Cell as a Dynamic Encounter – Mark 4:26-28

By Dr. Les Brickman, www.strategiccell.com.

I have never forgotten Bill Beckham’s insistence that cell should always be a 3-fold encounter with Christ. In cell we are to encounter Christ’s Living Presence, Edifying Power, and Ministering Purpose. Cell is a dynamic encounter. In reality, cells are too often anything but dynamic. At best we encounter only one another. How can we help them to become dynamic encounters with Christ?

In the parable noted above, we have the farmer, the seed, and God. For life to spring forth, both the farmer and God have responsibilities. The farmer casts seed upon the ground. He has a part to play. The seed sprouts up and grows. How, the farmer does not know. Only God brings life and growth. He has a part to play. It grows “all by itself” – automatically. To the Hebraic mind nothing happens automatically. God stands behind the process. The farmer prepares the soil and casts the seed. God causes the seed to sprout and grow. Each does their part. Nothing the farmer does guarantees the harvest. But, if he does not do his part, he can be assured there will be no harvest.

Cell is like this. We want to encounter Christ. We have a part to play. He has a part to play. Even if we do our part, there is no guarantee God will show up. He is, after all, sovereign. His kingdom does not operate like a coke machine in which we deposit a dollar and out pops a coke, every time.

Our role is to prepare the cell soil. Having connected with each other during a welcome, we seek to connect with Him during our worship. We understand that as we meet, to each one is being given the manifestation of the Spirit for the common good. So, we create an atmosphere and opportunity for the Holy Spirit to speak and manifest Himself to each one through His manifestational giftings. We understand worship is dialogical, so we expect and allow Him to speak. We encounter His Living Presence.

As we share the state of our souls relative to the word preached Sunday, we move into personal application, not study or intellectual discussion. Needs surface. Having connected with Him through worship, we now allow Him to move through us in ministry to one another. We are His vessels. We become His eyes to see, His mouth to speak, and His hands to touch and heal. The Christ in me touches you; the Christ in you touches me. We encounter Christ’s Edifying Power as He moves supernaturally, doing only what He can do.

If what we have experienced is genuine, we must export it. As we look outward, we take His reality into the lives of those lost loved ones and friends we are praying for, and we encounter His Ministering Purpose.

As we do what only we can, and allow God to do what only He can, our cell becomes a supernatural encounter with Christ.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

A Célula Como um Encontro dinâmico – Marcos 4:26-28

Por Dr. Les Brickman

Nunca esqueci a insistência de Bill Beckham de que a célula deve sempre ser um encontro tríplice com Cristo. Na célula, devemos encontrar a presença viva de Cristo, Seu poder edificante e o propósito de ministrar. A célula é um encontro dinâmico. Contudo, na realidade, as células muitas vezes são tudo menos dinâmicas. Na melhor das hipóteses, encontramos apenas uns aos outros. Como podemos ajudá-las a se tornarem encontros dinâmicos com Cristo?

Na parábola mencionada acima, temos o semeador, a semente e Deus. Para a vida surgir, tanto o semeador quanto Deus têm responsabilidades. O semeador lança sementes no chão. Ele tem um papel a desempenhar. A semente brota e cresce. Como isso acontece, o semeador não sabe. Somente Deus traz vida e crescimento. Ele tem um papel a desempenhar. Ela cresce “sozinha” – automaticamente. Para a mente hebraica, nada acontece automaticamente. Deus está por trás do processo. O agricultor prepara o solo e lança as sementes. Deus faz com que a semente brote e cresça. Cada um faz sua parte. Nada que o semeador faz garante a colheita. Mas, se ele não fizer sua parte, pode ter certeza de que não haverá colheita.

A célula é assim. Queremos encontrar Cristo. Nós temos um papel a desempenhar. Ele tem um papel a desempenhar. Mesmo se fizermos nossa parte, não há garantia de que Deus aparecerá. Ele é, afinal, soberano. Seu Reino não funciona como uma máquina de refrigerantes na qual depositamos alguns reais e sempre saímos com uma lata na mão.

Nosso papel é preparar o solo celular. Após termos nos conectado durante o momento de boas-vindas, procuramos nos conectar com Ele durante nossa adoração. Entendemos que, ao nos encontrarmos, cada um está recebendo a manifestação do Espírito para o bem comum. Assim, criamos uma atmosfera e uma oportunidade para o Espírito Santo falar e se manifestar a cada um através de Suas dádivas manifestacionais. Nós entendemos que a adoração é dialógica, por isso esperamos e permitimos que Ele fale. Encontramos Sua Presença Viva.

Ao compartilharmos o estado de nossa alma em relação à palavra pregada no domingo, passamos à aplicação pessoal, não ao estudo ou à discussão intelectual. As necessidades vêm à tona. Tendo nos conectado com Ele através da adoração, agora permitimos que Ele se mova através de nós no ministério de uns para os outros. Nós somos os Seus vasos. Tornamo-nos Seus olhos para ver, Sua boca para falar e Suas mãos para tocar e curar. Cristo em mim te toca; Cristo em você me toca. Encontramos o poder edificante de Cristo quando Ele se move sobrenaturalmente, fazendo apenas o que Ele pode fazer.


Se o que experimentamos é genuíno, devemos levar isso para fora. Quando olhamos para o exterior, levamos Sua realidade para a vida daqueles que amamos e amigos perdidos pelos quais oramos, e encontramos o Seu Propósito Ministerial.

Ao fazermos o que somente nós podemos, e permitir que Deus faça o que só Ele pode, nossa célula se torna um encontro sobrenatural com Cristo.

Spanish blog:

La célula como un encuentro dinámico – Marcos 4: 26-28

Por el Dr. Les Brickman

Nunca he olvidado la insistencia de Bill Beckham de que la célula siempre debe ser un encuentro triple con Cristo. En la célula debemos encontrar la Presencia Viva de Cristo, el Poder Edificante y el Propósito de Ministrar. La célula es un encuentro dinámico. En realidad, las células a menudo son cualquier cosa menos dinámicas, en el mejor de los casos nos encontramos solo el uno al otro. ¿Cómo podemos ayudarlos a convertirse en encuentros dinámicos con Cristo?

En la parábola mencionada anteriormente, tenemos al agricultor, la semilla y Dios. Para que la vida brote, tanto el granjero como Dios tienen responsabilidades. El granjero arroja semillas al suelo, Él tiene un papel que desempeñar. La semilla brota y crece, cómo, el granjero no lo sabe. Solo Dios trae vida y crecimiento, Él tiene un papel que desempeñar; está crece “por sí misma”, automáticamente. Para la mente hebraica, nada sucede automáticamente, Dios está detrás del proceso. El agricultor prepara el suelo y arroja la semilla; Dios hace que la semilla brote y crezca. Cada uno hace su parte. Nada de lo que hace el agricultor garantiza la cosecha. Pero, si no hace su parte, puede estar seguro de que no habrá cosecha.

La célula es así. Queremos encontrarnos con Cristo, tenemos un papel que desempeñar, Él tiene un papel que desempeñar. Incluso si hacemos nuestra parte, no hay garantía de que Dios se presente. Él es, después de todo, soberano; Su reino no funciona como una máquina de coca cola, en la que depositamos un dólar y siempre sale una coca. 

Nuestro papel es preparar el suelo celular. Habiéndonos conectado unos con otros durante una bienvenida, buscamos conectarnos con Él durante nuestra adoración. Entendemos que a medida que nos encontramos, a cada uno se le está dando la manifestación del Espíritu para un bien común. Entonces, creamos una atmósfera y una oportunidad para que el Espíritu Santo hable y se manifieste a cada uno a través de Sus dones. Entendemos que la adoración es dialógica, por lo que esperamos y permitimos que hable. Nos encontramos con su presencia viva.

A medida que compartimos el estado de nuestras almas en relación con la palabra predicada el domingo, pasamos a la aplicación personal, no al estudio o la discusión intelectual. La necesidad sale a la superficie. Habiendo conectado con Él a través de la adoración, ahora le permitimos moverse a través de nosotros en el ministerio mutuo; somos sus vasos. Nos convertimos en sus ojos para ver, su boca para hablar y sus manos para tocar y sanar. El Cristo en mí te toca; El Cristo en ti me toca. Nos encontramos con el poder edificante de Cristo cuando se mueve sobrenaturalmente, haciendo solo lo que puede hacer.

Si lo que hemos experimentado es genuino, debemos exportarlo. A medida que miramos hacia afuera, tomamos Su realidad en la vida de aquellos seres queridos y amigos perdidos por los que oramos, y nos encontramos con Su Propósito de Ministrar.

Mientras hacemos lo que solamente podemos hacer y permitimos que Dios haga lo que solo Él puede hacer, nuestra célula se convierte en un encuentro sobrenatural con Cristo.

Leave a Reply

Your email address will not be published.