Blog

Cells and The New Testament

By Keith Bates, founding pastor of New Life Church in Narrabri, Australia, www.new-life.org.au

I love the fact that Cell Church is not a recent invention, but has always been at the heart of the way God’s people have discipled one another.

The Great Commission that Christ gave the church was to “Go and make disciples of all nations” (Matthew 28:19). Evangelism is an important part of the process, but it is only the start, in the same way that childbirth is just the start of parenting. Maturity is the goal in both cases.

Just as Jesus ministered to both “the crowds” and the Twelve, the church has often recognized that effective ministry has to operate as both celebration and cell.

In the New Testament, we are given many commands that end in “one another.” These are the practical daily keys to growing in maturity as followers of Christ.

The most well-known of these commands is Jesus’ command: “A new command I give you: Love one another. As I have loved you, so you must love one another.” (John 13:34).  Love is a personal thing. You cannot love a thousand people in a large group. It is possible to love one another in a much smaller group where there is space to get to know one another and to share deeply.

In Romans 12:16, Paul tells us to “Live in harmony with one another.” I live in a town of 7000 people. We don’t need instruction to live in harmony with one another. As long as we show consideration for one another, remember to drive on the correct side of the road and don’t make too much noise at night, everyone is happy. When you need instruction to live in harmony with one another, that suggests that people are close up and personal and need to make adjustments to their words and actions. We call that love in action.

Paul tells the church at Colossae (and us also), “Let the message of Christ dwell among you richly as you teach and admonish one another with all wisdom through psalms, hymns, and songs from the Spirit, singing to God with gratitude in your hearts. (Colossians 3:16). There is a measure of openness here that cannot be seen in a big group. Admonishing is counseling or exhorting someone to a course of action. That is very uncomfortable in a medium or large-sized group. But it is what groups of 6 to 12 people do very well.

As you search through the Scriptures and find so many “one another” commands, you realize just how intimate and caring relationships in the church are meant to be.

We are called to live together in an open community where deep and loving relationships develop, but which encourages new members to feel included.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Células e o Novo Testamento

Por Keith Bates, pastor fundador da Igreja New Life em Narrabri, Austrália,  www.new-life.org.au

Eu amo o fato de que a Igreja em células não é uma invenção recente, mas sempre esteve no centro da forma como o povo de Deus se discipulou.

A Grande Comissão que Cristo deu à igreja foi “Ide e fazei discípulos de todas as nações” (Mateus 28:19). O Evangelismo é uma parte importante do processo, mas é apenas o começo, da mesma forma que o nascimento de uma criança é apenas o início da paternidade. A maturidade é o objetivo em ambos os casos.

Assim como Jesus ministrou às “multidões” e aos Doze, a igreja frequentemente reconheceu que o ministério eficaz deve operar tanto como celebração quanto como célula.

No Novo Testamento, recebemos muitos comandos que terminam em “um ao outro”. Estas são as chaves práticas diárias para crescer em maturidade como seguidores de Cristo.

O mais conhecido desses mandamentos é o mandamento de Jesus: “Um novo mandamento eu lhes dou: amem uns aos outros. Assim como eu amei vocês, vocês devem amar uns aos outros. ” (João 13:34). O amor é uma coisa pessoal. Você não pode amar mil pessoas em um grande grupo. É possível amar uns aos outros em um grupo muito menor, onde há espaço para nos conhecermos e compartilharmos profundamente.

Em Romanos 12:16, Paulo nos diz para “viver em harmonia uns com os outros”. Eu moro em uma cidade de 7.000 pessoas. Nós não precisamos de instruções para viver em harmonia uns com os outros. Contanto que nós mostremos consideração um pelo outro, lembrar-se de dirigir no lado correto da estrada e não fazer muito barulho à noite, todos ficarão felizes. Quando você precisa de instruções para viver em harmonia uns com os outros, isso sugere que as pessoas são próximas e pessoais e precisam fazer ajustes em suas palavras e ações. Chamamos isso de amor em ação.

Paulo diz à igreja em Colossos (e a nós também): “Que a mensagem de Cristo habite entre vocês ricamente enquanto ensinam e admoestam uns aos outros com toda a sabedoria por meio de salmos, hinos e canções do Espírito, cantando a Deus com gratidão em corações. (Colossenses 3:16). Há uma certa abertura aqui que não pode ser vista em um grande grupo. Admoestar é aconselhar ou exortar alguém a um determinado curso de ação. Isso é muito desconfortável em um grupo de médio ou grande porte. Mas é o que grupos de 6 a 12 pessoas fazem muito bem.

Ao pesquisar as Escrituras e encontrar tantos mandamentos “uns para os outros”, você percebe como os relacionamentos íntimos e atenciosos na igreja devem ser.

Nós somos chamados a viver juntos em uma comunidade aberta, onde relacionamentos profundos e amorosos se desenvolvem, mas que encoraja os novos membros a se sentirem incluídos.

Spanish blog:

Células y el Nuevo Testamento

Por Keith Bates, pastor fundador de New Life Church en Narrabri, Australia, www.new-life.org.au

Me encanta el hecho de que La Iglesia Celular no es una invención reciente, sino que siempre ha estado en el centro de la forma en que el pueblo de Dios se ha discipulado entre sí.

La Gran Comisión que Cristo le dio a la iglesia fue “Id y haced discípulos a todas las naciones” (Mateo 28:19). El evangelismo es una parte importante del proceso, pero es solo el comienzo, de la misma manera que el nacimiento de un hijo es solo el comienzo de la paternidad. La madurez es el objetivo en ambos casos.

Así como Jesús ministró tanto a “las multitudes” como a los Doce, la iglesia a menudo ha reconocido que el ministerio eficaz tiene que operar tanto como celebración y célula.

En el Nuevo Testamento se nos dan muchos mandamientos que terminan en “unos a otros”. Estas son las claves prácticas diarias para crecer en la madurez como seguidores de Cristo.

El más conocido de estos mandatos es el mandamiento de Jesús: “Un mandamiento nuevo os doy: Amaos los unos a los otros. Como yo los he amado, deben amarse unos a otros “. (Juan 13:34). El amor es algo personal. No se puede amar a mil personas en un grupo grande. Es posible amarse unos a otros en un grupo mucho más pequeño donde hay espacio para conocerse y compartir profundamente.

En Romanos 12:16, Pablo nos dice que “vivamos en armonía unos con otros”. Vivo en una ciudad de 7000 habitantes. No necesitamos instrucción para vivir en armonía unos con otros. Siempre que demostremos consideración por los demás, recuerde conducir por el lado correcto de la carretera y no hacer demasiado ruido por la noche, así todos están felices. Cuando se necesita instrucción para vivir en armonía unos con otros, eso sugiere que las personas son cercanas y personales y necesitan hacer ajustes a sus palabras y acciones. A eso lo llamamos amor en acción.

Pablo le dice a la iglesia de Colosas (y también a nosotros): “Que el mensaje de Cristo more en abundancia entre ustedes mientras se enseñan y se exhortan unos a otros con toda sabiduría mediante salmos, himnos y cánticos del Espíritu, cantando a Dios con gratitud en su corazones. (Colosenses 3:16). Aquí hay una medida de apertura que no se puede ver en un grupo grande. Amonestar es aconsejar o exhortar a alguien a seguir un curso de acción. Eso es muy incómodo en un grupo de tamaño mediano o grande. Pero es lo que hacen muy bien grupos de 6 a 12 personas.

A medida que busca en las Escrituras y encuentra tantos mandamientos “unos a otros”, se da cuenta de cuán íntimas y afectuosas deben ser las relaciones en la iglesia.

Estamos llamados a vivir juntos en una comunidad abierta donde se desarrollan relaciones profundas y amorosas, pero que anima a los nuevos miembros a sentirse incluidos.

Small Units, Big Movements

By Robert Lay, Cell Church Ministry Brazil, www.celulas.com.br

Cells are small units of big movements. There were small group movements throughout history. These movements arose from New Testament ecclesiology. But they were silenced by the inquisition of the Roman Church.

One of these early movements before and during the reformation times were the Anabaptists. The most expressive leaders of this movement were Conrad Grebel, Felix Manz, and Menno Simons. They believed that the houses of the converts were the basic units of the church.  Because of fierce persecution, they had no buildings and no fixed addresses.

This is the reality of the majority of fast-growing movements. The Anabaptists, for example, distributed copies of the Sermon on the Mount from house to house as they shared their faith and baptized new converts. The Anabaptists were a  visible threat to the organized churches of the time–Catholic, Lutheran, and Calvinist.

The Anabaptist leaders were harshly persecuted and had to be in constant motion as they moved from town to town. This also helped to spread the message of the gospel to all parts of the land—Switzerland, Austria, Germany, and the Netherlands.

I was invited to speak at a Pentecostal Conference of the Baptists in South Germany. The meetings were held in one part of a forest where the original Anabaptists used to gather when hiding from the Police. There was a big rock they used as the pulpit. They called it the “Geist Stein,” the rock of the Spirit, meaning the Holy Spirit.

In the city of Schwaebisch Gmuend the Cathedral had a dungeon where the Anabaptists were held as prisoners and actually eaten by big rats.

Today in Brazil, the cell movement has grown enormously. We started the teachings of the year of transition, helping churches to transition to cells in 1997 with Dr. Ralph Neighbour. Since then, we have trained more than 25.000 thousand pastors and leaders from almost all denominations. Now we have several movements of cell churches that arose from Dr. Neighbour’s teachings.

We have also had lots of input from other leaders like Dr. Joel Comiskey, Dr. Bill Beckham, Eddy Leo, Mario Vega, Ben Wong, Harold Weitz, and others. Movements have also started in other Latin American countries like Mexico, Peru, Chile, Bolivia, Argentina, and Paraguay.

To start a movement, it’s essential to have the Moment, the Materials, and the Men (and women). In my opinion, we are at a point of no return in the cell movement.

Today, it’s not possible to gather in large crowds because of the virus. Cell churches are way ahead of program and “show” based churches. Even though everyone is meeting online, nothing compares to the basic Christian units meeting as small groups in houses. They can grow continuously.

HELP US GOD!

Robert M. Lay,  Cell Church Movement Brazil

Korean blog (Click here)

Portuguese blog:

Pequenas unidades, grandes movimentos

Por Robert Lay, www.celulas.com.br

As células são pequenas unidades de grandes movimentos. Houve movimentos de pequenos grupos ao longo da história. Esses movimentos surgiram da eclesiologia do Novo Testamento. Mas eles foram silenciados pela inquisição da Igreja Romana.

Um desses primeiros movimentos antes e durante os tempos da reforma foram os anabatistas. Os líderes mais expressivos desse movimento foram Conrad Grebel, Felix Manz e Menno Simons. Eles acreditavam que as casas dos convertidos eram as unidades básicas da igreja. Por causa da perseguição feroz, eles não tinham prédios e nem endereços fixos.

Essa é a realidade da maioria dos movimentos de rápido crescimento. Os anabatistas, por exemplo, distribuíram cópias do Sermão da Montanha de casa em casa enquanto compartilhavam sua fé e batizavam novos convertidos. Os anabatistas eram uma ameaça visível para as igrejas organizadas da época – católica, luterana e calvinista.

Os líderes anabatistas foram duramente perseguidos e tiveram que estar em constante movimento enquanto se mudavam de cidade em cidade. Isso também ajudou a espalhar a mensagem do evangelho em todas as partes do país – Suíça, Áustria, Alemanha e Holanda.

Eu fui convidado para falar em uma Conferência Pentecostal dos Batistas no sul da Alemanha. As reuniões foram realizadas em uma parte da floresta onde os anabatistas originais costumavam se reunir quando se escondiam da polícia. Havia uma grande pedra que eles usaram como púlpito. Eles a chamaram de “Geist Stein”, a rocha do Espírito, que significa o Espírito Santo.

Na cidade de Schwaebisch Gmuend, a Catedral tinha uma masmorra onde os anabatistas eram mantidos como prisioneiros e na verdade comidos por grandes ratos.

Hoje no Brasil, o movimento de células cresceu enormemente. Nós começamos os ensinamentos do ano de transição, ajudando as igrejas na transição para células em 1997 com o Dr. Ralph Neighbour. Desde então, nós treinamos mais de 25.000 mil pastores e líderes de quase todas as denominações. Agora nós temos vários movimentos de igrejas em células que surgiram dos ensinamentos do Dr. Neighbour.

Nós também recebemos muitas sugestões de outros líderes, como Dr. Joel Comiskey, Dr. Bill Beckham, Eddy Leo, Mario Vega, Ben Wong, Harold Weitz e outros. Movimentos também começaram em outros países latino-americanos como México, Peru, Chile, Bolívia, Argentina e Paraguai.

Para iniciar um movimento, é essencial ter o Momento, os Materiais e os Homens (e mulheres). Na minha opinião, nós estamos em um ponto sem volta no movimento celular.

Hoje, não é possível reunir grandes multidões por causa do vírus. As igrejas em células estão muito à frente das igrejas baseadas em programas e “espetáculos”. Embora todos estejam se reunindo online, nada se compara às unidades básicas cristãs que se reúnem em pequenos grupos em casas. Eles podem crescer continuamente.

AJUDE-NOS DEUS!

Robert M. Lay

Movimento Igreja m Célula Brasil

Spanish blog:

Unidades pequeñas, grandes movimientos

 

Por Robert Lay, www.celulas.com.br

 

Las células son pequeñas unidades de grandes movimientos. Hubo pequeños movimientos de grupos a lo largo de la historia. Estos movimientos surgieron de la eclesiología del Nuevo Testamento. Pero fueron silenciados por la inquisición de la Iglesia Romana.

 

Uno de estos primeros movimientos antes y durante los tiempos de la reforma fueron los anabautistas. Los líderes más expresivos de este movimiento fueron Conrad Grebel, Felix Manz y Menno Simons. Creían que las casas de los conversos eran las unidades básicas de la iglesia. Debido a la feroz persecución, no tenían edificios ni direcciones fijas.

 

Esta es la realidad de la mayoría de los movimientos de rápido crecimiento. Los anabautistas, por ejemplo, distribuyeron copias del Sermón del Monte de casa en casa mientras compartían su fe y bautizaban a los nuevos conversos. Los anabautistas eran una amenaza visible para las iglesias organizadas de la época: católica, luterana y calvinista.

 

Los líderes anabautistas fueron perseguidos duramente y tuvieron que estar en constante movimiento mientras se trasladaban de pueblo en pueblo. Esto también ayudó a difundir el mensaje del evangelio a todas partes del país: Suiza, Austria, Alemania y los Países Bajos.

 

Me invitaron a hablar en una Conferencia Pentecostal de los Bautistas en el sur de Alemania. Las reuniones se llevaron a cabo en una parte de un bosque donde los anabautistas originales solían reunirse cuando se escondían de la policía. Había una gran roca que usaban como púlpito. Lo llamaron el “Geist Stein”, la roca del Espíritu, es decir, el Espíritu Santo.

 

En la ciudad de Schwaebisch Gmuend, la Catedral tenía un calabozo donde los anabautistas eran prisioneros y devorados por grandes ratas.

 

Hoy en Brasil, el movimiento celular ha crecido enormemente. Comenzamos las enseñanzas del año de la transición, ayudando a las iglesias a realizar la transición a las células en 1997 con el Dr. Ralph Neighbour. Desde entonces, hemos capacitado a más de 25.000 mil pastores y líderes de casi todas las denominaciones. Ahora tenemos varios movimientos de iglesias celulares que surgieron de las enseñanzas del Dr. Neighbour.

 

También hemos recibido muchas aportaciones de otros líderes como el Dr. Joel Comiskey, el Dr. Bill Beckham, Eddy Leo, Mario Vega, Ben Wong, Harold Weitz y otros. También se han iniciado movimientos en otros países latinoamericanos como México, Perú, Chile, Bolivia, Argentina y Paraguay.

 

Para iniciar un movimiento, es fundamental contar con el Momento, los Materiales y los Hombres (y mujeres). En mi opinión, estamos en un punto sin retorno en el movimiento celular.

 

Hoy en día, no es posible reunirse en grandes multitudes debido al virus. Las iglesias celulares están muy por delante de las iglesias basadas en programas y espectáculos. Aunque todos se están reuniendo en línea, nada se compara con las unidades cristianas básicas que se reúnen como pequeños grupos en las casas. Pueden crecer continuamente.

 

¡AYÚDANOS DIOS!

 

Robert M. Lay

Movimiento de iglesias celulares Brasil

Pressed But Not Crushed

By Stephen Daigle, College and Young Adult Pastor at Celebration Church, www.celebrationchurch.org

If you look back on church history, you will see that God uses times like these to grow and purify the church. When Epidemic and Plagues happened, it was the Christians who stood out from the rest of society. Cyprian, bishop of Carthage, seems almost to have welcomed the epidemic of his time saying “These are trying exercises for us, not deaths; they give to the mind the glory of fortitude; by contempt of death they prepare for the crown.”

We should be able to feel what Paul was feeling when he wrote “We are hard-pressed on every side, but not crushed; perplexed, but not in despair; persecuted, but not abandoned; struck down, but not destroyed. (2 Corinthians 4:8-9)

Even though our current reality is challenging, we should be encouraged by the resiliency of the church of God. I’ve heard pastors who have focused on cell ministry long before the pandemic say, “ 2020 was our greatest year of ministry where we saw the most amount of people get connected to cells.” If history has taught us anything, it’s that nothing can stop God from building His kingdom while he uses what the enemy meant for evil for good (Genesis 50:20).

Don’t be discouraged. We aren’t the first believers to face challenges like this. Keep plowing the field God has assigned to you. It takes pressure for carbon to become a diamond. Don’t be dismayed by what you hear, but be encouraged by what you know.

Read this passage from Hebrews chapter 12 and be encouraged. “Keep your eyes on Jesus, who both began and finished this race we’re in. Study how he did it. Because he never lost sight of where he was headed—that exhilarating finish in and with God—he could put up with anything along the way: Cross, shame, whatever. And now he’s there, in the place of honor, right alongside God. When you find yourselves flagging in your faith, go over that story again, item by item, that long litany of hostility he plowed through. That will shoot adrenaline into your souls!” (Hebrews 12:1-2 MSG)

Don’t give up. Keep running. Keep leading. Keep pushing.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Atribulados, porém não angustiados

Stephen Daigle, Celebration Church, www.celebrationchurch.org

Se você olhar a história da Igreja, verá que Deus usa momentos como este que vivemos atualmente para purificar e fazer crescer sua Igreja. Quando epidemias e pragas apareceram, foram os cristãos que se destacaram do resto da sociedade. Cipriano, Bispo de Cartagena, parecia até dar boas-vindas à epidemia em seu tempo quando disse: “Tudo isso que nos acontece é como se estivéssemos nos exercitando e não caminhando para a morte; isso traz às nossas mentes a glória da fortaleza; contemplando a morte, preparamo-nos para a coroa.”

Nós deveríamos conseguir sentir o que Paulo sentiu quando ele escreveu: “Em tudo somos atribulados, porém não angustiados; perplexos, porém não desanimados; perseguidos, porém não desamparados; abatidos, porém não destruídos.” 2 Coríntios 4:8-9

Apesar de a situação atual ser um verdadeiro desafio, deveríamos nos sentir encorajados pela resiliência da Igreja de Deus. Tenho ouvido este testemunho de pastores que focaram seus esforços no ministério em células muito antes da pandemia acontecer: “2020 foi o maior ano de nosso ministério; vimos o maior número de pessoas conectarem-se em células.” Se a história nos ensinou algo, o ensino é de que nada pode impedir a Deus de construir o Seu Reino; Ele usa para o bem até o que o inimigo planejou para o mal (Genesis 50:20)

Não se permita desencorajar. Nós não somos os primeiros crentes a encarar desafios como estes. Continue a arar o campo que Deus entregou em suas mãos. O carbono precisa de muita pressão para se tornar um diamante. Não fique desanimado pelo que chega a seus ouvidos, mas sinta-se encorajado pelo que você sabe.

Leia o texto de Hebreus capítulo 12 e se permita encorajar: “Portanto, também nós, visto que temos a rodear-nos tão grande nuvem de testemunhas, desembaraçando-nos de todo peso e do pecado que tenazmente nos assedia, corramos, com perseverança, a carreira que nos está proposta, olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus, o qual, em troca da alegria que lhe estava proposta, suportou a cruz, não fazendo caso da ignomínia, e está assentado à destra do trono de Deus.” Hebreus 12:1-2

Não desista. Continue a corrida. Continue liderando. Continue se esforçando.

Spanish blog:

Presionado pero no aplastado

 

Por Stephen Daigle, Celebration Church, www.celebrationchurch.org

 

Si miras hacia atrás en la historia de la iglesia, verás que Dios usa tiempos como estos para hacer crecer y purificar a la iglesia. Cuando sucedieron las epidemias y las plagas, fueron los cristianos quienes se destacaron del resto de la sociedad. Cipriano, obispo de Cartago, casi parece haber acogido con satisfacción la epidemia de su tiempo diciendo: “Estos son ejercicios de prueba para nosotros, no muertes; dan a la mente la gloria de la fortaleza; por el desprecio de la muerte se preparan para la corona ”.

 

Deberíamos poder sentir lo que Pablo estaba sintiendo cuando escribió: “Estamos en apuros por todos lados, pero no aplastados; perplejo, pero no desesperado; perseguido, pero no abandonado; derribados, pero no destruidos “(2 Corintios 4: 8-9).

 

Aunque nuestra realidad actual es desafiante, la fortaleza de la iglesia de Dios debería animarnos. He escuchado a pastores que se han enfocado en el ministerio celular mucho antes de la pandemia decir: “2020 fue nuestro mejor año de ministerio, donde vimos la mayor cantidad de personas conectadas a las células”. Si la historia nos ha enseñado algo, es que nada puede evitar que Dios construya Su reino mientras usa lo que el enemigo quiso hacer para mal por bien (Génesis 50:20).

 

No te desanimes. No somos los primeros creyentes en enfrentar desafíos como este. Sigue arando el campo que Dios te ha asignado. Se necesita presión para que el carbón se convierta en un diamante. No te desanimes por lo que oyes, pero anímate por lo que sabes.

 

Lee este pasaje del capítulo 12 de Hebreos y anímate. “Por tanto, también nosotros, que estamos rodeados de una multitud tan grande de testigos, despojémonos del lastre que nos estorba, en especial del pecado que nos asedia, y corramos con perseverancia la carrera que tenemos por delante. Fijemos la mirada en Jesús, el iniciador y perfeccionador de nuestra fe, quien, por el gozo que le esperaba, soportó la cruz, menospreciando la vergüenza que ella significaba, y ahora está sentado a la derecha del trono de Dios.” Cuando te encuentres flaqueando en tu fe, repasa esa historia de nuevo, artículo por artículo, esa larga letanía de hostilidad que él abrió. ¡Eso disparará adrenalina a sus almas! ” (Hebreos 12: 1-2 MSG)

 

No te rindas. Sigue corriendo. Sigue liderando. Sigue empujando.

John Wesley and Cell Ministry

By Gerardo Campos, District pastor at Elim Church, San Salvador, El Salvador, www.elim.org.sv

In 1738 John Wesley, a British Anglican clergyman and theologian, began meeting with friends in a small group to pray, study the Bible, and encourage one another. Mocking their group, those who knew them called his group a “holy club.”

Later, Wesley established small groups that changed England, which he called classes. In order to attend a society meeting, each person was asked for an entrance ticket that he could only receive by attending a “class meeting” (very close to cell groups).  Wesley believed that conversions without attending a small group were not worth much.

And we would agree that conversions that happen while listening to an expert preacher are often not as long-lasting as those which take place among a smaller family of believers. The reality is that the best, most long-lasting conversion takes place in the cells of ordinary Christians. In Elim, most of the people who attend the congregation to participate in one of our six congregational services on Sunday come from a home cell.  since our meetings are open to non-believers they have, among other elements, a strong evangelizing focus.

We have learned from the Bible and church history that small groups are the best way to make disciples who make disciples. At the end of his life, John Wesley had managed to open 10,000 “classes”, with an average attendance of 100,000 people. It was the largest church in the world at that time. God is so good to inspire us through church history.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

João Wesly e o Ministério em Células

Gerardo Campos, Pastor Distrital na Igreja Elim, São Salvador, El Salvador, www.elim.org.sv

Em 1738 João Wesley, um clérigo e teólogo da Igreja Anglicana começou a reunir-se com amigos em pequenos grupos para orar, estudar a Bíblia e encorajarem-se mutuamente. Como uma forma de criticá-los, algumas pessoas passaram a chamar estes encontros de “Clubes Santos”.

Algum tempo depois, Wesley estabeleceu pequenos grupos que mudaram a Inglaterra, que ele chamou de Classes. Para frequentar um encontro da Sociedades, cada pessoa precisava apresentar um tipo de ingresso que somente receberia se estivesse frequentando um dos pequenos grupos chamados de “Classes” (bem próximo do que seriam as células hoje em dia). Wesley acreditava que as conversões que não estivessem acompanhadas da frequência a um pequeno grupo não eram muito valiosas.

Nós também concordamos que as conversões que acontecem ao ouvir um bom pregador muitas vezes não duram tanto quanto aquelas que acontecem em meio a uma pequena família de crentes. A realidade é que as melhores conversões, as que realmente duram, acontecem nas células de Cristãos. Na igreja Elim, a maior parte das pessoas que frequentam a igreja para participar de um dos seis cultos dominicais vêm de uma célula que acontece em um dos lares. Como nossos encontros são abertos aos não-crentes, eles tem um foco fortemente evangelístico, entre outros elementos.

Nós aprendemos na Bíblia e pela história da igreja que os pequenos grupos são a melhor maneira de fazer discípulos que fazem discípulos. Ao final de sua vida, João Wesley tinha formado 10.000 “Classes”, com uma frequência média de 100.000 pessoas. Era a maior igreja do mundo naquele tempo. Deus é muito Bom e nos inspira através da história da igreja.

Spanish blog:

Juan Wesley y las Células

En el año de 1738 Juan Wesley, clérigo y teólogo anglicano británico, comenzó a reunirse con amigos en grupos pequeños para orar, estudiar la Biblia y animarse unos a otros. A manera de burla quienes les conocieron los llamaban  “círculos santos”.

Más tarde los grupos de Wesley llegaron a ser células (llamado classes en aquel entonces). Resulta curioso que para poder asistir una reunión de la sociedad grande, Los Metodistas se solicitaban a cada persona un boleto de entrada que solamente podía recibirse al asistir a una “classe”.

Wesley creía que las conversiones sin asistir a un grupo pequeño no valían mucho. Al descubrir  ahora que existen ideas acerca de la evangelización que se basan en mitos, podríamos darle la razón, ya que comúnmente pensamos que las conversiones son el resultado de escuchar a predicadores expertos, cuando la realidad es que la mayoría de convertidos son un proceso llevado a cabo desde las células por cristianos comunes y corrientes.

En Elim la mayoría de personas que asisten a la congregación para participar de alguno de nuestros seis servicios congregacionales el día domingo, provienen de una célula de hogar, ya que nuestras reuniones son abiertas a los no creyentes por lo que poseen entre otros elementos un fuerte sentido evangelizador. Hemos aprendido de la historia cuando encontramos en ella los grandes principios bíblicos sobre las células llevados a la práctica. Al final de su vida Juan Wesley había logrado abrir 10,000 “classes”, con una asistencia promedio de 100,000 personas. Fue la iglesia más grande del mundo en su época.

John Wesley: Right Beliefs, Right Action, and Right Heart

By Rob Campbell, Founding Pastor, www.cypresscreekchurch.com

In the mid-eighteenth century, John Wesley organized five interlocking groups for those who desired to walk with Jesus.  They were: 

1.  Society—an assembly of all interested persons,

2.  Class Meeting—a small group of ten to twelve members trying to follow Christ in their day-to-day behavior,

3.  Band—an even smaller group of people desiring to deepen their spirituality,

4.  Select Society—an elite corps of those training to be leaders, and

5.  Penitent Band—a group for those trying to overcome all their sinful habits and go on to perfection (Malony, 2010). 

In Wesley’s view, sanctification is best experienced in the context of community.  Wesley stated, “Never encourage the devil by snatching souls from him that you cannot nurture” (Collins & Tyson, 2001, p. 213).  Wesley believed that participation in the various groups (specifically, the band) led to a sanctified life.  He believed that sanctification was growth in love, and it involved one’s entire life. 

Dr. Gregory Clapper, Professor of Religion and Philosophy at the University of Indianapolis, describes Wesley’s beliefs concerning sanctification through three components: right beliefs (orthodoxy), right action (orthopraxis), and right heart (orthokardia).  Orthopraxis is a life-long process of growing in holiness, pious actions, and acts of love.  Orthopraxis, however, will never come to fruition without an accurate understanding of who God is and what He has done through the sacrificial death of his Son, Jesus Christ.  Wesley believed that one could have right actions and right beliefs but still lack heart change.  If conversion and spiritual formation were to take place, then the orthokardia must take place to produce disciples of Jesus Christ.  He would oppose the preaching of the gospel of grace that failed to emphasize bonding and living faithfully in community (Collins & Tyson, 2001).

Now, I have a question for you to ponder.  Do you see any similarities between Wesley’s groups and the church where you serve?

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

John Wesley: Crenças Corretas, Ação Correta e Coração Correto

Por Rob Campbell, Pastor Fundador, www.cypresscreekchurch.com

Em meados do século dezoito, John Wesley organizou cinco grupos interligados para aqueles que desejavam andar com Jesus. Eles eram:

  1. Sociedade – uma assembleia de todas as pessoas interessadas
  2. Reunião de classe – um pequeno grupo de dez a doze membros tentando seguir a Cristo em seu comportamento diário,
  3. Banda – um grupo ainda menor de pessoas que desejam aprofundar sua espiritualidade,
  4. Sociedade Selecionada – um corpo de elite daqueles treinando para ser líderes, e
  5. Banda Penitente – um grupo para aqueles que tentam superar todos os seus hábitos pecaminosos e seguir em frente até a perfeição (Malony, 2010).

Na visão de Wesley, a santificação é mais bem experimentada no contexto da comunidade. Wesley declarou: “Nunca encoraje o diabo ao arrebatar almas dele que você não pode nutrir” (Collins & Tyson, 2001, p. 213). Wesley acreditava que a participação em vários grupos (especificamente, a banda) levava a uma vida santificada. Ele acreditava que a santificação era crescimento no amor e envolvia a vida inteira.

O Dr. Gregory Clapper, Professor de Religião e Filosofia na Universidade de Indianápolis, descreve as crenças de Wesley a respeito da santificação por meio de três componentes: crenças corretas (ortodoxia), ação correta (ortopraxia) e coração correto (ortocardia). Ortopráxis é um processo vitalício de crescimento em santidade, ações piedosas e atos de amor. A ortopráxis, entretanto, nunca se concretizará sem uma compreensão exata de quem é Deus e do que Ele fez por meio da morte sacrificial de seu Filho, Jesus Cristo. Wesley acreditava que alguém poderia ter ações corretas e crenças corretas, mas ainda não haveria mudança no coração. Se a conversão e a formação espiritual fossem ocorrer, então a ortocardia deve ocorrer para produzir discípulos de Jesus Cristo. Ele se oporia à pregação do evangelho da graça que falhava em enfatizar a união e a vida fiel em comunidade (Collins & Tyson, 2001).

Agora, tenho uma pergunta para você refletir. Você vê alguma semelhança nos grupos de Wesley e na igreja onde você serve?

Spanish blog:

John Wesley: Creencias correctas, acción correcta y corazón recto

Por Rob Campbell, pastor fundador, www.cypresscreekchurch.com

A mediados del siglo XVIII, John Wesley organizó cinco grupos entrelazados para aquellos que deseaban caminar con Jesús. Ellos eran:

1. Sociedad: una asamblea de todas las personas interesadas,

2. Reunión de la clase: un pequeño grupo de diez a doce miembros que tratan de seguir a Cristo en su comportamiento diario.

3. Banda: un grupo aún más pequeño de personas que desean profundizar en su espiritualidad,

4. Seleccionar Sociedad: un cuerpo de élite de aquellos que se capacitan para ser líderes, y

5. Banda Penitente: un grupo para aquellos que intentan superar todos sus hábitos pecaminosos y avanzar hacia la perfección (Malony, 2010).

En opinión de Wesley, la santificación se experimenta mejor en el contexto de la comunidad. Wesley dijo: “Nunca alientes al diablo arrebatándole almas que no puedas nutrir” (Collins & Tyson, 2001, p. 213). Wesley creía que la participación en los diversos grupos (específicamente, la banda) conducía a una vida santificada. Creía que la santificación era un crecimiento en el amor e involucraba toda la vida.

El Dr. Gregory Clapper, profesor de religión y filosofía en la Universidad de Indianápolis, describe las creencias de Wesley con respecto a la santificación a través de tres componentes: creencias correctas (ortodoxia), acción correcta (ortopraxis) y corazón recto (ortocardia). La ortopraxis es un proceso de por vida de crecimiento en santidad, acciones piadosas y actos de amor. La ortopraxis, sin embargo, nunca llegará a buen término sin una comprensión precisa de quién es Dios y lo que ha hecho a través de la muerte en sacrificio de su Hijo, Jesucristo. Wesley creía que uno podía tener acciones correctas y creencias correctas, pero aún carecía de un cambio de corazón. Si la conversión y la formación espiritual iban a tener lugar, entonces la ortocardia debía tener lugar para producir discípulos de Jesucristo. Se opondría a la predicación del evangelio de la gracia que no enfatizaba la unión y la vida fiel en comunidad (Collins y Tyson, 2001).

Ahora, tengo una pregunta para que reflexiones. ¿Ves alguna similitud entre los grupos de Wesley y la iglesia en la que sirves?