The myth of growth as the motivation for cell ministry

By Mario Vega, www.elim.org.sv

Myth: The most important thing about cell work is multiplication and growth.

Truth: The fundamental emphasis of cell work is to make disciples. Multiplication is something that happens as a consequence of the above. Therefore, the emphasis should not be on growth but on how leaders are oriented to become mentors of those who will become new leaders. That is, disciples who generate other disciples.

This process involves such things as the practice of a devotional life, the care of marriage and family, holy living, service, relationships with other people, and commitment to the local church. All of these things produce a healthy spiritual life. Healthy disciples who are like Jesus will eventually eventually multiply their groups.

So, the focus should be on those aspects of quality and not on quantity. Only when growth is based on discipleship can it be a sustained advance. When the emphasis is only on growth, there will soon be problems and set-backs. It will be like bubbles that grow and pop–something temporary. But growth based on discipleship is one that remains; it is the one that has sustained the church for two thousand years.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O Mito do Crescimento como o Objetivo Final da Obra Celular

Por Mario Vega, www.celulas.org.sv

Mito: A coisa mais importante sobre o trabalho celular é a multiplicação e o crescimento.

Verdade: A ênfase fundamental do trabalho em células é fazer discípulos. A multiplicação é algo que acontece como consequência disso. Portanto, a ênfase não deve estar no crescimento, mas em como os líderes são orientados para se tornarem mentores daqueles que se tornarão novos líderes. Ou seja, discípulos que geram outros discípulos.

Esse processo envolve elementos como a prática de uma vida devocional, o cuidado do casamento e da família, a vida santa, o serviço, o relacionamento com outras pessoas, o compromisso com a igreja local. Esses aspectos são o que produzem uma vida espiritual saudável. A soma da saúde espiritual que molda a pessoa a ser como Jesus resultará em multiplicação. Assim, o esforço deve se concentrar nos aspectos de qualidade e não na quantidade. Somente quando o crescimento é baseado no discipulado, um avanço pode ser um sustentado. Quando a ênfase é apenas no crescimento, logo haverá regressões. Ele será como bolhas crescendo, algo temporário. Mas o crescimento baseado no discipulado é aquele que permanece; foi ele que sustentou a igreja por dois mil anos.

Spanish blog:

El mito del crecimiento como fin del trabajo celular

Por Mario Vega, www.celulas.org.sv

Mito: Lo más importante del trabajo celular es la multiplicación y el crecimiento.

Verdad: El énfasis fundamental del trabajo celular es hacer discípulos. La multiplicación es algo que ocurre como consecuencia de lo anterior. Por tanto, el énfasis no debe estar en el crecimiento sino en la manera cómo se orienta a los líderes para que se conviertan en mentores de los que llegarán a ser nuevos líderes. Es decir, discípulos que generan a otros discípulos.

Ese proceso implica elementos como la práctica de una vida devocional, el cuidado del matrimonio y la familia, la santidad, el servicio, las relaciones con otras personas, el compromiso con la iglesia local. Esos aspectos son lo que producen una vida espiritual sana. La suma de la salud espiritual más el discipulado dará como resultado la multiplicación. De manera que el esfuerzo debe enfocarse en esos aspectos de calidad y no en los de cantidad. Solo cuando el crecimiento se base en el discipulado podrá ser un avance sostenido. Cuando el énfasis solamente es en el crecimiento, pronto habrá retrocesos. Será como la espuma que crece; algo pasajero. Pero el crecimiento basado en el discipulado es uno que permanece, es el que ha sostenido a la iglesia por dos mil años.

The Myth of Leadership Removal

By Mario Vega, www.elim.org.sv

Myth: There is a set time to multiply the cell and if that doesn’t happen, it’s best to remove the leader

Truth: There are no bad leaders, there are only poorly trained  ones. When a person has difficulty multiplying his or her cell, it’s because something needs to be improved. Far from suspending the leader of his role, you must invest time to know how he is doing his job and you must be able to advise him regarding his weak spots. In cell ministry, no person should be discarded. The work of the leader is about the exercise of the universal priesthood of the believers. Consequently, no one can be excluded from such a function.

One question that is often heard in cell conferences is how much time should a leader be given to multiply his cell? Behind that question is a sharp sword ready to decapitate the leader when one mentions a deadline. But it is not about discarding any person. Jesus didn’t do this. Ministers must exercise their role of perfecting the saints for the work of the ministry (Ephesians 4: 11-12). If a saint has not yet reached the point that is expected, the counseling and mentoring work should continue. If that is done with sincerity and perseverance, the person will soon give the expected results.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O Mito da Remoção da Liderança

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

Mito: há um tempo definido para multiplicar a célula e, se isso não acontecer, é melhor remover o líder.

Verdade: Não há líderes ruins, existem apenas os mal treinados. Quando uma pessoa tem dificuldade em multiplicar sua célula, é porque algo precisa ser melhorado. Longe de suspender o líder de seu papel, você deve investir tempo para saber como ele está fazendo o seu trabalho e você deve ser capaz de aconselhá-lo sobre seus pontos fracos. No ministério celular, nenhuma pessoa deve ser descartada. O trabalho do líder trata-se do exercício do sacerdócio universal dos crentes. Consequentemente, ninguém pode ser excluído de tal função.

Uma questão que muitas vezes é ouvida em conferências de células é: quanto tempo um líder deve ter para multiplicar sua célula? Por trás dessa pergunta está uma espada afiada pronta para decapitar o líder quando se menciona um prazo. Mas não se trata de descartar qualquer pessoa. Jesus não fez isso. Os ministros devem exercer seu papel de aperfeiçoar os santos para a obra do ministério (Efésios 4:11-12). Se um santo ainda não atingiu o ponto esperado, o trabalho de aconselhamento e orientação deve continuar. Se isso for feito com sinceridade e perseverança, a pessoa logo dará os resultados esperados.

Spanish blog:

El mito del líder ineficiente

Por Mario Vega, www.celulas.org.sv

Mito: Hay un tiempo establecido para multiplicar la célula y los líderes que no lo logran deben ser removidos.

Verdad: No existen los malos líderes, solamente hay líderes mal entrenados. Cuando una persona tiene dificultades para multiplicar su célula es porque algo necesita ser mejorado. Lejos de suspender al líder de su rol se debe invertir tiempo para conocer la manera cómo esta realizando su trabajo y poderle asesorar sobre sus puntos débiles. En el trabajo celular ninguna persona debe ser descartada. El trabajo del líder se trata del ejercicio del sacerdocio universal de los creyentes. Consecuentemente, nadie puede ser excluido de tal función.

Una pregunta que se escucha a menudo en las conferencias celulares es ¿cuánto tiempo se debe dar a un líder para que multiplique su célula? Detrás de esa pregunta hay una espada afilada lista para decapitar al líder cuando uno mencione un plazo. Pero no se trata de desechar a ninguna persona. Jesús no desechó a nadie. Los ministros deben ejercer su papel de perfeccionar a los santos para la obra del ministerio (Efesios 4:11-12). Si un santo aún no ha llegado al punto que se espera, se debe continuar la labor de asesoramiento y mentoreo. Si eso se hace con sinceridad y perseverancia, la persona pronto dará los resultados esperados.

How to Improve Your Listening Skills

By Mario Vega, www.elim.org.sv

The first condition for listening well to people is to prepare the environment. People need to build trust and the right environment to express their concerns and problems. This usually takes time. If we have only reserved a few minutes to listen, we will be anxious for people to say quickly what they want to talk about and to do it without hesitations. Our attention will not be in their stories but in what we have to do afterwards–or in their long introductory words.

The second condition is listening to what is not said in order to truly understand the person’s heart. People do not usually present their true concerns at first; they usually relate a simple problem or have trouble presenting the problem. People want to know if they can trust us, if they really matter to us, if we really take them seriously. Depending on our response to their presentation of the problem, they will go on to tell you what really concerns them. The main course always comes later.

The third condition is to have one ear on the person and the other in tune to the Holy Spirit. Counseling is not a matter of two but of three; the Holy Spirit, the counselor and the counselee. There is always a word that the Spirit wants to express to us while we listen to others. He gives us discernment and wisdom to know how to advise in the best way. Where human words end, the Spirit of God begins to show us the nature of the difficulty and the way out of it. With His help we will listen better to people and we will know how to guide them.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Como ser um bom ouvinte

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

A primeira condição para ouvir bem as pessoas é preparar o ambiente. As pessoas precisam construir confiança e o ambiente certo para expressar suas preocupações e problemas. Isso geralmente leva tempo. Se reservarmos apenas alguns minutos para ouvir, ficaremos ansiosos para que as pessoas digam rapidamente o que querem falar e façam isso sem hesitações. Nossa atenção não estará em suas histórias, mas no que temos que fazer depois ou em suas muitas palavras introdutórias desnecessárias.

A segunda condição é ouvir o que não é dito para realmente entender o coração da pessoa. As pessoas geralmente não apresentam suas verdadeiras preocupações a princípio; elas geralmente relatam um problema simples ou têm dificuldade para apresentar o verdadeiro problema. As pessoas querem saber se podem confiar em nós, se realmente importam para nós, se realmente as levarmos a sério. Dependendo da nossa resposta à sua apresentação do problema, elas vão continuar a dizer o que realmente lhes preocupa. O prato principal sempre vem depois.

A terceira condição é ter um ouvido para a pessoa e o outro para o Espírito Santo. Aconselhamento não é uma questão de dois, mas de três; o Espírito Santo, o conselheiro e o que recebe conselhos. Há sempre uma palavra que o Espírito quer expressar para nós enquanto ouvimos os outros. Ele nos dá discernimento e sabedoria para saber como aconselhar da melhor maneira. Onde as palavras humanas terminam, o Espírito de Deus começa a nos mostrar a natureza da dificuldade e a saída para ela. Com a ajuda dEle, ouviremos melhor as pessoas e saberemos como guiá-las.

Spanish blog:

Tres condiciones para escuchar bien

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

La primera condición para escuchar a las personas es designar el tiempo adecuado. Las personas necesitan construir confianza y el ambiente propicio para expresar sus preocupaciones y problemas. Esto suele tomar tiempo. Si solamente hemos reservado unos minutos para escuchar estaremos ansiosos porque las personas digan rápido lo que desean conversar y que lo hagan sin rodeos. Nuestra atención no estará en sus relatos sino en lo que debemos hacer después o en lo innecesario de tantas palabras introductorias.

La segunda condición es saber diferenciar el problema de presentación del problema real. Las personas no suelen presentar sus verdaderas preocupaciones al primer momento, suelen relatar un problema sencillo o de presentación. Las personas desean saber si pueden confiar en nosotros, si realmente nos importan, si en verdad les tomamos en serio. Dependiendo cuál sea nuestra respuesta a su problema de presentación ellos pasarán a contar lo que verdaderamente les preocupa. El plato fuerte siempre viene después.

La tercera condición es tener un oído para la persona y el otro para el Espíritu Santo. La consejería no es un asunto de dos sino de tres. El Espíritu Santo, el consejero y el aconsejado. Siempre hay una palabra que el Espíritu desea expresarnos mientras oímos a los demás. Él nos da discernimiento y sabiduría para saber aconsejar de la mejor manera. Donde las palabras humanas terminan, el Espíritu de Dios comienza a mostrarnos la naturaleza de la dificultad y el camino de salida. Con su ayuda escucharemos mejor a las personas y sabremos orientarles.

The healing power of listening

By Mario Vega, www.elim.org.sv v

In the JCG blogs, we’ve learned a lot about the importance of listening and learning how to listen. I have another story to tell. This happened when I was just beginning in the ministry. I was single and a very young pastor. One day one of the most faithful among the young ladies of the church came to talk with me. She began telling me how she had been sexually abused as a child. When I heard the nature of her problem, it really impacted me. It was the first time I had listened to an abuse victim.

While she continued her story I was very worried because I knew that at some point she would ask for my advice and counseling. The problem was that I did not know how to help her. It was the first time in my life that I had a case like this before me. At one point in her story she broke down in tears. That worried me even more, because I wanted to help her, but I did not know how. She continued her story, and I knew that she was about to finish and I would have to give her my advice, but I did not know how.

She finished her story, dried her tears with a handkerchief and then said: “Thank you very much for listening to me. I feel better already; I thank you for giving me your attention. I needed someone to hear me. God bless you.” Then, she got up with a smile and said goodbye to me. I was surprised not only by the drama of her story but also by the great benefit she had received by the simple act of having someone listen to her. The entire time she was talking I had not interrupted her. Often the best way we can counsel people is by diligent listening.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O Poder Curativo de Escutar

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

Nos blogs do JCG, aprendemos muito sobre a importância de ouvir e aprender a ouvir. Eu tenho outra história para contar. Isso aconteceu quando eu estava apenas começando no ministério. Eu era solteiro e um pastor muito jovem. Um dia uma das mais fiéis entre as moças da igreja veio falar comigo. Ela começou a me contar como foi abusada sexualmente quando criança. Quando ouvi a natureza do seu problema, isso realmente me impactou. Foi a primeira vez que ouvi uma vítima de abuso.

Enquanto ela continuava sua história, eu estava muito preocupado porque sabia que em algum momento ela pediria meu conselho e aconselhamento. O problema era que eu não sabia como ajudá-la. Foi a primeira vez na minha vida que tive um caso como este diante de mim. Em um ponto de sua história, ela desmoronou em lágrimas. Isso me preocupou ainda mais, porque eu queria ajudá-la, mas não sabia como. Ela continuou sua história, e eu sabia que ela estava prestes a terminar e eu teria que dar-lhe o meu conselho, mas eu não sabia como.

Ela terminou sua história, secou as lágrimas com um lenço e disse: “Muito obrigado por me ouvir. Já me sinto melhor; Eu agradeço por me dar sua atenção. Eu precisava de alguém para me ouvir. Deus te abençoe”. Então, ela se levantou com um sorriso e disse adeus para mim. Fiquei surpreso não só pelo drama de sua história, mas também pelo grande benefício que ela recebera pelo simples ato de ter alguém que a ouvisse. O tempo todo em que ela estava falando eu não a interrompi. Muitas vezes, a melhor maneira de aconselhar as pessoas é ouvindo atentamente.

Spanish blog:

El poder sanador de escuchar

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

En este blog se han relatado varios casos en los cuales se ha destacado la importancia de saber escuchar. Pero para reafirmar esa importancia, tengo una historia más que relatar. Esto ocurrió cuando apenas iniciaba el ministerio. Yo era un pastor muy joven y soltero. Un día llegó a platicar conmigo una de las señoras jóvenes más fieles de la iglesia. Ella comenzó a relatarme la manera en que había sido abusada sexualmente cuando era niña. Cuando escuché la naturaleza de su problema me causó un impacto. Era la primera vez que escuchaba a una víctima de abuso.

Mientras ella continuaba su relato yo estaba muy preocupado porque sabía que en algún momento ella me pediría mi consejo y asesoría. El problema era que yo no sabía cómo ayudarla. Era primera vez en mi vida que tenía uno de esos casos frente a mí. En un momento de su relato ella rompió en llanto. Eso me preocupó aún más, pues deseaba ayudarla, pero no sabía cómo. Ella continuó su relato hasta llegar al momento en que nos encontrábamos. Sabía que ella estaba por terminar y yo tendría que darle mi asesoramiento, pero no sabía cómo.

Ella finalizó su relato, secó sus lágrimas con un pañuelo y luego me dijo:

¾ Muchas gracias por haberme escuchado. Ya me siento mejor, le agradezco haberme dado su atención. Necesitaba que alguien me oyera. Dios le bendiga¾

Luego, se levantó con una sonrisa y se despidió de mí. Yo me quedé sorprendido no solamente por el drama de su historia sino también por el gran beneficio que ella había recibido solamente por haber sido escuchada. Solo agrego que todo el tiempo que ella estuvo hablando nunca la interrumpí. No dije ninguna palabra en realidad. Solamente la escuché.

What King David Can Teach Us About Listening

By Mario Vega, www.elim.org.sv

In the second book of Samuel, chapter 14, we read a story narrated by a woman who went looking for King David. She came with the purpose of presenting herself as a struggling mother who needed the king’s favor. In the story we see several elements that made David the most beloved king of Israel. All of them have to do with his ability to listen:

First, you can see King David’s willingness to even talk to a widowed and poor woman. At a time when kings did not spend time listening to people, we see the king’s disposition to care for a person of no political importance and for a purely domestic reason.

Second, David showed patience to hear the woman’s full story. He did not interrupt her but waited for her to finish setting out her problem and her concerns.

Third, he not only listened to her but then carefully considered the widow’s problem and even promised her that he would take care of it.

Fourth, although David had already given an answer to the woman, she came back to her problem two more times. Although she was repeating the same thing, David had the patience to listen to the insistent widow.

Fifth, David’s listening was not superficial because he was able to perceive that behind this woman’s problem was Joab. Being a good listener allows us to be more insightful in guiding people and helping them in their needs.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O que o Rei Davi Pode nos Ensinar Sobre Ouvir

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

No segundo livro de Samuel, capítulo 14, lemos uma história narrada por uma mulher que foi à procura do rei Davi. Ela veio com o propósito de se apresentar como uma mãe com dificuldades que precisava do favor do rei. Na história, vemos vários elementos que fizeram de Davi o mais amado rei de Israel. Todos eles têm a ver com sua capacidade de ouvir:
 
Primeiro, você pode ver a vontade do rei Davi de conversar com uma mulher viúva e pobre. Numa época em que os reis não passavam tempo ouvindo as pessoas, vemos a disposição do rei de cuidar de uma pessoa sem importância política e por uma razão puramente doméstica.
 
Em segundo lugar, David mostrou paciência para escutar a história completa da mulher. Ele não a interrompeu, mas esperou que ela terminasse de expor seu problema e suas preocupações.
 
Terceiro, ele não apenas a ouviu, mas depois analisou cuidadosamente o problema da viúva e até prometeu que cuidaria disso.
 
Quarto, embora David já tivesse dado uma resposta à mulher, ela voltou ao problema mais duas vezes. Embora estivesse repetindo a mesma coisa, David teve a paciência de ouvir a insistente viúva.

Em quinto lugar, a audição de David não foi superficial porque ele foi capaz de perceber que por trás do problema dessa mulher estava Joabe. Ser um bom ouvinte nos permite ser mais perspicazes em orientar as pessoas e ajudá-las em suas necessidades.

Spanish blog:

El arte de escuchar de David

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

En el libro segundo de Samuel, en el capítulo 14, se nos narra una historia de una mujer que fue a buscar al rey David. Ella llegó con el propósito de presentarse como una madre en dificultades que necesitaba el favor del rey. En el relato podemos identificar varios elementos que hicieron de David el rey más amado de Israel. Todos ellos tienen que ver con su capacidad de escuchar:

Primero, se puede ver la disposición del rey David a atender a una mujer viuda y pobre. En un tiempo cuando los reyes no dedicaban tiempo a escuchar a las personas, vemos la disposición del rey a atender a una persona sin mayor importancia política y por un caso puramente doméstico.

Segundo, David mostró paciencia para escuchar la historia completa de la mujer. No la interrumpió sino que esperó que ella terminara la exposición de su problema y sus preocupaciones.

Tercero, no solo la escuchó sino que tomó para sí el problema de la viuda y le prometió que él se encargaría de resolverlo.

Cuarto, aunque David ya había dado una respuesta a la mujer, ella volvió sobre su problema dos veces más. Aunque ella estaba repitiendo lo mismo, David tuvo la paciencia para escuchar a la insistente viuda.

Quinto, el escuchar de David no solamente fue superficial. Él fue capaz de percibir que detrás del problema de esta mujer se encontraba Joab. Y, efectivamente, así era. El ser un buen oyente nos permite ser más perspicaces al guiar a las personas y ayudarles en sus necesidades.