Discipleship Starts in the Home

By Andrew Kirk, Director of Generation 2 generation, Website – www.G2gMandate.org, Social Media – @G2gMandate

The essence of discipleship goes beyond the cell. It starts in the home. Allow me to explain. Biblical discipleship was a lifestyle of relationships filtered through every aspect of life. It was mutually beneficial and embraced every part of life. Discipleship took place through teaching, modeling, sharing, learning, and enjoying fun times too. Sadly, “discipleship” has often become a western world education relationship. It is far, far more than that! Thus, embracing the Biblical model must be experienced in many aspects beyond the cell group. The goal of discipleship might be summed up in Deut. 6 v 5-6: “You shall love the Lord your God with all your heart and mind and with all your soul and with all your strength.  These words, which I am commanding you today, shall be written on your heart and mind.”

But the application can be seen in v 7-9: “You shall teach them diligently to your children shall speak of them when you sit in your house, when you walk on the road, when you lie down and when you get up. You shall bind them as a sign on your hand (forearm) and be used as bands on your forehead. You shall write them on the doorposts of your house and on your gates.”

Living this type of integrated lifestyle involves the weekly cell but also goes beyond it. The home is discipleship for every family member and is undoubtedly where children and teens will be most effectively discipled. It is not a matter of “Are they being discipled there?” They are being discipled there. The emerging generation naturally absorbs the home lifestyle and atmosphere. Weekly cells help in the process, but discipleship also involves life outside the cell.

Cells play a vital part in the discipleship process, but let’s remember that lifestyle also plays an essential role. Healthy discipleship in the home flows into the cell and impacts the lives of those who have not been privileged to have Godly families. It multiplies the heart of discipleship, bringing greater health and vitality to the cell.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O Discipulado começa em casa

Andrew Kirk, Diretor do “Generation 2 generation”, Website – www.G2gMandate.org, Mídias Sociais – @G2gMandate

A essência do discipulado vai além da célula. Começa em casa. Permita-me explicar o que quero dizer.

O discipulado bíblico era um estilo de vida baseado em relacionamentos que perpassavam cada aspecto da vida. Era algo que beneficiava a todos no relacionamento e abarcava cada parte da vida das pessoas. O discipulado acontecia através do ensino, da modelagem, do compartilhamento, do aprendizado e também no desfrutar das partes divertidas da vida também. Infelizmente, o termo “discipulado” tem se tornado uma referência ao relacionamento meramente educacional do mundo ocidental. Ele é muito, muito mais do que isso!

O modelo bíblico precisa ser experimentado através de múltiplos aspectos que vão além da reunião da célula. O objetivo do discipulado pode ser resumido em Deuteronômio 6:5-6 “Amarás, pois, o SENHOR, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua força. Estas palavras que, hoje, te ordeno estarão no teu coração”

Mas a aplicação vem a seguir, nos versos 7 a 9: “tu as inculcarás a teus filhos, e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e ao deitar-te, e ao levantar-te. Também as atarás como sinal na tua mão, e te serão por frontal entre os olhos. E as escreverás nos umbrais de tua casa e nas tuas portas.”

Viver este modelo de estilo de vida envolve a reunião semanal da célula, mas vai além. O lar é discipulado para cada um dos membros da família e sem dúvida alguma é o local onde as crianças e os adolescentes serão discipulado mais eficazmente. Não é preciso se perguntar se eles estão sendo discipulado no lar. Eles estão sendo discipulados no lar. A geração que sucede os pais naturalmente absorve o estilo de vida da família e sua atmosfera. As reuniões semanais certamente ajudam, mas o discipulado envolve a vida além da célula.

As células representam uma parte vital no processo de discipulado mas é preciso lembrar que o estilo de vida também é fundamental. O discipulado saudável da família transborda para a célula e impacta as vidas das pessoas que não tiveram o privilégio de crescer em famílias cristãs. Isto multiplica o coração do discipulado e traz saúde e vitalidade para as células.

Spanish blog:

El Discipulado Comienza en el Hogar

Por Andrew Kirk, Director de Generación 2, Sitio web – www.G2gMandate.org , Medios sociales – @G2gMandate

La esencia del discipulado va más allá de la célula. Comienza en el hogar. Permítanme explicarlo.

El discipulado bíblico era un estilo de vida de relaciones filtradas a través de cada aspecto de la vida. Era mutuamente beneficioso y abarcaba cada parte de la vida. El discipulado se llevaba a cabo a través de la enseñanza, el modelado, el compartir, el aprendizaje y el disfrute de los momentos de diversión también. Lamentablemente, el “discipulado” se ha convertido a menudo en una relación de educación del mundo occidental. ¡Es mucho, mucho más que eso!

Por lo tanto, abrazar el modelo bíblico debe ser experimentado en muchos aspectos más allá del grupo celular. El objetivo del discipulado podría resumirse en Deut. 6 v 5-6: “Amarás al Señor tu Dios con todo tu corazón y tu mente y con toda tu alma y con todas tus fuerzas.  Estas palabras que hoy te ordeno estarán escritas en tu corazón y en tu mente”.

Pero la aplicación puede verse en los v 7-9: “Se las enseñarás con diligencia a tus hijos; hablarás de ellas cuando te sientes en tu casa, cuando andes por el camino, cuando te acuestes y cuando te levantes. Las atarás como señal en tu mano (antebrazo) y las usarás como bandas en tu frente. Las escribirás en los postes de tu casa y en tus puertas”.

Vivir este tipo de estilo de vida integrado implica la célula semanal, pero también va más allá. El hogar es el discipulado para cada miembro de la familia y es, sin duda, donde los niños y los adolescentes serán discipulados más efectivamente. No es una cuestión de “¿Están siendo discipulados allí?”, ellos están siendo discipulados allí. La generación emergente absorbe naturalmente el estilo de vida y la atmósfera del hogar. Las células semanales ayudan en el proceso, pero el discipulado también implica la vida fuera de la célula.

Las células juegan un papel vital en el proceso de discipulado, pero recordemos que el estilo de vida también juega un papel esencial. El discipulado saludable en el hogar fluye hacia la célula e impacta las vidas de aquellos que no han tenido el privilegio de tener familias piadosas. Esto multiplica el corazón del discipulado, trayendo mayor salud y vitalidad a la célula.

Christ’s Church on the Offensive (Español Abajo)

By Andrew Kirk, Director of Generation 2 generation, Website – www.G2gMandate.org, Social Media – @G2gMandate

“I say to you that you are Peter, and on this rock, I will build My church; and the gates of Hades (death) will not overpower” (Matthew 16:18-19). This scripture states that the gates of hell will not prevail. Gates are a defense; they are not proactive. God commands the Church to be on the attack: in mindset, actions, thoughts, words, and prayer. We must pray against “the gates of hell,” which refers to all opposition that comes against us. A defensive paradigm can propagate fear and move us to a defensive position.

Challenges can seem like “attacks” where we must take a defensive stance. Challenges can come from people, the government, structures, buildings, government mandates, or even unpaid building debts. The word “challenge” can provoke a defensive mindset and, therefore, a defensive stand amid the challenge.

We all need to navigate this world, which is constantly shifting and getting darker with every passing day, in a way that helps us to maintain an offensive position.

The early Church endured much opposition and persecution. Yet, it overcame and saw an incredible outpouring of the Holy Spirit. In the early Church, we notice apostles planting churches, mobilizing and inspiring God’s people to stand firm against the enemy’s attacks. They did not “defend” but “attacked.”

We have all gone through a challenging few years and will face new and more difficult challenges in the years to come. It is time to assess the times we are in and how we can best prepare to overcome, endure, to be a people on the offensive; being light. Not dim lights, but bright.

I have seen the heavily persecuted driven to the depths of despair, finding their way to overcoming, to victory, whether through receiving their martyr’s crown or by perseverance and overcoming by endurance.

Advancing in the face of opposition can look different from nation to nation, Church to Church, cell group to cell group. But, there are characteristics that Jesus tells us to have: boldness, wisdom, overcoming, endurance, uncompromising, an eternal perspective, unity, being generationally connected, etc. You can probably think of more yourself.

I believe in the Word of God, I believe in the local Church, I believe in you. So let’s link arms and march forward on the offensive!

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

A Igreja de Cristo na Ofensiva

Por Andrew Kirk, Diretor da Geração 2 Geração, Site – www.G2gMandate.org, Mídia Social – @G2gMandate

“Digo-te que és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja; e as portas do Hades (a morte) não prevalecerão” (Mateus 16:18-19).
Esta escritura afirma que as portas do inferno não prevalecerão. Portões são uma defesa; eles não são proativos. Deus ordena que a Igreja esteja no ataque: em mentalidade, ações, pensamentos, palavras e oração. Devemos orar contra “as portas do inferno”, que se refere a toda oposição que vem contra nós. Um paradigma defensivo pode propagar o medo e nos levar a uma posição defensiva.

Os desafios podem parecer “ataques” onde devemos assumir uma postura defensiva. Os desafios podem vir de pessoas, governo, estruturas, prédios, mandatos governamentais ou até mesmo dívidas de construção não pagas. A palavra “desafio” pode provocar uma mentalidade defensiva e, portanto, uma postura defensiva em meio ao desafio.

Todos nós precisamos navegar neste mundo, que está constantemente mudando e ficando mais sombrio a cada dia que passa, de uma forma que nos ajude a manter uma posição ofensiva.

A Igreja primitiva sofreu muita oposição e perseguição. No entanto, venceu e viu um incrível derramamento do Espírito Santo. Na Igreja primitiva, notamos apóstolos plantando igrejas, mobilizando e inspirando o povo de Deus a permanecer firme contra os ataques do inimigo. Eles não “defenderam”, mas “atacaram”.

Todos nós passamos por alguns anos desafiadores e enfrentaremos desafios novos e mais difíceis nos próximos anos. É hora de avaliar os tempos em que estamos e como podemos nos preparar melhor para superar, suportar, ser um povo na ofensiva; sendo leve. Não luzes fracas, mas sim brilhantes.

Eu vi os perseguidos pesadamente levados às profundezas do desespero, encontrando o caminho para a superação, para a vitória, seja recebendo a coroa de mártir ou pela perseverança e superação pela resistência.

Avançar em face da oposição pode parecer diferente de nação para nação, de igreja para igreja, de célula para célula. Mas, há características que Jesus nos diz para ter: ousadia, sabedoria, superação, perseverança, intransigência, uma perspectiva eterna, unidade, estar conectado geracionalmente, etc. Você provavelmente pode pensar em mais você mesmo.

Eu creio na Palavra de Deus, eu creio na Igreja local, eu creio em você. Então, vamos dar os braços e marchar para a ofensiva!

Spanish blog:

La Iglesia de Cristo a la ofensiva

Por Andrew Kirk, Director de Generación 2, Sitio web – www.G2gMandate.org, Medios sociales – @G2gMandate

“Te digo que tú eres Pedro, y sobre esta roca edificaré mi iglesia; y las puertas del infierno (la muerte) no prevalecerán” (Mateo 16:18-19).

Esta escritura afirma que las puertas del infierno no prevalecerán. Las puertas son una defensa; no son proactivas. Dios ordena a la Iglesia que esté al ataque: en la mentalidad, las acciones, los pensamientos, las palabras y la oración. Debemos orar contra “las puertas del infierno”, que se refiere a toda la oposición que viene contra nosotros. Un paradigma defensivo puede propagar el miedo y llevarnos a una posición defensiva.

Los desafíos pueden parecer “ataques” en los que debemos adoptar una postura defensiva. Los desafíos pueden provenir de las personas, del gobierno, de las estructuras, de los edificios, de los mandatos del gobierno o incluso de las deudas de construcción que no han sido pagadas. La palabra “desafío” puede provocar una mentalidad defensiva y, por tanto, una postura defensiva en medio del desafío.

Todos necesitamos navegar por este mundo, que cambia constantemente y se oscurece cada día que pasa, de manera que nos ayude a mantener una posición ofensiva.

La Iglesia primitiva sufrió mucha oposición y persecución. Sin embargo, se sobrepuso y vio una increíble efusión del Espíritu Santo. En la Iglesia primitiva, observamos a los apóstoles plantando iglesias, movilizando e inspirando al pueblo de Dios para que se mantuviera firme ante los ataques del enemigo. No “defendían” sino que “atacaban”.

Todos hemos pasado por unos años desafiantes y nos enfrentaremos a nuevos y más difíciles desafíos en los años venideros. Es hora de evaluar los tiempos en los que estamos y cómo podemos prepararnos mejor para vencer, soportar, para ser un pueblo a la ofensiva; ser luz. No luces tenues, sino brillantes.

He visto a los fuertemente perseguidos, llevados a las profundidades de la desesperación, encontrar su camino hacia la superación, hacia la victoria, ya sea recibiendo su corona de mártir o mediante la perseverancia y la superación por la resistencia.

Avanzar frente a la oposición puede ser diferente de una nación a otra, de una Iglesia a otra, de un grupo celular a otro. Pero, hay características que Jesús nos dice que debemos tener: audacia, sabiduría, superación, resistencia, fuerza, una perspectiva eterna, unidad, estar conectados generacionalmente, etc. Probablemente tu puedes pensar en más cualidades.

Creo en la Palabra de Dios, creo en la Iglesia local, creo en ti. Así que unamos los brazos y marchemos a la ofensiva.

What does it look like?

By Andrew Kirk, Director of Generation 2 generation, Website – www.G2gMandate.org, Social Media – @G2gMandate

One of the first Biblical phrases that come to mind when considering cell ministry is “one another.” I am always nervous that words or phrases that roll off our tongues are said without real clarity or meaning. When that happens, I ask, “What would that look like?” Instantly, there is a pause and consideration.

So, I ask, “What would ‘one another look like?” To me, it means connection or interaction. That could be for good or evil; the connection could be life-giving or harmful.

The Collins dictionary defines it as a pronoun: “You use one another to indicate that each member of a group does something to or for the other members.” So, again, denoting an interactive relationship.

“What does it look like in the Bible?”

Intimacy at a very vulnerable level: “Therefore confess your sins to each other and pray for each other so that you may be healed.” (James 5:16)

Encouragement and standing together: “The Israelites encouraged one another and again took up their positions where they had stationed themselves the first day.” (Judges 20:22)

Love at a supernatural level: “A new command I give you: Love one another. As I have loved you, so you must love one another.” (John 13:34)

Absolute unity: “Live in harmony with one another.” (Romans 12:16)

Applying knowledge and competence to one another’s lives: “Filled with knowledge and competent to instruct one another.” (Romans 15:14)

Serving one another: “You, my brothers and sisters, were called to be free. But do not use your freedom to indulge the flesh; rather, serve one another humbly in love.” (Galatians 5:13)

… and so, the list goes on. Can this be done via Zoom or social media? To a certain extent, yes. Is that the most effective way? No, because of the lack of touch, much of the communication of body language, environment, etc. The phrase “Zoomed out” is common these days because people have not received the life-giving interaction that being with “one another” gives.

I write this not to condemn Zoom or other social media interactions but to encourage you all to bring back the life-giving face-to-face aspect of “one another” that we can fully express what that “looks like.”

Korean blog (click here)

 Portuguese blog:

 Com o que se parece?

Por Andrew Kirk, Diretor da Geração 2 Geração, Site – www.G2gMandate.org, Mídia Social – @G2gMandate

Uma das primeiras frases bíblicas que vêm à mente ao considerar o ministério celular é “uns aos outros”. Sempre fico nervoso quando as palavras ou frases que saem de nossas línguas são ditas sem real clareza ou significado. Quando isso acontece, pergunto: “Como seria isso?” Instantaneamente, há uma pausa e consideração.

Então, eu pergunto: “Como seria ‘um ao outro’?” Para mim, significa conexão ou interação. Isso pode ser para o bem ou para o mal; a conexão pode ser vital ou prejudicial.O dicionário Collins o define como um pronome: “Você usa um ao outro para indicar que cada membro de um grupo faz algo para ou pelos outros membros”. Então, novamente, denotando uma relação interativa.

“Como é na Bíblia?”Intimidade em um nível muito vulnerável: “Portanto, confessem seus pecados um ao outro e orem um pelo outro para que sejam curados”. (Tiago 5:16)

Encorajamento e união: “Os israelitas encorajaram uns aos outros e novamente assumiram suas posições onde haviam se posicionado no primeiro dia.” (Juízes 20:22)

Amor a um nível sobrenatural: “Um novo mandamento vos dou: amem-se uns aos outros. Assim como eu os amei, vocês devem amar uns aos outros”. (João 13:34)

Unidade absoluta: “Viver em harmonia uns com os outros”. (Romanos 12:16) Aplicando conhecimento e competência às vidas uns dos outros: “Cheios de conhecimento e competentes para instruir uns aos outros”. (Romanos 15:14)

Servindo uns aos outros: “Vocês, meus irmãos e irmãs, foram chamados para serem livres. Mas não use sua liberdade para satisfazer a carne; antes, sirvam uns aos outros humildemente em amor”. (Gálatas 5:13) … e assim, a lista continua. Isso pode ser feito pelo Zoom ou pelas redes sociais? Até certo ponto, sim. Essa é a forma mais eficaz? Não, por causa da falta de toque, muito da comunicação da linguagem corporal, do ambiente, etc. A frase “tira o zoom” é comum hoje em dia porque as pessoas não receberam a interação vivificante que estar com “um com o outro” dá.

Escrevo isso não para condenar o Zoom ou outras interações de mídia social, mas para encorajá-los a trazer de volta o aspecto face a face vivificante de “um ao outro” para que possamos expressar completamente o que “parece”.

Spanish blog:

¿Cómo sería eso?

Por Andrew Kirk, Director de Generación 2, Sitio web – www.G2gMandate.org, Medios sociales – @G2gMandate

Una de las primeras frases bíblicas que vienen a la mente cuando se considera el ministerio celular es “los  unos a los otros”. Siempre me pone nervioso que las palabras o frases que salen de nuestra lengua se digan sin verdadera claridad o significado. Cuando eso sucede, pregunto: “¿Cómo sería eso?”. Al instante, hay una pausa y una consideración.

Entonces, pregunto: “¿Qué aspecto tendría ‘el uno para el otro’?”. Para mí, significa conexión o interacción. Puede ser para bien o para mal; la conexión puede ser vivificante o perjudicial.

El diccionario Collins lo define como un pronombre: “Se utiliza “los unos a los otros” para indicar que cada miembro de un grupo hace algo para o por los demás miembros”. Así que, de nuevo, denota una relación interactiva.

“¿Cómo se ve en la Biblia?”

Intimidad a un nivel muy vulnerable: “Por lo tanto, confesad vuestros pecados unos a otros y rezad unos por otros para que podáis sanar”. (Santiago 5:16)

Aliento y permanencia en común: “Los israelitas se animaron los unos a los otros y volvieron a ocupar sus puestos en el lugar donde se habían colocado el primer día”. (Jueces 20:22)

Amor a nivel sobrenatural: “Un nuevo mandamiento os doy: Amaos los unos a los otros. Como yo os he amado, así debéis amaros los unos a los otros”. (Juan 13:34)

Unidad absoluta: “Vivan en armonía los unos con los otros”. (Romanos 12:16)

Aplicando el conocimiento y la competencia a la vida de los demás: “Llenos de conocimiento y competentes para instruirse los unos a los otros”. (Romanos 15:14)

Sirviéndonos los unos a los otros: “Vosotros, hermanos míos, habéis sido llamados a ser libres. Pero no uséis vuestra libertad para satisfacer la carne; más bien servíos humildemente unos a otros con amor.” (Gálatas 5:13)

… y así, la lista continúa. ¿Se puede hacer esto a través de Zoom o de las redes sociales? Hasta cierto punto, sí. ¿Es la forma más eficaz? No, debido a la falta de tacto, gran parte de la comunicación del lenguaje corporal, el entorno, etc. La frase “Zoomed out” (alejados) es común en estos días porque la gente no ha recibido la interacción vivificante que da el estar con “el otro”.

Escribo esto no para condenar el Zoom u otras interacciones de los medios sociales, sino para animaros a todos a traer de vuelta el aspecto vivificante cara a cara del “uno con el otro” donde podemos expresar plenamente “el como seria”.

Priority or Integration?

By Andrew Kirk, Director of Generation 2 generation, Website – www.G2gMandate.org, Social Media – @G2gMandate

“God, Ministry, Family: what is the order of priority?” People often ask us this question as we travel internationally, and the question presents a dilemma, a dilemma that we don’t believe needs to exist.

Is there another way to approach the issue of family, God, and ministry? One where everyone is honored? Could the answer be “integration,” God in the family, family in the ministry, ministry in the family, God in the ministry, etc.? When we try to put them in an order, we often create problems. Prioritizing the family/children doesn’t mean ministry has to come third; we can prioritize them within ministry.

We have been in rooms full of pastors, and when we say this, they are often reduced to tears and share how their children have walked away from the faith and were ensnared by the sins of the world. Their “parent’s ministry” has so hurt them that they blame God because He called them into it. Our family has lived this integrated lifestyle for over 30 years as we have traveled to over 40 nations. It is Biblical: “Here are the men who served, together with their sons” (1 Chron. 6:33). God/Family/Ministry are one.

We can give so many examples of how our priorities often hurt children and families.

Here is one: how often have you, as a pastor or cell leader, had to leave your family at home during dinner because someone is in hospital or needs help? So you go and leave the family behind; this is putting things in order of priority

What would it look like if this was all integrated? What if, next time you got a call about someone in need, you pulled your family together to pray for this person, then you asked the children to write letters of encouragement to them? If you have multiple children, they could take it in turns to go and visit people with you (discretion is advised depending on the injury if a person is in hospital), then, afterward, you take that child out for a meal or to get some ice cream, etc. It could become a privilege to go with you, each child excitedly looking forward to their turn.

You blessed the person in need, and the child got special 1:1 time with you, so you and your household can say, “But as for me and my household, we will serve the LORD” (Joshua 24:15). God was in all of it. Integration! This is just one example. Can you see how big the difference is?

In doing this, we have seen so many lives transformed: children’s lives and entire families. God gave you the ministry or leadership position you are in to bless your family, not to harm them. So how can we all use our positions to be a blessing to our families?

Korean blog (click here) 

Portuguese blog:

Prioridade ou Integração?

Andrew Kirk, Diretor do “Generation 2 generation”, Website – www.G2gMandate.org, Mídias Sociais – @G2gMandate

“Deus, Ministério, Família: qual é a ordem correta de prioridade?” Muitas pessoas nos fazem esta pergunta em nossas viagens internacionais, e esta pergunta apresenta um dilema, que não acreditamos precisar existir.

Será que há outra maneira de endereçar este assunto sobre a família, Deus e o ministério? Uma maneira que honre a todos os envolvidos? Será que a resposta poderia ser “integração”, de tal maneira que tenhamos Deus na família, a família no ministério, o ministério na família, Deus no ministério, etc? Normalmente teremos problemas se tentarmos estabelecer uma ordem de prioridade. Priorizar a família e os filhos não significa necessariamente que o ministério viria em terceiro lugar; podemos priorizar a família e os filhos no ministério.

Temos visto salas cheias de pastores que se derramam em lágrimas quando dizemos estas coisas. Pastores que compartilham conosco que seus filhos se afastaram da fé e foram enredados pelos pecados do mundo. O “ministério de seus pais” os machucou tanto que eles culpam a Deus por tê-los chamado a tais ministérios. A nossa família tem vivido este estilo de vida integrado por mais de 30 anos, tempo no qual viajamos a mais de 40 países. É uma ideia que está na Bíblia: “São estes os que serviam com seus filhos” (1 Crônicas 6:33). Deus/Família/Ministério são um só.

Podemos dar muitos exemplos de como nossas prioridades podem ferir nossos filhos e nossas famílias.

Este é um deles: quantas vezes você, em suas atividades pastorais, já precisou deixar sua família no meio de um almoço ou jantar porque alguém precisa de você em um hospital? Você sai e deixa sua família; este é um exemplo de colocar as coisas em sua ordem de prioridade.

Como seria se tudo isto estivesse integrado? E se na próxima vez que você receber uma ligação sobre alguém em necessidade você trouxesse sua família para orarem juntos por esta pessoa, pedisse para que seus filhos escrevessem bilhetes carinhosos e encorajadores para serem entregues à pessoa que está em necessidade? Se você tem muitos filhos, você pode revezar suas visitas, levando cada um dos filhos a uma das visitas (claro, dependendo do assunto, da seriedade da doença e da idade de seus filhos). Depois das visitas, você poderia levar este filho para um passeio, e conversar com ele sobre o assunto e sobre sua vida. As visitas poderiam passar a ser vistas como um privilégio entre os filhos, e quem sabe eles estariam empolgados aguardando o próximo convite.

Você teria abençoado a pessoa que precisa e seus filhos ganhariam um tempo todo especial com você, individualmente. Assim, você poderia dizer: “Eu e a minha casa serviremos ao SENHOR.” Josué 24:15. Deus estaria em tudo que foi feito. Integração!

Este é apenas um dos exemplos. Consegue notar como a diferença é enorme?

Temos visto muitas vidas transformadas através disto. Vidas de filhos e de família inteiras. Deus te entregou seu ministério ou a posição de liderança que você atualmente ocupa para que sua família fosse abençoada e não machucada. Então!? Como todos nós poderemos usar nossas posições para sermos bênção para nossas famílias?

Spanish blog:

¿Prioridad o integración?

Por Andrew Kirk, Director de Generación 2, Sitio web – www.G2gMandate.org, Medios sociales – @G2gMandate

“Dios, Ministerio, Familia: ¿cuál es el orden de prioridad?” La gente a menudo nos hace esta pregunta mientras viajamos internacionalmente, y la pregunta presenta un dilema, un dilema que no creemos que tenga que existir.

¿Existe otra manera de enfocar la cuestión de la familia, Dios y el ministerio? ¿Una en la que todos sean honrados? ¿Podría ser la respuesta “integración”, Dios en la familia, la familia en el ministerio, el ministerio en la familia, Dios en el ministerio, etc.? Cuando tratamos de ponerlos en un orden, a menudo creamos problemas. Dar prioridad a la familia/los hijos no significa que el ministerio tenga que ser el tercero; podemos darles prioridad dentro del ministerio.

Hemos estado en salas llenas de pastores, y cuando decimos esto, a menudo todo se reduce a las lágrimas y comparten cómo sus hijos se han alejado de la fe y fueron atrapados por los pecados del mundo. El “ministerio de sus padres” les ha hecho tanto daño que culpan a Dios porque les llamó a ello. Nuestra familia ha vivido este estilo de vida integrado por más de 30 años mientras hemos viajado a más de 40 naciones. Es bíblico: “Aquí están los hombres que sirvieron, junto con sus hijos” (1 Cron. 6:33). Dios/Familia/Ministerio son uno.

Podemos dar tantos ejemplos de cómo nuestras prioridades a menudo perjudican a los niños y a las familias.

He aquí uno: ¿cuántas veces, como pastor o líder celular, has tenido que dejar a tu familia en casa durante la cena porque alguien está en el hospital o necesita ayuda? Entonces vas y dejas a la familia; esto es poner las cosas en orden de prioridad.

¿Qué pasaría si todo esto estuviera integrado? ¿Y si, la próxima vez que recibas una llamada sobre alguien necesitado, reúnes a tu familia para orar  por esa persona y luego pides a los niños que le escriban cartas de ánimo? Si tienes varios hijos, podrían turnarse para ir a visitar a las personas contigo (se aconseja discreción en función de la lesión si la persona está en el hospital), y luego, después, llevas a ese niño a comer o a tomar un helado, etc. Podría convertirse en un privilegio ir con usted, cada niño esperando con entusiasmo su turno.

Usted bendijo a la persona necesitada, y el niño obtuvo un tiempo especial 1 a 1 con usted. Para que usted y su familia puedan decir: “Pero en cuanto yo y mi casa, serviremos a Jehová” (Josué 24:15). Dios estaba en todo ello. Integración.

Este es sólo un ejemplo. ¿Puedes ver cuán grande es la diferencia?

Al hacer esto, hemos visto tantas vidas transformadas: vidas de niños y familias enteras. Dios te dio el ministerio o la posición de liderazgo en la que estás para bendecir a tu familia, no para perjudicarla. Entonces, ¿cómo podemos usar nuestras posiciones para ser una bendición para nuestras familias?

The Debated, Excused, and Ignored Commandment

By Andrew Kirk, Director of Generation 2 generation, Website – www.G2gMandate.org, Social Media – @G2gMandate

There is no debate about the importance of the ten commandments as foundational for Judeo-Christian nations and every believer… or is there? There is one commandment that is debated and ignored by many:

“Remember the Sabbath day, to keep it holy. Six days you shall labour… the seventh day is the Sabbath of the Lord your God” (Exodus 20:8-10).

This commended is spelled out in more detail so that we might fully understand:

  • It is to be taken seriously because it is important to God, and it belongs to Him.
  • It set the Jewish nation apart from others, a sign between them and God.

Gentile believers, too, are a people set apart for God:

  • Arguments against keeping the Sabbath include that it is Old Testament, but all the commandments are OT! Yet, it is the only one we “argue against.”

Jesus kept Shabbat, but showed how it was to be a blessing, a gift, and demonstrated that by healing on Shabbat. God’s commands are to bless us, not to burden!

On Shabbat in Jerusalem today, there is no public transport available, or work done; the atmosphere tangibly changes. Shops and restaurants close, those observing Shabbat are with families in the home or at the park, and congregations/Synagogues meet. Shabbat begins the night before (Friday night) – preparation is made in advance so once Shabbat starts, so can rest.

What could this look like for Gentiles all over the world? Should the principles not be the same?

“You must observe my Sabbaths. This will be a sign between me and you for the generations to come…” (Exodus 31:13)

It is a sign for future generations. Yet, the importance of a Sabbath has been eroding generation after generation. Apart from attending church, there is often little difference between us and the world on His day.

We have asked what this looks like for us… and we are on a journey. Here are our thoughts:

The Sabbath God gave was to take place Friday evening through Saturday evening. Sunday is a crazy hectic day for most Leaders! Could we not consider restoring Shabbat to the day He ordained? If it mattered to Him, should it not also matter to us?

As a family, Friday evening we have our “Sunday lunch” and maybe playing a board game or something similar, to take us into relaxed mode.

Then Saturday/Shabbat is whatever gives us rest. time spent with both the immediate and extended family, put worship music on in the house, quiet time with Jesus… it can vary.

Most of all, it is refreshing and fun, and I personally wish Shabbat was a whole lot longer.

Whether you are Jew or Gentile… I encourage you to take the command to keep Shabbat as literally and seriously as we do every other command. It is a blessing, refreshing, and a lot of fun!

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O mandamento ignorado, debatido e esquecido.

Andrew Kirk, Diretor do “Generation 2 Generation” Website – www.G2gMandate.org, Mídias Sociais – @G2gMandate

Não há discussão sobre a importância dos dez mandamentos como fundamento das nações judaicas e cristãs, bem como para os crentes… ou será que há? Um dos mandamentos é ignorado por muitos e há muito debate sobre ele:

“Lembra-te do dia de sábado, para o santificar. Seis dias trabalharás e farás toda a tua obra. Mas o sétimo dia é o sábado do SENHOR, teu Deus”; (Êxodo 20:8-10)

Vamos explicar este mandamento com mais detalhes, para que consigamos entender completamente:

  • Ele deve ser observado com seriedade porque é importante para Deus, ele pertence a Deus.
  • Ele separou a nação judaica das outras, é um sinal entre eles e Deus.

Os crentes gentios também são pessoas separadas para Deus:

  • Alguns dos argumentos contra o sábado incluem o fato de que está no Antigo Testamento, mas o fato é de que todos os mandamentos estão no Antigo Testamento e este é o único que é questionado.

Jesus observou o Sábado, mas ao mesmo tempo mostrou que ele deve ser uma bênção, um dom, e demonstrou isso curando no Sábado. As ordenanças de Deus devem servir para nos abençoar e não para ser um peso.

Atualmente, no Sábado em Jerusalém não há transporte público e não se trabalha; a atmosfera muda. Lojas e restaurantes fecham, as pessoas que observam o Sábado fazem isso com suas famílias, em casa ou em parques, congregações e sinagogas. O Sábado começa na noite de sexta e todos os preparativos são feitos antes deste dia, de maneira que quando o Sábado começa eles podem descansar.

Como isso poderia acontecer para os gentios espalhados pelo mundo? Os princípios deveriam ser os mesmos?

“…guardareis os meus sábados; pois é sinal entre mim e vós nas vossas gerações;” (Êxodo 31:13)
É um sinal para as futuras gerações. Ainda assim, a importância do Sábado tem diminuído geração após geração. Fora o fato de nos reunirmos nas igrejas, há muito pouca diferença entre nós e o mundo no Dia do Senhor.

Perguntamos como isso poderia acontecer para nós… e nós estamos em uma jornada. Seguem algumas ideias:

O Sábado que Deus nos entregou deveria iniciar na noite de sexta e ir até a noite de sábado. O Domingo é um dia agitado para a maioria dos líderes! Não deveríamos restaurar o Sábado ao que Ele ordenou? Se era importante para Ele, não deveria ser importante para nós?

Como família, nas noites de sábado fazemos um “lanche de domingo” e às vezes jogamos algum jogo de mesa ou algo parecido, que sirva para nos relaxar.

Depois disso, o Sábado é utilizado em algo que nos sirva de descanso. Pode ser um tempo com nossos familiares mais próximos ou distantes, pode ser um louvor tocando na casa, um tempo à sós com Jesus… há muitas opções.

O mais importante de tudo é que é algo leve e divertido, e eu pessoalmente gostaria que o Sábado durasse muito mais.

Seja você judeu ou gentio… eu o encorajo a observar o mandamento do Sábado literalmente e com a mesma seriedade de todos os outros mandamentos. É uma bênção, é revigorante, e é muito divertido também!

Spanish blog:

El mandamiento debatido, excusado e ignorado

Por Andrew Kirk, director de Generación 2, sitio web: www.G2gMandate.org, redes sociales: @G2gMandate

No hay debate sobre la importancia de los diez mandamientos como fundamentales para las naciones judeocristianas y todo creyente… ¿o sí? Hay un mandamiento que es debatido e ignorado por muchos:

“Acuérdate del día de reposo, para santificarlo. Seis días trabajarás… el séptimo día es sábado del Señor tu Dios” (Éxodo 20:8-10).

Este elogio se explica con más detalle para que podamos entenderlo completamente:

  • Debe tomarse en serio porque es importante para Dios y le pertenece.
  • Distinguió a la nación judía de las demás, una señal entre ellos y Dios.

Los creyentes gentiles también son un pueblo apartado para Dios:

  • Los argumentos en contra de guardar el sábado incluyen que es del Antiguo Testamento, ¡pero todos los mandamientos son del Antiguo Testamento! Sin embargo, es el único contra el que “argumentamos”.

Jesús guardó el Shabat, pero mostró cómo debía ser una bendición, un regalo, y lo demostró sanando en Shabat. ¡Los mandamientos de Dios son para bendecirnos, no para cargarnos!

En Shabat en Jerusalén hoy, no hay transporte público disponible, ni trabajo hecho; la atmósfera cambia tangiblemente. Las tiendas y los restaurantes cierran, los que observan Shabat están con las familias en el hogar o en el parque, y las congregaciones/sinagogas se reúnen. Shabat comienza la noche anterior (viernes por la noche): la preparación se realiza con anticipación para que una vez que comience Shabat, pueda descansar.

¿Cómo podría ser esto para los gentiles de todo el mundo? ¿No deberían ser los mismos principios?

“Debes observar mis sábados. Esto será una señal entre tú y yo para las generaciones venideras…” (Éxodo 31:13)

Es una señal para las generaciones futuras. Sin embargo, la importancia del sábado se ha ido erosionando generación tras generación. Aparte de asistir a la iglesia, a menudo hay poca diferencia entre nosotros y el mundo en Su día.

Hemos preguntado cómo se ve esto para nosotros… y estamos en un viaje. Aquí están nuestros pensamientos:

El sábado que Dios dio debía tener lugar desde el viernes por la noche hasta el sábado por la noche. ¡El domingo es un día loco y agitado para la mayoría de los líderes! ¿No podríamos considerar la restauración de Shabat al día que Él ordenó? Si le importaba a Él, ¿no debería importarnos también a nosotros?

En familia, el viernes por la noche tenemos nuestro “almuerzo del domingo” y tal vez jugamos un juego de mesa o algo similar, para llevarnos a un modo relajado.

Entonces Sábado/Shabat es lo que nos da descanso. pasar tiempo con la familia inmediata y extendida, poner música de adoración en la casa, tiempo de tranquilidad con Jesús… puede variar.

Sobre todo, es refrescante y divertido, y personalmente desearía que Shabat fuera mucho más largo.

Ya seas judío o gentil… te animo a que tomes el mandato de guardar el Shabat tan literal y seriamente como lo hacemos con cualquier otro mandato. ¡Es una bendición, refrescante y muy divertido!