Authentic Coaching (Abaixo em português)

By Andrew Kirk, Director of Generation 2 generation, Website – www.G2gMandate.org, Social Media – @G2gMandate

A foundational principle for a coach is that they need to understand the people they will be coaching. I’m referring to their personality, learning styles, and some of the journey that bought them to where they are in this moment. This means a relational approach including watching, observing, listening and understanding the person they will coach.  Effective coaching will include identifying areas of strength and weakness, relating on a personal level, and take the leader to the next step.  Coaching is not a formula but a  developed relationship.

It is vital for the coach to know how to challenge but not destroy confidence, or make the person feel inadequate. The leader needs to know that the coach is for them, wanting to see them fly in all that God has planned for their lives and cell groups. Just as a coach in sport challenges and stretches the team to be the very best, the cell group coach challenges the leader to grow and give  100% to God’s work.

Another important aspect is confidentiality. Keeping the coaching confidential is essential for coaching relationships. A trustworthy coach will gain the confidence of the leader and open the door to intimate sharing. When the leader knows that the coach won’t walk away when deep intimate sharing takes, he or she will be willing to continue to freely share transparently. In fact, I believe that the best coaches are the biggest cheerleaders!

It is easy to become completely focused on those who are being coached, but just as important, the coach needs to understand their own weaknesses and to not be afraid to own them, and to work on developing these areas of their lives. Along with this is the humility of a good coach who is not afraid to point to others who might be stronger in areas where they are  weaker.

In this whole process the authenticity and security of the coach can be maintained if he is being coached himself. Not only will he be modelling the personal importance of coaching to those he coaches but he can also be seen to walk in humility and not as someone who “knows it all.”

Modeling coaching to others allows the coach to say like Paul “Be imitators of me as I am of Christ.” (1 Corinthians 11:1) This will encourage a positive view of the vital role of coaching so that others can continue the process of coaching other, which in turns leads to healthy cell group multiplication.

Korean blog: (click here)

Portuguese blog:

Supervisão Autêntico

Por Andrew Kirk, Diretor da Generation 2 generation, website – www.G2gMandate.org, Social Media – @G2gMandate

Um princípio fundamental para um supervisor é que ele precisa entender as pessoas que estará supervisionando. Estou me referindo à sua personalidade, estilos de aprendizagem e um pouco da jornada que os trouxe até onde estão neste momento. Isso significa uma abordagem relacional, incluindo perceber, observar, ouvir e compreender a pessoa que eles irão supervisionar. A supervisão eficaz incluirá a identificação de áreas de força e fraqueza, relacionando-se em um nível pessoal e levando o líder ao próximo passo. A supervisão não é uma fórmula, mas um relacionamento desenvolvido.

É vital para o supervisor saber como desafiar, porém não destruir a confiança, ou fazer a pessoa se sentir inadequada. O líder precisa saber que o supervisor é a favor deles, querendo vê-los voar em tudo o que Deus planejou para suas vidas e grupos de células. Assim como um treinador no esporte desafia e explora a equipe para ser a melhor, o supervisor do grupo de células desafia o líder a crescer e dar 100% ao trabalho de Deus.

Outro aspecto importante é a confidencialidade. Manter a supervisão confidencial é essencial para relacionamentos de supervisão. Um supervisor confiável ganhará a confiança do líder e abrirá as portas para um compartilhamento íntimo. Quando o líder sabe que o supervisor não vai desistir quando for necessário um profundo compartilhamento íntimo, ele ou ela estará disposto a continuar a compartilhar livremente de forma transparente. Na verdade, eu acredito que os melhores supervisores são os maiores líderes de torcida!

É fácil ficar completamente focado naqueles que estão sendo supervisionados, contudo tão importante quanto, o supervisor precisa entender suas próprias fraquezas e não ter medo de reconhecê-las, e trabalhar no desenvolvimento dessas áreas de suas vidas. Junto com isso está a humildade de um bom supervisor que não tem medo de apontar para outros que podem ser mais fortes em áreas onde eles são mais fracos.

Em todo este processo, a autenticidade e a segurança do supervisor podem ser mantidas se ele próprio estiver a ser supervisionado. Ele não apenas representará a importância pessoal da supervisão para aqueles que ele supervisiona, mas também pode ser visto como uma pessoa que caminha com humildade e não como alguém que “sabe tudo”.

Modelar a supervisão para outros permite que o supervisor diga como Paulo: “Sejam meus imitadores como eu sou de Cristo”. (1 Coríntios 11:1) Isso incentivará uma visão positiva do papel vital da supervisão, para que outros possam continuar o processo de supervisão, o que, por sua vez, leva a uma multiplicação saudável do grupo de células.

Spanish blog:

Entrenamiento auténtico

Por Andrew Kirk, Director de Generación 2, Sitio web – www.G2gMandate.org, Redes sociales – @ G2gMandate

Un principio fundamental para un entrenador es que necesita comprender a las personas a las que entrenará. Me refiero a su personalidad, estilos de aprendizaje y parte del viaje que los llevó a donde se encuentran en este momento. Esto significa un enfoque relacional que incluye mirar, observar, escuchar y comprender a la persona a la que entrenarán. El entrenamiento efectivo incluirá identificar áreas de fortaleza y debilidad, relacionarse a nivel personal y llevar al líder al siguiente paso. El entrenamiento no es una fórmula sino una relación desarrollada.

Es vital que el entrenador sepa desafiar pero no destruir la confianza o hacer que la persona se sienta inadecuada. El líder necesita saber que el entrenador está para ellos, queriendo verlos volar en todo lo que Dios ha planeado para sus vidas y grupos celulares. Así como un entrenador en el deporte desafía y estira al equipo para que sea el mejor, el entrenador de grupo celular desafía al líder a crecer y entregar el 100% a la obra de Dios.

Otro aspecto importante es la confidencialidad. Mantener la confidencialidad es esencial para las relaciones de entrenamiento. Un entrenador de confianza se ganará la confianza del líder y abrirá la puerta al intercambio íntimo. Cuando el líder sabe que el entrenador no se alejará cuando se requiera un intercambio íntimo profundo, estará dispuesto a continuar compartiendo libremente de manera transparente. De hecho, creo que los mejores entrenadores son los  animadores más grandes.

Es fácil enfocarse completamente en aquellos que están siendo entrenados, pero es igualmente importante que el entrenador comprenda sus propias debilidades y no tener miedo de poseerlas, y trabajar en el desarrollo de estas áreas de sus vidas. Junto con esto está la humildad de un buen entrenador que no tiene miedo de señalar a otros que podrían ser más fuertes en áreas donde son más débiles.

En todo este proceso se puede mantener la autenticidad y seguridad del entrenador si él mismo está siendo entrenado. No solo estará modelando la importancia personal del entrenamiento para aquellos a quienes entrena, sino que también se le puede ver caminar con humildad y no como alguien que “lo sabe todo”.

Modelar el entrenamiento a otros le permite al entrenador decir como Pablo: “Sed imitadores de mí como yo soy de Cristo”. (1 Corintios 11: 1) Esto fomentará una visión positiva del papel vital del entrenamiento para que otros puedan continuar el proceso de entrenar a otros, lo que a su vez conduce a una multiplicación saludable del grupo celular.

The Tribe and the Nation

By Andrew Kirk, Director of Generation 2 generation, Website – www.G2gMandate.org, Social Media – @G2gMandate

The Big Wing and Small Wing complement each other, having different dynamics, but each is necessary.

The cells, or the “small wing,” are seen as the building blocks of the church. Therefore, the health of the cells has a significant impact on the health of the church. It is here that intimacy with one another and with Jesus is best expressed.

The larger gathering, the “big wing,” is an expression of all the cells coming together. The power of these “blocks” together can be tangibly felt through corporate gathering and worship to a powerful, omnipotent God.

Growth and discipleship primarily take place through smaller groups and one-on-one situations. However, being able to experience being part of the larger Body – growing together, serving, and recognizing that we are part of something much bigger than we experience in the cell – can only fully happen in the celebration. As the pastor preaches, inspires, and encourages all the cells together, cells are propelled forward, each taking part in the bigger vision.

The celebration also helps to develop a sense of being part of the wider community. The Israelites identified with their tribes and the nation of which their tribe was a part. As a nation, they fought together with strength when directed by Moses, Joshua, or David. So, the cells coming together can stand, encourage, and support each other as their pastor leads.

The tribes cared for each other, lived in community, and prioritized the family. However, in many situations, the tribes needed to come together – especially in battle and “to stand before the Lord” – to exhort and praise Him in unity. Such is the cell (tribe) and celebration (nation).

Some of the most powerful celebrations I have experienced have been with PAZ churches in Brazil. They don’t just meet as a Celebration; they celebrate. Together they celebrate Encounters with dancing, balloons, and exuberant joy. This celebration in the big wing captures every cell present and can only encourage others to participate in future encounters. It is a BIG celebration!

On my many visits, one of the most exciting time is when pastors present the opportunity for salvation, people come forward and are ministered to. Then, while they’ve turned their backs, banners are lifted across the auditoriums saying, “Welcome to the Family!” Then, when they turn around, the place explodes with joy, music, cheers, etc.

People are then drawn into a cell group for discipleship and community. Thus, both the big and the small have a unique place in the journey.

Fragmentation leads to disintegration. Being drawn together, led together, and standing together, leads to unity and one mind in one direction. The celebration is a vehicle to ensure the cells are in unity with the other cells. The cells ensure that people are unified. Both are needed.

Korean blog: (click here)

Portuguese blog:

A Tribo e a Nação
Andrew Kirk, Diretor do “Generation 2 Generation” Website – www.G2gMandate.org, Mídias Sociais – @G2gMandate

A “Grande Asa” e a “Pequena Asa” se complementam. Mesmo tendo dinâmicas distintas, cada uma delas é necessária.

A célula, ou seja, a “Pequena Asa”, é como o tijolo que faz a construção da igreja. Por esta razão, a saúde das células tem impacto significativo na saúde da igreja como um todo. É nas células que acontece e a intimidade entre as pessoas e com Jesus se expressa.

A grande reunião, ou a “Grande Asa”, é a expressão das células que se reúnem. É possível sentir o poder dos pequenos “tijolos” unidos na grande reunião para cultuar ao Deus Onipotente e poderoso.

O crescimento e o discipulado acontecem primariamente através dos pequenos grupos e em situações do tipo um a um. Entretanto, é somente na grande celebração que podemos ter a experiência de nos sentirmos parte de um corpo maior do que a célula, crescendo e servindo em união. Através da pregação pastoral somos inspirados e encorajados, todas as células juntas e impulsionadas à frente, cada um sentindo-se parte de uma visão mais ampla.

A celebração também ajuda a desenvolver um senso de pertencimento a uma comunidade muito mais ampla. Os israelitas identificavam-se com suas tribos e com a nação à qual sua tribo pertencia. Como nação, eles lutavam juntos e fortes, liderados por Moisés, Josué ou Davi. Juntas, as células podem permanecer firmes, encorajar e apoiar umas às outras, lideradas pelo seu Pastor.

As tribos cuidavam umas das outras, viviam em comunidade e priorizavam as famílias. Entretanto, em muitas situações as tribos precisavam unir-se, especialmente nas batalhas, “firmes diante do Senhor”, exortando e louvando ao Senhor em unidade. Assim é a célula (tribo) e a celebração (nação).

Algumas das celebrações mais poderosas que já testemunhei aconteceram em Igrejas da Paz no Brasil. Eles não simplesmente se juntam em uma Celebração, eles realmente celebram. Eles celebram juntos com danças, balões e uma alegria exuberante. A celebração na Grande Asa envolve cada uma das células presentes e necessariamente traz encorajamento a outras células para fazerem o mesmo nos futuros encontros. É uma GRANDE celebração!

Já fiz muitas visitas e um dos momentos mais emocionantes acontece quando os pastores oferecem a oportunidade para as pessoas irem ao altar, aceitarem a salvação e receberem uma oração. Depois que tudo isso acontece, grandes faixas aparecem e todos na congregação dizem: “Bem-vindos à nossa Família!”. Quando eles se viram novamente de costas para o altar a igreja é uma verdadeira explosão de alegria, música e emoção.

As pessoas são atraídas para as células em busca de discipulado e comunhão. Tanto a pequena quanto a grande reunião têm seus lugares específicos nesta jornada.

A fragmentação leva à desintegração. Estar junto nas reuniões, ser liderado e permanecer unido é algo que leva à unidade em uma só direção. A celebração é um veículo que permite manter a unidade entre as células. As células permitem que haja unidade entre as pessoas. Ambas são necessárias.

Spanish blog:

La tribu y la nación

Por Andrew Kirk, Director de Generación 2, Sitio web – www.G2gMandate.org, Redes sociales – @ G2gMandate

El ala grande y El ala pequeña se complementan entre sí, teniendo diferentes dinámicas, pero cada una es necesaria.

Las células, o el “ala pequeña”, se consideran los bloques de construcción de la iglesia. Por lo tanto, la salud de las células tiene un impacto significativo en la salud de la iglesia. Es aquí donde se expresa mejor la intimidad de unos con otros y con Jesús.

La reunión más grande, el “ala grande”, es una expresión de la unión de todas las células. El poder de estos “bloques” juntos se puede sentir de manera tangible a través de la reunión y la adoración corporativa a un Dios poderoso y omnipotente.

El crecimiento y el discipulado se llevan a cabo principalmente a través de grupos más pequeños y situaciones individuales. Sin embargo, poder experimentar ser parte de un Cuerpo más grande, crecer juntos, servir y reconocer que somos parte de algo mucho más grande de lo que experimentamos en la célula, solo puede suceder plenamente en la celebración. A medida que el pastor predica, inspira y anima a todas las células juntas, las células se impulsan hacia adelante, cada una participando en la visión más amplia.

La celebración también ayuda a desarrollar el sentido de ser parte de una comunidad más amplia. Los israelitas se identificaron con sus tribus y la nación de la cual su tribu era parte. Como nación, lucharon juntos con fuerza cuando fueron dirigidos por Moisés, Josué o David. Entonces, las células que se unen pueden pararse, animarse y apoyarse unas a otras mientras su pastor dirige.

Las tribus se cuidaban unas a otras, vivían en comunidad y priorizaban a la familia. Sin embargo, en muchas situaciones, las tribus necesitaban unirse, especialmente en la batalla y “estar delante del Señor”, para exhortar y alabar en unidad. Así es la célula (tribu) y la celebración (nación).

Algunas de las celebraciones más poderosas que he experimentado han sido con iglesias PAZ en Brasil. No solo se encuentran como una celebración; Ellos celebran. Juntos celebran Encuentros con baile, globos y alegría exuberante. Esta celebración en el ala grande captura todas las células presentes y solo puede alentar a otros a participar en encuentros futuros. ¡Es una GRAN celebración!

En mis muchas visitas, uno de los momentos más emocionantes es cuando los pastores presentan la oportunidad de salvación, las personas se acercan y son ministradas. Luego, mientras dan la espalda, se levantan carteles por los auditorios que dicen: “¡Bienvenido a la familia!” Luego, cuando se dan la vuelta, el lugar estalla de alegría, música, vítores, etc.

Luego, las personas se integran en un grupo celular para el discipulado y la comunidad. Así, tanto los grandes como los pequeños tienen un lugar único en el viaje.

La fragmentación conduce a la desintegración. Ser atraídos, guiados y estar juntos, conduce a la unidad y a una mente en una dirección. La celebración es un vehículo para asegurar que las células estén en unidad con las otras células. Las células aseguran que la gente esté unificada. Ambas alas son necesarias.

Healthy Cells, Healthy Multiplication

By Andrew Kirk, Director of Generation 2 generation, Website – www.G2gMandate.org, Social Media – @G2gMandate

Cultivating a sense of passion and excitement about multiplication will increase the motivation to multiply. Cells can develop the feeling of being “divided” and separated from friends instead of celebrating multiplication. Instead of mourning relationships as “lost,” it’s essential to focus on building new ones. Looking ahead is a healthy mindset, a DNA to develop.

When Jesus is at the center of the cell and Lord of the members, the cell becomes life-giving. The focus is all about exalting Jesus and laying down their lives for Him and each other.

Relationships that are open and accepting reach out to the world around them, whereas one can often find cells that have become inward-looking and not open to the inclusion of others. Building close relationships, yet drawing others in, must be intentional and requires people to deal with their hurts, insecurities, and anxieties.

People are attracted to “relational community.” People long for friendship where they are part of growing a healthy community.

Covid-19 has been with us for the last 15 months. For many, the sense of belonging to a community is no longer present. People feel disconnected and uncertain of the world around them. They need a relational community that is not “religious” and out of touch with the language and lives of those around them. Healthy multiplying cells connect to members’ lives, and when the members’ lives connect to the cell, cells multiply naturally.

From the very beginning, the vision for multiplication needs to be in the DNA and vision. Empowering new leadership, giving everyone an opportunity in and outside the cell, and keeping the multiplication vision front and center will help in the multiplication process.

Cell members must take responsibility when a new cell is birthed. Taking responsibility will include taking ownership of the vision to multiply and being part of the process. Leaders should not “force” responsibility onto members.

As the building block of the church, the cell is where true community and growth takes place and where the celebration of multiplication happens. How exciting it is to see healthy cells developing and multiplying as they reach communities around them!

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Células saudáveis, Mutiplicações saudáveis

Andrew Kirk, Diretor do “Generation 2 Generation” Website – www.G2gMandate.org, Mídias Sociais – @G2gMandate

A motivação para a multiplicação aumentará quando for cultivada a paixão e expectativa sobre o assunto. As células correm o risco de desenvolver o sentimento de terem sido “divididas” e separadas de seus amigos ao invés de comemorar a multiplicação. É essencial manter o foco na expectativa de novos relacionamentos ao invés de lamentar os relacionamentos “perdidos”. O olhar para o futuro é um estado mental saudável, algo como um DNA que devemos implementar em nós mesmos.

Quando Jesus é o centro das células e Senhor de todos os membros, a célula se torna doadora de vida. O foco é totalmente voltado para exaltar a Jesus e entregar as vidas por Ele e por cada uma das outras pessoas.

Os relacionamentos que permanecem abertos e sempre dispostos a receber, alcançam o mundo que está ao seu redor, ao passo que frequentemente observamos células que se voltaram para dentro, fechadas à inclusão de outros. É preciso ser intencional na atitude de construir relacionamentos íntimos e ao mesmo tempo convidar outros a participar. Isso requer das pessoas o tratamento de suas mágoas, inseguranças e ansiedades.

As pessoas se sentem atraídas por uma “comunidade de relacionamentos”. Elas anseiam por um ambiente de amizade em que são parte de uma comunidade saudável.

Temos convivido com a Covid-19 pelos últimos 15 meses. Para muitos não existe mais a sensação de pertencimento a uma determinada comunidade. As pessoas sentem-se desconectadas e com incertezas sobre o mundo que as cerca. Elas precisam de uma comunidade de relacionamentos que não seja simplesmente “religiosa” e desconectada da linguagem e das vidas das pessoas que estão ao seu redor. As células que se multiplicam de forma saudável se conectam com as vidas dos membros, e quando estes membros se conectam com a célula, elas se multiplicam naturalmente.

A visão da multiplicação precisa estar no DNA e na visão pessoal das pessoas desde o início do processo. Isso acontece pelo empoderamento das novas lideranças, ao dar oportunidade na célula e fora dela. Manter a visão da multiplicação bem no centro de tudo ajudará no processo de multiplicação.

Os membros das células precisam se sentir responsabilizados quando uma nova célula é criada. Ao sentirem-se responsáveis, eles vão se apropriar da visão da multiplicação e serão parte do processo. Os líderes não podem forçar a responsabilidade aos membros.

A célula é o tijolo na construção da igreja. A célula é onde a comunhão e o crescimento acontecem e onde a celebração e a multiplicação têm seu lugar. É muito emocionante observar células saudáveis se desenvolverem e multiplicarem-se, à medida que alcançam as comunidades ao seu redor.

Spanish blog:

Células sanas, multiplicación sana

 

Por Andrew Kirk, Director de Generación 2, Sitio web – www.G2gMandate.org, Redes sociales – @ G2gMandate

 

Cultivar un sentido de pasión y entusiasmo por la multiplicación aumentará la motivación para multiplicar. Las células pueden desarrollar la sensación de estar “divididas” y separadas de sus amigos en lugar de celebrar la multiplicación. En lugar de lamentar las relaciones como “perdidas”, es esencial centrarse en construir otras nuevas. Mirar hacia el futuro es una mentalidad saludable, un ADN a desarrollar.

 

Cuando Jesús está en el centro de la célula y es el Señor de los miembros, la célula se vuelve vivificante. El enfoque es exaltar a Jesús y dar nuestras vidas por él y por los demás.

 

Las relaciones que son abiertas y de aceptación llegan al mundo que las rodea, mientras que a menudo uno puede encontrar células que se han vuelto introspectivas y no están abiertas a la inclusión de otros. Construir relaciones cercanas, pero atraer a otros, debe ser intencional y requiere que las personas lidien con sus heridas, inseguridades y ansiedades.

 

La gente se siente atraída por la “comunidad relacional”. Las personas anhelan la amistad cuando son parte del desarrollo de una comunidad saludable.

 

El Covid-19 ha estado con nosotros durante los últimos 15 meses. Para muchos, el sentido de pertenencia a una comunidad ya no está presente. Las personas se sienten desconectadas e inseguras del mundo que las rodea. Necesitan una comunidad relacional que no sea “religiosa” y que esté desconectada del idioma y la vida de quienes los rodean. Las células sanas que se multiplican se conectan a la vida de los miembros, y cuando las vidas de los miembros se conectan a la célula, las células se multiplican naturalmente.

 

Desde el principio, la visión de la multiplicación debe estar en el ADN y la visión. Empoderar a los nuevos líderes, darles a todos una oportunidad dentro y fuera de la célula y mantener la visión de la multiplicación al frente y al centro ayudará en el proceso de multiplicación.

 

Los miembros de la célula deben asumir la responsabilidad cuando nace una nueva célula. Asumir la responsabilidad incluirá apropiarse de la visión de multiplicar y ser parte del proceso. Los líderes no deben “imponer” responsabilidades a los miembros.

 

Como bloque de construcción de la iglesia, la célula es donde tiene lugar la verdadera comunidad y el crecimiento y donde ocurre la celebración de la multiplicación. ¡Qué emocionante es ver el desarrollo y la multiplicación de células sanas a medida que llegan a las comunidades que las rodean! 

Who is “everyone” in the Cell Church?

By Andrew Kirk, Director of Generation 2 generation, Website – www.G2gMandate.org, Social Media – @G2gMandate

Here are some key questions for cell church ministry:

  • Do we release ‘people’ in the cell system through equipping, coaching, and celebration?
  • Is ‘everyone in the church’ equipped and mobilized?
  • How does the ‘cell church’ mobilize ‘all people’?

Sadly, most people answer these questions when thinking entirely about adults.

But  when we stop to consider these questions carefully, they need to be interpreted as:

  • Do we release ‘every generation’ in the cell system through equipping, coaching, and celebration?
  • Are ‘adults, young people, and children’ equipped and mobilized?
  • How does the cell church mobilize ‘adults, young people, and children?

So, in evaluating the answers, the following values might help Pastors assess where their church is with mobilizing every generation. They are values most churches would agree on:

All (adults, youth, and children) are:

  • ministers
  • called to win others
  • called to serve
  • empowered for service
  • to participate fully
  • receivers and givers
  • hearers and doers

People cannot live out these roles fully in the Big Wing. Some can, but not everyone. Only in the Small Wing, or cell group, could this be possible, providing the cell leader is operating as a facilitator, not “teacher” or “leader.” The younger the cell members, the more tempting it is to slip into those roles, yet facilitation is vital for every generation.

I want to challenge every reader to carefully go through the list of values, taking each generation in turn, and evaluate how each generation is living them out and where the strengths and weaknesses are in truly releasing, “Every generation to do the work of the ministry, as they live in the priesthood of all believers (adults, young people, and children).”

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Quem são “todos” na Igreja em célula?

Andrew Kirk, Diretor do “Generation 2 Generation” Website – www.G2gMandate.org, Mídias Sociais – @G2gMandate

Aqui estão algumas perguntas-chave para igrejas em células:

  • As pessoas têm sido enviadas no ministério celular por meio do treinamento, supervisão e celebração?
  • Todos na igreja estão capacitados e mobilizados?
  • Como a igreja em células efetivamente mobiliza todas as pessoas?

Infelizmente a maior parte das pessoas responde estas perguntas pensando exclusivamente nos adultos.

Quando paramos e pensamos nestas perguntas com mais cuidado, cada uma delas precisa ser interpretada assim:

  • As pessoas de todas as idades têm sido enviadas no ministério celular por meio do treinamento, supervisão e celebração?
  • Adultos, jovens e crianças na igreja estão capacitados e mobilizados?
  • Como a igreja em células efetivamente mobiliza Adultos, jovens e crianças?

Ao avaliar as respostas, os valores enumerados a seguir podem ajudar os Pastores a perceber em que estágio a igreja se encontra no que diz respeito a mobilizar todas as gerações. Estes são valores que a maioria das igrejas concorda serem importantes:

Todos (adultos, jovens e crianças) são:

  • Ministros
  • Chamados a conquistar outras pessoas para Cristo
  • Chamados a servir
  • Capacitados para servir
  • Chamados a participar plenamente da Igreja
  • Chamados a receber e a dar
  • Chamados a ouvir e a fazer

As pessoas não conseguem exercer todos estes chamados na Grande Asa ou Grande Celebração. Alguns até conseguem, mas isso não se extende a todas as pessoas. Somente na Pequena Asa, ou Célula, isso pode efetivamente acontecer, dado que o líder da célula seja um facilitador e não simplesmente um “professor” ou “líder”. Quando mais jovens forem os membros da célula, mas tentador é vestir estas capas de “professor” ou “líder”, mas agir como facilitador é vital para todas as gerações.

Quero desafiar cada um que estiver lendo este blog a observar com cuidado esta lista de valores, considerando cada geração, e a avaliar como cada uma das gerações têm vivido estes valores, considerando também as vantagens e desvantagens de enviar “cada geração ao serviço do ministério, vivendo o sacerdócio dos crentes (adultos, jovens e crianças).”

Spanish blog:

¿Quiénes son “todos” en la Iglesia Celular?

Por Andrew Kirk, Director de Generación 2, Sitio web – www.G2gMandate.org, Redes sociales – @ G2gMandate

Aquí hay algunas preguntas clave para el ministerio de la iglesia celular:

  • ¿Liberamos “personas” en el sistema celular a través del equipamiento, el entrenamiento y la celebración?
  • ¿Están “todos” en la “iglesia” equipados y movilizados?
  • ¿Cómo moviliza la “iglesia celular” a “todas las personas”?

Lamentablemente, la mayoría de las personas responden a estas preguntas cuando piensan exclusivamente en los adultos.

Pero cuando nos detenemos a considerar estas preguntas detenidamente, deben interpretarse como:

  • ¿Liberamos “todas las generaciones” en el sistema celular a través del equipamiento, el entrenamiento y la celebración?
  • ¿Están equipados y movilizados “adultos, jóvenes y niños”?
  • ¿Cómo moviliza la iglesia celular a ‘adultos, jóvenes y niños?

Entonces, al evaluar las respuestas, los siguientes valores podrían ayudar a los pastores a evaluar dónde está su iglesia para movilizar a cada generación. Son valores con los que la mayoría de las iglesias estarían de acuerdo:

Todos (adultos, jóvenes y niños) son:

  • ministros
  • llamados a ganar a otros
  • llamados a servir
  • empoderados para el servicio
  • a participar plenamente
  • a ser receptores y entregados
  • a ser oyentes y hacedores

La gente no puede desempeñar plenamente estos roles en Big Wing. Algunos pueden, pero no todos. Solo en el ala pequeña, o grupo celular, esto podría ser posible, siempre que el líder celular actúe como facilitador, no como “maestro” o “líder”. Cuanto más jóvenes son los miembros de la célula, más tentador es deslizarse en esos roles, sin embargo, la facilitación es vital para todas las generaciones.

Quiero desafiar a cada lector a que revise cuidadosamente la lista de valores, tomando a cada generación por turno, y evalúe cómo cada generación los está viviendo y dónde están las fortalezas y debilidades en liberar verdaderamente, “Cada generación para hacer el trabajo de la ministerio, ya que viven en el sacerdocio de todos los creyentes (adultos, jóvenes y niños) ”.

Where do they all belong?

By Andrew Kirk, Director of Generation 2 generation, Website – www.G2gMandate.org, Social Media – @G2gMandate

There is an old Beatle’s song that says,

“All the lonely people,
Where do they all come from?
All the lonely people,
Where do they all belong?”

This sad, lonely cry is even more prevalent today. Isolation has become a word that is on everyone’s lips and part of their lifestyle. Society has changed, but God’s Word has not. Scripture tells us where we belong: in His church, the community of the King.

In days of increasing lack of trust and concern about free speech and freedom of expression,  people need groups that trust each other and will walk together. Self-sufficiency, independence, and pleasing oneself are increasingly ingrained in our culture. People live with barriers between themselves and other people. For example, drive-in garages give seclusion, fences around gardens give “privacy,” closed and locked doors stop intruders and supposedly keep people “safe.” I’m not saying these things are wrong in and of themselves, but they add to a culture of isolation.

Today there is a growing fear of being around people, of being too close, of touching each other. While the reasons behind these may not be evil, the effects are horrendous, and ultimately go against where God says we need to be.

Relationship is at the heart of the Kingdom of God. We were made to relate to one another. Because of this, isolation can be like torture. As Christians, we hold the key to breaking this culture of isolation in society today. Jesus commanded us to love one another as He has loved us. And his love is expressed in community, where we confess, forgive, love, encourage, confront, sacrifice, and serve with humility.

Christ-centered community is transformational. It drives us to be more like Him. As this transformation takes place, we will fulfill Christ’s words,  “By this everyone will know that you are my disciples, if you love one another” (John 13:35).

The most important evangelistic outreach is through community. Our unity will attract others to Jesus as John 17:22-23 says, “I have given them the glory that you gave me, that they may be one as we are one – I in them and you in me – so that they may be brought to complete unity. THEN the world will know that you sent Me and have loved them even as you have loved Me.”

“All the lonely people,
Where do they all belong”

They belong with us, in community where we are commanded to “not give up meeting together, as some are in the habit of doing, but encouraging one another, and all the more as you see the Day approaching” (Hebrews 10:25).

We need community and the world needs our community. Let’s practice community until He comes, and beyond!

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Onde todos eles pertencem?

Por Andrew Kirk, Diretor da Geração 2 geração, website –  www.G2gMandate.org,  Social Media – @ G2gMandate

Há uma antiga canção dos Beatles’ que diz:

“Todas as pessoas solitárias,
De onde vêm todos eles?
Todas as pessoas solitárias,
Onde todos eles pertencem? ”

Este choro triste e solitário é ainda mais comum hoje. Isolamento se tornou uma palavra que está na boca de todos e faz parte de seu estilo de vida. A sociedade mudou; seus mundos mudaram; Mas a Palavra de Deus não. A Escritura nos diz onde as pessoas pertencem e a que pertencemos: em Sua igreja, a comunidade do Rei.

Em dias de crescente falta de confiança e preocupação com a liberdade de expressão e liberdade de expressão, as pessoas precisam de grupos que confiem umas nas outras e andem juntas. A autossuficiência, a independência e a satisfação pessoal estão cada vez mais arraigadas nas culturas. As pessoas vivem com barreiras entre elas e outras pessoas. Por exemplo, garagens drive-in proporcionam reclusão, cercas ao redor de jardins proporcionam “privacidade”, portas fechadas e trancadas impedem os intrusos e supostamente mantêm as pessoas “seguras”. Não estou dizendo que essas coisas são erradas por si mesmas, mas contribuem para uma cultura de isolamento.

Hoje existe um medo crescente de estar perto de pessoas, de estar perto demais, de se tocar. Embora as razões por trás disso possam não ser más, os efeitos são terríveis e, no final das contas, vão contra onde Deus diz que precisamos estar.

O relacionamento está no coração do Reino de Deus. Fomos feitos para nos relacionarmos. Por causa disso, o isolamento pode ser uma tortura. Como cristãos, temos a chave para quebrar essa cultura de isolamento na sociedade hoje. Jesus ordenou que nos amássemos uns aos outros como Ele nos amou. E seu amor se expressa em comunidade, onde confessamos, perdoamos, amamos, encorajamos, confrontamos, sacrificamos e servimos com humildade.

A comunidade centrada em Cristo é transformadora. Isso nos leva a ser mais semelhantes a ele. À medida que essa transformação ocorrer, cumpriremos as palavras de Cristo: “Nisto todos saberão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros” (João 13:35).

O alcance evangelístico mais importante é por meio da comunidade. Nossa unidade atrairá outros a Jesus como João 17:22-23 diz: “Dei-lhes a glória que me deste, para que eles sejam um, assim como nós somos um: eu neles e tu em mim. Que eles sejam levados à plena unidade, PARA QUE o mundo saiba que tu me enviaste, e os amaste como igualmente me amaste.”

“Todas as pessoas solitárias,
Onde todos eles pertencem?

Pertencem a nós, em comunidade onde nos é ordenado “não desistir de se encontrar, como alguns costumam fazer, mas encorajar-se uns aos outros, e tanto mais à medida que se aproxima o dia” (Hebreus 10:25) .

Precisamos de comunidade e o mundo precisa de nossa comunidade. Vamos praticar a comunidade até que Ele venha e mais além!

Spanish blog:

¿A dónde pertenecen todos?

 

Por Andrew Kirk, Director de Generación 2, Sitio web – www.G2gMandate.org, Redes sociales – @ G2gMandate

 

Hay una vieja canción de los Beatles que dice:

 

“Toda la gente solitaria,

¿De dónde vienen todos ellos?

Toda la gente solitaria,

¿A dónde pertenecen todos?

 

Este llanto triste y solitario es aún más frecuente en la actualidad. El aislamiento se ha convertido en una palabra que está en boca de todos y forma parte de su estilo de vida. La sociedad ha cambiado; sus mundos han cambiado; Pero la Palabra de Dios no lo ha hecho. La Escritura nos dice a dónde pertenece la gente y a dónde pertenecemos: en Su iglesia, la comunidad del Rey.

 

En días de creciente desconfianza y preocupación por la libertad de expresión, la gente necesita grupos que confíen unos en otros y que caminen juntos. La autosuficiencia, la independencia y el placer de uno mismo están cada vez más arraigados en las culturas. La gente vive con barreras entre ellos y otras personas. Por ejemplo, los garajes para autoservicio brindan aislamiento, las cercas alrededor de los jardines brindan “privacidad”, las puertas cerradas con llave detienen a los intrusos y supuestamente mantienen a las personas “seguras”. No estoy diciendo que estas cosas estén mal en sí mismas, pero se suman a una cultura de aislamiento.

 

Hoy en día hay un miedo creciente a estar cerca de la gente, a estar demasiado cerca, a tocarse. Si bien las razones detrás de esto pueden no ser malas, los efectos son horrendos y, en última instancia, van en contra de donde Dios dice que debemos estar.

 

La relación está en el corazón del Reino de Dios. Fuimos hechos para relacionarnos unos con otros. Por eso, el aislamiento puede ser como una tortura. Como cristianos, tenemos la clave para romper esta cultura de aislamiento en la sociedad actual. Jesús nos ordenó amarnos unos a otros como Él nos amó. Y su amor se expresa en comunidad, donde confesamos, perdonamos, amamos, alentamos, confrontamos, sacrificamos y servimos con humildad.

 

La comunidad cristocéntrica es transformadora. Nos impulsa a ser más como él. A medida que se lleve a cabo esta transformación, cumpliremos las palabras de Cristo: “En esto todos sabrán que son mis discípulos, si se aman los unos a los otros” (Juan 13:35).

 

El alcance evangelístico más importante es a través de la comunidad. Nuestra unidad atraerá a otros a Jesús, como dice Juan 17: 22-23: “La gloria que me diste, yo les he dado, para que sean uno, así como nosotros somos uno.

Yo en ellos, y tú en mí, para que sean perfectos en unidad, para que el mundo conozca que tú me enviaste, y que los has amado a ellos como también a mí me has amado ”.

 

“Toda la gente solitaria,

¿A dónde pertenecen todos?

 

Pertenecen a nosotros, a la comunidad en la que se nos manda “no dejar de reunirnos, como algunos suelen hacer, sino animarnos unos a otros, y más cuando veis que se acerca el día” (Hebreos 10:25). .

 

Necesitamos comunidad y el mundo necesita nuestra comunidad. ¡Practiquemos la comunidad hasta que Él venga y más allá!