The Cell Driven Church, part 1

By Pastor Ryan Faust, Ryan and his wife Katy live in Seattle with their 4 children.  They shepherd Grace Church Seattle, a church that has been around for 60 plus years.  Pastor Ryan began the transition of this church in 2013.  This transition is chronicled in his book Recontextualizing Church: From Attractional Events and Program-Driven to Missional Community and Cell-Driven (available on Amazon).

Concerning the question if it is possible for a church to have a hybrid of cells and programs, the answer is in the definition “cell-driven” vs “program-driven.”  A program-driven church can have cells as one of their many programs, but then cell ministry is not the shepherding focus of that church.  A cell-driven ministry, on the other hand, emphasizes cell groups as the primary ministry outside the Sunday worship celebration and all leaders are to be involved in cell groups with the goal of growing the church through leader development in order to equip the saints to do the work of the ministry as we see in Ephesians 4 (emphasis in Part-B tomorrow).

Many experts agree that multiple ministry program options in a church create organizational competition, which zaps people’s energy and can doom attempts to transition to the cell model.  For example, Lawrence Khong states, “You cannot successfully overlay a cell structure on top of an existing structure that includes the usual Sunday school classes, youth and adult fellowships, men’s and women’s ministries, and so on. To make a transition, some churches may need to run two structures for a while, but if you do not dismantle something soon, the drain on your leadership team will doom your efforts to failure.” (Khong, The Apostolic Cell Church, p. 190).  The problem in such an environment is alignment.  When a leadership team is working out of multiple playbooks, the different players on the team don’t know the game plan and how the plays fit the overall big picture.  Individual players might do well, but with a smorgasbord of options for ministry, literal families can be fractured as they drift apart while trying to do good in the name of the Lord.

But cell-driven ministry brings families together on mission with a common goal and with a strategy, which brings people in local neighborhoods together.  Thus, in this environment, spiritual gifts can be exercised in everyday ways through everyday relationships that are mutually beneficial.  And thus a group of people becomes a family of serving missionaries, which saturate a neighborhood in the name of Jesus.

This is the vision of the tradition.  But at what point should a pastor and leadership team bring about a full transition? In my experience, 5-7 years (give or take depending on the congregation’s response).  And the key to this transition is to get key leaders on board from the beginning and train them in cell-ministry, it’s importance, and why this is necessary to reach our culture in the 21st century.  More on this tomorrow.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Este é um blog Português. Assim que a tradução normal for recebida, ela será postada no site da JCG.

The Cell Driven Church, parte 1

Pelo pastor Ryan Faust, Ryan e sua esposa Katy moram em Seattle com seus 4 filhos. Eles pastoreiam a Grace Church Seattle, uma igreja que existe há mais de 60 anos. O Pastor Ryan iniciou a transição desta igreja em 2013. Esta transição é narrada em seu livro Recontextualizing Church: From Attractionalations and Program-Driven to Missional Community and Cell-Driven (disponível na Amazon).

Quanto à questão de se é possível para uma igreja ter um híbrido de células e programas, a resposta está na definição “orientada por células” versus “orientada a programas”. Uma igreja guiada por programas pode ter células como uma de suas muitas programas, mas o ministério celular não é o foco de pastoreamento daquela igreja. Um ministério movido a células, por outro lado, enfatiza grupos celulares como o principal ministério fora da celebração do culto dominical e todos os líderes devem estar envolvidos em grupos de células com o objetivo de cultivar a igreja através do desenvolvimento de líderes para equipar os santos. faça o trabalho do ministério como vemos em Efésios 4 (ênfase na Parte B de amanhã).

Muitos especialistas concordam que várias opções de programas de ministério em uma igreja criam competição organizacional, o que elimina a energia das pessoas e pode condenar as tentativas de transição para o modelo celular. Por exemplo, Lawrence Khong afirma: “Você não pode sobrepor com sucesso uma estrutura de célula sobre uma estrutura existente que inclua as classes usuais da escola dominical, bolsas de estudo para jovens e adultos, ministérios de homens e mulheres e assim por diante. Para fazer uma transição, algumas igrejas podem precisar executar duas estruturas por um tempo, mas se você não desmantelar algo em breve, a perda de sua equipe de liderança fará com que seus esforços fracassem. ”(Khong, The Apostolic Cell Church, p. 190). O problema em tal ambiente é o alinhamento. Quando uma equipe de liderança está trabalhando em vários playbooks, os diferentes jogadores da equipe não conhecem o plano de jogo e como os jogos se encaixam no cenário geral geral. Os jogadores individuais podem fazer bem, mas com uma miscelânea de opções para o ministério, as famílias literais podem ser fraturadas à medida que se afastam enquanto tentam fazer o bem em nome do Senhor.

Mas o ministério movido a células une as famílias em missão com um objetivo comum e com uma estratégia, que une as pessoas nas vizinhanças locais. Assim, nesse ambiente, os dons espirituais podem ser exercidos de maneiras cotidianas por meio de relacionamentos cotidianos que são mutuamente benéficos. E assim um grupo de pessoas se torna uma família de missionários que saturam uma vizinhança em nome de Jesus.

Essa é a visão da tradição. Mas em que ponto um pastor e uma equipe de liderança devem realizar uma transição completa? Na minha experiência, 5-7 anos (mais ou menos dependendo da resposta da congregação). E a chave para essa transição é ter líderes-chave a bordo desde o início e treiná-los no ministério das células, é importante e por que isso é necessário para alcançar nossa cultura no século XXI. Mais sobre isso amanhã.

Spanish blog:

La iglesia impulsada por células, parte 1

Por el pastor Ryan Faust, Ryan y su esposa Katy viven en Seattle con sus 4 hijos. Ellos pastorean Grace Church Seattle, una iglesia que ha existido por más de 60 años. El Pastor Ryan comenzó la transición de esta iglesia en 2013. Esta transición se relata en su libro Recontextualizing Church: From Attractional Events and Program-Driven to Missional Community and Cell-Diven (disponible desde el programa de eventos atraídos por el programa a la comunidad misional y impulsado por la célula (disponible en Amazon).

Con respecto a la pregunta de si es posible que una iglesia tenga un híbrido de células y programas, la respuesta está en la definición de “impulsado por células” frente a “impulsado por programas”. Una iglesia impulsada por programas puede tener las células como uno de sus muchos programas, pero entonces el ministerio celular no es el enfoque de pastoreo de esa iglesia. Un ministerio impulsado por células, por otro lado, enfatiza los grupos celulares como el ministerio principal fuera de la celebración de la adoración del domingo y todos los líderes deben participar en grupos celulares, con el objetivo de hacer crecer a la iglesia a través del desarrollo de líderes para equipar a los santos y así hagan el trabajo del ministerio como vemos en Efesios 4 (énfasis en la Parte B mañana).

Muchos expertos están de acuerdo en que las múltiples opciones de programas ministeriales en una iglesia crean una competencia organizativa, que destruye la energía de las personas y puede condenar los intentos de transición al modelo celular. Por ejemplo, Lawrence Khong afirma: “No se puede superponer con éxito una estructura celular sobre una estructura existente que incluya las clases habituales de escuela dominical, becas para jóvenes y adultos, ministerios para hombres y mujeres, etc. Para hacer una transición, es posible que algunas iglesias necesiten ejecutar dos estructuras por un tiempo, pero si no desmantela algo pronto, el drenaje de su equipo de liderazgo condenará sus esfuerzos al fracaso “. (Khong, The Apostolic Cell Church, pág. 190). El problema en tal entorno es la alineación. Cuando un equipo de liderazgo está trabajando con varios libros de jugadas, los diferentes jugadores del equipo no conocen el plan de juego y cómo las jugadas se ajustan al panorama general. Los jugadores individuales pueden hacerlo bien, pero con una amplia variedad de opciones para el ministerio, las familias literales pueden fracturarse a medida que se alejan mientras tratan de hacer el bien en el nombre del Señor.

Pero el ministerio impulsado por células reúne a las familias en una misión con un objetivo común y con una estrategia que une a las personas de los vecindarios locales. Por lo tanto, en este entorno, los dones espirituales se pueden ejercer de manera cotidiana a través de relaciones cotidianas que son mutuamente beneficiosas. Y así, un grupo de personas se convierte en una familia de misioneros en servicio, que saturan un vecindario en el nombre de Jesús.

Esta es la visión de la tradición. Pero, ¿en qué momento debe un pastor y un equipo de liderazgo lograr una transición completa? En mi experiencia, 5-7 años (más o menos dependiendo de la respuesta de la congregación). Y la clave de esta transición es contar con líderes clave a bordo desde el principio y capacitarlos en el ministerio celular, su importancia y la razón por la que esto es necesario para alcanzar nuestra cultura en el siglo XXI. Más sobre esto mañana.

Back to Mutual Edification

By Mario Vega, www.elim.org.sv

The early Christians constantly practiced love, comfort, admonition, service, forgiveness, submission, teaching, confession, and encouragement. The list of verbs points to an intense activity that took place among believers in house meetings. They performed many of the tasks that are now reserved for the leading pastors of the churches.

The intense activity of one another ministry started to lose effectiveness at the same time that the church stopped meeting in the houses. When Christianity was made official by the Roman Empire, the first buildings dedicated to worship began to be built. In those places there was a person who directed the liturgy. Little by little this same person assumed more church functions and the common believers renounced their commitment to mutual edification.

Thus, the figure of the priest was restored and that ministry that for centuries had been exercised by common Christians became sacred. From that moment the consecrated priests monopolized what was once the patrimony of all Christians.

With the arrival of the Reformation, the teaching of justification by faith was restored. But the priestly model continued. Later, when the evangelical churches emerged, these churches continued under the same centralized model. With the emergence of the modern cell movement, the church has returned to its origins, to the house meetings. In this “one-another” environment, common believers can once again fulfill their responsibilities to one another. So in reality, cell church ministry is a return to the ministry of all believers through mutual edification.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Voltando à Edificação Mútua

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

Os cristãos primitivos praticavam constantemente o amor, consolo, admoestação, serviço, perdão, submissão, ensino, confissão e encorajamento. A lista de substantivos aponta para uma intensa atividade que ocorria entre os crentes nas reuniões em casa. Eles realizavam muitas das tarefas que atualmente são consideradas exclusivas dos principais pastores das igrejas.

A intensa atividade do ministério de “uns aos outros” começou a perder força ao mesmo tempo em que a Igreja parou de se reunir nas casas. Quando o Cristianismo foi oficializado pelo Império Romano, os primeiros edifícios dedicados ao culto começaram a ser construídos. Nesses lugares havia uma pessoa que dirigia a liturgia. Pouco a pouco esta mesma pessoa assumiu mais funções da igreja e os crentes comuns renunciaram ao seu compromisso de edificação mútua.

Assim, a figura do sacerdote foi restaurada e o ministério que durante séculos foi exercido por cristãos comuns tornou-se sagrado. A partir desse momento, os sacerdotes consagrados monopolizaram o que era patrimônio de todos os cristãos.

Com a chegada da Reforma, o ensino da justificação pela fé foi restaurado. Mas o modelo sacerdotal continuou. Mais tarde, quando as igrejas evangélicas surgiram, essas igrejas continuaram sob o mesmo modelo centralizado. Com o surgimento do movimento moderno de células, a igreja retornou às suas origens, às reuniões da casa. Neste ambiente de “uns aos outros”, os crentes comuns podem mais uma vez cumprir suas responsabilidades uns com os outros. Então, na realidade, o ministério da igreja em células é um retorno ao ministério de todos os crentes através da edificação mútua.

Spanish blog:

De regreso a la edificación mutua

por Mario Vega, www.elim.org.sv

Los primeros cristianos poseían una práctica constante de amarse, confortarse, preferirse, recibirse, amonestarse, servirse, soportarse, edificarse, perdonarse, someterse, enseñarse, exhortarse, alentarse, animarse, considerarse, ayudarse, confesarse y hospedarse los unos a los otros. Esa lista de verbos señala hacia una intensa actividad que se daba entre los creyentes en las reuniones de las casas. Ellos realizaban muchas de las tareas que hoy se reservan para los pastores principales de las iglesias.

La intensa actividad de los unos hacia los otros comenzó a perder eficacia al mismo tiempo que la iglesia dejó de reunirse en las casas. Cuando el cristianismo fue oficializado por el Imperio romano se comenzaron a construir los primeros edificios dedicados al culto. En esos lugares había una persona que dirigía la liturgia. Poco a poco fue asumiendo más funciones al mismo tiempo que los creyentes renunciaban a su responsabilidad mutua. Así, se llegó a restablecer la figura del sacerdote bajo la cual las tareas que por siglos habían sido ejercidas por los cristianos pasaron a ser «sagradas». A partir de ese momento los sacerdotes consagrados monopolizaron lo que antes fue patrimonio de todos los cristianos.

Con la llegada de la Reforma, la enseñanza de la justificación por fe fue restablecida. Pero, continuó el modelo sacerdotal. Posteriormente, al surgir las iglesias evangélicas se continuó bajo el mismo modelo centralizado. Al surgir el movimiento celular moderno, la iglesia ha regresado a sus orígenes, a las reuniones en las casas. Allí, se produce el espacio necesario para que los creyentes cumplan sus responsabilidades de los unos hacia los otros. Difícilmente puede ser encontrado otro lugar adecuado fuera de las células.

The Dynamic of Old and New Christians

By Roberto Bottrel [serving European churches, challenging them to make disciple-makers through cells that multiply (centraldna.org). Author of the book Multiplication, The challenge before every Christian, every Leader, and the Church (available @amazon.com)]

In the last blog, I showed that not only new believers, but also mature Christians can grow in a cell group. Now look at another situation that happened in our cell in Spain and see that even new believers are blessing mature ones. The cell is definitely for everyone!

A missionary couple, that has been active for more than a decade in several countries is now based in Malaga and is experiencing the cell life for the first time.

At prayer time in the meeting, as people shared their needs, the husband was struggling if he could share their desperate situation regarding tens of thousands of Euros needed in a very short term for his mission base construction that was in course. He didn’t want to scare or discourage the new believers (and non-believers) with desperation from a mature Christian. After all, he should know better how to behave in times of crisis. As the group shared openly their needs, he couldn’t resist any longer and opened his heart. He forgot all about “correct behavior” and he was totally honest and vulnerable about his feelings. Immediately he started experiencing the power of community as he laid down his burdens. Then a lady, one of the new-believers, looked at him with amazing eyes full of love that could only come from above: “No need to worry. Let us pray for this. Just hand it to the Lord and we might even get an answer this week.”

Then she prayed a very short and objective prayer. Wow! The spiritual gift of faith was being displayed. And that simple and naive faith struck him hard. After so many years experiencing miracles from the Lord, where had he lost his faith like a child? He went home completely changed. Although he was still in the same “hopeless” situation, he found peace in Him.

Two days later, he received a message from a donor apologizing for taking longer than needed to respond to the Lord’s guidance and that a certain amount of money would be available in their bank account in a few minutes. The exact amount need. Praise the Lord!

We, old-time Christians, think it is about learning and learning, deeper and deeper. But we forget that it is not only about learning – it is about learning and putting it to practice. And in the cell environment whatever we teach is put into practice. Learn, live and share! That is how old and new believers can grow together, challenging one another to believe more – and deeper – in our amazing God!

“Therefore encourage one another and build each other up, just as in fact you are doing.”

1 Thessalonians 5:11 NIV

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Em uma célula, os cristãos antigos também são abençoados por novos crentes

Por Roberto Bottrel [servindo as igrejas europeias, desafiando-as a formarem discipuladores através de células que se multiplicam (centraldna.org). Autor do livro Multiplicação, O desafio diante de todo cristão, de todo Líder e da Igreja (disponível @ amazon.com)]

No último blog, mostrei que não apenas novos crentes, mas também cristãos maduros podem crescer em uma célula. Agora olhe para outra situação que aconteceu em nossa célula na Espanha e veja que até mesmo novos crentes estão abençoando os maduros. A célula é definitivamente para todos!

Um casal missionário, que está ativo há mais de uma década em vários países, agora está firmado em Málaga e experimentando a vida celular pela primeira vez.

Na hora da oração na célula, quando as pessoas compartilhavam suas necessidades, o marido estava lutando internamente pensando se poderia compartilhar sua situação desesperada sobre dezenas de milhares de euros que precisava conseguir em um prazo muito curto de tempo para a construção de sua base missionária que estava em curso. Ele não queria assustar ou desencorajar os novos crentes (e não crentes) com o desespero de um cristão maduro. Afinal, ele imaginou que deveria saber como se comportar em tempos de crise. Enquanto o grupo compartilhava abertamente suas necessidades, ele não pôde mais resistir e abriu seu coração. Ele esqueceu tudo sobre “comportamento correto” e foi totalmente honesto e vulnerável sobre seus sentimentos. Imediatamente, ele começou a experimentar o poder da comunidade ao entregar seus fardos. Então uma moça, uma das novas crentes, olhou para ele com olhos incríveis cheios de amor que só podiam vir de cima:  “Não precisa se preocupar. Vamos orar por isso. Basta entregar isso ao Senhor e podemos até conseguir uma resposta ainda essa semana.”

Então ela orou uma oração muito curta e objetiva. Uau! O dom espiritual da fé estava em ação. E essa fé simples e ingênua atingiu-o com força. Depois de tantos anos experimentando milagres do Senhor, onde ele perdeu sua fé de criança? Ele foi embora para sua casa completamente transformado. Embora ele ainda estivesse na mesma situação “sem esperanças”, encontrou paz nEle.

Dois dias depois, ele recebeu uma mensagem de um doador pedindo desculpas por levar mais tempo do que o necessário para responder à orientação do Senhor e que uma certa quantia de dinheiro estaria disponível em sua conta bancária em alguns minutos. Era a quantidade exata que ele precisava. Glória a Deus!

Nós, cristãos antigos, pensamos nossa caminhada se trata de aprender e aprender, cada vez mais profundamente. Mas esquecemos que não é apenas sobre aprender – trata-se de aprender e colocar em prática. E no ambiente celular tudo o que ensinamos é colocado em prática. Aprenda, viva e compartilhe! É assim que velhos e novos crentes podem crescer juntos, desafiando uns aos outros a acreditar mais – e mais profundamente – em nosso incrível Deus!

“Por isso, exortem-se e edifiquem-se uns aos outros, como de fato vocês estão fazendo” 1 Tessalonicenses 5:11 NVI.

Spanish blog: 

En un grupo celular, los cristianos de antaño también son bendecidos por los nuevos creyentes.

Por Roberto Bottrel [sirviendo a iglesias europeas, desafiándolos a hacer discípulos a través de células que se multiplican (centraldna.org). Autor del libro Multiplicación, El desafío ante cada cristiano, cada líder y la Iglesia (disponible en amazon.com)]

En el último blog, mostré que no solo los nuevos creyentes, sino también los cristianos de antaño pueden crecer en un grupo celular. Ahora mire otra situación que ocurrió en nuestra célula en España y vea que incluso los nuevos creyentes están bendiciendo a los más antiguos. ¡La célula es definitivamente para todos!

Una pareja de misioneros, que ha estado activa durante más de una década en varios países, ahora reside en Málaga y está experimentando la vida celular por primera vez.

En el momento de la oración en la reunión, mientras las personas compartían sus necesidades, el marido estaba luchando si podía compartir su desesperada situación con respecto a las decenas de miles de euros necesarios en un plazo muy corto para la construcción de su base de misión que estaba en curso. Él no quería asustar o desanimar a los nuevos creyentes (y no creyentes) con la desesperación de un cristiano ya maduro. Después de todo, debería saber cómo comportarse en tiempos de crisis. Cuando el grupo compartió abiertamente sus necesidades, no pudo resistir más y abrió su corazón. Olvidó todo sobre el “comportamiento correcto” y fue totalmente honesto y vulnerable con respecto a sus sentimientos. Inmediatamente comenzó a experimentar el poder de la comunión mientras dejaba sus cargas. Entonces una dama, una de las nuevas creyentes, lo miró con ojos asombrosos llenos de amor que solo podían venir desde arriba:

– No hay necesidad de preocuparse. Oremos por esto. Simplemente dáselo al Señor e incluso podríamos obtener una respuesta esta semana.

Luego hizo una oración muy breve y objetiva. ¡Guauu! El don espiritual de la fe estaba siendo mostrado. Y esa fe simple e ingenua lo golpeó duro. Después de tantos años experimentando milagros del Señor, ¿dónde había perdido su fe como un niño? Se fue a casa completamente cambiado. Aunque todavía estaba en la misma situación de “desesperanza”, encontró paz en Él.

Dos días después, recibió un mensaje de un donante que se disculpaba por tomar más tiempo del necesario para responder a la guía del Señor y que, en unos minutos, estaría disponible una cierta cantidad de dinero en su cuenta bancaria. La cantidad exacta necesita. ¡Alabado sea el Señor!

Nosotros, los cristianos de los viejos tiempos, pensamos que se trata de aprender y aprender, cada vez más profundo. Pero olvidamos que no se trata solo de aprender, se trata de aprender y ponerlo en práctica. Y en el entorno celular todo lo que enseñamos se pone en práctica. ¡Aprende, vive y comparte! ¡Así es como los viejos y los nuevos creyentes pueden crecer juntos, desafiándose unos a otros a creer más y más profundamente en nuestro asombroso Dios!

“Por lo cual, animaos unos a otros, y edificaos unos a otros, así como lo hacéis”. 1 Tesalonicenses 5:11 NVI

Everybody can learn, live and share!

By Roberto Bottrel [serving European churches, challenging them to make disciple-makers through cells that multiply (centraldna.org). Author of the book Multiplication, The challenge before every Christian, every Leader, and the Church (available @amazon.com)] 

Many churches have been experiencing traditional small groups, focused on teaching and basically formed by mature Christians. As cell groups are focused on sharing life and formed by people in different stages of faith, people ask me how can a cell be attractive and useful for old-time Christians. Non believers can’t participate in deep biblical debates,  new believers always have basic questions and not all cell leaders are well-prepared Bible teachers. How could it possibly work? 

Well, in first place the question is inappropriate, since it is based on a small group mindset. The cell world is completely different. Mature Christians have left being consumers and have become providers. Disciple-making is all about giving and to give is better than to receive, as Jesus told us. So the cell environment is all about sharing. Community is all about sharing. Participants share their life, their homes, their time, their families. When we read Acts 2, the church was so much more than basically being devoted to the apostles’ teachings. Relationships were key! Everybody can share! And those who are born-again, have received spiritual gifts that can be used to edify the body. Old and new can be edified. 

With my cell in Malaga, Spain, we have lived amazing experiences that have changed my life and faith, more than any teaching-learning environment could have. Let me share one that exemplifies how old-time Christians can be (and effectively are) edified, challenged and changes in the cell paradigm. 

At a certain meeting, I was responsible for the Bible lesson. Since I have the spiritual gift of leadership, I had my goals clearly set out. Involving people in the sharing, keeping an eye on the timing, I was progressing through the lesson as planned. At a certain point one of the ladies started sobbing as the Holy Spirit touched her deeply. I was annoyed, because that “incident” would slow down our speed and we might not have enough time to “finish the task”. Before I could react, another lady who definitely has the spiritual gift of mercy, crossed the room, kneeled by the lady who was crying and put her arm around her shoulders. And then, to my embarrassment, she looked at me with loving eyes and gestured, telling me to go on. Wow! That really hit me. She was not only comforting the lady, but she had also seen my frustration and now she was using her mercy on me. I lost my ground. “ What’s the matter with me? To finish the lesson is more important than loving people?” So, that evening my leadership was shaped by my sister to become a more Jesus-like leadership full of mercy and love. Hardly a teaching environment could bless me more and impact me deeper. 

Definitely, we can all be used by the Holy Spirit to build each other up. All can (and will) grow in a group like this!

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Todos podem aprender, viver e compartilhar!

Por Roberto Bottrel [servindo as igrejas europeias, desafiando-as a formarem discipuladores através de células que se multiplicam (centraldna.org). Autor do livro Multiplication, The challenge before every Christian, every Leader, and the Church (“Multiplicação, O desafio diante de todo cristão, de todo líder e da Igreja”, em tradução livre)- disponível em @amazon.com)]

Muitas igrejas têm vivenciado pequenos grupos tradicionais, focados no ensino e basicamente formados por cristãos maduros. Como as células estão focadas em compartilhar a vida e são formadas por pessoas em diferentes estágios de fé, as pessoas me perguntam como uma célula pode ser atraente e útil para os cristãos “dos velhos tempos”. Os não-convertidos não conseguem participar de debates bíblicos profundos, os novos crentes sempre têm perguntas básicas e nem todos os líderes de células são professores da Bíblia bem preparados. Como isso poderia funcionar?

Bem, em primeiro lugar, essa questão é inadequada, uma vez que ela é baseada em uma mentalidade de pequenos grupos. O mundo das células é completamente diferente. Cristãos maduros deixaram de ser consumidores e se tornaram provedores. Fazer discípulos trata-se de dar e dar é melhor do que receber, como Jesus nos disse. Então, o ambiente da célula se trata do compartilhamento. Comunidade se trata de compartilhamento. Os participantes compartilham sua vida, suas casas, seu tempo, suas famílias. Quando lemos Atos 2, a Igreja era muito mais do que basicamente dedicada aos ensinamentos dos apóstolos. Os relacionamentos eram fundamentais! Todo mundo pode compartilhar! E aqueles que nascem de novo receberam dons espirituais que podem ser usados para edificar o Corpo. Os mais velhos e os mais novos podem ser edificados.

Com minha célula em Málaga, na Espanha, vivemos experiências incríveis que mudaram minha vida e minha fé, mais do que qualquer ambiente de ensino-aprendizagem. Deixe-me compartilhar algo que exemplifica como os cristãos dos velhos tempos podem ser (e efetivamente são) edificados, desafiados e transformados no paradigma da célula.

Em certa reunião, fui responsável pela aula bíblica. Como eu tenho o dom espiritual de liderança, eu tinha meus objetivos claramente estabelecidos. Envolvendo as pessoas no compartilhamento, focado no momento, eu estava progredindo na lição como planejado. A certa altura, uma das senhoras começou a soluçar quando o Espírito Santo a tocou profundamente. Eu fiquei aborrecido, porque esse “incidente” diminuiria a velocidade e talvez não tivéssemos tempo suficiente para “terminar a tarefa”. Antes que eu pudesse reagir, outra senhora que definitivamente tem o dom espiritual da misericórdia, atravessou a sala, ajoelhou-se junto à senhora que estava chorando e pôs o braço ao redor de seus ombros. E então, para meu constrangimento, ela olhou para mim com olhos amorosos e gesticulou, dizendo-me para continuar. Uau! Isso realmente me atingiu. Ela não estava apenas consolando a dama, mas ela também tinha visto a minha frustração e agora ela estava usando sua misericórdia em mim. Eu perdi meu chão. “Qual é o problema comigo? Terminar a lição é mais importante do que amar as pessoas?”. Então, naquela noite, minha liderança foi moldada por minha irmã para se tornar uma liderança mais semelhante a Jesus, cheia de misericórdia e amor. Dificilmente um ambiente de ensino poderia me abençoar mais e me impactar mais profundamente.

Definitivamente, todos nós podemos ser usados pelo Espírito Santo para edificar uns aos outros. Todos podem (e irão) crescer em um grupo como este!

Spanish blog:

¡Todos pueden aprender, vivir y compartir!

Por Roberto Bottrel [sirviendo a iglesias europeas, desafiándolos a hacer discípulos a través de células que se multiplican (centraldna.org). Autor del libro Multiplicación, El desafío ante cada cristiano, cada líder y la Iglesia (disponible en amazon.com)]

Muchas iglesias han estado experimentando grupos pequeños tradicionales, enfocados en la enseñanza y básicamente formados por cristianos maduros. Dado que los grupos celulares se centran en compartir la vida y están formados por personas en diferentes etapas de la fe, la gente me pregunta cómo puede una célula ser atractiva y útil para los cristianos de antaño. Los no creyentes no pueden participar en debates bíblicos profundos, los nuevos creyentes siempre tienen preguntas básicas y no todos los líderes celulares son maestros bíblicos bien preparados. ¿Cómo podría funcionar?

Bueno, en primer lugar, la pregunta es inapropiada, ya que se basa en una mentalidad de grupo pequeño. El mundo celular es completamente diferente. Los cristianos maduros han dejado de ser consumidores y se han convertido en proveedores. Hacer discípulos tiene que ver con dar y dar es mejor que recibir, como nos dijo Jesús. Así que el entorno celular se trata de compartir. La comunidad se trata de compartir. Los participantes comparten su vida, sus hogares, su tiempo, sus familias. Cuando leemos Hechos 2, la iglesia era mucho más que básicamente estar dedicada a las enseñanzas de los apóstoles. ¡Las relaciones eran clave! ¡Todos pueden compartir! Y aquellos que han nacido de nuevo, han recibido dones espirituales que pueden usarse para edificar el cuerpo. Antiguos y nuevos pueden ser edificados.

 Con mi célula en Málaga, España, hemos vivido experiencias increíbles que han cambiado mi vida y mi fe, más de lo que cualquier entorno de enseñanza-aprendizaje podría haber tenido. Permítanme compartir una historia que ejemplifica cómo los cristianos antiguos pueden ser (y efectivamente son) edificados, desafiados y cambios en el paradigma celular.

 En cierta reunión, fui responsable de la lección bíblica. Dado que tengo el don espiritual del liderazgo, tenía mis objetivos claramente establecidos. Involucrando a la gente en el intercambio, vigilando el tiempo, estaba progresando a través de la lección según lo planeado. En cierto punto, una de las damas comenzó a sollozar cuando el Espíritu Santo la tocó profundamente. Estaba molesto porque ese “incidente” ralentizaría nuestra velocidad y es posible que no tengamos el tiempo suficiente para “terminar la tarea”. Antes de que pudiera reaccionar, otra dama que definitivamente tiene el don espiritual de la misericordia, cruzó la habitación, se arrodilló junto a la dama que estaba llorando y se pasó un brazo por los hombros. Y luego, para mi vergüenza, me miró con ojos amorosos e hizo un gesto, diciéndome que continuara. ¡Guauu! Eso realmente me golpeó. No solo estaba consolando a la dama, sino que también había visto mi frustración y ahora estaba usando su misericordia conmigo. Perdí mi terreno. ” ¿Que pasa conmigo? ¿Terminar la lección es más importante que amar a la gente? ”. Entonces, esa noche mi liderazgo fue moldeado por mi hermana para que se convirtiera en un liderazgo más parecido a Jesús, lleno de misericordia y amor. Fue un ambiente de enseñanza el que me bendijo más e impactó profundamente.

 Definitivamente, todos podemos ser usados ​​por el Espíritu Santo para edificarnos unos a otros. Todos pueden (y lo harán) crecer en un grupo como este!

Belonging Before Believing

By Stephen Daigle, College and Young Adult Pastor at Celebration Church, www.celebrationchurch.org

Growing up, I had always been under the impression that ‘bringing your friends’ to church was not only my Christian duty, but it was the most effective way of positioning someone to hear the Gospel and have an opportunity to encounter Jesus. Or so I believed at the time.

When I was in my early 20’s, I had a sobering ‘Aha!’ moment. I realized that I had become really good at speaking, but not so good at discipling. What I mean is, all of my focus was on delivering a message, but not so much walking with someone as they learn to follow Christ. I prayed that the Lord would help me ‘flip the script’ of my focus and put someone in my life who I could disciple. The next day, He did just that. My path crossed with a friend I hadn’t seen in 7 years and who expressed an interest in the hope that I had in Jesus. This was the opportunity that I had prayed for. How would I steward it?

I decided to not to invite him to church, but instead, invited him to a home bible study I was having at my house. It was actually very hard for me to do this since I was accustomed to inviting people to church. I wanted to see if he would naturally grow into the fellowship of believers without me forcing him. This friend consistently attended Bible study for months before surrendering his life to the Lord, going on a mission trip and getting baptized. After several months of consistently attending the weekly bible study, my friend asked if he could come to church with me on Sunday. I was thrilled to see his desire to know God and be a part of the body of Christ.

I’ve found that one of the major problems we face in our churches is what we call ‘closing the back door’.  They come through the front door of our church, sit in a service, leave and never come back. Why? We can discuss this all day, but I believe it’s because they have attended a service and didn’t form any meaningful relationships. However, if someone is invited to a cell meeting before attending a service, the odds of them developing meaningful relationships, becoming a part of the fellowship of believers and taking the next steps in their walk with the Lord is increased.

A Celebration Church, we encourage our cell leaders to prioritize inviting individuals to their cell meetings before inviting them to church. Of course we also encourage inviting to church service, but we know that relationships are most effectively formed in the context of the cell. For many, this is a shift in the way we think about an individual’s journey to know the Lord and grow. I would encourage you to test it out yourself.

Pray that God would put someone in your path that you could invite to your cell. Give them an opportunity to naturally grown within the cell and utilize their gifts and talents. Watch and be encouraged as God grows HIS church before your eyes!

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Pertencer Antes de Acreditar

Por Stephen Daigle, www.celebrationchurch.org

Ao crescer, eu sempre tive a impressão de que “trazer seus amigos” para a igreja não era apenas meu dever cristão, mas era a maneira mais eficaz de posicionar alguém para ouvir o Evangelho e ter a oportunidade de encontrar Jesus. Pelo menos era no que eu acreditava na época.

Quando eu estava com meus 20 anos, tive um momento sóbrio de “Aha!”. Percebi que tinha me tornado muito bom em falar, mas não tão bom em discipular. O que eu quero dizer é que todo o meu foco estava em entregar uma mensagem, mas não tanto em andar com alguém à medida que essa pessoa aprende a seguir a Cristo. Eu orei para que o Senhor me ajudasse a “inverter o roteiro” do meu foco e colocar alguém em minha vida que eu pudesse discipular. No dia seguinte, Ele fez exatamente isso. Meu caminho cruzou com um amigo que eu não via há 7 anos e que manifestou interesse na esperança que eu tinha em Jesus. Esta foi a oportunidade pela qual eu havia orado. Como eu lidaria com isso?

Decidi não convidá-lo para a igreja, mas, em vez disso, o convidei para um estudo bíblico em casa que eu estava fazendo. Na verdade, foi muito difícil fazer isso, já que eu estava acostumado a apenas convidar pessoas para ir à igreja. Eu queria ver se ele cresceria naturalmente na comunhão dos crentes sem que eu o forçasse. Este amigo frequentou o estudo bíblico por meses antes de entregar sua vida ao Senhor, ir em uma viagem missionária e ser batizado. Depois de vários meses frequentando consistentemente o estudo bíblico semanal, meu amigo perguntou se ele poderia ir à igreja comigo no domingo. Fiquei emocionado ao ver seu desejo de conhecer a Deus e fazer parte do corpo de Cristo.

Descobri que um dos principais problemas que enfrentamos em nossas igrejas é o que chamamos de “fechar a porta dos fundos”. Eles entram pela porta da frente da nossa igreja, sentam-se em um culto, saem e nunca mais voltam. Por quê? Podemos discutir isso o dia todo, mas acredito que seja porque eles participaram de um culto e não formaram nenhum relacionamento significativo. No entanto, se alguém for convidado para uma reunião de célula antes de participar de um culto, isso aumentará a chance deles desenvolverem relacionamentos significativos, tornarem-se parte da comunhão dos crentes e dar os próximos passos em sua caminhada com o Senhor.

Na Celebration Church, nós encorajamos nossos líderes de célula a priorizar o convite de indivíduos para suas reuniões em células antes de convidá-los para a igreja. É claro que também encorajamos o convite para o culto na igreja, mas sabemos que os relacionamentos são formados de maneira mais eficaz no contexto da célula. Para muitos, essa é uma mudança na forma como pensamos sobre a jornada de um indivíduo para conhecer o Senhor e crescer. Eu encorajaria você a testar isso.

Ore para que Deus coloque alguém em seu caminho que você possa convidar para a sua célula. Dê-lhe uma oportunidade de crescer naturalmente dentro da célula e utilizar seus dons e talentos. Observe e seja encorajado ao ver Deus cultivar Sua igreja diante de seus olhos!

Spanish blog:

Pertenecer antes de creer

Por Stephen Daigle, www.celebrationchurch.org

Al crecer, siempre tuve la impresión de que “llevar a tus amigos” a la iglesia no solo era mi deber cristiano, sino que era la forma más efectiva de ubicar a alguien para escuchar el Evangelio y tener la oportunidad de encontrarse con Jesús. O eso creía yo en ese momento.

Cuando tenía unos 20 años, tuve un momento de descubrimiento! Me di cuenta de que me había vuelto muy bueno hablando, pero no tan bueno discipulando. Lo que quiero decir es que todo mi enfoque estaba en entregar un mensaje, pero no tanto caminar con alguien mientras aprenden a seguir a Cristo. Oré para que el Señor me ayudara a “voltear el guión” de mi enfoque y poner a alguien en mi vida a quien pudiera discipular. Al día siguiente, Él hizo eso. Mi camino se cruzó con un amigo que no había visto en 7 años y que expresó interés en la esperanza que tenía en Jesús. Esta fue la oportunidad por la que había orado. ¿Cómo lo administraría?

Decidí no invitarlo a la iglesia, pero en cambio, lo invité a un estudio bíblico que tenía en mi casa. En realidad fue muy difícil para mí hacer esto ya que estaba acostumbrado a invitar a la gente a la iglesia. Quería ver si él crecería naturalmente en la comunión de creyentes sin que yo lo forzara. Este amigo asistió constantemente al estudio de la Biblia durante meses antes de entregar su vida al Señor, ir a un viaje misionero y bautizarse. Después de varios meses de asistir constantemente al estudio bíblico semanal, mi amigo me preguntó si podía venir a la iglesia conmigo el domingo. Me emocionó ver su deseo de conocer a Dios y ser parte del cuerpo de Cristo.

Descubrí que uno de los principales problemas que enfrentamos en nuestras iglesias es lo que llamamos “cerrar la puerta trasera”. Vienen por la puerta principal de nuestra iglesia, se sientan en un servicio, se van y nunca regresan. ¿Por qué? Podemos discutir esto todo el día, pero creo que es porque han asistido a un servicio y no han establecido relaciones significativas. Sin embargo, si alguien es invitado a una reunión celular antes de asistir a un servicio, aumentan las probabilidades de que desarrollen relaciones significativas, se conviertan en parte de la comunión de los creyentes y den los siguientes pasos en su caminar con el Señor.

En Iglesia de Celebración, alentamos a nuestros líderes celulares a priorizar invitar a personas a sus reuniones celulares antes de invitarlos a la iglesia. Por supuesto, también alentamos la invitación al servicio de la iglesia, pero sabemos que las relaciones se forman de manera más efectiva en el contexto de la célula. Para muchos, esto es un cambio en la forma en que pensamos acerca del viaje de un individuo para conocer al Señor y crecer. Te animo a que lo pruebes tú mismo.

Ora para que Dios ponga a alguien en tu camino que puedas invitar a tu célula. Dales la oportunidad de crecer naturalmente dentro de la célula y utilizar sus dones y talentos. ¡Observa y anímate a medida que Dios hacer crecer SU iglesia ante tus ojos!