Blog

Submission as the Way to Greatness

By Mario Vega, www.elim.org.sv v

David was the youngest of eight children. He was so young that he couldn’t enter the Israeli army. One day his father asked him to bring his older brothers grain, bread and cheese. Remember that the prophet Samuel had already anointed him as the new king of Israel. So David simply obeyed the simple task that his father gave him.

What David thought was a simple delivery of bread and cheese became God’s mechanism to make him the kingdom’s hero. When he delivered the supplies, he learned about Goliath’s challenge and the rest is a well-known story. This story teaches us that God uses the humblest tasks to lead us to greatness. The great heroes of the faith were not formed by extraordinary events but by the accumulation of small acts of submission that matured their character.

Submission is a series of humble tasks that come from obedience. God matures the leader in the process of obedience. All leadership must follow the same path of humble obedience and God is faithful to lift up in his time.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

A Submissão como o Caminho para a Grandeza

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

Davi era o caçula de oito filhos. Ele era tão jovem que não pôde entrar no exército israelense. Um dia, seu pai pediu-lhe que trouxesse grãos, pão e queijo para os irmãos mais velhos. Lembre-se de que o profeta Samuel já o havia ungido como o novo rei de Israel. Então, David simplesmente obedeceu à tarefa simples que seu pai lhe deu.
 
O que Davi achava ser uma entrega simples de pão e queijo tornou-se o mecanismo de Deus para torná-lo o herói do reino. Quando ele entregou os suprimentos, ficou sabendo sobre o desafio de Golias e o resto é uma história bem conhecida. Essa história nos ensina que Deus usa as tarefas mais humildes para nos levar à grandeza. Os grandes heróis da fé não foram formados por eventos extraordinários, mas pelo acúmulo de pequenos atos de submissão que amadureceram seu caráter.

A submissão é uma série de tarefas humildes que vêm da obediência. Deus amadurece o líder no processo de obediência. Toda liderança deve seguir o mesmo caminho de obediência humilde e Deus é fiel para os elevar em seu tempo.

Spanish blog:

La sumisión como camino a la grandeza

por Mario Vega, www.elim.org.sv
 
David era el menor de ocho hermanos. Era tan joven que no tenía la edad que Moisés había establecido para ser parte del ejército. Un día su padre le pidió llevar a sus hermanos mayores grano, panes y quesos. David no despreció el encargo sencillo que su padre le dio sino que fue diligente en obedecerle. Eso a pesar de que el profeta Samuel ya lo había ungido como nuevo rey de Israel.
 
Lo que David pensaba que era una simple entrega de pan y quesos se convirtió en el mecanismo de Dios para convertirlo en el héroe del reino. Al hacer entrega de las provisiones se enteró del desafío de Goliat y el resto es historia muy conocida. El relato nos enseña que Dios utiliza las tareas más humildes para conducirnos a la grandeza. Los grandes héroes de la fe no se formaron por hechos extraordinarios sino por la acumulación de pequeños actos de sumisión que fueron madurando su carácter.
 
Este tipo de reflexiones son las que contribuyen a ver el tema de la sumisión desde una perspectiva diferente. No es una pérdida de la libertad personal sino la manera de Dios para llevarnos a la madurez. Esta es la clase de instrucción que forma a los líderes y supervisores.


Be The Example

Michelle Geoffrey, cell pastor at www.celebrationchurch.org

Psalm 23 is a chapter in the Bible that most people, even not-yet-Christians are aware of and may have even memorized.  One night, I was praying with my niece and I quoted Psalm 23. She was only five at the time and asked what each one meant. As I broke down verse by verse to her, one verse stood out, “…your rod and your staff, they comfort me.”  As I explained this to a child, a wave of awe passed over me. How many times have I quoted these verses, but not truly understood what it meant? The rod and staff are not there to hurt or punish or shame. His rod and His staff represent protection and direction, which lead us to peace and joy.  I have been thinking of this wrong my whole life.

As cell church leaders, we have to put this into practice in all areas.  We must live the example of bringing peace and joy, while still discipling, correcting and coaching.  It is not our job to “rule” over people, but instead we must offer mercy at every turn.

This can often be a shift in culture for people, because the world teaches that we need to be the “boss” and we have arrived when we can order others around.  When we look at the life of Christ, He was a servant. He taught the disciples and loved them, even when they said things such as, “Who, then, is the greatest in the kingdom of heaven?” (Matthew 18:1)  After all the things He shared with them and lived this example of grace and mercy, they still wanted greatness over others.

As leaders and pastors, it is imperative that we hold tightly to humility and know that we don’t have all the answers.  We must be transparent and willingly share our flaws and weaknesses. We need to remember that it is more important to be righteous, than being right.  We have to have a willingness to apologize and seek forgiveness. The more that we practice these things, the more that those we lead will do the same.

Our job is not to force, but instead to use God’s Word and amazing grace to truly comfort others – that is what leads to life change and transformation.  As we show our submission to God’s rod and staff, others will begin to follow and see how He continually protects and guides our lives.

Korean blog (Click here)

Portuguese blog:

Seja o exemplo

Por Michelle Geoffrey, pastora de células em www.celebrationchurch.org

O Salmo 23 é um capítulo na Bíblia que a maioria das pessoas, até mesmo os que ainda não são cristãos, estão cientes e podem até ter memorizado. Certa noite, eu estava orando com minha sobrinha e citei o Salmo 23. Ela tinha apenas cinco anos na época e perguntou o que cada verso significava. Enquanto eu quebrava verso por verso para ela, um verso se destacou, “… sua vara e seu cajado me consolam.” Quando expliquei isso para uma criança, uma onda de espanto passou por mim. Quantas vezes eu citei esses versículos, mas não compreendi verdadeiramente o que significava? A vara e o cajado não estão lá para ferir, punir ou envergonhar. Sua vara e seu cajado representam proteção e direção, que nos levam à paz e à alegria. Eu tenho pensado nisso errado toda a minha vida.

Como líderes da igreja em células, temos que colocar isso em prática em todas as áreas. Devemos viver o exemplo de trazer paz e alegria, enquanto discipulamos, corrigimos e treinamos. Não é nosso trabalho “governar” sobre as pessoas, mas devemos oferecer misericórdia a cada passo.

Isso muitas vezes pode ser uma mudança de cultura para as pessoas, porque o mundo ensina que precisamos ser o “chefe” e que temos sucesso quando podemos mandar nos outros a nossa volta. Quando olhamos para a vida de Cristo, Ele foi um servo. Ele ensinou os discípulos e os amou, mesmo quando eles disseram coisas como: “Quem é o maior no reino dos céus?” (Mateus 18: 1) Depois de todas as coisas que Ele compartilhou com eles e viveu este exemplo de graça e misericórdia, eles ainda queriam grandeza sobre os outros.

Como líderes e pastores, é necessário que mantenhamos a humildade e saibamos que não temos todas as respostas. Devemos ser transparentes e compartilhar de bom grado nossas falhas e fraquezas. Precisamos lembrar que é mais importante ser justo do que estar certo. Temos que ter a disposição de pedir desculpas e buscar o perdão. Quanto mais praticarmos essas coisas, mais aqueles que lideramos farão o mesmo.

Nosso trabalho não é forçar, mas sim usar a Palavra de Deus e sua maravilhosa graça para confortar verdadeiramente os outros – é isso que leva à mudança e transformação de vida. Ao mostrarmos nossa submissão à vara e ao cajado de Deus, os outros começarão a seguir e a ver como Ele continuamente protege e guia nossas vidas.

Spanish blog:

Se el ejemplo

Por Michelle Geoffrey, pastora celular en www.celebrationchurch.org

El Salmo 23 es un capítulo de la Biblia del que la mayoría de las personas, incluso los que aún no son cristianos, son conscientes y pueden incluso haberlo memorizado. Una noche, estaba orando con mi sobrina y cité el Salmo 23. Ella solo tenía cinco años en ese momento y me preguntó qué significaba. Cuando lei versículo a versículo, uno se destacó: “… Tu vara y tu bastón me infundirán aliento”. Cuando le expliqué esto a un niño, una ola de asombro pasó por encima de mí. ¿Cuántas veces he citado estos versículos, pero no he entendido realmente lo que significaba? La vara y el bastón no están para herir, castigar o avergonzar. Su vara y su bastón representan protección y dirección, que nos llevan a la paz y la alegría. He estado pensando en esto mal toda mi vida.

Como líderes de la iglesia celular, tenemos que poner esto en práctica en todas las áreas. Debemos vivir el ejemplo de traer paz y alegría, mientras seguimos discipulando, corrigiendo y entrenando. No es nuestro trabajo “gobernar” sobre las personas, sino que debemos ofrecer misericordia en todo momento.

A menudo, esto puede ser un cambio en la cultura para las personas, porque el mundo enseña que debemos ser el “jefe” y que hemos triunfado, cuando podemos ordenar a otros. Cuando miramos la vida de Cristo, Él fue un siervo. Él enseñó a los discípulos y los amó, incluso cuando dijeron cosas como: “¿Quién es el más grande en el reino de los cielos?” (Mateo 18: 1) Después de todas las cosas que Él compartió con ellos y vivió este ejemplo de gracia y misericordia, todavía querían grandeza sobre los demás.

Como líderes y pastores, es imperativo que mantengamos la humildad con firmeza y sepamos que no tenemos todas las respuestas. Debemos ser transparentes y compartir de buena gana nuestros defectos y debilidades. Necesitamos recordar que es más importante ser justos, que tener razón. Tenemos que estar dispuestos a pedir disculpas y buscar el perdón. Cuanto más practiquemos estas cosas, tanto más lo que lideremos haremos lo mismo.

Nuestro trabajo no es forzar, sino usar la Palabra de Dios y la gracia asombrosa para consolar a los demás, eso es lo que nos lleva al cambio y la transformación de la vida. Al mostrar nuestra sumisión a la vara y al bastónde Dios, otros comenzarán a seguir y ver cómo Él continuamente protegey guía nuestras vidas.

Submit to One Another

By Rob Campbell, www.cypresscreekchurch.com

As Christ followers, we are taught to submit to one another (see Ephesians 5:21).  It’s a command, not a suggestion.

Submission is one of the most misunderstood and mishandled concepts in the church today. Let’s first discuss what submission is not. Submission does not mean that an individual loses his/her identity and becomes a non-person. Submission does not mean blind obedience. Submission does not mean that a violation of the law or abuse is tolerated.

So, what is submission? Literally, submission means “to yield oneself to some power or authority; give up, surrender.”  In a spiritual community, it means diverting one’s independent will insistent on flying solo and choosing to live interdependently.  Have you noticed that when the scriptures speak of submission, the command is articulated in the context of relationships? You will also note that the command is reciprocal (mutual submission). Future, please understand that submission is not simply a course of action, but an attitude one possesses when filled with the Holy Spirit.

Submission is also different than obedience. Obedience is doing what you are told. A friend once said to me, “Any old bird dog can be obedient.”  I believe he’s right with proper training and the desire to obey his master. Submission, however, is anticipating what is wanted or needed and doing it before being told.

Authors Harold and Bette Gillogly write, “Submission simply means to defer or yield to the wishes of another. There’s no thought in it of one person being better or smarter than another. It is, rather, a non-rebellious attitude of life. Day-by-day living with nothing to prove. We don’t have to make sure we get what’s coming to us. We don’t have to make sure other people treat us the way we deserve to be treated.  It’s learning to walk in the steps of Jesus. It’s letting God the Father make us like His Son as we submit to Him and to one another with the heart of a servant.”

May I underscore one thing from the ideas presented to you above? One who is submissive is also a servant. They go hand in hand.

Korean blog (Click here)

Portuguese blog:

Submeter-se um ao outro

Por Rob Campbell, www.cypresscreekchurch.com

Como seguidores de Cristo, somos ensinados a nos submeter uns aos outros (veja Efésios 5:21). É um comando, não uma sugestão.

A submissão é um dos conceitos mais mal-compreendidos e mal interpretados na igreja hoje. Primeiro, vamos discutir o que a submissão não é. Submissão não significa que um indivíduo perde sua identidade e deixa de ser uma pessoa. Submissão não significa obediência cega. Submissão não significa que uma violação da lei ou abuso sejam tolerados.

Então, o que é submissão? Literalmente, submissão significa “entregar-se a algum poder ou autoridade; desistir, render-se”. Em uma comunidade espiritual, isso significa desviar a vontade independente de alguém insistente em voar sozinho e escolher viver de maneira interdependente. Você já reparou que quando as escrituras falam de submissão, o comando é articulado no contexto dos relacionamentos? Você também notará que o comando é recíproco (submissão mútua). Além disso, por favor entenda que a submissão não é simplesmente uma linha de ação, mas uma atitude que alguém possui quando está cheio do Espírito Santo.

A submissão também é diferente da obediência. Obediência é fazer o que lhe é pedido. Um amigo me disse uma vez: “Qualquer cão de caça velho pode ser obediente”. Acredito que ele está certo, com o treinamento adequado e com o desejo de obedecer ao seu dono. Submissão, no entanto, é antecipar o que é desejado ou necessário e fazê-lo antes que peçam.

Os autores Harold e Bette Gillogly escrevem: “Submissão significa simplesmente adiar ou ceder aos desejos de outro. Não há o pensamento de uma pessoa ser melhor ou mais inteligente do que a outra. É, antes, uma atitude não-rebelde de vida. Dia a dia vivendo sem nada para provar. Não precisamos nos certificar de que recebemos o que está vindo para nós. Não precisamos garantir que outras pessoas nos tratem da maneira como merecemos ser tratados. É aprender a andar nos passos de Jesus. É deixar que Deus, o Pai, nos torne como o Seu Filho quando nos submetemos a Ele e uns aos outros com o coração de um servo”.

Posso ressaltar uma coisa das ideias apresentadas a você acima? Aquele que é submisso é também um servo. Eles andam de mãos dadas.

Spanish blog:

Someterse unos a otros

Por Rob Campbell, www.cypresscreekchurch.com

Como seguidores de Cristo, se nos enseña a someternos unos a otros (véase Efesios 5:21). Es un mandamiento, no una sugerencia.

La sumisión es uno de los conceptos más incomprendidos y mal manejados en la iglesia actual. Primero discutamos lo que la sumisión no es. La sumisión no significa que un individuo pierde su identidad y se convierte en una no-persona. Sumisión no significa obediencia ciega; la sumisión no significa que se tolere una violación de la ley o el abuso.

Entonces, ¿qué es la sumisión? Literalmente, la sumisión significa “rendirse a algún poder o autoridad; ceder, rendirte ”. En una comunidad espiritual, significa desviar la voluntad independiente insistiendo en volar solo y elegir vivir interdependientemente. ¿Has notado que cuando las Escrituras hablan de sumisión, el mandato se articula en el contexto de las relaciones? También notarás que el mandamiento es recíproco (envío mutuo). En el futuro, por favor, comprende que la sumisión no es simplemente un curso de acción, sino una actitud que uno posee cuando está lleno del Espíritu Santo.

La sumisión también es diferente a la obediencia. La obediencia es hacer lo que se te dice. Un amigo me dijo una vez: “Cualquier perro viejo puede ser obediente”. Creo que tiene razón con el entrenamiento adecuado y el deseo de obedecer a su amo. La sumisión, sin embargo, es anticipar lo que se quiere o se necesita y hacerlo antes de que te lo digan.

Los autores Harold y Bette Gillogly escriben, “Sumisión simplemente significa diferir o ceder a los deseos de otro. No se piensa en que una persona sea mejor o más inteligente que otra. Es, más bien, una actitud de vida no rebelde; día a día viviendo sin nada que demostrar. No tenemos que asegurarnos de que recibimos lo que nos espera. No tenemos que asegurarnos de que otras personas nos traten como merecemos ser tratados. Estás aprendiendo a caminar en los pasos de Jesús. Es permitir que Dios el Padre nos haga como su Hijo cuando nos sometemos a Él y unos a otros con el corazón de un siervo “.

¿Puedo subrayar una cosa de las ideas presentadas anteriormente? El que es sumiso es también un sirviente. Van de la mano.

Clarify Expectations through a Covenant

By Steve Cordle, www.crossroadsumc.org 

Accountability and submission are essential to healthy discipleship and leadership, so we build it into our group leader development process.

One of the ways we do this is through our Group Leader Training portion of our Equipping Track. After sharing the “how” and “why” of group leadership, we ask new leaders to sign a Group Leader Covenant before they begin to lead.

Three of the nine clauses in the covenant deal with the issue of submission. They are as follows:

  • Lead according to the vision of Crossroads Church and be loyal to its leadership.
  • Be accountable to those placed in leadership over me.
  • Attend the monthly leadership and coaching meetings.

Sharing the rationale behind each of these points helps create a culture of healthy submission in our cell ministry. It also clarifies expectations for leaders. People generally rise to the level of expectation they are given. In our twenty years of using the covenant, I can think of only one time a prospective leader chose not to sign the covenant.

Asking people to sign such a covenant will not come across as heavy-handed if your culture is one of love and support. People interpret the covenant through their experience with their leaders. If those leaders are grace-filled and encouraging, the prospective group leaders will trust that this is how we create and live out the culture that they appreciate. If, on the other hand, the ministry’s prevailing leadership culture is punitive and legalistic, then they may feel coerced and hesitant to sign. 

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Esclareça as expectativas através de um contrato

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Prestação de contas e submissão são essenciais para um discipulado e uma liderança saudáveis, por isso construímos isso em nosso processo de desenvolvimento de líderes de grupo.

Uma das maneiras de fazer isso é através da parte de Treinamento do Líder de Grupo do nosso Trilho de Treinamento. Depois de compartilhar o “como” e o “porquê” da liderança do grupo, pedimos aos novos líderes que assinem um Contrato de Líder de Grupo antes de começarem a liderar.

Três das nove cláusulas do acordo lidam com a questão da submissão. Elas são as seguintes:

-Liderar de acordo com a visão da Igreja Crossroads e ser fiel à sua liderança.
-Ser responsável com aqueles que são colocados em liderança sobre mim.
-Participar das reuniões mensais de liderança e treinamento.

Compartilhar a justificativa por trás de cada um desses pontos ajuda a criar uma cultura de submissão saudável em nosso ministério de células. Também esclarece as expectativas para os líderes. As pessoas geralmente atingem o nível de expectativa que recebem. Em nossos vinte anos de uso do contrato, posso pensar em apenas uma vez em que um líder em potencial escolheu não assinar contrato.

Pedir que as pessoas assinem tal contrato não parecerá tão severo se sua cultura for de amor e apoio. As pessoas interpretam o contrato através de sua experiência com seus líderes. Se esses líderes são cheios de graça e encorajadores, os líderes de grupo em potencial confiarão que é assim que criamos e vivenciamos a cultura que eles apreciam. Se, por outro lado, a cultura de liderança prevalecente do ministério é punitiva e legalista, então eles podem se sentir coagidos e hesitantes em assinar.

Spanish blog:

Clarificar las expectativas a través de un pacto.

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

La responsabilidad y la sumisión son esenciales para un discipulado y liderazgo saludables, por lo que lo incorporamos a nuestro proceso de desarrollo de líderes celulares.

Una de las maneras en que lo hacemos es a través de nuestra sección de Capacitación para Líderes Celulares de nuestra ruta de equipamiento. Después de compartir el “cómo” y el “por qué” del liderazgo de la célula, pedimos a los nuevos líderes que firmen un Pacto de líder celular antes de que comiencen a liderar.

Tres de las nueve cláusulas en el pacto tratan el tema de la sumisión. Y estos son los siguientes:

Dirige de acuerdo con la visión de Crossroads Church y sé leal a su liderazgo.

Sé responsable ante los que están en el liderazgo sobre ti.

Asiste a las reuniones mensuales de liderazgo y capacitación.

Compartir la razón detrás de cada uno de estos puntos ayuda a crear una cultura de sumisión saludable en nuestro ministerio celular. También aclara las expectativas de los líderes. Las personas generalmente se elevan al nivel de expectativa que se les da. En nuestros veinte años de uso del pacto, solo se me ocurre una vez que un posible líder optó por no firmar el pacto.

Pedirle a la gente que firme tal pacto no será tan duro si su cultura es de amor y apoyo. La gente interpreta el pacto a través de su experiencia con sus líderes. Si esos líderes están llenos de gracia y son alentadores, los futuros líderes de grupo confiarán en que así es como creamos y vivimos la cultura que aprecian. Si, por otro lado, la cultura de liderazgo predominante en el ministerio es punitiva y legalista, entonces pueden sentirse obligados y vacilantes al firmar.

Start Young and Model It Well

By Daphne Kirk, www.Gnation2gnation.com; Twitter: daphnekirk

Let me tell a true story – everyone loves a story!

Daniella, my daughter, then 6 years old, gave her life to Jesus and wanted to be baptized. She knew her siblings had been as children and ran to our Pastor asking if she could be baptized. The response was simply that they did not baptized children.  Daniella came crying to me. I had one key moment to respond to this crying child and am thankful that I chose to look at her tenderly and say, “Daniella, you are going to learn now something many adults never learn – to submit to those God puts over us with a happy and willing heart.”

Over the years she would return and ask again.  Each time I repeated what I had initially told her. 

“Daniella, you have the opportunity to learn something now that many adults never learn – to submit to those God puts over us with a happy and willing heart.

Eventually aged 12, she was baptized. That morning I said, “ I am so glad you had to wait. You have learned something that many adults never learn. You submitted all this time and you kept your happy and willing heart. I am proud of you.’ 

Some years later we were ministering in another church, she was about 16 years of age. I overheard a church leader grumbling to Daniella about his Pastor, and saying he was considering leaving. Daniella’s quick response was, 

“David submitted to Saul.  I don’t understand your problem.”

I gave heaven a high five!!! 

Start young and model it well.

Daphne

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Comece Jovem e Modele bem

Por Daphne Kirk, www.Gnation2gnation.com; Twitter: daphnekirk

Deixe-me contar uma história verdadeira – todo mundo adora uma história!

Daniella, minha filha, na época com 6 anos, entregou sua vida a Jesus e quis ser batizada. Ela sabia que seus irmãos tinham sido batizados quando crianças e correu para o nosso pastor perguntando se ela poderia ser batizada. A resposta foi simplesmente que eles não batizavam crianças. Daniella veio chorando para mim. Eu tive um momento decisivo para responder a essa criança chorosa e sou grata por ter escolhido olhá-la afetuosamente e dizer: “Daniella, você vai aprender agora algo que muitos adultos nunca aprendem – a se submeter àqueles que Deus coloca acima de nós com um coração feliz e disposto. ”

Com o passar dos anos ela voltava e perguntava de novo. Cada vez eu repetia o que eu havia dito inicialmente.

“Daniella, você tem a oportunidade de aprender agora algo que muitos adultos nunca aprendem – a se submeter àqueles que Deus coloca acima de nós com um coração feliz e disposto. ”

Eventualmente, aos 12 anos, ela foi batizada. Naquela manhã eu disse: “Estou tão feliz que você teve que esperar. Você aprendeu algo que muitos adultos nunca aprendem. Você se submeteu todo esse tempo e manteve seu coração feliz e disposto. Estou orgulhosa de você.’

Alguns anos depois estávamos ministrando em outra igreja, ela tinha cerca de 16 anos de idade. Eu ouvi por acaso um líder da igreja resmungando para Daniella sobre seu pastor e dizendo que ele estava pensando em deixar a igreja. A resposta rápida de Daniella foi,

“Davi se submeteu a Saul. Eu não entendo o seu problema.”

Eu dei ao céu um “toca aqui”!!!

Comece jovem e modele bem.

Daphne

Spanish blog:

Comienza joven y crea un buen modelo

Por Daphne Kirk, www.Gnation2gnation.com; Twitter: daphnekirk

Déjame contarte una historia real: ¡a todos les encanta una historia!

Daniella, mi hija, entonces de 6 años, dio su vida a Jesús y quiso ser bautizada. Ella sabía que sus hermanos habían sido bautizados como niños y corrió hacia nuestro Pastor preguntando si podía ser bautizada. La respuesta fue simplemente que no bautizaban a los niños; Daniella vino llorándome. Tuve un momento clave para responder a esta niña que lloraba y estoy agradecida de haber elegido mirarla con ternura y decir: “Daniella, vas a aprender ahora algo que muchos adultos nunca aprenden: someterse a los que Dios pone sobre nosotros con una Corazón feliz y dispuesto “.

Con los años ella volvería y preguntaría de nuevo. Cada vez repetía lo que inicialmente le había dicho.

“Daniella, tienes la oportunidad de aprender algo ahora que muchos adultos nunca aprenden, de someterse a los que Dios pone sobre nosotros con un corazón feliz y dispuesto”.

Con el tiempo a los 12 años, fue bautizada. Esa mañana dije: “Me alegra tanto que hayas tenido que esperar. Has aprendido algo que muchos adultos nunca aprenden. Esperaste todo este tiempo y mantuviste tu corazón feliz y dispuesto. Estoy orgullosa de ti.’

Algunos años más tarde estábamos ministrando en otra iglesia, ella tenía unos 16 años de edad. Escuché a un líder de la iglesia quejarse a Daniella sobre su Pastor, y decir que estaba considerando irse. La respuesta rápida de Daniella fue:

“David se sometió a Saúl. No entiendo tu problema “.

¡Me alegre con el cielo!

Comienza joven y crea un buen modelo.

Daphne