Blog

Marriage as a priority

By Gerardo Campos, District pastor at Elim Church, San Salvador, El Salvador, www.elim.org.sv

Some time ago a wife of a cell leader sadly told me, “My husband left me for someone else.”  Her words surprised me because the husband was a leader of high standing and who I respected greatly. Then the wife said, “He paid more attention to church work and the cell than to me and my children.”

Granted, at times a couple will not serve together in a family cell (perhaps the wife lead a women’s cell, etc.) However, it’s best if both husband and wife serve together.  Something is drastically wrong when the spouse feels neglected in the marriage because of “ministry” or “other” priorities.

Sadly, many think the correct order is: God, church, service, work, family. We often call this “sacrificial service.”

However, the right order is God first, then the spouse, family, job, church, and service. Doing so will provide the balance that God desires.

Korean blog (click here)

Portuguese Blog

Priorizando o Casamento

Gerardo Campos, Pastor Distrital da igreja Elim, San Salvador, El Salvador, www.elim.org.sv

Algum tempo atrás foi procurado pela esposa de um dos líderes de célula, que me disse: “Meu esposo me deixou e está com outra pessoa”. Aquelas palavras me surpreenderam muito, pois o marido era um líder reconhecido em nossa igreja a quem eu respeitava muito. A esposa acrescentou: “Ele prestou mais atenção ao trabalho da igreja e da célula do que a mim e aos nossos filhos”.

Certamente o ideal é que maridos e esposas sirvam juntos, mas é claro que por vezes isso não acontece, por exemplo quando o marido lidera uma célula de homens e a mulher lidera uma célula de mulheres. Entretanto, é claro que há algo drasticamente errado quando um dos cônjuges se sente negligenciado em seu casamento, seja por causa do ministério ou de outras prioridades.  

Infelizmente algumas pessoas acham que a ordem correta é: Deus, Igreja, Ministério, trabalho e família. Isso é inclusive descrito algumas vezes como “serviço sacrificial”.

Entretanto, a ordem correta é: Deus em primeiro lugar, depois o cônjuge, a família, o trabalho, a Igreja e o Ministério. Ao seguir esta ordem, teremos o equilíbrio que Deus deseja.  

Spanish blog:

El matrimonio como prioridad

Por Gerardo Campos, Pastor del distrito, Iglesia Elim, San Salvador, El Salvador, www.elim.org.sv

Hace un tiempo una esposa de un líder de célula me dijo con tristeza: Mi esposo me dejó por otra. Sus palabras me sorprendieron pues se trataba de un líder de quien yo tenía un buen concepto. Él atendía más el trabajo de la iglesia y la célula que a mí, que soy su esposa y a mis hijos, añadió la hermana.

Hay casos en los que las parejas no logran incorporarse al trabajo celular juntos, el ideal es que ambos sirvan al Señor. Algo anda mal cuando los conyugues se sientes desplazados en el matrimonio. De ahí la necesidad de replanteamos el orden de prioridades.

Con mucha frecuencia pensamos que las prioridades deben ir en este orden: Dios, la iglesia, el servicio, el trabajo, la familia. A esto solemos llamarle servicio sacrificial.

Sin duda Dios debe ocupar siempre el primer lugar, pero luego debe venir el cónyuge, la familia, el trabajo, la iglesia y el servicio. Hacerlo así proporcionará el balance que Dios desea.

Marriage and Ministry

By Steve Cordle, https://xr.church/

The church is a network of relationships – a family. The Apostle Paul wrote that an overseer needs to manage his own family well (1 Timothy 3:4) A healthy marriage is the foundation for a healthy family.

A pastor’s marriage is a powerful statement to the congregation. I have been pastoring the church I planted for over 30 years. In recent years I have been surprised by people mentioning how much it has meant to them to watch our marriage.

I don’t say that boastfully; we have had our challenges, like most couples. I mention this because it is easy to forget that as pastors, we our marriage influences the church whether we realize it or not (and I really didn’t.)

The point is that by prioritizing our marriage, we also serve the church. It has been observed that children feel secure when mom and dad prioritize their marriage above the demands of the kids. That might seem counter-intuitive to say that kids like it when they are not the center of the family, but it is reality.

Likewise, congregations feel secure when their pastors prioritize their marriages over the demands of the congregation.

Pastors do not need to be married to serve God, but if they are married, they serve well by prioritizing their spouses.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Casamento e Ministério

Por Steve Cordle, https://xr.church/

A igreja é uma rede de relacionamentos – uma família. O apóstolo Paulo escreveu que um superintendente precisa administrar bem sua própria família (1 Timóteo 3:4) Um casamento saudável é a base para uma família saudável.

O casamento de um pastor é uma declaração poderosa para a congregação. Eu tenho pastoreado a igreja que plantei por mais de 30 anos. Nos últimos anos, fiquei surpreso com as pessoas mencionando o quanto significou para elas assistir ao nosso casamento.

Não digo isso com orgulho; tivemos nossos desafios, como a maioria dos casais. Menciono isso porque é fácil esquecer que, como pastores, nosso casamento influencia a igreja, quer percebamos ou não (e eu realmente não percebi).

A questão é que, ao priorizar nosso casamento, também servimos à igreja. Observou-se que as crianças se sentem seguras quando a mãe e o pai priorizam o casamento acima das exigências dos filhos. Pode parecer contra-intuitivo dizer que as crianças gostam quando não são o centro da família, mas é a realidade.

Da mesma forma, as congregações se sentem seguras quando seus pastores priorizam seus casamentos sobre as demandas da congregação.

Pastores não precisam ser casados para servir a Deus, mas se são casados, servem bem priorizando seus cônjuges.

Spanish blog:

El matrimonio y el ministerio

Por Steve Cordle, https://xr.church/

La iglesia es una red de relaciones – una familia. El Apóstol Pablo escribió que un supervisor necesita administrar bien su propia familia (1 Timoteo 3:4) Un matrimonio saludable es la base de una familia saludable.

El matrimonio de un pastor es una poderosa declaración a la congregación. He estado pastoreando la iglesia que planté por más de 30 años. En los últimos años me ha sorprendido que la gente mencione lo mucho que ha significado para ellos ver nuestro matrimonio.

No lo digo con jactancia; hemos tenido nuestros desafíos, como la mayoría de las parejas. Menciono esto porque es fácil olvidar que, como pastores, nuestro matrimonio influye en la iglesia, nos demos cuenta o no (y yo realmente no lo hice).

El punto es que, al priorizar nuestro matrimonio, también servimos a la iglesia. Se ha observado que los hijos se sienten seguros cuando mamá y papá priorizan su matrimonio por encima de las exigencias de los niños. Puede parecer contraintuitivo decir que a los niños les gusta que no sean el centro de la familia, pero es la realidad.

Del mismo modo, las congregaciones se sienten seguras cuando sus pastores priorizan sus matrimonios por encima de las demandas de la congregación.

Los pastores no necesitan estar casados para servir a Dios, pero si están casados, sirven bien dando prioridad a sus cónyuges.

Family Focus

By Rob Campbell, Founding Pastor, www.cypresscreekchurch.com

God has designed the family to nurture the hearts of a generation to love God. Even in imperfection, the family exists to display God’s heart to the emerging generation.

Making our faith real and personal is the heart of the Shema (Deut. 6:4-9). “These commandments that I give you today are to be upon your hearts.” Emphasize these commands of the Lord when “you sit…walk…lie down…get up.” Being intentional and displaying constancy is necessary. Inconsistent parenting produces insecure children.

One author suggests: “They [church and family] both exist because God desires to use them to demonstrate His plan of redemption and restoration…If they work together, they can potentially make a greater impact than if they work alone. They need each other. Too much is at stake for either one to fail.”

The 12 Rules below originally appeared in an Ann Landers Column in 1959. The rules were submitted to her by the Houston Texas Police Department.

12 Rules for Raising Delinquent Children: 

  1. Begin in infancy to give the child everything he wants. In this way, he will grow to believe the world owes him a living.
  2. When he picks up bad words, laugh at him. This will make him think he’s cute. It will also encourage him to pick up “cuter” phrases that will blow off the top of your head later.
  3. Never give him any spiritual training. Wait till he is 21, and then let him “decide for himself.”
  4. Avoid the use of the word “wrong.” He may develop a guilt complex. This will condition him to believe, later, when he is arrested for stealing a car, that society is against him and he is being persecuted.
  5. Pick up everything he leaves lying around—books, shoes, and clothing. Do everything for him so he will be experienced in throwing all responsibility onto others.
  6. Let him read any printed matter he can get his hands on. Be careful that the silverware and drinking glasses are sterilized, but let his mind feast on garbage.
  7. Quarrel frequently in the presence of your child. In this way, he will not be too shocked when the home is broken up later.
  8. Give a child all the spending money he wants. Never let him earn his own. Why should he have things as tough as you had them?
  9. Satisfy his every craving for food, drink, and comfort. See that every sensual desire is gratified. Denial may lead to harmful frustration.
  10. Take his part against neighbors, teachers, and policemen. They are all prejudiced against your child.
  11. When he gets into real trouble, apologize for yourself by saying, “I never could do anything with him.”
  12. Prepare for a life of grief. You will be apt to have it.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Foco na Família

Por Rob Campbell, Pastor Fundador,  www.cypresscreekchurch.com

Deus projetou a família para nutrir os corações de uma geração para amar a Deus. Mesmo na imperfeição, a família existe para mostrar o coração de Deus à geração emergente.

Tornar nossa fé real e pessoal é o cerne do Shemá (Dt 6:4-9). “Estes mandamentos que hoje vos dou devem estar em vossos corações.” Enfatize esses mandamentos do Senhor quando “você se sentar…andar…deitar…levantar”. Ser intencional e mostrar constância é necessário. A parentalidade inconsistente produz filhos inseguros.

Um autor sugere: “Eles [igreja e família] existem porque Deus deseja usá-los para demonstrar Seu plano de redenção e restauração… Se eles trabalharem juntos, eles podem ter um impacto maior do que se trabalharem sozinhos. Eles precisam um do outro. Muita coisa está em jogo para qualquer um falhar.”

As 12 regras abaixo apareceram originalmente em uma coluna de Ann Landers em 1959. As regras foram submetidas a ela pelo Departamento de Polícia de Houston Texas.

12 Regras para criar filhos delinquentes:

  1. Comece na infância a dar à criança tudo o que ela quer. Desta forma, ele crescerá acreditando que o mundo lhe deve a vida.
  2. Quando ela aprender palavrões, ria dela. Isso vai fazê-la pensar que ela é fofa. Isso também irá encorajá-la a aprender frases “mais fofas” que vão explodir na sua cabeça mais tarde.
  3. Nunca dê a ela nenhum treinamento espiritual. Espere até que ela tenha 21 anos, e então deixe-a “decidir por si mesmo”.
  4. Evite o uso da palavra “errado”. Ela pode desenvolver um complexo de culpa. Isso a condicionará a acreditar, mais tarde, quando for presa por roubar um carro, que a sociedade está contra ela e ela está sendo perseguida.
  5. Pegue tudo o que ela deixa por aí — livros, sapatos e roupas. Faça tudo por ela para que ela tenha experiência em jogar toda a responsabilidade sobre os outros.
  6. Deixe-a ler qualquer material impresso em que possa colocar as mãos. Tenha cuidado para que os talheres e copos sejam esterilizados, mas deixe sua mente se deleitar com lixo.
  7. Brigue com frequência na presença de seu filho. Dessa forma, ele não ficará muito chocado quando a casa for desfeita mais tarde.
  8. Dê a uma criança todo o dinheiro que ela quiser para gastar. Nunca deixe que ela ganhe o seu. Por que ela deveria ter coisas tão difíceis quanto você teve?
  9. Satisfaça todos os seus desejos por comida, bebida e conforto. Cuide para que todo desejo sensual seja satisfeito. A negação pode levar à frustração prejudicial.
  10. Tome sua parte contra vizinhos, professores e policiais. Eles são todos preconceituosos contra seu filho.
  11. Quando ela tiver problemas reais, peça desculpas a si mesmo dizendo: “Eu nunca poderia fazer nada com ela.”
  12. Prepare-se para uma vida de luto. Você estará apto a tê-la.

Spanish blog:

Enfoque familiar

Por Rob Campbell, pastor fundador, www.cypresscreekchurch.com

Dios ha diseñado la familia para nutrir los corazones de una generación para amar a Dios. Incluso en la imperfección, la familia existe para mostrar el corazón de Dios a la generación emergente.

Hacer que nuestra fe sea real y personal es el corazón del Shema (Deut. 6:4-9). “Estos mandamientos que os doy hoy deben estar en vuestros corazones”. Enfatiza estos mandatos del Señor cuando “te sientes… camines… te acuestes… te levantes”. Ser intencional y mostrar constancia es necesario. Una crianza incoherente produce hijos inseguros.

Un autor sugiere: “Ambas [la iglesia y la familia] existen porque Dios desea utilizarlas para demostrar su plan de redención y restauración… Si trabajan juntas, pueden tener un impacto mayor que si trabajan solas. Se necesitan mutuamente. Hay demasiado en juego para que alguna de ellas fracase”.

Las 12 reglas que siguen aparecieron originalmente en una columna de Ann Landers en 1959. Las reglas le fueron presentadas por el Departamento de Policía de Houston, Texas.

12 reglas para criar a los niños delincuentes:

  1. Comience en la infancia a darle al niño todo lo que quiere. De este modo, crecerá creyendo que el mundo le debe la vida.
  2. Cuando diga malas palabras, ríase de él. Esto le hará creer que es simpático. También le animará a tomar frases más “graciosas” que luego se le escaparán a usted.
  3. Nunca le des formación espiritual. Espera a que tenga 21 años y entonces deja que “decida por sí mismo”.
  4. Evita el uso de la palabra “mal”. Puede desarrollar un complejo de culpa. Esto le condicionará a creer, más adelante, cuando sea detenido por robar un coche, que la sociedad está contra él y que está siendo perseguido.
  5. Recoge todo lo que deja tirado: libros, zapatos y ropa. Hazlo todo por él para que tenga experiencia en echar toda la responsabilidad a los demás.
  6. Deja que lea cualquier material impreso que pueda tener en sus manos. Ten cuidado de que los cubiertos y los vasos estén esterilizados, pero deja que su mente se deleite con la basura.
  7. Discute con frecuencia en presencia de tu hijo. De este modo, no se escandalizará demasiado cuando el hogar se rompa más tarde.
  8. Dale al niño todo el dinero que quiera. Nunca dejes que se gane el suyo. ¿Por qué debería tener las cosas tan duras como las tenías tú?
  9. Satisface todos sus antojos de comida, bebida y comodidad. Procura que se satisfagan todos sus deseos sensuales. La negación puede conducir a una frustración perjudicial.
  10. Ponte de su lado y en contra los vecinos, los profesores y los policías. Todos ellos tienen prejuicios contra tu hijo.
  11. Cuando se meta en verdaderos problemas, discúlpate diciendo: “Nunca pude hacer nada con él”.
  12. Prepárate para una vida de dolor. Estarás apto para tenerla.

Starting with Your Spouse

By Joel Comiskey, Living in Victory: 9 Spiritual Truths for Transformation and Renewal

The first link in my inner circle is my relationship with Celyce, whom I married on February 13, 1988. She knows how I react to life’s circumstances. She knows the why behind my life and ministry, and her counsel to me is based on patterns and experiences that only she knows. God uses her to sharpen me, and I do the same with her.  We are still constantly fine-tuning each other.  We overcome conflict, relax, envision, make decisions, and care for each other.

My Christian character is first tested in my relationship with her and only later with others. I need to succeed in this relationship to truly live in victory in the Christian life. Why? Because she knows me intimately. She knows whether I’m obeying God’s Word, walking in love, and becoming like Jesus. And the good news is that I’ve seen a lot of progress. I’ve had to confess a lot of sin, but Jesus is making me more like him.

My desire is to be the best husband possible and to develop the deepest, most intimate relationship with Celyce. She is my ministry. She’s not a part of my ministry.

I’m saddened to think that during certain periods in our marriage, I acted as if the main goal in my life was personal success and that marriage was for support of my own good. I expected her to “fall in line” and help me in my ministry. God has slowly, graciously shown me that Celyce is my number one ministry. Therefore, the chief questions I need to ask are:

  • Does she believe we’re improving in our marriage?
  • Are we having fun together?
  • Am I spending quality time with her?
  • Are we growing in our friendship?
  • Am I sensitive to seeing things through her eyes?

We must diligently work on our relationship. Conflict can spring up anytime. In fact, conflict is a key part of the maturing package—learning to be like Jesus. The intensity of marriage brings those conflicts to a new level. While we have each other, we need to be constantly growing in our relationship with each other.

In marriage, we’re both learning to ask God to give us the grace to apologize, forgive, confess our own sin, and then move on. We rejoice that our love and relationship is growing deeper all the time. I’ve had to confess and deal with the bondage of anger. I’ve had to come to the point to admit that anger is always a sin—at least in my relationship with Celyce. 

God might be using your spouse to drive you to your knees. You might have to ask God for grace and forgiveness. Believe that God is molding and shaping you. This is part of the growth package—the way that God is making you more like him. 

God is the God of hope. He loves to display his strength in weaknesses and failures. He wants to make you a relational disciple who will have an impact on the lives of many. But you must start from a secure foundation.  God is the one who takes us and compels us forward. He leads us into the future.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Começando Com Seu Cônjuge

Por Joel Comiskey, Living in Victory

O primeiro elo em meu círculo íntimo é meu relacionamento com Celyce, com quem me casei em 13 de fevereiro de 1988. Ela sabe como reajo às circunstâncias da vida. Ela sabe o porquê de minha vida e ministério, e seu conselho para mim é baseado em padrões e experiências que só ela conhece. Deus a usa para me afiar, e eu faço o mesmo com ela. Ainda estamos constantemente nos ajustando uns aos outros. Superamos conflitos, relaxamos, visualizamos, tomamos decisões e cuidamos uns dos outros.

Meu caráter cristão é testado primeiro em meu relacionamento com ela e só depois com os outros. Preciso ter sucesso nesse relacionamento para viver verdadeiramente em vitória na vida cristã. Por quê? Porque ela me conhece intimamente. Ela sabe se estou obedecendo à Palavra de Deus, andando em amor e me tornando como Jesus. E a boa notícia é que eu vi muito progresso. Eu tive que confessar muitos pecados, mas Jesus está me tornando mais parecido com ele.

Meu desejo é ser o melhor marido possível e desenvolver o relacionamento mais profundo e íntimo com Celyce. Ela é meu ministério. Ela não faz parte do meu ministério.

Fico triste ao pensar que, durante certos períodos do nosso casamento, agi como se o principal objetivo da minha vida fosse o sucesso pessoal e que o casamento fosse para o meu próprio bem. Eu esperava que ela “se encaixasse” e me ajudasse em meu ministério. Deus tem me mostrado lenta e graciosamente que Celyce é meu ministério número um. Portanto, as principais perguntas que preciso fazer são:

  • Ela acredita que estamos melhorando em nosso casamento?
  • Estamos nos divertindo juntos?
  • Estou passando tempo de qualidade com ela?
  • Estamos crescendo em nossa amizade?
  • Sou sensível a ver as coisas através dos olhos dela?

Devemos trabalhar diligentemente em nosso relacionamento. O conflito pode surgir a qualquer momento. Na verdade, o conflito é uma parte fundamental do pacote de amadurecimento – aprender a ser como Jesus. A intensidade do casamento leva esses conflitos a um novo nível. Enquanto temos um ao outro, precisamos estar constantemente crescendo em nosso relacionamento uns com os outros.

No casamento, ambos estamos aprendendo a pedir a Deus que nos dê a graça de pedir desculpas, perdoar, confessar nosso próprio pecado e seguir em frente. Regozijamo-nos porque nosso amor e relacionamento estão se aprofundando o tempo todo. Eu tive que confessar e lidar com a escravidão da raiva. Eu tive que chegar ao ponto de admitir que a raiva é sempre um pecado – pelo menos no meu relacionamento com a Celyce.

Deus pode estar usando seu cônjuge para deixá-lo de joelhos. Você pode ter que pedir a Deus graça e perdão. Acredite que Deus está moldando e moldando você. Isso faz parte do pacote de crescimento – a maneira como Deus está tornando você mais parecido com ele.

Deus é o Deus da esperança. Ele gosta de mostrar sua força nas fraquezas e falhas. Ele quer fazer de você um discípulo relacional que terá um impacto na vida de muitos. Mas você deve começar a partir de uma base segura. Deus é quem nos leva e nos impele para a frente. Ele nos conduz para o futuro.

Spanish blog:

El Cónyuge

Por Joel Comiskey, Viviendo en Victoria

El primer eslabón en mi círculo íntimo es mi relación con Celyce, con quien me casé el 13 de febrero de 1988. Ella sabe cómo reacciono ante las circunstancias de la vida. Ella sabe el porqué detrás de mi vida y ministerio, y su consejo para mí se basa en patrones y experiencias que solo ella conoce. Dios la usa para agudizarme, y yo hago lo mismo con ella. Todavía nos estamos afinando constantemente. Superamos conflictos, nos relajamos, imaginamos, tomamos decisiones y nos cuidamos el uno al otro.

Mi carácter cristiano se comprueba primero en mi relación con ella y solo después, con otros. Necesito tener éxito en esta relación para vivir verdaderamente en victoria en la vida cristiana. ¿Por qué? Porque ella me conoce íntimamente. Ella sabe si estoy obedeciendo la Palabra de Dios, caminando en amor y volviéndome más como Jesús. Y la buena noticia es que he visto mucho progreso. He tenido que confesar mucho pecado, pero Jesús me está haciendo más como Él.

Mi deseo es ser el mejor esposo posible y desarrollar la relación más profunda e íntima con Celyce. Ella es mi ministerio. Ella no es parte de mi ministerio.

Me entristece pensar que, durante ciertos períodos de nuestro matrimonio, actué como si el objetivo principal de mi vida fuera el éxito personal y que el matrimonio era un apoyo para mi propio beneficio. Esperaba que ella “se alineara” y me ayudara en mi ministerio. Dios me ha mostrado lenta y amorosamente que Celyce es mi ministerio número uno. Por lo tanto, las principales preguntas que necesito hacerme son las siguientes:

  • ¿Cree ella que estamos mejorando en nuestro matrimonio?
  • ¿Nos estamos divirtiendo juntos?
  • ¿Estoy pasando tiempo de calidad con ella?
  • ¿Estamos creciendo en nuestra amistad?
  • ¿Soy sensible para ver las cosas a través de sus ojos?

Debemos trabajar diligentemente en nuestra relación. El conflicto puede surgir en cualquier momento. De hecho, el conflicto es una parte clave del paquete de madurez— aprender a ser como Jesús. La intensidad del matrimonio lleva esos conflictos a un nuevo nivel. Si bien nos tenemos el uno al otro, necesitamos crecer constantemente en nuestra relación entre nosotros.

En el matrimonio, ambos estamos aprendiendo a pedirle a Dios que nos dé la gracia para disculparnos, perdonarnos, confesar nuestros propios pecados y luego seguir adelante. Nos alegramos de que nuestro amor y nuestra relación sea cada vez más profunda. He tenido que confesar y lidiar con la esclavitud de la ira. Tuve que llegar al punto de admitir que la ira siempre es un pecado, al menos en mi relación con Celyce.

Dios podría estar usando a tu cónyuge para llevarte a estar de rodillas. Puede que tengas que pedirle a Dios gracia y perdón. Cree que Dios te está transformando y moldeando. Esto es parte del paquete de crecimiento—la forma en que Dios te está haciendo más como Él.

Algunos han experimentado un círculo interno roto a través del divorcio, la traición, la muerte o alguna otra tragedia. Si esta ha sido tu experiencia, Dios puede comenzar el proceso nuevamente y darte un nuevo círculo interno. Es posible que hayas fallado en tu relación con tus hijos, te hayas portado mal con tus padres o te hayas alejado de amigos cercanos por cualquier motivo. No importa cuál sea la situación, la gracia de Dios nos hace completos. Y Él se deleita en cambiar nuestras vidas.

La gracia de Dios nos lleva a donde estamos y nos mueve hacia adelante. C. S. Lewis dijo una vez que Dios nos recompensará de acuerdo con el progreso que hemos hecho desde donde comenzamos. Billy Graham comenzó más adelante que la mayoría de las personas, habiendo sido criado en una familia cristiana piadosa. Otros han comenzado desde un hogar roto, pero han avanzado mucho.

Las tragedias golpean a las familias y matrimonios todo el tiempo. La buena noticia es que Dios reconstruye los círculos internos, como lo hizo con Mario. Cristo puede convertir completamente una situación oscura en un ejemplo brillante. Dios es el Dios de la esperanza. Le encanta mostrar su fuerza en las debilidades y fracasos. Él quiere hacerte un discípulo relacional que tendrá un impacto en la vida de muchos. Pero debes comenzar desde una base segura. Dios es quien nos lleva y nos obliga a avanzar. Él nos lleva hacia el futuro.

The Family: First Line of Defense (Português abaixo)

By Mario Vega, www.elim.org.sv

Each cell leader must take care of their personal condition as a priority. It is true that one of their  tasks is to care for the needs of other people. But caring for others becomes a problem when  neglecting one’s own life. If that distortion is not corrected, the door is opened for burnout or moral failure.

The leader’s first circle of defense is family. We all need to have meaningful relationships. They are the cure for many emotional imbalances. The prophet Elijah was a lonely man. The scriptures present him alone all the time, with a couple of exceptions where a servant he kept is mentioned. That led him into a deep depression. For the Jews, suicide was unacceptable, and for this reason he did not take his own life.  But he did ask God to take his life.

This began to change when the Lord instructed him that he should begin training other prophets, primarily Elisha. This is how he began to build the communities of prophets. From that moment on, we don’t hear about his depression. The company, support, and sincere relationships became his defense. Similarly, the family is the first line of protection for leaders. Consequently, time must be invested in nurturing and strengthening those relationships. It is the priority to serve God in the long term.

Korean blog (click here)

Portuguese Blog:

Família: A primeira linha de defesa

Mario Vega, www.elim.org.sv

Cada líder de célula precisa dar prioridade às suas próprias necessidades. Certamente é verdade que uma de suas tarefas é cuidar das necessidades de outras pessoas. Entretanto, cuidar das pessoas se torna um problema quando negligenciamos nossas próprias vidas. Se esta distorção não for corrigida, estará aberta a porta para as situações de “burnout” ou de queda moral.

A primeira linha de defesa do líder é a sua própria família. Todos nós precisamos de relacionamentos significativos. São estes relacionamentos que nos curam de muitos desequilíbrios emocionais. O profeta Elias era um homem solitário. As Escrituras o apresentam como um homem que sempre estava sozinho, com as raras exceções em que o seu servo era mencionado. Isso o levou a uma depressão profunda. Os judeus consideravam o suicídio como inaceitável e exatamente por essa razão ele não tirou sua própria vida. Mas ele pediu a Deus que fizesse isso. 

Tudo isso começou a mudar quando o Senhor o instruiu a começar a treinar outros profetas, principalmente Eliseu. Foi assim que ele começou uma comunidade de profetas. Deste ponto em diante não ouvimos mais sobre sua depressão. A companhia, o apoio e as relações sinceras tornaram-se a sua defesa. Da mesma maneira, a família é a primeira linha de defesa dos líderes. Por esta razão, devemos investir tempo nutrindo e fortalecendo estes relacionamentos. Isto precisa ser uma prioridade se quisermos servir a Deus por um longo tempo.

Spanish blog:

La familia: primera línea de defensa

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

Cada líder de célula debe cuidar de su condición personal como una prioridad. Es verdad que una de sus tareas es la de atender las necesidades de las otras personas. Pero eso se convierte en un problema cuando por atender a los demás, se descuida la propia vida. Si esa distorsión no se corrige, se abre la puerta para el agotamiento o para los fracasos morales.

El primer círculo de defensa del líder es su familia. Todos necesitamos tener relaciones significativas. Ellas son la cura para muchos desequilibrios emocionales. El profeta Elías fue un hombre solitario. Las Escrituras lo presentan solo todo el tiempo, con un par de excepciones en donde se menciona un criado que tenía. Eso lo condujo a una depresión profunda. Para los judíos el suicidio era inaceptable, por ese motivo no atentó contra su vida. Pero sí le pidió a Dios que le quitara la vida.

Esto comenzó a cambiar cuando el Señor le indicó que debía comenzar a formar a otros profetas, principalmente a Eliseo. Fue así como comenzó a construir las comunidades de profetas. A partir de ese momento, no se vuelve a relatar que tuviera una nueva depresión. La compañía, el apoyo y las relaciones sinceras se convirtieron en su defensa. De igual manera, la familia es la primera línea de protección de los líderes. En consecuencia, se debe invertir tiempo en cuidar y fortalecer esas relaciones. Es la prioridad para servir a Dios a largo plazo.