Listening: Its Power

By Ralph Neighbou

Has it ever impressed you that “hearing” is a synonym for “listening”? Hearing seems to add one dimension to listening, however: inner assimilation of the feelings and content in listening. Applying this concept to a home cell gathering connects the events that are a part of every authentic gathering of Christ’s body.

Before the manifesting of spiritual gifts can begin, there must be the communication of burdens, sins, pain, fears, etc. When this sharing occurs all members listen. Not all will “hear” the same way. One may listen to words spoken that trigger no inner response – (hearing) – and spiritual power will not be manifested. In others, what is listened to will be “heard” deep in the spiritual realm and energeia (spiritual gifts) will be manifested. This person will receive power from the Holy Spirit that will be appropriate to the issue shared. For an illness heard, the energeia of healing may be the empowering provided. For a deep sorrow, the Energeia of helping others in distress may manifest, etc.

Man-made home cells that never experience this spiritual power that responds to listening/hearing do not operate in the realm of God’s activity. They only operate in the flesh, not the Spirit. Eventually they will either die or become a “religious habit” that become tradition instead of Body Life. Those groups with spiritual ears will listen to both the needs of members and will also hear the voice of God empowering them with supernatural Spirit power.

These areas must be fully understood by those undergoing training to lead cells. If a cell leader is not sensitive to how to listen until he or she receives spiritual power for ministry, cell members will be robbed of truly anointed leaders. Further, it is in the group event that equipping best takes place. When I am leading a cell and one of the members has listened to the need and has received anointing for delivering a spiritual gift, I often pause and call attention to what has taken place. I may interview the member on the spot, asking, “Did you sense something spiritual was stirring you to share that just now?”

Listening also involves viewing body language that betrays feelings being experienced in the group members. A slumped body, a clenched fist, perspiring forehead, staring eyes, etc., betray nonverbal signals a perceptive leader will include in how he leads.

For example, I had a cell with a man who had been promised by that in exchange for many years of working in his factory he would one day inherit the business. His father then sold the company and walked away from his promise. The pain was tremendous in the son. An elderly couple came to the cell for the first time and when the husband spoke, I noticed anger and clenched fists in the posture of that man who has been betrayed. I did not know what was going on at this time but I did know I had a problem. I carefully steered the meeting until it closed and then learned for the first time that the voice tone of this elderly man exactly matched that of the father who sold the factory! In this case, observing the silence of a hurting person helped to restrict a possible negative outcome. The new visitor never learned why the other person so deeply resented him.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O Poder de Escutar

De Ralph Neighbour

Alguma vez te impressionou que “escutar” seja sinônimo de “ouvir”? No entanto, o verbo “escutar” parece acrescentar uma dimensão ao ouvir: a assimilação interior dos sentimentos e do conteúdo de ouvir. Aplicar esse conceito a uma reunião de célula doméstica conecta os eventos que fazem parte de cada reunião autêntica do Corpo de Cristo.

Antes que a manifestação de dons espirituais possa começar, deve haver uma comunicação dos pesos, pecados, dor, medos, etc. Quando esse compartilhamento ocorre, todos os membros ouvem. Nem todos vão “escutar” da mesma maneira. Uma pessoa pode ouvir as palavras ditas e elas não provocam uma resposta interna – (escuta) – e o poder espiritual não se manifestará. Em outras pessoas, o que é ouvido será “escutado” profundamente no reino espiritual e energeia (dons espirituais) será manifestada. Essa pessoa receberá o poder do Espírito Santo que será apropriado para o assunto compartilhado. Quando uma doença é escutada, a energeia da cura pode ser a capacitação fornecida. Para uma tristeza profunda, o energeia de ajudar os outros em perigo pode se manifestar, etc.

Células caseiras feitas pelo ser humano que nunca experimentaram esse poder espiritual que responde à escuta/audição não operam no âmbito da atividade de Deus. Elas só operam na carne, não no Espírito. Eventualmente elas morrerão ou se tornarão um “hábito religioso” que vai virar uma tradição ao invés da Vida do Corpo. Aqueles grupos com ouvidos espirituais ouvirão as necessidades dos membros e também ouvirão a voz de Deus capacitando-os com o poder sobrenatural do Espírito.

Essas áreas devem ser totalmente compreendidas por aqueles que estão sendo treinados para liderar as células. Se um líder de célula não for sensível a como escutar até que ele ou ela receba o poder espiritual para o ministério, os membros da célula serão roubados de ter líderes verdadeiramente ungidos. Além disso, é no evento coletivo que ocorre o melhor processo de equipamento. Quando estou liderando uma célula e um dos membros escutou a necessidade e recebeu a unção para entregar um dom espiritual, muitas vezes paro e chamo a atenção para o que aconteceu. Eu posso entrevistar o membro no local, perguntando: “Você sentiu algo espiritual que estava mexendo com você para compartilhar isso agora?”

Escutar também envolve a visualização da linguagem corporal que trai sentimentos que estão sendo experimentados nos membros do grupo. Um corpo caído, um punho cerrado, testa transpirante, olhos fixos, etc., traem sinais não-verbais que um líder perceptivo incluirá na maneira como ele lidera.

Por exemplo, eu tinha uma célula com um homem a quem tinha sido prometido que em troca de muitos anos de trabalho numa fábrica, um dia ele herdaria o negócio. Contudo, seu pai vendeu a empresa e se afastou de sua promessa. A dor foi tremenda para o filho. Um casal de idosos chegou à célula pela primeira vez e, quando o marido falou, notei raiva e punhos cerrados na postura daquele homem que havia sido traído. Eu não sabia o que estava acontecendo naquele momento, mas sabia que havia um problema. Eu cuidadosamente conduzi a reunião até que ela terminou e então soube pela primeira vez que o tom de voz do homem idoso combinava exatamente com o do pai que vendeu a fábrica! Nesse caso, observar o silêncio de uma pessoa que está sofrendo ajudou a restringir um possível resultado negativo. O novo visitante nunca descobriu que aquele homem se ressentia tão profundamente dele.

Spanish blog:

Escuchando: Su Poder

Por Ralph Neighbor

¿Te ha impresionado alguna vez que “oír” sea un sinónimo de “escuchar”? Sin embargo, la audición parece añadir una dimensión a la escucha: la asimilación interna de los sentimientos y el contenido en la escucha. La aplicación de este concepto a una reunión celular en el hogar conecta los eventos que forman parte de cada reunión auténtica del cuerpo de Cristo.

  Antes de que la manifestación de los dones espirituales pueda comenzar, debe haber comunicación de problemas, pecados, dolor, miedos, etc. Cuando ocurre este intercambio, todos los miembros escuchan pero no todos “oirán” de la misma manera. Uno puede escuchar las palabras que no provocan una respuesta interna (audición) y el poder espiritual no se manifestará. En otros, lo que se escucha se “oirá” en lo profundo del reino espiritual y se manifestará la energeia (dones espirituales). Esta persona recibirá el poder del Espíritu Santo que será apropiado para el tema compartido. Para una enfermedad escuchada, la energeia de la curación puede ser la potenciación provista. Para un dolor profundo, la energía de ayudar a otros en peligro puede manifestarse, etc.

  Las células familiares hechas por el hombre que nunca experimentan este poder espiritual que responde a oír / escuchar no operan en el ámbito de la actividad de Dios. Sólo operan en la carne, no el Espíritu. Con el tiempo, morirán o se convertirán en un “hábito religioso” que se convertirá en tradición en lugar de una vida activa. Esas células con oídos espirituales escucharán las necesidades de los miembros y también escucharán la voz de Dios que los capacita con el poder del Espíritu sobrenatural.

Estas áreas deben ser comprendidas completamente por aquellos que se entrenan para liderar células. Si el líder de una célula no es sensible a cómo escuchar hasta que reciba el poder espiritual para el ministerio, a los miembros de la célula se les robará a los líderes verdaderamente ungidos. Además, es en el evento celular donde se lleva a cabo el mejor equipamiento. Cuando dirijo una célula y uno de los miembros ha escuchado la necesidad y ha recibido la unción para entregar un don espiritual, a menudo me detengo y llamo la atención sobre lo que ha ocurrido. Puedo entrevistar al miembro en el lugar, preguntando: “¿Sentiste que algo espiritual te estaba incitando a compartir eso justo ahora?”

  Escuchar también implica ver el lenguaje corporal que traiciona los sentimientos que se experimentan en los miembros del grupo. Un cuerpo desplomado, un puño cerrado, una frente sudorosa, ojos fijos, etc., traicionan las señales no verbales que un líder perceptivo incluirá en la forma en que dirige.

  Por ejemplo, tenía una célula con un hombre al que se me había prometido que, a cambio de muchos años de trabajo en su fábrica, algún día heredaría el negocio. Su padre luego vendió la compañía y se olvidó de su promesa. El dolor fue tremendo en el hijo. Una pareja de ancianos vino a la célula por primera vez y cuando el esposo habló, noté la ira y los puños cerrados en la postura de ese hombre que ha sido traicionado. No sabía qué estaba pasando en este momento, pero sí sabía que tenía un problema. Dirigí la reunión con cuidado hasta que se cerró y luego supe por primera vez que el tono de voz de este anciano coincidía exactamente con el del padre que vendió la fábrica. En este caso, observar el silencio de una persona herida ayudó a restringir un posible resultado negativo. El nuevo visitante nunca supo por qué a la otra persona le molestaba tanto.

 

Listening: Its Importance

By Ralph Neighbour

Over the last few weeks I have been observing a home cell leader who begins each session with his laptop open. He is married to the instructions given to him by the church office. First of all, the announcements of upcoming events are presented, followed by a brief prayer. Then each person is given a scripture passage to read. After going around the circle with the Verse by verse reading, there is a devotional presented by him. 20 minutes into the session not a single person has shared a thing about life the past week or any special issues needing ministry. It is obvious this cell group has an agenda and it is not the needs of the people present.

Further, if someone in the group begins to share, it is obvious the leader considers this an interruption of what has been planned. Even in the time of fellowship around snacks that follows the breakup of the meeting, this leader seems buried in his own thoughts. I am now waiting for an opportunity to suggest to him the cell group is not going to succeed unless he learns how to listen.

After all the years I have taught leaders how to steer a group it has been something of a shock to me to realize how other churches totally ignore the basic principles that every leader must learn – the first being how to listen! I fault the poor training of cell leaders in this church for the conduct of this person.

Back in 1990 when I went to Singapore we created a special room with cameras mounted in the ceiling so we could record group leaders as a part of their training. Many were shocked when we would play back the tapes. They had no idea how preoccupied they were with their own agenda rather than being sensitive to the needs of others in the room. The visual proof of how they were functioning made a change in their leadership. They were motivated to learn how to listen as a result of that experience.

We have all had the experience of speaking to someone and noticing their eyes are betraying they are not hearing fully what is being spoken. They are so intent on what they will say next that they are not absorbing what is arriving in their ears. Such a person may be totally unaware of their behavior. It may be an acquired pattern going back to childhood. Perhaps they were blocking out harsh words from an angry parent way back then, words too painful to allow a spot inside their memories. They grew up blocking out intake as a defense mechanism.

The over talker in a home cell drives everybody up the wall, but seldom do we realize is that this is only another way of not listening. As long as the person is talking they do not have to listen. It is important for training of leaders to have a strong focus on this issue.

I learned that years ago and added to the equipping of the leaders a simple technique. I have them create a diagram on a notepad as the group is sharing together showing each person’s Space in the circle. Each time a person speaks an arrow is drawn, directed to the person being addressed. At the end of the evening the people who speak the most have the most arrows. And in addition, I have them darken the arrow if they are talking too long. With this diagram in hand, they can approach the over talker and show them how much Time they took. The leader can then say to this person, “Notice on this diagram that Mary barely spoke at all. I need you to help me. In our next group meeting I want you to be sensitive to who it is not speaking at all. I want you to become a gate keeper for me. Let me explain to you what a gatekeeper is. It is a listening person who opens the gate for a silent person to speak. So next week when you observe someone not speaking, instead of making your own comment, turned to that person and say, “Mary, what are your thoughts about this?” Then at the end of the evening let’s get together and talk about what you did and why.”

This has been quite effective in helping people learn how to listen. Try it and see what you think!

Korean blog (Click here)

Portuguese blog:

A Importância de Ouvir

Por Ralph Neighbour

Nas últimas semanas tenho observado um líder de célula doméstica que começa cada sessão com o laptop aberto. Ele é casado com as instruções dadas a ele pelo escritório da igreja. Primeiro de tudo, os anúncios dos próximos eventos são apresentados, seguidos de uma breve oração. Então cada pessoa recebe uma passagem das Escrituras para ler. Depois de rodar o círculo com a leitura versículo por versículo, há um devocional apresentado por ele. 20 minutos após o início da reunião, nem uma única pessoa compartilhou algo sobre a vida na semana passada ou quaisquer questões especiais que precisem de ministração. É óbvio que essa célula tem uma agenda que não é guiada pelas necessidades das pessoas presentes.

Além disso, se alguém do grupo começar a compartilhar, é óbvio que o líder considera isso uma interrupção do que foi planejado. Mesmo no tempo de comunhão com lanches acontece ao término da reunião, esse líder parece estar enterrado em seus próprios pensamentos. Agora estou esperando por uma oportunidade para sugerir a ele que a célula não terá sucesso a menos que ele aprenda a ouvir.

Depois de todos os anos que ensinei aos líderes como orientar um grupo, foi uma espécie de choque para mim perceber como outras igrejas ignoram totalmente os princípios básicos que todo líder deve aprender – o primeiro é como ouvir! Eu culpo a má formação de líderes de células nesta igreja específica pela conduta desse líder.

Em 1990, quando eu fui para Cingapura, criamos uma sala especial com câmeras montadas no teto para que pudéssemos registrar os líderes do grupo como parte de seu treinamento. Muitos ficaram chocados quando colocamos as fitas. Eles não tinham ideia de como estavam preocupados com sua própria agenda, em vez de serem sensíveis às necessidades dos outros na sala. A prova visual de como eles estavam funcionando trouxe uma mudança em sua liderança. Eles foram motivados a aprender a ouvir como resultado dessa experiência.

Todos nós já tivemos a experiência de falar com alguém e perceber que seus olhos os estão traindo e que eles não estão ouvindo totalmente o que está sendo falado. Eles estão tão focados no que dirão em seguida que não estão absorvendo o que está chegando aos seus ouvidos. Essas pessoas podem estar totalmente inconscientes de seu comportamento. Isso pode ser um padrão adquirido desde a infância. Talvez estivessem bloqueando palavras duras de um pai irritado naquela época, palavras muito dolorosas para permitir um lugar dentro de suas memórias. Eles cresceram bloqueando a entrada como um mecanismo de defesa.

O que fala em excesso na célula doméstica leva todo mundo para cima do muro, mas raramente percebemos que isso é apenas outra maneira de não ouvir. Enquanto a pessoa estiver falando, ela não precisa ouvir. É importante que o treinamento de líderes tenha um forte foco nessa questão.

Eu aprendi isso anos atrás e adicionei ao equipamento dos líderes uma técnica simples. Eu os faço criar um diagrama em um bloco de notas enquanto o grupo está compartilhando, mostrando o espaço de cada pessoa no círculo. Cada vez que uma pessoa fala, uma seta é direcionada para a pessoa que está sendo endereçada. No final da noite, as pessoas que falam mais têm mais flechas. E além disso, eu os faço escurecer a flecha se elas estiverem falando por muito tempo. Com este diagrama em mãos, eles podem se aproximar do falante e mostrar quanto tempo eles levaram. O líder pode então dizer a essa pessoa: “Observe neste diagrama que Maria mal falou nada. Preciso que me ajude. Em nossa próxima reunião de grupo, quero que você seja sensível a quem não está falando. Eu quero que você se torne um porteiro para mim. Deixe-me explicar-lhe o que é um porteiro. É uma pessoa de escuta que abre o portão para uma pessoa silenciosa falar. Então, na semana que vem, quando você observar alguém não falando, em vez de fazer o seu próprio comentário, vá até a pessoa e diga: ‘Maria, o que você acha disso?’ Então, no final da noite, vamos nos encontrar e falar sobre o que você fez e por quê”.

Isso tem sido bastante eficaz em ajudar as pessoas a aprenderem a ouvir. Experimente e veja o que você acha!

Spanish blog:

La escucha: su importancia

Por Ralph Neighbor

Durante las últimas semanas he estado observando a un líder de la célula familiar que comienza cada reunión con su laptop abierta. Está casado con las instrucciones que le dio la oficina de la iglesia. En primer lugar, se presentan los anuncios de los próximos eventos, seguidos de una breve oración. Entonces a cada persona se le da un pasaje de las Escrituras para leer. Después de recorrer el círculo con el versículo que lee en verso, hay un devocional presentado por él. 20 minutos después de la sesión, ni una sola persona ha compartido algo sobre la vida la semana pasada o cualquier problema especial que necesite un ministerio. Es obvio que este grupo celular tiene una agenda y no son las necesidades de las personas presentes.

 Además, si alguien en la célula comienza a compartir, es obvio que el líder considera que esto es una interrupción de lo que se ha planeado. Incluso en el momento de la comunión con los refrigerios que siguen a la ruptura de la reunión, este líder parece enterrado en sus propios pensamientos. Ahora estoy esperando una oportunidad para sugerirle que el grupo celular no va a tener éxito a menos que aprenda a escuchar.

 Después de todos los años que he enseñado a los líderes cómo dirigir una célula, me ha sorprendido ver cómo otras iglesias ignoran totalmente los principios básicos que todo líder debe aprender: ¡el primero es cómo escuchar! Culpo a la mala capacitación de los líderes celulares en esta iglesia por la conducta de esta persona.

 En 1990, cuando fui a Singapur, creamos una sala especial con cámaras montadas en el techo para poder grabar a los líderes celulares como parte de su entrenamiento. Muchos se sorprendieron cuando reproducíamos las cintas. No tenían idea de cuán preocupados estaban con su propia agenda en lugar de ser sensibles a las necesidades de los demás en la sala. La prueba visual de cómo funcionaban hizo un cambio en su liderazgo. Estaban motivados para aprender a escuchar como resultado de esa experiencia.

Todos hemos tenido la experiencia de hablar con alguien y notar que sus ojos los están traicionando que no están escuchando lo que se está hablando. Están tan concentrados en lo que dirán a continuación que no están absorbiendo lo que les llega a los oídos. Tal persona puede ser totalmente inconsciente de su comportamiento. Puede ser un patrón adquirido que se remonta a la infancia. Tal vez estaban bloqueando palabras duras de un padre enojado en aquel entonces, palabras demasiado dolorosas para permitir un lugar dentro de sus recuerdos. Crecieron bloqueando la ingesta como mecanismo de defensa.

 La persona que habla en exceso en una célula familiar los lleva a todos a la pared, pero rara vez nos damos cuenta de que esta es solo otra forma de no escuchar. Mientras la persona esté hablando, no puede escuchar. Es importante que la capacitación de los líderes tenga un fuerte enfoque en este tema.

 Aprendí eso hace años y añadí al equipamiento de los líderes una técnica simple. Les pido que creen un diagrama en un bloc de notas mientras el grupo comparte juntos y muestra el espacio de cada persona en el círculo. Cada vez que una persona habla, se dibuja una flecha, dirigida a la persona a la que se dirige. Al final de la tarde, las personas que más hablan son las que tienen más flechas. Y además, tengo que oscurecer la flecha si están hablando demasiado tiempo. Con este diagrama en la mano, pueden acercarse al que más habla y mostrarles cuánto tiempo tomaron. El líder puede entonces decirle a esta persona: “Observa en este diagrama que Maria apenas habló. Necesito que me ayudes. En nuestra próxima reunión de grupo, quiero que seas sensible con quien no habla en absoluto. Quiero que te conviertas en un guardián de la puerta. Déjame explicarte lo que es un portero. Es una persona que escucha que abre la puerta para que una persona silenciosa hable. Así que la próxima semana, cuando observes a alguien que no está hablando, en lugar de hacer tu propio comentario, acudañe a esa persona y di: “María, ¿qué piensas de esto?” Luego, al final de la velada, juntémonos y hablemos de lo que hiciste y por qué “.

  Esto ha sido bastante efectivo para ayudar a las personas a aprender a escuchar. Pruébalo y ve lo que piensas!

 

How to Improve Your Listening Skills

By Mario Vega, www.elim.org.sv

The first condition for listening well to people is to prepare the environment. People need to build trust and the right environment to express their concerns and problems. This usually takes time. If we have only reserved a few minutes to listen, we will be anxious for people to say quickly what they want to talk about and to do it without hesitations. Our attention will not be in their stories but in what we have to do afterwards–or in their long introductory words.

The second condition is listening to what is not said in order to truly understand the person’s heart. People do not usually present their true concerns at first; they usually relate a simple problem or have trouble presenting the problem. People want to know if they can trust us, if they really matter to us, if we really take them seriously. Depending on our response to their presentation of the problem, they will go on to tell you what really concerns them. The main course always comes later.

The third condition is to have one ear on the person and the other in tune to the Holy Spirit. Counseling is not a matter of two but of three; the Holy Spirit, the counselor and the counselee. There is always a word that the Spirit wants to express to us while we listen to others. He gives us discernment and wisdom to know how to advise in the best way. Where human words end, the Spirit of God begins to show us the nature of the difficulty and the way out of it. With His help we will listen better to people and we will know how to guide them.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Como ser um bom ouvinte

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

A primeira condição para ouvir bem as pessoas é preparar o ambiente. As pessoas precisam construir confiança e o ambiente certo para expressar suas preocupações e problemas. Isso geralmente leva tempo. Se reservarmos apenas alguns minutos para ouvir, ficaremos ansiosos para que as pessoas digam rapidamente o que querem falar e façam isso sem hesitações. Nossa atenção não estará em suas histórias, mas no que temos que fazer depois ou em suas muitas palavras introdutórias desnecessárias.

A segunda condição é ouvir o que não é dito para realmente entender o coração da pessoa. As pessoas geralmente não apresentam suas verdadeiras preocupações a princípio; elas geralmente relatam um problema simples ou têm dificuldade para apresentar o verdadeiro problema. As pessoas querem saber se podem confiar em nós, se realmente importam para nós, se realmente as levarmos a sério. Dependendo da nossa resposta à sua apresentação do problema, elas vão continuar a dizer o que realmente lhes preocupa. O prato principal sempre vem depois.

A terceira condição é ter um ouvido para a pessoa e o outro para o Espírito Santo. Aconselhamento não é uma questão de dois, mas de três; o Espírito Santo, o conselheiro e o que recebe conselhos. Há sempre uma palavra que o Espírito quer expressar para nós enquanto ouvimos os outros. Ele nos dá discernimento e sabedoria para saber como aconselhar da melhor maneira. Onde as palavras humanas terminam, o Espírito de Deus começa a nos mostrar a natureza da dificuldade e a saída para ela. Com a ajuda dEle, ouviremos melhor as pessoas e saberemos como guiá-las.

Spanish blog:

Tres condiciones para escuchar bien

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

La primera condición para escuchar a las personas es designar el tiempo adecuado. Las personas necesitan construir confianza y el ambiente propicio para expresar sus preocupaciones y problemas. Esto suele tomar tiempo. Si solamente hemos reservado unos minutos para escuchar estaremos ansiosos porque las personas digan rápido lo que desean conversar y que lo hagan sin rodeos. Nuestra atención no estará en sus relatos sino en lo que debemos hacer después o en lo innecesario de tantas palabras introductorias.

La segunda condición es saber diferenciar el problema de presentación del problema real. Las personas no suelen presentar sus verdaderas preocupaciones al primer momento, suelen relatar un problema sencillo o de presentación. Las personas desean saber si pueden confiar en nosotros, si realmente nos importan, si en verdad les tomamos en serio. Dependiendo cuál sea nuestra respuesta a su problema de presentación ellos pasarán a contar lo que verdaderamente les preocupa. El plato fuerte siempre viene después.

La tercera condición es tener un oído para la persona y el otro para el Espíritu Santo. La consejería no es un asunto de dos sino de tres. El Espíritu Santo, el consejero y el aconsejado. Siempre hay una palabra que el Espíritu desea expresarnos mientras oímos a los demás. Él nos da discernimiento y sabiduría para saber aconsejar de la mejor manera. Donde las palabras humanas terminan, el Espíritu de Dios comienza a mostrarnos la naturaleza de la dificultad y el camino de salida. Con su ayuda escucharemos mejor a las personas y sabremos orientarles.

Effective Listening

By Robert Lay, Cell Church Ministry Brazil, www.celulas.com.br

People have two ears and one mouth to listen two times more than speak.  Some people do just the opposite. Their tongues are not connected to their brains and has a mind of its own. It is a loose organ with its own will and action.

Why is listening so important?

Attentive listening shows interest for the person and his matters or concerns. When listening, try to remain concentrated on what the person is saying. Listen with attention. Don’t keep looking around, and don’t keep looking at your watch.

While listening don’t keep your mind busy thinking on what to say or formulating arguments. Try to put yourself in the situation of the person speaking, so you really understand his or her situation.

In Brazil we have a lot of Parrots. They keep making noise all the time. Their beak  is always at work trying to imitate words and noises. We also have owls that don’t say a word. They only stare at you with their big eyes moving their heads in all directions to hear every noise from any direction. In the cell we also have some parrots who speak all the time and a lot of owls who keep quiet and don’t open their mouth. It is the leader’s task to help the parrots to shut their mouths and help the owls to speak.

In this fast moving world, listening carefully with patience, becomes an art. We have to train ourselves to do it. We often have no time to even listen to God. We say our prayers and, immediately pull our antenna back and say amen, not listening to what God has to say to us.

The Body of Christ is relational. That is why it is so important to listen to each other and above all, listen to God.

This applies to Cell members, Cell leaders, Coaches, Pastors, and so forth.

HELP US GOD!

Robert Lay

Cell Church Ministry Brazil

Korean blog (click here)

Portuguese blog: 

Escuta Eficaz

Por Robert Lay, www.celulas.com.br

As pessoas têm dois ouvidos e uma boca para ouvir duas vezes mais do que falar. Algumas pessoas fazem exatamente o oposto. Suas línguas não estão ligadas a seus cérebros e têm uma mente própria. É um órgão solto com vontade e ação próprias.

Por que escutar é tão importante?

A escuta atenta mostra interesse pela pessoa e seus assuntos ou preocupações. Ao ouvir, tente manter-se concentrado no que a pessoa está dizendo. Ouça com atenção. Não fique olhando em volta ou para o relógio.

Enquanto você escuta, não se preocupe com o que dizer ou em formular argumentos. Tente se colocar na situação da pessoa que está falando, para que você realmente entenda sua situação.

No Brasil temos muitos papagaios. Eles ficam fazendo barulho o tempo todo. Seu bico está sempre trabalhando tentando imitar palavras e ruídos. Nós também temos corujas que não dizem uma palavra. Eles só olham para você com seus grandes olhos, movendo suas cabeças em todas as direções para ouvir cada ruído de qualquer direção. Na célula também temos alguns papagaios que falam o tempo todo e muitas corujas que ficam quietas e não abrem a boca. É tarefa do líder ajudar os papagaios a fechar a boca e ajudar as corujas a falar.

Nesse mundo que se move rapidamente, ouvir atentamente e com paciência torna-se uma arte. Temos que nos treinar para fazer isso. Muitas vezes não temos tempo para escutar a Deus. Fazemos nossas orações e, imediatamente, recolocamos a antena e dizemos amém, não ouvindo o que Deus tem a nos dizer.

O Corpo de Cristo é relacional. É por isso que é tão importante ouvir uns aos outros e, acima de tudo, ouvir a Deus.

Isso se aplica a membros da célula, líderes de célula, treinadores, pastores e assim por diante.

AJUDE-NOS, DEUS!

Robert Lay

Ministério da Igreja em Células Brasil

Spanish blog:

Escucha efectiva

Por Robert Lay, www.celulas.com.br

Las personas tienen dos oídos y una boca para escuchar dos veces más que hablar. Algunas personas hacen lo contrario. Sus lenguas no están conectadas a sus cerebros y tienen una mente propia; es un órgano suelto con voluntad y acción.

¿Por qué es tan importante escuchar?

La escucha atenta muestra interés por la persona y sus asuntos o inquietudes. Cuando escuches, trata de concentrarte en lo que la persona está diciendo. Escucha con atención, no debes estar mirando a tu alrededor, y no mires tu reloj.

Mientras escuchas, no mantengas su mente ocupada pensando en qué decir o formulando argumentos. Trata de ponerte en la situación de la persona que está hablando, para que realmente entiendas su situación.

En Brasil tenemos muchos loros, están haciendo ruido todo el tiempo. Su pico está siempre en el trabajo tratando de imitar las palabras y los ruidos. También tenemos búhos que no dicen una palabra, solo te miran con sus grandes ojos moviendo sus cabezas en todas direcciones para escuchar cada ruido desde cualquier dirección. En la célula también tenemos algunos loros que hablan todo el tiempo y muchos búhos que se callan y no abren la boca. Es tarea del líder ayudar a los loros a cerrar la boca y ayudar a los búhos a hablar.

En este mundo en rápido movimiento, escuchar atentamente con paciencia, se convierte en un arte. Tenemos que entrenarnos para hacerlo. Muchas veces no tenemos tiempo para escuchar a Dios. Hacemos nuestras oraciones y, inmediatamente, retiramos nuestra antena y decimos amén, sin escuchar lo que Dios tiene que decirnos.

El Cuerpo de Cristo es relacional. Por eso es tan importante escucharnos unos a otros y, sobre todo, escuchar a Dios.

Esto se aplica a los miembros de la célula, líderes de célula, entrenadores, pastores, etc.

¡AYUDENOS DIOS!

Robert Lay

Ministerio de la Iglesia Celular Brasil

3 Keys to Great Listening

By Scott Boren, The Center for Community and Mission  (www.mscottboren.org), Twitter@mscottboren

  1. Show Interest in People’s Interests

Years ago, I read the book How to Win Friends and Influence People. One thing stood out to me. Dale Carnegie writes about how he can make almost anyone feel connected by simply asking them questions about their interests. He lists six ways to connect with people in order to create an environment that fosters listening:

  • Become genuinely interested in other people.
  • Smile.
  • Remember that a person’s name is to that person the sweetest and most important sound in any language.
  • Be a good listener. Encourage others to talk about themselves.
  • Talk in terms of the other person’s interests.
  • Make the other person feel important—and do it sincerely.

Everyone likes to talk about themselves, and if you take the initiative and ask questions about the other person’s interests, people will be more willing to share. This may seem insignificant or a small act of kindness, but think about it: When was the last time someone showed genuine interest in you and what you like to talk about? How did it make you feel? What did you think about the person after the conversation?

Whether it’s sports, a favorite television show, a new restaurant that opened, or just what happened at work, sharing personal interests is an important part of good listening.

This is the reason icebreakers are so important to a small group meeting. Few people are ready to share what they think, much less how they feel, about spiritual issues unless they first feel that someone has listened to them about something less intense. And besides that, whoever said that laughter, telling stories, and sharing interests is not spiritual? In our world, where many people don’t have time to interact about such things, conversations like this can be quite spiritual.

  1. Seek to Understand

A second-century Roman philosopher once said, “Nature gave us two ears and one tongue so we could listen twice as much as we speak.” While this is true, unfortunately most of us are thinking more about what we are planning to say next instead of focusing on what the other person is actually saying. We are letting the other person talk, while waiting for an opportunity to insert our perspective.

In his book Seven Habits of Highly Effective People, Steven Covey puts it this way: “Seek first to understand and then to be understood.” If this principle is core to relationships in the business world, it is even more crucial to our communication with one another in community. But too often every group member comes to any gathering full of his or her need to be heard, not to listen. In greeting one another, we need to slow down and actually choose to engage the other person and focus on him or her. Imagine if an entire group practiced this rhythm week after week; how would it increase the value these people have for the group?

This kind of listening must be intentional and active. Researchers on communication recognize four characteristics of good listeners. They:

  • Desire to be other-directed, rather than to project one’s own feelings and ideas onto the other.
  • Desire to be nondefensive, rather than to protect the self. When the self is being protected, it is difficult to focus on the other person.
  • Desire to imagine the roles, perspectives, or experiences of the other, rather than assuming they are the same as one’s own.
  • Desire to listen as a receiver, not as a critic, and desire to understand the other person rather than to achieve either agreement from or change in that person.
  1. Play Together

Groups that know how to laugh together know how to cry together. Groups that carve out time for sharing food, playing a board game, or just sitting around telling stories will be groups that have the ability to connect on deeper levels. Show me the group that is serious all of the time, and I will show you a group that will eventually wear people out.

Some might respond to this dogmatic statement with a claim that the group is just serious in nature. But if that is the case, I propose that this group is the one that needs to laugh the most. They need to do something that will help them loosen up and take things a little less seriously. The world is ominous enough; the last thing we need in the church are groups that are adding to that heaviness.

The fruit of the Spirit is joy. When we relate to one another in and through Christ, the Spirit will bring joy to these relationships. The pressure lifts and we can simply relate and see where the relationship goes.

Adapted from Missional Small Groups, pages 109-113

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

3 Chaves para uma Boa Escuta 

Por Scott Boren, The Center for Community and Mission  (mscottboren.org), Twitter @mscottboren

  1. Mostre interesse nos interesses das pessoas

Anos atrás, li o livro How to Win Friends and Influence People (“Como Ganhar Amigos e Influenciar Pessoas”, em tradução livre). Uma coisa se destacou para mim. Dale Carnegie escreve sobre como ele pode fazer com que quase todos se sintam conectados simplesmente fazendo perguntas sobre seus interesses. Ele lista seis maneiras de se conectar com as pessoas, a fim de criar um ambiente que estimule a escuta:

  • Torne-se genuinamente interessado nas outras pessoas.
  • Sorria.
  • Lembre-se de que o nome de uma pessoa é para essa pessoa o som mais doce e importante em qualquer idioma.
  • Seja um bom ouvinte. Incentive os outros a falarem sobre si mesmos.
  • Fale sobre os interesses da outra pessoa.
  • Faça a outra pessoa se sentir importante – e faça isso com sinceridade.

Todo mundo gosta de falar sobre si mesmo, e se você tomar a iniciativa e fizer perguntas sobre os interesses da outra pessoa, as pessoas estarão mais dispostas a compartilhar. Isso pode parecer insignificante ou um pequeno ato de bondade, mas pense nisso: Quando foi a última vez que alguém demonstrou interesse genuíno em você e sobre o que você gosta de falar? Como você se sentiu? O que você achou da pessoa depois da conversa?

Quer seja sobre esportes, um programa de televisão favorito, um novo restaurante que abriu, ou apenas o que aconteceu no trabalho, partilhar interesses pessoais é uma parte importante da boa escuta.

Esta é a razão pela qual os quebra-gelos são tão importantes para uma reunião de pequeno grupo. Poucas pessoas estão prontas para compartilhar o que pensam, muito menos como se sentem sobre questões espirituais, a menos que primeiro sintam que alguém as ouviu sobre algo menos intenso. E, além disso, quem disse que rir, contar histórias e compartilhar interesses não é espiritual? Em nosso mundo, onde muitas pessoas não têm tempo para interagir sobre essas coisas, conversas como essa podem ser bastante espirituais.

  1. Procure entender

Um filósofo romano do século II disse uma vez: “A natureza nos deu dois ouvidos e uma língua para que pudéssemos ouvir o dobro do que falamos”. Embora isso seja verdade, infelizmente a maioria de nós está pensando mais sobre o que planejamos dizer em seguida em vez de se concentrar no que a outra pessoa está realmente dizendo. Deixamos a outra pessoa falar enquanto esperamos por uma oportunidade para inserir nossa perspectiva.

Em seu livro Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes, Steven Covey coloca da seguinte maneira: “Procure primeiro entender e depois ser entendido”. Se esse princípio é fundamental para os relacionamentos no mundo dos negócios, é ainda mais crucial para nossa comunicação com uns aos outros na comunidade. Mas muitas vezes os membros do grupo chegam a um encontro cheios de sua necessidade de ser ouvido, não de ouvir. Ao nos cumprimentarmos, precisamos desacelerar e realmente escolher envolver a outra pessoa e focar nela. Imagine se um grupo inteiro praticasse esse ritmo semana após semana; como aumentaria o valor que essas pessoas têm para o grupo?

Esse tipo de escuta deve ser intencional e ativa. Pesquisadores em comunicação reconhecem quatro características de bons ouvintes. Eles:

  • Desejam ser direcionados para o outro, ao invés de projetar seus próprios sentimentos e idéias no outro.
  • Desejam não ficar na defensiva, em vez de se defender. Quando o eu está sendo guardado, é difícil se concentrar na outra pessoa.
  • Desejam imaginar os papéis, perspectivas ou experiências do outro, em vez de assumir que são os mesmos que os seus.
  • Desejam ouvir como um receptor, não como um crítico, e desejam entender a outra pessoa em vez de obter um acordo ou uma mudança nessa pessoa.
  1. Brinquem Juntos

Grupos que sabem rir juntos sabem chorar juntos. Grupos que reservam tempo para compartilhar comida, jogar um jogo de tabuleiro ou simplesmente ficar sentado contando histórias serão grupos que têm a capacidade de se conectar em níveis mais profundos. Mostre-me o grupo que é sério o tempo todo e vou mostrar um grupo que acabará por desgastar as pessoas.

Alguns podem responder a essa declaração dogmática alegando que o grupo é apenas sério por natureza. Mas se for esse o caso, proponho que esse grupo seja o que mais precisa rir. Eles precisam fazer algo que os ajude a relaxar e levar as coisas um pouco menos a sério. O mundo é chato o bastante; a última coisa que precisamos na igreja são grupos aumentando esse peso.

O fruto do Espírito é alegria. Quando nos relacionamos uns com os outros em Cristo e através dEle, o Espírito trará alegria a esses relacionamentos. A pressão sai e podemos simplesmente nos relacionar e ver aonde vai o relacionamento.

Adaptado de Missional Small Groups (“Grupos Pequenos Missionais”, em tradução livre), páginas 109-113.

Spanish blog:

3 claves para escuchar

Por Scott Boren, El Centro para la Comunidad y la Misión ( www.scottboren.blogspot.com), Twitter @ mscottboren

  1. Mostrar interés en los intereses de las personas.

Hace años, leí el libro Cómo ganar amigos e influir en las personas. Hubo algo se destacó para mí. Dale Carnegie escribe sobre cómo puedes hacer que casi cualquier persona se sienta conectada simplemente haciéndoles preguntas sobre sus intereses. Enumera seis formas de conectarse con las personas para crear un entorno que fomente la escucha:

  • Estar realmente interesado en otras personas.
  • Sonríe
  • Recuerda que el nombre de una persona es, para esa persona el sonido más dulce e importante en cualquier idioma.
  • Sé un buen oyente. Anima a otros a hablar sobre ellos mismos.
  • Habla en términos de los intereses de la otra persona.
  • Haz que la otra persona se sienta importante y hazlo con sinceridad.

A todos les gusta hablar de sí mismos, y si tomas la iniciativa y haces preguntas sobre los intereses de la otra persona, la gente estará más dispuesta a compartir. Esto puede parecer insignificante o un pequeño acto de amabilidad, pero piénsalo: ¿cuándo fue la última vez que alguien mostró un interés genuino en ti y de qué quiere hablar? ¿Cómo te hizo sentir? ¿Qué pensaste de la persona después de la conversación?

Ya sea que se trate de deportes, un programa de televisión favorito, un nuevo restaurante que se haya abierto o simplemente lo que sucedió en el trabajo, compartir intereses personales es una parte importante de una buena escucha.

Esta es la razón por la que los rompehielos son tan importantes para una reunión celular. Pocas personas están listas para compartir lo que piensan, y mucho menos cómo se sienten, sobre los problemas espirituales, a menos que primero sientan que alguien les ha escuchado sobre algo menos intenso. Y además de eso, ¿quién dijo que, contar historias y compartir intereses no es espiritual? En nuestro mundo, donde muchas personas no tienen tiempo para interactuar sobre estas cosas, conversaciones como esta pueden ser bastante espirituales.

  1. Busca entender

Un filósofo romano del siglo segundo dijo una vez: “La naturaleza nos dio dos oídos y una lengua para que pudiéramos escuchar el doble de lo que hablamos”. Si bien esto es cierto, desafortunadamente, la mayoría de nosotros pensamos más en lo que planeamos decir a continuación, en lugar de centrarse en lo que la otra persona está diciendo. Estamos dejando que la otra persona hable, mientras esperamos una oportunidad, para insertar nuestra perspectiva.

En su libro Siete hábitos de personas altamente efectivas, Steven Covey lo expresa de esta manera: “Busca primero entender y luego ser entendido”. Si este principio es fundamental para las relaciones en el mundo de los negocios, es aún más crucial para nuestra comunicación con unos a otros en comunidad. Pero con demasiada frecuencia, cada miembro de la célula acude a una reunión lleno de su necesidad de ser escuchado, no de escuchar. Al saludarnos unos a otros, debemos reducir la velocidad y, en realidad, elegir comprometer a la otra persona y centrarnos en ella. Imagina si un grupo entero practicara este ritmo semana tras semana; ¿Cómo aumentaría el valor que estas personas tienen para la célula?

Este tipo de escucha debe ser intencional y activa. Los investigadores en comunicación reconocen cuatro características de los buenos oyentes. Estos son:

  • Deseo ser dirigido hacia el otro, en lugar de proyectar los propios sentimientos e ideas sobre el otro.
  • El deseo de no ser defensivo, en lugar de protegerse a sí mismo. Cuando el yo está siendo protegido, es difícil concentrarse en la otra persona.
  • Deseo imaginar los roles, perspectivas o experiencias del otro, en lugar de asumir que son los mismos que los de uno.
  • Deseo escuchar como receptor, no como crítico, y desear entender a la otra persona en lugar de lograr un acuerdo o cambio en esa persona.
  1. Jugar juntos

Las células que saben reír juntos saben llorar juntos. Los grupos que se toman el tiempo para compartir comida, jugar un juego de mesa o simplemente sentarse a contar historias serán grupos que tienen la capacidad de conectarse en niveles más profundos. Muéstrame una célula que es seria todo el tiempo, y te mostraré una célula que eventualmente agotará a la gente.

Algunos pueden responder a esta declaración dogmática con una afirmación de que una célula es de naturaleza seria. Pero si ese es el caso, propongo que esta célula es la que necesita reírse más. Necesitan hacer algo que les ayude a relajarse y tomarse las cosas un poco menos en serio. El mundo es suficientemente ominoso; lo último que necesitamos en la iglesia son células que se agreguen a esa pesadez.

El fruto del Espíritu es alegría. Cuando nos relacionamos unos con otros a través de Cristo, el Espíritu traerá gozo a estas relaciones. La presión se levanta y simplemente podremos relacionarnos y ver a dónde va la relación.

Adaptado de Missional Small Groups (Grupos pequeños misionales), páginas 109-113.