Start Young and Model It Well

By Daphne Kirk, www.Gnation2gnation.com; Twitter: daphnekirk

Let me tell a true story – everyone loves a story!

Daniella, my daughter, then 6 years old, gave her life to Jesus and wanted to be baptized. She knew her siblings had been as children and ran to our Pastor asking if she could be baptized. The response was simply that they did not baptized children.  Daniella came crying to me. I had one key moment to respond to this crying child and am thankful that I chose to look at her tenderly and say, “Daniella, you are going to learn now something many adults never learn – to submit to those God puts over us with a happy and willing heart.”

Over the years she would return and ask again.  Each time I repeated what I had initially told her. 

“Daniella, you have the opportunity to learn something now that many adults never learn – to submit to those God puts over us with a happy and willing heart.

Eventually aged 12, she was baptized. That morning I said, “ I am so glad you had to wait. You have learned something that many adults never learn. You submitted all this time and you kept your happy and willing heart. I am proud of you.’ 

Some years later we were ministering in another church, she was about 16 years of age. I overheard a church leader grumbling to Daniella about his Pastor, and saying he was considering leaving. Daniella’s quick response was, 

“David submitted to Saul.  I don’t understand your problem.”

I gave heaven a high five!!! 

Start young and model it well.

Daphne

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Comece Jovem e Modele bem

Por Daphne Kirk, www.Gnation2gnation.com; Twitter: daphnekirk

Deixe-me contar uma história verdadeira – todo mundo adora uma história!

Daniella, minha filha, na época com 6 anos, entregou sua vida a Jesus e quis ser batizada. Ela sabia que seus irmãos tinham sido batizados quando crianças e correu para o nosso pastor perguntando se ela poderia ser batizada. A resposta foi simplesmente que eles não batizavam crianças. Daniella veio chorando para mim. Eu tive um momento decisivo para responder a essa criança chorosa e sou grata por ter escolhido olhá-la afetuosamente e dizer: “Daniella, você vai aprender agora algo que muitos adultos nunca aprendem – a se submeter àqueles que Deus coloca acima de nós com um coração feliz e disposto. ”

Com o passar dos anos ela voltava e perguntava de novo. Cada vez eu repetia o que eu havia dito inicialmente.

“Daniella, você tem a oportunidade de aprender agora algo que muitos adultos nunca aprendem – a se submeter àqueles que Deus coloca acima de nós com um coração feliz e disposto. ”

Eventualmente, aos 12 anos, ela foi batizada. Naquela manhã eu disse: “Estou tão feliz que você teve que esperar. Você aprendeu algo que muitos adultos nunca aprendem. Você se submeteu todo esse tempo e manteve seu coração feliz e disposto. Estou orgulhosa de você.’

Alguns anos depois estávamos ministrando em outra igreja, ela tinha cerca de 16 anos de idade. Eu ouvi por acaso um líder da igreja resmungando para Daniella sobre seu pastor e dizendo que ele estava pensando em deixar a igreja. A resposta rápida de Daniella foi,

“Davi se submeteu a Saul. Eu não entendo o seu problema.”

Eu dei ao céu um “toca aqui”!!!

Comece jovem e modele bem.

Daphne

Spanish blog:

Comienza joven y crea un buen modelo

Por Daphne Kirk, www.Gnation2gnation.com; Twitter: daphnekirk

Déjame contarte una historia real: ¡a todos les encanta una historia!

Daniella, mi hija, entonces de 6 años, dio su vida a Jesús y quiso ser bautizada. Ella sabía que sus hermanos habían sido bautizados como niños y corrió hacia nuestro Pastor preguntando si podía ser bautizada. La respuesta fue simplemente que no bautizaban a los niños; Daniella vino llorándome. Tuve un momento clave para responder a esta niña que lloraba y estoy agradecida de haber elegido mirarla con ternura y decir: “Daniella, vas a aprender ahora algo que muchos adultos nunca aprenden: someterse a los que Dios pone sobre nosotros con una Corazón feliz y dispuesto “.

Con los años ella volvería y preguntaría de nuevo. Cada vez repetía lo que inicialmente le había dicho.

“Daniella, tienes la oportunidad de aprender algo ahora que muchos adultos nunca aprenden, de someterse a los que Dios pone sobre nosotros con un corazón feliz y dispuesto”.

Con el tiempo a los 12 años, fue bautizada. Esa mañana dije: “Me alegra tanto que hayas tenido que esperar. Has aprendido algo que muchos adultos nunca aprenden. Esperaste todo este tiempo y mantuviste tu corazón feliz y dispuesto. Estoy orgullosa de ti.’

Algunos años más tarde estábamos ministrando en otra iglesia, ella tenía unos 16 años de edad. Escuché a un líder de la iglesia quejarse a Daniella sobre su Pastor, y decir que estaba considerando irse. La respuesta rápida de Daniella fue:

“David se sometió a Saúl. No entiendo tu problema “.

¡Me alegre con el cielo!

Comienza joven y crea un buen modelo.

Daphne

Truths and Myths Surrounding the Emerging Generation

By Daphne Kirk, www.Gnation2gnation.com; Twitter: daphnekirk

Actions speak louder than words! I see these myths actively lived out through cells, resulting in the emerging generation often feeling undervalued and not reaching their full potential. In many nations they are literally dying for Him, even in childhood. This is their potential that undermines these unBiblical myths, which can be banished with faith, vision and Biblical understanding!

Myth

  • You have a “calling” and “an office” to be involved with the emerging generation

Truth

  • There is no Biblical “calling” or “office”, only commands:
    • to everyone “One generation shall tell the next generation” Psalm 145:4
    • to parents, “the revealed things belong to you and your children.” Deut. 29: 2  

Myth

  • The emerging generation are “not ready” to lead.

Truth

  • They are already leaders – a person who has followers is a leader! When resourced and empowered they can and do lead cells in schools, colleges and homes, even as young as 8 years.

Myth

  • When you get past a certain age you are too old to be involved with the teens

Truth

  • They need father figures, so many have absent fathers.

Myth

  • Children cannot operate in the gifts of the Spirit

Truth

  • They can and do. Their simple faith is undeterred by the skepticism and inhibitions of adults. Healing, prophecy, knowledge, faith etc. flow easily through them.

Myth

  • We can do better without them present

Truth

  • “Through the praise of children and infants you have established a stronghold against your enemies, to silence the foe and the avenger” Psalm 8:2, yet we exclude them when we are “under attack”.
  • They are our role models. Matt. 18: 1-5

Myth

  • Parents do not know how to disciple their children

Truth

  • Every parent disciples their children and young people in the things they are passionate about: football, education etc. The next generation catch a lifestyle of passion Deut 4: 5-6 The hard truth could be that many parents have lost their passion for Jesus as their primary love. Passion is catching.

Myth

  • Discipleship is peer.

Truth

  • Every model of Biblical discipleship was generational, discipling someone who would out live them e.g. Moses and Joshua, Paul and Timothy. Mordecai and Esther

Age is not a “qualification” to Jesus but an opportunity!

A cell member didn’t attend the meeting as she had a migraine. A child prayed “Dear Jesus don’t let her die!” The adults laughed and assured her no one died from migraine. The next day she was admitted to hospital with meningitis … and she did not die!

A child told a children’s cell that she thought her father was in danger. The children prayed. That week the father was attacked, a knife very narrowly missed a main artery… and he did not die.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Verdades e Mitos sobre a Geração Emergente

Por Daphne Kirk, www.Gnation2gnation.com; Twitter: daphnekirk

Ações falam mais alto que palavras! Eu vejo esses mitos vivenciados de forma ativa através das células, fazendo com que a geração emergente muitas vezes seja pouco valorizada e impedindo-a de atingir todo o seu potencial. Em muitas nações a geração emergente está literalmente morrendo por Ele, mesmo na infância. Este é o seu potencial que destrói esses mitos não-bíblicos, que podem ser banidos com fé, visão e compreensão bíblica!

Mito

  • Você deve ter um “chamado” e  um “ofício” para se envolver com a geração emergente.

Verdade

  • Não há “chamado” ou “ofício” bíblico, apenas comandos:

                 – Para todos “Uma geração contará à próxima geração” Salmos 145: 4.

                 – Para os pais, “as coisas reveladas pertencem a nós e aos nossos filhos” Deuteronômio 29:29.

Mito

  • A geração emergente não está pronta para liderar.

Verdade

  • Eles já são líderes – uma pessoa que tem seguidores é um líder! Quando são equipados e capacitados, eles podem e lideram células em escolas, faculdades e casas, mesmo com apenas 8 anos.

Mito

  • Quando você passa de uma certa idade, você é velho demais para se envolver com os adolescentes.

Verdade

  • Os adolescentes precisam de figuras paternas, muitos têm pais ausentes.

Mito

  • As crianças não podem operar nos dons do Espírito.

Verdade

  • Elas não só podem como operam. Sua fé simples pode ser intimidada pelo ceticismo e inibições dos adultos. Cura, profecia, conhecimento, fé, etc. fluem facilmente através delas.

Mito

  • Nós podemos fazer melhor sem a presença das crianças e adolescentes.

Verdade

  • “Dos lábios das crianças e dos recém-nascidos firmaste o teu nome como fortaleza, por causa dos teus adversários, para silenciar o inimigo que busca vingança” Salmos 8:2, e ainda assim nós os excluímos quando estamos “sob ataque”.
  • Eles são nossos modelos – Mateus 18:1-5.

Mito

  • Os pais não sabem discipular seus filhos.

Verdade

  • Cada pai e mãe discipula seus filhos e jovens nas coisas que eles mesmos são apaixonados: futebol, educação etc. A próxima geração tem um estilo de vida de paixão- Deuteronômio 4:5-6. A dura verdade pode ser que muitos pais perderam sua paixão por Jesus como seu primeiro amor. A paixão é contagiosa.

Mito

  • O discipulado acontece entre os pares.

Verdade

  • Todo modelo de discipulado bíblico era geracional, discipulando alguém que fosse viver mais do que o líder, por exemplo, Moisés e Josué, Paulo e Timóteo, Mordecai e Ester.

A idade não é uma “qualificação” para Jesus, mas uma oportunidade!

Um membro da célula não compareceu à reunião porque ela estava com enxaqueca. Uma criança orou “Querido Jesus, não a deixe morrer!”. Os adultos riram e asseguraram que ninguém morreria de enxaqueca. No dia seguinte ela foi internada no hospital com meningite… e ela não morreu!

Uma criança disse à sua célula infantil que ela achava que seu pai estava em perigo. As crianças oraram. Naquela semana, o pai foi atacado, uma faca quase acertou uma artéria muito importante… e ele não morreu.

Spanish blog:

Verdades y mitos que rodean a la generación emergente

Por Daphne Kirk, www.Gnation2gnation.com; Twitter: daphnekirk

¡Las acciones hablan más que las palabras! Veo que estos mitos se viven de manera activa a través de las células, lo que hace que la generación emergente a menudo se subestime y no alcance su máximo potencial. En muchas naciones están literalmente muriendo por Él, incluso en la infancia. ¡Este es su potencial que socava estos mitos no bíblicos, que pueden ser desterrados con fe, visión y entendimiento bíblico!

Mito

Tiene un “llamamiento” y una “oficina” para participar en la generación emergente

Verdad

No hay una “llamada” o “oficina” bíblica, solo comandos:

–a todos “Una generación dirá a la siguiente generación” Salmo 145: 4

–a los padres, “las cosas reveladas les pertenecen a ustedes y a sus hijos”. Deut. 29: 2

Mito

Las generaciones emergentes no están “listas para liderar”.

Verdad

¡Ya son líderes, una persona que tiene seguidores es un líder! Cuando cuentan con recursos y están capacitados, pueden liderar células en escuelas, colegios y hogares, incluso desde los 8 años.

Mito

Cuando superas cierta edad, eres demasiado viejo para involucrarte con los adolescentes

Verdad

Necesitan figuras paternas, muchos tienen padres ausentes.

Mito

Los niños no pueden operar en los dones del Espíritu.

Verdad

Pueden y lo hacen. Su simple fe no se deja intimidar por el escepticismo y las inhibiciones de los adultos. Sanidad, profecía, conocimiento, fe, etc. fluyen fácilmente a través de ellos.

Mito

Podemos hacerlo mejor sin que estén presentes.

Verdad

“De la boca de los niños y de los que maman, fundaste la fortaleza,A causa de tus enemigos,Para hacer callar al enemigo y al vengativo.” Salmo 8: 2, pero los excluimos cuando estamos “bajo ataque”.

Son nuestros modelos a seguir. Mateo 18: 1-5

Mito

Los padres no saben como discipular a sus hijos.

Verdad

Todos los padres discipulan a sus hijos y jóvenes en las cosas que les apasionan: el fútbol, ​​la educación, etc. La próxima generación adquiere un estilo de vida de pasión Deut 4: 5-6 La dura verdad podría ser que muchos padres han perdido su pasión por Jesús como su amor primario. La pasión es la captura.

Mito

El discipulado no es acerca del compañerismo.

Verdad

Cada modelo de discipulado bíblico era generacional y discipulaba a alguien que los viviera, por ejemplo. Moisés y Josué, Pablo y Timoteo. Mardoqueo y Esther.

¡La edad no es una “calificación” para Jesús, sino una oportunidad!

Un miembro de la célula no asistió a la reunión ya que ella tenía una migraña. Un niño oró: “¡Querido Jesús, no la dejes morir!” Los adultos se rieron y le aseguraron que nadie murió de migraña. Al día siguiente fue ingresada en el hospital con meningitis … ¡y no murió!

Una niña le dijo a la célula de un niño que creía que su padre estaba en peligro. Los niños oraron. Esa semana, el padre fue atacado, el cuchillo no lastimo por muy poco una arteria principal … y no murió.

7 Keys to Listen

By Daphne Kirk, www.Gnation2gnation.com; Twitter: daphnekirk

  1. Listen to Him above all else

I often ask leaders, “How much do people (adults, young people or children) listen to you in proportion to how much they listen to God? Usually there is a shocked silence. Eli did not give Samuel a message for God – He positioned him to hear from Him, saying, “… if He calls you, you shall say, ‘Speak, Lord, for Your servant is listening.’” … the Lord …  called … then Samuel answered, “Speak, for Your servant is listening.”

  1. Listen… then respond

“Listening” positions us to respond – whether to God or man. Without active listening we presume where the other person is coming from – and may be completely disconnected from them. I once asked, “Are you listening to where people are coming from on this topic” the reply was “I am not hear to listen – I am a teacher.” I knew that just 5 minutes listening would have given a whole new dynamic to the teaching and connected with the people.

  1. Listen to whom?

Know who not to listen to! Matthew 24 warns about the rise of deception. If

we do not know who we can reliably listen to – we stand in danger of falling into the       incredible deception that is spreading rapidly through the church. Adam listened to Eve – and fell. Genesis 2.

Know who to listen to! “Moses listened to his father-in-law and did everything that he had said”. Exodus 18: 24 When we seek wise counsel and “listen” it sinks deep into our hearts making action easy.  Listening implies we really “hear” both the message and the heart.

  1. Listen to “be”

In today’s world of “noise” so often we are driven to speak. Listening requires us to be internally still to “hear.” It requires no interruption or sudden responses, whether to God or man..

  1. Listening – a gift

“Sometimes there are no words that can help with the deep anguish of the soul. I learned that the greatest and sometimes only gift that we can give hurting people is the gift of presence… Job’s friends showed us, before they messed up by opening their mouths, that sometimes we need to “sit in the ashes” with people and be with them in their deepest moments of grief and pain.” Michele Louviere, LMFT, LLC (https://tinyurl.com/OOE-MichelleL)

  1. Listening is what God does

“But when he cried to Him for help, He listened” Ps. 22: 24 It is what we long for from Him. “Hear my prayer, O God; Listen to the words of my mouth.” Psalm 54:2

Without listening, we are disconnected. Listening connects heart to heart with Him and with each other.

It was the start for Samuel, the child – let it be the same for us!

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

7 Chaves para Ouvir

Por Daphne Kirk, www.Gnation2gnation.com; Twitter: daphnekirk

1. Ouça-O acima de tudo
Frequentemente pergunto aos líderes: “Quanto as pessoas (adultos, jovens ou crianças) escutam vocês em proporção ao quanto elas ouvem a Deus? Geralmente há um silêncio surpreso. Eli não deu a Samuel uma mensagem por Deus – Ele o posicionou para ouvir dEle, dizendo: “… se Ele te chamar, você dirá: ‘Fale, Senhor, porque o Teu servo está ouvindo’”… o Senhor chamou … então Samuel respondeu: “Fale, Senhor, porque o Teu servo está ouvindo”.

2. Ouça… então responda
“Ouvir” nos posiciona para responder – seja a Deus ou ao homem. Sem a escuta ativa, presumimos de onde vem a outra pessoa – e podemos estar completamente desconectados dela. Certa vez perguntei: “Você está ouvindo de onde as pessoas estão vindo em relação a esse assunto?”, A resposta foi: “Não estou aqui para ouvir – sou um professor”. Sabia que apenas cinco minutos ouvindo teriam dado uma dinâmica totalmente nova para o ensino e o conectado com as pessoas.

3. Quem ouvir?
Saiba quem não deve ouvir! Mateus 24 adverte sobre a ascensão do engano. Se não sabemos quem podemos ouvir com confiança – corremos o risco de cair no incrível engano que está se espalhando rapidamente pela igreja. Adão ouviu Eva – e caiu. Gênesis 2

Saiba quem ouvir! “Moisés aceitou o conselho do sogro e fez tudo como ele tinha sugerido.” Êxodo 18:24 Quando procuramos um conselho sábio e o escutamos, ele afunda profundamente em nossos corações, facilitando a ação. Ouvir implica realmente escutar tanto a mensagem como o coração.

4. Ouça para “ser”
No mundo atual do “barulho”, muitas vezes somos levados a falar. Ouvir exige que permaneçamos internamente quietos para “escutar”. Requer que não haja interrupções nem respostas súbitas, seja para Deus ou para o homem.

5. Ouvir – um presente
“Às vezes não há palavras que possam ajudar a profunda angústia da alma. Eu aprendi que o maior e às vezes único presente que podemos dar às pessoas que sofrem é o presente da presença … Os amigos de Jó nos mostraram, antes que eles estragassem abrindo a boca, que às vezes precisamos “sentar nas cinzas” com as pessoas e estar com eles em seus momentos mais profundos de tristeza e dor. ”Michele Louviere, LMFT, LLC (https://tinyurl.com/OOE-MichelleL)

6. Ouvir é o que Deus faz
“Quando ele clamou, o ouviu. Salmos 22:24 É o que ansiamos dEle. “ Ó Deus, ouve a minha oração, inclina os teus ouvidos às palavras da minha boca” Salmos 54: 2

Sem ouvir, estamos desconectados. Ouvir conecta coração a coração com Ele e uns com os outros.

Foi o começo para Samuel, o menino – que seja o mesmo para nós!

Spanish blog:

7 claves para escuchar

Por Daphne Kirk, www.Gnation2gnation.com; Twitter: daphnekirk

Escúchenlo a Él por encima de todo

A menudo le pregunto a los líderes: “¿Cuánto te escuchan las personas (adultos, jóvenes o niños) en proporción a lo que escuchan a Dios? Por lo general hay un silencio incomodo. Eli no le dio a Samuel un mensaje para Dios: lo colocó para escucharlo y le dijo: “… Si te llama, dirás: ‘Habla, Señor, porque tu siervo escucha'” … el Señor … llamó… luego Samuel respondió: “Habla, porque tu siervo escucha”.

Escucha … luego responde

“Escuchar” nos posiciona para responder, ya sea a Dios o al hombre. Sin una escucha activa, suponemos de dónde viene la otra persona, y podemos estar completamente desconectados de ella. Una vez pregunté: “¿Está escuchando lo que piensa la gente sobre este tema?”, La respuesta fue “No estoy aquí para para escuchar, soy un maestro”. Sabía que solo 5 minutos de escucha le habría dado una nueva dinámica. La escucha y el contacto con la gente.

Escuchar.. a quien?

¡Sepa a quién no escuchar! Mateo 24 advierte sobre el surgimiento del engaño. Si

no sabemos a quién podemos escuchar de manera confiable; corremos el peligro de caer en el increíble engaño que se está extendiendo rápidamente por la iglesia. Adán escuchó a Eva y Él cayó. Génesis 2.

¡Sepa a quién escuchar! “Moisés escuchó a su suegro e hizo todo lo que había dicho”. Éxodo 18: 24 Cuando buscamos consejos sabios y “escuchamos”, se hunde profundamente en nuestros corazones, facilitando la acción. Escuchar implica que realmente “escuchamos” ambos el mensaje como el corazón.

Escuchar para “ser”

En el mundo de “ruido” de hoy, a menudo nos vemos obligados a hablar. El escuchar requiere que nosotros estemos internamente quietos para “escuchar”. No requiere interrupción o respuestas repentinas, ya sea a Dios o al hombre.

Escuchar – un regalo

“A veces no hay palabras que puedan ayudar con la profunda angustia del alma. Aprendí que el regalo más grande y, a veces, el único que podemos darles a las personas que sufren es el regalo de la presencia … Los amigos de Job nos mostraron, antes de desbaratarse abriendo la boca, que a veces necesitamos “sentarnos en las cenizas” con la gente. y acompáñalos en sus momentos más profundos de dolor y pena ”. Michele Louviere, LMFT, LLC ( https://tinyurl.com/OOE-MichelleL)

Escuchar es lo que Dios hace.

“Porque no menospreció ni abominó la aflicción del afligido,Ni de él escondió su rostro;Sino que cuando clamó a él, le oyó.”

Salmos 22: 24. Es lo que anhelamos de él. “Escucha mi oración, oh Dios; Escucha las palabras de mi boca “. Salmo 54: 2

Sin escuchar, estamos desconectados. El escuchar conecta corazón con corazón, con Él y nos conecta entre sí.

Fue el inicio para Samuel, el niño, ¡que sea lo mismo para nosotros!

Such is Encouragement

By Daphne Kirk, www.Gnation2gnation.com; Twitter: daphnekirk

Encouragement overcomes. It takes 5 encouragements to overcome 1 negative comment or action. It cannot be over-used!

Encouragement steps out of our comfort zone. The disciples were afraid of Saul, (Acts 9:26). He had persecuted them.  It took faith, stepping out of his comfort zone and disregard of his own safety for Barnabas to reach out to Paul.. Encouragement can even be an act of bravery.

Encouragement can have long term results. What would have happened had Barnabas not reached out to Paul? Maybe his encouragement overcome shame and guilt Paul might have felt?  We may never know the impact of encouragement – maybe for the moment, maybe for a lifetime!

Encouragement might go unnoticed. Barnabas went alone to Paul, probably a lonely uncertain journey but … pivotal in changing history. Encouragement does not look for acclaim – and will often mean going out of the way to deliver it.

Encouragement is personal and focused. Generalities are great – but powerful encouragement comes from focused, insightful and personal reflection. It says, “I know you, I believe it you!” Encouragement is genuine!

Encouragement exalts others. Barnabas left a ministry to search for Paul, caring more about Paul than himself. When in Antioch he didn’t promote “his own ministry” but saw what God was doing, rejoiced with and .. encouraged them. Encouragement cheers others on, wanting the best for them, without consideration of themselves.

Encouragement brings hope and confidence. Barnabas must have been fun to be with. Acceptance is relaxing and motivating. When someone sees beyond inevitable weaknesses, loves unconditionally when others walk away,  – hope is restored and confidence is built.

Encouragement provokes risk taking. When Barnabas bought Paul to Jerusalem he risked losing the friendship of the other apostles. Encouragement also enables others to take risks, it says, “Come, and if you sink – my hand will be there to catch you!”

Encouragement is humble. Barnabas’ decision to take Mark, resulted in Paul and Barnabas separating and Luke “replacing” Barnabas.  Humility was his hallmark for he would not desert Mark even risking “losing his ministry” Encouragement is marked by humility

Encouragement crosses culture and language. It is a hug, a “wink” across the room, a tap on the shoulder, a “high five” Encouragement is a universal language that can be given, received and is needed by everyone.

Encouragement is fun and friendship. Barnabas was a “people person,” he noticed and gave them focus, seeing beyond the surface. Encouragement will open the door to deeper relationships and is fun to give and receive

Such is ENCOURAGEMENT!

Korean blog (Click here)

Portuguese blog:

Tal é o Encorajamento

Por Daphne Kirk,

http://www.gnation2gnation.com/; Twitter: daphnekirk

O Encorajamento supera. São necessários 5 encorajamentos para superar 1 comentário ou ação negativa. Ele não pode ser usado demais!

O encorajamento nos faz sair de nossa zona de conforto. Os discípulos tinham medo de Saulo, (Atos 9:26). Ele havia os perseguido. Foi preciso ter fé e sair de sua zona de conforto e deixar de lado sua própria segurança para que Barnabé contatasse a Paulo. O encorajamento pode ser até mesmo um ato de bravura.

O encorajamento pode ter resultados a longo prazo. O que teria acontecido se Barnabé não tivesse contatado Paulo? Será que seu encorajamento fez superar a vergonha e a culpa que Paulo pode ter sentido? Talvez nunca conheceremos o impacto do encorajamento – talvez nesse momento ou talvez por uma vida toda!

O encorajamento pode passar despercebido. Barnabé foi até Paulo sozinho, e essa jornada foi provavelmente solitária e incerta mas… crucial em mudar a história. O encorajamento não procura por aplausos – e muitas vezes significa sair do  seu caminho para entregá-lo.

O encorajamento é pessoal e focado. Generalidades são ótimas- mas o encorajamento poderoso vem da reflexão focada, perspicaz e pessoal. Ele diz, “Eu te conheço, eu acredito em você!” O encorajamento é genuíno!

O encorajamento exalta os outros. Barnabé deixou um ministério para procurar por Paulo, se importando mais com Paulo do que consigo mesmo. Quando estava em Antioquia ele não promoveu “seu próprio ministério”, mas viu o que Deus estava fazendo, se alegrou e .. os encorajou. O encorajamento incentiva os outros, querendo o melhor para eles, sem considerar a si mesmo.

O encorajamento traz esperança e confiança. Devia ser muito divertido estar junto de Barnabé. A aceitação é tranquilizante e motivadora. Quando alguém vê além da fraqueza inevitável e ama incondicionalmente mesmo quando os outros vão embora, então a esperança é restaurada e a confiança é construída.

O encorajamento faz com que você se arrisque. Quando Barnabé trouxe Paulo a Jerusalém, ele arriscou perder a amizade dos outros apóstolos. O encorajamento também permite que outros se arrisquem, ele diz, “Venha, e se você afundar, minha mão estará lá para te puxar!”

O encorajamento é humilde. A decisão de Barnabé de levar Marcos resultou na separação entre Paulo e Barnabé e Lucas “substituindo” Barnabé. A humildade foi sua marca, pois ele não iria abandonar Marcos mesmo arriscando “perder seu ministério”. O encorajamento é marcado por humildade.

O encorajamento atravessa a língua e a cultura. Ele é um abraço, uma piscadela do outro lado do cômodo, um toque no ombro, um “bate aqui”. O encorajamento é uma linguagem universal que pode ser dada, recebida e é necessária a todos.

O encorajamento é diversão e amizade. Barnabé era uma “pessoa de pessoas”, ele notava-as e lhes dava foco, enxergando além da superfície. O encorajamento vai abrir a porta pra relacionamentos mais profundos e é divertido dá-lo e recebê-lo.

Tal é o ENCORAJAMENTO!

Spanish blog: 

Esto es el ánimo

Por Daphne Kirk, www.Gnation2gnation.com; Twitter: daphnekirk

El estímulo vence. Se necesitan 5 estímulos para superar 1 comentario negativo o acción. ¡No puede ser usado en exceso!

El estímulo sale de nuestra zona de confort. Los discípulos le tenían miedo a Saulo, (Hechos 9:26). Los había perseguido. Fue necesario tener fe, salir de su zona de confort y dejar de lado su propia seguridad para que Bernabé se acercara a Pablo. El aliento puede incluso ser un acto de valentía.

El estímulo puede tener resultados a largo plazo. ¿Qué hubiera pasado si Bernabé no se hubiera acercado a Pablo? ¿Tal vez su ánimo superó la vergüenza y la culpa que Pablo pudo haber sentido? Puede que nunca sepamos el impacto del estímulo, tal vez sea por un momento, ¡quizás por toda la vida!

El estímulo puede pasar desapercibido. Bernabé fue solo a Pablo, probablemente un viaje solitario e incierto pero … fundamental para cambiar la historia. El estímulo no busca la aclamación, y a menudo significará salirse del camino para entregarla.

El estímulo es personal y enfocado. Las generalidades son geniales, pero el estímulo poderoso proviene de una reflexión enfocada, perspicaz y personal. Dice: “Te conozco, te lo creo!” ¡El estímulo es genuino!

El ánimo exalta a los demás. Bernabé dejó un ministerio para buscar a Pablo, preocupándose más por él que por él mismo. Cuando en Antioquía no promovió “su propio ministerio”, sino que vio lo que Dios estaba haciendo, se regocijó y los alentó. El estímulo anima a los demás, deseando lo mejor para ellos, sin tener en cuenta a sí mismos.

El estímulo trae esperanza y confianza. Debe haber sido divertido estar con con Bernabé. La aceptación es relajante y motivadora. Cuando alguien ve más allá de las debilidades inevitables, ama incondicionalmente cuando los demás se van, la esperanza se restaura y la confianza se construye.

El estímulo provoca la toma de riesgos. Cuando Bernabé compró a Pablo a Jerusalén, se arriesgó a perder la amistad de los otros apóstoles. El estímulo también permite a otros tomar riesgos, dice: “Ven, y si te hundes, ¡mi mano estará allí para atraparte!”

El estímulo es humilde. La decisión de Bernabé de tomar a Marcos, hizo que Pablo y Bernabé se separaran y Lucas “reemplazó” a Bernabé. La humildad a su sello distintivo, ya que no abandonaría a Marcos ni siquiera arriesgándose a “perder su ministerio”. El ánimo está marcado por la humildad

El estímulo va más alla de la cultura y el lenguaje. Es un abrazo, un “guiño” a través de la habitación, un toque en el hombro, una “choque de puños”. El estímulo es un lenguaje universal que todos pueden dar, recibir y es necesario.

El estímulo es diversión y amistad. Bernabé era una “persona de la gente”, se dio cuenta y los enfocó, viendo más allá de la superficie. El estímulo abrirá la puerta a relaciones más profundas y es divertido dar y recibir.

¡Esto es el ánimo!

Love or Church Planting?

By Daphne Kirk, www.Gnation2gnation.com; Twitter: daphnekirk

We are not commanded to plant churches, but to “obey.” The early church acted in obedience to the great commission, they were motivated by love for Jesus and empowered by the Holy Spirit. They did not respond to a command to “plant churches.” It was love that resulted in obedience to Jesus that propelled them into nations, and planting churches became a normal activity. Just as Jesus “came to seek and save the lost” – so the early church did the same.

The Church Plant became the “fold” into which the “lost sheep” were bought, the place where two or three were gathered together, and where they were taught “to observe all things.

When Planting Churches becomes the motivation, when it becomes the goal – passion can dim. When passion for Jesus and His heart for people propels us Church Planting is a result.

So the great commission, which results in church planting takes place under the authority of Jesus who said, “All authority in heaven and on earth has been given to me.”

It is propelled by love for Him resulting in obedience to “Go” into our nations and beyond.

And when there to,“make disciples of all nations, baptizing them in the name of the Father and of the Son and of the Holy Spirit, teaching them to observe all that I have commanded you,” in and through the cells that are planted and multiply to “Go” and repeat the process

Because He will be with us “to the end of the age.” and church planting will end in the marriage supper of the Lamb, rejoicing with those to whom we were commanded to “Go.”

What greater motivation, what greater eternal reward …. go go go and take the kingdom – for the King is coming!

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Amor ou Plantio de Igrejas?

Por Daphne Kirk

Não somos ordenados a plantar igrejas, mas a “obedecer”. A Igreja Primitiva agiu em obediência à grande comissão, eles foram motivados pelo amor a Jesus e capacitados pelo Espírito Santo. Eles não responderam a um mandamento de “plantar igrejas”. Foi o amor que resultou na obediência a Jesus que os impulsionou para as nações, e a plantação de igrejas se tornou uma atividade normal. Assim como Jesus “veio buscar e salvar os perdidos” – a Igreja Primitiva fez o mesmo.

A nova igreja plantada tornou-se o “aprisco” no qual as “ovelhas perdidas” foram compradas, o lugar onde dois ou três ficavam reunidos, e onde eles eram ensinados “a observar todas as coisas”.

Quando o plantio de igrejas se torna a motivação, quando isso se torna o objetivo, a paixão pode diminuir. Quando a paixão por Jesus e Seu coração pelas pessoas nos impulsionam, o plantio de igrejas é um resultado.

Assim, a grande comissão que resulta na plantação de igrejas, ocorre sob a autoridade de Jesus, que disse: “Toda autoridade foi me dada no céu e na terra”.

Isso é impulsionado pelo amor por Ele, resultando em obediência ao “Ide” para nossas nações e além.

E quando já estiver lá, “faça discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a observar tudo o que eu lhes ordenei”, dentro e através das células que são plantadas e multiplique para o “Ide” e repita o processo.

Porque Ele estará conosco “até o fim dos tempos” e a plantação de igrejas terminará na ceia das bodas do Cordeiro, regozijando-se com aqueles a quem fomos ordenados a “ir”.

Que maior motivação, que maior recompensa eterna? Vá, vá, vá e tome o reino – pois o Rei está chegando!

Spanish blog:

¿Amor o plantación de iglesias?

Por Daphne Kirk

No se nos ordena plantar iglesias, sino “obedecer”. La iglesia primitiva actuó en obediencia a la gran comisión, fue motivada por el amor a Jesús y facultada por el Espíritu Santo. No respondieron a un mandato de “plantar iglesias”. Fue el amor lo que resultó en la obediencia a Jesús lo que los impulsó a ir a las naciones, y el establecimiento de iglesias se convirtió en una actividad normal. Así como Jesús “vino a buscar y salvar a los perdidos”, así también la iglesia primitiva hizo lo mismo.

La plantación de Iglesias se convirtió en el “rebaño” en el que se compraron las “ovejas perdidas”, el lugar donde se reunían dos o tres, y donde se les enseñó a “observar todas las cosas”.

Cuando Plantar Iglesias se convierte en la motivación, cuando se convierte en la meta, la pasión puede disminuir. Cuando la pasión por Jesús y su corazón por la gente nos impulsa a sembrar iglesias, tendremos resultados.

Así que la gran comisión, que resulta en la plantación de iglesias, tiene lugar bajo la autoridad de Jesús, quien dijo: “Se me ha dado toda autoridad en el cielo y en la tierra”.

Somos impulsado por el amor a Él, lo que resulta en obediencia a “Ir” a nuestras naciones y más allá.

Y cuando llegue ahí “hagan discípulos de todas las naciones, bautizándolos en el nombre del Padre y del Hijo y del Espíritu Santo, enseñándoles a observar todo lo que les he mandado”, en y a través de las células plantadas multiplica e “Ve” y repite el proceso.

Porque Él estará con nosotros “hasta el fin de los tiempos”. Y la plantación de iglesias terminará en la cena de bodas del Cordero, regocijándose con aquellos a quienes se nos ordenó “ir”.

¿Qué mayor motivación, qué mayor recompensa eterna…. Ve, ve, toma el reino, ¡porque el Rey viene!