Momentum Gained – Not Lost!

By Andrew Kirk, Director of Generation 2 generation, Website – www.G2gMandate.org, Social Media – @G2gMandate

I hear people talking about “pressing pause.” For many, this is interpreted as “stopping.” I have a slightly different perspective and would describe this “pause” as “re-evaluating” but still moving. One implies standing still, the other a more proactive connotation.

As a ministry, we were running fast around the world pre-COVID, traveling 6-9 months of the year. Being grounded provided a great moment to re-evaluate how we continued to do what God was asking of us, keeping the vision and mandate but moving forward. We took a proactive look, not just for this time but also for the future. Our challenge was how we could reflect without losing momentum and also go forward, learning from this moment to be better prepared for what is to come.

Pausing but not losing momentum during this time of crisis is a great opportunity to reintroduce, mobilize, or focus on biblical concepts and culture that have been in danger of being lost – or of not reaching their potential. Let me give some examples:

Parental Empowering

For years, we have spoken to church leaders about empowering parents to be the primary disciplers of their children and to move away from churches taking that role. While in many nations, “big wing and small wing” have been in lockdown, this “crisis” provided a great opportunity for churches to empower parents at home. Church structures were stripped away, children and youth ministry could connect via Zoom, but that was it. Re-evaluating gave a moment not to be lost, to reintroduce empowering parents, and to ensure that newfound parental empowerment continues into the future. Momentum gained – not lost.

Relying on Cells

Many of the churches that have thrived during this challenging season are those with healthy cells. They were able to mobilize much faster and efficiently than the larger church body. What a fantastic moment to strengthen and prepare them for the years ahead, which will continue to be difficult, to say the least! This is a time for them to see the unique value they have both now and for the future. Momentum gained – not lost.

Every Member Is a Minister 

On the one hand, we have been “distanced,” but on the other hand, the value of personal relationships has never been more evident. Going to the Pastor has not been possible. People have needed a phone call, an encouraging Zoom call, a card, a gift, or food…every member ministry has been required during this crisis. The challenge is ensuring this does not get lost if / when the big wing is fully operational again. Momentum gained – not lost.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Momentum Ganho – Não Perdido!

Por Andrew Kirk, Diretor da Geração 2 geração, website – www.G2gMandate.org, Social Media – @ G2gMandate

Eu ouço pessoas falando sobre “pressionar a pausa”. Para muitos, isso é interpretado como “parar”. Eu tenho uma perspectiva um pouco diferente e descreveria essa “pausa” como uma “reavaliação”, mas ainda em movimento. Um implica ficar parado, o outro uma conotação mais pró-ativa.

Como ministério, nós estávamos correndo ao redor do mundo antes do COVID, viajando de 6 a 9 meses por ano. Estar com os pés no chão proporcionou um grande momento para reavaliar como nós continuamos a fazer o que Deus estava pedindo de nós, mantendo a visão e o mandato, porém seguindo em frente. Nós fizemos um olhar proativo, não apenas para esta época, mas também para o futuro. Nosso desafio era como nós poderíamos refletir sem perder o ímpeto e também seguir em frente, aprendendo a partir deste momento para estarmos mais preparados para o que está por vir.

Pausar, mas não perder o ímpeto durante este tempo de crise, é uma grande oportunidade para reintroduzir, mobilizar ou enfocar os conceitos e cultura bíblicos que correm o risco de se perder – ou de não atingir seu potencial. Deixe-me dar alguns exemplos:

Empoderamento dos pais
Por anos, falamos com os líderes da igreja sobre capacitar os pais para serem os principais discipuladores de seus filhos e afastarem das igrejas a condição desse papel. Embora em muitas nações a “asa grande e a asa pequena” tenham estado bloqueadas, esta “crise” proporcionou uma grande oportunidade para as igrejas capacitarem os pais em casa. As estruturas da igreja foram retiradas, o ministério de crianças e jovens pôde se conectar via Zoom, mas foi isso. A reavaliação deu um momento para não ser perdido, para reintroduzir o empoderamento dos pais e para garantir que o novo empoderamento parental continue no futuro. Momentum ganho – não perdido.

Depender de células
Muitas das igrejas que prosperaram durante esta época desafiadora são aquelas com células saudáveis. Eles foram capazes de se mobilizar com muito mais rapidez e eficiência do que o corpo maior da igreja. Que momento fantástico para fortalecê-los e prepará-los para os próximos anos, que continuarão a ser difíceis, para dizer o mínimo! Este é o momento para eles verem o valor único que têm agora e no futuro. Momentum ganho – não perdido.
 
Cada membro é um ministro
Por um lado, temos estado “distanciados”, contudo por outro lado, o valor das relações pessoais nunca foi tão evidente. Ir ao pastor não foi possível. As pessoas precisam de um telefonema, uma ligação encorajadora do Zoom, um cartão, um presente ou comida … todo  membro sendo um ministro foi necessário durante esta crise. O desafio é garantir que isso não se perca se/quando a asa grande estiver totalmente operacional novamente. Momentum ganho – não perdido.

Spanish blog:

¡Impulso ganado, no perdido!

Por Andrew Kirk, Director de Generación 2, Sitio web – www.G2gMandate.org, Redes sociales – @ G2gMandate

Escucho a las personas hablar de “presionar pausa”. Para muchos, esto se interpreta como “detenerse”. Tengo una perspectiva ligeramente diferente y describiría esta “pausa” como “reevaluación” pero aún en movimiento. Una implica quedarse quieto, la otro una connotación más proactiva.

Como ministerio, corríamos rápido alrededor del mundo antes del COVID, viajando de 6 a 9 meses al año. Estar enraizados proporcionó un gran momento para reevaluar cómo continuamos haciendo lo que Dios nos estaba pidiendo, manteniendo la visión y el mandato pero avanzando. Tomamos una mirada proactiva, no solo para este momento sino también para el futuro. Nuestro desafío era cómo podíamos reflexionar sin perder el impulso y también seguir adelante, aprendiendo de este momento para estar mejor preparados para lo que está por venir.

Hacer una pausa pero no perder el impulso durante este tiempo de crisis es una gran oportunidad para reintroducir, movilizar o enfocarse en los conceptos bíblicos y la cultura que han estado en peligro de perderse, o de no alcanzar su potencial. Déjame dar algunos ejemplos:

Empoderamiento de los padres

Durante años, hemos hablado con los líderes de la iglesia sobre el empoderamiento de los padres para que sean los principales discipuladores de sus hijos y se alejen de las iglesias que asumen ese papel. Mientras que en muchas naciones, el “ala grande y ala pequeña” han estado bloqueadas, esta “crisis” brindó una gran oportunidad para que las iglesias empoderaran a los padres en casa. Las estructuras de la iglesia fueron eliminadas, sin embargo el ministerio de niños y jóvenes pudo conectarse vía Zoom, pero eso fue todo. La reevaluación brindó un momento que no debe perderse, para reintroducir el empoderamiento de los padres y para garantizar que el nuevo empoderamiento de los padres continúe en el futuro. Impulso ganado, no perdido.

Depender de las células

Muchas de las iglesias que han prosperado durante esta temporada desafiante son aquellas con células sanas. Pudieron movilizarse mucho más rápido y eficientemente que el cuerpo de la iglesia más grande. ¡Qué momento tan fantástico para fortalecerlos y prepararlos para los años venideros, que seguirán siendo difíciles, por decir lo mínimo! Este es un momento para que vean el valor único que tienen tanto ahora como para el futuro. Impulso ganado, no perdido.

Cada miembro es un ministro

Por un lado, nos hemos “distanciado”, pero por otro lado, el valor de las relaciones personales nunca ha sido más evidente. Ir al Pastor no ha sido posible. La gente ha necesitado una llamada telefónica, una llamada Zoom que de aliento, una tarjeta, un regalo o comida … todos los ministerios miembros han sido necesarios durante esta crisis. El desafío es garantizar que esto no se pierda cuando el ala grande vuelva a estar en pleno funcionamiento. Impulso ganado, no perdido

Authentic Team Coaching

By Andrew Kirk, Director of Generation 2 generation, Website – www.G2gMandate.org, Social Media – @G2gMandate

Certain skill sets are needed to develop a team of coaches. This might mean the first step is to evaluate yourself and work on the principles needed to do this. Developing a team is developing people, and people get hurt if we are not adequately prepared to invest time with them. So let’s look at some principles.

Communicate well.  Excellent communication develops trust with your coaches. Communication is about vision and strategy, but also your underlying leadership values. It will mean being in touch with your coaches and communicating with understanding while also being vulnerable about your own life. Communication with passion and empathy connects with your team as people, not just as coaches.

Be available. Your team must know they can approach you. Having set times to meet as a team, and as individuals, will develop trust when you listen as well as when you speak into their lives.

Be reliable. Your coaches need you to be dependable and consistent in every area. They need to know you will press ahead, treating people equally. The key is consistency. Yes, you will have different relationships with different people, but the key is to treat everyone with respect.

Trust enough to delegate. This is huge for many Pastors. The church is their “baby.” The cells are their “vision and offspring.” But recognizing the gifts of your coaching teams and trusting them to coach their cell leaders without constant “interference” is extremely important. It is allowing them to make mistakes along the way. Remember that you made plenty of them!

Understand coaching. You are a coach to the coaches. If you have never coached a cell leader, you are in danger of trying to lead others who understand more than you. If you have been where they are, you gain respect and credibility. You can cheer them on and encourage with the words “been there, done it, I am with you!”

Be creative. Be the person that can lead a team through challenges and problems because you think outside the box. When your team gets stuck, you can help them get unstuck. When they meet a problem, you can help them get through it.

The goal is to glorify Jesus Christ by making disciples who make disciples. As we pour into our team members, they will in turn pass on what they have learned to each other and to their own teams. In this way, the cells will continue to bear fruit for God’s glory.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Uma supervisão autêntica

Andrew Kirk, Diretor do programa Generation 2 generation, Website – www.G2gMandate.org, Mídia Social – @G2gMandate

Há um conjunto de características e habilidades necessárias para desenvolver uma equipe de supervisores. Isso significa que os primeiros passos possivelmente sejam uma autoavaliação e trabalho nos princípios necessários para esta tarefa. Desenvolver uma equipe é desenvolver pessoas e as pessoas se machucam se não estivermos bem preparados para investir tempo nelas. Portanto, vamos pensar sobre alguns destes princípios.

Comunique-se bem. Uma comunicação de excelência traz confiança aos seus supervisores. Comunicação tem a ver com visão e estratégia, mas também com os valores de liderança que você traz. Isso significa que será necessário estar em contato com seus supervisores e comunicar-se com assertividade, mantendo-se aberto sobre sua própria vida. A comunicação aliada à paixão e à empatia permite a conexão com a sua equipe enquanto pessoas, não somente supervisores.

Esteja disponível. Sua equipe precisa saber que podem entrar em contato com você. Uma agenda definida para encontros em grupo e individualmente ajudará a estabelecer confiança quando você estiver ouvindo tanto quando estiver ministrando em suas vidas.

Seja confiável. Seus supervisores precisam que você seja confiável e consistente em todas as áreas. Eles precisam saber que você vai prosseguir, tratando todos da mesma maneira. A chave é a consistência. Sim, você terá relacionamentos diferentes com diversas pessoas, mas a chave é tratar todos com respeito.

Confie o suficiente para delegar. Isso é muito difícil para muitos pastores. A igreja é como se fosse “seu bebê”. As células são como “sua visão e seu legado”. Mas o reconhecimento dos dons em suas equipes de supervisores e a confiança depositada neles para que supervisionem sem sua constante “interferência” é algo muito importante. É a permissão para que cometam erros ao longo da caminhada. Lembre-se que você cometeu muitos erros também.

Entenda o processo de supervisão. Você é o supervisor dos supervisores. Se você nunca supervisionou um líder de célula, você corre o risco de tentar liderar pessoas que entendem mais do que você sobre este assunto. Se você já esteve em seus papéis, você ganha respeito e credibilidade. Você pode animá-los e encorajá-los com coisas do tipo “já passei por isso, estamos juntos!” .

Seja criativo. Seja a pessoa que consegue liderar uma equipe em meio a desafios e problemas porque consegue pensar “fora da caixa”. Quando sua equipe emperrar, você poderá ajuda-los a continuar a caminhada. Quando encontrarem um problema, você poderá ajuda-los a superar as dificuldades.

O objetivo é trazer glória a Jesus Cristo através da missão de fazer discípulos que fazem discípulos. À medida que nos derramamos sobre a vida de cada pessoa em nossa equipe, eles por sua vez, passarão adiante o que têm aprendido. Desta forma, as células continuarão a frutificar para a glória de Deus.

Spanish blog:

Por Andrew Kirk, Director de Generación 2, Sitio web – www.G2gMandate.org, Redes sociales – @ G2gMandate

Se necesitan ciertos conjuntos de habilidades para desarrollar un equipo de supervisores. Esto podría significar que el primer paso es evaluarse a sí mismo y trabajar en los principios necesarios para hacerlo. Desarrollar un equipo es desarrollar personas, y las personas se lastiman si no estamos adecuadamente preparados para invertir tiempo con ellos. Así que veamos algunos principios.

Comunicarse bien. La excelente comunicación genera confianza con tus supervisores. La comunicación tiene que ver con la visión y la estrategia, pero también con los valores de liderazgo subyacentes. Significará estar en contacto con tus supervisores, comunicarte con comprensión al mismo tiempo que ser vulnerable acerca con tu vida. La comunicación con pasión y empatía conecta con tu equipo como personas, no solo como supervisores.

Estar disponible. Tu equipo debe saber que pueden acercarse a ti. Habiendo establecido horarios para reunirse como equipo y como individuos, desarrollarás la confianza tanto cuando escuches como cuando hables a sus vidas.

Ser confiable. Tus supervisores necesitan que seas confiable y consistente en todas las áreas. Necesitan saber que tu seguirás adelante, tratando a las personas por igual. La clave es la coherencia. Sí, tendrás diferentes relaciones con diferentes personas, pero la clave es tratar a todos con respeto.

Confía lo suficiente para delegar. Esto es muy grande para muchos pastores, pues ven a la iglesia como su “bebé”. Las células son su “visión y su descendencia”. Pero reconocer los dones de sus equipos de supervisores y confiar en ellos para entrenar a sus líderes celulares sin una constante “interferencia” es extremadamente importante. Les permites cometer errores en el camino. ¡Recuerda que tu cometiste muchos de ellos!

Entiende la supervision. Tu supervisas a los supervisores. Si nunca has supervisado a un líder celular, corres el peligro de tratar de guiar a otros que entienden más que tu. Si has estado donde están, ganas respeto y credibilidad. Puedes ayudarlos y animarlos con las palabras “¡he estado allí, lo he hecho, estoy contigo!”

Ser creativo. Se la persona que pueda liderar un equipo a través de desafíos y problemas porque piensa fuera de la caja. Cuando tu equipo se atasque, puedes ayudarlos a seguir. Cuando se encuentran con un problema, tu puedes ayudarlos a superarlo.

El objetivo es glorificar a Jesucristo haciendo discípulos que hagan discípulos. A medida que nos volcamos a los miembros de nuestro equipo, ellos a su vez transmitirán lo que han aprendido entre ellos y a sus propios equipos. De esta forma, las células seguirán dando frutos para la gloria de Dios.

The Courage to Make Mistakes

By Andrew Kirk, Director of Generation 2 generation, Website – www.G2gMandate.org, Social Media – @G2gMandate

Everyone can think of mistakes they have made in family, work, ministry, social life, and so forth. Hopefully, we learn from them and grow. By making these mistakes we gain much-needed wisdom and experience for the future. While we want to avoid mistakes when possible, it’s also important we learn valuable lessons. Why is this important? 

There is a phrase that goes something like, “I made mistakes, so you don’t have to!” While that can be good in some situations, like sin, it doesn’t apply to all aspects of life and isn’t necessarily a good thing in many areas.

Let’s take the world we lived in before Covid-19, for example. As leaders, we could give people possible models/plans of what would and wouldn’t work. Mistakes could generally be avoided. Fast forward into our current Covid-19 world, and everything has changed. If others continue the way we originally told them to, huge mistakes could now be made. Why? Because very little from our pre-COVID-19 ministries apply to this “new world”.

Helping people to navigate and maneuver through mistakes, to adapt and overcome, might be more time consuming and challenging to us as leaders, but it sets others up for success in the long term. Releasing people is challenging as we stand back and watch them make mistakes, but people learn from them. Our responsibility is to help people know how to respond to their mistakes, in humility and grace. We must learn how to make mid-course corrections, stay focused, and not be defeated.
 
Even if we have followers doing everything we say or do, they will still make mistakes. Why? Because we, too, keep making mistakes, and we will continue to make them.

Jesus knew that His disciples would make mistakes. He also knows we will make mistakes. Yet, he continues to release and trust us.

The issue isn’t the mistakes themselves. Rather, it’s how we respond to them. It’s all about character and maturity. Will we continue to encourage those who make mistakes? Or will we give up on them? For example, in Galatians 2:11, we see Peter making a huge mistake. Jesus knew Peter would make these mistakes, but did it stop Jesus from using him.  Jesus used all the disciples knowing they would make mistakes, yet He placed the future of the church in their hands.

So much of this is about the heart, not the action or even the result. We need to allow people the freedom to fly and that will include allowing them to make mistakes. Let’s release people without abandoning them. Let’s cheer them on, knowing that this is how they grow and become more like Jesus!

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

A Coragem para Cometer Erros

Por Andrew Kirk, Diretor da Generation 2 generation, Website – www.G2gMandate.org, Mídia Social – @G2gMandate

Todo mundo consegue pensar nos erros que eles cometeram em família, trabalho, ministério, vida social, e assim por adiante. Esperasse que nós aprendamos com nossos erros e cresçamos. Por cometer esses erros nós ganhamos muita sabedoria e experiência necessária para o futuro. Enquanto nós queremos evitar os erros o máximo possível, é importante também que aprendamos lições valiosas. Por que isso é tão importante?

Existe uma frase que diz algo assim: “Eu cometi erros, para que você não tenha que cometê-los!”

Enquanto isso pode ser bom em algumas situações, como o pecado, isso não se aplica em todos os aspectos da vida e não é necessariamente uma coisa boa em muitas áreas. 

Vamos ver o mundo que nós vivíamos antes da Covid-19, por exemplo. Como líderes nós poderíamos dar as pessoas possíveis modelos/planos do que poderia e não poderia funcionar. Erros poderiam ter sido evitados. Acelere para nosso atual mundo Covid-19, e tudo mudou. Se outros continuam o modo que nós originalmente dissemos a eles, grandes erros poderiam ser cometidos hoje. Por quê? Porque muito pouco do nosso ministério pré-Covid-19 aplicasse ao “novo mundo”.

Ajudar pessoas a navegar e manobrar através de erros, adaptar e vencer, pode consumir mais tempo e ser mais desafiador para nós líderes, porém isso prepara os outros para o sucesso no longo prazo. Liberar as pessoas é desafiador ao darmos um passo para trás e vê-los cometer erros, contudo as pessoas aprendem com eles. Nossa responsabilidade é ajudar as pessoas a saber como responder aos seus erros, em humildade e graça. Nós devemos aprender a como fazer correções em meio ao curso, permanecer focado e não ser derrotado.

Mesmo se nós tivermos discípulos que fazem tudo o que nós dissemos, eles ainda assim cometem erros. Por quê? Porque nós também continuamos cometendo erros e  nós continuaremos a cometê-los.

Jesus sabia que Seus discípulos cometeriam erros. Ele também sabe que nós cometermos erros. Ainda assim ele continua a nos liberar e confiar em nós.

O problema não são os erros em si. Ao contrário, é como nós respondemos a eles. È sobre caráter e maturidade. Nós continuaremos a encorajar aqueles a cometerem erros? Ou nós desistiremos deles? Por exemplo, em Gálatas 2:11 nós vemos Pedro cometendo um grande erros. Jesus sabia que Pedro cometeria esses erros, porém isso não Jesus deixar de usá-lo. Jesus usou todos os discípulos sabendo que eles iriam cometer erros, ainda assim Ele colocou o futuro da igreja nas mãos deles.

Muito disso aqui é sobre o coração, não a ação nem mesmo o resultado. Nós precisamos permitir as pessoas a liberdade de voar e isso incluirá permitir que eles cometam erros. Vamos liberar as pessoas sem abandoná-las. Vamos torcer por elas, sabendo que é assim elas crescem e se tornam mais como Jesus!

Spanish blog:

El coraje de cometer errores

Por Andrew Kirk, Director de Generación 2, Sitio web – www.G2gMandate.org, Redes sociales – @ G2gMandate

Todos pueden pensar en los errores que han cometido en la familia, el trabajo, el ministerio, la vida social, etc. Con suerte, aprendemos de ellos y crecemos. Al cometer estos errores, ganamos la sabiduría y la experiencia que tanto necesitamos para el futuro. Si bien queremos evitar errores cuando sea posible, también es importante que aprendamos lecciones valiosas. ¿Porque es esto importante?

Hay una frase que dice algo así como: “Cometí errores, ¡así que tú no tienes que cometerlos!” Si bien eso puede ser bueno en algunas situaciones, como el pecado, no se aplica a todos los aspectos de la vida y no es necesariamente algo bueno en muchas áreas.

Tomemos el mundo en el que vivíamos antes del Covid-19, por ejemplo. Como líderes, podríamos brindarle a la gente posibles modelos / planes de lo que funcionaría y lo que no. Los errores generalmente se podían evitar. Avancemos al presente, a nuestro mundo actual con Covid-19, y todo ha cambiado. Si otros continúan de la manera que les dijimos originalmente, ahora se podrían cometer grandes errores. ¿Por qué? Porque muy poco de nuestros ministerios anteriores al Covid-19 se aplican a este “nuevo mundo”.

Ayudar a las personas a navegar y maniobrar a través de los errores, a adaptarse y superarlos, puede llevar más tiempo y ser un desafío para nosotros como líderes, pero prepara a otros para el éxito a largo plazo. Liberar a las personas es un desafío, ya que nos apartamos y vemos cómo cometen errores, pero la personas aprenden de ellos. Nuestra responsabilidad es ayudar a las personas a saber cómo responder a sus errores, con humildad y gracia. Debemos aprender a hacer correcciones a mitad de camino, mantenernos enfocados y no ser derrotados.

Incluso si tenemos seguidores que hacen todo lo que decimos o hacemos, ellos seguirán cometiendo errores. ¿Por qué? Porque nosotros también seguimos cometiendo errores y seguiremos cometiéndolos.

Jesús sabía que sus discípulos cometerían errores. También sabe que nosotros cometeremos errores. Sin embargo, continúa liberándonos y confiando en nosotros.

El problema no son los errores en sí mismos. Más bien, es cómo respondemos ante ellos. Se trata de carácter y madurez. ¿Seguiremos animando a los que cometen errores? ¿O nos rendiremos con ellos? Por ejemplo, en Gálatas 2:11, vemos a Pedro cometiendo un gran error. Jesús sabía que Pedro cometería estos errores, pero ¿impidió que Jesús lo usara? Jesús usó a todos los discípulos sabiendo que cometerían errores, sin embargo, puso el futuro de la iglesia en sus manos.

Mucho de esto tiene que ver con el corazón, no con la acción o incluso con el resultado. Necesitamos permitir a las personas la libertad de volar y eso incluirá permitirles cometer errores. Liberemos a las personas sin abandonarlas. ¡Animémoslos, sabiendo que así es como crecen y se vuelven más como Jesús!

Stir Up Passion

By Andrew Kirk, Director of Generation 2 generation, Website – www.G2gMandate.org, Social Media – @G2gMandate

Passion is key to inspiration, incentive, pushing forward, and navigating the highs and the lows. It builds momentum, energy, and stamina for perseverance. Passion is like a fire that quickly gains momentum. It is caught, not taught. Passion must be owned in a person’s heart, so that it becomes part of who they are.                                                                  

So what are some of the keys to stirring passion?

A good experience of cell life

creates a desire for more. If people have negative experiences, it won’t inspire them to keep returning. We need to make sure our cells are healthy. And healthy cells will multiply, and the vision will spread enthusiastically.

People want to experience the “benefits”

of being part of a cell. When the cell is used by God to be an instrument of healing and transformation in a person’s life, family, and/or church, the testimony that follows provokes passion both in that person and others who hear. If there is no “benefit” then passion can become hard to maintain. A consistent feeling of receiving nothing or plowing through cell issues week after week can quench passion.

Teaching and discussing the Biblical basis 

for cells will reinforce the belief that they are not just a good idea that will finish when the next idea comes along. Rather, they are the core to the life of the church, both in Biblical times and today. Application of the Word in cell groups will enable people to really apply the truths to their own lives. They will also evaluate themselves from a Biblical foundation, like whether or not they’re living in  community and practicing the one-anothers. This brings head knowledge (logos) to the heart (rhema) and rhema brings passion, a passion that means it naturally overflows to others, including the next generation.

The Bible constantly talks about His Word being in the heart (Hebrews 8:10), because out of the heart comes passion.

People need to be actively involved in the mission,

not a bystander or even just a recipient but a contributor. The more they feel fully engaged, receiving and giving, the more fully integrated they will be into the community of the King.

Ultimately most important is a love for Jesus,

which will have an outworking in love for people and a desire to be part of the cell community where Jesus is center. Love for Jesus and love for people are intertwined in cell life.

These are just a few keys to help to stir up passion for cell ministry.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Aquecendo a paixão

Andrew Kirk, Diretor do “Generation 2 generation”, Website – www.G2gMandate.org, Mídia Social – @G2gMandate

A paixão é a chave para a inspiração, para o incentivo, para a continuidade das ações e para que seja possível prosseguir navegando entre os altos e baixos. É a paixão que cria o “momento”. Ela não é ensinada, é abraçada. A paixão precisa possuir o coração da pessoa, até que se torne efetivamente parte de quem ela é.

Então, quais são algumas chaves para que a paixão seja aquecida?

Uma experiência positiva do viver em células

cria o desejo de viver cada vez mais desta maneira. Quando as pessoas têm experiências negativas, isso faz diminuir seu desejo por retornar. Precisamos nos esforçar para que nossas células sejam sadias. Células sadias se multiplicarão e a visão vai se espalhar com entusiasmo.

A pessoas querem experimentar as “vantagens”

de fazer parte de uma célula. Quando a célula é usada por Deus como instrumento de cura e transformação na vida das pessoas, família e igreja, o testemunho que se segue provoca a paixão tanto em quem testemunha quando naqueles que o ouvem. Se não houver “vantagens” então pode ser difícil manter a paixão acesa. Uma sensação constante de que não se recebe nada e de que somente há batalhas nas questões da célula semana após semana, pode certamente fazer esfriar a paixão.

Ensinar e discutir o embasamento bíblico

para o viver em células reforçará a certeza de que tudo isso não é simplesmente uma boa ideia que desaparecerá quando a próxima ideia chegar. Ao invés disso, é o sentido real da vida da igreja, tanto nos tempos bíblicos como hoje em dia. A aplicação da Palavra de Deus nas células permitirá que as pessoas realmente apliquem estas verdades em suas próprias vidas. Eles também poderão avaliar-se através dos fundamentos bíblicos, se estão ou não vivendo em comunidade e praticando o amor um ao outro. Isto traz entendimento racional (logos) ao coração (rhema) e rhema traz paixão, uma paixão que naturalmente transborda para os outros, incluindo a próxima geração.,

A Bíblia constantemente fala sobre a Palavra de Deus estar no coração (Hebreus 8:10), pois é do coração que vem a paixão.

As pessoas precisam estar ativamente envolvidas na missão

e não apenas assistir ou ainda serem apenas recebedores, mas efetivamente contribuírem. Quanto mais se sentirem engajadas, recebendo e ministrando, mais elas se sentirão completamente integradas elas estarão na comunidade do Rei Jesus.

No final das contas, o mais importante é o amor por Jesus

e o desejo de fazer parte de uma comunidade em células onde o centro é Jesus. O amor a Ele e o amor pelas pessoas fazem parte do tecido que é o viver em células.

Estas são apenas algumas das chaves que podem ser utilizadas para aquecer a paixão pelo ministério em células.

Spanish blog:

Enciende la pasión

Por Andrew Kirk, director de Generación 2, sitio web – www.G2gMandate.org, redes sociales – @ G2gMandate

La pasión es clave para la inspiración, el incentivo, el seguir adelante y navegar por los altos y bajos. La pasión genera impulso, energía y resistencia para la perseverancia. La pasión es como el fuego que rápidamente gana impulso, se toma, no se enseña. La pasión debe pertenecer al corazón de una persona, para que se convierta en parte de lo que es.

Entonces, ¿cuáles son algunas de las claves para despertar la pasión?

Una buena experiencia de vida celular.

crea un deseo de más. Si las personas tienen experiencias negativas, no les inspirará a seguir regresando. Necesitamos asegurarnos de que nuestras células estén sanas. Y las células sanas se multiplicarán y la visión se extenderá con entusiasmo.

La gente quiere experimentar los “beneficios”

de ser parte de una célula. Cuando Dios usa la célula para ser un instrumento de sanidad y transformación en la vida, la familia y / o la iglesia de una persona, el testimonio que sigue provoca pasión tanto en esa persona como en otros que escuchan. Si no hay “beneficio”, la pasión puede volverse difícil de mantener. Un sentimiento constante de no recibir nada o de lidiar con los problemas celulares semana tras semana puede apagar la pasión.

Enseñar y discutir la base bíblica

porque las células reforzarán la creencia de que no son solo una buena idea que terminará cuando surja la siguiente. Más bien, son el núcleo de la vida de la iglesia, tanto en los tiempos bíblicos como en la actualidad. La aplicación de la Palabra en grupos celulares permitirá a las personas aplicar realmente las verdades a sus propias vidas. También se evaluarán a sí mismos desde un fundamento bíblico, como si viven o no en comunidad y practican el amor los unos a los otros. Esto lleva el conocimiento de la cabeza (logos) al corazón (rhema) y rhema trae pasión, una pasión que significa que naturalmente se desborda a los demás, incluida la próxima generación.

La Biblia habla constantemente de que Su Palabra está en el corazón (Hebreos 8:10), porque del corazón surge la pasión.

Las personas deben participar activamente en la misión,

no como un espectador o incluso un destinatario, sino un contribuyente. Cuanto más se sientan plenamente comprometidos, recibiendo y dando, más plenamente integrados estarán en la comunidad del Rey.

En última instancia, lo más importante es el amor por Jesús,

que tendrá una manifestación de amor por las personas y el deseo de ser parte de la comunidad celular donde Jesús es el centro. El amor por Jesús y el amor por las personas están entrelazados en la vida celular.

Estas son solo algunas claves para ayudar a despertar la pasión por el ministerio celular.

Evidence Of Hope

By Andrew Kirk, Director of Generation 2 generation, Website – www.G2gMandate.org, Social Media – @G2gMandate

Now faith is the substance of things hoped for, the evidence of realities not seen.  For by it the elders received a commendation (Hebrew 11:2).

This passage says that Faith is the substance or confidence gained from our hope. When we have hope, we have faith, and when we have faith, we have the assurance or confidence for those things that we do not see.

We often hear phrases like, “it is hopeless.”, “I have no hope of…”, or when a bad medical diagnosis is received for instance, “There is no hope!”? These words echo into a person’s soul and the almost automatic result is that faith disappears too, leaving people powerless and without vision (or faith) for a positive outcome.

Hebrews 11 goes on to give examples of those whose faith pleased God. They had promises that were given in times of great difficulty and impossible for them to see at the time, but they were “things hoped for.”

These people were in “hopeless” situations, yet they kept the vision, and their faith rose. What was their hope? Where was it directed?

“But as it is, they yearn for a better land – that is, a Heavenly one. Therefore, God is not ashamed to be called their God, for He has prepared a city for them”(Hebrews 11:16).

They looked beyond the things of this earth and into the future, setting their desires/hope on the coming Kingdom of God.

These people of faith yearned for something not of this earth, for things they couldn’t see and what seemed impossible. Through their trials and testing, they developed a hope that did not disappoint them (Romans 5:5). Their sights were set on a Kingdom, not of this earth and one they could see, but a Kingdom to come… God’s Kingdom! That which is unshakable, never failing, certain and sure.

Because of their faith, they were honored. They had faith for those things that surpassed this age and God saw fit to keep a record of all they accomplished.

What a great example to us as leaders!

Let us return to focus on the Kingdom to come, on the coming King, the One that is the Giver of life, the One who is faithful.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Evidências de Esperança

Por By Andrew Kirk, Diretor do Generation 2 generation, Website – www.G2gMandate.org, Mídia Social – @G2gMandate

Ora, a fé é a certeza daquilo que esperamos e a prova das coisas que não vemos. Pois foi por meio dela que os antigos receberam bom testemunho. (Hebreus 11:1,2).

Essa passagem diz que Fé é a substância ou confiança obtida pela nossa esperança. Quando nós temos esperança, nós temos fé, e quando temos fé, nós temos a segurança ou confiança pelas coisas que nós não vemos.

Nós ouvimos frequentemente frases como “já era”, “eu não tenho esperança de …”, ou quando um diagnóstico médico ruim é recebido, por exemplo, “Não há esperança!”? Essas palavras fazem eco dentro da alma de uma pessoa e também quase que automaticamente resulta no desaparecer da fé, deixando as pessoas sem poder e sem visão (ou fé) para um resultado positivo.

Hebreus 11 vai adiante em dar exemplos daqueles cuja fé agradou a Deus. Eles tinham promessas que foram dadas em tempos de grande dificuldade e impossível para que eles vissem à época, mas elas eram “coisas que se esperavam”.

Essas pessoas estavam em situações de “desesperança”, ainda assim eles mantiveram a visão, e a fé deles aumentou. O que era a esperança deles? Para onde ela estava apontada?

Em vez disso, esperavam eles uma pátria melhor, isto é, a pátria celestial. Por essa razão Deus não se envergonha de ser chamado o Deus deles, pois preparou-lhes uma cidade.” (Hebreus 11:16).

Eles olhavam para além das coisas dessa terra e para dentro do futuro, ajustando seus desejos/esperança no Reino de Deus que virá.

Essas pessoas de fé ansiavam por algo que não era dessa terra, por coisas que eles não podiam ver e que parecia impossível. Através de suas tribulações e provações eles desenvolveram uma esperança que não os desapontou (Romanos 5:5). Seus olhares estavam firmados no Reino, não em um dessa terra e que eles pudessem ver, mas em um Reino que virá… o Reino de Deus! Aquele que é firme, nunca falha, certo e seguro.

Por causa de sua fé, eles foram honrados. Eles tinham fé para aquelas coisas que surpassaram essa era e Deus viu justo manter um registro de tudo o que eles conquistaram.

Que grande exemplo para nós como líderes!

Vamos retornar o foco no Reino que virá, no Rei que vem, Naquele que é o Doador da vida, Aquele que é fiel.

Spanish blog:

Evidencia de esperanza

Por By Andrew Kirk, Director de Generación 2 generación, Sitio web – www.G2gMandate.org, Social Media – @ G2gMandate

Es, pues, la fe la certeza de lo que se espera, la convicción de lo que no se ve. Porque por ella alcanzaron buen testimonio los antiguos. (Hebreos 11: 2).

Este pasaje dice que la fe es la sustancia o la confianza obtenida de nuestra esperanza. Cuando tenemos esperanza, tenemos fe, y cuando tenemos fe, tenemos la seguridad o la confianza de aquellas cosas que no vemos.

A menudo escuchamos frases como “no hay esperanza”, “no tengo esperanza de …”, o cuando se recibe un mal diagnóstico médico, por ejemplo, “¡no hay esperanza!” Estas palabras hacen eco en el alma de una persona y el resultado casi automático es que la fe también desaparece, dejando a las personas impotentes y sin visión (o fe) para un resultado positivo.

Hebreos 11 continúa dando ejemplos de aquellos cuya fe agradó a Dios. Tenían promesas que se hicieron en tiempos de gran dificultad e imposibles de ver en ese momento, pero eran “cosas que se esperaban”.

Estas personas estaban en situaciones “desesperadas”, pero mantuvieron la visión y su fe aumentó. ¿Cuál era su esperanza? ¿A dónde estaba dirigida?

“Pero anhelaban una mejor, esto es, celestial; por lo cual Dios no se avergüenza de llamarse Dios de ellos; porque les ha preparado una ciudad” (Hebreos 11:16).

Miraron más allá de las cosas de esta tierra y hacia el futuro, estableciendo sus deseos / esperanza en el próximo Reino de Dios.

Estas personas de fe anhelaban algo que no fuera de esta tierra, cosas que no podían ver y que parecían imposibles. A través de sus pruebas y juicios desarrollaron una esperanza que no los decepcionó (Romanos 5: 5). Sus miradas estaban puestas en un Reino, no de esta tierra y uno que podían ver, sino un Reino por venir … ¡El Reino de Dios! Lo que es inquebrantable, nunca falla, cierto y seguro.

Debido a su fe, fueron honrados. Tenían fe en aquellas cosas que superaron esta época y Dios consideró oportuno llevar un registro de todo lo que lograron.

¡Qué gran ejemplo para nosotros como líderes!

Volvamos a enfocarnos en el Reino por venir, en el Rey que viene, el que es el Dador de la vida, el que es fiel.

Sumate a la Obra Misionera a Pueblos No Alcanzados