The Spirit Creates 

coaches_scottBoren

 

By Scott Boren, The Center for Community and Mission  (www.scottboren.blogspot.com) , Twitter@mscottboren

Where the Spirit of the Lord resides, there is freedom. There is no one way to do church. There is no one way to do small groups. Many churches have fallen into the trap of thinking that they have found “the” biblical model of ministry. With this belief, they succumb to pride and judgment of others who do not follow their pattern. Yet, as soon as a church camps out in one place, it will find that the Spirit leaves. The Spirit is like the wind. He is always moving. And many times, in fact most of the time, the creative work of the Spirit arises in unexpected ways at the fringes, not the center.

Church leaders and group leaders cannot succumb to the temptation that they must figure out God’s plan from the center and give that plan to the “worker bees” at the fringes. The winds of the Spirit push people to venture into new and creative paths when people start asking new questions, face new challenges, and have the freedom to explore generative options. When the Spirit comes, he comes with his wisdom, the gift of applying truth to unique situations and there is no way that the designated leaders can come up with all of the right plans. The way the Spirit wants to move depends upon the gifts, strengths, and skills that everyone brings to the table. In other words, the way that God wants to move in our groups, in our homes, workplaces and neighborhoods will generate through the prayerful creativity of the people in the group. We don’t need experts to provide magical solutions.

Of course this is risky. Most of us would rather have a clear-cut plan provided by the experts. But the best way for a group to serve one another is to let the group talk about it and come up with ideas. The best way to learn to pray together is for the group to contribute different ways of praying. And the best way to reach our friends is to collaborate about ways to build relationships so that they might see Jesus through the group. The Spirit is alive in the group and the Spirit can give us creative ways to manifest his love.

I remember going to dances as a kid and being embarrassed by my two left feet. I would lean up against the wall with the other non-dancers and look smugly upon the risk-takers on the floor, secretly wishing I could share in the fun. The words we spoke to one another were often critical of those dancing. We did not like the fact that they were enjoying themselves.

When I finally learned to dance, my two left feet did not suddenly change. I was, and still am, an awkward dancing partner. The only way I was able to learn was to admit that I did not know how to dance and get out there and try, following the lead of someone who knew the dance steps. Even more than learning the steps, I had to learn to loosen up, to let my body move with the music, following its rhythms. It isn’t always pretty, but it is a lot more fun than watching others!

Making space for everyone to contribute to the creative work of the Spirit is risky, and it is not always pretty. In fact, creativity is usually messy and unpredictable. It’s a bit like the wind, a common biblical metaphor for the Spirit.  However, if we take the risk and learn to offer our ideas to one another, knowing that some ideas are better than others, we might be surprised at the organic, spontaneous life that arises.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O Espírito Cria

Por Scott Boren, The Center for Community and Mission (www.scottboren.blogspot.com) , Twitter@mscottboren

Onde o Espírito do Senhor reside, há liberdade. Não há uma maneira única de conduzir a igreja. Não há uma maneira única de conduzir os pequenos grupos. Muitas igrejas caíram na armadilha de pensar que encontraram “o” modelo bíblico de ministério. Com esta crença, eles sucumbem ao orgulho e ao julgamento de outros que não seguem seu padrão. No entanto, assim que uma igreja montar acampamento em um único lugar, ela descobrirá que o Espírito partiu. O Espírito é como o vento. Ele está sempre se movendo. E muitas vezes, de fato na maioria das vezes, a obra criadora do Espírito surge de maneiras inesperadas nas margens, não no centro.

Líderes da igreja e líderes de células não podem sucumbir à tentação de achar que devem descobrir o plano de Deus a partir do centro e dar esse plano para as “abelhas operárias” nas margens. Os ventos do Espírito levam as pessoas a se aventurarem em caminhos novos e criativos quando as elas começam a fazer novas perguntas, enfrentam novos desafios e têm a liberdade de explorar opções geradoras. Quando o Espírito vem, ele vem com sua sabedoria, o dom de aplicar a verdade à situações únicas e de forma alguma os líderes designados podem aparecer com todos os planos certos. A maneira como o Espírito quer se mover depende dos dons, forças e habilidades que todos trazem à mesa. Em outras palavras, a maneira que Deus quer mover em nossos grupos, em nossos lares, locais de trabalho e bairros vai ser gerada através da criatividade cheia de oração das pessoas da célula. Não precisamos de especialistas para fornecer soluções mágicas.

Claro que isso é arriscado. A maioria de nós prefere ter um plano bem definido fornecido por especialistas. Mas a melhor maneira das pessoas de um grupo servirem uns aos outros é deixar o grupo falar sobre isso e propor idéias. A melhor forma de aprenderem a orar juntos é o grupo contribuir com diferentes formas de oração. E a melhor maneira de alcançar nossos amigos é colaborar com maneiras de construir relacionamentos para que eles possam ver Jesus através do grupo. O Espírito está vivo no grupo e Ele pode nos dar maneiras criativas de manifestar seu amor.

Eu me lembro de ir dançar quando era jovem e ficar envergonhado pelos meus “dois pés esquerdos”. Eu encostava na parede com os outros que também não sabiam dançar e olhava presunçosamente para as pessoas que assumiam risco na pista, desejando secretamente poder participar da diversão. As palavras que falávamos uns aos outros eram muitas vezes críticas àqueles que dançavam. Nós não gostávamos do fato de que eles estavam se divertindo.

Quando eu finalmente aprendi a dançar, meus dois pés esquerdos não mudaram de repente. Eu era, e ainda sou, um parceiro de dança esquisito. A única maneira pela qual eu pude aprender a dançar foi admitindo que eu não sabia dançar, ir lá e tentar, seguindo a liderança de alguém que conhecia os passos de dança. Mais do que aprender os passos, eu tive que aprender a relaxar, deixar meu corpo se mover com a música, seguindo seus ritmos. Não é sempre bonito, mas é muito mais divertido do que ficar prestando atenção em outras pessoas!

Dar espaço para que todos contribuam para o trabalho criativo do Espírito é arriscado e nem sempre é bonito. Na verdade, a criatividade é geralmente confusa e imprevisível. É um pouco como o vento, uma metáfora bíblica comum para o Espírito. No entanto, se assumimos o risco e aprendemos a oferecer nossas idéias uns aos outros, sabendo que algumas idéias são melhores do que outras, podemos nos surpreender com a vida orgânica e espontânea que surge.

Spanish blog: 

El Espíritu crea

Por Scott Boren, Centro para la Comunidad y Misión (www.scottboren.blogspot.com), Twitter @ mscottboren

Donde está el Espíritu del Señor, hay libertad. No hay una sola manera de hacer la iglesia. No hay una manera de hacer pequeños grupos. Muchas iglesias han caído en la trampa de pensar que han encontrado “el” modelo bíblico del ministerio. Con esta creencia, sucumben al orgullo y al juicio de otros que no siguen su modelo. Sin embargo, tan pronto como una iglesia se acampa en un lugar, encontrará que el Espíritu se va. El Espíritu es como el viento. Siempre se está moviendo. Y muchas veces, de hecho, la mayor parte del tiempo, la obra creativa del Espíritu surge de maneras inesperadas en las franjas, no en el centro.

Los líderes de la iglesia y los líderes de grupo no pueden sucumbir a la tentación de que deben calcular el plan de Dios desde el centro y dar ese plan a las “abejas obreras” en las franjas. Los vientos del Espíritu empujan a la gente a aventurarse en caminos nuevos y creativos cuando la gente comienza a hacer nuevas preguntas, enfrenta nuevos desafíos y tiene la libertad de explorar opciones generativas. Cuando viene el Espíritu, viene con su sabiduría, el don de aplicar la verdad a situaciones únicas y no hay manera de que los líderes designados puedan tener todos los planes correctos. La manera en que el Espíritu quiere moverse depende de los dones, fortalezas y habilidades que todos traen a la mesa. En otras palabras, la forma en que Dios quiere moverse en nuestros grupos, en nuestros hogares, lugares de trabajo y vecindarios se generará a través de la creatividad orante de las personas en el grupo. No necesitamos expertos para ofrecer soluciones mágicas.

Por supuesto esto es arriesgado. La mayoría de nosotros preferiría tener un plan claro proporcionado por los expertos. Pero la mejor manera de que un grupo se sirva el uno al otro es dejando que el grupo hable de ello y proponga ideas. La mejor manera de aprender a orar juntos es que el grupo aporte diferentes formas de orar. Y la mejor manera de llegar a nuestros amigos es colaborar sobre maneras de construir relaciones para que puedan ver a Jesús a través del grupo. El Espíritu está vivo en el grupo y el Espíritu puede darnos maneras creativas de manifestar su amor.

Recuerdo ir a bailar como un niño y ser avergonzado por mis dos pies izquierdos. Me inclinaba contra la pared con los otros no bailarines y miraba con presunción a los arriesgados, secretamente deseando poder compartir la diversión. Las palabras que nos hablábamos eran a menudo críticas de los bailarines. No nos gustó el hecho de que estaban disfrutando.

Cuando finalmente aprendí a bailar, mis dos pies izquierdos no cambiaron repentinamente. Yo era, y todavía soy, un compañero de baile incómodo. La única manera que pude aprender fue admitir que no sabía bailar, salir y probar, siguiendo el ejemplo de alguien que conocía los pasos de la danza. Incluso más que aprender los pasos, tuve que aprender a aflojar, a dejar que mi cuerpo se mueva con la música, siguiendo sus ritmos. No siempre es bonito, pero es mucho más divertido que ver a los demás.

Hacer espacio para que todos contribuyan al trabajo creativo del Espíritu es arriesgado, y no siempre es bonito. De hecho, la creatividad suele ser desordenada e impredecible. Es un poco como el viento, una metáfora bíblica común para el Espíritu. Sin embargo, si tomamos el riesgo y aprendemos a ofrecer nuestras ideas el uno al otro, sabiendo que algunas ideas son mejores que otras, nos sorprendería la vida orgánica, espontánea que surge.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *