Real Talk 

By Stephen Daigle, College and Young Adult Pastor at Celebration Church, www.celebrationchurch.org

A couple months ago we were doing a relationship series at our church. My wife and I decided that we would take time during one of the sermons to be open about the challenges that come with marriage: disagreeing, arguing, etc.. Little did we know the impact that would have. The following week, we had a number of people come up to us individually and tell us ‘Thank You, I thought all pastors were perfect and don’t go thru what normal people go thru.’ I’m sure when you just read that you made the same face we made! Of course we aren’t perfect! Pastors and Leaders are people who face the same struggles (if not more) than anyone else. But people don’t think that. One of those individuals said to us ‘I feel like I can relate to you much better now.’ That was encouraging to hear but also eye opening.

Here’s a great Leadership Lesson: People would rather follow a leader who is always real instead of a leader who’s always right.

I’ve found that people tend to lean more into the ministry when the leader is more ‘real’ and ‘right’. Paul said in 1 Corinthians 11:1 ‘And you should imitate me, just as I imitate Christ.’ If we want those we are leading to be open and honest, we too must be open and honest. Your people are always watching you. What you say, what you do, how you respond, etc.. They don’t expect you to have it all together, but they do expect you to be honest and be real.

Here’s a challenge for this week: Be open and honest about some challenges you are facing in your life or about a mistake you’ve made recently or in the past. This could be done one on one, in a cell meeting or even in the context of a sermon you are preaching.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Conversa Real

Por Stephen Daigle, Pastor de Universitários e Jovens Adultos na Celebration Church, www.celebrationchurch.org

Alguns meses atrás estávamos fazendo uma série sobre relacionamentos em nossa igreja. Minha esposa e eu decidimos que teríamos um tempo durante um dos sermões para sermos aberto sobre os desafios que vêm com o casamento: discordar, argumentar, etc. Nem imaginávamos o impacto que isso teria. Na semana seguinte, tivemos várias pessoas que nos procuraram individualmente e nos disseram: “Obrigado, achei que todos os pastores eram perfeitos e que não passavam pelo que as pessoas normais passam”. Tenho certeza de que ao ler isso você fez a mesma cara que fizemos! Claro que não somos perfeitos! Pastores e líderes são pessoas que enfrentam as mesmas lutas (se não mais) do que qualquer outra pessoa. Mas as pessoas não pensam isso. Um desses indivíduos nos disse: “Sinto que posso me relacionar com você muito melhor agora”. Foi encorajador ouvir isso, mas também abriu nossos olhos.

Aqui está uma ótima Lição de Liderança: As pessoas preferem seguir um líder que é sempre real, em vez de um líder que está sempre certo.

Descobri que as pessoas tendem a se inclinar mais para o ministério quando o líder é mais “real” e “certo”. Paulo disse em 1 Coríntios 11:1 “Tornem-se meus imitadores, como eu o sou de Cristo”. Se queremos que aqueles que estamos liderando sejam abertos e honestos, nós também devemos ser abertos e honestos.  Seu povo está sempre te observando. O que você diz, o que você faz, como você responde, etc. Eles não esperam que você seja perfeito, mas esperam que você seja honesto e real.

Aqui está um desafio para esta semana: seja aberto e honesto sobre alguns desafios que você está enfrentando em sua vida ou sobre um erro que você fez recentemente ou no passado. Isso pode ser feito um a um, em uma reunião de célula ou mesmo no contexto de um sermão que você está pregando.

Spanish blog:

Una Charla honesta

Por Stephen Daigle, pastor de universidad y adultos jóvenes en Celebration Church, www.celebrationchurch.org

Hace un par de meses estábamos haciendo una serie de mensajes acerca de las relaciones en nuestra iglesia. Mi esposa y yo decidimos que nos tomaríamos un tiempo durante uno de los sermones para ser sinceros sobre los desafíos que conlleva el matrimonio: estar en desacuerdo, discutir, etc. Poco sabíamos del impacto que tendría. La semana siguiente, hubo varias personas que se acercaron a nosotros individualmente y nos dijeron ‘Gracias, pensé que todos los pastores eran perfectos y no pasan por lo que pasa la gente normal’. Estoy seguro de que cuando terminaste de leer eso, hiciste la misma cara que nosotros! ¡Por supuesto que no somos perfectos! Los pastores y los líderes son personas que enfrentan las mismas luchas (si no más) que cualquier otra persona. Pero la gente no piensa eso. Una de esas personas nos dijo: “Siento que puedo relacionarme con usted mucho mejor ahora”. Eso fue alentador de escuchar pero también me abrió los ojos.

Aquí hay una excelente lección de liderazgo: la gente prefiere seguir a un líder que siempre es real en lugar de un líder que siempre tiene la razón.

Descubrí que las personas tienden a inclinarse más en el ministerio cuando el líder es más “real” y “correcto”. Pablo dijo en 1 Corintios 11: 1 “Sed imitadores de mí, así como yo de Cristo”. Si queremos que aquellos a quienes dirigimos sean abiertos y honestos, también debemos serlo. Tu gente siempre te está mirando. Lo que dices, lo que haces, cómo respondes, etc. No esperan que lo tengas todo en regla, pero sí esperan que seas honesto y sea real.

Este es un desafío para esta semana: ser abierto y honesto sobre algunos desafíos que enfrentas en tu vida o sobre un error que has cometido recientemente o en el pasado. Esto se puede hacer uno a uno, en una reunión celular o incluso en el contexto de un sermón.

Building Transparency in Cell Life

By Mario Vega, www.elim.org.sv

Relationships in a cell begin long before the guests arrive.  In the process of inviting people, emphasis is placed on the need to be authentic with others.  The process begins by taking an interest in the other person by showing her love, with facts rather than words. As the members of the cell approach their guests, they begin the exercise of transparency to identify their deepest needs. Later, in the cell, they seek to resolve those needs through the gospel.

The teaching that is taught in the cell has three basic elements: the introduction, the body and the application. The last part, application, is critical. The purpose is for people to apply the Scriptures to their daily lives. This application is reaffirmed during the snack time, which is just an excuse to retain the people a little more and continue with them the process of being transparent.

And remember that ministry doesn’t end with the cell meeting. Since the transparency is genuine, the work will continue in daily life, in various visits, outings and conversations. Thus the whole relationship process in the cell is seasoned with the practice of transparency. That must be an essential element that must be promoted to develop healthy cells.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Construindo Transparência na Vida Celular

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

Os relacionamentos em uma célula começam muito antes dos convidados chegarem. No processo de convidar as pessoas, a ênfase é colocada na necessidade de ser autêntico com os outros. O processo começa por interessar-se pela outra pessoa mostrando seu amor, com ações

 e não com palavras. À medida que os membros da célula se aproximam de seus convidados, eles começam o exercício da transparência para identificar suas necessidades mais profundas. Mais tarde, na célula, eles buscam resolver essas necessidades por meio do Evangelho.

O ensinamento passado na célula tem três elementos básicos: a introdução, o corpo e a aplicação. A última parte, a aplicação, é crucial. O objetivo é que as pessoas apliquem as Escrituras à sua vida diária. Esta aplicação é reafirmada durante a hora do lanche, que é apenas uma desculpa para reter um pouco mais as pessoas e continuar com elas o processo de ser transparente.

E lembre-se que o ministério não termina com a reunião da célula. Como a transparência é genuína, o trabalho continuará na vida cotidiana, em várias visitas, saídas e conversas. Assim, todo o processo de relacionamento na célula é temperado com a prática da transparência. Esse deve ser um elemento essencial a ser promovido para desenvolver células saudáveis.

Spanish blog:

Construyendo transparencia en la vida celular

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

Las relaciones en una célula comienzan mucho antes de que el invitado asista a ella. En el proceso de invitar a las personas se hace énfasis en la necesidad de desarrollar una amistad auténtica. El proceso comienza por interesarse en la otra persona mostrándole amor, con hechos más que con palabras. En la medida en que los miembros de la célula se acercan a sus invitados comienzan el ejercicio de la transparencia para identificar sus necesidades más hondas. Posteriormente, en la célula, buscan resolver esas necesidades por medio del evangelio.

La enseñanza que se imparte en la célula posee tres elementos básicos: la introducción, el cuerpo y la aplicación. Ésta última es una parte a la cual se le da énfasis. Su propósito es que las personas puedan hacer la aplicación de las Escrituras a su vida diaria. Esta aplicación se reafirma durante el refrigerio, el cual, es solo una excusa para retener un poco más a las personas y continuar con ellas el proceso de ser transparentes.

El trabajo no termina con la reunión de célula. Dado que la transparencia que se ha construido es genuina, el trabajo continuará en la vida diaria. En diversas, visitas, salidas y conversaciones. De manera que todo el proceso de relación en las células está sazonado con la práctica de la transparencia. Ese debe ser un elemento esencial que se debe fomentar para desarrollar células sanas.

The Freedom of Vulnerability

By Jay Firebaugh, [Director of Small Groups at New Life Church in Gahanna/ Columbus, Ohio. He’s been actively working with small group point people and over-seeing life-giving small groups in a local church for 24 years. He most enjoys being husband to Janet, Dad & Father-in-law to Joanna, Darren, Joel, & Anna, and Grandpa to Carson & Landon.]

Vulnerability frees us from the trap of performance.  Nowhere does this truth prove more true than in small group community.  In a small group, as I begin to share the real struggles in my life, I am gradually released from the lie that my worth is dependent on performance.  The Scriptures teach that my worth rests on who I am in Christ, not how well I do at living up to the standards of holiness and righteousness.  As my less-than-worthy performance is exposed and I continue to be loved and accepted by the others in my small group, I gain the faith to believe that God doesn’t love and accept me on the basis of my performance either.

James 5:16 says, “Therefore confess your sins to each other and pray for each other so that you may be healed…”  The context of this passage is physical healing, but I believe this verse speaks to the healing of our souls as well.  As we learn to confess our sins to each other, our souls are released from the lies that keep us from enjoying who we are in Christ.

We’ve all been taught to put our best foot forward.  As a result, we live most of our lives with a mask.  It’s only natural that mask-wearing becomes a part of our Christian experience too.  We work hard to always present our best selves in order to ward off the rejection of others.  How could we help but carry this mindset over to our relationship with God also?

But true community frees us from this.  As our small group increases in closeness, we can risk being more and more open.  Acceptance in the whole group gives us greater courage to risk being completely open with a smaller group of one or two others within our group.  My experience has been that vulnerability comes in degrees within the small group experience.  As trust is created, I learn to be increasingly open to the whole group.  However, complete vulnerability usually occurs with a few other men or women within the larger group.  This is where real accountability takes place.  Not that I am held to some legalistic standard, but that brothers or sisters who really know me at my best and worst, hear the confession of my sin and empower me to continue to work out my salvation. (Philippians 2:12)

Often as small group leaders, or even as a pastor, we are frightened to be vulnerable.  We believe that to retain respect we can’t let others really see how sinful we are (despite the Scripture’s full disclosure of that fact).  However, I’ve learned that a leader or pastor’s greatest work is through modeling.  Your willingness to remove your mask and be vulnerable and accountable is what will really allow others within your small group to do the same.  Your failure to do so is what will keep the people of your group or your church practicing performance-oriented Christianity.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

A Liberdade da Vulnerabilidade

Por Jay Firebaugh, [Diretor de Pequenos Grupos da New Life Church em Gahanna/Columbus, Ohio. Ele tem trabalhado ativamente com pessoas de pequenos grupos e supervisionando pequenos grupos cheios de vida em uma igreja local por 24 anos. O que ele mais gosta é ser marido de Janet, pai e sogro de Joanna, Darren, Joel e Anna, e vovô de Carson & Landon]

A vulnerabilidade nos liberta da armadilha do desempenho. Em nenhum lugar essa verdade é mais verdadeira do que na comunidade de pequenos grupos. Em um pequeno grupo, quando começo a compartilhar as lutas reais da minha vida, sou gradualmente liberto da mentira de que meu valor depende do meu desempenho. As Escrituras ensinam que o meu valor está em quem eu sou em Cristo, não em quão bem eu vivo de acordo com os padrões de santidade e justiça. À medida que meu desempenho menos que digno é exposto e continuo a ser amado e aceito pelos outros no meu pequeno grupo, ganho a fé para acreditar que o amor de Deus também não depende do meu desempenho.

Tiago 5:16 diz: “Portanto, confessem seus pecados uns aos outros e orem uns pelos outros, para que sejam curados…”. O contexto dessa passagem é a cura física, mas creio que esse verso também fala sobre a cura de nossas almas. Quando aprendemos a confessar nossos pecados uns aos outros, nossas almas são liberadas das mentiras que nos impedem de desfrutar quem somos em Cristo.

Todos fomos ensinados a dar o melhor de nós. Como resultado, vivemos a maior parte de nossas vidas com uma máscara. É natural que o uso de máscaras se torne uma parte da nossa experiência cristã também. Nós trabalhamos duro para sempre apresentar nosso melhor lado, a fim de afastar a rejeição dos outros. Assim, acabamos levando essa mentalidade ao nosso relacionamento com Deus também.

Mas a verdadeira comunidade nos liberta disso. À medida que nosso pequeno grupo aumenta em proximidade, podemos nos arriscar a ser cada vez mais abertos. A aceitação em todo o grupo nos dá maior coragem para nos arriscarmos a ser completamente abertos com um grupo menor de uma ou duas outras pessoas dentro do nosso grupo. Minha experiência tem sido que a vulnerabilidade vem em diferentes níveis dentro da experiência de pequenos grupos. À medida que a confiança é criada, eu aprendo a estar cada vez mais aberto a todo o grupo. No entanto, a vulnerabilidade completa geralmente ocorre com alguns outros homens ou mulheres dentro do grupo maior. É aqui que a responsabilidade real ocorre. Não que eu seja submetido a algum padrão legalista, mas que irmãos ou irmãs que realmente me conhecem da melhor e da pior maneira, ouçam a confissão do meu pecado e me capacitem a continuar a desenvolver minha salvação (Filipenses 2:12).

Muitas vezes, como líderes de pequenos grupos, ou mesmo como pastores, temos medo de ser vulneráveis. Acreditamos que, para manter o respeito, não podemos deixar que os outros realmente vejam como somos pecadores (apesar da revelação completa das Escrituras sobre esse fato). No entanto, aprendi que o maior trabalho de um líder ou pastor é através de seu exemplo. Sua disposição para remover sua máscara e ser vulnerável e responsável é o que realmente permitirá que os outros dentro de seu pequeno grupo façam o mesmo. Sua falha em fazer isso é o que manterá as pessoas do seu grupo ou da sua igreja praticando o cristianismo orientado para o desempenho.

Spanish blog:

La libertad que da la vulnerabilidad

Por Jay Firebaugh, [Director de Grupos Celulares en la Iglesia New Life en Gahanna / Columbus, Ohio. Jay ha estado trabajando activamente con personas en grupos celulares y supervisando células que dan vida en una iglesia local durante 24 años. Sobre todo ahora disfruta ser marido de Janet, papá y suegro de Joanna, Darren, Joel y Anna, y abuelo de Carson y Landon.]

La vulnerabilidad nos libera de la trampa de la actuación. En ninguna parte esta verdad resulta más verdadera que en la comunidad de los grupos celulares. En un grupo celular, a medida que comienzo a compartir las verdaderas luchas en mi vida, gradualmente me libero de la mentira de que mi valor depende de la apariencia. Las Escrituras enseñan que mi valor descansa en quién soy en Cristo, no en lo bien que lo hago para cumplir con los estándares de santidad y justicia. A medida que mi poco digno desempeño está expuesto y sigo siendo amado y aceptado por los demás en mi célula, gano la fe para creer que Dios tampoco me ama y me acepta en base a mi desempeño.

Santiago 5:16 dice: “Por lo tanto, confiesa tus pecados el uno al otro y ora el uno por el otro para que puedas ser sanado …” El contexto de este pasaje es la sanidad física, pero creo que este versículo también habla de la sanidad de nuestras almas . A medida que aprendemos a confesar nuestros pecados el uno al otro, nuestras almas se liberan de las mentiras que nos impiden disfrutar de quienes somos en Cristo.

A todos nos han enseñado a dar lo mejor de nosotros mismos. Como resultado, vivimos la mayor parte de nuestras vidas con una máscara. Es natural que el uso de máscaras también se convierta en parte de nuestra experiencia cristiana. Trabajamos arduamente para presentarnos siempre lo mejor posible para evitar el rechazo de los demás. ¿Cómo podríamos ayudar, pero también llevar esta mentalidad a nuestra relación con Dios?

Pero la verdadera comunidad nos libera de esto. A medida que nuestra célula aumenta en cercanía, podemos arriesgarnos a ser cada vez más abiertos. La aceptación en todo el grupo nos da mayor coraje para arriesgarnos a ser completamente abiertos con un grupo más pequeño de uno o dos más dentro de nuestra célula. Mi experiencia ha sido que la vulnerabilidad viene en grados dentro de la experiencia celular. A medida que se crea confianza, aprendo cada vez más a todo el grupo. Sin embargo, la vulnerabilidad completa generalmente ocurre con algunos otros hombres o mujeres dentro del grupo más grande. Aquí es donde se lleva a cabo la verdadera rendición de cuentas. No es que esté sujeto a algún estándar legalista, sino que los hermanos o hermanas que realmente me conocen en lo mejor y en lo peor, escuchan la confesión de mi pecado y me capacitan para continuar trabajando en mi salvación. (Filipenses 2:12)

A menudo, como líderes celulares, o incluso como pastores, tenemos miedo de ser vulnerables. Creemos que para mantener el respeto no podemos dejar que otros vean realmente lo pecaminosos que somos (a pesar de la revelación completa de este hecho en las Escrituras). Sin embargo, he aprendido que el mejor trabajo de un líder o pastor es a través del modelaje. Su disposición para quitarse la máscara y ser vulnerable y responsable es lo que realmente permitirá que otros miembros de su célula hagan lo mismo. Si no lo haces, mantendrás a las personas de tu célula o iglesia practicando el cristianismo orientado al desempeño.

The Fear of Vulnerability

By Jay Firebaugh, [Director of Small Groups at New Life Church in Gahanna/ Columbus, Ohio. He’s been actively working with small group point people and over-seeing life-giving small groups in a local church for 24 years. He most enjoys being husband to Janet, Dad & Father-in-law to Joanna, Darren, Joel, & Anna, and Grandpa to Carson & Landon.]

Recently a man was sharing with me about how much he loved our church, but the initial fear he had of going to a small group.  I believe his words were something like, “I’m just not the kind of guy who likes spilling his guts to a bunch of strangers!”

I did my best to assure him that in a small group nobody makes anybody share anything they don’t want to share.  Secondly, that most vulnerable sharing generally occurs in the smaller group time after we’ve broken down into groups of 2 or 3 people.  And thirdly, I expect he’d realize after a while that when he did want to open up about something real that is going on in his life, that these guys who he’d be opening up to aren’t “a bunch of strangers” but rather close friends who are committed to loving him and praying with him about the real issues on his heart!

Just the same – vulnerability can be downright scary – especially for men! (Though I’ve also seen a lot of women fight against vulnerability). But the good news is, once you’ve experienced it (NOT “spilling your guts to a bunch of strangers” but rather opening up about the real struggles in your life to a few trusted others who love you and are committed to you) there’s nothing like it to breathe freedom and release into your soul.  

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O Medo da Vulnerabilidad

Por Jay Firebaugh, [Diretor de Pequenos Grupos da New Life Church em Gahanna/Columbus, Ohio. Ele tem trabalhado ativamente com pessoas de pequenos grupos e supervisionando pequenos grupos cheios de vida em uma igreja local por 24 anos. O que ele mais gosta é ser marido de Janet, pai e sogro de Joanna, Darren, Joel e Anna, e vovô de Carson & Landon]

Recentemente, um homem estava compartilhando comigo sobre o quanto ele amava a nossa igreja, mas o medo inicial que ele tinha de ir a um pequeno grupo. Acredito que suas palavras foram algo como: “Eu não sou o tipo de cara que gosta de expor suas entranhas para um bando de estranhos!

Fiz o meu melhor para garantir a ele que em um pequeno grupo ninguém faz ninguém compartilhar algo que não queira compartilhar. Em segundo lugar, o compartilhamento mais vulnerável geralmente ocorre no grupo menor, depois de termos dividido em grupos de 2 ou 3 pessoas. E em terceiro lugar, eu espero que ele perceba depois de um tempo que quando ele quiser se abrir sobre algo real que está acontecendo em sua vida, que os homens com quem ele estaria se abrindo não são “um bando de estranhos”, mas sim amigos próximos que estão comprometidos em amá-lo e orar com ele sobre as verdadeiras questões em seu coração!

Apenas o mesmo de sempre- a vulnerabilidade pode ser absolutamente assustadora – especialmente para os homens (embora eu também já tenha visto muitas mulheres lutando contra a vulnerabilidade)! Mas a boa notícia é que, uma vez que você tenha experimentado isso (NÃO “expor suas entranhas para um bando de estranhos”, mas sim se abrir sobre as verdadeiras lutas de sua vida para alguns poucos que confiam em você e estão comprometidos com você) nada como isto para respirar liberdade e liberá-la em sua alma.

Spanish blog:

El miedo a la vulnerabilidad

Por Jay Firebaugh, [Director de Grupos Celulares en la Iglesia New Life en Gahanna / Columbus, Ohio. Jay ha estado trabajando activamente con personas en grupos celulares y supervisando células que dan vida en una iglesia local durante 24 años. Sobre todo ahora disfruta ser marido de Janet, papá y suegro de Joanna, Darren, Joel y Anna, y abuelo de Carson y Landon.]

Recientemente, un hombre compartía conmigo sobre cuánto amaba a nuestra iglesia, pero el temor inicial que tenía de ir a una célula. Creo que sus palabras fueron algo así como: “¡No soy el tipo de persona al que le gusta compartir sus secretos a un montón de extraños!”

 Hice todo lo posible para asegurarle que en un célula nadie hace que compartas algo, que no quieras compartir. En segundo lugar, el intercambio más vulnerable generalmente ocurre en el tiempo de células aun más pequeñas, después de que nos dividimos en grupos de 2 o 3 personas. Y en tercer lugar, espero que después de un tiempo se diera cuenta de que cuando quería hablar sobre algo real que está sucediendo en su vida, que estos tipos a los que se abriría no son “un montón de extraños”. ”¡Pero más bien amigos cercanos que están comprometidos a amarlo y orar con él sobre los problemas reales en su corazón!

 De todos modos, la vulnerabilidad puede ser realmente aterradora, ¡especialmente para los hombres! (Aunque también he visto a muchas mujeres luchar contra la vulnerabilidad). Pero la buena noticia es que, una vez que lo hayas experimentado (NO “compartir tus secretos a un montón de extraños”, sino más bien abrirte acerca de las verdaderas luchas en tu vida a unos pocos de confianza que te aman y están comprometidos contigo), no hay como respirar libertad y liberar tu alma.

 

 

Transparency Killers

By Joel Comiskey, check out: Facilitate

What kills transparency? Steve Cordle nailed one of the culprits last week when he talked about people hiding behind generalities rather than talking about their own personal lives.

Another transparency assassin is trying to impress others by only sharing positive things.

But perhaps the number one destroyer of transparency is asking questions that are closed-ended and don’t allow people the share.

Closed questions have one correct answer. When a leader uses too many of them, he positions himself as the Bible expert who’s trying to discover the brightest, most Biblically literate students. Open-ended questions, on the other hand, elicit discussion and sharing. There is more than one right answer. Open-ended questions stir small group members to apply the Biblical truths to their own lives.

Open Versus Closed Questions

Open

Closed

  • What are you going to do differently as a result of hearing these verses?
  •  Share your experiences concerning. . .
  • How has God spoken to you?
  • Do you agree with this passage?
  • Who is the main character in this passage?
  • What does this passage say about _____?

Several years ago, I visited a small group that was discussing the parable of the unmerciful servant in Matthew 18:21-35. The small group leader asked question after question about what the text said (closed ended), but not once did he ask the people to apply these verses to their own lives.

He missed a perfect opportunity. He could have said: “Share an experience when you felt bitterness toward another person.” He could have followed with: “Share how you overcame those feelings and were able to forgive that person.” Most likely there were people that very night who needed freedom from pent-up bitterness and who were longing to share with others.

I like sermon-based small group lessons. It makes sense for small group facilitators to get a head-start on the lesson as they hear the pastor’s message, take notes, and prepare their questions. I encourage churches to send the lesson to the leaders in advance of the Sunday preaching to give them plenty of time to prepare. I tell small group facilitators not to mention “what the pastor said” during their lesson, but rather to talk about what the Bible teaches.

But I’ve also noticed that many sermon-based lessons are too complicated and have too many questions. The lesson gets bogged down in closed observation questions that don’t apply God’s Word to daily living. It’s easy for facilitators to forget that the main principle of an effective lesson (Word time) is how the Bible passage applies to daily life and to help members to share transparently.

I’ve been working with a group right now in which we only use three questions:

  1. What does this passage say?
  2. How is God speaking to you right now from this passage?
  3. How can you apply/ obey this passage during the week.

We believe that the simplicity of these three questions will make the sermon-based lessons more transferable and easier for leaders to help their members to become more transparent in the process.

The good news is that we can fight back against the transparency killers and by God’s grace, even overcome them.  

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Assassinos da Transparência

Por Joel Comiskey

O que mata a transparência? Steve Cordle acertou em cheio um dos culpados na semana passada quando falou sobre pessoas se escondendo atrás de generalidades, em vez de falar sobre suas próprias vidas pessoais.

Outro assassino da transparência é tentar impressionar as outras pessoas compartilhando apenas coisas positivas.

Mas talvez o destruidor número um da transparência seja fazer perguntas fechadas e não permitir que as pessoas compartilhem.

Perguntas fechadas têm uma resposta certa. Quando um líder usa muitas delas, ele se posiciona como o especialista bíblico que está tentando descobrir os alunos mais brilhantes e mais alfabetizados. Perguntas abertas, por outro lado, provocam discussão e compartilhamento. Há mais de uma resposta correta. Perguntas abertas estimulam os membros do pequeno grupo a aplicar as verdades bíblicas em suas próprias vidas.

Perguntas Abertas Versus Fechadas

Abertas

Fechadas

  • O que você vai fazer de forma diferente depois de ouvir esses versículos?
  • Compartilhe suas experiências com relação a…
  •  De que forma Deus falou com você?
  • Você concorda com essa passagem?
  • Quem éon personagem principal dessa passagem?
  • O que essa passagem diz sobre _____?

Vários anos atrás, visitei um pequeno grupo que estava discutindo a parábola do servo impiedoso em Mateus 18:21-35.  O líder do pequeno grupo fez uma pergunta após a outra sobre o que o texto dizia (perguntas fechadas), mas nenhuma vez ele pediu às pessoas que aplicassem esses versículos às suas próprias vidas. Ele perdeu uma oportunidade perfeita.  Ele poderia ter dito: “Compartilhe uma experiência de quando você sentiu amargura em relação a outra pessoa”. Ele poderia ter seguido com: “Compartilhe como você superou esses sentimentos e como foi capaz de perdoar essa pessoa”. Provavelmente havia pessoas naquela mesma noite que precisavam ser libertas de amargura reprimida e que ansiavam por compartilhar com os outros.

Eu gosto de quando as palavras nas células são baseadas em sermões. Para os facilitadores de pequenos grupos, faz sentido começar a lição quando ouvem a mensagem do pastor, tomam notas e preparam as perguntas. Eu encorajo as igrejas a enviarem a palavra aos líderes antes da pregação do domingo, para que eles tenham tempo suficiente para se prepararem. Digo aos facilitadores de pequenos grupos que não mencionem “o que o pastor disse” durante a aula, mas que falem sobre o que a Bíblia ensina.

Mas também percebi que muitas lições baseadas em sermões são muito complicadas e têm muitas perguntas. A lição fica atolada de questões de observação fechadas que não aplicam a Palavra de Deus à vida diária. É fácil para os facilitadores esquecer que o maior princípio de uma lição eficaz (tempo de Palavra) é como a passagem da Bíblia se aplica à vida diária e ajudar os membros a compartilhar de forma transparente.

Eu tenho trabalhado com um grupo no momento em que usamos apenas três perguntas:

  1. O que esta passagem diz?
  2. Como Deus está falando com você agora sobre essa passagem?
  3. Como você pode aplicar/obedecer a esta passagem durante a semana?

Acreditamos que a simplicidade dessas três perguntas tornará as lições baseadas no sermão mais transferíveis e mais fáceis para os líderes ajudarem seus membros a se tornarem mais transparentes no processo.

A boa notícia é que podemos lutar contra os assassinos da transparência e pela graça de Deus, até superá-los.

Spanish blog:

Asesinos de la  transparencia 


Por Joel Comiskey 


¿Qué mata la transparencia? Steve Cordle identificó a uno de los culpables la semana pasada cuando habló sobre personas que se esconden detrás de generalidades en lugar de hablar sobre sus propias vidas. 

Otro asesino de la transparencia es, el que trata de impresionar a otros al compartir solo cosas positivas. 

Pero quizás el destructor número uno de la transparencia es hacer preguntas que son cerradas y no permiten que las personas compartan. 

Las preguntas cerradas tienen una respuesta correcta. Cuando un líder usa demasiadas, se posiciona a sí mismo como el experto en la Biblia que está tratando de descubrir a los estudiantes más brillantes y más alfabetizados bíblicamente. Las preguntas abiertas, por otro lado, provocan discusión y  compartir. Hay más de una respuesta correcta. Las preguntas abiertas agitan a los miembros celulares para aplicar las verdades bíblicas a sus propias vidas. 

Preguntas abiertas vs preguntas cerradas

 

Abiertas

Cerradas

  • ¿Qué vas a hacer diferente como resultado de escuchar este versículo?
  • Comparte tu experiencia acerca de…
  • ¿Cómo te ha hablado Dios?
  • ¿Estás de acuerdo con este pasaje?
  • ¿Quién es el personaje principal en el pasaje?
  • ¿Qué dice este pasaje acerca de _____?

Hace varios años, visité una célula que estaba discutiendo la parábola del siervo despiadado en Mateo 18: 21-35. El líder de la célula hizo una pregunta tras otra sobre lo que decía el texto (preguntas cerradas), pero ni una vez le pidió a las personas que aplicara estos versículos a sus propias vidas. 

Perdió una oportunidad perfecta. Podría haber dicho: “Compartamos una experiencia en la que sintió amargura hacia otra persona”. Podría haber seguido: “Compartamos cómo superó esos sentimientos y pudo perdonar a esa persona”. Lo más probable es que esa noche hubiera personas que necesitaban libertad de amargura reprimida y que anhelaban compartir con otros. 

Me gustan las lecciones celulares basadas en sermones. Tiene sentido que los facilitadores de células obtengan una ventaja en la lección al escuchar el mensaje del pastor, tomar notas y preparar sus preguntas. Animo a las iglesias a que envíen la lección a los líderes antes de la predicación del domingo para darles suficiente tiempo para prepararse. Les digo a los facilitadores de los grupos celulares que no mencionen “lo que dijo el pastor” durante la lección, sino que hablen sobre lo que la Biblia enseña. 

Pero también he notado que muchas lecciones basadas en sermones son demasiado complicadas y tienen demasiadas preguntas. La lección se atasca en preguntas de observación cerrada que no aplican la Palabra de Dios a la vida diaria. Es fácil para los facilitadores olvidar que el principio principal de una lección efectiva (tiempo de la palabras) es cómo el pasaje de la Biblia se aplica a la vida cotidiana y para ayudar a los miembros a compartir de manera transparente. 

He estado trabajando con un grupo en este momento en el que solo usamos tres preguntas: 

  1. ¿Qué dice este pasaje? 
  2. ¿Cómo te está hablando Dios ahora mismo desde este pasaje? 
  3. ¿Cómo puedes aplicar / obedecer este pasaje durante la semana? 

Creemos que la simplicidad de estas tres preguntas hará que las lecciones basadas en sermones sean más transferibles y más fáciles para que los líderes ayuden a sus miembros a ser más transparentes en el proceso. 

La buena noticia es que podemos luchar contra los asesinos de la transparencia y por la gracia de Dios, incluso vencerlos.