Blog

Just Do What Jesus Did

By Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Why does it seem like the longer a person has been a Christian, the less likely they are to talk to people about Jesus? How many established churches have few if any new commitments to Christ in a year? Too many Christians seem afraid to share their faith and state that they are concerned that they won’t be able to answer the questions of the unchurched.

I am amazed at the ministry of the disciples, just months after following Jesus around Galilee. By the way, it wasn’t just the twelve, including Judas (that is amazing too), who went out to minister. After the twelve there were 72 and then there were 120.

Jesus gave these young followers some simple tasks. He told them to proclaim, “The Kingdom of Heaven has come near.” That sounds easy enough. Surely, we could do that! He then gave them a few other basic tasks: “Heal the sick, raise the dead, cleanse those who have leprosy, drive out demons.” Technically, these men weren’t even completed Christians. Jesus had not died and the Spirit did not yet dwell in them. How did they do it?

Obviously, they had been with Jesus; seen him heal the sick and cast out demons; so it was nothing for these babes in Christ to go and do the same. Wait! They left him and went out with one other inexperienced follower and did these incredible things. This is amazing!

Can you imagine instructing a new Christian to go and do that today? Didn’t Jesus say that we would do even greater things than he did? We wouldn’t even ask this of a seasoned saint who had been in the church for decades, and why not? Do we doubt our commission? Do we doubt the one who has sent us into the world?

Often new Christians are often the most zealous for Christ. They are the ones with the connections to other unbelievers. Their friends and family don’t know Jesus and the new believer is the best one to go to them to talk about Jesus. They probably don’t realize that they should be more timid and not take Jesus at face value.

God wants us to go and we are afraid. I challenge you to  start praying for someone in your Oikos to come to your group. Put out an empty chair and pray that God fills it. Go to  someone in your Oikos and be their friend. Listen  to their needs; hear their story; and even consider praying WITH them. Just do what Jesus did.

Korean blog (Click here)

Portuguese blog:

Apenas Faça o que Jesus Fez

Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Por que parece que quanto mais uma pessoa é cristã, menos provável é que ela converse com as pessoas sobre Jesus? Quantas igrejas estabelecidas têm poucos ou nenhum novo compromisso com Cristo em um ano? Muitos cristãos parecem ter medo de compartilhar sua fé e afirmam estar preocupados com a possibilidade de não poderem responder às perguntas dos que não são convertidos.

Fico maravilhado com o ministério que os discípulos desenvolveram apenas alguns meses depois de seguir Jesus por toda a Galiléia. A propósito, não foram apenas os doze, incluindo Judas (isso também é incrível), que saíram para ministrar. Depois dos doze havia 72 e depois 120.

Jesus deu a esses jovens seguidores algumas tarefas simples. Ele lhes disse para proclamar: “É chegado o Reino dos Céus”. Isso parece bastante fácil. Certamente, poderíamos fazer isso! Ele então lhes deu algumas outras tarefas básicas: “Cure os enfermos, ressuscite os mortos, purifique aqueles que têm lepra, expulse os demônios”. Tecnicamente, esses homens não eram nem mesmo cristãos completos. Jesus não havia morrido e o Espírito Santo ainda não morava neles. Como eles fizeram isso?

Obviamente, eles estiveram com Jesus; viram-no curar os doentes e expulsar demônios; então não era nada demais para esses bebês em Cristo irem e fazerem o mesmo. Espera! Eles o deixaram e saíram com outro seguidor inexperiente, de dois em dois, e fizeram essas coisas incríveis. Isso é incrível!

Você pode imaginar instruir um novo cristão para ir e fazer isso hoje? Jesus não disse que faríamos coisas ainda maiores do que ele? Nós não pediríamos isso nem a um santo experiente que esteve na igreja por décadas, e por que não? Nós duvidamos de nossa comissão? Nós duvidamos daquele que nos enviou ao mundo?

Muitas vezes, os novos cristãos são os mais zelosos por Cristo. Eles são os que têm conexões com outros incrédulos. Seus amigos e familiares não conhecem Jesus e o novo crente é o melhor para falar com eles sobre Jesus. Eles provavelmente não percebem que deveriam ser mais tímidos e não veem Jesus como moeda.

Deus quer que a gente vá, e nós estamos com medo. Eu desafio você a começar a orar por alguém em seu Oikos (círculo de convivência) para vir ao seu grupo. Coloque uma cadeira vazia e ore para que Deus a preencha. Vá até alguém em seu Oikos e seja seu amigo. Ouça suas necessidades; ouça sua história; e até mesmo considere orar COM eles. Apenas faça o que Jesus fez.

Spanish blog:

Solo haz lo que Jesús hizo

Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

¿Por qué parece que cuanto más tiempo una persona ha sido cristiana, menos probable es que compartan acera de Jesús con los demás? ¿Cuántas iglesias tienen pocas o ningúna nueva conversión a Cristo en un año? Demasiados cristianos parecen temerosos de compartir su fe y afirman que les preocupa que no puedan responder a las preguntas de los que no asisten a la iglesia.

Me sorprende el ministerio de los discípulos, solo unos meses después de seguir a Jesús por Galilea. Por cierto, no fueron solo los doce, incluido Judas (que también es asombroso), quienes salieron a ministrar. Después de los doce hubo 72 y luego hubo 120.

Jesús les dio a estos jóvenes seguidores algunas tareas simples. Les dijo que proclamaran que: “El Reino de los Cielos se ha acercado”, eso suena bastante fácil. Sin duda, podríamos hacer eso! Luego les dio algunas otras tareas básicas: “Curen a los enfermos, resucita a los muertos, limpia a los que tienen lepra, expulsa a los demonios”. Técnicamente, estos hombres ni siquiera eran cristianos consumados. Jesús no había muerto y el Espíritu aún no moraba en ellos. ¿Cómo lo hicieron?

Obviamente, ellos habían estado con Jesús; le vieron sanar a los enfermos y expulsar demonios; así que no era nada para estos niños en Cristo ir y hacer lo mismo. ¡Espera! Lo dejaron y salieron con otros seguidores inexpertos e hicieron estas cosas increíbles. ¡Esto es increíble!

¿Te imaginas instruir a un nuevo cristiano para que vaya y lo haga hoy? ¿No dijo Jesús que haríamos cosas aún mejores que él? Ni siquiera le pediríamos esto a un santo experimentado que ha estado en la iglesia por décadas, ¿y por qué no? ¿Dudamos de nuestra comisión? ¿Dudamos de quien nos ha enviado al mundo?

A menudo, los nuevos cristianos suelen ser los más celosos de Cristo. Ellos son los que tienen conexiones con otros incrédulos. Sus amigos y familiares no conocen a Jesús y el nuevo creyente es el mejor para acercarse a ellos y hablar de Jesús. Probablemente no se den cuenta de que deberían ser más tímidos y no tomar a Jesús al pie de la letra.

Dios quiere que vayamos pero tenemos miedo. Te desafío a que comiences a orar por alguien en tu Oikos para que vaya a tu célula. Coloca una silla vacía y ora para que Dios la llene. Acércate a alguien en tu Oikos y sé su amigo. Escucha sus necesidades; escucha su historia; e incluso considera orar CON ellos. Solo haz lo que hizo Jesús.

Communicating the Gospel Via Community

By Rob Campbell, www.cypresscreekchurch.com

Ryan Bolger wrote Gospel After Christendom: New Voices, New Cultures, New Expressions.  This book reveals emerging and missional church practices in the following locales: Latin America, New Zealand, Australia, Europe, and North America.  The title aptly describes this work by editor Bolger.  The authors take the reader on a worldwide tour revealing how the church is ministering in post-Christian cultures.  Many stories encourage providing hope for the future.  Other reports are disheartening despite arduous work, prayer, extensive cultural exegesis, and implementation of ministries.

In many areas of the world cited in this book, there exists one common method of communicating the gospel via community.  This method harkens back to the birth of the church following Jesus’s resurrection and ascension.   Acts 5:42 reads, “And every day, in the Temple and in their homes, they continued to teach and preach this message: ‘The Messiah you are looking for is Jesus’” (New Living Translation).  “Homes” may also be translated “house to house.”  For the most part, gathering in temples around the world is not operative with a post-Christian culture.  However, individuals gathering in a home for a meal and a discussion regarding Jesus Christ is common around the globe.

Bolger writes, “In their homes, they form small communities where, through Scripture reading, discussions, meals, and perhaps some wine, they learn how to follow Jesus better…As a small group, they discern where God might be leading them.  Leaning on the artistic inspiration of the community, they create a more public worship service, inspiring for them but also for their neighbors” (p. 360).  Bolger believes that “small groups are sites of hospitality…Discipleship occurs around the table…Often there is not a teacher, and discernment of Scripture is communal.  It is an active learning environment” (p. 355).

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Comunicando o Evangelho Através da Comunidade

por Pastor Rob Campbell, www.cypresscreekchurch.com

Ryan Bolger escreveu Gospel After Christendom: New Voices, New Cultures, New Expressions (“Evangelho Após a Cristandade: Novas Vozes, Novas Culturas, Novas Expressões”, em tradução livre). Este livro revela práticas de igrejas emergentes e missionárias nos seguintes locais: América Latina, Nova Zelândia, Austrália, Europa e América do Norte. O título descreve apropriadamente este trabalho pelo editor Bolger. Os autores levam o leitor em uma turnê mundial, revelando como a igreja está ministrando em culturas pós-cristãs. Muitas histórias encorajam a esperança para o futuro. Outros relatos são desanimadores, apesar do trabalho árduo, da oração, da extensa exegese cultural e da implementação de ministérios.

Em muitas áreas do mundo citadas neste livro, existe um método comum de comunicar o evangelho através da comunidade. Este método remonta ao nascimento da igreja após a ressurreição e ascensão de Jesus. Atos 5:42 diz: “E todos os dias, no Templo e em seus lares, eles continuavam a ensinar e a pregar esta mensagem: ‘O Messias que vocês estão procurando é Jesus’” (New Living Translation, tradução livre). “Lares” também pode ser traduzido como “de casa em casa”. Na maioria das vezes, reunir-se em templos ao redor do mundo não funciona com uma cultura pós-cristã. No entanto, os indivíduos reunidos em uma casa para uma refeição e uma discussão sobre Jesus Cristo são comuns por todo o mundo.

Bolger escreve: “Em seus lares, eles formam pequenas comunidades onde, através da leitura das Escrituras, discussões, refeições e talvez um pouco de vinho, aprendem a seguir melhor a Jesus… Como um pequeno grupo, eles discernem para onde Deus poderia estar guiando-os. Apoiando-se na inspiração artística da comunidade, eles criam um culto mais público, inspirador para eles, mas também para seus vizinhos” (p. 360). Bolger acredita que “pequenos grupos são locais de hospitalidade… Discipulado ocorre em torno da mesa… Muitas vezes não há um professor, e o discernimento das Escrituras é feito em comunidade. É um ambiente de aprendizagem ativo “(p. 355).

Spanish blogs:

Comunicando el Evangelio a través de la comunidad

Por el pastor Rob Campbell, www.cypresscreekchurch.com

Ryan Bolger escribió Gospel After Christendom: Nuevas voces, nuevas culturas, nuevas expresiones. Este libro revela las prácticas emergentes y las misiones de la iglesia en los siguientes lugares: América Latina, Nueva Zelanda, Australia, Europa y América del Norte. El título describe acertadamente este trabajo del editor Bolger. Los autores llevan al lector a una gira mundial que revela cómo la iglesia está ministrando en las culturas poscristianas. Muchas historias alientan a brindar esperanza para el futuro. Otros informes son desalentadores a pesar del arduo trabajo, la oración, la extensa exégesis cultural y la implementación de ministerios.

En muchas áreas del mundo citadas en este libro, existe un método común de comunicar el evangelio a través de la comunidad. Este método se remonta al nacimiento de la iglesia después de la resurrección y ascensión de Jesús. Hechos 5:42 dice: “Y día tras día, en el templo y de casa en casa, no dejaban de enseñar y anunciar las buenas nuevas de que Jesús es el Mesías.” (Nueva Traducción Viviente). “Casas” también puede traducirse “casa por casa”. En su mayor parte, la reunión en templos de todo el mundo no está operativa con una cultura post-cristiana. Sin embargo, las personas que se reúnen en un hogar para una comida y una discusión sobre Jesucristo son comunes en todo el mundo.

Bolger escribe: “En sus hogares, forman pequeñas comunidades donde, a través de la lectura de las Escrituras, discusiones, comidas y tal vez un poco de vino, aprenden a seguir mejor a Jesús … Como pequeño grupo, disciernen a dónde Dios podría estar guiándolos. Apoyándose en la inspiración artística de la comunidad, crean un servicio de adoración más público, inspirador para ellos pero también para sus vecinos “(p. 360). Bolger cree que “los grupos pequeños son lugares de hospitalidad … El discipulado ocurre alrededor de la mesa … A menudo no hay un maestro, y el discernimiento de la Escritura es comunitario. Es un ambiente de aprendizaje activo “(p 355).

A Strange Way to Grow

By Steve Cordle, www.crossroadsumc.org 

When we become part of a cell group we can get to know other people quite well. That can be fun and fulfilling. Community is also instrumental to growing spiritually, but not always in the way we expect.

Yes, we will study the Bible and pray in our group. We will learn from the example of others and reach out together in Jesus’ mission. But there is another way will grow: through conflict.

When we get close to others, we may step on each other’s toes. We might be hurt by something someone says or does. Then comes the growth moment. We have several options:

  1. a) quit the group
  2. b) complain to other people
  3. c) silently seethe
  4. d) do what Jesus taught.

In Matthew 18, Jesus told us that when a brother or sister sins against us, we are to go directly to the person and try to resolve the hurt. We are to talk to the person, not talk about the person. This sounds simple, but it is not often practiced. When we do work out the issue, we will have grown in our patience, forbearance, ability to forgive, blessing those who hurt us and other traits. In other words, we will become more like Christ.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Uma Forma Estranha de Crescer

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Quando nos tornamos parte de uma célula, podemos conhecer outras pessoas muito bem. Isso pode ser divertido e realizador. A comunidade é também um instrumento para crescermos espiritualmente, mas nem sempre da forma que esperamos.

Sim, nós ainda estudamos a Bíblia e oramos em nosso grupo. Vamos aprender com o exemplo de outras pessoas e caminhar juntos em direção à missão de Jesus. Mas existe outra forma de crescimento: através do conflito.

Quando nos aproximamos de outras pessoas, podemos pisar nos calos uns dos outros. Podemos nos machucar por algo que alguém diz ou faz. E aí vem o momento de crescimento. Temos várias opções:

1. Abandonar o grupo;
2. Reclamar para outras pessoas;
3. “Ferver” silenciosamente;
4. Fazer o que Jesus ensinou.

Em Mateus 18, Jesus nos disse que quando um irmão ou irmã peca contra nós, devemos ir diretamente à pessoa e tentar resolver o problema. Nós devemos falar com a pessoa, e não sobre a pessoa. Isso soa como algo simples, mas não é praticado com frequência. Quando de fato resolvemos o problema, crescemos em paciência, tolerância, habilidade de perdoar, em abençoar aqueles que nos magoam, entre outros aspectos. Em outras palavras, nos tornaremos mais como Cristo.

Spanish blog:

Una extraña forma de crecer

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Cuando nos convertimos en parte de un grupo celular, podemos conocer a otras personas bastante bien. Eso puede ser divertido y satisfactorio. La comunidad también es fundamental para crecer espiritualmente, pero no siempre de la manera que esperamos.

Sí, estudiaremos la Biblia y oraremos en nuestro grupo. Aprenderemos del ejemplo de otros y nos uniremos juntos en la misión de Jesús. Pero hay otra manera de crecer: a través del conflicto.

Cuando nos acercamos a los demás, podemos pisar los dedos del otro. Podríamos sentirnos heridos por algo que alguien dice o hace. Luego viene el momento de crecimiento. Tenemos varias opciones:

  1. a) Salir del grupo
  2. b) Quejarse con otras personas
  3. c) Guardar silencio
  4. d) Hacer lo que Jesús enseñó.

En Mateo 18, Jesús nos dijo que cuando un hermano o hermana peca contra nosotros, debemos ir directamente a la persona y tratar de resolver el conflicto. Debemos hablar con la persona, no hablar de la persona. Esto suena simple, pero no se practica a menudo. Cuando resolvamos el problema, habremos crecido en nuestra paciencia, tolerancia, capacidad de perdonar, bendiciendo a quienes nos lastiman. En otras palabras, nos volveremos más como Cristo.

One Step at a Time

By Joel Comiskey, check out  coaching 

At one time in my life, I wanted to sing solos, so I took voice lessons in preparation. However, I made a big mistake. I tried to sing my first solo too early in the process. I made my debut before the gathered church one Sunday night. My voice cracked, I felt embarrassed, received some criticism, and decided I didn’t want to do that again. The large audience wasn’t merciful to my mistakes. In reality, I should have started in a smaller setting, learned from my mistakes, and made the necessary corrections.

Jesus chose the small group atmosphere to prepare his disciples. They learned and grew in the small group as they walked with the Master, made mistakes, reflected on what they learned, and then received new challenges. When the disciples first joined Christ’s group, they had little knowledge of what they were getting into. But along the way, they took on more challenges,which led all the way to the cross and resurrection. After the resurrection, they received the Holy Spirit’s power, and continued to take steps of faith to lead the early church.

Often people come into the cell group with very little experience in the Christian faith. The leader’s job is to keep them moving forward, while keeping two main principles in mind:

  1. Don’t raise the bar too high. That is, help them to succeed by taking baby sets. Rather, than having them lead the lesson right away, for example, start with an ice-breaker, a word of encouragement to someone, or picking their favorite worship song.
  2. Be a fanatic for encouragement. Find something positive to say about the step of faith. “Great choice of song, Jim.” “Great ice-breaker, Mary.” “Thanks for that wonderful encouragement,” Juan. For every criticism or correction, generously give 4 or 5 encouraging words.

People are far more likely to take the next step in the journey if they first take baby steps followed by loads of encouragement.

I look back with amusement at the time I tried to sing a solo in a Sunday night church service. I can laugh about it now, but it wasn’t funny at the time. I also learned important lessons from that experience: I didn’t take sufficient baby steps, and I I didn’t get needed encouragement and corrections in a smaller setting.

Each of us has a long way to go and are in different places in the Christian life. Some of you reading this blog are apostles of large church networks. Others are new members of a cell group. But each person, regardless of where they are in the Christian life, follows a similar pattern of taking one step, followed by another, and then another. As Paul said, “Since we live by the Spirit, let us keep in step with the Spirit” (Galatians 5:25).

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

One Step at a Time

By Joel Comiskey

Em uma época da minha vida, eu queria cantar solos, então fiz aulas de voz para me preparar. No entanto, cometi um grande erro. Eu tentei cantar meu primeiro solo muito cedo no processo. Fiz minha estreia diante da igreja reunida em um domingo à noite. Minha voz falhou, me senti envergonhado, recebi algumas críticas e decidi que não queria fazer isso de novo. O grande público não foi misericordioso com meus erros. Na verdade, eu deveria ter começado em um ambiente menor, aprendido com meus erros e feito as correções necessárias.

Jesus escolheu a atmosfera de pequenos grupos para preparar seus discípulos. Eles aprenderam e cresceram no pequeno grupo enquanto caminhavam com o Mestre, cometeram erros, refletiram sobre o que aprenderam e depois receberam novos desafios. Quando os discípulos se juntaram ao grupo de Cristo pela primeira vez, eles tinham pouco conhecimento de onde estavam se metendo. Mas ao longo do caminho, eles enfrentaram mais desafios, atravessando a cruz e a ressurreição. Depois da ressurreição, eles receberam o poder do Espírito Santo e continuaram a tomar passos de fé para liderar a Igreja Primitiva.

Muitas vezes as pessoas entram na célula com pouca experiência na fé cristã. O trabalho do líder é mantê-los avançando, tendo dois grandes princípios em mente:

  1. Não levante a barra muito alto. Isto é, ajude-os a ter sucesso tomando passos de bebê. Em vez de fazê-los liderar a lição/palavra imediatamente, por exemplo, comece com um quebra-gelo, uma palavra de encorajamento para alguém ou escolher sua música de adoração favorita.
  2. Seja um fanático por encorajamento. Encontre algo positivo para dizer sobre o passo da fé. “Ótima escolha de música, João”. “Grande quebra-gelo, Maria”. “Obrigado por esse incentivo maravilhoso, José”. Para cada crítica ou correção, generosamente dê 4 ou 5 palavras encorajadoras.

É muito mais provável que as pessoas deem o próximo passo na jornada se derem um passo de bebê, seguido de muito encorajamento.

Olho para trás e me divirto com a época em que tentei cantar um solo em um culto de domingo à noite. Eu posso rir disso agora, mas não foi engraçado na época. Eu também aprendi uma lição importante com essa experiência. Eu não dei passos de bebê suficientes, e eu não recebi incentivo e correções necessárias em um ambiente menor.

Cada um de nós tem um longo caminho a percorrer e está em lugares diferentes na vida cristã. Alguns de vocês que estão lendo este blog são apóstolos de grandes redes de igrejas. Outros são novos membros de uma célula. Mas cada pessoa, independentemente de onde esteja na vida cristã, segue um padrão similar de dar um passo, seguido de outro e depois outro. Como Paulo disse: “Se vivemos em Espírito, andemos também em Espírito” (Gálatas 5:25).

Spanish  blog: 

Un paso a la vez

Por Joel Comiskey

En un momento de mi vida, quise cantar, así que tomé clases de canto en preparación. Sin embargo, cometí un gran error, traté de cantar mi primer solo demasiado temprano en el proceso. Hice mi debut ante la iglesia un domingo por la noche. Se me quebró la voz, me sentí avergonzado, recibí algunas críticas y decidí que no quería volveria a cantar de nuevo. La gran audiencia no fue misericordiosa con mis errores. En realidad, debería haber comenzado en un entorno más pequeño, aprendiendo de mis errores y haciendo las correcciones necesarias.

Jesús eligió el ambiente de los grupos celulares para preparar a sus discípulos. Aprendieron y crecieron en el pequeño grupo mientras caminaban con el Maestro, cometieron errores, reflexionaron sobre lo que aprendieron y luego recibieron nuevos desafíos. Cuando los discípulos se unieron por primera vez al grupo de Cristo, tenían poco conocimiento de lo que se estaban metiendo. Pero en el camino, asumieron más desafíos, hasta llegar a la cruz y la resurrección. Después de la resurrección, recibieron el poder del Espíritu Santo y continuaron dando pasos de fe para dirigir la iglesia primitiva.

A menudo las personas ingresan al grupo celular con muy poca experiencia en la fe cristiana. El trabajo del líder es mantenerlos avanzando, manteniendo dos principios principales en mente:

No eleve la barra demasiado alto. Es decir, ayúdalos a tener éxito tomando procesos para bebés. En lugar de hacer que enseñen la lección de inmediato, por ejemplo, comience con un rompehielos, una palabra de aliento para alguien o escogiendo su canción de adoración favorita.

Se un fanático para aliento. Encuentra algo positivo que decir sobre el paso de fe. “Gran elección de canción, Jim.” “Gran rompehielos, Mary.” “Gracias por esas maravillosas palabras de aliento”, Juan. Por cada crítica o corrección, generosamente dales 4 o 5 palabras alentadoras.

Las personas son mucho más propensas a dar el siguiente paso en el viaje si primero dan un pequeño paso seguido de un montón de estímulo.

Miro hacia atrás con una sonrisa en el rostro, en el momento en que intenté cantar un solo en un servicio de la iglesia el domingo por la noche. Ahora puedo reírme de eso , pero no fue divertido en ese momento. También aprendí una lección importante de esa experiencia; no di suficientes pasos de bebé, y no recibí el estímulo y las correcciones necesarios de un entorno más pequeño.

Cada uno de nosotros tiene un largo camino por recorrer y se encuentran en diferentes lugares de la vida cristiana. Algunos de los que leen este blog son apóstoles de grandes redes de iglesias, otros son nuevos miembros de un grupo celular. Pero cada persona, independientemente de dónde se encuentre en la vida cristiana, sigue un patrón similar de dar un paso, seguido por otro y luego otro. Como dijo Pablo: “Si vivimos por el Espíritu, andemos también por el Espíritu” (Gálatas 5:25).

No blogs this next week

By Joel Comiskey, check out  coaching 

No blogs this next week. We’ll continue on Monday, July 16. God bless you.

Portuguese: 

Nós não teremos nenhum blog na próxima semana. Continuaremos blogando na segunda-feira, 16 de julho. Deus te abençoe.

Spanish: 

No vamos a tener los blogs la próxima semana. Vamos a continuar el lunes, 16 de Julio. Dios te bendiga.