Everyone is Welcome

By Mario Vega, www.elim.org.sv

The sacred rituals within Judaism revolved around exclusion. The tabernacle and temple were designed so that people would stay outside, far away. Only the priests and those presenting an offering could approach the atrium. Only priests had access to the holy place. Only one person on the planet could enter the Holy of Holies: the high priest. To top it all, he could only do it once a year.

When Jesus died on the cross, the veil of the temple was broken (Matthew 27:51). That veil was the curtain that separated the holy place from the most holy. By severing the veil, God sent the message that anyone could now approach him. This is the message of grace. From that day on, God has no special people to be his mediators. People can go directly to him and everybody can serve him. Everybody can do the work of the ministry. Priests are no longer a chosen few who belong to the same family line. Rather, they are made up of all who have believed. We are all invited to be a community of brothers and sisters who serve one another. Above all is God, who is our loving Father.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Dê as boas-vindas a todos no serviço de Deus

Por Mario Vega,  www.elim.org.sv

Os rituais sagrados dentro do Judaísmo giravam em torno da exclusão. O tabernáculo e o templo foram projetados para que as pessoas ficassem do lado de fora, longe. Apenas os sacerdotes e aqueles que apresentavam uma oferta podiam se aproximar do átrio. Apenas os sacerdotes tinham acesso ao lugar sagrado. Apenas uma pessoa no planeta poderia entrar no Santo dos Santos: o sumo sacerdote. Para piorar, ele só podia fazer isso uma vez por ano.

Quando Jesus morreu na cruz, o véu do templo foi quebrado (Mateus 27:51). Esse véu era a cortina que separava o lugar sagrado do mais sagrado. Ao cortar o véu, Deus enviou a mensagem de que qualquer um agora poderia se aproximar dele. Esta é a mensagem da graça. Daquele dia em diante, Deus não tem pessoas especiais para serem seus mediadores. As pessoas podem ir diretamente a ele e todos podem servi-lo, todos podem fazer o trabalho do ministério. Os padres não são mais uns poucos escolhidos que pertencem à mesma linhagem familiar. Em vez disso, eles são feitos de todos os que acreditaram. Todos nós somos convidados a ser uma comunidade de irmãos e irmãs que servem uns aos outros. Acima de tudo está Deus, que é nosso Pai amoroso.

Spanish blog:

Bienvenidos todos al servicio de Dios

por Mario Vega, www.elim.org.sv

El culto dentro del judaísmo giraba alrededor de la exclusión. El tabernáculo y el templo estaban diseñados de manera que las personas se quedaran afuera, lejos. Al atrio solamente podían acercarse los sacerdotes y las personas que presentarían una ofrenda. Al lugar santo solo tenían acceso los sacerdotes. Al lugar santísimo solo podía ingresar una sola persona en el planeta: el sumo sacerdote. Para colmo, solo podía hacerlo una vez en el año.

Cuando Jesús murió en la cruz el velo del templo se rompió (Mateo 27:51). Ese velo era la cortina que separaba el lugar santo del santísimo. De esa manera, Dios envió el mensaje de que bajo la gracia el camino quedaba abierto para todo el que desee acercarse a él. A partir de ese día, Dios no tiene personas especiales para que sean sus mediadores. Las personas pueden acudir directamente a él y todas pueden servirle, todas pueden hacer la obra del ministerio. Los sacerdotes ya no son unos pocos pertenecientes a una misma familia, sino que son todos los que han creído. Todos somos invitados a ser una comunidad de hermanos que se sirven los unos a los otros, arriba solo está Dios quien es nuestro Padre.

Affectionate Expressions among Christians

By Mario Vega, www.elim.org.sv

Since the Elim Church started, it became customary to hug everyone who attends. In each service, there are people at the doors in charge of welcoming the people who enter. Part of that welcome is giving them a hug. That is not normal in Salvadorian culture and people are surprised when they go to church and some stranger hugs them. But it is a pleasant surprise that predisposes them to listen to the Word of God.

Physical contact is one of the key elements in our emotional well-being. Sadly, there are many people who do not receive hugs or who receive them very infrequently. Having this outward sign of affection becomes important to them. We call it our “hug therapy,” which is an intentional effort to restore physical and mental well-being through hugs.

It is a simple and symbolic gesture, but it is part of the community that exists between Christians and extends to the meetings in the houses. I know many people for whom that welcoming hug was an important influence in their decision to follow Jesus. Others learned to express their emotions after a cold and distant life from others. Paul and Peter insisted on the importance of being expressive in recommending that believers greet each other with a holy kiss (2 Corinthians 13:12). Something so simple can change people’s lives and introduce them to Christian fellowship.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Expressões afetuosas entre cristãos

Por Mario Vega,  www.elim.org.sv

Desde o nascimento da Igreja Elim, tornou-se costume abraçar todos os que comparecem. Em cada culto há pessoas às portas encarregadas de acolher as pessoas que entram pelas portas. Parte dessa recepção é dar-lhes um abraço. Isso não é normal na cultura salvadorenha e as pessoas se surpreendem quando vão à igreja e um estranho as abraça. Mas é uma agradável surpresa que os predispõe a ouvir a palavra de Deus.

O contato físico é um dos elementos-chave em nosso fortalecimento emocional. Infelizmente, existem muitas pessoas que não recebem abraços ou que os recebem com pouca frequência. Ter essa expressão de afeto torna-se importante para eles e, assim, praticamos nossa “terapia do abraço”, que é um esforço intencional para restaurar o bem-estar físico e mental por meio de abraços.

É um gesto simples e simbólico, mas faz parte da comunhão que existe entre os cristãos e se estende às reuniões nas casas. Conheço muitas pessoas para quem aquele abraço de boas-vindas foi uma influência importante em sua decisão de seguir Jesus. Outros aprenderam a expressar suas emoções depois de uma vida fria e distante dos outros. Paulo e Pedro insistiram na importância de serem expressivos ao recomendar que os crentes se cumprimentem com um beijo santo (2 coríntios 13:12). Algo tão simples pode mudar a vida das pessoas e introduzi-las na comunhão cristã.

Spanish blog:

Expresiones afectuosas entre los cristianos

por Mario Vega, www.celulas.org.sv

Desde que la iglesia Elim nació se hizo costumbre el abrazar a todas las personas que asisten. En cada culto hay personas en las puertas encargadas de dar la bienvenida a todos los que asisten. Parte de esa bienvenida es darles un abrazo. Eso no es usual en la cultura salvadoreña y las personas se sorprenden cuando van a la iglesia y algún desconocido les abraza. Pero es una sorpresa agradable que les predispone a escuchar la palabra de Dios.

El contacto físico es uno de los elementos claves en el fortalecimiento emotivo de las personas. Pero hay muchas personas que no reciben abrazos o que los reciben con muy poca frecuencia. El tener esa expresión de afecto se vuelve importante y en ello se basa la llamada abrazoterapia, que es un esfuerzo intencional por restablecer el bienestar físico y mental por medio de los abrazos.

Es un gesto sencillo y simbólico, pero es parte de la comunión que se vive entre los cristianos y que se extiende a las reuniones en las casas. Conozco a muchas personas para quienes ese abrazo de bienvenida fue una influencia importante en su decisión de seguir a Jesús. Otros aprendieron a expresar sus emociones después de una vida fría y distante de los demás. Pablo y Pedro insistieron en la importancia de ser expresivos al recomendar a los creyentes que se saludaran con un beso santo (2 corintios 13:12). Algo tan sencillo puede cambiar la vida de las personas e introducirlas a la comunión cristiana.

The Largest and Smallest Church

By Mario Vega, www.elim.org.sv

We first began to hear about Pastor Cho’s church in El Salvador in the mid-eighties through his books. In one of his books I read he had been introduced to one of the deacons from his church. It gave me a feeling of disappointment that a pastor did not know one of the deacons in his church. It took me several years to come to understand the dimensions of Yoido’s church, which, by that time, had reached half a million members. Sure, it is not easy to get to know all the members when the church is the size of a city.

But, as in any city, people can fall into a feeling of anonymity—just one of the thousands joining worship activities. When thousands attend worship, it might take years before the congregation notices the existence of a new member. But, in a cell church, things are different. No person goes unnoticed because new people are quickly invited to a meeting in a house. The fact that the cell meetings have limited attendance allows the participants to develop a true fellowship with each other. The bonds of love are strengthened, and people live their faith while being discipled. Cell churches can grow large while at the remaining very small (two sides of the same coin).

On another occasion, I was able to read from an interview with Pastor Cho about whether it was true that his church was the largest church in the world. He replied that his church was the largest but at the same time the smallest. He later clarified that it was the largest when they met in the Yoido district building, but it was the smallest when they met in the houses. What a great truth!

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

A maior e menor igreja

Mario Vega, www.elim.org.sv

A primeira vez que ouvimos falar sobre a igreja do Pastor Cho aqui em El Salvador foi em meados dos anos 80, através de seus livros. Em um deles, li sobre quando ele foi apresentado a um dos diáconos de sua igreja. Me senti inicialmente desapontado pelo fato de que um pastor não conhecesse um dos diáconos de sua igreja. Demorei alguns anos para entender o tamanho da Igreja Yoido, que àquela época tinha atingido meio milhão de membros. Realmente não é nada fácil conhecer todos os membros quando a igreja é do tamanho de uma cidade.

Mas assim como acontece em uma cidade, as pessoas podem ter uma sensação de anonimato – apenas um em milhares de outras pessoas que se unem nas atividades de culto. Quando milhares estão congregados, pode demorar anos até que a congregação note a existência de um novo membro. Mas em uma igreja celular, as coisas são diferentes. Ninguém passa despercebido porque as pessoas são imediatamente convidadas a participar de uma reunião em um dos lares. O fato de que as reuniões das células tem uma quantidade máxima de pessoas permite que os participantes desenvolvam uma comunhão verdadeira uns com os outros. Os laços de amor são fortalecidos e as pessoas vivem a sua fé enquanto são discipuladas. As igrejas celulares podem crescer e ao mesmo tempo permanecer muito pequenas (duas faces da mesma moeda)

Em outra ocasião, eu tive a oportunidade de ler uma entrevista com o Pastor Cho, onde ele foi perguntado se sua igreja era a maior igreja do mundo. Ele respondeu que sua igreja era a maior, mas ao mesmo tempo, a menor. Ele explicou que era a maior quando se reunia no prédio principal em Yoido, mas era a menor quando eles se reuniam nas casas. Que verdade maravilhosa!

Spanish blog:

La iglesia más grande y la más pequeña

por Mario Vega, www.elim.org.sv

Cuando se comenzó a escuchar de la iglesia del pastor Cho en El Salvador, a mediados de los años ochenta, leí en uno de sus libros que comentaba la ocasión cuando le habían presentado a uno de los diáconos de su iglesia. Me causó una sensación de desencanto el que un pastor no conociera a uno de los diáconos de su iglesia. Me tomó varios años llegar a comprender las dimensiones de la iglesia de Yoido que, en ese tiempo, había alcanzado el medio millón de miembros. Claro, no es fácil conocer a todos los miembros cuando la iglesia tiene el tamaño de una ciudad.

Pero, como en toda ciudad, las personas pueden caer en una sensación de anonimato. Ser uno de millares que se suman a las actividades de culto. Pensar que pasarán años antes que la congregación note la existencia de un nuevo miembro. Pero, en una iglesia celular, las cosas son diferentes. Ninguna persona podría pasar desapercibida y pronto sería invitada a una reunión en una casa. El hecho de que las reuniones de células tienen una asistencia limitada permite que los participantes puedan desarrollar una verdadera comunión entre ellos. Los lazos de amor se fortalecen y las personas viven su fe mientras son discipulados. Ese es el otro lado de la moneda en una iglesia celular.

En otra ocasión, pude leer de una entrevista que le hicieron al pastor Cho sobre si era cierto que la suya era la iglesia más grande del mundo. El respondió que su iglesia era la más grande, pero al mismo tiempo la más pequeña. Luego aclaró que era la más grande cuando se reunían en el edificio del distrito de Yoido, pero era la más pequeña cuando se reunían en las casas. ¡Qué gran verdad la que dijo!

Communion among the first believers

By Mario Vega, www.elim.org.sv

The early Christians celebrated the Lord’s Supper differently than we do today. They did not perform it in a religious meeting place but in the houses where they lived. They did not have a liturgical program to celebrate the Lord’s Supper. Rather, it was something more spontaneous which took place at the end of a communal meal in which the believers shared their food with each other. The Lord’s Supper was the culmination of a meeting in which fellowship was the main element.

To this, Paul’s gives an important exhortation. He said to the Corinthian church,

But in the following instructions, I do not commend you, because when you come together it is not for the better but for the worse. For, in the first place, when you assemble as a church, I hear that there are divisions among you; and I partly believe it, for there must be factions among you in order that those who are genuine among you may be recognized. When you meet together, it is not the Lord’s supper that you eat. For in eating, each one goes ahead with his own meal, and one is hungry and another is drunk. What! Do you not have houses to eat and drink in? Or do you despise the church of God and humiliate those who have nothing? What shall I say to you? Shall I commend you in this? No, I will not” (1 Corinthians 11: 17-22).

For the apostle, the Lord’s Supper was as important as the communion between those who celebrated it. Hence his exhortation was not to despise the poor who could not bring expensive food to the meeting. Among them there were surely some slaves who sat next to wealthy members. The gospel had brought them together at the same table and the proper atmosphere to remind them of what the Lord had done for them. Thus, without unity, they were not really celebrating the Lord’s Supper.

Our house meetings will only be the Lord’s church when there is a complete community among those attending, regardless of their economic and social condition.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Comunhão entre os primeiros crentes

Mario Vega, www.elim.org.sv

Os Cristãos primitivos celebravam a Ceia do Senhor de uma maneira diferente do que fazemos hoje. Eles não celebravam em um local de reuniões religiosas, mas nas casas onde moravam. Não havia um programa litúrgico para a celebração. Ao invés disso, era algo espontâneo que acontecia ao final de uma refeição comunitária na qual os crentes compartilhavam seu alimento uns com os outros. A Ceia do Senhor era o ápice de um encontro onde a comunhão era o principal elemento.

A respeito disso, Paulo faz uma importante exortação. Ele falou assim à igreja em Corinto:

Nisto, porém, que vos prescrevo, não vos louvo, porquanto vos ajuntais não para melhor, e sim para pior. Porque, antes de tudo, estou informado haver divisões entre vós quando vos reunis na igreja; e eu, em parte, o creio. Porque até mesmo importa que haja partidos entre vós, para que também os aprovados se tornem conhecidos em vosso meio. Quando, pois, vos reunis no mesmo lugar, não é a ceia do Senhor que comeis. Porque, ao comerdes, cada um toma, antecipadamente, a sua própria ceia; e há quem tenha fome, ao passo que há também quem se embriague. Não tendes, porventura, casas onde comer e beber? Ou menosprezais a igreja de Deus e envergonhais os que nada têm? Que vos direi? Louvar-vos-ei? Nisto, certamente, não vos louvo. (1 Coríntios 11:17-22)

Para o Apóstolo, a Ceia do Senhor era tão importante quanto a comunhão entre aqueles que a celebravam. Exatamente por esta razão ele os exortou a não desprezar os pobres que não podiam trazer comidas caras ou sofisticadas para o encontro. Entre aquelas pessoas certamente havia escravos assentados ao lado de pessoas prósperas. O evangelho havia aproximado estas pessoas e as colocado juntas à mesa, estabelecendo a atmosfera adequada para que lembrassem do que o Senhor havia feito por todos. Assim é que, sem unidade, na prática eles não estavam celebrando a Ceia do Senhor.

Nossas reuniões nos lares somente serão a Igreja do Senhor quando houver completa comunhão entre todos que lá estiverem, independentemente de suas condições sociais e econômicas.

Spanish blog:

La comunión entre los primeros creyentes

por Mario Vega, www.celulas.org.sv

Los primeros cristianos celebraban la Cena del Señor de manera diferente a como lo hacemos en el presente. Ellos no la realizaban en un edificio de culto sino en las casas donde vivían. No tenían un programa litúrgico para su realización, sino que era algo más espontáneo: al final de una comida comunitaria en la que los creyentes compartían sus alimentos los unos con los otros. La Cena del Señor era la culminación de una reunión en la que la fraternidad era el elemento principal.

A eso responden los llamados de atención de Pablo: «Pero al anunciaros esto que sigue, no os alabo; porque no os congregáis para lo mejor, sino para lo peor.  Pues en primer lugar, cuando os reunís como iglesia, oigo que hay entre vosotros divisiones; y en parte lo creo. Porque es preciso que entre vosotros haya disensiones, para que se hagan manifiestos entre vosotros los que son aprobados. Cuando, pues, os reunís vosotros, esto no es comer la cena del Señor. Porque al comer, cada uno se adelanta a tomar su propia cena; y uno tiene hambre, y otro se embriaga. Pues qué, ¿no tenéis casas en que comáis y bebáis? ¿O menospreciáis la iglesia de Dios, y avergonzáis a los que no tienen nada? ¿Qué os diré? ¿Os alabaré? En esto no os alabo» (1 Corintios 11:17-22).

Para el apóstol la Cena del Señor era tan importante como la comunión entre los que la celebraban. De allí su exhortación para no despreciar a los pobres que no podían llevar comida cara a la reunión. Entre ellos de seguro había algunos esclavos que se sentaban al lado de miembros ricos. El evangelio los había reunido en la misma mesa y la atmósfera apropiada para recordar a su Señor debía ser en una completa hermandad. Sin ella ya no era comer la Cena del Señor. Nuestras reuniones en las casas solo serán iglesia del Señor cuando exista una comunidad completa entre los asistentes, sin importar su condición económica y social.

The End of the Pandemic is Near

By Mario Vega, www.elim.org.sv

Israel is the country that has vaccinated the most people per capita in the world. Mass vaccination has proven to be effective in stopping infections, reducing hospitalizations and preventing deaths from COVID. Shopping centers, markets, theaters and synagogues are now open to the public. The Israeli experience is the clearest evidence that the virus can be defeated, and life can return to normal as we lived before the pandemic.

The hope of a return to normalcy raises expectation for the Christ’s church to fully engage in the Great Commission. The pandemic demonstrated, more than ever, the importance of home evangelism. Of course, the cell church movement always focused on house to house evangelism and believed it was clearly taught in Scripture. However, today many additional churches have seen the necessity of decentralization and house to house ministry.

What we have learned during this pandemic must give us new strength to complete the task of making disciples to expand the kingdom of God on earth. The cells will bring the guests back to the church building, the services will fill up again, and the postponed projects will be resumed with joy. Better times are approaching for Christ’s Church in the 21st century, a church that is steadily moving towards the cell church model.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O Fim da Pandemia Está Próximo

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

Israel é o país que mais vacinou per capita no mundo. A vacinação em massa tem se mostrado eficaz para interromper infecções, reduzir hospitalizações e prevenir mortes por COVID. Shopping centers, mercados, teatros e sinagogas agora estão abertos ao público. A experiência israelense é a evidência mais clara de que o vírus pode ser derrotado e a vida pode voltar ao normal como vivíamos antes da pandemia.

A esperança de um retorno à normalidade aumenta a expectativa de que a igreja de Cristo se envolva totalmente na Grande Comissão. A pandemia demonstrou, mais do que nunca, a importância do evangelismo no lar. Claro, o movimento da igreja em células sempre focou no evangelismo de casa em casa e acreditava que isso era claramente ensinado nas Escrituras. No entanto, hoje muitas igrejas adicionais têm visto a necessidade de descentralização e ministério de casa em casa.

O que aprendemos durante esta pandemia deve nos dar uma nova força para completar a tarefa de fazer discípulos para expandir o reino de Deus na terra. As células trarão os convidados de volta ao prédio da igreja, os cultos se encherão novamente e os projetos adiados serão retomados com alegria. Tempos melhores se aproximam para a Igreja de Cristo no século 21, uma igreja que está se movendo continuamente em direção ao modelo de igreja em células.

Spanish blog:

El fin de la pandemia se acerca

por Mario Vega, www.elim.org.sv

Israel es el país que más personas ha vacunado per cápita en el mundo. La vacunación masiva ha demostrado ser efectiva para detener los contagios, reducir las hospitalizaciones y evitar las muertas por COVID. Los centros comerciales, mercados, teatros y sinagogas ya están abiertas al público. La experiencia israelí es la más clara evidencia de que el virus puede ser derrotado y la vida puede volver a la normalidad, tal como la vivimos antes de la pandemia.

La esperanza de una vuelta a la normalidad plantea para la iglesia una renovada voluntad de continuar con la Gran Comisión. La pandemia demostró, más que nunca, la importancia de la evangelización en las casas. Era algo que ya se sabía por las Escrituras y por la experiencia de iglesias celulares ejemplares, pero hoy ha sido la vivencia de muchas iglesias durante el confinamiento. La lección debe apreciarse y asumir con nuevas fuerzas la tarea de hacer discípulos para expandir el reino de Dios sobre la tierra. Las células volverán a traer a los invitados al edificio de la iglesia, los cultos volverán a llenarse y los proyectos pospuestos serán retomados con alegría. Se acercan tiempos mejores para la iglesia del Señor del siglo XXI, una iglesia que camina decididamente hacia el modelo celular.