The Tendency to Blame God

By Daphne Kirk, www.G2gMandate.org; Twitter: daphnekirk

God gave us our ministry to bless our children. If it is not blessing them – something is very wrong, and, may I say, it is a misuse of what Jesus trusted us with.

“The secret things belong to the Lord our God, but the things revealed belong to us and to our children…” (Deut. 29:29).

So, our ministry belongs to them, too; it belongs to the whole family. What then can go wrong?

Your children and family will catch your passion. When you lose your passion for the ministry God graced you with, your children and family can be left seeing it as a burden and something to disengage from. Passion is like fire – it is catching, and your family gets “burnt” by it.

When your children have no voice, their ideas and concerns are ignored. I included my children in just about everything; I made major decisions based on what they had heard from God. That does not mean that I acted on everything they said, but it does mean they knew they had a voice and were listened to.

The needs of the church have a voice; leaders have a voice. But your children’s voices cannot be heard amongst the voices of others. I encourage you to make sure you really “hear” the voice of your family.

Release their gifting in the church; let their dreams be fulfilled through the church. If there appears to be no outlet for that, make one. Be involved where they are involved – as their parent, not their pastor.

However, I believe this is why many fall away – and where we need to be concerned. If our ministry in any way hurts our children, they will most probably think, “Ministry hurts me, deprives me of my parents, and my needs go unmet. Why are my parents in ministry? Because “God called them to it,” and they are “obeying Him.”

So, who is to blame – God! They are done with God.

Take note. Be warned. Do not give your children any reason to “blame your ministry and, therefore, blame God.” This may impact their eternal salvation.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

A Tendência de Culpar a Deus

Por Daphne Kirk, www.G2gMandate.org ; Twitter: daphnekirk

Deus nos deu nosso ministério para abençoar nossos filhos. Se não os está abençoando – algo está muito errado e, posso dizer, é um mau uso do que Jesus nos confiou.

“As coisas encobertas pertencem ao Senhor nosso Deus, mas as reveladas pertencem a nós e a nossos filhos…” (Dt 29:29).

Então, nosso ministério também pertence a eles; pertence a toda a família. O que então pode dar errado?

Seus filhos e família vão pegar sua paixão. Quando você perde sua paixão pelo ministério com o qual Deus o agraciou, seus filhos e familiares podem ficar vendo isso como um fardo e algo do qual se desapegar. A paixão é como o fogo – está pegando, e sua família fica “queimada” por isso.

Quando seus filhos não têm voz, suas ideias e preocupações são ignoradas. Eu incluí meus filhos em quase tudo; Tomei decisões importantes com base no que eles ouviram de Deus. Isso não significa que eu agi em tudo o que eles disseram, mas significa que eles sabiam que tinham voz e eram ouvidos.

As necessidades da igreja têm voz; líderes têm voz. Mas as vozes de seus filhos não podem ser ouvidas entre as vozes dos outros. Eu o encorajo a certificar-se de que você realmente “ouve” a voz de sua família.

Libere seus dons na igreja; que seus sonhos sejam realizados através da igreja. Se parece não haver saída para isso, faça uma. Envolva-se onde eles estiverem envolvidos – como pais, não como pastor.

No entanto, acredito que é por isso que muitos caem – e onde precisamos nos preocupar. Se nosso ministério de alguma forma machuca nossos filhos, eles provavelmente pensarão: “O ministério me machuca, me priva de meus pais e minhas necessidades não são atendidas. Por que meus pais estão no ministério? Porque “Deus os chamou para isso” e eles estão “obedecendo a Ele”.

Então, quem é o culpado – Deus! Não querem mais nada com Deus.

Tome nota. Esteja avisado. Não dê a seus filhos nenhuma razão para “culpar seu ministério e, portanto, culpar a Deus”. Isso pode impactar sua salvação eterna.

Spanish blog:

La tendencia a culpar a Dios

Por Daphne Kirk, www.G2gMandate.org; Twitter: daphnekirk

Dios nos dio nuestro ministerio para bendecir a nuestros hijos, si no los está bendiciendo – algo está muy mal, y, puedo decir, estamos haciendo un mal uso de lo que Jesús nos confió.

“Las cosas secretas pertenecen al Señor nuestro Dios, pero las cosas reveladas nos pertenecen a nosotros y a nuestros hijos…” (Deut. 29:29).

Por lo tanto, nuestro ministerio también les pertenece a ellos; pertenece a toda la familia. ¿Qué puede fallar entonces?

Tus hijos y tu familia se contagiarán de tu pasión. Cuando pierdes tu pasión por el ministerio con el que Dios te ha agraciado, tus hijos y tu familia pueden verlo como una carga y algo de lo que debes desprenderte. La pasión es como el fuego – se contagia, y su familia se “quema” con ella.

Cuando tus hijos no tienen voz, sus ideas y preocupaciones son ignoradas. Yo incluía a mis hijos en casi todo; tomaba las decisiones más importantes basándome en lo que ellos habían escuchado de Dios. Eso no significa que actuaba sobre todo lo que decían, pero sí que sabían que tenían voz y que se les escuchaba.

Las necesidades de la iglesia tienen voz; los líderes tienen voz. Pero las voces de tus hijos no pueden ser escuchadas entre las voces de los demás. Te animo a que te asegures de “escuchar” realmente la voz de tu familia.

Libera sus dones en la iglesia; deja que sus sueños se cumplan a través de la iglesia. Si parece que no hay una salida para ello, crea una. Involúcrate donde ellos están involucrados – como sus padres, no como su pastor.

Sin embargo, creo que esta es la razón por la que muchos se alejan – y donde debemos preocuparnos. Si nuestro ministerio de alguna manera daña a nuestros hijos, lo más probable es que piensen: “El ministerio me daña, me priva de mis padres, y mis necesidades no son satisfechas. ¿Por qué mis padres están en el ministerio? Porque “Dios los llamó a ello” y le están “obedeciendo”.

Entonces, ¿quién tiene la culpa: ¿Dios? Se hartan de Dios.

Toma nota. Estén advertidos. No des a tus hijos ninguna razón para “culpar a tu ministerio y, por lo tanto, culpar a Dios”. Esto puede afectar su salvación eterna.

Including Your Children in Your Ministry

By Daphne Kirk, www.G2gMandate.org; Twitter: daphnekirk

There are so many things we believe–not because they are Biblical or because we have considered them and decided– but because they have subtly found their way into our value system.

One of these is, “As leaders, we must be careful not to make our own children special in our ministry.” We think this will cause jealousy and problems, so we are careful to ensure they are “the same as other children/teens.”

However, the result is that we role model that it is ok to push our children aside and exclude them from our ministry, offices, or being among our colleagues. We also model that it is ok for our colleagues to do the same with their children. We replicate this model.

Since their childhood, I have included my children in every aspect of ministry. If there were pastor’s consultations, they were there. They were a part of our conferences. They spoke at the conferences before they were “ready” because “being ready” was not the issue. Rather,  including them was the main concern and making them feel special.

If anyone had said this was not right (and they never did), I would respond, “If you would like your children to be special, then serve Jesus and include them.”

What joy it would be to see everyone, whatever ministry they had, including their children.

I was in a church in the USA, and a caretaker came to me and said:

I was in the conference when you were talking about making your children special in your ministry. My children used to ask to come to the gym with me when I was cleaning it. I told them children were not allowed except at certain times. Then I heard what you said, so I told my children that when I cleaned the gym, they could come and play in it. One day the pastor’s children asked my children, ‘Can we come when your dad cleans the gym?’ They replied, ‘NO, YOU CAN’T! YOUR DAD IS ONLY THE PASTOR!!!’”

These children felt their dad was special as a caretaker, and it was a blessing to them!

Make your children special, include them, and encourage the rest of the church to do the same! Integration of God, family, and ministry is the way forward.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Incluindo Seus Filhos em Seu Ministério

Por Daphne Kirk,  www.G2gMandate.org ; Twitter: daphnekirk

Há tantas coisas em que acreditamos – não porque sejam bíblicas ou porque as consideramos e decidimos – mas porque sutilmente encontraram seu caminho em nosso sistema de valores.

Uma delas é: “Como líderes, devemos ter cuidado para não tornar nossos próprios filhos especiais em nosso ministério”. Achamos que isso causará ciúmes e problemas, por isso temos o cuidado de garantir que sejam “iguais às outras crianças/adolescentes”.

No entanto, o resultado é que somos um exemplo de que não há problema em deixar nossos filhos de lado e excluí-los de nosso ministério, escritórios ou estar entre nossos colegas. Também modelamos que não há problema em nossos colegas fazerem o mesmo com seus filhos. Replicamos este modelo.

Desde a infância, incluí meus filhos em todos os aspectos do ministério. Se havia consultas de pastor, elas estavam lá. Eles faziam parte de nossas conferências. Eles falaram nas conferências antes de estarem “prontos” porque “estar prontos” não era o problema. Em vez disso, incluí-los era a principal preocupação e fazê-los se sentirem especiais.

Se alguém dissesse que isso não estava certo (e nunca o fez), eu responderia: “Se você quiser que seus filhos sejam especiais, sirva a Jesus e inclua-os”.

Que alegria seria ver todos, independentemente do ministério que tivessem, incluíssem seus filhos.

Eu estava em uma igreja nos EUA, e um zelador veio até mim e disse:

Eu estava na conferência quando você estava falando sobre tornar seus filhos especiais em seu ministério. Meus filhos costumavam pedir para ir à ginásio comigo quando eu o limpava. Eu disse a eles que crianças não eram permitidas, exceto em determinados momentos. Então eu ouvi o que você disse, daí eu disse aos meus filhos que quando eu limpasse o ginásio, eles poderiam ir e brincar lá. Um dia, os filhos do pastor perguntaram aos meus filhos: ‘Podemos ir juntos quando seu pai for limpar o ginásio?’ Eles responderam: ‘NÃO, VOCÊS NÃO PODEM! SEU PAI É APENAS O PASTOR!!!’”

Essas crianças sentiram que seu pai era especial como zelador, e isso foi uma bênção para elas!

Torne seus filhos especiais, inclua-os e incentive o resto da igreja a fazer o mesmo! A integração de Deus, família e ministério é o caminho a seguir.

Spanish blog:

Cómo incluir a sus hijos en su ministerio

Por Daphne Kirk, www.G2gMandate.org; Twitter: daphnekirk

Hay tantas cosas que creemos -no porque sean bíblicas o porque las hayamos considerado y decidido- sino porque han encontrado sutilmente su camino en nuestro sistema de valores

Una de ellas es: “Como líderes, debemos tener cuidado de no hacer especiales a nuestros propios hijos en nuestro ministerio”. Pensamos que esto causará celos y problemas, por lo que nos cuidamos de que sean “iguales a los demás niños/adolescentes”.

Sin embargo, el resultado es que modelamos que está bien hacer a nuestros hijos a un lado y excluirlos de nuestro ministerio, oficinas, o estar entre nuestros colegas. También modelamos que está bien que nuestros colegas hagan lo mismo con sus hijos. Reproducimos este modelo.

Desde su infancia, he incluido a mis hijos en todos los aspectos del ministerio. Si había consultas de pastores, ellos estaban allí. Formaban parte de nuestras conferencias. Hablaron en las conferencias antes de estar “listos” porque “estar listos” no era la cuestión. Más bien, incluirlos era la principal preocupación y hacerlos sentir especiales.

Si alguien hubiera dicho que esto no era correcto (y nunca lo hicieron), yo respondería: “Si quieres que tus hijos sean especiales, entonces sirve a Jesús e inclúyelos”.

Qué alegría sería ver a todos, independientemente del ministerio que tuvieran, incluyendo a sus hijos.

Estuve en una iglesia en los Estados Unidos, y un conserje se me acercó y me dijo:

Estuve en la conferencia cuando usted hablaba de hacer a los niños especiales en su ministerio. Mis hijos solían pedir venir al gimnasio conmigo cuando lo limpiaba. Les dije que los niños no estaban permitidos excepto en ciertos momentos. Luego escuché lo que usted dijo, así que les dije a mis hijos que cuando limpiara el gimnasio, podían venir a jugar en él. Un día los hijos del pastor les preguntaron a mis hijos: ‘¿Podemos venir cuando tu padre limpia el gimnasio? Ellos respondieron: ‘¡NO, NO PUEDEN! VUESTRO PADRE ES SÓLO EL PASTOR”.

Estos niños sintieron que su papá era especial como conserje, ¡y fue una bendición para ellos!

¡Haga que sus hijos sean especiales, inclúyalos y anime al resto de la iglesia a hacer lo mismo! La integración de Dios, la familia y el ministerio es el camino a seguir.

Who do we see?

By Daphne Kirk, www.G2gMandate.org; Twitter: daphnekirk

The Celebration service can be the loneliest place; it can be overwhelming, like navigating a maze. Depending on the size of the church, it can be difficult to find people and certainly easy to walk in and walk out without being noticed.

Sadly, I have had personal experience of this type of feeling when arriving at a church. Before I am recognized as “the speaker” – I stand in a space and wait. It is quite a good exercise to see if anyone notices me. The majority of the time – no one does, and I am able to give that feedback to the Pastor.

Sometimes there are people with tee shirts that announce in some form that they are there to “keep an eye open” to visitors but, what message could that give? “It is the job of all believers to do this” rather than special greeters.

Caring could be shown through the celebration by following up new attendees via cell members who invite them to the cell meeting, or even by a personal invitation to meet up. The person greeting people at the door, rather than showing them to a seat, could show them to a cell member, let them know the person is alone, or this is the first time they have attended so that they can feel relationally connected. This connection needs to be directed to children too because they matter! And parents will not feel cared for if their children are ignored or unhappy.

I see people counting numbers and I sometimes wonder if that is all they see. Do they see the faces that are sad, lost or plain uncomfortable? Do they see who is chatting to others and those who are sitting silently alone? Do they see the children and teenagers, or pass them by? Do they see those who rush out or those that linger longer looking for… someone?

Who do we see? To be not “seen” is to be “not valued”. We need cell members who “see” in these situations and say in word and deed, “You matter.” “And we would love you to come and join our small community where you will make friend”

Let’s open our eyes so we can open our homes and open our arms! Everyone matters

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Quem vemos?

Por Daphne Kirk, www.G2gMandate.org; Twitter: daphnekirk

O culto de Celebração pode ser o lugar mais solitário; pode ser esmagador, como navegar em um labirinto. Dependendo do tamanho da igreja, pode ser difícil encontrar pessoas e certamente fácil entrar e sair sem ser notado.

Infelizmente, tive experiência pessoal desse tipo de sentimento ao chegar a uma igreja. Antes de ser reconhecida como “a palestrante” – fico em um espaço e espero. É um bom exercício para ver se alguém me nota. Na maioria das vezes – ninguém o faz, e eu sou capaz de dar esse feedback ao Pastor.

Às vezes, há pessoas com camisetas que anunciam de alguma forma que estão lá para “ficar de olho aberto” aos visitantes, mas que mensagem isso poderia dar? “É o trabalho de todos os crentes fazerem isso” em vez de recepcionistas especiais.

O cuidado pode ser demonstrado através da celebração, acompanhando os novos participantes através dos membros da célula que os convidam para a reunião da célula, ou mesmo por um convite pessoal para se encontrarem. A pessoa que cumprimenta as pessoas na porta, em vez de mostrá-las a um assento, pode mostrá-las a um membro da célula, avisá-las que a pessoa está sozinha, ou esta é a primeira vez que ela participa do culto para que possa se sentir conectada em relação. Essa conexão precisa ser direcionada para as crianças também porque elas importam! E os pais não se sentirão cuidados se seus filhos forem ignorados ou infelizes.

Vejo pessoas contando números e às vezes me pergunto se isso é tudo o que elas veem. Eles vêem os rostos que estão tristes, perdidos ou simplesmente desconfortáveis? Eles vêem quem está conversando com os outros e aqueles que estão sentados em silêncio sozinhos? Eles vêem as crianças e adolescentes, ou passam por eles? Eles vêem aqueles que saem correndo ou aqueles que demoram mais à procura de… alguém?

Quem vemos? Não ser “visto” é “não ser valorizado”. Precisamos de membros de célula que “vejam” essas situações e digam em palavras e atos: “Você é importante”. “E nós adoraríamos que você viesse e se juntasse à nossa pequena comunidade onde você fará amigos”

Vamos abrir os olhos para podermos abrir nossas casas e abrir nossos braços! Todo mundo importa

Spanish blog:

¿A quién vemos?

Por Daphne Kirk, www.G2gMandate.org; Twitter: daphnekirk

El servicio de Celebración puede ser el lugar más solitario; puede ser abrumador, como navegar por un laberinto. Dependiendo del tamaño de la iglesia, puede ser difícil encontrar personas y ciertamente es fácil entrar y salir sin ser notado.

Tristemente, he tenido experiencia personal de este tipo de sentimiento al llegar a una iglesia. Antes de que me reconozcan como “el orador”, me paro en un espacio y espero. Es un buen ejercicio para ver si alguien se fija en mí. La mayoría de las veces, nadie lo hace, y puedo darle esa información al pastor.

A veces hay gente con camisetas que anuncian de alguna forma que están ahí para “estar atentos” a los visitantes pero, ¿qué mensaje puede dar eso? “Es el trabajo de todos los creyentes hacer esto” en lugar de saludadores especiales.

La solidaridad se puede mostrar a través del servicio de celebración haciendo un seguimiento de los nuevos asistentes a través de los miembros del grupo que los invitan a la reunión del grupo, o incluso mediante una invitación personal para reunirse. La persona que saluda a los miembros en la puerta, en lugar de mostrarles un asiento, podría mostrarles a un miembro de la célula, luego hacerle saber al miembro de la célula que la persona está sola o que es la primera vez que asisten para que puedan sentirse conectados relacionalmente. ¡Esta conexión también debe dirigirse a los niños porque son importantes! Y los padres no se sentirán atendidos si sus hijos son ignorados o infelices.

Veo personas contando números y a veces me pregunto si eso es todo lo que ven. ¿Ven las caras que están tristes, perdidas o simplemente incómodas? ¿Ven quién está charlando con los demás y quién está sentado solo en silencio? ¿Ven a los niños y adolescentes, o pasan de largo? ¿Ven a los que salen corriendo o a los que se demoran más buscando… a alguien?

¿A quién vemos? No ser “visto” es ser “no valorado”. Necesitamos miembros celulares que “vean” estas situaciones y digan de palabra y obra: “Tú importas”. “Y nos encantaría que vinieras y te unieras a nuestra pequeña comunidad donde harás amigos”

¡Abramos los ojos para poder abrir nuestros hogares y abrir nuestros brazos! Todos importan.

Caring Like Jesus

By Daphne Kirk, www.G2gMandate.org; Twitter: daphnekirk

It is comparatively easy to set up systems to care for people, create check lists and allocate responsibilities. In no way am I denigrating systems. When they work well, they are the safety net for ensuring thing are accomplished in timely and effective ways.

However, which comes first – the system or the heart? What is the core of caring in the cell, that will bring authenticity and life to those systems? Surely it is to have the heart of Jesus, where every person really matters, where we will “sit at the well in the scorching heat” (John 4) or notice someone who is sitting at a distance “up a tree” (Luke 19) unnoticed. No system would have ensured Jesus cared for these individuals – it was His heart of compassion and love, a heart that knew the value of every soul that He came into contact with or could come into contact with.

His heart ensured no one passed Him by and took advantage of every small moment. He knew people by name, knew how to ask questions that showed He cared. No one was too small – the children mattered.

So, when considering “caring in the cell” surely the first place to start is with our hearts, by studying how Jesus cared for people and go from there.

One of the biggest downfalls I have found is presuming we know what people would like or need, without knowing their love language or asking them. Caring can turn into a burden for that person. Let me give you an example from my own life. After returning from 6 weeks ministry over 3 continents one of the first “caring” things was, “Glad you are home there is a great meeting at church would you like to come?” My inward thoughts were, “Really? No! I have just spent 6 weeks in church meetings. Please ask me what I would like because the answer would be – a coffee date, something fun!” At other times people say, “We would have invited you, but we knew you were busy” … so I missed out. Presumption can show a lack of insight and care. So, ask – don’t presume!

Systems can create channels for general care, they will not ensure there is a heartbeat, people are noticed or that they have the care they need.

So … it is back to – on our knees. “Jesus, please turn my heart of stone into one that beats like yours. Please open my eyes to see beyond my horizon and notice people as you do. Please help me understand and have wisdom as you … and please be my hands and feet to hug like you, laugh as you do and weep when you do. Here I am … use me!”

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Cuidando Como Jesus

Por Daphne Kirk, www.G2gMandate.org; Twitter: daphnekirk

É relativamente fácil configurar sistemas para cuidar de pessoas, criar listas de verificação e alocar responsabilidades. De forma alguma estou denegrindo os sistemas. Quando funcionam bem, são a rede de proteção para garantir que as coisas sejam realizadas de maneira oportuna e eficaz.

No entanto, o que vem primeiro – o sistema ou o coração? Qual é o núcleo do cuidado na célula, que trará autenticidade e vida a esses sistemas? Certamente é ter o coração de Jesus, onde cada pessoa realmente importa, onde vamos “sentar junto ao poço no calor escaldante” (João 4) ou notar alguém que está sentado à distância “em cima de uma árvore” (Lucas 19) despercebido. Nenhum sistema teria assegurado que Jesus cuidasse desses indivíduos – era Seu coração de compaixão e amor, um coração que conhecia o valor de cada alma com quem Ele entrou em contato ou poderia vir a entrar em contato.

Seu coração garantiu que ninguém passasse por Ele e aproveitou cada pequeno momento. Ele conhecia as pessoas pelo nome, sabia fazer perguntas que mostravam que Ele se importava. Ninguém era pequeno demais – as crianças importavam.

Então, ao considerar “cuidar na célula” certamente o primeiro lugar para começar é com nossos corações, estudando como Jesus cuidou das pessoas e a partir daí.

Uma das maiores quedas que encontrei é presumir que sabemos o que as pessoas gostariam ou precisam, sem conhecer sua linguagem de amor ou perguntar a elas. Cuidar pode se transformar em um fardo para essa pessoa. Deixe-me dar um exemplo da minha própria vida. Depois de retornar de 6 semanas de ministério em 3 continentes, uma das primeiras coisas de “cuidado” foi: “Que bom que você está em casa, há uma grande reunião na igreja que você gostaria de vir?” Meus pensamentos internos eram: “Sério? Não! Acabei de passar 6 semanas nas reuniões da igreja. Por favor, pergunte-me o que eu gostaria, porque a resposta seria – um encontro para um café, algo divertido!” Outras vezes, as pessoas dizem: “Nós teríamos convidado você, mas sabíamos que você estava ocupada…” então eu perdi. A presunção pode mostrar uma falta de discernimento e cuidado. Então, pergunte – não presuma!

Os sistemas podem criar canais para cuidados gerais, eles não garantem que haja um batimento cardíaco, que as pessoas sejam notadas ou que tenham os cuidados de que precisam.

Então… voltamos a estar – de joelhos. “Jesus, por favor, transforme meu coração de pedra em um que bata como o seu. Por favor, abra meus olhos para ver além do meu horizonte e observe as pessoas como você faz. Por favor, ajude-me a entender e ter sabedoria como você… e por favor, seja minhas mãos e pés para abraçar como você, rir como você faz e chorar quando você fizer isso. Eis-me aqui… use-me!

Spanish blog:

Cuidando como Jesús

Por Daphne Kirk, www.G2gMandate.org; Twitter: daphnekirk

Es comparativamente fácil configurar sistemas para cuidar a las personas, crear listas de verificación y asignar responsabilidades. De ninguna manera estoy denigrando los sistemas. Cuando funcionan bien, son la red de seguridad para garantizar que las cosas se lleven a cabo de manera oportuna y eficaz.

Sin embargo, ¿qué viene primero, el sistema o el corazón? ¿Cuál es el núcleo del cuidado en la célula, que dará autenticidad y vida a esos sistemas? Seguramente es tener el corazón de Jesús, donde cada persona realmente importa, donde nos “sentaremos junto al pozo en el calor abrasador” (Juan 4) o notaremos a alguien que está sentado a la distancia “en lo alto de un árbol” (Lucas 19) desapercibido. Ningún sistema habría asegurado que Jesús se preocupara por estas personas: era su corazón de compasión y amor, un corazón que conocía el valor de cada alma con la que entró en contacto o con la que podía entrar en contacto.

Su corazón se aseguraba de que nadie lo pasara por alto y aprovechaba cada pequeño momento. Conocía a las personas por su nombre, sabía cómo hacer preguntas que demostraban que le importaba. Nadie era demasiado pequeño: los niños importaban.

Entonces, al considerar “cuidar en la célula”, seguramente el primer lugar para comenzar es con nuestros corazones, estudiando cómo Jesús cuidó de las personas y seguir desde allí.

Una de las mayores caídas que he encontrado es suponer que sabemos lo que le gustaría o necesitaría a la gente, sin saber su lenguaje de amor o preguntárselo. Cuidar puede convertirse en una carga para esa persona. Déjame darte un ejemplo de mi propia vida. Después de regresar de un ministerio de 6 semanas en 3 continentes, una de las primeras cosas de “cuidado” fue: “Me alegro de que estés en casa, hay una gran reunión en la iglesia. ¿Te gustaría venir?” Mis pensamientos internos eran: “¿En serio? ¡No! Acabo de pasar 6 semanas en reuniones de la iglesia. Pregúntame qué me gustaría porque la respuesta sería: ¡una cita para tomar un café, algo divertido! En otras ocasiones, la gente dice: “Te hubiéramos invitado, pero sabíamos que estabas ocupado”… así que me perdí. La presunción puede mostrar una falta de perspicacia y cuidado. Entonces, pregunte, ¡no suponga!

Los sistemas pueden crear canales para la atención general, pero no garantizarán que haya un latido, que las personas se noten o que tengan la atención que necesitan.

Así que… es necesario volver a estar de rodillas. “Jesús, por favor, convierte mi corazón de piedra en uno que palpite como el tuyo. Por favor, abre mis ojos para ver más allá de mi horizonte y notar a las personas como lo haces tú. Por favor, ayúdame a comprender y tener sabiduría como tú… y sé mis manos y mis pies para abrazar como tú, reír como lo haces y llorar cuando lo haces. Aquí estoy… ¡úsame!

Equipping Leaders For The Internet

By Daphne Kirk, www.G2gMandate.org; Twitter: daphnekirk

We are all living through this changing world, times the prophets longed to see and times we sometimes wish we did not have to see!!! While we might want to see groups return to face to face it might be that zoom (or another similar platform) could be part of our lives in some form or another for the foreseeable future. I would, at this point, suggest that you look ahead and ask what would happen if the internet came down and transportation was limited, but that is a topic for another time.

This month is looking at the issue of “equipping” and maybe by zoom. However, I wonder how many have included equipping for zoom and social media interaction as we look to the future. Face to face and zoom are different dynamics with plus and minus for both. I take this moment to offer suggestions for equipping your leaders for zoom in order to gain the best leadership under these circumstances.

The context of our use of social media platforms 

  • Understanding the prophetic time we live in places our interaction in God’s time line, not just as a knee jerk reaction to the laws of man or COVID
  • This may be transitory, either leading us back to face-to-face meetings as we experienced them or forward towards face-to-face as the underground church already experiences.
  • We must “know the signs of the times and what to do” (1 Chron 12:32).

Online interaction principles 

  • So many of the cell leadership skills still apply so encourage leaders to be aware of them
    • Eye contact is even more important, not checking phones off camera or being distracted by focusing on other things in the room. Our eyes are even more important as body language is not so apparent. Stay 100% focused.
    • Proactively encourage cell members to do the same, not talking around making coffee, going off camera, having people walking in and out the room. These things are distracting to others on the call and “give the message” that other things are priority 
    • Use a group chat. Signal, to keep the group connected between meetings. This interaction helps people to not feel so isolated.
    • Use the same skills to ensure one person does not dominate or others be overlooked. That is, asking questions by name, “thank you, now let’s hear from. .” This is even more important as “interrupting” on zoom can be difficult as voices run over each other 

Encourage leaders to seize the moment to break the isolation

  • Be proactive in connecting with your neighborhood. We put a note through each door introducing ourselves, and giving our phone number (for Signal) and Social media handles to open the door of opportunity to connect
  • Set up a street chat via Signal (or similar)  
  • Give cells time to brainstorm how the emergence of connecting via the internet can open new doors

Bring prophetic vision, not a backward looking dream

  • Restore eschatology 
  • Discuss with your leaders how you can be prepared for the next “birth pain” 

Want a resource for your cells to join with small groups around the world and prepare holistically for the days ahead? Check out: www.G2gMandate.org/IssacharNetwork

Drop me a line and lets talk!

Korean blog: (click here)

Portuguese blog:

Equipando líderes para a Internet

Por Daphne Kirk, www.G2gMandate.org; Twitter: daphnekirk

Todos nós estamos vivendo neste mundo em mudança, tempos que os profetas desejavam ver e tempos que às vezes desejávamos não ter que ver !!! Embora possamos querer ver os grupos voltando a ficar cara a cara, pode ser que o zoom (ou outra plataforma semelhante) faça parte de nossas vidas de uma forma ou de outra em um futuro previsível. Eu gostaria, neste ponto, de sugerir que você olhe para frente e pergunte o que aconteceria se a internet caísse e o transporte fosse limitado, mas isso é um assunto para outra hora.


Este mês está olhando para a questão de “equipamento” e talvez pelo zoom. No entanto, eu me pergunto quantos incluíram equipamentos para zoom e interação em mídia social enquanto olhamos para o futuro. Face a face e zoom são dinâmicas diferentes com mais e menos para ambos. Aproveito este momento para oferecer sugestões para equipar seus líderes para o zoom, a fim de obter a melhor liderança nessas circunstâncias.

O contexto de nosso uso de plataformas de mídia social

  • Compreender o tempo profético em que vivemos coloca nossa interação na linha do tempo de Deus, não apenas como uma reação automática às leis do homem ou COVID
  • Isso pode ser transitório, quer nos levando de volta às reuniões face a face, como as vivenciamos, ou avançando para as reuniões face a face, como a igreja subterrânea já experimenta.
  • Devemos “conhecer os sinais dos tempos e o que fazer” (1 Crônicas 12:32).

 
Princípios de interação online

  • Muitas das habilidades de liderança de célula ainda se aplicam, então incentive os líderes a estarem cientes delas
    • O contato visual é ainda mais importante, sem tirar os telefones da câmera ou se distrair ao focar em outras coisas na sala. Nossos olhos são ainda mais importantes porque a linguagem corporal não é tão aparente. Fique 100% focado.
    • Incentive proativamente os membros da célula a fazerem o mesmo, não falando por aí fazendo café, saindo da câmera, tendo pessoas entrando e saindo da sala. Essas coisas distraem os outros na chamada e “passam a mensagem” de que outras coisas são prioritárias
    • Use um bate-papo em grupo. Sinal, para manter o grupo conectado entre as reuniões. Essa interação ajuda as pessoas a não se sentirem tão isoladas.
    • Use as mesmas habilidades para garantir que uma pessoa não domine ou outras sejam esquecidas. Ou seja, fazer perguntas pelo nome, “obrigado, agora vamos ouvir…” Isso é ainda mais importante, pois “interromper” o zoom pode ser difícil, pois as vozes atropelam-se

 
Incentive os líderes a aproveitarem o momento para quebrar o isolamento

  • Seja proativo ao se conectar com sua vizinhança. Colocamos uma nota em cada porta nos apresentando e dando nosso número de telefone (para Signal) e aviso de maçaneta de Mídia Social para abrir a porta da oportunidade de nos conectarmos
  • Configure um bate-papo de rua via Signal (ou similar)
  • Dê tempo às células para pensarem como o surgimento da conexão pela Internet pode abrir novas portas

 
Traga uma visão profética, não um sonho retrógrado

  • Restaurar escatologia
  • Discuta com seus líderes como você pode estar preparado para a próxima “dor do parto”

 
Deseja um recurso para que suas células se juntem a pequenos grupos ao redor do mundo e se preparem de forma holística para os dias que virão? Confira:  www.G2gMandate.org/IssacharNetwork

Me escreva e vamos conversar!

Spanish blog:

Equipando líderes para Internet

Por Daphne Kirk, www.G2gMandate.org; Twitter: daphnekirk

Todos estamos viviendo en este mundo cambiante, tiempos que los profetas anhelaban ver y tiempos que a veces desearíamos no tener que ver. Si bien es posible que deseemos que los grupos celulares vuelvan a verse cara a cara, es posible que zoom (u otra plataforma similar) sea parte de nuestras vidas de una forma u otra en el futuro previsible. En este punto, les sugiero que miren hacia el futuro y se pregunten qué pasaría si Internet fallara y el transporte fuera limitado, pero ese es un tema para otro momento.

En este  mes se está analizando el tema del “equipamiento” y tal vez por medio de zoom. Sin embargo, me pregunto cuántos han incluido zoom para su equipamiento y la interacción con las redes sociales mientras miramos hacia el futuro. El reunirse cara a cara y conectarse por zoom son dinámicas diferentes con más y menos para ambas. Aprovecho este momento para ofrecer sugerencias para que prepares  a tus líderes para trabajar por zoom a fin de obtener el mejor liderazgo en estas circunstancias.

El contexto de nuestro uso de las plataformas de redes sociales.

  • Comprender que el tiempo profético en el que vivimos coloca nuestra interacción en la línea de tiempo de Dios, no solo como una reacción instintiva a las leyes del hombre o la COVID 19.
  • Esto puede ser transitorio, ya sea llevándonos de regreso a las reuniones cara a cara como las experimentamos o hacía adelante a las reuniones cara a cara como ya lo experimenta la iglesia clandestina.
  • Debemos “conocer las señales de los tiempos y lo que debemos hacer” (1 Crón. 12:32).

Principios de interacción en línea

  • Muchas de las habilidades de liderazgo celular todavía se aplican, así que anime a los líderes a que las conozcan.
  • El contacto visual es aún más importante, no mirar los teléfonos fuera de la cámara o distraerse al enfocarse en otras cosas en la habitación. Nuestros ojos son aún más importantes ya que el lenguaje corporal no es tan evidente. Mantente 100% concentrado.
  • Aliente de manera proactiva a los miembros de la célula a hacer lo mismo, sin hablar de preparar café, salirse de la cámara, hacer que la gente entre y salga de la habitación. Estas cosas distraen a los demás en la llamada y “transmiten el mensaje” de que otras cosas son una prioridad.
  • Utilice un chat grupal. Señal, para mantener al grupo conectado entre reuniones. Esta interacción ayuda a las personas a no sentirse tan aisladas.
  • Utilice las mismas habilidades para asegurarse de que una persona no domine o que otras sean ignoradas. Es decir, hacer preguntas por su nombre, “gracias, ahora escuchemos de. . ” Esto es aún más importante ya que “interrumpir” en el zoom puede ser difícil ya que las voces se superponen.

Anime a los líderes a aprovechar el momento para romper el aislamiento

  • Sea proactivo al conectarse con su vecindario. Coloquemos una nota en cada puerta presentándonos y dando nuestro número de teléfono (para Signal) y en las manijas de las redes sociales para abrir la puerta de la oportunidad de conectarnos.
  • Configurar un chat en la calle a través de Signal (o una red similar)
  • Da tiempo a las células para que intercambien ideas sobre cómo el surgimiento de la conexión a través de Internet puede abrir nuevas puertas.

Trae una visión profética, no un sueño que mira hacia atrás.

  • Restaurar escatología
  • Analice con sus líderes cómo puede prepararse para el próximo “principio de dolores”

¿Quieres un recurso para que tus células se unan a grupos pequeños de todo el mundo y se preparen de manera integral para los días venideros? Visita: www.G2gMandate.org/IssacharNetwork

¡Escríbeme y hablemos!