Blog

The LCG micro-cell

By Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

A cell group may be the most basic unit of the church, but it is not the only expression. Both larger and even-smaller gatherings than cells can strengthen believers. Most are familiar with the large-group Celebration services are their impact. But a 2- or 3-person Life Change Group can also offer something the cell group does not.

The format of the “LCG,” (available from Neil Cole’s Church Multiplication Associates) is simple: two or three people of the same gender commit to read about 5 chapters of the Bible per day and to gather weekly to ask each pre-arranged accountability questions.  They also pray for lost people by name.

Advantages of an Life Change Group:

  • It doesn’t require a leader – but it often creates a leader. The format is very simple: read questions off a card. Anyone can do that with one other person.  I have used the format to disciple men who often went on to become cell leaders.
  • It creates accountability. Many of us have good intentions to read the Bible and pray for the lost, but meeting weekly with someone who asks  us whether we did it that week converts intention to reality.
  • It focuses on scripture.  Reading large portions of scripture each day exposes us to God’s heart and mind in new ways.
  • It is easy to multiply. When a fourth person joins the LCG, the group multiplies to two groups of two. It is simple and not leadership-intensive, so it is easy to multiply.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

A microcélula LCG

por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Uma célula pode ser a unidade mais básica da igreja, mas não é a única expressão dela. Reuniões maiores e até menores do que as células podem fortalecer os crentes. A maioria está familiarizada com o grande grupo do culto de celebração e o seu impacto.  Mas um Life Change Group (“Grupo de Mudança de Vida”, em tradução livre) de 2 ou 3 pessoas também pode oferecer algo que a célula não oferece.

O formato do “LCG” (disponível em Church Multiplication Associates, de Neil Cole) é simples: duas ou três pessoas do mesmo sexo se comprometem a ler cerca de cinco capítulos da Bíblia por dia e a se reunir semanalmente para perguntar e responder questões de prestação de contas selecionadas previamente. Eles também oram por pessoas perdidas.

Vantagens de um Grupo de Mudança de Vida (LCG):

* Ele não requer um líder – mas muitas vezes cria um líder. O formato é muito simples: leia as perguntas de um cartão. Qualquer um pode fazer isso com outra pessoa. Eu usei o formato para discipular homens que frequentemente se tornaram líderes de célula.

* Cria responsabilidade. Muitos de nós temos boas intenções de ler a Bíblia e orar pelos perdidos, mas nos reunirmos semanalmente com alguém que nos pergunta se a semana transforma a intenção em realidade.

* Concentra-se nas escrituras. Ler grandes porções da Palavra todos os dias nos expõe ao coração e mente de Deus de novas maneiras.

* É fácil multiplicar. Quando uma quarta pessoa se junta ao LCG, o grupo se multiplica para dois grupos de dois. É simples e não exige muita liderança, por isso é fácil multiplicar.

Spanish blog:

La micro-célula GCV

por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Un grupo celular puede ser la unidad más básica de la iglesia, pero no es la única expresión. Reuniones más grandes e incluso más pequeñas que las células pueden fortalecer a los creyentes. La mayoría están familiarizados con los servicios de Celebración de grupos grandes y su impacto. Pero un grupo que cambia vidas de 2 o 3 personas también puede ofrecer algo que el grupo celular no ofrece.
El formato del “GCV” (disponible a los Asociados de Multiplicación de Iglesias de Neil Cole) es simple: dos o tres personas del mismo género se comprometen a leer alrededor de 5 capítulos de la Biblia por día y a reunirse semanalmente para pedir a cada uno de ellos una pregunta preestablecida. También oran por las personas perdidas por su nombre.
Ventajas de un grupo de cambio de vida:
* No requiere un líder, pero a menudo crea un líder. El formato es muy simple: lea las preguntas de una tarjeta. Cualquiera puede hacer eso con otra persona. He usado el formato para discipular a hombres que a menudo se convirtieron en líderes celulares.
* Crea responsabilidad. Muchos de nosotros tenemos buenas intenciones de leer la Biblia y orar por los perdidos, pero reunirnos semanalmente con alguien que nos pregunta si lo hicimos esa semana convierte la intención en realidad.
* Se enfoca en las escrituras. Leer grandes porciones de las Escrituras todos los días nos expone al corazón y la mente de Dios de nuevas maneras.
* Es fácil de multiplicar. Cuando una cuarta persona se une al GCV, el grupo se multiplica en dos grupos de dos. Es simple y no requiere mucho liderazgo, por lo que es fácil de multiplicar.

Caring for Children through Cells

By Mario Vega, www.elim.org.sv

At Elim Church we started working with children’s cells in 2001. Since then, many of the children who attended the initial cells have become young people who are now leaders or coaches in youth or adult cells. All of this happened because of leaders who invested time and energy into mentoring them. The vision behind children’s cells is to develop new disciples who make disciples. Children are very responsive to the gospel and receive the Christian message readily.  After leading them on topics such as prayer, the reading of the Bible and water baptism, leaders give them important functions in the cell. Those functions are prayer, worship and teaching.

The cell regularly reaches a level where the leader has delegated those important elements and his role is limited to observing and continuing to develop the children’s leadership. The faith of those children is strengthened, but they continue to be young. For that reason, the church has opened an entire department dedicated to children’s ministry. In it, children can be involved in the celebration, do important tasks, lead worship, drams, and be involved in the multi-media team. In other words, they become active members of the church with roles intentionally assigned and accompanied by their mentors. In this way, children are cared for to fully live their faith and become, in turn, new leaders.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Esta é uma tradução do google. Assim que a tradução normal for recebida, ela será postada no blog do JCG

Cuidando de crianças através das células

Por Mario Vega, www.elim.org.sv
 
Na Elim Church, começamos a trabalhar com células de crianças em 2001. Desde então, muitas das crianças que compareceram às celas iniciais tornaram-se jovens que agora são líderes ou treinadores em celas jovens ou adultas. Tudo isso aconteceu por causa dos líderes que investiram tempo e energia para orientá-los. A visão por trás das células das crianças é desenvolver novos discípulos que fazem discípulos. As crianças são muito receptivas ao evangelho e recebem prontamente a mensagem cristã. Depois de guiá-los em tópicos como oração, leitura da Bíblia e batismo nas águas, os líderes lhes dão importantes funções na célula. Essas funções são oração, adoração e ensino.
 
A célula atinge regularmente um nível em que o líder delegou esses elementos importantes e seu papel se limita a observar e continuar a desenvolver a liderança das crianças. A fé dessas crianças é fortalecida, mas elas continuam jovens. Por essa razão, a igreja abriu um departamento inteiro dedicado ao ministério infantil. Nele, as crianças podem se envolver na comemoração, realizar tarefas importantes, liderar cultos, dramas e estar envolvidos na equipe de multimídia. Em outras palavras, eles se tornam membros ativos da igreja com papéis designados intencionalmente e acompanhados por seus mentores. Desta forma, as crianças são cuidadas para viver plenamente a sua fé e tornarem-se, por sua vez, novos líderes.

Spanish blog:

Cuidando a los niños a través de las células

por Mario Vega, www.elim.org.sv

En iglesia Elim comenzamos a trabajar con células infantiles en 2001. Desde entonces, muchos de los niños que asistieron a las células iniciales se han convertido en jóvenes que ahora son líderes o supervisores en células juveniles o de adultos. Eso se logró, gracias a que sus líderes de entonces invirtieron tiempo en ellos para ser sus mentores y desarrollar sus capacidades. Usualmente, lo que se procura en una célula infantil es que el líder sea un desarrollador de las capacidades de los niños. Como se sabe, los niños son muy sensibles al evangelio y reciben con fe a Jesús de manera relativamente más pronta. Después de conducirles por temas como la oración, la lectura de la Biblia y el bautismo en agua; los líderes les designan funciones importantes en la célula. Esas funciones son la oración, la alabanza y la enseñanza.

La célula regularmente alcanza un nivel en el que el líder ha delegado esos puntos del programa y su papel se limita a observar y continuar desarrollando el liderazgo infantil. La fe de esos niños se robustece, pero continúan teniendo una corta edad. Por ese motivo, la iglesia ha abierto el Departamento de Protagonismo Infantil. En éste, los niños pueden desarrollar funciones en la celebración que son paralelas a la de los diáconos, los equipos de alabanza, el equipo de teatro y el equipo de comunicaciones. En otras palabras, llegan a ser miembros activos de la iglesia con roles asignados intencionalmente y siendo acompañados por sus mentores. De esa forma, los niños son cuidados para vivir plenamente su fe y convertirse, a su vez, en nuevos líderes.

Down to the Core

Michelle Geoffrey, cell pastor at www.celebrationchurch.org

To me the most important and disregarded part of an apple is the core.  We love the crisp skin and sweet, juicy inside, but when we get to the core, it is tossed in the trash.  Think about it… without the core, there would be no more apples. The core contains the seeds to plant and grow more trees that produce more apples.  

Cell groups are the same way.  We spend time each week meeting together and read God’s Word, fellowship, and pray together.  We often miss the importance of the core. Those who show up regularly, those that host, those that create a safe space for the children, and those that plan great worship experiences.  Without these core members, groups would not be the same and when we focus on building them up, they often become grow new members and plant new groups. We have to be the type of leaders that are investing in our core.

I believe that to be a truly great leader, one must grow those around us to the extent that if we are not there, it can go unnoticed.  This is an “easier said than done” concept. Think about it… when you go on vacation or have an ill child at home, will the cell meeting go off without a hitch?  If you are stuck late at work will the children have ministry? Are the Bible verses and questions going to be asked? Will someone reach out to the people that are not there to see how they can be prayed for?  

Here are a few tips to nurture the gifts in others to create a strong core:

  • Look around the group and ask yourself these questions:
    • Who attends group each week?  
    • Who asks questions in the meeting? 
    • Who participates in shared ministry? 
  • Spend time with the members building them up
  • Find out what gifts and strengths they have and  encourage them to use them at the group meetings.
  • Give small assignments in the cell and see who completes them

Once you have two or three members that you want to invest in, then ask them to meet you outside of the regular meeting.  You might be thinking that you don’t have extra time to spend with them. Even if your schedule is full, try for 30 minutes before or after the cell meet at church before the service.  If we do this then we are focusing on the core and making disciples. Then the ministry will go on and grow from the core.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Até o Núcleo

Por Michelle Geoffrey, pastora de células na www.celebrationchurch.org

Para mim, a parte mais importante e desconsiderada de uma maçã é o núcleo. Nós amamos sua pele nítida e doce, suculenta por dentro, mas quando chegamos ao núcleo, ele é jogado no lixo. Pense nisso… sem o núcleo, não haveria mais maçãs. O núcleo contém as sementes para plantar e cultivar mais árvores que produzem mais maçãs.

As células são da mesma maneira. Nós passamos tempo a cada semana nos reunindo e lendo a Palavra de Deus, em comunhão e orando juntos. Muitas vezes perdemos a importância do núcleo. As pessoas que comparecem regularmente, que hospedam, que criam um espaço seguro para as crianças e aqueles que planejam grandes experiências de adoração. Sem esses membros principais, os grupos não seriam os mesmos e quando nos concentramos em desenvolvê-los, eles muitas vezes trazem novos membros e plantam novos grupos. Temos que ser o tipo de líderes que investe em nosso núcleo.

Acredito que, para realmente ser um grande líder, é preciso cultivar as pessoas que nos rodeiam ao ponto de se não estivermos lá, isso passar despercebido. Este é um conceito “mais fácil de dizer do que fazer”. Pense nisso… quando você sair de férias ou tiver uma criança doente em casa, a reunião da célula vai acontecer sem problemas? Se você estiver atrasado no trabalho, as crianças terão ministério? Os versículos da Bíblia e as perguntas serão feitas? Alguém se aproximará das pessoas que não estão lá para ver como elas podem receber oração?

Aqui estão algumas dicas para cultivar os dons das pessoas para criar um núcleo forte:

Olhe ao redor do grupo e faça a si mesmo estas perguntas:

Quem participa do grupo a cada semana?

Quem faz perguntas na reunião?

Quem participa no ministério compartilhado?

Passe tempo com os membros construindo-os

Descubra quais dons e pontos fortes eles têm e incentive-os a usá-los nas reuniões do grupo.

Dê pequenas atribuições na célula e veja quem as realiza de fato.

Quando você tiver dois ou três membros nos quais deseja investir, peça para encontrá-los fora da reunião regular. Você pode estar pensando que você não tem tempo extra para gastar com eles. Mesmo que sua agenda esteja cheia, tente por 30 minutos antes ou depois da reunião da célula ou do culto. Se fizermos isso, estaremos nos concentrando no núcleo e fazendo discípulos. Então o ministério continuará e crescerá do núcleo.

Spanish blog:

Hasta el núcleo

Por Michelle Geoffrey, pastora celular en www.celebrationchurch.org

Para mí, la parte más importante y olvidada de una manzana es el núcleo. Nos encanta la piel crujiente y dulce, jugosa por dentro, pero cuando llegamos al núcleo, se tira a la basura. Piénselo … sin el núcleo, no habría más manzanas. El núcleo contiene las semillas para plantar y cultivar más árboles que producen más manzanas.

Los grupos celulares son de la misma manera. Pasamos tiempo cada semana reuniéndonos juntos y leemos la Palabra de Dios, practicamos el compañerismo y oramos juntos. A menudo extrañamos la importancia del núcleo. Los que se presentan regularmente, los que acogen, los que crean un espacio seguro para los niños y los que planean grandes experiencias de adoración. Sin estos miembros principales, los grupos no serían lo mismo y cuando nos enfocamos en construirlos, a menudo se convierten en miembros nuevos y se plantan nuevos grupos. Tenemos que ser el tipo de líderes que están invirtiendo en nuestro núcleo.

Creo que para ser un gran líder, uno debe hacer crecer a quienes nos rodean en la medida en que si no estamos allí, pueden pasar desapercibidos. Este es un concepto “más fácil decirlo que hacerlo”. Piénsalo… cuando salga de vacaciones o tengas un hijo enfermo en casa, ¿se desarrollará la reunión celular sin problemas? Si estás atrapado tarde en el trabajo, ¿serán los niños ministrados? ¿Se leerán los versículos y se harán preguntas de la Biblia? ¿Alguien se acercará a las personas que no están allí para ver cómo se puede orar ellas?

Aquí hay algunos consejos para nutrir los dones en otros para crear un núcleo fuerte:

Mire alrededor del grupo y haz estas preguntas:

¿Quién asiste al grupo cada semana?

¿Quién hace preguntas en la reunión?

¿Quién participa en el ministerio compartido?

Pasas tiempo con los miembros construyéndolos ?

Descubre qué dones y fortalezas tienen y aliéntalos a usarlos en las reuniones grupales.

Dé pequeñas tareas en la célula y observa quién las completa.

Una vez que tengas dos o tres miembros en los que quieras invertir, pídeles que se reúnan contigo fuera de la reunión ordinaria. Tal vez pienses que no tienes tiempo extra para pasar con ellos. Incluso si tu horario está lleno, intenta 30 minutos antes o después de que la célula se reúna en la iglesia antes del servicio. Si hacemos esto, entonces nos estamos enfocando en el núcleo y haciendo discípulos. Entonces el ministerio continuará y crecerá desde el núcleo.

John Wesley’s Bands

By Rob Campbell, www.cypresscreekchurch.com

In John Wesley’s day, a class meeting was composed of seven to twelve people; they were co-ed, and geographical in location. The key question asked in a class meeting is “How does your soul prosper?”  The main question in a band meeting is “What sins have you committed that you need to confess?”  The foundational verse for a band meeting is “Confess your sins to each other and pray for each other so that you may be healed.  The earnest prayer of a righteous person has great power and wonderful results” (James 5:16, New Living Translation).  Band meetings incorporated an affective mode of learning (Malony, 2010).  “It could be said metaphorically that the society aimed for the head, the class meeting for the hands, and the band for the heart” (as cited in Malony, 2010, p. 54).

Band participants met at least once a week and arrived in a punctual manner.  This gathering (composed of approximately five people, divided by gender and marital status) was not mandatory, but optional.  Wesley, however, encouraged all to attend.  The gathering was a place of transparency and vulnerability.  Honest communication filled the room as each participant discussed their short-comings as a Christ-follower.  The gathering began with singing or prayer.  The following four questions were asked at every meeting:

  1. What known sins have you committed since our last meeting?
  2. What temptations have you met?
  3. How were you delivered?
  4. What have you thought, said, or done, of which you doubt whether it be sin or not?

Each person would speak regarding the state of their souls, the sins committed via thought, word, or deed, and the temptations sensed.  The meeting ended with prayer (Wesley, 1738).

Band meetings were not shame-based fueled by condemnation.  Rather, God’s healing grace flowed without restraint allowing the participants to experience freedom from all that hindered them from a holistic surrender to Jesus Christ.  Here, Wesley placed his understanding of sanctification into everyday life (Watson, 2015). Fellow band members were not called to “straighten other participants out,” but be a conduit of God’s grace.  The band assembled to contemplate the conditions of the soul.

Wesley believed that the band most vividly conveyed the aspiration of increasing scriptural holiness throughout the land (Malony, 2010).  Author and Professor, Dr. Kevin Watson, concurs with Wesley believing that church renewal will come through social holiness.  One should not confuse social holiness with social justice or isolation from others.  Rather, social holiness is the “watching over one another in love through community.”  Watson believes that a church can express social holiness, and thereby enjoy renewal, through expressions akin to Wesley’s class meeting and band (Watson, 2014).

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Grupos de John Wesley

Por Pastor Rob Campbell, www.cypresscreekchurch.com

Nos dias de John Wesley, uma reunião de classe era composta de sete a doze pessoas;  eles eram colegas de classe e também próximos geograficamente. A pergunta principal que é feita em uma reunião de grupo é “Como a sua alma prospera?”. A principal questão em uma reunião de grupo é “Que pecados você cometeu que precisa confessar?”. E o verso fundamental para uma reunião de grupo é “Portanto, confessem os seus pecados uns aos outros e orem uns pelos outros para serem curados. A oração de um justo é poderosa e eficaz” Tiago 5:16. As reuniões de grupo incorporaram um modo afetivo de aprender, (Malony, 2010). “Pode-se dizer metaforicamente que a sociedade visava a cabeça, a reunião de classe as mãos e o grupo visava o coração” (como citado em Malony, 2010, p. 54).

Os participantes do grupo se reuniam pelo menos uma vez por semana e chegavam de maneira pontual.  Este encontro (composto por aproximadamente cinco pessoas, divididas por sexo e estado civil) não era obrigatório, mas opcional. Wesley, no entanto, encorajava todos a comparecer.  O encontro era um lugar de transparência e vulnerabilidade. Uma comunicação honesta enchia a sala enquanto cada participante discutia suas deficiências como um seguidor de Cristo. A reunião começava com canto ou oração.  As quatro perguntas seguintes eram feitas em todas as reuniões:

  1. Quais pecados conhecidos você cometeu desde o nosso último encontro?
  2. Que tentações você enfrentou?
  3. Como você foi libertado?
  4. O que você pensou, disse ou fez, que você duvida se é pecado ou não?

Cada pessoa falava sobre o estado de suas almas, os pecados cometidos via pensamento, palavra ou ação, e as tentações sentidas. A reunião terminava com uma oração (Wesley, 1738).

Reuniões de grupos não foram baseadas na vergonha alimentada por condenação. Pelo contrário, a graça curadora de Deus fluía sem restrição, permitindo que os participantes experimentassem a liberdade de tudo o que os impedia de uma entrega holística a Jesus Cristo. Aqui, Wesley colocou sua compreensão da santificação na vida cotidiana (Watson, 2015). Os membros do grupo não eram chamados para “endireitar outros participantes”, mas para ser um condutor da graça de Deus. O grupo se reunia para contemplar as condições da alma.

Wesley acreditava que o grupo transmitia de forma mais vívida a aspiração de aumentar a santidade bíblica em toda a terra (Malony, 2010). O autor e professor Dr. Kevin Watson concorda com Wesley, acreditando que a renovação da igreja virá através da santidade social. Não se deve confundir santidade social com justiça social ou isolamento dos outros.  Em vez disso, a santidade social é a “vigilância mútua no amor através da comunidade”. Watson acredita que uma igreja pode expressar santidade social e, assim, desfrutar de renovação através de expressões semelhantes à reunião de classe e de grupo de Wesley (Watson, 2014).

Spanish blog:

Las Bandas de John Wesley

Por el pastor Rob Campbell, www.cypresscreekchurch.com

En los días de John Wesley, una reunión de clase estaba compuesta por siete a doce personas; eran mixtos y de ubicación geográfica. La pregunta clave que se hace en una reunión de clase es “¿Cómo prospera tu alma?”. La pregunta principal en una reunión de banda es “¿Qué pecados has cometido que necesitas confesar?” El versículo fundamental para una reunión de banda es “Confiesa tus pecados el uno al otro y oren los unos por los otros para que puedan ser sanados. La oración sincera de una persona justa tiene un gran poder y resultados maravillosos “(Santiago 5:16, Nueva Traducción Viviente). Las reuniones de la banda incorporaron un modo de aprendizaje afectivo (Malony , 2010). “Podría decirse metafóricamente que la sociedad apuntaba a la cabeza, la reunión a las manos y la banda a el corazón” (como se cita en Malony, 2010, p. 54).

Los participantes de la banda se reunieron al menos una vez a la semana y llegaron puntualmente. Esta reunión (compuesta por aproximadamente cinco personas, dividida por género y estado civil) no fue obligatoria, sino opcional. Wesley, sin embargo, animó a todos a asistir. La reunión fue un lugar de transparencia y vulnerabilidad. La comunicación honesta llenó la sala mientras cada participante discutía sus defectos como seguidor de Cristo. La reunión comenzó con alabanzas u oración. Se hicieron las siguientes cuatro preguntas en cada reunión:

  1. ¿Qué pecados conocidos has cometido desde nuestra última reunión?
  2. ¿Qué tentaciones has encontrado?
  3. ¿Cómo te liberaste de ellas?
  4. ¿Qué has pensado, dicho o hecho, y dudas si es pecado o no?

Cada persona hablaría sobre el estado de sus almas, los pecados cometidos por pensamiento, palabra u obra, y las tentaciones percibidas. La reunión terminaba con una oración (Wesley, 1738).

Las reuniones de la banda no estaban basadas en la vergüenza alimentadas por la condena. Más bien, la gracia sanadora de Dios fluyó sin restricciones permitiendo a los participantes experimentar la libertad de todo lo que les impedía una rendición holística a Jesucristo. Aquí, Wesley colocó su comprensión de la santificación en la vida cotidiana (Watson, 2015). Los miembros de la banda no fueron llamados a “enderezar a otros participantes”, sino a ser un conducto de la gracia de Dios. La banda se reunió para contemplar las condiciones del alma.

Wesley creía que la banda transmitía más intensamente la aspiración de aumentar la santidad de las Escrituras en toda la tierra (Malony, 2010). El autor y profesor, el Dr. Kevin Watson, está de acuerdo con Wesley creyendo que la renovación de la iglesia vendrá a través de la santidad social. No se debe confundir la santidad social con la justicia social o el aislamiento de los demás. Más bien, la santidad social es “velar por el amor mutuo a través de la comunidad”. Watson cree que una iglesia puede expresar la santidad social y, por lo tanto, disfrutar de la renovación, a través de expresiones similares a la reunión y banda de Wesley (Watson, 2014).

The Family Priority

By Daphne Kirk, www.G2gMandate.org; Twitter: daphnekirk

When God ordered His people Israel He placed: The family within the tribe, the tribe within the nation. And in the same way, the family is within the cell, the cell within the congregation.

We must remember that family is a cell within the cell and every value of cell can be expressed through family. Think about it:

  • Jesus at the Center of the family.
  • Every member of the family ministering to each other and those who come within the sphere of influence of the family. Loving each other and others with the sacrificial love of Jesus, open homes with open hearts.
  • Every member growing. Discipleship is a family matter, with parents being the primary disciplers of their children through lifestyle discipleship, and parents intent on encouraging and inspiring each other to grow, with the father leading the way.
  • The family reaching out to others and making disciples. A healthy family embraces others. “He sets the lonely in families” Psalm 68: 6 Single people and those who are lonely need families to embrace them. Each family member can embrace others and reach out to other families, neighbors etc.
  • Heathy relationships are vital in family and with others, just as in the cell group.
  • Multiplication looking different, through generational multiplication, but also as the family reaches out and brings others to the cell.

When healthy families develop as a cell within a cell, the cell group is healthier and grows through existing relationships. When families become dependent on the “church,” when discipleship is not at the heart of family and they are inward looking, that DNA goes with them when they meet with the rest of their cell group.

Cell values should flow in the cell, to and from the family.

  • At the heart of the nation of Israel – was family.
  • At the heart of the cell group – is family.

One DNA, one heart and one goal – to glorify and prepare the way for their coming King.

Family is a cell within the cell.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

A prioridade da família

Por Daphne Kirk, www.G2gMandate.org;  Twitter: daphnekirk

Quando Deus ordenou ao seu povo Israel, Ele colocou: A família dentro da tribo, a tribo dentro da nação. E da mesma forma, a família está dentro da célula, a célula dentro da congregação.

Devemos lembrar que a família é uma célula dentro da célula e todo valor de célula pode ser expresso através da família. Pense nisso:

  • Jesus no centro da família.
  • Todos os membros da família ministram uns aos outros, bem como aqueles que entram na esfera de influência da família. Amam uns aos outros com o amor sacrificial de Jesus e abrem as casas de coração aberto.
  • Cada membro crescendo. Discipulado é um assunto de família, com os pais sendo os principais discipuladores de seus filhos através do estilo de vida de discipulado, e os pais com a intenção de incentivar e inspirar uns aos outros para crescer, com o pai liderando o caminho.
  • A família estende a mão aos outros e faz discípulos. Uma família saudável abraça os outros. “Deus dá um lar aos solitários” Salmos 68:6. As pessoas solteiras e solitárias precisam que as famílias as abracem. Cada membro da família pode abraçar os outros e alcançar outras famílias, vizinhos etc.
  • Relacionamentos saudáveis ​​são vitais na família e com os outros, assim como na célula.
  • A multiplicação parece diferente através da multiplicação geracional, mas também quando a família evangeliza e traz outros para a célula.

Quando famílias saudáveis ​​se desenvolvem como uma célula dentro de uma célula, a célula se torna mais saudável e cresce através dos relacionamentos existentes. Quando as famílias se tornam dependentes da “igreja” e quando o discipulado não está no coração da família e elas estão voltadas para o interior, esse DNA vai com elas quando se encontram com o resto da célula.

Os valores das células devem fluir na célula, para e da família.

  • No coração da nação de Israel – estava a família.
  • No coração da célula – está a família.

Um DNA, um coração e um objetivo – glorificar e preparar o caminho para o seu Rei que está vindo.

Família é uma célula dentro da célula.

Spanish blog: 

La prioridad familiar

Por Daphne Kirk, www.G2gMandate.org; Twitter: daphnekirk

Cuando Dios ordenó a su pueblo Israel, colocó: La familia dentro de la tribu, la tribu dentro de la nación. Y de la misma manera, la familia está dentro de la célula, la célula dentro de la congregación.

Debemos recordar que la familia es una célula dentro de la célula y cada valor de la célula puede expresarse a través de la familia. Piénsalo:

▪️Jesús en el centro de la familia.

▪️Todos los miembros de la familia se ministran entre sí y los que entran en la esfera de influencia de la familia. Amandosé unos a otros y con el amor sacrificial de Jesús, abrir hogares con corazones abiertos.

▪️Cada miembro crece. El discipulado es un asunto familiar, donde los padres son los principales discipuladores de sus hijos a través del discipulado de estilo de vida, y los padres intentan alentarse e inspirarse mutuamente para crecer, con el padre liderando el camino.

▪️La familia llegando a otros y haciendo discípulos. Una familia sana abraza a los demás. “Él pone a los solitarios en familias” Salmos 68: 6. Las personas solteras y los que están solos necesitan familias para que los abracen. Cada miembro de la familia puede abrazar a otros y llegar a otras familias, vecinos, etc.

▪️Las relaciones saludables son vitales en la familia y con las demás personas, al igual que en el grupo celular.

▪️La multiplicación se ve diferente, a través de la multiplicación generacional (!), Pero también a medida que la familia se acerca y lleva a otros a la célula.

Cuando las familias sanas se desarrollan como una célula dentro de una célula, el grupo celular es más saludable y crece a través de las relaciones existentes. Cuando las familias se vuelven dependientes de la “iglesia”, cuando el discipulado está en el corazón de la familia y están mirando hacia adentro, ese ADN los acompaña cuando se reúnen con el resto de su grupo celular.

Los valores de la célula deben fluir en está, hacia y desde la familia.

▪️En el corazón de la nación de Israel – estaba la familia.

▪️En el corazón del grupo celular – está la familia.

Un ADN, un corazón y un objetivo: glorificar y preparar el camino para su próximo Rey.

La familia es una célula dentro de la célula.