Loved at Home

By Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Why is it that our family of origin has such a strong influence on us even years after we have moved away from home? Could it be that our closest relationships in our home shape us? Don’t we want the people that know us best to love us most? In fact, don’t we want the people to love us most who know us best? Frankly, isn’t this also true of the Body of Christ? I believe a loving home is the best place for people to begin connecting with the Family of God.

In the “Cell driven church” ministry is driven by relationships. When we started to shift our ministry, we focused on the desire to become “a relational church that is sold out to Jesus.” This means that we want our ministry built on relationships. We want our relationships to grow out of our relationship with Jesus Christ.

Hebrews 10:24-25 NIV – “24 And let us consider how we may spur one another on toward love and good deeds, 25 not giving up meeting together, as some are in the habit of doing, but encouraging one another–and all the more as you see the Day approaching.”

Since are most important relationships are centered in our homes with the people we love, it is no wonder that home cells have the potential to encourage one another to significant spiritual growth. In the home cell, we have a place of love where we can use our gifts to serve one another, encourage one another, pray for one another, spur one another on to love and good deeds and most of all, love one another.

In the comfort of my home, I feel safe and accepted as I am. I feel loved and I willingly give love to my family. This makes hospitality so important. As I invite people into my home I am inviting them to share in the love and acceptance felt in our home. I am inviting people into the safety of my home where they can share themselves and be loved by others in our cell. When a home is filled with the love of Christ, it becomes a place where people can experience that love and even come into their own relationship with Christ.

When I think of the many “one another” phrases in Scripture, I think they find their greatest application in our homes. Home cells are just good because they are not in the formal setting of a church facility. They are meaningful because of the love that is evident in each home. As I invite people into my home, I am welcoming them into my life and inviting to experience the love of my household. Frankly, this invitation to “church” is the best invitation. I think it is even more important than inviting them to a church service. What do you think?

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Amado em Casa: Um Lar Amoroso é o melhor lugar para as pessoas começarem a se conectar com a Família de Deus.

Por Bill Mellinger

Por que nossa família de origem tem uma influência tão forte sobre nós mesmo anos depois de termos saído de casa? Será que nossos relacionamentos mais próximos em nossa casa nos moldam? Queremos que as pessoas que nos conhecem melhor nos amem mais, certo?  Na verdade, não queremos que nos amem mais as pessoas que nos conhecem melhor? Francamente, isso não é verdade também em relação ao Corpo de Cristo?

Na igreja guiada por células, o ministério é impulsionado pelos relacionamentos. Quando começamos a mudar nosso ministério, nos concentramos no desejo de nos tornar “uma igreja relacional que é entregue a Jesus”. Isso significa que queremos que nosso ministério seja construído sobre relacionamentos.  Queremos que nossos relacionamentos cresçam a partir de nosso relacionamento com Jesus Cristo.

Hebreus 10:24-25 NVI – “E consideremos uns aos outros para nos incentivarmos ao amor e às boas obras. Não deixemos de reunir-nos como igreja, segundo o costume de alguns, mas procuremos encorajar-nos uns aos outros, ainda mais quando vocês veem que se aproxima o Dia.”

Como as relações mais importantes estão centradas em nossos lares com as pessoas que amamos, não é de admirar que as células domésticas tenham o potencial de encorajar umas às outras a um crescimento espiritual significativo. Na célula de casa, temos um lugar de amor onde podemos usar nossos dons para servir uns aos outros, encorajar um ao outro, orar uns pelos outros, estimular um ao outro para o amor e boas ações e, acima de tudo, amar uns aos outros.

No conforto da minha casa, sinto-me seguro e aceito como sou. Eu me sinto amado e de bom grado dou amor à minha família. Isso torna a hospitalidade muito importante. Ao convidar as pessoas para a minha casa, estou convidando-as a compartilhar o amor e a aceitação que sinto em nosso lar. Estou convidando as pessoas para a segurança da minha casa, onde elas podem compartilhar e ser amadas por outras pessoas em nossa célula. Quando uma casa é preenchida com o amor de Cristo, ela se torna um lugar onde as pessoas podem experimentar esse amor e até entrar em seu próprio relacionamento com Cristo.

Quando penso nas muitas frases “uns aos outros” das Escrituras, acho que elas encontram sua maior aplicação em nossos lares. Células domésticas são boas porque não estão no ambiente formal de uma igreja. Elas são significativos por causa do amor que é evidente em cada lar. Ao convidar as pessoas para a minha casa, recebo-as em minha vida e convido a experimentar o amor que existe nela. Honestamente, este convite para a “igreja” é o melhor convite. E eu acho que é ainda mais importante do que convidá-las para um culto na igreja.  O que você acha?

Spanish blog:

Amado en casa: Un hogar amoroso es el mejor lugar para que las personas comiencen a conectarse con la Familia de Dios.

Bill mellinger

¿Por qué es que nuestra familia de origen tiene una influencia tan fuerte en nosotros incluso años después de que nos mudamos de casa? ¿Podría ser que nuestras relaciones más cercanas en nuestro hogar nos moldean? ¿No queremos que las personas que nos conocen mejor nos amen más? De hecho, ¿no queremos que las personas que más nos aman nos conozcan mejor? Francamente, ¿no es esto también verdad del Cuerpo de Cristo?

En el ministerio de la “Iglesia impulsada por la células” es impulsado por las relaciones. Cuando comenzamos a cambiar nuestro ministerio, nos enfocamos en el deseo de convertirnos en “una iglesia relacional que se vende a Jesús”. Esto significa que queremos que nuestro ministerio se base en las relaciones. Queremos que nuestras relaciones crezcan a partir de nuestra relación con Jesucristo.

Hebreos 10: 24-25 NVI – “24 Preocupémonos los unos por los otros, a fin de estimularnos al amor y a las buenas obras. 25 No dejemos de congregarnos, como acostumbran hacerlo algunos, sino animémonos unos a otros, y con mayor razón ahora que vemos que aquel día se acerca”.

Dado que las relaciones más importantes se centran en nuestros hogares con las personas que amamos, no es de extrañar que las células en el hogar tengan el potencial de animarse unas a otras a un crecimiento espiritual significativo. En la célula del hogar, tenemos un lugar de amor donde podemos usar nuestros dones para servirnos unos a otros, alentarnos unos a otros, orar unos por otros, estimularnos mutuamente para amar y hacer buenas obras y, sobre todo, amarnos unos a otros.

En la comodidad de mi hogar, me siento seguro y aceptado como soy. Me siento amado y doy amor de buena gana a mi familia. Esto hace que la hospitalidad sea tan importante. Al invitar a personas a mi hogar, los invito a compartir el amor y la aceptación que sentimos en nuestro hogar. Invito a las personas a la seguridad de mi hogar donde pueden compartirse y ser amados por otros en nuestra célula. Cuando un hogar está lleno del amor de Cristo, se convierte en un lugar donde las personas pueden experimentar ese amor e incluso llegar a su propia relación con Cristo.

Cuando pienso en las muchas frases “unos a otros” en las Escrituras, creo que encuentran su mayor aplicación en nuestros hogares. Las células del hogar son buenas porque no están en el entorno formal de una iglesia. Son significativas por el amor que es evidente en cada hogar. Al invitar a las personas a mi hogar, les doy la bienvenida a mi vida y las invito a experimentar el amor de mi hogar. Francamente, esta invitación a la “iglesia” es la mejor invitación. Creo que es incluso más importante que invitarlos a un servicio al edificio de la iglesia. ¿Qué piensas?

Cell-Driven Ministry: Leadership Development is Key, part 2

By Pastor Ryan Faust, Ryan and his wife Katy live in Seattle with their 4 children.  They shepherd Grace Church Seattle, a church that has been around for 60 plus years.  Pastor Ryan began the transition of this church in 2013.  This transition is chronicled in his book Recontextualizing Church: From Attractional Events and Program-Driven to Missional Community and Cell-Driven (available on Amazon).

The idea of a cell-driven church is for a pastor and leaders to equip the saints to do the ministry (Eph.4:11-17).  This works best within a cell-driven church.  And development of cell leaders (beginning with the pastors and elders) is absolutely essential to the success of a cell-driven church.  And leadership development is slow (at least at the beginning), but can yield tremendous fruit.

There are five essential elements to leader development.  The first is prayer with your leaders.  The second is preaching the vision of cell ministry from the pulpit.  The third is equipping through teaching about cell ministry in a classroom setting.  The fourth is modeling and mentoring in how to do cell ministry.  This takes place in the context of everyday life and by leading a cell group with an apprentice (learner, disciple, mentee).  This requires a regular and ongoing discipleship relationship to shepherd the soul of the future cell leader and by allowing the person to risk, to fail, to learn, and by celebrating with this individual the success of their efforts to shepherd people through the cell structure.  The fifth and final element that is essential in leader development is coaching, which (like modeling and mentoring) involves ongoing shepherding of leaders of cells.

The above takes time.  At the beginning, expect to take on 8-12 people who have influence as elders, pastors, and leaders in your church.  Meet with them weekly for 12-18 months modeling cell ministry.  Meanwhile pray with this group, preach and teach about cell ministry from the pulpit and small group interactions, and meet with individuals from the group to answer their questions and shepherd their souls.  Give early adopters from the group a chance to lead and plant the idea that they can lead their own group within the next year.  Help them learn what they do well and how they could improve.  You should be able to discern who could lead their own group within the first six months and then take the next 6-12 months to prepare them to launch their own group.  If done well, this group of 8-12 people should multiple to 3 or four groups after the first year to 18 months.  As you continue to coach these leaders, they should be able to multiple in a similar way within the next year or two.  After five years of this kind of leader development, you should have been able to develop two or three co-coaches and upwards of 15 groups.  The future multiplication of these groups depends on the quality of coaching and the modeling / mentoring of apprentices by their leaders.  And if done well the church will create an apologetic of community, which will impact and influence the onlooking culture in a way that makes Christianity plausible.

We live in a skeptical culture and as Steve Timmis and Tim Chester said, “Modern Christianity has developed a rational apologetic… But the problem is not an intellectual problem. The problem is hearts that refuse to live under God’s reign.  We reject God.  It is a relational problem.  And if it is a relational problem, it requires a relational apologetic.  What will commend the gospel are lives lived in obedience to the gospel and a community life that reflects God’s triune community of love… And they see that it is good to know God as they see the love of the Christian community.  As Francis Schaeffer said, ‘Our relationship with each other is the criterion the world uses to judge whether our message is truthful. Christian community is the ultimate apologetic.’” (Total Church, pp. 175-176).

aders in your church.  Meet with them weekly for 12-18 months modeling cell ministry.  Meanwhile pray with this group, preach and teach about cell ministry from the pulpit and small group interactions, and meet with individuals from the group to answer their questions and shepherd their souls.  Give early adopters from the group a chance to lead and plant the idea that they can lead their own group within the next year.  Help them learn what they do well and how they could improve.  You should be able to discern who could lead their own group within the first six months and then take the next 6-12 months to prepare them to launch their own group.  If done well, this group of 8-12 people should multiple to 3 or four groups after the first year to 18 months.  As you continue to coach these leaders, they should be able to multiple in a similar way within the next year or two.  After five years of this kind of leader development, you should have been able to develop two or three co-coaches and upwards of 15 groups.  The future multiplication of these groups depends on the quality of coaching and the modeling / mentoring of apprentices by their leaders.  And if done well the church will create an apologetic of community, which will impact and influence the onlooking culture in a way that makes Christianity plausible.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Ministério Guiado pelas células: o desenvolvimento da liderança é fundamental, parte 2

Por pastor Ryan Faust. Ryan e sua esposa Katy moram em Seattle com seus 4 filhos. Eles pastoreiam a Grace Church Seattle, uma igreja que existe há mais de 60 anos. O Pastor Ryan iniciou a transição desta igreja em 2013. Esta transição é narrada em seu livro Recontextualizing Church: From Attractional Events and Program-Driven to Missional Community and Cell-Driven (“Recontextualizando a Igreja: De Eventos Atrativos e Guiadas por Programas a Comunidades Missionárias e Guiadas por Células”, em tradução livre) disponível na Amazon.

A ideia de uma igreja dirigida por células é para que o pastor e líderes equipem os santos para o ministério (Efésios 4:11-17). Isso funciona melhor dentro de uma igreja movida a células. O desenvolvimento de líderes de células (começando pelos pastores e anciãos) é absolutamente essencial para o sucesso de uma igreja movida a células. E o desenvolvimento da liderança é lento (pelo menos no começo), mas pode render frutos tremendos.

Existem cinco elementos essenciais para o desenvolvimento de líderes. O primeiro é a oração com seus líderes. O segundo é pregar e compartilhar a visão do ministério celular de púlpito. O terceiro é equipar através do ensino sobre o ministério celular em um ambiente de sala de aula. O quarto ponto é a modelagem e orientação em como fazer o ministério celular. Isso ocorre no contexto da vida cotidiana e ao liderar uma célula com um aprendiz (líder em treinamento, discípulo, aprendiz). Isso requer um relacionamento de discipulado regular e contínuo para guiar a alma do futuro líder de célula e permitir que a pessoa arrisque, falhe, aprenda e celebrar com essa pessoa o sucesso de seus esforços para pastorear os membros através da estrutura celular. O quinto e último elemento essencial no desenvolvimento de líderes é o coaching (treinamento), que envolve o pastoreio contínuo de líderes de células.

Essas coisas citadas acima levam tempo. No início, espere levar de 8 a 12 pessoas que tenham influência como anciãos, pastores e líderes em sua igreja. Reúna-se com eles semanalmente por 12 a 18 meses, modelando o ministério das células. Enquanto isso, ore com esse grupo, pregue e ensine sobre o ministério de célula a partir do púlpito e das interações de pequenos grupos, e reúna-se com as pessoas do grupo para responder às suas perguntas e pastorear suas almas. Dê aos primeiros adeptos do grupo a chance de liderar e plantar a ideia de que eles podem liderar seu próprio grupo no próximo ano. Ajude-os a aprender o que fazem bem e como podem melhorar. Você deve ser capaz de discernir quem pode liderar um grupo nos primeiros seis meses e, em seguida, levar os próximos 6 a 12 meses para prepará-los para abrir seu próprio grupo. Se isso for bem feito, esse grupo de 8-12 pessoas deve se multiplicar para 3 ou 4 grupos após o primeiro ano a 18 meses. À medida que você continua a orientar esses líderes, eles devem ser capazes de se multiplicar de maneira semelhante nos próximos dois anos. Após cinco anos desse tipo de desenvolvimento de líderes, você deve ter sido capaz de desenvolver dois ou três co-treinadores e mais de 15 grupos. A multiplicação futura desses grupos depende da qualidade do treinamento e da modelagem/mentoria dos aprendizes pelos seus líderes. E, se esse processo for bem feito, a igreja criará uma apologética de comunidade que terá impacto e influenciará a cultura em perspectiva de um modo que torne o Cristianismo plausível.

Vivemos em uma cultura cética e, como Steve Timmis e Tim Chester disseram, “o cristianismo moderno desenvolveu uma apologética racional… Mas o problema não é um problema intelectual. O problema são corações que se recusam a viver sob o reinado de Deus. Nós rejeitamos a Deus. É um problema relacional. E se é um problema relacional, requer uma apologética relacional. O que vai reforçar o evangelho são vidas vividas em obediência ao evangelho e uma vida comunitária que reflete a comunidade trina de amor de Deus… E eles vêem que é bom conhecer a Deus ao ver o amor da comunidade cristã. Como disse Francis Schaeffer: ‘Nosso relacionamento um com o outro é o critério que o mundo usa para julgar se nossa mensagem é verdadeira. A comunidade cristã é a apologética final’” (Total Church, páginas 175-176).

Spanish blog:

Ministerio impulsado por células: el desarrollo del liderazgo es clave, parte 2

Por el pastor Ryan Faust, Ryan y su esposa Katy viven en Seattle con sus 4 hijos. Ellos pastorean Grace Church Seattle, una iglesia que ha existido por más de 60 años. El Pastor Ryan comenzó la transición de esta iglesia en 2013. Esta transición se relata en su libro Recontextualizing Church: From Attractional Events and Program-Driven to Missional Community and Cell-Diven (disponible desde el programa de eventos atraídos por el programa a la comunidad misional y impulsado por la célula (disponible en Amazon).

La idea de una iglesia impulsada por células es que un pastor y líderes equipen a los santos para que hagan el ministerio (Ef.4: 11-17). Esto funciona mejor dentro de una iglesia impulsada por células. Y el desarrollo de líderes celulares (comenzando con los pastores y ancianos) es absolutamente esencial para el éxito de una iglesia impulsada por células. Y el desarrollo del liderazgo es lento (al menos al principio), pero puede dar tremendos frutos.

Hay cinco elementos esenciales para el desarrollo del líder. La primera es la oración con tus líderes. El segundo es predicar la visión del ministerio celular desde el púlpito. El tercero es equipar a través de la enseñanza sobre el ministerio celular en un aula. El cuarto es modelar y guiar en cómo hacer el ministerio celular. Esto se lleva a cabo en el contexto de la vida cotidiana y liderando un grupo celular con un aprendiz (aprendiz, discípulo). Esto requiere una relación de discipulado regular y continua para pastorear el alma del futuro líder celular y al permitir que la persona se arriesgue, fracase, aprenda y celebre con este individuo el éxito de sus esfuerzos para pastorear a las personas a través de la estructura celular. El quinto y último elemento que es esencial en el desarrollo del líder es el coaching, que (como el modelado y la mentoría) implica el pastoreo continuo de los líderes de las células.

Lo anterior lleva tiempo. Al principio, espere enfrentarse a 8-12 personas que tengan influencia como ancianos, pastores y líderes en su iglesia. Reunete con ellos semanalmente durante 12-18 meses modelando el ministerio celular. Mientras tanto, ora con este grupo, predica y enseña sobre el ministerio celular desde el púlpito acerca de las interacciones en grupos pequeños, y reunete con personas del grupo para responder sus preguntas y pastorear sus almas. Ofrece a los primeros adoptantes del grupo la oportunidad de liderar y plantar la idea de que pueden liderar su propio grupo el próximo año. Ayúdales a aprender qué hacen bien y cómo podrían mejorar. Debería poder discernir quién podría liderar su propio grupo dentro de los primeros seis meses y luego tomar los próximos 6-12 meses para prepararlos para lanzar su propio grupo. Si se hace bien, este grupo de 8 a 12 personas debe ser múltiple a 3 o cuatro grupos después del primer año a los 18 meses. A medida que continúes entrenando a estos líderes, deberían poder multiplicarse de manera similar en el próximo año o dos. Después de cinco años de este tipo de desarrollo de líderes, debería haber podido desarrollar dos o tres co-entrenadores y más de 15 grupos. La futura multiplicación de estos grupos depende de la calidad del entrenamiento y del modelado / tutoría de los aprendices por parte de sus líderes. Y si se hace bien, la iglesia creará una apologética de la comunidad, que impactará e influirá en la cultura que mira de una manera que hace que el cristianismo sea plausible.

Vivimos en una cultura escéptica y, como Steve Timmis y Tim Chester dijeron, “el cristianismo moderno ha desarrollado una apologética racional … Pero el problema no es un problema intelectual. El problema son los corazones que se niegan a vivir bajo el reino de Dios. Nosotros rechazamos a Dios. Es un problema relacional. Y si es un problema relacional, se requiere una apologética relacional. Lo que encomendará el evangelio son las vidas que se viven en obediencia al evangelio y una vida comunitaria que refleja la comunidad de amor trinitaria de Dios … Y ven que es bueno conocer a Dios al ver el amor de la comunidad cristiana. Como dijo Francis Schaeffer, “Nuestra relación entre nosotros es el criterio que el mundo usa para juzgar si nuestro mensaje es verdadero. La comunidad cristiana es la máxima apologética “(Total Church, pp. 175-176).

The Cell Driven Church, part 1

By Pastor Ryan Faust, Ryan and his wife Katy live in Seattle with their 4 children.  They shepherd Grace Church Seattle, a church that has been around for 60 plus years.  Pastor Ryan began the transition of this church in 2013.  This transition is chronicled in his book Recontextualizing Church: From Attractional Events and Program-Driven to Missional Community and Cell-Driven (available on Amazon).

Concerning the question if it is possible for a church to have a hybrid of cells and programs, the answer is in the definition “cell-driven” vs “program-driven.”  A program-driven church can have cells as one of their many programs, but then cell ministry is not the shepherding focus of that church.  A cell-driven ministry, on the other hand, emphasizes cell groups as the primary ministry outside the Sunday worship celebration and all leaders are to be involved in cell groups with the goal of growing the church through leader development in order to equip the saints to do the work of the ministry as we see in Ephesians 4 (emphasis in Part-B tomorrow).

Many experts agree that multiple ministry program options in a church create organizational competition, which zaps people’s energy and can doom attempts to transition to the cell model.  For example, Lawrence Khong states, “You cannot successfully overlay a cell structure on top of an existing structure that includes the usual Sunday school classes, youth and adult fellowships, men’s and women’s ministries, and so on. To make a transition, some churches may need to run two structures for a while, but if you do not dismantle something soon, the drain on your leadership team will doom your efforts to failure.” (Khong, The Apostolic Cell Church, p. 190).  The problem in such an environment is alignment.  When a leadership team is working out of multiple playbooks, the different players on the team don’t know the game plan and how the plays fit the overall big picture.  Individual players might do well, but with a smorgasbord of options for ministry, literal families can be fractured as they drift apart while trying to do good in the name of the Lord.

But cell-driven ministry brings families together on mission with a common goal and with a strategy, which brings people in local neighborhoods together.  Thus, in this environment, spiritual gifts can be exercised in everyday ways through everyday relationships that are mutually beneficial.  And thus a group of people becomes a family of serving missionaries, which saturate a neighborhood in the name of Jesus.

This is the vision of the tradition.  But at what point should a pastor and leadership team bring about a full transition? In my experience, 5-7 years (give or take depending on the congregation’s response).  And the key to this transition is to get key leaders on board from the beginning and train them in cell-ministry, it’s importance, and why this is necessary to reach our culture in the 21st century.  More on this tomorrow.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Este é um blog Português. Assim que a tradução normal for recebida, ela será postada no site da JCG.

The Cell Driven Church, parte 1

Pelo pastor Ryan Faust, Ryan e sua esposa Katy moram em Seattle com seus 4 filhos. Eles pastoreiam a Grace Church Seattle, uma igreja que existe há mais de 60 anos. O Pastor Ryan iniciou a transição desta igreja em 2013. Esta transição é narrada em seu livro Recontextualizing Church: From Attractionalations and Program-Driven to Missional Community and Cell-Driven (disponível na Amazon).

Quanto à questão de se é possível para uma igreja ter um híbrido de células e programas, a resposta está na definição “orientada por células” versus “orientada a programas”. Uma igreja guiada por programas pode ter células como uma de suas muitas programas, mas o ministério celular não é o foco de pastoreamento daquela igreja. Um ministério movido a células, por outro lado, enfatiza grupos celulares como o principal ministério fora da celebração do culto dominical e todos os líderes devem estar envolvidos em grupos de células com o objetivo de cultivar a igreja através do desenvolvimento de líderes para equipar os santos. faça o trabalho do ministério como vemos em Efésios 4 (ênfase na Parte B de amanhã).

Muitos especialistas concordam que várias opções de programas de ministério em uma igreja criam competição organizacional, o que elimina a energia das pessoas e pode condenar as tentativas de transição para o modelo celular. Por exemplo, Lawrence Khong afirma: “Você não pode sobrepor com sucesso uma estrutura de célula sobre uma estrutura existente que inclua as classes usuais da escola dominical, bolsas de estudo para jovens e adultos, ministérios de homens e mulheres e assim por diante. Para fazer uma transição, algumas igrejas podem precisar executar duas estruturas por um tempo, mas se você não desmantelar algo em breve, a perda de sua equipe de liderança fará com que seus esforços fracassem. ”(Khong, The Apostolic Cell Church, p. 190). O problema em tal ambiente é o alinhamento. Quando uma equipe de liderança está trabalhando em vários playbooks, os diferentes jogadores da equipe não conhecem o plano de jogo e como os jogos se encaixam no cenário geral geral. Os jogadores individuais podem fazer bem, mas com uma miscelânea de opções para o ministério, as famílias literais podem ser fraturadas à medida que se afastam enquanto tentam fazer o bem em nome do Senhor.

Mas o ministério movido a células une as famílias em missão com um objetivo comum e com uma estratégia, que une as pessoas nas vizinhanças locais. Assim, nesse ambiente, os dons espirituais podem ser exercidos de maneiras cotidianas por meio de relacionamentos cotidianos que são mutuamente benéficos. E assim um grupo de pessoas se torna uma família de missionários que saturam uma vizinhança em nome de Jesus.

Essa é a visão da tradição. Mas em que ponto um pastor e uma equipe de liderança devem realizar uma transição completa? Na minha experiência, 5-7 anos (mais ou menos dependendo da resposta da congregação). E a chave para essa transição é ter líderes-chave a bordo desde o início e treiná-los no ministério das células, é importante e por que isso é necessário para alcançar nossa cultura no século XXI. Mais sobre isso amanhã.

Spanish blog:

La iglesia impulsada por células, parte 1

Por el pastor Ryan Faust, Ryan y su esposa Katy viven en Seattle con sus 4 hijos. Ellos pastorean Grace Church Seattle, una iglesia que ha existido por más de 60 años. El Pastor Ryan comenzó la transición de esta iglesia en 2013. Esta transición se relata en su libro Recontextualizing Church: From Attractional Events and Program-Driven to Missional Community and Cell-Diven (disponible desde el programa de eventos atraídos por el programa a la comunidad misional y impulsado por la célula (disponible en Amazon).

Con respecto a la pregunta de si es posible que una iglesia tenga un híbrido de células y programas, la respuesta está en la definición de “impulsado por células” frente a “impulsado por programas”. Una iglesia impulsada por programas puede tener las células como uno de sus muchos programas, pero entonces el ministerio celular no es el enfoque de pastoreo de esa iglesia. Un ministerio impulsado por células, por otro lado, enfatiza los grupos celulares como el ministerio principal fuera de la celebración de la adoración del domingo y todos los líderes deben participar en grupos celulares, con el objetivo de hacer crecer a la iglesia a través del desarrollo de líderes para equipar a los santos y así hagan el trabajo del ministerio como vemos en Efesios 4 (énfasis en la Parte B mañana).

Muchos expertos están de acuerdo en que las múltiples opciones de programas ministeriales en una iglesia crean una competencia organizativa, que destruye la energía de las personas y puede condenar los intentos de transición al modelo celular. Por ejemplo, Lawrence Khong afirma: “No se puede superponer con éxito una estructura celular sobre una estructura existente que incluya las clases habituales de escuela dominical, becas para jóvenes y adultos, ministerios para hombres y mujeres, etc. Para hacer una transición, es posible que algunas iglesias necesiten ejecutar dos estructuras por un tiempo, pero si no desmantela algo pronto, el drenaje de su equipo de liderazgo condenará sus esfuerzos al fracaso “. (Khong, The Apostolic Cell Church, pág. 190). El problema en tal entorno es la alineación. Cuando un equipo de liderazgo está trabajando con varios libros de jugadas, los diferentes jugadores del equipo no conocen el plan de juego y cómo las jugadas se ajustan al panorama general. Los jugadores individuales pueden hacerlo bien, pero con una amplia variedad de opciones para el ministerio, las familias literales pueden fracturarse a medida que se alejan mientras tratan de hacer el bien en el nombre del Señor.

Pero el ministerio impulsado por células reúne a las familias en una misión con un objetivo común y con una estrategia que une a las personas de los vecindarios locales. Por lo tanto, en este entorno, los dones espirituales se pueden ejercer de manera cotidiana a través de relaciones cotidianas que son mutuamente beneficiosas. Y así, un grupo de personas se convierte en una familia de misioneros en servicio, que saturan un vecindario en el nombre de Jesús.

Esta es la visión de la tradición. Pero, ¿en qué momento debe un pastor y un equipo de liderazgo lograr una transición completa? En mi experiencia, 5-7 años (más o menos dependiendo de la respuesta de la congregación). Y la clave de esta transición es contar con líderes clave a bordo desde el principio y capacitarlos en el ministerio celular, su importancia y la razón por la que esto es necesario para alcanzar nuestra cultura en el siglo XXI. Más sobre esto mañana.

Back to Mutual Edification

By Mario Vega, www.elim.org.sv

The early Christians constantly practiced love, comfort, admonition, service, forgiveness, submission, teaching, confession, and encouragement. The list of verbs points to an intense activity that took place among believers in house meetings. They performed many of the tasks that are now reserved for the leading pastors of the churches.

The intense activity of one another ministry started to lose effectiveness at the same time that the church stopped meeting in the houses. When Christianity was made official by the Roman Empire, the first buildings dedicated to worship began to be built. In those places there was a person who directed the liturgy. Little by little this same person assumed more church functions and the common believers renounced their commitment to mutual edification.

Thus, the figure of the priest was restored and that ministry that for centuries had been exercised by common Christians became sacred. From that moment the consecrated priests monopolized what was once the patrimony of all Christians.

With the arrival of the Reformation, the teaching of justification by faith was restored. But the priestly model continued. Later, when the evangelical churches emerged, these churches continued under the same centralized model. With the emergence of the modern cell movement, the church has returned to its origins, to the house meetings. In this “one-another” environment, common believers can once again fulfill their responsibilities to one another. So in reality, cell church ministry is a return to the ministry of all believers through mutual edification.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Voltando à Edificação Mútua

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

Os cristãos primitivos praticavam constantemente o amor, consolo, admoestação, serviço, perdão, submissão, ensino, confissão e encorajamento. A lista de substantivos aponta para uma intensa atividade que ocorria entre os crentes nas reuniões em casa. Eles realizavam muitas das tarefas que atualmente são consideradas exclusivas dos principais pastores das igrejas.

A intensa atividade do ministério de “uns aos outros” começou a perder força ao mesmo tempo em que a Igreja parou de se reunir nas casas. Quando o Cristianismo foi oficializado pelo Império Romano, os primeiros edifícios dedicados ao culto começaram a ser construídos. Nesses lugares havia uma pessoa que dirigia a liturgia. Pouco a pouco esta mesma pessoa assumiu mais funções da igreja e os crentes comuns renunciaram ao seu compromisso de edificação mútua.

Assim, a figura do sacerdote foi restaurada e o ministério que durante séculos foi exercido por cristãos comuns tornou-se sagrado. A partir desse momento, os sacerdotes consagrados monopolizaram o que era patrimônio de todos os cristãos.

Com a chegada da Reforma, o ensino da justificação pela fé foi restaurado. Mas o modelo sacerdotal continuou. Mais tarde, quando as igrejas evangélicas surgiram, essas igrejas continuaram sob o mesmo modelo centralizado. Com o surgimento do movimento moderno de células, a igreja retornou às suas origens, às reuniões da casa. Neste ambiente de “uns aos outros”, os crentes comuns podem mais uma vez cumprir suas responsabilidades uns com os outros. Então, na realidade, o ministério da igreja em células é um retorno ao ministério de todos os crentes através da edificação mútua.

Spanish blog:

De regreso a la edificación mutua

por Mario Vega, www.elim.org.sv

Los primeros cristianos poseían una práctica constante de amarse, confortarse, preferirse, recibirse, amonestarse, servirse, soportarse, edificarse, perdonarse, someterse, enseñarse, exhortarse, alentarse, animarse, considerarse, ayudarse, confesarse y hospedarse los unos a los otros. Esa lista de verbos señala hacia una intensa actividad que se daba entre los creyentes en las reuniones de las casas. Ellos realizaban muchas de las tareas que hoy se reservan para los pastores principales de las iglesias.

La intensa actividad de los unos hacia los otros comenzó a perder eficacia al mismo tiempo que la iglesia dejó de reunirse en las casas. Cuando el cristianismo fue oficializado por el Imperio romano se comenzaron a construir los primeros edificios dedicados al culto. En esos lugares había una persona que dirigía la liturgia. Poco a poco fue asumiendo más funciones al mismo tiempo que los creyentes renunciaban a su responsabilidad mutua. Así, se llegó a restablecer la figura del sacerdote bajo la cual las tareas que por siglos habían sido ejercidas por los cristianos pasaron a ser «sagradas». A partir de ese momento los sacerdotes consagrados monopolizaron lo que antes fue patrimonio de todos los cristianos.

Con la llegada de la Reforma, la enseñanza de la justificación por fe fue restablecida. Pero, continuó el modelo sacerdotal. Posteriormente, al surgir las iglesias evangélicas se continuó bajo el mismo modelo centralizado. Al surgir el movimiento celular moderno, la iglesia ha regresado a sus orígenes, a las reuniones en las casas. Allí, se produce el espacio necesario para que los creyentes cumplan sus responsabilidades de los unos hacia los otros. Difícilmente puede ser encontrado otro lugar adecuado fuera de las células.

The Dynamic of Old and New Christians

By Roberto Bottrel [serving European churches, challenging them to make disciple-makers through cells that multiply (centraldna.org). Author of the book Multiplication, The challenge before every Christian, every Leader, and the Church (available @amazon.com)]

In the last blog, I showed that not only new believers, but also mature Christians can grow in a cell group. Now look at another situation that happened in our cell in Spain and see that even new believers are blessing mature ones. The cell is definitely for everyone!

A missionary couple, that has been active for more than a decade in several countries is now based in Malaga and is experiencing the cell life for the first time.

At prayer time in the meeting, as people shared their needs, the husband was struggling if he could share their desperate situation regarding tens of thousands of Euros needed in a very short term for his mission base construction that was in course. He didn’t want to scare or discourage the new believers (and non-believers) with desperation from a mature Christian. After all, he should know better how to behave in times of crisis. As the group shared openly their needs, he couldn’t resist any longer and opened his heart. He forgot all about “correct behavior” and he was totally honest and vulnerable about his feelings. Immediately he started experiencing the power of community as he laid down his burdens. Then a lady, one of the new-believers, looked at him with amazing eyes full of love that could only come from above: “No need to worry. Let us pray for this. Just hand it to the Lord and we might even get an answer this week.”

Then she prayed a very short and objective prayer. Wow! The spiritual gift of faith was being displayed. And that simple and naive faith struck him hard. After so many years experiencing miracles from the Lord, where had he lost his faith like a child? He went home completely changed. Although he was still in the same “hopeless” situation, he found peace in Him.

Two days later, he received a message from a donor apologizing for taking longer than needed to respond to the Lord’s guidance and that a certain amount of money would be available in their bank account in a few minutes. The exact amount need. Praise the Lord!

We, old-time Christians, think it is about learning and learning, deeper and deeper. But we forget that it is not only about learning – it is about learning and putting it to practice. And in the cell environment whatever we teach is put into practice. Learn, live and share! That is how old and new believers can grow together, challenging one another to believe more – and deeper – in our amazing God!

“Therefore encourage one another and build each other up, just as in fact you are doing.”

1 Thessalonians 5:11 NIV

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Em uma célula, os cristãos antigos também são abençoados por novos crentes

Por Roberto Bottrel [servindo as igrejas europeias, desafiando-as a formarem discipuladores através de células que se multiplicam (centraldna.org). Autor do livro Multiplicação, O desafio diante de todo cristão, de todo Líder e da Igreja (disponível @ amazon.com)]

No último blog, mostrei que não apenas novos crentes, mas também cristãos maduros podem crescer em uma célula. Agora olhe para outra situação que aconteceu em nossa célula na Espanha e veja que até mesmo novos crentes estão abençoando os maduros. A célula é definitivamente para todos!

Um casal missionário, que está ativo há mais de uma década em vários países, agora está firmado em Málaga e experimentando a vida celular pela primeira vez.

Na hora da oração na célula, quando as pessoas compartilhavam suas necessidades, o marido estava lutando internamente pensando se poderia compartilhar sua situação desesperada sobre dezenas de milhares de euros que precisava conseguir em um prazo muito curto de tempo para a construção de sua base missionária que estava em curso. Ele não queria assustar ou desencorajar os novos crentes (e não crentes) com o desespero de um cristão maduro. Afinal, ele imaginou que deveria saber como se comportar em tempos de crise. Enquanto o grupo compartilhava abertamente suas necessidades, ele não pôde mais resistir e abriu seu coração. Ele esqueceu tudo sobre “comportamento correto” e foi totalmente honesto e vulnerável sobre seus sentimentos. Imediatamente, ele começou a experimentar o poder da comunidade ao entregar seus fardos. Então uma moça, uma das novas crentes, olhou para ele com olhos incríveis cheios de amor que só podiam vir de cima:  “Não precisa se preocupar. Vamos orar por isso. Basta entregar isso ao Senhor e podemos até conseguir uma resposta ainda essa semana.”

Então ela orou uma oração muito curta e objetiva. Uau! O dom espiritual da fé estava em ação. E essa fé simples e ingênua atingiu-o com força. Depois de tantos anos experimentando milagres do Senhor, onde ele perdeu sua fé de criança? Ele foi embora para sua casa completamente transformado. Embora ele ainda estivesse na mesma situação “sem esperanças”, encontrou paz nEle.

Dois dias depois, ele recebeu uma mensagem de um doador pedindo desculpas por levar mais tempo do que o necessário para responder à orientação do Senhor e que uma certa quantia de dinheiro estaria disponível em sua conta bancária em alguns minutos. Era a quantidade exata que ele precisava. Glória a Deus!

Nós, cristãos antigos, pensamos nossa caminhada se trata de aprender e aprender, cada vez mais profundamente. Mas esquecemos que não é apenas sobre aprender – trata-se de aprender e colocar em prática. E no ambiente celular tudo o que ensinamos é colocado em prática. Aprenda, viva e compartilhe! É assim que velhos e novos crentes podem crescer juntos, desafiando uns aos outros a acreditar mais – e mais profundamente – em nosso incrível Deus!

“Por isso, exortem-se e edifiquem-se uns aos outros, como de fato vocês estão fazendo” 1 Tessalonicenses 5:11 NVI.

Spanish blog: 

En un grupo celular, los cristianos de antaño también son bendecidos por los nuevos creyentes.

Por Roberto Bottrel [sirviendo a iglesias europeas, desafiándolos a hacer discípulos a través de células que se multiplican (centraldna.org). Autor del libro Multiplicación, El desafío ante cada cristiano, cada líder y la Iglesia (disponible en amazon.com)]

En el último blog, mostré que no solo los nuevos creyentes, sino también los cristianos de antaño pueden crecer en un grupo celular. Ahora mire otra situación que ocurrió en nuestra célula en España y vea que incluso los nuevos creyentes están bendiciendo a los más antiguos. ¡La célula es definitivamente para todos!

Una pareja de misioneros, que ha estado activa durante más de una década en varios países, ahora reside en Málaga y está experimentando la vida celular por primera vez.

En el momento de la oración en la reunión, mientras las personas compartían sus necesidades, el marido estaba luchando si podía compartir su desesperada situación con respecto a las decenas de miles de euros necesarios en un plazo muy corto para la construcción de su base de misión que estaba en curso. Él no quería asustar o desanimar a los nuevos creyentes (y no creyentes) con la desesperación de un cristiano ya maduro. Después de todo, debería saber cómo comportarse en tiempos de crisis. Cuando el grupo compartió abiertamente sus necesidades, no pudo resistir más y abrió su corazón. Olvidó todo sobre el “comportamiento correcto” y fue totalmente honesto y vulnerable con respecto a sus sentimientos. Inmediatamente comenzó a experimentar el poder de la comunión mientras dejaba sus cargas. Entonces una dama, una de las nuevas creyentes, lo miró con ojos asombrosos llenos de amor que solo podían venir desde arriba:

– No hay necesidad de preocuparse. Oremos por esto. Simplemente dáselo al Señor e incluso podríamos obtener una respuesta esta semana.

Luego hizo una oración muy breve y objetiva. ¡Guauu! El don espiritual de la fe estaba siendo mostrado. Y esa fe simple e ingenua lo golpeó duro. Después de tantos años experimentando milagros del Señor, ¿dónde había perdido su fe como un niño? Se fue a casa completamente cambiado. Aunque todavía estaba en la misma situación de “desesperanza”, encontró paz en Él.

Dos días después, recibió un mensaje de un donante que se disculpaba por tomar más tiempo del necesario para responder a la guía del Señor y que, en unos minutos, estaría disponible una cierta cantidad de dinero en su cuenta bancaria. La cantidad exacta necesita. ¡Alabado sea el Señor!

Nosotros, los cristianos de los viejos tiempos, pensamos que se trata de aprender y aprender, cada vez más profundo. Pero olvidamos que no se trata solo de aprender, se trata de aprender y ponerlo en práctica. Y en el entorno celular todo lo que enseñamos se pone en práctica. ¡Aprende, vive y comparte! ¡Así es como los viejos y los nuevos creyentes pueden crecer juntos, desafiándose unos a otros a creer más y más profundamente en nuestro asombroso Dios!

“Por lo cual, animaos unos a otros, y edificaos unos a otros, así como lo hacéis”. 1 Tesalonicenses 5:11 NVI