Watchman on the Walls

By Andrew Kirk, Director of Generation 2 generation, Website – www.G2gMandate.org, Social Media – @G2gMandate

Habakkuk 2:1 says: “I will stand at my watch and station myself on the ramparts; I will look to see what He will say to me, and what answer I am to give to this complaint.”

Habakkuk compares himself to a watchman, stationed on the city walls, keeping watch for approaching messengers or dangers. He has cried out to God about the bloodshed, violence and the injustice he has witnessed from the Chaldeans. Now he is waiting to hear what God will say to him, how God might correct him and to learn how he should respond once He has spoken.

So often we as leaders are quick to talk and do not give space to listen. We don’t allow space for others to share and more importantly to allow God to speak.

If we don’t pause to listen to those around us, we not only stunt our ability to learn and grow, we also stunt the growth of others. If Habakkuk didn’t pause to hear from God, he would not have God’s perspective regarding his surroundings – only His own.

To stand on the walls of a city as a watchman, was very purposeful – to gain intelligence. It meant looking outside and within, to examine the surroundings inside and outside the walls. Are we willing to be as purposeful in remaining silent to gain intelligence, to listen and examine both our surroundings and our internal hopes and fears?

It can be hard to hear from God in this world of constant noise. To hear from God might require withdrawing from the world, being positioned above it, focusing on raising our attention and fixing our minds on Christ.

First and foremost, we must give space to Jesus to talk to us. Habukkuk showed patience and a willingness to wait, like a watchman, but he was confident of receiving an answer; not just for his own satisfaction but so he could answer the questions of those around him.

Let us all learn from Habukkuk; learn to be focused on creating space, watching outside and inside for what God will speak to us and what He will reveal. Then we can help, not only ourselves, but those in our cell groups, our communities and the wider Church body.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Vigia Sobre as Muralhas

Por Andrew Kirk, Diretor do Generation 2 generation, Website – www.G2gMandate.org, Mídia Social – @G2gMandate

Habacuque 2:1 diz: “Ficarei no meu posto de sentinela e tomarei posição sobre a muralha; aguardarei para ver o que o Senhor me dirá e que resposta terei à minha queixa”.

Habacuque se compara a um vigia, estacionado nas muralhas da cidade, vigiando a aproximação de mensageiros ou perigos. Ele clamou a Deus sobre o derramamento de sangue, a violência e a injustiça que ele testemunhou dos caldeus. Agora ele está esperando para ouvir o que Deus dirá a ele, como Ele vai corrigi-lo e então aprender como ele deve responder assim que Deus falar.

Muitas vezes nós, como líderes, somos rápidos em falar e não damos espaço para ouvir. Não permitimos espaço para outras pessoas compartilharem e, mais importante, permitir que Deus fale.

Se não fizermos uma pausa para ouvir os que nos rodeiam, não apenas prejudicamos nossa capacidade de aprender e crescer, mas também impedimos o crescimento dos outros. Se Habacuque não fizesse uma pausa para ouvir de Deus, ele não teria a perspectiva de Deus em relação ao seu entorno – apenas a sua própria perspectiva.

Ficar nas muralhas de uma cidade como vigia foi muito proposital para obter inteligência. Isso significava olhar para fora e para dentro, examinar os arredores dentro e fora das paredes. Estamos dispostos a ser tão propositais em permanecer em silêncio para obter inteligência, para ouvir e examinar tanto o nosso ambiente como nossas esperanças e medos internos?

Pode ser difícil ouvir a Deus neste mundo de ruído constante. Ouvir de Deus pode exigir que nos retiremos do mundo, posicionando-nos acima dele, concentrando-nos em elevar nossa atenção e fixar nossas mentes em Cristo.

Em primeiro lugar, devemos dar espaço para Jesus falar conosco. Habacuque demonstrou paciência e disposição para esperar, como um vigia, mas estava confiante em receber uma resposta; não apenas para sua própria satisfação, mas para poder responder às perguntas dos que o rodeavam.

Vamos todos aprender com Habacuque; aprender a nos concentrar na criação de espaço, observando o que é exterior e interior para o que Deus falará conosco e o que Ele revelará. Então poderemos ajudar não só a nós mesmos, mas também às células, às nossas comunidades e ao Corpo mais amplo da Igreja.

Spanish blog: 

Vigilante en los muros

Por Andrew Kirk, Director de Generación 2, sitio web – www.G2gMandate.org, Social Media – @ G2gMandate

Habacuc 2: 1 dice: “Sobre mi guarda estaré, y sobre la fortaleza afirmaré el pie, y velaré para ver lo que se me dirá, y qué he de responder tocante a mi queja.”

Habacuc se compara con un vigilante, estacionado en las murallas de la ciudad, vigilando a los mensajeros o peligros que se aproximan. Ha clamado a Dios por el derramamiento de sangre, la violencia y la injusticia que ha presenciado en los caldeos. Ahora está esperando escuchar lo que Dios le dirá, cómo Dios puede corregirlo y aprender cómo responder cuando lo hable.

Muy a menudo nosotros, como líderes, somos rápidos para hablar y no damos espacio para escuchar. No dejamos espacio para que otros compartan y, lo que es más importante, para que Dios pueda hablar.

Si no hacemos una pausa para escuchar a quienes nos rodean, no solo impedimos nuestra capacidad de aprender y crecer, sino que también impedimos el crecimiento de los demás. Si Habacuc no se detuviera a escuchar a Dios, no tendría la perspectiva de Dios con respecto a su entorno, solamente la suya.

Estar de pie en los muros de una ciudad como vigilante era muy útil: obtener inteligencia. Significaba mirar hacia afuera y hacia adentro, examinar los alrededores dentro y fuera de las paredes. ¿Estamos dispuestos a ser tan intencionados en guardar silencio para obtener inteligencia, escuchar y examinar nuestro entorno y nuestras esperanzas y temores internos?

Puede ser difícil escuchar a Dios en este mundo de ruido constante. Escuchar de Dios puede requerir retirarse del mundo, posicionarse sobre él, enfocarse en llamar nuestra atención y fijar nuestra mente en Cristo. 

En primer lugar, debemos darle espacio a Jesús para que nos hable. Habacuc mostró paciencia y disposición para esperar, como un vigilante, pero confiaba en recibir una respuesta; no solo por su propia satisfacción, sino para que él pudiera responder las preguntas de quienes lo rodeaban.

Aprendamos todos de Habacuc; aprende a concentrarte en crear un espacio, mirando afuera y adentro para ver lo que Dios nos hablará y lo que Él revelará. Entonces podemos ayudar, no solo a nosotros mismos, sino a aquellos en nuestros grupos celulares, nuestras comunidades y el cuerpo más amplio de la Iglesia.

Head in the Clouds and Feet on the Ground

By Andrew Kirk, Director of Generation 2 generation, Website – www.G2gMandate.org, Social Media – @G2gMandate

While it’s good to have “heads in the clouds,” dreaming and casting vision, it’s also important to keep “feet on the ground” and move forward in the direction of our vision. Moses had a vision, a big vision. However, the day to day reality led to that generation never seeing the vision. They lost sight of the day to day issues that would have built success.

After dreaming Gods vision, we need to focus on effective strategy to move into them, discover what needs addressing and where we need to plough and sow to reap the fruits of dreams.

Good questions to ask might be:

  • Do our dreams and visions support and promote Biblical values e.g. promote healthy families, inspire us to be more like Jesus, inward and outward looking.
  • Do our visions have every generation in mind?
  • Do all generations take ownership of our vision and are they dreaming with us?

With “feet on the ground:”

As I travel internationally, I’ve started to raise my voice more and more about a specific issue I see neglected in much of the church, the degree of neglect varying from nation to nation. When addressed it is usually seen as a children and youth ministry issue but in reality, affects every area of the church, including cell groups.

What is that issue, or area of weakness which if unaddressed, can bring every vision down? It’s the prevention of child abuse.

I am sounding an alarm!

Evaluating and training in child abuse prevention in every area of the church, including our cells must be a priority. Read and preach Matthew 18:6 and re-evaluate how safe cells are for the emerging generations. If we say we love them but don’t protect them and provide a safe place, something is very wrong.

Vision: Protecting the emerging generation!

“Feet on the ground” examples of proactivity:

  • Mandatory Child Protection training for every leader in the church, including cell leaders.
  • Ensure homes, where cells are held, have child protection boundaries and policies.
  • Grooming can take place in cells – what awareness is there?
  • Every church member given the ability to identify signs of child abuse and know how to respond to disclosure – this issue is in our streets, church buildings and homes.
  • Repeated awareness that child abuse happens in churches and among leaders.

Are “heads in the clouds” with “feet on the ground” to protect and rescue this emerging generation?

Let’s see the older generations rise up and take their responsibility to protect the next generation in every area of life.

I am happy to correspond about this: info@Gnation2gnation.com

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Cabeça nas Nuvens e Pés no Chão
Por Andrew Kirk, Diretor do Geração para Geração. Site – www.G2gMandate.org, Redes sociais – @G2gMandate

Enquanto é bom ter “a cabeça nas nuvens”, sonhando e lançando a visão, também é importante manter “os pés no chão” e prosseguir na direção da nossa visão. Moisés teve uma visão, uma grande visão. No entanto, a realidade do dia a dia levou aquela geração a nunca contemplar a visão. Eles perderam de vista as questões do dia a dia, que teriam levado ao sucesso.

Depois de sonhar as visões de Deus, precisamos focar na estratégia eficaz de colocá-las em ação, descobrir o que deve ser enfrentado e onde precisamos arar e semear para colher os frutos dos sonhos.

Boas perguntas a serem feitas podem ser:
– Os nossos sonhos e visões apoiam e promovem valores bíblicos, por exemplo, promovem famílias saudáveis, inspiram-nos a sermos mais como Jesus, na aparência interna e externa?
– As nossas visões têm todas as gerações em mente?
– Todas as gerações tomam propriedade da nossa visão e estão sonhando conosco?

Com os “pés no chão:”

Enquanto eu viajava internacionalmente, comecei a levantar minha voz mais e mais sobre um problema específico que eu vejo ser negligenciado por boa parte da Igreja, com o nível da negligência variando de nação para nação. Quando abordado é geralmente visto como um problema do ministério infantil e de jovens mas, na realidade, afeta todas as áreas da igreja, incluindo grupos de célula.

Qual é esse problema, ou área de fraqueza que, se não enfrentado, pode diminuir toda as visões? É a prevenção do abuso infantil.

Estou soando um alarme!

Avaliar e treinar sobre a prevenção do abuso infantil em todas as áreas da igreja, incluindo nossas células, deve ser uma prioridade. Leia e pregue Mateus 18:6 e reavalie o quão seguras as células são para as gerações emergentes. Se dizemos que as amamos mas não as protegemos e proporcionamos um lugar seguro, então algo está muito errado.

Visão: Protegendo a geração emergente!

Exemplos de proatividade com os “pés no chão”:
– Treinamento de Proteção Infantil obrigatório para todos os líderes na igreja, incluindo os líderes de célula.
– Garantir que as casas onde as células acontecem tenham limites e políticas de proteção infantil.
– O aliciamento de crianças pode acontecer nas células- que conscientização tem ali?
– Todos os membros da igreja devem ter a habilidade de identificar os sinais de abuso infantil e a saber como responder a essa revelação- esse problema está nas nossas ruas, prédios das igrejas e casas.
– Conscientização repetidamente de que o abuso infantil acontece nas igrejas e entre os líderes.

As cabeças estão “nas nuvens” com os “pés no chão” para proteger e resgatar essa geração emergente?
Vamos ver as gerações mais velhas se levantarem e se responsabilizarem para proteger a próxima geração em todas as áreas da vida.

Fico feliz em responder sobre isso em: info@Gnation2gnation.com

Spanish blog:

Con la cabeza en las nubes y los pies en el suelo

Por Andrew Kirk, Director de Generación 2, sitio web – www.G2gMandate.org, Social Media – @ G2gMandate

Si bien es bueno tener ” la cabeza en las nubes”, soñando y lanzando la visión, también es importante mantener los “pies en el suelo” y avanzar en la dirección de nuestra visión. Moisés tuvo una visión, una gran visión. Sin embargo, en la realidad del día a día hizo que esa generación nunca viera la visión. Perdieron de vista los problemas cotidianos que habrían construido el éxito.

Después de soñar con la visión de Dios, debemos enfocarnos en una estrategia efectiva para avanzar hacia ellos, descubrir qué es lo que se debe abordar y dónde debemos arar y sembrar para cosechar los frutos de los sueños.

Algunas buenas preguntas para hacer:

Nuestros sueños y visiones apoyan y promueven los valores bíblicos, por ej. promover familias saludables, inspirarnos a ser más como Jesús, mirar hacia adentro y hacia afuera.

¿Nuestras visiones tienen en mente a todas las generaciones?

¿Todas las generaciones se apropian de nuestra visión y están soñando con nosotros?

Con “los pies en el suelo:”

A medida que viajo internacionalmente, comencé a elevar mi voz cada vez más sobre un tema específico que veo descuidado en gran parte de la iglesia, el grado de abandono varía de una nación a otra. Cuando se aborda, generalmente se considera un tema del ministerio de niños y jóvenes, pero en realidad afecta a todas las áreas de la iglesia, incluidos los grupos celulares.

¿Cuál es ese problema, o área de debilidad que, si no se aborda, puede hacer que todas las visiones disminuyan? Es la prevención del maltrato infantil.

¡Estoy sonando una alarma!

Evaluar y capacitar en la prevención del abuso infantil en todas las áreas de la iglesia, incluidas nuestras células, debe ser una prioridad. Leé y predica Mateo 18: 6 y vuelva a evaluar cuán seguras son las células para las generaciones emergentes. Si decimos que los amamos pero no los protegemos y no les proporcionamos un lugar seguro, algo está muy mal.

Visión: ¡Proteger a la generación emergente!
“Pies en el suelo” ejemplos de proactividad:

Capacitación obligatoria en protección infantil para todos los líderes de la iglesia, incluidos los líderes celulares.

Asegurar que los hogares, donde se encuentran las células, tengan límites y políticas de protección infantil.

La preparación puede llevarse a cabo en las células: ¿qué conciencia hay?

Cada miembro de la iglesia tiene la capacidad de identificar signos de abuso infantil y saber cómo responder a la divulgación: este problema está en nuestras calles, edificios de iglesias y hogares.

Hacer conciencia de que el abuso infantil ocurre en las iglesias y entre los líderes.

¿Las “cabezas en las nubes” con “los pies en el suelo” protegen y rescatan a esta generación emergente?

Veamos cómo las generaciones mayores se levantan y asumen su responsabilidad de proteger a la próxima generación en cada área de la vida.

Me complace comunicarme sobre esto: info@Gnation2gnation.com

What Age To Climb A Mountain?

By Andrew Kirk, Director of Generation 2 generation, Website – www.G2gMandate.org, Social Media – @G2gMandate

While in Santarèm, Brazil I stayed with Jeff and Becky Hrubik, leaders of the PAZ Church movement. They shared an exciting and encouraging story from a church where I had previously challenged the youth to take risks to see the Kingdom of God advance.

Becky followed this up at a youth retreat, specifically challenging them to go to a city that is so hard to reach, that older people really struggle to get so high up the mountain. In certain seasons it can be impossible to access because of landslides and other natural disasters that cut it off from the outside world. There were no churches / cells in that city.

These young people accepted the challenge and said, “Yes! We will go!” They have recently multiplied the first cell, now having 2 cells in this city where they had no churches. Not only that, the 18 year old leader is now the Pastor overseeing another cell planted in a second mountain city close by.

So often we are discouraged from taking risks because of the hindrances we see in front of us, instead of seeing them as great challenges to be overcome. There is a generation ready for the challenge, but restricted by our pre-conceived ideas of who is “qualified” for planting churches.

They are a generation who can complete the Great Commission but are often held back by the previous generation’s rules and regulations. Children and teens can plant cells in their schools and colleges. Let them start young and see what God can and will do if we as adults trust Him and them – to “climb the mountains” we cannot climb!

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Qual É a Idade Para Escalar Uma Montanha?

Por Andrew Kirk, Diretor do ministério Generation 2 generation, Site – www.G2gMandate.org, Mídia Social – @G2gMandate

Enquanto estive em Santarém, no Brasil, fiquei com Jeff e Becky Hrubik, líderes do movimento da Igreja da Paz. Eles compartilharam uma história emocionante e encorajadora de uma igreja onde eu já havia desafiado os jovens a “correr riscos” para ver o avanço do Reino de Deus.

Becky deu continuidade a isso em um retiro de jovens, desafiando-os especificamente a irem a uma cidade que é muito difícil de alcançar, onde as pessoas mais velhas lutam para conseguir chegar ao topo da montanha. Em certas épocas, pode ser impossível acessar essa cidade por causa de deslizamentos de terra e outros desastres naturais que a isolam do mundo exterior. Não havia igrejas/células naquela cidade.

Esses jovens aceitaram o desafio e disseram: “Sim! Nós iremos!”. Eles recentemente multiplicaram a primeira célula, agora tem duas células nesta cidade onde não existiam igrejas. Além disso, o líder de 18 anos agora é o pastor que supervisiona outra célula plantada em uma segunda cidade montanhosa nas proximidades.

Muitas vezes somos desencorajados a correr riscos por causa dos obstáculos que vemos diante de nós, em vez de vê-los como grandes desafios a serem superados. Há uma geração pronta para o desafio, mas restrita por nossas idéias pré-concebidas de quem é “qualificado” para plantar igrejas.

Eles são uma geração que pode completar a Grande Comissão, mas muitas vezes são retidos pelas regras e regulamentos da geração anterior. Crianças e adolescentes podem plantar células em suas escolas e faculdades. Deixe-os começar jovens e veja o que Deus pode e vai fazer se nós como adultos confiarmos nEle e neles – para “escalar as montanhas” que nós não podemos escalar!

Spanish blog:

¿Qué edad para escalar una montaña?

Por Andrew Kirk, Director de Generación 2, sitio web – www.G2gMandate.org, Social Media – @ G2gMandate

Mientras estuve en Santarèm, Brasil, estuve con Jeff y Becky Hrubik, líderes del movimiento de la Iglesia PAZ. Compartieron una historia emocionante y alentadora de una iglesia en la que previamente había desafiado a los jóvenes a tomar riesgos para ver avanzar el Reino de Dios.

Becky hizo un seguimiento de esto en un retiro para jóvenes, desafiándolos específicamente a ir a una ciudad que es tan difícil de alcanzar, que las personas mayores realmente luchan por llegar tan alto en la montaña. En ciertas temporadas puede ser imposible acceder debido a deslizamientos de tierra y otros desastres naturales que lo separan del mundo exterior. No había iglesias / células en esa ciudad.

Estos jóvenes aceptaron el desafío y dijeron: “¡Sí! ¡Iremos! ”Recientemente han multiplicado la primera célula, ahora tienen 2 células en esta ciudad donde no tenían iglesias. No solo eso, el líder de 18 años ahora es el Pastor que supervisa otra célula plantada en una segunda ciudad de montaña cercana.

Muy a menudo nos desanimamos de tomar riesgos debido a los obstáculos que vemos frente a nosotros, en lugar de verlos como grandes desafíos a superar. Hay una generación lista para el desafío, pero restringida por nuestras ideas preconcebidas de quién está “calificado” para plantar iglesias.

Son una generación que puede completar la Gran Comisión, pero a menudo se encuentran retenidas por las reglas y regulaciones de la generación anterior. Los niños y adolescentes pueden plantar células en sus escuelas y colegios. Deje que comiencen jóvenes y vean lo que Dios puede y hará si nosotros, como adultos, confiamos en Él y en ellos, ¡para “escalar montañas” no podemos escalar!

No Headless Chickens

By Andrew Kirk, Director of Generation 2 generation, Website – www.G2gMandate.org, Social Media – @G2gMandate

It is vitally important that lead pastors are actively involved in cell life, leading by example, as everyone’s eyes are on them. They are the ones to set the course, and fan the flames, with the help of the pastoral team. Without the lead Pastor leading the charge it can be very hard work for anyone else trying to push cells forward and, more often than not, will lead to them feeling burnt out and unsupported, like a headless chicken running around, with no way to properly establish the roots of cell ministry across the church.

In the cell vision it’s virtually impossible to create a culture the lead pastor isn’t on-board with, actively involved in and leading the way. He sets the vision and establishes the culture. A lead pastor setting the vision from the pulpit with clear biblical precedence, marking the goals, modeling involvement as he takes his place in a cell, and bringing passion to the movement will propel the cells with more traction and efficiency than if it’s passed on to another leader within the leadership team.

It’s important that cell life is vibrant and real. Keeping track of the communities is important. This helps in  caring for people who are regular and those on the fringes. Factual information is a huge help in the process of helping care for the body. It is not to reduce people to statistical anomalies or primarily for facts and figures, but to help breathe life into the body.

Lead Pastors, please, don’t leave someone else in your team to exhibit the headless chicken syndrome, take up the baton and watch them catch it as they come along side you. Taking the lead with cells enables those in your team to move in the stream you’re creating, giving them greater freedom to move forward.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Sem Galinhas Sem Cabeça

Por Andrew Kirk, Diretor do Generation 2 generation, Site – www.G2gMandate.org, Social Media – @G2gMandate

É de vital importância que os pastores líderes estejam ativamente envolvidos na vida das células, liderando pelo exemplo, já que todos os olhos estão neles. Eles são os únicos que podem definir o curso e atiçar as chamas, com a ajuda da equipe pastoral. Sem o pastor principal liderando a carga, pode ser um trabalho muito difícil para qualquer outra pessoa tentar empurrar as células para a frente e, na maioria das vezes, fará com que elas se sintam desgastadas e sem apoio, como uma galinha sem cabeça correndo por aí, sem estabelecer as raízes do ministério de células em toda a igreja.

Na visão de células, é virtualmente impossível criar uma cultura em que o pastor principal não esteja ativamente envolvido e guiando o caminho. Ele define a visão e estabelece a cultura. Um pastor líder definindo a visão a partir do púlpito com clara precedência bíblica, marcando os objetivos, modelando o envolvimento ao assumir seu lugar em uma célula e trazendo paixão ao movimento impulsionará as células com mais tração e eficiência do que se essa responsabilidade for transmitida para outro líder dentro da equipe de liderança.

É importante que a vida celular seja vibrante e real. Manter o controle das comunidades é importante. Isso ajuda a cuidar de pessoas que são regulares e as que estão à margem. A informação factual é uma grande ajuda no processo de ajudar a cuidar do Corpo. Não é para reduzir as pessoas a anomalias estatísticas ou principalmente para fatos e números, mas para ajudar a dar vida ao Corpo.

Líderes pastores, por favor, não deixem outra pessoa em sua equipe exibir a síndrome do frango sem cabeça. Pegue o bastão e veja os outros pegá-lo enquanto eles vêm ao seu lado. Ao liderar as células, as pessoas da sua equipe podem se movimentar no fluxo que você está criando, proporcionando maior liberdade para seguir em frente.

Spanish blog:

No hay pollos sin cabeza

Por Andrew Kirk, Director de Generación 2, sitio web – www.G2gMandate.org, Social Media – @ G2gMandate

Es de vital importancia que los pastores líderes participen activamente en la vida celular, predicando con el ejemplo, ya que los ojos de todos están sobre ellos. Ellos son los que establecen el rumbo y avivan las llamas, con la ayuda del equipo pastoral. Sin que el Pastor líder lleve la carga, puede ser un trabajo muy difícil para cualquier otra persona que intente empujar las células hacia adelante y, la mayoría de las veces, hará que se sientan cansados y sin apoyo, como un pollo sin cabeza corriendo; sin la posibilidad de establecer las raíces del ministerio celular en toda la iglesia.

En la visión celular, es virtualmente imposible de crear una cultura con la que el pastor principal no esté a bordo, participe activamente y lidere el camino. Establece la visión y establece la cultura. Un pastor líder que establece la visión desde el púlpito con una clara prioridad bíblica, marca los objetivos, modela la participación al tomar su lugar en una célula y trae pasión al movimiento para impulsar las células con más tracción y eficiencia que si se transmitiera a Otro líder dentro del equipo de liderazgo.

Es importante que la vida celular sea vibrante y real. Es importante hacer un seguimiento de las comunidades. Esto ayuda a cuidar a las personas que son regulares y las que están en la periferia. La información objetiva es una gran ayuda en el proceso de ayudar a cuidar el cuerpo. No se trata de reducir a las personas a anomalías estadísticas o hechos y cifras, sino de ayudar a dar vida al cuerpo.

Pastores principales, por favor, no dejen a nadie más en su equipo para exhibir el síndrome del pollo sin cabeza, tomen el bastón y vean cómo se contagian a medida que avanzan a su lado. Tomar la iniciativa con las células permite que los miembros de tu equipo se muevan en el flujo que está creando, lo que les brinda mayor libertad para avanzar.

While In Prison!

By Andrew Kirk, Andrew has traveled the nations for about 25 years with a focus on raising and equipping the emerging generation “for such a time as this”. With this passion he speaks to Pastors and leaders bringing revelation of the Biblical basis for passing from one generation to the next. Social Media – G2gMandate; Website – www.G2gMandate.org

Pastors need uniformity of DNA flowing through their cells. It’s impossible, however, to develop and keep check of this on their own. Pastors, unfortunately, cannot be everywhere and don’t have the time to visit all the cells.  They need to raise up coaches; just as a soccer (football) manager has a captain that is, in effect, his voice on the pitch, cell coaches are like your “captains” helping to keep the same DNA flowing throughout the cells. If you want to grow and multiply cells effectively, coaches will be key.

Effective coaches will have been in a cell, led a cell and multiplied it. They will coach from experience and relationship and receive ongoing support themselves. From this base they can empower cell leaders, give them someone to go to for help and advice, to share their challenges, joys, and ideas with and someone who cares for them and their family. Without that support, a leader can end up frustrated, disillusioned, lose track of the vision and stray from the original DNA.

Remember the phrase: “As With Adults.” These principles, which apply to adults, also apply to the emerging generation so are the same for intergenerational, youth and children’s cells.

Paul, while in prison, had key people he trusted to deliver his letters, speak for him, encourage and carry on his work in his absence. (Philemon 1:10-12)

Pastors: raise your coaches up! People who carry the same heart and are taking the DNA to multiply through the cells, while you pour into them, so they are effective even while you are out of town, out of touch… or maybe like Paul, while in prison should that day come! (Matthew 24:9).

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Enquanto na Prisão!

Por Andrew Kirk. Andrew percorreu as nações por cerca de 25 anos com foco em levantar e equipar a geração emergente “para um tempo como esse”. Com essa paixão, ele fala aos pastores e líderes trazendo revelação com base bíblica para passar de uma geração para outra. Mídia Socia – G2gMandate; Site – www.G2gMandate.org

Os pastores precisam de uniformidade de DNA fluindo através de suas células. No entanto, é impossível desenvolver e manter isso por conta própria. Pastores, infelizmente, não podem estar em todo lugar e não têm tempo para visitar todas as células. Eles precisam levantar treinadores. Assim como um treinador de futebol tem um capitão que é, na verdade, sua voz em campo, os treinadores de células são como seus “capitães”, ajudando a manter o mesmo DNA fluindo pelas células. Se você quiser crescer e multiplicar células efetivamente, os treinadores serão fundamentais.

Treinadores eficazes estarão em uma célula, liderarão uma célula e a multiplicarão. Eles irão treinar a partir de sua própria experiência e relacionamento e receber apoio contínuo. A partir dessa base, eles podem capacitar líderes de célula, dar-lhes alguém para procurar ajuda e conselhos, para compartilhar seus desafios, alegrias e ideias com alguém que cuide deles e de sua família. Sem esse apoio, um líder pode acabar frustrado, desiludido, perder o controle da visão e se desviar do DNA original.

Lembre-se da frase: “Asim como adultos”. Esses princípios, que se aplicam aos adultos, também se aplicam às gerações emergentes, assim como as células intergeracionais, de jovens e infantis.

Paulo, enquanto estava na prisão, tinha pessoas importantes em quem confiava para entregar suas cartas, falar por ele, encorajar e continuar seu trabalho em sua ausência (Filemom 1:10-12).

Pastores: levantem seus treinadores! Pessoas que carregam o mesmo coração e estão fazendo o DNA se multiplicar através das células, enquanto você derrama sobre elas, para que elas sejam eficazes mesmo quando você estiver fora da cidade, fora de contato … ou talvez como Paulo, enquanto na prisão se esse dia chegar! (Mateus 24:9).

Spanish blog:

Mientras en prisión!

Por Andrew Kirk. Andrew ha viajado por las naciones durante aproximadamente 25 años con el enfoque de levantar y equipar a la generación emergente “para un momento como este”. Con esta pasión, les habla a pastores y líderes trayendo revelación de la base bíblica para pasar de una generación a otra. Redes sociales: G2gMandate; Sitio web – www.G2gMandate.org

Los pastores necesitan uniformidad del ADN fluyendo a través de sus células, sin embargo, es imposible desarrollar y controlar esto por sí mismos. Los pastores, lamentablemente, no pueden estar en todas partes y no tienen tiempo para visitar todas las células. Necesitan levantar entrenadores; así como un técnico de fútbol tiene un capitán que es, en efecto, su voz en el terreno de juego, los entrenadores celulares son como sus “capitanes” ayudando a mantener el mismo ADN fluyendo a través de las células. Si deseas crecer y multiplicar células de manera efectiva, los entrenadores serán la clave.

Los entrenadores efectivos habrán estado en una célula, dirigido una célula y la han multiplicado. Ellos entrenarán a partir de la experiencia y la relación y recibirán el apoyo continuo por sí mismos. Desde esta base, pueden empoderar a los líderes celulares, darles a alguien a quien recurrir en busca de ayuda y consejo, compartir sus desafíos, alegrías e ideas con alguien que se preocupa por ellos y su familia. Sin ese apoyo, un líder puede terminar frustrado, desilusionado, perder el rumbo de la visión y desviarse del ADN original.

Recuerda la frase: “Como con adultos”. Estos principios, que se aplican a los adultos, también se aplican a la generación emergente, por lo que son los mismos para las células intergeneracionales, juveniles y para niños.

Pablo, mientras estaba en la cárcel, tenía personas clave en las que confiaba para entregar sus cartas, hablar por él, animar y continuar su trabajo en su ausencia. (Filemón 1: 10-12)

Pastores: ¡levanten sus entrenadores! Personas que lleven el mismo sentir en el corazón y que lleven el ADN para multiplicarse a través de las células, y mientras más te envuelvas en ello, más efectivo serás incluso cuando estés fuera de la ciudad, fuera de contacto … o tal vez como Pablo, mientras estés en prisión, si en caso ese día viene (Mateo 24: 9).