The Courage to Make Mistakes

By Andrew Kirk, Director of Generation 2 generation, Website – www.G2gMandate.org, Social Media – @G2gMandate

Everyone can think of mistakes they have made in family, work, ministry, social life, and so forth. Hopefully, we learn from them and grow. By making these mistakes we gain much-needed wisdom and experience for the future. While we want to avoid mistakes when possible, it’s also important we learn valuable lessons. Why is this important? 

There is a phrase that goes something like, “I made mistakes, so you don’t have to!” While that can be good in some situations, like sin, it doesn’t apply to all aspects of life and isn’t necessarily a good thing in many areas.

Let’s take the world we lived in before Covid-19, for example. As leaders, we could give people possible models/plans of what would and wouldn’t work. Mistakes could generally be avoided. Fast forward into our current Covid-19 world, and everything has changed. If others continue the way we originally told them to, huge mistakes could now be made. Why? Because very little from our pre-COVID-19 ministries apply to this “new world”.

Helping people to navigate and maneuver through mistakes, to adapt and overcome, might be more time consuming and challenging to us as leaders, but it sets others up for success in the long term. Releasing people is challenging as we stand back and watch them make mistakes, but people learn from them. Our responsibility is to help people know how to respond to their mistakes, in humility and grace. We must learn how to make mid-course corrections, stay focused, and not be defeated.
 
Even if we have followers doing everything we say or do, they will still make mistakes. Why? Because we, too, keep making mistakes, and we will continue to make them.

Jesus knew that His disciples would make mistakes. He also knows we will make mistakes. Yet, he continues to release and trust us.

The issue isn’t the mistakes themselves. Rather, it’s how we respond to them. It’s all about character and maturity. Will we continue to encourage those who make mistakes? Or will we give up on them? For example, in Galatians 2:11, we see Peter making a huge mistake. Jesus knew Peter would make these mistakes, but did it stop Jesus from using him.  Jesus used all the disciples knowing they would make mistakes, yet He placed the future of the church in their hands.

So much of this is about the heart, not the action or even the result. We need to allow people the freedom to fly and that will include allowing them to make mistakes. Let’s release people without abandoning them. Let’s cheer them on, knowing that this is how they grow and become more like Jesus!

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

A Coragem para Cometer Erros

Por Andrew Kirk, Diretor da Generation 2 generation, Website – www.G2gMandate.org, Mídia Social – @G2gMandate

Todo mundo consegue pensar nos erros que eles cometeram em família, trabalho, ministério, vida social, e assim por adiante. Esperasse que nós aprendamos com nossos erros e cresçamos. Por cometer esses erros nós ganhamos muita sabedoria e experiência necessária para o futuro. Enquanto nós queremos evitar os erros o máximo possível, é importante também que aprendamos lições valiosas. Por que isso é tão importante?

Existe uma frase que diz algo assim: “Eu cometi erros, para que você não tenha que cometê-los!”

Enquanto isso pode ser bom em algumas situações, como o pecado, isso não se aplica em todos os aspectos da vida e não é necessariamente uma coisa boa em muitas áreas. 

Vamos ver o mundo que nós vivíamos antes da Covid-19, por exemplo. Como líderes nós poderíamos dar as pessoas possíveis modelos/planos do que poderia e não poderia funcionar. Erros poderiam ter sido evitados. Acelere para nosso atual mundo Covid-19, e tudo mudou. Se outros continuam o modo que nós originalmente dissemos a eles, grandes erros poderiam ser cometidos hoje. Por quê? Porque muito pouco do nosso ministério pré-Covid-19 aplicasse ao “novo mundo”.

Ajudar pessoas a navegar e manobrar através de erros, adaptar e vencer, pode consumir mais tempo e ser mais desafiador para nós líderes, porém isso prepara os outros para o sucesso no longo prazo. Liberar as pessoas é desafiador ao darmos um passo para trás e vê-los cometer erros, contudo as pessoas aprendem com eles. Nossa responsabilidade é ajudar as pessoas a saber como responder aos seus erros, em humildade e graça. Nós devemos aprender a como fazer correções em meio ao curso, permanecer focado e não ser derrotado.

Mesmo se nós tivermos discípulos que fazem tudo o que nós dissemos, eles ainda assim cometem erros. Por quê? Porque nós também continuamos cometendo erros e  nós continuaremos a cometê-los.

Jesus sabia que Seus discípulos cometeriam erros. Ele também sabe que nós cometermos erros. Ainda assim ele continua a nos liberar e confiar em nós.

O problema não são os erros em si. Ao contrário, é como nós respondemos a eles. È sobre caráter e maturidade. Nós continuaremos a encorajar aqueles a cometerem erros? Ou nós desistiremos deles? Por exemplo, em Gálatas 2:11 nós vemos Pedro cometendo um grande erros. Jesus sabia que Pedro cometeria esses erros, porém isso não Jesus deixar de usá-lo. Jesus usou todos os discípulos sabendo que eles iriam cometer erros, ainda assim Ele colocou o futuro da igreja nas mãos deles.

Muito disso aqui é sobre o coração, não a ação nem mesmo o resultado. Nós precisamos permitir as pessoas a liberdade de voar e isso incluirá permitir que eles cometam erros. Vamos liberar as pessoas sem abandoná-las. Vamos torcer por elas, sabendo que é assim elas crescem e se tornam mais como Jesus!

Spanish blog:

El coraje de cometer errores

Por Andrew Kirk, Director de Generación 2, Sitio web – www.G2gMandate.org, Redes sociales – @ G2gMandate

Todos pueden pensar en los errores que han cometido en la familia, el trabajo, el ministerio, la vida social, etc. Con suerte, aprendemos de ellos y crecemos. Al cometer estos errores, ganamos la sabiduría y la experiencia que tanto necesitamos para el futuro. Si bien queremos evitar errores cuando sea posible, también es importante que aprendamos lecciones valiosas. ¿Porque es esto importante?

Hay una frase que dice algo así como: “Cometí errores, ¡así que tú no tienes que cometerlos!” Si bien eso puede ser bueno en algunas situaciones, como el pecado, no se aplica a todos los aspectos de la vida y no es necesariamente algo bueno en muchas áreas.

Tomemos el mundo en el que vivíamos antes del Covid-19, por ejemplo. Como líderes, podríamos brindarle a la gente posibles modelos / planes de lo que funcionaría y lo que no. Los errores generalmente se podían evitar. Avancemos al presente, a nuestro mundo actual con Covid-19, y todo ha cambiado. Si otros continúan de la manera que les dijimos originalmente, ahora se podrían cometer grandes errores. ¿Por qué? Porque muy poco de nuestros ministerios anteriores al Covid-19 se aplican a este “nuevo mundo”.

Ayudar a las personas a navegar y maniobrar a través de los errores, a adaptarse y superarlos, puede llevar más tiempo y ser un desafío para nosotros como líderes, pero prepara a otros para el éxito a largo plazo. Liberar a las personas es un desafío, ya que nos apartamos y vemos cómo cometen errores, pero la personas aprenden de ellos. Nuestra responsabilidad es ayudar a las personas a saber cómo responder a sus errores, con humildad y gracia. Debemos aprender a hacer correcciones a mitad de camino, mantenernos enfocados y no ser derrotados.

Incluso si tenemos seguidores que hacen todo lo que decimos o hacemos, ellos seguirán cometiendo errores. ¿Por qué? Porque nosotros también seguimos cometiendo errores y seguiremos cometiéndolos.

Jesús sabía que sus discípulos cometerían errores. También sabe que nosotros cometeremos errores. Sin embargo, continúa liberándonos y confiando en nosotros.

El problema no son los errores en sí mismos. Más bien, es cómo respondemos ante ellos. Se trata de carácter y madurez. ¿Seguiremos animando a los que cometen errores? ¿O nos rendiremos con ellos? Por ejemplo, en Gálatas 2:11, vemos a Pedro cometiendo un gran error. Jesús sabía que Pedro cometería estos errores, pero ¿impidió que Jesús lo usara? Jesús usó a todos los discípulos sabiendo que cometerían errores, sin embargo, puso el futuro de la iglesia en sus manos.

Mucho de esto tiene que ver con el corazón, no con la acción o incluso con el resultado. Necesitamos permitir a las personas la libertad de volar y eso incluirá permitirles cometer errores. Liberemos a las personas sin abandonarlas. ¡Animémoslos, sabiendo que así es como crecen y se vuelven más como Jesús!

Preparing People through Church Ministry

By Robert Lay, Cell Church Ministry Brazil, www.celulas.com.br

It is obvious that  Ephesians 4,11 and 12 tell Pastors to prepare the saints for the work of ministry. Why, then, so few pastors do it?

A key reason is seminary training. Most seminaries teach that the pastor is the one who does the ministry. For example, in my seminary training I was taught to do all the ministry in all areas myself: preaching, counseling, teaching, praying, administrating, conducting meetings, sessions, etc. I spent four years in seminary learning theology, philosophy, and psychology.

I was trained to be totally equipped to be a good minister. However, I did not have one class on how to train others, not even in my practicum year. I was taught that while pastoring, if somebody showed talent for ministry, I was supposed to send him to the seminary to be prepared. After all, that is what seminaries are for, or at least that’s what we were taught.

We had no clue of training people in the church through the equipping track or relational discipleship. The only preparation was to train Sunday school teachers. Sunday school classes gave people Bible knowledge, but never prepared them for ministry. Teaching informs but discipleship and equipping for ministry transforms.

In the first fifteen years of my pastoral ministry, I tried to be the best in doing everything in the church. If somebody developed a certain gift, I was eager to control this person’s gift because I didn’t want anyone to challenge my pastoral position. What a stupidity!

Only after I met Dr. Ralph Neighbour and his cell church trainings in the early eighties did I realize how far I was from Biblical ecclesiology, and how deeply I was rooted in ecclesiastic tradition. Since I am a hard-headed German by nature, it took me a while to change my values in the area of equipping and developing others for the ministry. I had to go to the cross and die to my pride and controlling ego. Today my greatest joy is to help my members go beyond my own capacity and become more effective than myself.  I share my story in all my trainings in cell ministry around the world.

Our biggest task as pastors today is to develop people and deploy them as fast as possible. We need to multiply ourselves and our ministry. Where is the place for seminary ministry? I believe that before sending a person to seminary, that person should go through the church equipping track and all the ministry trainings the Church offers. The person should first lead a cell, coach other leaders, and even become a network pastor. Afterward, he or she should become part of the staff and then go part-time to a well-chosen seminary, often through online training.

I strongly discourage church to send their people to faraway seminaries.  In most cases, they will not come back or if they do come back, they will bring another vision and values that won’t fit with the church. Pr Dion Robert of Ivory Coast says: “Vision plus vision causes division”

We have to follow Jesus’ model. He spent fifty percent of his time with the twelve, and the other fifty with the people in general. After three years he left the movement we now call “church” in the hands of his disciples. Are we prepared for such an experience?

Help us God!

Robert M. Lay, Cell Church Ministry Brazil

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Preparando as Pessoas através do Ministério da Igreja

Por Robert Lay, www.celulas.com.br

É óbvio que Efésios 4:11 e 12 diz aos Pastores para preparar os santos para o trabalho do ministério. Por que, então, apenas alguns poucos fazem isso?

A razão principal é treinamento de seminário. As maiorias dos seminários ensinam que o pastor é aquele que faz o ministério. Por exemplo, em meu treinamento de seminário eu fui ensinado a fazer tudo do ministério em todas as áreas por mim mesmo; pregação, aconselhamento, ensino, oração, administração, condução de reuniões, treinamentos, etc. Eu gastei quatro anos no seminário aprendendo teologia, filosofia e psicologia.

Eu fui treinado para ser totalmente equipado para ser um bom ministro. Entretanto, eu não tive nenhuma aula sobre como treinar os outros, nem mesmo em meu ano de prático. Eu fui ensinado que enquanto pastoreando, se alguém demonstrasse talento para o ministério, eu deveria enviá-lo para o seminário para ser preparado. Afinal de contas, é para isso que existem seminários, ou ao menos foi isso que nos foi ensinado.

Nós não tínhamos ideia alguma de treinamento das pessoas na igreja através de um trilho de treinamento ou do discipulado relacional. A única preparação para treinar era treinar professores para a escola bíblica dominical. Aulas da escola bíblica dominical deram as pessoas conhecimento bíblico, mas nunca os preparou para o ministério. Ensinar informa, porém discipulado e treinamento para o ministério transformam.

Nos primeiros quinze anos do meu ministério pastoral, eu tentei ser o melhor em fazer tudo na igreja. Se alguém desenvolvesse um certo dom, eu me dedicava em controlar o dom dessa pessoa porque eu não queria que ninguém desafiasse minha posição pastoral. Que estúpido!

Somente depois que eu conheci o Dr. Ralph Neighbour e seus treinamentos para igreja em célula no início da década de oitenta que percebi o quão distante eu estava da eclesiologia bíblica e quão profundo eram minhas raízes na tradição eclesiástica. Como eu sou um alemão de cabeça dura por natureza, levou-me um tempo para mudar meus valores na área de equipar e desenvolver outros para o ministério eu tinha que ir para a cruz e morrer para o meu ego orgulhoso e controlador. Hoje minha maior alegria é ajudar meus membros a ir além de minha própria capacidade e tornarem-se mais efetivos do que eu mesmo. Eu compartilho da minha história em todos os meu treinamentos em ministério em células ao redor do mundo

Nossa maior tarefa como pastores hoje é desenvolver as pessoas e enviá-las o mais rápido possível. Nós precisamos multiplicar a nós mesmos e nossos ministérios. Onde fica então o ministério do seminário? Eu acredito que antes de enviar uma pessoa para o seminário, essa pessoa deveria passar pelo trilho de treinamento da igreja e todos os treinamentos do ministério que a igreja oferece. A pessoa deveria primeiramente liderar uma célula, supervisionar outros líderes e até se tornar um pastor de rede. Depois disso, ele ou ela deveria se tornar parte da equipe e então ir de tempo parcial para um seminário muito bem escolhido, frequentemente através de treinamento online.

Eu fortemente desencorajo a igreja a enviar seu pessoal para seminários distantes. Em alguns casos eles não voltarão e se eles voltarem, eles trarão outra visão e valores que não se encaixa à igreja. Pr. Dion Robert da Costa do Marfim diz: “Visão mais visão causa divisão”.

Nós temos que seguir o modelo de Jesus. Ele gastou cinquenta por cento do seu tempo com os doze e ele gastou os outros cinquenta com as pessoas em geral. Depois de três anos ele deixou o movimento que nós chamamos de “igreja” nas mãos de seus discípulos. Nós estamos prontos para tal experiência?

Deus nos ajude!

Robert M. Lay, Ministério Igreja em Célula Brasil

Spanish bog:

Preparando a las personas mediante el ministerio de la iglesia

Por Robert Lay, www.celulas.com.br

Es obvio que Efesios 4,11 y 12 les dicen a los pastores que preparen a los santos para la obra del ministerio. Entonces, ¿por qué tan pocos pastores lo hacen?

Una razón clave es la formación en los escuelas de teología. La mayoría enseñan que el pastor es quien hace el ministerio. Por ejemplo, en mi formación en el seminario me enseñaron a hacer todo el ministerio en todas las áreas: predicar, aconsejar, enseñar, orar, administrar, dirigir reuniones, sesiones, etc. Pasé cuatro años en ese seminario aprendiendo teología, filosofía y psicología.

Fui entrenado para estar totalmente equipado para ser un buen ministro. Sin embargo, no tuve una clase sobre cómo entrenar a otros, ni siquiera en mi año de práctica. Me enseñaron que mientras pastoreaba, si alguien mostraba talento para el ministerio, se suponía que debía enviarlo al seminario para que estuviera preparado. Después de todo, para eso están los seminarios, o al menos para eso nos enseñaron.

No teníamos ni idea de cómo capacitar a las personas en la iglesia a través de la ruta de equipamiento o el discipulado relacional. La única preparación fue capacitar a los maestros de la escuela dominical. Las clases de la escuela dominical dieron a las personas conocimiento bíblico, pero nunca las prepararon para el ministerio. La enseñanza informa, pero el discipulado y el equipamiento para el ministerio transforma.

En los primeros quince años de mi ministerio pastoral, traté de ser el mejor en hacer todo en la iglesia. Si alguien desarrollaba cierto don, estaba ansioso por controlar el don de esta persona porque no quería que nadie desafiara mi posición pastoral. ¡Qué estupidez!

Solo después de conocer al Dr. Ralph Neighbour y sus capacitaciones en la iglesia celular a principios de los ochenta, me di cuenta de lo lejos que estaba de la eclesiología bíblica y de lo profundamente arraigado que estaba en la tradición eclesiástica. Como soy un alemán terco por naturaleza, me tomó un tiempo cambiar mis valores en el área de equipar y desarrollar a otros para el ministerio. Tuve que ir a la cruz y morir a mi orgullo y ego controlador. Hoy, mi mayor alegría es ayudar a mis miembros a ir más allá de mi propia capacidad y ser más efectivos que yo. Comparto mi historia en todas mis capacitaciones en el ministerio celular en todo el mundo.

Nuestra mayor tarea como pastores hoy es desarrollar a las personas y desplegarlas lo más rápido posible. Necesitamos multiplicarnos a nosotros mismos y a nuestro ministerio. ¿Dónde está el lugar para el ministerio de seminario? Creo que antes de enviar a una persona al seminario, esa persona debe pasar por la vía de equipamiento de la iglesia y todas las capacitaciones ministeriales que ofrece la Iglesia. La persona primero debe liderar una célula, supervisar a otros líderes e incluso convertirse en un pastor de zona. Posteriormente, él o ella deberían formar parte del personal y luego tomar un parcial en un seminario bien elegido, a menudo mediante capacitación en línea.

Firmemente no aconsejo que la iglesia envíe a su gente a seminarios lejanos. En la mayoría de los casos, no volverán o, si vuelven, traerán otra visión y valores que no encajarán con la iglesia. Pr Dion Robert de Costa de Marfil dice: “Visión más visión causa división”

Tenemos que seguir el modelo de Jesús. Pasó el cincuenta por ciento de su tiempo con los doce y el otro cincuenta con la gente en general. Después de tres años dejó el movimiento que ahora llamamos “iglesia” en manos de sus discípulos. ¿Estamos preparados para tal experiencia?

¡Ayúdanos Dios!

Robert M. Lay, Ministerio de la Iglesia Celular Brasil

Learning from Our Mistakes: Repairing Our Evangelism Network

By Mario Vega, www.elim.org.sv

34 years ago, when we started our cell ministry here at the Elim Church in El Salvador, we strongly emphasized evangelism. Yet we were also very concerned about retaining the fruit of evangelism, and that is why we started a ministry of visiting each new convert once per week during the first month after their conversion. During those initial years of cell ministry, we also decided that all cell leaders needed to be attending the Elim Church at least six months. We figured that six months was enough time to understand the vision of the church.

Without realizing it, we had allowed a weakness in the cell system that we would not identify until years later. It was a five-month hole, between the first month of visits to the new convert and, five months later, when the person was ready to begin training to become a leader. We didn’t realize this gap existed until we understood the importance of having an established equipping that took a person all the way from conversion to becoming a leader. Since then, we now ask the person who is born again to take the first lesson of the leader’ route the week following their conversion. Of course, it starts with the fundamentals of the gospel, such as: justification, prayer, the Bible, etc.

The person is not consulted about whether he wants to receive the course. It is presented to them as part of their new experience in Christ and the Christian life. After six months the person will have covered the contents and will have reached the time requirement: they will be ready to lead their cell. Thus, the training is for all new converts. It is part of their understanding of what the Christian life is. This is how everyone is trained, everyone is encouraged to lead, everyone receives a coach, and everyone is invited to lead a cell.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Aprendendo com nossos erros: Consertando nossa rede de evangelismo

por Mario Vega, www.elim.org.sv

Há 34 anos, quando começamos nosso ministério em células aqui na Igreja Elim em El Salvador, nós dávamos forte ênfase ao evangelismo. Também nos preocupávamos em reter o fruto do evangelismo e este foi o motivo para começarmos um ministério onde cada convertido era visitado uma vez por semana durante o primeiro mês após a sua conversão. Nos primeiros anos do nosso ministério em células, nós também decidimos que todos os líderes de células deveriam estar frequentando a Igreja Elim por pelo menos seis meses. Nosso entendimento era de que seis meses era tempo suficiente para compreender a visão da igreja.

Sem perceber, permitimos assim um ponto fraco em nosso modelo celular que não seria identificado durante diversos anos. Havia um buraco de 5 meses, entre o primeiro mês de visitas ao novo convertido e o tempo em que a pessoa estava pronta para tornar-se um líder. Nós falhamos em perceber este espaço, até que entendemos a importância de uma capacitação implantada de forma que o novo convertido fosse acompanhado durante todo o período desde a conversão até que estivesse pronto a liderar. Desde então, nós passamos a solicitar que o novo convertido faça a primeira lição do trilho de liderança na semana seguinte à sua conversão. Obviamente tudo começa com os fundamentos do evangelho, como: justificação, oração, a Bíblia, etc.

A pessoa não é consultada se ela quer receber o curso. Ele é apresentado como parte de sua nova experiência em Cristo e na vida Cristã. Depois de seis meses, a pessoa vai ter recebido o treinamento e também terá completado o tempo exigido: estará pronta para liderar uma célula. Portanto, o treinamento é para todos os novos convertidos. Ele faz parte da compreensão do que é a vida Cristã. É assim que todos são treinados, todos são encorajados a liderar, todos recebem supervisão e todos são convidados a liderar uma célula.

Spanish blog:

Reparando la red del evangelismo

por Mario Vega, www.elim.org.sv

Hace 34 años, cuando comenzó el trabajo con células en la iglesia Elim de El Salvador, existía un énfasis en el tema del evangelismo. El retener los resultados era muy importante y, por eso, se estableció un programa de visitas a cada nuevo converso que se realizaban una vez por semana durante su primer mes en Cristo. Al mismo tiempo, se estableció que para llegar a ser un líder de célula se requería haberse congregado en Elim durante seis meses. Lo cual, se consideraba un tiempo suficiente para comprender la visión de la iglesia.

Sin advertirlo, habíamos dejado una rotura en la red que no identificaríamos sino años después. Era un agujero de cinco meses. Entre el primer mes de visitas al nuevo converso y, cinco meses después, cuando se le buscaba para que iniciara su entrenamiento como líder. No sería sino hasta que llegamos a conocer de la importancia de la ruta del líder que decidimos elaborar un curso de entrenamiento que fuera desde la conversión hasta el liderazgo. Ahora cada persona que nace de nuevo recibe la primera lección de la ruta del líder la siguiente semana a su conversión. Por supuesto, se comienza por lo fundamental del evangelio, como: la justificación, la oración, la Biblia, etc.

La persona no es consultada si desea recibir el curso. Se le presenta como parte de su nueva experiencia en Cristo y su vida cristiana. Después de seis meses la persona habrá cubierto los contenidos y habrá alcanzado el requisito del tiempo: estará lista para recibir su célula. De manera que la capacitación es para todos los nuevos conversos. Es parte de su comprensión de lo que es la vida cristiana. Así, todos son entrenados, todos son animados a liderar, todos reciben un supervisor, todos son invitados a recibir una célula.

The Jesus Way

By Daphne Kirk, www.G2gMandate.org; Twitter: daphnekirk

Jesus is our great Leader in “Developing and Deploying.” He was consistent in His strategy, never faltering in His vision and always obeying the Father.

His “team” included Judas, who ran in the moment of the greatest crises. His team failed when He turned his back, argued between themselves, and looked like a group of young men with no cohesion.

Jesus would have done it better himself. Yet, Jesus knew that the overarching goal and mission was to develop others.

It takes risks, determination, vision, and denying oneself to “Develop and Deploy.”

But. . . .

Check out Jesus’ results. The world was changed and continues to be changed.

He also asks us to develop others, even though it will involve sacrifice and strategy.

In fact, God has given us the cell church vision as part of that trust. And this trust needs to be passed on. And he has given strategies for doing so, ensuring that it is passed to the whole church, to future generations, to the youth, children, and adults– that it becomes a heartbeat, a culture, and lifestyle.

Jesus took the “risks” and the disappointments along the way. He embraced the joys and the love of those he was equipping and raising up.

This is the mandate for pastors: lead the way in word and deed, champion equipping, release others, be the greatest encourager when others “don’t get it right,” and secure the future by developing the next generation 

Then. . .

You will be the recipient of such joy when others shine, overcome difficult  challenges, and see the vision and strategies for success permeate the church that God entrusted you with.

Go. Release. Equip. Cheer On. Support. But most of all, Be Like Jesus!

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O “jeito” de Jesus

Daphne Kirk, www.G2gMandate.org; Twitter: daphnekirk

Jesus é nosso grande líder na estratégia “Treinar e Enviar”. Ele era muito consistente em sua estratégia, nunca descuidando da Sua visão e sempre obedecendo ao Pai.

A “Equipe” de Jesus incluía Judas, que fugiu no momento da maior crise. Seu grupo falhou quando Jesus não estava olhando, discutiram entre si e pareciam um grupo de jovens homens sem coesão.

Jesus teria feito tudo melhor se fizesse Ele mesmo. Ainda assim, Jesus sabia que o objetivo maior e sua missão era desenvolver outras pessoas.

Isso traz riscos, demanda determinação e visão. Para “Treinar e Enviar” é necessário negar-se a si mesmo. 

Mas…

Observe os resultados obtidos por Jesus. O mundo mudou e continua a ser transformado.

Ele pede que também desenvolvamos outras pessoas, mesmo sabendo que isso vai demandar sacrifício e estratégia.

Na realidade, Deus nos entregou a visão da Igreja em Células como parte de sua confiança em nós. E sua confiança deve ser repassada a outros. Ele nos deu estratégias para fazer isso, para que seja entregue à toda a Igreja, às futuras gerações, aos jovens, às crianças e aos adultos – até que se torne como a batida do coração, uma cultura, um verdadeiro estilo de vida.

Jesus aceitou os “riscos” e os desapontamentos que viriam com a caminhada. Ele acolheu a alegria e o amor daqueles que ele mesmo estava capacitando e treinando.

Isso é simplesmente imperativo para os pastores: lidere a caminhada com a voz e com seu viver, treine campeões, envie, seja o maior encorajador daqueles que “não entenderam bem”, garanta o futuro através da capacitação da próxima geração.

E então…

Você se alegrará muito quando outros brilharem, quando eles superarem os desafios que você também teve que enfrentar, quando for possível observar a visão e as estratégias de sucesso tornarem-se parte da igreja que Deus confiou a você.

Vá. Envie. Treine. Encoraje. Apoie. Mas acima de tudo, seja alguém como Jesus!

Spanish blog:

La manera de Jesús

Por Daphne Kirk, www.G2gMandate.org; Gorjeo: daphnekirk

Jesús es nuestro gran líder en “Desarrollo y despliegue”. Fue consistente en Su estrategia, nunca flaqueó en Su visión y siempre obedeció al Padre.

Su “equipo” incluía a Judas, que corrió en el momento de las mayores crisis. Su equipo falló cuando le dio la espalda, discutieron entre ellos y parecía un grupo de jóvenes sin cohesión.

Jesús pudo haber tenido un mejor equipo. Sin embargo, Jesús sabía que la meta y la misión primordiales eran desarrollar a otros.

Se necesitan riesgos, determinación, visión y negarse a uno mismo para “Desarrollar e implementar”

Pero. . . .

Mira los resultados de Jesús. El mundo cambió y sigue cambiando.

También nos pide que desarrollemos a los demás, aunque eso supondrá sacrificio y estrategia.

De hecho, Dios nos ha dado la visión de la iglesia celular como parte de esa confianza. Y esta confianza debe transmitirse. Y ha dado estrategias para hacerlo, asegurándose de que se transmita a toda la iglesia, a las generaciones futuras, a los jóvenes, niños y adultos, que se convierta en un latido del corazón, una cultura y un estilo de vida.

Jesús tomó los “riesgos” y las decepciones del camino. Abrazó las alegrías y el amor de aquellos a quienes estaba equipando y formando.

Este es el mandato para los pastores: liderar el camino con palabras y hechos, defender el equipamiento, liberar a otros, ser los mayores animadores cuando otros “no lo están haciendo bien”, asegurar el futuro desarrollando la próxima generación.

Luego. . .

Serás el destinatario de tal gozo cuando otros brillen, cuando superen los desafíos que tú también has tenido que enfrentar, y veas que la visión y las estrategias para el éxito impregnan la iglesia que Dios te confió.

Ve. Deja crecer. Equipa. Anima. Apoya. Pero sobre todo, ¡Sé como Jesús!

Decentralized Training

By Ángel Manuel Hernández Gutiérrez, www.misionmoderna.com

Effective disciple-making requires both words and deeds. Why? Because discipleship is imitation. Deep-rooted equipping needs imitation for effective long-term results. Training is not just the teaching of biblical truths or biblical doctrines; it is the experience of imitating the leader’s way of life. No teaching penetrates the depth of a disciple if it is not accompanied by a life experience.

Teaching from the pulpit is wonderful, but it’s only part of the formation. True maturity resides in the communion of the brothers with each other. New believers, like babies, learn by imitating. In the “adult” world, copying is considered improper behavior. For example, we teach our children not to copy. We want them to “be themselves.” Yet, we need to realize that imitating is natural and important for children.

The word imitate comes from the Latin term “imagine.” When you are imitating, you are projecting a new image in your life. We are an imitation of Christ and yet the scripture says in “2 Corinthians 5:17 … if anyone is in Christ, he is a new creation …”. When you imitate, you never get a product exactly identical to the one you imitate, but rather a new creation.

New disciples, like children, observe and imitate those closest to them. The child imitates the closest one, who is usually the older sibling. The older sibling imitates the Father or Mother.  That is why the Apostle Paul said in 1 Corinthians 11: 1 “Be imitators of me, as I am of Christ.” The behavior of those closest to you is more powerful than the teaching itself. If a leader wants his disciples to acquire correct behaviors, just because of what he teaches them, he is very disoriented.

The human brain also learns unconsciously. If you walk with someone,  you end up being like that person unconsciously. That is why Jesus chose his disciples to be with him (Mark 3:14). Being with the disciples was more than the teachings themselves.

For these reasons, we at Misión Moderna have decentralized the basic equipping so that the members might learn in a more personal format with their leaders. We have found that decentralized training causes faster and more effective growth. Why? Because no one knows the needs of a disciple and his spiritual growth, like the leader.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Treinamento Descentralizado

Por Ángel Manuel Hernández Gutiérrez, www.misionmoderna.com

Realização de discipulado efetivo requer tanto palavras como ações. Por que? Porque discipulado é imitação. Treinamento de raízes profundas precisa de imitação para resultados efetivos de longo prazo. Treinamento não é apenas o ensino de verdades bíblicas ou doutrinas bíblicas; é a experiência da imitação do modo de vida do líder. Nenhum ensinamento penetra um discípulo profundamente se não for acompanhado por uma experiência de vida.

Ensinamento do púlpito é maravilhoso, mas é somente parte da formação. Verdadeira maturidade reside na comunhão dos irmãos uns com os outros. Novos crentes, como bebês, aprendem por imitação. No mundo “adulto”, copiar é considerado um comportamento impróprio. Por exemplo, nós ensinamos nossas crianças a não copiar. Nós queremos que eles “sejam eles mesmos”. Ainda assim, nós percebemos que natural e importante para as crianças.

A palavra imitar vem do Latim “imaginar”. Quando você está imitando, você está projetando uma nova imagem em sua vida. Nós somos uma imitação de Cristo e ainda as Escrituras dizem em 2 Coríntios 5.17 “… e se alguém está em Cristo, nova criatura é…”. quando você imita, você nunca pega um produto exatamente idêntico ao que você imitou, mas sim uma nova criatura.

Novos discípulos, como crianças, observam e imitam aqueles próximos deles. A criança imita o mais próximo, que é geralmente seu irmão mais velho, e o irmão mais velho imita o pai. Por isso o Apóstolo Paulo disse em 1 Coríntios 11:1 “Sejam meus imitadores, como eu sou de Cristo.” O comportamento daqueles próximos à você é mais poderoso do que o ensinamento por si mesmo. Se um líder quer que seus discípulos adquiram comportamentos corretos, apenas por causa do que ele os ensina, ele está muito desorientado.

O cérebro humano também aprende inconscientemente. Se você andar com alguém, você acaba se tornando como aquela pessoa inconscientemente. É por isso que Jesus escolheu os discípulos para estar com Ele (Mc 3:14). Estar com os discípulos era mais do que dar ensinos a eles.

Por essas razões, nós da Misión Moderna temos descentralizado o treinamento básico para que os membros pudessem aprender em um formato mais pessoal com seus líderes. Nós temos descoberto que treinamento descentralizado causa crescimento mais rápido e mais efetivo, porque ninguém sabe a necessidade de um discípulo e seu crescimento espiritual do que seu líder.

Spanish blog:

Formación Decentralizado

por Ángel Manuel Hernández Gutiérrez, www.misionmoderna.com

Para la formación de discípulos se requiere dichos y hechos, porque el discipulado es imitación. No hay formación o por lo menos una formación que cree arraigo, si no hay imitación. La formación no es solo la enseñanza de una verdades o doctrinas bíblicas, es la experiencia de imitar la forma de vida del líder. Ninguna enseñanza cala hondo de un discípulo si no va a acompañada de una experiencia de vida. Si nos fijamos en todas las iglesias, nos damos cuenta que las enseñanzas del púlpito son solo una parte de la formación, que la verdadera formación reside en la comunión de los hermanos unos con los otros, sobre todo de los más antiguos con los más viejos. Los nuevos creyentes son como los bebés aprenden imitando.

En el mundo “adulto”, copiar es considerado una conducta impropia, enseñamos a nuestros hijos a que no copien, ni imiten a otras personas, que sean ellos mismos. Pero los niños crecen y se hacen auténticos y exclusivos, imitando. La palabra imagen proviene del término latín imitare, que significa imitar. Cuando uno está imitando, está proyectando una imagen nueva en su vida. Nosotros somos una imitación de Cristo y sin embargo la escritura dice en “2 Corintios 5:17 …si alguno está en Cristo, nueva criatura es…”. Cuando uno imita, nunca logra un producto exactamente idéntico al que imita, sino una creación nueva.

Los discípulos nuevos, como los niños, observan e imitan a las personas más cercanas. El niño imita al mas cercano, que suele ser su hermano mayor, y el hermano mayor imita al padre, por eso el Apóstol Pablo dijo en 1 Corintios 11:1 “Sed imitadores de mí, así como yo de Cristo”. El efecto de la conducta de los cercanos es más poderosa que la propia enseñanza. Si un líder pretende que sus discípulos adquieran conductas correctas, sólo por lo que les enseña, esta muy desorientado. Cuando alguien se convierte, imita a sus cercanos, y será lo que ellos son.

El cerebro humano aprende también inconscientemente, si andas con alguien terminas siendo como esa persona inconscientemente, por eso Jesús escogió a sus discípulos para que estuvieran con él (Mar 3:14). Estar con los discípulos discípula más que las propias enseñanzas.

Por esa razón nosotros tenemos descentralizada la enseñanza básica, la de la ruta del discípulo y concentrada en los líderes, que la tienen plasmada en documentos escritos y supervisada por los supervisores. Luego si hay líderes que quieren formarse más profundamente ya pasan a otros niveles de formación que si están gestionados exclusivamente por pastores y maestros.

Descentralizar la formación provoca un crecimiento más rápido y efectivo, porque nadie conoce las necesidades de un discípulo y su crecimiento espiritual, como su líder.