Submission Under Fire

By Andrew Kirk, Director of Generation 2 generation, Website – www.G2gMandate.org, Social Media – @G2gMandate

I like the quote, “If you think meekness is weakness, try being meek for a week.” The reality is that it takes great strength and courage to be meek. Submitting to those in leadership can be challenging, whether personally, in the Cell Church, or to governments. The Bible has many passages telling us to pray for and be submissive to our leadership.

One of my favorite examples is David, who gives a clear example of what it means to submit to those in authority, even when we perceive, or know, they are not doing things the way they ‘should be’. King Saul was unfaithful and defying the word of God, even consulting mediums for guidance rather than inquire of God (1 Chron 10:13-14). This eventually led to Samuel anointing David as future King.

Though David knew his destiny as King, he continued to submit to King Saul, even though he was not living a life pleasing to God.

Saul tried to kill David on numerous occasions, David even going into hiding in the wilderness of Ein Gedi (1 Samuel 24:1-2) He could be justified as acting in self-defense, but when the opportunity arose for him to kill the King (1 Samuel 24:3-7) – he spared Saul’s life and cut a corner off His robe as a sign of his loyalty and submission, rather than threaten Saul’s life or leadership (1 Samuel 24:8-15).

David’s actions had significance. Taking a portion of the royal robe would indicate transfer of power from Saul to David, it was Saul’s visible sign of kingship (Num. 14:38-39; Deut. 22:12).

Despite being able to justify killing Saul, or deposing him as leader, David, “conscience-stricken,” decided not to move against “the Lord’s anointed,” explaining this to his men. (1 Sam. 24:6-7). The temptation to kill Saul was almost overpowering.

Could David have killed King Saul and claimed the throne? Probably. Saul’s 600 men would have been leaderless, and realizing the validity of David’s claim to the throne, followed him.

David’s refusal to attack Saul wasn’t based on strategic or even moral grounds, but because of respect for and fear of God, rebellion against Saul was tantamount to rebellion against the Lord who anointed Saul,

“I will not lift my hand against my master, because he is the LORD’s anointed” (1 Sam. 24:10).

David had serious challenges, yet submitted. There are very few reasons for any of us not to submit to our leaders, unless our hearts are driven by our own agendas and not those of the King who asked us to: “be subject to rulers and authorities, to be obedient, to be ready to do whatever is good, to slander no one, to be peaceable and considerate, and always to be gentle toward everyone”  (Titus 3:1-2).

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Submissão Sob Fogo

Por Andrew Kirk, Diretor do Generation 2 Generation, site – www.G2gMandate.org, Redes Sociais – @G2gMandate
 
Eu gosto da citação: “Se você acha que a mansidão é uma fraqueza, tente ser manso por uma semana.” A realidade é que é preciso muita força e coragem para ser manso. Submeter-se àqueles que estão na liderança pode ser desafiador, seja pessoalmente, na igreja em células ou nos governos. A Bíblia tem muitas passagens nos dizendo para orar e ser submissos à nossa liderança.

Um dos meus exemplos favoritos é Davi, que dá uma demonstração clara do que significa submeter-se àqueles que têm autoridade, mesmo quando percebemos, ou sabemos, que eles não estão fazendo as coisas da maneira que “deveriam ser feitas”. O rei Saul foi infiel e desafiou a palavra de Deus, chegando até a consultar médiuns por orientação em vez de inquirir a Deus (1 Crônicas 10: 13-14). Isso eventualmente levou Samuel a ungir Davi como futuro rei.

Embora Davi conhecesse seu destino como rei, ele continuou a se submeter ao rei Saul, embora Saul não estivesse vivendo uma vida que agradava a Deus.

Saul tentou matar Davi em numerosas ocasiões, Davi até mesmo tendo que se esconder no deserto de En-Gedi (1 Samuel 24: 1-2). Ele poderia ter se justificado como agindo em autodefesa, mas quando surgiu a oportunidade para matar o rei (1 Samuel 24: 3-7) – ele poupou a vida de Saul e cortou uma ponta do seu manto como sinal de lealdade e submissão, em vez de ameaçar a vida ou a liderança de Saul (1 Samuel 24: 8-15).

As ações de Davi tiveram significância. Tomar uma parte do manto real indicaria a transferência de poder de Saul para Davi, era o sinal visível de realeza de Saul (Nm 14: 38-39; Dt 22:12).

Apesar de poder justificar a morte de Saul, ou o depor como líder, Davi, “tomado pela consciência”, decidiu não se mover contra “o ungido do Senhor”, explicando isso a seus homens (1 Sm 24: 6-7). A tentação de matar Saul era quase insuportável.

Davi poderia ter matado o rei Saul e reivindicado o trono? Provavelmente. Os 600 homens de Saul ficariam sem líderes e, percebendo a validade da reivindicação de Davi ao trono, seguiriam-no.

A recusa de Davi em atacar Saul não se baseava em fundamentos estratégicos ou mesmo morais, mas por causa do respeito e temor a Deus, a rebelião contra Saul era equivalente à rebelião contra o Senhor que ungiu Saul.

“‘Não erguerei a mão contra meu senhor, pois ele é o ungido do Senhor’” (1 Samuel 24:10).

David teve sérios desafios, e mesmo assim se submeteu. Existem pouquíssimas razões para qualquer um de nós não se submeter aos nossos líderes, a menos que nossos corações sejam movidos por nossas próprias agendas e não as do Rei, que nos pediu:
“sujeitem aos governantes e às autoridades, sejam obedientes, estejam sempre prontos a fazer tudo o que é bom, não caluniem a ninguém, sejam pacíficos e amáveis e mostrem sempre verdadeira mansidão para com todos os homens”. (Tito 3:1-2)

Spanish blog:

Sumisión bajo fuego

Por Andrew Kirk, Director de Generación 2, sitio web – www.G2gMandate.org, Social Media – @ G2gMandate

Me gusta la cita: “Si crees que la mansedumbre es una debilidad, trata de ser dócil durante una semana”. La realidad es que se necesita mucha fuerza y ​​valor para ser dócil. Someterse a quienes están en el liderazgo puede ser un desafío, ya sea personalmente, en la Iglesia Celular o en los gobiernos. La Biblia tiene muchos pasajes que nos dicen que oremos y seamos sumisos a nuestro liderazgo.

Uno de mis ejemplos favoritos es David, quien da un claro ejemplo de lo que significa someterse a quienes tienen autoridad, incluso cuando percibimos o sabemos que no están haciendo las cosas de la manera en que “deberían ser”. El rey Saúl fue infiel y desafió la palabra de Dios, incluso consultó a los médiums en vez de consultar a Dios (1 Crón. 10: 13-14). Esto eventualmente llevó a Samuel a ungir a David como futuro rey.

Aunque David conocía su destino como rey, continuó sometiéndose al rey Saúl, a pesar de que no estaba viviendo una vida agradable a Dios.

Saúl intentó matar a David en numerosas ocasiones, incluso David se escondió en el desierto de En Gadi (1 Samuel 24: 1-2). Podría ser justificado por actuar en defensa propia, pero cuando se le presentó la oportunidad de matar Rey (1 Samuel 24: 3-7): perdonó la vida de Saúl y cortó un rincón de Su túnica como señal de su lealtad y sumisión, en lugar de amenazar la vida o el liderazgo de Saúl (1 Samuel 24: 8-15).

Las acciones de David tuvieron significado. Tomar una porción de la túnica real indicaría la transferencia del poder de Saúl a David, era el signo visible de la realeza de Saúl (Núm. 14: 38-39; Deut. 22:12).

A pesar de ser capaz de justificar el asesinato de Saúl o deponerlo como líder, David, “afectado por la conciencia”, decidió no actuar contra “el ungido del Señor”, explicando esto a sus hombres (1 Samuel 24: 6-7). La tentación de matar a Saúl era casi abrumadora.

¿Podría David haber matado al rey Saúl y reclamado el trono? Probablemente, los 600 hombres de Saúl hubieran estado sin líder, y al darse cuenta de la validez de la reclamación de David al trono, lo siguieron.

La negativa de David a atacar a Saúl no se basó en razones estratégicas ni morales, pero debido al respeto y temor de Dios, la rebelión contra Saúl fue equivalente a la rebelión contra el Señor que ungió a Saúl.

“No levantaré mi mano contra mi amo, porque él es el ungido del SEÑOR” (1 Sam. 24:10).

David tuvo serios desafíos, sin embargo, se sometió. Hay muy pocas razones para que ninguno de nosotros se someta a nuestros líderes, a menos que nuestros corazones estén guiados por nuestras propias agendas y no por los del Rey que nos pidió que: “Recuérdales que se sujeten a los gobernantes y autoridades, que obedezcan, que estén dispuestos a toda buena obra. Que a nadie difamen, que no sean pendencieros, sino amables, mostrando toda mansedumbre para con todos los hombres.”(Tito 3: 1-2).

Generational Myths and Truths

By Andrew Kirk, Director of Generation 2 generation, Website – www.G2gMandate.org, Social Media – @G2gMandate

I want to start by saying that there is a place for peer cells, where the emerging generations are reaching their schools and colleges, for those from unchurched families and for developing peer leadership but…

A myth I hear around the world is that the emerging generation needs to be separate from adults for their mutual benefit.

However, the Biblical generational truth is that all generations were created to grow and flow together in community. (e.g. 2 Chron 20 & Exodus 16:8-10)

When the norm is that we separate them in the basic community, it’s counter to the Biblical generational culture.

The separation of generations is decided based on unbiblical motives e.g. that some people don’t like children, are uncomfortable with them or their relationships between generations or families is not great, etc. These attitudes reap generational disunity and disunity comes from sin. Sin needs repentance not accommodating by creating separate cells. If this was to be taken further, we could end up with cells accommodating other wrong attitudes, for instance those who don’t honor their parents, who enjoy stealing, or taking drugs! If there are issues between generations or families, should we not work to resolve them and not create cells / spaces to avoid them? We need deep repentance between the generations and families and this takes work.

When we separate generations, we deprive people of “fathers for the fatherless.” Having grown up in a fatherless household myself, I am all too aware of the impact this could have, however I was fortunate to have a great multi-generational community.

There is probably a month’s worth of “Myths and Truths” surrounding the issue of separating generations in cells. When approaching the topic of “Myths and Truths,” the best place to start is going back to the foundations of the Biblical generational doctrine and returning to “the ancient paths” (Jeremiah 6: 16).

Some Myths that I often hear are:

  • That the generations don’t need each other.
  • Cannot relate to each other.
  • Children cannot be used by God.
  • One generation cannot rely on the next.
  • a Greek Education System is the way forward.

The Truth is that when generations and families flow the way they were created to flow according to Scripture, they result in:

  • Generational Discipleship: Paul and Timothy, Elijah and Elisha, Mordecai and Esther, Moses and Joshua.
  • Older men and women pouring into younger men and women: Titus 2: 2-5.
  • Children being role models: Matthew 18.
  • Experiencing struggles and victories together: 2 Chronicles 20, Exodus 17:1
  • Parental discipleship as a lifestyle: Deuteronomy 6:4-8
  • Generational Interdependence: 1 Samuel 2:18-26, 3, Matthew 18:1-14
  • Restoration of generational relationship and flow is God’s mandate: Malachi 4: 4-6

And so much more!

If you are interested in discovering more about how these Biblical principles can be immersed and utilized in your church / ministry / life, we are happy to help and talk more about this subject, you can also find more resources on our website at: www.G2gMandate.org

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Mitos e Verdades Geracionais

Por Andrew Kirk, Diretor do Generation 2 generation, Website- www.G2gMandate.org, Mídia Social- @G2gMandate

Quero começar dizendo que há um lugar para as células entre os pares, onde as gerações emergentes estão alcançando suas escolas e faculdades, para aquelas de famílias que não são da igreja e para desenvolver a liderança de pares, mas…

Um mito que ouço ao redor do mundo é que a geração emergente precisa ser separada dos adultos para que haja benefício mútuo.

No entanto, a verdade bíblica geracional é que todas as gerações foram criadas para crescer e fluir juntas em comunidade (por exemplo, 2Crônicas 20 e Êxodo 16:8-10).

Quando a norma é separar as gerações na comunidade básica, isso é contra a cultura geracional bíblica.

A separação de gerações é decidida com base em motivos antibíblicos, por exemplo, que algumas pessoas não gostam de crianças, que não se sentem à vontade com elas ou que suas relações entre gerações ou famílias não são boas, etc. Essas atitudes geram uma desunião geracional e a desunião vem do pecado. O pecado precisa do arrependimento, e para isso não devemos nos acomodar criando células separadas. Se isso fosse para ser levado adiante, poderíamos acabar com as células acomodando outras atitudes erradas, como aqueles que não honram seus pais, que gostam de roubar ou de usar drogas! Se existem problemas entre gerações ou famílias, não deveríamos trabalhar para resolvê-los em vês de criar células/espaços para evitá-los? Precisamos de um arrependimento profundo entre as gerações e as famílias e isso requer trabalho.

Quando separamos gerações, privamos as pessoas de “pais para os órfãos”. Tendo crescido em uma casa sem pai, sou muito consciente do impacto que isso pode ter, mas tive a sorte de ter uma grande comunidade multigeracional.

Há conteúdo para provavelmente um mês de “Mitos e Verdades” em torno da questão da separação de gerações nas células. Ao abordar o tópico “Mitos e Verdades”, o melhor lugar para começar é voltar aos fundamentos da doutrina bíblica geracional e retornar aos “antigos caminhos” (Jeremias 6:16).

Alguns mitos que eu ouço frequentemente são:

  • Que as gerações não precisam uma da outra.
  • Que elas não conseguem se relacionar umas com as outras.
  • As crianças não podem ser usadas por Deus.
  • Uma geração não pode confiar na próxima.
  • Um Sistema de Educação Grego é o caminho a seguir.

A verdade é que quando gerações e famílias fluem da maneira que foram criadas para fluir de acordo com as Escrituras, elas resultam em:

  • Discipulado Geracional: Paulo e Timóteo, Elias e Eliseu, Mardoqueu e Ester, Moisés e Josué.
  • Homens e mulheres mais velhos se derramando sobre homens e mulheres mais jovens: Tito 2:2-5.
  • Crianças como modelos: Mateus 18.
  • Experimentando lutas e vitórias juntos: 2 Crônicas 20, Êxodo 17:1.
  • Discipulado dos pais como estilo de vida: Deuteronômio 6:4-8.
  • Interdependência Geracional: 1 Samuel 2:18-26 e 3, Mateus 18:1-14.
  • A restauração do relacionamento e fluxo geracional é o mandato de Deus: Malaquias 4:4-6.

E muito mais!

Se você está interessado em descobrir mais sobre como esses princípios bíblicos podem ser imersos e utilizados em sua igreja/ministério/vida, ficamos felizes em ajudar e falar mais sobre este assunto; você também pode encontrar mais recursos em nosso site: www.G2gMandate.org

Spanish blog:

Mitos y verdades generacionales

Por Andrew Kirk, Director de Generación 2, sitio web – www.G2gMandate.org, Social Media – @ G2gMandate

Quiero comenzar diciendo que hay un lugar para las células de pares, donde las generaciones emergentes están llegando a sus escuelas y colegios, para aquellos de familias sin iglesia y para desarrollar el liderazgo de pares, pero …

Un mito que escucho en todo el mundo es que la generación emergente debe estar separada de los adultos para su beneficio mutuo.

Sin embargo, la verdad generacional bíblica es que todas las generaciones fueron creadas para crecer y fluir juntas en comunidad. (por ejemplo, 2 Crónicas 20 y Éxodo 16: 8-10)

Cuando la norma es que los separamos en la comunidad básica, es contrario a la cultura generacional bíblica.

La separación de generaciones se decide en función de motivos no bíblicos. Que a algunas personas no les gusten los niños, que se sientan incómodos con ellos o que las relaciones entre generaciones o familias no son muy buenas, etc. Estas actitudes generan desunión generacional y la desunión proviene del pecado. El pecado necesita arrepentimiento no acomodarse creando células separadas. Si esto fuera más allá, podríamos terminar con células que acomoden otras actitudes equivocadas, por ejemplo, aquellos que no honran a sus padres, que disfrutan robar o tomar drogas. Si hay problemas entre generaciones o familias, ¿no deberíamos trabajar para resolverlos y no crear células / espacios para evitarlos? Necesitamos un profundo arrepentimiento entre las generaciones y las familias y esto requiere trabajo.

Cuando separamos a las generaciones, privamos a las personas de ser “padres para los huérfanos”. Yo crecí en una casa sin padre, soy muy consciente del impacto que esto podría tener, sin embargo tuve la suerte de tener una gran comunidad multigeneracional.

Probablemente hay un mes de “Mitos y verdades” en torno al tema de separar las generaciones en las células. Al abordar el tema de “Mitos y verdades”, el mejor lugar para comenzar es volver a los fundamentos de la doctrina generacional bíblica y regresar a “los caminos antiguos” (Jeremías 6: 16).

Algunos mitos que escucho a menudo son:

  • Que las generaciones no se necesitan.
  • No pueden relacionarse entre sí.
  • Los niños no pueden ser usados ​​por Dios.
  • Una generación no puede confiar en la siguiente.
  • Un sistema educativo griego es el camino a seguir.

La verdad es que cuando las generaciones y las familias fluyen de la manera en que fueron creadas para fluir de acuerdo con las Escrituras, resultan en:

  • Discipulado generacional: Pablo y Timoteo, Elías y Eliseo, Mardoqueo y Ester, Moisés y Josué.
  • Hombres y mujeres mayores que se vierten en hombres y mujeres más jóvenes: Tito 2: 2-5.
  • Los niños son modelos a seguir: Mateo 18.
  • Experimentando luchas y victorias juntos: 2 Crónicas 20, Éxodo 17: 1
  • El discipulado de los padres como estilo de vida: Deuteronomio 6: 4-8
  • Interdependencia generacional: 1 Samuel 2: 18-26, 3, Mateo 18: 1-14
  • La restauración de la relación y el flujo generacional es el mandato de Dios: Malaquías 4: 4-6 ¡Y mucho más!

Si estas interesado en descubrir más acerca de cómo estos principios Bíblicos se pueden sumergir y utilizar en tu iglesia / ministerio / vida, nos complace ayudarte y hablar más sobre este tema, también puedes encontrar más recursos en nuestro sitio web en: www. G2gMandate.org

Watchman on the Walls

By Andrew Kirk, Director of Generation 2 generation, Website – www.G2gMandate.org, Social Media – @G2gMandate

Habakkuk 2:1 says: “I will stand at my watch and station myself on the ramparts; I will look to see what He will say to me, and what answer I am to give to this complaint.”

Habakkuk compares himself to a watchman, stationed on the city walls, keeping watch for approaching messengers or dangers. He has cried out to God about the bloodshed, violence and the injustice he has witnessed from the Chaldeans. Now he is waiting to hear what God will say to him, how God might correct him and to learn how he should respond once He has spoken.

So often we as leaders are quick to talk and do not give space to listen. We don’t allow space for others to share and more importantly to allow God to speak.

If we don’t pause to listen to those around us, we not only stunt our ability to learn and grow, we also stunt the growth of others. If Habakkuk didn’t pause to hear from God, he would not have God’s perspective regarding his surroundings – only His own.

To stand on the walls of a city as a watchman, was very purposeful – to gain intelligence. It meant looking outside and within, to examine the surroundings inside and outside the walls. Are we willing to be as purposeful in remaining silent to gain intelligence, to listen and examine both our surroundings and our internal hopes and fears?

It can be hard to hear from God in this world of constant noise. To hear from God might require withdrawing from the world, being positioned above it, focusing on raising our attention and fixing our minds on Christ.

First and foremost, we must give space to Jesus to talk to us. Habukkuk showed patience and a willingness to wait, like a watchman, but he was confident of receiving an answer; not just for his own satisfaction but so he could answer the questions of those around him.

Let us all learn from Habukkuk; learn to be focused on creating space, watching outside and inside for what God will speak to us and what He will reveal. Then we can help, not only ourselves, but those in our cell groups, our communities and the wider Church body.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Vigia Sobre as Muralhas

Por Andrew Kirk, Diretor do Generation 2 generation, Website – www.G2gMandate.org, Mídia Social – @G2gMandate

Habacuque 2:1 diz: “Ficarei no meu posto de sentinela e tomarei posição sobre a muralha; aguardarei para ver o que o Senhor me dirá e que resposta terei à minha queixa”.

Habacuque se compara a um vigia, estacionado nas muralhas da cidade, vigiando a aproximação de mensageiros ou perigos. Ele clamou a Deus sobre o derramamento de sangue, a violência e a injustiça que ele testemunhou dos caldeus. Agora ele está esperando para ouvir o que Deus dirá a ele, como Ele vai corrigi-lo e então aprender como ele deve responder assim que Deus falar.

Muitas vezes nós, como líderes, somos rápidos em falar e não damos espaço para ouvir. Não permitimos espaço para outras pessoas compartilharem e, mais importante, permitir que Deus fale.

Se não fizermos uma pausa para ouvir os que nos rodeiam, não apenas prejudicamos nossa capacidade de aprender e crescer, mas também impedimos o crescimento dos outros. Se Habacuque não fizesse uma pausa para ouvir de Deus, ele não teria a perspectiva de Deus em relação ao seu entorno – apenas a sua própria perspectiva.

Ficar nas muralhas de uma cidade como vigia foi muito proposital para obter inteligência. Isso significava olhar para fora e para dentro, examinar os arredores dentro e fora das paredes. Estamos dispostos a ser tão propositais em permanecer em silêncio para obter inteligência, para ouvir e examinar tanto o nosso ambiente como nossas esperanças e medos internos?

Pode ser difícil ouvir a Deus neste mundo de ruído constante. Ouvir de Deus pode exigir que nos retiremos do mundo, posicionando-nos acima dele, concentrando-nos em elevar nossa atenção e fixar nossas mentes em Cristo.

Em primeiro lugar, devemos dar espaço para Jesus falar conosco. Habacuque demonstrou paciência e disposição para esperar, como um vigia, mas estava confiante em receber uma resposta; não apenas para sua própria satisfação, mas para poder responder às perguntas dos que o rodeavam.

Vamos todos aprender com Habacuque; aprender a nos concentrar na criação de espaço, observando o que é exterior e interior para o que Deus falará conosco e o que Ele revelará. Então poderemos ajudar não só a nós mesmos, mas também às células, às nossas comunidades e ao Corpo mais amplo da Igreja.

Spanish blog: 

Vigilante en los muros

Por Andrew Kirk, Director de Generación 2, sitio web – www.G2gMandate.org, Social Media – @ G2gMandate

Habacuc 2: 1 dice: “Sobre mi guarda estaré, y sobre la fortaleza afirmaré el pie, y velaré para ver lo que se me dirá, y qué he de responder tocante a mi queja.”

Habacuc se compara con un vigilante, estacionado en las murallas de la ciudad, vigilando a los mensajeros o peligros que se aproximan. Ha clamado a Dios por el derramamiento de sangre, la violencia y la injusticia que ha presenciado en los caldeos. Ahora está esperando escuchar lo que Dios le dirá, cómo Dios puede corregirlo y aprender cómo responder cuando lo hable.

Muy a menudo nosotros, como líderes, somos rápidos para hablar y no damos espacio para escuchar. No dejamos espacio para que otros compartan y, lo que es más importante, para que Dios pueda hablar.

Si no hacemos una pausa para escuchar a quienes nos rodean, no solo impedimos nuestra capacidad de aprender y crecer, sino que también impedimos el crecimiento de los demás. Si Habacuc no se detuviera a escuchar a Dios, no tendría la perspectiva de Dios con respecto a su entorno, solamente la suya.

Estar de pie en los muros de una ciudad como vigilante era muy útil: obtener inteligencia. Significaba mirar hacia afuera y hacia adentro, examinar los alrededores dentro y fuera de las paredes. ¿Estamos dispuestos a ser tan intencionados en guardar silencio para obtener inteligencia, escuchar y examinar nuestro entorno y nuestras esperanzas y temores internos?

Puede ser difícil escuchar a Dios en este mundo de ruido constante. Escuchar de Dios puede requerir retirarse del mundo, posicionarse sobre él, enfocarse en llamar nuestra atención y fijar nuestra mente en Cristo. 

En primer lugar, debemos darle espacio a Jesús para que nos hable. Habacuc mostró paciencia y disposición para esperar, como un vigilante, pero confiaba en recibir una respuesta; no solo por su propia satisfacción, sino para que él pudiera responder las preguntas de quienes lo rodeaban.

Aprendamos todos de Habacuc; aprende a concentrarte en crear un espacio, mirando afuera y adentro para ver lo que Dios nos hablará y lo que Él revelará. Entonces podemos ayudar, no solo a nosotros mismos, sino a aquellos en nuestros grupos celulares, nuestras comunidades y el cuerpo más amplio de la Iglesia.

Head in the Clouds and Feet on the Ground

By Andrew Kirk, Director of Generation 2 generation, Website – www.G2gMandate.org, Social Media – @G2gMandate

While it’s good to have “heads in the clouds,” dreaming and casting vision, it’s also important to keep “feet on the ground” and move forward in the direction of our vision. Moses had a vision, a big vision. However, the day to day reality led to that generation never seeing the vision. They lost sight of the day to day issues that would have built success.

After dreaming Gods vision, we need to focus on effective strategy to move into them, discover what needs addressing and where we need to plough and sow to reap the fruits of dreams.

Good questions to ask might be:

  • Do our dreams and visions support and promote Biblical values e.g. promote healthy families, inspire us to be more like Jesus, inward and outward looking.
  • Do our visions have every generation in mind?
  • Do all generations take ownership of our vision and are they dreaming with us?

With “feet on the ground:”

As I travel internationally, I’ve started to raise my voice more and more about a specific issue I see neglected in much of the church, the degree of neglect varying from nation to nation. When addressed it is usually seen as a children and youth ministry issue but in reality, affects every area of the church, including cell groups.

What is that issue, or area of weakness which if unaddressed, can bring every vision down? It’s the prevention of child abuse.

I am sounding an alarm!

Evaluating and training in child abuse prevention in every area of the church, including our cells must be a priority. Read and preach Matthew 18:6 and re-evaluate how safe cells are for the emerging generations. If we say we love them but don’t protect them and provide a safe place, something is very wrong.

Vision: Protecting the emerging generation!

“Feet on the ground” examples of proactivity:

  • Mandatory Child Protection training for every leader in the church, including cell leaders.
  • Ensure homes, where cells are held, have child protection boundaries and policies.
  • Grooming can take place in cells – what awareness is there?
  • Every church member given the ability to identify signs of child abuse and know how to respond to disclosure – this issue is in our streets, church buildings and homes.
  • Repeated awareness that child abuse happens in churches and among leaders.

Are “heads in the clouds” with “feet on the ground” to protect and rescue this emerging generation?

Let’s see the older generations rise up and take their responsibility to protect the next generation in every area of life.

I am happy to correspond about this: info@Gnation2gnation.com

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Cabeça nas Nuvens e Pés no Chão
Por Andrew Kirk, Diretor do Geração para Geração. Site – www.G2gMandate.org, Redes sociais – @G2gMandate

Enquanto é bom ter “a cabeça nas nuvens”, sonhando e lançando a visão, também é importante manter “os pés no chão” e prosseguir na direção da nossa visão. Moisés teve uma visão, uma grande visão. No entanto, a realidade do dia a dia levou aquela geração a nunca contemplar a visão. Eles perderam de vista as questões do dia a dia, que teriam levado ao sucesso.

Depois de sonhar as visões de Deus, precisamos focar na estratégia eficaz de colocá-las em ação, descobrir o que deve ser enfrentado e onde precisamos arar e semear para colher os frutos dos sonhos.

Boas perguntas a serem feitas podem ser:
– Os nossos sonhos e visões apoiam e promovem valores bíblicos, por exemplo, promovem famílias saudáveis, inspiram-nos a sermos mais como Jesus, na aparência interna e externa?
– As nossas visões têm todas as gerações em mente?
– Todas as gerações tomam propriedade da nossa visão e estão sonhando conosco?

Com os “pés no chão:”

Enquanto eu viajava internacionalmente, comecei a levantar minha voz mais e mais sobre um problema específico que eu vejo ser negligenciado por boa parte da Igreja, com o nível da negligência variando de nação para nação. Quando abordado é geralmente visto como um problema do ministério infantil e de jovens mas, na realidade, afeta todas as áreas da igreja, incluindo grupos de célula.

Qual é esse problema, ou área de fraqueza que, se não enfrentado, pode diminuir toda as visões? É a prevenção do abuso infantil.

Estou soando um alarme!

Avaliar e treinar sobre a prevenção do abuso infantil em todas as áreas da igreja, incluindo nossas células, deve ser uma prioridade. Leia e pregue Mateus 18:6 e reavalie o quão seguras as células são para as gerações emergentes. Se dizemos que as amamos mas não as protegemos e proporcionamos um lugar seguro, então algo está muito errado.

Visão: Protegendo a geração emergente!

Exemplos de proatividade com os “pés no chão”:
– Treinamento de Proteção Infantil obrigatório para todos os líderes na igreja, incluindo os líderes de célula.
– Garantir que as casas onde as células acontecem tenham limites e políticas de proteção infantil.
– O aliciamento de crianças pode acontecer nas células- que conscientização tem ali?
– Todos os membros da igreja devem ter a habilidade de identificar os sinais de abuso infantil e a saber como responder a essa revelação- esse problema está nas nossas ruas, prédios das igrejas e casas.
– Conscientização repetidamente de que o abuso infantil acontece nas igrejas e entre os líderes.

As cabeças estão “nas nuvens” com os “pés no chão” para proteger e resgatar essa geração emergente?
Vamos ver as gerações mais velhas se levantarem e se responsabilizarem para proteger a próxima geração em todas as áreas da vida.

Fico feliz em responder sobre isso em: info@Gnation2gnation.com

Spanish blog:

Con la cabeza en las nubes y los pies en el suelo

Por Andrew Kirk, Director de Generación 2, sitio web – www.G2gMandate.org, Social Media – @ G2gMandate

Si bien es bueno tener ” la cabeza en las nubes”, soñando y lanzando la visión, también es importante mantener los “pies en el suelo” y avanzar en la dirección de nuestra visión. Moisés tuvo una visión, una gran visión. Sin embargo, en la realidad del día a día hizo que esa generación nunca viera la visión. Perdieron de vista los problemas cotidianos que habrían construido el éxito.

Después de soñar con la visión de Dios, debemos enfocarnos en una estrategia efectiva para avanzar hacia ellos, descubrir qué es lo que se debe abordar y dónde debemos arar y sembrar para cosechar los frutos de los sueños.

Algunas buenas preguntas para hacer:

Nuestros sueños y visiones apoyan y promueven los valores bíblicos, por ej. promover familias saludables, inspirarnos a ser más como Jesús, mirar hacia adentro y hacia afuera.

¿Nuestras visiones tienen en mente a todas las generaciones?

¿Todas las generaciones se apropian de nuestra visión y están soñando con nosotros?

Con “los pies en el suelo:”

A medida que viajo internacionalmente, comencé a elevar mi voz cada vez más sobre un tema específico que veo descuidado en gran parte de la iglesia, el grado de abandono varía de una nación a otra. Cuando se aborda, generalmente se considera un tema del ministerio de niños y jóvenes, pero en realidad afecta a todas las áreas de la iglesia, incluidos los grupos celulares.

¿Cuál es ese problema, o área de debilidad que, si no se aborda, puede hacer que todas las visiones disminuyan? Es la prevención del maltrato infantil.

¡Estoy sonando una alarma!

Evaluar y capacitar en la prevención del abuso infantil en todas las áreas de la iglesia, incluidas nuestras células, debe ser una prioridad. Leé y predica Mateo 18: 6 y vuelva a evaluar cuán seguras son las células para las generaciones emergentes. Si decimos que los amamos pero no los protegemos y no les proporcionamos un lugar seguro, algo está muy mal.

Visión: ¡Proteger a la generación emergente!
“Pies en el suelo” ejemplos de proactividad:

Capacitación obligatoria en protección infantil para todos los líderes de la iglesia, incluidos los líderes celulares.

Asegurar que los hogares, donde se encuentran las células, tengan límites y políticas de protección infantil.

La preparación puede llevarse a cabo en las células: ¿qué conciencia hay?

Cada miembro de la iglesia tiene la capacidad de identificar signos de abuso infantil y saber cómo responder a la divulgación: este problema está en nuestras calles, edificios de iglesias y hogares.

Hacer conciencia de que el abuso infantil ocurre en las iglesias y entre los líderes.

¿Las “cabezas en las nubes” con “los pies en el suelo” protegen y rescatan a esta generación emergente?

Veamos cómo las generaciones mayores se levantan y asumen su responsabilidad de proteger a la próxima generación en cada área de la vida.

Me complace comunicarme sobre esto: info@Gnation2gnation.com

What Age To Climb A Mountain?

By Andrew Kirk, Director of Generation 2 generation, Website – www.G2gMandate.org, Social Media – @G2gMandate

While in Santarèm, Brazil I stayed with Jeff and Becky Hrubik, leaders of the PAZ Church movement. They shared an exciting and encouraging story from a church where I had previously challenged the youth to take risks to see the Kingdom of God advance.

Becky followed this up at a youth retreat, specifically challenging them to go to a city that is so hard to reach, that older people really struggle to get so high up the mountain. In certain seasons it can be impossible to access because of landslides and other natural disasters that cut it off from the outside world. There were no churches / cells in that city.

These young people accepted the challenge and said, “Yes! We will go!” They have recently multiplied the first cell, now having 2 cells in this city where they had no churches. Not only that, the 18 year old leader is now the Pastor overseeing another cell planted in a second mountain city close by.

So often we are discouraged from taking risks because of the hindrances we see in front of us, instead of seeing them as great challenges to be overcome. There is a generation ready for the challenge, but restricted by our pre-conceived ideas of who is “qualified” for planting churches.

They are a generation who can complete the Great Commission but are often held back by the previous generation’s rules and regulations. Children and teens can plant cells in their schools and colleges. Let them start young and see what God can and will do if we as adults trust Him and them – to “climb the mountains” we cannot climb!

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Qual É a Idade Para Escalar Uma Montanha?

Por Andrew Kirk, Diretor do ministério Generation 2 generation, Site – www.G2gMandate.org, Mídia Social – @G2gMandate

Enquanto estive em Santarém, no Brasil, fiquei com Jeff e Becky Hrubik, líderes do movimento da Igreja da Paz. Eles compartilharam uma história emocionante e encorajadora de uma igreja onde eu já havia desafiado os jovens a “correr riscos” para ver o avanço do Reino de Deus.

Becky deu continuidade a isso em um retiro de jovens, desafiando-os especificamente a irem a uma cidade que é muito difícil de alcançar, onde as pessoas mais velhas lutam para conseguir chegar ao topo da montanha. Em certas épocas, pode ser impossível acessar essa cidade por causa de deslizamentos de terra e outros desastres naturais que a isolam do mundo exterior. Não havia igrejas/células naquela cidade.

Esses jovens aceitaram o desafio e disseram: “Sim! Nós iremos!”. Eles recentemente multiplicaram a primeira célula, agora tem duas células nesta cidade onde não existiam igrejas. Além disso, o líder de 18 anos agora é o pastor que supervisiona outra célula plantada em uma segunda cidade montanhosa nas proximidades.

Muitas vezes somos desencorajados a correr riscos por causa dos obstáculos que vemos diante de nós, em vez de vê-los como grandes desafios a serem superados. Há uma geração pronta para o desafio, mas restrita por nossas idéias pré-concebidas de quem é “qualificado” para plantar igrejas.

Eles são uma geração que pode completar a Grande Comissão, mas muitas vezes são retidos pelas regras e regulamentos da geração anterior. Crianças e adolescentes podem plantar células em suas escolas e faculdades. Deixe-os começar jovens e veja o que Deus pode e vai fazer se nós como adultos confiarmos nEle e neles – para “escalar as montanhas” que nós não podemos escalar!

Spanish blog:

¿Qué edad para escalar una montaña?

Por Andrew Kirk, Director de Generación 2, sitio web – www.G2gMandate.org, Social Media – @ G2gMandate

Mientras estuve en Santarèm, Brasil, estuve con Jeff y Becky Hrubik, líderes del movimiento de la Iglesia PAZ. Compartieron una historia emocionante y alentadora de una iglesia en la que previamente había desafiado a los jóvenes a tomar riesgos para ver avanzar el Reino de Dios.

Becky hizo un seguimiento de esto en un retiro para jóvenes, desafiándolos específicamente a ir a una ciudad que es tan difícil de alcanzar, que las personas mayores realmente luchan por llegar tan alto en la montaña. En ciertas temporadas puede ser imposible acceder debido a deslizamientos de tierra y otros desastres naturales que lo separan del mundo exterior. No había iglesias / células en esa ciudad.

Estos jóvenes aceptaron el desafío y dijeron: “¡Sí! ¡Iremos! ”Recientemente han multiplicado la primera célula, ahora tienen 2 células en esta ciudad donde no tenían iglesias. No solo eso, el líder de 18 años ahora es el Pastor que supervisa otra célula plantada en una segunda ciudad de montaña cercana.

Muy a menudo nos desanimamos de tomar riesgos debido a los obstáculos que vemos frente a nosotros, en lugar de verlos como grandes desafíos a superar. Hay una generación lista para el desafío, pero restringida por nuestras ideas preconcebidas de quién está “calificado” para plantar iglesias.

Son una generación que puede completar la Gran Comisión, pero a menudo se encuentran retenidas por las reglas y regulaciones de la generación anterior. Los niños y adolescentes pueden plantar células en sus escuelas y colegios. Deje que comiencen jóvenes y vean lo que Dios puede y hará si nosotros, como adultos, confiamos en Él y en ellos, ¡para “escalar montañas” no podemos escalar!