Blog

Coaching Engagement

coach_andrewmason

By Andrew Mason, Executive Pastor of Discipleship Communities at Emmanuel, SmallGroupChurches.com

Coaching with levels in mind can be helpful when it comes to Coaching Engagement. A common issue in a coaching ministry is maintaining the level of enthusiasm for the enlisted coaches. If they’re not getting returned phone calls and email replies, if they don’t feel like they’re making progress or they don’t have a sense of significance to their work, they can be susceptible to transition out of their coaching role. This is where coaching with levels in mind (yesterday’s article) can be helpful.

Recently, I was talking with one of our Groups Directors at another campus about new coaches. They said, “I’m going to assign our experienced leaders with our new coaches because I don’t want the new coaches to feel overwhelmed.” I saw it differently, but I always want to encourage autonomy at our campuses too. I said the following…

“I understand that approach and please feel free to do that if you want, but I want you to consider something… We want our new coaches to have positive, first-serve attempts. If you assign them seasoned and low-maintenance leaders, they may get little-to-no-response. It could make them feel like what they’re doing as a coach isn’t that important.

If you assign them less experienced Group Leaders, they will get more questions and responses from their communications. It is likely they may encounter some situations they don’t have an answer for, but that will only drive them back to you for more direction. The entire pattern will encourage healthy interaction between the new coach, the group leader and you. Equally important, the new coach will see the relevance and impact of their role.”

The Group Director began to shake their head with understanding, “I never thought of it that way. I think I’m going to do that instead.”

Having differing approaches when it comes to coaching green group leaders versus experienced ones can have a positive effect on managing the morale of your coaches. We need the coaching journey to be a beneficial one for BOTH the Group Leader AND Coach. Use the Four Levels of Care to think about the groups a coach will have as well as how it will reinforce their position on the team.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Engajamento de Treinamento

Por Andrew Mason, Executive Pastor das Comunidade de Discipulado na Emmanuel, SmallGroupChurches.com

Treinamento com níveis em mente pode ser útil quando o assunto é Engajamento de Treinamento. Um problema comum em um ministério de treinamento é manter o nível de entusiasmo para os treinadores arrolados. Se eles não estiverem recebendo ligações de retorno nem respostas de e-mail, se eles não se sentirem progredindo ou se não tiverem um senso de significância em seus trabalhos, eles podem ser suscetíveis a transições fora do seu papel de treinador. Isso é onde o treinamento com níveis em mente (artigo de ontem) pode ser útil.

Recentemente, Eu estava falando com um de nossos Grupos de Diretores de um outro campus sobre treinadores. Eles disseram, “Eu vou colocar nossos líderes experientes com nossos novos treinadores porque eu não quero que os novos treinadores se sintam sobrecarregados.” Eu vi de maneira diferente, mas eu sempre quero encorajar autonomia em nossas campus também. Eu disse o seguinte…

“Eu entendo essa abordagem e sinta-se livre para fazê-la se você quiser, mas eu quero que você considere uma coisa… Nós queremos que nossos novos treinadores tenham tentativas positivas de primeira. Se você os colocar com líderes experientes e com pouca manutenção, eles podem ter pouca ou nenhuma resposta. Isso poderá fazer com eles sintam que o que eles fazem como treinador não é tão importante.

Se vocês os colocarem com Líderes de Grupo menos experientes, eles terão mais perguntas e respostas a partir da comunicação deles. É provável que eles encontrem situações nas quais eles não terão uma resposta, mas isso os atrairá para você em busca de mais direção. O padrão inteiro encorajará uma interação saudável entre o novo treinador, o líder de grupo e você. Igualmente importante, o novo treinador verá a relevância e impacto do seu papel.”

O Grupo de Diretores começaram a balançar as cabeças em sinal de entendimento, “Eu nunca pensei dessa forma. Eu acho que vou fazer desse modo então.”

Ter diferentes abordagens quando o assunto é treinar líderes novos versus os mais experientes pode ter um efeito positivo na administração do moral de seus treinadores. Nós precisamos que a jornada do treinamento seja benéfica para os DOIS o Líder de Grupo E Treinador. Use the Four Levels of Care (os Quatro níveis de Cuidado) para pensar sobre os grupos que um treinador terá bem como o modo que isso reforçará sua posição na equipe.

Spanish blog:

El compromiso de supervisar 

Por Andrew Mason, Pastor Ejecutivo de Comunidades de Discipulado en Emmanuel, SmallGroupChurches.com

El supervisado con niveles en mente puede ser útil cuando se trata de tener un compromiso al supervisar. Un problema común en un ministerio de supervisado es mantener el nivel de entusiasmo por los supervisores enlistados. Si no reciben respuestas en las llamadas telefónicas y correo electrónico, si no sienten que están progresando o no tienen un sentido de importancia para su trabajo, pueden ser susceptibles a la transición de su rol de supervisor. Aquí es donde el supervisar con niveles en mente (blog de ayer) puede ser útil.

Recientemente, estaba hablando con uno de nuestros Pastores Celulares en otro campus sobre nuevos supervisores. El dijo: “Voy a asignar a nuestros líderes experimentados con nuestros nuevos supervisores porque no quiero que los nuevos supervisores se sientan abrumados”. Lo vi de manera diferente, pero siempre quiero alentar la autonomía en nuestros campus también. Dije lo siguiente …

“Entiendo ese enfoque y siéntase libre de hacerlo si lo desea, pero quiero que considere algo … Queremos que nuestros nuevos supervisores tengan intentos positivos de su primer servicio”. Si les asigna líderes experimentados y de bajo mantenimiento, pueden obtener poca o ninguna respuesta. Podría hacerles sentir que lo que están haciendo como supervisor no es tan importante.

Si les asigna Líderes Celulares con menos experiencia, recibirán más preguntas y respuestas de sus comunicaciones. Es probable que encuentren algunas situaciones para las que no tienen una respuesta, pero eso solo los llevará de regreso a usted para obtener más instrucciones. Todo el patrón fomentará una interacción saludable entre el nuevo supervisor, el líder celular y usted. Igualmente importante, el nuevo supervisor verá la relevancia y el impacto de su papel “.

El Pastor Celular comenzó a sacudir la cabeza con entendimiento: “Nunca lo pensé de esa manera. Creo que voy a hacer eso en su lugar “.

Tener diferentes enfoques cuando se trata de entrenar a líderes celulares inexpertos en comparación con los experimentados puede tener un efecto positivo en la gestión de la moral de sus supervisores. Necesitamos que el viaje de supervisar sea beneficioso tanto para el líder celular como para el supervisor. Use los cuatro niveles de atención para pensar en las células que tendrá un supervisor y cómo reforzará su posición en el equipo.

Coaching with Levels in Mind

coach_andrewmasonBy Andrew Mason. Andrew is the Executive Pastor of Discipleship Communities at Emmanuel, a multi-site church in the twin cities of Minneapolis-St. Paul. He is Founder of SmallGroupChurches.com, an influential small group community, linking pastors and leaders to like-minded resources, events and organizations. Andrew resides in Minnesota with his wife Camille and their  three sons.

Not every Group Leader should be coached equally.

The more I have understood the value of having different levels of care, the more effective I have become at coaching group leaders… I am able to organize my time and resources towards the greatest impact. I can improve the coaching experience for the Group Leader. Lastly, I’m able to maximize my span of care as far as the number of groups I am coaching. 

I use four different levels of care with our coaching. The first two levels fall under the umbrella of Proactive Care. The third and fourth levels fall under the umbrella of Passive Care. Each level targets a specific Group Leader profile and deploys a unique approach to coaching them…

Proactive Care

Priority Care. This level targets New Group Leaders who have the most questions and need the greatest amount of affirmation and support. They can be unsure of themselves and vulnerable to reconsidering their role as a group leader. Coaches should stay in close contact through all points of communication (face-to-face, phone, text, email, social media, etc). Developing this new relationship is critical for coaching and it will happen faster with more contact.  A coach should be able to track how the new leader and new group is doing week-by-week in the early stages. This will guard against new leaders and groups dying on the vine.

I also include in this category unhealthy leaders and groups who have wandered off course. We need to revive these situations as soon as possible before it’s unrecoverable.

Personal Care. This for Established Group Leaders that have been leading for 6 to 18 months approximately. They are good enough to be dangerous but still very open for more direction and leadership. One-on-one phone calls or face-to-face meetings on a monthly basis should feel more natural now that there is a good relationship. Coaches can really focus on the leader’s health as well as the overall development of the group. Guiding these group leaders to appoint coordinators and apprentices can help to shift these groups into real, biblical communities.

Passive Care

Periodic Care. These are Veteran Group Leaders who lead faithfully and still respond to our communications. We need to regularly touch base and have routine check-ins with them. There are opportunities for discussions on future group multiplication and they can be candidates to become new group coaches.

Persevering Care. These are Seasoned and sometimes, Stubborn Leaders. They’ve been leading groups for a while now and don’t always respond to our contact. It seems like they want to be left alone. Even though they may not want coaching, they still need to know where to go for resources and help if issues arise. Make sure they are kept in the loop of all communications, announcements and opportunities.

Twice a year a coach should re-organize their leaders into these four levels. Try not to have more than 5-10 Proactive groups at once and make sure Invest 80% of your focus  there for maximum results.

Korean blog (click here)

Portuguese

Supervisão através de Níveis de Cuidado

Andrew Mason

Andrew é o Pastor Executivo de Comunidades de Discipulado na Igreja Emmanuel, uma Igreja de múltiplas sedes nas cidades irmãs de Minneapolis e St. Paul. Ele é o fundador do Site SmallGroupChurches.com, uma comunidade influente no discipulado em grupos pequenos e células, conectando pastores e líderes a recursos, eventos e organizações. Andrew mora em Minnesota com sua esposa Camille e seus três filhos.

A supervisão de líderes de células não deve ser feita da mesma maneira para todos os líderes.

Quanto mais eu compreendo a importância de haver diferentes níveis de cuidado, mais eu tenho me tornado um supervisor eficaz para os líderes de células… Eu me torno capaz de organizar minha agenda e recursos em direção ao maior impacto possível. Eu consigo melhorar a experiência da supervisão para cada líder de célula. Por fim, eu me capacito para maximizar o alcance do meu cuidado de forma a abranger o número de grupos que eu supervisiono.

Eu utilizo quatro níveis diferentes de cuidado em minha supervisão. Os dois primeiros níveis estão dentro do que eu costumo chamar de Cuidado Proativo. Ao terceiro e o quarto níveis de supervisão eu me refiro como Cuidado Passivo. Cada nível tem como alvo um perfil específico de líder de célula e utiliza uma abordagem específica para sua supervisão…

Cuidado Proativo

  1. Cuidado Prioritário. Este nível é dedicado aos Novos Líderes de Células que têm a maior quantidade de dúvidas e precisam da maior quantidade de reforço, ânimo e apoio. Eles podem estar incertos em relação a si mesmos e vulneráveis a questionar seu papel como Líderes. Os supervisores devem permanecer em contato através de todos os meios possíveis de comunicação (pessoalmente, por telefone, mensagens, email, mídia social, etc). O desenvolvimento deste novo relacionamento é crítico para a supervisão e isso acontecerá mais rapidamente com uma grande quantidade de oportunidades de contato com os líderes de célula. O supervisor deve ter condições de acompanhar o líder e a própria célula semanalmente nos primeiros estágios. Esta é uma estratégia de proteção para que os novos líderes e as células não morram e desanimem.

Eu também incluo nesta categoria líderes que não estão saudáveis e grupos que por algum motivo se desviaram do curso normal esperado. É necessário recuperar estas situações o mais rapidamente possível antes que seja tarde demais.

  1. Cuidado Pessoal. Este nível é dedicado a Líderes Estabelecidos que já lideram por um período de 6 a 18 meses. Eles já estão bem e a experiência já os previne de perigos, mas eles ainda estão abertos a receber direção e instruções de liderança. Ligações telefônicas ou encontros pessoais apenas uma vez por mês pode ser algo mais natural, pois já há um bom relacionamento entre o supervisor e o líder de célula. O supervisor pode se concentrar na saúde do líder bem como no desenvolvimento mais geral do grupo. Uma estratégia muito importante neste ponto é o direcionamento destes líderes para que busquem e apontem coordenadores e aprendizes. Isto habilitará estas células a tornarem-se comunidades bíblicas reais e verdadeiras.

Cuidado Passivo

  1. Cuidado Periódico. Aqui temos Líderes de Células Veteranos que lideram fielmente e ainda respondem à comunicação de seus supervisores. Precisamos periodicamente voltar e fazer contato com estes líderes. Há neste estágio oportunidades para discussões sobre a futura multiplicação da célula e estes líderes podem se tornar candidatos a se tornarem supervisores.
  2. Cuidado Perseverante. Este cuidado é para líderes temperamentais e por vezes teimosos. Eles já lideram há um bom tempo e nem sempre respondem aos seus contatos. A sensação é de que eles querem ser deixados sozinhos e independentes. Mesmo que eles não desejem ser supervisionados, ainda precisam saber onde procurar ajuda e informações quando os problemas acontecerem. Certifique-se de que eles estejam sempre bem informados e à par de todas as comunicações, anúncios e oportunidades.

O supervisor deve reorganizar e categorizar seus líderes nestas categorias duas vezes por ano. Tente não ter mais do que 5 a 10 grupos nas categorias Proativas e certifique-se de manter aproximadamente 80% do foco de sua supervisão a estas categorias para obter os melhores resultados.

Spanish blog:

No todos los líderes celulares deben ser supervisados por igual.

Cuanto más he entendido el valor de tener diferentes niveles de atención, más eficaz me he vuelto en el supervisado de líderes celulares… Soy capaz de organizar mi tiempo y recursos para lograr el mayor impacto. Puedo mejorar la experiencia del supervisado para el líder. Por último, puedo maximizar mi capacidad de atención en cuanto al número de células que estoy supervisando.

Utilizo cuatro niveles diferentes de atención con nuestro supervisado. Los primeros dos niveles caen bajo el paraguas de atención proactiva. Los niveles tercero y cuarto caen bajo el paraguas de la atención pasiva. Cada nivel apunta a un perfil específico de Líder celular y despliega un enfoque único para supervisarlos…

Atención proactiva 

  • Atención prioritaria. Este nivel está dirigido a Líderes de nuevas células que tienen más preguntas y necesitan la mayor cantidad de afirmación y apoyo. Pueden ser inseguros de sí mismos y vulnerables a reconsiderar su papel como líder de grupo. Los supervisores deben mantenerse en contacto cercano a través de todos los puntos de comunicación (cara a cara, teléfono, texto, correo electrónico, redes sociales, etc.). Desarrollar esta nueva relación es fundamental para el supervisor y sucederá más rápido con más contacto. Un supervisor debe ser capaz de rastrear cómo les está yendo al nuevo líder y el nuevo grupo semana a semana en las primeras etapas. Esto protegerá a  los nuevos líderes y grupos que mueren en la vid.También incluyo en esta categoría a líderes y grupos poco saludables que se han desviado del rumbo. Necesitamos revivir estas situaciones lo antes posible antes de que sea irrecuperable.
  • Atención personal. Esto para los líderes celulares establecidos que han estado liderando durante 6 a 18 meses aproximadamente. Son lo suficientemente buenos como para ser peligrosos, pero aún así están muy abiertos para obtener más dirección y liderazgo. Las llamadas telefónicas individuales o las reuniones presenciales mensuales deberían sentirse más naturales ahora que hay una buena relación. Los supervisores realmente pueden centrarse en la salud del líder, así como en el desarrollo general del grupo. Guiar a estos líderes celulares para designar coordinadores y aprendices puede ayudar a convertir a estos grupos en comunidades reales y bíblicas.

Atención pasiva

  • Atención Periódica. Estos son líderes celulares veteranos que lideran fielmente y aún responden a nuestras comunicaciones. Necesitamos estar en contacto regularmente y tener chequeos de rutina con ellos. Hay oportunidades para debates sobre la futura multiplicación grupal y pueden ser candidatos para convertirse en nuevos supervisores celulares.
  • Atención Perseverante. Estos son experimentados y, a veces, líderes tercos. Llevan un tiempo liderando grupos y no siempre responden a nuestro contacto. Parece que quieren quedarse solos. Aunque es posible que no quieran ser supervisores, aún necesitan saber a dónde ir para obtener recursos y ayuda si surgen problemas. Asegúrese de que se mantengan al tanto de todas las comunicaciones, anuncios y oportunidades.

Dos veces al año, un supervisor debe reorganizar a sus líderes en estos cuatro niveles. Trate de no tener más de 5-10 grupos proactivos a la vez y asegúrese de invertir el 80% de su enfoque allí, para obtener los mejores resultados.

Sumate a la Obra Misionera a Pueblos No Alcanzados

Responsibilities of a Coach

By Stephen Daigle, College and Young Adult Pastor at Celebration Church, www.celebrationchurch.org

Being a coach isn’t to be taken lightly. Coaches are the first line of communication for the cell leader and now needed more than ever, in the midst of the coronavirus crisis. Pastors are stretched like never stretched before. Having cell coaches prepared to coach cells leaves them well cared for, while other ministry leaders problem solve, create online worship services and ministry opportunities. Here are some of the responsibilities that we require for cell coaches:

  • Visit their cells once a quarter (once every 3 months) – This is the minimum requirement for cell visits from the cell coach. Most of our coaches visit their cells more often than this, but we put this in place as a standard.
  • Meet quarterly with each cell leader they oversee – Cell coaches are responsible for meeting with their cell leaders for a follow up after visiting their cell. This is an opportunity to give feedback, encourage and challenge the cell leader.
  • Pray for their cells regularly – 1 Samuel 12:23 reminds us that it is a sin not to pray for those that God has called us to lead. Cell coaches need to pray for their cell leaders and the members of those cells regularly.
  • Communicate important ministry updates – Our pastors communicate important information to the cell coach and they communicate with the cell leaders they are coaching. This structure has allowed us to communicate effectively during challenging times we are facing today.

These are just several of the responsibilities that we have put in place for our cell coaches. We’ve found these 4 to be some of the most important requirements. Having a strategic list of requirements for the cell coach helps eliminate confusion, while simultaneously communicating what is most important and expected.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Responsabilidades de um treinador

Por Stephen Daigle, Colégio e Pastor de Jovens Adultos na Celebration Church, www.celebrationchurch.org

Ser treinador não deve ser considerado uma função tão simples. Os treinadores são a primeira linha de comunicação para o líder celular e agora são necessários mais do que nunca, no meio da crise do corona vírus. Pastores são exigidos como nunca antes. Ter treinadores de células preparados para treinar células os deixa bem cuidados, enquanto outros líderes de ministério resolvem problemas, criam serviços de adoração on-line e oportunidades de ministério. Aqui estão algumas das responsabilidades que exigimos para os treinadores de células:

• Visitar as células uma vez por trimestre (uma vez a cada 3 meses) – Esse é o requisito mínimo para visitas às células do treinador de células. A maioria dos nossos treinadores visita suas células com mais frequência do que isso, mas colocamos isso no lugar como padrão.

• Reunir-se trimestralmente com cada líder de célula que eles supervisionam – os treinadores de célula são responsáveis por se reunir com seus líderes de célula para um acompanhamento depois de visitar sua célula. Esta é uma oportunidade para dar feedback, incentivar e desafiar o líder da célula.

• Orar regularmente por suas células – 1 Samuel 12:23 nos lembra que é pecado não orar por aqueles que Deus nos chamou para liderar. Os treinadores de células precisam orar regularmente pelos líderes de suas células e pelos membros dessas células.

• Comunicar atualizações importantes do ministério – Nossos pastores comunicam informações importantes ao treinador da célula e eles se comunicam com os líderes da célula que estão treinando. Essa estrutura nos permitiu comunicar efetivamente durante tempos difíceis que enfrentamos hoje.

Essas são apenas algumas das responsabilidades que colocamos em prática para nossos treinadores de células. Nós descobrimos que esses 4 são alguns dos requisitos mais importantes. Ter uma lista estratégica de requisitos para o treinador de célula ajuda a eliminar a confusão, enquanto comunica simultaneamente o que é mais importante e esperado.

Spanish blog:

Responsabilidades de un supervisor

Por Stephen Daigle, pastor universitario y de jóvenes adultos en Celebration Church, www.celebrationchurch.org

Ser supervisor no se debe tomar a la ligera. Los supervisores son la primera línea de comunicación para el líder celular y ahora, en medio de la crisis del coronavirus, se necesitan más que nunca. Los pastores están sobrecargados como nunca antes. Tener supervisores celulares preparados para trabajar las células, hace que estas sean bien atendidas, mientras que los otros líderes del ministerio resuelven problemas, crean servicios de adoración en línea y oportunidades de ministerio. Estas son algunas de las responsabilidades que se requieren para los supervisores celulares:

  • Visitar las células una vez por trimestre (una vez cada 3 meses): este es el requisito mínimo para las visitas a la células por parte del supervisor celular. La mayoría de nuestros supervisores visitan sus células con más frecuencia que esto, pero implementamos este número como estándar.
  • Reunirse trimestralmente con cada líder celular que supervisan: los supervisores celulares son responsables de reunirse con sus líderes para un seguimiento después de visitar su célula. Esta es una oportunidad para dar retroalimentación, animar y desafiar al líder.
  • Orar por las células regularmente – 1 Samuel 12:23 nos recuerda que es un pecado no orar por aquellos a quienes Dios nos ha llamado a liderar. Los supervisores celulares necesitan orar regularmente por sus líderes y los miembros de esas células.
  • Comunicar actualizaciones importantes del ministerio: nuestros pastores comunican información importante al supervisor celular y se comunican con los líderes celulares que están supervisando. Esta estructura nos ha permitido comunicarnos de manera efectiva durante los tiempos difíciles que enfrentamos hoy.

Estas son solo algunas de las responsabilidades que hemos establecido para nuestros supervisores celulares. Hemos encontrado que estos 4 son algunos de los requisitos más importantes. Tener una lista estratégica de requisitos para el supervisor celular ayuda a eliminar la confusión, y al mismo tiempo comunica lo que es más importante y esperado.

Sumate a la Obra Misionera a Pueblos No Alcanzados

Good and Bad Motivations of the Coach

By Mario Vega, www.elim.org.sv

In cell churches, the role of the coach (supervisor) is not always defined very clearly, like the role of a cell leader. Because of this, coaches receive different “signals” depending on the lead pastor, denomination, or particular church. Often, the lead pastor or staff is constantly thinking about how to keep God’s work going and moving ahead. In other words, results are expected of the leaders and thus the coach needs to make those results happen. Yet, when too much pressure is put on “results,” the coach is pushed to become a business leader rather than a pastor. Then the leaders feel pressured or even mistreated, which produces resistance.

Because of this, the main attribute of a coach must be to love his leaders. Loving them implies taking care of them, listening to them, guiding them, comforting them, and encouraging them. It is a task that requires a calling to serve. Each leader is full of imperfections (like all of us), and the role of the coach is to bring out the best in them, so that they can achieve all that God has for them. This requires dedication and patience. The results will not be immediate, but there will results, and much greater results than when the coach tries to produce fruit through pressure tactics.

The coach must also be able to get the best out of each person, challenging them to reach new heights, breaking out of their comfort zone, and encouraging them to do new things for Jesus. In this way, pastoral care is balanced with the role of motivation.  In this way the work can continue to be sustained for long periods of time.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

As boas e as más motivações do treinador

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

Nas igrejas em células, o papel do treinador (supervisor) nem sempre é definido com muita clareza, como o papel de um líder de célula. Por causa disso, os treinadores receberam “sinais” diferentes, dependendo do pastor principal, denominação ou igreja em particular. Freqüentemente, o pastor ou a equipe principal está constantemente pensando em como manter o trabalho de Deus e seguir em frente. Em outras palavras, os resultados são esperados dos líderes e, portanto, o treinador precisa fazer com que esses resultados aconteçam. No entanto, quando é colocada muita pressão sobre os “resultados”, o treinador é pressionado a se tornar um capataz. Então os líderes se sentem pressionados ou até maltratados, o que produz resistência.

Por isso, o principal atributo de um treinador deve ser amar seus líderes. Amá-los implica cuidar deles, ouvi-los, guiá-los, confortá-los e incentivá-los. É uma tarefa que requer um chamado para servir. Cada líder está cheio de imperfeições (como todos nós), e o papel do treinador é trazer o melhor deles, para que eles possam alcançar tudo o que Deus tem para eles. Isso requer dedicação e paciência. Os resultados não serão imediatos, mas haverá resultados e que serão muito maiores do que quando o treinador tenta produzir frutos por meio de táticas de pressão.

O treinador também deve ser capaz de tirar o melhor proveito de cada pessoa, desafiando-a a alcançar novas alturas, rompendo sua zona de conforto e incentivando-a a fazer coisas novas para Jesus. Dessa maneira, o cuidado pastoral é equilibrado com o papel da motivação. Dessa forma, o trabalho pode continuar sendo mantido por longos períodos de tempo.

Spanish blog:

Características de los supervisores

por Mario Vega, www.celulas.org.sv

En las iglesias celulares ocurre con frecuencia que el papel del supervisor no está tan definido como el del líder. Esa condición produce que cada persona entienda de manera diferente la tarea que les corresponde. Eso sucede, probablemente, porque quien delega en los supervisores solamente tiene en mente la continuidad del trabajo. Es decir, se espera de ellos resultados. Cuando se ejerce mucha presión en el tema de los resultados, el supervisor es empujado a convertirse en un capataz. Entonces los líderes se sienten presionados o hasta maltratados, obteniendo el efecto inverso.

Por ese motivo, la principal cualidad de un supervisor debe ser la de amar a sus líderes. Amarles implica cuidar de ellos, escucharles, orientarles, consolarles, animarles. Es una tarea que requiere auténtica vocación de servicio. Las personas no siempre son como uno quisiera, pero se les puede ayudar para lograr lo mejor de ellas. Eso requiere dedicación y paciencia. Los resultados no serán inmediatos, pero los habrá, y de una manera más permanente que aquellos que se producen por la presión.

El supervisor también debe ser capaz de obtener lo mejor de cada persona, desafiándoles a alcanzar nuevas alturas, a salir de su zona de confort y al animarles a hacer cosas nuevas. De esta manera, se equilibra el cuidado pastoral con la función de motivador. De esa manera el trabajo puede seguir siendo sostenido por largos períodos.

Sumate a la Obra Misionera a Pueblos No Alcanzados

The Church in Times of Trouble

By Robert Lay, Cell Church Ministry Brazil, www.celulas.com.br

Throughout history, since Jesus founded his church, there have been  hardships such as persecutions, diseases, pestilences, and so forth. Christ’s church has never given up or been conquered.

The disciples, on one occasion, went through a storm on the sea, and Jesus was at the stern in the boat, sleeping on a cushion (Mark 4:38-41. The disciples were terrified and woke Jesus up asking Him, “Teacher, don’t you care if we drown?” After He rebuked the wind and stilled the waves, he said to his disciples, “Why are you so afraid? Do you still have no faith?” They were terrified and asked each other, “Who is this? Even the wind and the waves obey him!”

In these days of fear of Coronavirus we should not be disturbed and afraid. Jesus is in our boat! Sometimes it feels like He is asleep and doesn’t care. We might intellectually believe that Jesus is in control of every situation, but sometimes fear takes over. The Master wanted his disciples to exercise their faith, so he allowed a storm to come up to see how they would respond. As it turned out they were slow learners, like many of us today.

The Master’s teaching methods are similar today. Only as we exercise our spiritual muscles does our faith grow strong. Let us not be afraid of difficult times. They are good for us and help us increase our faith.

Hardships also bring us back to consider and analyze our priorities. Jesus gave the movement called Church only one order or command, “Make disciples of all nations”. He did not tell us make attractive and fancy programs to lure people into a building to “Worship” God, etc. In this times of coronavirus the Church is underground. No fancy meetings, just indoor family gatherings.

Social media is helping Christ’s church to maintain contact with fellow believers. Also in this time of distress, many new doors are opening to the gospel. People are much more willing to listen when the church offers a clear alternative to fear and panic. Jesus is the one who continues to rebuke the wind and calms the waves. This is the time to win people and make them disciples of Jesus Christ.

Let’s get back to simplicity. Jesus was simple. We have the gift of complication. Let’s use the different channels of social media to offer peace and hope to our unsaved friends. Let’s get back to what really matters. Make Disciples!

Help us God!

Robert

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

A Igreja em tempos difíceis

Por Robert Lay, Cell Church Ministry Brazil, www.celulas.com.br

Ao longo da história, desde que Jesus fundou sua Igreja, houve dificuldades como perseguições, doenças, epidemias e assim por diante. A igreja de Cristo nunca desistiu ou foi derrotada.

Os discípulos, em uma ocasião, passaram por uma tempestade no mar, e Jesus estava na popa do barco, dormindo sobre um travesseiro (Marcos 4: 38-41). Os discípulos ficaram aterrorizados e acordaram Jesus perguntando a Ele: “’Mestre, não te importas que morramos?’ Ele se levantou, repreendeu o vento e disse ao mar: ‘Aquiete-se! Acalme-se!’ O vento se aquietou, e fez-se completa bonança. Então perguntou aos seus discípulos: ‘Por que vocês estão com tanto medo? Ainda não têm fé?’ Eles estavam apavorados e perguntavam uns aos outros: ‘Quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?'”.

Nestes dias de medo do coronavírus, não devemos ficar perturbados nem com medo. Jesus está no nosso barco! Às vezes parece que ele está dormindo e não se importa. Podemos acreditar com nossa mente que Jesus está no controle de todas as situações, mas às vezes o medo toma conta. O Mestre queria que seus discípulos exercessem sua fé, então ele permitiu que uma tempestade se levantasse para ver como eles reagiriam. Como você pôde ver, eles aprendiam devagar, como muitos de nós hoje.

Os métodos de ensino do Mestre são semelhantes hoje. Somente quando exercitamos nossos músculos espirituais nossa fé se fortalece. Não tenhamos medo de tempos difíceis. Eles são bons para nós e nos ajudam a aumentar nossa fé.

As dificuldades também nos trazem de volta a considerar e analisar nossas prioridades.  Jesus deu ao movimento chamado Igreja apenas uma ordem/comando: “Façam discípulos de todas as nações”. Ele não nos disse para criar programas atraentes e sofisticados para atrair as pessoas a um prédio para “adorar” a Deus, etc. Nesse período de coronavírus, a Igreja está no “subsolo”. Não há reuniões sofisticadas, apenas reuniões familiares internas.

As mídias sociais estão ajudando a igreja de Cristo a manter contato com os irmãos. Também neste momento de angústia, muitas portas novas estão se abrindo para o evangelho. As pessoas estão muito mais dispostas a ouvir quando a Igreja oferece uma alternativa clara ao medo e ao pânico. Jesus é quem continua a repreender o vento e acalmar as ondas. Este é o momento de conquistar as pessoas e torná-las discípulas de Jesus Cristo.

Vamos voltar à simplicidade. Jesus era simples. Temos o dom da complicação. Vamos usar os diferentes canais das mídias sociais para oferecer paz e esperança aos nossos amigos não salvos. Vamos voltar ao que realmente importa. Faça discípulos!

Ajude-nos, Deus!

Robert

Spanish blog:

La iglesia en tiempos de problemas

Por Robert Lay, Ministerio de la Iglesia Celular Brasil, www.celulas.com.br

A lo largo de la historia, desde que Jesús fundó su iglesia, han habido dificultades como persecuciones, enfermedades, pestilencias, etc. La iglesia de Cristo nunca se ha rendido o ha sido conquistada.

Los discípulos, en una ocasión, atravesaron una tormenta en el mar, y Jesús estaba en la popa en el bote, durmiendo en un cojín (Marcos 4: 38-41. Los discípulos estaban aterrorizados y despertaron a Jesús preguntándole: “Maestro , ¿no te importa si nos ahogamos? “Después de que reprendió al viento y calmó las olas, les dijo a sus discípulos:” ¿Por qué tienen tanto miedo? ¿Todavía no tienen fe? “Ellos se aterrorizaron y se preguntaron unos a otros: “¿Quién es este? ¡Incluso el viento y las olas lo obedecen!”

En estos días de miedo al coronavirus no debemos ser molestados y asustados. ¡Jesús está en nuestro bote! A veces parece que está dormido y no le importa. Podríamos creer intelectualmente que Jesús tiene el control de cada situación, pero a veces el miedo se toma el control. El Maestro quería que sus discípulos ejercitaran su fe, por lo que permitió que se desatara una tormenta para ver cómo responderían. Al final resultó que eran estudiantes lentos, como muchos de nosotros hoy.

Los métodos de enseñanza del Maestro son similares hoy. Solo cuando ejercitamos nuestros músculos espirituales nuestra fe se fortalece. No tengamos miedo a los tiempos difíciles. Son buenos para nosotros y nos ayudan a aumentar nuestra fe.

Las dificultades también nos hacen volver a considerar y analizar nuestras prioridades. Jesús le dio al movimiento llamado Iglesia una sola orden o mandamiento: “Hacer discípulos a todas las naciones”. No nos dijo que hiciéramos programas atractivos y elegantes para atraer a la gente a un edificio para “adorar” a Dios, etc. En estos tiempos de coronavirus, la Iglesia está bajo tierra. No hay reuniones elegantes, solo reuniones familiares en interiores.

Las redes sociales están ayudando a la iglesia de Cristo a mantener contacto con otros creyentes. También en este momento de angustia, se están abriendo muchas puertas nuevas al evangelio. La gente está mucho más dispuesta a escuchar cuando la iglesia ofrece una alternativa clara al miedo y al pánico. Jesús es el que continúa reprendiendo al viento y calma las olas. Este es el momento de ganar personas y hacerles discípulos de Jesucristo.

Volvamos a la simplicidad. Jesús fue simple. Nosotros tenemos el don de la complicación. Usemos los diferentes canales de las redes sociales para ofrecer paz y esperanza a nuestros amigos no salvos. Volvamos a lo que realmente importa. ¡Hacer discípulos!

Ayúdanos Dios!

Robert

Sumate a la Obra Misionera a Pueblos No Alcanzados