais ampla e visão geral? Ao ler as Escrituras, eu fico surpreso com a multidão de perguntas feitas a Deus!

  • Gn 18:23 Então Abraão se aproximou e disse: “Você realmente varrerá o justo com o ímpio?” (Direto)
  • 2 Sm. 7:18 Então o Rei Davi entrou, sentou-se perante o Senhor e disse: “Quem sou eu, Senhor Deus, e qual é a minha casa, que me trouxeste até agora? (Abrir)
  • Hc. 1:1-3; 4-11 (propriedade)
  • Êx 4:1 “E se eles não acreditarem em mim, ou ouvirem o que eu digo? Pois eles podem dizer: ‘O Senhor não te apareceu’”. (Revelando)


Os objetivos são os nossos definidores de direção, os definidores das discrepâncias que exigem ação, os indicadores de conformidade, fracasso ou sucesso. Se o nosso objetivo está mal definido, se não mede o que deveria medir, não pode produzir um efeito desejável.

Ao estabelecer metas, mesmo quando fazemos perguntas a Deus, muitas vezes fazemos as perguntas erradas. Por não fazer as perguntas certas, definimos continuamente as metas erradas. Definimos metas em torno do que é facilmente medido, em vez do que é importante.

Amanhã – Como fazer as perguntas certas, tomar as decisões certas e definir as metas certas.

Spanish blog:

Mirando hacia el 2022: establecimiento de objetivos y realidad conocida

Por Dr. Les Brickman, www.strategiccell.com

Mientras miramos al 2022 (Sí, dije 2022, no es un error), ¿qué tipo de metas quiere Dios que establezcamos para el 2021 a fin de que lleguemos a donde Él desea que entremos en el 2022? Piensa conmigo en los hombres de Isacar. Para hacer planes sabios y fijar metas sabias, como ellos, también nosotros debemos entender los tiempos y las estaciones en las que vivimos. ¿Pero cómo hacemos eso?

Inmediatamente, nos enfrentamos a un gran obstáculo. Se conoce como “Racionalidad limitada”. La racionalidad limitada simplemente significa que las personas toman decisiones bastante razonables basadas en la información que tienen. Nuestro problema, sin embargo, es que no tenemos la información perfecta. ¿Cuántos vieron venir el Covid-19? ¿Cuántos cuarentenas se vieron venir? ¿Cuántos imaginaban que la economía mundial se hundiría? La información que nos llega está incompleta, demorada, por lo que nuestras respuestas también se demoran y nosotros reaccionamos. Reaccionamos de forma insuficiente o exagerada.

Los responsables de la toma de decisiones (quienes establecen objetivos) no pueden responder a la información que no tienen, no pueden responder con precisión a la información que es inexacta y no pueden responder de manera oportuna a la información que llega tarde.

Dentro de los límites de lo que un líder en una parte de un sistema celular puede ver y saber, su comportamiento es razonable. No es probable que la eliminación de un líder y la colocación de otro marque la diferencia. Culpar a las personas rara vez crea un resultado más deseable. Pero, ¿con qué frecuencia culpamos a los demás por no lograr nuestras metas?

El cambio proviene de salir de la información limitada que se puede ver desde cualquier lugar de nuestro sistema y obtener una descripción general. Desde esta perspectiva más amplia, los flujos de información, los objetivos se pueden reestructurar y las acciones racionales limitadas se sumarán a los resultados que todos desean.

Entonces, ¿cómo salimos para obtener una perspectiva y una visión general más amplias? Mientras leo las Escrituras, ¡me asombra la multitud de preguntas que hacen de Dios!

  • Génesis 18:23 Entonces Abraham se acercó y dijo: “¿Verdaderamente barrerás al justo con el impío?” (Directa)
  • 2 Sam. 7:18 Entonces entró el rey David y se sentó delante del SEÑOR y dijo: Señor DIOS, ¿quién soy yo, y qué es mi casa para que me hayas traído hasta aquí? (Abierta)
  • Hab. 1: 1-3; 4-11 (propiedad)
  • Éxodo 4: 1 “¿Y si no me creen ni escuchan lo que digo? Porque pueden decir: ‘El Señor no se te ha aparecido’ ”. (Revelación)

Los objetivos son nuestras marcas de dirección, los que definen las discrepancias que exigen acción, los indicadores de cumplimiento, fracaso o éxito. Si nuestro objetivo está mal definido, si no mide lo que se supone que debe medir, no es posible que produzca un efecto deseable.

Al establecer metas, incluso si le hacemos preguntas a Dios, con demasiada frecuencia hacemos las preguntas equivocadas. Al no hacer las preguntas correctas, continuamente establecemos las metas equivocadas. Fijamos metas en torno a lo que se mide fácilmente, en lugar de lo que es importante.

Mañana: cómo hacer las preguntas correctas, tomar las decisiones correctas, establecer los objetivos correctos. 

The world is watching and waiting. So is the government!

By Daphne Kirk, www.G2gMandate.org; Twitter: daphnekirk

The day of hidden opportunities is here. In a time when much of the church worldwide is experiencing restrictions, watch for the open door.

Allow me to humbly ask you some questions:

  • Are you the church of the opportunity?
  • Are you ready to be the creative church God intended you to be?
  • Are you ready to be the Biblical church that thrived in times of persecution and great hardship?
  • Are you ready to forsake our man-made structures and run into the opportunities that have opened up?

During the first lockdown, here in the UK, churches were “closed” by the government. Concerned Christians and pastors approached the government and were even ready to go to court to assert the fact that God, not the government, is Lord over the church. The result was that during the following two lockdowns, no government edict has taken place to close them.  We praise God for this, BUT, most churches have remained closed.

I did a survey of the small town where I live and only one church has remained open: the Catholic Church. All the others voluntarily closed, not wanting to go through all the cleaning procedures and social distancing. They seemed to enjoy the zoom services. Yet, pubs, restaurants, social clubs are desperate to do whatever it takes to remain open.

The public is watching and waiting. And so is the government!

I have traveled to many persecuted nations who have talked about the importance of using the freedom that exists in “free nations.” The talk about how they subtly lost one small freedom after another until they lost it all. 

Here are some examples of churches that have found ways to meet during Covid:

  • One church bought a field and met in the open air.
  • Another Pastor used his daily exercise hour to take a resounding version of Amazing Grace to the streets of London (https://www.youtube.com/watch?v=OzY9Ckqsl78) and was subsequently featured on all the major news outlets
  • Another got permission to use the parking lot of a big store and people drove and stood by their cars
  • Another cell group used the opportunity to exercise and members to walk in pairs, socially distanced to pray and share and encourage people on the walk.

The world is watching and waiting. Let’s see every opportunity as a moment to grasp. His commission has not changed to make disciples of all nations.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O mundo está assistindo e esperando. O governo também!

Por Daphne Kirk,  www.G2gMandate.org; Twitter: daphnekirk

O dia das oportunidades ocultas está aqui. Em uma época em que grande parte da igreja em todo o mundo está passando por restrições, observe a porta aberta.

Permita-me humildemente fazer-lhe algumas perguntas:

Você é a igreja da oportunidade?

Você está pronto para ser a igreja criativa que Deus planejou que você fosse?

Você está pronto para ser a igreja bíblica que prosperou em tempos de perseguição e grandes dificuldades?

Você está pronto para abandonar nossas estruturas feitas pelo homem e correr para as oportunidades que se abriram?

Durante o primeiro bloqueio, aqui no Reino Unido, as igrejas foram “fechadas” pelo governo. Cristãos e pastores preocupados abordaram o governo e estavam até prontos para ir ao tribunal para afirmar o fato de que Deus, não o governo, é o Senhor sobre a igreja. O resultado foi que, durante os dois bloqueios seguintes, nenhum decreto do governo ocorreu para fechá-los. Louvamos a Deus por isso, MAS, a maioria das igrejas permaneceram fechadas.

Fiz um levantamento na pequena cidade onde moro e apenas uma igreja permaneceu aberta: a Igreja Católica. Todas as outras fecharam voluntariamente, não querendo passar por todos os procedimentos de limpeza e distanciamento social. Eles pareciam gostar dos serviços de zoom. Mesmo assim, pubs, restaurantes e clubes sociais estão desesperados para fazer o que for preciso para permanecer abertos.

O público está assistindo e esperando. E o governo também!

Eu viajei para muitas nações perseguidas que falaram sobre a importância de usar a liberdade que existe nas “nações livres”. A conversa sobre como eles perderam sutilmente uma pequena liberdade após a outra até que perderam tudo.

Aqui estão alguns exemplos de igrejas que encontraram maneiras de se reunir durante Covid:

Uma igreja comprou um campo e se reuniu ao ar livre.
Outro pastor usou sua hora de exercícios diários para levar uma versão retumbante de Amazing Grace às ruas de Londres  (https://www.youtube.com/watch?v=OzY9Ckqsl78) e posteriormente apareceu em todos os principais veículos de notícias
Outro conseguiu permissão para usar o estacionamento de uma grande loja e as pessoas dirigiam e ficavam perto de seus carros
Outro grupo de células aproveitou a oportunidade para se exercitar e os membros caminharem em pares, socialmente distantes para orar e compartilhar e encorajar as pessoas na caminhada.

O mundo está assistindo e esperando. Vamos ver cada oportunidade como um momento a ser aproveitado. A comissão de Jesus não mudou: fazer discípulos de todas as nações.

Spanish blog:

El mundo y el gobierno están mirando y esperando.

Por Daphne Kirk, www.G2gMandate.org; Twitter: daphnekirk

El día de las oportunidades ocultas está aquí. En un momento en que gran parte de la iglesia en todo el mundo está experimentando restricciones, esté atento a la puerta abierta.

Permíteme hacerte humildemente algunas preguntas:

  • ¿Eres la iglesia de la oportunidad?
  • ¿Estás listo para ser la iglesia creativa que Dios quiere que seas?
  • ¿Estás listo para ser la iglesia bíblica que prosperó en tiempos de persecución y grandes dificultades?
  • ¿Está listo para abandonar nuestras estructuras artificiales y encontrarse con las oportunidades que se han abierto?

Durante la primera cuarenta, aquí en el Reino Unido, el gobierno “cerró” las iglesias. Los cristianos y pastores preocupados se acercaron al gobierno e incluso estaban listos para ir a los tribunales para afirmar el hecho de que Dios, no el gobierno, es el Señor de la iglesia. El resultado fue que durante los siguientes dos cierres, no se emitió ningún edicto gubernamental para cerrarlos. Alabamos a Dios por esto, PERO, la mayoría de las iglesias han permanecido cerradas.

Hice una encuesta en el pequeño pueblo donde vivo y solo una iglesia ha permanecido abierta: la Iglesia Católica. Todos los demás cerraron voluntariamente, no queriendo pasar por todos los procedimientos de limpieza y distanciamiento social. Parecían disfrutar de los servicios de zoom. Sin embargo, los cafés, restaurantes y clubes sociales están desesperados por hacer lo que sea necesario para permanecer abiertos.

El público está mirando y esperando. ¡Y también el gobierno!

He viajado a muchas naciones perseguidas que han hablado sobre la importancia de usar la libertad que existe en las “naciones libres”. La charla sobre cómo perdieron sutilmente una pequeña libertad tras otra hasta que la perdieron todo.

Aquí hay algunos ejemplos de iglesias que han encontrado formas de reunirse durante Covid:

  • Una iglesia compró un campo y se reunió al aire libre.
  • Otro pastor usó su hora diaria de ejercicio para llevar una versión resonante de Amazing Grace (Gracia Sublime) a las calles de Londres (https://www.youtube.com/watch?v=OzY9Ckqsl78) y posteriormente apareció en todos los principales medios de comunicación.
  • Otro obtuvo permiso para usar el estacionamiento de una gran tienda y la gente conducía y se paraba junto a sus autos
  • Otro grupo celular aprovechó la oportunidad para hacer ejercicio y los miembros para caminar en parejas, distanciados socialmente para orar y compartir y animar a las personas en la caminata.

El mundo está mirando y esperando. Veamos cada oportunidad como un momento para aprovechar. Su comisión no ha cambiado para hacer discípulos de todas las naciones.