Blog

Focus

By Rob Campbell, www.cypresscreekchurch.com

Al Ries writes in his book, Focal Point, that there are four things you can do to improve the quality of your life and work.

  1. You can do more of certain things.
  2. You can do less of certain things.
  3. You can start to do things you are not doing at all today.
  4. You can stop doing certain things altogether.

Dave Browning in his book, Deliberate Simplicity (a great read, by the way!), comments on the four options above. He writes, “While the traditional church tends to choose doors 1 and 3, the Deliberately Simple church looks at what is behind doors 2 and 4. By doing less of certain things, and stopping other things altogether, energy and resources can be reinvested in the few things really worth doing.”

Pastor Wade Hodges once stated, “If becoming a part of a church places people in an environment that encourages them to live more frenetic lives than they were living before, then we are going about doing church the wrong way.”

Browning writes, “What is the simplest thing that could possibly work?” He suggests that we “jettison other elements even if they have traditionally been associated with progress.”

One more thought from Browning: “One of the questions that takes the church back to basics is, how would we do church if we didn’t have electricity? Your answer will undoubtedly push you back to the essence of the church and away from the artificiality of modernity.”

Comments?

Rob
Korean blog (click here)

Portuguese blog:

“Foco”

por Rob Campbell, www.cypresscreekchurch.com

Al Ries escreve em seu livro Ponto Focal que existem quatro coisas que você pode fazer para melhorar a qualidade da sua vida e do seu trabalho.

  1. Você pode fazer mais de certas coisas.
  2. Você pode fazer menos de certas coisas.
  3. Você pode começar a fazer coisas que não está fazendo hoje.
  4. Você pode parar totalmente de fazer certas coisas.

Dave Browning em seu livro, Deliberate Simplicity (uma ótima leitura, por sinal!), comenta sobre as quatro opções acima. Ele escreve: “Enquanto a igreja tradicional tende a escolher as portas 1 e 3, a igreja deliberadamente simples olha o que está atrás das portas 2 e 4. Ao fazer menos certas coisas e parar totalmente outras, energia e recursos podem ser reinvestidos nas poucas coisas que realmente valem a pena serem feitas”.

O pastor Wade Hodges declarou uma vez: “Se se tornar parte de uma igreja coloca as pessoas em um ambiente que as encoraja a viverem vidas mais frenéticas do que viviam antes, então estamos vivendo a igreja do jeito errado”.

Browning escreve: “Qual é a coisa mais simples que poderia funcionar?” Ele sugere “descarte os outros elementos, mesmo que eles tradicionalmente tenham sido associados ao progresso”.

Mais um pensamento de Browning: “Uma das perguntas que leva a igreja de volta ao básico é: como faríamos a igreja se não tivéssemos eletricidade? Sua resposta, sem dúvida, o levará de volta à essência da igreja e longe da artificialidade da modernidade”.

Comentários?

Rob

Spanish blog:

La Importancia de Enfocar

Por Rob Campbell, www.cypresscreekchurch.com

Al Ries escribe en su libro, Focal Point, que hay cuatro cosas que se pueden hacer para mejorar la calidad de tu vida y trabajo.

  1. Puedes hacer más de ciertas cosas.
  2. Puedes hacer menos de ciertas cosas.
  3. Puedes comenzar a hacer cosas que no estás haciendo en absoluto ahora.
  4. Puedes dejar de hacer ciertas cosas por completo.

Dave Browning en su libro, Deliberate Simplicity (¡una gran lectura, por cierto!), Comenta las cuatro opciones anteriores. Él escribe: “Mientras que la iglesia tradicional tiende a elegir las puertas 1 y 3, la iglesia Deliberadamente simple mira lo que está detrás de las puertas 2 y 4. Al hacer menos cosas y detener otras cosas por completo, la energía y los recursos se pueden reinvertir en las pocas cosas que realmente vale la pena hacer “.

El pastor Wade Hodges dijo una vez: “Si convertirse en parte de una iglesia coloca a las personas en un entorno que las anime a llevar vidas más frenéticas que antes, entonces haremos iglesia de la manera equivocada”.

Browning escribe: “¿Cuál es la cosa más simple que podría funcionar?” Sugiere que “abandonemos otros elementos, incluso si tradicionalmente se han asociado con el progreso”.

Un pensamiento más de Browning: “Una de las preguntas que lleva a la iglesia a los fundamentos básicos es, ¿cómo haríamos iglesia si no tuviéramos electricidad? Tu respuesta, sin duda, te empujará de regreso a la esencia de la iglesia y lejos de la artificialidad de la modernidad “.

¿Comentarios?

Rob

Head in the Clouds and Feet on the Ground

By Andrew Kirk, Director of Generation 2 generation, Website – www.G2gMandate.org, Social Media – @G2gMandate

While it’s good to have “heads in the clouds,” dreaming and casting vision, it’s also important to keep “feet on the ground” and move forward in the direction of our vision. Moses had a vision, a big vision. However, the day to day reality led to that generation never seeing the vision. They lost sight of the day to day issues that would have built success.

After dreaming Gods vision, we need to focus on effective strategy to move into them, discover what needs addressing and where we need to plough and sow to reap the fruits of dreams.

Good questions to ask might be:

  • Do our dreams and visions support and promote Biblical values e.g. promote healthy families, inspire us to be more like Jesus, inward and outward looking.
  • Do our visions have every generation in mind?
  • Do all generations take ownership of our vision and are they dreaming with us?

With “feet on the ground:”

As I travel internationally, I’ve started to raise my voice more and more about a specific issue I see neglected in much of the church, the degree of neglect varying from nation to nation. When addressed it is usually seen as a children and youth ministry issue but in reality, affects every area of the church, including cell groups.

What is that issue, or area of weakness which if unaddressed, can bring every vision down? It’s the prevention of child abuse.

I am sounding an alarm!

Evaluating and training in child abuse prevention in every area of the church, including our cells must be a priority. Read and preach Matthew 18:6 and re-evaluate how safe cells are for the emerging generations. If we say we love them but don’t protect them and provide a safe place, something is very wrong.

Vision: Protecting the emerging generation!

“Feet on the ground” examples of proactivity:

  • Mandatory Child Protection training for every leader in the church, including cell leaders.
  • Ensure homes, where cells are held, have child protection boundaries and policies.
  • Grooming can take place in cells – what awareness is there?
  • Every church member given the ability to identify signs of child abuse and know how to respond to disclosure – this issue is in our streets, church buildings and homes.
  • Repeated awareness that child abuse happens in churches and among leaders.

Are “heads in the clouds” with “feet on the ground” to protect and rescue this emerging generation?

Let’s see the older generations rise up and take their responsibility to protect the next generation in every area of life.

I am happy to correspond about this: info@Gnation2gnation.com

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Cabeça nas Nuvens e Pés no Chão
Por Andrew Kirk, Diretor do Geração para Geração. Site – www.G2gMandate.org, Redes sociais – @G2gMandate

Enquanto é bom ter “a cabeça nas nuvens”, sonhando e lançando a visão, também é importante manter “os pés no chão” e prosseguir na direção da nossa visão. Moisés teve uma visão, uma grande visão. No entanto, a realidade do dia a dia levou aquela geração a nunca contemplar a visão. Eles perderam de vista as questões do dia a dia, que teriam levado ao sucesso.

Depois de sonhar as visões de Deus, precisamos focar na estratégia eficaz de colocá-las em ação, descobrir o que deve ser enfrentado e onde precisamos arar e semear para colher os frutos dos sonhos.

Boas perguntas a serem feitas podem ser:
– Os nossos sonhos e visões apoiam e promovem valores bíblicos, por exemplo, promovem famílias saudáveis, inspiram-nos a sermos mais como Jesus, na aparência interna e externa?
– As nossas visões têm todas as gerações em mente?
– Todas as gerações tomam propriedade da nossa visão e estão sonhando conosco?

Com os “pés no chão:”

Enquanto eu viajava internacionalmente, comecei a levantar minha voz mais e mais sobre um problema específico que eu vejo ser negligenciado por boa parte da Igreja, com o nível da negligência variando de nação para nação. Quando abordado é geralmente visto como um problema do ministério infantil e de jovens mas, na realidade, afeta todas as áreas da igreja, incluindo grupos de célula.

Qual é esse problema, ou área de fraqueza que, se não enfrentado, pode diminuir toda as visões? É a prevenção do abuso infantil.

Estou soando um alarme!

Avaliar e treinar sobre a prevenção do abuso infantil em todas as áreas da igreja, incluindo nossas células, deve ser uma prioridade. Leia e pregue Mateus 18:6 e reavalie o quão seguras as células são para as gerações emergentes. Se dizemos que as amamos mas não as protegemos e proporcionamos um lugar seguro, então algo está muito errado.

Visão: Protegendo a geração emergente!

Exemplos de proatividade com os “pés no chão”:
– Treinamento de Proteção Infantil obrigatório para todos os líderes na igreja, incluindo os líderes de célula.
– Garantir que as casas onde as células acontecem tenham limites e políticas de proteção infantil.
– O aliciamento de crianças pode acontecer nas células- que conscientização tem ali?
– Todos os membros da igreja devem ter a habilidade de identificar os sinais de abuso infantil e a saber como responder a essa revelação- esse problema está nas nossas ruas, prédios das igrejas e casas.
– Conscientização repetidamente de que o abuso infantil acontece nas igrejas e entre os líderes.

As cabeças estão “nas nuvens” com os “pés no chão” para proteger e resgatar essa geração emergente?
Vamos ver as gerações mais velhas se levantarem e se responsabilizarem para proteger a próxima geração em todas as áreas da vida.

Fico feliz em responder sobre isso em: info@Gnation2gnation.com

Spanish blog:

Con la cabeza en las nubes y los pies en el suelo

Por Andrew Kirk, Director de Generación 2, sitio web – www.G2gMandate.org, Social Media – @ G2gMandate

Si bien es bueno tener ” la cabeza en las nubes”, soñando y lanzando la visión, también es importante mantener los “pies en el suelo” y avanzar en la dirección de nuestra visión. Moisés tuvo una visión, una gran visión. Sin embargo, en la realidad del día a día hizo que esa generación nunca viera la visión. Perdieron de vista los problemas cotidianos que habrían construido el éxito.

Después de soñar con la visión de Dios, debemos enfocarnos en una estrategia efectiva para avanzar hacia ellos, descubrir qué es lo que se debe abordar y dónde debemos arar y sembrar para cosechar los frutos de los sueños.

Algunas buenas preguntas para hacer:

Nuestros sueños y visiones apoyan y promueven los valores bíblicos, por ej. promover familias saludables, inspirarnos a ser más como Jesús, mirar hacia adentro y hacia afuera.

¿Nuestras visiones tienen en mente a todas las generaciones?

¿Todas las generaciones se apropian de nuestra visión y están soñando con nosotros?

Con “los pies en el suelo:”

A medida que viajo internacionalmente, comencé a elevar mi voz cada vez más sobre un tema específico que veo descuidado en gran parte de la iglesia, el grado de abandono varía de una nación a otra. Cuando se aborda, generalmente se considera un tema del ministerio de niños y jóvenes, pero en realidad afecta a todas las áreas de la iglesia, incluidos los grupos celulares.

¿Cuál es ese problema, o área de debilidad que, si no se aborda, puede hacer que todas las visiones disminuyan? Es la prevención del maltrato infantil.

¡Estoy sonando una alarma!

Evaluar y capacitar en la prevención del abuso infantil en todas las áreas de la iglesia, incluidas nuestras células, debe ser una prioridad. Leé y predica Mateo 18: 6 y vuelva a evaluar cuán seguras son las células para las generaciones emergentes. Si decimos que los amamos pero no los protegemos y no les proporcionamos un lugar seguro, algo está muy mal.

Visión: ¡Proteger a la generación emergente!
“Pies en el suelo” ejemplos de proactividad:

Capacitación obligatoria en protección infantil para todos los líderes de la iglesia, incluidos los líderes celulares.

Asegurar que los hogares, donde se encuentran las células, tengan límites y políticas de protección infantil.

La preparación puede llevarse a cabo en las células: ¿qué conciencia hay?

Cada miembro de la iglesia tiene la capacidad de identificar signos de abuso infantil y saber cómo responder a la divulgación: este problema está en nuestras calles, edificios de iglesias y hogares.

Hacer conciencia de que el abuso infantil ocurre en las iglesias y entre los líderes.

¿Las “cabezas en las nubes” con “los pies en el suelo” protegen y rescatan a esta generación emergente?

Veamos cómo las generaciones mayores se levantan y asumen su responsabilidad de proteger a la próxima generación en cada área de la vida.

Me complace comunicarme sobre esto: info@Gnation2gnation.com

Goal!

By Steve Cordle, www.crossroadsumc.org 

Even if you do not make New Year’s resolutions, it is healthy to set goals for your cell group. In fact, God has goals for your group. He has purposes he wants to accomplish in each member’s life. He knows the ways he wants to use your group to extend his kingdom. How will you cooperate with his Spirit to see those purposes fulfilled in 2019? Those specific statements are your goals.

A cell group gathers for the purposes of evangelism, discipleship and community with the goal of multiplication. Consider where you group is in relation to each purpose and set goals to advance:

1) Evangelism: how can your group reach more people for Christ this year? Make that a goal.

2) Discipleship: where do the members need to become more like Jesus?

3) Community: How transparent and warm are the relationships?

4) Multiplication: do you have an apprentice? How can you make it possible for your apprentice to become the leader of their own group this year?

Goals are steps toward fulfilling God’s vision for your group. They are specific and measurable. And when you set a goal you increase the chances of it becoming a reality.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Spanish blog:

Meta!

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Mesmo que você não faça as resoluções de Ano Novo, é bom definir metas para sus célula. De fato, Deus tem metas para o seu grupo. Ele tem objetivos que quer realizar na vida de cada membro. Ele sabe as maneiras que quer usar seu grupo para ampliar Seu reino. Como você vai cooperar com o Espírito dEle para ver esses propósitos cumpridos em 2019? Essas declarações específicas são seus objetivos.

Uma célula se reúne para os propósitos de evangelismo, discipulado e comunidade com o objetivo de multiplicação. Considere onde você está em relação a cada objetivo e defina metas para avançar:

1) Evangelismo: como seu grupo pode alcançar mais pessoas para Cristo este ano? Faça disso uma meta.

2) Discipulado: onde os membros precisam se tornar mais parecidos com Jesus?

3) Comunidade: quão transparentes e calorosas são os relacionamentos?

4) Multiplicação: você tem um aprendiz? O que você pode fazer para tornar possível que seu aprendiz se torne o líder de seu próprio grupo este ano?

As metas são passos para cumprir a visão de Deus para o seu grupo. Elas são específicas e mensuráveis. E quando você define uma meta, você aumenta as chances de que ela se torne uma realidade.

Spanish:

¡La Meta!

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Incluso si no haces las resoluciones de Año Nuevo, es saludable establecer metas para tu grupo celular. De hecho, Dios tiene metas para tu grupo, tiene propósitos que quiere lograr en la vida de cada miembro. Él sabe las formas en que quiere usar a tu grupo para extender su reino. ¿Cómo cooperarás con su Espíritu para ver esos propósitos cumplidos en 2019? Esas afirmaciones específicas son tus metas.

Un grupo celular se reúne con fines de evangelización, discipulado y comunidad con el objetivo de la multiplicación. Considera dónde se encuentra tu grupo en relación con cada propósito y establece metas para avanzar:

1) Evangelismo: ¿cómo puede tu célula alcanzar a más personas para Cristo este año? Que sea una meta.

2) Discipulado: ¿dónde necesitan los miembros ser más como Jesús?

3) Comunidad: ¿Qué tan transparentes y cálidas son las relaciones?

4) Multiplicación: ¿tienes un aprendiz? ¿Cómo puedes hacer posible que tu discípulo se convierta en el líder de su propia célula este año?

Las metas son pasos hacia el cumplimiento de la visión de Dios para tu célula. Son específicos y medibles. Y cuando estableces una meta, aumentan las posibilidades de que se convierta en una realidad.

Misguided Goals

By Joel Comiskey, check out, Groups that Thrive

Not all goals are good goals. Some are defective, misguided, and even harmful.

I learned this the hard way back in 1978. I envisioned becoming a professional bus driver with the Los Angeles Unified School district. Great pay, benefits, work hours, and brand new buses. I dreamed, set the goal of passing the driving test, and prayed a lot. I repeatedly “claimed the job by faith,” declaring that it was “already mine.” I attempted to deny all doubt and negative thinking, following the advice of a radio preacher.

There was only one problem: God didn’t want me to have that job.

He had other plans for me. I missed the final driving test by one point (failure to leave the stick shift in gear when I parked the bus). Yet, it was a holy failure. Only a few months later, I left with Youth with a Mission for a short-term trip to Canada and remained in Canada for further studies. From there, God launched me into Christian ministry. As I look back I now realize that I had wrongly discerned the will of God.

Some people dream goals to fulfill their own dreams and egos. Christian leaders can also have the wrong motivations when envisioning the future. “I want to have a larger building than pastor John down the street.” Or “I’m going to start cell ministry because I will be more successful.”

James sums this up in,  “You do not have, because you do not ask God. When you ask, you do not receive, because you ask with wrong motives, that you may spend what you get on your pleasures” (James 4:2-3).

I’m reading a book on marketing that I like but at times the author comes across as a slick salesman. “Follow my advice and you’ll sell a lot of products.” But the goal is never questioned.

So how do we know what are the correct dreams or goals?

That apostle John tells us, “This is the confidence we have in approaching God: that if we ask anything according to his will, he hears us. And if we know that he hears us—whatever we ask—we know that we have what we asked of him” (1 John 5:13).

Okay, so we need to ask according to God’s will. But how do we know God’s will?

God’s inerrant Word is God’s will.

We as believers are people of one book. The Bible is our perfect guide. And God has given us the Holy Spirit to understand God’s Word. And God’s Word helps us to discern the thoughts and motivations of our heart (Hebrews 4:12).

Before making goals, we need to lay our hearts before God, asking him to give us the right motivations. And then we need to base our goals on God’s Word.

In my next blog, I’m going to share my conviction about God’s primary goal for cells and the cell church.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Metas Equivocadas

Por Joel Comiskey, confira:”Grupos que Prosperam.”

Nem todas as metas são boas metas. Algumas são falhas, equivocadas e mesmo prejudiciais.

Eu aprendi isso da maneira difícil lá em 1978. Eu almejava me tornar um motorista de ônibus profissional no distrito de Escolas Unificadas de Los Angeles. Ótimo pagamento, benefícios, horário de trabalho, e ônibus novos em folha. Eu sonhei, estabeleci a meta de passar no teste de direção e orei muito. Eu repetidamente, “reivindicava o trabalho por fé”, declarando que “já era meu”. Eu tentei negar toda dúvida e pensamentos negativos, seguindo o conselho de um pregador de rádio.

Havia apenas um problema: Deus não queria que eu tivesse aquele emprego.

Ele tinha outros planos pra mim. Eu não passei no teste de direção final por um ponto (falhei em deixar a marcha engatada quando eu estacionava o ônibus). No entanto, foi um fracasso santo. Apenas alguns meses depois eu parti com os Jovens com uma Missão para uma viagem de curta duração para o Canadá e permaneci ali para outros estudos. De lá, Deus me lançou no ministério cristão. Quando olho para trás agora percebo que eu havia discernido a vontade de Deus erroneamente.

Algumas pessoas sonham metas para cumprir seus próprios sonhos e egos. Líderes cristãos também podem ter as motivações erradas quando idealizam o futuro. “Eu quero ter um prédio maior do que o pastor João da rua de baixo.” Ou “Eu vou entrar no ministério de células porque eu terei mais sucesso.”

Tiago resume isso em “Não têm, porque não pedem. Quando pedem, não recebem, pois pedem por motivos errados, para gastar em seus prazeres.” (Tiago 4:2-3)

Estou lendo um livro sobre marketing que eu gosto mas por vezes o autor fala como um vendedor habilidoso. “Siga meus conselhos e você venderá muitos produtos.” Mas a meta nunca é questionada.

Então como saberemos os sonhos e metas?

O apóstolo João nos fala, “Esta é a confiança que temos ao nos aproximarmos de Deus: se pedirmos alguma coisa de acordo com a sua vontade, ele nos ouve” (1 João 5:14).

Ok, então precisamos pedir de acordo com a vontade de Deus. Mas como conheceremos a vontade de Deus?

A Palavra inerrante de Deus é a vontade de Deus.

Nós como crentes somos pessoas de um livro só. A Bíblia é nosso guia perfeito. E Deus nos deu o Espírito Santo para compreender a Palavra de Deus. E ela nos ajuda a discernir os pensamentos e motivações dos nossos corações (Hebreus 4:12).

Antes de estabelecer metas, precisamos colocar nossos corações diante de Deus, pedindo-Lhe para nos dar as motivações certas. E então precisamos basear nossas metas na Palavra de Deus. No meu próximo blog, irei compartilhar minha convicção sobre a meta primária de Deus para os grupos e a igreja em células.

Spanish blog:

Metas erróneas

Por Joel Comiskey, echa un vistazo a: “Grupos que prosperan”.

No todas las metas son buenas metas. Algunas son defectuosos, equivocados e incluso dañinas. .

Aprendí esto de manera difícil en 1978. Pensé convertirme en un conductor de autobús profesional en el Distrito Escolar Unificado de Los Ángeles. Gran paga, beneficios, horas de trabajo y autobuses nuevos. Soñé, me puse la meta de pasar la prueba de manejo y oré mucho. Repetidamente “reclamé el trabajo por fe”, declarando que ya era “mío”. Intenté negar todas las dudas y pensamientos negativos, siguiendo el consejo de un predicador de radio.

Solo había un problema: Dios no quería que yo tuviera ese trabajo.

Tenía otros planes para mí. Perdí la prueba de manejo final por un punto (no dejé la palanca de cambios en la marcha cuando estacioné el autobús). Sin embargo, fue un fracaso santo. Solo unos pocos meses después, me fui con Youth with a Mission para un viaje de corto plazo a Canadá y permanecí en Canadá para continuar mis estudios. Desde allí, Dios me lanzó al ministerio cristiano. Cuando miro hacia atrás, me doy cuenta de que había discernido erróneamente la voluntad de Dios.

Algunas personas sueñan metas para cumplir sus propios sueños y egos. Los líderes cristianos también pueden tener motivaciones equivocadas al prever el futuro. “Quiero tener un edificio más grande que pastor John en la calle tal”. O “Voy a comenzar el ministerio celular porque tendré más éxito”.

Santiago resume esto: “Codiciáis, y no tenéis; matáis y ardéis de envidia, y no podéis alcanzar; combatís y lucháis, pero no tenéis lo que deseáis, porque no pedís. Pedís, y no recibís, porque pedís mal, para gastar en vuestros deleites. ”(Santiago 4: 2-3).

Estoy leyendo un libro sobre marketing que me gusta, pero a veces el autor aparece como un vendedor astuto. “Sigue mis consejos y venderás muchos productos”. Pero el objetivo nunca se cuestiona.

Entonces, ¿cómo sabemos los sueños o metas?

Ese apóstol Juan nos dice: “Estas cosas os he escrito a vosotros que creéis en el nombre del Hijo de Dios, para que sepáis que tenéis vida eterna, y para que creáis en el nombre del Hijo de Dios.”(1 Juan 5:13).

Bien, entonces necesitamos preguntar de acuerdo a la voluntad de Dios. Pero, ¿cómo conocemos la voluntad de Dios?

La Palabra inerrante de Dios es la voluntad de Dios.

Nosotros como creyentes somos personas de un solo libro, la Biblia es nuestra guía perfecta. Y Dios nos ha dado a nosotros el Espíritu Santo para entender la Palabra de Dios; y la Palabra de Dios nos ayuda a discernir los pensamientos y motivaciones de nuestro corazón (Hebreos 4:12).

Antes de hacer metas, necesitamos poner nuestros corazones ante Dios, pidiéndole que nos dé las motivaciones correctas. Y luego necesitamos basar nuestras metas en la Palabra de Dios.

En mi próximo blog, compartiré mi convicción sobre el objetivo principal de Dios para las células y la iglesia celular.

The Place of Vision in God’s Plans

By Mario Vega, www.elim.org.sv

God’s purposes have always been fulfilled through visions that he has given to the people he chose. Adam was shown the vision of a whole planet of abundance and harmony to populate.  God showed Noah the vision of a huge ship where he and all wildlife could be saved. He showed Abraham a starry sky as an illustration of his offspring. Jacob was given a dream in which he saw how his few sheep would become a strong flock. He gave Joseph dreams about how he would be exalted among his brothers.

We could continue to extend the list until we reach the great vision of the Apocalypse where God shows his people the final destiny of all mankind, including God’s eternal destiny for his children. Every time God gives a vision, key elements can be identified:

  • God is the author of the vision
  • God shows what he plans to do in the vision
  • God gives the vision to the person he will use to fulfill it

Things have not changed. If the church of the Lord is to move forward we need a vision from God. It does not necessarily have to come on the basis of an ecstatic vision. Rather, it can be through Scripture, a dream, a conviction, and so forth. etc. If God has given you a vision, there is no doubt; you are the person he will use to carry it out.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O Lugar da Visão nos Planos de Deus

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

Os propósitos de Deus sempre foram cumpridos através de visões que Ele deu às pessoas que Ele escolheu. Adão recebeu a visão de um planeta inteiro de abundância e harmonia para povoar. Deus mostrou a Noé a visão de um enorme navio onde ele e toda a vida selvagem poderiam ser salvos. Ele mostrou a Abraão um céu estrelado como uma ilustração de sua descendência. Foi dado a Jacó um sonho no qual ele viu como suas poucas ovelhas se tornariam um forte rebanho. Ele deu a José sonhos sobre como ele seria exaltado entre seus irmãos.

Poderíamos continuar a estender a lista até alcançarmos a grande visão do Apocalipse, onde Deus mostra ao seu povo o destino final de toda a humanidade, incluindo o destino eterno de Deus para seus filhos. Toda vez que Deus dá uma visão, elementos-chave podem ser identificados:

  • Deus é o autor da visão;
  • Deus mostra o que Ele planeja fazer na visão;
  • Deus dá a visão para a pessoa que Ele usará para cumpri-la.

As coisas não mudaram. Se a Igreja do Senhor deve avançar, nós precisamos de uma visão de Deus. Ela não tem que vir necessariamente com base em uma visão extravagante. Pelo contrário, pode ser através das Escrituras, um sonho, uma convicção e assim por diante. Se Deus lhe deu uma visão, não há dúvida: você é a pessoa que Ele usará para realizá-la.

Spanish blog:

El lugar de la visión en los planes de Dios

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

Los propósitos de Dios siempre se han cumplido a través de visiones que ha entregado a las personas que él eligió. A Adán le mostró la visión de todo un planeta de abundancia y armonía para poblar. A Noé le mostró la visión de un barco enorme donde él y la fauna pudiesen salvarse. A Abran le mostró un cielo estrellado como ilustración de su descendencia. A Jacob le dio un sueño en el que vio la manera en que sus pocas ovejas se convertirían en un rebaño fuerte. A José le dio sueños sobre la manera en que sería exaltado entre sus hermanos.

Podríamos continuar extendiendo la lista hasta llegar a la gran visión del Apocalipsis donde Dios muestra a su pueblo el destino final al que los salvados se dirigen. Pero, en todos los casos, se pueden identificar las siguientes constantes:

  • Dios es el autor de la visión
  • En la visión Dios muestra lo que planea hacer
  • La visión Dios se la entrega a la persona a quien usará en su cumplimiento

Las cosas no han cambiado, si la iglesia del Señor ha de seguir adelante deberá recibir una visión de parte de Dios. Ella no necesariamente debe venir en base a una visión extática, puede ser a través de su palabra, un sueño, una convicción, etc. Si Dios te ha entregado una visión, no hay duda, eres la persona que él usará para llevarla a cabo.