Taking the Church to the People

By Joel Comiskey, Biblical Foundations for the Cell-Based Church

I live in sunny southern California and can drive by churches like the Saddleback Church, Calvary Chapel, or the Crystal Cathedral. While you might not have such massive churches where you live, when most people think of the word “church,” they envision church buildings, church meetings, and specific church days. And even when reading the New Testament, it’s almost impossible to avoid these modern-day images and experiences of church. 

But if you were a believer living in the New Testament period, you’d have different images of “church.” 

The early Christians met primarily in the homes of individual members for nearly three hundred years until the fourth century, when Constantine began building the first basilicas throughout the Roman Empire.

House-based ministry became so common that throughout the book of Acts, every mention of a local church or a church meeting, whether for worship or fellowship, is a reference to a church meeting in a home. It would be safe to say that the first three centuries belonged to the house church movement. Ablaze with the Spirit of God, men and women began to spread the gospel from house to house (Acts 20:20). 

The cell church/house church movement today is a desire to return to the New Testament when the church met where the people lived. Rather than a “come and see” strategy, cell ministry is a yearning to take the church next door. Lawrence Khong writes in The Apostolic Cell Church, “The devil wants to trap us within the four walls of the church. Criminals don’t care if the policeman is pushing papers-as long as he’s not out on the street” (p. 38).

There’s a tendency today in some U.S. churches to bring everyone together for a weekday teaching in the building and then break out into small groups in the sanctuary. Why? Convenience and to save time. So why emphasize small groups outside the church building? Here are a few:  

  • New Testament precedence—going back to the early church’s home meetings.
  • Penetration in evangelism. Some people will never darken the door of a church but will go to someone’s home.
  • Homes are more comfortable, whereas building space is more academic.
  • Home groups lessen the driving distance, are more accessible to everyone, and allow different meeting nights. 
  • Homes get families involved. It’s a natural meeting place for all ages. 
  • Hospitality. When the group is in the house, someone has the privilege of hosting the group.
  • Home groups allow more pastoral responsibility for all members. 

But is it necessary to meet in a home? I believe that “outside the church building” clarifies the vision. While I think most small groups “outside the church building” will meet in homes, some will gather in coffee shops, parks, office buildings, and campuses. 

For this reason, I don’t usually use “house church” to describe small groups because it’s not always accurate. Some of the most life-changing cell groups in the church I helped plant in Ecuador met at universities.

We have the privilege to take the church the world and make disciples outside the four walls of the church building.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Levando a Igreja ao Povo

Por Joel Comiskey, Fundamentos Bíblicos Para Uma Igreja Baseada em Células

Eu moro no ensolarado sul da Califórnia e posso dirigir por igrejas como a Saddleback Church, a Calvary Chapel ou a Crystal Cathedral. Embora você possa não ter igrejas tão grandes onde mora, quando a maioria das pessoas pensa na palavra “igreja”, elas imaginam prédios de igrejas, reuniões da igreja e dias específicos da igreja. E mesmo ao ler o Novo Testamento, é quase impossível evitar essas imagens e experiências modernas da igreja.

Mas se você fosse um crente vivendo no período do Novo Testamento, você teria diferentes imagens de “igreja”.

Os primeiros cristãos se reuniam principalmente nas casas de membros individuais por quase trezentos anos até o século IV, quando Constantino começou a construir as primeiras basílicas em todo o Império Romano.

O ministério nos lares tornou-se tão comum que, ao longo do livro de Atos, toda menção a uma igreja local ou a uma reunião da igreja, seja para adoração ou comunhão, é uma referência a uma reunião da igreja em uma casa. Seria seguro dizer que os primeiros três séculos pertenceram ao movimento da igreja nos lares. Incendiados pelo Espírito de Deus, homens e mulheres começaram a pregar o evangelho de casa em casa (Atos 20:20).

O movimento da igreja em células/casa hoje é um desejo de retornar ao Novo Testamento quando a igreja se reunia onde as pessoas viviam. Em vez de uma estratégia de “venha e veja”, o ministério de células é um desejo de levar a igreja ao lado. Lawrence Khong escreve em The Apostolic Cell Church: “O diabo quer nos prender dentro das quatro paredes da igreja. Os criminosos não se importam se o policial está atolado com a papelada – desde que não esteja na rua ”(p. 38).

Há uma tendência hoje em algumas igrejas dos EUA de reunir todos para um ensino durante a semana no prédio e depois dividir em pequenos grupos no santuário. Por quê? Praticidade e economia de tempo. Então, por que enfatizar pequenos grupos fora do prédio da igreja? Aqui estão alguns:

  • A precedência do Novo Testamento – voltando às reuniões nos lares da igreja primitiva.
  • Penetração no evangelismo. Algumas pessoas nunca vão visitar uma igreja, mas irão para a casa de alguém.
  • As casas são mais confortáveis, enquanto o espaço de prédios são mais acadêmico.
  • Os grupos de células diminuem a distância de condução, são mais acessíveis a todos e permitem diferentes noites de reunião.
  • As casas envolvem as famílias. É um ponto de encontro natural para todas as idades.
  • Hospitalidade. Quando o grupo está em casa, alguém tem o privilégio de hospedar o grupo.
  • Grupos de escolha permitem mais responsabilidade pastoral para todos os membros.

Mas é necessário se encontrar em uma casa? Acredito que “fora do prédio da igreja” esclarece a visão. Embora eu ache que a maioria dos pequenos grupos “fora do prédio da igreja” se reunirá em casas, alguns se reunirão em cafés, parques, prédios de escritórios e campi.

Por esse motivo, geralmente não uso “igreja nos lares” para descrever pequenos grupos porque nem sempre é preciso. Algumas das células que mais mudaram vidas na igreja que ajudei a plantar no Equador se reuniram em universidades.

Temos o privilégio de levar a igreja ao mundo e fazer discípulos fora das quatro paredes da igreja.

Spanish blog:

Llevando la Iglesia a la gente

Por Joel Comiskey, Fundamentos bíblicos para la iglesia basada en la célula

Vivo en el soleado sur de California y puedo pasar en coche por iglesias como la Saddleback Church, la Calvary Chapel o la Crystal Cathedral. Si bien es posible que no haya iglesias tan masivas donde usted vive, cuando la mayoría de la gente piensa en la palabra “iglesia”, se imagina edificios de la iglesia, reuniones de la iglesia y días específicos de la iglesia. E incluso al leer el Nuevo Testamento, es casi imposible evitar estas imágenes y experiencias modernas de la iglesia. 

Pero si usted fuera un creyente que viviera en el período del Nuevo Testamento, tendría imágenes diferentes de la “iglesia”. 

Los primeros cristianos se reunían principalmente en los hogares de los miembros individuales durante casi trescientos años hasta el siglo IV, cuando Constantino comenzó a construir las primeras basílicas en todo el Imperio Romano.

El ministerio basado en la casa se hizo tan común que a lo largo del libro de los Hechos, cada mención de una iglesia local o una reunión de la iglesia, ya sea para el culto o la comunión, es una referencia a una reunión de la iglesia en un hogar. Se podría decir que los tres primeros siglos pertenecieron al movimiento de las iglesias en las casas. Encendidos por el Espíritu de Dios, hombres y mujeres comenzaron a difundir el evangelio de casa en casa (Hechos 20:20). 

El movimiento de la iglesia celular/iglesia en la casa hoy en día es un deseo de volver al Nuevo Testamento cuando la iglesia se reunía donde la gente vivía. En lugar de una estrategia de “venir y ver”, el ministerio celular es un anhelo de llevar la iglesia a la puerta de al lado. Lawrence Khong escribe en The Apostolic Cell Church (la iglesia apostolica celular), “El diablo quiere atraparnos dentro de las cuatro paredes de la iglesia. A los criminales no les importa si el policía está empujando papeles, mientras no esté en la calle” (p. 38).

Hay una tendencia hoy en día en algunas iglesias de Estados Unidos a reunir a todo el mundo para una enseñanza entre semana en el edificio y luego dividirse en pequeños grupos en el santuario. ¿Por qué? Por comodidad y para ahorrar tiempo. Entonces, ¿por qué enfatizar los grupos pequeños fuera del edificio de la iglesia? Aquí hay algunas razones:  

  • Precedente en el Nuevo Testamento, que se remonta a las reuniones en los hogares de la iglesia primitiva.
  • Penetración en el evangelismo. Algunas personas nunca se asomarán a la puerta de una iglesia, pero irán a la casa de alguien.
  • Los hogares son más cómodos, mientras que el espacio del edificio es más académico.
  • Los grupos en el hogar disminuyen la distancia de conducción, son más accesibles para todos y permiten diferentes noches de reunión. 
  • Los hogares hacen que las familias se involucren. Es un lugar de encuentro natural para todas las edades. 
  • La hospitalidad. Cuando el grupo está en la casa, alguien tiene el privilegio de ser el anfitrión del grupo.
  • Los grupos en casa permiten una mayor responsabilidad pastoral para todos los miembros. 

¿Pero es necesario reunirse en una casa? Creo que reunirse “fuera del edificio de la iglesia” aclara la visión. Aunque creo que la mayoría de los grupos pequeños “fuera del edificio de la iglesia” se reunirán en casas, algunos se reunirán en cafeterías, parques, edificios de oficinas y campus. 

Por esta razón, no suelo usar “iglesia en casa” para describir a los grupos pequeños porque no siempre es preciso. Algunos de los grupos celulares que más cambiaron la vida de la iglesia que ayudé a plantar en Ecuador se reunieron en universidades.

Tenemos el privilegio de llevar la iglesia al mundo y hacer discípulos fuera de las cuatro paredes del edificio de la iglesia.

Cells Outside the Box

By Robert Lay, www.celulas.com.br

Typically our ecclesiology is building-centered. Most churches in Brazil call their regular meeting place the temple. A building approach is an Old Testament concept where all religious events occur in a  holy place or building. In the Old Testament, the liturgy, and rituals, such as baptisms and weddings, were conducted in a designated building. The church followed these same rituals after Christianity became the official Roman Empire religion.

The cell movement restored the original meeting place of the church in houses. The cells must not meet in the Church buildings. If this happens, we lose many positive aspects of basic community living and relationships. Discipleship is central in small groups. We are closer to one another and create a family setting where we care better for each other.

Besides these aspects, our visiting friends feel much more freedom to come to a house than a building. There is a regular sequence of stages until somebody feels comfortable going to the temple. First, we have bridge or icebreaker events where people get to know each other. Then comes the invitation to go to a cell in a house. Friendship, trust, and love start to develop. When the person feels comfortable among the cell members, they might go to a special event at the church building, such as Christmas, Easter, or a Choir event. The newcomer again does not feel threatened because the cell people are there with him, so he is not a stranger. He is slowly introduced to the larger gathering. 

Most cell churches observe this sequence, but the Basic Christian Community life happens in the cell. After a person receives Jesus, they grow through discipleship by the spiritual father or mother and close contact with the cell family.

That is why the cell should never meet in the Church building. Meeting in homes is the structure Jesus designed for Church community life. Pastoral care does not happen in a Church office by a Holy hired man but in Basic Christian Communities with close relationships and mutual love and care. The best setting for discipleship occurs in the home’s warm atmosphere.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Células Fora da Caixa

Por Robert Lay,  www.celulas.com.br

Normalmente, nossa eclesiologia é centrada na construção. A maioria das igrejas no Brasil chama seu local de reunião regular de templo. Uma abordagem de construção é um conceito do Antigo Testamento em que todos os eventos religiosos ocorrem em um local ou edifício sagrado. No Antigo Testamento, a liturgia e os rituais, como batismos e casamentos, eram realizados em um edifício designado. A igreja seguiu esses mesmos rituais depois que o cristianismo se tornou a religião oficial do Império Romano.

O movimento de células restaurou o local original de reunião da igreja nas casas. As células não devem se reunir nos prédios da Igreja. Se isso acontecer, perdemos muitos aspectos positivos da vida e dos relacionamentos básicos da comunidade. O discipulado é central em pequenos grupos. Estamos mais próximos uns dos outros e criamos um ambiente familiar onde cuidamos melhor uns dos outros.

Além desses aspectos, nossos amigos visitantes sentem muito mais liberdade de vir a uma casa do que a um prédio. Há uma sequência regular de estágios até que alguém se sinta confortável em ir ao templo. Primeiro, temos eventos de ponte ou quebra-gelo onde as pessoas se conhecem. Surge então o convite para ir a uma célula em uma casa. Amizade, confiança e amor começam a se desenvolver. Quando a pessoa se sentir confortável entre os membros da célula, ela pode ir a um evento especial no prédio da igreja, como Natal, Páscoa ou um evento do Coral. O recém-chegado novamente não se sente ameaçado porque o pessoal da célula está ali com ele, então ele não é um estranho. Ele é lentamente apresentado ao grupo maior.

A maioria das igrejas em células observa esta sequência, mas a vida da Comunidade Cristã Básica acontece na célula. Depois que uma pessoa recebe Jesus, ela cresce por meio do discipulado do pai ou mãe espiritual e do contato próximo com a família celular.

É por isso que a célula nunca deve se reunir no prédio da Igreja. Reunir-se nas casas é a estrutura que Jesus projetou para a vida comunitária da Igreja. O cuidado pastoral não acontece em um escritório da Igreja por um santo contratado, mas em Comunidades Cristãs Básica com relacionamentos próximos e amor e cuidado mútuos. O melhor ambiente para o discipulado ocorre na atmosfera calorosa do lar.

Spanish blog:

Células fuera del edificio 

Por Robert Lay, www.celulas.com.br

Nuestra eclesiología suele estar centrada en los edificios. La mayoría de las iglesias de Brasil llaman a su lugar de reunión habitual el templo. El enfoque en el edificio es un concepto del Antiguo Testamento en el que todos los eventos religiosos ocurren en un lugar o edificio sagrado. En el Antiguo Testamento, la liturgia y los rituales, como los bautismos y las bodas, se realizaban en un edificio designado. La iglesia siguió estos mismos rituales después de que el cristianismo se convirtiera en la religión oficial del Imperio Romano.

El movimiento celular restauró el lugar de reunión original de la iglesia en las casas. Las células no deben reunirse en los edificios de la Iglesia. Si esto sucede, perdemos muchos aspectos positivos de la vida y las relaciones comunitarias básicas. El discipulado es central en los grupos pequeños, estamos más cerca los unos de los otros y creamos un ambiente familiar en el que nos cuidamos mejor los unos a los otros.

Además de estos aspectos, nuestros amigos visitantes sienten mucha más libertad al venir a una casa que a un edificio. Hay una secuencia regular de etapas hasta que alguien se siente cómodo para ir al templo. En primer lugar, tenemos eventos de puente o para romper el hielo en los que la gente se conoce. Luego llega la invitación a ir a una célula en una casa. La amistad, la confianza y el amor comienzan a desarrollarse. Cuando la persona se siente cómoda entre los miembros de la célula, pueden ir a un evento especial en el edificio de la iglesia, como Navidad, Pascua o un evento del coro. El recién llegado no se siente amenazado porque la gente de la célula está allí con él, así que no es un extraño. Se le va introduciendo poco a poco en la reunión más grande. 

La mayoría de las iglesias celulares observan esta secuencia, pero la vida de la Comunidad Cristiana Básica ocurre en la célula. Después de que una persona recibe a Jesús, crece a través del discipulado por el padre o madre espiritual y el contacto cercano con la familia celular.

Por eso la célula nunca debe reunirse en el edificio de la Iglesia. Reunirse en los hogares es la estructura que Jesús diseñó para la vida comunitaria de la Iglesia. El cuidado pastoral no ocurre en una oficina de la Iglesia por un santo contratado, sino en Comunidades Cristianas de Base con relaciones estrechas y amor y cuidado mutuos. El mejor escenario para el discipulado ocurre en la atmósfera cálida del hogar.

Finding Time to Disciple

By Mario Vega, www.elim.org.sv

Jesus began his task of making disciples with the phrase “Follow me” (John 1:43). With this invitation, Jesus invited people to share their lives with him. Then he was more intentional and asked them “to be with him” (Marcos 3:14). Discipleship occurs when the mentor shares his life with the disciples. The results will improve by spending more time in the discipleship process.

Many cell leaders object, saying, “I don’t have time to make disciples.” But it is important to remember that the whole issue is about sharing life. Surely it will not be practical to live together all the time, as Jesus did with his disciples. Still, it is possible that the leader shares lifestyle activities, like eating together (something that Jesus often did), sharing family moments, walks and recreation, prayer and worship, reading, and so forth.

Spending more time together will deepen the relationship and enhance its growth. I don’t believe there needs to be a fixed schedule, but rather, I encourage a willingness to interact with those being discipled. Jesus will show you how much time to spend with your disciples. He’ll show you how. He will use you in the process of making disciples who make disciples.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Encontrar tempo para discipular
Por Mario Vega, www.elim.org.sv

Esta é a tradução do Google. Assim que a tradução usual for recebida, ela será publicada no site do JCG.
Encontrar tempo para discipular


Jesus começou sua tarefa de fazer discípulos com a frase “Segue-me” (João 1:43). Com este convite, Jesus convidou as pessoas a compartilhar suas vidas com ele. Então ele foi mais intencional e pediu-lhes “que estivessem com ele” (Marcos 3:14). O discipulado ocorre quando o mentor compartilha sua vida com os discípulos. Os resultados irão melhorar ao passar mais tempo no processo de discipulado.

Muitos líderes de célula se opõem, dizendo: “Não tenho tempo para fazer discípulos”. Mas é importante lembrar que toda a questão é compartilhar a vida. Certamente não será prático vivermos juntos o tempo todo, como Jesus fez com seus discípulos. Ainda assim, é possível que o líder compartilhe atividades de estilo de vida, como comer juntos (algo que Jesus fazia com frequência), compartilhar momentos em família, passeios e recreação, oração e adoração, leitura e assim por diante.

Passar mais tempo juntos aprofundará o relacionamento e aumentará seu crescimento. Não acredito que deva haver um cronograma fixo, mas encorajo a disposição de interagir com os discipulados. Jesus lhe mostrará quanto tempo você deve gastar com seus discípulos. Ele vai te mostrar como. Ele vai usar você no processo de fazer discípulos que fazem discípulos.

Spanish blog:

Encontrando tiempo para discipular

por Mario Vega, www.elim.org.sv

Jesús comenzó su tarea de hacer discípulos al invitar a los primeros hombres diciéndoles: «Sígueme» (Juan 1:43). El sentido más profundo de esa invitación era que esos hombres debían compartir sus vidas con él. Después fue más intencional y los invitó «para que estuviesen con él» (Marcos 3:14). El discipulado se produce cuando el mentor comparte su vida con sus discípulos. A mayor tiempo se dedica a la tarea, mejores serán los resultados.

En este punto los líderes de célula pueden objetar que no tienen el tiempo suficiente para hacer discípulos. Pero, es importante recordar que todo el asunto se trata de compartir la vida. De seguro que no será práctico el convivir todo el tiempo, como Jesús lo hacía con sus discípulos, pero sí es posible que el líder comparta actividades de la vida diaria. Por ejemplo, comer en compañerismo (algo que Jesús hacía a menudo), realizar diligencias juntos, compartir momentos familiares, paseos y recreación, oración, lectura, adoración, servicio.

Mientras mayores sean los momentos que se compartan más amplias serán las áreas en que los discípulos serán formados. Para eso no se necesita un horario fijo, solo se necesita estar dispuestos a abrir la vida hacia las demás personas. En esa interacción es que las personas aprenden a ser discípulos por medio del ejemplo de su mentor.

Discipleship Starts in the Home

By Andrew Kirk, Director of Generation 2 generation, Website – www.G2gMandate.org, Social Media – @G2gMandate

The essence of discipleship goes beyond the cell. It starts in the home. Allow me to explain. Biblical discipleship was a lifestyle of relationships filtered through every aspect of life. It was mutually beneficial and embraced every part of life. Discipleship took place through teaching, modeling, sharing, learning, and enjoying fun times too. Sadly, “discipleship” has often become a western world education relationship. It is far, far more than that! Thus, embracing the Biblical model must be experienced in many aspects beyond the cell group. The goal of discipleship might be summed up in Deut. 6 v 5-6: “You shall love the Lord your God with all your heart and mind and with all your soul and with all your strength.  These words, which I am commanding you today, shall be written on your heart and mind.”

But the application can be seen in v 7-9: “You shall teach them diligently to your children shall speak of them when you sit in your house, when you walk on the road, when you lie down and when you get up. You shall bind them as a sign on your hand (forearm) and be used as bands on your forehead. You shall write them on the doorposts of your house and on your gates.”

Living this type of integrated lifestyle involves the weekly cell but also goes beyond it. The home is discipleship for every family member and is undoubtedly where children and teens will be most effectively discipled. It is not a matter of “Are they being discipled there?” They are being discipled there. The emerging generation naturally absorbs the home lifestyle and atmosphere. Weekly cells help in the process, but discipleship also involves life outside the cell.

Cells play a vital part in the discipleship process, but let’s remember that lifestyle also plays an essential role. Healthy discipleship in the home flows into the cell and impacts the lives of those who have not been privileged to have Godly families. It multiplies the heart of discipleship, bringing greater health and vitality to the cell.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O Discipulado começa em casa

Andrew Kirk, Diretor do “Generation 2 generation”, Website – www.G2gMandate.org, Mídias Sociais – @G2gMandate

A essência do discipulado vai além da célula. Começa em casa. Permita-me explicar o que quero dizer.

O discipulado bíblico era um estilo de vida baseado em relacionamentos que perpassavam cada aspecto da vida. Era algo que beneficiava a todos no relacionamento e abarcava cada parte da vida das pessoas. O discipulado acontecia através do ensino, da modelagem, do compartilhamento, do aprendizado e também no desfrutar das partes divertidas da vida também. Infelizmente, o termo “discipulado” tem se tornado uma referência ao relacionamento meramente educacional do mundo ocidental. Ele é muito, muito mais do que isso!

O modelo bíblico precisa ser experimentado através de múltiplos aspectos que vão além da reunião da célula. O objetivo do discipulado pode ser resumido em Deuteronômio 6:5-6 “Amarás, pois, o SENHOR, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua força. Estas palavras que, hoje, te ordeno estarão no teu coração”

Mas a aplicação vem a seguir, nos versos 7 a 9: “tu as inculcarás a teus filhos, e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e ao deitar-te, e ao levantar-te. Também as atarás como sinal na tua mão, e te serão por frontal entre os olhos. E as escreverás nos umbrais de tua casa e nas tuas portas.”

Viver este modelo de estilo de vida envolve a reunião semanal da célula, mas vai além. O lar é discipulado para cada um dos membros da família e sem dúvida alguma é o local onde as crianças e os adolescentes serão discipulado mais eficazmente. Não é preciso se perguntar se eles estão sendo discipulado no lar. Eles estão sendo discipulados no lar. A geração que sucede os pais naturalmente absorve o estilo de vida da família e sua atmosfera. As reuniões semanais certamente ajudam, mas o discipulado envolve a vida além da célula.

As células representam uma parte vital no processo de discipulado mas é preciso lembrar que o estilo de vida também é fundamental. O discipulado saudável da família transborda para a célula e impacta as vidas das pessoas que não tiveram o privilégio de crescer em famílias cristãs. Isto multiplica o coração do discipulado e traz saúde e vitalidade para as células.

Spanish blog:

El Discipulado Comienza en el Hogar

Por Andrew Kirk, Director de Generación 2, Sitio web – www.G2gMandate.org , Medios sociales – @G2gMandate

La esencia del discipulado va más allá de la célula. Comienza en el hogar. Permítanme explicarlo.

El discipulado bíblico era un estilo de vida de relaciones filtradas a través de cada aspecto de la vida. Era mutuamente beneficioso y abarcaba cada parte de la vida. El discipulado se llevaba a cabo a través de la enseñanza, el modelado, el compartir, el aprendizaje y el disfrute de los momentos de diversión también. Lamentablemente, el “discipulado” se ha convertido a menudo en una relación de educación del mundo occidental. ¡Es mucho, mucho más que eso!

Por lo tanto, abrazar el modelo bíblico debe ser experimentado en muchos aspectos más allá del grupo celular. El objetivo del discipulado podría resumirse en Deut. 6 v 5-6: “Amarás al Señor tu Dios con todo tu corazón y tu mente y con toda tu alma y con todas tus fuerzas.  Estas palabras que hoy te ordeno estarán escritas en tu corazón y en tu mente”.

Pero la aplicación puede verse en los v 7-9: “Se las enseñarás con diligencia a tus hijos; hablarás de ellas cuando te sientes en tu casa, cuando andes por el camino, cuando te acuestes y cuando te levantes. Las atarás como señal en tu mano (antebrazo) y las usarás como bandas en tu frente. Las escribirás en los postes de tu casa y en tus puertas”.

Vivir este tipo de estilo de vida integrado implica la célula semanal, pero también va más allá. El hogar es el discipulado para cada miembro de la familia y es, sin duda, donde los niños y los adolescentes serán discipulados más efectivamente. No es una cuestión de “¿Están siendo discipulados allí?”, ellos están siendo discipulados allí. La generación emergente absorbe naturalmente el estilo de vida y la atmósfera del hogar. Las células semanales ayudan en el proceso, pero el discipulado también implica la vida fuera de la célula.

Las células juegan un papel vital en el proceso de discipulado, pero recordemos que el estilo de vida también juega un papel esencial. El discipulado saludable en el hogar fluye hacia la célula e impacta las vidas de aquellos que no han tenido el privilegio de tener familias piadosas. Esto multiplica el corazón del discipulado, trayendo mayor salud y vitalidad a la célula.

A Quality Cell Definition Includes Weekly Cells

coach_freddynoble

By Dr. Freddy Noble, www.iglesiabautistanyc.org 

When I started cell ministry in our church, I devoured all the available literature. I read various books on cell ministry, which helped me transition. However, none of these books gave me a clear understanding of what a cell was. It wasn’t until I read some books by Joel Comiskey and then invited him to give a seminar in our church in 2005 that I understood the definition of a cell group.

My deep conviction is now that the definition of a cell is fundamental. Many today talk about “small groups” but fail to define what it is. I don’t have a problem using the term “small group” as long as it is clearly defined. Remember that a cell is a small group, but not all small groups are cell groups. By clearly defining a cell, a church can set parameters for its work and evaluate its progress. A clear definition helps a church maintain its purpose, which it can diligently run after. A definition that has been useful for us was the one Dr. Comiskey gave us.. In a nutshell, Comiskey said that a cell is “a group of three to fifteen people who meet weekly outside the church building for evangelism, community, and spiritual growth to make disciples that results in multiplication.”

In other books, Dr. Comiskey has given a similar definition with slight variations. The bottom line is that clearly defining a cell has been very important for measuring our progress and developing those within the group.

In the above definition, there are several elements that I would like to highlight. The first has to do with the size of the group. A cell can start with three people and grow to about fifteen. The fundamental principle here is to keep the group small! This limitation is because one of the cell’s critical purposes is community (fellowship). True community doesn’t happen when groups grow too large. They need to stay small for close bonds to develop among the members. A small group atmosphere will also help the members to fulfill the “one another” commands of the Bible (over 50 such commands).

The other important aspect of the definition is that cells must meet weekly. Weekly meetings help maintain the quality of relationships among group members and assist in discipleship. The continuity and quality diminish when cells meet every other week or once per month. Like the larger celebration gathering meets weekly, so should the cells meet weekly. After all, the cell church is two-winged.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Uma Definição de Célula de Qualidade Inclui Células Semanais

Por Dr. Freddy Noble, www.iglesiabautistanyc.org 

Quando comecei o ministério de células em nossa igreja, devorei toda a literatura disponível. Li vários livros sobre ministério de células, o que me ajudou na transição. No entanto, nenhum desses livros me deu uma compreensão clara do que era uma célula. Não foi até que eu li alguns livros de Joel Comiskey e então o convidei para dar um seminário em nossa igreja em 2005 que eu entendi a definição de um grupo de células.

Minha profunda convicção agora é que a definição de uma célula é fundamental. Muitos hoje falam em “pequenos grupos”, mas não conseguem definir o que é. Não tenho problemas em usar o termo “pequeno grupo”, desde que seja claramente definido. Lembre-se que uma célula é um pequeno grupo, mas nem todos os pequenos grupos são células. Ao definir claramente uma célula, uma igreja pode estabelecer parâmetros para seu trabalho e avaliar seu progresso. Uma definição clara ajuda uma igreja a manter seu propósito, que ela pode perseguir diligentemente. Uma definição que tem sido útil para nós foi a que o Dr. Comiskey nos deu. Em poucas palavras, Comiskey disse que uma célula é “um grupo de três a quinze pessoas que se reúnem semanalmente fora do prédio da igreja para evangelismo, comunidade e crescimento espiritual para fazer discípulos que resultam em multiplicação”.

Em outros livros, o Dr. Comiskey deu uma definição semelhante com pequenas variações. O ponto principal é que definir claramente uma célula tem sido muito importante para medir nosso progresso e desenvolver aqueles dentro do grupo.

Na definição acima, há vários elementos que gostaria de destacar. A primeira tem a ver com o tamanho do grupo. Uma célula pode começar com três pessoas e crescer até cerca de quinze. O princípio fundamental aqui é manter o grupo pequeno! Essa limitação ocorre porque um dos propósitos críticos da célula é a comunidade (companheirismo). A verdadeira comunidade não acontece quando os grupos crescem demais. Eles precisam permanecer pequenos para que laços estreitos se desenvolvam entre os membros. Uma atmosfera de grupo pequeno também ajudará os membros a cumprir os mandamentos “uns aos outros” da Bíblia (mais de 50 desses mandamentos).

O outro aspecto importante da definição é que as células devem se reunir semanalmente. As reuniões semanais ajudam a manter a qualidade das relações entre os membros do grupo e auxiliam no discipulado. A continuidade e a qualidade diminuem quando as células se reúnem a cada duas semanas ou uma vez por mês. Como a reunião de celebração maior se reúne semanalmente, as células também devem se reunir semanalmente. Afinal, a igreja em células tem duas asas.

Spanish blog:

Una definición de célula de calidad incluye las células semanales

Por el Dr. Freddy Noble, www.iglesiabautistanyc.org 

Cuando inicie el ministerio celular en nuestra iglesia, devoré toda la literatura disponible. Leí varios libros sobre el ministerio celular, que me ayudaron en la transición. Sin embargo, ninguno de estos libros me dio un entendimiento claro de lo que era una célula. No fue hasta que leí algunos libros de Joel Comiskey y luego lo invité a dar un seminario en nuestra iglesia en 2005 que entendí la definición de un grupo celular.

Mi profunda convicción es ahora que la definición de una célula es fundamental. Muchos hoy en día hablan de “grupos pequeños” pero no definen lo que es. No tengo ningún problema en utilizar el término “grupo pequeño” siempre que esté claramente definido. Recuerde que una célula es un grupo pequeño, pero no todos los grupos pequeños son grupos celulares. Al definir claramente una célula, una iglesia puede establecer parámetros para su trabajo y evaluar su progreso. Una definición clara ayuda a una iglesia a mantener su propósito, el cual puede perseguir diligentemente. Una definición que nos ha sido útil es la que nos dio el Dr. Comiskey. En pocas palabras, Comiskey dijo que una célula es “un grupo de tres a quince personas que se reúnen semanalmente fuera del edificio de la iglesia para la evangelización, comunidad y crecimiento espiritual para hacer discípulos que resulta en la multiplicación.”

En otros libros, el Dr. Comiskey ha dado una definición similar con ligeras variaciones. La conclusión es que definir claramente una célula ha sido muy importante para medir nuestro progreso y desarrollar a los que están dentro del grupo.

En la definición anterior, hay varios elementos que me gustaría destacar. El primero tiene que ver con el tamaño del grupo. Una célula puede empezar con tres personas y crecer hasta unas quince. El principio fundamental es que el grupo sea pequeño. Esta limitación se debe a que uno de los propósitos críticos de la célula es la comunidad (compañerismo). La verdadera comunidad no ocurre cuando los grupos crecen demasiado. Necesitan mantenerse pequeños para que se desarrollen vínculos estrechos entre los miembros. Un ambiente de grupo pequeño también ayudará a los miembros a cumplir los mandatos bíblicos de “unos a otros” (más de 50 mandatos).

El otro aspecto importante de la definición es que las células deben reunirse semanalmente. Las reuniones semanales ayudan a mantener la calidad de las relaciones entre los miembros del grupo y ayudan al discipulado. La continuidad y la calidad disminuyen cuando las células se reúnen cada dos semanas o una vez al mes. Al igual que la reunión de la celebración más grande se reúne semanalmente, las células también deberían reunirse semanalmente. Después de todo, la iglesia celular tiene dos alas.