At the King’s Command: Matthew 28:18-20

by Andrew Kirk, Director of Generation 2 generation,www.G2Mandate.org and host of Radical Lifestyle Podcast: www.youtube.com/RadicalLifestyle.

 “All authority in heaven and on earth has been given to me. Therefore, go and make disciples of all nations, 

We are commanded by the One who has “All authority in heaven and on earth.”  Christ’s authority is reason enough to make disciples. We would not disobey the police or those in authority over us on this earth unless, of course, they put us in a position to have to choose to “obey God rather than man.” How much less should we tremble to disobey the King of all kings who rules and reigns with ultimate authority! He speaks… we obey and “go make disciples of all nations.”

“…baptizing them in the name of the Father and the Son and the Holy Spirit.”

Baptism is a part of disciple-making. As disciplers – we baptize! It is not a separate command to be performed as part of a church ritual but as an integrated part of disciple-making… as commanded.

”…and teaching them to obey everything I have commanded you.”

Disciples must know and be able to teach “everything He commands,” but this has a more personal aspect too. We are to have a personal relationship with this King – and obey His commands so that we can pass on from personal experience “everything” He has commanded us. Disciplers live obedience and pass on the commands we joyfully and fruitfully obey

And surely I am with you always, to the very end of the age.”

We do not disciple alone. Until the end of this age, we are to make disciples; until the end of the age, the King with “all authority” will be with us. Until “the end of the age” when Jesus appears with the armies of heaven to rule and reign directly from the throne of David in Jerusalem and, with our disciples, we “lay our crowns before Him, lost in wonder, love, and praise.”

In the light of this, I find it hard to think of one reason why we do not make disciples.

Korean blog (Click here)

Portuguese blog:

Ao Comando do Rei: Mateus 28:18-20
por Andrew Kirk, Diretor da Geração 2, www.G2Mandate.org e apresentador do Radical Lifestyle Podcast: www.youtube.com/RadicalLifestyle. Adaptado de Generational Transformation [Transformação Geracional], de Daphne Kirk.

  “Toda a autoridade no céu e na terra me foi dada. Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações,”

Somos comandados por Aquele que tem “toda a autoridade no céu e na terra”. A autoridade de Cristo é razão suficiente para fazer discípulos. Não desobedeceríamos à polícia ou aos que têm autoridade sobre nós nesta terra, a menos, é claro, que eles nos colocassem numa posição que nos obrigasse a escolher “obedecer a Deus e não ao homem”. Quanto menos deveríamos tremer ao desobedecer ao Rei de todos os reis, que governa e reina com autoridade máxima! Ele fala… nós obedecemos e “vamos fazer discípulos de todas as nações”.

“…batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.”

O batismo faz parte do processo de fazer discípulos. Como discipuladores – nós batizamos! Não é um comando separado a ser executado como parte de um ritual da igreja, mas como parte integrada da formação de discípulos… conforme ordenado.

“…e ensinando-os a obedecer a tudo o que eu lhes ordenei.”

Os discípulos devem saber e ser capazes de ensinar “tudo o que Ele ordena”, mas isto também tem um aspecto mais pessoal. Devemos ter um relacionamento pessoal com este Rei – e obedecer aos Seus mandamentos para que possamos transmitir, por experiência pessoal, “tudo” que Ele nos ordenou. Os discipuladores vivem a obediência e transmitem os mandamentos que obedecemos com alegria e frutos.

“E certamente estarei sempre com você, até o fim dos tempos.”

Não discipulamos sozinhos. Até o fim desta era, devemos fazer discípulos; até o fim dos tempos, o Rei com “toda a autoridade” estará conosco. Até “o fim dos tempos”, quando Jesus aparecer com os exércitos do céu para governar e reinar diretamente do trono de Davi em Jerusalém e, com nossos discípulos, “colocarmos nossas coroas diante dele, perdidos em admiração, amor e louvor .”

À luz disto, acho difícil pensar numa razão pela qual não fazemos discípulos.

Spanish blog:

Por orden del Rey: Mateo 28:18-20
por Andrew Kirk, Director de Generation 2 generation,www.G2Mandate.org y presentador de Radical Lifestyle Podcast: www.youtube.com/RadicalLifestyle. Adaptado de Generational Transformation por Daphne Kirk.

 “Toda autoridad me ha sido dada en el cielo y en la tierra. Por tanto, id y haced discípulos a todas las naciones, 

Nos lo ordena Aquel que tiene “Toda autoridad en el cielo y en la tierra”.  La autoridad de Cristo es razón suficiente para hacer discípulos. No desobedeceríamos a la policía ni a quienes tienen autoridad sobre nosotros en esta tierra, a menos, claro está, que nos pusieran en la tesitura de tener que elegir “obedecer a Dios antes que a los hombres”. ¡Cuánto menos deberíamos temblar para desobedecer al Rey de todos los reyes que gobierna y reina con la máxima autoridad! Él habla… nosotros obedecemos y “id y haced discípulos a todas las naciones”.

“…bautizándolos en el nombre del Padre y del Hijo y del Espíritu Santo”.

El bautismo es una parte del discipulado. Como discipuladores – ¡nosotros bautizamos! No es un mandamiento separado para ser realizado como parte de un ritual de la iglesia, sino como una parte integrada del discipulado… como fue ordenado.

  “…y enseñándoles que guarden todas las cosas que os he mandado”.

Los discípulos deben saber y ser capaces de enseñar “todo lo que Él manda”, pero esto también tiene un aspecto más personal. Debemos tener una relación personal con este Rey – y obedecer Sus mandamientos para que podamos transmitir por experiencia personal “todo” lo que Él nos ha mandado. Los disciplinadores vivimos la obediencia y transmitimos los mandatos que obedecemos con alegría y fruto

“Y ciertamente yo estoy con vosotros todos los días, hasta el fin del mundo”.

No discipulamos solos. Hasta el fin de este siglo, debemos hacer discípulos; hasta el fin del siglo, el Rey con “toda autoridad” estará con nosotros. Hasta “el fin del siglo”, cuando Jesús aparezca con los ejércitos del cielo para gobernar y reinar directamente desde el trono de David en Jerusalén y, con nuestros discípulos, “depositemos nuestras coronas ante Él, perdidos en asombro, amor y alabanza.”

A la luz de esto, me resulta difícil pensar en una razón por la que no hagamos discípulos.

What Do Children and Young People Need?

by Andrew Kirk, Director of Generation 2 generation,www.G2Mandate.org and host of Radical Lifestyle Podcast: www.youtube.com/RadicalLifestyle. Adapted from Generational Transformation by Daphne Kirk.

They Need a 100 Percent Message (as with adults)

Children, young people, and adults tend to live out of the messages they receive from others.

Psychologists say seven percent of what a child/teenager or adult receives will be from the words spoken, and ninety-three percent will be from the tone of voice and body language. Mixed messages are when there is a conflict between the spoken words and the actions accompanying them.

These are examples of mixed messages so many churches send to the emerging generation:

Words: You must come to church.
Action: We give you no ownership; you are a spectator.

Words: We go to church as a family because that is important.
Action: We go our ways when we get there and do different things.

The emerging generation needs affirmation in deeds and words:

Words: You are a valuable member of the church.
Deeds: “We receive ministry from you and appreciate your input.”

Words: You can move in the gifts of the Spirit.
Deeds: “We receive the Spirit of God in you and recognize gifts He has given you.”

Let’s give children and young people relationships that will stand in the storm and a clear message from the church that they are valued and worth investing in and that who they are and what they have is of value to every generation. They need to relate to all generations; they need God’s heroes.

They need to be Recognized as Individuals (as with adults)

Teens and children have personalities, contributions, problems, achievements, joys, and relationships with God. They need encouragement, ministry, support, prayer, and discipleship to develop spiritually, socially, mentally, and emotionally at their own unique pace.

They need to be Teens and Children (adults need to be adults!)

We do not want to impose adulthood on children/teens; instead, we release them in their generation. They have more potential than is often appreciated, and their vitality, faith, and simplicity are often catalysts that lift small groups into openness, spontaneity, and vulnerability.

Teens and Children Need Safety and Protection

It is vital to have a child protection policy that is clearly understood by all those in positions of authority and, as far as possible, by every church member. Contact Daniella@G2gMandate.org for more information and training on this.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O Que As Crianças E Os Jovens Precisam?
por Andrew Kirk, Diretor da Geração 2, www.G2Mandate.org e apresentador do Radical Lifestyle Podcast: www.youtube.com/RadicalLifestyle. Adaptado de Generational Transformation (Transformação de Gerações), de Daphne Kirk.

Eles precisam de uma mensagem de 100 por cento (como acontece com os adultos)

Crianças, jovens e adultos tendem a viver das mensagens que recebem dos outros. Os psicólogos dizem que sete por cento do que uma criança/adolescente ou adulto receberá será proveniente das palavras faladas e noventa e três por cento será proveniente do tom de voz e da linguagem corporal. Mensagens confusas ocorrem quando há um conflito entre as palavras faladas e as ações que as acompanham.

Estes são exemplos de mensagens contraditórias que tantas igrejas enviam à geração emergente:

Palavras: Você deve vir à igreja.
Ação: Não lhe damos propriedade; você é um espectador.

Palavras: Vamos à igreja em família porque isso é importante.
Ação: Seguimos nossos caminhos quando chegamos lá e fazemos coisas diferentes.

A geração emergente precisa de afirmação em ações e palavras:

Palavras: Você é um membro valioso da igreja.
Ações: “Recebemos ministério de você e apreciamos sua contribuição.”

Palavras: Você pode mover-se nos dons do Espírito.
Ações: “Recebemos o Espírito de Deus em você e reconhecemos os dons que Ele lhe deu.”

Vamos dar às crianças e aos jovens relacionamentos que resistirão à tempestade e uma mensagem clara da igreja de que eles são valorizados e nos quais vale a pena investir e que quem eles são e o que têm é de valor para todas as gerações. Precisam relacionar-se com todas as gerações; eles precisam dos heróis de Deus.

Eles precisam ser reconhecidos como indivíduos (como acontece com os adultos)

Adolescentes e crianças têm personalidades, contribuições, problemas, conquistas, alegrias e relacionamentos com Deus. Eles precisam de encorajamento, ministério, apoio, oração e discipulado para se desenvolverem espiritual, social, mental e emocionalmente no seu próprio ritmo.

Eles precisam ser adolescentes e crianças (os adultos precisam ser adultos!)

Não queremos impor a idade adulta às crianças/adolescentes; em vez disso, nós os liberamos em sua geração. Eles têm mais potencial do que muitas vezes se considera, e a sua vitalidade, fé e simplicidade são muitas vezes catalisadores que elevam pequenos grupos à abertura, à espontaneidade e à vulnerabilidade.

Adolescentes e crianças precisam de segurança e proteção

É vital ter uma política de protecção da criança que seja claramente compreendida por todos aqueles que ocupam posições de autoridade e, na medida do possível, por todos os membros da igreja. Contate Daniella@G2gMandate.org para obter mais informações e treinamento sobre isso.

Spanish blog:

¿Qué necesitan los niños y los jóvenes?
por Andrew Kirk, Director de Generation 2 generation,www.G2Mandate.org y presentador de Radical Lifestyle Podcast: www.youtube.com/RadicalLifestyle. Adaptado de Generational Transformation, de Daphne Kirk.

Necesitan un mensaje al cien por cien (como los adultos)

Los niños, los jóvenes y los adultos tienden a vivir de los mensajes que reciben de los demás. Los psicólogos afirman que el siete por ciento de lo que recibe un niño/adolescente o adulto proviene de las palabras pronunciadas, y el noventa y tres por ciento del tono de voz y el lenguaje corporal. Los mensajes contradictorios se producen cuando hay un conflicto entre las palabras habladas y las acciones que las acompañan.

Estos son ejemplos de mensajes contradictorios que muchas iglesias envían a la generación emergente:

Palabras: Debes venir a la iglesia.

Acciones: No te damos la propiedad; eres un espectador.

Palabras: Vamos a la iglesia en familia porque eso es importante.

Acción: Nos vamos cada uno por nuestro lado cuando llegamos y hacemos cosas diferentes.

La generación emergente necesita afirmación en hechos y palabras:

Palabras: Eres un miembro valioso de la iglesia.

Hechos: “Recibimos tu ministerio y apreciamos tu aportación”.

Palabras: Puedes moverte en los dones del Espíritu.

Hechos: “Recibimos el Espíritu de Dios en ti y reconocemos los dones que te ha dado”.

Demos a los niños y jóvenes relaciones que resistan la tormenta y un mensaje claro de la iglesia de que se les valora y merece la pena invertir en ellos y que lo que son y lo que tienen tiene valor para todas las generaciones. Necesitan relacionarse con todas las generaciones; necesitan a los héroes de Dios.

Necesitan ser reconocidos como individuos (al igual que los adultos)

Los adolescentes y los niños tienen personalidades, contribuciones, problemas, logros, alegrías y relaciones con Dios. Necesitan estímulo, ministerio, apoyo, oración y discipulado para desarrollarse espiritual, social, mental y emocionalmente a su propio ritmo.

Necesitan ser adolescentes y niños (¡los adultos necesitan ser adultos!)

No queremos imponer la edad adulta a los niños/adolescentes; por el contrario, los liberamos en su generación. Tienen más potencial del que a menudo se aprecia, y su vitalidad, fe y sencillez son a menudo catalizadores que elevan a los grupos pequeños hacia la apertura, la espontaneidad y la vulnerabilidad.

Los adolescentes y los niños necesitan seguridad y protección

Es vital contar con una política de protección de la infancia que sea claramente entendida por todos los que ocupan puestos de autoridad y, en la medida de lo posible, por cada miembro de la iglesia. Póngase en contacto con Daniella@G2gMandate.org para obtener más información y formación al respecto.

You Will Be My Witnesses

by Andrew Kirk, Director of Generation 2 generation,www.G2Mandate.org and host of Radical Lifestyle Podcast: www.youtube.com/RadicalLifestyle

From the very beginning, there was a strategy for the Gospel. Jesus came to the nation of Israel, and His plan was for that nation to be “a light to the Gentiles” as the epicenter of missions (Isaiah 49:6). Even after they rejected Jesus, His plan did not change as He commissioned His disciples to continue that strategy:

  • “You will receive power when the Holy Spirit comes on you, and you will be my witnesses in Jerusalem, and in all Judea and Samaria, and to the ends of the earth.” (Acts 1:8)
  • “The gospel was to be first for the Jew, and also for the Gentiles.” (Romans 1:16)

And so, the apostles started in Jerusalem and went to Judea and the “uttermost parts of the earth.”

What does this mean for us? It does not mean we automatically replace the word “Jerusalem” with our hometown without first understanding the eternal missional strategy in that statement. When He said “Jerusalem,” He meant it. And this prophecy will come to fulfillment one day when “the law will go out from Zion, the word of the LORD from Jerusalem.” (Isaiah 2:3)

So, we see God works strategically with missions! He works not through haphazard passion but with a plan formed in His heart from the foundation of the world. Jesus fully equipped the disciples with power and then sent them out. Disciples who had spent three years were immersed in the missional heart of their Savior. They saw His one-on-one interaction, they saw the sacrifice, and they saw Him operating in power. They saw it! So, they were ready when He called them to enter His eternal plan.

Disciples catch the Mission when those discipling them show the heart of missions. I remember Dr. Ralph Neighbour talking about how he took people with him to show them how to connect with and lead people to Jesus.

The heart of Mission will drive those who love Jesus. Every person you see must stand before Jesus one day. If He has to reject them, His heart will break again. We cannot love Jesus and allow those, either locally or in the unreached nations, not to have the opportunity of knowing Him – all this while holding the salvation of Israel at the epicenter because, one day, “Many nations shall come, and say: ‘Come, let us go up to the mountain of the LORD, to the house of the God of Jacob, that he may teach us his ways and that we may walk in his paths,’” (Micah 4:2) and missions will be no more.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Vocês Serão Minhas Testemunhas
por Andrew Kirk, Diretor da Generation 2 generation, www.G2Mandate.org e apresentador do Radical Lifestyle Podcast:  www.youtube.com/RadicalLifestyle

Desde o início houve uma estratégia para o Evangelho. Jesus veio à nação de Israel, e Seu plano era que aquela nação fosse “uma luz para os gentios” como o epicentro das missões (Isaías 49:6). Mesmo depois de terem rejeitado Jesus, o Seu plano não mudou, pois Ele comissionou os Seus discípulos a continuarem com essa estratégia:

  • “Recebereis poder ao descer sobre vós o Espírito Santo e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até os confins da terra”. (Atos 1:8)
  • “O evangelho deveria ser primeiro para os judeus e também para os gentios.” (Romanos 1:16)

E assim, os apóstolos começaram em Jerusalém e foram para a Judéia e “os confins da terra”.

O que isso significa para nós? Isso não significa que substituímos automaticamente a palavra “Jerusalém” pela nossa cidade natal sem primeiro compreender a estratégia missional eterna nessa declaração. Quando Ele disse “Jerusalém”, Ele estava falando sério. E esta profecia se cumprirá um dia, quando “a lei sairá de Sião, a palavra do Senhor de Jerusalém”. (Isaías 2:3)

Então, vemos que Deus trabalha estrategicamente com missões! Ele não trabalha através de uma paixão aleatória, mas com um plano formado em Seu coração desde a fundação do mundo. Jesus equipou totalmente os discípulos com poder e depois os enviou. Os discípulos que passaram três anos foram imersos no coração missionário de seu Salvador. Eles viram Sua interação individual, viram o sacrifício e O viram operando com poder. Eles viram! Então, eles estavam prontos quando Ele os chamou para entrar em Seu plano eterno.

Os discípulos alcançam a Missão quando aqueles que os discipulam mostram o cerne das missões. Lembro-me do Dr. Ralph Neighbour falando sobre como ele levava as pessoas com ele para mostrar-lhes como se conectar e levar as pessoas a Jesus.

O coração da Missão impulsionará aqueles que amam Jesus. Cada pessoa que você vê deve estar diante de Jesus um dia. Se Ele tiver que rejeitá-los, Seu coração será partido novamente. Não podemos amar Jesus e permitir que aqueles, seja localmente ou nas nações não alcançadas, não tenham a oportunidade de conhecê-Lo – tudo isso mantendo a salvação de Israel no epicentro porque, um dia, “Muitas nações virão e dirão: ‘Vinde, subamos ao monte do Senhor, à casa do Deus de Jacó, para que ele nos ensine os seus caminhos e para que andemos nas suas veredas’” (Miquéias 4:2) e as missões não existarão mais.

Spanish blog:

Ustedes serán mis testigos
por Andrew Kirk, director de Generación 2, www.G2Mandate.org y presentador del podcast Radical Lifestyle: www.youtube.com/RadicalLifestyle

Desde el principio hubo una estrategia para el Evangelio; Jesús vino a la nación de Israel y su plan era que esa nación fuera “una luz para los gentiles” como epicentro de las misiones (Isaías 49:6). Incluso después de que rechazaron a Jesús, Su plan no cambió cuando comisionó a Sus discípulos a continuar con esa estrategia:

• “Recibiréis poder, cuando venga el Espíritu Santo sobre vosotros, y seréis mis testigos en Jerusalén, en toda Judea, en Samaria, y hasta lo último de la tierra”. (Hechos 1:8)

• “El evangelio debía ser primero para los judíos y también para los gentiles”. (Romanos 1:16)

Y así, los apóstoles comenzaron en Jerusalén y fueron a Judea y “lo último de la tierra”.

¿Qué significa esto para nosotros? No significa que reemplacemos automáticamente la palabra “Jerusalén” con nuestra ciudad natal sin comprender primero la estrategia misional eterna en esa declaración. Cuando dijo “Jerusalén”, lo dijo en serio y esta profecía se cumplirá un día cuando “la ley saldrá de Sion, la palabra de Jehová de Jerusalén”. (Isaías 2:3)

¡Entonces vemos que Dios trabaja estratégicamente con las misiones! Él no obra a través de una pasión casual, sino con un plan formado en Su corazón desde la fundación del mundo. Jesús equipó completamente a los discípulos con poder y luego los envió. Los discípulos que habían pasado tres años estaban sumergidos en el corazón misional de su Salvador. Vieron Su interacción uno a uno, vieron el sacrificio y lo vieron operando con poder. ¡Lo vieron! Entonces, estaban listos cuando Él los llamó a entrar en Su plan eterno.

Los discípulos captan la Misión cuando quienes los discipulan muestran el corazón de las misiones. Recuerdo al Dr. Ralph Neighbor hablando de cómo llevaba a la gente con él para mostrarles cómo conectarse y guiar a la gente hacia Jesús.

El corazón de la Misión impulsará a quienes aman a Jesús. Cada persona que veas debe presentarse ante Jesús algún día, si tiene que rechazarlos, Su corazón se romperá nuevamente. No podemos amar a Jesús y permitir que aquellos, ya sea localmente o en las naciones no alcanzadas, no tengan la oportunidad de conocerlo – todo esto mientras mantenemos la salvación de Israel en el epicentro porque, un día, “vendrán muchas naciones y dirán: ‘Venid, subamos al monte de Jehová, a la casa del Dios de Jacob, para que él nos enseñe sus caminos y caminemos por sus sendas’” (Miqueas 4:2) y las misiones vendrán. no ser más.

The Automatic Response

by Andrew Kirk, Director of Generation 2 generation,www.G2Mandate.org and host of Radical Lifestyle Podcast: www.youtube.com/RadicalLifestyle

Without a clear vision, mission, or direction, it’s hard to know when to say “yes.” For example, a mother’s “mission” is parenting, and she will not say “yes” to anything that would distract her from that. However, another person might say yes to a different missional vision, while another might love music, and so forth. 

By clearly defining these parameters or values, we will more readily inspire a “yes” without it becoming a major decision requiring much time, prayer, and energy. At the same time, defining one’s values will allow you to determine areas that require a “no automatically” or to know what you should think/pray about.

Here’s one example from my ministry: We had to figure out precisely what God called us to do when we started. In a nutshell, this mission statement perfectly describes our commission: “Reconnecting the generations and preparing them ‘for such a time as this.’” As we advance, we know that if something doesn’t fit within our mission statement, it’s either an automatic “no,” or we must think and pray about it. If it does fit within our mission statement, it receives an automatic “yes,” and we will wait for God to say “no” along the way, which He has done from time to time.

So, regarding cell ministry, what are your core “yeses?” What are things we can be more intentional about saying “yes” to, and what might we stop and pray about? Activities that promote discipleship, community, personal evangelism, etc., are a clear “yes,” whereas an overabundance of “events” detracting from the life of the cell is a clear “no.”

Similarly, what does the Bible require an automatic “yes” to? (There is an abundance of necessary “no’s,” too!)

When God talks about His chosen fast in Isaiah 58, He says, among other things, to bring freedom to the oppressed, look after the poor, and clothe the naked. These are things God tells us to engage in. They are not suggestions, so they require an automatic “yes.” As a result, He makes promises to us that are conditional upon that “yes.” For example, in verse 8:

“Then your light shall break forth as the morning, and your healing shall spring forth quickly, and your righteousness shall go before you; the glory of the LORD shall be your reward.”

So, what are the cores of cell ministry? What is the vision for your life or family? Within these are your “yeses,” and outside these are where a “no” needs consideration.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

A Resposta Automática
por Andrew Kirk, Diretor da Geração 2,  e apresentador do Radical Lifestyle Podcast 

Sem uma visão, missão ou direção clara, é difícil saber quando dizer “sim”. Por exemplo, a “missão” de uma mãe é ser mãe, e ela não dirá “sim” a nada que a distraia disso. Contudo, outra pessoa pode dizer sim a uma visão missionária diferente, enquanto outra pode amar a música, e assim por diante.

Ao definir claramente estes parâmetros ou valores, inspiraremos mais prontamente um “sim” sem que isso se torne uma decisão importante que exija muito tempo, oração e energia. Ao mesmo tempo, definir os próprios valores permitirá determinar áreas que exigem um “não automaticamente” ou saber sobre o que você deve pensar/orar.

Aqui está um exemplo do meu ministério: tivemos que descobrir exatamente o que Deus nos chamou para fazer quando começamos. Em poucas palavras, esta declaração de missão descreve perfeitamente a nossa comissão: “Reconectar as gerações e prepará-las ‘para um momento como este’”. À medida que avançamos, sabemos que se algo não se enquadra na nossa declaração de missão, ou é uma “não” automático, ou devemos pensar e orar sobre isso. Se se enquadrar na nossa declaração de missão, receberá um “sim” automático e esperaremos que Deus diga “não” ao longo do caminho, o que Ele tem feito de vez em quando.

Então, em relação ao ministério celular, quais são os seus principais “sim”? Quais são as coisas para as quais podemos ser mais intencionais ao dizer “sim” e sobre o que podemos parar e orar? Atividades que promovam o discipulado, a comunidade, o evangelismo pessoal, etc., são um claro “sim”, enquanto uma superabundância de “eventos” que prejudicam a vida da célula é um claro “não”.

Da mesma forma, a que a Bíblia exige um “sim” automático? (Também há uma abundância de “nãos” necessários!)

Quando Deus fala sobre Seu jejum escolhido em Isaías 58, Ele diz, entre outras coisas, para trazer liberdade aos oprimidos, cuidar dos pobres e vestir os nus. Estas são coisas em que Deus nos diz para nos envolvermos. Não são sugestões, por isso requerem um “sim” automático. Como resultado, Ele nos faz promessas que estão condicionadas a esse “sim”. Por exemplo, no versículo 8:

“Então romperá a tua luz como a alva, e a tua cura brotará rapidamente, e a tua justiça irá adiante de ti; a glória do Senhor será a sua recompensa”.

Então, quais são os núcleos do ministério celular? Qual é a visão para sua vida ou família? Dentro deles estão os seus “sim” e fora deles é onde um “não” precisa ser considerado.

Spanish blog:

La respuesta automática

por Andrew Kirk, Director de Generation 2 generation, Sitio web: www.G2gMandate.org, y presentador de Radical Lifestyle Podcast: www.YouTube.com/RadicalLifestyle

Sin una visión, misión o dirección claras, es difícil saber cuándo decir “sí”. Por ejemplo, la “misión” de una madre es ser madre, y no dirá “sí” a nada que la distraiga de ello. Sin embargo, otra persona podría decir que sí a una visión misional diferente, mientras que otra podría amar la música, y así sucesivamente.

Si definimos claramente estos parámetros o valores, inspiraremos más fácilmente un “sí” sin que se convierta en una decisión importante que requiera mucho tiempo, oración y energía. Al mismo tiempo, definir los propios valores le permitirá determinar las áreas que requieren un “no automático” o saber sobre qué debe pensar/orar.

He aquí un ejemplo de mi ministerio: Tuvimos que averiguar con precisión a qué nos llamaba Dios cuando empezamos. En pocas palabras, esta declaración de misión describe perfectamente nuestra misión: “Reconectar a las generaciones y prepararlas ‘para un tiempo como éste'”. A medida que avanzamos, sabemos que si algo no encaja en nuestra declaración de misión, o bien es un “no” automático, o debemos pensar y orar sobre ello. Si encaja dentro de nuestra declaración de misión, recibe un “sí” automático, y esperaremos a que Dios diga “no” en el camino, lo cual ha hecho de vez en cuando.

Entonces, con respecto al ministerio celular, ¿cuáles son sus “síes” centrales? ¿Cuáles son las cosas a las que podemos ser más intencionales en decir “sí”, y sobre las que podríamos detenernos y orar? Las actividades que promueven el discipulado, la comunidad, la evangelización personal, etc., son un claro “sí”, mientras que una sobreabundancia de “eventos” que distraen de la vida de la célula es un claro “no”.

Del mismo modo, ¿a qué exige la Biblia un “sí” automático? (También hay abundancia de “noes” necesarios).

Cuando Dios habla del ayuno de sus elegidos en Isaías 58, dice, entre otras cosas, que liberemos a los oprimidos, cuidemos de los pobres y vistamos a los desnudos. Son cosas que Dios nos dice que hagamos. No son sugerencias, por lo que requieren un “sí” automático. Como resultado, Él nos hace promesas que están condicionadas a ese “sí”. Por ejemplo, en el versículo 8:

“Entonces brotará tu luz como la mañana, y tu curación brotará pronto, y tu justicia irá delante de ti; la gloria de Yahveh será tu recompensa”.

Entonces, ¿cuáles son los núcleos del ministerio celular? ¿Cuál es la visión para su vida o familia? Dentro de estos están tus “síes”, y fuera de estos es donde un “no” necesita consideración.

The Discipleship Foundations

by Andrew Kirk, Director of Generation 2 generation, Website: www.G2gMandate.org, and host of Radical Lifestyle Podcast: www.YouTube.com/RadicalLifestyle

It can be easy to forget the underlying mission that God has given in the Cell Church Movement. This mission can be summed up in Christ’s command in Mathew 28: 19 – 20, “Therefore go and make disciples of all nations, baptizing them in the Name of the Father and of the Son and of the Holy Spirit, and teaching them to obey everything I have commanded you. And surely, I am with you always, to the very end of the age.”

We should never forget that the calling to make disciples within the cell model needs to be the DNA of every member, so we eat, breathe, and sleep disciple-making. If this infiltrates the Cell Movement, multiplication should not be an issue but a natural outcome with “baptizing and teaching them to obey everything He commanded.” Being a part of that. 

As disciple-makers, this puts a huge responsibility on us to expose our disciples to sound teaching, which is often forgotten. “And the things you have heard me say in the presence of many witnesses entrust to reliable people who will also be qualified to teach others” (2 Timothy 2:2).

The foundational mission of cell ministry is to mobilize all ages for the advancement of the Kingdom and therefore see discipleship as the DNA. 

Jesus set an example for us to follow. He called people to follow Him. He baptized, taught, led, released, and told them to do the same with others. 

“When they saw Him, they worshiped Him; but some doubted.” Matt. 28:17. Even in their doubt, Jesus still sent them on the most incredible adventure and most important mission of their lives as they went in His authority to bring His transforming power to all nations (v18)

Discipleship means taking risks and allowing our disciples to do the same. This may be the most challenging aspect, but risk-taking brings rewards and growth.  Today, despite our doubts, Jesus still says, “‘Come, follow Me, and I will send you to fish for people.’ At once, they left their nets and followed Him.” Matthew 4: 19-20. Let’s do the same. 

Korean blog (click here)

Portuguese blog
Os Alicerces do Discipulado
por Andrew Kirk, diretor da Generation 2 generation, site: www.G2gMandate.org, e apresentador do podcast Radical Lifestyle: www.YouTube.com/RadicalLifestyle


É fácil esquecermos a missão que está por trás da que Deus entregou ao Movimento da Igreja Celular. Esta missão pode ser resumida na Comissão que Cristo entregou em Mateus 28:19-20 “Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado. E eis que estou convosco todos os dias até à consumação do século.”

Não devemos jamais esquecer que o chamado para fazermos discípulos que está contido no modelo celular precisa estar no DNA de cada membro, de maneira que façamos discípulos quer comamos, quer respiremos, até mesmo quer durmamos. Se isto estiver infiltrado no Movimento Celular, a multiplicação não será um problema, mas uma consequência natural que virá com o “…batizando-os e ensinando-os a guardar todas as coisas que Ele ordenou”. Será uma parte de tudo isso.

Para sermos fazedores de discípulos, temos uma grande responsabilidade de ensinar corretamente, o que é frequentemente esquecido. “E o que de minha parte ouviste através de muitas testemunhas, isso mesmo transmite a homens fiéis e também idôneos para instruir a outros.” (2Timóteo 2:2).

A missão que constrói o alicerce do ministério celular é a mobilização de pessoas de todas as idades para o avanço do Reino e, portanto, encarar o discipulado como parte do nosso próprio DNA.

Jesus deixou o exemplo para que pudéssemos seguir. Ele chamava as pessoas para o seguirem. Ele batizava, ensinava, liderava, enviava e disse que tudo isso também deveria ser feito com outras pessoas.

“E, quando o viram, o adoraram; mas alguns duvidaram.” (Mateus 28:17). Mesmo em meio à dúvida dos discípulos, Jesus ainda assim os enviou para a mais incrível aventura e mais importante missão de suas vidas, pois eles foram na autoridade dEle para trazer seu poder transformador a todas as nações.

Discipulado significa assumir riscos e permitir que nossos discípulos também vivam assim. Talvez este seja o aspecto mais desafiador do discipulado, mas assumir riscos traz recompensa e crescimento.

Hoje, apesar das nossas dúvidas, Jesus ainda diz: “…Vinde após mim, e eu vos farei pescadores de homens.” (Mateus 4:19). Façamos o mesmo.

Spanish blog
Los Cimientos del Discipulado
por Andrew Kirk, director da Generation 2 generation, website: www.G2gMandate.org, y anfitrión de podcast Radical Lifestyle: www.YouTube.com/RadicalLifestyle

Puede ser fácil olvidar la misión subyacente que Dios ha dado en el Movimiento de la Iglesia Celular. Esta misión se puede resumir en el mandato de Cristo en Mateo 28: 19 – 20, “Por tanto, id y haced discípulos a todas las naciones, bautizándolos en el nombre del Padre y del Hijo y del Espíritu Santo, y enseñándoles a obedecer todo lo que os he mandado. Y yo estaré con vosotros todos los días, hasta el fin del mundo”. 

Nunca debemos olvidar que el llamado a hacer discípulos dentro del modelo celular necesita ser el ADN de cada miembro, de modo que comamos, respiremos y durmamos haciendo discípulos. Si esto se infiltra en el Movimiento Celular, la multiplicación no debería ser un problema sino un resultado natural con “bautizarlos y enseñarles a obedecer todo lo que Él mandó”. Siendo parte de eso.  

Como hacedores de discípulos, esto pone una gran responsabilidad en nosotros para exponer a nuestros discípulos a la sana enseñanza, que a menudo se olvida. “Y lo que me has oído decir delante de muchos testigos, esto encarga a personas de confianza, que sean también idóneas para enseñar a otros” (2 Timoteo 2:2). 

La misión fundacional del ministerio celular es movilizar a todas las edades para el avance del Reino y, por tanto, considerar el discipulado como el ADN.

Jesús nos dio un ejemplo a seguir. Llamó a la gente a seguirle. Bautizó, enseñó, guió, liberó y les dijo que hicieran lo mismo con los demás.  

“Cuando le vieron, le adoraron; pero algunos dudaron”. Mateo 28:17. Aún con sus dudas, Jesús los envió a la aventura más increíble y a la misión más importante de sus vidas, al ir con Su autoridad a llevar Su poder transformador a todas las naciones (v18). 

El discipulado significa asumir riesgos y permitir que nuestros discípulos hagan lo mismo. Este puede ser el aspecto más desafiante, pero asumir riesgos trae recompensas y crecimiento.  

Hoy, a pesar de nuestras dudas, Jesús sigue diciendo: “‘Venid, seguidme, y os enviaré a pescar gente’. Al instante, dejaron las redes y le siguieron”. Mateo 4: 19-20. Hagamos lo mismo.