The Cell Church Philosophy

coach_mario2016speaking

By Mario Vega, www.elim.org.sv

In contrast to traditional churches where believers have a passive and consumer role, cell churches are committed to helping each member become actively involved  both the cell and the celebration. The believer is seen as one who should take care of his brothers and dedicates himself to encourage them by his example so that they take on leading roles. The nature of the cell church is that everyone participates. Each one develops his or her own gift for the edification of the body. So being a cell church implies an essential change in the philosophy of how one understands being a church and the role that corresponds to each believer. In essence, it is the transition from a priestly system to an evangelical one. That is, to move from a theological model where the pastor is a mediator between God and the congregation to a model in which each person goes directly to God without the need of a mediator and sees himself responsible for caring for his brothers.

The issue is not only about adopting a working methodology with cells but to make a change of mentality regarding how the church is understood and the role of each one of the members. The change should not only take place in the pastor but also in the congregation.  The pastor needs to formulate the  values, open spaces of participation, delegate to others, and then encourage those who are already ministering.  As the pastor succeeds in transferring the new philosophy to his members, he will succeed in multiplying disciples who assume leadership responsibilities.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

A Filosofia da Igreja em Células

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

Em contraste com as igrejas tradicionais onde os crentes têm um papel passivo e consumidor, as igrejas em células estão empenhadas em ajudar cada membro a se envolver ativamente tanto na célula como no culto de celebração. O crente é visto como alguém que deve cuidar de seus irmãos e se dedica a incentivá-los pelo seu exemplo para que assumam papéis de liderança. A natureza da igreja em células é que todos participam. Cada um desenvolve seu próprio dom para a edificação do Corpo. Portanto, ser uma igreja celular implica uma mudança essencial na filosofia de como se entende ser uma igreja e o papel que corresponde a cada crente. Em essência, é a transição de um sistema sacerdotal para um evangélico. Ou seja, passar de um modelo teológico onde o pastor é um mediador entre Deus e a congregação para um modelo em que cada pessoa vai diretamente a Deus sem a necessidade de um mediador e é ele próprio responsável por cuidar de seus irmãos.

A questão não é apenas adotar uma metodologia de trabalho com células, mas fazer uma mudança de mentalidade sobre como a igreja é compreendida e o papel de cada um dos membros. A mudança não deve acontecer apenas com o pastor, mas ele deve transfer-la para a congregação através da pregação e do ensino. O pastor precisa formular os valores, abrir espaços de participação, delegar a outros e, então, incentivar aqueles que já estão ministrando. Conforme o pastor consegue transferir a nova filosofia para seus membros, ele terá sucesso na multiplicação de discpulos que assumem responsabilidades de liderança. Trata-se de mudar a maneira como o Cristianismo é compreendido.

Spanish blog:

La filosofa de la iglesia celular

por Mario Vega, www.elim.org.sv

Contrario a las iglesias tradicionales donde los creyentes poseen un rol pasivo y de consumidores, las iglesias celulares se empeñan en que cada miembro se involucre activamente en responsabilidades tanto en la celebración como en las casas. El creyente es visto como alguien que debe tomar cuidado de sus hermanos y se decida a animarlos con su ejemplo para que asuman roles protagónicos.

La naturaleza de la iglesia celular es la de una amplia participación de sus miembros. Cada uno desarrolla su propio don para edificación del cuerpo. De manera que ser una iglesia celular implica un cambio esencial en la filosofa de cómo se entiende el ser iglesia y el papel que le corresponde a cada creyente. En el fondo, se trata del paso de un sistema sacerdotalista a uno evangélico. Es decir, pasar de un modelo teológico en donde el pastor es un mediador entre Dios y la congregación a un modelo en el cual cada persona va directamente a Dios sin necesidad de mediador y se ve responsable por cuidar de sus hermanos.

Como puede verse, el asunto no es solamente de adoptar una metodologa de trabajo con células sino de realizar un cambio de mentalidad con respecto a cómo se entiende la iglesia y el papel de cada uno de los miembros. El cambio no solamente debe darse en el pastor sino que éste debe trasladarlo a la congregación con sus enseñanzas, la formulación de valores, el abrir espacios de participación, la delegación y el ánimo a los que ya trabajan. En la medida que el pastor tenga éxito en trasladar la nueva filosofa a sus miembros, tendrá éxito en multiplicar discpulos que asuman responsabilidades de liderazgo. Es cambiar la manera cómo se entiende el cristianismo.

Leave a Reply

Your email address will not be published.