The Blessing after the Trial (Español Abajo)

By Mario Vega, www.elim.org.sv

Gladys is a longtime faithful coach at Elim Church. She recently approached me with the very sad news that five people died from COVID-19 within her sector.  The deaths included two hosts and three cell members who were very committed to cell ministry. This is way too many deaths for the same sector. She was aware of the state of health of these people; She encouraged them, visited them, and prayed for them. Gladys is a mature Christian, and she is also extraordinarily strong in the face of difficult conditions. I am sure that she will not be broken by the situation, but that she will continue to serve her Lord as she has done most of her life.

These types of losses have not only occurred in Gladys’ sector but, in general, in all sectors of the church. Everywhere there have been sick people and deaths. There have been irreparable losses of people who were highly trained for cell work and with years of experience. Those losses will undoubtedly impact the advancement of evangelization in the coming years. We live in a sad, unexpected, and uncertain moment. You cannot be certain when things will be able to normalize or how it will happen.

However, we do have the certainty that the Lord will help us through these difficult times.  The pandemic has reminded us how fragile we are, but faith reminds us of the power of the resurrection that will carry his work to new levels, with new understanding, and new approaches. His people will be strengthened through this trial and will rise up to face the challenge with new courage. Gladys’ sector will flourish again, but so will churches of the Lord around the world. This is not the end. Rather, better days are coming. We just must be patient, persevere and believe that we will see the goodness of the Lord.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

A bênção após a provação

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

Gladys é uma supervisora fiel de longa data na Igreja Elim. Recentemente, ela me abordou com a triste notícia de que cinco pessoas morreram de COVID-19 em seu setor. As mortes incluíram dois anfitriões e três membros de células que estavam muito comprometidos com o ministério de células. São mortes demais para o mesmo setor. Ela estava ciente do estado de saúde dessas pessoas; Ela os encorajou, visitou e orou por eles. Gladys é uma cristã madura e também extraordinariamente forte em condições difíceis. Eu tenho certeza de que ela não ficará abalada com a situação, mas continuará a servir ao Senhor como fez durante a maior parte de sua vida.

Esses tipos de perdas não ocorreram apenas no setor de Gladys, mas, em geral, em todos os setores da igreja. Em todos os lugares, houve pessoas doentes e mortes. Houve perdas irreparáveis de pessoas altamente treinadas para o trabalho nas células e com anos de experiência. Essas perdas sem dúvida impactarão o avanço da evangelização nos próximos anos. Vivemos um momento triste, inesperado e incerto. Você não pode ter certeza de quando as coisas poderão se normalizar ou como isso acontecerá.

No entanto, nós temos a certeza de que o Senhor nos ajudará nesses tempos difíceis. A pandemia nos lembrou como somos frágeis, mas a fé nos lembra o poder da ressurreição que levará sua obra a novos níveis, com uma nova compreensão e novas abordagens. Seu povo será fortalecido por esta provação e se levantará para enfrentar o desafio com nova coragem. O setor de Gladys florescerá novamente, mas o mesmo acontecerá com as igrejas do Senhor em todo o mundo. Este não é o fim. Em vez disso, dias melhores estão chegando. Nós devemos apenas ser pacientes, perseverar e acreditar que veremos a bondade do Senhor.

Spanish blog:

La bendición después de la prueba

por Mario Vega, www.elim.org.sv

Gladys es una supervisora fiel desde hace muchos años en la iglesia Elim. Hace poco se me acercó para comentarme con tristeza que en su sector ha tenido cinco fallecimientos por COVID 19. Se trata de dos anfitriones y tres miembros de las células que eran muy comprometidos con el trabajo celular. Son muchas muertes para un mismo sector. Ella estuvo pendiente del estado de salud de esas personas, las alentó, las visitó aún sabiendo que estaban contagiadas y oró por ellas. Gladys es una cristiana madura y también se muestra muy fuerte ante las condiciones difíciles. Estoy seguro de que ella no se quebrará por la situación, sino que seguirá sirviendo a su Señor como lo ha hecho casi toda su vida.

Este tipo de pérdidas no solo han ocurrido en el sector de Gladys sino, en general, en todos los sectores de la iglesia. Por todas partes ha habido enfermos y decesos. Se han tenido pérdidas irreparables de personas que estaban altamente capacitadas para el trabajo celular y con años de experiencia. Esas pérdidas sin duda que impactarán en el avance de la evangelización en los próximos años. Vivimos un momento triste, inesperado e incierto. No se puede tener certeza de cuándo las cosas podrán normalizarse o cómo sucederá. No obstante, sí poseemos la certeza de que el Señor nos ayudará a salir adelante. La pandemia nos ha recordado lo frágiles que somos, pero la fe nos recuerda el poder de la resurrección que llevará su obra a nuevos niveles, con nuevos aprendizajes y enfoques. Su pueblo se fortalecerá por medio de esta prueba y se levantará con nuevos ánimos. El sector de Gladys volverá a florecer, pero también lo harán las iglesias del Señor en el mundo entero. Esto no es el final, vienen días mejores. Solo debemos ser pacientes, perseverar y creer en que veremos la bondad del Señor.

A Worthy Goal

By Mario Vega, www.elim.org.sv

The ship in which Paul was transported had been in the middle of a storm for 14 days. The sailors did not know where they were or where they were going. They were simply carried away by the storm. One morning there was enough light to be able to see the coast, but “they could not recognize the land; but they did observe a bay with a beach, and they resolved to drive the ship onto it if they could” (Acts 27:39). From that moment everything changed on the ship. After a period of total inactivity, the sailors diligently swam to reach the distant shore.

Paul’s experience on the ship is similar to what churches are experiencing today. Without a clear destiny, churches simply get carried away by the storm. Clear purposes get swallowed up in just ​​living from day to day. But when a church has a clear goal, like the sailors who set out to reach the beach, the congregation mobilizes and draws strength from its weakness.

Pastors have a key role in establishing the vision and goal to be achieved. If a congregation doesn’t have a goal, they will just be “hanging out” together. The incredible strengths found in the members will not be used. The entire congregation needs a worthy goal—one worth fighting for. The rest is done by the grace of God.

Korean blog (Click here)

Portuguese blog:

Um objetivo que vale a pena

Mario Vega, www.elim.org.sv

O navio que transportava Paulo esteve em meio a uma tempestade por 14 dias. Os marinheiros não sabiam mais onde estavam e para onde o navio estava indo. Eles estavam sendo simplesmente levados pela tempestade. Certa manhã houve luz suficiente para que eles visualizassem a costa, mas “… não reconheceram a terra, mas avistaram uma enseada, onde havia praia; então, consultaram entre si se não podiam encalhar ali o navio.” Atos 27:39. Daquele momento em diante tudo mudou a bordo daquele navio. Depois de um período de total inatividade, os marinheiros nadaram diligentemente até alcançar a praia distante.

Esta experiência de Paulo no navio é similar ao que as igrejas estão enfrentando hoje. Sem um destino certo, as igrejas simplesmente foram levadas pela tempestade. Os propósitos que pareciam claros submergiram na sobrevivência do dia a dia. Mas quando uma igreja tem um objetivo em vista, como os marinheiros que nadavam em direção à praia, a congregação se mobiliza e retira força de suas fraquezas.

Os pastores têm um papel chave no estabelecimento da visão e dos objetivos a serem alcançados. Se uma congregação não tem um objetivo, todos estarão apenas “congregando” juntos. As forças incríveis que estão nos membros não estarão sendo utilizadas. A congregação como um todo, precisa de um objetivo que valha a pena, um objetivo pelo qual valha a pena lutar. O resto é completado pela graça de Deus.

Spanish blog:

Una meta por la cual luchar

por Mario Vega, www.elim.org.sv

El barco en el que Pablo era transportado llevaba 14 días en medio de una tempestad. Los marineros no sabían en qué lugar se encontraban ni adónde se dirigían. Solo se dejaban llevar por la tormenta. Una mañana hubo suficiente luz para lograr ver la costa, pero «no reconocieron la tierra, pero vieron una bahía que tenía playa, donde decidieron encallar el barco a como diera lugar» (Hechos 27:39). A partir de ese momento todo cambió en el barco. Después de una inactividad total, los marineros se pusieron a trabajar arduamente por alcanzar la playa que habían visto.

La experiencia de Pablo en el barco es similar a la de las iglesias. Cuando no se tiene una visión que muestre el destino, las iglesias simplemente se dejan llevar por la tempestad. No hay propósitos sino solamente la idea de vivir el día a día. Pero cuando una iglesia se propone un objetivo, como los marineros se propusieron llegar a la playa, la congregación se moviliza y saca fuerzas de su debilidad. Es responsabilidad del pastor establecer la visión y, consecuentemente, la meta a alcanzar. Si una congregación no tiene una meta, solo estarán conviviendo. No se aprovecharán las increíbles fuerzas que se encuentran en los miembros. Ellos solo necesitan una razón por la cual luchar, el resto lo hace la gracia de Dios.

Connecting with the Worldwide Cell Movement

By Mario Vega, www.elim.org.sv

Cell ministry began at Elim Church in El Salvador in 1986. At that time, all our knowledge came from the few principles that we gleaned from Cho’s book Successful Home Cell Groups. That book featured more enthusiasm than practical advice about what to do.  Yet, the passion in Cho’s church (Yoido Full Gospel Church) moved the church forward. Yoido Full Gospel Church adjusted the methods according to their needs. By 1997, Cho’s church had reached an estimated 60,000 members.

In 1998, I met Joel Comiskey in Quito, Ecuador at The Republic Church.  Joel was not only a missionary, but he also counseled those wanting to transition to the cell system. I was invited to give a conference on cells to the members of the Republic Church.  During that conference, I first heard Joel teach about basic cell topics such as the importance of having a correct definition of the cell. Those teachings were revealing to me and the beginning of the discovery of the worldwide cell movement.

Later I was able to meet Ralph Neighbour, William Beckham, Roberto Lay, David Yonggi Cho, and other champions of the modern cell movement. That allowed us to learn a lot about the history, theology, and methodology of cells. Looking back, I think Elim would have transitioned better if, from the beginning, it had been connected with what was happening in the rest of the body of Christ. But God has a time for everything and our experience has taught us that it’s better to be connected to the whole body of Christ. Christ’s church was designed to edify each other and this means that we need to exchange experiences and knowledge. Staying within the worldwide cell movement has helped us maintain the synergy of the Holy Spirit while avoiding isolationism.  

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Conectando-se ao Movimento Celular ao redor do Mundo

Mario Vega, www.elim.org.sv

O trabalho em Células iniciou em 1986 na Igreja Elim na cidade de El Salvador. Naquela época, todo nosso conhecimento vinha de alguns princípios que captamos do livro “Células de Sucesso nos lares” (Successful Home Cell Groups) do Pastor Cho. O livro trazia na realidade muito mais entusiasmo do que orientações práticas sobre como proceder. Ainda assim, a paixão da igreja do Pastor Cho (Yoido Full Gospel Church) a impulsionou a crescer. A Yoido Full Gospel Church ajustou os métodos de acordo com suas necessidades. Em 1997, a igreja do Pastor Cho atingiu o número estimado de 60.000 membros.

Em 1998, eu me encontrei com Joel Comiskey em Quito, no Equador, na Igreja The Republic. Além de missionário, Joel aconselhava todos que queriam fazer a transição para o sistema celular. Eu fui convidado a ministrar uma conferência sobre células para os membros da Igreja The Republic. Durante aquela conferência eu ouvi pela primeira vez Joel ensinar sobre tópicos básicos das células, como por exemplo a importância de ter a definição correta do que é uma célula. 

Aqueles ensinos foram reveladores para mim e para o início da descoberta do movimento celular ao redor do mundo.

Algum tempo depois eu conheci Ralph Neighbour, William Beckham, Roberto Lay, David Yonggi Cho, e outros campeões do movimento celular moderno. Isso permitiu que aprendêssemos muito sobre a história, teologia e metodologia das células. Olhando para tudo que aconteceu, vejo que a Igreja Elim teria feito uma transição melhor se estivesse conectada desde o início com tudo o que acontecia por todo o Corpo de Cristo. Mas Deus tem um tempo para tudo e nossa experiência finalmente nos ensinou que é melhor estar conectado com o Corpo de Cristo. A Igreja de Cristo foi planejada para edificar uns aos outros e isso significa que precisamos compartilhar experiências e conhecimento. Permanecer dentro do movimento celular em tudo que acontece no mundo tem nos ajudado a manter a sinergia trazida pelo Espírito Santo, ao mesmo tempo em que evitamos o isolacionismo.

Spanish blog:

La importancia de conectarse con el movimiento celular

por Mario Vega, www.elim.org.sv

El trabajo con células comenzó en la iglesia Elim de El Salvador en 1986. Todo lo que se sabía del tema eran los pocos elementos que los libros del pastor Cho enseñan. Había más entusiasmo que certeza de cómo hacer las cosas. Pero fue esa pasión desmedida la que permitió que cada miembro pusiera lo mejor de sí mismo. Muy pronto se vieron los primeros resultados y en el camino se fueron ajustando los métodos de acuerdo con las necesidades. Para 1997 la iglesia había alcanzado un estimado de unos 60,000 miembros.

Fue en 1998 cuando conocí a Joel Comiskey en Quito, Ecuador, en la iglesia de La República. Allí él estaba prestando servicio misionero y asesoraba para la transición hacia el sistema celular. Fui invitado para una conferencia sobre células a los miembros de esa congregación. Fue entonces que escuché por primera vez enseñar a Joel sobre temas básicos como el de la importancia de tener una definición correcta de célula. Esas enseñanzas fueron para mí reveladoras y el inicio del descubrimiento del movimiento celular mundial.

Más tarde pude conocer a Ralph Neighbourg, William Beckham, Roberto Lay, David Yonggi Cho y otros campeones del movimiento celular moderno. Eso permitió aprender muchísimo de la historia, teología y metodología de las células. Al ver hacia atrás, creo que Elim hubiera podido avanzar más solidamente si desde el principio hubiera estado conectada con lo que ocurría en el resto del cuerpo de Cristo. Pero Dios tiene un tiempo para cada cosa y nuestra experiencia es útil para poder ahora recomendar la importancia de estar conectados a la totalidad de la iglesia del Señor. La iglesia fue diseñada para edificarse los unos a los otros y eso tiene que ver incluso con el intercambio de experiencias y conocimientos entre las iglesias. Permaciendo dentro del movimiento celular se aprovecha la sinergia que el Espíritu Santo imprime al cuerpo de Cristo cada día. Así, se avanza mucho mejor que permaneciendo aislados.

Prayer Services in Korea

By Mario Vega, www.elim.org.sv

My first visit to Pastor Cho’s church in Seoul, South Korea, took place in October 2003. I was hosted in the Sunday School building next to the main auditorium. It is an eleven-story building in which certain levels have been reserved for rooms where visitors can be accommodated. I arrived from the airport to the room when the sun had not yet risen. I was struck by the fact that I heard activity in the auditorium. I walked to the site and found thousands of people praying at the sanctuary. I was impressed not only by church buildings but also by the ardor of the prayer. I was watching for a long time, the sun came out, and the city started its daily activities.

Interestingly, no one led the prayers. Each one prayed spontaneously. After a couple of hours, I had to leave because I had an invitation to breakfast and had to go back to my room. I was intrigued by wondering what time that prayer would end. The next day, I was awakened by the firm footsteps of several people down the hall. I rushed out to find out what was going on and found everyone heading to the sanctuary. I followed them and again met thousands who were already praying there. Afterward, I found out that this happened every day, even on Sundays.

My next task was to find out what time they started. I learned that the prayer was scheduled for 5 a.m. in the morning. I arrived a few minutes before that time and, again, there were already thousands praying in the place. I thought I had misunderstood the start time, so the following days I attended earlier and earlier. But I could never get there before thousands of people were already in passionate prayer. On subsequent visits, I would understand that the Korean’s sense of punctuality is to arrive before the indicated time, and that can mean a long time before. I could never see the beginning of the prayer and never its end. It was an impressive lesson in dedication and perseverance to prayer. Without a doubt, one of the keys that have made this church a model for the cell churches of the world.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Cultos de Oração na Coréia

por Mario Vega, www.elim.org.sv

Minha primeira visita à Igreja do Pastor Cho em Seul, na Coréia do Sul, aconteceu em outubro de 2003. Fui recebido no prédio da Escola Dominical, que fica ao lado do auditório principal. É um prédio de onze andares, e alguns andares são reservados para que os visitantes possam ser acomodados. Fui para meu quarto direto do aeroporto e o sol ainda não tinha nascido. Fiquei impressionado com o fato de que eu pude ouvir sons de atividade vindos do auditório. Fui andando até lá e vi milhares de pessoas orando no santuário. Eu fiquei impressionado com o conjunto de prédios, mas sobretudo com o fervor da oração. Fiquei ali observando por um bom tempo. O sol nasceu e a cidade começou com suas atividades.

Achei muito interessante o fato de que ninguém estava conduzindo as orações. Cada pessoa orava espontaneamente. Depois de duas horas eu tive que sair pois precisava cumprir o horário do café da manhã e precisava voltar para o meu quarto. Fiquei realmente intrigado, imaginando a que horas aquela reunião de oração acabaria. No dia seguinte, fui acordado pelos passos das pessoas passando pelo corredor. Saí o mais rapidamente possível para saber o que estava acontecendo e percebi que todos estavam indo para o santuário. Segui as pessoas e novamente encontrei milhares de pessoas que já estavam lá, em oração. Fiquei sabendo mais tarde que isso acontecia diariamente, até mesmo aos domingos.

Tomei como tarefa pessoal descobrir o horário de início daquela reunião. Descobri que o horário marcado era 5 horas da manhã. Na manhã seguinte, cheguei lá alguns minutos antes do horário, e novamente, milhares de pessoas já estavam lá, em oração. Eu julguei ter me confundido com a informação do horário de início da reunião, então decidi chegar mais cedo a cada dia. Entretanto, eu nunca consegui chegar lá antes que milhares de pessoas já estivessem em oração. Algum tempo depois compreendi que o senso de pontualidade da Coréia compreende que o correto é chegar ao local antes do horário indicado, e isso pode ser muito, muito antes. Eu nunca consegui chegar no início daquela reunião, e nunca vi seu final. Foi uma lição impressionante de dedicação e perseverança na oração. Sem dúvida alguma, esta foi uma das chaves que levou aquela igreja a ser um modelo para as Igrejas em Células espalhadas pelo mundo.

Spanish blog:

Cultos de oración en Corea

por Mario Vega, www.elim.org.sv

Mi primera visita a la iglesia del Pastor Cho, en Seúl, Corea del Sur, tuvo lugar en octubre de 2003. Fui hospedado en el edificio de Escuela Dominical que se ubica al lado del auditorio principal. Se trata de un edificio de once pisos en el que ciertos niveles han sido reservados para habitaciones en donde hospedan visitantes. Llegué del aeropuerto a la habitación cuando el sol aún no salía. Me llamó la atención que escuché actividad en el auditorio. Caminé al lugar y encontré a miles de personas orando en el santuario. Estaba impresionado no solo por el complejo de edificios de la iglesia sino también por lo ardoroso de la oración. Estuve observando por largo tiempo, salió el sol y la ciudad arrancó sus actividades diarias.

No había nadie que dirigiera las oración. Cada quien oraba de manera espontánea. Después de un par de horas tuve que irme pues tenía una invitación a desayunar y debía volver a mi habitación. Quedé intrigado preguntándome a que hora terminaría aquella oración. Al día siguiente, me despertaron los pasos firmes de varias personas por el pasillo. Me apresuré a salir para saber qué ocurría y me encontré con que todos se dirigían al santuario. Los seguí y volví a encontrarme con miles que ya estaban orando en el lugar. Después, supe que eso ocurría todos los días, incluso los domingos.

Mi siguiente tarea fue descubrir a qué hora comenzaban. Supe que la oración estaba programada para las 5 de la mañana. Llegué unos minutos antes de esa hora y, otra vez, ya había miles orando en el lugar. Pensé que había entendido mal la hora de inicio, así que los siguientes días asistí cada vez más temprano. Pero, nunca pude llegar antes de que miles de personas estuvieran ya en oración apasionada. En visitas posteriores entendería que el sentido de puntualidad del coreano es llegar antes de la hora indicada, y eso puede significar mucho tiempo antes. No pude ver nunca el inicio de la oración y tampoco su final. Fue una lección impresionante de dedicación y  constancia a la oración. Sin duda, una de las claves que han hecho de esa iglesia un modelo para las iglesias celulares del mundo.  

Advancing the Gospel through House to House Ministry

By Mario Vega, www.elim.org.sv

When we think of a household today, we think of the nuclear family. This is the common “western” interpretation of a household. But in the New Testament, the word “Oikos” (house) was much different. The oikos also included servants and their related activities. And it was in this household  (Oikos) environment where the early church worshipped and ministered together. The “oikos” environment  had very important social implications that influenced the powerful advance of the gospel. In the “house,” people not only lived, but also carried out the transfer of knowledge and trades from parents to children. Manual labor was done, as in Simon’s house, where they worked with leather goods (Acts 10:32). In the case of farmers or ranchers, the house was the place where work was planned. In addition, the house was the place where products were sold or exchanged.

At a glance, the house was the center of family, work, educational and business life. To all this was added the Christian service. And of course, this is very different from modern life, in which each of these aspects is away from the home: work in the office, education in school, commerce in stores and worship in church. This allows a believer to lead a “divided” life with one behavior in the church building and another in the warehouses, still another in the office, and another at home. When the gospel penetrated the early church homes, it impacted the other spheres of life. Perhaps that is why Christianity advanced so strongly in the early centuries.

There is no point in trying to recreate the New Testament culture. Rather, having Christian meetings again in the home is an important step for believers to lead a more comprehensive life of faithfulness. House to house meetings contribute a lot to the advancement of the gospel in our time.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O avanço do Evangelho através do Ministério de Casa em Casa

Mario Vega, www.elim.org.sv

Atualmente, quando pensamos em uma casa ou um lar, pensamos no núcleo familiar. Esta é a interpretação “ocidental” do que seria uma casa. Mas no Novo Testamento, a palavra “Oikos” (casa) tinha um sentido bem diferente. Oikos também incluía todos os empregados e suas atividades. Era neste ambiente (Oikos) que a igreja primitiva adorava e ministrava, todos juntos. O ambiente “Oikos” tinha implicações sociais que influenciavam o forte avanço do Evangelho. Naquelas casas, as pessoas não apenas habitavam, mas também passavam o conhecimento de pais para filhos e se relacionavam. Os trabalhos manuais também eram feitos naquele mesmo local, como na casa de Simão, onde eles trabalhavam com objetos de couro (Atos 10:32). No caso de fazendas e outras propriedades rurais, a casa era o local onde todo o planejamento do trabalho era feito. Além disso, era também na casa que os produtos eram vendidos ou trocados.

É possível perceber que a casa era o centro da família, do trabalho e da vida educacional e dos negócios. O Culto Cristão era mais uma das atividades adicionadas a tudo isso. Obviamente isso é bem diferente da vida moderna, em que praticamente todas estas atividades são feitas fora da casa: o trabalho é feito no escritório; a educação é feita na escola; o comércio é feito nas lojas e o culto é feito na Igreja. Isso permite que o crente viva uma vida “dividida”, com um comportamento no prédio da Igreja e outro nas lojas, outro no escritório e ainda outro comportamento em casa. Quando o evangelho penetrou nas casas/igrejas primitivas, ele impactou as outras esferas da vida. Talvez essa seja a razão pela qual o Cristianismo avançou de forma tão forte nos primeiros séculos.

Não faz o menor sentido tentar recriar totalmente a cultura do Novo Testamento. Por outro lado, voltar a ter as reuniões cristãs nos lares é um passo importante para que os crentes vivam uma vida mais integrada com a sua fé. As reuniões “de casa em casa” contribuem muito para o avanço do Evangelho em nosso tempo.

Spanish blog:

Las reuniones en las casas y el avance del evangelio

por Mario Vega, www.elim.org.sv

La casa (oikos) en la que se realizaba el culto cristiano en el siglo primero, no era solamente la familia nuclear con la que la relacionamos en el presente. El oikos incluía también a los siervos y las actividades relacionados con ellos. Esto tenía implicaciones sociales muy importantes que incidieron en el poderoso avance del evangelio. En la casa no solo se vivía, sino que también se realizaba el traspaso de saberes y oficios de padres a hijos. Se hacía el trabajo manual, como en la casa de Simón, donde se trabajaba el cuero (Hechos 10:32). En el caso de agricultores o ganaderos, la casa era el lugar donde se planificaba el trabajo. Además, la casa era el lugar donde se vendían o intercambiaban productos.

Al dar un vistazo general, la casa era el centro de la vida familiar, laboral, educativa y comercial. A todo ello se sumó el culto cristiano. Algo muy diferente a la vida moderna cuando cada uno de esos aspectos está fuera de casa: el trabajo en la oficina, la educación en la escuela, el comercio en los almacenes y el culto en la iglesia. Eso permite que un creyente pueda llevar una vida múltiple con una conducta en el edificio de la iglesia y otra en los almacenes, todavía otra en la oficina y otra en el hogar. Cuando el evangelio se instaló en las casas, impactó las demás esferas de la vida. Tal vez por eso el cristianismo avanzó con tanta fuerza en sus primeros siglos.

No tiene sentido volver a concentrar las actividades en la casa, pero el que reuniones cristianas se realicen de nuevo en ella es un paso importante para que los creyentes puedan llevar una vida de fidelidad más integral. Eso, contribuye mucho al avance del evangelio en nuestro tiempo.